SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula de Geografia
Professora: Regis B arbosa
Palestinos x judeus revisado
PALESTINA
•Os judeus são descendentes dos hebreus,povos de
Abraão.
• Durante muito tempo, parte do povo hebreu trabalhou
como escravo para os faraós do Egito.Segundo os relatos
bíblicos (Antigo Testamento)
• Os hebreus liderados por Moisés, teriam fugido do
cativeiro em direção a Canaã, a Terra Prometida,região
que passaria a ser conhecida como Palestina.
• Na Palestina, os hebreus permaneceram
dispersos em 12 tribos, unificadas apenas
pela religião.
• Duas das 12 tribos fundaram o Reino de
Judá, com capital em Jerusalém.
O povo Judeu é originário do Oriente Médio, onde se localizam
os lugares sagrados de sua religião.
No início da era cristã, quando parte dessa região estava sob o
domínio dos romanos, foram expulsos da Palestina e se
dispersaram por vários países (DIÁSPORA) atingindo a Europa.
Após longa ocupação romana, no séc.VII a Palestina foi ocupada
por árabes, que ficaram conhecidos como Palestinos por
habitarem esse território.
Desde o Império Romano até 1948 os judeus não tinham um
Estado, e moravam em quase todos os países da Europa, África e
América.
São de origem árabe. Ocuparam a região da Palestina
posterior à Diáspara.
Professam o Islamismo. O islamita (a palavra que
dizer “submetida a um Deus”) acredita em Alá, o
único deus. Alá pedia aos homens que rezassem cinco
vezes por dia voltados para a cidade sagrada de
Meca (Arábia Saudita).
As verdades dessa religião foram escritas num livro
chamado Corão, como a Bíblia cristã ou a Torá
hebraica.
• Século XIX  Início do Movimento
Sionista (movimento internacional dos
judeus de “retorno à patria”)
• Pátria = Canaã = Palestina
Theodor Herzl – Líder do
Movimento Sionista
Desprovidos de pátria durante 20 séculos, os judeus viram
crescer no século XIX o movimento sionista, que lutava para
constituir um Estado Judeu.
Fatores que contribuíram para o movimento sionista:
- Nacionalismo europeu
- Queda do Império Britânico – pós 1ª Guerra.
- “Apoio” britânico através da Declaração de Balfour.
(1917)
O governo de sua majestade encara favoravelmente o
estabelecimento na Palestina de um Lar Nacional para
o povo Judeu e enviará os melhores esforços para
facilitar a realização desse objetivo ficando claramente
entendido que não se fará nada possa prejudicar os direitos
civis e religiosos das comunidades não judaicas da Palestina
e os direitos e a condição política desfrutadas pelos Judeus
em quaisquer outros países.
Aumento da Imigração Israelita, dirigida a partir
de 1929 pela Agência Judaica (Instituição que
coletava os recursos necessários para financiar a
viagem e a instalação dos colonos judeus).
Graças aos capitais dos judeus espalhados pelo
mundo, a Palestina, até então pobre, assistiu a um
desenvolvimento agrícola extraordinário.
Em 1931, os Judeus já eram 174 mil, contra 780 mil
Árabes.
PALESTINA
Primeiros Kibutz
judaicos.
“Estabelecimento
coletivo”
O Nazismo – cerca de 6 milhões de judeus foram
mortos.
Com a ascensão do nazismo na Alemanha, na década
de 30, intensificou-se a saída dos judeus da Europa.
PÓS – 1ª GUERRA MUNDIAL
PALESTINA SOB DOMÍNIO
BRITÂNICO
"O Governo de Sua Majestade vê com simpatia o
estabelecimento na Palestina de um lar nacional para o povo
judeu e envidará seus melhores esforços para facilitar a
conquista desse objetivos, ficando claramente entendido que
nada será feito que possa prejudicar os direitos religiosos e
civis das comunidades não judaicas existentes na Palestina
ou os direitos e condições políticas usufruídas pelos judeus
em qualquer outro país."
Agradeceria que o senhor levasse essa declaração ao
conhecimento da Federação Sionista.
Atenciosamente,
Arthur James Balfour
DECLARAÇÃO BALFOUR
(1918)
DECLARAÇÃO BALFOUR (1918)
GRANDE AUMENTO DO
MOVIMENTO SIONISTA
INICIAM-SE OS CONFLITOS
JUDEUS  ALEGAM DIREITOS HISTÓRICOS SOBRE
A PALESTINA
PALESTINOS  ALEGAM DIREITOS ADQUIRIDOS,
POIS NUNCA SAÍRAM DA PALESTINA
Jaffa, 1933 policiais ingleses reprimem manifestações
de nacionalistas árabes contra presença de judeus na
Palestina
Ruínas do hotel King David
em Jerusalém, onde
funcionava o QG dos
britânicos. O edifício foi
destruído por um atentado
terrorista de sionistas
radicais em 1946.
Judeus chegando na Palestina pós fim da 2ª Guerra
Mundial
1947 – ONU APROVA A PARTILHA DA
PALESTINA
• Estado Judeu (Israel)  56,7% da áreas
• Estado Palestino  42,6% da área
• Jerusalém  Área Internacional sob administração da
ONU
Palestinos x judeus revisado
Guerra de Independência de Israel (1948-1949)
Cinco países árabes contra os Judeus:
• Egito
• Síria
• Líbano
• Iraque
• Transjordânia
(atual Jordânia)
1º CONFLITO  GUERRA DE
INDEPENDÊNCIA DE ISRAEL (1948-49)
Países Árabes (Egito, Síria, Jordânia, Líbano e Iraque) e
povo palestino atacam Israel.
Objetivos  Impedir a formação do Estado de Israel
e expulsar os judeus da Palestina.
Palestinos x judeus revisado
RESULTADO DO 1º CONFLITO
• Israel vence e ocupa parte do território dos Palestinos
• Egito ocupa a Faixa de Gaza
• Jordânia ocupa a Cisjordânia
• Jerusalém é dividida: Parte Ocidental (domínio dos
