SlideShare uma empresa Scribd logo
Histologia Vegetal
Germinação
Semente
Germinação
 Fatores biológicos
 Qualidade do embrião
 Estado das reservas
 Estado do tegumento
 Fatores ambientais
 Oxigenação
 Luz
 Umidade
 Temperatura
 Etapas
 Embebição
 Aumento do metabolismo
 Emersão da radícula, do
caulículo e das folhas embr.
Germinação Epígea
Germinação Hipógea
Histologia
Tecidos Vegetais
 “Tecidos” meristemáticos: células indiferenciadas.
 Tecidos permanentes: agrupados em três sistemas, de
acordo com a função que exercem.
 Fundamental: preenchimento, síntese e sustentação.
 Parênquima, colênquima e esclerênquima.
 Revestimento e proteção:
 Epiderme
 Periderme (súber, felogênio e feloderma).
 Vascular: condução.
 Xilema
 Floema.
Meristemas
 Conjunto de células não
diferenciadas  totipotentes
 Capazes de intensa divisão
celular (mitose).
 Originam a maior parte dos
tecidos da planta.
 Continuam ativos durante
toda a vida do organismo.
Meristemas
 Os principais meristemas são:
 Embrionários (apicais) ápices caulinar e radicular
 Primários
 Secundários
protoderme
meristema fundamental
procâmbio
câmbio interfascicular
felogênio
Meristemas embrionários
 Ápice caulinar: eleva o caule para fora do substrato.
 Surgem as folhas embrionárias.
 Começam a realização da fotossíntese.
 Ápice radicular: a raiz cresce e penetra no solo.
 Inicia-se a absorção de água e sais minerais.
 Meristema intercalar: presente em alguns caules
 Presente em algumas plantas (ex.: bambu).
 Crescimento fora dos meristemas apicais.
Ápice caulinar
Ápice radicular
Estrutura Primária
Meristemas Primários
 Formados por células totipotentes, que
mantêm as características embrionárias.
 Crescimento primário (em comprimento).
 Meristemas primários tecidos primários.
 Protoderme Epiderme
 Meristema fundamental
 Procâmbio
Parênquimas
Colênquima
EsclerênquimaXilema (lenho)
Floema (líber)
SISTEMA DE REVESTIMENTO
Estrutura Primária
Epiderme - funções
 Tecido de revestimento e proteção das plantas
com unicamente o crescimento primário.
 Nas raízes e caules das plantas com crescimento secundário, a
epiderme é substituída pela periderme.
 Recobre toda a planta: raiz, caule, folhas, flores e
frutos.
 Impede a perda excessiva de água.
 Permite as troca dos gases necessá-
rios à respiração e à fotossíntese.
Epiderme - estruturas
 É um tecido uniestratificado formado por células:
 justapostas e achatadas;
 aclorofiladas e com um grande vacúolo.
 Pode apresentar substâncias impermeabilizantes.
 Cutícula (formada pela cutina) e cera.
 Anexos especializados.
 Estômatos: controle da transpiração e trocas gasosas.
 Hidatódios: eliminação de água na forma líquida.
 Tricomas: evitam perda de água e secretam substâncias.
 Pêlos: absorção de água e sais minerais da raiz.
 Acúleos: estruturas pontiagudas para proteção.
Epiderme com função de revestimento e trocas gasosas
Estômatos
Estômatos
Hidatódios
 São estômatos modificados, adaptados para perder o
excesso de água na forma líquida, de gotinhas.
Outros anexos
Tricomas
Tricomas secretores
SISTEMA FUNDAMENTAL
Estrutura Primária
Parênquimas
 Tecidos localizados entre epiderme e
tecidos condutores.
 Células:
 vivas, geralmente poliédricas e isodiamétricas
(mesmo diâmetro nas várias direções);
 com vacúolos grandes e paredes celulares
delgadas;
