SlideShare uma empresa Scribd logo
EDUCAÇÃO SOCIAL – PÓS LABORAL                            UC – DESENVOLVIMENTO e PARTICIPAÇÃO


REFLEXÃO
              Maio de 68
       A "crise" de maio de 1968 começou por ser um movimento de contestação estudantil
francesa, com reflexos ainda do movimento hippie dos Estados Unidos da América (EUA),
também devido a revoluções estudantis de uma universidade de S. Francisco, numa clara luta
contra a guerra no Vietname, do qual surgiu o lema “Faça amor e não guerra” e que teve
réplicas nos demais países desenvolvidos, desde os EUA, Inglaterra e chegando ao Japão,
tendo a sua maior representatividade em Paris, França.
       Esta revolta estudantil tinha como principais protagonistas os filhos do "baby-boom"
pós-guerra que chegaram maciçamente às universidades e por conta disso, e do fenómeno da
exploração dos trabalhadores como eixo das reivindicações estudantis em que a classe
operária tinha necessidade de pôr sua força de trabalho à disposição dos proprietários dos
meios de produção e onde as perspectivas profissionais dos recém formados eram menos
atrativas do que antes, decidem assim opor-se pela contestação permanente, revoltados contra
a sociedade de consumo, o ensino tradicional, a autoridade familiar, a escassez de saídas
profissionais e as ligações estreitas entre o sindicato (Confederação Geral do Trabalho -
CGT), que deveria ter a incumbência de defender os direitos, liberdades e garantias da classe
operária, e o poder político comunista.
       Uma França dominada pela ideologia política do general Charles de Gaulle, enraizado
pelo comunismo da União Soviética, com uma sociedade fechada e conservadora que vivia
sob o reflexo das perdas sofridas na Segunda Guerra Mundial e pela entrada do capitalismo na
estrutura política, social e económica francesa, o evento de maio de 1968 foi decisivo para
que se começasse abordar a questão do poder e teve um único grande tema: a recusa de uma
universidade ao serviço do capitalismo em que os estudantes recusavam-se a ser técnicos
superiores destinados a enquadrar e disciplinar a classe trabalhadora e a serem eles o
“gestores” das vidas do proletariado. Os jovens de classes privilegiadas, oriundos da
burguesia e com acesso a bens e serviços e que desfrutavam de bens materiais, preferiam
procurar uma vida comunitária, num sinal de que o consumismo da sociedade ocidental não
resolvia os problemas e aspirações humanas, perdendo, assim, totalmente a convicção num
futuro melhor e os conflitos entre a população e o poder alargam-se, porém, ao setor social,
com manifestações sindicais de milhares de trabalhadores franceses.

                                                                                    1
EDUCAÇÃO SOCIAL – PÓS LABORAL                           UC – DESENVOLVIMENTO e PARTICIPAÇÃO

       Contudo, apesar do envolvimento da classe operária na revolução estudantil, a CGT, a
maior central sindical, hegemonizada pelo Partido Comunista, que era francamente oposta à
luta estudantil e a qualquer tentativa de aproximação entre estudantes e trabalhadores, e o
próprio Partido Comunista Francês adotam uma posição calculista, classificando as revoltas
estudantis e a greve geral daí resultante como um simples sinal de aventurismo e
concentrando-se apenas em reivindicações profissionais e laborais, em contraponto às
exigências de reformas estruturais dos estudantes radicais que as viam apenas como formas
anarquistas e de rebelião, tendo inclusive fechado os portões das fábricas para evitar que os
estudantes irrompessem as mesmas como fizeram com as universidades e que daí resultasse
as suas destruições e assim acabava com o garantir do sustento familiar.
       Houve, acima de tudo, uma alteração das mentalidades, e, além disso, a revolução de
68 ditou a decadência e a insignificância do Partido Comunista Francês, que se opusera
frontalmente à contestação, sendo certo que houve militantes comunistas a participar
ativamente no movimento e que muitos filiados na CGT defenderam o prosseguimento da
greve e pronunciaram-se a favor dos estudantes.
       Os conservadores mantinham o poder, mas a abertura a novas ideias é cada vez maior
e a práxis evoluem, com tolerância a abrir caminho na sociedade francesa, levando ao
“levantar” da voz das minorias e a uma crescente emancipação das mulheres. Inclusive o
próprio clero inicia também uma autorreflexão e o altruísmo, o humanismo, a ecologia e o
nacionalismo são alguns dos conceitos herdados de todo este movimento contestatário de 68.
Maio de 68 teve duas outras consequências a longo prazo. Por um lado, chamou a atenção dos
trabalhadores franceses, e mesmo dos trabalhadores de outros países, para as greves com
ocupação das empresas, em busca do acabar com a exploração laboral, da diminuição de
horas de trabalho e de melhores salários. As lutas foram fortemente impulsionadas por este
exemplo e têm voltado a surgir sempre que existem condições concretas para levá-las a cabo.
Aliás, as ocupações de empresas em Portugal em 1974 e 1975 podem ser analisadas nesta
perspectiva. Foi a partir das lutas quotidianas realizadas com aqueles que detinham a
hegemonia e o poder, que apareceu a necessidade de se refletir sobre a forma como esse poder
era exercido.
       Esta crise de maio de 68 vai ao encontro da teoria de Gramsci, que defendia as
sociedades orgânicas como veículo de rutura do poder, substituindo os intelectuais
tradicionais por intelectuais orgânicos, ou seja, propunha que a própria classe trabalhadora se


