SlideShare uma empresa Scribd logo
Modelagem Ágil
Palestrante: Neubio Ferreira
Quem Sou eu?
•

Owner/Consultor – Sparti Tecnologia e Sistemas LTDA.

•

Gerente de Projetos – GSW Soluções Integradas (Base Minas Gerais).

•

Consultoria em:
•
•

Gerenciamento de Projetos.

•

•

Implantação Framework/Metodologias Ágeis (Scrum, XP, Kanban, entre outros).
Engenharia de Software.

Certificado em:
•

Scrum, RUP, ITIL, RSA, RAD.
Agenda
•

O que não será falado.

•

Falando um pouco sobre Agile

•

Modelagem Ágil
•

Valores

•

Princípios Básicos

•

Princípios Secundários

•

Práticas Básicas

•

Práticas Secundárias

•

Criando uma cultura Ágil

•

Documentação Ágil

•

Resumo
O que não será falado?
•

Notação UML.

•

Ferramentas CASE.

•

Processo Prescritivo para a Modelagem e Documentação.

•

Detalhes do Framework/Metodologia Scrum, XP, entre outros.

•

Papel do Analista de Negocio, Analistas de Requisitos.
Participantes
Para que ser ágil?
•

Porque adotamos Agile?
•

Para seguir a “moda”?

•

Para dizer que uso Scrum?

•

Para falar mal dos processos da minha empresa?

•

Para dizer que meu processo é mais maduro do que o do
outro?
Para que ser ágil?
•

Porque adotamos Agile?
•

Para seguir a “moda”?

•

Para dizer que uso Scrum?

•

Para falar mal dos processos da minha empresa?

•

Para dizer que meu processo é mais maduro do que o do
outro?
Para que ser ágil?
•

Porque adotamos Agile?
•

Minimização de Falhas.

•

Satisfação dos Stakeholders.

•

Agregar Valor para o Cliente , Projeto, Produto, ...
O que é Modelagem Ágil?
•

Processo baseado na prática que descreve como um
modelador ágil deve ser.

•

É guiado por:
•

•

•

Princípios.

Valores.

Não descreve procedimentos detalhados.
Quem são os Modeladores Ágeis?
•

Qualquer pessoa que siga a metodologia ágil.

•

Aplique suas práticas guiadas por princípios e
valores.
Valores
•

Comunicação.

•

Simplicidade.

•

Feedback.

•

Humildade.
Valor: Comunicação
•

Problemas ocorrem quando a comunicação em um
projeto termina.
Valor: Simplicidade
•

Aplicação de Padrões.

•

Arquitetura em excesso.
•

•

Não podemos ficar prevendo o futuro.

Desenvolvimento de Infraestrutura complexa.
Valor: Feedback
•

Desenvolva o modelo em equipe.

•

Revise o modelo com os Stakeholders.

•

Implemente o modelo.

•

Faça o teste de aceitação.
Valor: Humildade
•

Você não sabe tudo.

•

Aprendemos com pessoas menos experientes.

•

Pontos de Vista.
Princípios Básicos
•

O Software é seu Objetivo Principal
•

Software funcionando é a principal medida de progresso.

•

O principal Objetivo não é:
•

Criar documentação.

•

Criar Artefatos de Gerenciamento de Projetos.

•

Criar Modelos.

•

Escrever relatórios.
Princípios Básicos
•

Modele com um propósito
•
•
•

Porque criar o modelo?
Para quem estamos criando o modelo?
Ele deve ser suficientemente preciso e detalhado.
Princípios Básicos
•

Possibilitar o próximo trabalho é seu objetivo
secundário.
•

•

Um projeto pode ter fracasso mesmo quando entregamos o
sistema funcionando.

Diminua a Carga de Trabalho
•
•

Criar modelos e documentações suficientes para seguir
adiante.
Artefatos criados precisam de manutenção.
•

Modelos, Documentação, Artefatos de Gerenciamento, Cronogramas,
Testes, Códigos Fontes.
Princípios Básicos
•

Adote a Simplicidade.
•

A solução mais simples é a melhor.

•

Se a mais simples não funcionar, terá tempo de construir a
mais complexa.

•

Não construa software em excesso.

