SlideShare uma empresa Scribd logo
A ÁGUA

Victor
ÁGUA
Porque é que a água é importante?
Quase tudo o que fazemos necessita de água, a
maior parte das nossas actividades diárias utiliza
água, logo ela assume um papel preponderante na
nossa vida.

Victor
ÁGUA

Porque é que a água é importante?
A maior parte da superfície do planeta é formada por
água.
70%- água
30% superfície continental
Victor
ÁGUA

- 97,4%- águas dos oceanos
- 2,6%- água doce: Atmosfera, Glaciares, Águas
subterrâneas, Lagos, cursos de água, …
 

- Só 0,014% é água disponível para o consumo.
Victor
ÁGUA
Além disso…
A água tem repartição espacial e temporal irregular:
• Áreas com excesso de água durante determinados
períodos;
• Áreas com falta de água durante determinados
períodos.
É o caso de Portugal…
Em consequência de uma desigual repartição da
precipitação média anual.

Victor
ÁGUA
PORTUGAL
Áreas mais húmidas - registam valores de
precipitação média anual mais elevados:
Norte Litoral e áreas montanhosas : a precipitação
média anual chega a atingir valores superiores a 3000
mm. O relevo mais acidentado, dominado pelas
cordilheiras montanhosas do Minho, pela Cordilheira
Central e pelos relevos que se estendem para Sudoeste,
promovem valores de precipitação elevados, o que
explica, por exemplo, que as regiões entre os rios Lima e
Cávado sejam muito pluviosas, sobretudo as voltadas
para o oceano Atlântico.
Victor
ÁGUA
PORTUGAL
Áreas mais secas - registam os menores
quantitativos pluviométricos:
Sul do Tejo: a precipitação média anual atinge
valores inferiores a 800 mm, que decrescem para
Sul e para o interior. A região do Guadiana (Bacia do
Guadiana) chega a registar, em algumas áreas,
valores médios anuais inferiores a 450 mm, sendo,
juntamente com o vale superior do Douro (Bacia do
rio Douro), a região mais seca do território.

Victor
ÁGUA
DISPONIBILIDADE HÍDRICA
- Quantidade de água disponível
 

Disponibilidade hídrica está dependente:
- Dos elementos do clima especialmente a
precipitação.
 

Precipitação – elemento fundamental na definição
das características dos recursos hídricos, bem como
da sua gestão, devido, por exemplo, ao
desfasamento nas disponibilidades
hídricas/consumo
Victor
ÁGUA
DISPONIBILIDADE HÍDRICA
Onde é que existe água doce:
• rios,
• lagos,
• subsolo até 800 m,
• solo sob a forma de humidade,
• vapor de água.

Victor
ÁGUA
OS RECURSOS HÍDRICOS PODEM SER
CLASSIFICADOS EM:
- Superficiais

As águas interiores que não são subterrâneas e incluem
a água dos rios, dos lagos, das lagoas e dos
reservatórios de água artificiais, como albufeiras de
barragem, represas, etc.;

- Subterrâneos

Que se encontram abaixo da superfície do solo, ou seja,
a água de nascente e a extraída das minas, dos furos e
poços.

Victor
ÁGUA
Então, a avaliação dos recursos hídricos,
potencialmente disponíveis numa região, são:
- As bacias hidrográficas, nos recursos superficiais;
- Os sistemas aquíferos, nos recursos subterrâneos.

Victor
ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS
RIO
Curso de água permanente, que corre por um leito
definido em direcção a outro rio, lago ou mar.
REDE HIDROGRÁFICA
Conjunto formado por um curso de água principal e
pelos seus tributários (afluentes e subafluentes).
BACIA HIDROGRÁFICA
Superfície drenada por uma rede hidrográfica.
AFLUENTE
É um curso de água que desagua num outro mais
importante.
Victor
ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS

CAUDAL DE UM RIO
É a quantidade de água que passa por uma
determinada secção do rio por unidade de tempo.
Expressa-se em m3/s.
REGIME
Corresponde à variação do caudal do rio ao longo
do ano.

Victor
ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS
A elevada densidade de linhas
de água que constituem o
território nacional origina uma
interligação de cursos de água,
que acaba por definir uma rede
complexa e hierarquizada, cujo
padrão depende
• da natureza da rocha
• da estrutura geológica

Victor
ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS
Na rede hidrográfica nacional,
dos cerca de 2439 rios,
destacam-se:
• os rios internacionais ou
luso-espanhóis, Minho, Lima,
Douro, Tejo e Guadiana, que
nascem em Espanha e
desaguam no oceano Atlântico;
• os rios exclusivamente
nacionais, que nascem em
território nacional, como o
Vouga, o Mondego e o Sado.
Victor
ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS
O relevo e o clima promovem
o contraste existente entre as
redes hidrográficas do Norte e
as do Sul
No Norte
• mais densa
• rios de maior declive e caudal
vales mais estreitos e profundos
• devido: maiores valores de
precipitação e ao relevo mais
acidentado.

