SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Escola de Referência em Ensino Médio de Timbaúba
Gênero pode ser definido como aquilo que identifica e
diferencia os homens e as mulheres, ou seja, o gênero masculino e o
gênero feminino.
De acordo com a definição “tradicional” de gênero, este pode
ser usado como sinônimo de “sexo”, referindo-se ao que é próprio
do sexo masculino, assim como do sexo feminino.
No entanto, a partir do ponto de vista das ciências sociais e da
psicologia, principalmente, o gênero é entendido como aquilo que
diferencia socialmente as pessoas, levando em consideração os
padrões histórico-culturais atribuídos para os homens e mulheres.
Nos estudos biológicos, o conceito de gênero é um termo utilizado na classificação cientifica e
agrupamento de organismos vivos, que formam um conjunto de espécies com características
morfológicas e funcionais, refletindo a existência de ancestrais comuns e próximos. Por exemplo, o
“homo sapiens” é o nome da espécie humana a qual pertence ao gênero “homo”.
Consiste no modo como determinado indivíduo se identifica na
sociedade, com base no papel social do gênero e no sentimento
individual de identidade da pessoa.
O conceito da identidade de gênero não está relacionado com os
fatores biológicos, mas sim com a identificação do indivíduo com
determinado gênero (masculino, feminino ou ambos).
Por exemplo, uma pessoa que biologicamente nasceu com o sexo
masculino, mas que se identifica com o papel social do gênero
feminino, deve ser socialmente reconhecida como uma mulher.
Esta pessoa é denominada transgênera, pois possui uma
identidade de gênero diferente da biológica.
É incorreto, no entanto, relacionar a identidade de gênero com a orientação sexual. Existem
pessoas transexuais, por exemplo, que podem ser heterossexuais, homossexuais ou bissexuais,
assim como acontece com as pessoas cisgênero.
LGBT (ou LGBTTT) é a sigla de
Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis,
Transexuais e Transgêneros, que
consistem em diferentes tipos de
orientações sexuais.
Bandeira LGBTA sigla LGBT
também é utilizada como nome de
um movimento que luta pelos direitos
dos homossexuais e, principalmente,
contra a homofobia.
Inicialmente, o movimento era conhecido apenas por GLS (Gays, Lésbicas e Simpatizantes),
porém houve um grande crescimento e as pessoas começaram a questionar as diferentes
ramificações e identidades, fazendo com que o movimento adquirisse outros tipos de orientações
sexuais.
A bandeira lgbt é o símbolo do orgulho, do reconhecimento e da cultura lgbt a nível mundial.
Desenhada pelo artista plástico Gilbert Baker, em 1977, a bandeira lgbt é composta por listas horizontais de
seis cores diferentes (roxo azul, verde, amarelo, laranja e vermelho), semelhantes à do arco-íris. Estas cores
representam a diversidade humana. Saiba então um pouco mais sobre cada cor da bandeira LGBT.
Este conceito está relacionado com a ideia da
identidade de gênero, pois classifica os papéis do gênero
como um produto histórico-cultural e político, que foi
definido ao longo dos anos e pautado por uma perspectiva
de sociedade patriarcal e heteronormativa.
De acordo com esta ideologia, as pessoas nascem
iguais e, ao longo da vida, vão construindo a sua própria
identidade, seja como homem, mulher ou ambos.
Atualmente, esta ideia continua a não ser facilmente
aceita pela maioria da sociedade.
No entanto, para desconstruir a heteronormatividade que está enraizada na cultura brasileira,
existem alguns projetos e políticas de ensino que planejam ensinar as crianças e jovens a
compreenderem as diferenças.
A questão que surge é sobre o que determina alguém como masculino ou feminino. Na maioria dos casos isto
pode parecer óbvio, mas a questão se complica para pessoas intersexuais ou transgênero. Jurisdições diferentes
têm adotado respostas diferentes para esta questão. Praticamente todos os países permitem mudança do status