•

Não modele em excesso.
Princípios Básicos
•

Encare a mudança
•

Mudanças acontecem.

•

Requisitos mudam com o tempo.

•

Pontos de vista são alterados.

•

É muito melhor simplesmente gerar algum código e esperar ate que algum
cliente lhe diga para alterar, certo?
Princípios Básicos
•

Encare a mudança
•

Mudanças acontecem.

•

Requisitos mudam com o tempo.

•

Pontos de vista são alterados.

•

É muito melhor simplesmente gerar algum código e esperar ate que algum
cliente lhe diga para alterar, certo?
Princípios Básicos
•

Encare a mudança
•

Mudanças acontecem.

•

Requisitos mudam com o tempo.

•

Pontos de vista são alterados.

•

É muito melhor simplesmente gerar algum código e esperar ate que algum
cliente lhe diga para alterar, certo?

•

Devemos Investir tempo

compreendendo os requisitos!!!
Princípios Básicos
•

Mude Incrementalmente
•

Mude pequenas partes do sistema de cada vez.

•

Entregue Software Frequentemente.

•

O modelo deve ser bom o suficiente para o momento.

•

Devemos ter Humildade para aceitar que não acertamos
tudo na primeira vez, ate mesmo na enésima vez, e
coragem para admiti-lo!!!
Princípios Básicos
•

Trabalho de Qualidade
•

Ninguém gosta de trabalho desleixado.
•

É difícil a manutenção.

•

É difícil o incremento.

•

Não devemos investir muito tempo em artefatos que
pretendemos descartar.
Princípios Básicos
•

Retorno Rápido
•

O trabalho próximo ao cliente possibilita o retorno rápido.

•

Razões em que o retorno rápido é importante:
Princípios Secundários
•

O conteúdo é mais importante que a forma.

Diagramas a título de ilustração
Princípios Secundários
•

Todos podem aprender com todos.
•

•

Nunca sabemos tudo sobre algo.

Conheça seus modelos.
•

Todos possuem pontos Fortes e Fracos.
Princípios Secundários
•

Comunicação Aberta e Honesta
•

•

Devemos ser livres para ouvir e oferecer sugestões.

Trabalhe com o instinto das pessoas
•

Se algo não cheira bem, tome cuidado.
Práticas Básicas
•

Modelagem Interativa e Incremental
•

Aplique o Artefato Correto.
•

•

Crie diversos modelos em paralelo.
•

•

Uma imagem vale mais do que mil palavras.
Apenas um modelo não representa o todo.

Modele Incrementalmente.
Práticas Básicas
•

Trabalho em Equipe
•

Modele com outras pessoas.
•

Duas cabeças pensam melhor que uma.

•

Organize uma participação ativa dos clientes.

•

Promova a posse coletiva.
Quanto mais o time se envolve com o desenvolvimento mais rápido teremos o
retorno.
• O time adquire experiência.
• Evita confrontos do tipo: “Seu modelo está errado”.
•

•

Mostre os modelos publicamente.
•

Os modelos devem ser acessíveis para o time: “Parede de modelagem”.
Práticas Básicas
•

Simplicidade
•

Crie conteúdo Simples.
O modelo deve ter a menor quantidade de elementos possíveis.
• O modelo deve cumprir o seu objetivo.
•

•

Mostre os modelos de modo Simples.
• Agregue valor ao seu modelo!

•

Use as ferramentas mais simples.
•

Quadro, Papel, Foto, Guardanapo, entre outros.
Práticas Básicas
•

Validação
•

Considere a Testabilidade.
Se você não pode testar o software que constrói, então você não deve construí-lo.
• Devemos testar o software o mais cedo possível e com frequência.
•

•

Comprove com código.
•

Para validar o modelo devemos escrevê-lo em código.
Práticas Secundárias
•

Produtividade
•

Aplique as convenções da modelagem.
•

•

Utilize os padrões com moderação
•

•

Hoje utilizamos como padrão a UML.
Não tente aplicar padrões (Design Patterns) imediatamente.

Reuse os recursos já existentes.
•

Não reinvente a roda.
Práticas Secundárias
•

Documentação
•

Descarte os modelos temporários
•
•

Desapegue.
Modelos se tornam obsoletos.

