SlideShare uma empresa Scribd logo
Morfologia e Anatomia Vegetal
Profª. Adriana Paulon
Semente e Germinação: Origem dos Órgãos Vegetais
Prof. Tubão
• Germinação do Semente : Inicio da formação das estruturas
vegetais: Raiz, Caule e Folhas (que formam estróbilos e flores).
• Função da Semente: Manter o embrião em estado de dormência,
enquanto as condições ambientais (água, temperatura, luz e
oxigênio) não forem ideais e fornecer-lhe nutrientes durante o
desenvolvimento.
• As sementes são compostas pela casca ou tegumento (testa ou
tégumen)e pela amêndoa (endosperma ou albúmen + embrião)
• Endosperma ou albúmen: reserva nutritiva, composto de óleos,
proteínas, carboidratos,vitaminas, sais minerais e enzimas.
• Nas gimnospermas o endosperma primário (n) é derivado
diretamente do gametófito feminino. Na angiospermas é resultado
da junção do núcleo espermático masculino com dois núcleos polares
femininos que resulta no endosperma secundário (3n).
• Nas Angiospermas o endosperma pode estar contido nas folhas
iniciais (cotilédones) do embrião, como no caso das dicotiledôneas
ou estarem na própria semente formando o albúmen como nas
monocotiledôneas.
• O embrião das monocotiledôneas é formado por um cotilédone ou
escutelo, que digere e absorve o endosperma, pela radícula, que dá
origem a raiz e pelo caulículo, que dá origem ao caule. O caulículo se
divide epicótilo (que está acima) e hipocótilo (que está abaixo).
• No ápice do caulículo está o epicótilo, onde se encontra a gema
apical, que dá origem as folhas primárias (plúmula).
• O epicótilo esta envolvido por um tecido de proteção, o coleóptile.
• O embrião das dicotiledôneas é formado por dois cotilédones, que
contém o endosperma, pelo radícula, que dá origem a raiz, pelo
caulículo, que origina o caule e pelas folhas primárias ou plúmulas.
• Os cotilédones dividem caulículo em epicótilo (que está acima) e
hipocótilo (que está abaixo).
• Sementes possuem baixo teor e água (5 a 20%) e baixo metabolismo,
mantendo o embrião em estado de dormência.
• Germinação: o primeiro passo para se retirar a semente do seu
estado de dormência é fornecer água que esta absorve por osmose
ou embebição.
• A água retira o embrião do estado de dormência que passa a produz
hormônios (giberelinas), ativando enzimas presentes em um tecido
rico em proteínas perto da casca (aleurona), digerindo (hidrólise) o
amido e liberando a glicose.
• Outros fatores também influenciam na germinação com oxigênio,
temperatura (varia de acordo com o ambiente) e luz.
• Sementes fotoblásticas positivas precisam de um fotoperíodo de
muitas horas de luminosidade para germinar.
• Sementes fotoblásticas negativas precisam de um fotoperíodo de
muitas horas de escuro ou de escuro total para germinar.
• Na germinação das monocotiledôneas as primeiras estruturas a
brotarem a partir do embrião são o coleóptilo (coleóptile), que
recobre o epicótilo (caule inicial) que dá origem as folhas primárias,
e a radícula, que dá origem a raiz.
• Nas dicotiledôneas brotam radícula, o hipocótilo e o epicótilo que
originam as folhas primárias, onde estão as gemas apicais (tecido de
crescimento embrionário ou meristema apical do caule). Após
esgotarem seus nutrientes, os cotilédones caem.
• gemas apicais (tecido de crescimento embrionário ou meristema
apical do caule).
Morfologia Vegetal: A Raiz
Prof. Tubão
• Raiz: Órgão Vegetal responsável pela fixação (sustentação) da planta
e pala absorção da seiva bruto (água mais nutrientes minerais.
• Genericamente, podem ser de dois tipos: fasciculadas
(monocotiledôneas) e pivotantes ou axiais(dicotiledôneas)
• Nas dicotiledôneas apresentam regiões com funções específicas:
• A) Coifa: Na ponta da raiz, tecido que protege o meristema da raiz
(tecido embrionário de crescimento.
• B) Região ou Zona Lisa: onde se nota o crescimento da raiz.
• C) Região ou Zona Pilífera (pilosa): onde se encontram os pelos
absorventes, região de maior absorção de água.
• D) Região ou Zona de ramificação: de onde surgem as raízes late ais
ou secundárias