legal de gênero nos casos de intersexualidade, quando o gênero designado no nascimento é considerado
biologicamente incerto – tecnicamente, entretanto, esta não é uma mudança de status por si. E um
reconhecimento de um status que já existia, mas desconhecido, no nascimento. Nos últimos tempos, jurisdições
também têm provido de procedimentos para mudanças no gênero legal de pessoas transgêneros.
A habilidade de alterar o gênero legal para pessoas transgêneros em particular têm levantado o fenômeno em
algumas jurisdições da mesma pessoa ter gêneros diferentes para diferentes áreas da lei. Por exemplo, na Austrália,
pessoas transexuais poderiam ser reconhecidas como tendo o gênero que identificavam sob muitas áreas da lei,
incluindo a previdência social, mas não para a lei do casamento. Assim, por um período, foi possível para a mesma
pessoa ter dois gêneros diferentes sob a lei australiana.
Em sistemas federativos, é possível que uma mesma pessoa tenha um gênero sob a lei estadual e outro sob a
lei federal (e.g., quando a legislação de um estado reconhece transições de gênero, e a legislação federal não).
Gênero, e particularmente os papéis da mulher são extensamente reconhecidos
como importantes para as questões de cooperação internacional. Isto muitas vezes
significa um foco em igualdade de gênero, garantindo participação, mas inclui um
entendimento dos diferentes papéis e expectativas dos gêneros dentro das comunidades.
Assim como endereçar as desigualdades diretamente, a atenção para questões de
gênero é considerada importante para o sucesso dos programas desenvolvidos, para
todos os participantes. Algumas organizações que trabalham em países em
desenvolvimento e na questão do desenvolvimento incorporaram a advocacia e
empoderamento das mulheres nos seus trabalhos. exemplo notável é a organização
ambiental queniana de Wangari Maathai chamada Green Belt.
 SOARES, Mireya Suárez de (1995). «Enfoques feministas e
antropologia» (PDF). Consultado em 18 de outubro de 2013.
 Ir para cima ↑ «Margaret Mead». Consultado em 18 de outubro de
2013. Parâmetro desconhecido |In= ignorado (|in=) (Ajuda)
 Ir para cima ↑ MEAD, Margaret (2000). Sexo e temperamento (São
Paulo: Perspectiva).
 ↑ Ir para: a b SCAVONE, Lucila (2008). «Estudos de gênero: uma
sociologia feminista?» (PDF). p. 175. Consultado em 22 de outubro
de 2013.
 Ir para cima ↑ Money, John "Hermaphroditism, gender and
precocity in hyperadrenocorticism: Psychologic findings', Bulletin of
the Johns Hopkins Hospital 96 (1955): 253–264. Traduzido da
Wikipédia em inglês
 ↑ Ir para: a b c d GROSSI, Miriam Pillar. «Identidade de gênero e
sexualidade» (PDF). Consultado em 17 de outubro de 2013.
 ↑ Ir para: a b c LIMA, Rita de Lourdes (2011). «Diversidade,
identidade de gênero e religião: algumas reflexões». Consultado
em 17 de outubro de 2013.
 Roughgarden, Joan "Evolução do Gênero e da Sexualidade", Editora Planta
 ↑ Ir para: a b c SCAVONE, Lucila (2008). «Estudos de gênero: uma sociologia
feminista?» (PDF). Consultado em 22 de outubro de 2013.
 Ir para cima ↑ SCAVONE, Lucila (2008). «Estudos de gênero: uma sociologia
feminista?» (PDF). p. 173. Consultado em 22 de outubro de 2013.
 Ir para cima ↑ SCAVONE, Lucila (2008). «Estudos de gênero: uma sociologia
feminista?» (PDF). p. 179. Consultado em 22 de outubro de 2013.
 Ir para cima ↑ GIDDENS, Anthony (2005). «Gênero e sexualidade». Sociologia
(Porto Alegre: Artmed). pp. 101–127.
 Ir para cima ↑ De Beauvoir, Simone “O Segundo Sexo Vol. 2, pág. 9. Tradução
Sérgio Millet, Ed. Nova Fronteira.
 Ir para cima ↑ SCAVONE, Lucila (2008). «Estudos de gênero: uma sociologia
feminista?» (PDF). p. 180. Consultado em 22 de outubro de 2013.
 ↑ Ir para: a b RODRIGUES, Carla (2012). «Performance, gênero, linguagem e
alteridade: J. Butler leitora de J. Derrida» (PDF). p. 150-151. Consultado em 22 de
outubro de 2013.
O conceito de gênero e as relações de gêneros

