SlideShare uma empresa Scribd logo
Envelhecimento Humano:  Desafios do Mundo Atual.   Renato Veras
O mundo envelhecido
Há uma nova realidade no mundo: o homem está vivendo cada vez mais. Hoje, vivemos muito mais do que no passado.  O período da maturidade  aumentou . Por isso, é preciso manter a saúde física, intelectual e emocional para se viver esse tempo  plenamente . É necessário buscar condições para se envelhecer com bem-estar. Porque não basta viver mais, tem que se viver  melhor .
A espécie humana necessitou de milhões de anos para atingir  um bilhão de pessoas , o que teria ocorrido em 1830.  Em 1927 este número dobrou.  Em 1960 chegou aos três bilhões  de habitantes no planeta. De lá para cá, a aceleração cresceu.  Em 14 anos a marca dos quatro bilhões foi atingida ,  o quinto bilhão veio em 1987  e, 12 anos após,  em 1999, alcançamos o sexto bilhão .  Hoje são sete bilhões.   Paralelo a este incremento populacional estendeu-se a longevidade humana a limites não pensados. Milhões de anos...
A população mundial  está envelhecendo Pirâmide Populacional em    1995   e  2025 00-04 10-14 20-24 30-34 40-44 50-54 60-64 70-74 80+ Milhões  Idade HOMENS MULHERES Divisão Populacional da ONU, Revisão de1998 300 300 200 100 100 200
2.1 6.2 31.8 15.1 1950 1975 2000 2020 ‘ BOOM’ de Idosos no Brasil [em milhões de habitantes]
Nova realidade O Brasil, juntamente com os outros países do BRICs (Rússia, India e China)  já respondem por 40,6% da população mundial de idosos. O Brasil já tem 20 milhões de idosos. Os idosos brasileiros representam 10,5%  da população brasileira. 83% dos idosos vivem em áreas urbanas. São Paulo e Rio de janeiro são as cidades com o maior número de idosos No país: 2,1 milhões e 1,7 milhão, respectivamente. Amplia-se o número de idosos morando sozinho .
Últimos dados A expectativa de vida do brasileiro ao nascer atingiu 72,7 anos, segundo dados da Síntese de Indicadores Sociais, divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).  A expectativa de vida das mulheres aumentou para 76,5 anos, enquanto os homens tiveram avanço para 69 anos.  Com isso, subiu a população idosa de 70 anos ou mais, que no ano passado chegou a 8,9 milhões de pessoas, o equivalente a 4,7% da população total.
Mais IBGE... A esperança de vida muda significativamente de acordo com a região onde ocorre o nascimento. A maior expectativa é no Sul, onde a média é de 74,7 anos, sendo 71,4 anos para os homens e 78,2 anos para as mulheres.  No Sudeste, a esperança média de vida é de 74,1 anos, com 70,1 anos para os homens e 78,2 anos para as mulheres.
A expectativa de vida do brasileiro ao nascer atingiu 72,7 anos, segundo dados da Síntese de Indicadores Sociais, divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).  A expectativa de vida das mulheres aumentou para 76,5 anos, enquanto os homens tiveram avanço para 69 anos.  Com isso, subiu a população idosa de 70 anos ou mais, que no ano passado chegou a 8,9 milhões de pessoas, o equivalente a 4,7% da população total.  IBGE – Últimos dados
IBGE – Últimos dados Em termos absolutos, a população brasileira continuará crescendo.  Esse processo de crescimento se manterá até a década de 40, quando então o Brasil deverá ter cerca de 240 milhões de habitantes. Mas a partir da década de 40 a população tenderá a cair em termos absolutos.
83% dos idosos vivem em áreas urbanas. São Paulo e Rio de janeiro são as cidades com o maior número de idosos No país: 2,1 milhões e 1,7 milhão, respectivamente. Amplia-se o número de idosos morando sozinho. IBGE – Nova realidade
A esperança de vida muda significativamente de acordo com a região onde ocorre o nascimento. A maior expectativa é no Sul, onde a média é de 74,7 anos, sendo 71,4 anos para os homens e 78,2 anos para as mulheres.  No Sudeste, a esperança média de vida é de 74,1 anos, com 70,1 anos para os homens e 78,2 anos para as mulheres. IBGE – Mais informações
Expectativa de Vida ao Nascer Brasil 1900 a 2025 Fonte: Santos, 1978 (1990 - 1950) UNO, DIESA, Periodical on Ageing, 1995 (1960 - 2025) 1900 1920 1940 1960 1980 2000 2025 33,7 34,1 34,5 36,5 38,5 43,2 55,9 57,1 63,5 65,1 68,6 72,1 75,3 0 10 20 30 40 50 60 70 80 1900 1920 1940 1960 1980 2000 2025 Anos
O termo “balzaquiana” foi criado pelo escritor francês Balzac, que viveu a primeira metade do século XIX – autor da memorável obra “Mulheres de trinta anos”-, e era usado para designar uma mulher de 30 anos, uma idosa com filhos criados e já no final da vida.    A expectativa de vida do brasileiro, em 1900, era de apenas 33 anos. Essa realidade mudou radicalmente.   Hoje é possível chegar aos 85 ou 95 anos em plena atividade e com total lucidez.
Mega países (BRIC) – proporção do crescimento  entre idosos 1950 a 2025
Proporção de crianças e de idosos na população total - Brasil, 1900 a 2020 ANOS Fonte:  IBGE - Censos demográficos e projeções de população
[object Object],Copacabana de Cabelos Brancos
[object Object]
[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],O que existe de comum?
Número de filhos EVOLUÇÃO DA QUEDA DA FECUNDIDADE BRASIL   1960-1999  2,3 Fonte: IBGE O IBGE divulgou no mês passado que a taxa atual é de 1.9. Ou seja, o Brasil  envelhecerá mais rapidamente e a população geral crescerá menos . 0 1 2 3 4 5 6 7 1960 1970 1980 1990 1999
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Motivos para a queda da fecundidade
[object Object],Um novo ciclo e novos desafios ,[object Object],[object Object]
Desafios novos ,[object Object]
ESTADO CIVIL POR SEXO  NA TERCEIRA IDADE 5,2 9,0 77,9 38,5 12,3 45,7 4,6 6,8 % Homem Mulher Solteiro Casado Viúvo Divorciado 0 10 20 30 40 50 60 70 80
[object Object],Desafios novos ,[object Object],[object Object]
Envelhecimento Ativo:  uma abordagem de Curso de Vida Variação de atividade Fonte: Kalache e Kickbusch, 1997 Idade Capacidade Funcional Infância   Crescimento e desenvolvimento Vida Adulta  Manter o mais alto nível de capacidade funcional Terceira Idade  Manter a independência e prevenir incapacidades   Reabilitação e garantia de qualidade de vida   Limite de incapacidade
Importante saber: O mundo desenvolvido se tornou rico antes de se tornar velho . Países em desenvolvimento estão se tornando velhos antes de se tornarem ricos .
1940 Paradoxo da Medicina Atual Avanços na Medicina: Medicamentos Tecnologia Educação Aumento das Doenças  Crônicas: Câncer Doenças do coração Doenças articulares Doenças neurológicas A medicina avança e adoecemos mais ! 2000
A Prevenção traz mais benefícios Benefício Benefício Benefício Detecção  precoce Tratamento Prevenção
O rápido crescimento da população de idosos vem produzindo grande impacto no sistema de saúde, com elevação dos custos e da utilização dos serviços.
 