Victor
ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS
No sul, pelas razões inversas:
• menor densidade;
• o caudal menor e mais
irregular.
A rede hidrográfica de Portugal
continental acompanha a
inclinação geral da topografia da
Península Ibérica – E-O, NE-SO
e NNE-SSO.
O rio Sado e o rio Guadiana são
uma excepção, pois escoam de
Sul para Norte e de Norte para
Sul, respectivamente.
Victor
ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS
A generalidade dos rios
portugueses tem um regime
irregular. Normalmente,
verificam-se caudais muito
baixos durante a época de Verão
e elevados nas estações do ano
com maiores níveis de
precipitação (Outono e Inverno).

Victor
ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS
O perfil longitudinal e transversal dos rios

Victor
ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS
O perfil longitudinal e transversal dos rios
Perfil longitudinal
Linha que une os pontos
do fundo do leito do rio,
desde a nascente à foz.
Perfil transversal
Linha que resulta a partir da intersecção de um
plano vertical com o vale, perpendicularmente à
direcção deste, num determinado ponto. É
normalmente designado de vale.
Victor
ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS
O perfil longitudinal e transversal dos rios

Vale
Forma definida pela convergência de duas vertentes.
 

Leito
Espaço que pode ser ocupado pelas águas.
Leito de Cheia
É quando as águas do rio transbordam o seu leito normal
Victor
ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS
O perfil longitudinal e transversal dos rios
Entre a nascente e a foz os rios vão variar o seu aspecto em
consequência da alteração de um conjunto de factores, o que
reflecte a sua capacidade erosiva
Erosão Fluvial
Consiste na acção rápida de desgaste, transporte e
acumulação exercida pelos rios.

Victor
ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS
O perfil longitudinal e transversal dos rios

• a MONTANTE (CURSO SUPERIOR) , domina o
desgaste, pois a altitude e o declive são mais elevados, o que
traduz uma maior capacidade erosiva e o intenso arranque de
materiais, devido à maior velocidade de escoamento das
águas;
Victor
ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS
O perfil longitudinal e transversal dos rios

• na SECÇÃO INTERMÉDIA (CURSO MÉDIO) , domina
o transporte pelas águas fluviais, onde os materiais mais
pesados acabam por ser depositados ao longo do percurso, à
medida que o declive se torna menos acentuado. Mas o
desgaste das vertentes do vale ainda é elevado;
Victor
ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS
O perfil longitudinal e transversal dos rios

• a JUSANTE (CURSO INFERIOR) , domina a
acumulação, devido ao fraco declive e ao predomínio de
áreas mais planas e de baixa altitude, que provocam uma
diminuição das acções de desgaste e de transporte dos
sedimentos.
Victor
ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS
O perfil longitudinal e transversal dos rios

Victor
ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS
O perfil longitudinal e
transversal dos rios

1º CURSO SUPERIOR
Os rios correm por regiões elevadas e montanhosas,
onde o declive é acentuado e a força da água muito
significativa.
Como consequência a acção predominante é o
desgaste do fundo do leito, o que faz com que o vale de
aprofunde, se estreite e tenha vertentes abruptas.
- VALE EM “V” FECHADO OU EM GARGANTA.
- FASE DA JUVENTUDE
Victor
ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS
O perfil longitudinal e
transversal dos rios

2º CURSOS INTERMÉDIO
O declive é mais suave e as irregularidades do leito são cada
vez menores.
Assim, a velocidade das águas abranda, o que faz com que o
desgaste não seja tão elevado.
Por outro lado, o volume de água vai aumentar, ou seja o
caudal, o que vai permitir um maior desgaste das margens dos
rios.
Predominam as acções de transporte e de desgaste lateral do
rio.
- VALES EM V ABERTO
Victor
ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS
O perfil longitudinal e
transversal dos rios

3º CURSO INFERIOR
O rio corre em áreas mais ou menos planas, de fraco declive, onde a
velocidade das suas águas é reduzida.
Nesta fase, o rio tem fraca capacidade de desgaste e de transporte.
Predomina nesta secção a sedimentação dos materiais que dão
origem a planícies aluviais ou sedimentares (Ex: Mondego Tejo e
Sado.
Nesta secção o vale é bastante largo e baixo, normalmente com
sedimentos depositados no fundo. O traçado do rio é geralmente
sinuoso, descrevendo muitas curvas, às quais se dá o nome de
meandros.
- VALE EM U OU EM CALEIRA ALUVIAL
Victor
- FASE DA MATURIDADE
ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS
O perfil longitudinal e transversal dos rios
EM PORTUGAL CONTINENTAL:
• a Norte do Tejo, dado o carácter acidentado do relevo, o
perfil longitudinal é muito irregular, o que leva ao predomínio
de vales encaixados, declivosos e profundos ("V"), o que
favorece o aproveitamento hidroeléctico. Para jusante, o leito
torna-se mais regular e os vales vão-se tornando mais largos
("U"). No litoral, junto à foz, o vale é largo, o declive do seu
leito é muito fraco e as suas margens são baixas, o que
favorece as inundações.
• a Sul do Tejo, o perfil longitudinal dos rios é mais regular,
devido ao relevo menos acidentado e ao predomínio das
planícies muito próximos do perfil de equilíbrio.
• A rede hidrográfica dos rios exclusivamente nacionais
caracteriza-se por rios de leito irregular, pequenos e de fraco
caudal.
Victor