• Colo: transição entre o
• Caule e a raiz
• A) Coifa com meristema apical da raiz (tecido meristemático de
crescimento da raiz): Fundamental para evitar lesões ao meristema
quando este penetra no solo
• B) Zona de crescimento: Resultado da multiplicação e diferenciação
da células do meristema: De células embrionárias para células
adultas:
• C) Zona PiIlífera: Os pelos absorventes surgem a partir da epiderme
da raiz aumentam a área de absorção de água:
• Tecidos que formam as raízes: epiderme, córtex, endoderme,
periciclo, xilemas e floemas
• D) Zona de Ramificação ou suberosa : fixa o vegetal ao solo:
• Tipos de Raízes:
• 1) Subterrâneas ou terrestres:
• a) pivotantes ou axiais (eixo central) das dicotiledôneas: apresentam
crescimento secundário (raízes que crescem lateralmente
perpendiculares ao eixo centra)
• b) fasciculadas: (sem eixo central) Todas crescem a partir de um
ponto do caule, sem crescimento lateral.
• c) Tuberosas: quando armazenarem reservas de nutrientes
(principalmente amido). Podem ocorrer tanto em axiais como em
fasciculadas.
• 2) Raízes Aéreas:
• a) Suportes ou escoras: Raízes que partem do caule acima do colo,
em direção ao solo e ajudam a aumentar a fixação do vegetal. Ex.
milho e plantas de maguezais:
• b) Raiz Cintura: Raízes que crescem enroladas em um suporte como
caules de outra planta. Apresentam uma casca especial chamada
velame, que absorve água do ar. Comum em epífitas (bromélias e
orquídeas):
• c) Raiz estrangulante: Raízes muito ramificadas que se enrolam no
caule, mas ao crescerem interrompem o fluxo de seiva elaborada,
matando a planta hospedeira: Ex. mata-pau
• d) Raiz Tabulares: muito achatadas, servem para respiração e fixação
da planta. Ex figueira
• e) Raiz Respiratórios ou pneumatóforos: raízes que se projetam para
o ar em solos pantanosos ou de manguezais, e realizam trocas
gasosas.
• f) Raiz Grampiforme: Raízes pequenas que aderem fortemente ao
substrato, com a unha de gato.
• g) Raiz sugadora ou haustórios: Raízes de plantas parasitas que
penetram nos xilemas (hemiparasitas) ou nos floemas (holoparasitas)
como o cipó-chumbo, que devido a isso perdeu a capacidade de fazer
fotossíntese.
Morfologia Vegetal: O Caule
Prof. Tubão
• Caule: Eixo principal das plantas que fornece sustentação para
folhas, flores e frutos, ponto de origem das raízes e acumulação de
substâncias nutritivas e água. Por ele correm a seiva bruta e
elaborada (xilemas e floemas). Origina-se do caulículo do embrião.
• Nas dicotiledôneas os xilemas e floemas estão dispostos
regularmente em volta de um cilindro central (lenho) e nas
monocotiledôneas estão dispostos aleatoriamente pelo caule
lenho
Dicotiledôneas monocotiledôneas
• Os caules apresentam os meristemas apicais ou gemas terminais
(crescimento em direção a luz) e as gemas laterais ou auxiliares
(crescimento de ramos laterais), tecidos embrionários, onde ocorrem
muitas mitoses e que comandam o crescimento das plantas. Podem
estar ativos ou dormentes.
• Nas gemas laterais as regiões de onde partem os ramos laterais são
denominadas nós. A região entre dois nós e denominada entre nós.
• Tipos de Caules:
• 1- Caules Aéreos Típicos:
• a) Troncos: apresentam lenho (crescimento lateral). Geralmente
apresentam a base mais larga que o ápice e muitas ramificações
como em árvores e arbustos. Típicos das dicotiledôneas e
gimnospermas
• b) Hastes: Caule pouco desenvolvido e geralmente flexível comum
em ervas e pequenos arbustos:
• c) Estipes: Caule cilíndrico, pouco ramificado das palmeiras. Típicos
das monocotiledôneas
• d) Colmos: Caule cilíndricos típicos das monocotiledôneas com nítida
divisão entre nós e entre nós. Como em bambus e cana de açúcar.
• e) Estolão ou Estolho: Caule rastejante, como na grama e no
morango. Podem ser volúveis (trepadeiras).
• 2- Caules aéreos modificados:
• a) Cladódios: Caules achatados e verdes. Podem realizar fotossíntese
ou funcionarem como reserva d água (suculentos). Apresentam
espinhos (folhas modificadas que não realizam fotossíntese) para