[object Object]
7 Centros de convivência:  locais destinados à permanência do idoso, em um ou dois turnos, onde são desenvolvidas atividades físicas, laborativas, recreativas, culturais, associativas e de educação para a cidadania, podendo ter ou não serviço de saúde.
10 Assistência domiciliar  (Cuidado Domiciliar, Internação Domiciliar, Homecare) :   essa modalidade de assistência engloba a visitação domiciliar e cuidados domiciliares que vão desde o fornecimento de equipamentos, até ações terapêuticas mais complexas.
Manutenção da capacidade funcional Capacidade funcional:  capacidade de o indivíduo manter as habilidades físicas e mentais necessárias para uma vida independente e autônoma
O Brasil tem 155 escolas médicas São 12.000 vagas de matrícula no primeiro ano O Município do Rio de Janeiro e de São Paulo possuem 6 escolas. Nenhuma cidade do mundo tem tantas. Segundo o CFM são 320.000 médicos em atividade A população do Brasil atual é de 189.6 milhões,  ou seja 1 médico para 592 habitantes Alguns números
Nosso modelo de saúde é o do especialista e da  fragmentação do cuidado. Para refletir Porque não testar novos modelos  ?
Questionamentos necessários ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A mídia...
Inflação  Do Setor Saúde ,[object Object]
Gasto  per capita  com saúde aumenta com o número de co-morbidades Source: Medical Expenditure Panel Survey, 1998.
Número de pessoas com doença crônica está aumentando rapidamente Source: Wu, Shin-Yi and Green, Anthony.  Projection of Chronic Illness Prevalence and Cost Inflation .  RAND Corporation, October 2000.
Proporção de pessoas com declaração de doenças crônicas  (Brasil, 2003)
Mais da metade dos doentes crônicos possuem 3 ou mais diferentes médicos Source: Gallup Serious Chronic Illness Survey 2002.
Grupos de Idade Doença Crônica Uma Doença Crônica Duas Doenças Crônicas Três Doenças Crônicas 0 a 14 anos 3 973 799 3 716 006 204 971 43 547 93,51% 5,16% 1,10% 15 a 59 anos 38 472 948 21 145 915 9 396 744 7 893 578 54,96% 24,42% 20,52% 60 anos ou mais 7 568 850 2 960 041 2 192 432 2 406 728 39,11% 28,97% 31,80% Idade ignorada 3 734 3 114 410 210 83,40% 10,98% 5,62% Doenças Crônicas por grupo de idade.  Brasil PNAD/Saúde 1998/2003.
Mortalidade nos países em desenvolvimento Fonte:  Report of the Ad Hoc Committee on Health Research Relating to Future Intervation Options,  Draft 3.0,  December 1995 1990 2020 49,8% 8,7% 41,5% 76,8% 11,5% 11,7% Doenças Agudas Doenças Crônicas Causas externas
A N OVA  I DADE
 
14.868.00 Fonte: País Jovem com Cabelos Brancos Veras 1994 PERCEPÇÃO DOS  IDOSOS  SOBRE SEU ESTADO DE SAÚDE Universidade Aberta da Terceira Idade/UERJ 3.132.000 14.868.000
Conhecendo o “Doente”   Não se pode separar os componentes de uma situação global CLIENTE PLANO PRESTADOR PACIENTE
[object Object],As instâncias intermediárias
[object Object],Operacionalização do conceito
Home Care ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A UnATI do Rio de Janeiro Inaugurada em 1993 Centro de Referencia junto a WHO ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A UnATI do Rio de Janeiro Fonte de financiamento: Universidade, governo estadual e federal, agencia de fomento à pesquisa. Trabalham na UnATI em torno de 80 pessoas (apoio administrativo, profissionais de saúde, professores de diversas formações), além de estagiários e bolsistas.
A   UnATI  iniciou suas atividades no segundo semestre de 1993, foi concebida com a proposta de integrar profissionais e estudiosos de reconhecida experiência em diversas áreas para a realização de atividades de ensino, pesquisa e assistência dentro do campo da  Geriatria e Gerontologia .   A Jovem UnATI
A  UnATI  está instalada em uma área de aproximadamente  800 m 2  do campus universitário. Possui ainda dois ambulatório de saúde, sendo um localizado nas proximidades do campus.
A UnATI está estruturada em  três segmentos- Ensino, Extensão (assistência á comunidade) e Pesquisa.   UnATI: ensino, pesquisa e extensão
A UnATI traz pessoas idosas para o  campus , onde entram em contato cotidiano com pessoas mais jovens. Isto significa uma tentativa particularmente importante de reduzir a discrepância de valores e idéias entre as diferentes gerações. A busca da integração entre gerações é, adicionalmente, uma estratégia que pode contribuir para reverter, a médio e longo prazo, o processo social de desvalorização do idoso na nossa sociedade. UnATI: a procura da integração entre   gerações
Marcadores de doenças O exemplo da depressão e sua  prevalência ampliada entre as mulheres
[object Object],[object Object]
MÚLTIPLAS PATOLOGIAS POLIFARMÁCIA IATROGENIA QUEDAS DELIRIUM   DEPRESSÃO   DÉFICIT MEMÓRIA   DÉFICIT MOTOR EMAGRECIMENTO
[object Object]
[object Object]
Importante pensar em: Identificação precoce
Sabemos que... A idade é o maior fator de risco As doenças crônicas são características entre os idosos e muitas das vezes, uma multiplicidade  de doenças crônicas  O mundo e o Brasil estão envelhecendo
O que fazer... Qualificar o medico visando a identificação dos fatores positivos, visando prevenir as  doenças evitáveis. Monitorar a saúde visando postergar as doenças, a fim de que o idoso possa usufruir a ampliação do seu tempo de vida  Qualificar os profissionais de saúde no cuidado  integral do idoso
Questionamentos necessários População envelhece de forma exponencial Novo padrão das doenças (crônicas) Custos crescentes Modelo assistencial anacrônico e inadequado Políticas heterogênias (poucas)  Carência de profissionais habilitados É possível prevenir na Terceira Idade? Desafios a enfrentar: previdência, família, financiamento, qualificação
[email_address] Renato Veras Obrigado!
www.unati.uerj.br Visite o site da UnATI

