SlideShare uma empresa Scribd logo
EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS

Língua Portuguesa
Escola Ulysses Guimarães
EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS

Uma expressão idiomática ou expressão popular, na
língua portuguesa, é uma expressão que se caracteriza
por não ser possível identificar seu significado através de
suas palavras individuais ou de seu sentido literal. Dessa
forma, também não é possível traduzi-la para outra língua
de modo literal. As expressões idiomáticas estão
presentes em diversas situações do dia a dia. Geralmente
se originam de gírias, cultura e peculiaridades de diversos
grupos de pessoas: seja pela região, profissão ou outro
tipo de afinidade. Veja a seguir algumas dessas
expressões e tente descobrir o significado de cada uma.
ANDAR NA LINHA


 Significa agir
 corretamente, obedecer. A
 expressão pode ter se originado
 nos quartéis, onde os recrutas
 aprendiam a andar na
 linha, quer no sentido
 literal, acompanhando o
 pelotão, quer no sentido
 conotativo, obedecendo a seus
 superiores militares, sem se
 desviar.
ARREGAÇAR AS MANGAS


   Dar início a um
    trabalho ou atividade
    com afinco.
ATRÁS DA MOITA



Fazer algo
escondido
BATER AS BOTAS


Significa falecer. A expressão pode ter
se originado na primeira invasão
holandesa ao Brasil, ocorrida em
1624, em que os negros, não estando
acostumados com os armamentos que
lhes foram dados, constantemente
tropeçavam nas próprias
botas, virando um alvo fácil para os
holandeses. Assim, os demais negros
costumavam se referir àqueles que
morriam dizendo que "haviam batido
as botas".
CAIR DE PARAQUEDAS




 Surgir de forma
 inesperada, iniciar
 determinada atividade
 sem a mínima
 habilitação ou
 preparação prévia.
CARTA FORA DO
      BARALHO




Pessoa, ideia ou objeto
descartável, com o qual
não se pode contar
CHUTAR O BALDE

  Agir irresponsavelmente
em relação a um
problema, desistir.
CHUTAR O PAU DA
 BARRACA



Perder a
 calma, descontrol
 ar-se.
COLOCAR PILHA



  Influenciar alguém;

     “dar corda”
COM AS CALÇAS NA
        MÃO

Significa conquistar algo "por
   pouco". Se alguém diz que
   seu time ganhou a partida
       "com as calças na
     mão", significa que ele
  quase não ganhou. Hipótese
  para a origem da expressão:
  em jogo apostado, o sujeito
    perde tudo que possui, a
    ponto de já estar com as
   calças na mão, pronto para
    dar o último bem de que
   dispõe. No entanto, acaba
           vencendo.
CONTANDO AS HORAS

 Esperar
 ansiosamente por
 determinado
 acontecimento, d
 esejando que o
 tempo passe
 rapidamente.
DAR DE BANDEJA



 Fornecer algo a
    alguém com
  facilidade, sem
      levantar
   obstáculos ou
 criar problemas.
DAR O CANO



Quebrar um
compromisso
DAR PAU NA
 MÁQUINA


 Parar de
 funcionar, estragar.
DAR UMA COLHER
 DE CHÁ


 Facilitar algo a
 alguém, dar uma
 chance.
DAR UMA MÃO


ajudar, auxiliar.
DESCASCAR O
     ABACAXI



Solucionar um
 problema
 complicado.
DOR DE COTOVELO
 Sentir
 inveja, ciúmes, despeito
 amoroso. A expressão
 originou-se nas cenas de
 pessoas sentadas em
 bares, com os cotovelos
 apoiados no
 balcão, bebendo e
 chorando por um amor
 perdido. De tanto
 permanecerem nessa
 posição, as pessoas
 ficavam com dores nos
 cotovelos.
ENTRAR COM O PÉ
       DIREITO
Significa "começar bem". A
  expressão originou-se
  numa antiga superstição
  pertencente ao Império
  Romano. Nas festas
  realizadas na antiga
  Roma, os convidados
  eram avisados de que
  deveriam entrar nos
  salões "dextro pede" -
  com o pé direito - para
  evitar o azar. A
  expressão generalizou-
  se e ainda hoje é
  utilizada com esse
  propósito.
ESTAR COM A FACA E
 O QUEIJO NA MÃO

Ter poder ou
  condições para
  resolver
  determinada
  situação, faltando
  ao indivíduo apenas
  a tomada de
  atitude.
COM UM PÉ
 ATRÁS

   Ficar
    hesitante, desco
    nfiado.
DE BRAÇOS CRUZADOS
   Não fazer nada
    diante de uma
    situação, não
    tomar atitude.
ESTAR DE MÃOS
        ATADAS
   Estar
    impossibilitado
    de resolver um
    problema ou de
    tomar uma
    atitude.
ESTAR DE SACO CHEIO


