SlideShare uma empresa Scribd logo
Domínio:
Riscos, Ambiente e Sociedade
Subdomínio:
Riscos naturais
Índice
Retrato de Portugal
Prevenção e intervenção
Consequências das inundações
Ocorrências de inundações
Inundações urbanas
Inundações costeiras
Inundações fluviais
Cheias e inundações
Fenómeno hidrológico extremo, de frequência variável, natural
ou induzido pela acção humana, que consiste no transbordo de
um curso de água relativamente ao seu leito ordinário,
originando a inundação dos terrenos ribeirinhos (leito de cheia).
Cheia ou inundação?
Cheia
Fenómeno hidrológico extremo, de frequência variável, natural
ou induzido pela acção humana, que consiste na submersão de
uma área usualmente emersa.
Inundação
As cheias e inundações são fenómenos
hidrológicos que não é possível evitar, e que
podem ser potencialmente perigosos, dependendo da
magnitude atingida (altura da água, caudais), da velocidade
com que progridem e da frequência com que ocorrem.
Contudo, só provocam situações de risco se houver
elementos a elas expostos (população, propriedades,
estruturas, infra-estruturas, actividades económicas), ou
seja, localizados em áreas inundáveis, que possam ser
destruídos ou gravemente danificados.
Inundações fluviais
São inundações que
ocorrem em cursos de
água, submergindo
uma área usualmente
emersa.
Inundação do rio Hudson - EUA
Inundações fluviais
O tempo necessário para que uma cheia ocorra e a sua duração, bem
como a potencial inundação gerada, dependem das características da
bacia hidrográfica em questão…..
Como sejam:
Inclinação das vertentes….
Rede hidrográfica….
Propriedades dos solos e subsolo…
Cobertura dos solos (quantidade e tipo de vegetação)…
Humidade dos solos…
Permeabiliade ….
Bem como …
Da duração da precipitação e
Intensidade da precipitação
Cheias e inundações
Inundações costeiras
São causadas devido a factores meteorológicos (vento e
precipitação) que provocam a elevação eustática do nível do
mar e o aumento da intensidade da ondulação.
Inundações costeiras
Inundações costeiras
São causadas devido a factores meteorológicos (vento e
precipitação) que provocam a elevação eustática do nível do
mar e o aumento da intensidade da ondulação.
Em momentos coincidentes com preia-mar e/ou marés vivas o
risco de inundação é maior
Inundações costeiras
Inundações costeiras
Inundações costeiras
São causadas devido a factores meteorológicos (vento e
precipitação) que provocam a elevação eustática do nível do
mar e o aumento da intensidade da ondulação.
Em momentos coincidentes com preia-mar e/ou marés vivas o
risco de inundação é maior
Os tsunamis podem também causar este tipo de inundação.
Inundações urbanas
 Aumento das superfícies impermeáveis (superfícies construídas pelo
Homem que impedem a infiltração de água, como estradas, edifícios,
parques de estacionamento, passeios ou outras infra-
estruturas/equipamentos urbanos.
Superfície de asfalto Avenida dos Aliados, Porto
… quais as causas?
Inundações urbanas
 Chuva intensa, associada à sobrecarga/obstrução dos sistemas de
drenagem artificiais
… quais as causas?
Chuva intensa, Lisboa Obstrução de sarjeta, Lisboa
Ocorrências de inundações no mundo, entre 1985 e 2011.
Consequências das inundações
Isolamento de povoações, evacuação e
desalojamento de pessoas.
Eventual perda de vidas humanas.
Submersão e/ou estrago de infra-
estruturas.
Destruição de explorações agrícolas e
pecuárias.
Interrupção de fornecimento de bens ou
serviços básicos.
Custo das acções de proteção civil.
Diretas
Consequências das inundações
- isolamento de povoações -
Consequências das inundações
- perda de vidas -
Consequências das inundações
- submersão / estragos de infra-estruturas -
Consequências das inundações
destruição de explorações agrícolas/pecuárias
-
Consequências das inundações
- custo das acções de socorro/desgaste -
Consequências das inundações
Perda de produção das actividades
socioeconómicas.
Alteração do meio ambiente.
Indiretas
Prevenção e minimização
Correcta gestão do território e planeamento de
emergências.
Construção de barragens e criação de albufeiras.
Construção de diques e muros de defesa.
Alteração e desobstrução do leito dos rios.
Desassoreamento.
Regulamentação das zonas inundáveis.
Reflorestação.
Manter os sistemas de drenagem artificial limpos e
operacionais.
Retrato de Portugal
Retrato de Portugal
Cheias lentas dos grandes
rios e cheias rápidas de rios
e ribeiras de pequenas e
médias bacias hidrográficas.
Inundações costeiras
devidas a invasões do
oceano e do mar.
Sobrecarga dos sistemas de
drenagem artificiais nas
áreas urbanas.
Subida das águas
subterrâneas em locais
topograficamente
deprimidos.
Inundações
Retrato de Portugal
http://sniamb.apambiente.pt/Diretiva60CE2007/
Cheias e inundações
Cheias e inundações
Cheias e inundações
Cheias e inundações
Cheias e inundações
Cheias e inundações
Cheias e inundações