Judeus) e Parte Oriental (ocupação da Jordânia)
• PALESTINOS FICAM SEM TERRITÓRIO (sem seu
próprio Estado)
Palestinos x judeus revisado
QUESTÃO PALESTINA
LUTA DO POVO PALESTINO PARA
RECONQUISTAR SEUS TERRITÓRIOS
• 1959 – Criação da Al Fatah
• 1964 – Criação da OLP
(Organização para Libertação da
Palestina)
• Posição Histórica => CONTRA
A EXISTÊNCIA DO ESTADO
DE ISRAEL
ORGANIZAÇÃO DOS PALESTINOS
2º CONFLITO  GUERRA DOS SEIS DIAS
• Egito, Jordânia e Síria preparam um novo ataque a
Israel
• Israel antecipa o ataque dos árabes e ataca primeiro
Palestinos x judeus revisado
RESULTADO DO 2º CONFLITO
Israel em apenas seis dias
conquista:
• Toda Faixa de Gaza (antes
sob domínio egípcio)
• Toda Península do Sinai
(Território do Egito)
• Toda a Cisjordânia (antes
sob domínio da Jordânia)
• Colinas de Golan
(Território da Síria)
• Toda cidade de Jerusalém
IMPORTÂNCIA DE CADA ÁREA CONQUISTADA NA
GUERRA DOS SEIS DIAS
• Faixa de Gaza e Cisjordânia
 Controle total sob a
Palestina (sionismo)
• Península do Sinai 
Segurança Nacional (Proteção
de suas fronteiras com o
Egito)
• Colinas de Golan  Área
de Nascentes (Recursos
Hídricos)
PÓS – GUERRA DOS SEIS DIAS: AUMENTO DO
SIONISMO (ISRAEL INCENTIVA A CRIAÇÃO
DE ASSENTAMENTOS JUDAICOS NA FAIXA DE
GAZA E NA CISJORDÂNIA
3º CONFLITO  GUERRA DO YOM KIPPUR
• Países árabes
realizam um ataque
surpresa.
• Resultado  Mais
uma vitória de Israel
1975 – Israel expulsa
militantes da OLP da
Cisjordânia e da Faixa de
Gaza
Novo QG da OLP:
Beirute - Líbano
1979 – ACORDO DE CAMP DAVID
Israel devolve a Península do Sinai para o Egito.
Em troca o Egito se compromete nunca mais atacar
Israel
Anuar Sadat (Egito) =>
Passa a ser considerado
traidor pelos defensores da
causa Palestina.
Anuar Sadat (ao centro), presidindo um desfile militar, instantes
antes de ser vitimado pelo atentado que lhe tiraria a vida.
1982 – OPERAÇÃO PAZ NA GALILÉIA
• Israel invade o sul do Líbano (ocupação com objetivo de
proteger o norte de Israel – Galiléia)
• Tropas especiais de Israel avançam até a capital do Líbano
(Beirute) para atacar e expulsar a OLP.
• Nos arredores de Beirute dois assentamentos de palestinos
Sabra e Chatila (sob controle de Israel) são atacados e
massacrados por milícias Cristãs. Israel vê tudo, mas não
protege os palestinos.
• Obs. General Israelense responsável  ARIEL SHARON
ATAQUE A BEIRUTE
FUGA DA OLP
Palestinos x judeus revisado
NOVO QG DA OLP  TUNÍSIA
Nova postura de Arafat  Menos radical (CRIAÇÃO DE
UM ESTADO PALESTINO QUE NÃO EXCLUA ISRAEL)
ONU reconhece a OLP como legítima representante do povo
palestino
•Mais radicais consideram Arafat e a OLP como traidores
• Crescem grupos terroristas radicais
PALESTINA
HAMAS
JIHAD
HEZBOLLAH
HamasHamas
• Partido Político, Movimento De Assistência Social
e Grupo Militar;
• Criado em 1987 por Ahmed Yassin;
• Nacionalista e extremista religioso;
• Tido como grupo terrorista pelos EUA, UE,
Canadá, Japão e Israel;
• Prega o fim do estado de Israel e a substituição por
um governo palestino, que ocuparia a área de Israel,
Faixa de Gaza e Cisjordânia;
• Não reconhece a existência do Estado de Israel;
• Grande apoio da população pobre;
Ahmed Yassin,
fundador do Hamas.
HAMAS
HEZBOLLAH
JIHAD
FatahFatah
• Organização política e militar fundada em 1964
por Yasser Arafat. Maior facção da OLP,
(Organização para Libertação da Palestina);
• Nacionalista e laico;
• Reconhece a existência do Estado de Israel;
Yasser Arafat,
fundador do Fatah.
1987 – INÍCIO DA INTIFADA
Intifada  Guerra das Pedras
 Revolta popular palestina contra a ocupação
israelense na Faixa de Gaza e na Cisjordânia
(Organizada pelo Hamas)
Palestinos x judeus revisado
Palestinos x judeus revisado
Palestinos x judeus revisado
Palestinos x judeus revisado
ACORDO DE OSLO
(1993)
• Local  EUA
• Intermediação  Diplomatas da Noruega
• Partes  OLP (Yasser Arafat) e Israel (Ytizak Rabin)
• Acordo  Autonomia para os Palestinos por 5 anos na Faixa de
Gaza e na cidade de Jericó (Cisjordânia). Após 5 anos forma-se o
Estado Independente da Palestina.
Palestinos x judeus revisado
ACORDO DE OSLO II
(1995)
• Local  EUA
• Partes  ANP (Yasser Arafat) e Israel (Ytizak Rabin)
• Acordo  Aumenta as áreas sob controle dos Palestinos:
• Seis cidades (Jenin, Naplouse, Tulkaren, Kalkiya, Rammallah
e Belém;
• Nablus controle parcial
1995 – Assassinato de Rabin
- Responsável  Radical Judeu
Palestinos x judeus revisado
1995 – 1996 => Ondas de atentados
terroristas em Israel
Palestinos x judeus revisado
ELEIÇÕES EM ISRAEL
VITÓRIA DO LIKUD (DIREITA) – 1996
1º Ministro => Binyamin Netaneahu
FIM DAS NEGOCIAÇÕES
VITÓRIA DO PARTIDO TRABALHISTA
(ESQUERDA)
1º Ministro => Ehud Barak
RETOMADA DAS NEGOCIAÇÕES
(Devolução do Sul do Líbano)
NOVAS ELEIÇÕES EM 1999
LEVANTE DE JERUSALÉM
OU
NOVA INTIFADA - 2000
A crise começou no dia 28 de setembro, quando o político
israelense Ariel Sharon visitou um local sagrado para os
muçulmanos (Esplanada das Mesquitas). Os palestinos
ficaram irados com a visita, e responderam com a
destruição de um local sagrado judeu.
Nas três semanas de conflito que se seguiram, mais de
100 pessoas foram mortas -a grande maioria palestinas.
