SlideShare uma empresa Scribd logo
NATASHA

    Vindo de trás, quem contorna a belíssima catedral do Carmo, de estilo gótico, pela
frente, no seu lado esquerdo, e atravessa o jardim em frente pelo lado direito em
direção ao Café da Fazenda que fica na próxima esquina, vai notar que do lado oposto
a cafeteria, o dono, de uma loja de cosméticos tinha bom gosto.
    Era um sobrado bonito com características da década de trinta. A delicadeza das
cores roxo, lilás e rosa, além da exuberante apresentação de suas vitrines com blindex
verde bem clarinho e o fantasioso nome: odores da alma, impresso numa
multicolorida e iluminada placa que ornava a parte superior em frente da loja onde
arandelas azuis cor do céu balançavam penduradas ao vento apresentava como cartão
de visita que a loja tinha uma dona e não um dono. Natasha.
    Escultural morena, cabelos longos, lisos e quentes. Belos e suculentos quadris.
Altura de fada e olhar furtivo de fuinha. Culta, graduada em farmácia, escritora –
escreveu dois livros de poesia e um de contos -, discretíssima, introvertida, misteriosa
e gentil.
    Seus tributos personificavam nos homens a ganância da conquista, a obsessão
carnal, a fome e a sede do cérebro peniano da exacerbação masculina. No bar ou
restaurante junto com amigas na menor tentativa de uma cantada dizia um sonoro e
agressivo, “obrigada”, “não quero”, “não posso”, “não insista”. E por um
descuido da natureza que as ciências humanas e biológicas ainda não conseguiram
desvendar, quanto mais arredia era ela, mais a burrice machista se materializava em
curiosidade, paixão e presentes.
    Sua clientela eram grande e eclética, fiel e crescente. Junto as grandes marcas do
setor de cosméticos fixava seu brilho em marca própria, descoberta e registrada ainda
na graduação quando em que numa viagem para Campos do Jordão, o cheiro da serra
e um namoradinho passageiro deram inspiração ao nome: sabores do corpo.
    Treze funcionários cuidavam do bom andamento do atendimento, apresentação,
reposição, promoção, vendas e recebimentos. Natasha administrava e conduzia com
punho firme, típico de grandes empreendedores, a oficina de aromas, como ela
chamava seu cantinho sagrado de trabalho. Em outra parte da cidade, um pequeno
laboratório sob sua responsabilidade técnica produzia os cosméticos com a sua marca.
Xampus, sabonetes e perfumes formavam a base de sua produção.
    Natasha morava numa grande casa sobradada de esquina que ostentava colunas
gregas na entrada e nas laterais. Um enorme jardim contornava uma das faces do
sobrado. Do outro lado, uma piscina, uma churrasqueira e um pequeno campo de vôlei
mostravam o quanto alegre era a casa em dias de folga. Tudo foi conquistado em
apenas dois anos quando se mudou para a cidade vinda de outro estado trazendo a tira
colo um, assim como ela apresentava, discreto ar de solitária.

    - Não dá para entender Marina. Uma mulher tão bonita, inteligente, rica e sozinha.
- Pois é. Ela é uma graça. Conversa de tudo. Sabe de tudo. Economia, moda,
agronegócios... fundos de investimentos... só não fala de sua vida.
- Há doze meses você trabalha com ela. Nunca ninguém descobriu nada?
- Um comentário existe.
- Qual é? Me conta.
- Dizem... dizem... Não sei se é verdade. Um dia ela pegou seu namorado... marido...
sei lá, isso ninguém sabe, com outra na cama. Ela terminou tudo e o cara se matou.
- Ô loco! Verdade?
- Não sei.

    Assim como seus tributos enervavam os caninos comentários masculinos, as felinas
fofocas femininas aumentavam o mito da mulher irresistível.
    Muitos de seus fregueses eram homens que tentavam se aproximar da fartura de
mulher esculpida ou talhada por Michelangelos vindos de galáxias próximas dos
campos dos sonhos. Ricardo era um deles. Seu interesse surgiu um dia que por um
lapso do descuido e da burrice, ao olhar uma garota que caminhava do lado oposto que
ele, fincou a cabeça num postinho de transito, escorregou e pateticamente caiu aos pés
de Natasha que contornava a esquina da cafeteria, um pouco distraída.

-   Cuidado moço!
-   Desculpe. Eu estava distraído.
-   Sei! Eu posso imaginar qual foi sua distração.
-   Essa doeu – disse Ricardo se levantando meio sem jeito.
-   Nossa!
-   O que foi?
-   Está sangrando. Você teve um corte na testa. Venha comigo.

    Na loja de cosmético Natasha com seu estojo de primeiros socorros que mantém
para alguma eventualidade fez um curativo no rapaz que ao deixar o local se derreteu
em desculpas pelo trabalho dado e agradecimentos esperando agora fincar a cabeça
num poste de luz.
    Amigo de duas funcionárias da loja começou aproveitar a deixa para se aproximar
de Natasha as sextas feiras nas happy hours nos bares da região e no Café da
Fazenda. Muito extrovertido e galanteador, falava pelos cotovelos suas aventuras e
anseios que deixavam implícitos a burrice adolescente carregado por um moleque de
trinta anos. Não teve nenhum sucesso e nenhuma chance. Pior, seu amigo Newton
parece ter atraído como um imã alguns olhares tímidos e sorrisos na mesma amplitude
de Natasha.
    Ao menos foi isso que todos notaram numa sexta após duro dia de trabalho no Café
da Fazenda e que se comprovou logo na manhã de segunda.
- Lucínha! Foi legal sexta à noite lá no Café, não foi?
- Verdade. Foi divertido. Eu, Rita e a Márcia comentamos isso pela internet no final de
semana.
- O que mais vocês comentaram?
- Umas coisinhas.
- Sei... sei... E aquele cara hem?
- O Ricardo...
- Não, não. O burro não... Quer dizer... O outro.
- Ah, o Newton. (risos)
- Que riso é esse mulher?
- Desculpe.
- Deixa pra lá. Aposto que vocês comentaram alguma coisa a esse respeito na internet.
- Comentamos. Parece que deu um feed-back.
- Um feed-back.
- Entre você e ele.
- Não, não. Não deu nada. Bom! Vamos trabalhar.
    E Newton passou a ser um novo freguês e assíduo do odores da alma. A compra
que poderia ser feita em um único dia, levava cinco, seis ou mais. Num dia comprava
um conjunto de xampus, no outro creme e no outro alguma coisa que havia esquecido
no dia anterior. O fato da compra não se concretizava com a intenção do rapaz. Ela
nunca estava no atendimento quando lá ele estava e foi num outro happy hour que ele
tentou uma aproximação.