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeMoacyr Anício
 
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de SociologiaGenero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de SociologiaSaulo Lucena
 
Direitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadaniaDireitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadaniaFillipe Lobo
 
Sobre viver em sociedade
Sobre viver em sociedadeSobre viver em sociedade
Sobre viver em sociedadeMara Salvucci
 
Diversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismoDiversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismoEdenilson Morais
 
Diversidade cultural apresentação
Diversidade cultural   apresentaçãoDiversidade cultural   apresentação
Diversidade cultural apresentaçãokarlyapessoa
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre ViolênciaSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre ViolênciaTurma Olímpica
 
Aula 3 A construção da identidade nacional - 1º ano de Sociologia - Prof. ...
Aula 3    A construção da identidade nacional - 1º ano de Sociologia - Prof. ...Aula 3    A construção da identidade nacional - 1º ano de Sociologia - Prof. ...
Aula 3 A construção da identidade nacional - 1º ano de Sociologia - Prof. ...Prof. Noe Assunção
 
6 liberdade e autonomia
6 liberdade e autonomia 6 liberdade e autonomia
6 liberdade e autonomia Erica Frau
 

Mais procurados (20)

Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Raça e etnia
Raça e etniaRaça e etnia
Raça e etnia
 
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de SociologiaGenero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
 
Direitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadaniaDireitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadania
 
Sobre viver em sociedade
Sobre viver em sociedadeSobre viver em sociedade
Sobre viver em sociedade
 
Direitos humanos
Direitos humanosDireitos humanos
Direitos humanos
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
Diversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismoDiversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismo
 
Diversidade cultural apresentação
Diversidade cultural   apresentaçãoDiversidade cultural   apresentação
Diversidade cultural apresentação
 
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
Multiculturalismo
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre ViolênciaSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Desigualdade Social
Desigualdade SocialDesigualdade Social
Desigualdade Social
 
Aula 3 A construção da identidade nacional - 1º ano de Sociologia - Prof. ...
Aula 3    A construção da identidade nacional - 1º ano de Sociologia - Prof. ...Aula 3    A construção da identidade nacional - 1º ano de Sociologia - Prof. ...
Aula 3 A construção da identidade nacional - 1º ano de Sociologia - Prof. ...
 
6 liberdade e autonomia
6 liberdade e autonomia 6 liberdade e autonomia
6 liberdade e autonomia
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
 
Ideologia
IdeologiaIdeologia
Ideologia
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 

Semelhante a O conceito de gênero e as relações de gêneros

Diversidade sexual e a cidadania LGBT
Diversidade sexual e a cidadania LGBTDiversidade sexual e a cidadania LGBT
Diversidade sexual e a cidadania LGBTClayton Santos
 
Diversidade sexual e homofobia
Diversidade sexual e homofobiaDiversidade sexual e homofobia
Diversidade sexual e homofobiaBeatriz Roedel
 
Sexualidade juvenil, direitos e diversidade sexual.
Sexualidade juvenil, direitos e diversidade sexual.Sexualidade juvenil, direitos e diversidade sexual.
Sexualidade juvenil, direitos e diversidade sexual.Fábio Fernandes
 
Conjugalidades, parentalidades e
Conjugalidades, parentalidades eConjugalidades, parentalidades e
Conjugalidades, parentalidades eCassia Barbosa
 