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Enfermagem do idoso aula 1
Enfermagem do idoso aula 1Enfermagem do idoso aula 1
Enfermagem do idoso aula 1
Karynne Alves do Nascimento
 
Os idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedadeOs idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedade
lucia_nunes
 
Envelhecimento
EnvelhecimentoEnvelhecimento
Envelhecimento
Ilda Bicacro
 
Aula 1 fundamentos em gerontologia
Aula 1  fundamentos em gerontologiaAula 1  fundamentos em gerontologia
Aula 1 fundamentos em gerontologia
Andrea Pecce Bento
 
Retrato da Velhice: TVS e a pessoa idosa institucionalizada
Retrato da Velhice: TVS e a pessoa idosa institucionalizadaRetrato da Velhice: TVS e a pessoa idosa institucionalizada
Retrato da Velhice: TVS e a pessoa idosa institucionalizada
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Efeito Copacabana - Os efeitos do rápido envelhecimento populacional no Brasil!
Efeito Copacabana - Os efeitos do rápido envelhecimento populacional no Brasil!Efeito Copacabana - Os efeitos do rápido envelhecimento populacional no Brasil!
Efeito Copacabana - Os efeitos do rápido envelhecimento populacional no Brasil!
Fernando Cembranelli
 
Modulo 14 - Expectativa de vida e envelhecimento da população (Apostila Siste...
Modulo 14 - Expectativa de vida e envelhecimento da população (Apostila Siste...Modulo 14 - Expectativa de vida e envelhecimento da população (Apostila Siste...
Modulo 14 - Expectativa de vida e envelhecimento da população (Apostila Siste...
Claudio Henrique Ramos Sales
 
1º Ma Grupo 03
1º Ma   Grupo 031º Ma   Grupo 03
1º Ma Grupo 03
ProfMario De Mori
 
1º Mc Grupo 04
1º Mc   Grupo 041º Mc   Grupo 04
1º Mc Grupo 04
ProfMario De Mori
 
Economia na Terceira Idade
Economia na Terceira IdadeEconomia na Terceira Idade
Economia na Terceira Idade
David Alcantara
 
Aspectos da população mundial e do brasil 1º ma
Aspectos da população mundial e do brasil 1º maAspectos da população mundial e do brasil 1º ma
Aspectos da população mundial e do brasil 1º ma
ProfMario De Mori
 
Crescimento populacional
Crescimento populacionalCrescimento populacional
Crescimento populacional
jamerson alencar
 
Geografia - População do Brasil
Geografia - População do BrasilGeografia - População do Brasil
Geografia - População do Brasil
Carson Souza
 
Modulo 13 - Ter filhos
Modulo 13 - Ter filhosModulo 13 - Ter filhos
Modulo 13 - Ter filhos
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Trabalho ed. física 3º a
Trabalho ed. física 3º aTrabalho ed. física 3º a
Trabalho ed. física 3º a
Abmael Rocha Junior
 
Pirâmides etárias
Pirâmides etáriasPirâmides etárias
Pirâmides etárias
Conceição Fontolan
 
Arranjo domiciliar de idosos no Brasil
Arranjo domiciliar de idosos no BrasilArranjo domiciliar de idosos no Brasil
Arranjo domiciliar de idosos no Brasil
Álvaro José Altamirano Montoya
 
Geografia - População, Demografia, Migração.
Geografia - População, Demografia, Migração.Geografia - População, Demografia, Migração.
Geografia - População, Demografia, Migração.
Carson Souza
 
íNdice de desenvolvimento humano
íNdice de desenvolvimento humanoíNdice de desenvolvimento humano
íNdice de desenvolvimento humano
Abmael Rocha Junior
 
Aula geografia humana ii estrut etaria e setorial_migracoes
Aula geografia humana ii estrut etaria e setorial_migracoesAula geografia humana ii estrut etaria e setorial_migracoes
Aula geografia humana ii estrut etaria e setorial_migracoes
Alcoa ALUMAR
 

Mais procurados (20)

Enfermagem do idoso aula 1
Enfermagem do idoso aula 1Enfermagem do idoso aula 1
Enfermagem do idoso aula 1
 
Os idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedadeOs idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedade
 
Envelhecimento
EnvelhecimentoEnvelhecimento
Envelhecimento
 
Aula 1 fundamentos em gerontologia
Aula 1  fundamentos em gerontologiaAula 1  fundamentos em gerontologia
Aula 1 fundamentos em gerontologia
 
Retrato da Velhice: TVS e a pessoa idosa institucionalizada
Retrato da Velhice: TVS e a pessoa idosa institucionalizadaRetrato da Velhice: TVS e a pessoa idosa institucionalizada
Retrato da Velhice: TVS e a pessoa idosa institucionalizada
 
Efeito Copacabana - Os efeitos do rápido envelhecimento populacional no Brasil!
Efeito Copacabana - Os efeitos do rápido envelhecimento populacional no Brasil!Efeito Copacabana - Os efeitos do rápido envelhecimento populacional no Brasil!
Efeito Copacabana - Os efeitos do rápido envelhecimento populacional no Brasil!
 
Modulo 14 - Expectativa de vida e envelhecimento da população (Apostila Siste...
Modulo 14 - Expectativa de vida e envelhecimento da população (Apostila Siste...Modulo 14 - Expectativa de vida e envelhecimento da população (Apostila Siste...
Modulo 14 - Expectativa de vida e envelhecimento da população (Apostila Siste...
 
1º Ma Grupo 03
1º Ma   Grupo 031º Ma   Grupo 03
1º Ma Grupo 03
 
1º Mc Grupo 04
1º Mc   Grupo 041º Mc   Grupo 04
1º Mc Grupo 04
 
Economia na Terceira Idade
Economia na Terceira IdadeEconomia na Terceira Idade
Economia na Terceira Idade
 
Aspectos da população mundial e do brasil 1º ma
Aspectos da população mundial e do brasil 1º maAspectos da população mundial e do brasil 1º ma
Aspectos da população mundial e do brasil 1º ma
 
Crescimento populacional
Crescimento populacionalCrescimento populacional
Crescimento populacional
 
Geografia - População do Brasil
Geografia - População do BrasilGeografia - População do Brasil
Geografia - População do Brasil
 
Modulo 13 - Ter filhos
Modulo 13 - Ter filhosModulo 13 - Ter filhos
Modulo 13 - Ter filhos
 
Trabalho ed. física 3º a
Trabalho ed. física 3º aTrabalho ed. física 3º a
Trabalho ed. física 3º a
 
Pirâmides etárias
Pirâmides etáriasPirâmides etárias
Pirâmides etárias
 
Arranjo domiciliar de idosos no Brasil
Arranjo domiciliar de idosos no BrasilArranjo domiciliar de idosos no Brasil
Arranjo domiciliar de idosos no Brasil
 
Geografia - População, Demografia, Migração.
Geografia - População, Demografia, Migração.Geografia - População, Demografia, Migração.
Geografia - População, Demografia, Migração.
 