-É difícil ver você.
-Estou sempre na loja.
-Ah, é! Onde? Eu... eu... às vezes apareço por lá e não te vejo.
-Sei – disse Natasha com um sorriso gelado.
   Por três horas a conversa rolou solta. O coquetel de chope, cerveja, vermute e
outros embebedaram os sentimentos de todos que digeriam palavras e petiscos sem a
complacência da culpa da gula ou da timidez. Newton destilou doces palavras a
Natasha que retribuía com enigmáticos sorrisos e palavras controladas por uma
circunstância intra-pessoal. Ferido, Ricardo aproximou-se de Lucinha se escondendo no
interior de suas angústias, aflições e frustrações.
    Na passagem dos dias, casuais encontros entre Newton e Natasha aconteceram
pela cidade e em um deles ele a convidou para um cinema. Prontamente recusado com
as frases de sempre – não posso, não vai dar.

-   Você não quer. É isso.
-   Eu não disse isso.
-   É a mesma coisa.
-   Não é.
-   Vamos.
-   Não posso.

   Newton não se deu por vencido. Simulou um casual encontro na hora do almoço e
sua intenção foi objetivada.

- Não posso acreditar que estamos nesse restaurante almoçando.
- Já tentou dar um beliscão em você. – disse Natasha com um sorriso meigo e
profundo.
- Não vai funcionar. Eu estou anestesiado. Não vou sentir. Talvez eu de um tiro na
cabeça.
- Que horror!
- Brincadeirinha.
    Instantaneamente Natasha vestiu uma máscara séria, fria e perdida. Newton se
lembrou da história contada pelas amigas. Estremeceu. Quis se desculpar de joelhos.
Foi inteligentemente impedido de tal vexame por ela. Pediu milhões de desculpas e fez
outros tantos de promessas. Tentando se por em equilíbrio, abaixou sua cabeça e
mostrou sua face frágil numa lágrima solitária rolando sobre ela deixando transparecer
sua ternura e sensibilidade.
- Natasha. Eu... Eu... Alguma coisa muito estranha está acontecendo comigo.
- Estranha?
- Acho que é paixão.
- E isso é estranho?
- Acho... Acho não... Tenho certeza... Estou apaixonado por você.
    Difícil descrever como foi o almoço dentro daquelas circunstâncias. Os dias se
passaram rápidos como há de ser quando se atingi certa idade de responsabilidades,
direitos e deveres. Muitos telefonemas, muitos bilhetes e esperanças em nome de
Newton. Chateado, tentou minimizar o estrago sentimental de sua brincadeira com
flores e chocolates.
    Demorou três happy hours para que, sem ser chamado, Newton se juntasse ao
grupo novamente. Natasha, no segundo happy hour, flechou Newton com alguns
breves olhares perdoáveis e chamativos. Com tímido entusiasmo encorajado pelo
medo, num primeiro instante Newton era todo ouvido, e com raríssimas palavras
procurava lançar sobre Natasha sorrisos tímidos, doces olhares e alguns leves toques,
nas mãos sedosas e perfumadas.

-   Estou perdoado?
-   Seu bobo.
-   Diga que sim. Por favor.
-   Simmm.

   Ninguém pode imaginar o fascínio, a alegria, a surpresa, a ansiedade, a bobeira que
tomou conta das entranhas profundas de Newton explícitos num largo sorriso e olhar.
- Natasha. Vamos sair amanhã à noite?

    Mergulhado num profundo pensamento, Natasha parecia delirar em instâncias
inter-dimensões ou inter-surreais. Suportando seu rosto em uma das mãos tendo o
cotovelo apoiado sobre a mesa, seu olhar se perdia entre os olhos de Newton e do
movimento panorâmico do Café da Fazenda.

- Aonde nós vamos?

   Finalmente, depois de meses, Newton respirou com suavidade o ar da conquista
que seria registrado eternamente na efeméride de sua mente.
   No sábado à noite, a pizza assada no forno à lenha era o sabor divino dos deuses
das cozinhas italianas. O vinho tinto anestesiava a alma e a razão prolongando sabores
maculando pedaços de prazeres com a cor púrpura do Cairo.
   Palavras macias navegavam nos odores ondulados da atmosfera cheirosa. Luzes e
cores em nuanças incertas copiavam silhuetas de amantes nascentes.

  A luz verde de néon marcava quase meia noite no canteiro central da avenida que
margeia a cada de Natasha.

- Não entendo porque você quis vir embora. À noite nem começou – disse Newton.
- Desculpe-me. Mas eu preciso dormir. Adorei sua companhia, a pizza, tudo estava
tão...
- Natasha, você precisa se soltar, esquecer o passado, viver a plenitude da alma e do
corpo, você é jovem. – disse Newton tentando beija-la.
- Não, não. Newton eu não posso. Eu não pos - so. Escuta! Eu preciso entrar. Outro
dia a gente conversa.
- Mas porque não hoje. Deixe me entrar em sua casa e nós conversaremos.
- Não posso. Por favor, não insista.
- Você está apaixonada por outra pessoa.
- Não é isso...
- O que é então? Eu não entendo.
- Quero você Newton. Mas isso não é possível. Não quero me envolver. – disse Natasha
passando carinhosamente suas mãos na face do rapaz e depois virou-se e foi se
afastando em direção ao portão de entrada de sua casa.