economia de água)
• filocládios mais afilados, como o aspargo:
• e) Espinho: ramificação atrofiada do caule que tem a função de
proteger a planta.
• f) Gavinhas: estrutura filamentosa derivadas de caules aéreos
(estolões volúveis) como na uva e maracujá
• g) Pseudobulbo: Caule intumescido, presente nas orquídeas:
• h) Pseudobulbo Alado: expansão lateral do caule (carqueja).
• 3) Caules Subterrâneos Típicos:
• a) Rizoma: Caule subterrâneo como na banana e samambaia.
• b) Tubérculo: Caules que acumulam material nutritivo como a
batata.
• 3) Caules Subterrâneos Típico Modificados:
• a) Xilopódios: Caule subterrâneo que acumulam água e não distinção
nítida entre raiz e caule.
• b) Bulbos: estrutura complexa formado pelo prato (base do caule
modificado) envolvido por folhas modificadas denominadas catáfilos.
• Podem ser simples (cebola) ou compostos (alho)
• - Bulbos simples Tunicados (cebola): Vários catáfilos sobrepostos
• Bulbos simples escamoso lírio): escamas imbricadas
• - Bulbos simples sólido (tulipa): acumula nutrientes
• Bulbos compostos (alho):
Morfologia Vegetal: A Folha
Prof. Tubão
• Folhas: Originadas das gemas do caule que formam os primórdios
foliares. Geralmente é o local onde ocorre a fotossíntese, a
transpiração e as trocas gasosas. Morfologicamente se divide em
bainha, estípulas, pecíolo e limbo:
• O Limbo é a parte principal de folha, onde ocorre a fotossíntese. No
limbo são visíveis as nervuras, reticuladas (ramificadas) nas
dicotiledôneas e paralelas nas monocotiledôneas. Ex.:
• O Limbo é a pode ser simples (uma folha por pecíolo) ou composto
(varias folhas ou folíolos por pecíolo) formando folhas compostas
• A bainha é a estrutura que prende a folha no caule. È muito
desenvolvida nas monocotiledôneas (folhas invaginantes) e reduzida
ou ausente nas dicotiledôneas:
• A estípula pequenas estruturas presentes na gema caulinar que tem
a função de proteger a folha que está nascendo. Em alguns caso é
muito desenvolvida e assume a função fotossintetizante (ervilhas).
• Pecíolo: Eixo de sustentação que prende a folha no caule.
Normalmente ausente nas monocotiledôneas.
• Folhas que apresentam todas as estruturas foliares são denominada
completas e as apresentam a falta de alguma das estruturas são
denominadas incompletos.
• Tipos de folhas incompletas:
• a) Peciolada: quando o pecíolo é desenvolvido e falta a bainha
(dicotiledôneas):
• b) Invaginante: pecíolo ausente e bainha desenvolvida
(monocotiledôneas):
• c) Séssil: quando o pecíolo e a bainha estão ausentes:
• Classificação das folha em relação a disponibilidade de água:
• a) Xeromórficas (xerófitas , climas desérticos): espinhos dos cactos
• b) Mesomórficas (Mesófitas, climas muito úmidos): Palmito
• c) Higromórficas (higrófitas, aquáticas): Ninfeas
• Adaptações e Modificações das Folhas:
• 1- Cotilédones: primeiras folhas embrionárias que nas dicotiledôneas
guarda o endosperma:
• 2- Insetívoras: modificadas para captura de animais:
Drosera sp Dionea sp Nepenthes sp
• 3- Escamas ou catáfilos: Proteção das gemas dos caules
• 4 – Brácteas: Folhas protetoras da base das flores, que podem
assumir o papel das pétalas para atrair polinizadores
• 5- espinhos: folhas modificadas para proteção (cora de Cristo) ou
para economia de água (cactos).
• 6- Gavinhas: fixação:
• Folhas com funções de reprodução:
• a) Multiplicação vegetativa (assexuada): folhas que apresentam
tecidos embrionários que podem gerar outra planta:
• b) Esporófilos: Folhas das samambaias que produzem esporos:
• c) Antófilos: Folhas transformadas em flores
• Heterofilia: Planta com folhas de formatos diferentes:
• Filotaxia: Classificação da posição dos folhas em relação ao caule:
• a) Alternadas: Inseridas em níveis diferentes
• b) Opostas: inseridas no mesmo nó em oposição uma da outra:
• c) Verticiladas: varias folhas no mesmo nó:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2EM #13 Anatomia vegetal (2016)
2EM #13 Anatomia vegetal (2016)2EM #13 Anatomia vegetal (2016)
2EM #13 Anatomia vegetal (2016)
Professô Kyoshi
 
