SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
EDUCAÇÃO SOCIAL – PÓS LABORAL                    UC - DESENVOLVIMENTO E PARTICIPAÇÃO


REFLEXÃO
               1948 – A Era da Prosperidade
       Após a II Guerra Mundial, a Europa, que sofria uma grave crise (económica, social e
política), motivou o interesse dos EUA em “investir” nesta Europa degradada e sem soluções.
No final da II Guerra Mundial, os países europeus entraram em declínio, coincidindo com a
ascensão dos Estados Unidos da América e da União Soviética enquanto potências no palco
das relações internacionais.
      A Europa, no período do pós II Grande Guerra, completamente desacreditada das suas
capacidades, vê-se “embrulhada” entre estas duas superpotências mundiais: Os EUA e a
URSS. Estas superpotências, com ideologias políticas completamente distintas: o liberalismo,
sustentado pelo sistema do capitalismo (industrial), e o comunismo, respetivamente, tentam
de qualquer forma deter o domínio Europeu através da aplicação das suas políticas.
      Churchill, governante britânico na altura, foi o primeiro a perceber o avanço do
comunismo, embora a maioria dos europeus ainda não acreditava que existisse, e inicia fortes
pressões para que o Ocidente, nomeadamente para os EUA, encontrasse uma estratégia para
deter o avanço soviético.
       Em resposta à atitude britânica, o então presidente dos EUA, Harry Truman,
pronunciou, num Congresso Nacional em março de 1947, um violento discurso assumindo o
compromisso de "defender o mundo livre contra a ameaça comunista". Esta doutrina de
Truman dá início à Guerra Fria, que divulgou por todo o mundo a forte oposição entre os
blocos capitalista e comunista e apontava para um conjunto de práticas do governo dos EUA
em escala mundial, que procurava conter a expansão do comunismo soviético, entretanto
dominante na Europa de Leste e que tendia espalhar-se por toda a Europa Ocidental, junto
aos chamados "elos frágeis" do sistema capital. Tal doutrina é aprofundada posteriormente
pelo secretário de estado dos EUA, George Marshall, que anunciou a disposição dos Estados
Unidos de efetiva colaboração financeira para a recuperação da economia dos países
europeus. É assim criada pelos EUA uma medida de apoio para auxílio ao desenvolvimento
económico – O Plano de Recuperação Europeu (European Recovery Program – ERP,
designação formal), ou Plano Marshall, como ficou conhecido.



                                             1
EDUCAÇÃO SOCIAL – PÓS LABORAL                                   UC - DESENVOLVIMENTO E PARTICIPAÇÃO

         Elaborado pelos Estados Unidos e destinado à recuperação dos países da Europa
Ocidental, o plano Marshall foi elaborado após uma reunião com os países europeus (em
julho de 1947) e consistia no convite dirigido à União Soviética e aos países da Europa
Oriental, em que os EUA prestavam auxílio económico e financeiro à Europa: seriam
injetados 13 biliões de dólares para ajuda ao crescimento e desenvolvimento europeu. Itália,
França, Inglaterra e posteriormente a Alemanha, foram os países que mais lucraram com esta
assistência norte americana. No início, com a chegada à Itália do chamado “Comboio da
Amizade”, os recursos/víveres foram sendo distribuídos e também utilizados para comprar
alimentos, fertilizantes e rações, e, logo depois, foram adquirindo matérias-primas, produtos
semi-industrializados, combustíveis, veículos e maquinaria. Aproximadamente 70% desses
bens eram de origem norte-americana.
         Contudo, Josef Stalin, líder soviético, viu o plano como uma ameaça e não permitiu a
participação de qualquer país com domínio soviético e, motivado pela doutrina de Truman,
torna mais consistente o início da guerra-fria1 entre o bloco de leste e o ocidente. Quando o
plano foi concluído, a economia de cada país participante, com a exceção da Alemanha, tinha
crescido consideravelmente acima dos níveis pré-guerra e nas duas décadas seguintes a
Europa Ocidental iria gozar de prosperidade e crescimento. O Plano Marshall também é visto
como um dos primeiros elementos da integração europeia, já que anulou barreiras comerciais
e criou instituições para coordenar a economia à escala intercontinental. Uma consequência
intencionada foi a adoção sistemática de técnicas administrativas norte-americanas, e, no
termo da II Guerra Mundial, os movimentos de exportação de capitais americanos para a
Europa organizados por iniciativa da política norte-americana tinham vários precedentes... A
compra da maquinaria e respetivos materiais industrializados tinham de ser totalmente
adquiridos pelos países aderentes aos Estados Unidos e a principal novidade consistia na
escala da ajuda financeira e na obrigação dos países aderentes cumprirem as regras de
administração da ajuda, no âmbito de uma organização multilateral europeia que implicava
compromissos inéditos de cooperação técnica, económica e política.
         No tocante a Portugal, António Salazar, inicialmente, também recusou a ajuda norte
americana que, com uma leitura pragmática, via que os movimentos de cooperação


1
  Chamada de “Guerra-Fria” por não ter existido efetivamente recurso a estratégias militares físicas, de recurso a material
bélico, apenas um conflito de ordem política, tecnológica, económica, social e ideológica entre as duas nações e as suas
zonas de influência.