MESQUITA DE AL AQSA
Palestinos x judeus revisado
A CRUEL FACE DA VIOLÊNCIA
2000 – Novo 1º ministro em Israel  Ariel Sharon
Ações de Sharon:
• Separação do território de Israel das áreas habitadas
pelos palestinos  MURO DA VERGONHA
• Invasão de cidades palestinas => repressão ao
terrorismo – “Guerra Contra o Terror”
• Retirada das colônias judaicas da Faixa de Gaza e da
Cisjordânia
2004 – Morre Yasser Arafat
FATOS RECENTES
• Atual liderança da ANP  Grupo Hamas
• 2006  Ataque israelense a bases militares dos
grupos:
• Hezbollah – Sul do Líbano e Beirut
• Hamas – Faixa de Gaza
• Atual Primeiro Ministro de Israel => Binyamin
Netaneahu
ENTRAVES AO PROCESSO DE PAZ
• Destino de Jerusalém:
• Judeus consideram Jerusalém sua capital eterna e indivisível;
• Palestinos querem a parte oriental de Jerusalém como a capital
de um futuro Estado Palestino.
• Grupos radicais (árabes e judeus);
• Refugiados Palestinos => Israel se recusa a aceitar o retorno de 3
milhões de palestinos refugiados;
• Água => Palestinos querem uma divisão eqüitativa dos lençóis
freáticos; Israel quer ter controle sobre 80% dos lençóis freáticos.
Religião: um elemento cultural de unificação e
discórdia.
O Oriente Médio é berço de três grandes religiões:
ISLAMISMO, JUDAISMO, CRISTIANISMO
Muro das lamentações – lugar sagrado para os
Judeus
Mesquita – lugar sagrado para os muçulmanos
Mesquita de Omar
Igreja em Jerusalém
Em 1964 foi criada a OLP(Organização para
Libertação da Palestina), com a finalidade de lutar
pela criação de um Estado Palestino, que abrangeria
toda a região.
Em 1969
Yasser Arafat, assume a
presidência da Organização
Em 1993, palestinos e israelenses iniciaram um
processo de paz que previa retirada gradual de
Israel dos territórios em troca de
reconhecimento palestino do Estado judeu. Israel
passou a se retirar paulatinamente dos centros
urbanos palestinos.
Mas Israel seguiu expandindo suas colônias em
Gaza e Cisjordânia, enquanto palestinos seguiram
cometendo atentados.
Palestinos x judeus revisado
Palestinos x judeus revisado
Maioria dos
israelenses apóia
cerca
A maioria dos israelenses
apóia a cerca que o governo
está construindo com o
objetivo anunciado de evitar a
entrada em Israel de suicidas
palestinos vindos da
Cisjordânia, de acordo com
uma pesquisa divulgada ontem.
Publicada no diário israelense
“Yediot Aharonot”, a pesquisa,
com margem de erro de 4,5
pontos percentuais para mais
ou para menos, indica que 69%
dos israelenses apóiam o
projeto. Foram entrevistadas
590 pessoas para a pesquisa,
que também mostra que o apoio
ao primeiro-ministro de Israel,
Ariel Sharon, caiu de 59% para
51%.
Bloqueios tolhem vida palestina
Entre cada palestino e uma necessidade há um
bloqueio. Desde o início da intifada, em setembro
de 2000, Israel parece ter se tornado um lugar
onde só conseguem entrar os terroristas. Para a
esmagadora maioria da população que não pensa
em martírio e bombas, mas em comida e
trabalho, os postos de controle são um
torniquete a estorvar o cotidiano.
Há que se ter os documentos em ordem – não
uma ordem muito lógica, mais uma que segue
humor estável dos guardas de fronteira-, um
rosto que não levante suspeitas e principalmente
paciência para aguentar horas a fio sob o sol.
Quase tudo que os palestinos precisam está em
Israel. Dos mantimentos que não são produzidos
nas hortas caseiras aos empregos que trazem
preciosos shekels. Estima-se que hoje que mais
de 70% dos palestinos estejam desempregados.
Dados da Agência de Desenvolvimento
Internacional do governo dos Estados Unidos
mostram que hoje, depois de dois anos de
instabilidade, uma em cada 10
crianças com menos de 5 anos
sofre de subnutrição aguda,
colocando Gaza ao lado da
Nigéria e do Chade. No ano
2000, a proporção era de uma
para 40. Uma pesquisa conduzida
pelo Birô Palestino de
Estatísticas mostra que em 65%
dos 5.228 lares pesquisados
durante abril, maio e junho havia
dificuldade em encontrar
alimento – 85% puseram a culpa
nos bloqueios israelenses que
apelidam de “nosso Muro de
Berlim”.
ConclusãoConclusãoIsrael, um Estado criado artificialmente para abrigar milhões
de judeus espalhados pelo mundo todo, busca solidificar sua fé e
sua autoridade na região suprimindo as revoltas e manifestações
palestinas.
A Palestina por sua vez apenas quer manter o que é seu por
direito, uma vez que seu povo já estava estabelecido naquela
região faz séculos, tendo assim que resistir à autoridade
israelense.
Israel não quer ceder às exigências palestinas na questão de
concessão territorial e reconhecimento político, e a Palestina
não vai se render facilmente, entregando o que é seu por direito.
Dessa forma, a solução para as divergências na região ainda está
longe de ser encontrada, contudo, guerras e conflitos não
acabarão com o problema, mas sim com a população.
Mesmo a paz sendo almejada por ambos os lados, bem
como pela comunidade internacional inteira, ela ainda está
longe de ser concretizada na região.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conflitos Árabes-Israelenses
Conflitos Árabes-IsraelensesConflitos Árabes-Israelenses
Conflitos Árabes-Israelenses
Isaquel Silva
 