Morfologia floral
Morfologia floralMorfologia floral
Morfologia floral
David Oliveira
 
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICAESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
Railenne De Oliveira Celestino
 
Folhas
FolhasFolhas
Morfologia: Raiz, Caule e Folhas
Morfologia: Raiz, Caule e FolhasMorfologia: Raiz, Caule e Folhas
Morfologia: Raiz, Caule e Folhas
Aline Souza
 
Morfologia vegetal da flor
Morfologia vegetal da florMorfologia vegetal da flor
Morfologia vegetal da flor
Joseanny Pereira
 
Fg aula 6
Fg aula 6Fg aula 6
Fg aula 6
Elizangela Silva
 
Anatomia Vegetal: Aulas Práticas
Anatomia Vegetal: Aulas PráticasAnatomia Vegetal: Aulas Práticas
Anatomia Vegetal: Aulas Práticas
Luane Bosetto
 
Raiz, caule e folha aula alex ppt
Raiz, caule e folha   aula alex pptRaiz, caule e folha   aula alex ppt
Raiz, caule e folha aula alex ppt
Gaspar Neto
 
Organologia Raiz E Caule
Organologia Raiz E CauleOrganologia Raiz E Caule
Organologia Raiz E Caule
gogoulart
 
Raiz
RaizRaiz
Tecidos vegetais
Tecidos vegetaisTecidos vegetais
Tecidos vegetais
Marcos Albuquerque
 
Semente – Anatomia E Morfologia
Semente – Anatomia E MorfologiaSemente – Anatomia E Morfologia
Semente – Anatomia E Morfologia
profatatiana
 
Órgãos Vegetativos
Órgãos VegetativosÓrgãos Vegetativos
Órgãos Vegetativos
Jézili Dias
 
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Morfologia dos órgãos vegetativos folha
Morfologia dos órgãos vegetativos  folhaMorfologia dos órgãos vegetativos  folha
Morfologia dos órgãos vegetativos folha
ernandes damasceno
 
Aula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetalAula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetal
Jhosafá de Kastro
 
Anatomia folha e flor
Anatomia folha e florAnatomia folha e flor
Anatomia folha e flor
letyap
 
Gimnospermas e angiospermas
Gimnospermas e angiospermasGimnospermas e angiospermas
Gimnospermas e angiospermas
Grazi Grazi
 
Caule 2012 aula
Caule 2012 aulaCaule 2012 aula
Caule 2012 aula
Priscila Belintani
 

Mais procurados (20)

2EM #13 Anatomia vegetal (2016)
2EM #13 Anatomia vegetal (2016)2EM #13 Anatomia vegetal (2016)
2EM #13 Anatomia vegetal (2016)
 
Morfologia floral
Morfologia floralMorfologia floral
Morfologia floral
 
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICAESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
 
Folhas
FolhasFolhas
Folhas
 
Morfologia: Raiz, Caule e Folhas
Morfologia: Raiz, Caule e FolhasMorfologia: Raiz, Caule e Folhas
Morfologia: Raiz, Caule e Folhas
 
Morfologia vegetal da flor
Morfologia vegetal da florMorfologia vegetal da flor
Morfologia vegetal da flor
 
Fg aula 6
Fg aula 6Fg aula 6
Fg aula 6
 
Anatomia Vegetal: Aulas Práticas
Anatomia Vegetal: Aulas PráticasAnatomia Vegetal: Aulas Práticas
Anatomia Vegetal: Aulas Práticas
 
Raiz, caule e folha aula alex ppt
Raiz, caule e folha   aula alex pptRaiz, caule e folha   aula alex ppt
Raiz, caule e folha aula alex ppt
 
Organologia Raiz E Caule
Organologia Raiz E CauleOrganologia Raiz E Caule
Organologia Raiz E Caule
 
Raiz
RaizRaiz
Raiz
 
Tecidos vegetais
Tecidos vegetaisTecidos vegetais
Tecidos vegetais
 
Semente – Anatomia E Morfologia
Semente – Anatomia E MorfologiaSemente – Anatomia E Morfologia
Semente – Anatomia E Morfologia
 
Órgãos Vegetativos
Órgãos VegetativosÓrgãos Vegetativos
Órgãos Vegetativos
 
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Reino plantae
 
Morfologia dos órgãos vegetativos folha
Morfologia dos órgãos vegetativos  folhaMorfologia dos órgãos vegetativos  folha
Morfologia dos órgãos vegetativos folha
 
Aula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetalAula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetal
 
Anatomia folha e flor
Anatomia folha e florAnatomia folha e flor
Anatomia folha e flor
 
Gimnospermas e angiospermas
Gimnospermas e angiospermasGimnospermas e angiospermas
Gimnospermas e angiospermas
 
Caule 2012 aula
Caule 2012 aulaCaule 2012 aula
Caule 2012 aula
 

Semelhante a Morfologiavegetalsementeraizcauleefolha 111108063906-phpapp01

Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folhaMorfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Marcos Albuquerque
 
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folhaMorfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Marcos Albuquerque
 
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folhaMorfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Marcos Albuquerque
 
Morfologia vegetal 2o.m
Morfologia vegetal 2o.mMorfologia vegetal 2o.m
Morfologia vegetal 2o.m
le_firmino
 
Aula 4 Prof. Guth Berger
Aula 4 Prof. Guth BergerAula 4 Prof. Guth Berger
Aula 4 Prof. Guth Berger
Matheus Yuri
 
Reino plantae[1]
Reino plantae[1]Reino plantae[1]
Reino plantae[1]
Roberto Bagatini
 
Tecidos vegetais
Tecidos vegetaisTecidos vegetais
Tecidos vegetais
Marcos Albuquerque
 