íNdice de desenvolvimento humano
íNdice de desenvolvimento humanoíNdice de desenvolvimento humano
íNdice de desenvolvimento humano
 
Aula geografia humana ii estrut etaria e setorial_migracoes
Aula geografia humana ii estrut etaria e setorial_migracoesAula geografia humana ii estrut etaria e setorial_migracoes
Aula geografia humana ii estrut etaria e setorial_migracoes
 

Destaque

Envelhecimento
EnvelhecimentoEnvelhecimento
Envelhecimento
Martina Podolan
 
Fisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimentoFisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimento
André Fidelis
 
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - VelhiceFases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
Ligia Coppetti
 
Saúde do idoso
 Saúde do idoso Saúde do idoso
Saúde do idoso
Marcos Figueiredo
 
Populaçao brasileira
Populaçao brasileiraPopulaçao brasileira
Populaçao brasileira
Prof.Paulo/geografia
 
A reforma da_previdencia
A reforma da_previdenciaA reforma da_previdencia
O idoso—ética e as políticas de saúde pública
O idoso—ética e as políticas de saúde públicaO idoso—ética e as políticas de saúde pública
O idoso—ética e as políticas de saúde pública
Greicy Kapisch
 
Mentiras E Verdades
Mentiras E VerdadesMentiras E Verdades
Mentiras E Verdades
avcandido
 
Envelhecimento Populacional e Reforma da Previdência: Mitos e Realidade - Pau...
Envelhecimento Populacional e Reforma da Previdência: Mitos e Realidade - Pau...Envelhecimento Populacional e Reforma da Previdência: Mitos e Realidade - Pau...
Envelhecimento Populacional e Reforma da Previdência: Mitos e Realidade - Pau...
APF6
 
Envelhecimento populacional
Envelhecimento populacionalEnvelhecimento populacional
Envelhecimento populacional
Anna Paula Tenorio
 
Medicina e tecnologia
Medicina e tecnologiaMedicina e tecnologia
Medicina e tecnologia
AnaFPinto
 
Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento
Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimentoAtenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento
Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento
jardelf
 
Envelhecimento da população brasileira
Envelhecimento da população  brasileira   Envelhecimento da população  brasileira
Envelhecimento da população brasileira
Salageo Cristina
 
Influência da tecnologia na Medicina
Influência da tecnologia na MedicinaInfluência da tecnologia na Medicina
Influência da tecnologia na Medicina
MJ15
 
Atendimento humanizado ao idoso
Atendimento humanizado ao idosoAtendimento humanizado ao idoso
Atendimento humanizado ao idoso
Jamessonjr Leite Junior
 
Depressão na terceira idade
Depressão na terceira idadeDepressão na terceira idade
Depressão na terceira idade
Max Suell Vitor
 
Slide Idoso
Slide IdosoSlide Idoso
Slide Idoso
Rosangela Gomes
 
Lar idosos
Lar idososLar idosos
Lar idosos
Sonia Andrade
 
Politicas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos IdososPoliticas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos Idosos
Dany Romeira
 
O que é envelhecer
O que é envelhecerO que é envelhecer
O que é envelhecer
Dersonoliveira
 

Destaque (20)

Envelhecimento
EnvelhecimentoEnvelhecimento
Envelhecimento
 
Fisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimentoFisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimento
 
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - VelhiceFases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
 
Saúde do idoso
 Saúde do idoso Saúde do idoso
Saúde do idoso
 
Populaçao brasileira
Populaçao brasileiraPopulaçao brasileira
Populaçao brasileira
 
A reforma da_previdencia
A reforma da_previdenciaA reforma da_previdencia
A reforma da_previdencia
 
O idoso—ética e as políticas de saúde pública
O idoso—ética e as políticas de saúde públicaO idoso—ética e as políticas de saúde pública
O idoso—ética e as políticas de saúde pública
 
Mentiras E Verdades
Mentiras E VerdadesMentiras E Verdades
Mentiras E Verdades
 
Envelhecimento Populacional e Reforma da Previdência: Mitos e Realidade - Pau...
Envelhecimento Populacional e Reforma da Previdência: Mitos e Realidade - Pau...Envelhecimento Populacional e Reforma da Previdência: Mitos e Realidade - Pau...
Envelhecimento Populacional e Reforma da Previdência: Mitos e Realidade - Pau...
 
Envelhecimento populacional
Envelhecimento populacionalEnvelhecimento populacional
Envelhecimento populacional
 
Medicina e tecnologia
Medicina e tecnologiaMedicina e tecnologia
Medicina e tecnologia
 
Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento
Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimentoAtenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento
Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento
 
Envelhecimento da população brasileira
Envelhecimento da população  brasileira   Envelhecimento da população  brasileira
Envelhecimento da população brasileira
 
Influência da tecnologia na Medicina
Influência da tecnologia na MedicinaInfluência da tecnologia na Medicina
Influência da tecnologia na Medicina
 
Atendimento humanizado ao idoso
Atendimento humanizado ao idosoAtendimento humanizado ao idoso
Atendimento humanizado ao idoso
 
Depressão na terceira idade
Depressão na terceira idadeDepressão na terceira idade
Depressão na terceira idade
 
Slide Idoso
Slide IdosoSlide Idoso
Slide Idoso
 
Lar idosos
Lar idososLar idosos
Lar idosos
 
Politicas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos IdososPoliticas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos Idosos
 
O que é envelhecer
O que é envelhecerO que é envelhecer
O que é envelhecer
 

Semelhante a Módulo 3 - Aula 1

106 envelhecimento%20populacional
106 envelhecimento%20populacional106 envelhecimento%20populacional
106 envelhecimento%20populacional
Seila Merida
 
1º Ma Grupo 04
1º Ma   Grupo 041º Ma   Grupo 04
1º Ma Grupo 04
ProfMario De Mori
 
A Revolução Prateada
A Revolução PrateadaA Revolução Prateada
A Revolução Prateada
Alexandre Lima
 
