SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Poema
«Orfeu rebelde»
Miguel Torga
George Frederic Watts,
Orfeu e Eurídice (c. 1870-1872).
2
Orfeu:
poeta da mitologia grega conhecido
pelo seu canto melodioso,
que encantava a Natureza.
3
Orfeu rebelde, canto como sou:
Canto como um possesso
Que na casca do tempo, a canivete,
Gravasse a fúria de cada momento;
Canto, a ver se o meu canto compromete
A eternidade no meu sofrimento.
Outros, felizes, sejam rouxinóis...
Eu ergo a voz assim, num desafio:
Que o céu e a terra, pedras conjugadas
Do moinho cruel que me tritura,
Saibam que há gritos como há nortadas,
Violências famintas de ternura.
Bicho instintivo que adivinha a morte
No corpo dum poeta que a recusa,
Canto como quem usa
Os versos em legítima defesa.
Canto, sem perguntar à Musa
Se o canto é de terror ou de beleza.
4
Poesia
«Canto…» «como um possesso / Que na casca do tempo,
a canivete, / Gravasse a fúria de cada momento;»
(vv. 1-3)
Arma que o sujeito poético
usa para lutar contra a morte
Desejo de lutar contra
a efemeridade da vida
Arma
«Canto, a ver se o meu canto compromete /
A eternidade no meu sofrimento.» (vv. 5-6)
«Bicho instintivo que adivinha a morte /
No corpo dum poeta que a recusa, /
Canto como quem usa /
Os versos em legítima defesa.»
(vv. 13-16)
5
«Outros, felizes,
sejam rouxinóis…» (v. 7)
Canto dos outros
«Eu ergo a voz assim,
num desafio:»
(v. 8)
Canto do sujeito
poético
Harmonia
Grito contra
a morte
Franz von Stuck, Orfeu (1891).
O canto do eu e o canto dos outros
6
«Saibam que há gritos como há nortadas /
Violências famintas de ternura.»
(vv. 11-12)
A agressividade do eu
traduz também
aspiração ao afeto
A força da revolta
do eu assemelha-se à
força dos elementos
da Natureza
«Canto, sem perguntar à Musa /
Se o canto é de terror ou de beleza.»
(vv. 17-18)
Oscilação entre
exaltação e horror
A realidade, ainda
que bela, é marcada pela
omnipresença da morte
7
«Orfeu rebelde» (título)
O eu poético identifica-se
com poeta da mitologia
grega célebre pelo seu
canto melodioso, que
encantava a Natureza Representação de Orfeu encantando
os que o rodeiam, num sarcófago
do século III a. C., na Grécia.
Poeta cujo canto
tem um forte impacto
naqueles que o rodeiam
Poeta que procurou
lutar contra a morte
recorrendo ao seu canto
O seu canto
não é harmonioso,
mas um grito
de revolta
MAS é um
«Orfeu rebelde»
8
Luigi Vacca (1824) — representação da descida
de Orfeu ao Inferno, na cortina do Teatro
de Chambéry, em França.
9

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
Ana Tapadas
 
Alma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partisteAlma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partiste
rita Silva
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Joana Azevedo
 
Os lusiadas - camões
Os lusiadas - camõesOs lusiadas - camões
Os lusiadas - camões
julykathy
 

Mais procurados (20)

Luís de Camões_Rimas_Síntese_Porto Editora
Luís de Camões_Rimas_Síntese_Porto EditoraLuís de Camões_Rimas_Síntese_Porto Editora
Luís de Camões_Rimas_Síntese_Porto Editora
 
Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"
 
Orfeu rebelde
Orfeu rebeldeOrfeu rebelde
Orfeu rebelde
 
Eugénio de Andrade
Eugénio de AndradeEugénio de Andrade
Eugénio de Andrade
 
OCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsxOCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsx
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
Quando o Sol encoberto vai Mostrando - Sonetos de Camões
Quando o Sol encoberto vai Mostrando - Sonetos de CamõesQuando o Sol encoberto vai Mostrando - Sonetos de Camões
Quando o Sol encoberto vai Mostrando - Sonetos de Camões
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
 
Horizonte
HorizonteHorizonte
Horizonte
 
Alma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partisteAlma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partiste
 
Antero de Quental.docx
Antero de Quental.docxAntero de Quental.docx
Antero de Quental.docx
 
Lista obras textos educação Literária Secundário
Lista obras textos educação Literária  SecundárioLista obras textos educação Literária  Secundário
Lista obras textos educação Literária Secundário
 
Cantigas de amigo
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigo
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
Os lusiadas - camões
Os lusiadas - camõesOs lusiadas - camões
Os lusiadas - camões
 
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de Camões
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
 
Sísifo- Miguel Torga
Sísifo- Miguel TorgaSísifo- Miguel Torga
Sísifo- Miguel Torga
 

