SlideShare uma empresa Scribd logo
Faculdade de Educação e Cultura Montessori Claudia Ribeiro Grunow Profª  Rita Demarchi
OS HOLANDESES NO BRASIL UMA EXPEDIÇÃO PELO NORDESTE BRASILEIRO ATRAVÉS DO OLHAR DE ALBERT ECKHOUT E FRANZ POST
MAURICIO DE NASSAU ( Dillenburg ,  17 de junho  de  1604  —  Kleve ,  20 de dezembro  de  1679 O conde Johann Moritz of Nassau-Siegen tem um lugar especial na História do Brasil. Conhecido pelo nome "brasileiro", Maurício de Nassau, ele governou a  colônia holandesa  no Nordeste do Brasil, com a capital em Recife, de 1637 a 1644.
Humanista, Nassau estimulou as ciências e as artes. Fez construir um observatório astronômico, criou um jardim botânico e trouxe em sua comitiva mestres da pintura flamenga como  Albert  Eckout  e  Franz Post,  além de diversos artistas e cientistas, convidados a se juntar a ele num grande projeto que definiu como "exploração profunda e universal da terra".
ALBERT ECKHOUT (1610 – 1665) Eckhout  trabalhava em Amsterdã como ilustrador, e aos 26 anos foi convidado para a missão artística de Nassau. Esteve no Brasil entre 1637 e 1644. No período em que esteve no Nordeste brasileiro desenvolve intensa atividade como documentarista da fauna e da flora e como pintor de tipos humanos. A estada no Brasil é considerada sua principal fase. Nesse período, produz cerca de 400 desenhos e esboços a óleo. Há referências quanto ao fato de ter iniciado sua formação artística com  Gheet Rocleeffs , seu tio. é provável que tenha trabalhado com o arquiteto e pintor  Jacob Van Campen , que pode ter sido o responsável por sua indicação para a comitiva de Maurício de Nassau.
Cabaças finas, sd Cabaças, sd Frutas, sd Florescência de palmeira e cesta de temperos, sd
Etnias
 
Dança dos Tarairiu  (Tapuias) s.d, Óleo sobre tela, 172 x 295 cm
 
 
 
 
 
FRANZ POST Frans Janszoon Post  (1612 -80). Nasceu e faleceu em Haarlem,Holanda .  Pintor, desenhista e gravador.Junto com  Albert Eckhout  ,é considerado o mais relevante artista neêrlandes a serviço de Nassau na comitiva que o acompanhou ao nordeste  do Brasil. Tinha 24 anos quando chegou ao Brasil, residindo entre 1637 e 1644 em Recife, onde   desenvolveria grande atividade, documentando a paisagem e tomando apontamentos de portos e fortificações. .Pouco se sabe sobre a vida de  Franz Post , era filho do pintor de vitrais Jan Post, e irmão mais moço do arquiteto e pintor  Pieter Post , ignoram-se sua educação artística.
LIVRO DE BERLAEUS Maurício de Nassau planejava documentar toda sua estada em terras brasileiras, entre 1636 e 1644. Ao voltar para a Holanda mandou publicar, em 1647, o livro  Rerum per Octennuim in   Brasilia , editado por  Gaspar Barlaeus , uma crônica ilustrada contando seus feitos, o que resultou numa grande obra. Os dois pintores de sua comitiva foram encarregados também de produzir gravuras para ilustrar os volumes, sendo 32 delas assinadas por  Frans Post , feitas em 1645.  Um inventário oficial francês, que relaciona as obras doadas por Maurício de Nassau a Luis XIV, não descreve os quadros de  Post  e nem menciona seus títulos, talvez porque uma cópia do livro de  Barléu  acompanhava o presente. Na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro existe um raríssimo exemplar, que foi restaurado recentemente com patrocínio de um banco, o mesmo responsável pela reforma do prédio da biblioteca.
Rio São Francisco e o forte Maurits, 1638  óleo s/tela,  (Louvre  )
Vista da Ilha de Itamaracá   , 1637,óleo sobre tela 63,5 x 89,5 cm (Holanda) Vista da Ilha do Itamaracá   , séc. XVII  guache 38,4 x 54,1 cm
Vista da Cidade Maurícia e Recife  , 1657  óleo sobre madeira, 46 x 83 cm  obra executada na Holanda
Obras de Albert Eckhout 1ª  Mulher Africana,1641 óleo sobre tela, 267 x 173 cm 2ª  Mulher Mameluca,1641 óleo sobre tela, 271 x 173 cm 3ª  Índia Tupi,1641 óleo sobre tela, 274 x 163 cm 4ª  Índio Tarairiu, (Tapuia),1643 óleo sobre tela 272 x 161 cm 5ª  Índio Tupi,1643 óleo sobre tela, 272 x 163 cm 6ª  Índia Tarairiu, (Tapuia),1641 óleo sobre tela, 272 x 165 cm 7ª  Dança dos Tarairiu,(Tapuias), s.d 172 x 295 cm 8ª  Homem Africano,1641 óleo sobre tela, 273 x 167 cm  9ª  Homem  Mestiço, s.d  óleo sobre tela, 274 x 170 cm 10  Dom Miguel de Castro,enviado do Reino do Congo, s.d óleo sobre madeira (carvalho). 11ª Servo de Dom Miguel de Castro, com Presa de elefante, s.d óleo sobre madeira (carvalho) 72 x 62 Todas estas obras encontram-se no Museu Nacional da Dinamarca
Bibliografias Fundação Joaquim Nabuco Itaú cultural Instituto Ricardo Brennand Wikipédia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Historia do desenho inec
Historia do desenho inecHistoria do desenho inec
Historia do desenho inec
Antenor Lago
 