Aaaaasssshjuccnkknvnuigbnmkkknnnnnnnbnnnnnn
AaaaasssshjuccnkknvnuigbnmkkknnnnnnnbnnnnnnAaaaasssshjuccnkknvnuigbnmkkknnnnnnnbnnnnnn
Aaaaasssshjuccnkknvnuigbnmkkknnnnnnnbnnnnnn
vanessa270433
 
CNU BLOCO 8 - REALIDADE BRASILEIRA 2 A 15.pdf
CNU BLOCO 8 - REALIDADE BRASILEIRA 2 A 15.pdfCNU BLOCO 8 - REALIDADE BRASILEIRA 2 A 15.pdf
CNU BLOCO 8 - REALIDADE BRASILEIRA 2 A 15.pdf
LirajOS
 
Ransição demográfica e envelhecimento da população brasileira
Ransição demográfica e envelhecimento da população brasileiraRansição demográfica e envelhecimento da população brasileira
Ransição demográfica e envelhecimento da população brasileira
Atividades Diversas Cláudia
 
Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
profleofonseca
 
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mb
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mbAspectos da população mundial e do brasil 1º mb
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mb
ProfMario De Mori
 
Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
profleofonseca
 
População Brasileira..pptx
População Brasileira..pptxPopulação Brasileira..pptx
População Brasileira..pptx
SvioCarvalho10
 
O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL. UM DESAFIO NOVO.
O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL. UM DESAFIO NOVO. O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL. UM DESAFIO NOVO.
O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL. UM DESAFIO NOVO.
Gláucia Castro
 
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Unidade 3   7º ano - População do BrasilUnidade 3   7º ano - População do Brasil
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Christie Freitas
 
epidemiologiadoenvelhecimento-mudanasociais-090330092049-phpapp02.ppt
epidemiologiadoenvelhecimento-mudanasociais-090330092049-phpapp02.pptepidemiologiadoenvelhecimento-mudanasociais-090330092049-phpapp02.ppt
epidemiologiadoenvelhecimento-mudanasociais-090330092049-phpapp02.ppt
Centro Educacional Nilton Oliveira Santos -CENOS
 
324 an 23_março_2011.ok
324 an 23_março_2011.ok324 an 23_março_2011.ok
324 an 23_março_2011.ok
Roberto Rabat Chame
 
População Brasileira
População BrasileiraPopulação Brasileira
População Brasileira
Luciano Pessanha
 
O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em Dados
Idalina Leite
 
1º Mb Grupo 04
1º Mb   Grupo 041º Mb   Grupo 04
1º Mb Grupo 04
ProfMario De Mori
 
A bomba relógio_humana
A bomba relógio_humanaA bomba relógio_humana
A bomba relógio_humana
Marcelo Luiz
 
Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11
Raquel Avila
 
Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11
Raquel Avila
 

Semelhante a Módulo 3 - Aula 1 (20)

106 envelhecimento%20populacional
106 envelhecimento%20populacional106 envelhecimento%20populacional
106 envelhecimento%20populacional
 
1º Ma Grupo 04
1º Ma   Grupo 041º Ma   Grupo 04
1º Ma Grupo 04
 
A Revolução Prateada
A Revolução PrateadaA Revolução Prateada
A Revolução Prateada
 
Aaaaasssshjuccnkknvnuigbnmkkknnnnnnnbnnnnnn
AaaaasssshjuccnkknvnuigbnmkkknnnnnnnbnnnnnnAaaaasssshjuccnkknvnuigbnmkkknnnnnnnbnnnnnn
Aaaaasssshjuccnkknvnuigbnmkkknnnnnnnbnnnnnn
 
CNU BLOCO 8 - REALIDADE BRASILEIRA 2 A 15.pdf
CNU BLOCO 8 - REALIDADE BRASILEIRA 2 A 15.pdfCNU BLOCO 8 - REALIDADE BRASILEIRA 2 A 15.pdf
CNU BLOCO 8 - REALIDADE BRASILEIRA 2 A 15.pdf
 
Ransição demográfica e envelhecimento da população brasileira
Ransição demográfica e envelhecimento da população brasileiraRansição demográfica e envelhecimento da população brasileira
Ransição demográfica e envelhecimento da população brasileira
 
Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
 
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mb
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mbAspectos da população mundial e do brasil 1º mb
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mb
 
Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
 
População Brasileira..pptx
População Brasileira..pptxPopulação Brasileira..pptx
População Brasileira..pptx
 
O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL. UM DESAFIO NOVO.
O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL. UM DESAFIO NOVO. O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL. UM DESAFIO NOVO.
O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL. UM DESAFIO NOVO.
 
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Unidade 3   7º ano - População do BrasilUnidade 3   7º ano - População do Brasil
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
 
epidemiologiadoenvelhecimento-mudanasociais-090330092049-phpapp02.ppt
epidemiologiadoenvelhecimento-mudanasociais-090330092049-phpapp02.pptepidemiologiadoenvelhecimento-mudanasociais-090330092049-phpapp02.ppt
epidemiologiadoenvelhecimento-mudanasociais-090330092049-phpapp02.ppt
 
324 an 23_março_2011.ok
324 an 23_março_2011.ok324 an 23_março_2011.ok
324 an 23_março_2011.ok
 
População Brasileira
População BrasileiraPopulação Brasileira
População Brasileira
 
O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em Dados
 
1º Mb Grupo 04
1º Mb   Grupo 041º Mb   Grupo 04
1º Mb Grupo 04
 
A bomba relógio_humana
A bomba relógio_humanaA bomba relógio_humana
A bomba relógio_humana
 
Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11
 
Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11
 

Mais de agemais

Imunosenescencia Aula Danuza Esquenazi
Imunosenescencia   Aula   Danuza EsquenaziImunosenescencia   Aula   Danuza Esquenazi
Imunosenescencia Aula Danuza Esquenazi
agemais
 
Imunosenescencia Aula Danuza Esquenazi
Imunosenescencia   Aula   Danuza EsquenaziImunosenescencia   Aula   Danuza Esquenazi
Imunosenescencia Aula Danuza Esquenazi
agemais
 
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do EnvelhecimentoTeorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
agemais
 
Gerenciamento De DoençAs Geriatria
Gerenciamento De DoençAs GeriatriaGerenciamento De DoençAs Geriatria
Gerenciamento De DoençAs Geriatria
agemais
 
Cost Of Illness
Cost Of IllnessCost Of Illness
Cost Of Illness
agemais
 
AnáLise EconôMica Em SaúDe
AnáLise EconôMica Em SaúDeAnáLise EconôMica Em SaúDe
AnáLise EconôMica Em SaúDe
agemais
 