                                                                                     2
EDUCAÇÃO SOCIAL – PÓS LABORAL                                                         UC – DESENVOLVIMENTO e PARTICIPAÇÃO

autoeducasse, valorizasse e emancipasse para que fossem os próprios trabalhadores a
participarem ativamente nas suas próprias qualificações e a assumir o poder nas organizações
e que os levaria à ascensão profissional e social, fazendo com que dali em diante a tal
universidade burguesa formasse intelectuais que lutassem por um bem comum entre todos e
ao lado dos trabalhadores e não contra eles. A teoria de Gramsci incidia na lógica de usar a
educação para promover a aquisição, por parte do trabalhador, de uma bagagem universal e
experiência profissional (capacidades cognitivas e práticas) ou o desenvolvimento de uma
consciência política (incorporando as experiências da classe trabalhadora na educação) como
forma de combater a hegemonia da classe burguesa e do poder do capitalismo em todo o
tecido social.
           Hoje, muitos autores referem que as mudanças consideráveis na vida da sociedade
resultantes da revolução de maio de 68, aplaudidas por uns e renegadas por outros, das quais a
libertação sexual (contracepção, direito ao aborto, aceitação da homossexualidade), a
emancipação das mulheres; o questionamento do autoritarismo nas relações familiares; a
democratização de algumas instituições (na universidade por exemplo) e as novas formas
artísticas, são em muito secundárias (e perfeitamente absorvidas pelo capitalismo) diante da
manutenção da exploração, do crescimento do desemprego, da intensificação da opressão e da
incivilidade geral do mundo capitalista.
           Indo ao encontro do título do vídeo “A nova libertação” e a um dos slogans de maio
de 68 "É só um começo, continuamos o combate!", penso que é nesse sentido que a sociedade
em geral deve manter o princípio da luta pelos direitos, liberdades e garantias, mostrando-se
ativa, consciente, crítica e participativa nas tomadas de decisão, rompendo com qualquer tipo
de hegemonia social e promovendo o equilíbrio e a igualdade social em busca da plena
cidadania e qualidade de vida.
           Parafraseando um autor brasileiro, Ruy Barbosa1, “quem não luta pelos seus direitos
não é digno deles!”
           E a luta continua… Contudo, há que não confundir liberdade com libertinagem.
Vivemos em democracia e temos de respeitar a dignidade humana e os princípios de
cidadania.
Docente: António Fragoso                                                       Discente: Ricardo da Palma, nº 43043


1
  Ruy Barbosa de Oliveira foi um jurista, político, diplomata, escritor, filólogo, tradutor e orador brasileiro. Um dos intelectuais mais
brilhantes do seu tempo.


                                                                                                                                   3

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Artigo de luís antônio groppo em revista
Artigo de luís antônio groppo em revistaArtigo de luís antônio groppo em revista
Artigo de luís antônio groppo em revista
citacoesdosprojetos
 
Movimento estudantil
Movimento estudantilMovimento estudantil
Movimento estudantil
Francisco Silva
 
O movimento estudantil brasileiro como instância de construção de uma consciê...
O movimento estudantil brasileiro como instância de construção de uma consciê...O movimento estudantil brasileiro como instância de construção de uma consciê...
O movimento estudantil brasileiro como instância de construção de uma consciê...
Francisco de Paula Araújo
 
O movimento estudantil
O movimento estudantilO movimento estudantil
O movimento estudantil
Lucas Nascimento
 
Enf esp
Enf espEnf esp
Da ocupação das ruas à ocupação da vida nildo viana
Da ocupação das ruas à ocupação da vida   nildo vianaDa ocupação das ruas à ocupação da vida   nildo viana
Da ocupação das ruas à ocupação da vida nildo viana
Formancipa Extensão
 