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Riscos naturais
Riscos naturaisRiscos naturais
Riscos naturais
Mayjö .
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
David Caçador
 
Riscos naturais 9ºano
Riscos naturais 9ºanoRiscos naturais 9ºano
Riscos naturais 9ºano
Gabriela Vasconcelos
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
Helena Coutinho
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Vanda Sousa
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
Paula Oliveira Cruz
 
Movimentos de Vertente
Movimentos de VertenteMovimentos de Vertente
Movimentos de Vertente
EBSPMA
 
Texto dramático - características
Texto dramático - característicasTexto dramático - características
Texto dramático - características
Lurdes Augusto
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra
Helena Coutinho
 
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º anoOs lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
Gabriel Lima
 
Funções sintáticas
Funções sintáticasFunções sintáticas
Funções sintáticas
Célia Gonçalves
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
InesTeixeiraDuarte
 
Disponibilidades Hídricas
Disponibilidades HídricasDisponibilidades Hídricas
Disponibilidades Hídricas
acbaptista
 
Vagas de frio e calor
Vagas de frio e calorVagas de frio e calor
Vagas de frio e calor
Mayjö .
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
claudiarmarques
 
Os Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os LusíadasOs Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os Lusíadas
Rosalina Simão Nunes
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
Ana Arminda Moreira
 
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do PoetaCanto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
Catarina Sousa
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Raffaella Ergün
 

Mais procurados (20)

Riscos naturais
Riscos naturaisRiscos naturais
Riscos naturais
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Riscos naturais 9ºano
Riscos naturais 9ºanoRiscos naturais 9ºano
Riscos naturais 9ºano
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Movimentos de Vertente
Movimentos de VertenteMovimentos de Vertente
Movimentos de Vertente
 
Texto dramático - características
Texto dramático - característicasTexto dramático - características
Texto dramático - características
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra
 
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º anoOs lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
 
Funções sintáticas
Funções sintáticasFunções sintáticas
Funções sintáticas
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
 
Disponibilidades Hídricas
Disponibilidades HídricasDisponibilidades Hídricas
Disponibilidades Hídricas
 
Vagas de frio e calor
Vagas de frio e calorVagas de frio e calor
Vagas de frio e calor
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
 
Os Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os LusíadasOs Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os Lusíadas
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do PoetaCanto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
 

Destaque

Cheias
CheiasCheias
Cheias
grobinha
 
Inundações
InundaçõesInundações
Inundações
Sara Daniela
 
Cheias ou inundações
Cheias ou inundaçõesCheias ou inundações
Cheias ou inundações
protecaocivil
 
As cheias e as secas
As cheias e as secas   As cheias e as secas
As cheias e as secas
Andriy Russu
 
Cheias, inundações e secas prolongadas ana e adriana
Cheias, inundações e secas prolongadas ana e adrianaCheias, inundações e secas prolongadas ana e adriana
Cheias, inundações e secas prolongadas ana e adriana
8_c_clube
 
Riscos naturais - conceitos básicos
Riscos naturais -  conceitos básicosRiscos naturais -  conceitos básicos
Riscos naturais - conceitos básicos
Célia Pereira
 
Riscos e catástrofes naturais 2
Riscos e catástrofes naturais 2Riscos e catástrofes naturais 2
Riscos e catástrofes naturais 2
Maria João Carlos
 
Secas
SecasSecas
Plano geo 9º ano 2015 2016
Plano geo 9º ano 2015 2016Plano geo 9º ano 2015 2016
Plano geo 9º ano 2015 2016
Ilda Bicacro
 