 com pequenos poros ou perfurações através
dos quais os protoplasmas de células vizinhas
entram em contato.
 Funções: preenchimento, assimilação,
reserva e secreção.
Parênquimas cortical e medular
Parênquima
medular
Parênquimas
 Clorofiliano ou assimilador – folhas
Parênquimas
 Amilífero – tubérculo da batata
Parênquimas
 Áquífero – cladódio do cacto
Parênquimas
 Aerífero – folha de ninfeia; caule de papiro
Parênquimas
 Parênquimas cortical e medular: preenchimento
 Localizados no córtex e medula, respectivamente
 Parênquima clorofilado ou clorênquima: assimilação
 Possui células clorofiladas – principalmente em folhas
 Parênquima aqüífero: reserva de água
 Presente em plantas de ambientes secos ou salinos
 Parênquima aerífero ou aerênquima: reserva de ar
 Presente em plantas aquáticas (flutuação e respiração)
 Parênquima amilífero: reserva de amido
 Presentes em raízes e caules subterrâneos
Tipos: Colênquima e Esclerênquima
Tecidos de sustentação
Colênquima
Colênquima
Colênquima
 Tecido de sustentação e resistência mecânica
formado por células vivas.
 Não possui células lignificadas.
 Não impede o crescimento dos órgãos que circunda –
comum nas partes jovens da planta.
 Promove sustentação com flexibilidade.
 Paredes celulares com reforços de celulose.
 Pode ser comparado com o tecido cartilaginoso nos
animais.
Esclerênquima
Esclerênquima
Esclerênquima
 Tecido de sustentação e resistência mecânica
formado por células mortas.
 Intensa lignificação nas paredes celulares.
 Possui dois tipos celulares:
 Fibras: células fusiformes, alongadas e pontiagudas.
 Rígidas ou elásticas (dependendo da maior ou menor lignificação).
 Flexíveis e muito resistentes à tração (grande aplicação na indústria).
 Exemplos: fibras de cânhamo, linho, juta, sisal etc.
 Células pétreas ou escléritos ou esclerídeos: têm ampla
distribuição no corpo vegetal, sendo comuns em
eudicotiledôneas e raras nas mono.
 Pode ser comparado ao tecido ósseo dos animais.
SISTEMA VASCULAR
Estrutura Primária
Tecidos Condutores
 Transportam as substâncias entre
os vários órgãos das plantas.
 Vasos lenhosos (xilema):
 Seiva bruta: solução de água e sais
absorvida pelas raízes.
 Vasos liberianos (floema):
 Seiva elaborada: solução orgânica
com produtos da fotossíntese
(glicose) e outras substâncias que
são distribuídas para nutrir os outros
órgãos da planta.
Feixes vasculares
 Vasos lenhosos (xilema) e
liberianos (floema) : tecidos
condutores.
 Fibras de sustentação:
células lignificadas
 Procâmbio: meristema que
produz novas células de
xilema e floema.
Xilema ou Lenho
 Tecido responsável pelo transporte de seiva bruta ou
inorgânica das raízes até as folhas.
 Formado por células mortas, impregnadas de lignina.
 Localiza-se na parte
interna do feixe
vascular.
 Também atua como
importante tecido de
sustentação.
Xilema ou lenho: transporta a
seiva bruta
Elementos de vaso
Traqueídes
Xilema ou Lenho
 Lúmen: amplo espaço interno que permite o
deslocamento de um grande volume de seiva bruta.
 Elementos de vaso: células perfuradas, por onde passa
a seiva bruta.
 Traqueídes: elementos con-
dutores com reforços de
lignina em anéis ou espirais.
 Função de sustentação em plan-
tas com crescimento secundário
Floema x Xilema
Floema ou Líber
Localização do floema no
caule
Pulgão sugando a seiva elaborada