•

Formalize os modelos de contrato.

•

Atualize apenas quando necessário.
•
•

Os modelos não precisam ser perfeitos para ter valor.
Invista melhor o seu tempo.
Práticas Secundárias
•

Motivação
•

Modele para entender.
•

•

Explore o espaço problema.

Modele para comunicar.
•

Nós modelamos para transmitir uma ideia.
Criando uma Cultura ágil
•

Supere os conceitos Errôneos que envolvem a
Modelagem
•

Modelo não é Documentação.

•

Você não consegue pensar em tudo desde o inicio.
•

Não tente modelar todo o sistema para depois implementar.

•

Você deve ou não, ter uma ferramenta CASE.

•

Modelar não é perda de tempo.

•

Nem todo desenvolvedor sabe modelar.
Criando uma Cultura ágil
•

Pense Pequeno
•
•

Equipes Pequenas.

•

Modelos Pequenos.

•

•

Seções curtas de modelagem.

Documentos Pequenos.

Relaxe um pouco.
•

Modelos Ágeis não precisam ser perfeitos.

•

Apoie com firmeza os direitos e responsabilidades dos clientes.

•

Repense as apresentações para os clientes.
•

As vezes ligar ou enviar um email é mais produtivo do que marcar uma reunião.
Área de Trabalho Ágil
•

A equipe precisa:
•
•
•
•

•

Espaço exclusivo.
Quadros.
Câmera Digital.
Livros de Referência.

Dicas para ter um ambiente ágil
•

Livre-se dos Fones de ouvido.
Equipes de Modelagem Ágil
•

Recrute bons Desenvolvedores.

•

Não existe “EU” na modelagem ágil.

•

Todos devem participar ativamente.

•

Modele em equipe.
Documentação Ágil
•

Porque as pessoas documentam?
•

Razões Válidas.
•

Seus Clientes a requisitam.
•

Decisão de Negocio.

•
•

Apoiar a comunicação com um grupo externo.

•

•

Interações entre sistemas.
Para entender.

Razões Questionáveis.
•

O solicitante quer parecer estar no controle.

•

O Solicitante quer justificar a sua existência.

•

O Solicitante não compreende bem.

•

Seu processo diz para criar o documento.

•

Alguém quer assegurar que tudo esta bem.
Documentação Ágil
•

Quando um modelo se torna um documento?
•

Há um motivo claro e importante para torna-ló
permanente.

•

Há um público para o qual o modelo fornece algo
importante.

•

Seus cliente estão dispostos a dispensar recursos
para que o modelo vire parte da documentação.
Documentação Ágil
•

O que significa diminuir a carga de Trabalho?
•

Criar modelos e documentações suficientes.

•

Podemos ter projetos pequenos sem documentação.
•

Na maioria dos projetos isso não acontece.

•

Crie modelos e documentações quando realmente precisarem deles.

•

Tempo é Dinheiro.
Documentação Ágil
•

Quando um documento é ágil?
•
•
•
•
•
•

Maximizam o retorno dos clientes.
São Magros e Econômicos.
Satisfazem um propósito.
Descrevem informações que possuem menor probabilidade
de mudar.
Coisas importantes de saber.
Facilitam o trabalho dos clientes.
•

•

Clientes diferentes requerem documentações diferentes.

Precisos, Consistentes e Detalhados.
Documentação Ágil
•

De que tipos de documentos você precisa?
•
•
•
•
•
•
•

Modelos de Contrato.
Decisões de Projeto.
Visão Geral executiva.
Documentação de Operações.
Visão Geral do projeto.
Documento de requisitos.
Documentação de Suporte.
Documentação Ágil
•

Entregas eficazes de Documentação
•

Evite as entregas de documentação.
•

•

Não é uma boa forma de comunicação.

Apoie as entregas com outros meios de Comunicação.
Documentação Ágil
•

Estratégias para aumentar a agilidade de documentação
•

Centre-se no Cliente.

•

Mantenha a Documentação simples o suficiente, mas não simples
demais.

•

O Cliente determina o quanto é suficiente.

•

Documente com um objetivo.

•

Prefira outras formas de comunicação.