AnáLise EconôMica Em SaúDe
AnáLise EconôMica Em SaúDeAnáLise EconôMica Em SaúDe
AnáLise EconôMica Em SaúDe
agemais
 
AnáLise EconôMica Em SaúDe
AnáLise EconôMica Em SaúDeAnáLise EconôMica Em SaúDe
AnáLise EconôMica Em SaúDe
agemais
 
Conceitos Da Teoria EconôMica
Conceitos Da Teoria EconôMicaConceitos Da Teoria EconôMica
Conceitos Da Teoria EconôMica
agemais
 
Conceitos Da Teoria EconôMica
Conceitos Da Teoria EconôMicaConceitos Da Teoria EconôMica
Conceitos Da Teoria EconôMica
agemais
 
AnáLise EconôMica Em SaúDe
AnáLise EconôMica Em SaúDeAnáLise EconôMica Em SaúDe
AnáLise EconôMica Em SaúDe
agemais
 
Módulo 6 - Aula 4
Módulo 6 - Aula 4Módulo 6 - Aula 4
Módulo 6 - Aula 4
agemais
 
Módulo 4 - Aula 4
Módulo 4 - Aula 4Módulo 4 - Aula 4
Módulo 4 - Aula 4
agemais
 
VirgíLio Garcia AvaliaçãO Funcional Aula VersãO Do Editor 02 02 2008
VirgíLio Garcia   AvaliaçãO Funcional   Aula   VersãO Do Editor   02 02 2008VirgíLio Garcia   AvaliaçãO Funcional   Aula   VersãO Do Editor   02 02 2008
VirgíLio Garcia AvaliaçãO Funcional Aula VersãO Do Editor 02 02 2008
agemais
 
Módulo 3 - Aula 4
Módulo 3 - Aula 4Módulo 3 - Aula 4
Módulo 3 - Aula 4
agemais
 
Módulo 3 - Aula 5
Módulo 3 - Aula 5Módulo 3 - Aula 5
Módulo 3 - Aula 5
agemais
 
Módulo 3 - Aula 3
Módulo 3 - Aula 3Módulo 3 - Aula 3
Módulo 3 - Aula 3
agemais
 
Módulo 3 - Aula 2 (parte 2)
Módulo 3 - Aula 2 (parte 2)Módulo 3 - Aula 2 (parte 2)
Módulo 3 - Aula 2 (parte 2)
agemais
 
Módulo 3 - Aula 2
Módulo 3 - Aula 2Módulo 3 - Aula 2
Módulo 3 - Aula 2
agemais
 
Módulo 2 - Aula 5
Módulo 2 - Aula 5Módulo 2 - Aula 5
Módulo 2 - Aula 5
agemais
 

Mais de agemais (20)

Imunosenescencia Aula Danuza Esquenazi
Imunosenescencia   Aula   Danuza EsquenaziImunosenescencia   Aula   Danuza Esquenazi
Imunosenescencia Aula Danuza Esquenazi
 
Imunosenescencia Aula Danuza Esquenazi
Imunosenescencia   Aula   Danuza EsquenaziImunosenescencia   Aula   Danuza Esquenazi
Imunosenescencia Aula Danuza Esquenazi
 
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do EnvelhecimentoTeorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
 
Gerenciamento De DoençAs Geriatria
Gerenciamento De DoençAs GeriatriaGerenciamento De DoençAs Geriatria
Gerenciamento De DoençAs Geriatria
 
Cost Of Illness
Cost Of IllnessCost Of Illness
Cost Of Illness
 
AnáLise EconôMica Em SaúDe
AnáLise EconôMica Em SaúDeAnáLise EconôMica Em SaúDe
AnáLise EconôMica Em SaúDe
 
AnáLise EconôMica Em SaúDe
AnáLise EconôMica Em SaúDeAnáLise EconôMica Em SaúDe
AnáLise EconôMica Em SaúDe
 
AnáLise EconôMica Em SaúDe
AnáLise EconôMica Em SaúDeAnáLise EconôMica Em SaúDe
AnáLise EconôMica Em SaúDe
 
Conceitos Da Teoria EconôMica
Conceitos Da Teoria EconôMicaConceitos Da Teoria EconôMica
Conceitos Da Teoria EconôMica
 
Conceitos Da Teoria EconôMica
Conceitos Da Teoria EconôMicaConceitos Da Teoria EconôMica
Conceitos Da Teoria EconôMica
 
AnáLise EconôMica Em SaúDe
AnáLise EconôMica Em SaúDeAnáLise EconôMica Em SaúDe
AnáLise EconôMica Em SaúDe
 
Módulo 6 - Aula 4
Módulo 6 - Aula 4Módulo 6 - Aula 4
Módulo 6 - Aula 4
 
Módulo 4 - Aula 4
Módulo 4 - Aula 4Módulo 4 - Aula 4
Módulo 4 - Aula 4
 
VirgíLio Garcia AvaliaçãO Funcional Aula VersãO Do Editor 02 02 2008
VirgíLio Garcia   AvaliaçãO Funcional   Aula   VersãO Do Editor   02 02 2008VirgíLio Garcia   AvaliaçãO Funcional   Aula   VersãO Do Editor   02 02 2008
VirgíLio Garcia AvaliaçãO Funcional Aula VersãO Do Editor 02 02 2008
 
Módulo 3 - Aula 4
Módulo 3 - Aula 4Módulo 3 - Aula 4
Módulo 3 - Aula 4
 
Módulo 3 - Aula 5
Módulo 3 - Aula 5Módulo 3 - Aula 5
Módulo 3 - Aula 5
 
Módulo 3 - Aula 3
Módulo 3 - Aula 3Módulo 3 - Aula 3
Módulo 3 - Aula 3
 
Módulo 3 - Aula 2 (parte 2)
Módulo 3 - Aula 2 (parte 2)Módulo 3 - Aula 2 (parte 2)
Módulo 3 - Aula 2 (parte 2)
 