- Natasha. A gente tem que conversar. Por favor. Eu preciso de você. – disse Newton
deixando lágrimas emotivas escorrer de seus olhos. – Me diga qualquer coisa. Eu aceito
tudo.

- Me perdoe Newton. Eu... Sou homem.
   Newton esbugalhou os olhos como se uma flecha em chamas tivesse atravessado
seu coração.


- Não brinque com isso Natasha.

- Não é brincadeira Newton. Eu estou apaixonada por você, mas, eu sou homem.

- Eu não acredito.

- Não?! Venha e toque em mim.
Newton, espantado como um pássaro com as asas quebradas e encurralado num
canto cercado por gatos aproximou-se de Natasha e colocou as mãos entre as pernas
da moça sobre o jeans apertado. Apalpou e apalpou.

- Não senti nada.

    Natasha então, delicadamente desabotoou seu cinto, e também o botão de sua
calça. Depois abriu o zíper da calça e abaixou-a uns dois palmos abaixo da cintura.

    Newton olhou em direção a púbis da moça, depois tornou seus olhos para o lado da
avenida virando-se. Passou a mão pelo rosto, pela cabeça e segundos depois se virou
para Natasha que já estava recomposta. Olhou profundamente seus olhos, aproximou-
se, colocou sua mão direita em seu ombro esquerdo e disse:

                        - Natasha. Você quer viver comigo?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Riqueta a grande amiga versao final
Riqueta a grande amiga versao finalRiqueta a grande amiga versao final
Riqueta a grande amiga versao final
Pastor Paulo Francisco
 
Sexo e Destino cap14
Sexo e Destino cap14Sexo e Destino cap14
Sexo e Destino cap14
Patricia Farias
 
MyBrainMagazine 15
MyBrainMagazine 15MyBrainMagazine 15
MyBrainMagazine 15
MyBrain Society
 
Edição de maio de 2010
Edição de maio de 2010Edição de maio de 2010
Edição de maio de 2010
Lianeuechi
 
O Bandeirante - n.236 - 072012
O Bandeirante -  n.236 - 072012O Bandeirante -  n.236 - 072012
O Bandeirante - n.236 - 072012
Marcos Gimenes Salun
 
Artur azevedo cavação
Artur azevedo   cavaçãoArtur azevedo   cavação
Artur azevedo cavação
Tulipa Zoá
 
Revist'A Barata - 02
Revist'A Barata - 02Revist'A Barata - 02
Revist'A Barata - 02
Luiz Carlos Barata Cichetto
 
26 assistência espiritual
26   assistência espiritual26   assistência espiritual
26 assistência espiritual
Fatoze
 
Sexo e Destino cap.11
Sexo e Destino cap.11Sexo e Destino cap.11
Sexo e Destino cap.11
Patricia Farias
 
Sexo Destino 2a parte Cap2
Sexo Destino 2a parte Cap2Sexo Destino 2a parte Cap2
Sexo Destino 2a parte Cap2
Patricia Farias
 
Portifolio Carolina Oliveira
Portifolio Carolina OliveiraPortifolio Carolina Oliveira
Portifolio Carolina Oliveira
Gusmachado
 
Suplemento Acre 006 - abril, maio, junho de 2015
Suplemento Acre 006 - abril, maio, junho de 2015Suplemento Acre 006 - abril, maio, junho de 2015
Suplemento Acre 006 - abril, maio, junho de 2015
AMEOPOEMA Editora
 
Café Receitas Causos
Café Receitas CausosCafé Receitas Causos
Café Receitas Causos
festa junina
 
Crônicas
CrônicasCrônicas
Crônicas
Mi Braun
 
27
2727
385 an 26 junho 2012.ok
385 an 26 junho 2012.ok385 an 26 junho 2012.ok
385 an 26 junho 2012.ok
Roberto Rabat Chame
 
Jb news informativo nr. 1.056
Jb news   informativo nr. 1.056Jb news   informativo nr. 1.056
Jb news informativo nr. 1.056
Informativojbnews
 

Mais procurados (17)

Riqueta a grande amiga versao final
Riqueta a grande amiga versao finalRiqueta a grande amiga versao final
Riqueta a grande amiga versao final
 
Sexo e Destino cap14
Sexo e Destino cap14Sexo e Destino cap14
Sexo e Destino cap14
 
MyBrainMagazine 15
MyBrainMagazine 15MyBrainMagazine 15
MyBrainMagazine 15
 
Edição de maio de 2010
Edição de maio de 2010Edição de maio de 2010
Edição de maio de 2010
 
O Bandeirante - n.236 - 072012
O Bandeirante -  n.236 - 072012O Bandeirante -  n.236 - 072012
O Bandeirante - n.236 - 072012
 
Artur azevedo cavação
Artur azevedo   cavaçãoArtur azevedo   cavação
Artur azevedo cavação
 
Revist'A Barata - 02
Revist'A Barata - 02Revist'A Barata - 02
Revist'A Barata - 02
 
26 assistência espiritual
26   assistência espiritual26   assistência espiritual
26 assistência espiritual
 
Sexo e Destino cap.11
Sexo e Destino cap.11Sexo e Destino cap.11
Sexo e Destino cap.11
 
Sexo Destino 2a parte Cap2
Sexo Destino 2a parte Cap2Sexo Destino 2a parte Cap2
Sexo Destino 2a parte Cap2
 
Portifolio Carolina Oliveira
Portifolio Carolina OliveiraPortifolio Carolina Oliveira
Portifolio Carolina Oliveira
 
Suplemento Acre 006 - abril, maio, junho de 2015
Suplemento Acre 006 - abril, maio, junho de 2015Suplemento Acre 006 - abril, maio, junho de 2015
Suplemento Acre 006 - abril, maio, junho de 2015
 
Café Receitas Causos
Café Receitas CausosCafé Receitas Causos
Café Receitas Causos
 
Crônicas
CrônicasCrônicas
Crônicas
 
27
2727
27
 
385 an 26 junho 2012.ok
385 an 26 junho 2012.ok385 an 26 junho 2012.ok
385 an 26 junho 2012.ok
 