   Estar
    aborrecido, cans
    ado, desanimad
    o
FICAR DE
 CABELO EM PÉ

Assustar-
 se, irritar-se.
FICAR EM
       CIMA DO
        MURO
   Não tomar
    partido diante
    de uma
    situação
 FICAR PLANTADO
Esperar alguém durante
  muito tempo.
   LAVAR ROUPA
    SUJA
   Discutir assunto
    particular em
    público.
   COM A MÃO NA
    RODA
Significa ajudar, ser
  prestativo. A expressão
  pode ter se originado em
  situações em que o carro
  de boi
  atolava, necessitando
  que os peões ajudassem
  a movimentá-lo
  novamente, empurrando
  as rodas com as mãos
   MOLHAR O
    BISCOITO
    Para muitos é uma
    expressão pejorativa e de
    baixo calão, mas conforme
    a figura mostra
    claramente, o ato de molhar
    o biscoito é bem comum e
    bastante saboroso para
    alguns adeptos.
    Claro, depende do biscoito
    e principalmente de onde
    ele será molhado...
   PAGAR NA MESMA
    MOEDA
Retribuir de igual
 modo algo que
 recebemos.
   PASSAR A PERNA
   Enganar alguém
Pedra no sapato
   Significa ter uma
    dificuldade ou
    problema que
    incomoda, causando
    transtorno. A
    expressão alude à
    sensação de
    desconforto ocorrida
    durante uma
    caminhada, caso
    algum pedregulho
    entre em nosso
    sapato.
Pisar na bola
   Cometer
    equívoco, d
    ecepcionar
    alguém
Por a mão no fogo
   Significa confiar muito em
    alguém, a ponto de jurar pela sua
    inocência. A expressão pode ter se
    originado na prova do ferro
    caldo, utilizada durante a Idade
    Média. Naquele período, quem
    alegava inocência submetia-se a
    pegar numa barra de ferro
    aquecida e caminhar com ela na
    mão por alguns metros. Envolvia-
    se a mão em estopa, selada com
    cera e, três dias depois, abria-se a
    atadura. Se a mão estivesse
    ilesa, sem sinal de
    queimadura, era provada a
    inocência. Se estivesse
    queimada, provada estava a
    culpa, sendo imediata a punição
    pela forca.
   Pular a cerca
   Traição conjugal
Quebrar o galho
Usar de artifício
 temporário para
 resolver determinado
 problema, improvisar.
   Quebrar o gelo
   Iniciar uma conversa
    com alguém pouco
    próximo.
Sair do armário
   Revelar um segredo
    importante e
    pessoal, geralmente
    mal visto pela
    sociedade.


   Obs.: a expressão
    costuma ser utilizada
    com o sentido de
    assumir a
    homossexualidade.
Segurar vela
   Significa ser a única pessoa
    solteira a acompanhar um casal
    de namorados, a ponto de ficar
    "sobrando" ou atrapalhando o
    clima romântico dos dois. A
    expressão originou-se na Idade
    Média, sendo utilizada para
    designar o trabalho dos criados
    que seguravam candeeiros em
    eventos e estabelecimentos que
    funcionavam à noite, ou ainda
    em situações em que seus
    patrões quisessem ter relações
    sexuais com luz. Nesses
    casos, os criados seguravam as
    velas virados de costas, de forma
    a não lhes invadir a privacidade.
Sem pé nem cabeça
   Sem lógica, sem
    sentido.
Ter uma carta na
  manga
   Estar precavido, ter
    uma alternativa a ser
    utilizada diante de
    uma necessidade.
Trocar as bolas
   Confundir-se,
    atrapalhar-se.
Ver a luz no fim do
              túnel
    Ver uma saída diante
V
    de       uma     situação
    difícil, acreditar que a
    solução       de      um
    problema existe.
   Encher linguiça
Geralmente, a expressão é utilizada quando
  alguém fica estendendo um assunto com
  detalhes ou questões sem a menor
  importância. O “enchedor de linguiça”
  também pode ser reconhecido naqueles
  típicos sujeitos que arranjam qualquer
  assunto desinteressante para
  impressionar alguém ou matar o tempo.
  Não se restringindo ao mundo da fala, a
  habilidade de encher linguiça também
  serve para os alunos que tentam ganhar
  pontos em uma avaliação com respostas
  prolixas e nada objetivas.
De acordo com o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, essa
    expressão derivou de um sentido figurado. Sua origem está no
    processo de fabricação de linguiças, que são feitas com diferentes
    tipos de carnes. Esse material é processado, unido a
    temperos, condimentos e gordura e depois misturado até formar uma
    massa uniforme. Terminado esse processo, é hora de encher
    linguiça, ou seja, de colocar esse material dentro das tripas até que
    elas fiquem com o aspecto do alimento. Hoje em dia, o controle de
    qualidade é mais rigoroso, mas houve um tempo em que qualquer
    resto de carne e gordura servia. Daí a origem da expressão.
CHORAR SOBRE O LEITE
    DERRAMADO


Lamentar-se por algo que
 não tem solução
Pisar em ovos


Ser cauteloso...
vagaroso
Tirar a água do joelho


Necessidade
fisiológica: urinar
PÉ NA JACA



Cometer excessos;
exageros
Procurando cabelo em
           ovo
 Procurar coisas ou problemas
onde não existem. É como:
“procurar   sarna      para se
coçar”, “procurar chifre em
cabeça de cavalo” etc.