•

Coloque a documentação no local apropriado.

•

Espere que o que você esta documentando se estabilize.

•

Mostre seus modelos publicamente.

•

Peça as pessoas que justifiquem suas solicitações de documentação.

•

“Documentação em Dupla”.
Importante
•

A documentação deve fornecer o Máximo de valor possível.

•

Não faça documentação sem pensar.

•

Pense depois Aja.

•

Você não conseguirá o modelo perfeito de primeira.
•

Paralisia da Análise.

•

Seja agente da mudança.

•

Precisamos de documentação mas não muita.
Resumo
•

Maior problema da Agilidade é a cultura.

•

Seja agente da mudança.

•

O Ótimo é inimigo do Bom!

•

TEMPO É DINHEIRO!!!
Dúvidas
Contatos

neubio.ferreira@gmail.com

@Neubio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Metodologias de desenvolvimento - Waterfall vs Agile
Metodologias de desenvolvimento - Waterfall vs AgileMetodologias de desenvolvimento - Waterfall vs Agile
Metodologias de desenvolvimento - Waterfall vs Agile
Marcelo Murad
 
Processos de Software - 101
Processos  de Software - 101Processos  de Software - 101
Processos de Software - 101
Lucas Amaral
 
Metodologias Ageis
Metodologias AgeisMetodologias Ageis
Metodologias Ageis
Rafael França
 
Métodos Ágeis - Aula02
Métodos Ágeis - Aula02Métodos Ágeis - Aula02
Métodos Ágeis - Aula02
Adriano Bertucci
 
Metodologias Ágeis para o Desenvolvimento de Software
Metodologias Ágeis para o Desenvolvimento de SoftwareMetodologias Ágeis para o Desenvolvimento de Software
Metodologias Ágeis para o Desenvolvimento de Software
Adolfo Neto
 
Metodologias ágeis de desenvolvimento
Metodologias ágeis de desenvolvimento Metodologias ágeis de desenvolvimento
Metodologias ágeis de desenvolvimento
Paulo Ricardo Dalmagro Vinck
 
Quando os rótulos não atendem as suas necessidades
Quando os rótulos não atendem as suas necessidadesQuando os rótulos não atendem as suas necessidades
Quando os rótulos não atendem as suas necessidades
Juliano Ribeiro
 
Enter SCRUM
Enter SCRUMEnter SCRUM
Enter SCRUM
Breno Campos
 
Workshop Scrum Product Owner, Delírios de PO em Dia de Verão v6
Workshop Scrum Product Owner, Delírios de PO em Dia de Verão v6Workshop Scrum Product Owner, Delírios de PO em Dia de Verão v6
Workshop Scrum Product Owner, Delírios de PO em Dia de Verão v6
Rildo (@rildosan) Santos
 
Agile, mudando o foco
Agile, mudando o focoAgile, mudando o foco
Agile, mudando o foco
ewerttonbravo
 
Apresentando Extreme Programming
Apresentando Extreme ProgrammingApresentando Extreme Programming
Apresentando Extreme Programming
Milfont Consulting
 
Metodologias ágeis de desenvolvimento trabalho
Metodologias ágeis de desenvolvimento   trabalhoMetodologias ágeis de desenvolvimento   trabalho
Metodologias ágeis de desenvolvimento trabalho
Ruan Pozzebon
 
Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software
Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de SoftwareMetodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software
Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software
Luciano Almeida
 
Scrum - Desenvolvimento Ágil
Scrum - Desenvolvimento ÁgilScrum - Desenvolvimento Ágil
Scrum - Desenvolvimento Ágil
Israel Santiago
 
XP - Extreme Programming
XP - Extreme ProgrammingXP - Extreme Programming
XP - Extreme Programming
Rodrigo Branas
 
Métricas Em Fabricas De Software
Métricas Em Fabricas De SoftwareMétricas Em Fabricas De Software
Métricas Em Fabricas De Software
Luiz Borba
 
Framework JGenesis
Framework JGenesisFramework JGenesis
Framework JGenesis
Comunidade Tá safo!
 
Extreme Programming
Extreme ProgrammingExtreme Programming
Extreme Programming
Milfont Consulting
 
Extreme programming (xp)
 Extreme programming   (xp) Extreme programming   (xp)
Extreme programming (xp)
João Carlos Ottobboni
 
Extreme Programming
Extreme ProgrammingExtreme Programming
Extreme Programming
Ricardo Bánffy
 

Mais procurados (20)

Metodologias de desenvolvimento - Waterfall vs Agile
Metodologias de desenvolvimento - Waterfall vs AgileMetodologias de desenvolvimento - Waterfall vs Agile
Metodologias de desenvolvimento - Waterfall vs Agile
 
Processos de Software - 101
Processos  de Software - 101Processos  de Software - 101
Processos de Software - 101
 
Metodologias Ageis
Metodologias AgeisMetodologias Ageis
Metodologias Ageis
 
Métodos Ágeis - Aula02
Métodos Ágeis - Aula02Métodos Ágeis - Aula02
Métodos Ágeis - Aula02
 
Metodologias Ágeis para o Desenvolvimento de Software
Metodologias Ágeis para o Desenvolvimento de SoftwareMetodologias Ágeis para o Desenvolvimento de Software
Metodologias Ágeis para o Desenvolvimento de Software
 
Metodologias ágeis de desenvolvimento
Metodologias ágeis de desenvolvimento Metodologias ágeis de desenvolvimento
Metodologias ágeis de desenvolvimento
 
Quando os rótulos não atendem as suas necessidades
Quando os rótulos não atendem as suas necessidadesQuando os rótulos não atendem as suas necessidades
Quando os rótulos não atendem as suas necessidades
 
Enter SCRUM
Enter SCRUMEnter SCRUM
Enter SCRUM
 
Workshop Scrum Product Owner, Delírios de PO em Dia de Verão v6
Workshop Scrum Product Owner, Delírios de PO em Dia de Verão v6Workshop Scrum Product Owner, Delírios de PO em Dia de Verão v6
Workshop Scrum Product Owner, Delírios de PO em Dia de Verão v6
 
Agile, mudando o foco
Agile, mudando o focoAgile, mudando o foco
Agile, mudando o foco
 
Apresentando Extreme Programming
Apresentando Extreme ProgrammingApresentando Extreme Programming
Apresentando Extreme Programming
 
Metodologias ágeis de desenvolvimento trabalho
Metodologias ágeis de desenvolvimento   trabalhoMetodologias ágeis de desenvolvimento   trabalho
Metodologias ágeis de desenvolvimento trabalho
 
Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software
Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de SoftwareMetodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software
Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software
 
Scrum - Desenvolvimento Ágil
Scrum - Desenvolvimento ÁgilScrum - Desenvolvimento Ágil
Scrum - Desenvolvimento Ágil
 
XP - Extreme Programming
XP - Extreme ProgrammingXP - Extreme Programming
XP - Extreme Programming
 
Métricas Em Fabricas De Software
Métricas Em Fabricas De SoftwareMétricas Em Fabricas De Software
Métricas Em Fabricas De Software
 
Framework JGenesis
Framework JGenesisFramework JGenesis
Framework JGenesis
 
Extreme Programming
Extreme ProgrammingExtreme Programming
Extreme Programming
 
Extreme programming (xp)
 Extreme programming   (xp) Extreme programming   (xp)
Extreme programming (xp)
 
Extreme Programming
Extreme ProgrammingExtreme Programming
Extreme Programming
 

Destaque

Guia%20de%20 fi is%20xp_janeiro.2013
Guia%20de%20 fi is%20xp_janeiro.2013Guia%20de%20 fi is%20xp_janeiro.2013
Guia%20de%20 fi is%20xp_janeiro.2013
Lhx Agente de Investimento XP.
 
Criterios para correção textual
Criterios para correção textualCriterios para correção textual
Criterios para correção textual
Cidinha Medina
 
Diário Oficial: 26-11-2015
Diário Oficial: 26-11-2015Diário Oficial: 26-11-2015
Diário Oficial: 26-11-2015
Prefeitura Guarujá
 
Artigo livia
Artigo liviaArtigo livia
Artigo livia
Gustavo Blank
 
Macrosolutions Consultoria: Estruturação dos Processos de Comunicação em Proj...
Macrosolutions Consultoria: Estruturação dos Processos de Comunicação em Proj...Macrosolutions Consultoria: Estruturação dos Processos de Comunicação em Proj...
Macrosolutions Consultoria: Estruturação dos Processos de Comunicação em Proj...
Macrosolutions SA
 
Fii apresentacao brasil-plural
Fii apresentacao brasil-pluralFii apresentacao brasil-plural
Fii apresentacao brasil-plural
Lhx Agente de Investimento XP.
 