Grafite
GrafiteGrafite
A História da Música
A História da MúsicaA História da Música
A História da Música
Meire Falco
 
Vangogh
VangoghVangogh
Vangogh
Anna Duarte
 
A história do cinema
A história do cinemaA história do cinema
A história do cinema
Rebeca Neiva
 
Arte africana
Arte africanaArte africana
Arquitetura
ArquiteturaArquitetura
Grafite slide
Grafite slideGrafite slide
Grafite slide
cafumilena
 
Arte Egipcia Prof Antonio Ribeiro Parte 1 Com Tut
Arte Egipcia Prof Antonio Ribeiro Parte 1 Com TutArte Egipcia Prof Antonio Ribeiro Parte 1 Com Tut
Arte Egipcia Prof Antonio Ribeiro Parte 1 Com Tut
Antonio Ribeiro
 
Aula de Xilogravura
Aula de XilogravuraAula de Xilogravura
Aula de Xilogravura
Ipsun
 
Aula arte egipicia
Aula arte egipiciaAula arte egipicia
Aula arte egipicia
Mariaprofessora
 
Projeto stopmotion
Projeto  stopmotionProjeto  stopmotion
Projeto stopmotion
Maria Clara Magalhães
 
Arte e tecnologia
Arte e tecnologiaArte e tecnologia
Arte e tecnologia
Isabela Garcia
 
A arte na pré história
A arte na pré históriaA arte na pré história
A arte na pré história
Daniella Cincoetti
 
Artes visuais – conceitos de arte
Artes visuais – conceitos de arteArtes visuais – conceitos de arte
Artes visuais – conceitos de arte
EdesonLuizdasNeves
 
A arte da fotografia
A arte da fotografiaA arte da fotografia
A arte da fotografia
Ana Beatriz Cargnin
 
6 ano arte rupestre. pdf
6 ano arte rupestre. pdf6 ano arte rupestre. pdf
6 ano arte rupestre. pdf
GiovaniDiasDias
 
Cubismo
CubismoCubismo
Graffiti 2C12
Graffiti 2C12Graffiti 2C12
Arte Indígena Brasileira
Arte Indígena BrasileiraArte Indígena Brasileira
Arte Indígena Brasileira
Andrea Dressler
 

Mais procurados (20)

Historia do desenho inec
Historia do desenho inecHistoria do desenho inec
Historia do desenho inec
 
Grafite
GrafiteGrafite
Grafite
 
A História da Música
A História da MúsicaA História da Música
A História da Música
 
Vangogh
VangoghVangogh
Vangogh
 
A história do cinema
A história do cinemaA história do cinema
A história do cinema
 
Arte africana
Arte africanaArte africana
Arte africana
 
Arquitetura
ArquiteturaArquitetura
Arquitetura
 
Grafite slide
Grafite slideGrafite slide
Grafite slide
 
Arte Egipcia Prof Antonio Ribeiro Parte 1 Com Tut
Arte Egipcia Prof Antonio Ribeiro Parte 1 Com TutArte Egipcia Prof Antonio Ribeiro Parte 1 Com Tut
Arte Egipcia Prof Antonio Ribeiro Parte 1 Com Tut
 