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Principais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesaPrincipais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesa
Thepatriciamartins12
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Raffaella Ergün
 
Geografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoGeografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - População
Raffaella Ergün
 
Variabilidade da radiação solar(3)
Variabilidade da radiação solar(3)Variabilidade da radiação solar(3)
Variabilidade da radiação solar(3)
Ilda Bicacro
 
Recursos Hídricos - 1
Recursos Hídricos - 1Recursos Hídricos - 1
Recursos Hídricos - 1
abarros
 
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Ilda Bicacro
 
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
Sara Guerra
 
Recursos marítimos
Recursos marítimosRecursos marítimos
Recursos marítimos
manjosp
 
4 variação da temperatura em portugal
4  variação da temperatura em portugal4  variação da temperatura em portugal
4 variação da temperatura em portugal
Ministério da Educação
 
Variabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solarVariabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solar
Ilda Bicacro
 
Gestão dos Recursos Hídricos
Gestão dos Recursos HídricosGestão dos Recursos Hídricos
Gestão dos Recursos Hídricos
Ana Daniela Castro do Nascimento
 
Recursos hídricos2
Recursos hídricos2Recursos hídricos2
Recursos hídricos2
manjosp
 
Os rios e bacias hidrográficas
Os rios e bacias hidrográficasOs rios e bacias hidrográficas
Os rios e bacias hidrográficas
claudiamf11
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Raffaella Ergün
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
Ilda Bicacro
 
Águas Subterrâneas
Águas SubterrâneasÁguas Subterrâneas
Águas Subterrâneas
Carlos Gomes
 
A gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimoA gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimo
Oxana Marian
 
Potencialidades do litoral
Potencialidades do litoralPotencialidades do litoral
Potencialidades do litoral
Ilda Bicacro
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
Ilda Bicacro
 
Acidentes litoral
Acidentes litoralAcidentes litoral
Acidentes litoral
mariamoraisgeo
 

Mais procurados (20)

Principais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesaPrincipais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesa
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
 
Geografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoGeografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - População
 
Variabilidade da radiação solar(3)
Variabilidade da radiação solar(3)Variabilidade da radiação solar(3)
Variabilidade da radiação solar(3)
 
Recursos Hídricos - 1
Recursos Hídricos - 1Recursos Hídricos - 1
Recursos Hídricos - 1
 
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
 
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
 
Recursos marítimos
Recursos marítimosRecursos marítimos
Recursos marítimos
 
4 variação da temperatura em portugal
4  variação da temperatura em portugal4  variação da temperatura em portugal
4 variação da temperatura em portugal
 
Variabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solarVariabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solar
 
Gestão dos Recursos Hídricos
Gestão dos Recursos HídricosGestão dos Recursos Hídricos
Gestão dos Recursos Hídricos
 
Recursos hídricos2
Recursos hídricos2Recursos hídricos2
Recursos hídricos2
 
Os rios e bacias hidrográficas
Os rios e bacias hidrográficasOs rios e bacias hidrográficas
Os rios e bacias hidrográficas
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
 
Águas Subterrâneas
Águas SubterrâneasÁguas Subterrâneas
Águas Subterrâneas
 
A gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimoA gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimo
 
Potencialidades do litoral
Potencialidades do litoralPotencialidades do litoral
Potencialidades do litoral
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
 
Acidentes litoral
Acidentes litoralAcidentes litoral
Acidentes litoral
 

Destaque

Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 2
Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 2Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 2
Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 2
Victor Veiga
 
Recursos hídricos
Recursos hídricosRecursos hídricos
Recursos hídricos
Tânia Reis
 
Recursos hidricos
Recursos hidricosRecursos hidricos
Recursos hidricos
Cristina Vitória
 
Recursos Hídricos
Recursos HídricosRecursos Hídricos
Recursos Hídricos
verasanches
 
Recursos hídricos
Recursos hídricosRecursos hídricos
Recursos hídricos
Ingrid Bispo
 