Orgaos vegetais
Orgaos vegetaisOrgaos vegetais
Orgaos vegetais
jonathacioly
 
Ctrl aula 2 gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
 Ctrl aula 2   gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta... Ctrl aula 2   gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
Ctrl aula 2 gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
Carol Castro
 
1 anokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.pptx
1 anokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.pptx1 anokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.pptx
1 anokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.pptx
VERONICA47548
 
Classificacao e reproducao das plantas
Classificacao e reproducao das plantasClassificacao e reproducao das plantas
Classificacao e reproducao das plantas
biroskaa
 
Morfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermasMorfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermas
alinesantana1422
 
Angiosperma
AngiospermaAngiosperma
Angiosperma
Carlos A Tristtao
 
7º ano cap 12 e 13 angiospermas - órgãos
7º ano cap 12 e 13   angiospermas - órgãos7º ano cap 12 e 13   angiospermas - órgãos
7º ano cap 12 e 13 angiospermas - órgãos
ISJ
 
Formas das plantas
Formas das plantasFormas das plantas
Formas das plantas
Gerdian Teixeira
 
Caule
CauleCaule
Caule
CauleCaule
Morfologia Vegetal - Caule
Morfologia Vegetal - Caule Morfologia Vegetal - Caule
Morfologia Vegetal - Caule
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Botânica
BotânicaBotânica
Botânica
familiaestagio
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
aulasdotubao
 

Semelhante a Morfologiavegetalsementeraizcauleefolha 111108063906-phpapp01 (20)

Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folhaMorfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
 
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folhaMorfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
 
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folhaMorfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
 
Morfologia vegetal 2o.m
Morfologia vegetal 2o.mMorfologia vegetal 2o.m
Morfologia vegetal 2o.m
 
Aula 4 Prof. Guth Berger
Aula 4 Prof. Guth BergerAula 4 Prof. Guth Berger
Aula 4 Prof. Guth Berger
 
Reino plantae[1]
Reino plantae[1]Reino plantae[1]
Reino plantae[1]
 
Tecidos vegetais
Tecidos vegetaisTecidos vegetais
Tecidos vegetais
 
Orgaos vegetais
Orgaos vegetaisOrgaos vegetais
Orgaos vegetais
 
Ctrl aula 2 gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
 Ctrl aula 2   gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta... Ctrl aula 2   gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
Ctrl aula 2 gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
 
1 anokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.pptx
1 anokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.pptx1 anokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.pptx
1 anokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.pptx
 
Classificacao e reproducao das plantas
Classificacao e reproducao das plantasClassificacao e reproducao das plantas
Classificacao e reproducao das plantas
 
Morfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermasMorfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermas
 
Angiosperma
AngiospermaAngiosperma
Angiosperma
 
7º ano cap 12 e 13 angiospermas - órgãos
7º ano cap 12 e 13   angiospermas - órgãos7º ano cap 12 e 13   angiospermas - órgãos
7º ano cap 12 e 13 angiospermas - órgãos
 
Formas das plantas
Formas das plantasFormas das plantas
Formas das plantas
 
Caule
CauleCaule
Caule
 
Caule
CauleCaule
Caule
 
Morfologia Vegetal - Caule
Morfologia Vegetal - Caule Morfologia Vegetal - Caule
Morfologia Vegetal - Caule
 
Botânica
BotânicaBotânica
Botânica
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
 

Mais de adrianapaulon

Dst 2
Dst 2Dst 2
Direitos fundamentais-e-o-estado-democratico-de-direito-brasileiro
Direitos fundamentais-e-o-estado-democratico-de-direito-brasileiroDireitos fundamentais-e-o-estado-democratico-de-direito-brasileiro
Direitos fundamentais-e-o-estado-democratico-de-direito-brasileiro
adrianapaulon
 
Trabalho de biologia 2
Trabalho de biologia 2Trabalho de biologia 2
Trabalho de biologia 2
adrianapaulon
 
comunicação empresarial
comunicação empresarialcomunicação empresarial
comunicação empresarial
adrianapaulon
 
Taxonomia animal
Taxonomia animalTaxonomia animal
Taxonomia animal
adrianapaulon
 
V17n6a14colea de lixo em aterros
V17n6a14colea de lixo em aterrosV17n6a14colea de lixo em aterros
V17n6a14colea de lixo em aterros
adrianapaulon
 

Mais de adrianapaulon (6)

Dst 2
Dst 2Dst 2
Dst 2
 
Direitos fundamentais-e-o-estado-democratico-de-direito-brasileiro
Direitos fundamentais-e-o-estado-democratico-de-direito-brasileiroDireitos fundamentais-e-o-estado-democratico-de-direito-brasileiro
Direitos fundamentais-e-o-estado-democratico-de-direito-brasileiro
 