Projetos em Assessoria de Comunicação - Aula 02
Projetos em Assessoria de Comunicação - Aula 02Projetos em Assessoria de Comunicação - Aula 02
Projetos em Assessoria de Comunicação - Aula 02
Fabricio Bazé
 
Guia de sustentabilidade para o turismo, santander
Guia de sustentabilidade para o turismo, santanderGuia de sustentabilidade para o turismo, santander
Guia de sustentabilidade para o turismo, santander
EcoHospedagem
 
Escrita Magnética
Escrita MagnéticaEscrita Magnética
Escrita Magnética
RENATO PORTO SANTOS
 
O que vi na QCon 2012 São Paulo
O que vi na QCon 2012 São PauloO que vi na QCon 2012 São Paulo
O que vi na QCon 2012 São Paulo
Ismael
 
Profissao-programador-praticas-para-melhoria-continua-unimonte-outubro-2013
Profissao-programador-praticas-para-melhoria-continua-unimonte-outubro-2013Profissao-programador-praticas-para-melhoria-continua-unimonte-outubro-2013
Profissao-programador-praticas-para-melhoria-continua-unimonte-outubro-2013
Gabriel Rubens
 
Ufg2dia2014
Ufg2dia2014Ufg2dia2014
Ufg2dia2014
Waldman SD
 
Gestão e Processos para Desenvolvimento de Software
Gestão e Processos para Desenvolvimento de SoftwareGestão e Processos para Desenvolvimento de Software
Gestão e Processos para Desenvolvimento de Software
Rafael Amaral
 
Prova apmbb 2010
Prova apmbb 2010Prova apmbb 2010
Prova apmbb 2010
Guilherme Silveira
 
Princípios Ágeis
Princípios ÁgeisPrincípios Ágeis
Princípios Ágeis
Lourenco P Soares
 
Apostila estatistica ii processos de ruína
Apostila estatistica ii   processos de ruínaApostila estatistica ii   processos de ruína
Apostila estatistica ii processos de ruína
Universidade Federal Fluminense
 
Perfil dos Parlamentares - Análise da Aluna Jalile Andrade Dias, n° 18, 1°CDB
Perfil dos Parlamentares - Análise da Aluna Jalile Andrade Dias, n° 18, 1°CDB Perfil dos Parlamentares - Análise da Aluna Jalile Andrade Dias, n° 18, 1°CDB
Perfil dos Parlamentares - Análise da Aluna Jalile Andrade Dias, n° 18, 1°CDB
dialogosedebates
 
Inovação Tecnológica e Empreendedorismo
Inovação Tecnológica e EmpreendedorismoInovação Tecnológica e Empreendedorismo
Inovação Tecnológica e Empreendedorismo
Gustavo Caetano
 
TCC - Utilização de Metodologias Ágeis para Adaptação de um Processo de Desen...
TCC - Utilização de Metodologias Ágeis para Adaptação de um Processo de Desen...TCC - Utilização de Metodologias Ágeis para Adaptação de um Processo de Desen...
TCC - Utilização de Metodologias Ágeis para Adaptação de um Processo de Desen...
Felipe Nascimento
 
Cultura económica e social
Cultura económica e socialCultura económica e social
Cultura económica e social
Marco Coelho
 

Destaque (20)

Guia%20de%20 fi is%20xp_janeiro.2013
Guia%20de%20 fi is%20xp_janeiro.2013Guia%20de%20 fi is%20xp_janeiro.2013
Guia%20de%20 fi is%20xp_janeiro.2013
 
Criterios para correção textual
Criterios para correção textualCriterios para correção textual
Criterios para correção textual
 
Diário Oficial: 26-11-2015
Diário Oficial: 26-11-2015Diário Oficial: 26-11-2015
Diário Oficial: 26-11-2015
 
Artigo livia
Artigo liviaArtigo livia
Artigo livia
 
Macrosolutions Consultoria: Estruturação dos Processos de Comunicação em Proj...
Macrosolutions Consultoria: Estruturação dos Processos de Comunicação em Proj...Macrosolutions Consultoria: Estruturação dos Processos de Comunicação em Proj...
Macrosolutions Consultoria: Estruturação dos Processos de Comunicação em Proj...
 