Powerpoint 1 Recursos HíDricos
Powerpoint 1   Recursos HíDricosPowerpoint 1   Recursos HíDricos
Powerpoint 1 Recursos HíDricos
Nuno Correia
 
Recursos Hídricos
Recursos HídricosRecursos Hídricos
Recursos Hídricos
abarros
 
Gestao Recursos Hídricos
Gestao Recursos HídricosGestao Recursos Hídricos
Gestao Recursos Hídricos
Anabela Gonçalves
 
A erosão costeira no Furadouro
A erosão costeira no FuradouroA erosão costeira no Furadouro
A erosão costeira no Furadouro
Pedro Peixoto
 
Acordos Bilaterais das Pescas na UE
Acordos Bilaterais das Pescas na UEAcordos Bilaterais das Pescas na UE
Acordos Bilaterais das Pescas na UE
Pedro Peixoto
 
Recursos Hídricos
Recursos HídricosRecursos Hídricos
Recursos Hídricos
Luiz Carlos
 
Disponibilidades hídricas
Disponibilidades hídricasDisponibilidades hídricas
Disponibilidades hídricas
Anabelafernandes
 
As cheias e as secas
As cheias e as secas   As cheias e as secas
As cheias e as secas
Andriy Russu
 
Recursos hídricos
Recursos hídricosRecursos hídricos
Recursos hídricos
vidalalonsom
 
Resumos Globais 10º
Resumos Globais 10ºResumos Globais 10º
Resumos Globais 10º
Gonçalo Paiva
 
Os recursos do subsolo Apresentação
Os recursos do subsolo ApresentaçãoOs recursos do subsolo Apresentação
Os recursos do subsolo Apresentação
Victor Veiga
 
Ciclo Da Agua
Ciclo Da AguaCiclo Da Agua
Ciclo Da Agua
Alda Palmeiro
 
A dança da água
A dança da águaA dança da água
A dança da água
Alexandra Serra
 
O Ciclo Hidrológico
O Ciclo HidrológicoO Ciclo Hidrológico
O Ciclo Hidrológico
José Carlos Jr.
 
Gestão de recursos hídricos e o uso da água para Irrigação No Brasil_ situaçã...
Gestão de recursos hídricos e o uso da água para Irrigação No Brasil_ situaçã...Gestão de recursos hídricos e o uso da água para Irrigação No Brasil_ situaçã...
Gestão de recursos hídricos e o uso da água para Irrigação No Brasil_ situaçã...
FAO
 

Destaque (20)

Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 2
Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 2Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 2
Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 2
 
Recursos hídricos
Recursos hídricosRecursos hídricos
Recursos hídricos
 
Recursos hidricos
Recursos hidricosRecursos hidricos
Recursos hidricos
 
Recursos Hídricos
Recursos HídricosRecursos Hídricos
Recursos Hídricos
 
Recursos hídricos
Recursos hídricosRecursos hídricos
Recursos hídricos
 
Powerpoint 1 Recursos HíDricos
Powerpoint 1   Recursos HíDricosPowerpoint 1   Recursos HíDricos
Powerpoint 1 Recursos HíDricos
 
Recursos Hídricos
Recursos HídricosRecursos Hídricos
Recursos Hídricos
 
Gestao Recursos Hídricos
Gestao Recursos HídricosGestao Recursos Hídricos
Gestao Recursos Hídricos
 
A erosão costeira no Furadouro
A erosão costeira no FuradouroA erosão costeira no Furadouro
A erosão costeira no Furadouro
 
Acordos Bilaterais das Pescas na UE
Acordos Bilaterais das Pescas na UEAcordos Bilaterais das Pescas na UE
Acordos Bilaterais das Pescas na UE
 
Recursos Hídricos
Recursos HídricosRecursos Hídricos
Recursos Hídricos
 
Disponibilidades hídricas
Disponibilidades hídricasDisponibilidades hídricas
Disponibilidades hídricas
 
As cheias e as secas
As cheias e as secas   As cheias e as secas
As cheias e as secas
 
Recursos hídricos
Recursos hídricosRecursos hídricos
Recursos hídricos
 
Resumos Globais 10º
Resumos Globais 10ºResumos Globais 10º
Resumos Globais 10º
 
Os recursos do subsolo Apresentação
Os recursos do subsolo ApresentaçãoOs recursos do subsolo Apresentação
Os recursos do subsolo Apresentação
 
Ciclo Da Agua
Ciclo Da AguaCiclo Da Agua
Ciclo Da Agua
 
A dança da água
A dança da águaA dança da água
A dança da água
 
O Ciclo Hidrológico
O Ciclo HidrológicoO Ciclo Hidrológico
O Ciclo Hidrológico
 
Gestão de recursos hídricos e o uso da água para Irrigação No Brasil_ situaçã...
Gestão de recursos hídricos e o uso da água para Irrigação No Brasil_ situaçã...Gestão de recursos hídricos e o uso da água para Irrigação No Brasil_ situaçã...
Gestão de recursos hídricos e o uso da água para Irrigação No Brasil_ situaçã...
 