Jb news informativo nr. 1.056
Jb news   informativo nr. 1.056Jb news   informativo nr. 1.056
Jb news informativo nr. 1.056
 

Destaque

EncuentraPrecios, la app para comparar precios
EncuentraPrecios, la app para comparar preciosEncuentraPrecios, la app para comparar precios
EncuentraPrecios, la app para comparar precios
EncuentraPrecios
 
TICS (SLIDE SHARE)
TICS (SLIDE SHARE)TICS (SLIDE SHARE)
TICS (SLIDE SHARE)
conchacaneiro
 
Google forms
Google formsGoogle forms
Google forms
Claudiasolymar
 
Prog. 2º trim. padres
Prog. 2º trim. padresProg. 2º trim. padres
Prog. 2º trim. padres
franhdo
 
Proyecto cancer de mama
Proyecto cancer de mamaProyecto cancer de mama
Proyecto cancer de mama
sarandad96
 
Redes Sociales
Redes SocialesRedes Sociales
Servicios de google
Servicios de googleServicios de google
Servicios de google
luismoracuevas10
 
Arquitecturas básicas de sistemas expertos
Arquitecturas básicas de sistemas expertosArquitecturas básicas de sistemas expertos
Arquitecturas básicas de sistemas expertos
vilgoman
 
Grecia 2
Grecia 2Grecia 2
Nuevo presentación de microsoft office power point
Nuevo presentación de microsoft office power pointNuevo presentación de microsoft office power point
Nuevo presentación de microsoft office power point
Ainara González Ruiz
 
Lluís Bosch - Compartiendo el know-how
Lluís Bosch - Compartiendo el know-how Lluís Bosch - Compartiendo el know-how
Lluís Bosch - Compartiendo el know-how
ponencias2011
 
被臨檢請提高警覺 轉貼-詹翔霖教授
被臨檢請提高警覺 轉貼-詹翔霖教授被臨檢請提高警覺 轉貼-詹翔霖教授
被臨檢請提高警覺 轉貼-詹翔霖教授
文化大學
 
porque no recibes puntosgeo
porque no recibes puntosgeoporque no recibes puntosgeo
porque no recibes puntosgeo
Geo Economia Unificada
 
Lombarda como indicador de p h
Lombarda como indicador de p hLombarda como indicador de p h
Lombarda como indicador de p h
ppsv08
 
Naturaleza y música presentacion luisa y leidy
Naturaleza y música presentacion luisa y leidyNaturaleza y música presentacion luisa y leidy
Naturaleza y música presentacion luisa y leidy
Lejobrisa
 
Actividad 8
Actividad 8 Actividad 8
04
0404
My fun life power-point hindi click thru
My fun life power-point hindi click thruMy fun life power-point hindi click thru
My fun life power-point hindi click thru
Antonio Avigliano
 

Destaque (20)

EncuentraPrecios, la app para comparar precios
EncuentraPrecios, la app para comparar preciosEncuentraPrecios, la app para comparar precios
EncuentraPrecios, la app para comparar precios
 
TICS (SLIDE SHARE)
TICS (SLIDE SHARE)TICS (SLIDE SHARE)
TICS (SLIDE SHARE)
 
Google forms
Google formsGoogle forms
Google forms
 
Prog. 2º trim. padres
Prog. 2º trim. padresProg. 2º trim. padres
Prog. 2º trim. padres
 
Proyecto cancer de mama
Proyecto cancer de mamaProyecto cancer de mama
Proyecto cancer de mama
 
Redes Sociales
Redes SocialesRedes Sociales
Redes Sociales
 
Pinakoteka riga ru
Pinakoteka riga  ruPinakoteka riga  ru
Pinakoteka riga ru
 
Servicios de google
Servicios de googleServicios de google
Servicios de google
 
Arquitecturas básicas de sistemas expertos
Arquitecturas básicas de sistemas expertosArquitecturas básicas de sistemas expertos
Arquitecturas básicas de sistemas expertos
 
Grecia 2
Grecia 2Grecia 2
Grecia 2
 
Nuevo presentación de microsoft office power point
Nuevo presentación de microsoft office power pointNuevo presentación de microsoft office power point
Nuevo presentación de microsoft office power point
 
Lluís Bosch - Compartiendo el know-how
Lluís Bosch - Compartiendo el know-how Lluís Bosch - Compartiendo el know-how
Lluís Bosch - Compartiendo el know-how
 
被臨檢請提高警覺 轉貼-詹翔霖教授
被臨檢請提高警覺 轉貼-詹翔霖教授被臨檢請提高警覺 轉貼-詹翔霖教授
被臨檢請提高警覺 轉貼-詹翔霖教授
 
porque no recibes puntosgeo
porque no recibes puntosgeoporque no recibes puntosgeo
porque no recibes puntosgeo
 
Lombarda como indicador de p h
Lombarda como indicador de p hLombarda como indicador de p h
Lombarda como indicador de p h
 
Naturaleza y música presentacion luisa y leidy
Naturaleza y música presentacion luisa y leidyNaturaleza y música presentacion luisa y leidy
Naturaleza y música presentacion luisa y leidy
 
Actividad 8
Actividad 8 Actividad 8
Actividad 8
 
Potenc hecho en clas
Potenc hecho en clasPotenc hecho en clas
Potenc hecho en clas
 
04
0404
04
 
My fun life power-point hindi click thru
My fun life power-point hindi click thruMy fun life power-point hindi click thru
My fun life power-point hindi click thru
 

Semelhante a Natasha

Um romance rui zink - conto
Um romance   rui zink - contoUm romance   rui zink - conto
Um romance rui zink - conto
z895911
 
Brigite - Sexo, Amor & Crime
Brigite - Sexo, Amor & CrimeBrigite - Sexo, Amor & Crime
Brigite - Sexo, Amor & Crime
Angelo Tomasini
 
Margarida rebelo pinto sei lá
Margarida rebelo pinto   sei láMargarida rebelo pinto   sei lá
Margarida rebelo pinto sei lá
Raquel Tavares
 