Identidade de gênero e orientação sexual.
Identidade de gênero e orientação sexual.Identidade de gênero e orientação sexual.
Identidade de gênero e orientação sexual.Fábio Fernandes
 
Louro, guacira lopes. o corpo educado
Louro, guacira lopes. o corpo educadoLouro, guacira lopes. o corpo educado
Louro, guacira lopes. o corpo educadonatielemesquita
 
O combate à discriminação sexual e de gênero.
O combate à discriminação sexual e de gênero.O combate à discriminação sexual e de gênero.
O combate à discriminação sexual e de gênero.Fábio Fernandes
 
Orientação sexual: desejos, comportamentos e identidades sexuais.
Orientação sexual: desejos, comportamentos e identidades sexuais.Orientação sexual: desejos, comportamentos e identidades sexuais.
Orientação sexual: desejos, comportamentos e identidades sexuais.Fábio Fernandes
 
Unidade iii sexualidade e questões de gênero
Unidade iii   sexualidade e questões de gêneroUnidade iii   sexualidade e questões de gênero
Unidade iii sexualidade e questões de gêneropmarisa
 
Violências Interpessoais e simbólicas na trajetória de uma professora interse...
Violências Interpessoais e simbólicas na trajetória de uma professora interse...Violências Interpessoais e simbólicas na trajetória de uma professora interse...
Violências Interpessoais e simbólicas na trajetória de uma professora interse...Henrique Caproni
 
Sociologia capítulo 14
Sociologia capítulo 14Sociologia capítulo 14
Sociologia capítulo 14Dardiana Alves
 
Melhore: o pequeno manual da propaganda diversa
Melhore: o pequeno manual da propaganda diversaMelhore: o pequeno manual da propaganda diversa
Melhore: o pequeno manual da propaganda diversaLápis Raro
 
ORIENTAÇÕES SOBRE IDENTIDADE DE GÊNERO CONCEITOS E TERMOS-1.pdf
ORIENTAÇÕES SOBRE IDENTIDADE DE GÊNERO CONCEITOS E TERMOS-1.pdfORIENTAÇÕES SOBRE IDENTIDADE DE GÊNERO CONCEITOS E TERMOS-1.pdf
ORIENTAÇÕES SOBRE IDENTIDADE DE GÊNERO CONCEITOS E TERMOS-1.pdfVeraReal
 
Orientações sobre identidade_de_gênero__conceitos_e_termos_-_2ª_edição (1)
Orientações sobre identidade_de_gênero__conceitos_e_termos_-_2ª_edição (1)Orientações sobre identidade_de_gênero__conceitos_e_termos_-_2ª_edição (1)
Orientações sobre identidade_de_gênero__conceitos_e_termos_-_2ª_edição (1)Monica Francisco
 

Semelhante a O conceito de gênero e as relações de gêneros (20)

Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
glossário lgbtqiap+.pptx
glossário  lgbtqiap+.pptxglossário  lgbtqiap+.pptx
glossário lgbtqiap+.pptx
 
Diversidade sexual e a cidadania LGBT
Diversidade sexual e a cidadania LGBTDiversidade sexual e a cidadania LGBT
Diversidade sexual e a cidadania LGBT
 
Diversidade sexual e homofobia
Diversidade sexual e homofobiaDiversidade sexual e homofobia
Diversidade sexual e homofobia
 
Sexualidade juvenil, direitos e diversidade sexual.
Sexualidade juvenil, direitos e diversidade sexual.Sexualidade juvenil, direitos e diversidade sexual.
Sexualidade juvenil, direitos e diversidade sexual.
 
Conjugalidades, parentalidades e
Conjugalidades, parentalidades eConjugalidades, parentalidades e
Conjugalidades, parentalidades e
 
Identidade de gênero e orientação sexual.
Identidade de gênero e orientação sexual.Identidade de gênero e orientação sexual.
Identidade de gênero e orientação sexual.
 