Trabalho de biologia 2
Trabalho de biologia 2Trabalho de biologia 2
Trabalho de biologia 2
 
comunicação empresarial
comunicação empresarialcomunicação empresarial
comunicação empresarial
 
Taxonomia animal
Taxonomia animalTaxonomia animal
Taxonomia animal
 
V17n6a14colea de lixo em aterros
V17n6a14colea de lixo em aterrosV17n6a14colea de lixo em aterros
V17n6a14colea de lixo em aterros
 

Último

Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdfEXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
eltinhorg
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
MarcoAurlioResende
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Shakil Y. Rahim
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdfEXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 

Morfologiavegetalsementeraizcauleefolha 111108063906-phpapp01

  • 1. Morfologia e Anatomia Vegetal Profª. Adriana Paulon
  • 2. Semente e Germinação: Origem dos Órgãos Vegetais Prof. Tubão
  • 3. • Germinação do Semente : Inicio da formação das estruturas vegetais: Raiz, Caule e Folhas (que formam estróbilos e flores). • Função da Semente: Manter o embrião em estado de dormência, enquanto as condições ambientais (água, temperatura, luz e oxigênio) não forem ideais e fornecer-lhe nutrientes durante o desenvolvimento. • As sementes são compostas pela casca ou tegumento (testa ou tégumen)e pela amêndoa (endosperma ou albúmen + embrião)
  • 4. • Endosperma ou albúmen: reserva nutritiva, composto de óleos, proteínas, carboidratos,vitaminas, sais minerais e enzimas. • Nas gimnospermas o endosperma primário (n) é derivado diretamente do gametófito feminino. Na angiospermas é resultado da junção do núcleo espermático masculino com dois núcleos polares femininos que resulta no endosperma secundário (3n). • Nas Angiospermas o endosperma pode estar contido nas folhas iniciais (cotilédones) do embrião, como no caso das dicotiledôneas ou estarem na própria semente formando o albúmen como nas monocotiledôneas.
  • 5. • O embrião das monocotiledôneas é formado por um cotilédone ou escutelo, que digere e absorve o endosperma, pela radícula, que dá origem a raiz e pelo caulículo, que dá origem ao caule. O caulículo se divide epicótilo (que está acima) e hipocótilo (que está abaixo). • No ápice do caulículo está o epicótilo, onde se encontra a gema apical, que dá origem as folhas primárias (plúmula). • O epicótilo esta envolvido por um tecido de proteção, o coleóptile.
  • 6. • O embrião das dicotiledôneas é formado por dois cotilédones, que contém o endosperma, pelo radícula, que dá origem a raiz, pelo caulículo, que origina o caule e pelas folhas primárias ou plúmulas. • Os cotilédones dividem caulículo em epicótilo (que está acima) e hipocótilo (que está abaixo).
  • 7. • Sementes possuem baixo teor e água (5 a 20%) e baixo metabolismo, mantendo o embrião em estado de dormência. • Germinação: o primeiro passo para se retirar a semente do seu estado de dormência é fornecer água que esta absorve por osmose ou embebição.
  • 8. • A água retira o embrião do estado de dormência que passa a produz hormônios (giberelinas), ativando enzimas presentes em um tecido rico em proteínas perto da casca (aleurona), digerindo (hidrólise) o amido e liberando a glicose.
  • 9. • Outros fatores também influenciam na germinação com oxigênio, temperatura (varia de acordo com o ambiente) e luz. • Sementes fotoblásticas positivas precisam de um fotoperíodo de muitas horas de luminosidade para germinar. • Sementes fotoblásticas negativas precisam de um fotoperíodo de muitas horas de escuro ou de escuro total para germinar.
  • 10. • Na germinação das monocotiledôneas as primeiras estruturas a brotarem a partir do embrião são o coleóptilo (coleóptile), que recobre o epicótilo (caule inicial) que dá origem as folhas primárias, e a radícula, que dá origem a raiz.
  • 11. • Nas dicotiledôneas brotam radícula, o hipocótilo e o epicótilo que originam as folhas primárias, onde estão as gemas apicais (tecido de crescimento embrionário ou meristema apical do caule). Após esgotarem seus nutrientes, os cotilédones caem.
  • 12. • gemas apicais (tecido de crescimento embrionário ou meristema apical do caule).
  • 13. Morfologia Vegetal: A Raiz Prof. Tubão
  • 14. • Raiz: Órgão Vegetal responsável pela fixação (sustentação) da planta e pala absorção da seiva bruto (água mais nutrientes minerais. • Genericamente, podem ser de dois tipos: fasciculadas (monocotiledôneas) e pivotantes ou axiais(dicotiledôneas)