Semelhante a Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx

Poetas falam de poesia.8ano
Poetas falam de poesia.8anoPoetas falam de poesia.8ano
Poetas falam de poesia.8ano
Belmira Baptista
 
Parque dos Poetas, Oeiras
Parque dos Poetas, OeirasParque dos Poetas, Oeiras
Parque dos Poetas, Oeiras
BESL
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 8-9
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 8-9Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 8-9
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 8-9
luisprista
 
2014 cometas do bispo
2014   cometas do bispo2014   cometas do bispo
2014 cometas do bispo
LelioGomes
 
Arte pela arte e arte militante 1
Arte pela arte e arte militante 1Arte pela arte e arte militante 1
Arte pela arte e arte militante 1
Filipe Prado
 

Semelhante a Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx (20)

Poetas falam de poesia.8ano
Poetas falam de poesia.8anoPoetas falam de poesia.8ano
Poetas falam de poesia.8ano
 
Parque dos poetas
Parque dos poetasParque dos poetas
Parque dos poetas
 
Parque dos poetas
Parque dos poetasParque dos poetas
Parque dos poetas
 
Parque dos poetas
Parque dos poetasParque dos poetas
Parque dos poetas
 
Noivado do sepulcro
Noivado do sepulcroNoivado do sepulcro
Noivado do sepulcro
 
53135007 poemas-de-che-guevara
53135007 poemas-de-che-guevara53135007 poemas-de-che-guevara
53135007 poemas-de-che-guevara
 
Miguel torga: Vida e Obra
Miguel torga: Vida e ObraMiguel torga: Vida e Obra
Miguel torga: Vida e Obra
 
Parque dos poetas
Parque dos poetasParque dos poetas
Parque dos poetas
 
Parque dos Poetas, Oeiras
Parque dos Poetas, OeirasParque dos Poetas, Oeiras
Parque dos Poetas, Oeiras
 
Nicole loraux maneiras tragicas de matar uma mulher
Nicole loraux maneiras tragicas de matar uma mulherNicole loraux maneiras tragicas de matar uma mulher
Nicole loraux maneiras tragicas de matar uma mulher
 
O Gênero Lírico
O Gênero LíricoO Gênero Lírico
O Gênero Lírico
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 8-9
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 8-9Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 8-9
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 8-9
 
LITERATURA - 1º ANO - VERSIFICAÇÃO E ESCANSÃO.pptx
LITERATURA - 1º ANO - VERSIFICAÇÃO E ESCANSÃO.pptxLITERATURA - 1º ANO - VERSIFICAÇÃO E ESCANSÃO.pptx
LITERATURA - 1º ANO - VERSIFICAÇÃO E ESCANSÃO.pptx
 
2014 cometas do bispo
2014   cometas do bispo2014   cometas do bispo
2014 cometas do bispo
 
Uma Análise Literárias das Figuras de Linguagem nos Poemas de Flor Bela Espanca
Uma Análise Literárias das Figuras de Linguagem nos Poemas de Flor Bela EspancaUma Análise Literárias das Figuras de Linguagem nos Poemas de Flor Bela Espanca
Uma Análise Literárias das Figuras de Linguagem nos Poemas de Flor Bela Espanca
 
Uma Análise Literárias das Figuras de Linguagem nos Poemas de Flor Bela Espanca
Uma Análise Literárias das Figuras de Linguagem nos Poemas de Flor Bela EspancaUma Análise Literárias das Figuras de Linguagem nos Poemas de Flor Bela Espanca
Uma Análise Literárias das Figuras de Linguagem nos Poemas de Flor Bela Espanca
 
Poema _ aula sobre poema.docx
Poema _ aula sobre poema.docxPoema _ aula sobre poema.docx
Poema _ aula sobre poema.docx
 
Caderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdf
Caderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdfCaderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdf
Caderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdf
 
Arte pela arte e arte militante 1
Arte pela arte e arte militante 1Arte pela arte e arte militante 1
Arte pela arte e arte militante 1
 
Castro Alves
Castro AlvesCastro Alves
Castro Alves
 

Mais de JMTCS

Mais de JMTCS (13)

Esquema síntese de análise do poema Sisifo.pptx
Esquema síntese de análise do poema Sisifo.pptxEsquema síntese de análise do poema Sisifo.pptx
Esquema síntese de análise do poema Sisifo.pptx
 
12.º ano_poetas_contemporaneos_ccontextualização.pptx
12.º ano_poetas_contemporaneos_ccontextualização.pptx12.º ano_poetas_contemporaneos_ccontextualização.pptx
12.º ano_poetas_contemporaneos_ccontextualização.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
1_Miguel_Torga_vida e obra do poeta.pptx
1_Miguel_Torga_vida e obra do poeta.pptx1_Miguel_Torga_vida e obra do poeta.pptx
1_Miguel_Torga_vida e obra do poeta.pptx
 