                                                            2
EDUCAÇÃO SOCIAL – PÓS LABORAL                      UC - DESENVOLVIMENTO E PARTICIPAÇÃO

económica resultantes da participação de Portugal no European Recovery Program (ERP)
nunca foram criados com o objetivo único de uma efetiva integração – paradigma de
desenvolvimento – mas sim de uma cooperação para fins económicos – paradigma de
crescimento económico. Mas, a débil conjuntura económica europeia na altura (pós guerra),
em que Portugal não era de todo alheio, levou a que Salazar sucumbisse aos dólares
americanos.
       Apesar desta ajuda e boas intenções norte-americanas terem como princípio o
desenvolvimento europeu, maiores valores se levantaram. São os valores próprios e
hegemónicos por parte dos EUA, em, por um lado, impor os seus produtos e capitais e
controlar tudo o que se produzia na Europa e em injetar maquinaria industrial para essa
produção, paga a juros altíssimos e de onde foram tirados grandes dividendos económicos, e
por outro lado controlar ou aniquilar a expansão comunista.
       A meu ver, um dos princípios base do capitalismo é ter como objetivo único o
enriquecimento do detentor do poder, político e económico, monitorizando e monopolizando
os mercados e injetando as suas empresas (multinacionais). Ou seja, parece-me que o
objetivo geral a que se propunha inicialmente esta ajuda, de gerar emprego, de dinamizar e
contribuir para o desenvolvimento de um continente, enfim, contribuir positivamente (leia-se
económica e socialmente) para o bem estar geral da comunidade europeia, é alcançado pelo
objetivo específico de recuperar o que se investiu!
       Ainda hoje, o controlo e domínio dos países subdesenvolvidos por parte dos países
fortes e ricos, os quais impõem a sua economia, é evidente dada a impotência desses países
recetores que apenas dispõem de mão-de-obra barata e baixa qualificação das suas
populações. Contudo, embora exista a perspetiva de que a entrada de multinacionais nos
países subdesenvolvidos é uma forma positiva de promover a equidade entre todos, parece-
me que esta perspetiva somente beneficia as populações e os países recetores apenas a curto
prazo… E isto porque essas multinacionais apenas aí permanecem até que a mão-de-obra se
mantenham barata e/ou até que as compense economicamente, ou seja, abandonam o país
após recuperação do investimento efetuado, procurando outro país com mão-de-obra mais
barata ou até mesmo deixando de existir por terem garantido o objetivo principal, vantagem
económica. Apesar dessa hipotética ajuda, a médio e longo prazo tende a gerar mais
desemprego e, logo, cria maiores desigualdades sociais e económicas.



                                               3
EDUCAÇÃO SOCIAL – PÓS LABORAL                     UC - DESENVOLVIMENTO E PARTICIPAÇÃO

       Recentemente os historiadores vêm questionando não só os verdadeiros motivos como
também os efeitos gerais do Plano Marshall. Alguns historiadores acreditam que os
benefícios do plano foram na verdade o resultado de políticas de laissez faire que permitiram
a estabilização de mercados através do crescimento económico. Além disso, alguns criticam o
plano por estabelecer uma tendência dos EUA a ajudar economias estrangeiras em
dificuldades, valendo-se do dinheiro dos impostos dos cidadãos norte-americanos.
       Desta forma, os EUA, como grande superpotência, conseguem concretizar a
hegemonia económica sobre o velho continente e esta Era de Prosperidade, de onde
resultaram anos de grande expansão, conhecidos pelos 30 Gloriosos, vêm estabelecer dívidas
infindáveis, das quais de gratidão e de subserviência europeia aos norte americanos.
       Até mesmo com a criação da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento
Económico (OCDE) em 1961, que teve origem em 1948 como Organização para a
Cooperação Económica (OECE), e que tinha como objetivo ajudar a administrar o Plano
Marshall para a reconstrução da Europa após a Segunda Guerra Mundial, e pelos países
participantes e que a constituem, os quais produzem juntos mais da metade de toda a riqueza
do mundo – o chamado “Grupo dos Ricos” – mostra que todas as intenções estratégicas
destas organizações são somente de controlar, dominar e aplicar as suas políticas perante os
estados subdesenvolvidos, limitando-os a essas mesmas políticas. Cabe assim a cada país
defender os seus interesses e estrutura-los adequada e favoravelmente de forma a não se
perder a sua identidade e soberania.