Fii apresentacao brasil-plural
Fii apresentacao brasil-pluralFii apresentacao brasil-plural
Fii apresentacao brasil-plural
 
Projetos em Assessoria de Comunicação - Aula 02
Projetos em Assessoria de Comunicação - Aula 02Projetos em Assessoria de Comunicação - Aula 02
Projetos em Assessoria de Comunicação - Aula 02
 
Guia de sustentabilidade para o turismo, santander
Guia de sustentabilidade para o turismo, santanderGuia de sustentabilidade para o turismo, santander
Guia de sustentabilidade para o turismo, santander
 
Escrita Magnética
Escrita MagnéticaEscrita Magnética
Escrita Magnética
 
O que vi na QCon 2012 São Paulo
O que vi na QCon 2012 São PauloO que vi na QCon 2012 São Paulo
O que vi na QCon 2012 São Paulo
 
Profissao-programador-praticas-para-melhoria-continua-unimonte-outubro-2013
Profissao-programador-praticas-para-melhoria-continua-unimonte-outubro-2013Profissao-programador-praticas-para-melhoria-continua-unimonte-outubro-2013
Profissao-programador-praticas-para-melhoria-continua-unimonte-outubro-2013
 
Ufg2dia2014
Ufg2dia2014Ufg2dia2014
Ufg2dia2014
 
Gestão e Processos para Desenvolvimento de Software
Gestão e Processos para Desenvolvimento de SoftwareGestão e Processos para Desenvolvimento de Software
Gestão e Processos para Desenvolvimento de Software
 
Prova apmbb 2010
Prova apmbb 2010Prova apmbb 2010
Prova apmbb 2010
 
Princípios Ágeis
Princípios ÁgeisPrincípios Ágeis
Princípios Ágeis
 
Apostila estatistica ii processos de ruína
Apostila estatistica ii   processos de ruínaApostila estatistica ii   processos de ruína
Apostila estatistica ii processos de ruína
 
Perfil dos Parlamentares - Análise da Aluna Jalile Andrade Dias, n° 18, 1°CDB
Perfil dos Parlamentares - Análise da Aluna Jalile Andrade Dias, n° 18, 1°CDB Perfil dos Parlamentares - Análise da Aluna Jalile Andrade Dias, n° 18, 1°CDB
Perfil dos Parlamentares - Análise da Aluna Jalile Andrade Dias, n° 18, 1°CDB
 
Inovação Tecnológica e Empreendedorismo
Inovação Tecnológica e EmpreendedorismoInovação Tecnológica e Empreendedorismo
Inovação Tecnológica e Empreendedorismo
 
TCC - Utilização de Metodologias Ágeis para Adaptação de um Processo de Desen...
TCC - Utilização de Metodologias Ágeis para Adaptação de um Processo de Desen...TCC - Utilização de Metodologias Ágeis para Adaptação de um Processo de Desen...
TCC - Utilização de Metodologias Ágeis para Adaptação de um Processo de Desen...
 
Cultura económica e social
Cultura económica e socialCultura económica e social
Cultura económica e social
 

Semelhante a Modelagem Ágil - UaiJug TechDays 2013 - Uberlândia MG

Introdução às Metodologias Ágeis de Desenvolvimento
Introdução às Metodologias Ágeis de DesenvolvimentoIntrodução às Metodologias Ágeis de Desenvolvimento
Introdução às Metodologias Ágeis de Desenvolvimento
Jerry Medeiros
 
Implementing lean software development
Implementing lean software developmentImplementing lean software development
Implementing lean software development
Luiz Faias Junior
 