Semelhante a Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 1

recursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiarecursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografia
Nilton Goulart
 
REDE E BACIAS
REDE E BACIASREDE E BACIAS
REDE E BACIAS
Fátima Cunha Lopes
 
recursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiarecursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografia
Nilton Goulart
 
Dinâmica de Uma Bacia Hidrográfica
Dinâmica de Uma Bacia HidrográficaDinâmica de Uma Bacia Hidrográfica
Dinâmica de Uma Bacia Hidrográfica
Rosária Zamith
 
Os rios
Os riosOs rios
Rede bacia hidrográfica - acidentes do litoral
Rede   bacia hidrográfica - acidentes do litoralRede   bacia hidrográfica - acidentes do litoral
Rede bacia hidrográfica - acidentes do litoral
abarros
 
Cap. 8 - A hidrosfera
Cap. 8 - A hidrosferaCap. 8 - A hidrosfera
Cap. 8 - A hidrosfera
Acácio Netto
 
Meio natural 2
Meio natural 2Meio natural 2
Meio natural 2
guimy
 
Velocidade das embarcações
Velocidade das embarcaçõesVelocidade das embarcações
Velocidade das embarcações
Vera Gomes
 
A NOSSA VIAGEM AO ENCONTRO DO CONHECIMENTO...
A NOSSA VIAGEM AO ENCONTRO DO CONHECIMENTO...A NOSSA VIAGEM AO ENCONTRO DO CONHECIMENTO...
A NOSSA VIAGEM AO ENCONTRO DO CONHECIMENTO...
grupoc1
 
Ocupação Antrópica
Ocupação AntrópicaOcupação Antrópica
Ocupação Antrópica
guest50f9e
 
2 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 2013
2 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 20132 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 2013
2 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 2013
Priscila Martins
 
Bacias hidrogáficas
Bacias hidrogáficasBacias hidrogáficas
Bacias hidrogáficas
Margarida Jorge
 
recursosmaritimos_2.doc
recursosmaritimos_2.docrecursosmaritimos_2.doc
recursosmaritimos_2.doc
Aida Cunha
 
Leito do rio lima e afluentes
Leito do rio lima e afluentesLeito do rio lima e afluentes
Leito do rio lima e afluentes
Bruno Teixeira
 
Hidrosfera 6º ano
Hidrosfera 6º anoHidrosfera 6º ano
Hidrosfera 6º ano
Márcia Dutra
 
Hidrografia geral e do brasil
Hidrografia geral e do brasil Hidrografia geral e do brasil
Hidrografia geral e do brasil
Kenedy dos Santos
 
Dinâmica das bacias hidrográficas
Dinâmica das bacias hidrográficasDinâmica das bacias hidrográficas
Dinâmica das bacias hidrográficas
Paula Tomaz
 
Hidrografia e bacias hidrográficas 2013
Hidrografia e bacias hidrográficas 2013Hidrografia e bacias hidrográficas 2013
Hidrografia e bacias hidrográficas 2013
João José Ferreira Tojal
 
Fluvial.ppt
Fluvial.pptFluvial.ppt
Fluvial.ppt
SaadTaman
 

Semelhante a Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 1 (20)

recursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiarecursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografia
 
REDE E BACIAS
REDE E BACIASREDE E BACIAS
REDE E BACIAS
 
recursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiarecursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografia
 
Dinâmica de Uma Bacia Hidrográfica
Dinâmica de Uma Bacia HidrográficaDinâmica de Uma Bacia Hidrográfica
Dinâmica de Uma Bacia Hidrográfica
 
Os rios
Os riosOs rios
Os rios
 
Rede bacia hidrográfica - acidentes do litoral
Rede   bacia hidrográfica - acidentes do litoralRede   bacia hidrográfica - acidentes do litoral
Rede bacia hidrográfica - acidentes do litoral
 
Cap. 8 - A hidrosfera
Cap. 8 - A hidrosferaCap. 8 - A hidrosfera
Cap. 8 - A hidrosfera
 
Meio natural 2
Meio natural 2Meio natural 2
Meio natural 2
 
Velocidade das embarcações
Velocidade das embarcaçõesVelocidade das embarcações
Velocidade das embarcações
 
A NOSSA VIAGEM AO ENCONTRO DO CONHECIMENTO...
A NOSSA VIAGEM AO ENCONTRO DO CONHECIMENTO...A NOSSA VIAGEM AO ENCONTRO DO CONHECIMENTO...
A NOSSA VIAGEM AO ENCONTRO DO CONHECIMENTO...
 