Soluções dos exercícios - páginas 124 e 125.pptx
Soluções dos exercícios - páginas 124 e 125.pptxSoluções dos exercícios - páginas 124 e 125.pptx
Soluções dos exercícios - páginas 124 e 125.pptx
 
10 Ano_Turma F_correção teste_diagnostico.pptx
10 Ano_Turma F_correção  teste_diagnostico.pptx10 Ano_Turma F_correção  teste_diagnostico.pptx
10 Ano_Turma F_correção teste_diagnostico.pptx
 
10_ano_correcao do teste_diagnostico.pptx
10_ano_correcao do teste_diagnostico.pptx10_ano_correcao do teste_diagnostico.pptx
10_ano_correcao do teste_diagnostico.pptx
 
Bibiografia_Documento_orientações_trabalho.pptx
Bibiografia_Documento_orientações_trabalho.pptxBibiografia_Documento_orientações_trabalho.pptx
Bibiografia_Documento_orientações_trabalho.pptx
 
TRAGEDIA_MAIAS_FREI LUIS.pptx
TRAGEDIA_MAIAS_FREI LUIS.pptxTRAGEDIA_MAIAS_FREI LUIS.pptx
TRAGEDIA_MAIAS_FREI LUIS.pptx
 
PT8CDR_coordenacao.pptx
PT8CDR_coordenacao.pptxPT8CDR_coordenacao.pptx
PT8CDR_coordenacao.pptx
 
Plnm a1 ff
Plnm a1 ffPlnm a1 ff
Plnm a1 ff
 
Diagnose 12 ano
Diagnose 12 anoDiagnose 12 ano
Diagnose 12 ano
 
Despacho 12236 2014_alteracao_calendario_exames
Despacho 12236 2014_alteracao_calendario_examesDespacho 12236 2014_alteracao_calendario_exames
Despacho 12236 2014_alteracao_calendario_exames
 

Último

TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
FLAVIA LEZAN
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
LindinhaSilva1
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacionalBENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarMODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 

Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx

  • 2. George Frederic Watts, Orfeu e Eurídice (c. 1870-1872). 2
  • 3. Orfeu: poeta da mitologia grega conhecido pelo seu canto melodioso, que encantava a Natureza. 3
  • 4. Orfeu rebelde, canto como sou: Canto como um possesso Que na casca do tempo, a canivete, Gravasse a fúria de cada momento; Canto, a ver se o meu canto compromete A eternidade no meu sofrimento. Outros, felizes, sejam rouxinóis... Eu ergo a voz assim, num desafio: Que o céu e a terra, pedras conjugadas Do moinho cruel que me tritura, Saibam que há gritos como há nortadas, Violências famintas de ternura. Bicho instintivo que adivinha a morte No corpo dum poeta que a recusa, Canto como quem usa Os versos em legítima defesa. Canto, sem perguntar à Musa Se o canto é de terror ou de beleza. 4
  • 5. Poesia «Canto…» «como um possesso / Que na casca do tempo, a canivete, / Gravasse a fúria de cada momento;» (vv. 1-3) Arma que o sujeito poético usa para lutar contra a morte Desejo de lutar contra a efemeridade da vida Arma «Canto, a ver se o meu canto compromete / A eternidade no meu sofrimento.» (vv. 5-6) «Bicho instintivo que adivinha a morte / No corpo dum poeta que a recusa, / Canto como quem usa / Os versos em legítima defesa.» (vv. 13-16) 5
  • 6. «Outros, felizes, sejam rouxinóis…» (v. 7) Canto dos outros «Eu ergo a voz assim, num desafio:» (v. 8) Canto do sujeito poético Harmonia Grito contra a morte Franz von Stuck, Orfeu (1891). O canto do eu e o canto dos outros 6
  • 7. «Saibam que há gritos como há nortadas / Violências famintas de ternura.» (vv. 11-12) A agressividade do eu traduz também aspiração ao afeto A força da revolta do eu assemelha-se à força dos elementos da Natureza «Canto, sem perguntar à Musa / Se o canto é de terror ou de beleza.» (vv. 17-18) Oscilação entre exaltação e horror A realidade, ainda que bela, é marcada pela omnipresença da morte 7
  • 8. «Orfeu rebelde» (título) O eu poético identifica-se com poeta da mitologia grega célebre pelo seu canto melodioso, que encantava a Natureza Representação de Orfeu encantando os que o rodeiam, num sarcófago do século III a. C., na Grécia. Poeta cujo canto tem um forte impacto naqueles que o rodeiam Poeta que procurou lutar contra a morte recorrendo ao seu canto O seu canto não é harmonioso, mas um grito de revolta MAS é um «Orfeu rebelde» 8
  • 9. Luigi Vacca (1824) — representação da descida de Orfeu ao Inferno, na cortina do Teatro de Chambéry, em França. 9