Aula de Xilogravura
Aula de XilogravuraAula de Xilogravura
Aula de Xilogravura
 
Aula arte egipicia
Aula arte egipiciaAula arte egipicia
Aula arte egipicia
 
Projeto stopmotion
Projeto  stopmotionProjeto  stopmotion
Projeto stopmotion
 
Arte e tecnologia
Arte e tecnologiaArte e tecnologia
Arte e tecnologia
 
A arte na pré história
A arte na pré históriaA arte na pré história
A arte na pré história
 
Artes visuais – conceitos de arte
Artes visuais – conceitos de arteArtes visuais – conceitos de arte
Artes visuais – conceitos de arte
 
A arte da fotografia
A arte da fotografiaA arte da fotografia
A arte da fotografia
 
6 ano arte rupestre. pdf
6 ano arte rupestre. pdf6 ano arte rupestre. pdf
6 ano arte rupestre. pdf
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Graffiti 2C12
Graffiti 2C12Graffiti 2C12
Graffiti 2C12
 
Arte Indígena Brasileira
Arte Indígena BrasileiraArte Indígena Brasileira
Arte Indígena Brasileira
 

Destaque

Influência da Cultura Holandesa no Brasil - História da Arte
Influência da Cultura Holandesa no Brasil - História da ArteInfluência da Cultura Holandesa no Brasil - História da Arte
Influência da Cultura Holandesa no Brasil - História da Arte
Carson Souza
 
Invasões Holandesas
   Invasões Holandesas   Invasões Holandesas
Invasões Holandesas
diego8101995
 
O brasil holandês
O brasil holandêsO brasil holandês
O brasil holandês
Vinicius Pereira
 
Brasil holandês
Brasil holandêsBrasil holandês
Brasil holandês
Jonas
 
Brasil Holandês
Brasil HolandêsBrasil Holandês
Brasil Holandês
Paulo Alexandre
 
Holandeses no brasil
Holandeses no brasilHolandeses no brasil
Holandeses no brasil
Jonas
 
Frans post obras
Frans post obrasFrans post obras
Frans post obras
Fabiana Alexandre
 
Cultura Holandesa
Cultura HolandesaCultura Holandesa
Cultura Holandesa
Luciana Ferratto
 
Resumo Brasil holandês
Resumo Brasil holandêsResumo Brasil holandês
Resumo Brasil holandês
Izaac Erder
 
Invasao holandesa
Invasao holandesaInvasao holandesa
Invasao holandesa
Patricia Medeiros
 
Invasão Holandesa
Invasão HolandesaInvasão Holandesa
Invasão Holandesa
Aulas de História
 
Representação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticasRepresentação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticas
CEF16
 
Saiba que lugar é êsse!
Saiba que lugar é êsse!Saiba que lugar é êsse!
Saiba que lugar é êsse!
Aristides Monteiro
 
Século xvii
Século xviiSéculo xvii
Século xvii
Nelirene Estanislau
 
O Brasil Holandês
O Brasil HolandêsO Brasil Holandês
O Brasil Holandês
Lucas Rodrigues
 
Representações do negro na arte
Representações do negro na arteRepresentações do negro na arte
Representações do negro na arte
Ediberto de Souza
 
I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01
I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01
I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01
Sidnea Marinho
 
Albert Eckhout (1610 1666)
Albert Eckhout (1610 1666)Albert Eckhout (1610 1666)
Albert Eckhout (1610 1666)
Mauricio Trindade
 
Sociedades indígenas
Sociedades indígenasSociedades indígenas
Sociedades indígenas
Victor Melo
 
Lavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeiras
Lavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeirasLavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeiras
Lavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeiras
Elton Zanoni
 

Destaque (20)

Influência da Cultura Holandesa no Brasil - História da Arte
Influência da Cultura Holandesa no Brasil - História da ArteInfluência da Cultura Holandesa no Brasil - História da Arte
Influência da Cultura Holandesa no Brasil - História da Arte
 
Invasões Holandesas
   Invasões Holandesas   Invasões Holandesas
Invasões Holandesas
 