Isso é típico dos teimosos e dos
ciumentos.
ENGOLIR SAPOS
Não importa a maneira a
qual alguém esteja se
referindo, engolir sapo é
ruim de qualquer forma,
porém na maioria das
vezes é bem melhor
engolir    um      anfíbio
propriamente dito do
que passar por certas
situações            bem
constrangedoras.
Essa expressão “chá de cadeira” já ouvimos em muitos
   lugares e diversas pessoas a utilizam para dizer que
   aonde foram acabaram demorando, que alguém o
   fez esperar por muito tempo.

Mas, qual é a sua verdadeira origem? Por que chá de
   cadeira?

Dada a independência no Brasil acabou ocorrendo
   muitas mudanças e nessa época a impontualidade
   servia como um artifício que atestava a importância
   de uma autoridade, por isso mesmo que não tivesse
   nenhum contratempo os nobres altos deixavam as
   pessoas esperando horas e horas por uma audiência.


Enquanto esperava pela oportunidade de serem
   ouvidos, os súditos tomavam xícaras e mais xícaras
   de chá e provavelmente foi por conta desse
   hábito, nada respeitoso, que as pessoas começavam
   a dizer que tomaram um chá de cadeira enquanto

   esperavam ser atendidas.
Deixar as barbas de
         molho
Na Antiguidade e na Idade Média, a
barba significava honra e poder. Ter
a barba cortada por alguém
representava grande humilhação.
Essa ideia chegou aos dias de hoje
nessa expressão que significa ficar
de      sobreaviso,       acautelar-
se, prevenir-se. Um provérbio
espanhol diz que "quando você vir
as barbas de seu vizinho pegar
fogo, ponha as suas de molho".
Pagar o pato
A expressão tem como
origem uma brincadeira
antiga. Um pato era
amarrado a um poste e
os    jogadores,   que
vinham galopando a
cavalo,   tinham   que
cortar suas amarras
com um só golpe. Quem
errasse      teria  de
recompensar         os
adversários – ou pagar
o pato.
Dar uma de João sem
         braço
A expressão é usada para designar
as pessoas que escapam de fazer
alguma coisa, dando uma desculpa
que não se justifica. Possivelmente
deriva da época das guerras civis de
Portugal. Os feridos e aleijados não
podiam trabalhar nem voltar à luta.
"Simular não ter um ou os dois
braços constitui-se em escusa para
fugir ao trabalho e a outras
obrigações. Não demorou e a
expressão 'dar uma de João-sem-
braço' migrou para o rico, sutil e
complexo           reino          da
metáfora, aplicando-se a diversas
situações em que a pessoas se
omite, alegando razão insustentável".
Sentindo-se um peixe
      fora d'água
Aplicável        aos
indivíduos que por
não estarem em seu
ambiente
natural,         são
candidatos certos ao
fracasso naquilo que
tentam fazer.
Pendurar as chuteiras


Aposentar-
 se, desistir, encerrar
 atividades
Lavagem de dinheiro
“Lavagem de Dinheiro” teve sua
origem nos Estados Unidos.
Acredita-se que ela tenha sido
criada      para    caracterizar   o
surgimento, por volta dos anos
20, de uma rede de lavanderias
que tinham por objetivo facilitar a
colocação em circulação do
dinheiro oriundo de atividades
ilícitas, conferindo-lhe a aparência
de lícito
Com a corda no pescoço
Utilizada para designar alguém que está
sob pressão, com problemas financeiros
ou algo muito ruim está acontecendo com
essa pessoa. Essa expressão é utilizada
como referência a um enforcamento onde
o algoz já teria colocado a corda no
pescoço da pessoa que está pra ser
enforcada. É como se a pessoa ja
estivesse em uma situação muito
ruim, mas a pior coisa ainda não
aconteceu, ou seja, ainda pode piorar.
Marcar touca


Distrair-se e perder
 uma oportunidade
Soltar a franga
        Desinibir-se (geralmente
           assumindo um lado
              feminino/gay)
A expressão surge nos anos 70, resultado da revolução dos costumes
(woodstock, guerra do Vietnã, etc), e se baseia no fato de que a
galinha é um dos animais com período de cio mais amplo. Segundo
alguns ornitólogos, é praticamente incessante. Por outro lado, não
existia o termo "franga", tão somente galo/frango/galinha.


Assim o neologismo passa a indicar de modo jocoso um terceiro
sexo, o que não deixa de ser modo homofóbico de referência, já que
não há "3º sexo", apenas transgêneros já operados e travestis, que
não constituem tampouco um outro sexo.