  • 15. • Nas dicotiledôneas apresentam regiões com funções específicas: • A) Coifa: Na ponta da raiz, tecido que protege o meristema da raiz (tecido embrionário de crescimento. • B) Região ou Zona Lisa: onde se nota o crescimento da raiz. • C) Região ou Zona Pilífera (pilosa): onde se encontram os pelos absorventes, região de maior absorção de água. • D) Região ou Zona de ramificação: de onde surgem as raízes late ais ou secundárias • Colo: transição entre o • Caule e a raiz
  • 16.
  • 17. • A) Coifa com meristema apical da raiz (tecido meristemático de crescimento da raiz): Fundamental para evitar lesões ao meristema quando este penetra no solo
  • 18. • B) Zona de crescimento: Resultado da multiplicação e diferenciação da células do meristema: De células embrionárias para células adultas:
  • 19. • C) Zona PiIlífera: Os pelos absorventes surgem a partir da epiderme da raiz aumentam a área de absorção de água:
  • 20. • Tecidos que formam as raízes: epiderme, córtex, endoderme, periciclo, xilemas e floemas
  • 21. • D) Zona de Ramificação ou suberosa : fixa o vegetal ao solo:
  • 22. • Tipos de Raízes: • 1) Subterrâneas ou terrestres: • a) pivotantes ou axiais (eixo central) das dicotiledôneas: apresentam crescimento secundário (raízes que crescem lateralmente perpendiculares ao eixo centra)
  • 23. • b) fasciculadas: (sem eixo central) Todas crescem a partir de um ponto do caule, sem crescimento lateral.
  • 24. • c) Tuberosas: quando armazenarem reservas de nutrientes (principalmente amido). Podem ocorrer tanto em axiais como em fasciculadas.
  • 25. • 2) Raízes Aéreas: • a) Suportes ou escoras: Raízes que partem do caule acima do colo, em direção ao solo e ajudam a aumentar a fixação do vegetal. Ex. milho e plantas de maguezais:
  • 26. • b) Raiz Cintura: Raízes que crescem enroladas em um suporte como caules de outra planta. Apresentam uma casca especial chamada velame, que absorve água do ar. Comum em epífitas (bromélias e orquídeas):
  • 27. • c) Raiz estrangulante: Raízes muito ramificadas que se enrolam no caule, mas ao crescerem interrompem o fluxo de seiva elaborada, matando a planta hospedeira: Ex. mata-pau
  • 28. • d) Raiz Tabulares: muito achatadas, servem para respiração e fixação da planta. Ex figueira
  • 29. • e) Raiz Respiratórios ou pneumatóforos: raízes que se projetam para o ar em solos pantanosos ou de manguezais, e realizam trocas gasosas.
  • 30. • f) Raiz Grampiforme: Raízes pequenas que aderem fortemente ao substrato, com a unha de gato.
  • 31. • g) Raiz sugadora ou haustórios: Raízes de plantas parasitas que penetram nos xilemas (hemiparasitas) ou nos floemas (holoparasitas) como o cipó-chumbo, que devido a isso perdeu a capacidade de fazer fotossíntese.
  • 32. Morfologia Vegetal: O Caule Prof. Tubão
  • 33. • Caule: Eixo principal das plantas que fornece sustentação para folhas, flores e frutos, ponto de origem das raízes e acumulação de substâncias nutritivas e água. Por ele correm a seiva bruta e elaborada (xilemas e floemas). Origina-se do caulículo do embrião.
  • 34. • Nas dicotiledôneas os xilemas e floemas estão dispostos regularmente em volta de um cilindro central (lenho) e nas monocotiledôneas estão dispostos aleatoriamente pelo caule lenho Dicotiledôneas monocotiledôneas
  • 35. • Os caules apresentam os meristemas apicais ou gemas terminais (crescimento em direção a luz) e as gemas laterais ou auxiliares (crescimento de ramos laterais), tecidos embrionários, onde ocorrem muitas mitoses e que comandam o crescimento das plantas. Podem estar ativos ou dormentes.
  • 36. • Nas gemas laterais as regiões de onde partem os ramos laterais são denominadas nós. A região entre dois nós e denominada entre nós.
  • 37. • Tipos de Caules: • 1- Caules Aéreos Típicos: • a) Troncos: apresentam lenho (crescimento lateral). Geralmente apresentam a base mais larga que o ápice e muitas ramificações como em árvores e arbustos. Típicos das dicotiledôneas e gimnospermas
  • 38. • b) Hastes: Caule pouco desenvolvido e geralmente flexível comum em ervas e pequenos arbustos: • c) Estipes: Caule cilíndrico, pouco ramificado das palmeiras. Típicos das monocotiledôneas
  • 39. • d) Colmos: Caule cilíndricos típicos das monocotiledôneas com nítida divisão entre nós e entre nós. Como em bambus e cana de açúcar.