Docente: António Fragoso                           Discente: Ricardo da Palma, nº 43043



                                              4

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

TEXTO_COMPLEMENTAR_Resumo china
TEXTO_COMPLEMENTAR_Resumo chinaTEXTO_COMPLEMENTAR_Resumo china
TEXTO_COMPLEMENTAR_Resumo chinaCADUCOC
 
APOIO AULA 2 - Texto Ordens Mundiais e Globalização
APOIO AULA 2 - Texto Ordens Mundiais e GlobalizaçãoAPOIO AULA 2 - Texto Ordens Mundiais e Globalização
APOIO AULA 2 - Texto Ordens Mundiais e GlobalizaçãoCADUCOC1
 
2.2.4 regionalizacao-mundial-e-o-conflito-norte-sul
2.2.4 regionalizacao-mundial-e-o-conflito-norte-sul2.2.4 regionalizacao-mundial-e-o-conflito-norte-sul
2.2.4 regionalizacao-mundial-e-o-conflito-norte-sulAlexandre Quadrado
 
A Nova Ordem Mundial (PDF)
A Nova Ordem Mundial (PDF)A Nova Ordem Mundial (PDF)
A Nova Ordem Mundial (PDF)Paulo Alexandre
 
A NOVA ORDEM MUNDIAL
A NOVA ORDEM MUNDIALA NOVA ORDEM MUNDIAL
A NOVA ORDEM MUNDIALIsabel Aguiar
 
Regionalização do espaço geográfico mundial
Regionalização do espaço geográfico mundialRegionalização do espaço geográfico mundial
Regionalização do espaço geográfico mundialMarco Santos
 
Mundo multipolar - Geopolítica
Mundo multipolar - GeopolíticaMundo multipolar - Geopolítica
Mundo multipolar - GeopolíticaArtur Lara
 
Aula 3 Ordem Mundial AZ
Aula 3 Ordem Mundial AZAula 3 Ordem Mundial AZ
Aula 3 Ordem Mundial AZCADUCOC1
 
Outras regionalizações do espaço mundial
Outras regionalizações do espaço mundialOutras regionalizações do espaço mundial
Outras regionalizações do espaço mundialAna Selma Sena Santos
 
Textos de apoio_1_e_2
Textos de apoio_1_e_2Textos de apoio_1_e_2
Textos de apoio_1_e_2LUIS ABREU
 
Principais eventos da Guerra Fria
Principais eventos da Guerra FriaPrincipais eventos da Guerra Fria
Principais eventos da Guerra FriaCADUCOC
 
Papel da geo oe esp mundial
Papel da geo oe esp mundialPapel da geo oe esp mundial
Papel da geo oe esp mundialPéricles Penuel
 
Norte e Sul
Norte e SulNorte e Sul
Norte e Sulrdbtava
 
Regionalização do espaço geográfico mundial
Regionalização do espaço geográfico mundialRegionalização do espaço geográfico mundial
Regionalização do espaço geográfico mundialAngela Ewerling
 

Mais procurados (19)

TEXTO_COMPLEMENTAR_Resumo china
TEXTO_COMPLEMENTAR_Resumo chinaTEXTO_COMPLEMENTAR_Resumo china
TEXTO_COMPLEMENTAR_Resumo china
 
APOIO AULA 2 - Texto Ordens Mundiais e Globalização
APOIO AULA 2 - Texto Ordens Mundiais e GlobalizaçãoAPOIO AULA 2 - Texto Ordens Mundiais e Globalização
APOIO AULA 2 - Texto Ordens Mundiais e Globalização
 
Nova Ordem Mundial
Nova Ordem MundialNova Ordem Mundial
Nova Ordem Mundial
 
O mundo após a II guerra mundial
O mundo após a II guerra mundialO mundo após a II guerra mundial
O mundo após a II guerra mundial
 
2.2.4 regionalizacao-mundial-e-o-conflito-norte-sul
2.2.4 regionalizacao-mundial-e-o-conflito-norte-sul2.2.4 regionalizacao-mundial-e-o-conflito-norte-sul
2.2.4 regionalizacao-mundial-e-o-conflito-norte-sul
 
A Nova Ordem Mundial (PDF)
A Nova Ordem Mundial (PDF)A Nova Ordem Mundial (PDF)
A Nova Ordem Mundial (PDF)
 
Aula 1 CADU 2013
Aula 1 CADU 2013Aula 1 CADU 2013
Aula 1 CADU 2013
 
Ordem mundial
Ordem mundialOrdem mundial
Ordem mundial
 
A NOVA ORDEM MUNDIAL
A NOVA ORDEM MUNDIALA NOVA ORDEM MUNDIAL
A NOVA ORDEM MUNDIAL
 
Regionalização do espaço geográfico mundial
Regionalização do espaço geográfico mundialRegionalização do espaço geográfico mundial
Regionalização do espaço geográfico mundial
 