Módulo 3 - Aula 2
Módulo 3 - Aula 2Módulo 3 - Aula 2
Módulo 3 - Aula 2
 
Módulo 2 - Aula 5
Módulo 2 - Aula 5Módulo 2 - Aula 5
Módulo 2 - Aula 5
 

Módulo 3 - Aula 1

  • 1. Envelhecimento Humano: Desafios do Mundo Atual. Renato Veras
  • 3. Há uma nova realidade no mundo: o homem está vivendo cada vez mais. Hoje, vivemos muito mais do que no passado. O período da maturidade aumentou . Por isso, é preciso manter a saúde física, intelectual e emocional para se viver esse tempo plenamente . É necessário buscar condições para se envelhecer com bem-estar. Porque não basta viver mais, tem que se viver melhor .
  • 4. A espécie humana necessitou de milhões de anos para atingir um bilhão de pessoas , o que teria ocorrido em 1830. Em 1927 este número dobrou. Em 1960 chegou aos três bilhões de habitantes no planeta. De lá para cá, a aceleração cresceu. Em 14 anos a marca dos quatro bilhões foi atingida , o quinto bilhão veio em 1987 e, 12 anos após, em 1999, alcançamos o sexto bilhão . Hoje são sete bilhões. Paralelo a este incremento populacional estendeu-se a longevidade humana a limites não pensados. Milhões de anos...
  • 5. A população mundial está envelhecendo Pirâmide Populacional em 1995 e 2025 00-04 10-14 20-24 30-34 40-44 50-54 60-64 70-74 80+ Milhões Idade HOMENS MULHERES Divisão Populacional da ONU, Revisão de1998 300 300 200 100 100 200
  • 6. 2.1 6.2 31.8 15.1 1950 1975 2000 2020 ‘ BOOM’ de Idosos no Brasil [em milhões de habitantes]
  • 7. Nova realidade O Brasil, juntamente com os outros países do BRICs (Rússia, India e China) já respondem por 40,6% da população mundial de idosos. O Brasil já tem 20 milhões de idosos. Os idosos brasileiros representam 10,5% da população brasileira. 83% dos idosos vivem em áreas urbanas. São Paulo e Rio de janeiro são as cidades com o maior número de idosos No país: 2,1 milhões e 1,7 milhão, respectivamente. Amplia-se o número de idosos morando sozinho .
  • 8. Últimos dados A expectativa de vida do brasileiro ao nascer atingiu 72,7 anos, segundo dados da Síntese de Indicadores Sociais, divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A expectativa de vida das mulheres aumentou para 76,5 anos, enquanto os homens tiveram avanço para 69 anos. Com isso, subiu a população idosa de 70 anos ou mais, que no ano passado chegou a 8,9 milhões de pessoas, o equivalente a 4,7% da população total.
  • 9. Mais IBGE... A esperança de vida muda significativamente de acordo com a região onde ocorre o nascimento. A maior expectativa é no Sul, onde a média é de 74,7 anos, sendo 71,4 anos para os homens e 78,2 anos para as mulheres. No Sudeste, a esperança média de vida é de 74,1 anos, com 70,1 anos para os homens e 78,2 anos para as mulheres.
  • 10. A expectativa de vida do brasileiro ao nascer atingiu 72,7 anos, segundo dados da Síntese de Indicadores Sociais, divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A expectativa de vida das mulheres aumentou para 76,5 anos, enquanto os homens tiveram avanço para 69 anos. Com isso, subiu a população idosa de 70 anos ou mais, que no ano passado chegou a 8,9 milhões de pessoas, o equivalente a 4,7% da população total. IBGE – Últimos dados
  • 11. IBGE – Últimos dados Em termos absolutos, a população brasileira continuará crescendo. Esse processo de crescimento se manterá até a década de 40, quando então o Brasil deverá ter cerca de 240 milhões de habitantes. Mas a partir da década de 40 a população tenderá a cair em termos absolutos.
  • 12. 83% dos idosos vivem em áreas urbanas. São Paulo e Rio de janeiro são as cidades com o maior número de idosos No país: 2,1 milhões e 1,7 milhão, respectivamente. Amplia-se o número de idosos morando sozinho. IBGE – Nova realidade
  • 13. A esperança de vida muda significativamente de acordo com a região onde ocorre o nascimento. A maior expectativa é no Sul, onde a média é de 74,7 anos, sendo 71,4 anos para os homens e 78,2 anos para as mulheres. No Sudeste, a esperança média de vida é de 74,1 anos, com 70,1 anos para os homens e 78,2 anos para as mulheres. IBGE – Mais informações
  • 14. Expectativa de Vida ao Nascer Brasil 1900 a 2025 Fonte: Santos, 1978 (1990 - 1950) UNO, DIESA, Periodical on Ageing, 1995 (1960 - 2025) 1900 1920 1940 1960 1980 2000 2025 33,7 34,1 34,5 36,5 38,5 43,2 55,9 57,1 63,5 65,1 68,6 72,1 75,3 0 10 20 30 40 50 60 70 80 1900 1920 1940 1960 1980 2000 2025 Anos
  • 15. O termo “balzaquiana” foi criado pelo escritor francês Balzac, que viveu a primeira metade do século XIX – autor da memorável obra “Mulheres de trinta anos”-, e era usado para designar uma mulher de 30 anos, uma idosa com filhos criados e já no final da vida.   A expectativa de vida do brasileiro, em 1900, era de apenas 33 anos. Essa realidade mudou radicalmente.   Hoje é possível chegar aos 85 ou 95 anos em plena atividade e com total lucidez.
  • 16. Mega países (BRIC) – proporção do crescimento entre idosos 1950 a 2025
  • 17. Proporção de crianças e de idosos na população total - Brasil, 1900 a 2020 ANOS Fonte: IBGE - Censos demográficos e projeções de população
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23. Número de filhos EVOLUÇÃO DA QUEDA DA FECUNDIDADE BRASIL 1960-1999 2,3 Fonte: IBGE O IBGE divulgou no mês passado que a taxa atual é de 1.9. Ou seja, o Brasil envelhecerá mais rapidamente e a população geral crescerá menos . 0 1 2 3 4 5 6 7 1960 1970 1980 1990 1999
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27. ESTADO CIVIL POR SEXO NA TERCEIRA IDADE 5,2 9,0 77,9 38,5 12,3 45,7 4,6 6,8 % Homem Mulher Solteiro Casado Viúvo Divorciado 0 10 20 30 40 50 60 70 80
  • 28.
  • 29. Envelhecimento Ativo: uma abordagem de Curso de Vida Variação de atividade Fonte: Kalache e Kickbusch, 1997 Idade Capacidade Funcional Infância Crescimento e desenvolvimento Vida Adulta Manter o mais alto nível de capacidade funcional Terceira Idade Manter a independência e prevenir incapacidades Reabilitação e garantia de qualidade de vida Limite de incapacidade
  • 30. Importante saber: O mundo desenvolvido se tornou rico antes de se tornar velho . Países em desenvolvimento estão se tornando velhos antes de se tornarem ricos .