Israel e palestina
Israel e palestinaIsrael e palestina
Israel e palestina
ricardorodrigues23091988
 
Conflito árabe israelense
Conflito árabe   israelenseConflito árabe   israelense
Conflito árabe israelense
Alfredo Moreira
 
Entendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestinaEntendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestina
Eduardo Mendes
 
Conflito israel e palestina
Conflito israel e palestinaConflito israel e palestina
Conflito israel e palestina
Jordanna Rangel
 
Palestinos judeus revisado
Palestinos judeus revisadoPalestinos judeus revisado
Palestinos judeus revisado
Moacir E Nalin
 
Conflito árabe israelense
Conflito árabe israelenseConflito árabe israelense
Conflito árabe israelense
Vinícius Moisés
 
Os conflitos regionais: a questão da palestina.
Os conflitos regionais: a questão da palestina.Os conflitos regionais: a questão da palestina.
Os conflitos regionais: a questão da palestina.
SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO
 
Conflito árabe-israelense
Conflito árabe-israelenseConflito árabe-israelense
Conflito árabe-israelense
Polli Fontoura
 
Questão judaico palestina
Questão judaico palestinaQuestão judaico palestina
Questão judaico palestina
Pérysson Nogueira
 
Israel vs palestina
Israel vs palestinaIsrael vs palestina
Israel vs palestina
turmac12
 
Conflitos Árabes Israelenses.
Conflitos Árabes Israelenses.Conflitos Árabes Israelenses.
Conflitos Árabes Israelenses.
marise brandao
 
O conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestinaO conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestina
Google
 
Conflito Israel x Palestina
Conflito Israel x PalestinaConflito Israel x Palestina
Conflito Israel x Palestina
VanChamma
 
Historia de israel aula 49 e 50 israel nos dias de hoje [modo de compatibilid...
Historia de israel aula 49 e 50 israel nos dias de hoje [modo de compatibilid...Historia de israel aula 49 e 50 israel nos dias de hoje [modo de compatibilid...
Historia de israel aula 49 e 50 israel nos dias de hoje [modo de compatibilid...
RICARDO CARDOSO
 
Conflito árabe israelense
Conflito árabe israelenseConflito árabe israelense
Conflito árabe israelense
ElvisJohnR
 
Conflitos contemporâneos no oriente médio
Conflitos contemporâneos no oriente médioConflitos contemporâneos no oriente médio
Conflitos contemporâneos no oriente médio
Guilherme Lúo
 
Historia de israel aula 28 e 29 os judeus na idade moderna [modo de compatibi...
Historia de israel aula 28 e 29 os judeus na idade moderna [modo de compatibi...Historia de israel aula 28 e 29 os judeus na idade moderna [modo de compatibi...
Historia de israel aula 28 e 29 os judeus na idade moderna [modo de compatibi...
RICARDO CARDOSO
 
Conflito israel palestina
Conflito israel   palestinaConflito israel   palestina
Conflito israel palestina
Colégio Santo Antônio
 
CONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABES
CONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABESCONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABES
CONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABES
Antonio Marcos Nunes dos Reis Marcos
 

Mais procurados (20)

Conflitos Árabes-Israelenses
Conflitos Árabes-IsraelensesConflitos Árabes-Israelenses
Conflitos Árabes-Israelenses
 
Israel e palestina
Israel e palestinaIsrael e palestina
Israel e palestina
 
Conflito árabe israelense
Conflito árabe   israelenseConflito árabe   israelense
Conflito árabe israelense
 
Entendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestinaEntendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestina
 
Conflito israel e palestina
Conflito israel e palestinaConflito israel e palestina
Conflito israel e palestina
 
Palestinos judeus revisado
Palestinos judeus revisadoPalestinos judeus revisado
Palestinos judeus revisado
 
Conflito árabe israelense
Conflito árabe israelenseConflito árabe israelense
Conflito árabe israelense
 
Os conflitos regionais: a questão da palestina.
Os conflitos regionais: a questão da palestina.Os conflitos regionais: a questão da palestina.
Os conflitos regionais: a questão da palestina.
 
Conflito árabe-israelense
Conflito árabe-israelenseConflito árabe-israelense
Conflito árabe-israelense
 
Questão judaico palestina
Questão judaico palestinaQuestão judaico palestina
Questão judaico palestina
 
Israel vs palestina
Israel vs palestinaIsrael vs palestina
Israel vs palestina
 
Conflitos Árabes Israelenses.
Conflitos Árabes Israelenses.Conflitos Árabes Israelenses.
Conflitos Árabes Israelenses.
 
O conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestinaO conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestina
 
Conflito Israel x Palestina
Conflito Israel x PalestinaConflito Israel x Palestina
Conflito Israel x Palestina
 
Historia de israel aula 49 e 50 israel nos dias de hoje [modo de compatibilid...
Historia de israel aula 49 e 50 israel nos dias de hoje [modo de compatibilid...Historia de israel aula 49 e 50 israel nos dias de hoje [modo de compatibilid...
Historia de israel aula 49 e 50 israel nos dias de hoje [modo de compatibilid...
 
Conflito árabe israelense
Conflito árabe israelenseConflito árabe israelense
Conflito árabe israelense
 
Conflitos contemporâneos no oriente médio
Conflitos contemporâneos no oriente médioConflitos contemporâneos no oriente médio
Conflitos contemporâneos no oriente médio
 
Historia de israel aula 28 e 29 os judeus na idade moderna [modo de compatibi...
Historia de israel aula 28 e 29 os judeus na idade moderna [modo de compatibi...Historia de israel aula 28 e 29 os judeus na idade moderna [modo de compatibi...
Historia de israel aula 28 e 29 os judeus na idade moderna [modo de compatibi...
 