Mundo multipolar - Geopolítica
Mundo multipolar - GeopolíticaMundo multipolar - Geopolítica
Mundo multipolar - Geopolítica
 
Slide terceiro ano geral
Slide terceiro ano geralSlide terceiro ano geral
Slide terceiro ano geral
 
Aula 3 Ordem Mundial AZ
Aula 3 Ordem Mundial AZAula 3 Ordem Mundial AZ
Aula 3 Ordem Mundial AZ
 
Outras regionalizações do espaço mundial
Outras regionalizações do espaço mundialOutras regionalizações do espaço mundial
Outras regionalizações do espaço mundial
 
Textos de apoio_1_e_2
Textos de apoio_1_e_2Textos de apoio_1_e_2
Textos de apoio_1_e_2
 
Principais eventos da Guerra Fria
Principais eventos da Guerra FriaPrincipais eventos da Guerra Fria
Principais eventos da Guerra Fria
 
Papel da geo oe esp mundial
Papel da geo oe esp mundialPapel da geo oe esp mundial
Papel da geo oe esp mundial
 
Norte e Sul
Norte e SulNorte e Sul
Norte e Sul
 
Regionalização do espaço geográfico mundial
Regionalização do espaço geográfico mundialRegionalização do espaço geográfico mundial
Regionalização do espaço geográfico mundial
 

Semelhante a Plano Marshall recupera Europa

Desenvolvimento do Capitalismo e a Ordem internacional
Desenvolvimento do Capitalismo e a Ordem internacionalDesenvolvimento do Capitalismo e a Ordem internacional
Desenvolvimento do Capitalismo e a Ordem internacionalFelipe Siqueira
 
Resumos de História - 4ºteste 12ºano
Resumos de História - 4ºteste 12ºanoResumos de História - 4ºteste 12ºano
Resumos de História - 4ºteste 12ºanoMaria Rebelo
 
Bloco Econômico UE 2010
Bloco Econômico UE 2010Bloco Econômico UE 2010
Bloco Econômico UE 2010Túlio de Souza
 
Texto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaTexto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaechechurry
 
Texto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaTexto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaechechurry
 
Slideterceiroanogeral 110524155454-phpapp01
Slideterceiroanogeral 110524155454-phpapp01Slideterceiroanogeral 110524155454-phpapp01
Slideterceiroanogeral 110524155454-phpapp01Ademir Jose Da Silva
 
Geop geopolítica no mundo conteporâneo
Geop geopolítica no mundo conteporâneoGeop geopolítica no mundo conteporâneo
Geop geopolítica no mundo conteporâneoZito Monteiro
 
A nova ordem mundial ou mulitpolaridade
A nova ordem mundial ou mulitpolaridadeA nova ordem mundial ou mulitpolaridade
A nova ordem mundial ou mulitpolaridadeRosemildo Lima
 
Mdcapcomun
MdcapcomunMdcapcomun
Mdcapcomuncattonia
 
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Ma
O Mundo No Breve SéCulo Xx   2º MaO Mundo No Breve SéCulo Xx   2º Ma
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º MaProfMario De Mori
 
A Guerra Fria
A Guerra FriaA Guerra Fria
A Guerra Friananasimao
 
Capitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismoCapitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismoDébora Sales
 
A geopolítica durante o período da ordem bipolar
A geopolítica durante o período da ordem bipolarA geopolítica durante o período da ordem bipolar
A geopolítica durante o período da ordem bipolarRafael Marques
 
A organizacao do poder econômico e político mundial
A organizacao do poder econômico e político mundialA organizacao do poder econômico e político mundial
A organizacao do poder econômico e político mundialAlexandre Quadrado
 

Semelhante a Plano Marshall recupera Europa (20)

Desenvolvimento do Capitalismo e a Ordem internacional
Desenvolvimento do Capitalismo e a Ordem internacionalDesenvolvimento do Capitalismo e a Ordem internacional
Desenvolvimento do Capitalismo e a Ordem internacional
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Resumos de História - 4ºteste 12ºano
Resumos de História - 4ºteste 12ºanoResumos de História - 4ºteste 12ºano
Resumos de História - 4ºteste 12ºano
 
Bloco Econômico UE 2010
Bloco Econômico UE 2010Bloco Econômico UE 2010
Bloco Econômico UE 2010
 
Texto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaTexto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafria
 
Texto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaTexto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafria
 
Slideterceiroanogeral 110524155454-phpapp01
Slideterceiroanogeral 110524155454-phpapp01Slideterceiroanogeral 110524155454-phpapp01
Slideterceiroanogeral 110524155454-phpapp01
 
Nicolas c. 9ºb
Nicolas c. 9ºbNicolas c. 9ºb
Nicolas c. 9ºb
 
Capitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismoCapitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismo
 
Capitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismoCapitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismo
 
Capitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismoCapitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismo
 
Geop geopolítica no mundo conteporâneo
Geop geopolítica no mundo conteporâneoGeop geopolítica no mundo conteporâneo
Geop geopolítica no mundo conteporâneo
 
A nova ordem mundial ou mulitpolaridade
A nova ordem mundial ou mulitpolaridadeA nova ordem mundial ou mulitpolaridade
A nova ordem mundial ou mulitpolaridade
 
Mdcapcomun
MdcapcomunMdcapcomun
Mdcapcomun
 
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Ma
O Mundo No Breve SéCulo Xx   2º MaO Mundo No Breve SéCulo Xx   2º Ma
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Ma
 
Europa Ocidental na Guerra Fria
Europa Ocidental na Guerra FriaEuropa Ocidental na Guerra Fria
Europa Ocidental na Guerra Fria
 
A Guerra Fria
A Guerra FriaA Guerra Fria
A Guerra Fria
 
Capitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismoCapitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismo
 
A geopolítica durante o período da ordem bipolar
A geopolítica durante o período da ordem bipolarA geopolítica durante o período da ordem bipolar
A geopolítica durante o período da ordem bipolar
 
A organizacao do poder econômico e político mundial
A organizacao do poder econômico e político mundialA organizacao do poder econômico e político mundial
A organizacao do poder econômico e político mundial
 

Mais de Ricardo da Palma

Crianças vítimas de abusos sexuais: Um contributo estratégico
Crianças vítimas de abusos sexuais: Um contributo estratégicoCrianças vítimas de abusos sexuais: Um contributo estratégico
Crianças vítimas de abusos sexuais: Um contributo estratégicoRicardo da Palma
 
Contributos Teóricos e Histórico-Políticos no Contexto da Educação de Adultos...
Contributos Teóricos e Histórico-Políticos no Contexto da Educação de Adultos...Contributos Teóricos e Histórico-Políticos no Contexto da Educação de Adultos...
Contributos Teóricos e Histórico-Políticos no Contexto da Educação de Adultos...Ricardo da Palma
 
Racismo e Etnicidade - Recensão Crítica
Racismo e Etnicidade - Recensão CríticaRacismo e Etnicidade - Recensão Crítica
Racismo e Etnicidade - Recensão CríticaRicardo da Palma
 
O desemprego - Um caso de sucesso
O desemprego - Um caso de sucessoO desemprego - Um caso de sucesso
O desemprego - Um caso de sucessoRicardo da Palma
 
O desemprego a entrevista a um caso de sucesso
O desemprego  a entrevista a um caso de sucessoO desemprego  a entrevista a um caso de sucesso
O desemprego a entrevista a um caso de sucessoRicardo da Palma
 
Recensão Crítica - Mestrado Educação Social
Recensão Crítica - Mestrado Educação SocialRecensão Crítica - Mestrado Educação Social
Recensão Crítica - Mestrado Educação SocialRicardo da Palma
 
Relatório Final Prática II
Relatório Final Prática IIRelatório Final Prática II
Relatório Final Prática IIRicardo da Palma
 
Relatório Prática I - Diagnóstico e Projeto
Relatório Prática I - Diagnóstico e ProjetoRelatório Prática I - Diagnóstico e Projeto
Relatório Prática I - Diagnóstico e ProjetoRicardo da Palma
 
Apresentação Relatório Final - PPT
Apresentação Relatório Final - PPTApresentação Relatório Final - PPT
Apresentação Relatório Final - PPTRicardo da Palma
 
Apresentação Projeto Educação Social - PPT
Apresentação Projeto Educação Social - PPTApresentação Projeto Educação Social - PPT
Apresentação Projeto Educação Social - PPTRicardo da Palma
 
Projeto de Educação Social (PES) -
Projeto de Educação Social (PES) - Projeto de Educação Social (PES) -
Projeto de Educação Social (PES) - Ricardo da Palma
 
Trabalho da UC de Seminário de Supervisão - Comunicação Individual
Trabalho da UC de Seminário de Supervisão - Comunicação IndividualTrabalho da UC de Seminário de Supervisão - Comunicação Individual
Trabalho da UC de Seminário de Supervisão - Comunicação IndividualRicardo da Palma
 
Desenvolvimento VS Crescimento Económico
Desenvolvimento VS Crescimento EconómicoDesenvolvimento VS Crescimento Económico
Desenvolvimento VS Crescimento EconómicoRicardo da Palma
 
Recensão crítica - Boaventura Sousa Santos
Recensão crítica - Boaventura Sousa SantosRecensão crítica - Boaventura Sousa Santos
Recensão crítica - Boaventura Sousa SantosRicardo da Palma
 
Reflexão individual - A queda do muro Berlim
Reflexão individual - A queda do muro BerlimReflexão individual - A queda do muro Berlim
Reflexão individual - A queda do muro BerlimRicardo da Palma
 
Reflexão Individual - Maio 68
Reflexão Individual - Maio 68 Reflexão Individual - Maio 68
Reflexão Individual - Maio 68 Ricardo da Palma
 
Psicologia social - Comportamentos Violentos, Violência Doméstica
Psicologia social - Comportamentos Violentos, Violência DomésticaPsicologia social - Comportamentos Violentos, Violência Doméstica
Psicologia social - Comportamentos Violentos, Violência DomésticaRicardo da Palma
 
Trabalho Estatística - Metodologias Investigação II
Trabalho Estatística - Metodologias Investigação IITrabalho Estatística - Metodologias Investigação II
Trabalho Estatística - Metodologias Investigação IIRicardo da Palma
 
Desporto & lazer reflexão individual
Desporto & lazer   reflexão individualDesporto & lazer   reflexão individual
Desporto & lazer reflexão individualRicardo da Palma
 

Mais de Ricardo da Palma (20)

Crianças vítimas de abusos sexuais: Um contributo estratégico
Crianças vítimas de abusos sexuais: Um contributo estratégicoCrianças vítimas de abusos sexuais: Um contributo estratégico
Crianças vítimas de abusos sexuais: Um contributo estratégico
 
Contributos Teóricos e Histórico-Políticos no Contexto da Educação de Adultos...
Contributos Teóricos e Histórico-Políticos no Contexto da Educação de Adultos...Contributos Teóricos e Histórico-Políticos no Contexto da Educação de Adultos...
Contributos Teóricos e Histórico-Políticos no Contexto da Educação de Adultos...
 
Racismo e Etnicidade - Recensão Crítica
Racismo e Etnicidade - Recensão CríticaRacismo e Etnicidade - Recensão Crítica
Racismo e Etnicidade - Recensão Crítica
 
O desemprego - Um caso de sucesso
O desemprego - Um caso de sucessoO desemprego - Um caso de sucesso
O desemprego - Um caso de sucesso
 
O desemprego a entrevista a um caso de sucesso
O desemprego  a entrevista a um caso de sucessoO desemprego  a entrevista a um caso de sucesso
O desemprego a entrevista a um caso de sucesso
 
Recensão Crítica - Mestrado Educação Social
Recensão Crítica - Mestrado Educação SocialRecensão Crítica - Mestrado Educação Social
Recensão Crítica - Mestrado Educação Social
 
Relatório Final Prática II
Relatório Final Prática IIRelatório Final Prática II
Relatório Final Prática II
 
Relatório Prática I - Diagnóstico e Projeto
Relatório Prática I - Diagnóstico e ProjetoRelatório Prática I - Diagnóstico e Projeto
Relatório Prática I - Diagnóstico e Projeto
 
Apresentação Relatório Final - PPT
Apresentação Relatório Final - PPTApresentação Relatório Final - PPT
Apresentação Relatório Final - PPT
 
Apresentação Projeto Educação Social - PPT
Apresentação Projeto Educação Social - PPTApresentação Projeto Educação Social - PPT
Apresentação Projeto Educação Social - PPT
 
Projeto de Educação Social (PES) -
Projeto de Educação Social (PES) - Projeto de Educação Social (PES) -
Projeto de Educação Social (PES) -
 
Trabalho da UC de Seminário de Supervisão - Comunicação Individual
Trabalho da UC de Seminário de Supervisão - Comunicação IndividualTrabalho da UC de Seminário de Supervisão - Comunicação Individual
Trabalho da UC de Seminário de Supervisão - Comunicação Individual
 
Desenvolvimento VS Crescimento Económico
Desenvolvimento VS Crescimento EconómicoDesenvolvimento VS Crescimento Económico
Desenvolvimento VS Crescimento Económico
 
Recensão crítica - Boaventura Sousa Santos
Recensão crítica - Boaventura Sousa SantosRecensão crítica - Boaventura Sousa Santos
Recensão crítica - Boaventura Sousa Santos
 
Reflexão individual - A queda do muro Berlim
Reflexão individual - A queda do muro BerlimReflexão individual - A queda do muro Berlim
Reflexão individual - A queda do muro Berlim
 
Reflexão Individual - Maio 68
Reflexão Individual - Maio 68 Reflexão Individual - Maio 68
Reflexão Individual - Maio 68
 
Psicologia Social
Psicologia Social Psicologia Social
Psicologia Social
 
Psicologia social - Comportamentos Violentos, Violência Doméstica
Psicologia social - Comportamentos Violentos, Violência DomésticaPsicologia social - Comportamentos Violentos, Violência Doméstica
Psicologia social - Comportamentos Violentos, Violência Doméstica
 
Trabalho Estatística - Metodologias Investigação II
Trabalho Estatística - Metodologias Investigação IITrabalho Estatística - Metodologias Investigação II
Trabalho Estatística - Metodologias Investigação II
 
