SlideShare uma empresa Scribd logo
Domínio:
Riscos, Ambiente e Sociedade
Subdomínio:
Riscos naturais
Índice
Retrato de Portugal
Prevenção e intervenção
Consequências das inundações
Ocorrências de inundações
Inundações urbanas
Inundações costeiras
Inundações fluviais
Cheias e inundações
Fenómeno hidrológico extremo, de frequência variável, natural
ou induzido pela acção humana, que consiste no transbordo de
um curso de água relativamente ao seu leito ordinário,
originando a inundação dos terrenos ribeirinhos (leito de cheia).
Cheia ou inundação?
Cheia
Fenómeno hidrológico extremo, de frequência variável, natural
ou induzido pela acção humana, que consiste na submersão de
uma área usualmente emersa.
Inundação
As cheias e inundações são fenómenos
hidrológicos que não é possível evitar, e que
podem ser potencialmente perigosos, dependendo da
magnitude atingida (altura da água, caudais), da velocidade
com que progridem e da frequência com que ocorrem.
Contudo, só provocam situações de risco se houver
elementos a elas expostos (população, propriedades,
estruturas, infra-estruturas, actividades económicas), ou
seja, localizados em áreas inundáveis, que possam ser
destruídos ou gravemente danificados.
Inundações fluviais
São inundações que
ocorrem em cursos de
água, submergindo
uma área usualmente
emersa.
Inundação do rio Hudson - EUA
Inundações fluviais
O tempo necessário para que uma cheia ocorra e a sua duração, bem
como a potencial inundação gerada, dependem das características da
bacia hidrográfica em questão…..
Como sejam:
Inclinação das vertentes….
Rede hidrográfica….
Propriedades dos solos e subsolo…
Cobertura dos solos (quantidade e tipo de vegetação)…
Humidade dos solos…
Permeabiliade ….
Bem como …
Da duração da precipitação e
Intensidade da precipitação
Inundações costeiras
São causadas devido a factores meteorológicos (vento e
precipitação) que provocam a elevação eustática do nível do
mar e o aumento da intensidade da ondulação.
Inundações costeiras
Inundações costeiras
São causadas devido a factores meteorológicos (vento e
precipitação) que provocam a elevação eustática do nível do
mar e o aumento da intensidade da ondulação.
Em momentos coincidentes com preia-mar e/ou marés vivas o
risco de inundação é maior
Inundações costeiras
Inundações costeiras
Inundações costeiras
São causadas devido a factores meteorológicos (vento e
precipitação) que provocam a elevação eustática do nível do
mar e o aumento da intensidade da ondulação.
Em momentos coincidentes com preia-mar e/ou marés vivas o
risco de inundação é maior
Os tsunamis podem também causar este tipo de inundação.
Inundações urbanas
 Aumento das superfícies impermeáveis (superfícies construídas pelo
Homem que impedem a infiltração de água, como estradas, edifícios,
parques de estacionamento, passeios ou outras infra-
estruturas/equipamentos urbanos.
Superfície de asfalto Avenida dos Aliados, Porto
… quais as causas?
Inundações urbanas
 Chuva intensa, associada à sobrecarga/obstrução dos sistemas de
drenagem artificiais
… quais as causas?
Chuva intensa, Lisboa Obstrução de sarjeta, Lisboa
Ocorrências de inundações no mundo, entre 1985 e 2011.
Consequências das inundações
Isolamento de povoações, evacuação e
desalojamento de pessoas.
Eventual perda de vidas humanas.
Submersão e/ou estrago de infra-
estruturas.
Destruição de explorações agrícolas e
pecuárias.
Interrupção de fornecimento de bens ou
serviços básicos.
Custo das acções de proteção civil.
Diretas
Consequências das inundações
- isolamento de povoações -
Consequências das inundações
- perda de vidas -
Consequências das inundações
- submersão / estragos de infra-estruturas -
Consequências das inundações
destruição de explorações agrícolas/pecuárias
-
Consequências das inundações
- custo das acções de socorro/desgaste -
Consequências das inundações
Perda de produção das actividades
socioeconómicas.
Alteração do meio ambiente.
Indiretas
Prevenção e minimização
Correcta gestão do território e planeamento de
emergências.
Construção de barragens e criação de albufeiras.
Construção de diques e muros de defesa.
Alteração e desobstrução do leito dos rios.
Desassoreamento.
Regulamentação das zonas inundáveis.
Reflorestação.
Manter os sistemas de drenagem artificial limpos e
operacionais.
Retrato de Portugal
Retrato de Portugal
Cheias lentas dos grandes
rios e cheias rápidas de rios
e ribeiras de pequenas e
médias bacias hidrográficas.
Inundações costeiras
devidas a invasões do
oceano e do mar.
Sobrecarga dos sistemas de
drenagem artificiais nas
áreas urbanas.
Subida das águas
subterrâneas em locais
topograficamente
deprimidos.
Inundações
Retrato de Portugal
http://sniamb.apambiente.pt/Diretiva60CE2007/
Cheias e inundações
Cheias e inundações
Cheias e inundações
Cheias e inundações
Cheias e inundações
Cheias e inundações
Cheias e inundações