Lgbti
LgbtiLgbti
Lgbti
 
Louro, guacira lopes. o corpo educado
Louro, guacira lopes. o corpo educadoLouro, guacira lopes. o corpo educado
Louro, guacira lopes. o corpo educado
 
O que é sexo
O que é sexoO que é sexo
O que é sexo
 
Gênero.ppt
Gênero.pptGênero.ppt
Gênero.ppt
 
O combate à discriminação sexual e de gênero.
O combate à discriminação sexual e de gênero.O combate à discriminação sexual e de gênero.
O combate à discriminação sexual e de gênero.
 
Gênero e Sexualidade
Gênero e Sexualidade Gênero e Sexualidade
Gênero e Sexualidade
 
Orientação sexual: desejos, comportamentos e identidades sexuais.
Orientação sexual: desejos, comportamentos e identidades sexuais.Orientação sexual: desejos, comportamentos e identidades sexuais.
Orientação sexual: desejos, comportamentos e identidades sexuais.
 
Unidade iii sexualidade e questões de gênero
Unidade iii   sexualidade e questões de gêneroUnidade iii   sexualidade e questões de gênero
Unidade iii sexualidade e questões de gênero
 
Violências Interpessoais e simbólicas na trajetória de uma professora interse...
Violências Interpessoais e simbólicas na trajetória de uma professora interse...Violências Interpessoais e simbólicas na trajetória de uma professora interse...
Violências Interpessoais e simbólicas na trajetória de uma professora interse...
 
Sociologia capítulo 14
Sociologia capítulo 14Sociologia capítulo 14
Sociologia capítulo 14
 
Melhore: o pequeno manual da propaganda diversa
Melhore: o pequeno manual da propaganda diversaMelhore: o pequeno manual da propaganda diversa
Melhore: o pequeno manual da propaganda diversa
 
ORIENTAÇÕES SOBRE IDENTIDADE DE GÊNERO CONCEITOS E TERMOS-1.pdf
ORIENTAÇÕES SOBRE IDENTIDADE DE GÊNERO CONCEITOS E TERMOS-1.pdfORIENTAÇÕES SOBRE IDENTIDADE DE GÊNERO CONCEITOS E TERMOS-1.pdf
ORIENTAÇÕES SOBRE IDENTIDADE DE GÊNERO CONCEITOS E TERMOS-1.pdf
 
Orientações sobre identidade_de_gênero__conceitos_e_termos_-_2ª_edição (1)
Orientações sobre identidade_de_gênero__conceitos_e_termos_-_2ª_edição (1)Orientações sobre identidade_de_gênero__conceitos_e_termos_-_2ª_edição (1)
Orientações sobre identidade_de_gênero__conceitos_e_termos_-_2ª_edição (1)
 

Último

Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Centro Jacques Delors
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaANNAPAULAAIRESDESOUZ
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...azulassessoria9
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...azulassessoria9
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSPedro Luis Moraes
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Centro Jacques Delors
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Cantos do fim do século
Sistema de Bibliotecas UCS  - Cantos do fim do séculoSistema de Bibliotecas UCS  - Cantos do fim do século
Sistema de Bibliotecas UCS - Cantos do fim do séculoBiblioteca UCS
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanomarla71199
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...
O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...
O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...azulassessoria9
 

Último (20)

Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Cantos do fim do século
Sistema de Bibliotecas UCS  - Cantos do fim do séculoSistema de Bibliotecas UCS  - Cantos do fim do século
Sistema de Bibliotecas UCS - Cantos do fim do século
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...
O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...
O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...
 