O brasil holandês
O brasil holandêsO brasil holandês
O brasil holandês
 
Brasil holandês
Brasil holandêsBrasil holandês
Brasil holandês
 
Brasil Holandês
Brasil HolandêsBrasil Holandês
Brasil Holandês
 
Holandeses no brasil
Holandeses no brasilHolandeses no brasil
Holandeses no brasil
 
Frans post obras
Frans post obrasFrans post obras
Frans post obras
 
Cultura Holandesa
Cultura HolandesaCultura Holandesa
Cultura Holandesa
 
Resumo Brasil holandês
Resumo Brasil holandêsResumo Brasil holandês
Resumo Brasil holandês
 
Invasao holandesa
Invasao holandesaInvasao holandesa
Invasao holandesa
 
Invasão Holandesa
Invasão HolandesaInvasão Holandesa
Invasão Holandesa
 
Representação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticasRepresentação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticas
 
Saiba que lugar é êsse!
Saiba que lugar é êsse!Saiba que lugar é êsse!
Saiba que lugar é êsse!
 
Século xvii
Século xviiSéculo xvii
Século xvii
 
O Brasil Holandês
O Brasil HolandêsO Brasil Holandês
O Brasil Holandês
 
Representações do negro na arte
Representações do negro na arteRepresentações do negro na arte
Representações do negro na arte
 
I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01
I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01
I retrospectivahistricadobrasilcolnia-090423141328-phpapp01
 
Albert Eckhout (1610 1666)
Albert Eckhout (1610 1666)Albert Eckhout (1610 1666)
Albert Eckhout (1610 1666)
 
Sociedades indígenas
Sociedades indígenasSociedades indígenas
Sociedades indígenas
 
Lavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeiras
Lavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeirasLavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeiras
Lavoura canavieira, União Ibérica e invasões estrangeiras
 

Semelhante a Os Holandeses No Brasil

Eckhout, albert
Eckhout, albertEckhout, albert
Eckhout, albert
deniselugli2
 
Invasão Neerlandesa no Brasil
Invasão Neerlandesa  no Brasil  Invasão Neerlandesa  no Brasil
Invasão Neerlandesa no Brasil
Sylvia Lenz
 
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Introdução
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - IntroduçãoHistória da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Introdução
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Introdução
Paula Poiet
 
Arte no Brasil Holandês Contribuições e Influências.ppt
Arte no Brasil Holandês  Contribuições e Influências.pptArte no Brasil Holandês  Contribuições e Influências.ppt
Arte no Brasil Holandês Contribuições e Influências.ppt
TatianaAbreu27
 
Post, frans janszoon
Post, frans janszoonPost, frans janszoon
Post, frans janszoon
deniselugli2
 
ARTE BRASILEIRA
ARTE BRASILEIRAARTE BRASILEIRA
A história da gravura
A história da gravuraA história da gravura
A história da gravura
Luciana Estivalet
 
O Barroco na Europa, Parte 2 - 1563-1750
O Barroco na Europa,   Parte 2 - 1563-1750O Barroco na Europa,   Parte 2 - 1563-1750
O Barroco na Europa, Parte 2 - 1563-1750
Professor Gilson Nunes
 
1275643668 barroco ap
1275643668 barroco ap1275643668 barroco ap
1275643668 barroco ap
Pelo Siro
 
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIXPintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
Carlos Pinheiro
 
Missão Langsdorff no Brasil
Missão Langsdorff no BrasilMissão Langsdorff no Brasil
Missão Langsdorff no Brasil
Andrea Dressler
 
Principais artistas barrocos
Principais artistas barrocosPrincipais artistas barrocos
Principais artistas barrocos
Edergilian Sousa
 
9 hist da art barro e rococ
9 hist da art barro e rococ9 hist da art barro e rococ
9 hist da art barro e rococ
André Figundio
 
Trabalho de artes
Trabalho de artesTrabalho de artes
Trabalho de artes
Camila Teixeira
 
Tarsila do amaral
Tarsila do amaralTarsila do amaral
Tarsila do amaral
Fernanda Bastos
 
1005
10051005
1005
Pelo Siro
 
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Artistas viajantes
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Artistas viajantesHistória da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Artistas viajantes
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Artistas viajantes
Paula Poiet
 
ppt-Padre-António-Vieira
ppt-Padre-António-Vieirappt-Padre-António-Vieira
ppt-Padre-António-Vieira
Elsabastos
 