  • 40. • e) Estolão ou Estolho: Caule rastejante, como na grama e no morango. Podem ser volúveis (trepadeiras).
  • 41. • 2- Caules aéreos modificados: • a) Cladódios: Caules achatados e verdes. Podem realizar fotossíntese ou funcionarem como reserva d água (suculentos). Apresentam espinhos (folhas modificadas que não realizam fotossíntese) para economia de água) • filocládios mais afilados, como o aspargo:
  • 42. • e) Espinho: ramificação atrofiada do caule que tem a função de proteger a planta. • f) Gavinhas: estrutura filamentosa derivadas de caules aéreos (estolões volúveis) como na uva e maracujá
  • 43. • g) Pseudobulbo: Caule intumescido, presente nas orquídeas: • h) Pseudobulbo Alado: expansão lateral do caule (carqueja).
  • 44. • 3) Caules Subterrâneos Típicos: • a) Rizoma: Caule subterrâneo como na banana e samambaia.
  • 45. • b) Tubérculo: Caules que acumulam material nutritivo como a batata.
  • 46. • 3) Caules Subterrâneos Típico Modificados: • a) Xilopódios: Caule subterrâneo que acumulam água e não distinção nítida entre raiz e caule. • b) Bulbos: estrutura complexa formado pelo prato (base do caule modificado) envolvido por folhas modificadas denominadas catáfilos. • Podem ser simples (cebola) ou compostos (alho)
  • 47. • - Bulbos simples Tunicados (cebola): Vários catáfilos sobrepostos • Bulbos simples escamoso lírio): escamas imbricadas
  • 48. • - Bulbos simples sólido (tulipa): acumula nutrientes • Bulbos compostos (alho):
  • 49. Morfologia Vegetal: A Folha Prof. Tubão
  • 50. • Folhas: Originadas das gemas do caule que formam os primórdios foliares. Geralmente é o local onde ocorre a fotossíntese, a transpiração e as trocas gasosas. Morfologicamente se divide em bainha, estípulas, pecíolo e limbo:
  • 51. • O Limbo é a parte principal de folha, onde ocorre a fotossíntese. No limbo são visíveis as nervuras, reticuladas (ramificadas) nas dicotiledôneas e paralelas nas monocotiledôneas. Ex.:
  • 52. • O Limbo é a pode ser simples (uma folha por pecíolo) ou composto (varias folhas ou folíolos por pecíolo) formando folhas compostas
  • 53. • A bainha é a estrutura que prende a folha no caule. È muito desenvolvida nas monocotiledôneas (folhas invaginantes) e reduzida ou ausente nas dicotiledôneas:
  • 54. • A estípula pequenas estruturas presentes na gema caulinar que tem a função de proteger a folha que está nascendo. Em alguns caso é muito desenvolvida e assume a função fotossintetizante (ervilhas).
  • 55. • Pecíolo: Eixo de sustentação que prende a folha no caule. Normalmente ausente nas monocotiledôneas.
  • 56. • Folhas que apresentam todas as estruturas foliares são denominada completas e as apresentam a falta de alguma das estruturas são denominadas incompletos.
  • 57. • Tipos de folhas incompletas: • a) Peciolada: quando o pecíolo é desenvolvido e falta a bainha (dicotiledôneas): • b) Invaginante: pecíolo ausente e bainha desenvolvida (monocotiledôneas):
  • 58. • c) Séssil: quando o pecíolo e a bainha estão ausentes: • Classificação das folha em relação a disponibilidade de água: • a) Xeromórficas (xerófitas , climas desérticos): espinhos dos cactos • b) Mesomórficas (Mesófitas, climas muito úmidos): Palmito • c) Higromórficas (higrófitas, aquáticas): Ninfeas
  • 59. • Adaptações e Modificações das Folhas: • 1- Cotilédones: primeiras folhas embrionárias que nas dicotiledôneas guarda o endosperma: • 2- Insetívoras: modificadas para captura de animais: Drosera sp Dionea sp Nepenthes sp
  • 60. • 3- Escamas ou catáfilos: Proteção das gemas dos caules • 4 – Brácteas: Folhas protetoras da base das flores, que podem assumir o papel das pétalas para atrair polinizadores
  • 61. • 5- espinhos: folhas modificadas para proteção (cora de Cristo) ou para economia de água (cactos). • 6- Gavinhas: fixação:
  • 62. • Folhas com funções de reprodução: • a) Multiplicação vegetativa (assexuada): folhas que apresentam tecidos embrionários que podem gerar outra planta: • b) Esporófilos: Folhas das samambaias que produzem esporos:
  • 63. • c) Antófilos: Folhas transformadas em flores • Heterofilia: Planta com folhas de formatos diferentes:
  • 64. • Filotaxia: Classificação da posição dos folhas em relação ao caule: • a) Alternadas: Inseridas em níveis diferentes • b) Opostas: inseridas no mesmo nó em oposição uma da outra: • c) Verticiladas: varias folhas no mesmo nó: