SlideShare uma empresa Scribd logo
Dito e Feito, 6.º ano




                Tipos de texto




Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                TEXTO DESCRITIVO

     Um texto ou excerto descritivo constrói‑se à volta de uma
     determinada realidade ou situação para a descrever, para
     apresentar os seus diversos pormenores.
     Podem      descrever‑se     pessoas ou         personagens        (com
     características      físicas      e/ou psicológicas), lugares,
     acontecimentos e todo o tipo de realidades ou objetos.
     Muitas vezes, os excertos descritivos encontram ‑se intercalados com
     sequências narrativas, para se apresentarem as características
     dos mais diversos elementos que vão surgindo no desenrolar
     da ação – paisagens, casas, pessoas, animais, objetos, etc.



Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



           TEXTO DESCRITIVO

          Algumas marcas textuais


         – Verbos que indicam estados ou situações estáticas no
         pretérito imperfeito do indicativo ou no presente do
         indicativo;

         – Abundância de adjetivos e outras expressões caracterizadoras;

         – Utilização de vocabulário ligado ao domínio dos sentidos;

         – Recursos estilísticos como a adjetivação, a enumeração, a
         comparação, a metáfora…



Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                TEXTO NARRATIVO
       
                Um texto narrativo, ou um excerto narrativo, caracteriza ‑se por
      apresentar os seguintes elementos:

       a. Ação – acontecimentos narrados;

          b. Narrador – entidade que conta a história, que apresenta a ação;

          c. Tempo – momento em que decorre a ação;

       d. Espaço – lugar ou lugares onde se desenvolve a ação;


       e. Personagens – entidades que intervêm na ação narrada.

Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                TEXTO NARRATIVO

     NARRADOR

     Convém não confundir o   autor do texto – um ser humano real que
     escreveu a obra – com o narrador – uma entidade que existe apenas
     dentro do texto como personagem, ou apenas como a “voz” que conta a
     história.

      Considerando a sua participação na acção, o narrador pode ser:


                      Participante         Não participante




Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                TEXTO NARRATIVO

                                 NARRADOR


                 Participante                  Não participante


                                             Não entra na ação do texto como
        É uma das personagens do texto e
                                             personagem. Narra uma história em
        narra a história em que participa.
                                             que não participa.



                Verbos, pronomes                Verbos, pronomes
                e determinantes de              e determinantes de
                1.ª pessoa.                     3.ª pessoa.
Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                TEXTO NARRATIVO

                                  Tendo em conta a importância que tem no
        PERSONAGE
                                  desenvolvimento da ação, uma personagem
            M
                                  pode ser:


                 PRINCIPAL                       SECUNDÁRIA


        Personagem mais importante, em         Personagem com menos
        torno da qual se desenrola a ação.     importância que participa no
                                               desenvolvimento da ação.


    Num texto narrativo, podem ainda aparecer personagens FIGURANTES, que
    não têm intervenção direta na ação.
Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                TEXTO NARRATIVO

          Algumas marcas textuais


         – Predominância de verbos no pretérito perfeito do indicativo;



         – Abundância de expressões indicadoras de tempo e espaço.




Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano




                 ALGUNS GÉNEROS
                DE TEXTO NARRATIVO




Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



      FÁBULA
        A fábula é um texto narrativo com as seguintes características:


        – história quase sempre breve;
        – escrito em verso ou em prosa;
        – ação simples;
        – poucas personagens que são muitas vezes animais;
        – apresenta um ensinamento final – moral.

       A fábula, apresentando os vícios ou virtudes dos seres humanos,
     representados por animais, tem como intenção apresentar um
     ensinamento, procurando exercer influência sobre o leitor/ouvinte.

Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



      LENDA

         Com origem na tradição oral, a lenda é um texto narrativo em
       que:

         – um facto histórico aparece transfigurado ou transformado
       pela imaginação popular;

          – a ação é, muitas vezes, localizada no tempo e no espaço;

         – a história contada apresenta sempre algo de maravilhoso ou
       fantástico.

         As lendas, contendo um fundo de verdade, propõem uma
       explicação para a origem ou razão de um fenómeno, de um
       facto, de um nome, etc.

Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



      CONTO




Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



      CONTO
      POPULAR
           O conto popular partilha as características essenciais do conto
       literário, mas apresenta alguns traços particulares:

          – tem origem no povo (popular);

          – é fruto da transmissão oral, como a restante literatura
       tradicional;

         –   as    personagens    são       geralmente     anónimas        e
       representativas de grupos;

         – situa-se num tempo normalmente passado, indefinido, mas
       com ensinamentos atuais.
Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



      BIOGRAFIA


                Biografia é uma palavra de origem grega, constituída pelos
          elementos bios – ‘vida’ – e grafia – ‘escrita’.


                Enquanto texto, uma biografia é, portanto, a história da

          vida de alguém.




Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



      AUTOBIOGRAFIA


         Uma autobiografia é uma biografia escrita pela pessoa
      ou entidade que a viveu (como o elemento auto- sugere). Por
      isso, haverá neste tipo de texto a predominância do narrador
      participante.

        Pode ser um texto que relata aspetos reais ou imaginários,
      dependendo de o narrador ser real ou imaginário.

         Numa autobiografia ou texto autobiográfico surgem muitas
      marcas da primeira pessoa (nos verbos, pronomes e
      determinantes).

Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



      BIOBIBLIOGRAFIA

          A palavra biobibliografia é formada a partir de três palavras
      gregas:
      – bios, que significa ‘vida’;
      – biblos, que significa ‘livro’;
       – grafia, que significa ‘escrita’.
         É uma apresentação da vida e das obras de um autor .

         Este tipo de texto inclui aspetos da vida do autor, como a
      data de nascimento, a instrução adquirida, os cargos
      desempenhados, os prémios recebidos, entre outros.

         Uma biobibliografia pode incluir a referência a todos os trabalhos
      do autor ou apenas aos considerados mais representativos e pode
      ainda mencionar obras escritas sobre o autor.

Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



      DIÁRIO


         O diário é um tipo de texto com características muito próprias:


         – escrita localizada no tempo, com a referência à data;
         – ordenação cronológica, isto é, apresentada pela ordem
      temporal.


         Num      diário,   registam‑se   vivências ou experiências
      pessoais e a visão/opinião sobre os mais variados
      acontecimentos.

Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano

     Outros textos…

     NOTÍCIA

        A palavra notícia tem origem no verbo latino noscere, que significa
     ‘conhecer’. É um texto jornalístico oral ou escrito que apresenta,
     normalmente,        um   carácter formal, curto, objetivo e
     narrativo.