Cartas de amor
Cartas de amorCartas de amor
Cartas de amor
Isabel Brito
 
O homem que matou mona
O homem que matou monaO homem que matou mona
O homem que matou mona
Angelo Tomasini
 
La femme 21
La femme 21La femme 21
La femme 21
jornallafemme
 
Micrônicas, por Walmar Andrade
Micrônicas, por Walmar AndradeMicrônicas, por Walmar Andrade
Micrônicas, por Walmar Andrade
RedeMude
 
Aromas
AromasAromas
46
4646
117
117117
Vou-me embora para Pasárgada
Vou-me embora para PasárgadaVou-me embora para Pasárgada
Vou-me embora para Pasárgada
Regina Gouveia
 
Vou Me Embora...
Vou Me Embora...Vou Me Embora...
Vou Me Embora...
guest599721
 
Vou Me Embora...
Vou Me Embora...Vou Me Embora...
Vou Me Embora...
guest599721
 
O Crânio de Cristal
O Crânio de CristalO Crânio de Cristal
O Crânio de Cristal
Paulo José Valente
 
Cefet 2011[1]
Cefet 2011[1]Cefet 2011[1]
Cefet 2011[1]
cavip
 
1. B Positive - Blood Song Duet - Jewel Killian.pdf
1. B Positive - Blood Song Duet - Jewel Killian.pdf1. B Positive - Blood Song Duet - Jewel Killian.pdf
1. B Positive - Blood Song Duet - Jewel Killian.pdf
CamileVitoria13
 
O bilhete premiado
O bilhete premiadoO bilhete premiado
O bilhete premiado
LRede
 
QU4RTO DESAMP4RO
QU4RTO DESAMP4ROQU4RTO DESAMP4RO
QU4RTO DESAMP4RO
Danilo Barcelos
 
Selvagem Moto Clube (Mulheres no Poder - Livro 1) (Degustação)
Selvagem Moto Clube (Mulheres no Poder - Livro 1) (Degustação)Selvagem Moto Clube (Mulheres no Poder - Livro 1) (Degustação)
Selvagem Moto Clube (Mulheres no Poder - Livro 1) (Degustação)
Mari Sales
 
Bela e a fera
Bela e a feraBela e a fera
Bela e a fera
Joice Bieger
 

Semelhante a Natasha (20)

Um romance rui zink - conto
Um romance   rui zink - contoUm romance   rui zink - conto
Um romance rui zink - conto
 
Brigite - Sexo, Amor & Crime
Brigite - Sexo, Amor & CrimeBrigite - Sexo, Amor & Crime
Brigite - Sexo, Amor & Crime
 
Margarida rebelo pinto sei lá
Margarida rebelo pinto   sei láMargarida rebelo pinto   sei lá
Margarida rebelo pinto sei lá
 
Cartas de amor
Cartas de amorCartas de amor
Cartas de amor
 
O homem que matou mona
O homem que matou monaO homem que matou mona
O homem que matou mona
 
La femme 21
La femme 21La femme 21
La femme 21
 
Micrônicas, por Walmar Andrade
Micrônicas, por Walmar AndradeMicrônicas, por Walmar Andrade
Micrônicas, por Walmar Andrade
 
Aromas
AromasAromas
Aromas
 
46
4646
46
 
117
117117
117
 
Vou-me embora para Pasárgada
Vou-me embora para PasárgadaVou-me embora para Pasárgada
Vou-me embora para Pasárgada
 
Vou Me Embora...
Vou Me Embora...Vou Me Embora...
Vou Me Embora...
 
Vou Me Embora...
Vou Me Embora...Vou Me Embora...
Vou Me Embora...
 
O Crânio de Cristal
O Crânio de CristalO Crânio de Cristal
O Crânio de Cristal
 
Cefet 2011[1]
Cefet 2011[1]Cefet 2011[1]
Cefet 2011[1]
 
1. B Positive - Blood Song Duet - Jewel Killian.pdf
1. B Positive - Blood Song Duet - Jewel Killian.pdf1. B Positive - Blood Song Duet - Jewel Killian.pdf
1. B Positive - Blood Song Duet - Jewel Killian.pdf
 
O bilhete premiado
O bilhete premiadoO bilhete premiado
O bilhete premiado
 
QU4RTO DESAMP4RO
QU4RTO DESAMP4ROQU4RTO DESAMP4RO
QU4RTO DESAMP4RO
 
Selvagem Moto Clube (Mulheres no Poder - Livro 1) (Degustação)
Selvagem Moto Clube (Mulheres no Poder - Livro 1) (Degustação)Selvagem Moto Clube (Mulheres no Poder - Livro 1) (Degustação)
Selvagem Moto Clube (Mulheres no Poder - Livro 1) (Degustação)
 
Bela e a fera
Bela e a feraBela e a fera
Bela e a fera
 

Mais de Katcavenum

01 apostila passo a passo refugiados
01   apostila passo a passo refugiados01   apostila passo a passo refugiados
01 apostila passo a passo refugiados
Katcavenum
 
Apostila 07 redação completa tema publicidade
Apostila 07 redação completa tema publicidadeApostila 07 redação completa tema publicidade
Apostila 07 redação completa tema publicidade
Katcavenum
 
Cartilha da hipocrisia ii
Cartilha da hipocrisia iiCartilha da hipocrisia ii
Cartilha da hipocrisia ii
Katcavenum
 
A essência da literatura na vida cultural e acadêmica
A essência da literatura na vida cultural e acadêmicaA essência da literatura na vida cultural e acadêmica
A essência da literatura na vida cultural e acadêmica
Katcavenum
 
Compilação redação enem temas 2013
Compilação redação enem temas 2013Compilação redação enem temas 2013
Compilação redação enem temas 2013
Katcavenum
 
Apostila editorial slideshare
Apostila  editorial slideshareApostila  editorial slideshare
Apostila editorial slideshare
Katcavenum
 
Vest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuais
Vest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuaisVest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuais
Vest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuais
Katcavenum
 
Vest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemas
Vest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemasVest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemas
Vest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemas
Katcavenum
 