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Acidentes litoral
Acidentes litoralAcidentes litoral
Acidentes litoral
mariamoraisgeo
 
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
Ilda Bicacro
 
Ilha dos Amores
Ilha dos AmoresIlha dos Amores
Ilha dos Amores
Vanda Marques
 
Movimentos de Vertente
Movimentos de VertenteMovimentos de Vertente
Movimentos de Vertente
EBSPMA
 
Adamastor
AdamastorAdamastor
Adamastor
sin3stesia
 
Obstáculos ao desenvolvimento
Obstáculos ao desenvolvimentoObstáculos ao desenvolvimento
Obstáculos ao desenvolvimento
Rosária Zamith
 
Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)
Rosária Zamith
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Raffaella Ergün
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Raffaella Ergün
 
Secas
SecasSecas
Secas
Carlamspc
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
Ilda Bicacro
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Dina Baptista
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
Lurdes Augusto
 
Riscos naturais 9ºano
Riscos naturais 9ºanoRiscos naturais 9ºano
Riscos naturais 9ºano
Gabriela Vasconcelos
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Raffaella Ergün
 
Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)
Idalina Leite
 
Principais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesaPrincipais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesa
Thepatriciamartins12
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
Paula Oliveira Cruz
 
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Inês Moreira
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
Ilda Bicacro
 

Mais procurados (20)

Acidentes litoral
Acidentes litoralAcidentes litoral
Acidentes litoral
 
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
 
Ilha dos Amores
Ilha dos AmoresIlha dos Amores
Ilha dos Amores
 
Movimentos de Vertente
Movimentos de VertenteMovimentos de Vertente
Movimentos de Vertente
 
Adamastor
AdamastorAdamastor
Adamastor
 
Obstáculos ao desenvolvimento
Obstáculos ao desenvolvimentoObstáculos ao desenvolvimento
Obstáculos ao desenvolvimento
 
Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
 
Secas
SecasSecas
Secas
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
Riscos naturais 9ºano
Riscos naturais 9ºanoRiscos naturais 9ºano
Riscos naturais 9ºano
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
 
Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)
 
Principais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesaPrincipais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesa
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
 
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
 

Destaque

Cheias
CheiasCheias
Cheias
grobinha
 
Inundações
InundaçõesInundações
Inundações
Sara Daniela
 
Cheias ou inundações
Cheias ou inundaçõesCheias ou inundações
Cheias ou inundações
protecaocivil
 
As cheias e as secas
As cheias e as secas   As cheias e as secas
As cheias e as secas
Andriy Russu
 
Cheias, inundações e secas prolongadas ana e adriana
Cheias, inundações e secas prolongadas ana e adrianaCheias, inundações e secas prolongadas ana e adriana
Cheias, inundações e secas prolongadas ana e adriana
8_c_clube
 
Riscos naturais - conceitos básicos
Riscos naturais -  conceitos básicosRiscos naturais -  conceitos básicos
Riscos naturais - conceitos básicos
Célia Pereira
 
Trabalho de geografia secas
Trabalho de geografia   secasTrabalho de geografia   secas
Trabalho de geografia secas
protecaocivil
 
Riscos e catástrofes naturais 2
Riscos e catástrofes naturais 2Riscos e catástrofes naturais 2
Riscos e catástrofes naturais 2
Maria João Carlos
 
Secas
SecasSecas
Plano geo 9º ano 2015 2016
Plano geo 9º ano 2015 2016Plano geo 9º ano 2015 2016
Plano geo 9º ano 2015 2016
Ilda Bicacro
 
Riscos e Catastrofes Naturais
Riscos e Catastrofes NaturaisRiscos e Catastrofes Naturais
Riscos e Catastrofes Naturais
marleneves
 
Inundações
InundaçõesInundações
Inundações
Gonçalo Silva
 
Cheias e inundações (GUIÃO DE APRESENTAÇÃO ORAL)
Cheias e inundações (GUIÃO DE APRESENTAÇÃO ORAL)Cheias e inundações (GUIÃO DE APRESENTAÇÃO ORAL)
Cheias e inundações (GUIÃO DE APRESENTAÇÃO ORAL)
JMCDINIS
 
Catástrofes em Portugal
Catástrofes em PortugalCatástrofes em Portugal
Catástrofes em Portugal
geocoisas
 
Vagas de calor e frio
Vagas de calor e frioVagas de calor e frio
Vagas de calor e frio
João Costa
 
As secas
As secasAs secas
As secas
Mayjö .
 
Catástrofes naturais avalanches
Catástrofes naturais   avalanchesCatástrofes naturais   avalanches
Catástrofes naturais avalanches
Mariana Monteiro
 
Riscos e catástrofes
Riscos e catástrofesRiscos e catástrofes
Riscos e catástrofes
Pocarolas
 
Vagas de frio
Vagas de frioVagas de frio
Vagas de frio
nenhuma
 
Tempestades-Ciências Naturais
Tempestades-Ciências NaturaisTempestades-Ciências Naturais
Tempestades-Ciências Naturais
Elsa Pereira
 

Destaque (20)

Cheias
CheiasCheias
Cheias
 
Inundações
InundaçõesInundações
Inundações
 
Cheias ou inundações
Cheias ou inundaçõesCheias ou inundações
Cheias ou inundações
 
As cheias e as secas
As cheias e as secas   As cheias e as secas
As cheias e as secas
 
Cheias, inundações e secas prolongadas ana e adriana
Cheias, inundações e secas prolongadas ana e adrianaCheias, inundações e secas prolongadas ana e adriana
Cheias, inundações e secas prolongadas ana e adriana
 
Riscos naturais - conceitos básicos
Riscos naturais -  conceitos básicosRiscos naturais -  conceitos básicos
Riscos naturais - conceitos básicos
 
Trabalho de geografia secas
Trabalho de geografia   secasTrabalho de geografia   secas
Trabalho de geografia secas
 
Riscos e catástrofes naturais 2
Riscos e catástrofes naturais 2Riscos e catástrofes naturais 2
Riscos e catástrofes naturais 2
 
Secas
SecasSecas
Secas
 
Plano geo 9º ano 2015 2016
Plano geo 9º ano 2015 2016Plano geo 9º ano 2015 2016
Plano geo 9º ano 2015 2016
 
Riscos e Catastrofes Naturais
Riscos e Catastrofes NaturaisRiscos e Catastrofes Naturais
Riscos e Catastrofes Naturais
 
Inundações
InundaçõesInundações
Inundações
 
Cheias e inundações (GUIÃO DE APRESENTAÇÃO ORAL)
Cheias e inundações (GUIÃO DE APRESENTAÇÃO ORAL)Cheias e inundações (GUIÃO DE APRESENTAÇÃO ORAL)
Cheias e inundações (GUIÃO DE APRESENTAÇÃO ORAL)
 
Catástrofes em Portugal
Catástrofes em PortugalCatástrofes em Portugal
Catástrofes em Portugal
 
Vagas de calor e frio
Vagas de calor e frioVagas de calor e frio
Vagas de calor e frio
 
As secas
As secasAs secas
As secas
 
Catástrofes naturais avalanches
Catástrofes naturais   avalanchesCatástrofes naturais   avalanches
Catástrofes naturais avalanches
 
Riscos e catástrofes
Riscos e catástrofesRiscos e catástrofes
Riscos e catástrofes
 
Vagas de frio
Vagas de frioVagas de frio
Vagas de frio
 
Tempestades-Ciências Naturais
Tempestades-Ciências NaturaisTempestades-Ciências Naturais
Tempestades-Ciências Naturais
 

Semelhante a Cheias e inundações

Catastrofes naturais projecto final
Catastrofes naturais projecto finalCatastrofes naturais projecto final
Catastrofes naturais projecto final
NelitaBeiro
 