         Uma notícia aborda, habitualmente, informação sobre:
         – alguém ou algo que fez alguma coisa (quem?);
         – um espaço (onde?);
         – um tempo (quando?);
         – as ações (o   quê? como?);
         – a finalidade (porquê?).
Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



     NOTÍCIA


          ESTRUTURA

         –   Título (que pode apresentar um antetítulo, título e subtítulo).

         –   Lead (‘guia’ – primeiro parágrafo da notícia onde se apresenta
         um resumo breve sobre os dados que se incluem na notícia e que
         responde às questões “Quem?”, “O quê?”, “Onde?” e “Quando?”).

         –   Corpo da notícia (parágrafos seguintes, onde se desenvolve a
         informação, respondendo eventualmente às perguntas “Porquê?” e
         “Como?”).


Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



      REPORTAGEM

       É um texto de imprensa de carácter informativo.


      A reportagem amplia a notícia, apresentado as circunstâncias
    e acrescentando pormenores.

       Trata-se de um género jornalístico, oral ou escrito, que aborda um
    tema interessante e atual.

      Apresenta uma construção diversificada que pode misturar narração,
    descrição, diálogos, exposição e argumentação. Procura transmitir
    uma visão ampla dos factos e transportar o leitor/ouvinte para a cena dos
    acontecimentos.
Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



      REPORTAGEM


          ESTRUTURA

         –   Abertura ou síntese dos dados fundamentais da notícia.

         –   Apresentação dos factos e descrição de ambientes e
         participantes, das suas atitudes e emoções.


         –   Síntese final.




Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                TEXTO DE OPINIÃO
           É um texto jornalístico cujo conteúdo pode ser muito variado.

           Deve ser breve, claro na interpretação dos factos e
       apresentar posições bem fundamentadas.

         Os factos são apresentados e interpretados pelo
       autor, que faz sobre eles um juízo de valor, de acordo com o seu
       ponto de vista.

          Na comunicação social, a opinião aparece em diversos tipos de
       texto, como o artigo de opinião, que aborda os mais diversos
       assuntos, da arte à divulgação científica.

Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                TEXTO EXPOSITIVO

           É    um   texto   em   que   se   apresentam e explicam
       conceitos.

           Este tipo de texto pode apresentar momentos de:

          •Exposição – sucessão de informações com o objetivo de dar a
       conhecer algo;

          •Explicação – esclarecimento sobre o problema e a sua
       resolução.




Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                TEXTO EXPOSITIVO

          Algumas marcas textuais


         – Verbos com sentido expositivo e explicativo, como ser, ter,
         consistir, haver, pertencer…, no presente, pretérito perfeito e
         futuro do indicativo e na 3.ª pessoa;

         – Conjunções e locuções que indicam causa e consequência;


         – Vocabulário especializado.




Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                TEXTO INSTRUCIONAL

           Texto que tem o objetivo de controlar o comportamento
         do(s) seu(s) destinatário(s). Os textos instrucionais podem…
         … incitar à ação;
         … impor regras;
         … fornecer instruções sobre as etapas e os procedimentos
         para alcançar um determinado objectivo.

         Exemplos:
         •Receitas (culinárias ou outras);
         •Leis e demais normas de conduta;
         •Instruções de montagem e utilização;
         •Provérbios;
         •Slôganes…
Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                TEXTO INSTRUCIONAL

          Algumas marcas textuais



         – Verbos, em geral, de movimento que incitam à ação;


          – Formas verbais no imperativo, infinitivo impessoal e futuro do
          indicativo.




Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                TEXTO CONVERSACIONAL



                O texto conversacional é produzido por, pelo menos, dois

         interlocutores que tomam a palavra à vez.


                 O texto conversacional manifesta-se, por exemplo, numa

         conversa telefónica, nas interações quotidianas
         orais, nos debates e nas entrevistas.



Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                TEXTO CONVERSACIONAL

          Algumas marcas textuais

         – Formas verbais do modo indicativo e do imperativo;


          – Presença da 1.ª e da 2.ª pessoas verbais e em pronomes e
          determinantes;

          – Modos de localização espacial que indicam proximidade (este,
          aqui…) ou afastamento (esse, aquele, ali, acolá…);

          – Formas de tratamento que mostram distância ou proximidade
          entre os interlocutores.

Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                TEXTO POÉTICO

            O texto poético apresenta‑se, habitualmente, em verso e é
       utilizado, sobretudo, para a expressão de sentimentos ou emoções

       da entidade a que se chama sujeito            poético ou eu
       poético/lírico.


            A cada uma das linhas de uma composição poética dá ‑se o

       nome de verso e a cada conjunto de versos, separado por um

       espaço em branco, chama‑se estrofe.


Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                TEXTO POÉTICO
                        Tendo em conta o número de versos, as
         Estrofes       estrofes têm diferentes designações:

         Estrofe com
                                         6 versos        Sextilha
         1 verso       Monóstico         7 versos        Sétima
         2 versos      Dístico           8 versos        Oitava
         3 versos      Terceto           9 versos        Nona
         4 versos      Quadra            10 versos       Décima
         5 versos      Quintilha         Mais de 10      Irregular
                                         versos


Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                TEXTO POÉTICO

         Sílabas métricas

                O verso é constituído por um determinado número de sílabas,
         percetíveis na leitura, que nem sempre coincidem com as sílabas
         gramaticais das palavras que o integram. A contagem destas
         sílabas métricas faz‑se até à sílaba tónica da última palavra do
         verso.
                         Ver as coisas mais além
                         Do que alcança a nossa vista!

                          Ver   as   coi   sas   mais    a    lém

                          Do     que_al    can   ça_a    no   ssa    vis

Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                TEXTO POÉTICO
                        A rima é a correspondência de sons em lugares
        Rima       determinados dos versos, normalmente no final. Os
                   versos rimam quando existe correspondência de sons a
                   partir da vogal da sílaba tónica da última palavra.
         De acordo com as combinações, é possível classificar as rimas:

      Rima emparelhada       Quando os versos rimam seguidos, dois a
                             dois.

      Rima cruzada           Quando os versos rimam alternadamente.

      Rima interpolada       Quando dois versos que rimam são
                             separados por dois ou mais de rima
                             diferente.
      Versos soltos ou       Versos que não rimam com nenhum outro.
      brancos
Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                TEXTO DRAMÁTICO

            O texto dramático     é, normalmente, escrito para ser
       representado. A         representação do texto dá origem a uma
       realidade distinta a que se chama teatro.

            No texto dramático podemos encontrar:

            a. Ação – acontecimentos vividos pelas personagens;

            b. Tempo – momento em que decorre a ação;

            c. Espaço – lugar ou lugares onde se desenvolve a ação;

            d. Personagens – entidades que se envolvem na ação.

Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                TEXTO DRAMÁTICO
            Num texto dramático é possível distinguir dois tipos de
       discurso:
            1. Discurso principal – as falas das personagens; é a
            partir destas falas que percebemos o desenvolvimento dos
            acontecimentos.

            2. Discurso secundário – as didascálias ou indicações
            cénicas (palavras do dramaturgo sobre as personagens, o
            espaço/cenário, entre outros aspetos), que surgem em itálico
            e/ou entre parênteses. Servem para orientar a representação
            e a leitura do texto, mas não são ditas em voz alta.


Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



                TEXTO DRAMÁTICO

            ESTRUTURA EXTERNA

             Os textos dramáticos aparecem, muitas vezes, divididos em
          cenas e atos.


                As cenas são marcadas pela entrada ou saída de
          personagens.


                Os atos indicam mudança de cenário.




Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano




                OUTROS TEXTOS




Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



     CARTA

           É um texto escrito em que se estabelece a comunicação
       com alguém de quem somos próximos e que está longe ou para a
       resolução de situações que exigem um tratamento mais formal.

           Em termos de estrutura, a carta deve integrar:
           – Local e data;

           – Saudação inicial (identificação da pessoa a quem se dirige a

       carta);
           – Introdução (apresentação breve do assunto da carta);

           – Corpo da carta (desenvolvimento do assunto);

            –
Porto Editora   Fórmula de despedida e assinatura.
Dito e Feito, 6.º ano



      CONVITE

            É uma carta que convida para um evento: festa,
       aniversário, casamento…


            Geralmente, o convite inclui as informações seguintes:
            – Nome de quem convida;

            – Corpo do convite (informação essencial);

            – Local do evento;

            – Data e hora do acontecimento.




Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



      AVISO

            É um texto formal, através do qual se transmitem
       informações diversas.

          A linguagem deve ser objetiva para não haver dúvidas na
       sua interpretação.

            A sua estrutura deve incluir:
            – o título – Aviso;
            – o corpo do texto,
            – local;
            – data;
            – assinatura.

Porto Editora
Dito e Feito, 6.º ano



      ANÚNCIO

            É um texto formal, curto e sintético. Destina-se a

       divulgar alguma situação, algum acontecimento, algum produto
       ou alguém.


            O vocabulário (sobretudo nomes e adjetivos) deve ser

       preciso e as frases, se existirem, devem ser curtas e com
       pontuação cuidada.



Porto Editora

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Diálogo verbos introdutores
Diálogo verbos introdutoresDiálogo verbos introdutores
Diálogo verbos introdutores
abrigada
 
O comentário
O comentárioO comentário
O comentário
Josete Perdigao
 
O Texto Expositivo
O Texto ExpositivoO Texto Expositivo
O Texto Expositivo
713773
 
estrutura da narrativa
estrutura da narrativaestrutura da narrativa
estrutura da narrativa
L.
 
A reportagem
A reportagemA reportagem
A reportagem
becastanheiradepera
 
Orações coordenadas e subordinadas esquema
Orações coordenadas e subordinadas   esquemaOrações coordenadas e subordinadas   esquema
Orações coordenadas e subordinadas esquema
Paulo Portelada
 
Texto publicitário
Texto publicitárioTexto publicitário
Texto publicitário
Rosalina Simão Nunes
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
Cláudia Cardoso
 
Texto dramático
Texto dramáticoTexto dramático
Texto dramático
Ana Arminda Moreira
 
A classe dos quantificadores síntese a5
A classe dos quantificadores   síntese a5A classe dos quantificadores   síntese a5
A classe dos quantificadores síntese a5
Sónia Fernandes
 
1.conto, características
1.conto, características1.conto, características
1.conto, características
Helena Coutinho
 
Conto
ContoConto
Tempos verbais simples e compostos
Tempos verbais simples e compostosTempos verbais simples e compostos
Tempos verbais simples e compostos
Lurdes Augusto
 
Texto argumentativo exemplo
Texto argumentativo exemploTexto argumentativo exemplo
Texto argumentativo exemplo
FJDOliveira
 
Formacao de palavras[1]
Formacao de palavras[1]Formacao de palavras[1]
Formacao de palavras[1]
Ana Arminda Moreira
 
O Diario
O DiarioO Diario
O Diario
José Ferreira
 
1. sequências textuais
1. sequências textuais1. sequências textuais
1. sequências textuais
Willame Raphael
 
Resumo e Síntese
Resumo e SínteseResumo e Síntese
Resumo e Síntese
Vanda Sousa
 
A reportagem
A reportagemA reportagem
A reportagem
Fernanda Monteiro
 
Pronominalização - exercícios
Pronominalização - exercíciosPronominalização - exercícios
Pronominalização - exercícios
Lurdes Augusto
 

Mais procurados (20)

Diálogo verbos introdutores
Diálogo verbos introdutoresDiálogo verbos introdutores
Diálogo verbos introdutores
 
O comentário
O comentárioO comentário
O comentário
 
O Texto Expositivo
O Texto ExpositivoO Texto Expositivo
O Texto Expositivo
 
estrutura da narrativa
estrutura da narrativaestrutura da narrativa
estrutura da narrativa
 
A reportagem
A reportagemA reportagem
A reportagem
 
Orações coordenadas e subordinadas esquema
Orações coordenadas e subordinadas   esquemaOrações coordenadas e subordinadas   esquema
Orações coordenadas e subordinadas esquema
 
Texto publicitário
Texto publicitárioTexto publicitário
Texto publicitário
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
Texto dramático
Texto dramáticoTexto dramático
Texto dramático
 
A classe dos quantificadores síntese a5
A classe dos quantificadores   síntese a5A classe dos quantificadores   síntese a5
A classe dos quantificadores síntese a5
 
1.conto, características
1.conto, características1.conto, características
1.conto, características
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Tempos verbais simples e compostos
Tempos verbais simples e compostosTempos verbais simples e compostos
Tempos verbais simples e compostos
 
Texto argumentativo exemplo
Texto argumentativo exemploTexto argumentativo exemplo
Texto argumentativo exemplo
 
Formacao de palavras[1]
Formacao de palavras[1]Formacao de palavras[1]
Formacao de palavras[1]
 
O Diario
O DiarioO Diario
O Diario
 
1. sequências textuais
1. sequências textuais1. sequências textuais
1. sequências textuais
 
Resumo e Síntese
Resumo e SínteseResumo e Síntese
Resumo e Síntese
 
A reportagem
A reportagemA reportagem
A reportagem
 
Pronominalização - exercícios
Pronominalização - exercíciosPronominalização - exercícios
Pronominalização - exercícios
 

Destaque

Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
Susana Sobrenome
 
Textos de opinião
Textos de opiniãoTextos de opinião
Textos de opinião
becastanheiradepera
 
Como escrever artigos de opinião
Como escrever artigos de opiniãoComo escrever artigos de opinião
Como escrever artigos de opinião
Cícero Nogueira
 
Português : Graus dos Adjetivos
Português :  Graus dos AdjetivosPortuguês :  Graus dos Adjetivos
Português : Graus dos Adjetivos
A. Simoes
 
PIXTON Histórias em quadrinhos na web
PIXTON Histórias em quadrinhos na webPIXTON Histórias em quadrinhos na web
PIXTON Histórias em quadrinhos na web
Ana Paula Ó
 
Vários tipos de textos
Vários tipos de textosVários tipos de textos
Vários tipos de textos
conceicaoborges
 
Slides narração
Slides narraçãoSlides narração
Slides narração
blogdoalunocefa
 
Expressões Idiomáticas (Muito Bom)
Expressões Idiomáticas (Muito Bom)Expressões Idiomáticas (Muito Bom)
Expressões Idiomáticas (Muito Bom)
ras.coimbra
 
Os tipos de textos
Os tipos de textosOs tipos de textos
Os tipos de textos
angelafreire
 
Expressões idiomáticas
Expressões idiomáticasExpressões idiomáticas
Expressões idiomáticas
UlyssesG
 
Elementos da narrativa - Professora Vivian Trombini
Elementos da narrativa - Professora Vivian TrombiniElementos da narrativa - Professora Vivian Trombini
Elementos da narrativa - Professora Vivian Trombini
VIVIAN TROMBINI
 
Textos Narrativos
Textos NarrativosTextos Narrativos
Textos Narrativos
RitaAlexandra
 
O texto narrativo ppt
O texto narrativo pptO texto narrativo ppt
O texto narrativo ppt
Salomé Raposo
 
PowerPoint: Determinantes vs Pronomes (demonstrativos e possessivos)
PowerPoint: Determinantes vs Pronomes (demonstrativos e possessivos)PowerPoint: Determinantes vs Pronomes (demonstrativos e possessivos)
PowerPoint: Determinantes vs Pronomes (demonstrativos e possessivos)
A. Simoes
 
Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)
apfandradeg
 
Df6 recursos estilisticos
Df6 recursos estilisticosDf6 recursos estilisticos
Df6 recursos estilisticos
Ana Arminda Moreira
 
Ficha de trabalho
Ficha de trabalhoFicha de trabalho
Ficha de trabalho
Gonçalo Silva
 
Processos de Formação de Palavras: Derivação e Composição
Processos de Formação de Palavras: Derivação e ComposiçãoProcessos de Formação de Palavras: Derivação e Composição
Processos de Formação de Palavras: Derivação e Composição
A. Simoes
 
Textos expositivos
Textos expositivosTextos expositivos
Textos expositivos
Carla Souto
 
Exemplos de Artigo de Opinião
Exemplos de Artigo de OpiniãoExemplos de Artigo de Opinião
Exemplos de Artigo de Opinião
7 de Setembro
 

Destaque (20)

Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
Textos de opinião
Textos de opiniãoTextos de opinião
Textos de opinião
 
Como escrever artigos de opinião
Como escrever artigos de opiniãoComo escrever artigos de opinião
Como escrever artigos de opinião
 
Português : Graus dos Adjetivos
Português :  Graus dos AdjetivosPortuguês :  Graus dos Adjetivos
Português : Graus dos Adjetivos
 
PIXTON Histórias em quadrinhos na web
PIXTON Histórias em quadrinhos na webPIXTON Histórias em quadrinhos na web
PIXTON Histórias em quadrinhos na web
 
Vários tipos de textos
Vários tipos de textosVários tipos de textos
Vários tipos de textos
 
Slides narração
Slides narraçãoSlides narração
Slides narração
 
Expressões Idiomáticas (Muito Bom)
Expressões Idiomáticas (Muito Bom)Expressões Idiomáticas (Muito Bom)
Expressões Idiomáticas (Muito Bom)
 
Os tipos de textos
Os tipos de textosOs tipos de textos
Os tipos de textos
 
Expressões idiomáticas
Expressões idiomáticasExpressões idiomáticas
Expressões idiomáticas
 
Elementos da narrativa - Professora Vivian Trombini
Elementos da narrativa - Professora Vivian TrombiniElementos da narrativa - Professora Vivian Trombini
Elementos da narrativa - Professora Vivian Trombini
 
Textos Narrativos
Textos NarrativosTextos Narrativos
Textos Narrativos
 
O texto narrativo ppt
O texto narrativo pptO texto narrativo ppt
O texto narrativo ppt
 
PowerPoint: Determinantes vs Pronomes (demonstrativos e possessivos)
PowerPoint: Determinantes vs Pronomes (demonstrativos e possessivos)PowerPoint: Determinantes vs Pronomes (demonstrativos e possessivos)
PowerPoint: Determinantes vs Pronomes (demonstrativos e possessivos)
 
Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)
 
Df6 recursos estilisticos
Df6 recursos estilisticosDf6 recursos estilisticos
Df6 recursos estilisticos
 
Ficha de trabalho
Ficha de trabalhoFicha de trabalho
Ficha de trabalho
 
Processos de Formação de Palavras: Derivação e Composição
Processos de Formação de Palavras: Derivação e ComposiçãoProcessos de Formação de Palavras: Derivação e Composição
Processos de Formação de Palavras: Derivação e Composição
 
Textos expositivos
Textos expositivosTextos expositivos
Textos expositivos
 
Exemplos de Artigo de Opinião
Exemplos de Artigo de OpiniãoExemplos de Artigo de Opinião
Exemplos de Artigo de Opinião
 

Semelhante a Ppt tipos texto[1]

Tipos de texto.ppt 5º e 6º ano de escolaridade
Tipos de texto.ppt 5º e 6º ano de escolaridadeTipos de texto.ppt 5º e 6º ano de escolaridade
Tipos de texto.ppt 5º e 6º ano de escolaridade
ssusere05987
 
Tipos de texto
Tipos de textoTipos de texto
Tipos de texto
manuela016
 
Aguns tipos de textos
Aguns tipos de textosAguns tipos de textos
Aguns tipos de textos
Josete Perdigao
 
Narração
NarraçãoNarração
Narração
Joseline Pippi
 
Aguns tipos de texto
Aguns tipos de textoAguns tipos de texto
Aguns tipos de texto
Josete Perdigao
 
Aula 08 português.text.marked
Aula 08   português.text.markedAula 08   português.text.marked
Aula 08 português.text.marked
HELIO ALVES
 
Aula 08 português.text.marked
Aula 08   português.text.markedAula 08   português.text.marked
Aula 08 português.text.marked
HELIO ALVES
 
Tipologia e gênero textual
Tipologia e gênero textualTipologia e gênero textual
Tipologia e gênero textual
Andriane Cursino
 
Apostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fccApostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fcc
Cleber Pereira de Sousa
 
Lp 9º ano
Lp 9º anoLp 9º ano
Lp 9º ano
Manuel Oliveira
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
mariaanliaf
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
mariaanliaf
 
Categorias da narativa
Categorias da narativaCategorias da narativa
Categorias da narativa
Sandra Luz
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
Filipe Teixeira
 
Escola Virtual....8ºano
Escola Virtual....8ºanoEscola Virtual....8ºano
Escola Virtual....8ºano
José Trigo
 
Aula 01 redação
Aula 01 redaçãoAula 01 redação
Aula 01 redação
Homero Alves de Lima
 
Tipos e Gêneros Textuais
Tipos e Gêneros TextuaisTipos e Gêneros Textuais
Tipos e Gêneros Textuais
Nome Sobrenome
 
Categorias da Narrativa
Categorias da NarrativaCategorias da Narrativa
Categorias da Narrativa
Vanda Sousa
 
Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01
Kelly Arduino
 
Apostila tipologia textual
Apostila tipologia textualApostila tipologia textual
Apostila tipologia textual
VERA OLIVEIRA
 

Semelhante a Ppt tipos texto[1] (20)

Tipos de texto.ppt 5º e 6º ano de escolaridade
Tipos de texto.ppt 5º e 6º ano de escolaridadeTipos de texto.ppt 5º e 6º ano de escolaridade
Tipos de texto.ppt 5º e 6º ano de escolaridade
 
Tipos de texto
Tipos de textoTipos de texto
Tipos de texto
 
Aguns tipos de textos
Aguns tipos de textosAguns tipos de textos
Aguns tipos de textos
 
Narração
NarraçãoNarração
Narração
 
Aguns tipos de texto
Aguns tipos de textoAguns tipos de texto
Aguns tipos de texto
 
Aula 08 português.text.marked
Aula 08   português.text.markedAula 08   português.text.marked
Aula 08 português.text.marked
 
Aula 08 português.text.marked
Aula 08   português.text.markedAula 08   português.text.marked
Aula 08 português.text.marked
 
Tipologia e gênero textual
Tipologia e gênero textualTipologia e gênero textual
Tipologia e gênero textual
 
Apostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fccApostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fcc
 
Lp 9º ano
Lp 9º anoLp 9º ano
Lp 9º ano
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
Categorias da narativa
Categorias da narativaCategorias da narativa
Categorias da narativa
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
 
Escola Virtual....8ºano
Escola Virtual....8ºanoEscola Virtual....8ºano
Escola Virtual....8ºano
 
Aula 01 redação
Aula 01 redaçãoAula 01 redação
Aula 01 redação
 
Tipos e Gêneros Textuais
Tipos e Gêneros TextuaisTipos e Gêneros Textuais
Tipos e Gêneros Textuais
 
Categorias da Narrativa
Categorias da NarrativaCategorias da Narrativa
Categorias da Narrativa
 
Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01
 
Apostila tipologia textual
Apostila tipologia textualApostila tipologia textual
Apostila tipologia textual
 

Mais de Ana Arminda Moreira

A Tecnoçogia na Educação: Uma ferramenta a serviço de quem?
A Tecnoçogia na Educação: Uma ferramenta a serviço de quem?A Tecnoçogia na Educação: Uma ferramenta a serviço de quem?
A Tecnoçogia na Educação: Uma ferramenta a serviço de quem?
Ana Arminda Moreira
 
PAP_doc.docx
PAP_doc.docxPAP_doc.docx
PAP_doc.docx
Ana Arminda Moreira
 
Luisa ducla soares
Luisa ducla soaresLuisa ducla soares
Luisa ducla soares
Ana Arminda Moreira
 
Trabalho raquel luisa ducla
Trabalho raquel  luisa duclaTrabalho raquel  luisa ducla
Trabalho raquel luisa ducla
Ana Arminda Moreira
 
Luísa ducla soares
Luísa ducla soaresLuísa ducla soares
Luísa ducla soares
Ana Arminda Moreira
 
Luisa ducla soares
Luisa ducla  soaresLuisa ducla  soares
Luisa ducla soares
Ana Arminda Moreira
 
Biografia de luísa ducla soares
Biografia de luísa ducla soaresBiografia de luísa ducla soares
Biografia de luísa ducla soares
Ana Arminda Moreira
 
A luísa ducla soares biobibliografia
A luísa ducla soares biobibliografiaA luísa ducla soares biobibliografia
A luísa ducla soares biobibliografia
Ana Arminda Moreira
 
Df6 cdr ppt_variedades[1]
Df6 cdr ppt_variedades[1]Df6 cdr ppt_variedades[1]
Df6 cdr ppt_variedades[1]
Ana Arminda Moreira
 
Df6 cdr ppt_coop_cortesia
Df6 cdr ppt_coop_cortesiaDf6 cdr ppt_coop_cortesia
Df6 cdr ppt_coop_cortesia
Ana Arminda Moreira
 
Df6 cdr ppt_formal_informal
Df6 cdr ppt_formal_informalDf6 cdr ppt_formal_informal
Df6 cdr ppt_formal_informal
Ana Arminda Moreira
 
Relacoes entre palavras
Relacoes entre palavrasRelacoes entre palavras
Relacoes entre palavras
Ana Arminda Moreira
 
Ppt expressão idiomatica
 Ppt expressão idiomatica Ppt expressão idiomatica
Ppt expressão idiomatica
Ana Arminda Moreira
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
Ana Arminda Moreira
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
Ana Arminda Moreira
 
Ppt tipos texto[1]
Ppt tipos texto[1]Ppt tipos texto[1]
Ppt tipos texto[1]
Ana Arminda Moreira
 
Texto dramático
Texto dramáticoTexto dramático
Texto dramático
Ana Arminda Moreira
 
Estatuto do aluno
Estatuto do alunoEstatuto do aluno
Estatuto do aluno
Ana Arminda Moreira
 
Ppt verbo
Ppt verboPpt verbo

Mais de Ana Arminda Moreira (20)

A Tecnoçogia na Educação: Uma ferramenta a serviço de quem?
A Tecnoçogia na Educação: Uma ferramenta a serviço de quem?A Tecnoçogia na Educação: Uma ferramenta a serviço de quem?
A Tecnoçogia na Educação: Uma ferramenta a serviço de quem?
 
PAP_doc.docx
PAP_doc.docxPAP_doc.docx
PAP_doc.docx
 
Cartaz outubro
Cartaz outubroCartaz outubro
Cartaz outubro
 
Luisa ducla soares
Luisa ducla soaresLuisa ducla soares
Luisa ducla soares
 
Trabalho raquel luisa ducla
Trabalho raquel  luisa duclaTrabalho raquel  luisa ducla
Trabalho raquel luisa ducla
 
Luísa ducla soares
Luísa ducla soaresLuísa ducla soares
Luísa ducla soares
 
Luisa ducla soares
Luisa ducla  soaresLuisa ducla  soares
Luisa ducla soares
 
Biografia de luísa ducla soares
Biografia de luísa ducla soaresBiografia de luísa ducla soares
Biografia de luísa ducla soares
 
A luísa ducla soares biobibliografia
A luísa ducla soares biobibliografiaA luísa ducla soares biobibliografia
A luísa ducla soares biobibliografia
 
Df6 cdr ppt_variedades[1]
Df6 cdr ppt_variedades[1]Df6 cdr ppt_variedades[1]
Df6 cdr ppt_variedades[1]
 
Df6 cdr ppt_coop_cortesia
Df6 cdr ppt_coop_cortesiaDf6 cdr ppt_coop_cortesia
Df6 cdr ppt_coop_cortesia
 
Df6 cdr ppt_formal_informal
Df6 cdr ppt_formal_informalDf6 cdr ppt_formal_informal
Df6 cdr ppt_formal_informal
 
Relacoes entre palavras
Relacoes entre palavrasRelacoes entre palavras
Relacoes entre palavras
 
Ppt expressão idiomatica
 Ppt expressão idiomatica Ppt expressão idiomatica
Ppt expressão idiomatica
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Ppt tipos texto[1]
Ppt tipos texto[1]Ppt tipos texto[1]
Ppt tipos texto[1]
 
Texto dramático
Texto dramáticoTexto dramático
Texto dramático
 
Estatuto do aluno
Estatuto do alunoEstatuto do aluno
Estatuto do aluno
 
Ppt verbo
Ppt verboPpt verbo
Ppt verbo
 

Último

Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
mailabueno45
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 

Ppt tipos texto[1]

  • 1. Dito e Feito, 6.º ano Tipos de texto Porto Editora
  • 2. Dito e Feito, 6.º ano TEXTO DESCRITIVO Um texto ou excerto descritivo constrói‑se à volta de uma determinada realidade ou situação para a descrever, para apresentar os seus diversos pormenores. Podem descrever‑se pessoas ou personagens (com características físicas e/ou psicológicas), lugares, acontecimentos e todo o tipo de realidades ou objetos. Muitas vezes, os excertos descritivos encontram ‑se intercalados com sequências narrativas, para se apresentarem as características dos mais diversos elementos que vão surgindo no desenrolar da ação – paisagens, casas, pessoas, animais, objetos, etc. Porto Editora
  • 3. Dito e Feito, 6.º ano TEXTO DESCRITIVO Algumas marcas textuais – Verbos que indicam estados ou situações estáticas no pretérito imperfeito do indicativo ou no presente do indicativo; – Abundância de adjetivos e outras expressões caracterizadoras; – Utilização de vocabulário ligado ao domínio dos sentidos; – Recursos estilísticos como a adjetivação, a enumeração, a comparação, a metáfora… Porto Editora
  • 4. Dito e Feito, 6.º ano TEXTO NARRATIVO   Um texto narrativo, ou um excerto narrativo, caracteriza ‑se por apresentar os seguintes elementos: a. Ação – acontecimentos narrados; b. Narrador – entidade que conta a história, que apresenta a ação; c. Tempo – momento em que decorre a ação; d. Espaço – lugar ou lugares onde se desenvolve a ação; e. Personagens – entidades que intervêm na ação narrada. Porto Editora
  • 5. Dito e Feito, 6.º ano TEXTO NARRATIVO NARRADOR Convém não confundir o autor do texto – um ser humano real que escreveu a obra – com o narrador – uma entidade que existe apenas dentro do texto como personagem, ou apenas como a “voz” que conta a história. Considerando a sua participação na acção, o narrador pode ser: Participante Não participante Porto Editora
  • 6. Dito e Feito, 6.º ano TEXTO NARRATIVO NARRADOR Participante Não participante Não entra na ação do texto como É uma das personagens do texto e personagem. Narra uma história em narra a história em que participa. que não participa. Verbos, pronomes Verbos, pronomes e determinantes de e determinantes de 1.ª pessoa. 3.ª pessoa. Porto Editora
  • 7. Dito e Feito, 6.º ano TEXTO NARRATIVO Tendo em conta a importância que tem no PERSONAGE desenvolvimento da ação, uma personagem M pode ser: PRINCIPAL SECUNDÁRIA Personagem mais importante, em Personagem com menos torno da qual se desenrola a ação. importância que participa no desenvolvimento da ação. Num texto narrativo, podem ainda aparecer personagens FIGURANTES, que não têm intervenção direta na ação. Porto Editora
  • 8. Dito e Feito, 6.º ano TEXTO NARRATIVO Algumas marcas textuais – Predominância de verbos no pretérito perfeito do indicativo; – Abundância de expressões indicadoras de tempo e espaço. Porto Editora
  • 9. Dito e Feito, 6.º ano ALGUNS GÉNEROS DE TEXTO NARRATIVO Porto Editora
  • 10. Dito e Feito, 6.º ano FÁBULA A fábula é um texto narrativo com as seguintes características: – história quase sempre breve; – escrito em verso ou em prosa; – ação simples; – poucas personagens que são muitas vezes animais; – apresenta um ensinamento final – moral. A fábula, apresentando os vícios ou virtudes dos seres humanos, representados por animais, tem como intenção apresentar um ensinamento, procurando exercer influência sobre o leitor/ouvinte. Porto Editora
  • 11. Dito e Feito, 6.º ano LENDA Com origem na tradição oral, a lenda é um texto narrativo em que: – um facto histórico aparece transfigurado ou transformado pela imaginação popular; – a ação é, muitas vezes, localizada no tempo e no espaço; – a história contada apresenta sempre algo de maravilhoso ou fantástico. As lendas, contendo um fundo de verdade, propõem uma explicação para a origem ou razão de um fenómeno, de um facto, de um nome, etc. Porto Editora
  • 12. Dito e Feito, 6.º ano CONTO Porto Editora
  • 13. Dito e Feito, 6.º ano CONTO POPULAR O conto popular partilha as características essenciais do conto literário, mas apresenta alguns traços particulares: – tem origem no povo (popular); – é fruto da transmissão oral, como a restante literatura tradicional; – as personagens são geralmente anónimas e representativas de grupos; – situa-se num tempo normalmente passado, indefinido, mas com ensinamentos atuais. Porto Editora
  • 14. Dito e Feito, 6.º ano BIOGRAFIA Biografia é uma palavra de origem grega, constituída pelos elementos bios – ‘vida’ – e grafia – ‘escrita’. Enquanto texto, uma biografia é, portanto, a história da vida de alguém. Porto Editora
  • 15. Dito e Feito, 6.º ano AUTOBIOGRAFIA Uma autobiografia é uma biografia escrita pela pessoa ou entidade que a viveu (como o elemento auto- sugere). Por isso, haverá neste tipo de texto a predominância do narrador participante. Pode ser um texto que relata aspetos reais ou imaginários, dependendo de o narrador ser real ou imaginário. Numa autobiografia ou texto autobiográfico surgem muitas marcas da primeira pessoa (nos verbos, pronomes e determinantes). Porto Editora
  • 16. Dito e Feito, 6.º ano BIOBIBLIOGRAFIA A palavra biobibliografia é formada a partir de três palavras gregas: – bios, que significa ‘vida’; – biblos, que significa ‘livro’; – grafia, que significa ‘escrita’. É uma apresentação da vida e das obras de um autor . Este tipo de texto inclui aspetos da vida do autor, como a data de nascimento, a instrução adquirida, os cargos desempenhados, os prémios recebidos, entre outros. Uma biobibliografia pode incluir a referência a todos os trabalhos do autor ou apenas aos considerados mais representativos e pode ainda mencionar obras escritas sobre o autor. Porto Editora
  • 17. Dito e Feito, 6.º ano DIÁRIO O diário é um tipo de texto com características muito próprias: – escrita localizada no tempo, com a referência à data; – ordenação cronológica, isto é, apresentada pela ordem temporal. Num diário, registam‑se vivências ou experiências pessoais e a visão/opinião sobre os mais variados acontecimentos. Porto Editora
  • 18. Dito e Feito, 6.º ano Outros textos… NOTÍCIA A palavra notícia tem origem no verbo latino noscere, que significa ‘conhecer’. É um texto jornalístico oral ou escrito que apresenta, normalmente, um carácter formal, curto, objetivo e narrativo. Uma notícia aborda, habitualmente, informação sobre: – alguém ou algo que fez alguma coisa (quem?); – um espaço (onde?); – um tempo (quando?); – as ações (o quê? como?); – a finalidade (porquê?). Porto Editora
  • 19. Dito e Feito, 6.º ano NOTÍCIA ESTRUTURA – Título (que pode apresentar um antetítulo, título e subtítulo). – Lead (‘guia’ – primeiro parágrafo da notícia onde se apresenta um resumo breve sobre os dados que se incluem na notícia e que responde às questões “Quem?”, “O quê?”, “Onde?” e “Quando?”). – Corpo da notícia (parágrafos seguintes, onde se desenvolve a informação, respondendo eventualmente às perguntas “Porquê?” e “Como?”). Porto Editora
  • 20. Dito e Feito, 6.º ano REPORTAGEM É um texto de imprensa de carácter informativo. A reportagem amplia a notícia, apresentado as circunstâncias e acrescentando pormenores. Trata-se de um género jornalístico, oral ou escrito, que aborda um tema interessante e atual. Apresenta uma construção diversificada que pode misturar narração, descrição, diálogos, exposição e argumentação. Procura transmitir uma visão ampla dos factos e transportar o leitor/ouvinte para a cena dos acontecimentos. Porto Editora
  • 21. Dito e Feito, 6.º ano REPORTAGEM ESTRUTURA – Abertura ou síntese dos dados fundamentais da notícia. – Apresentação dos factos e descrição de ambientes e participantes, das suas atitudes e emoções. – Síntese final. Porto Editora
  • 22. Dito e Feito, 6.º ano TEXTO DE OPINIÃO É um texto jornalístico cujo conteúdo pode ser muito variado. Deve ser breve, claro na interpretação dos factos e apresentar posições bem fundamentadas. Os factos são apresentados e interpretados pelo autor, que faz sobre eles um juízo de valor, de acordo com o seu ponto de vista. Na comunicação social, a opinião aparece em diversos tipos de texto, como o artigo de opinião, que aborda os mais diversos assuntos, da arte à divulgação científica. Porto Editora
  • 23. Dito e Feito, 6.º ano TEXTO EXPOSITIVO É um texto em que se apresentam e explicam conceitos. Este tipo de texto pode apresentar momentos de: •Exposição – sucessão de informações com o objetivo de dar a conhecer algo; •Explicação – esclarecimento sobre o problema e a sua resolução. Porto Editora
  • 24. Dito e Feito, 6.º ano TEXTO EXPOSITIVO Algumas marcas textuais – Verbos com sentido expositivo e explicativo, como ser, ter, consistir, haver, pertencer…, no presente, pretérito perfeito e futuro do indicativo e na 3.ª pessoa; – Conjunções e locuções que indicam causa e consequência; – Vocabulário especializado. Porto Editora
  • 25. Dito e Feito, 6.º ano TEXTO INSTRUCIONAL Texto que tem o objetivo de controlar o comportamento do(s) seu(s) destinatário(s). Os textos instrucionais podem… … incitar à ação; … impor regras; … fornecer instruções sobre as etapas e os procedimentos para alcançar um determinado objectivo. Exemplos: •Receitas (culinárias ou outras); •Leis e demais normas de conduta; •Instruções de montagem e utilização; •Provérbios; •Slôganes… Porto Editora
  • 26. Dito e Feito, 6.º ano TEXTO INSTRUCIONAL Algumas marcas textuais – Verbos, em geral, de movimento que incitam à ação; – Formas verbais no imperativo, infinitivo impessoal e futuro do indicativo. Porto Editora
  • 27. Dito e Feito, 6.º ano TEXTO CONVERSACIONAL O texto conversacional é produzido por, pelo menos, dois interlocutores que tomam a palavra à vez. O texto conversacional manifesta-se, por exemplo, numa conversa telefónica, nas interações quotidianas orais, nos debates e nas entrevistas. Porto Editora
  • 28. Dito e Feito, 6.º ano TEXTO CONVERSACIONAL Algumas marcas textuais – Formas verbais do modo indicativo e do imperativo; – Presença da 1.ª e da 2.ª pessoas verbais e em pronomes e determinantes; – Modos de localização espacial que indicam proximidade (este, aqui…) ou afastamento (esse, aquele, ali, acolá…); – Formas de tratamento que mostram distância ou proximidade entre os interlocutores. Porto Editora
  • 29. Dito e Feito, 6.º ano TEXTO POÉTICO O texto poético apresenta‑se, habitualmente, em verso e é utilizado, sobretudo, para a expressão de sentimentos ou emoções da entidade a que se chama sujeito poético ou eu poético/lírico. A cada uma das linhas de uma composição poética dá ‑se o nome de verso e a cada conjunto de versos, separado por um espaço em branco, chama‑se estrofe. Porto Editora
  • 30. Dito e Feito, 6.º ano TEXTO POÉTICO Tendo em conta o número de versos, as Estrofes estrofes têm diferentes designações: Estrofe com 6 versos Sextilha 1 verso Monóstico 7 versos Sétima 2 versos Dístico 8 versos Oitava 3 versos Terceto 9 versos Nona 4 versos Quadra 10 versos Décima 5 versos Quintilha Mais de 10 Irregular versos Porto Editora
  • 31. Dito e Feito, 6.º ano TEXTO POÉTICO Sílabas métricas O verso é constituído por um determinado número de sílabas, percetíveis na leitura, que nem sempre coincidem com as sílabas gramaticais das palavras que o integram. A contagem destas sílabas métricas faz‑se até à sílaba tónica da última palavra do verso. Ver as coisas mais além Do que alcança a nossa vista! Ver as coi sas mais a lém Do que_al can ça_a no ssa vis Porto Editora
  • 32. Dito e Feito, 6.º ano TEXTO POÉTICO A rima é a correspondência de sons em lugares Rima determinados dos versos, normalmente no final. Os versos rimam quando existe correspondência de sons a partir da vogal da sílaba tónica da última palavra. De acordo com as combinações, é possível classificar as rimas: Rima emparelhada Quando os versos rimam seguidos, dois a dois. Rima cruzada Quando os versos rimam alternadamente. Rima interpolada Quando dois versos que rimam são separados por dois ou mais de rima diferente. Versos soltos ou Versos que não rimam com nenhum outro. brancos Porto Editora
  • 33. Dito e Feito, 6.º ano TEXTO DRAMÁTICO O texto dramático é, normalmente, escrito para ser representado. A representação do texto dá origem a uma realidade distinta a que se chama teatro. No texto dramático podemos encontrar: a. Ação – acontecimentos vividos pelas personagens; b. Tempo – momento em que decorre a ação; c. Espaço – lugar ou lugares onde se desenvolve a ação; d. Personagens – entidades que se envolvem na ação. Porto Editora
  • 34. Dito e Feito, 6.º ano TEXTO DRAMÁTICO Num texto dramático é possível distinguir dois tipos de discurso: 1. Discurso principal – as falas das personagens; é a partir destas falas que percebemos o desenvolvimento dos acontecimentos. 2. Discurso secundário – as didascálias ou indicações cénicas (palavras do dramaturgo sobre as personagens, o espaço/cenário, entre outros aspetos), que surgem em itálico e/ou entre parênteses. Servem para orientar a representação e a leitura do texto, mas não são ditas em voz alta. Porto Editora
  • 35. Dito e Feito, 6.º ano TEXTO DRAMÁTICO ESTRUTURA EXTERNA Os textos dramáticos aparecem, muitas vezes, divididos em cenas e atos. As cenas são marcadas pela entrada ou saída de personagens. Os atos indicam mudança de cenário. Porto Editora
  • 36. Dito e Feito, 6.º ano OUTROS TEXTOS Porto Editora
  • 37. Dito e Feito, 6.º ano CARTA É um texto escrito em que se estabelece a comunicação com alguém de quem somos próximos e que está longe ou para a resolução de situações que exigem um tratamento mais formal. Em termos de estrutura, a carta deve integrar: – Local e data; – Saudação inicial (identificação da pessoa a quem se dirige a carta); – Introdução (apresentação breve do assunto da carta); – Corpo da carta (desenvolvimento do assunto); – Porto Editora Fórmula de despedida e assinatura.
  • 38. Dito e Feito, 6.º ano CONVITE É uma carta que convida para um evento: festa, aniversário, casamento… Geralmente, o convite inclui as informações seguintes: – Nome de quem convida; – Corpo do convite (informação essencial); – Local do evento; – Data e hora do acontecimento. Porto Editora
  • 39. Dito e Feito, 6.º ano AVISO É um texto formal, através do qual se transmitem informações diversas. A linguagem deve ser objetiva para não haver dúvidas na sua interpretação. A sua estrutura deve incluir: – o título – Aviso; – o corpo do texto, – local; – data; – assinatura. Porto Editora
  • 40. Dito e Feito, 6.º ano ANÚNCIO É um texto formal, curto e sintético. Destina-se a divulgar alguma situação, algum acontecimento, algum produto ou alguém. O vocabulário (sobretudo nomes e adjetivos) deve ser preciso e as frases, se existirem, devem ser curtas e com pontuação cuidada. Porto Editora