Localização do floema
no caule
Floema ou Líber
 Tecido responsável pelo transporte de seiva elaborada
ou orgânica.
 Formados pela sobreposição de células vivas,
alongadas, de paredes finas, sem lignificação.
 Localizado na parte mais
periférica do feixe vascular,
ficando logo abaixo da casca
da planta.
Floema ou Líber
 Elementos de tubo crivado: células
anucleadas por onde passa a seiva
elaborada.
 Placas crivadas: septos ou membranas
transversais não completamente
dissolvidos entre as células anucleadas
(elementos de tubo crivado).
 Células companheiras: vivas, dão
suporte às células crivadas.
Estrutura Secundária
Meristemas Secundários
 Formados por células embrionárias que se
diferenciaram e se tornaram integrantes de algum
sistema de tecidos adultos, mas depois entraram
novamente em atividade de divisão celular.
Desdiferenciação celular
Parede celular espessa
Parede celular delgada
Meristemas Secundários
 Possibilitam o crescimento secundário (em espessura).
 Formam os tecidos secundários.
 Felogênio (câmbio da casca): meristema do sistema de
revestimento.
 Feloderme
 Súber
 Câmbio interfascicular: meristema do sistema vascular.
 Xilema secundário
 Floema secundário
Meristemas secundários
Tecidos Secundários
 Possibilitam o crescimento secundário (em espessura),
formando a estrutura secundária.
 Periderme: é a estrutura secundária de revestimento,
que substitui a epiderme.
 Súber
 Felogênio
 Feloderme
 Tecidos condutores secundários
 Xilema secundário
 Floema secundário
A
Epiderme
Súber
Felogênio
Feloderme
PERIDERME
Periderme
 Feloderme: tecido vivo cujas células são semelhantes
às do parênquima cortical  preenchimento.
 Felogênio: meristema secundário.
 Súber ou felema: tecido morto pelo excesso de
suberina (uma substância impermeável de natureza
lipídica) isolante térmico e proteção mecânica.
 Reveste principalmente as partes mais velhas do caule e da
raiz, mas nunca das folhas.
 Protege a planta contra predadores, excesso de calor e fogo.
 Seu principal anexo é a lenticela, pequenas rachaduras no
súber que permitem as trocas gasosas.
Periderme
Estruturas 1ª e 2ª
Estrutura primária de raiz Estrutura secundária de raiz
(região pilífera) (região de ramificação)
Transição
Madeira
 Cerne: xilema interno não-
funcional (escuro)
 Impregnado de substâncias
como óleos, resinas e taninos
 Alburno: xilema externo
funcional (claro)
Resumão
Histologia dos
órgãos vegetais
Raiz, caule e folha
Raiz
Raiz
 Estrutura primária:
 Epiderme com pêlos
absorventes
 Zona cortical espessa com
parênquima de reserva e
endoderme
 Cilindro central grande com
periciclo, feixes condutores e,
às vezes, parênquima medular
e tecidos de suporte.
Raiz
 Monocotiledônea  Dicotiledônea
Caule
 Estrutura primária
 Epiderme com cutícula e
estômatos
 Zona cortical fina com
clorênquima e tecidos de
suporte
 Cilindro central com feixes
vasculares, parênquimas e
tecidos de suporte
Caule
 Monocotiledônea  Dicotiledônea
Folha
 Estrutura primária monocotiledônea
 Epiderme superior e inferior com estômatos
 Mesófilo com parênquima clorofilado simétrico
 Tecidos vasculares na porção mais interna
Folha
 Estrutura primária de dicotiledônea
 Tecidos vasculares e de suporte na porção mais interna
 Mesófilo com parênquima clorofilado assimétrico
 Epiderme com estômatos
Folha