Violência estatal e manifestação estudantil nildo viana
Violência estatal e manifestação estudantil   nildo vianaViolência estatal e manifestação estudantil   nildo viana
Violência estatal e manifestação estudantil nildo vianaFormancipa Extensão
 
Tese estudantes UFC 2013
Tese estudantes UFC 2013Tese estudantes UFC 2013
Tese estudantes UFC 2013
Vicente
 
Trabalho de hugo soeiro & filipe pires
Trabalho de hugo soeiro & filipe piresTrabalho de hugo soeiro & filipe pires
Trabalho de hugo soeiro & filipe pires
eb23ja
 
Q15
Q15Q15

Mais procurados (10)

Artigo de luís antônio groppo em revista
Artigo de luís antônio groppo em revistaArtigo de luís antônio groppo em revista
Artigo de luís antônio groppo em revista
 
Movimento estudantil
Movimento estudantilMovimento estudantil
Movimento estudantil
 
O movimento estudantil brasileiro como instância de construção de uma consciê...
O movimento estudantil brasileiro como instância de construção de uma consciê...O movimento estudantil brasileiro como instância de construção de uma consciê...
O movimento estudantil brasileiro como instância de construção de uma consciê...
 
O movimento estudantil
O movimento estudantilO movimento estudantil
O movimento estudantil
 
Enf esp
Enf espEnf esp
Enf esp
 
Da ocupação das ruas à ocupação da vida nildo viana
Da ocupação das ruas à ocupação da vida   nildo vianaDa ocupação das ruas à ocupação da vida   nildo viana
Da ocupação das ruas à ocupação da vida nildo viana
 
Violência estatal e manifestação estudantil nildo viana
Violência estatal e manifestação estudantil   nildo vianaViolência estatal e manifestação estudantil   nildo viana
Violência estatal e manifestação estudantil nildo viana
 
Tese estudantes UFC 2013
Tese estudantes UFC 2013Tese estudantes UFC 2013
Tese estudantes UFC 2013
 
Trabalho de hugo soeiro & filipe pires
Trabalho de hugo soeiro & filipe piresTrabalho de hugo soeiro & filipe pires
Trabalho de hugo soeiro & filipe pires
 
Q15
Q15Q15
Q15
 

Destaque

A crise de 1969
A crise de 1969A crise de 1969
A crise de 1969
cattonia
 
Maio 68
Maio 68Maio 68
Os problemas da juventude nos anos 60
Os problemas da juventude nos anos 60Os problemas da juventude nos anos 60
Os problemas da juventude nos anos 60
Marisa Ferreira
 
Livro 68 a geração que queria mudar o mundo
Livro 68 a geração que queria mudar o mundoLivro 68 a geração que queria mudar o mundo
Livro 68 a geração que queria mudar o mundo
propejec
 
Movimento Estudantil
Movimento EstudantilMovimento Estudantil
Movimento Estudantil
Leandro Picanço
 
Ideologias politicas
Ideologias politicasIdeologias politicas
Geração dos anos 60 slide
Geração dos anos 60 slideGeração dos anos 60 slide
Geração dos anos 60 slide
ledubowski
 
Gbt – geração 60 office 2003
Gbt – geração 60   office 2003Gbt – geração 60   office 2003
Gbt – geração 60 office 2003
Filon Nogueira
 
Digital Branding
Digital BrandingDigital Branding
Digital Branding
Germano Bueno Rezende
 
Os movimentos contestatários
Os movimentos contestatáriosOs movimentos contestatários
Os movimentos contestatários
Zequinha8
 
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºanoModulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
CludiaBelluschiCosta
 

Destaque (11)

A crise de 1969
A crise de 1969A crise de 1969
A crise de 1969
 
Maio 68
Maio 68Maio 68
Maio 68
 
Os problemas da juventude nos anos 60
Os problemas da juventude nos anos 60Os problemas da juventude nos anos 60
Os problemas da juventude nos anos 60
 
Livro 68 a geração que queria mudar o mundo
Livro 68 a geração que queria mudar o mundoLivro 68 a geração que queria mudar o mundo
Livro 68 a geração que queria mudar o mundo
 
Movimento Estudantil
Movimento EstudantilMovimento Estudantil
Movimento Estudantil
 
Ideologias politicas
Ideologias politicasIdeologias politicas
Ideologias politicas
 