Riscos e Catastrofes Naturais
Riscos e Catastrofes NaturaisRiscos e Catastrofes Naturais
Riscos e Catastrofes Naturais
marleneves
 
Inundações
InundaçõesInundações
Inundações
Gonçalo Silva
 
Cheias e inundações (GUIÃO DE APRESENTAÇÃO ORAL)
Cheias e inundações (GUIÃO DE APRESENTAÇÃO ORAL)Cheias e inundações (GUIÃO DE APRESENTAÇÃO ORAL)
Cheias e inundações (GUIÃO DE APRESENTAÇÃO ORAL)
JMCDINIS
 
Catástrofes em Portugal
Catástrofes em PortugalCatástrofes em Portugal
Catástrofes em Portugal
geocoisas
 
Vagas de calor e frio
Vagas de calor e frioVagas de calor e frio
Vagas de calor e frio
João Costa
 
As secas
As secasAs secas
As secas
Mayjö .
 
Catástrofes naturais avalanches
Catástrofes naturais   avalanchesCatástrofes naturais   avalanches
Catástrofes naturais avalanches
Mariana Monteiro
 
Riscos e catástrofes
Riscos e catástrofesRiscos e catástrofes
Riscos e catástrofes
Pocarolas
 
Vagas de frio
Vagas de frioVagas de frio
Vagas de frio
nenhuma
 
Tempestades-Ciências Naturais
Tempestades-Ciências NaturaisTempestades-Ciências Naturais
Tempestades-Ciências Naturais
Elsa Pereira
 
Deslizamentos de terras e avalanches trabalho final
Deslizamentos de terras e avalanches   trabalho finalDeslizamentos de terras e avalanches   trabalho final
Deslizamentos de terras e avalanches trabalho final
8_c_clube
 

Destaque (20)

Cheias
CheiasCheias
Cheias
 
Inundações
InundaçõesInundações
Inundações
 
Cheias ou inundações
Cheias ou inundaçõesCheias ou inundações
Cheias ou inundações
 
As cheias e as secas
As cheias e as secas   As cheias e as secas
As cheias e as secas
 
Cheias, inundações e secas prolongadas ana e adriana
Cheias, inundações e secas prolongadas ana e adrianaCheias, inundações e secas prolongadas ana e adriana
Cheias, inundações e secas prolongadas ana e adriana
 
Riscos naturais - conceitos básicos
Riscos naturais -  conceitos básicosRiscos naturais -  conceitos básicos
Riscos naturais - conceitos básicos
 
Riscos e catástrofes naturais 2
Riscos e catástrofes naturais 2Riscos e catástrofes naturais 2
Riscos e catástrofes naturais 2
 
Secas
SecasSecas
Secas
 
Plano geo 9º ano 2015 2016
Plano geo 9º ano 2015 2016Plano geo 9º ano 2015 2016
Plano geo 9º ano 2015 2016
 
Riscos e Catastrofes Naturais
Riscos e Catastrofes NaturaisRiscos e Catastrofes Naturais
Riscos e Catastrofes Naturais
 
Inundações
InundaçõesInundações
Inundações
 
Cheias e inundações (GUIÃO DE APRESENTAÇÃO ORAL)
Cheias e inundações (GUIÃO DE APRESENTAÇÃO ORAL)Cheias e inundações (GUIÃO DE APRESENTAÇÃO ORAL)
Cheias e inundações (GUIÃO DE APRESENTAÇÃO ORAL)
 
Catástrofes em Portugal
Catástrofes em PortugalCatástrofes em Portugal
Catástrofes em Portugal
 
Vagas de calor e frio
Vagas de calor e frioVagas de calor e frio
Vagas de calor e frio
 
As secas
As secasAs secas
As secas
 
Catástrofes naturais avalanches
Catástrofes naturais   avalanchesCatástrofes naturais   avalanches
Catástrofes naturais avalanches
 
Riscos e catástrofes
Riscos e catástrofesRiscos e catástrofes
Riscos e catástrofes
 
Vagas de frio
Vagas de frioVagas de frio
Vagas de frio
 
Tempestades-Ciências Naturais
Tempestades-Ciências NaturaisTempestades-Ciências Naturais
Tempestades-Ciências Naturais
 
Deslizamentos de terras e avalanches trabalho final
Deslizamentos de terras e avalanches   trabalho finalDeslizamentos de terras e avalanches   trabalho final
Deslizamentos de terras e avalanches trabalho final
 