Conflito israel palestina
Conflito israel   palestinaConflito israel   palestina
Conflito israel palestina
 
CONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABES
CONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABESCONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABES
CONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABES
 

Destaque

A família sobre
A família sobreA família sobre
A família sobre
Julio Neto Aguiar
 
Conflito Entre Israel e a Palestina
Conflito Entre Israel e a PalestinaConflito Entre Israel e a Palestina
Conflito Entre Israel e a Palestina
Henrique Abrantes
 
Conflito Entre Israel E Palestina
Conflito Entre Israel E PalestinaConflito Entre Israel E Palestina
Conflito Entre Israel E Palestina
guest36d66b7
 
INTRODUÇÃO À GEOGRAFIA BÍBLICA
INTRODUÇÃO À GEOGRAFIA BÍBLICAINTRODUÇÃO À GEOGRAFIA BÍBLICA
INTRODUÇÃO À GEOGRAFIA BÍBLICA
Antonio Marcos
 
31
3131
Geografia bíblica
Geografia bíblicaGeografia bíblica
Geografia bíblica
danlon
 
Slides prontos
Slides prontosSlides prontos
Slides prontos
niceoliveira
 

Destaque (7)

A família sobre
A família sobreA família sobre
A família sobre
 
Conflito Entre Israel e a Palestina
Conflito Entre Israel e a PalestinaConflito Entre Israel e a Palestina
Conflito Entre Israel e a Palestina
 
Conflito Entre Israel E Palestina
Conflito Entre Israel E PalestinaConflito Entre Israel E Palestina
Conflito Entre Israel E Palestina
 
INTRODUÇÃO À GEOGRAFIA BÍBLICA
INTRODUÇÃO À GEOGRAFIA BÍBLICAINTRODUÇÃO À GEOGRAFIA BÍBLICA
INTRODUÇÃO À GEOGRAFIA BÍBLICA
 
31
3131
31
 
Geografia bíblica
Geografia bíblicaGeografia bíblica
Geografia bíblica
 
Slides prontos
Slides prontosSlides prontos
Slides prontos
 

Semelhante a Palestinos x judeus revisado

Palestina 2009
Palestina 2009Palestina 2009
Palestina 2009
mayques1
 
Palestina 2009
Palestina 2009Palestina 2009
Palestina 2009
mayques122
 
Palestina 2009
Palestina 2009Palestina 2009
Palestina 2009
AntniaRibeiroRibeiro
 
Conflitos no Oriente Médio.ppt
Conflitos no Oriente Médio.pptConflitos no Oriente Médio.ppt
Conflitos no Oriente Médio.ppt
KARLLAKAROLYNADEFREI1
 
Israel e palestina
Israel e palestinaIsrael e palestina
Israel e palestina
AntniaRibeiroRibeiro
 
26
2626
Palestina x Israel.pptx
Palestina x Israel.pptxPalestina x Israel.pptx
Palestina x Israel.pptx
ocg50
 
A questão judaico palestina.pptx
A questão judaico palestina.pptxA questão judaico palestina.pptx
A questão judaico palestina.pptx
LeonardoSantos394502
 
26ffbc3aa070ee1ebbd65hajhja0e16d7c3d2d.pptx
26ffbc3aa070ee1ebbd65hajhja0e16d7c3d2d.pptx26ffbc3aa070ee1ebbd65hajhja0e16d7c3d2d.pptx
26ffbc3aa070ee1ebbd65hajhja0e16d7c3d2d.pptx
JeffersonPereira360732
 
Oriente medio
Oriente medioOriente medio
Oriente médio uma região de conflitos
Oriente médio uma região de conflitosOriente médio uma região de conflitos
Oriente médio uma região de conflitos
Edirlene Fraga
 
Oriente Médio Evolução Histórica
Oriente Médio  Evolução HistóricaOriente Médio  Evolução Histórica
Oriente Médio Evolução Histórica
ceama
 
Conflitos árabe israelenses
Conflitos árabe israelensesConflitos árabe israelenses
Conflitos árabe israelenses
KarinyLobato
 
Conflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médioConflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médio
Diego Sobreira
 
Conflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médioConflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médio
Diego Sobreira
 
Oriente medio
Oriente medioOriente medio
Oriente medio
Prof.Paulo/geografia
 
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensãoConflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
Maria Gomes
 
O conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestinaO conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestina
Google
 
Orientemedio parte1 170520101843 (2)
Orientemedio parte1 170520101843 (2)Orientemedio parte1 170520101843 (2)
Orientemedio parte1 170520101843 (2)
Norma Almeida
 
Oriente médio
Oriente médioOriente médio
Oriente médio
Luiza Meneses
 

Semelhante a Palestinos x judeus revisado (20)

Palestina 2009
Palestina 2009Palestina 2009
Palestina 2009
 
Palestina 2009
Palestina 2009Palestina 2009
Palestina 2009
 
Palestina 2009
Palestina 2009Palestina 2009
Palestina 2009
 
Conflitos no Oriente Médio.ppt
Conflitos no Oriente Médio.pptConflitos no Oriente Médio.ppt
Conflitos no Oriente Médio.ppt
 
Israel e palestina
Israel e palestinaIsrael e palestina
Israel e palestina
 
26
2626
26
 
Palestina x Israel.pptx
Palestina x Israel.pptxPalestina x Israel.pptx
Palestina x Israel.pptx
 
A questão judaico palestina.pptx
A questão judaico palestina.pptxA questão judaico palestina.pptx
A questão judaico palestina.pptx
 
26ffbc3aa070ee1ebbd65hajhja0e16d7c3d2d.pptx
26ffbc3aa070ee1ebbd65hajhja0e16d7c3d2d.pptx26ffbc3aa070ee1ebbd65hajhja0e16d7c3d2d.pptx
26ffbc3aa070ee1ebbd65hajhja0e16d7c3d2d.pptx
 
Oriente medio
Oriente medioOriente medio
Oriente medio
 
Oriente médio uma região de conflitos
Oriente médio uma região de conflitosOriente médio uma região de conflitos
Oriente médio uma região de conflitos
 
Oriente Médio Evolução Histórica
Oriente Médio  Evolução HistóricaOriente Médio  Evolução Histórica
Oriente Médio Evolução Histórica
 
Conflitos árabe israelenses
Conflitos árabe israelensesConflitos árabe israelenses
Conflitos árabe israelenses
 
Conflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médioConflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médio
 
Conflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médioConflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médio
 
Oriente medio
Oriente medioOriente medio
Oriente medio
 
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensãoConflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
Conflito israelo-árabe: subsídios para a sua compreensão
 
O conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestinaO conflito entre árabes e judeus na palestina
O conflito entre árabes e judeus na palestina
 
Orientemedio parte1 170520101843 (2)
Orientemedio parte1 170520101843 (2)Orientemedio parte1 170520101843 (2)
Orientemedio parte1 170520101843 (2)
 
Oriente médio
Oriente médioOriente médio
Oriente médio
 

Último

Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 

Palestinos x judeus revisado

  • 4. •Os judeus são descendentes dos hebreus,povos de Abraão. • Durante muito tempo, parte do povo hebreu trabalhou como escravo para os faraós do Egito.Segundo os relatos bíblicos (Antigo Testamento) • Os hebreus liderados por Moisés, teriam fugido do cativeiro em direção a Canaã, a Terra Prometida,região que passaria a ser conhecida como Palestina.
  • 5. • Na Palestina, os hebreus permaneceram dispersos em 12 tribos, unificadas apenas pela religião. • Duas das 12 tribos fundaram o Reino de Judá, com capital em Jerusalém.
  • 6. O povo Judeu é originário do Oriente Médio, onde se localizam os lugares sagrados de sua religião. No início da era cristã, quando parte dessa região estava sob o domínio dos romanos, foram expulsos da Palestina e se dispersaram por vários países (DIÁSPORA) atingindo a Europa. Após longa ocupação romana, no séc.VII a Palestina foi ocupada por árabes, que ficaram conhecidos como Palestinos por habitarem esse território. Desde o Império Romano até 1948 os judeus não tinham um Estado, e moravam em quase todos os países da Europa, África e América.
  • 7. São de origem árabe. Ocuparam a região da Palestina posterior à Diáspara. Professam o Islamismo. O islamita (a palavra que dizer “submetida a um Deus”) acredita em Alá, o único deus. Alá pedia aos homens que rezassem cinco vezes por dia voltados para a cidade sagrada de Meca (Arábia Saudita). As verdades dessa religião foram escritas num livro chamado Corão, como a Bíblia cristã ou a Torá hebraica.
  • 8. • Século XIX  Início do Movimento Sionista (movimento internacional dos judeus de “retorno à patria”) • Pátria = Canaã = Palestina Theodor Herzl – Líder do Movimento Sionista
  • 9. Desprovidos de pátria durante 20 séculos, os judeus viram crescer no século XIX o movimento sionista, que lutava para constituir um Estado Judeu. Fatores que contribuíram para o movimento sionista: - Nacionalismo europeu - Queda do Império Britânico – pós 1ª Guerra. - “Apoio” britânico através da Declaração de Balfour. (1917) O governo de sua majestade encara favoravelmente o estabelecimento na Palestina de um Lar Nacional para o povo Judeu e enviará os melhores esforços para facilitar a realização desse objetivo ficando claramente entendido que não se fará nada possa prejudicar os direitos civis e religiosos das comunidades não judaicas da Palestina e os direitos e a condição política desfrutadas pelos Judeus em quaisquer outros países.
  • 10. Aumento da Imigração Israelita, dirigida a partir de 1929 pela Agência Judaica (Instituição que coletava os recursos necessários para financiar a viagem e a instalação dos colonos judeus). Graças aos capitais dos judeus espalhados pelo mundo, a Palestina, até então pobre, assistiu a um desenvolvimento agrícola extraordinário. Em 1931, os Judeus já eram 174 mil, contra 780 mil Árabes.
  • 12. O Nazismo – cerca de 6 milhões de judeus foram mortos. Com a ascensão do nazismo na Alemanha, na década de 30, intensificou-se a saída dos judeus da Europa.
  • 13. PÓS – 1ª GUERRA MUNDIAL PALESTINA SOB DOMÍNIO BRITÂNICO
  • 14. "O Governo de Sua Majestade vê com simpatia o estabelecimento na Palestina de um lar nacional para o povo judeu e envidará seus melhores esforços para facilitar a conquista desse objetivos, ficando claramente entendido que nada será feito que possa prejudicar os direitos religiosos e civis das comunidades não judaicas existentes na Palestina ou os direitos e condições políticas usufruídas pelos judeus em qualquer outro país." Agradeceria que o senhor levasse essa declaração ao conhecimento da Federação Sionista. Atenciosamente, Arthur James Balfour DECLARAÇÃO BALFOUR (1918)
  • 15. DECLARAÇÃO BALFOUR (1918) GRANDE AUMENTO DO MOVIMENTO SIONISTA
  • 16. INICIAM-SE OS CONFLITOS JUDEUS  ALEGAM DIREITOS HISTÓRICOS SOBRE A PALESTINA PALESTINOS  ALEGAM DIREITOS ADQUIRIDOS, POIS NUNCA SAÍRAM DA PALESTINA
  • 17. Jaffa, 1933 policiais ingleses reprimem manifestações de nacionalistas árabes contra presença de judeus na Palestina
  • 18. Ruínas do hotel King David em Jerusalém, onde funcionava o QG dos britânicos. O edifício foi destruído por um atentado terrorista de sionistas radicais em 1946.