Geração dos anos 60 slide
Geração dos anos 60 slideGeração dos anos 60 slide
Geração dos anos 60 slide
 
Gbt – geração 60 office 2003
Gbt – geração 60   office 2003Gbt – geração 60   office 2003
Gbt – geração 60 office 2003
 
Digital Branding
Digital BrandingDigital Branding
Digital Branding
 
Os movimentos contestatários
Os movimentos contestatáriosOs movimentos contestatários
Os movimentos contestatários
 
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºanoModulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
 

Semelhante a Reflexão Individual - Maio 68

Projeto societario contra hegemonico educacao do campo
Projeto societario contra hegemonico educacao do  campo Projeto societario contra hegemonico educacao do  campo
Projeto societario contra hegemonico educacao do campo
pibidsociais
 
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO.pptx
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO.pptxSOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO.pptx
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO.pptx
RaphaelFerreira926156
 
Artigo de luís antônio groppo em revista em 2008
Artigo de luís antônio groppo em revista em 2008Artigo de luís antônio groppo em revista em 2008
Artigo de luís antônio groppo em revista em 2008
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Trabalho willyanne 2
Trabalho willyanne 2Trabalho willyanne 2
Trabalho willyanne 2
simara22
 
Archivo pdf
Archivo pdfArchivo pdf
215820902 slavoj-zizek-crenca-na-utopia-ainda-a-melhor-forma-de-questionar-a-...
215820902 slavoj-zizek-crenca-na-utopia-ainda-a-melhor-forma-de-questionar-a-...215820902 slavoj-zizek-crenca-na-utopia-ainda-a-melhor-forma-de-questionar-a-...
215820902 slavoj-zizek-crenca-na-utopia-ainda-a-melhor-forma-de-questionar-a-...
Alline Garcia
 
Nós da base
Nós da baseNós da base
Nós da base
nosdabase
 
Me e a revolução
Me e a revoluçãoMe e a revolução
Me e a revolução
Aramys Reis
 
Como combater e derrotar o totalitarismo moderno
Como combater e derrotar o totalitarismo modernoComo combater e derrotar o totalitarismo moderno
Como combater e derrotar o totalitarismo moderno
Fernando Alcoforado
 
Socoialismo
SocoialismoSocoialismo
Socoialismo
André Silva
 
Mov sociais a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
Mov sociais  a nova rebelião da classe media eesne_sup2012Mov sociais  a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
Mov sociais a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
Elisio Estanque
 
Questionário 01
Questionário 01Questionário 01
Questionário 01
roberto mosca junior
 
Apostila ciências na educação i - 06
Apostila   ciências na educação i - 06Apostila   ciências na educação i - 06
Apostila ciências na educação i - 06
Paula Spera
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
Karl marxKarl marx
Sociologia m1
Sociologia m1Sociologia m1
Sociologia m1
Leticia Bueno Flores
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
equacao
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
Portozana
 
Lista com alguns exercícios Sociologia 3.docx
Lista com alguns exercícios Sociologia 3.docxLista com alguns exercícios Sociologia 3.docx
Lista com alguns exercícios Sociologia 3.docx
sesiomzezao
 
Folhetim do Estudante - Ano IX - Número 65
Folhetim do Estudante - Ano IX - Número 65Folhetim do Estudante - Ano IX - Número 65
Folhetim do Estudante - Ano IX - Número 65
Valter Gomes
 

Semelhante a Reflexão Individual - Maio 68 (20)

Projeto societario contra hegemonico educacao do campo
Projeto societario contra hegemonico educacao do  campo Projeto societario contra hegemonico educacao do  campo
Projeto societario contra hegemonico educacao do campo
 
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO.pptx
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO.pptxSOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO.pptx
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO.pptx
 
Artigo de luís antônio groppo em revista em 2008
Artigo de luís antônio groppo em revista em 2008Artigo de luís antônio groppo em revista em 2008
Artigo de luís antônio groppo em revista em 2008
 
Trabalho willyanne 2
Trabalho willyanne 2Trabalho willyanne 2
Trabalho willyanne 2
 
Archivo pdf
Archivo pdfArchivo pdf
Archivo pdf
 
215820902 slavoj-zizek-crenca-na-utopia-ainda-a-melhor-forma-de-questionar-a-...
215820902 slavoj-zizek-crenca-na-utopia-ainda-a-melhor-forma-de-questionar-a-...215820902 slavoj-zizek-crenca-na-utopia-ainda-a-melhor-forma-de-questionar-a-...
215820902 slavoj-zizek-crenca-na-utopia-ainda-a-melhor-forma-de-questionar-a-...
 
Nós da base
Nós da baseNós da base
Nós da base
 
Me e a revolução
Me e a revoluçãoMe e a revolução
Me e a revolução
 
Como combater e derrotar o totalitarismo moderno
Como combater e derrotar o totalitarismo modernoComo combater e derrotar o totalitarismo moderno
Como combater e derrotar o totalitarismo moderno
 
Socoialismo
SocoialismoSocoialismo
Socoialismo
 
Mov sociais a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
Mov sociais  a nova rebelião da classe media eesne_sup2012Mov sociais  a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
Mov sociais a nova rebelião da classe media eesne_sup2012
 
Questionário 01
Questionário 01Questionário 01
Questionário 01
 
Apostila ciências na educação i - 06
Apostila   ciências na educação i - 06Apostila   ciências na educação i - 06
Apostila ciências na educação i - 06
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Sociologia m1
Sociologia m1Sociologia m1
Sociologia m1
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
 
Lista com alguns exercícios Sociologia 3.docx
Lista com alguns exercícios Sociologia 3.docxLista com alguns exercícios Sociologia 3.docx
Lista com alguns exercícios Sociologia 3.docx
 
Folhetim do Estudante - Ano IX - Número 65
Folhetim do Estudante - Ano IX - Número 65Folhetim do Estudante - Ano IX - Número 65
Folhetim do Estudante - Ano IX - Número 65
 

Mais de Ricardo da Palma

Crianças vítimas de abusos sexuais: Um contributo estratégico
Crianças vítimas de abusos sexuais: Um contributo estratégicoCrianças vítimas de abusos sexuais: Um contributo estratégico
Crianças vítimas de abusos sexuais: Um contributo estratégico
Ricardo da Palma
 
Contributos Teóricos e Histórico-Políticos no Contexto da Educação de Adultos...
Contributos Teóricos e Histórico-Políticos no Contexto da Educação de Adultos...Contributos Teóricos e Histórico-Políticos no Contexto da Educação de Adultos...
Contributos Teóricos e Histórico-Políticos no Contexto da Educação de Adultos...
Ricardo da Palma
 
Racismo e Etnicidade - Recensão Crítica
Racismo e Etnicidade - Recensão CríticaRacismo e Etnicidade - Recensão Crítica
Racismo e Etnicidade - Recensão Crítica
Ricardo da Palma
 
O desemprego - Um caso de sucesso
O desemprego - Um caso de sucessoO desemprego - Um caso de sucesso
O desemprego - Um caso de sucesso
Ricardo da Palma
 
O desemprego a entrevista a um caso de sucesso
O desemprego  a entrevista a um caso de sucessoO desemprego  a entrevista a um caso de sucesso
O desemprego a entrevista a um caso de sucesso
Ricardo da Palma
 
Recensão Crítica - Mestrado Educação Social
Recensão Crítica - Mestrado Educação SocialRecensão Crítica - Mestrado Educação Social
Recensão Crítica - Mestrado Educação Social
Ricardo da Palma
 
Relatório Final Prática II
Relatório Final Prática IIRelatório Final Prática II
Relatório Final Prática II
Ricardo da Palma
 
Relatório Prática I - Diagnóstico e Projeto
Relatório Prática I - Diagnóstico e ProjetoRelatório Prática I - Diagnóstico e Projeto
Relatório Prática I - Diagnóstico e Projeto
Ricardo da Palma
 
Apresentação Relatório Final - PPT
Apresentação Relatório Final - PPTApresentação Relatório Final - PPT
Apresentação Relatório Final - PPT
Ricardo da Palma
 
Apresentação Projeto Educação Social - PPT
Apresentação Projeto Educação Social - PPTApresentação Projeto Educação Social - PPT
Apresentação Projeto Educação Social - PPT
Ricardo da Palma
 
Projeto de Educação Social (PES) -
Projeto de Educação Social (PES) - Projeto de Educação Social (PES) -
Projeto de Educação Social (PES) -
Ricardo da Palma
 
Trabalho da UC de Seminário de Supervisão - Comunicação Individual
Trabalho da UC de Seminário de Supervisão - Comunicação IndividualTrabalho da UC de Seminário de Supervisão - Comunicação Individual
Trabalho da UC de Seminário de Supervisão - Comunicação Individual
Ricardo da Palma
 
Desenvolvimento VS Crescimento Económico
Desenvolvimento VS Crescimento EconómicoDesenvolvimento VS Crescimento Económico
Desenvolvimento VS Crescimento Económico
Ricardo da Palma
 