Semelhante a Cheias e inundações

Catastrofes naturais projecto final
Catastrofes naturais projecto finalCatastrofes naturais projecto final
Catastrofes naturais projecto final
NelitaBeiro
 
Zonas costeiras
Zonas costeirasZonas costeiras
Zonas costeiras
Rita Oliveira
 
Catástrofes Naturais - Grupo 1
Catástrofes Naturais - Grupo 1Catástrofes Naturais - Grupo 1
Catástrofes Naturais - Grupo 1
Ana Abegão
 
VIVER COM A EROSÃO COSTEIRA NA EUROPA
VIVER COM A EROSÃO  COSTEIRA  NA EUROPAVIVER COM A EROSÃO  COSTEIRA  NA EUROPA
VIVER COM A EROSÃO COSTEIRA NA EUROPA
Cláudio Carneiro
 
1 perturbacao no-equilibrio_dos_ecossistemas
1   perturbacao no-equilibrio_dos_ecossistemas1   perturbacao no-equilibrio_dos_ecossistemas
1 perturbacao no-equilibrio_dos_ecossistemas
Pelo Siro
 
Trabalho de geografia. desmatamento 7 ano
Trabalho de geografia. desmatamento 7 anoTrabalho de geografia. desmatamento 7 ano
Trabalho de geografia. desmatamento 7 ano
olecramsepol
 
Enchentes 3 B
Enchentes 3 BEnchentes 3 B
Resumo geologia (0)
Resumo geologia (0)Resumo geologia (0)
Resumo geologia (0)
Mateus Ferraz
 
09 catastrofes1
09 catastrofes109 catastrofes1
09 catastrofes1
ruiricardobg
 
Catástrofes naturais cristiana
Catástrofes naturais cristianaCatástrofes naturais cristiana
Catástrofes naturais cristiana
protecaocivil
 
Madeira final
Madeira finalMadeira final
Madeira final
Teresa Catarina
 
TEMA DESASTRES NATURAIS, INUNDAÇÕES NO BRASIL.pdf
TEMA DESASTRES NATURAIS, INUNDAÇÕES NO BRASIL.pdfTEMA DESASTRES NATURAIS, INUNDAÇÕES NO BRASIL.pdf
TEMA DESASTRES NATURAIS, INUNDAÇÕES NO BRASIL.pdf
KarenSousa41
 
Grandes desastres ambientais
Grandes desastres ambientaisGrandes desastres ambientais
Grandes desastres ambientais
Universidade Federal Fluminense
 
COMO LIDAR COM AS ENCHENTES NO BRASIL
COMO LIDAR COM AS ENCHENTES NO BRASILCOMO LIDAR COM AS ENCHENTES NO BRASIL
COMO LIDAR COM AS ENCHENTES NO BRASIL
Fernando Alcoforado
 
Grandes desastres ambientais
Grandes desastres ambientaisGrandes desastres ambientais
Grandes desastres ambientais
Universidade Federal Fluminense
 
Grandes desastres ambientais
Grandes desastres ambientaisGrandes desastres ambientais
Grandes desastres ambientais
Universidade Federal Fluminense
 
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres NaturaisAtuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Instituto de Pesquisas Ambientais
 
Desastres naturais
Desastres naturaisDesastres naturais
Desastres naturais
Ingrid Bispo
 
Efeitos da-catastrofes-naturais[1]
Efeitos da-catastrofes-naturais[1]Efeitos da-catastrofes-naturais[1]
Efeitos da-catastrofes-naturais[1]
adelinacgomes
 
Riscos Naturais e Poluições
Riscos Naturais e PoluiçõesRiscos Naturais e Poluições
Riscos Naturais e Poluições
asgeoprofessoras
 

Semelhante a Cheias e inundações (20)

Catastrofes naturais projecto final
Catastrofes naturais projecto finalCatastrofes naturais projecto final
Catastrofes naturais projecto final
 
Zonas costeiras
Zonas costeirasZonas costeiras
Zonas costeiras
 
Catástrofes Naturais - Grupo 1
Catástrofes Naturais - Grupo 1Catástrofes Naturais - Grupo 1
Catástrofes Naturais - Grupo 1
 
VIVER COM A EROSÃO COSTEIRA NA EUROPA
VIVER COM A EROSÃO  COSTEIRA  NA EUROPAVIVER COM A EROSÃO  COSTEIRA  NA EUROPA
VIVER COM A EROSÃO COSTEIRA NA EUROPA
 