O padre antonio_vieira_e_o_seu_tempo
O padre antonio_vieira_e_o_seu_tempoO padre antonio_vieira_e_o_seu_tempo
O padre antonio_vieira_e_o_seu_tempo
Roger Rio
 
Arte pop
Arte popArte pop

Semelhante a Os Holandeses No Brasil (20)

Eckhout, albert
Eckhout, albertEckhout, albert
Eckhout, albert
 
Invasão Neerlandesa no Brasil
Invasão Neerlandesa  no Brasil  Invasão Neerlandesa  no Brasil
Invasão Neerlandesa no Brasil
 
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Introdução
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - IntroduçãoHistória da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Introdução
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Introdução
 
Arte no Brasil Holandês Contribuições e Influências.ppt
Arte no Brasil Holandês  Contribuições e Influências.pptArte no Brasil Holandês  Contribuições e Influências.ppt
Arte no Brasil Holandês Contribuições e Influências.ppt
 
Post, frans janszoon
Post, frans janszoonPost, frans janszoon
Post, frans janszoon
 
ARTE BRASILEIRA
ARTE BRASILEIRAARTE BRASILEIRA
ARTE BRASILEIRA
 
A história da gravura
A história da gravuraA história da gravura
A história da gravura
 
O Barroco na Europa, Parte 2 - 1563-1750
O Barroco na Europa,   Parte 2 - 1563-1750O Barroco na Europa,   Parte 2 - 1563-1750
O Barroco na Europa, Parte 2 - 1563-1750
 
1275643668 barroco ap
1275643668 barroco ap1275643668 barroco ap
1275643668 barroco ap
 
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIXPintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
 
Missão Langsdorff no Brasil
Missão Langsdorff no BrasilMissão Langsdorff no Brasil
Missão Langsdorff no Brasil
 
Principais artistas barrocos
Principais artistas barrocosPrincipais artistas barrocos
Principais artistas barrocos
 
9 hist da art barro e rococ
9 hist da art barro e rococ9 hist da art barro e rococ
9 hist da art barro e rococ
 
Trabalho de artes
Trabalho de artesTrabalho de artes
Trabalho de artes
 
Tarsila do amaral
Tarsila do amaralTarsila do amaral
Tarsila do amaral
 
1005
10051005
1005
 
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Artistas viajantes
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Artistas viajantesHistória da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Artistas viajantes
História da Arte Brasileira (Pré Cabralino ao Academicismo): Artistas viajantes
 
ppt-Padre-António-Vieira
ppt-Padre-António-Vieirappt-Padre-António-Vieira
ppt-Padre-António-Vieira
 
O padre antonio_vieira_e_o_seu_tempo
O padre antonio_vieira_e_o_seu_tempoO padre antonio_vieira_e_o_seu_tempo
O padre antonio_vieira_e_o_seu_tempo
 
