SlideShare uma empresa Scribd logo
O QUE SÃO IMPÉRIOS TRADICIONAIS?
Impérios tradicionais são sistemas políticos e
territoriais que exercem um controle centralizado
sobre uma variedade de territórios e grupos étnicos,
muitas vezes por meio da conquista militar e da
expansão territorial. Esses impérios têm
características distintas que os diferenciam de outros
tipos de governos e estruturas políticas nacionais ou
locais.
CARACTERÍSTICAS DOS IMPÉRIOS TRADICIONAIS
 Controle Centralizado;
 Território Contínuo;
 Diversidade Étnica e Cultural;
 Administração Hierárquica;
 Tributação dos povos dominados;
 Divindade do Rei.
IMPÉRIO ASSÍRIO ( 24 SÉCULOS A.C – 609 A.C)
Os assírios
conquistaram um vasto
território, que se
estendia da
Mesopotâmia à
Anatólia, Egito, Pérsia e
partes do Levante. Seu
império atingiu seu
auge no século VII a.C.
sob o reinado de
Assurbanípal.
IMPÉRIO NEOBABILÔNICO (626 A.C. - 539 A.C)
O Código de Hamurábi é uma
das realizações mais
significativas do primeiro
Império Babilônico. Este é um
conjunto de leis escritas em uma
estela de pedra que abordava
uma ampla variedade de
assuntos legais e sociais. Ele
estabeleceu princípios de justiça
e é uma das primeiras
codificações legais conhecidas
na história.
IMPÉRIO PERSA (539 A.C. – 330 A.C.)
Sistema de correios: O
Império Persa estabeleceu
um sistema de comunicação
eficiente conhecido como "O
Correio Real". Isso permitiu a
rápida transmissão de
mensagens ao longo das
vastas distâncias do império.
IMPÉRIO MACEDÔNICO (336 A.C. – 2 A.C)
Helenização:
Alexandre promoveu
ativamente a difusão
da cultura grega, um
processo conhecido
como helenização, nos
territórios que
conquistou. Isso teve
um impacto
duradouro na cultura e
na história dessas
IMPÉRIO ROMANO (SÉCULO VI A.C – 476)
Sistema de estradas: Os
romanos construíram uma
extensa rede de estradas
que facilitou o transporte
de tropas, comércio e
comunicação em todo o
império. A mais famosa
delas é a Via Ápia.
IMPÉRIO BIZANTINO (330 – 1453)
Conquistas territoriais:
Durante sua existência, o
Império Bizantino
expandiu e encolheu
várias vezes. Em seu auge,
controlava vastos
territórios que incluíam a
Península Balcânica, partes
da Itália, o Norte da África
e partes do Oriente Médio.
No entanto, ao longo dos
séculos, perdeu territórios
para invasões bárbaras e
impérios rivais.
IMPÉRIO CAROLÍNGIO (800 – 925)
Desafios: O Império
Carolíngio enfrentou
ameaças externas, como os
vikings, árabes e húngaros,
que atacaram suas fronteiras.
Além disso, desafios internos,
como a fragmentação do
poder e a ascensão do
feudalismo, enfraqueceram o
império.
IMPÉRIO ISLÂMICO (632 - )
Características: Este império é
notável por seu rápido
crescimento e expansão territorial.
Os árabes, motivados pela fé
islâmica, conquistaram grandes
partes do Oriente Médio, norte da
África, Espanha, Índia e partes da
Ásia Central. Isso levou à criação
de um vasto império muçulmano
que incluiu várias dinastias e
califados. O Império Árabe-
Islâmico controlou o comércio no
mar mediterrâneo.
IMPÉRIO PORTUGUÊS (1415 – 1822)
Ciclo do Comércio de
Especiarias: A busca por
especiarias valiosas, como
pimenta e noz-moscada,
foi uma motivação-chave
para as explorações
portuguesas na Ásia. As
rotas marítimas
estabelecidas pelos
portugueses
desempenharam um papel
fundamental no comércio
mundial de especiarias.
IMPÉRIO ESPANHOL (1492 – 1833)
Tesouro Americano: O
Império Espanhol se
beneficiou enormemente
da extração de riquezas
do Novo Mundo,
incluindo metais
preciosos como o ouro e a
prata. O sistema de
transporte de riquezas da
América para a Espanha,
conhecido como o
sistema das flotas, era
vital para a economia
IMPÉRIO BRITÂNICO (1600 – 1950)
Exploração e Colonização:
A Grã-Bretanha estabeleceu
colônias e territórios em
várias partes do mundo,
incluindo a América do
Norte, Caribe, Índia, África,
Oceania e partes do Sudeste
Asiático. As razões para a
colonização incluíram o
comércio, a exploração de
recursos naturais e a busca
de mercados para produtos
IMPÉRIO FRANCÊS (1608 – 1960)
Exploração da África:
No século XIX, a França
expandiu sua presença
na África, competindo
com outras potências
europeias na corrida
pela África. Isso resultou
na colonização de vastas
áreas da África, incluindo
a Argélia, Senegal, Costa
do Marfim e Madagascar.
IMPÉRIO NAZISTA (1933 – 1945)
Antissemitismo: O antissemitismo era
uma característica central do Nazismo,
resultando em políticas discriminatórias,
perseguições e, finalmente, o extermínio
em massa dos judeus.
Políticas de Esterilização e Eutanásia:
O regime nazista implementou políticas
de esterilização forçada e eutanásia de
pessoas consideradas inadequadas, de
acordo com critérios raciais e de saúde.
INFLUÊNCIA OCIDENTAL E COMUNISTA (1945 – 1992)
PRINCIPAIS FORÇAS GLOBAIS DO SÉC. XXI
 Comunista. (Liderada pelo Partido Comunista
Chinês).
 Ocidental. (Liderada pelo Partido Democrata
Americano e pela União Europeia).
 Islâmica. (liderada pelos aiatolás após revolução
iraniana de 1979).
CARACTERÍSTICAS DOS IMPÉRIOS ATUAIS
 Força militar;
 Compra de ativos econômicos em diferentes
nações;
 Influência na administração política das nações;
 Divulgação de cosmovisões;
 Controle tecnológico e do fluxo informacional.
O QUE SE OPÕE AS FORÇAS GLOBAIS
Existência de fortes tradições culturais e
religiosas locais de difícil assimilação;
Movimentos nacionalistas;
Cristianismo.
INFLUÊNCIA OCIDENTAL E COMUNISTA SÉC. XXI
ZONA DE INFLUÊNCIA ISLÂMICA. SÉC. XXI
CONCEITO DE IMPÉRIO GLOBAL
 O conceito de "império global" se refere a
uma forma de poder geopolítico e
econômico que transcende as fronteiras
nacionais e exerce influência e controle
significativos em escala global. Um império
global não é um império tradicional no
sentido de um único estado conquistador
que domina territórios e povos por meio
da força militar, mas sim uma estrutura de
poder que se baseia em uma combinação
de fatores.
DOMÍNIO ECONÔMICO
 Os impérios globais geralmente
são caracterizados por um
domínio significativo sobre a
economia global. Isso pode
envolver o controle de recursos
naturais, a liderança em
indústrias-chave, a influência
sobre instituições financeiras
internacionais e o comércio
global.
PODER POLÍTICO
 Os impérios globais muitas
vezes exercem influência
substancial sobre instituições
políticas e organizações
internacionais. Eles podem
moldar a formulação de
políticas em escala global e
influenciar a tomada de
decisões em questões críticas,
como segurança, diplomacia e
direitos humanos.
INFLUÊNCIA CULTURAL
 Além do poder econômico e
político, os impérios globais
também exercem influência
cultural e soft power. Isso pode
envolver a disseminação da
língua, cultura popular, valores e
ideias por meio de mídia,
entretenimento, educação e
outros meios.
REDES GLOBAIS
 Os impérios globais muitas vezes
operam por meio de redes
complexas que conectam
empresas, organizações não
governamentais, instituições
financeiras, governos e outras
entidades em todo o mundo.
Essas redes podem facilitar o
fluxo de recursos, informações e
influência.
TECNOLOGIA E INFORMAÇÃO
 A liderança em tecnologia e
inovação é frequentemente um
componente importante de um
império global. Isso pode incluir
empresas líderes em tecnologia da
informação, pesquisa científica
avançada e desenvolvimento de
novas tecnologias.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Poderes Globais: Islâmismo, Comunismo e Ocidente

Apostila alta-idade-media
Apostila alta-idade-mediaApostila alta-idade-media
Apostila alta-idade-media
Willian Thiago
 
RESUMO Completo da Idade média
RESUMO Completo da Idade médiaRESUMO Completo da Idade média
RESUMO Completo da Idade média
Agassis Paulo Bezerra
 
Idade Media
Idade MediaIdade Media
Resumos hist
Resumos histResumos hist
Resumos hist
sandraoliveiraines
 
áFrica contexto histórico-social e aspectos gerais da atualidade
áFrica   contexto histórico-social e aspectos gerais da atualidadeáFrica   contexto histórico-social e aspectos gerais da atualidade
áFrica contexto histórico-social e aspectos gerais da atualidade
Uiles Martins
 
Imperialismo2 (1)
Imperialismo2 (1)Imperialismo2 (1)
Imperialismo2 (1)
MargarethFranklim
 
África Atlântica - Prof. Altair Aguilar
África Atlântica - Prof. Altair AguilarÁfrica Atlântica - Prof. Altair Aguilar
África Atlântica - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Antecedentes da produção do espaço brasileiro
Antecedentes da produção do espaço brasileiroAntecedentes da produção do espaço brasileiro
Antecedentes da produção do espaço brasileiro
Patrícia Éderson Dias
 
SLIDES SOBRE CAPITULOS 8 - 10.pptx
SLIDES SOBRE CAPITULOS 8 - 10.pptxSLIDES SOBRE CAPITULOS 8 - 10.pptx
SLIDES SOBRE CAPITULOS 8 - 10.pptx
profesfrancleite
 
áFrica – síntese histórica, étnica, social e cultural
áFrica – síntese histórica, étnica, social  e culturaláFrica – síntese histórica, étnica, social  e cultural
áFrica – síntese histórica, étnica, social e cultural
Servidor Público Estadual
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
Gilmar Rodrigues
 
Bizantinos bárbaros - árabes - 3º Ano
Bizantinos   bárbaros - árabes - 3º AnoBizantinos   bárbaros - árabes - 3º Ano
Bizantinos bárbaros - árabes - 3º Ano
Auxiliadora
 
Antiguida..
Antiguida..Antiguida..
Antiguida..
Gilda Sandes
 
O Shrek é bué nabo.
O Shrek é bué nabo. O Shrek é bué nabo.
O Shrek é bué nabo.
Pedro Miguel Valente
 
O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
Fatima Freitas
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
BriefCase
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
Rodrigo HistóriaGeografia
 
Neocolonialismo
NeocolonialismoNeocolonialismo
Neocolonialismo
Edenilson Morais
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
cattonia
 
Idade média objetivo- rafa noronha
Idade média   objetivo- rafa noronhaIdade média   objetivo- rafa noronha
Idade média objetivo- rafa noronha
Rafael Noronha
 

Semelhante a Poderes Globais: Islâmismo, Comunismo e Ocidente (20)

Apostila alta-idade-media
Apostila alta-idade-mediaApostila alta-idade-media
Apostila alta-idade-media
 
RESUMO Completo da Idade média
RESUMO Completo da Idade médiaRESUMO Completo da Idade média
RESUMO Completo da Idade média
 
Idade Media
Idade MediaIdade Media
Idade Media
 
Resumos hist
Resumos histResumos hist
Resumos hist
 
áFrica contexto histórico-social e aspectos gerais da atualidade
áFrica   contexto histórico-social e aspectos gerais da atualidadeáFrica   contexto histórico-social e aspectos gerais da atualidade
áFrica contexto histórico-social e aspectos gerais da atualidade
 
Imperialismo2 (1)
Imperialismo2 (1)Imperialismo2 (1)
Imperialismo2 (1)
 
África Atlântica - Prof. Altair Aguilar
África Atlântica - Prof. Altair AguilarÁfrica Atlântica - Prof. Altair Aguilar
África Atlântica - Prof. Altair Aguilar
 
Antecedentes da produção do espaço brasileiro
Antecedentes da produção do espaço brasileiroAntecedentes da produção do espaço brasileiro
Antecedentes da produção do espaço brasileiro
 
SLIDES SOBRE CAPITULOS 8 - 10.pptx
SLIDES SOBRE CAPITULOS 8 - 10.pptxSLIDES SOBRE CAPITULOS 8 - 10.pptx
SLIDES SOBRE CAPITULOS 8 - 10.pptx
 
áFrica – síntese histórica, étnica, social e cultural
áFrica – síntese histórica, étnica, social  e culturaláFrica – síntese histórica, étnica, social  e cultural
áFrica – síntese histórica, étnica, social e cultural
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
 
Bizantinos bárbaros - árabes - 3º Ano
Bizantinos   bárbaros - árabes - 3º AnoBizantinos   bárbaros - árabes - 3º Ano
Bizantinos bárbaros - árabes - 3º Ano
 
Antiguida..
Antiguida..Antiguida..
Antiguida..
 
O Shrek é bué nabo.
O Shrek é bué nabo. O Shrek é bué nabo.
O Shrek é bué nabo.
 
O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
 
Neocolonialismo
NeocolonialismoNeocolonialismo
Neocolonialismo
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
 
Idade média objetivo- rafa noronha
Idade média   objetivo- rafa noronhaIdade média   objetivo- rafa noronha
Idade média objetivo- rafa noronha
 

Mais de Professor Belinaso

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médioElementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Professor Belinaso
 
O Mito e o Homem
O Mito e o HomemO Mito e o Homem
O Mito e o Homem
Professor Belinaso
 
Livro de Daniel cap. 5
Livro de Daniel cap. 5Livro de Daniel cap. 5
Livro de Daniel cap. 5
Professor Belinaso
 
Atividade de Sociologia - Redes Sociais
Atividade de Sociologia - Redes SociaisAtividade de Sociologia - Redes Sociais
Atividade de Sociologia - Redes Sociais
Professor Belinaso
 
Livro de Daniel - Introdução
Livro de Daniel - IntroduçãoLivro de Daniel - Introdução
Livro de Daniel - Introdução
Professor Belinaso
 
Joaquim Nabuco Escravidão
Joaquim Nabuco EscravidãoJoaquim Nabuco Escravidão
Joaquim Nabuco Escravidão
Professor Belinaso
 
Marx - escravidão.pdf
Marx - escravidão.pdfMarx - escravidão.pdf
Marx - escravidão.pdf
Professor Belinaso
 
trabalho escravo.pdf
trabalho escravo.pdftrabalho escravo.pdf
trabalho escravo.pdf
Professor Belinaso
 
Indivíduo e Sociedade (Novo)
Indivíduo e Sociedade (Novo)Indivíduo e Sociedade (Novo)
Indivíduo e Sociedade (Novo)
Professor Belinaso
 
Estudo em Esdras: capítulo 4
Estudo em Esdras: capítulo 4Estudo em Esdras: capítulo 4
Estudo em Esdras: capítulo 4
Professor Belinaso
 
Estudo em Esdras: capítulo 2
Estudo em Esdras: capítulo 2Estudo em Esdras: capítulo 2
Estudo em Esdras: capítulo 2
Professor Belinaso
 
Redação House M.D: maternidade
Redação House M.D: maternidadeRedação House M.D: maternidade
Redação House M.D: maternidade
Professor Belinaso
 
O Dia do Senhor: Malaquias 4
O Dia do Senhor: Malaquias 4O Dia do Senhor: Malaquias 4
O Dia do Senhor: Malaquias 4
Professor Belinaso
 
A Secularização do Cristianismo
A Secularização do CristianismoA Secularização do Cristianismo
A Secularização do Cristianismo
Professor Belinaso
 
Entre Lobos
Entre LobosEntre Lobos
Entre Lobos
Professor Belinaso
 
Análise de Conjuntura : Movimentos da esquerda antes da campanha eleitoral
Análise de Conjuntura : Movimentos da esquerda antes da campanha eleitoralAnálise de Conjuntura : Movimentos da esquerda antes da campanha eleitoral
Análise de Conjuntura : Movimentos da esquerda antes da campanha eleitoral
Professor Belinaso
 
Eclesiastes 10: conselhos para o povo de Deus
Eclesiastes 10: conselhos para o povo de DeusEclesiastes 10: conselhos para o povo de Deus
Eclesiastes 10: conselhos para o povo de Deus
Professor Belinaso
 
Política para Cristãos
Política para CristãosPolítica para Cristãos
Política para Cristãos
Professor Belinaso
 
Inimigos da Sociedade
Inimigos da SociedadeInimigos da Sociedade
Inimigos da Sociedade
Professor Belinaso
 

Mais de Professor Belinaso (20)

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médioElementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
 
O Mito e o Homem
O Mito e o HomemO Mito e o Homem
O Mito e o Homem
 
Livro de Daniel cap. 5
Livro de Daniel cap. 5Livro de Daniel cap. 5
Livro de Daniel cap. 5
 
Atividade de Sociologia - Redes Sociais
Atividade de Sociologia - Redes SociaisAtividade de Sociologia - Redes Sociais
Atividade de Sociologia - Redes Sociais
 
Livro de Daniel - Introdução
Livro de Daniel - IntroduçãoLivro de Daniel - Introdução
Livro de Daniel - Introdução
 
Joaquim Nabuco Escravidão
Joaquim Nabuco EscravidãoJoaquim Nabuco Escravidão
Joaquim Nabuco Escravidão
 
Marx - escravidão.pdf
Marx - escravidão.pdfMarx - escravidão.pdf
Marx - escravidão.pdf
 
trabalho escravo.pdf
trabalho escravo.pdftrabalho escravo.pdf
trabalho escravo.pdf
 
Indivíduo e Sociedade (Novo)
Indivíduo e Sociedade (Novo)Indivíduo e Sociedade (Novo)
Indivíduo e Sociedade (Novo)
 
Estudo em Esdras: capítulo 4
Estudo em Esdras: capítulo 4Estudo em Esdras: capítulo 4
Estudo em Esdras: capítulo 4
 
Estudo em Esdras: capítulo 2
Estudo em Esdras: capítulo 2Estudo em Esdras: capítulo 2
Estudo em Esdras: capítulo 2
 
Redação House M.D: maternidade
Redação House M.D: maternidadeRedação House M.D: maternidade
Redação House M.D: maternidade
 
O Dia do Senhor: Malaquias 4
O Dia do Senhor: Malaquias 4O Dia do Senhor: Malaquias 4
O Dia do Senhor: Malaquias 4
 
A Secularização do Cristianismo
A Secularização do CristianismoA Secularização do Cristianismo
A Secularização do Cristianismo
 
Entre Lobos
Entre LobosEntre Lobos
Entre Lobos
 
Análise de Conjuntura : Movimentos da esquerda antes da campanha eleitoral
Análise de Conjuntura : Movimentos da esquerda antes da campanha eleitoralAnálise de Conjuntura : Movimentos da esquerda antes da campanha eleitoral
Análise de Conjuntura : Movimentos da esquerda antes da campanha eleitoral
 
Eclesiastes 10: conselhos para o povo de Deus
Eclesiastes 10: conselhos para o povo de DeusEclesiastes 10: conselhos para o povo de Deus
Eclesiastes 10: conselhos para o povo de Deus
 
Política para Cristãos
Política para CristãosPolítica para Cristãos
Política para Cristãos
 
Inimigos da Sociedade
Inimigos da SociedadeInimigos da Sociedade
Inimigos da Sociedade
 

Último

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 

Poderes Globais: Islâmismo, Comunismo e Ocidente

  • 1.
  • 2. O QUE SÃO IMPÉRIOS TRADICIONAIS? Impérios tradicionais são sistemas políticos e territoriais que exercem um controle centralizado sobre uma variedade de territórios e grupos étnicos, muitas vezes por meio da conquista militar e da expansão territorial. Esses impérios têm características distintas que os diferenciam de outros tipos de governos e estruturas políticas nacionais ou locais.
  • 3. CARACTERÍSTICAS DOS IMPÉRIOS TRADICIONAIS  Controle Centralizado;  Território Contínuo;  Diversidade Étnica e Cultural;  Administração Hierárquica;  Tributação dos povos dominados;  Divindade do Rei.
  • 4. IMPÉRIO ASSÍRIO ( 24 SÉCULOS A.C – 609 A.C) Os assírios conquistaram um vasto território, que se estendia da Mesopotâmia à Anatólia, Egito, Pérsia e partes do Levante. Seu império atingiu seu auge no século VII a.C. sob o reinado de Assurbanípal.
  • 5. IMPÉRIO NEOBABILÔNICO (626 A.C. - 539 A.C) O Código de Hamurábi é uma das realizações mais significativas do primeiro Império Babilônico. Este é um conjunto de leis escritas em uma estela de pedra que abordava uma ampla variedade de assuntos legais e sociais. Ele estabeleceu princípios de justiça e é uma das primeiras codificações legais conhecidas na história.
  • 6. IMPÉRIO PERSA (539 A.C. – 330 A.C.) Sistema de correios: O Império Persa estabeleceu um sistema de comunicação eficiente conhecido como "O Correio Real". Isso permitiu a rápida transmissão de mensagens ao longo das vastas distâncias do império.
  • 7. IMPÉRIO MACEDÔNICO (336 A.C. – 2 A.C) Helenização: Alexandre promoveu ativamente a difusão da cultura grega, um processo conhecido como helenização, nos territórios que conquistou. Isso teve um impacto duradouro na cultura e na história dessas
  • 8. IMPÉRIO ROMANO (SÉCULO VI A.C – 476) Sistema de estradas: Os romanos construíram uma extensa rede de estradas que facilitou o transporte de tropas, comércio e comunicação em todo o império. A mais famosa delas é a Via Ápia.
  • 9. IMPÉRIO BIZANTINO (330 – 1453) Conquistas territoriais: Durante sua existência, o Império Bizantino expandiu e encolheu várias vezes. Em seu auge, controlava vastos territórios que incluíam a Península Balcânica, partes da Itália, o Norte da África e partes do Oriente Médio. No entanto, ao longo dos séculos, perdeu territórios para invasões bárbaras e impérios rivais.
  • 10. IMPÉRIO CAROLÍNGIO (800 – 925) Desafios: O Império Carolíngio enfrentou ameaças externas, como os vikings, árabes e húngaros, que atacaram suas fronteiras. Além disso, desafios internos, como a fragmentação do poder e a ascensão do feudalismo, enfraqueceram o império.
  • 11. IMPÉRIO ISLÂMICO (632 - ) Características: Este império é notável por seu rápido crescimento e expansão territorial. Os árabes, motivados pela fé islâmica, conquistaram grandes partes do Oriente Médio, norte da África, Espanha, Índia e partes da Ásia Central. Isso levou à criação de um vasto império muçulmano que incluiu várias dinastias e califados. O Império Árabe- Islâmico controlou o comércio no mar mediterrâneo.
  • 12. IMPÉRIO PORTUGUÊS (1415 – 1822) Ciclo do Comércio de Especiarias: A busca por especiarias valiosas, como pimenta e noz-moscada, foi uma motivação-chave para as explorações portuguesas na Ásia. As rotas marítimas estabelecidas pelos portugueses desempenharam um papel fundamental no comércio mundial de especiarias.
  • 13. IMPÉRIO ESPANHOL (1492 – 1833) Tesouro Americano: O Império Espanhol se beneficiou enormemente da extração de riquezas do Novo Mundo, incluindo metais preciosos como o ouro e a prata. O sistema de transporte de riquezas da América para a Espanha, conhecido como o sistema das flotas, era vital para a economia
  • 14. IMPÉRIO BRITÂNICO (1600 – 1950) Exploração e Colonização: A Grã-Bretanha estabeleceu colônias e territórios em várias partes do mundo, incluindo a América do Norte, Caribe, Índia, África, Oceania e partes do Sudeste Asiático. As razões para a colonização incluíram o comércio, a exploração de recursos naturais e a busca de mercados para produtos
  • 15. IMPÉRIO FRANCÊS (1608 – 1960) Exploração da África: No século XIX, a França expandiu sua presença na África, competindo com outras potências europeias na corrida pela África. Isso resultou na colonização de vastas áreas da África, incluindo a Argélia, Senegal, Costa do Marfim e Madagascar.
  • 16. IMPÉRIO NAZISTA (1933 – 1945) Antissemitismo: O antissemitismo era uma característica central do Nazismo, resultando em políticas discriminatórias, perseguições e, finalmente, o extermínio em massa dos judeus. Políticas de Esterilização e Eutanásia: O regime nazista implementou políticas de esterilização forçada e eutanásia de pessoas consideradas inadequadas, de acordo com critérios raciais e de saúde.
  • 17. INFLUÊNCIA OCIDENTAL E COMUNISTA (1945 – 1992)
  • 18. PRINCIPAIS FORÇAS GLOBAIS DO SÉC. XXI  Comunista. (Liderada pelo Partido Comunista Chinês).  Ocidental. (Liderada pelo Partido Democrata Americano e pela União Europeia).  Islâmica. (liderada pelos aiatolás após revolução iraniana de 1979).
  • 19. CARACTERÍSTICAS DOS IMPÉRIOS ATUAIS  Força militar;  Compra de ativos econômicos em diferentes nações;  Influência na administração política das nações;  Divulgação de cosmovisões;  Controle tecnológico e do fluxo informacional.
  • 20. O QUE SE OPÕE AS FORÇAS GLOBAIS Existência de fortes tradições culturais e religiosas locais de difícil assimilação; Movimentos nacionalistas; Cristianismo.
  • 21. INFLUÊNCIA OCIDENTAL E COMUNISTA SÉC. XXI
  • 22. ZONA DE INFLUÊNCIA ISLÂMICA. SÉC. XXI
  • 23. CONCEITO DE IMPÉRIO GLOBAL  O conceito de "império global" se refere a uma forma de poder geopolítico e econômico que transcende as fronteiras nacionais e exerce influência e controle significativos em escala global. Um império global não é um império tradicional no sentido de um único estado conquistador que domina territórios e povos por meio da força militar, mas sim uma estrutura de poder que se baseia em uma combinação de fatores.
  • 24. DOMÍNIO ECONÔMICO  Os impérios globais geralmente são caracterizados por um domínio significativo sobre a economia global. Isso pode envolver o controle de recursos naturais, a liderança em indústrias-chave, a influência sobre instituições financeiras internacionais e o comércio global.
  • 25. PODER POLÍTICO  Os impérios globais muitas vezes exercem influência substancial sobre instituições políticas e organizações internacionais. Eles podem moldar a formulação de políticas em escala global e influenciar a tomada de decisões em questões críticas, como segurança, diplomacia e direitos humanos.
  • 26. INFLUÊNCIA CULTURAL  Além do poder econômico e político, os impérios globais também exercem influência cultural e soft power. Isso pode envolver a disseminação da língua, cultura popular, valores e ideias por meio de mídia, entretenimento, educação e outros meios.
  • 27. REDES GLOBAIS  Os impérios globais muitas vezes operam por meio de redes complexas que conectam empresas, organizações não governamentais, instituições financeiras, governos e outras entidades em todo o mundo. Essas redes podem facilitar o fluxo de recursos, informações e influência.
  • 28. TECNOLOGIA E INFORMAÇÃO  A liderança em tecnologia e inovação é frequentemente um componente importante de um império global. Isso pode incluir empresas líderes em tecnologia da informação, pesquisa científica avançada e desenvolvimento de novas tecnologias.