Ocupação Antrópica
Ocupação AntrópicaOcupação Antrópica
Ocupação Antrópica
 
2 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 2013
2 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 20132 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 2013
2 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 2013
 
Bacias hidrogáficas
Bacias hidrogáficasBacias hidrogáficas
Bacias hidrogáficas
 
recursosmaritimos_2.doc
recursosmaritimos_2.docrecursosmaritimos_2.doc
recursosmaritimos_2.doc
 
Leito do rio lima e afluentes
Leito do rio lima e afluentesLeito do rio lima e afluentes
Leito do rio lima e afluentes
 
Hidrosfera 6º ano
Hidrosfera 6º anoHidrosfera 6º ano
Hidrosfera 6º ano
 
Hidrografia geral e do brasil
Hidrografia geral e do brasil Hidrografia geral e do brasil
Hidrografia geral e do brasil
 
Dinâmica das bacias hidrográficas
Dinâmica das bacias hidrográficasDinâmica das bacias hidrográficas
Dinâmica das bacias hidrográficas
 
Hidrografia e bacias hidrográficas 2013
Hidrografia e bacias hidrográficas 2013Hidrografia e bacias hidrográficas 2013
Hidrografia e bacias hidrográficas 2013
 
Fluvial.ppt
Fluvial.pptFluvial.ppt
Fluvial.ppt
 

Mais de Victor Veiga

Ficha-UFCD-9220-Gestao-de-Conteudos-Digitais
Ficha-UFCD-9220-Gestao-de-Conteudos-DigitaisFicha-UFCD-9220-Gestao-de-Conteudos-Digitais
Ficha-UFCD-9220-Gestao-de-Conteudos-Digitais
Victor Veiga
 
Apresentação sobre Meios de Comunicação Digital
Apresentação sobre Meios de Comunicação DigitalApresentação sobre Meios de Comunicação Digital
Apresentação sobre Meios de Comunicação Digital
Victor Veiga
 
Ficha articulacao geo-mat
Ficha articulacao geo-matFicha articulacao geo-mat
Ficha articulacao geo-mat
Victor Veiga
 
Dinâmica do litoral - 7º Geografia
Dinâmica do litoral - 7º GeografiaDinâmica do litoral - 7º Geografia
Dinâmica do litoral - 7º Geografia
Victor Veiga
 
O CLIMA - Meio Natural 9º
O CLIMA - Meio Natural 9ºO CLIMA - Meio Natural 9º
O CLIMA - Meio Natural 9º
Victor Veiga
 
A posição de Portugal na Europa e no Mundo
A posição de Portugal na Europa e no MundoA posição de Portugal na Europa e no Mundo
A posição de Portugal na Europa e no Mundo
Victor Veiga
 
Notas da Angola Portuguesa
Notas da Angola PortuguesaNotas da Angola Portuguesa
Notas da Angola Portuguesa
Victor Veiga
 

Mais de Victor Veiga (7)

Ficha-UFCD-9220-Gestao-de-Conteudos-Digitais
Ficha-UFCD-9220-Gestao-de-Conteudos-DigitaisFicha-UFCD-9220-Gestao-de-Conteudos-Digitais
Ficha-UFCD-9220-Gestao-de-Conteudos-Digitais
 
Apresentação sobre Meios de Comunicação Digital
Apresentação sobre Meios de Comunicação DigitalApresentação sobre Meios de Comunicação Digital
Apresentação sobre Meios de Comunicação Digital
 
Ficha articulacao geo-mat
Ficha articulacao geo-matFicha articulacao geo-mat
Ficha articulacao geo-mat
 
Dinâmica do litoral - 7º Geografia
Dinâmica do litoral - 7º GeografiaDinâmica do litoral - 7º Geografia
Dinâmica do litoral - 7º Geografia
 
O CLIMA - Meio Natural 9º
O CLIMA - Meio Natural 9ºO CLIMA - Meio Natural 9º
O CLIMA - Meio Natural 9º
 
A posição de Portugal na Europa e no Mundo
A posição de Portugal na Europa e no MundoA posição de Portugal na Europa e no Mundo
A posição de Portugal na Europa e no Mundo
 
Notas da Angola Portuguesa
Notas da Angola PortuguesaNotas da Angola Portuguesa
Notas da Angola Portuguesa
 