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Anatomia do caule
Anatomia do cauleAnatomia do caule
Anatomia do caule
Géssica Guarani-Kaiowá
 
As Algas
As AlgasAs Algas
As Algas
thaysribeiro
 
Anatomia e morfologia de folha
Anatomia e morfologia de folhaAnatomia e morfologia de folha
Anatomia e morfologia de folha
Janaína Baldêz
 
Xilema e floema
Xilema e floemaXilema e floema
Xilema e floema
00367p
 
Morfologia Vegetal - Caule
Morfologia Vegetal - Caule Morfologia Vegetal - Caule
Morfologia Vegetal - Caule
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Tecidos vegetais
Tecidos vegetaisTecidos vegetais
Tecidos vegetais
Marcos Albuquerque
 
Cloroplastos e fotossíntese
Cloroplastos e fotossínteseCloroplastos e fotossíntese
Cloroplastos e fotossíntese
Gabriel Mendes de Almeida
 
1. célula vegetal revisão
1. célula  vegetal revisão1. célula  vegetal revisão
1. célula vegetal revisão
Dirk Daniel Dijkstra
 
Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
Eldon Clayton
 
Hormônios Vegetais
Hormônios VegetaisHormônios Vegetais
Hormônios Vegetais
Turma Olímpica
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
emanuel
 
Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
profatatiana
 
Anatomia Vegetal: Aulas Práticas
Anatomia Vegetal: Aulas PráticasAnatomia Vegetal: Aulas Práticas
Anatomia Vegetal: Aulas Práticas
Luane Bosetto
 
Botânica
BotânicaBotânica
Botânica
familiaestagio
 
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Bio
 
Frutos
FrutosFrutos
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Bio
 
Citologia e membrana celular
Citologia e membrana celularCitologia e membrana celular
Citologia e membrana celular
César Milani
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Briofitas
jcrrios
 
Morfologia vegetal da raiz
Morfologia vegetal da raizMorfologia vegetal da raiz
Morfologia vegetal da raiz
Joseanny Pereira
 

Mais procurados (20)

Anatomia do caule
Anatomia do cauleAnatomia do caule
Anatomia do caule
 
As Algas
As AlgasAs Algas
As Algas
 
Anatomia e morfologia de folha
Anatomia e morfologia de folhaAnatomia e morfologia de folha
Anatomia e morfologia de folha
 
Xilema e floema
Xilema e floemaXilema e floema
Xilema e floema
 
Morfologia Vegetal - Caule
Morfologia Vegetal - Caule Morfologia Vegetal - Caule
Morfologia Vegetal - Caule
 
Tecidos vegetais
Tecidos vegetaisTecidos vegetais
Tecidos vegetais
 
Cloroplastos e fotossíntese
Cloroplastos e fotossínteseCloroplastos e fotossíntese
Cloroplastos e fotossíntese
 
1. célula vegetal revisão
1. célula  vegetal revisão1. célula  vegetal revisão
1. célula vegetal revisão
 
Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
 
Hormônios Vegetais
Hormônios VegetaisHormônios Vegetais
Hormônios Vegetais
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
 
Anatomia Vegetal: Aulas Práticas
Anatomia Vegetal: Aulas PráticasAnatomia Vegetal: Aulas Práticas
Anatomia Vegetal: Aulas Práticas
 
Botânica
BotânicaBotânica
Botânica
 
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)
 
Frutos
FrutosFrutos
Frutos
 
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
 
Citologia e membrana celular
Citologia e membrana celularCitologia e membrana celular
Citologia e membrana celular
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Briofitas
 
Morfologia vegetal da raiz
Morfologia vegetal da raizMorfologia vegetal da raiz
Morfologia vegetal da raiz
 

Semelhante a Histologia vegetal

Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
andreepinto
 
Tecidos vegetais - anatomia vegetal do caule
Tecidos vegetais - anatomia vegetal do cauleTecidos vegetais - anatomia vegetal do caule
Tecidos vegetais - anatomia vegetal do caule
Nilcilene Souza
 
Fisiologia e Histologia Vegetal
Fisiologia e Histologia Vegetal  Fisiologia e Histologia Vegetal
Fisiologia e Histologia Vegetal
Carlos Priante
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
Isabella Silva
 
Composição vegetal
Composição vegetalComposição vegetal
Composição vegetal
Cíntia Lautert
 
Tecidos vegetais apresentação em sala de aula_.pptx
Tecidos vegetais apresentação em sala de aula_.pptxTecidos vegetais apresentação em sala de aula_.pptx
Tecidos vegetais apresentação em sala de aula_.pptx
cleyton29
 