Unicamp 3 vestibular 2012 gênero editorial - prática de redação - tema pré-sal
Unicamp 3 vestibular 2012   gênero editorial - prática de redação - tema pré-salUnicamp 3 vestibular 2012   gênero editorial - prática de redação - tema pré-sal
Unicamp 3 vestibular 2012 gênero editorial - prática de redação - tema pré-sal
Katcavenum
 
Vestibular 2012 a redação do enem
Vestibular 2012   a redação do enemVestibular 2012   a redação do enem
Vestibular 2012 a redação do enem
Katcavenum
 
Unicamp probabilidade
Unicamp probabilidadeUnicamp probabilidade
Unicamp probabilidade
Katcavenum
 
Unicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pig
Unicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pigUnicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pig
Unicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pig
Katcavenum
 
Unicamp 2 vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...
Unicamp 2   vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...Unicamp 2   vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...
Unicamp 2 vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...
Katcavenum
 
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero artigo de opinião
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero   artigo de opiniãoUnicamp 1 vestibular 2012 gênero   artigo de opinião
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero artigo de opinião
Katcavenum
 
Freud além da alma
Freud além da almaFreud além da alma
Freud além da alma
Katcavenum
 
Cria cuervos
Cria cuervosCria cuervos
Cria cuervos
Katcavenum
 
Vest 2012 redação padrão fuvest resumida
Vest 2012 redação padrão fuvest resumidaVest 2012 redação padrão fuvest resumida
Vest 2012 redação padrão fuvest resumida
Katcavenum
 
Vest 2012 redação padrão fuvest
Vest 2012   redação padrão fuvestVest 2012   redação padrão fuvest
Vest 2012 redação padrão fuvest
Katcavenum
 
VEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊS
VEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊSVEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊS
VEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊS
Katcavenum
 
Vestibular 2012 redação seqüência projeto de texto fuvest 2011
Vestibular 2012 redação seqüência projeto de texto fuvest 2011Vestibular 2012 redação seqüência projeto de texto fuvest 2011
Vestibular 2012 redação seqüência projeto de texto fuvest 2011
Katcavenum
 

Mais de Katcavenum (20)

01 apostila passo a passo refugiados
01   apostila passo a passo refugiados01   apostila passo a passo refugiados
01 apostila passo a passo refugiados
 
Apostila 07 redação completa tema publicidade
Apostila 07 redação completa tema publicidadeApostila 07 redação completa tema publicidade
Apostila 07 redação completa tema publicidade
 
Cartilha da hipocrisia ii
Cartilha da hipocrisia iiCartilha da hipocrisia ii
Cartilha da hipocrisia ii
 
A essência da literatura na vida cultural e acadêmica
A essência da literatura na vida cultural e acadêmicaA essência da literatura na vida cultural e acadêmica
A essência da literatura na vida cultural e acadêmica
 
Compilação redação enem temas 2013
Compilação redação enem temas 2013Compilação redação enem temas 2013
Compilação redação enem temas 2013
 
Apostila editorial slideshare
Apostila  editorial slideshareApostila  editorial slideshare
Apostila editorial slideshare
 
Vest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuais
Vest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuaisVest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuais
Vest 2012 unicamp 5 os finalmentes vários gêneros textuais
 
Vest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemas
Vest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemasVest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemas
Vest 2012 unicamp 4 estudo aplicado redação final imagens esquemas
 
Unicamp 3 vestibular 2012 gênero editorial - prática de redação - tema pré-sal
Unicamp 3 vestibular 2012   gênero editorial - prática de redação - tema pré-salUnicamp 3 vestibular 2012   gênero editorial - prática de redação - tema pré-sal
Unicamp 3 vestibular 2012 gênero editorial - prática de redação - tema pré-sal
 
Vestibular 2012 a redação do enem
Vestibular 2012   a redação do enemVestibular 2012   a redação do enem
Vestibular 2012 a redação do enem
 
Unicamp probabilidade
Unicamp probabilidadeUnicamp probabilidade
Unicamp probabilidade
 
Unicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pig
Unicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pigUnicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pig
Unicamp 3 vestibular 2012 redação unicamp follow the pig
 
Unicamp 2 vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...
Unicamp 2   vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...Unicamp 2   vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...
Unicamp 2 vestibular 2012 - prática de redação - gênero artigo de opinião -...
 
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero artigo de opinião
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero   artigo de opiniãoUnicamp 1 vestibular 2012 gênero   artigo de opinião
Unicamp 1 vestibular 2012 gênero artigo de opinião
 
Freud além da alma
Freud além da almaFreud além da alma
Freud além da alma
 
Cria cuervos
Cria cuervosCria cuervos
Cria cuervos
 
Vest 2012 redação padrão fuvest resumida
Vest 2012 redação padrão fuvest resumidaVest 2012 redação padrão fuvest resumida
Vest 2012 redação padrão fuvest resumida
 
Vest 2012 redação padrão fuvest
Vest 2012   redação padrão fuvestVest 2012   redação padrão fuvest
Vest 2012 redação padrão fuvest
 
VEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊS
VEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊSVEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊS
VEST 2012 Redação padrão fuvest + DICAS DE PORTUGUÊS
 
Vestibular 2012 redação seqüência projeto de texto fuvest 2011
Vestibular 2012 redação seqüência projeto de texto fuvest 2011Vestibular 2012 redação seqüência projeto de texto fuvest 2011
Vestibular 2012 redação seqüência projeto de texto fuvest 2011
 