Arte pop
Arte popArte pop
Arte pop
 

Os Holandeses No Brasil

  • 1. Faculdade de Educação e Cultura Montessori Claudia Ribeiro Grunow Profª Rita Demarchi
  • 2. OS HOLANDESES NO BRASIL UMA EXPEDIÇÃO PELO NORDESTE BRASILEIRO ATRAVÉS DO OLHAR DE ALBERT ECKHOUT E FRANZ POST
  • 3. MAURICIO DE NASSAU ( Dillenburg , 17 de junho de 1604 — Kleve , 20 de dezembro de 1679 O conde Johann Moritz of Nassau-Siegen tem um lugar especial na História do Brasil. Conhecido pelo nome "brasileiro", Maurício de Nassau, ele governou a colônia holandesa no Nordeste do Brasil, com a capital em Recife, de 1637 a 1644.
  • 4. Humanista, Nassau estimulou as ciências e as artes. Fez construir um observatório astronômico, criou um jardim botânico e trouxe em sua comitiva mestres da pintura flamenga como Albert Eckout e Franz Post, além de diversos artistas e cientistas, convidados a se juntar a ele num grande projeto que definiu como "exploração profunda e universal da terra".
  • 5. ALBERT ECKHOUT (1610 – 1665) Eckhout trabalhava em Amsterdã como ilustrador, e aos 26 anos foi convidado para a missão artística de Nassau. Esteve no Brasil entre 1637 e 1644. No período em que esteve no Nordeste brasileiro desenvolve intensa atividade como documentarista da fauna e da flora e como pintor de tipos humanos. A estada no Brasil é considerada sua principal fase. Nesse período, produz cerca de 400 desenhos e esboços a óleo. Há referências quanto ao fato de ter iniciado sua formação artística com Gheet Rocleeffs , seu tio. é provável que tenha trabalhado com o arquiteto e pintor Jacob Van Campen , que pode ter sido o responsável por sua indicação para a comitiva de Maurício de Nassau.
  • 6. Cabaças finas, sd Cabaças, sd Frutas, sd Florescência de palmeira e cesta de temperos, sd
  • 8.  
  • 9. Dança dos Tarairiu (Tapuias) s.d, Óleo sobre tela, 172 x 295 cm
  • 10.  
  • 11.  
  • 12.  
  • 13.  
  • 14.  
  • 15. FRANZ POST Frans Janszoon Post (1612 -80). Nasceu e faleceu em Haarlem,Holanda . Pintor, desenhista e gravador.Junto com Albert Eckhout ,é considerado o mais relevante artista neêrlandes a serviço de Nassau na comitiva que o acompanhou ao nordeste do Brasil. Tinha 24 anos quando chegou ao Brasil, residindo entre 1637 e 1644 em Recife, onde desenvolveria grande atividade, documentando a paisagem e tomando apontamentos de portos e fortificações. .Pouco se sabe sobre a vida de Franz Post , era filho do pintor de vitrais Jan Post, e irmão mais moço do arquiteto e pintor Pieter Post , ignoram-se sua educação artística.
  • 16. LIVRO DE BERLAEUS Maurício de Nassau planejava documentar toda sua estada em terras brasileiras, entre 1636 e 1644. Ao voltar para a Holanda mandou publicar, em 1647, o livro Rerum per Octennuim in Brasilia , editado por Gaspar Barlaeus , uma crônica ilustrada contando seus feitos, o que resultou numa grande obra. Os dois pintores de sua comitiva foram encarregados também de produzir gravuras para ilustrar os volumes, sendo 32 delas assinadas por Frans Post , feitas em 1645. Um inventário oficial francês, que relaciona as obras doadas por Maurício de Nassau a Luis XIV, não descreve os quadros de Post e nem menciona seus títulos, talvez porque uma cópia do livro de Barléu acompanhava o presente. Na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro existe um raríssimo exemplar, que foi restaurado recentemente com patrocínio de um banco, o mesmo responsável pela reforma do prédio da biblioteca.
  • 17. Rio São Francisco e o forte Maurits, 1638 óleo s/tela, (Louvre )
  • 18. Vista da Ilha de Itamaracá , 1637,óleo sobre tela 63,5 x 89,5 cm (Holanda) Vista da Ilha do Itamaracá , séc. XVII guache 38,4 x 54,1 cm
  • 19. Vista da Cidade Maurícia e Recife , 1657 óleo sobre madeira, 46 x 83 cm obra executada na Holanda
  • 20. Obras de Albert Eckhout 1ª Mulher Africana,1641 óleo sobre tela, 267 x 173 cm 2ª Mulher Mameluca,1641 óleo sobre tela, 271 x 173 cm 3ª Índia Tupi,1641 óleo sobre tela, 274 x 163 cm 4ª Índio Tarairiu, (Tapuia),1643 óleo sobre tela 272 x 161 cm 5ª Índio Tupi,1643 óleo sobre tela, 272 x 163 cm 6ª Índia Tarairiu, (Tapuia),1641 óleo sobre tela, 272 x 165 cm 7ª Dança dos Tarairiu,(Tapuias), s.d 172 x 295 cm 8ª Homem Africano,1641 óleo sobre tela, 273 x 167 cm 9ª Homem Mestiço, s.d óleo sobre tela, 274 x 170 cm 10 Dom Miguel de Castro,enviado do Reino do Congo, s.d óleo sobre madeira (carvalho). 11ª Servo de Dom Miguel de Castro, com Presa de elefante, s.d óleo sobre madeira (carvalho) 72 x 62 Todas estas obras encontram-se no Museu Nacional da Dinamarca
  • 21. Bibliografias Fundação Joaquim Nabuco Itaú cultural Instituto Ricardo Brennand Wikipédia