  • 19. Judeus chegando na Palestina pós fim da 2ª Guerra Mundial
  • 20. 1947 – ONU APROVA A PARTILHA DA PALESTINA • Estado Judeu (Israel)  56,7% da áreas • Estado Palestino  42,6% da área • Jerusalém  Área Internacional sob administração da ONU
  • 22. Guerra de Independência de Israel (1948-1949) Cinco países árabes contra os Judeus: • Egito • Síria • Líbano • Iraque • Transjordânia (atual Jordânia)
  • 23. 1º CONFLITO  GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DE ISRAEL (1948-49) Países Árabes (Egito, Síria, Jordânia, Líbano e Iraque) e povo palestino atacam Israel. Objetivos  Impedir a formação do Estado de Israel e expulsar os judeus da Palestina.
  • 25. RESULTADO DO 1º CONFLITO • Israel vence e ocupa parte do território dos Palestinos • Egito ocupa a Faixa de Gaza • Jordânia ocupa a Cisjordânia • Jerusalém é dividida: Parte Ocidental (domínio dos Judeus) e Parte Oriental (ocupação da Jordânia) • PALESTINOS FICAM SEM TERRITÓRIO (sem seu próprio Estado)
  • 27. QUESTÃO PALESTINA LUTA DO POVO PALESTINO PARA RECONQUISTAR SEUS TERRITÓRIOS
  • 28. • 1959 – Criação da Al Fatah • 1964 – Criação da OLP (Organização para Libertação da Palestina) • Posição Histórica => CONTRA A EXISTÊNCIA DO ESTADO DE ISRAEL ORGANIZAÇÃO DOS PALESTINOS
  • 29. 2º CONFLITO  GUERRA DOS SEIS DIAS • Egito, Jordânia e Síria preparam um novo ataque a Israel • Israel antecipa o ataque dos árabes e ataca primeiro
  • 31. RESULTADO DO 2º CONFLITO Israel em apenas seis dias conquista: • Toda Faixa de Gaza (antes sob domínio egípcio) • Toda Península do Sinai (Território do Egito) • Toda a Cisjordânia (antes sob domínio da Jordânia) • Colinas de Golan (Território da Síria) • Toda cidade de Jerusalém
  • 32. IMPORTÂNCIA DE CADA ÁREA CONQUISTADA NA GUERRA DOS SEIS DIAS • Faixa de Gaza e Cisjordânia  Controle total sob a Palestina (sionismo) • Península do Sinai  Segurança Nacional (Proteção de suas fronteiras com o Egito) • Colinas de Golan  Área de Nascentes (Recursos Hídricos)
  • 33. PÓS – GUERRA DOS SEIS DIAS: AUMENTO DO SIONISMO (ISRAEL INCENTIVA A CRIAÇÃO DE ASSENTAMENTOS JUDAICOS NA FAIXA DE GAZA E NA CISJORDÂNIA
  • 34. 3º CONFLITO  GUERRA DO YOM KIPPUR • Países árabes realizam um ataque surpresa. • Resultado  Mais uma vitória de Israel
  • 35. 1975 – Israel expulsa militantes da OLP da Cisjordânia e da Faixa de Gaza Novo QG da OLP: Beirute - Líbano
  • 36. 1979 – ACORDO DE CAMP DAVID Israel devolve a Península do Sinai para o Egito. Em troca o Egito se compromete nunca mais atacar Israel Anuar Sadat (Egito) => Passa a ser considerado traidor pelos defensores da causa Palestina.
  • 37. Anuar Sadat (ao centro), presidindo um desfile militar, instantes antes de ser vitimado pelo atentado que lhe tiraria a vida.
  • 38. 1982 – OPERAÇÃO PAZ NA GALILÉIA • Israel invade o sul do Líbano (ocupação com objetivo de proteger o norte de Israel – Galiléia) • Tropas especiais de Israel avançam até a capital do Líbano (Beirute) para atacar e expulsar a OLP. • Nos arredores de Beirute dois assentamentos de palestinos Sabra e Chatila (sob controle de Israel) são atacados e massacrados por milícias Cristãs. Israel vê tudo, mas não protege os palestinos. • Obs. General Israelense responsável  ARIEL SHARON
  • 42. NOVO QG DA OLP  TUNÍSIA Nova postura de Arafat  Menos radical (CRIAÇÃO DE UM ESTADO PALESTINO QUE NÃO EXCLUA ISRAEL) ONU reconhece a OLP como legítima representante do povo palestino •Mais radicais consideram Arafat e a OLP como traidores • Crescem grupos terroristas radicais
  • 44. HamasHamas • Partido Político, Movimento De Assistência Social e Grupo Militar; • Criado em 1987 por Ahmed Yassin; • Nacionalista e extremista religioso; • Tido como grupo terrorista pelos EUA, UE, Canadá, Japão e Israel; • Prega o fim do estado de Israel e a substituição por um governo palestino, que ocuparia a área de Israel, Faixa de Gaza e Cisjordânia; • Não reconhece a existência do Estado de Israel; • Grande apoio da população pobre;
  • 46. HAMAS
  • 48. JIHAD
  • 49. FatahFatah • Organização política e militar fundada em 1964 por Yasser Arafat. Maior facção da OLP, (Organização para Libertação da Palestina); • Nacionalista e laico; • Reconhece a existência do Estado de Israel;
  • 51. 1987 – INÍCIO DA INTIFADA Intifada  Guerra das Pedras  Revolta popular palestina contra a ocupação israelense na Faixa de Gaza e na Cisjordânia (Organizada pelo Hamas)
  • 56. ACORDO DE OSLO (1993) • Local  EUA • Intermediação  Diplomatas da Noruega • Partes  OLP (Yasser Arafat) e Israel (Ytizak Rabin) • Acordo  Autonomia para os Palestinos por 5 anos na Faixa de Gaza e na cidade de Jericó (Cisjordânia). Após 5 anos forma-se o Estado Independente da Palestina.
  • 58. ACORDO DE OSLO II (1995) • Local  EUA • Partes  ANP (Yasser Arafat) e Israel (Ytizak Rabin) • Acordo  Aumenta as áreas sob controle dos Palestinos: • Seis cidades (Jenin, Naplouse, Tulkaren, Kalkiya, Rammallah e Belém; • Nablus controle parcial 1995 – Assassinato de Rabin - Responsável  Radical Judeu
  • 60. 1995 – 1996 => Ondas de atentados terroristas em Israel
  • 62. ELEIÇÕES EM ISRAEL VITÓRIA DO LIKUD (DIREITA) – 1996 1º Ministro => Binyamin Netaneahu FIM DAS NEGOCIAÇÕES
  • 63. VITÓRIA DO PARTIDO TRABALHISTA (ESQUERDA) 1º Ministro => Ehud Barak RETOMADA DAS NEGOCIAÇÕES (Devolução do Sul do Líbano) NOVAS ELEIÇÕES EM 1999