Natasha

  • 1. NATASHA Vindo de trás, quem contorna a belíssima catedral do Carmo, de estilo gótico, pela frente, no seu lado esquerdo, e atravessa o jardim em frente pelo lado direito em direção ao Café da Fazenda que fica na próxima esquina, vai notar que do lado oposto a cafeteria, o dono, de uma loja de cosméticos tinha bom gosto. Era um sobrado bonito com características da década de trinta. A delicadeza das cores roxo, lilás e rosa, além da exuberante apresentação de suas vitrines com blindex verde bem clarinho e o fantasioso nome: odores da alma, impresso numa multicolorida e iluminada placa que ornava a parte superior em frente da loja onde arandelas azuis cor do céu balançavam penduradas ao vento apresentava como cartão de visita que a loja tinha uma dona e não um dono. Natasha. Escultural morena, cabelos longos, lisos e quentes. Belos e suculentos quadris. Altura de fada e olhar furtivo de fuinha. Culta, graduada em farmácia, escritora – escreveu dois livros de poesia e um de contos -, discretíssima, introvertida, misteriosa e gentil. Seus tributos personificavam nos homens a ganância da conquista, a obsessão carnal, a fome e a sede do cérebro peniano da exacerbação masculina. No bar ou restaurante junto com amigas na menor tentativa de uma cantada dizia um sonoro e agressivo, “obrigada”, “não quero”, “não posso”, “não insista”. E por um descuido da natureza que as ciências humanas e biológicas ainda não conseguiram desvendar, quanto mais arredia era ela, mais a burrice machista se materializava em curiosidade, paixão e presentes. Sua clientela eram grande e eclética, fiel e crescente. Junto as grandes marcas do setor de cosméticos fixava seu brilho em marca própria, descoberta e registrada ainda na graduação quando em que numa viagem para Campos do Jordão, o cheiro da serra e um namoradinho passageiro deram inspiração ao nome: sabores do corpo. Treze funcionários cuidavam do bom andamento do atendimento, apresentação, reposição, promoção, vendas e recebimentos. Natasha administrava e conduzia com punho firme, típico de grandes empreendedores, a oficina de aromas, como ela chamava seu cantinho sagrado de trabalho. Em outra parte da cidade, um pequeno laboratório sob sua responsabilidade técnica produzia os cosméticos com a sua marca. Xampus, sabonetes e perfumes formavam a base de sua produção. Natasha morava numa grande casa sobradada de esquina que ostentava colunas gregas na entrada e nas laterais. Um enorme jardim contornava uma das faces do sobrado. Do outro lado, uma piscina, uma churrasqueira e um pequeno campo de vôlei mostravam o quanto alegre era a casa em dias de folga. Tudo foi conquistado em apenas dois anos quando se mudou para a cidade vinda de outro estado trazendo a tira colo um, assim como ela apresentava, discreto ar de solitária. - Não dá para entender Marina. Uma mulher tão bonita, inteligente, rica e sozinha. - Pois é. Ela é uma graça. Conversa de tudo. Sabe de tudo. Economia, moda, agronegócios... fundos de investimentos... só não fala de sua vida. - Há doze meses você trabalha com ela. Nunca ninguém descobriu nada? - Um comentário existe. - Qual é? Me conta. - Dizem... dizem... Não sei se é verdade. Um dia ela pegou seu namorado... marido... sei lá, isso ninguém sabe, com outra na cama. Ela terminou tudo e o cara se matou. - Ô loco! Verdade? - Não sei. Assim como seus tributos enervavam os caninos comentários masculinos, as felinas fofocas femininas aumentavam o mito da mulher irresistível. Muitos de seus fregueses eram homens que tentavam se aproximar da fartura de mulher esculpida ou talhada por Michelangelos vindos de galáxias próximas dos
  • 2. campos dos sonhos. Ricardo era um deles. Seu interesse surgiu um dia que por um lapso do descuido e da burrice, ao olhar uma garota que caminhava do lado oposto que ele, fincou a cabeça num postinho de transito, escorregou e pateticamente caiu aos pés de Natasha que contornava a esquina da cafeteria, um pouco distraída. - Cuidado moço! - Desculpe. Eu estava distraído. - Sei! Eu posso imaginar qual foi sua distração. - Essa doeu – disse Ricardo se levantando meio sem jeito. - Nossa! - O que foi? - Está sangrando. Você teve um corte na testa. Venha comigo. Na loja de cosmético Natasha com seu estojo de primeiros socorros que mantém para alguma eventualidade fez um curativo no rapaz que ao deixar o local se derreteu em desculpas pelo trabalho dado e agradecimentos esperando agora fincar a cabeça num poste de luz. Amigo de duas funcionárias da loja começou aproveitar a deixa para se aproximar de Natasha as sextas feiras nas happy hours nos bares da região e no Café da Fazenda. Muito extrovertido e galanteador, falava pelos cotovelos suas aventuras e anseios que deixavam implícitos a burrice adolescente carregado por um moleque de trinta anos. Não teve nenhum sucesso e nenhuma chance. Pior, seu amigo Newton parece ter atraído como um imã alguns olhares tímidos e sorrisos na mesma amplitude de Natasha. Ao menos foi isso que todos notaram numa sexta após duro dia de trabalho no Café da Fazenda e que se comprovou logo na manhã de segunda. - Lucínha! Foi legal sexta à noite lá no Café, não foi? - Verdade. Foi divertido. Eu, Rita e a Márcia comentamos isso pela internet no final de semana. - O que mais vocês comentaram? - Umas coisinhas. - Sei... sei... E aquele cara hem? - O Ricardo... - Não, não. O burro não... Quer dizer... O outro. - Ah, o Newton. (risos) - Que riso é esse mulher? - Desculpe. - Deixa pra lá. Aposto que vocês comentaram alguma coisa a esse respeito na internet. - Comentamos. Parece que deu um feed-back. - Um feed-back. - Entre você e ele. - Não, não. Não deu nada. Bom! Vamos trabalhar. E Newton passou a ser um novo freguês e assíduo do odores da alma. A compra que poderia ser feita em um único dia, levava cinco, seis ou mais. Num dia comprava um conjunto de xampus, no outro creme e no outro alguma coisa que havia esquecido no dia anterior. O fato da compra não se concretizava com a intenção do rapaz. Ela nunca estava no atendimento quando lá ele estava e foi num outro happy hour que ele tentou uma aproximação. -É difícil ver você. -Estou sempre na loja. -Ah, é! Onde? Eu... eu... às vezes apareço por lá e não te vejo. -Sei – disse Natasha com um sorriso gelado. Por três horas a conversa rolou solta. O coquetel de chope, cerveja, vermute e outros embebedaram os sentimentos de todos que digeriam palavras e petiscos sem a
  • 3. complacência da culpa da gula ou da timidez. Newton destilou doces palavras a Natasha que retribuía com enigmáticos sorrisos e palavras controladas por uma circunstância intra-pessoal. Ferido, Ricardo aproximou-se de Lucinha se escondendo no interior de suas angústias, aflições e frustrações. Na passagem dos dias, casuais encontros entre Newton e Natasha aconteceram pela cidade e em um deles ele a convidou para um cinema. Prontamente recusado com as frases de sempre – não posso, não vai dar. - Você não quer. É isso. - Eu não disse isso. - É a mesma coisa. - Não é. - Vamos. - Não posso. Newton não se deu por vencido. Simulou um casual encontro na hora do almoço e sua intenção foi objetivada. - Não posso acreditar que estamos nesse restaurante almoçando. - Já tentou dar um beliscão em você. – disse Natasha com um sorriso meigo e profundo. - Não vai funcionar. Eu estou anestesiado. Não vou sentir. Talvez eu de um tiro na cabeça. - Que horror! - Brincadeirinha. Instantaneamente Natasha vestiu uma máscara séria, fria e perdida. Newton se lembrou da história contada pelas amigas. Estremeceu. Quis se desculpar de joelhos. Foi inteligentemente impedido de tal vexame por ela. Pediu milhões de desculpas e fez outros tantos de promessas. Tentando se por em equilíbrio, abaixou sua cabeça e mostrou sua face frágil numa lágrima solitária rolando sobre ela deixando transparecer sua ternura e sensibilidade. - Natasha. Eu... Eu... Alguma coisa muito estranha está acontecendo comigo. - Estranha? - Acho que é paixão. - E isso é estranho? - Acho... Acho não... Tenho certeza... Estou apaixonado por você. Difícil descrever como foi o almoço dentro daquelas circunstâncias. Os dias se passaram rápidos como há de ser quando se atingi certa idade de responsabilidades, direitos e deveres. Muitos telefonemas, muitos bilhetes e esperanças em nome de Newton. Chateado, tentou minimizar o estrago sentimental de sua brincadeira com flores e chocolates. Demorou três happy hours para que, sem ser chamado, Newton se juntasse ao grupo novamente. Natasha, no segundo happy hour, flechou Newton com alguns breves olhares perdoáveis e chamativos. Com tímido entusiasmo encorajado pelo medo, num primeiro instante Newton era todo ouvido, e com raríssimas palavras procurava lançar sobre Natasha sorrisos tímidos, doces olhares e alguns leves toques, nas mãos sedosas e perfumadas. - Estou perdoado? - Seu bobo. - Diga que sim. Por favor. - Simmm. Ninguém pode imaginar o fascínio, a alegria, a surpresa, a ansiedade, a bobeira que tomou conta das entranhas profundas de Newton explícitos num largo sorriso e olhar.
  • 4. - Natasha. Vamos sair amanhã à noite? Mergulhado num profundo pensamento, Natasha parecia delirar em instâncias inter-dimensões ou inter-surreais. Suportando seu rosto em uma das mãos tendo o cotovelo apoiado sobre a mesa, seu olhar se perdia entre os olhos de Newton e do movimento panorâmico do Café da Fazenda. - Aonde nós vamos? Finalmente, depois de meses, Newton respirou com suavidade o ar da conquista que seria registrado eternamente na efeméride de sua mente. No sábado à noite, a pizza assada no forno à lenha era o sabor divino dos deuses das cozinhas italianas. O vinho tinto anestesiava a alma e a razão prolongando sabores maculando pedaços de prazeres com a cor púrpura do Cairo. Palavras macias navegavam nos odores ondulados da atmosfera cheirosa. Luzes e cores em nuanças incertas copiavam silhuetas de amantes nascentes. A luz verde de néon marcava quase meia noite no canteiro central da avenida que margeia a cada de Natasha. - Não entendo porque você quis vir embora. À noite nem começou – disse Newton. - Desculpe-me. Mas eu preciso dormir. Adorei sua companhia, a pizza, tudo estava tão... - Natasha, você precisa se soltar, esquecer o passado, viver a plenitude da alma e do corpo, você é jovem. – disse Newton tentando beija-la. - Não, não. Newton eu não posso. Eu não pos - so. Escuta! Eu preciso entrar. Outro dia a gente conversa. - Mas porque não hoje. Deixe me entrar em sua casa e nós conversaremos. - Não posso. Por favor, não insista. - Você está apaixonada por outra pessoa. - Não é isso... - O que é então? Eu não entendo. - Quero você Newton. Mas isso não é possível. Não quero me envolver. – disse Natasha passando carinhosamente suas mãos na face do rapaz e depois virou-se e foi se afastando em direção ao portão de entrada de sua casa. - Natasha. A gente tem que conversar. Por favor. Eu preciso de você. – disse Newton deixando lágrimas emotivas escorrer de seus olhos. – Me diga qualquer coisa. Eu aceito tudo. - Me perdoe Newton. Eu... Sou homem. Newton esbugalhou os olhos como se uma flecha em chamas tivesse atravessado seu coração. - Não brinque com isso Natasha. - Não é brincadeira Newton. Eu estou apaixonada por você, mas, eu sou homem. - Eu não acredito. - Não?! Venha e toque em mim.
  • 5. Newton, espantado como um pássaro com as asas quebradas e encurralado num canto cercado por gatos aproximou-se de Natasha e colocou as mãos entre as pernas da moça sobre o jeans apertado. Apalpou e apalpou. - Não senti nada. Natasha então, delicadamente desabotoou seu cinto, e também o botão de sua calça. Depois abriu o zíper da calça e abaixou-a uns dois palmos abaixo da cintura. Newton olhou em direção a púbis da moça, depois tornou seus olhos para o lado da avenida virando-se. Passou a mão pelo rosto, pela cabeça e segundos depois se virou para Natasha que já estava recomposta. Olhou profundamente seus olhos, aproximou- se, colocou sua mão direita em seu ombro esquerdo e disse: - Natasha. Você quer viver comigo?