  • 31. 1940 Paradoxo da Medicina Atual Avanços na Medicina: Medicamentos Tecnologia Educação Aumento das Doenças Crônicas: Câncer Doenças do coração Doenças articulares Doenças neurológicas A medicina avança e adoecemos mais ! 2000
  • 32. A Prevenção traz mais benefícios Benefício Benefício Benefício Detecção precoce Tratamento Prevenção
  • 33. O rápido crescimento da população de idosos vem produzindo grande impacto no sistema de saúde, com elevação dos custos e da utilização dos serviços.
  • 34.  
  • 35.
  • 36. 7 Centros de convivência: locais destinados à permanência do idoso, em um ou dois turnos, onde são desenvolvidas atividades físicas, laborativas, recreativas, culturais, associativas e de educação para a cidadania, podendo ter ou não serviço de saúde.
  • 37. 10 Assistência domiciliar (Cuidado Domiciliar, Internação Domiciliar, Homecare) : essa modalidade de assistência engloba a visitação domiciliar e cuidados domiciliares que vão desde o fornecimento de equipamentos, até ações terapêuticas mais complexas.
  • 38. Manutenção da capacidade funcional Capacidade funcional: capacidade de o indivíduo manter as habilidades físicas e mentais necessárias para uma vida independente e autônoma
  • 39. O Brasil tem 155 escolas médicas São 12.000 vagas de matrícula no primeiro ano O Município do Rio de Janeiro e de São Paulo possuem 6 escolas. Nenhuma cidade do mundo tem tantas. Segundo o CFM são 320.000 médicos em atividade A população do Brasil atual é de 189.6 milhões, ou seja 1 médico para 592 habitantes Alguns números
  • 40. Nosso modelo de saúde é o do especialista e da fragmentação do cuidado. Para refletir Porque não testar novos modelos ?
  • 41.
  • 43.
  • 44. Gasto per capita com saúde aumenta com o número de co-morbidades Source: Medical Expenditure Panel Survey, 1998.
  • 45. Número de pessoas com doença crônica está aumentando rapidamente Source: Wu, Shin-Yi and Green, Anthony. Projection of Chronic Illness Prevalence and Cost Inflation . RAND Corporation, October 2000.
  • 46. Proporção de pessoas com declaração de doenças crônicas (Brasil, 2003)
  • 47. Mais da metade dos doentes crônicos possuem 3 ou mais diferentes médicos Source: Gallup Serious Chronic Illness Survey 2002.
  • 48. Grupos de Idade Doença Crônica Uma Doença Crônica Duas Doenças Crônicas Três Doenças Crônicas 0 a 14 anos 3 973 799 3 716 006 204 971 43 547 93,51% 5,16% 1,10% 15 a 59 anos 38 472 948 21 145 915 9 396 744 7 893 578 54,96% 24,42% 20,52% 60 anos ou mais 7 568 850 2 960 041 2 192 432 2 406 728 39,11% 28,97% 31,80% Idade ignorada 3 734 3 114 410 210 83,40% 10,98% 5,62% Doenças Crônicas por grupo de idade. Brasil PNAD/Saúde 1998/2003.
  • 49. Mortalidade nos países em desenvolvimento Fonte: Report of the Ad Hoc Committee on Health Research Relating to Future Intervation Options, Draft 3.0, December 1995 1990 2020 49,8% 8,7% 41,5% 76,8% 11,5% 11,7% Doenças Agudas Doenças Crônicas Causas externas
  • 50. A N OVA I DADE
  • 51.  
  • 52. 14.868.00 Fonte: País Jovem com Cabelos Brancos Veras 1994 PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE SEU ESTADO DE SAÚDE Universidade Aberta da Terceira Idade/UERJ 3.132.000 14.868.000
  • 53. Conhecendo o “Doente” Não se pode separar os componentes de uma situação global CLIENTE PLANO PRESTADOR PACIENTE
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57.
  • 58. A UnATI do Rio de Janeiro Fonte de financiamento: Universidade, governo estadual e federal, agencia de fomento à pesquisa. Trabalham na UnATI em torno de 80 pessoas (apoio administrativo, profissionais de saúde, professores de diversas formações), além de estagiários e bolsistas.
  • 59. A UnATI iniciou suas atividades no segundo semestre de 1993, foi concebida com a proposta de integrar profissionais e estudiosos de reconhecida experiência em diversas áreas para a realização de atividades de ensino, pesquisa e assistência dentro do campo da Geriatria e Gerontologia . A Jovem UnATI
  • 60. A UnATI está instalada em uma área de aproximadamente 800 m 2 do campus universitário. Possui ainda dois ambulatório de saúde, sendo um localizado nas proximidades do campus.
  • 61. A UnATI está estruturada em três segmentos- Ensino, Extensão (assistência á comunidade) e Pesquisa. UnATI: ensino, pesquisa e extensão
  • 62. A UnATI traz pessoas idosas para o campus , onde entram em contato cotidiano com pessoas mais jovens. Isto significa uma tentativa particularmente importante de reduzir a discrepância de valores e idéias entre as diferentes gerações. A busca da integração entre gerações é, adicionalmente, uma estratégia que pode contribuir para reverter, a médio e longo prazo, o processo social de desvalorização do idoso na nossa sociedade. UnATI: a procura da integração entre gerações
  • 63. Marcadores de doenças O exemplo da depressão e sua prevalência ampliada entre as mulheres
  • 64.
  • 65. MÚLTIPLAS PATOLOGIAS POLIFARMÁCIA IATROGENIA QUEDAS DELIRIUM DEPRESSÃO DÉFICIT MEMÓRIA DÉFICIT MOTOR EMAGRECIMENTO
  • 66.
  • 67.
  • 68. Importante pensar em: Identificação precoce
  • 69. Sabemos que... A idade é o maior fator de risco As doenças crônicas são características entre os idosos e muitas das vezes, uma multiplicidade de doenças crônicas O mundo e o Brasil estão envelhecendo
  • 70. O que fazer... Qualificar o medico visando a identificação dos fatores positivos, visando prevenir as doenças evitáveis. Monitorar a saúde visando postergar as doenças, a fim de que o idoso possa usufruir a ampliação do seu tempo de vida Qualificar os profissionais de saúde no cuidado integral do idoso
  • 71. Questionamentos necessários População envelhece de forma exponencial Novo padrão das doenças (crônicas) Custos crescentes Modelo assistencial anacrônico e inadequado Políticas heterogênias (poucas) Carência de profissionais habilitados É possível prevenir na Terceira Idade? Desafios a enfrentar: previdência, família, financiamento, qualificação
  • 73. www.unati.uerj.br Visite o site da UnATI

Notas do Editor

  1. Explanation: Because business writing is fundamentally persuasive, audience is crucial to its success. It is difficult to convince someone of something without taking that person’s feelings, perspective, and needs into account. Activate each item in the list with a single mouse click.