Histologia vegetal
Histologia vegetal  Histologia vegetal
Histologia vegetal
Faculdade Guaraí
 
Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
paramore146
 
Histología vegetal
Histología vegetalHistología vegetal
Histología vegetal
txaux1
 
Histologia vegetal(1)
Histologia vegetal(1)Histologia vegetal(1)
Histologia vegetal(1)
Gaspar Neto
 
gisele.pdf
gisele.pdfgisele.pdf
gisele.pdf
ManuelaBrambilla2
 
2º ANO - HISTOLOGIA VEGETAL.pptx
2º ANO - HISTOLOGIA VEGETAL.pptx2º ANO - HISTOLOGIA VEGETAL.pptx
2º ANO - HISTOLOGIA VEGETAL.pptx
GustavoGomesPaniago1
 
Tecidos vegetais
Tecidos vegetaisTecidos vegetais
Tecidos vegetais
Ana Carolina
 
Aula 3 - Tec vegetais 2023 NOVO.pdf
Aula 3 - Tec vegetais 2023 NOVO.pdfAula 3 - Tec vegetais 2023 NOVO.pdf
Aula 3 - Tec vegetais 2023 NOVO.pdf
SimoneBragaTerra
 
Tecidos vegetais
Tecidos vegetaisTecidos vegetais
Tecidos vegetais
Marcos Albuquerque
 
Tecidos vegetais
Tecidos vegetaisTecidos vegetais
Tecidos vegetais
Luisa Moreira
 
Histologia Vegetal
Histologia VegetalHistologia Vegetal
Histologia Vegetal
Equipe Bio
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Histologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Histologia VegetalSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Histologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Histologia Vegetal
Turma Olímpica
 
Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
ProfDeboraCursinho
 
Histologia vegetal
Histologia vegetal Histologia vegetal
Histologia vegetal
Adrianne Mendonça
 

Semelhante a Histologia vegetal (20)

Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
 
Tecidos vegetais - anatomia vegetal do caule
Tecidos vegetais - anatomia vegetal do cauleTecidos vegetais - anatomia vegetal do caule
Tecidos vegetais - anatomia vegetal do caule
 
Fisiologia e Histologia Vegetal
Fisiologia e Histologia Vegetal  Fisiologia e Histologia Vegetal
Fisiologia e Histologia Vegetal
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
 
Composição vegetal
Composição vegetalComposição vegetal
Composição vegetal
 
Tecidos vegetais apresentação em sala de aula_.pptx
Tecidos vegetais apresentação em sala de aula_.pptxTecidos vegetais apresentação em sala de aula_.pptx
Tecidos vegetais apresentação em sala de aula_.pptx
 
Histologia vegetal
Histologia vegetal  Histologia vegetal
Histologia vegetal
 
Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
 
Histología vegetal
Histología vegetalHistología vegetal
Histología vegetal
 
Histologia vegetal(1)
Histologia vegetal(1)Histologia vegetal(1)
Histologia vegetal(1)
 
gisele.pdf
gisele.pdfgisele.pdf
gisele.pdf
 
2º ANO - HISTOLOGIA VEGETAL.pptx
2º ANO - HISTOLOGIA VEGETAL.pptx2º ANO - HISTOLOGIA VEGETAL.pptx
2º ANO - HISTOLOGIA VEGETAL.pptx
 
Tecidos vegetais
Tecidos vegetaisTecidos vegetais
Tecidos vegetais
 
Aula 3 - Tec vegetais 2023 NOVO.pdf
Aula 3 - Tec vegetais 2023 NOVO.pdfAula 3 - Tec vegetais 2023 NOVO.pdf
Aula 3 - Tec vegetais 2023 NOVO.pdf
 
Tecidos vegetais
Tecidos vegetaisTecidos vegetais
Tecidos vegetais
 
Tecidos vegetais
Tecidos vegetaisTecidos vegetais
Tecidos vegetais
 
Histologia Vegetal
Histologia VegetalHistologia Vegetal
Histologia Vegetal
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Histologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Histologia VegetalSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Histologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Histologia Vegetal
 
Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
 
Histologia vegetal
Histologia vegetal Histologia vegetal
Histologia vegetal
 

Mais de José Nascimento da Silva Júnior

Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Membrana plasmatica e_transporte_2018
Membrana plasmatica e_transporte_2018Membrana plasmatica e_transporte_2018
Membrana plasmatica e_transporte_2018
José Nascimento da Silva Júnior
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Estrutura e replicação viral
Estrutura e replicação viralEstrutura e replicação viral
Estrutura e replicação viral
José Nascimento da Silva Júnior
 
Sistemática e filogenética
Sistemática e filogenéticaSistemática e filogenética
Sistemática e filogenética
José Nascimento da Silva Júnior
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Sme aula 1 1o ano
Sme aula 1 1o anoSme aula 1 1o ano

Mais de José Nascimento da Silva Júnior (8)

Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
 
Membrana plasmatica e_transporte_2018
Membrana plasmatica e_transporte_2018Membrana plasmatica e_transporte_2018
Membrana plasmatica e_transporte_2018
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Reino plantae
 
Estrutura e replicação viral
Estrutura e replicação viralEstrutura e replicação viral
Estrutura e replicação viral
 
Sistemática e filogenética
Sistemática e filogenéticaSistemática e filogenética
Sistemática e filogenética
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Taxonomia
 
Sme aula 1 1o ano
Sme aula 1 1o anoSme aula 1 1o ano
Sme aula 1 1o ano
 

Último

NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 

Último (20)

NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 

Histologia vegetal

  • 4. Germinação  Fatores biológicos  Qualidade do embrião  Estado das reservas  Estado do tegumento  Fatores ambientais  Oxigenação  Luz  Umidade  Temperatura  Etapas  Embebição  Aumento do metabolismo  Emersão da radícula, do caulículo e das folhas embr.
  • 8. Tecidos Vegetais  “Tecidos” meristemáticos: células indiferenciadas.  Tecidos permanentes: agrupados em três sistemas, de acordo com a função que exercem.  Fundamental: preenchimento, síntese e sustentação.  Parênquima, colênquima e esclerênquima.  Revestimento e proteção:  Epiderme  Periderme (súber, felogênio e feloderma).  Vascular: condução.  Xilema  Floema.
  • 9. Meristemas  Conjunto de células não diferenciadas  totipotentes  Capazes de intensa divisão celular (mitose).  Originam a maior parte dos tecidos da planta.  Continuam ativos durante toda a vida do organismo.
  • 10. Meristemas  Os principais meristemas são:  Embrionários (apicais) ápices caulinar e radicular  Primários  Secundários protoderme meristema fundamental procâmbio câmbio interfascicular felogênio
  • 11. Meristemas embrionários  Ápice caulinar: eleva o caule para fora do substrato.  Surgem as folhas embrionárias.  Começam a realização da fotossíntese.  Ápice radicular: a raiz cresce e penetra no solo.  Inicia-se a absorção de água e sais minerais.  Meristema intercalar: presente em alguns caules  Presente em algumas plantas (ex.: bambu).  Crescimento fora dos meristemas apicais.
  • 15. Meristemas Primários  Formados por células totipotentes, que mantêm as características embrionárias.  Crescimento primário (em comprimento).  Meristemas primários tecidos primários.  Protoderme Epiderme  Meristema fundamental  Procâmbio Parênquimas Colênquima EsclerênquimaXilema (lenho) Floema (líber)
  • 17. Epiderme - funções  Tecido de revestimento e proteção das plantas com unicamente o crescimento primário.  Nas raízes e caules das plantas com crescimento secundário, a epiderme é substituída pela periderme.  Recobre toda a planta: raiz, caule, folhas, flores e frutos.  Impede a perda excessiva de água.  Permite as troca dos gases necessá- rios à respiração e à fotossíntese.
  • 18. Epiderme - estruturas  É um tecido uniestratificado formado por células:  justapostas e achatadas;  aclorofiladas e com um grande vacúolo.  Pode apresentar substâncias impermeabilizantes.  Cutícula (formada pela cutina) e cera.  Anexos especializados.  Estômatos: controle da transpiração e trocas gasosas.  Hidatódios: eliminação de água na forma líquida.  Tricomas: evitam perda de água e secretam substâncias.  Pêlos: absorção de água e sais minerais da raiz.  Acúleos: estruturas pontiagudas para proteção.
  • 19. Epiderme com função de revestimento e trocas gasosas Estômatos
  • 21. Hidatódios  São estômatos modificados, adaptados para perder o excesso de água na forma líquida, de gotinhas.
  • 26. Parênquimas  Tecidos localizados entre epiderme e tecidos condutores.  Células:  vivas, geralmente poliédricas e isodiamétricas (mesmo diâmetro nas várias direções);  com vacúolos grandes e paredes celulares delgadas;  com pequenos poros ou perfurações através dos quais os protoplasmas de células vizinhas entram em contato.  Funções: preenchimento, assimilação, reserva e secreção.
  • 27. Parênquimas cortical e medular Parênquima medular
  • 28. Parênquimas  Clorofiliano ou assimilador – folhas
  • 29. Parênquimas  Amilífero – tubérculo da batata
  • 30. Parênquimas  Áquífero – cladódio do cacto
  • 31. Parênquimas  Aerífero – folha de ninfeia; caule de papiro
  • 32. Parênquimas  Parênquimas cortical e medular: preenchimento  Localizados no córtex e medula, respectivamente  Parênquima clorofilado ou clorênquima: assimilação  Possui células clorofiladas – principalmente em folhas  Parênquima aqüífero: reserva de água  Presente em plantas de ambientes secos ou salinos  Parênquima aerífero ou aerênquima: reserva de ar  Presente em plantas aquáticas (flutuação e respiração)  Parênquima amilífero: reserva de amido  Presentes em raízes e caules subterrâneos
  • 33. Tipos: Colênquima e Esclerênquima Tecidos de sustentação
  • 36. Colênquima  Tecido de sustentação e resistência mecânica formado por células vivas.  Não possui células lignificadas.  Não impede o crescimento dos órgãos que circunda – comum nas partes jovens da planta.  Promove sustentação com flexibilidade.  Paredes celulares com reforços de celulose.  Pode ser comparado com o tecido cartilaginoso nos animais.