1 perturbacao no-equilibrio_dos_ecossistemas
1   perturbacao no-equilibrio_dos_ecossistemas1   perturbacao no-equilibrio_dos_ecossistemas
1 perturbacao no-equilibrio_dos_ecossistemas
 
Trabalho de geografia. desmatamento 7 ano
Trabalho de geografia. desmatamento 7 anoTrabalho de geografia. desmatamento 7 ano
Trabalho de geografia. desmatamento 7 ano
 
Enchentes 3 B
Enchentes 3 BEnchentes 3 B
Enchentes 3 B
 
Resumo geologia (0)
Resumo geologia (0)Resumo geologia (0)
Resumo geologia (0)
 
09 catastrofes1
09 catastrofes109 catastrofes1
09 catastrofes1
 
Catástrofes naturais cristiana
Catástrofes naturais cristianaCatástrofes naturais cristiana
Catástrofes naturais cristiana
 
Madeira final
Madeira finalMadeira final
Madeira final
 
TEMA DESASTRES NATURAIS, INUNDAÇÕES NO BRASIL.pdf
TEMA DESASTRES NATURAIS, INUNDAÇÕES NO BRASIL.pdfTEMA DESASTRES NATURAIS, INUNDAÇÕES NO BRASIL.pdf
TEMA DESASTRES NATURAIS, INUNDAÇÕES NO BRASIL.pdf
 
Grandes desastres ambientais
Grandes desastres ambientaisGrandes desastres ambientais
Grandes desastres ambientais
 
COMO LIDAR COM AS ENCHENTES NO BRASIL
COMO LIDAR COM AS ENCHENTES NO BRASILCOMO LIDAR COM AS ENCHENTES NO BRASIL
COMO LIDAR COM AS ENCHENTES NO BRASIL
 
Grandes desastres ambientais
Grandes desastres ambientaisGrandes desastres ambientais
Grandes desastres ambientais
 
Grandes desastres ambientais
Grandes desastres ambientaisGrandes desastres ambientais
Grandes desastres ambientais
 
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres NaturaisAtuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
 
Desastres naturais
Desastres naturaisDesastres naturais
Desastres naturais
 
Efeitos da-catastrofes-naturais[1]
Efeitos da-catastrofes-naturais[1]Efeitos da-catastrofes-naturais[1]
Efeitos da-catastrofes-naturais[1]
 
Riscos Naturais e Poluições
Riscos Naturais e PoluiçõesRiscos Naturais e Poluições
Riscos Naturais e Poluições
 

Mais de Carlos Henrique Tavares

Classificações do turismo
Classificações do turismoClassificações do turismo
Classificações do turismo
Carlos Henrique Tavares
 
1 3 a comunicacao
1 3  a comunicacao1 3  a comunicacao
1 3 a comunicacao
Carlos Henrique Tavares
 
Ébola
ÉbolaÉbola
Ai 1 2_pessoa e cultura
Ai 1 2_pessoa e culturaAi 1 2_pessoa e cultura
Ai 1 2_pessoa e cultura
Carlos Henrique Tavares
 
AI subtema 8.2
AI subtema 8.2AI subtema 8.2
AI subtema 8.2
Carlos Henrique Tavares
 
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democraciaArea integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Carlos Henrique Tavares
 

Mais de Carlos Henrique Tavares (6)

Classificações do turismo
Classificações do turismoClassificações do turismo
Classificações do turismo
 
1 3 a comunicacao
1 3  a comunicacao1 3  a comunicacao
1 3 a comunicacao
 
Ébola
ÉbolaÉbola
Ébola
 
Ai 1 2_pessoa e cultura
Ai 1 2_pessoa e culturaAi 1 2_pessoa e cultura
Ai 1 2_pessoa e cultura
 
AI subtema 8.2
AI subtema 8.2AI subtema 8.2
AI subtema 8.2
 
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democraciaArea integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
 

Último

LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LucliaMartins5
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
IsaiasJohaneSimango
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 