Último

Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 

Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 1

  • 2. ÁGUA Porque é que a água é importante? Quase tudo o que fazemos necessita de água, a maior parte das nossas actividades diárias utiliza água, logo ela assume um papel preponderante na nossa vida. Victor
  • 3. ÁGUA Porque é que a água é importante? A maior parte da superfície do planeta é formada por água. 70%- água 30% superfície continental Victor
  • 4. ÁGUA - 97,4%- águas dos oceanos - 2,6%- água doce: Atmosfera, Glaciares, Águas subterrâneas, Lagos, cursos de água, …   - Só 0,014% é água disponível para o consumo. Victor
  • 5. ÁGUA Além disso… A água tem repartição espacial e temporal irregular: • Áreas com excesso de água durante determinados períodos; • Áreas com falta de água durante determinados períodos. É o caso de Portugal… Em consequência de uma desigual repartição da precipitação média anual. Victor
  • 6. ÁGUA PORTUGAL Áreas mais húmidas - registam valores de precipitação média anual mais elevados: Norte Litoral e áreas montanhosas : a precipitação média anual chega a atingir valores superiores a 3000 mm. O relevo mais acidentado, dominado pelas cordilheiras montanhosas do Minho, pela Cordilheira Central e pelos relevos que se estendem para Sudoeste, promovem valores de precipitação elevados, o que explica, por exemplo, que as regiões entre os rios Lima e Cávado sejam muito pluviosas, sobretudo as voltadas para o oceano Atlântico. Victor
  • 7. ÁGUA PORTUGAL Áreas mais secas - registam os menores quantitativos pluviométricos: Sul do Tejo: a precipitação média anual atinge valores inferiores a 800 mm, que decrescem para Sul e para o interior. A região do Guadiana (Bacia do Guadiana) chega a registar, em algumas áreas, valores médios anuais inferiores a 450 mm, sendo, juntamente com o vale superior do Douro (Bacia do rio Douro), a região mais seca do território. Victor
  • 8. ÁGUA DISPONIBILIDADE HÍDRICA - Quantidade de água disponível   Disponibilidade hídrica está dependente: - Dos elementos do clima especialmente a precipitação.   Precipitação – elemento fundamental na definição das características dos recursos hídricos, bem como da sua gestão, devido, por exemplo, ao desfasamento nas disponibilidades hídricas/consumo Victor
  • 9. ÁGUA DISPONIBILIDADE HÍDRICA Onde é que existe água doce: • rios, • lagos, • subsolo até 800 m, • solo sob a forma de humidade, • vapor de água. Victor
  • 10. ÁGUA OS RECURSOS HÍDRICOS PODEM SER CLASSIFICADOS EM: - Superficiais As águas interiores que não são subterrâneas e incluem a água dos rios, dos lagos, das lagoas e dos reservatórios de água artificiais, como albufeiras de barragem, represas, etc.; - Subterrâneos Que se encontram abaixo da superfície do solo, ou seja, a água de nascente e a extraída das minas, dos furos e poços. Victor
  • 11. ÁGUA Então, a avaliação dos recursos hídricos, potencialmente disponíveis numa região, são: - As bacias hidrográficas, nos recursos superficiais; - Os sistemas aquíferos, nos recursos subterrâneos. Victor
  • 12. ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS RIO Curso de água permanente, que corre por um leito definido em direcção a outro rio, lago ou mar. REDE HIDROGRÁFICA Conjunto formado por um curso de água principal e pelos seus tributários (afluentes e subafluentes). BACIA HIDROGRÁFICA Superfície drenada por uma rede hidrográfica. AFLUENTE É um curso de água que desagua num outro mais importante. Victor
  • 13. ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS CAUDAL DE UM RIO É a quantidade de água que passa por uma determinada secção do rio por unidade de tempo. Expressa-se em m3/s. REGIME Corresponde à variação do caudal do rio ao longo do ano. Victor
  • 14. ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS A elevada densidade de linhas de água que constituem o território nacional origina uma interligação de cursos de água, que acaba por definir uma rede complexa e hierarquizada, cujo padrão depende • da natureza da rocha • da estrutura geológica Victor
  • 15. ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS Na rede hidrográfica nacional, dos cerca de 2439 rios, destacam-se: • os rios internacionais ou luso-espanhóis, Minho, Lima, Douro, Tejo e Guadiana, que nascem em Espanha e desaguam no oceano Atlântico; • os rios exclusivamente nacionais, que nascem em território nacional, como o Vouga, o Mondego e o Sado. Victor
  • 16. ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS O relevo e o clima promovem o contraste existente entre as redes hidrográficas do Norte e as do Sul No Norte • mais densa • rios de maior declive e caudal vales mais estreitos e profundos • devido: maiores valores de precipitação e ao relevo mais acidentado. Victor
  • 17. ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS No sul, pelas razões inversas: • menor densidade; • o caudal menor e mais irregular. A rede hidrográfica de Portugal continental acompanha a inclinação geral da topografia da Península Ibérica – E-O, NE-SO e NNE-SSO. O rio Sado e o rio Guadiana são uma excepção, pois escoam de Sul para Norte e de Norte para Sul, respectivamente. Victor