Zonas costeiras
Zonas costeirasZonas costeiras
Zonas costeiras
Rita Oliveira
 
Catástrofes Naturais - Grupo 1
Catástrofes Naturais - Grupo 1Catástrofes Naturais - Grupo 1
Catástrofes Naturais - Grupo 1
Ana Abegão
 
VIVER COM A EROSÃO COSTEIRA NA EUROPA
VIVER COM A EROSÃO  COSTEIRA  NA EUROPAVIVER COM A EROSÃO  COSTEIRA  NA EUROPA
VIVER COM A EROSÃO COSTEIRA NA EUROPA
Cláudio Carneiro
 
1 perturbacao no-equilibrio_dos_ecossistemas
1   perturbacao no-equilibrio_dos_ecossistemas1   perturbacao no-equilibrio_dos_ecossistemas
1 perturbacao no-equilibrio_dos_ecossistemas
Pelo Siro
 
Trabalho de geografia. desmatamento 7 ano
Trabalho de geografia. desmatamento 7 anoTrabalho de geografia. desmatamento 7 ano
Trabalho de geografia. desmatamento 7 anoolecramsepol
 
Enchentes 3 B
Enchentes 3 BEnchentes 3 B
Resumo geologia (0)
Resumo geologia (0)Resumo geologia (0)
Resumo geologia (0)
Mateus Ferraz
 
09 catastrofes1
09 catastrofes109 catastrofes1
09 catastrofes1
ruiricardobg
 
Catástrofes naturais cristiana
Catástrofes naturais cristianaCatástrofes naturais cristiana
Catástrofes naturais cristiana
protecaocivil
 
Madeira final
Madeira finalMadeira final
Madeira final
Teresa Catarina
 
TEMA DESASTRES NATURAIS, INUNDAÇÕES NO BRASIL.pdf
TEMA DESASTRES NATURAIS, INUNDAÇÕES NO BRASIL.pdfTEMA DESASTRES NATURAIS, INUNDAÇÕES NO BRASIL.pdf
TEMA DESASTRES NATURAIS, INUNDAÇÕES NO BRASIL.pdf
KarenSousa41
 
Grandes desastres ambientais
Grandes desastres ambientaisGrandes desastres ambientais
Grandes desastres ambientais
Universidade Federal Fluminense
 
COMO LIDAR COM AS ENCHENTES NO BRASIL
COMO LIDAR COM AS ENCHENTES NO BRASILCOMO LIDAR COM AS ENCHENTES NO BRASIL
COMO LIDAR COM AS ENCHENTES NO BRASIL
Fernando Alcoforado
 
Grandes desastres ambientais
Grandes desastres ambientaisGrandes desastres ambientais
Grandes desastres ambientais
Universidade Federal Fluminense
 
Grandes desastres ambientais
Grandes desastres ambientaisGrandes desastres ambientais
Grandes desastres ambientais
Universidade Federal Fluminense
 
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres NaturaisAtuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Instituto de Pesquisas Ambientais
 
Desastres naturais
Desastres naturaisDesastres naturais
Desastres naturais
Ingrid Bispo
 
Efeitos da-catastrofes-naturais[1]
Efeitos da-catastrofes-naturais[1]Efeitos da-catastrofes-naturais[1]
Efeitos da-catastrofes-naturais[1]
adelinacgomes
 
Riscos Naturais e Poluições
Riscos Naturais e PoluiçõesRiscos Naturais e Poluições
Riscos Naturais e Poluições
asgeoprofessoras
 

Semelhante a Cheias e inundações (20)

Catastrofes naturais projecto final
Catastrofes naturais projecto finalCatastrofes naturais projecto final
Catastrofes naturais projecto final
 
Zonas costeiras
Zonas costeirasZonas costeiras
Zonas costeiras
 
Catástrofes Naturais - Grupo 1
Catástrofes Naturais - Grupo 1Catástrofes Naturais - Grupo 1
Catástrofes Naturais - Grupo 1
 
VIVER COM A EROSÃO COSTEIRA NA EUROPA
VIVER COM A EROSÃO  COSTEIRA  NA EUROPAVIVER COM A EROSÃO  COSTEIRA  NA EUROPA
VIVER COM A EROSÃO COSTEIRA NA EUROPA
 
1 perturbacao no-equilibrio_dos_ecossistemas
1   perturbacao no-equilibrio_dos_ecossistemas1   perturbacao no-equilibrio_dos_ecossistemas
1 perturbacao no-equilibrio_dos_ecossistemas
 
Trabalho de geografia. desmatamento 7 ano
Trabalho de geografia. desmatamento 7 anoTrabalho de geografia. desmatamento 7 ano
Trabalho de geografia. desmatamento 7 ano
 
Enchentes 3 B
Enchentes 3 BEnchentes 3 B
Enchentes 3 B
 
Resumo geologia (0)
Resumo geologia (0)Resumo geologia (0)
Resumo geologia (0)
 
09 catastrofes1
09 catastrofes109 catastrofes1
09 catastrofes1
 
Catástrofes naturais cristiana
Catástrofes naturais cristianaCatástrofes naturais cristiana
Catástrofes naturais cristiana
 
Madeira final
Madeira finalMadeira final
Madeira final
 
TEMA DESASTRES NATURAIS, INUNDAÇÕES NO BRASIL.pdf
TEMA DESASTRES NATURAIS, INUNDAÇÕES NO BRASIL.pdfTEMA DESASTRES NATURAIS, INUNDAÇÕES NO BRASIL.pdf
TEMA DESASTRES NATURAIS, INUNDAÇÕES NO BRASIL.pdf
 
Grandes desastres ambientais
Grandes desastres ambientaisGrandes desastres ambientais
Grandes desastres ambientais
 
COMO LIDAR COM AS ENCHENTES NO BRASIL
COMO LIDAR COM AS ENCHENTES NO BRASILCOMO LIDAR COM AS ENCHENTES NO BRASIL
COMO LIDAR COM AS ENCHENTES NO BRASIL
 
Grandes desastres ambientais
Grandes desastres ambientaisGrandes desastres ambientais
Grandes desastres ambientais
 
Grandes desastres ambientais
Grandes desastres ambientaisGrandes desastres ambientais
Grandes desastres ambientais
 
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres NaturaisAtuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
 
Desastres naturais
Desastres naturaisDesastres naturais
Desastres naturais
 
Efeitos da-catastrofes-naturais[1]
Efeitos da-catastrofes-naturais[1]Efeitos da-catastrofes-naturais[1]
Efeitos da-catastrofes-naturais[1]
 
Riscos Naturais e Poluições
Riscos Naturais e PoluiçõesRiscos Naturais e Poluições
Riscos Naturais e Poluições
 

Mais de Carlos Henrique Tavares

Classificações do turismo
Classificações do turismoClassificações do turismo
Classificações do turismo
Carlos Henrique Tavares
 
1 3 a comunicacao
1 3  a comunicacao1 3  a comunicacao
1 3 a comunicacao
Carlos Henrique Tavares
 
Ébola
ÉbolaÉbola
Ai 1 2_pessoa e cultura
Ai 1 2_pessoa e culturaAi 1 2_pessoa e cultura
Ai 1 2_pessoa e cultura
Carlos Henrique Tavares
 
AI subtema 8.2
AI subtema 8.2AI subtema 8.2
AI subtema 8.2
Carlos Henrique Tavares
 
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democraciaArea integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Carlos Henrique Tavares
 

Mais de Carlos Henrique Tavares (6)

Classificações do turismo
Classificações do turismoClassificações do turismo
Classificações do turismo
 
1 3 a comunicacao
1 3  a comunicacao1 3  a comunicacao
1 3 a comunicacao
 
Ébola
ÉbolaÉbola
Ébola
 
Ai 1 2_pessoa e cultura
Ai 1 2_pessoa e culturaAi 1 2_pessoa e cultura
Ai 1 2_pessoa e cultura
 
AI subtema 8.2
AI subtema 8.2AI subtema 8.2
AI subtema 8.2
 
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democraciaArea integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
 