Recensão crítica - Boaventura Sousa Santos
Recensão crítica - Boaventura Sousa SantosRecensão crítica - Boaventura Sousa Santos
Recensão crítica - Boaventura Sousa Santos
Ricardo da Palma
 
Reflexão Individual - 1948 A Era da Prosperidade
Reflexão Individual - 1948 A Era da ProsperidadeReflexão Individual - 1948 A Era da Prosperidade
Reflexão Individual - 1948 A Era da Prosperidade
Ricardo da Palma
 
Reflexão individual - A queda do muro Berlim
Reflexão individual - A queda do muro BerlimReflexão individual - A queda do muro Berlim
Reflexão individual - A queda do muro Berlim
Ricardo da Palma
 
Psicologia Social
Psicologia Social Psicologia Social
Psicologia Social
Ricardo da Palma
 
Psicologia social - Comportamentos Violentos, Violência Doméstica
Psicologia social - Comportamentos Violentos, Violência DomésticaPsicologia social - Comportamentos Violentos, Violência Doméstica
Psicologia social - Comportamentos Violentos, Violência Doméstica
Ricardo da Palma
 
Trabalho Estatística - Metodologias Investigação II
Trabalho Estatística - Metodologias Investigação IITrabalho Estatística - Metodologias Investigação II
Trabalho Estatística - Metodologias Investigação II
Ricardo da Palma
 
Desporto & lazer reflexão individual
Desporto & lazer   reflexão individualDesporto & lazer   reflexão individual
Desporto & lazer reflexão individual
Ricardo da Palma
 

Mais de Ricardo da Palma (20)

Crianças vítimas de abusos sexuais: Um contributo estratégico
Crianças vítimas de abusos sexuais: Um contributo estratégicoCrianças vítimas de abusos sexuais: Um contributo estratégico
Crianças vítimas de abusos sexuais: Um contributo estratégico
 
Contributos Teóricos e Histórico-Políticos no Contexto da Educação de Adultos...
Contributos Teóricos e Histórico-Políticos no Contexto da Educação de Adultos...Contributos Teóricos e Histórico-Políticos no Contexto da Educação de Adultos...
Contributos Teóricos e Histórico-Políticos no Contexto da Educação de Adultos...
 
Racismo e Etnicidade - Recensão Crítica
Racismo e Etnicidade - Recensão CríticaRacismo e Etnicidade - Recensão Crítica
Racismo e Etnicidade - Recensão Crítica
 
O desemprego - Um caso de sucesso
O desemprego - Um caso de sucessoO desemprego - Um caso de sucesso
O desemprego - Um caso de sucesso
 
O desemprego a entrevista a um caso de sucesso
O desemprego  a entrevista a um caso de sucessoO desemprego  a entrevista a um caso de sucesso
O desemprego a entrevista a um caso de sucesso
 
Recensão Crítica - Mestrado Educação Social
Recensão Crítica - Mestrado Educação SocialRecensão Crítica - Mestrado Educação Social
Recensão Crítica - Mestrado Educação Social
 
Relatório Final Prática II
Relatório Final Prática IIRelatório Final Prática II
Relatório Final Prática II
 
Relatório Prática I - Diagnóstico e Projeto
Relatório Prática I - Diagnóstico e ProjetoRelatório Prática I - Diagnóstico e Projeto
Relatório Prática I - Diagnóstico e Projeto
 
Apresentação Relatório Final - PPT
Apresentação Relatório Final - PPTApresentação Relatório Final - PPT
Apresentação Relatório Final - PPT
 
Apresentação Projeto Educação Social - PPT
Apresentação Projeto Educação Social - PPTApresentação Projeto Educação Social - PPT
Apresentação Projeto Educação Social - PPT
 
Projeto de Educação Social (PES) -
Projeto de Educação Social (PES) - Projeto de Educação Social (PES) -
Projeto de Educação Social (PES) -
 
Trabalho da UC de Seminário de Supervisão - Comunicação Individual
Trabalho da UC de Seminário de Supervisão - Comunicação IndividualTrabalho da UC de Seminário de Supervisão - Comunicação Individual
Trabalho da UC de Seminário de Supervisão - Comunicação Individual
 
Desenvolvimento VS Crescimento Económico
Desenvolvimento VS Crescimento EconómicoDesenvolvimento VS Crescimento Económico
Desenvolvimento VS Crescimento Económico
 
Recensão crítica - Boaventura Sousa Santos
Recensão crítica - Boaventura Sousa SantosRecensão crítica - Boaventura Sousa Santos
Recensão crítica - Boaventura Sousa Santos
 
Reflexão Individual - 1948 A Era da Prosperidade
Reflexão Individual - 1948 A Era da ProsperidadeReflexão Individual - 1948 A Era da Prosperidade
Reflexão Individual - 1948 A Era da Prosperidade
 
Reflexão individual - A queda do muro Berlim
Reflexão individual - A queda do muro BerlimReflexão individual - A queda do muro Berlim
Reflexão individual - A queda do muro Berlim
 
Psicologia Social
Psicologia Social Psicologia Social
Psicologia Social
 
Psicologia social - Comportamentos Violentos, Violência Doméstica
Psicologia social - Comportamentos Violentos, Violência DomésticaPsicologia social - Comportamentos Violentos, Violência Doméstica
Psicologia social - Comportamentos Violentos, Violência Doméstica
 
Trabalho Estatística - Metodologias Investigação II
Trabalho Estatística - Metodologias Investigação IITrabalho Estatística - Metodologias Investigação II
Trabalho Estatística - Metodologias Investigação II
 
Desporto & lazer reflexão individual
Desporto & lazer   reflexão individualDesporto & lazer   reflexão individual
Desporto & lazer reflexão individual
 

Último

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 

Último (20)

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 

Reflexão Individual - Maio 68

  • 1. EDUCAÇÃO SOCIAL – PÓS LABORAL UC – DESENVOLVIMENTO e PARTICIPAÇÃO REFLEXÃO Maio de 68 A "crise" de maio de 1968 começou por ser um movimento de contestação estudantil francesa, com reflexos ainda do movimento hippie dos Estados Unidos da América (EUA), também devido a revoluções estudantis de uma universidade de S. Francisco, numa clara luta contra a guerra no Vietname, do qual surgiu o lema “Faça amor e não guerra” e que teve réplicas nos demais países desenvolvidos, desde os EUA, Inglaterra e chegando ao Japão, tendo a sua maior representatividade em Paris, França. Esta revolta estudantil tinha como principais protagonistas os filhos do "baby-boom" pós-guerra que chegaram maciçamente às universidades e por conta disso, e do fenómeno da exploração dos trabalhadores como eixo das reivindicações estudantis em que a classe operária tinha necessidade de pôr sua força de trabalho à disposição dos proprietários dos meios de produção e onde as perspectivas profissionais dos recém formados eram menos atrativas do que antes, decidem assim opor-se pela contestação permanente, revoltados contra a sociedade de consumo, o ensino tradicional, a autoridade familiar, a escassez de saídas profissionais e as ligações estreitas entre o sindicato (Confederação Geral do Trabalho - CGT), que deveria ter a incumbência de defender os direitos, liberdades e garantias da classe operária, e o poder político comunista. Uma França dominada pela ideologia política do general Charles de Gaulle, enraizado pelo comunismo da União Soviética, com uma sociedade fechada e conservadora que vivia sob o reflexo das perdas sofridas na Segunda Guerra Mundial e pela entrada do capitalismo na estrutura política, social e económica francesa, o evento de maio de 1968 foi decisivo para que se começasse abordar a questão do poder e teve um único grande tema: a recusa de uma universidade ao serviço do capitalismo em que os estudantes recusavam-se a ser técnicos superiores destinados a enquadrar e disciplinar a classe trabalhadora e a serem eles o “gestores” das vidas do proletariado. Os jovens de classes privilegiadas, oriundos da burguesia e com acesso a bens e serviços e que desfrutavam de bens materiais, preferiam procurar uma vida comunitária, num sinal de que o consumismo da sociedade ocidental não resolvia os problemas e aspirações humanas, perdendo, assim, totalmente a convicção num futuro melhor e os conflitos entre a população e o poder alargam-se, porém, ao setor social, com manifestações sindicais de milhares de trabalhadores franceses. 1
  • 2. EDUCAÇÃO SOCIAL – PÓS LABORAL UC – DESENVOLVIMENTO e PARTICIPAÇÃO Contudo, apesar do envolvimento da classe operária na revolução estudantil, a CGT, a maior central sindical, hegemonizada pelo Partido Comunista, que era francamente oposta à luta estudantil e a qualquer tentativa de aproximação entre estudantes e trabalhadores, e o próprio Partido Comunista Francês adotam uma posição calculista, classificando as revoltas estudantis e a greve geral daí resultante como um simples sinal de aventurismo e concentrando-se apenas em reivindicações profissionais e laborais, em contraponto às exigências de reformas estruturais dos estudantes radicais que as viam apenas como formas anarquistas e de rebelião, tendo inclusive fechado os portões das fábricas para evitar que os estudantes irrompessem as mesmas como fizeram com as universidades e que daí resultasse as suas destruições e assim acabava com o garantir do sustento familiar. Houve, acima de tudo, uma alteração das mentalidades, e, além disso, a revolução de 68 ditou a decadência e a insignificância do Partido Comunista Francês, que se opusera frontalmente à contestação, sendo certo que houve militantes comunistas a participar ativamente no movimento e que muitos filiados na CGT defenderam o prosseguimento da greve e pronunciaram-se a favor dos estudantes. Os conservadores mantinham o poder, mas a abertura a novas ideias é cada vez maior e a práxis evoluem, com tolerância a abrir caminho na sociedade francesa, levando ao “levantar” da voz das minorias e a uma crescente emancipação das mulheres. Inclusive o próprio clero inicia também uma autorreflexão e o altruísmo, o humanismo, a ecologia e o nacionalismo são alguns dos conceitos herdados de todo este movimento contestatário de 68. Maio de 68 teve duas outras consequências a longo prazo. Por um lado, chamou a atenção dos trabalhadores franceses, e mesmo dos trabalhadores de outros países, para as greves com ocupação das empresas, em busca do acabar com a exploração laboral, da diminuição de horas de trabalho e de melhores salários. As lutas foram fortemente impulsionadas por este exemplo e têm voltado a surgir sempre que existem condições concretas para levá-las a cabo. Aliás, as ocupações de empresas em Portugal em 1974 e 1975 podem ser analisadas nesta perspectiva. Foi a partir das lutas quotidianas realizadas com aqueles que detinham a hegemonia e o poder, que apareceu a necessidade de se refletir sobre a forma como esse poder era exercido. Esta crise de maio de 68 vai ao encontro da teoria de Gramsci, que defendia as sociedades orgânicas como veículo de rutura do poder, substituindo os intelectuais tradicionais por intelectuais orgânicos, ou seja, propunha que a própria classe trabalhadora se 2
  • 3. EDUCAÇÃO SOCIAL – PÓS LABORAL UC – DESENVOLVIMENTO e PARTICIPAÇÃO autoeducasse, valorizasse e emancipasse para que fossem os próprios trabalhadores a participarem ativamente nas suas próprias qualificações e a assumir o poder nas organizações e que os levaria à ascensão profissional e social, fazendo com que dali em diante a tal universidade burguesa formasse intelectuais que lutassem por um bem comum entre todos e ao lado dos trabalhadores e não contra eles. A teoria de Gramsci incidia na lógica de usar a educação para promover a aquisição, por parte do trabalhador, de uma bagagem universal e experiência profissional (capacidades cognitivas e práticas) ou o desenvolvimento de uma consciência política (incorporando as experiências da classe trabalhadora na educação) como forma de combater a hegemonia da classe burguesa e do poder do capitalismo em todo o tecido social. Hoje, muitos autores referem que as mudanças consideráveis na vida da sociedade resultantes da revolução de maio de 68, aplaudidas por uns e renegadas por outros, das quais a libertação sexual (contracepção, direito ao aborto, aceitação da homossexualidade), a emancipação das mulheres; o questionamento do autoritarismo nas relações familiares; a democratização de algumas instituições (na universidade por exemplo) e as novas formas artísticas, são em muito secundárias (e perfeitamente absorvidas pelo capitalismo) diante da manutenção da exploração, do crescimento do desemprego, da intensificação da opressão e da incivilidade geral do mundo capitalista. Indo ao encontro do título do vídeo “A nova libertação” e a um dos slogans de maio de 68 "É só um começo, continuamos o combate!", penso que é nesse sentido que a sociedade em geral deve manter o princípio da luta pelos direitos, liberdades e garantias, mostrando-se ativa, consciente, crítica e participativa nas tomadas de decisão, rompendo com qualquer tipo de hegemonia social e promovendo o equilíbrio e a igualdade social em busca da plena cidadania e qualidade de vida. Parafraseando um autor brasileiro, Ruy Barbosa1, “quem não luta pelos seus direitos não é digno deles!” E a luta continua… Contudo, há que não confundir liberdade com libertinagem. Vivemos em democracia e temos de respeitar a dignidade humana e os princípios de cidadania. Docente: António Fragoso Discente: Ricardo da Palma, nº 43043 1 Ruy Barbosa de Oliveira foi um jurista, político, diplomata, escritor, filólogo, tradutor e orador brasileiro. Um dos intelectuais mais brilhantes do seu tempo. 3