Desporto & lazer reflexão individual
Desporto & lazer   reflexão individualDesporto & lazer   reflexão individual
Desporto & lazer reflexão individual
 

Plano Marshall recupera Europa

  • 1. EDUCAÇÃO SOCIAL – PÓS LABORAL UC - DESENVOLVIMENTO E PARTICIPAÇÃO REFLEXÃO 1948 – A Era da Prosperidade Após a II Guerra Mundial, a Europa, que sofria uma grave crise (económica, social e política), motivou o interesse dos EUA em “investir” nesta Europa degradada e sem soluções. No final da II Guerra Mundial, os países europeus entraram em declínio, coincidindo com a ascensão dos Estados Unidos da América e da União Soviética enquanto potências no palco das relações internacionais. A Europa, no período do pós II Grande Guerra, completamente desacreditada das suas capacidades, vê-se “embrulhada” entre estas duas superpotências mundiais: Os EUA e a URSS. Estas superpotências, com ideologias políticas completamente distintas: o liberalismo, sustentado pelo sistema do capitalismo (industrial), e o comunismo, respetivamente, tentam de qualquer forma deter o domínio Europeu através da aplicação das suas políticas. Churchill, governante britânico na altura, foi o primeiro a perceber o avanço do comunismo, embora a maioria dos europeus ainda não acreditava que existisse, e inicia fortes pressões para que o Ocidente, nomeadamente para os EUA, encontrasse uma estratégia para deter o avanço soviético. Em resposta à atitude britânica, o então presidente dos EUA, Harry Truman, pronunciou, num Congresso Nacional em março de 1947, um violento discurso assumindo o compromisso de "defender o mundo livre contra a ameaça comunista". Esta doutrina de Truman dá início à Guerra Fria, que divulgou por todo o mundo a forte oposição entre os blocos capitalista e comunista e apontava para um conjunto de práticas do governo dos EUA em escala mundial, que procurava conter a expansão do comunismo soviético, entretanto dominante na Europa de Leste e que tendia espalhar-se por toda a Europa Ocidental, junto aos chamados "elos frágeis" do sistema capital. Tal doutrina é aprofundada posteriormente pelo secretário de estado dos EUA, George Marshall, que anunciou a disposição dos Estados Unidos de efetiva colaboração financeira para a recuperação da economia dos países europeus. É assim criada pelos EUA uma medida de apoio para auxílio ao desenvolvimento económico – O Plano de Recuperação Europeu (European Recovery Program – ERP, designação formal), ou Plano Marshall, como ficou conhecido. 1
  • 2. EDUCAÇÃO SOCIAL – PÓS LABORAL UC - DESENVOLVIMENTO E PARTICIPAÇÃO Elaborado pelos Estados Unidos e destinado à recuperação dos países da Europa Ocidental, o plano Marshall foi elaborado após uma reunião com os países europeus (em julho de 1947) e consistia no convite dirigido à União Soviética e aos países da Europa Oriental, em que os EUA prestavam auxílio económico e financeiro à Europa: seriam injetados 13 biliões de dólares para ajuda ao crescimento e desenvolvimento europeu. Itália, França, Inglaterra e posteriormente a Alemanha, foram os países que mais lucraram com esta assistência norte americana. No início, com a chegada à Itália do chamado “Comboio da Amizade”, os recursos/víveres foram sendo distribuídos e também utilizados para comprar alimentos, fertilizantes e rações, e, logo depois, foram adquirindo matérias-primas, produtos semi-industrializados, combustíveis, veículos e maquinaria. Aproximadamente 70% desses bens eram de origem norte-americana. Contudo, Josef Stalin, líder soviético, viu o plano como uma ameaça e não permitiu a participação de qualquer país com domínio soviético e, motivado pela doutrina de Truman, torna mais consistente o início da guerra-fria1 entre o bloco de leste e o ocidente. Quando o plano foi concluído, a economia de cada país participante, com a exceção da Alemanha, tinha crescido consideravelmente acima dos níveis pré-guerra e nas duas décadas seguintes a Europa Ocidental iria gozar de prosperidade e crescimento. O Plano Marshall também é visto como um dos primeiros elementos da integração europeia, já que anulou barreiras comerciais e criou instituições para coordenar a economia à escala intercontinental. Uma consequência intencionada foi a adoção sistemática de técnicas administrativas norte-americanas, e, no termo da II Guerra Mundial, os movimentos de exportação de capitais americanos para a Europa organizados por iniciativa da política norte-americana tinham vários precedentes... A compra da maquinaria e respetivos materiais industrializados tinham de ser totalmente adquiridos pelos países aderentes aos Estados Unidos e a principal novidade consistia na escala da ajuda financeira e na obrigação dos países aderentes cumprirem as regras de administração da ajuda, no âmbito de uma organização multilateral europeia que implicava compromissos inéditos de cooperação técnica, económica e política. No tocante a Portugal, António Salazar, inicialmente, também recusou a ajuda norte americana que, com uma leitura pragmática, via que os movimentos de cooperação 1 Chamada de “Guerra-Fria” por não ter existido efetivamente recurso a estratégias militares físicas, de recurso a material bélico, apenas um conflito de ordem política, tecnológica, económica, social e ideológica entre as duas nações e as suas zonas de influência. 2