Último

Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 

Cheias e inundações

  • 1. Domínio: Riscos, Ambiente e Sociedade Subdomínio: Riscos naturais
  • 2. Índice Retrato de Portugal Prevenção e intervenção Consequências das inundações Ocorrências de inundações Inundações urbanas Inundações costeiras Inundações fluviais Cheias e inundações
  • 3. Fenómeno hidrológico extremo, de frequência variável, natural ou induzido pela acção humana, que consiste no transbordo de um curso de água relativamente ao seu leito ordinário, originando a inundação dos terrenos ribeirinhos (leito de cheia). Cheia ou inundação? Cheia Fenómeno hidrológico extremo, de frequência variável, natural ou induzido pela acção humana, que consiste na submersão de uma área usualmente emersa. Inundação
  • 4. As cheias e inundações são fenómenos hidrológicos que não é possível evitar, e que podem ser potencialmente perigosos, dependendo da magnitude atingida (altura da água, caudais), da velocidade com que progridem e da frequência com que ocorrem. Contudo, só provocam situações de risco se houver elementos a elas expostos (população, propriedades, estruturas, infra-estruturas, actividades económicas), ou seja, localizados em áreas inundáveis, que possam ser destruídos ou gravemente danificados.
  • 5. Inundações fluviais São inundações que ocorrem em cursos de água, submergindo uma área usualmente emersa. Inundação do rio Hudson - EUA
  • 6. Inundações fluviais O tempo necessário para que uma cheia ocorra e a sua duração, bem como a potencial inundação gerada, dependem das características da bacia hidrográfica em questão….. Como sejam: Inclinação das vertentes…. Rede hidrográfica…. Propriedades dos solos e subsolo… Cobertura dos solos (quantidade e tipo de vegetação)… Humidade dos solos… Permeabiliade …. Bem como … Da duração da precipitação e Intensidade da precipitação
  • 7.
  • 8. Inundações costeiras São causadas devido a factores meteorológicos (vento e precipitação) que provocam a elevação eustática do nível do mar e o aumento da intensidade da ondulação.
  • 10. Inundações costeiras São causadas devido a factores meteorológicos (vento e precipitação) que provocam a elevação eustática do nível do mar e o aumento da intensidade da ondulação. Em momentos coincidentes com preia-mar e/ou marés vivas o risco de inundação é maior
  • 13. Inundações costeiras São causadas devido a factores meteorológicos (vento e precipitação) que provocam a elevação eustática do nível do mar e o aumento da intensidade da ondulação. Em momentos coincidentes com preia-mar e/ou marés vivas o risco de inundação é maior Os tsunamis podem também causar este tipo de inundação.
  • 14. Inundações urbanas  Aumento das superfícies impermeáveis (superfícies construídas pelo Homem que impedem a infiltração de água, como estradas, edifícios, parques de estacionamento, passeios ou outras infra- estruturas/equipamentos urbanos. Superfície de asfalto Avenida dos Aliados, Porto … quais as causas?
  • 15. Inundações urbanas  Chuva intensa, associada à sobrecarga/obstrução dos sistemas de drenagem artificiais … quais as causas? Chuva intensa, Lisboa Obstrução de sarjeta, Lisboa
  • 16. Ocorrências de inundações no mundo, entre 1985 e 2011.
  • 17. Consequências das inundações Isolamento de povoações, evacuação e desalojamento de pessoas. Eventual perda de vidas humanas. Submersão e/ou estrago de infra- estruturas. Destruição de explorações agrícolas e pecuárias. Interrupção de fornecimento de bens ou serviços básicos. Custo das acções de proteção civil. Diretas
  • 18. Consequências das inundações - isolamento de povoações -
  • 20. Consequências das inundações - submersão / estragos de infra-estruturas -
  • 21. Consequências das inundações destruição de explorações agrícolas/pecuárias -
  • 22. Consequências das inundações - custo das acções de socorro/desgaste -
  • 23. Consequências das inundações Perda de produção das actividades socioeconómicas. Alteração do meio ambiente. Indiretas
  • 24. Prevenção e minimização Correcta gestão do território e planeamento de emergências. Construção de barragens e criação de albufeiras. Construção de diques e muros de defesa. Alteração e desobstrução do leito dos rios. Desassoreamento. Regulamentação das zonas inundáveis. Reflorestação. Manter os sistemas de drenagem artificial limpos e operacionais.
  • 26. Retrato de Portugal Cheias lentas dos grandes rios e cheias rápidas de rios e ribeiras de pequenas e médias bacias hidrográficas. Inundações costeiras devidas a invasões do oceano e do mar. Sobrecarga dos sistemas de drenagem artificiais nas áreas urbanas. Subida das águas subterrâneas em locais topograficamente deprimidos. Inundações