O conceito de gênero e as relações de gêneros

  • 1. Escola de Referência em Ensino Médio de Timbaúba
  • 2. Gênero pode ser definido como aquilo que identifica e diferencia os homens e as mulheres, ou seja, o gênero masculino e o gênero feminino. De acordo com a definição “tradicional” de gênero, este pode ser usado como sinônimo de “sexo”, referindo-se ao que é próprio do sexo masculino, assim como do sexo feminino. No entanto, a partir do ponto de vista das ciências sociais e da psicologia, principalmente, o gênero é entendido como aquilo que diferencia socialmente as pessoas, levando em consideração os padrões histórico-culturais atribuídos para os homens e mulheres. Nos estudos biológicos, o conceito de gênero é um termo utilizado na classificação cientifica e agrupamento de organismos vivos, que formam um conjunto de espécies com características morfológicas e funcionais, refletindo a existência de ancestrais comuns e próximos. Por exemplo, o “homo sapiens” é o nome da espécie humana a qual pertence ao gênero “homo”.
  • 3.
  • 4. Consiste no modo como determinado indivíduo se identifica na sociedade, com base no papel social do gênero e no sentimento individual de identidade da pessoa. O conceito da identidade de gênero não está relacionado com os fatores biológicos, mas sim com a identificação do indivíduo com determinado gênero (masculino, feminino ou ambos). Por exemplo, uma pessoa que biologicamente nasceu com o sexo masculino, mas que se identifica com o papel social do gênero feminino, deve ser socialmente reconhecida como uma mulher. Esta pessoa é denominada transgênera, pois possui uma identidade de gênero diferente da biológica. É incorreto, no entanto, relacionar a identidade de gênero com a orientação sexual. Existem pessoas transexuais, por exemplo, que podem ser heterossexuais, homossexuais ou bissexuais, assim como acontece com as pessoas cisgênero.
  • 5.
  • 6.
  • 7. LGBT (ou LGBTTT) é a sigla de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros, que consistem em diferentes tipos de orientações sexuais. Bandeira LGBTA sigla LGBT também é utilizada como nome de um movimento que luta pelos direitos dos homossexuais e, principalmente, contra a homofobia. Inicialmente, o movimento era conhecido apenas por GLS (Gays, Lésbicas e Simpatizantes), porém houve um grande crescimento e as pessoas começaram a questionar as diferentes ramificações e identidades, fazendo com que o movimento adquirisse outros tipos de orientações sexuais. A bandeira lgbt é o símbolo do orgulho, do reconhecimento e da cultura lgbt a nível mundial. Desenhada pelo artista plástico Gilbert Baker, em 1977, a bandeira lgbt é composta por listas horizontais de seis cores diferentes (roxo azul, verde, amarelo, laranja e vermelho), semelhantes à do arco-íris. Estas cores representam a diversidade humana. Saiba então um pouco mais sobre cada cor da bandeira LGBT.
  • 8. Este conceito está relacionado com a ideia da identidade de gênero, pois classifica os papéis do gênero como um produto histórico-cultural e político, que foi definido ao longo dos anos e pautado por uma perspectiva de sociedade patriarcal e heteronormativa. De acordo com esta ideologia, as pessoas nascem iguais e, ao longo da vida, vão construindo a sua própria identidade, seja como homem, mulher ou ambos. Atualmente, esta ideia continua a não ser facilmente aceita pela maioria da sociedade. No entanto, para desconstruir a heteronormatividade que está enraizada na cultura brasileira, existem alguns projetos e políticas de ensino que planejam ensinar as crianças e jovens a compreenderem as diferenças.