  • 18. ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS A generalidade dos rios portugueses tem um regime irregular. Normalmente, verificam-se caudais muito baixos durante a época de Verão e elevados nas estações do ano com maiores níveis de precipitação (Outono e Inverno). Victor
  • 19. ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS O perfil longitudinal e transversal dos rios Victor
  • 20. ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS O perfil longitudinal e transversal dos rios Perfil longitudinal Linha que une os pontos do fundo do leito do rio, desde a nascente à foz. Perfil transversal Linha que resulta a partir da intersecção de um plano vertical com o vale, perpendicularmente à direcção deste, num determinado ponto. É normalmente designado de vale. Victor
  • 21. ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS O perfil longitudinal e transversal dos rios Vale Forma definida pela convergência de duas vertentes.   Leito Espaço que pode ser ocupado pelas águas. Leito de Cheia É quando as águas do rio transbordam o seu leito normal Victor
  • 22. ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS O perfil longitudinal e transversal dos rios Entre a nascente e a foz os rios vão variar o seu aspecto em consequência da alteração de um conjunto de factores, o que reflecte a sua capacidade erosiva Erosão Fluvial Consiste na acção rápida de desgaste, transporte e acumulação exercida pelos rios. Victor
  • 23. ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS O perfil longitudinal e transversal dos rios • a MONTANTE (CURSO SUPERIOR) , domina o desgaste, pois a altitude e o declive são mais elevados, o que traduz uma maior capacidade erosiva e o intenso arranque de materiais, devido à maior velocidade de escoamento das águas; Victor
  • 24. ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS O perfil longitudinal e transversal dos rios • na SECÇÃO INTERMÉDIA (CURSO MÉDIO) , domina o transporte pelas águas fluviais, onde os materiais mais pesados acabam por ser depositados ao longo do percurso, à medida que o declive se torna menos acentuado. Mas o desgaste das vertentes do vale ainda é elevado; Victor
  • 25. ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS O perfil longitudinal e transversal dos rios • a JUSANTE (CURSO INFERIOR) , domina a acumulação, devido ao fraco declive e ao predomínio de áreas mais planas e de baixa altitude, que provocam uma diminuição das acções de desgaste e de transporte dos sedimentos. Victor
  • 26. ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS O perfil longitudinal e transversal dos rios Victor
  • 27. ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS O perfil longitudinal e transversal dos rios 1º CURSO SUPERIOR Os rios correm por regiões elevadas e montanhosas, onde o declive é acentuado e a força da água muito significativa. Como consequência a acção predominante é o desgaste do fundo do leito, o que faz com que o vale de aprofunde, se estreite e tenha vertentes abruptas. - VALE EM “V” FECHADO OU EM GARGANTA. - FASE DA JUVENTUDE Victor
  • 28. ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS O perfil longitudinal e transversal dos rios 2º CURSOS INTERMÉDIO O declive é mais suave e as irregularidades do leito são cada vez menores. Assim, a velocidade das águas abranda, o que faz com que o desgaste não seja tão elevado. Por outro lado, o volume de água vai aumentar, ou seja o caudal, o que vai permitir um maior desgaste das margens dos rios. Predominam as acções de transporte e de desgaste lateral do rio. - VALES EM V ABERTO Victor
  • 29. ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS O perfil longitudinal e transversal dos rios 3º CURSO INFERIOR O rio corre em áreas mais ou menos planas, de fraco declive, onde a velocidade das suas águas é reduzida. Nesta fase, o rio tem fraca capacidade de desgaste e de transporte. Predomina nesta secção a sedimentação dos materiais que dão origem a planícies aluviais ou sedimentares (Ex: Mondego Tejo e Sado. Nesta secção o vale é bastante largo e baixo, normalmente com sedimentos depositados no fundo. O traçado do rio é geralmente sinuoso, descrevendo muitas curvas, às quais se dá o nome de meandros. - VALE EM U OU EM CALEIRA ALUVIAL Victor - FASE DA MATURIDADE
  • 30. ÁGUA - AS ÁGUAS SUPERFICIAIS O perfil longitudinal e transversal dos rios EM PORTUGAL CONTINENTAL: • a Norte do Tejo, dado o carácter acidentado do relevo, o perfil longitudinal é muito irregular, o que leva ao predomínio de vales encaixados, declivosos e profundos ("V"), o que favorece o aproveitamento hidroeléctico. Para jusante, o leito torna-se mais regular e os vales vão-se tornando mais largos ("U"). No litoral, junto à foz, o vale é largo, o declive do seu leito é muito fraco e as suas margens são baixas, o que favorece as inundações. • a Sul do Tejo, o perfil longitudinal dos rios é mais regular, devido ao relevo menos acidentado e ao predomínio das planícies muito próximos do perfil de equilíbrio. • A rede hidrográfica dos rios exclusivamente nacionais caracteriza-se por rios de leito irregular, pequenos e de fraco caudal. Victor