Por fim, os galináceos domésticos ficam presos em cercados, e soltá-

los seria forma metafórica de liberar o ser humano de amarras
sociais. Daí, "soltar a franga" = assumir opção homossexual
comportando-se como o sexo oposto
Lavar as mãos


Não se envolver em
problemas alheios.
Fazer tempestade em
 copo d'água




Exagerar em
determinadas
situações
TESTA DE FERRO

Refere-se a alguém que se
apresenta em nome de
outra pessoa, de alguma
organização ou ideia que
não é de sua própria autoria
moral ou material, mas que
apresenta ser.
CRÉDITOS




http://www.soportugues.com.br

www.google.com.br

/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
IedaSantana
 
Dissertação
DissertaçãoDissertação
Dissertação
Viviane Calasans
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
Jaicinha
 
SLIDES – TIRINHAS.
SLIDES – TIRINHAS.SLIDES – TIRINHAS.
SLIDES – TIRINHAS.
Tissiane Gomes
 
Estrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasEstrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavras
Keu Oliveira
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
Ana Claudia André
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Verônica Carvalho
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slide
Jaciara Mota
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º ano
ClaudiaAdrianaSouzaS
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
Marcelo Cordeiro Souza
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
ISJ
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
marlospg
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
7 de Setembro
 
Acarretamento e pressuposição
Acarretamento e pressuposiçãoAcarretamento e pressuposição
Acarretamento e pressuposição
Miquéias Vitorino
 
O gênero textual entrevista
O gênero textual   entrevistaO gênero textual   entrevista
O gênero textual entrevista
Renally Arruda
 
Texto argumentativo
Texto argumentativoTexto argumentativo
Texto argumentativo
er.cabrinha
 
Figuras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem - IroniaFiguras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem
 
Aposto e vocativo
Aposto e vocativoAposto e vocativo
Aposto e vocativo
Cynthia Funchal
 
Concordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominalConcordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominal
Rebeca Kaus
 
JOGO DA MEMÓRIA (FIGURAS DE LINGUAGEM).docx
JOGO DA MEMÓRIA (FIGURAS DE LINGUAGEM).docxJOGO DA MEMÓRIA (FIGURAS DE LINGUAGEM).docx
JOGO DA MEMÓRIA (FIGURAS DE LINGUAGEM).docx
Paula Meyer Piagentini
 

Mais procurados (20)

Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
 
Dissertação
DissertaçãoDissertação
Dissertação
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
 
SLIDES – TIRINHAS.
SLIDES – TIRINHAS.SLIDES – TIRINHAS.
SLIDES – TIRINHAS.
 
Estrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasEstrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavras
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slide
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º ano
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
 
Acarretamento e pressuposição
Acarretamento e pressuposiçãoAcarretamento e pressuposição
Acarretamento e pressuposição
 
O gênero textual entrevista
O gênero textual   entrevistaO gênero textual   entrevista
O gênero textual entrevista
 
Texto argumentativo
Texto argumentativoTexto argumentativo
Texto argumentativo
 
Figuras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem - IroniaFiguras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem - Ironia
 
Aposto e vocativo
Aposto e vocativoAposto e vocativo
Aposto e vocativo
 
Concordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominalConcordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominal
 
JOGO DA MEMÓRIA (FIGURAS DE LINGUAGEM).docx
JOGO DA MEMÓRIA (FIGURAS DE LINGUAGEM).docxJOGO DA MEMÓRIA (FIGURAS DE LINGUAGEM).docx
JOGO DA MEMÓRIA (FIGURAS DE LINGUAGEM).docx
 

Semelhante a Expressões idiomáticas

DITADOS POPULARES
DITADOS POPULARESDITADOS POPULARES
DITADOS POPULARES
AlbertoJosMarquesMan1
 
Expr idiom ponto
Expr idiom pontoExpr idiom ponto
Expr idiom ponto
luciacolicchio
 
Stephenlaw
StephenlawStephenlaw
Stephenlaw
Domingos Faria
 
Análise do interlocutor em um processo de oratória
Análise do interlocutor em um processo de oratóriaAnálise do interlocutor em um processo de oratória
Análise do interlocutor em um processo de oratória
TiagoVendramini1
 
Os Esquisitos Comportamentos Humanos
Os  Esquisitos  Comportamentos  HumanosOs  Esquisitos  Comportamentos  Humanos
Os Esquisitos Comportamentos Humanos
Rodrigo Corrêa Leite
 
Artigo secretaria
Artigo secretariaArtigo secretaria
Artigo secretaria
letieri11
 
Artigo secretaria
Artigo secretariaArtigo secretaria
Artigo secretaria
Henrique Fernandes
 
Folclore 5º E
Folclore 5º EFolclore 5º E
Folclore 5º E
informaticapd
 
Desvendando-os-Segredos.pdf
Desvendando-os-Segredos.pdfDesvendando-os-Segredos.pdf
Desvendando-os-Segredos.pdf
luciana bicca patobranco
 
V elemento apresentacão
V elemento   apresentacãoV elemento   apresentacão
V elemento apresentacão
Daniel de Carvalho Luz
 
Curso de oratória
Curso de oratória  Curso de oratória
Curso de oratória
Paulo Mendonça
 
Você sabia ditados populares
Você sabia   ditados popularesVocê sabia   ditados populares
Você sabia ditados populares
danisoliv
 
IDENTIDADE VISUAL Apresentação oficina de observação - bsp
IDENTIDADE VISUAL Apresentação oficina de observação - bspIDENTIDADE VISUAL Apresentação oficina de observação - bsp
IDENTIDADE VISUAL Apresentação oficina de observação - bsp
Tellus
 
Módulo de verbos e gêneros humorísticos
Módulo de verbos e gêneros humorísticosMódulo de verbos e gêneros humorísticos
Módulo de verbos e gêneros humorísticos
Renally Arruda
 
Módulo de verbos e gêneros humorísticos
Módulo de verbos e gêneros humorísticosMódulo de verbos e gêneros humorísticos
Módulo de verbos e gêneros humorísticos
Renally Arruda
 
desvendando-os-segredos-da-linguagem-corporal-allan-e-barbara-pease.pdf
desvendando-os-segredos-da-linguagem-corporal-allan-e-barbara-pease.pdfdesvendando-os-segredos-da-linguagem-corporal-allan-e-barbara-pease.pdf
desvendando-os-segredos-da-linguagem-corporal-allan-e-barbara-pease.pdf
CarolineRodriguesFer3
 
14 dicas para melhorar sua linguagem corporal
14 dicas para melhorar sua linguagem corporal14 dicas para melhorar sua linguagem corporal
14 dicas para melhorar sua linguagem corporal
Carol Fontoura
 
Expressões idiomáticas
 Expressões idiomáticas Expressões idiomáticas
Expressões idiomáticas
Prof. Sonia Santana
 
Inglês — vocabulário em contexto
Inglês — vocabulário em contextoInglês — vocabulário em contexto
Inglês — vocabulário em contexto
Lizandra Machado
 
Aula de expressão
Aula de expressãoAula de expressão
Aula de expressão
Maninho Walker
 

Semelhante a Expressões idiomáticas (20)

DITADOS POPULARES
DITADOS POPULARESDITADOS POPULARES
DITADOS POPULARES
 
Expr idiom ponto
Expr idiom pontoExpr idiom ponto
Expr idiom ponto
 
Stephenlaw
StephenlawStephenlaw
Stephenlaw
 
Análise do interlocutor em um processo de oratória
Análise do interlocutor em um processo de oratóriaAnálise do interlocutor em um processo de oratória
Análise do interlocutor em um processo de oratória
 
Os Esquisitos Comportamentos Humanos
Os  Esquisitos  Comportamentos  HumanosOs  Esquisitos  Comportamentos  Humanos
Os Esquisitos Comportamentos Humanos
 
Artigo secretaria
Artigo secretariaArtigo secretaria
Artigo secretaria
 
Artigo secretaria
Artigo secretariaArtigo secretaria
Artigo secretaria
 
Folclore 5º E
Folclore 5º EFolclore 5º E
Folclore 5º E
 
Desvendando-os-Segredos.pdf
Desvendando-os-Segredos.pdfDesvendando-os-Segredos.pdf
Desvendando-os-Segredos.pdf
 
V elemento apresentacão
V elemento   apresentacãoV elemento   apresentacão
V elemento apresentacão
 
Curso de oratória
Curso de oratória  Curso de oratória
Curso de oratória
 
Você sabia ditados populares
Você sabia   ditados popularesVocê sabia   ditados populares
Você sabia ditados populares
 
IDENTIDADE VISUAL Apresentação oficina de observação - bsp
IDENTIDADE VISUAL Apresentação oficina de observação - bspIDENTIDADE VISUAL Apresentação oficina de observação - bsp
IDENTIDADE VISUAL Apresentação oficina de observação - bsp
 
Módulo de verbos e gêneros humorísticos
Módulo de verbos e gêneros humorísticosMódulo de verbos e gêneros humorísticos
Módulo de verbos e gêneros humorísticos
 
Módulo de verbos e gêneros humorísticos
Módulo de verbos e gêneros humorísticosMódulo de verbos e gêneros humorísticos
Módulo de verbos e gêneros humorísticos
 
desvendando-os-segredos-da-linguagem-corporal-allan-e-barbara-pease.pdf
desvendando-os-segredos-da-linguagem-corporal-allan-e-barbara-pease.pdfdesvendando-os-segredos-da-linguagem-corporal-allan-e-barbara-pease.pdf
desvendando-os-segredos-da-linguagem-corporal-allan-e-barbara-pease.pdf
 
14 dicas para melhorar sua linguagem corporal
14 dicas para melhorar sua linguagem corporal14 dicas para melhorar sua linguagem corporal
14 dicas para melhorar sua linguagem corporal
 
Expressões idiomáticas
 Expressões idiomáticas Expressões idiomáticas
Expressões idiomáticas
 
Inglês — vocabulário em contexto
Inglês — vocabulário em contextoInglês — vocabulário em contexto
Inglês — vocabulário em contexto
 
Aula de expressão
Aula de expressãoAula de expressão
Aula de expressão
 

Último

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 

Último (20)

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 

Expressões idiomáticas

  • 2. EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS Uma expressão idiomática ou expressão popular, na língua portuguesa, é uma expressão que se caracteriza por não ser possível identificar seu significado através de suas palavras individuais ou de seu sentido literal. Dessa forma, também não é possível traduzi-la para outra língua de modo literal. As expressões idiomáticas estão presentes em diversas situações do dia a dia. Geralmente se originam de gírias, cultura e peculiaridades de diversos grupos de pessoas: seja pela região, profissão ou outro tipo de afinidade. Veja a seguir algumas dessas expressões e tente descobrir o significado de cada uma.
  • 3. ANDAR NA LINHA Significa agir corretamente, obedecer. A expressão pode ter se originado nos quartéis, onde os recrutas aprendiam a andar na linha, quer no sentido literal, acompanhando o pelotão, quer no sentido conotativo, obedecendo a seus superiores militares, sem se desviar.
  • 4. ARREGAÇAR AS MANGAS  Dar início a um trabalho ou atividade com afinco.
  • 5. ATRÁS DA MOITA Fazer algo escondido
  • 6. BATER AS BOTAS Significa falecer. A expressão pode ter se originado na primeira invasão holandesa ao Brasil, ocorrida em 1624, em que os negros, não estando acostumados com os armamentos que lhes foram dados, constantemente tropeçavam nas próprias botas, virando um alvo fácil para os holandeses. Assim, os demais negros costumavam se referir àqueles que morriam dizendo que "haviam batido as botas".
  • 7. CAIR DE PARAQUEDAS Surgir de forma inesperada, iniciar determinada atividade sem a mínima habilitação ou preparação prévia.
  • 8. CARTA FORA DO BARALHO Pessoa, ideia ou objeto descartável, com o qual não se pode contar
  • 9. CHUTAR O BALDE Agir irresponsavelmente em relação a um problema, desistir.
  • 10. CHUTAR O PAU DA BARRACA Perder a calma, descontrol ar-se.
  • 11. COLOCAR PILHA Influenciar alguém; “dar corda”
  • 12. COM AS CALÇAS NA MÃO Significa conquistar algo "por pouco". Se alguém diz que seu time ganhou a partida "com as calças na mão", significa que ele quase não ganhou. Hipótese para a origem da expressão: em jogo apostado, o sujeito perde tudo que possui, a ponto de já estar com as calças na mão, pronto para dar o último bem de que dispõe. No entanto, acaba vencendo.
  • 13. CONTANDO AS HORAS Esperar ansiosamente por determinado acontecimento, d esejando que o tempo passe rapidamente.
  • 14. DAR DE BANDEJA Fornecer algo a alguém com facilidade, sem levantar obstáculos ou criar problemas.
  • 15. DAR O CANO Quebrar um compromisso
  • 16. DAR PAU NA MÁQUINA Parar de funcionar, estragar.
  • 17. DAR UMA COLHER DE CHÁ Facilitar algo a alguém, dar uma chance.
  • 18. DAR UMA MÃO ajudar, auxiliar.
  • 19. DESCASCAR O ABACAXI Solucionar um problema complicado.
  • 20. DOR DE COTOVELO Sentir inveja, ciúmes, despeito amoroso. A expressão originou-se nas cenas de pessoas sentadas em bares, com os cotovelos apoiados no balcão, bebendo e chorando por um amor perdido. De tanto permanecerem nessa posição, as pessoas ficavam com dores nos cotovelos.
  • 21. ENTRAR COM O PÉ DIREITO Significa "começar bem". A expressão originou-se numa antiga superstição pertencente ao Império Romano. Nas festas realizadas na antiga Roma, os convidados eram avisados de que deveriam entrar nos salões "dextro pede" - com o pé direito - para evitar o azar. A expressão generalizou- se e ainda hoje é utilizada com esse propósito.
  • 22. ESTAR COM A FACA E O QUEIJO NA MÃO Ter poder ou condições para resolver determinada situação, faltando ao indivíduo apenas a tomada de atitude.
  • 23. COM UM PÉ ATRÁS  Ficar hesitante, desco nfiado.
  • 24. DE BRAÇOS CRUZADOS  Não fazer nada diante de uma situação, não tomar atitude.
  • 25. ESTAR DE MÃOS ATADAS  Estar impossibilitado de resolver um problema ou de tomar uma atitude.
  • 26. ESTAR DE SACO CHEIO  Estar aborrecido, cans ado, desanimad o
  • 27. FICAR DE CABELO EM PÉ Assustar- se, irritar-se.
  • 28. FICAR EM CIMA DO MURO  Não tomar partido diante de uma situação
  • 29.  FICAR PLANTADO Esperar alguém durante muito tempo.
  • 30. LAVAR ROUPA SUJA  Discutir assunto particular em público.
  • 31. COM A MÃO NA RODA Significa ajudar, ser prestativo. A expressão pode ter se originado em situações em que o carro de boi atolava, necessitando que os peões ajudassem a movimentá-lo novamente, empurrando as rodas com as mãos
  • 32. MOLHAR O BISCOITO Para muitos é uma expressão pejorativa e de baixo calão, mas conforme a figura mostra claramente, o ato de molhar o biscoito é bem comum e bastante saboroso para alguns adeptos. Claro, depende do biscoito e principalmente de onde ele será molhado...
  • 33. PAGAR NA MESMA MOEDA Retribuir de igual modo algo que recebemos.
  • 34. PASSAR A PERNA  Enganar alguém
  • 35. Pedra no sapato  Significa ter uma dificuldade ou problema que incomoda, causando transtorno. A expressão alude à sensação de desconforto ocorrida durante uma caminhada, caso algum pedregulho entre em nosso sapato.
  • 36. Pisar na bola  Cometer equívoco, d ecepcionar alguém
  • 37. Por a mão no fogo  Significa confiar muito em alguém, a ponto de jurar pela sua inocência. A expressão pode ter se originado na prova do ferro caldo, utilizada durante a Idade Média. Naquele período, quem alegava inocência submetia-se a pegar numa barra de ferro aquecida e caminhar com ela na mão por alguns metros. Envolvia- se a mão em estopa, selada com cera e, três dias depois, abria-se a atadura. Se a mão estivesse ilesa, sem sinal de queimadura, era provada a inocência. Se estivesse queimada, provada estava a culpa, sendo imediata a punição pela forca.
  • 38. Pular a cerca  Traição conjugal
  • 39. Quebrar o galho Usar de artifício temporário para resolver determinado problema, improvisar.
  • 40. Quebrar o gelo  Iniciar uma conversa com alguém pouco próximo.
  • 41. Sair do armário  Revelar um segredo importante e pessoal, geralmente mal visto pela sociedade.  Obs.: a expressão costuma ser utilizada com o sentido de assumir a homossexualidade.
  • 42. Segurar vela  Significa ser a única pessoa solteira a acompanhar um casal de namorados, a ponto de ficar "sobrando" ou atrapalhando o clima romântico dos dois. A expressão originou-se na Idade Média, sendo utilizada para designar o trabalho dos criados que seguravam candeeiros em eventos e estabelecimentos que funcionavam à noite, ou ainda em situações em que seus patrões quisessem ter relações sexuais com luz. Nesses casos, os criados seguravam as velas virados de costas, de forma a não lhes invadir a privacidade.
  • 43. Sem pé nem cabeça  Sem lógica, sem sentido.
  • 44. Ter uma carta na manga  Estar precavido, ter uma alternativa a ser utilizada diante de uma necessidade.
  • 45. Trocar as bolas  Confundir-se, atrapalhar-se.
  • 46. Ver a luz no fim do túnel Ver uma saída diante V de uma situação difícil, acreditar que a solução de um problema existe.
  • 47. Encher linguiça Geralmente, a expressão é utilizada quando alguém fica estendendo um assunto com detalhes ou questões sem a menor importância. O “enchedor de linguiça” também pode ser reconhecido naqueles típicos sujeitos que arranjam qualquer assunto desinteressante para impressionar alguém ou matar o tempo. Não se restringindo ao mundo da fala, a habilidade de encher linguiça também serve para os alunos que tentam ganhar pontos em uma avaliação com respostas prolixas e nada objetivas. De acordo com o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, essa expressão derivou de um sentido figurado. Sua origem está no processo de fabricação de linguiças, que são feitas com diferentes tipos de carnes. Esse material é processado, unido a temperos, condimentos e gordura e depois misturado até formar uma massa uniforme. Terminado esse processo, é hora de encher linguiça, ou seja, de colocar esse material dentro das tripas até que elas fiquem com o aspecto do alimento. Hoje em dia, o controle de qualidade é mais rigoroso, mas houve um tempo em que qualquer resto de carne e gordura servia. Daí a origem da expressão.
  • 48. CHORAR SOBRE O LEITE DERRAMADO Lamentar-se por algo que não tem solução
  • 49. Pisar em ovos Ser cauteloso... vagaroso
  • 50. Tirar a água do joelho Necessidade fisiológica: urinar
  • 51. PÉ NA JACA Cometer excessos; exageros
  • 52. Procurando cabelo em ovo Procurar coisas ou problemas onde não existem. É como: “procurar sarna para se coçar”, “procurar chifre em cabeça de cavalo” etc. Isso é típico dos teimosos e dos ciumentos.
  • 53. ENGOLIR SAPOS Não importa a maneira a qual alguém esteja se referindo, engolir sapo é ruim de qualquer forma, porém na maioria das vezes é bem melhor engolir um anfíbio propriamente dito do que passar por certas situações bem constrangedoras.
  • 54. Essa expressão “chá de cadeira” já ouvimos em muitos lugares e diversas pessoas a utilizam para dizer que aonde foram acabaram demorando, que alguém o fez esperar por muito tempo. Mas, qual é a sua verdadeira origem? Por que chá de cadeira? Dada a independência no Brasil acabou ocorrendo muitas mudanças e nessa época a impontualidade servia como um artifício que atestava a importância de uma autoridade, por isso mesmo que não tivesse nenhum contratempo os nobres altos deixavam as pessoas esperando horas e horas por uma audiência. Enquanto esperava pela oportunidade de serem ouvidos, os súditos tomavam xícaras e mais xícaras de chá e provavelmente foi por conta desse hábito, nada respeitoso, que as pessoas começavam a dizer que tomaram um chá de cadeira enquanto esperavam ser atendidas.
  • 55. Deixar as barbas de molho Na Antiguidade e na Idade Média, a barba significava honra e poder. Ter a barba cortada por alguém representava grande humilhação. Essa ideia chegou aos dias de hoje nessa expressão que significa ficar de sobreaviso, acautelar- se, prevenir-se. Um provérbio espanhol diz que "quando você vir as barbas de seu vizinho pegar fogo, ponha as suas de molho".
  • 56. Pagar o pato A expressão tem como origem uma brincadeira antiga. Um pato era amarrado a um poste e os jogadores, que vinham galopando a cavalo, tinham que cortar suas amarras com um só golpe. Quem errasse teria de recompensar os adversários – ou pagar o pato.
  • 57. Dar uma de João sem braço A expressão é usada para designar as pessoas que escapam de fazer alguma coisa, dando uma desculpa que não se justifica. Possivelmente deriva da época das guerras civis de Portugal. Os feridos e aleijados não podiam trabalhar nem voltar à luta. "Simular não ter um ou os dois braços constitui-se em escusa para fugir ao trabalho e a outras obrigações. Não demorou e a expressão 'dar uma de João-sem- braço' migrou para o rico, sutil e complexo reino da metáfora, aplicando-se a diversas situações em que a pessoas se omite, alegando razão insustentável".
  • 58. Sentindo-se um peixe fora d'água Aplicável aos indivíduos que por não estarem em seu ambiente natural, são candidatos certos ao fracasso naquilo que tentam fazer.
  • 59. Pendurar as chuteiras Aposentar- se, desistir, encerrar atividades
  • 60. Lavagem de dinheiro “Lavagem de Dinheiro” teve sua origem nos Estados Unidos. Acredita-se que ela tenha sido criada para caracterizar o surgimento, por volta dos anos 20, de uma rede de lavanderias que tinham por objetivo facilitar a colocação em circulação do dinheiro oriundo de atividades ilícitas, conferindo-lhe a aparência de lícito
  • 61. Com a corda no pescoço Utilizada para designar alguém que está sob pressão, com problemas financeiros ou algo muito ruim está acontecendo com essa pessoa. Essa expressão é utilizada como referência a um enforcamento onde o algoz já teria colocado a corda no pescoço da pessoa que está pra ser enforcada. É como se a pessoa ja estivesse em uma situação muito ruim, mas a pior coisa ainda não aconteceu, ou seja, ainda pode piorar.
  • 62. Marcar touca Distrair-se e perder uma oportunidade
  • 63. Soltar a franga Desinibir-se (geralmente assumindo um lado feminino/gay) A expressão surge nos anos 70, resultado da revolução dos costumes (woodstock, guerra do Vietnã, etc), e se baseia no fato de que a galinha é um dos animais com período de cio mais amplo. Segundo alguns ornitólogos, é praticamente incessante. Por outro lado, não existia o termo "franga", tão somente galo/frango/galinha. Assim o neologismo passa a indicar de modo jocoso um terceiro sexo, o que não deixa de ser modo homofóbico de referência, já que não há "3º sexo", apenas transgêneros já operados e travestis, que não constituem tampouco um outro sexo. Por fim, os galináceos domésticos ficam presos em cercados, e soltá- los seria forma metafórica de liberar o ser humano de amarras sociais. Daí, "soltar a franga" = assumir opção homossexual comportando-se como o sexo oposto
  • 64. Lavar as mãos Não se envolver em problemas alheios.
  • 65. Fazer tempestade em copo d'água Exagerar em determinadas situações
  • 66. TESTA DE FERRO Refere-se a alguém que se apresenta em nome de outra pessoa, de alguma organização ou ideia que não é de sua própria autoria moral ou material, mas que apresenta ser.