Cheias e inundações

  • 1. Domínio: Riscos, Ambiente e Sociedade Subdomínio: Riscos naturais
  • 2. Índice Retrato de Portugal Prevenção e intervenção Consequências das inundações Ocorrências de inundações Inundações urbanas Inundações costeiras Inundações fluviais Cheias e inundações
  • 3. Fenómeno hidrológico extremo, de frequência variável, natural ou induzido pela acção humana, que consiste no transbordo de um curso de água relativamente ao seu leito ordinário, originando a inundação dos terrenos ribeirinhos (leito de cheia). Cheia ou inundação? Cheia Fenómeno hidrológico extremo, de frequência variável, natural ou induzido pela acção humana, que consiste na submersão de uma área usualmente emersa. Inundação
  • 4. As cheias e inundações são fenómenos hidrológicos que não é possível evitar, e que podem ser potencialmente perigosos, dependendo da magnitude atingida (altura da água, caudais), da velocidade com que progridem e da frequência com que ocorrem. Contudo, só provocam situações de risco se houver elementos a elas expostos (população, propriedades, estruturas, infra-estruturas, actividades económicas), ou seja, localizados em áreas inundáveis, que possam ser destruídos ou gravemente danificados.
  • 5. Inundações fluviais São inundações que ocorrem em cursos de água, submergindo uma área usualmente emersa. Inundação do rio Hudson - EUA
  • 6. Inundações fluviais O tempo necessário para que uma cheia ocorra e a sua duração, bem como a potencial inundação gerada, dependem das características da bacia hidrográfica em questão….. Como sejam: Inclinação das vertentes…. Rede hidrográfica…. Propriedades dos solos e subsolo… Cobertura dos solos (quantidade e tipo de vegetação)… Humidade dos solos… Permeabiliade …. Bem como … Da duração da precipitação e Intensidade da precipitação
  • 8. Inundações costeiras São causadas devido a factores meteorológicos (vento e precipitação) que provocam a elevação eustática do nível do mar e o aumento da intensidade da ondulação.
  • 10. Inundações costeiras São causadas devido a factores meteorológicos (vento e precipitação) que provocam a elevação eustática do nível do mar e o aumento da intensidade da ondulação. Em momentos coincidentes com preia-mar e/ou marés vivas o risco de inundação é maior
  • 13. Inundações costeiras São causadas devido a factores meteorológicos (vento e precipitação) que provocam a elevação eustática do nível do mar e o aumento da intensidade da ondulação. Em momentos coincidentes com preia-mar e/ou marés vivas o risco de inundação é maior Os tsunamis podem também causar este tipo de inundação.
  • 14. Inundações urbanas  Aumento das superfícies impermeáveis (superfícies construídas pelo Homem que impedem a infiltração de água, como estradas, edifícios, parques de estacionamento, passeios ou outras infra- estruturas/equipamentos urbanos. Superfície de asfalto Avenida dos Aliados, Porto … quais as causas?
  • 15. Inundações urbanas  Chuva intensa, associada à sobrecarga/obstrução dos sistemas de drenagem artificiais … quais as causas? Chuva intensa, Lisboa Obstrução de sarjeta, Lisboa
  • 16. Ocorrências de inundações no mundo, entre 1985 e 2011.
  • 17. Consequências das inundações Isolamento de povoações, evacuação e desalojamento de pessoas. Eventual perda de vidas humanas. Submersão e/ou estrago de infra- estruturas. Destruição de explorações agrícolas e pecuárias. Interrupção de fornecimento de bens ou serviços básicos. Custo das acções de proteção civil. Diretas
  • 18. Consequências das inundações - isolamento de povoações -
  • 20. Consequências das inundações - submersão / estragos de infra-estruturas -
  • 21. Consequências das inundações destruição de explorações agrícolas/pecuárias -
  • 22. Consequências das inundações - custo das acções de socorro/desgaste -
  • 23. Consequências das inundações Perda de produção das actividades socioeconómicas. Alteração do meio ambiente. Indiretas
  • 24. Prevenção e minimização Correcta gestão do território e planeamento de emergências. Construção de barragens e criação de albufeiras. Construção de diques e muros de defesa. Alteração e desobstrução do leito dos rios. Desassoreamento. Regulamentação das zonas inundáveis. Reflorestação. Manter os sistemas de drenagem artificial limpos e operacionais.
  • 26. Retrato de Portugal Cheias lentas dos grandes rios e cheias rápidas de rios e ribeiras de pequenas e médias bacias hidrográficas. Inundações costeiras devidas a invasões do oceano e do mar. Sobrecarga dos sistemas de drenagem artificiais nas áreas urbanas. Subida das águas subterrâneas em locais topograficamente deprimidos. Inundações