  • 39. Esclerênquima  Tecido de sustentação e resistência mecânica formado por células mortas.  Intensa lignificação nas paredes celulares.  Possui dois tipos celulares:  Fibras: células fusiformes, alongadas e pontiagudas.  Rígidas ou elásticas (dependendo da maior ou menor lignificação).  Flexíveis e muito resistentes à tração (grande aplicação na indústria).  Exemplos: fibras de cânhamo, linho, juta, sisal etc.  Células pétreas ou escléritos ou esclerídeos: têm ampla distribuição no corpo vegetal, sendo comuns em eudicotiledôneas e raras nas mono.  Pode ser comparado ao tecido ósseo dos animais.
  • 41. Tecidos Condutores  Transportam as substâncias entre os vários órgãos das plantas.  Vasos lenhosos (xilema):  Seiva bruta: solução de água e sais absorvida pelas raízes.  Vasos liberianos (floema):  Seiva elaborada: solução orgânica com produtos da fotossíntese (glicose) e outras substâncias que são distribuídas para nutrir os outros órgãos da planta.
  • 42. Feixes vasculares  Vasos lenhosos (xilema) e liberianos (floema) : tecidos condutores.  Fibras de sustentação: células lignificadas  Procâmbio: meristema que produz novas células de xilema e floema.
  • 43. Xilema ou Lenho  Tecido responsável pelo transporte de seiva bruta ou inorgânica das raízes até as folhas.  Formado por células mortas, impregnadas de lignina.  Localiza-se na parte interna do feixe vascular.  Também atua como importante tecido de sustentação.
  • 44. Xilema ou lenho: transporta a seiva bruta Elementos de vaso Traqueídes
  • 45. Xilema ou Lenho  Lúmen: amplo espaço interno que permite o deslocamento de um grande volume de seiva bruta.  Elementos de vaso: células perfuradas, por onde passa a seiva bruta.  Traqueídes: elementos con- dutores com reforços de lignina em anéis ou espirais.  Função de sustentação em plan- tas com crescimento secundário
  • 48. Localização do floema no caule Pulgão sugando a seiva elaborada
  • 50. Floema ou Líber  Tecido responsável pelo transporte de seiva elaborada ou orgânica.  Formados pela sobreposição de células vivas, alongadas, de paredes finas, sem lignificação.  Localizado na parte mais periférica do feixe vascular, ficando logo abaixo da casca da planta.
  • 51. Floema ou Líber  Elementos de tubo crivado: células anucleadas por onde passa a seiva elaborada.  Placas crivadas: septos ou membranas transversais não completamente dissolvidos entre as células anucleadas (elementos de tubo crivado).  Células companheiras: vivas, dão suporte às células crivadas.
  • 53. Meristemas Secundários  Formados por células embrionárias que se diferenciaram e se tornaram integrantes de algum sistema de tecidos adultos, mas depois entraram novamente em atividade de divisão celular. Desdiferenciação celular Parede celular espessa Parede celular delgada
  • 54. Meristemas Secundários  Possibilitam o crescimento secundário (em espessura).  Formam os tecidos secundários.  Felogênio (câmbio da casca): meristema do sistema de revestimento.  Feloderme  Súber  Câmbio interfascicular: meristema do sistema vascular.  Xilema secundário  Floema secundário
  • 56. Tecidos Secundários  Possibilitam o crescimento secundário (em espessura), formando a estrutura secundária.  Periderme: é a estrutura secundária de revestimento, que substitui a epiderme.  Súber  Felogênio  Feloderme  Tecidos condutores secundários  Xilema secundário  Floema secundário A Epiderme Súber Felogênio Feloderme PERIDERME
  • 57. Periderme  Feloderme: tecido vivo cujas células são semelhantes às do parênquima cortical  preenchimento.  Felogênio: meristema secundário.  Súber ou felema: tecido morto pelo excesso de suberina (uma substância impermeável de natureza lipídica) isolante térmico e proteção mecânica.  Reveste principalmente as partes mais velhas do caule e da raiz, mas nunca das folhas.  Protege a planta contra predadores, excesso de calor e fogo.  Seu principal anexo é a lenticela, pequenas rachaduras no súber que permitem as trocas gasosas.
  • 59. Estruturas 1ª e 2ª Estrutura primária de raiz Estrutura secundária de raiz (região pilífera) (região de ramificação)
  • 61. Madeira  Cerne: xilema interno não- funcional (escuro)  Impregnado de substâncias como óleos, resinas e taninos  Alburno: xilema externo funcional (claro)
  • 64. Raiz
  • 65. Raiz  Estrutura primária:  Epiderme com pêlos absorventes  Zona cortical espessa com parênquima de reserva e endoderme  Cilindro central grande com periciclo, feixes condutores e, às vezes, parênquima medular e tecidos de suporte.
  • 67. Caule  Estrutura primária  Epiderme com cutícula e estômatos  Zona cortical fina com clorênquima e tecidos de suporte  Cilindro central com feixes vasculares, parênquimas e tecidos de suporte
  • 69. Folha  Estrutura primária monocotiledônea  Epiderme superior e inferior com estômatos  Mesófilo com parênquima clorofilado simétrico  Tecidos vasculares na porção mais interna
  • 70. Folha  Estrutura primária de dicotiledônea  Tecidos vasculares e de suporte na porção mais interna  Mesófilo com parênquima clorofilado assimétrico  Epiderme com estômatos
  • 71. Folha