SlideShare uma empresa Scribd logo
PERÍODO REGENCIAL (1831-1840)
Prof.ª. Magna
PRIMEIRO
REINADO
1822-1831
PERIODO
REGENCIAL
1831-1840
SEGUNDO
REINADO
1840- 1889
HISTÓRIA, 8º Ano do Ensino Fundamental
D. João VI no Brasil – Início do Processo de
Independência do Brasil
Em 1831, D. Pedro I abdicou do trono em favor de seu filho
Pedro de Alcântara, que tinha apenas 5 anos de idade.
Príncipe Pedro de Alcântara
Conforme as regras da Constituição do Império, o Brasil
seria governado por três regentes.
As regências durariam até Pedrinho
atingir a maioridade (18 anos).
O período regencial foi marcado
também por importantes revoltas
políticas e sociais que agitaram a
vida do país.
Representavam
Esquerda liberal
Objetivos
Liberalização máxima
na política, autonomia
nas províncias
Democratização nas
eleições e diversas
reformas sociais e
econômicas.
PARTIDO EXALTADO
Líder Cipriano Barata
Representavam
Direita liberal
Objetivos
Defender os
interesses dos grandes
fazendeiros, com o
mínimo de alteração
Manter a “lei e a
ordem”, usando
principalmente a
polícia.
PARTIDO MODERADO
Líder Feijó
Tendências Políticas do Período
HISTÓRIA, 8º Ano do Ensino Fundamental
D. João VI no Brasil – Início do Processo de
Independência do Brasil
Tendências Políticas do Período
Representavam
Direita Conservadora
Objetivos
A volta de D. Pedro I
PARTIDO RESTAURADOR
Líderes José Bonifácio
HISTÓRIA, 8º Ano do Ensino Fundamental
D. João VI no Brasil – Início do Processo de
Independência do Brasil
FASES:
Regência Trina Provisória (Abr / Jul 1831);
Regência Trina Permanente (1831 – 1834);
Regência Una do Padre Feijó (1835 – 1837);
Regência Una de Araújo Lima (1837 – 1840).
AVANÇO
LIBERAL
REGRESSO
CONSERVADOR
HISTÓRIA, 8º Ano do Ensino Fundamental
D. João VI no Brasil – Início do Processo de
Independência do Brasil
HISTÓRIA, 8º Ano do Ensino Fundamental
D. João VI no Brasil – Início do Processo de
Independência do Brasil
HISTÓRIA, 8º Ano do Ensino Fundamental
D. João VI no Brasil – Início do Processo de
Independência do Brasil
Avanço Liberal
(1831-1837)
DESCENTRALIZAÇÃO
Regresso Conservador
(1837-1840)
CENTRALIZAÇÃO
Teoria do Ovo Frito
AVANÇO LIBERAL (1831-1837)
Descentralização (“clara do ovo”)
GUARDA NACIONAL (1831)
Força paramilitar elitista (“Coronel”).
AVANÇO LIBERAL (1831-1837)
Descentralização (“clara do ovo”)
CÓDIGO DO PROCESSO CRIMINAL(1832)
 Descentralização da justiça;
 Juiz de Paz (eleito localmente);
 Habeas Corpus.
AVANÇO LIBERAL (1831-1837)
Descentralização (“clara do ovo”)
ATO ADICIONAL DE 1834
 Foi uma reforma na Constituição;
 Criação das Assembleias
Legislativas Municipais;
 Extinção do Conselho de Estado;
 Município neutro: RJ;
 Suspensão do Poder Moderador;
 Criação da Regência Una.
HISTÓRIA, 8º Ano do Ensino Fundamental
D. João VI no Brasil – Início do Processo de
Independência do Brasil
REGRESSO CONSERVADOR (1837-1840)
Centralização (“gema do ovo”)
LEI DE INTERPRETAÇÃO DO ATO ADICIONAL (1840)
 Centralização administrativa.
REGÊNCIA DE ARAÚJO LIMA (1837-1840)
REGRESSO CONSERVADOR (1837-1840)
Centralização (“gema do ovo”)
GOLPE DA MAIORIDADE (1840)
 LIBERAIS + CONSERVADORES = Antecipação
da maioridade de D. Pedro II.
 Estabilidade política.
 Contenção das
revoltas provinciais.
REVOLTAS REGENCIAIS
HISTÓRIA, 8º Ano do Ensino Fundamental
D. João VI no Brasil – Início do Processo de
Independência do Brasil
REVOLTAS REGENCIAIS
REVOLTA DOS MALÊS (BA – 1835)
 Revolta negra islâmica.
CABANAGEM (PA – 1835-1840)
SABINADA (BA – 1837)
BALAIADA (MA – 1838-1841)
FARROUPILHA (RS – 1835-1845)
+ Popular
+ Elitista
CABANAGEM
Pará (1835-1840)
CABANAGEM
Pará (1835-1840)
• CAUSAS: Isolamento da província,
discordância dos participantes com o
governo de D. Pedro I.
• OBJETIVOS: Independência da
Província e Proclamação de uma república.
• LÍDERES: Antônio Malcher, Francisco
Vinagre e Eduardo Angelim.
• TERMINOU: Reação violenta do governo
houve entre 30 ou 40 mil mortos.
CABANAGEM
Pará (1835-1840)
CARACTERÍSTICAS
 Ampla participação popular (índios, negros,
mestiços, escravos ou livres, porém, todos sem
posses).
 Luta contra desigualdades.
 Sem programa político definido.
 Chegaram a tomar o poder mas foram traídos.
 Por ser a mais popular das revoltas, foi a mais
severamente reprimida.
SABINADA
Bahia (1837)
Bandeira da República Bahiense,
proclamada durante a rebelião. Francisco Sabino, líder da revolta
SABINADA
Bahia (1837)
• CAUSAS: Oposição ao centralismo,
renuncia de Feijó e eleição de Araújo Silva
• OBJETIVO: Falta de propostas
concretas, tinha caráter separatista até
D. Pedro II assumir.
• LÍDER: Francisco Sabino Álvares da
Rocha
• TERMINOU: prisões e mortes.
SABINADA
Bahia (1837)
CARACTERÍSTICAS
 Dificuldades econômicas da Província (causa
principal) e recrutamento forçado para lutar
contra os Farrapos no sul (causa imediata).
 Objetivo: República Provisória até a maioridade
de D. Pedro II.
 Adesão da classe média urbana.
 Líderes presos ou mortos e expulsos da Bahia.
BALAIADA
Maranhão (1838-1841)
BALAIADA
Maranhão (1838-1841)
• CAUSAS: Crise econômica do algodão e
divergências entre grupos locais.
• OBJETIVO: Falta de propostas concretas
e antilusitanas.
• LÍDER: Balaios: Raimundo Gomes, Manuel
Francisco dos Anjos e o preto Cosme
• TERMINOU: Prisão e condenação à
morte.
BALAIADA
Maranhão (1838-1841)
CARACTERÍSTICAS
 Manuel dos Anjos Ferreira (o “Balaio”), Raimundo
Gomes (o “Cara Preta”) e Negro Cosme Bento:
principais líderes.
 Causas: pobreza generalizada, concorrência com
algodão dos EUA, privilégios de latifundiários e
comerciantes portugueses.
 Vinganças pessoais (sem projeto político).
 Desunião entre participantes.
 Manipulados e traídos pelos liberais locais (“bem-te-
vis”).
 Reprimidos por Luís Alves de Lima e Silva (futuro
Duque de Caxias).
REVOLTA DOS MALÊS
Bahia (1835)
REVOLTA DOS MALÊS
Bahia (1835)
• CAUSAS: Contra a escravidão e contra a
obrigatoriedade de praticar o catolicismo.
• OBJETIVO: Implantar uma república
islâmica na Bahia.
• LÍDER: Manuel Calafate, Aprígio e Pai
Inácio.
• TERMINOU: Prisão, torturas e mortes.
REVOLUÇÃO FARROUPILHA/
GUERRA DOS FARRAPOS
Rio Grande do Sul (1835-1845)
Batalha de Farrapos. José Wasth Rodrigues.
REVOLUÇÃO FARROUPILHA/
GUERRA DOS FARRAPOS
Rio Grande do Sul (1835-1845)
• CAUSAS: impostos exigidos pela produção de
charque; discordância dos participantes com o
centralismo administrativo e político.
• OBJETIVOS: Autonomia provincial, formação
de uma República independente.
• LÍDER FARRAPOS: Bento Gonçalves, Canabarro
e Garibaldi
• TERMINOU: após 10 anos de guerra, assinou
um acordo de paz; anistia os culpados
incorporando os farrapos às tropas do governo.
REVOLUÇÃO FARROUPILHA/
GUERRA DOS FARRAPOS
Rio Grande do Sul (1835-1845)
CARACTERÍSTICAS
 A mais elitista e longa de todas as revoltas.
 Causas: Altos impostos sobre o charque gaúcho; Baixos
impostos de importação sobre o charque platino (ARG
e URU); Nomeação do Presidente de Província
(governador) pelo Rio de Janeiro, contrário aos
interesses gaúchos.
 Proclamação da República do Piratini, ou República
Rio-Grandense (RS, a partir de 1835) e da República
Juliana (SC, de jul-nov de 1839).
REVOLUÇÃO FARROUPILHA/
GUERRA DOS FARRAPOS
Rio Grande do Sul (1835-1845)
 Acordo encerra conflito em 1845: “Paz de Ponche
Verde”
 Anistia dos envolvidos gaúchos;
 Incorporação dos farrapos no exército nacional;
 Permissão para escolher o Presidente de Província;
 Devolução de terras confiscadas na guerra;
 Proteção ao charque gaúcho da concorrência externa;
 “Surpresa de Porongos” (traição aos negros –
14/11/1844)
Brasão de Porto Alegre: o termo “ leal
e valorosa” refere-se ao apoio prestado
pela cidade ao governo central (RJ).
Garibaldi
Bandeira dos farrapos Bandeira da República Juliana
Hora de Exercitar!
01
(ENEM) Após a abdicação de D. Pedro I, o Brasil atravessou um período
marcado por inúmeras crises: as diversas forças políticas lutavam pelo
poder e as reivindicações populares eram por melhores condições de vida
e pelo direito de participação na vida política do país. Os conflitos
representavam também o protesto contra a centralização do governo.
Nesse período, ocorreu também a expansão da cultura cafeeira e o
surgimento do poderoso grupo dos "barões do café", para o qual era
fundamental a manutenção da escravidão e do tráfico negreiro.
O contexto do Período Regencial foi marcado
A) por revoltas populares que reclamavam a volta da monarquia.
B) por várias crises e pela submissão das forças políticas ao poder
central.
C) pela luta entre os principais grupos políticos que reivindicavam
melhores condições de vida.
D) pelo governo dos chamados regentes, que promoveram a ascensão social
dos "barões do café".
E ) pela convulsão política e por novas realidades econômicas que exigiam o
reforço de velhas realidades sociais.
02
O Período Regencial (1831-1840) foi marcado
por uma série de revoltas em vários pontos do
Brasil. Sobre as revoltas ocorridas no Período
Regencial, indique qual das alternativas abaixo
está INCORRETA:
A) Balaiada, no Maranhão.
B) Sabinada, na Bahia.
C) Inconfidência Mineira, em Minas Gerais.
D) Revolta Farroupilha, no Sul do país.
03
(UFV) Observe a imagem a seguir:
03
Com relação a Guarda Nacional, criada durante o Império, é
CORRETO afirmar que:
A) funcionava como única força armada que podia defender os
interesses dos escravistas e coibir a fuga dos escravos.
B) objetivava o controle da Corte e da burocracia imperial, alvos
frequentes de manifestações populares de descontentamento.
C) tinha por finalidade a garantia da segurança e da ordem,
defendendo a Constituição, a obediência as leis e a integridade do
Império.
D) atuava na defesa das fronteiras externas brasileiras,
impedindo a expansão dos países platinos em direção ao território
brasileiro.
04
(Fuvest) O período regencial foi politicamente marcado
pela aprovação do Ato Adicional que:
A) criou o Conselho de Estado.
B) implantou a Guarda Nacional.
C) transformou a Regência Trina em Regência Una.
D) extinguiu as Assembleias Legislativas Provinciais.
E) eliminou a vitaliciedade do Senado.
05
(ESPM) Num momento da história do império conhecido como
"avanço liberal", durante as regências, foram adotadas
algumas medidas que concediam maior poder à representação
local.
(Sonia Guarita do Amaral. O Brasil como império)
Aponte entre as alternativas aquela que apresente duas
reformas liberais:
A) Ato Adicional - Reforma do Código de Processo Criminal.
B) Lei de Terras - Lei Saraiva Cotegipe.
C) Lei Rio Branco - Código de Processo Criminal.
D) Tarifa Alves Branco - Lei Interpretativa do Ato Adicional.
E) Código de Processo Criminal - Ato Adicional.
06
(UEL-PR) “[...] explodiu na província do Grão-Pará o
movimento armado mais popular do Brasil [...]. Foi uma das
rebeliões brasileiras em que as camadas inferiores
ocuparam o poder.”
Ao texto podem-se associar:
A) a Regência e a Cabanagem.
B) o Primeiro Reinado e a Praieira.
C) o Segundo Reinado e a Farroupilha.
D) o Período Joanino e a Sabinada.
E) a abdicação e a Noite das Garrafadas.
07
"Em 1835, o temor da "haitianização" que já era comum entre
muitos políticos do Primeiro Reinado, cresceu ainda mais
depois da veiculação da estarrecedora notícia: milhares de
escravos se amotinaram a ameaçavam tomar a capital da
província."
O texto acima trata da:
A) Balaiada ocorrida no Maranhão.
B) Revolta dos Quebra-Quilos, verificada em Alagoas.
C) Abrilada, detonada no Rio de Janeiro.
D) Revolta dos Malês, ocorrida na Bahia.
E) Revolta do "Maneta", destravada em Pernambuco.
08
(MACKENZIE) “As causas da ___________ eram anunciadas por
Bento Gonçalves no manifesto de 29 de agosto de 1838,
denunciando as altas tarifas sobre os produtos regionais: ouro,
sebo, charque e graxa. Política esta responsável pela separação da
província de São Pedro do Rio Grande do Sul da Comunidade
Brasileira.” Foi uma revolta da elite.
Marque a alternativa que completa corretamente o texto
seguinte:
A) Cabanagem
B) Balaiada
C) Farroupilha
D) Sabinada
E) Confederação do Equador
09
(UFF) Por ser o herdeiro de menor idade, a abdicação de D. Pedro
I, em 1831, resultou na formação de governos regenciais que, até
1840, enfrentaram inúmeras dificuldades para manter a
integridade territorial do Império. Entre as várias rebeliões
irrompidas nas províncias, a ocorrida no Maranhão notabilizou-se
pela diversidade social dos insurgentes, entre os quais não
faltaram escravos a quilombolas e camponeses e vaqueiros.
A revolta mencionada denomina-se:
A) Cabanagem
B) Balaiada
C) Farroupilha
D) Revolta dos Malês
E) Praieira
10
(UFPB) Sobre as insurreições ocorridas durante o Período Regencial, relacione o
movimento social à esquerda com sua característica à direita.
(1) Malês
(2) Balaiada
(3) Sabinada
(4) Farroupilha
(5) Cabanagem
(__) Rebelião iniciada em 1835 na província do
Grão-Pará, que levou as camadas populares ao
poder.
(__) Revolta ocorrida na Bahia em 1837, com
predominância das camadas médias urbanas de
Salvador.
(__) Revolta de sertanejos (vaqueiros e
camponeses) e negros escravos, que abalou o
Maranhão de 1838 e 1841.
(__) A mais longa revolta da história do Império
brasileiro, ocorrida no Rio Grande do Sul, de 1835
a 1845.
O preenchimento dos parênteses está na sequência CORRETA em:
A) 1, 3, 4, 2
B) 5, 3, 2, 4
C) 2, 1, 4, 5
D) 3, 4, 1, 2
E) 1, 2, 3, 4
11
(UNESP) A maioridade do príncipe D. Pedro foi antecipada, em
1840, para que ele pudesse assumir o trono brasileiro. Entre os
objetivos do chamado Golpe da Maioridade, podemos citar o
esforço de
A) obter o apoio das oligarquias regionais, insatisfeitas com a
centralização política ocorrida durante o Período Regencial.
B) ampliar a autonomia das províncias e reduzir a interferência do
poder central nas unidades administrativas.
C) abolir o Ato Adicional de 1834 e aumentar os efeitos federalistas
da Lei Interpretativa do Ato, editada seis anos depois.
D) promover ampla reforma constitucional de caráter liberal e
democrático no país, reagindo ao centralismo da Constituição de
1824.
E) restabelecer a estabilidade política, comprometida durante o
Período Regencial, e conter revoltas de caráter regionalista.
HISTÓRIA, 8º Ano do Ensino Fundamental
D. João VI no Brasil – Início do Processo de
Independência do Brasil

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a PERÍODO REGENCIAL.ppt

A Partir Da Regencia
A Partir Da RegenciaA Partir Da Regencia
A Partir Da Regencia
guest923616
 
Brasil império período regencial (1831-1840)
Brasil império   período regencial (1831-1840)Brasil império   período regencial (1831-1840)
Brasil império período regencial (1831-1840)
sissapb
 
Brasil Império2018
Brasil Império2018Brasil Império2018
Brasil Império2018
Zeze Silva
 
Período regencial (1ª aula simulada)
Período regencial (1ª aula simulada)Período regencial (1ª aula simulada)
Período regencial (1ª aula simulada)
Débora Rodrigues
 
Resumo História - ESA ordem cronológica.
Resumo História - ESA ordem cronológica.Resumo História - ESA ordem cronológica.
Resumo História - ESA ordem cronológica.
GiuliFelix
 
Brasil Império - Período Regencial (1831-1840)
Brasil Império  - Período Regencial (1831-1840)Brasil Império  - Período Regencial (1831-1840)
Brasil Império - Período Regencial (1831-1840)
Isaquel Silva
 
Basicão – Brasil Império - 3ano – rafa= ]
Basicão – Brasil Império - 3ano – rafa= ]Basicão – Brasil Império - 3ano – rafa= ]
Basicão – Brasil Império - 3ano – rafa= ]
Rafael Noronha
 
A Partir De D. Joao VI
A Partir De D. Joao VIA Partir De D. Joao VI
A Partir De D. Joao VI
guest923616
 
A Partir De D. Joao VI
A Partir De D. Joao VIA Partir De D. Joao VI
A Partir De D. Joao VI
guest923616
 
2º ano brasil império
2º ano brasil império2º ano brasil império
2º ano brasil império
Rafael Noronha
 
Período regencial (1831 1840)
Período regencial (1831  1840)Período regencial (1831  1840)
Período regencial (1831 1840)
Marilia Pimentel
 
Periodo regencial
Periodo regencialPeriodo regencial
Periodo regencial
Zeze Silva
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Fabiana Tonsis
 
Os caminhos da política imperial brasileira
Os caminhos da política imperial brasileiraOs caminhos da política imperial brasileira
Os caminhos da política imperial brasileira
Washington Souza
 
2° ano Primeiro Reinado e Regências
2° ano   Primeiro Reinado e Regências2° ano   Primeiro Reinado e Regências
2° ano Primeiro Reinado e Regências
Daniel Alves Bronstrup
 
1º reinado
1º reinado1º reinado
1º reinado
harlissoncarvalho
 
3° ano período regencial
3° ano   período regencial3° ano   período regencial
3° ano período regencial
Daniel Alves Bronstrup
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Lucas Cardoso
 
7 regências
7  regências7  regências
7 regências
José Augusto Fiorin
 
segundo Reinado - ok.ppt
segundo Reinado - ok.pptsegundo Reinado - ok.ppt
segundo Reinado - ok.ppt
dawdsoncangussu
 

Semelhante a PERÍODO REGENCIAL.ppt (20)

A Partir Da Regencia
A Partir Da RegenciaA Partir Da Regencia
A Partir Da Regencia
 
Brasil império período regencial (1831-1840)
Brasil império   período regencial (1831-1840)Brasil império   período regencial (1831-1840)
Brasil império período regencial (1831-1840)
 
Brasil Império2018
Brasil Império2018Brasil Império2018
Brasil Império2018
 
Período regencial (1ª aula simulada)
Período regencial (1ª aula simulada)Período regencial (1ª aula simulada)
Período regencial (1ª aula simulada)
 
Resumo História - ESA ordem cronológica.
Resumo História - ESA ordem cronológica.Resumo História - ESA ordem cronológica.
Resumo História - ESA ordem cronológica.
 
Brasil Império - Período Regencial (1831-1840)
Brasil Império  - Período Regencial (1831-1840)Brasil Império  - Período Regencial (1831-1840)
Brasil Império - Período Regencial (1831-1840)
 
Basicão – Brasil Império - 3ano – rafa= ]
Basicão – Brasil Império - 3ano – rafa= ]Basicão – Brasil Império - 3ano – rafa= ]
Basicão – Brasil Império - 3ano – rafa= ]
 
A Partir De D. Joao VI
A Partir De D. Joao VIA Partir De D. Joao VI
A Partir De D. Joao VI
 
A Partir De D. Joao VI
A Partir De D. Joao VIA Partir De D. Joao VI
A Partir De D. Joao VI
 
2º ano brasil império
2º ano brasil império2º ano brasil império
2º ano brasil império
 
Período regencial (1831 1840)
Período regencial (1831  1840)Período regencial (1831  1840)
Período regencial (1831 1840)
 
Periodo regencial
Periodo regencialPeriodo regencial
Periodo regencial
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Os caminhos da política imperial brasileira
Os caminhos da política imperial brasileiraOs caminhos da política imperial brasileira
Os caminhos da política imperial brasileira
 
2° ano Primeiro Reinado e Regências
2° ano   Primeiro Reinado e Regências2° ano   Primeiro Reinado e Regências
2° ano Primeiro Reinado e Regências
 
1º reinado
1º reinado1º reinado
1º reinado
 
3° ano período regencial
3° ano   período regencial3° ano   período regencial
3° ano período regencial
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
7 regências
7  regências7  regências
7 regências
 
segundo Reinado - ok.ppt
segundo Reinado - ok.pptsegundo Reinado - ok.ppt
segundo Reinado - ok.ppt
 

Mais de WLLIANEMARTINSDESOUS

Caderno.pdf
Caderno.pdfCaderno.pdf
ROLETA MATEMATICA.pptx
ROLETA MATEMATICA.pptxROLETA MATEMATICA.pptx
ROLETA MATEMATICA.pptx
WLLIANEMARTINSDESOUS
 
FILOSOFIA CAP. 1.pptx
FILOSOFIA CAP. 1.pptxFILOSOFIA CAP. 1.pptx
FILOSOFIA CAP. 1.pptx
WLLIANEMARTINSDESOUS
 
Doc2OLIMPIADA.pdf
Doc2OLIMPIADA.pdfDoc2OLIMPIADA.pdf
Doc2OLIMPIADA.pdf
WLLIANEMARTINSDESOUS
 
pauta planejamento março 2023.pptx
pauta planejamento março 2023.pptxpauta planejamento março 2023.pptx
pauta planejamento março 2023.pptx
WLLIANEMARTINSDESOUS
 
AtestadodeMatrcula.pdf
AtestadodeMatrcula.pdfAtestadodeMatrcula.pdf
AtestadodeMatrcula.pdf
WLLIANEMARTINSDESOUS
 
A ERA VARGAS- MARINA.pptx
A ERA VARGAS- MARINA.pptxA ERA VARGAS- MARINA.pptx
A ERA VARGAS- MARINA.pptx
WLLIANEMARTINSDESOUS
 
feudalismo [Salvo automaticamente].pptx
feudalismo [Salvo automaticamente].pptxfeudalismo [Salvo automaticamente].pptx
feudalismo [Salvo automaticamente].pptx
WLLIANEMARTINSDESOUS
 

Mais de WLLIANEMARTINSDESOUS (8)

Caderno.pdf
Caderno.pdfCaderno.pdf
Caderno.pdf
 
ROLETA MATEMATICA.pptx
ROLETA MATEMATICA.pptxROLETA MATEMATICA.pptx
ROLETA MATEMATICA.pptx
 
FILOSOFIA CAP. 1.pptx
FILOSOFIA CAP. 1.pptxFILOSOFIA CAP. 1.pptx
FILOSOFIA CAP. 1.pptx
 
Doc2OLIMPIADA.pdf
Doc2OLIMPIADA.pdfDoc2OLIMPIADA.pdf
Doc2OLIMPIADA.pdf
 
pauta planejamento março 2023.pptx
pauta planejamento março 2023.pptxpauta planejamento março 2023.pptx
pauta planejamento março 2023.pptx
 
AtestadodeMatrcula.pdf
AtestadodeMatrcula.pdfAtestadodeMatrcula.pdf
AtestadodeMatrcula.pdf
 
A ERA VARGAS- MARINA.pptx
A ERA VARGAS- MARINA.pptxA ERA VARGAS- MARINA.pptx
A ERA VARGAS- MARINA.pptx
 
feudalismo [Salvo automaticamente].pptx
feudalismo [Salvo automaticamente].pptxfeudalismo [Salvo automaticamente].pptx
feudalismo [Salvo automaticamente].pptx
 

Último

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 

PERÍODO REGENCIAL.ppt

  • 3. HISTÓRIA, 8º Ano do Ensino Fundamental D. João VI no Brasil – Início do Processo de Independência do Brasil Em 1831, D. Pedro I abdicou do trono em favor de seu filho Pedro de Alcântara, que tinha apenas 5 anos de idade. Príncipe Pedro de Alcântara Conforme as regras da Constituição do Império, o Brasil seria governado por três regentes. As regências durariam até Pedrinho atingir a maioridade (18 anos). O período regencial foi marcado também por importantes revoltas políticas e sociais que agitaram a vida do país.
  • 4.
  • 5. Representavam Esquerda liberal Objetivos Liberalização máxima na política, autonomia nas províncias Democratização nas eleições e diversas reformas sociais e econômicas. PARTIDO EXALTADO Líder Cipriano Barata Representavam Direita liberal Objetivos Defender os interesses dos grandes fazendeiros, com o mínimo de alteração Manter a “lei e a ordem”, usando principalmente a polícia. PARTIDO MODERADO Líder Feijó Tendências Políticas do Período
  • 6. HISTÓRIA, 8º Ano do Ensino Fundamental D. João VI no Brasil – Início do Processo de Independência do Brasil Tendências Políticas do Período Representavam Direita Conservadora Objetivos A volta de D. Pedro I PARTIDO RESTAURADOR Líderes José Bonifácio
  • 7.
  • 8. HISTÓRIA, 8º Ano do Ensino Fundamental D. João VI no Brasil – Início do Processo de Independência do Brasil FASES: Regência Trina Provisória (Abr / Jul 1831); Regência Trina Permanente (1831 – 1834); Regência Una do Padre Feijó (1835 – 1837); Regência Una de Araújo Lima (1837 – 1840). AVANÇO LIBERAL REGRESSO CONSERVADOR
  • 9. HISTÓRIA, 8º Ano do Ensino Fundamental D. João VI no Brasil – Início do Processo de Independência do Brasil
  • 10. HISTÓRIA, 8º Ano do Ensino Fundamental D. João VI no Brasil – Início do Processo de Independência do Brasil
  • 11. HISTÓRIA, 8º Ano do Ensino Fundamental D. João VI no Brasil – Início do Processo de Independência do Brasil Avanço Liberal (1831-1837) DESCENTRALIZAÇÃO Regresso Conservador (1837-1840) CENTRALIZAÇÃO Teoria do Ovo Frito
  • 12. AVANÇO LIBERAL (1831-1837) Descentralização (“clara do ovo”) GUARDA NACIONAL (1831) Força paramilitar elitista (“Coronel”).
  • 13. AVANÇO LIBERAL (1831-1837) Descentralização (“clara do ovo”) CÓDIGO DO PROCESSO CRIMINAL(1832)  Descentralização da justiça;  Juiz de Paz (eleito localmente);  Habeas Corpus.
  • 14. AVANÇO LIBERAL (1831-1837) Descentralização (“clara do ovo”) ATO ADICIONAL DE 1834  Foi uma reforma na Constituição;  Criação das Assembleias Legislativas Municipais;  Extinção do Conselho de Estado;  Município neutro: RJ;  Suspensão do Poder Moderador;  Criação da Regência Una.
  • 15. HISTÓRIA, 8º Ano do Ensino Fundamental D. João VI no Brasil – Início do Processo de Independência do Brasil
  • 16. REGRESSO CONSERVADOR (1837-1840) Centralização (“gema do ovo”) LEI DE INTERPRETAÇÃO DO ATO ADICIONAL (1840)  Centralização administrativa. REGÊNCIA DE ARAÚJO LIMA (1837-1840)
  • 17. REGRESSO CONSERVADOR (1837-1840) Centralização (“gema do ovo”) GOLPE DA MAIORIDADE (1840)  LIBERAIS + CONSERVADORES = Antecipação da maioridade de D. Pedro II.  Estabilidade política.  Contenção das revoltas provinciais.
  • 18.
  • 20. HISTÓRIA, 8º Ano do Ensino Fundamental D. João VI no Brasil – Início do Processo de Independência do Brasil
  • 21. REVOLTAS REGENCIAIS REVOLTA DOS MALÊS (BA – 1835)  Revolta negra islâmica. CABANAGEM (PA – 1835-1840) SABINADA (BA – 1837) BALAIADA (MA – 1838-1841) FARROUPILHA (RS – 1835-1845) + Popular + Elitista
  • 23. CABANAGEM Pará (1835-1840) • CAUSAS: Isolamento da província, discordância dos participantes com o governo de D. Pedro I. • OBJETIVOS: Independência da Província e Proclamação de uma república. • LÍDERES: Antônio Malcher, Francisco Vinagre e Eduardo Angelim. • TERMINOU: Reação violenta do governo houve entre 30 ou 40 mil mortos.
  • 24. CABANAGEM Pará (1835-1840) CARACTERÍSTICAS  Ampla participação popular (índios, negros, mestiços, escravos ou livres, porém, todos sem posses).  Luta contra desigualdades.  Sem programa político definido.  Chegaram a tomar o poder mas foram traídos.  Por ser a mais popular das revoltas, foi a mais severamente reprimida.
  • 25. SABINADA Bahia (1837) Bandeira da República Bahiense, proclamada durante a rebelião. Francisco Sabino, líder da revolta
  • 26. SABINADA Bahia (1837) • CAUSAS: Oposição ao centralismo, renuncia de Feijó e eleição de Araújo Silva • OBJETIVO: Falta de propostas concretas, tinha caráter separatista até D. Pedro II assumir. • LÍDER: Francisco Sabino Álvares da Rocha • TERMINOU: prisões e mortes.
  • 27. SABINADA Bahia (1837) CARACTERÍSTICAS  Dificuldades econômicas da Província (causa principal) e recrutamento forçado para lutar contra os Farrapos no sul (causa imediata).  Objetivo: República Provisória até a maioridade de D. Pedro II.  Adesão da classe média urbana.  Líderes presos ou mortos e expulsos da Bahia.
  • 29. BALAIADA Maranhão (1838-1841) • CAUSAS: Crise econômica do algodão e divergências entre grupos locais. • OBJETIVO: Falta de propostas concretas e antilusitanas. • LÍDER: Balaios: Raimundo Gomes, Manuel Francisco dos Anjos e o preto Cosme • TERMINOU: Prisão e condenação à morte.
  • 30. BALAIADA Maranhão (1838-1841) CARACTERÍSTICAS  Manuel dos Anjos Ferreira (o “Balaio”), Raimundo Gomes (o “Cara Preta”) e Negro Cosme Bento: principais líderes.  Causas: pobreza generalizada, concorrência com algodão dos EUA, privilégios de latifundiários e comerciantes portugueses.  Vinganças pessoais (sem projeto político).  Desunião entre participantes.  Manipulados e traídos pelos liberais locais (“bem-te- vis”).  Reprimidos por Luís Alves de Lima e Silva (futuro Duque de Caxias).
  • 32. REVOLTA DOS MALÊS Bahia (1835) • CAUSAS: Contra a escravidão e contra a obrigatoriedade de praticar o catolicismo. • OBJETIVO: Implantar uma república islâmica na Bahia. • LÍDER: Manuel Calafate, Aprígio e Pai Inácio. • TERMINOU: Prisão, torturas e mortes.
  • 33. REVOLUÇÃO FARROUPILHA/ GUERRA DOS FARRAPOS Rio Grande do Sul (1835-1845) Batalha de Farrapos. José Wasth Rodrigues.
  • 34. REVOLUÇÃO FARROUPILHA/ GUERRA DOS FARRAPOS Rio Grande do Sul (1835-1845) • CAUSAS: impostos exigidos pela produção de charque; discordância dos participantes com o centralismo administrativo e político. • OBJETIVOS: Autonomia provincial, formação de uma República independente. • LÍDER FARRAPOS: Bento Gonçalves, Canabarro e Garibaldi • TERMINOU: após 10 anos de guerra, assinou um acordo de paz; anistia os culpados incorporando os farrapos às tropas do governo.
  • 35. REVOLUÇÃO FARROUPILHA/ GUERRA DOS FARRAPOS Rio Grande do Sul (1835-1845) CARACTERÍSTICAS  A mais elitista e longa de todas as revoltas.  Causas: Altos impostos sobre o charque gaúcho; Baixos impostos de importação sobre o charque platino (ARG e URU); Nomeação do Presidente de Província (governador) pelo Rio de Janeiro, contrário aos interesses gaúchos.  Proclamação da República do Piratini, ou República Rio-Grandense (RS, a partir de 1835) e da República Juliana (SC, de jul-nov de 1839).
  • 36. REVOLUÇÃO FARROUPILHA/ GUERRA DOS FARRAPOS Rio Grande do Sul (1835-1845)  Acordo encerra conflito em 1845: “Paz de Ponche Verde”  Anistia dos envolvidos gaúchos;  Incorporação dos farrapos no exército nacional;  Permissão para escolher o Presidente de Província;  Devolução de terras confiscadas na guerra;  Proteção ao charque gaúcho da concorrência externa;  “Surpresa de Porongos” (traição aos negros – 14/11/1844) Brasão de Porto Alegre: o termo “ leal e valorosa” refere-se ao apoio prestado pela cidade ao governo central (RJ).
  • 37. Garibaldi Bandeira dos farrapos Bandeira da República Juliana
  • 39. 01 (ENEM) Após a abdicação de D. Pedro I, o Brasil atravessou um período marcado por inúmeras crises: as diversas forças políticas lutavam pelo poder e as reivindicações populares eram por melhores condições de vida e pelo direito de participação na vida política do país. Os conflitos representavam também o protesto contra a centralização do governo. Nesse período, ocorreu também a expansão da cultura cafeeira e o surgimento do poderoso grupo dos "barões do café", para o qual era fundamental a manutenção da escravidão e do tráfico negreiro. O contexto do Período Regencial foi marcado A) por revoltas populares que reclamavam a volta da monarquia. B) por várias crises e pela submissão das forças políticas ao poder central. C) pela luta entre os principais grupos políticos que reivindicavam melhores condições de vida. D) pelo governo dos chamados regentes, que promoveram a ascensão social dos "barões do café". E ) pela convulsão política e por novas realidades econômicas que exigiam o reforço de velhas realidades sociais.
  • 40. 02 O Período Regencial (1831-1840) foi marcado por uma série de revoltas em vários pontos do Brasil. Sobre as revoltas ocorridas no Período Regencial, indique qual das alternativas abaixo está INCORRETA: A) Balaiada, no Maranhão. B) Sabinada, na Bahia. C) Inconfidência Mineira, em Minas Gerais. D) Revolta Farroupilha, no Sul do país.
  • 41. 03 (UFV) Observe a imagem a seguir:
  • 42. 03 Com relação a Guarda Nacional, criada durante o Império, é CORRETO afirmar que: A) funcionava como única força armada que podia defender os interesses dos escravistas e coibir a fuga dos escravos. B) objetivava o controle da Corte e da burocracia imperial, alvos frequentes de manifestações populares de descontentamento. C) tinha por finalidade a garantia da segurança e da ordem, defendendo a Constituição, a obediência as leis e a integridade do Império. D) atuava na defesa das fronteiras externas brasileiras, impedindo a expansão dos países platinos em direção ao território brasileiro.
  • 43. 04 (Fuvest) O período regencial foi politicamente marcado pela aprovação do Ato Adicional que: A) criou o Conselho de Estado. B) implantou a Guarda Nacional. C) transformou a Regência Trina em Regência Una. D) extinguiu as Assembleias Legislativas Provinciais. E) eliminou a vitaliciedade do Senado.
  • 44. 05 (ESPM) Num momento da história do império conhecido como "avanço liberal", durante as regências, foram adotadas algumas medidas que concediam maior poder à representação local. (Sonia Guarita do Amaral. O Brasil como império) Aponte entre as alternativas aquela que apresente duas reformas liberais: A) Ato Adicional - Reforma do Código de Processo Criminal. B) Lei de Terras - Lei Saraiva Cotegipe. C) Lei Rio Branco - Código de Processo Criminal. D) Tarifa Alves Branco - Lei Interpretativa do Ato Adicional. E) Código de Processo Criminal - Ato Adicional.
  • 45. 06 (UEL-PR) “[...] explodiu na província do Grão-Pará o movimento armado mais popular do Brasil [...]. Foi uma das rebeliões brasileiras em que as camadas inferiores ocuparam o poder.” Ao texto podem-se associar: A) a Regência e a Cabanagem. B) o Primeiro Reinado e a Praieira. C) o Segundo Reinado e a Farroupilha. D) o Período Joanino e a Sabinada. E) a abdicação e a Noite das Garrafadas.
  • 46. 07 "Em 1835, o temor da "haitianização" que já era comum entre muitos políticos do Primeiro Reinado, cresceu ainda mais depois da veiculação da estarrecedora notícia: milhares de escravos se amotinaram a ameaçavam tomar a capital da província." O texto acima trata da: A) Balaiada ocorrida no Maranhão. B) Revolta dos Quebra-Quilos, verificada em Alagoas. C) Abrilada, detonada no Rio de Janeiro. D) Revolta dos Malês, ocorrida na Bahia. E) Revolta do "Maneta", destravada em Pernambuco.
  • 47. 08 (MACKENZIE) “As causas da ___________ eram anunciadas por Bento Gonçalves no manifesto de 29 de agosto de 1838, denunciando as altas tarifas sobre os produtos regionais: ouro, sebo, charque e graxa. Política esta responsável pela separação da província de São Pedro do Rio Grande do Sul da Comunidade Brasileira.” Foi uma revolta da elite. Marque a alternativa que completa corretamente o texto seguinte: A) Cabanagem B) Balaiada C) Farroupilha D) Sabinada E) Confederação do Equador
  • 48. 09 (UFF) Por ser o herdeiro de menor idade, a abdicação de D. Pedro I, em 1831, resultou na formação de governos regenciais que, até 1840, enfrentaram inúmeras dificuldades para manter a integridade territorial do Império. Entre as várias rebeliões irrompidas nas províncias, a ocorrida no Maranhão notabilizou-se pela diversidade social dos insurgentes, entre os quais não faltaram escravos a quilombolas e camponeses e vaqueiros. A revolta mencionada denomina-se: A) Cabanagem B) Balaiada C) Farroupilha D) Revolta dos Malês E) Praieira
  • 49. 10 (UFPB) Sobre as insurreições ocorridas durante o Período Regencial, relacione o movimento social à esquerda com sua característica à direita. (1) Malês (2) Balaiada (3) Sabinada (4) Farroupilha (5) Cabanagem (__) Rebelião iniciada em 1835 na província do Grão-Pará, que levou as camadas populares ao poder. (__) Revolta ocorrida na Bahia em 1837, com predominância das camadas médias urbanas de Salvador. (__) Revolta de sertanejos (vaqueiros e camponeses) e negros escravos, que abalou o Maranhão de 1838 e 1841. (__) A mais longa revolta da história do Império brasileiro, ocorrida no Rio Grande do Sul, de 1835 a 1845. O preenchimento dos parênteses está na sequência CORRETA em: A) 1, 3, 4, 2 B) 5, 3, 2, 4 C) 2, 1, 4, 5 D) 3, 4, 1, 2 E) 1, 2, 3, 4
  • 50. 11 (UNESP) A maioridade do príncipe D. Pedro foi antecipada, em 1840, para que ele pudesse assumir o trono brasileiro. Entre os objetivos do chamado Golpe da Maioridade, podemos citar o esforço de A) obter o apoio das oligarquias regionais, insatisfeitas com a centralização política ocorrida durante o Período Regencial. B) ampliar a autonomia das províncias e reduzir a interferência do poder central nas unidades administrativas. C) abolir o Ato Adicional de 1834 e aumentar os efeitos federalistas da Lei Interpretativa do Ato, editada seis anos depois. D) promover ampla reforma constitucional de caráter liberal e democrático no país, reagindo ao centralismo da Constituição de 1824. E) restabelecer a estabilidade política, comprometida durante o Período Regencial, e conter revoltas de caráter regionalista.
  • 51. HISTÓRIA, 8º Ano do Ensino Fundamental D. João VI no Brasil – Início do Processo de Independência do Brasil