  • 9. A questão que surge é sobre o que determina alguém como masculino ou feminino. Na maioria dos casos isto pode parecer óbvio, mas a questão se complica para pessoas intersexuais ou transgênero. Jurisdições diferentes têm adotado respostas diferentes para esta questão. Praticamente todos os países permitem mudança do status legal de gênero nos casos de intersexualidade, quando o gênero designado no nascimento é considerado biologicamente incerto – tecnicamente, entretanto, esta não é uma mudança de status por si. E um reconhecimento de um status que já existia, mas desconhecido, no nascimento. Nos últimos tempos, jurisdições também têm provido de procedimentos para mudanças no gênero legal de pessoas transgêneros. A habilidade de alterar o gênero legal para pessoas transgêneros em particular têm levantado o fenômeno em algumas jurisdições da mesma pessoa ter gêneros diferentes para diferentes áreas da lei. Por exemplo, na Austrália, pessoas transexuais poderiam ser reconhecidas como tendo o gênero que identificavam sob muitas áreas da lei, incluindo a previdência social, mas não para a lei do casamento. Assim, por um período, foi possível para a mesma pessoa ter dois gêneros diferentes sob a lei australiana. Em sistemas federativos, é possível que uma mesma pessoa tenha um gênero sob a lei estadual e outro sob a lei federal (e.g., quando a legislação de um estado reconhece transições de gênero, e a legislação federal não).
  • 10. Gênero, e particularmente os papéis da mulher são extensamente reconhecidos como importantes para as questões de cooperação internacional. Isto muitas vezes significa um foco em igualdade de gênero, garantindo participação, mas inclui um entendimento dos diferentes papéis e expectativas dos gêneros dentro das comunidades. Assim como endereçar as desigualdades diretamente, a atenção para questões de gênero é considerada importante para o sucesso dos programas desenvolvidos, para todos os participantes. Algumas organizações que trabalham em países em desenvolvimento e na questão do desenvolvimento incorporaram a advocacia e empoderamento das mulheres nos seus trabalhos. exemplo notável é a organização ambiental queniana de Wangari Maathai chamada Green Belt.
  • 11.  SOARES, Mireya Suárez de (1995). «Enfoques feministas e antropologia» (PDF). Consultado em 18 de outubro de 2013.  Ir para cima ↑ «Margaret Mead». Consultado em 18 de outubro de 2013. Parâmetro desconhecido |In= ignorado (|in=) (Ajuda)  Ir para cima ↑ MEAD, Margaret (2000). Sexo e temperamento (São Paulo: Perspectiva).  ↑ Ir para: a b SCAVONE, Lucila (2008). «Estudos de gênero: uma sociologia feminista?» (PDF). p. 175. Consultado em 22 de outubro de 2013.  Ir para cima ↑ Money, John "Hermaphroditism, gender and precocity in hyperadrenocorticism: Psychologic findings', Bulletin of the Johns Hopkins Hospital 96 (1955): 253–264. Traduzido da Wikipédia em inglês  ↑ Ir para: a b c d GROSSI, Miriam Pillar. «Identidade de gênero e sexualidade» (PDF). Consultado em 17 de outubro de 2013.  ↑ Ir para: a b c LIMA, Rita de Lourdes (2011). «Diversidade, identidade de gênero e religião: algumas reflexões». Consultado em 17 de outubro de 2013.  Roughgarden, Joan "Evolução do Gênero e da Sexualidade", Editora Planta  ↑ Ir para: a b c SCAVONE, Lucila (2008). «Estudos de gênero: uma sociologia feminista?» (PDF). Consultado em 22 de outubro de 2013.  Ir para cima ↑ SCAVONE, Lucila (2008). «Estudos de gênero: uma sociologia feminista?» (PDF). p. 173. Consultado em 22 de outubro de 2013.  Ir para cima ↑ SCAVONE, Lucila (2008). «Estudos de gênero: uma sociologia feminista?» (PDF). p. 179. Consultado em 22 de outubro de 2013.  Ir para cima ↑ GIDDENS, Anthony (2005). «Gênero e sexualidade». Sociologia (Porto Alegre: Artmed). pp. 101–127.  Ir para cima ↑ De Beauvoir, Simone “O Segundo Sexo Vol. 2, pág. 9. Tradução Sérgio Millet, Ed. Nova Fronteira.  Ir para cima ↑ SCAVONE, Lucila (2008). «Estudos de gênero: uma sociologia feminista?» (PDF). p. 180. Consultado em 22 de outubro de 2013.  ↑ Ir para: a b RODRIGUES, Carla (2012). «Performance, gênero, linguagem e alteridade: J. Butler leitora de J. Derrida» (PDF). p. 150-151. Consultado em 22 de outubro de 2013.