  • 3. EDUCAÇÃO SOCIAL – PÓS LABORAL UC - DESENVOLVIMENTO E PARTICIPAÇÃO económica resultantes da participação de Portugal no European Recovery Program (ERP) nunca foram criados com o objetivo único de uma efetiva integração – paradigma de desenvolvimento – mas sim de uma cooperação para fins económicos – paradigma de crescimento económico. Mas, a débil conjuntura económica europeia na altura (pós guerra), em que Portugal não era de todo alheio, levou a que Salazar sucumbisse aos dólares americanos. Apesar desta ajuda e boas intenções norte-americanas terem como princípio o desenvolvimento europeu, maiores valores se levantaram. São os valores próprios e hegemónicos por parte dos EUA, em, por um lado, impor os seus produtos e capitais e controlar tudo o que se produzia na Europa e em injetar maquinaria industrial para essa produção, paga a juros altíssimos e de onde foram tirados grandes dividendos económicos, e por outro lado controlar ou aniquilar a expansão comunista. A meu ver, um dos princípios base do capitalismo é ter como objetivo único o enriquecimento do detentor do poder, político e económico, monitorizando e monopolizando os mercados e injetando as suas empresas (multinacionais). Ou seja, parece-me que o objetivo geral a que se propunha inicialmente esta ajuda, de gerar emprego, de dinamizar e contribuir para o desenvolvimento de um continente, enfim, contribuir positivamente (leia-se económica e socialmente) para o bem estar geral da comunidade europeia, é alcançado pelo objetivo específico de recuperar o que se investiu! Ainda hoje, o controlo e domínio dos países subdesenvolvidos por parte dos países fortes e ricos, os quais impõem a sua economia, é evidente dada a impotência desses países recetores que apenas dispõem de mão-de-obra barata e baixa qualificação das suas populações. Contudo, embora exista a perspetiva de que a entrada de multinacionais nos países subdesenvolvidos é uma forma positiva de promover a equidade entre todos, parece- me que esta perspetiva somente beneficia as populações e os países recetores apenas a curto prazo… E isto porque essas multinacionais apenas aí permanecem até que a mão-de-obra se mantenham barata e/ou até que as compense economicamente, ou seja, abandonam o país após recuperação do investimento efetuado, procurando outro país com mão-de-obra mais barata ou até mesmo deixando de existir por terem garantido o objetivo principal, vantagem económica. Apesar dessa hipotética ajuda, a médio e longo prazo tende a gerar mais desemprego e, logo, cria maiores desigualdades sociais e económicas. 3
  • 4. EDUCAÇÃO SOCIAL – PÓS LABORAL UC - DESENVOLVIMENTO E PARTICIPAÇÃO Recentemente os historiadores vêm questionando não só os verdadeiros motivos como também os efeitos gerais do Plano Marshall. Alguns historiadores acreditam que os benefícios do plano foram na verdade o resultado de políticas de laissez faire que permitiram a estabilização de mercados através do crescimento económico. Além disso, alguns criticam o plano por estabelecer uma tendência dos EUA a ajudar economias estrangeiras em dificuldades, valendo-se do dinheiro dos impostos dos cidadãos norte-americanos. Desta forma, os EUA, como grande superpotência, conseguem concretizar a hegemonia económica sobre o velho continente e esta Era de Prosperidade, de onde resultaram anos de grande expansão, conhecidos pelos 30 Gloriosos, vêm estabelecer dívidas infindáveis, das quais de gratidão e de subserviência europeia aos norte americanos. Até mesmo com a criação da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) em 1961, que teve origem em 1948 como Organização para a Cooperação Económica (OECE), e que tinha como objetivo ajudar a administrar o Plano Marshall para a reconstrução da Europa após a Segunda Guerra Mundial, e pelos países participantes e que a constituem, os quais produzem juntos mais da metade de toda a riqueza do mundo – o chamado “Grupo dos Ricos” – mostra que todas as intenções estratégicas destas organizações são somente de controlar, dominar e aplicar as suas políticas perante os estados subdesenvolvidos, limitando-os a essas mesmas políticas. Cabe assim a cada país defender os seus interesses e estrutura-los adequada e favoravelmente de forma a não se perder a sua identidade e soberania. Docente: António Fragoso Discente: Ricardo da Palma, nº 43043 4