  • 64. LEVANTE DE JERUSALÉM OU NOVA INTIFADA - 2000 A crise começou no dia 28 de setembro, quando o político israelense Ariel Sharon visitou um local sagrado para os muçulmanos (Esplanada das Mesquitas). Os palestinos ficaram irados com a visita, e responderam com a destruição de um local sagrado judeu. Nas três semanas de conflito que se seguiram, mais de 100 pessoas foram mortas -a grande maioria palestinas.
  • 67. A CRUEL FACE DA VIOLÊNCIA
  • 68. 2000 – Novo 1º ministro em Israel  Ariel Sharon
  • 69. Ações de Sharon: • Separação do território de Israel das áreas habitadas pelos palestinos  MURO DA VERGONHA
  • 70. • Invasão de cidades palestinas => repressão ao terrorismo – “Guerra Contra o Terror”
  • 71. • Retirada das colônias judaicas da Faixa de Gaza e da Cisjordânia
  • 72. 2004 – Morre Yasser Arafat
  • 73. FATOS RECENTES • Atual liderança da ANP  Grupo Hamas • 2006  Ataque israelense a bases militares dos grupos: • Hezbollah – Sul do Líbano e Beirut • Hamas – Faixa de Gaza • Atual Primeiro Ministro de Israel => Binyamin Netaneahu
  • 74. ENTRAVES AO PROCESSO DE PAZ • Destino de Jerusalém: • Judeus consideram Jerusalém sua capital eterna e indivisível; • Palestinos querem a parte oriental de Jerusalém como a capital de um futuro Estado Palestino. • Grupos radicais (árabes e judeus); • Refugiados Palestinos => Israel se recusa a aceitar o retorno de 3 milhões de palestinos refugiados; • Água => Palestinos querem uma divisão eqüitativa dos lençóis freáticos; Israel quer ter controle sobre 80% dos lençóis freáticos.
  • 75. Religião: um elemento cultural de unificação e discórdia. O Oriente Médio é berço de três grandes religiões: ISLAMISMO, JUDAISMO, CRISTIANISMO
  • 76. Muro das lamentações – lugar sagrado para os Judeus
  • 77. Mesquita – lugar sagrado para os muçulmanos Mesquita de Omar
  • 79. Em 1964 foi criada a OLP(Organização para Libertação da Palestina), com a finalidade de lutar pela criação de um Estado Palestino, que abrangeria toda a região. Em 1969 Yasser Arafat, assume a presidência da Organização
  • 80. Em 1993, palestinos e israelenses iniciaram um processo de paz que previa retirada gradual de Israel dos territórios em troca de reconhecimento palestino do Estado judeu. Israel passou a se retirar paulatinamente dos centros urbanos palestinos. Mas Israel seguiu expandindo suas colônias em Gaza e Cisjordânia, enquanto palestinos seguiram cometendo atentados.
  • 83. Maioria dos israelenses apóia cerca A maioria dos israelenses apóia a cerca que o governo está construindo com o objetivo anunciado de evitar a entrada em Israel de suicidas palestinos vindos da Cisjordânia, de acordo com uma pesquisa divulgada ontem. Publicada no diário israelense “Yediot Aharonot”, a pesquisa, com margem de erro de 4,5 pontos percentuais para mais ou para menos, indica que 69% dos israelenses apóiam o projeto. Foram entrevistadas 590 pessoas para a pesquisa, que também mostra que o apoio ao primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, caiu de 59% para 51%.
  • 84. Bloqueios tolhem vida palestina Entre cada palestino e uma necessidade há um bloqueio. Desde o início da intifada, em setembro de 2000, Israel parece ter se tornado um lugar onde só conseguem entrar os terroristas. Para a esmagadora maioria da população que não pensa em martírio e bombas, mas em comida e trabalho, os postos de controle são um torniquete a estorvar o cotidiano. Há que se ter os documentos em ordem – não uma ordem muito lógica, mais uma que segue humor estável dos guardas de fronteira-, um rosto que não levante suspeitas e principalmente paciência para aguentar horas a fio sob o sol. Quase tudo que os palestinos precisam está em Israel. Dos mantimentos que não são produzidos nas hortas caseiras aos empregos que trazem preciosos shekels. Estima-se que hoje que mais de 70% dos palestinos estejam desempregados. Dados da Agência de Desenvolvimento Internacional do governo dos Estados Unidos mostram que hoje, depois de dois anos de instabilidade, uma em cada 10 crianças com menos de 5 anos sofre de subnutrição aguda, colocando Gaza ao lado da Nigéria e do Chade. No ano 2000, a proporção era de uma para 40. Uma pesquisa conduzida pelo Birô Palestino de Estatísticas mostra que em 65% dos 5.228 lares pesquisados durante abril, maio e junho havia dificuldade em encontrar alimento – 85% puseram a culpa nos bloqueios israelenses que apelidam de “nosso Muro de Berlim”.
  • 85. ConclusãoConclusãoIsrael, um Estado criado artificialmente para abrigar milhões de judeus espalhados pelo mundo todo, busca solidificar sua fé e sua autoridade na região suprimindo as revoltas e manifestações palestinas. A Palestina por sua vez apenas quer manter o que é seu por direito, uma vez que seu povo já estava estabelecido naquela região faz séculos, tendo assim que resistir à autoridade israelense. Israel não quer ceder às exigências palestinas na questão de concessão territorial e reconhecimento político, e a Palestina não vai se render facilmente, entregando o que é seu por direito. Dessa forma, a solução para as divergências na região ainda está longe de ser encontrada, contudo, guerras e conflitos não acabarão com o problema, mas sim com a população. Mesmo a paz sendo almejada por ambos os lados, bem como pela comunidade internacional inteira, ela ainda está longe de ser concretizada na região.