Minicurso: Uma Introdução ao Desenvolvimento de Software Lean
Minicurso: Uma Introdução ao Desenvolvimento de Software LeanMinicurso: Uma Introdução ao Desenvolvimento de Software Lean
Minicurso: Uma Introdução ao Desenvolvimento de Software Lean
Claudia Melo
 
Seu código fede e você nem sabia
Seu código fede e você nem sabiaSeu código fede e você nem sabia
Seu código fede e você nem sabia
Wagner Mendes Voltz Fusca
 
Metodologias Ágeis: Uma breve introdução
Metodologias Ágeis: Uma breve introduçãoMetodologias Ágeis: Uma breve introdução
Metodologias Ágeis: Uma breve introdução
Achiles Camilo
 
Palestra scrum
Palestra scrumPalestra scrum
Palestra scrum
Paulo Igor Alves Godinho
 
Treinamento Ágil / Scrum
Treinamento Ágil / ScrumTreinamento Ágil / Scrum
Treinamento Ágil / Scrum
Alessandro Rodrigues, CSM, SFC
 
Aula 1 introducao
Aula 1   introducaoAula 1   introducao
Aula 1 introducao
licardino
 
Palestra sobre Fundamentos do Scrum e Kanban.
Palestra sobre Fundamentos do Scrum e Kanban.Palestra sobre Fundamentos do Scrum e Kanban.
Palestra sobre Fundamentos do Scrum e Kanban.
Rafael de Oliveira
 
Testes Automatizados e Especificação Por Exemplo - Unindo TI e Negócio atravé...
Testes Automatizados e Especificação Por Exemplo - Unindo TI e Negócio atravé...Testes Automatizados e Especificação Por Exemplo - Unindo TI e Negócio atravé...
Testes Automatizados e Especificação Por Exemplo - Unindo TI e Negócio atravé...
Bruno Bemfica
 
SCRUM - Aula1
SCRUM - Aula1SCRUM - Aula1
SCRUM - Aula1
Saulo Arruda
 
Scrum em 1h.
Scrum em 1h.Scrum em 1h.
Scrum em 1h.
Márcio Oya
 
Práticas do Extreme Agile
Práticas do Extreme AgilePráticas do Extreme Agile
Práticas do Extreme Agile
Dairton Bassi
 
Palestra : Scrum : A arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo !
Palestra : Scrum : A arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo !Palestra : Scrum : A arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo !
Palestra : Scrum : A arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo !
Ari Amaral
 
Apresentação Executiva
Apresentação ExecutivaApresentação Executiva
Apresentação Executiva
Powerlogic Consultoria e Sistemas
 
Muita gestão e pouca engenharia, por onde anda o XP?
Muita gestão e pouca engenharia, por onde anda o XP?Muita gestão e pouca engenharia, por onde anda o XP?
Muita gestão e pouca engenharia, por onde anda o XP?
Cristiano Schwening
 
Projeto de sistemas com UML - Parte 1
Projeto de sistemas com UML - Parte 1Projeto de sistemas com UML - Parte 1
Projeto de sistemas com UML - Parte 1
Natanael Simões
 
Práticas do Extreme Agile
Práticas do Extreme AgilePráticas do Extreme Agile
Práticas do Extreme Agile
Dairton Bassi
 
AgileTourBH 2014 - Dairton Bassi - Extreme agile
AgileTourBH 2014 - Dairton Bassi - Extreme agileAgileTourBH 2014 - Dairton Bassi - Extreme agile
AgileTourBH 2014 - Dairton Bassi - Extreme agile
AgileTour Belo Horizonte
 
Sobre TDD - Tech Friday da Everis Uberlândia
Sobre TDD - Tech Friday da Everis UberlândiaSobre TDD - Tech Friday da Everis Uberlândia
Sobre TDD - Tech Friday da Everis Uberlândia
Rogerio Fontes
 

Semelhante a Modelagem Ágil - UaiJug TechDays 2013 - Uberlândia MG (20)

Introdução às Metodologias Ágeis de Desenvolvimento
Introdução às Metodologias Ágeis de DesenvolvimentoIntrodução às Metodologias Ágeis de Desenvolvimento
Introdução às Metodologias Ágeis de Desenvolvimento
 
Implementing lean software development
Implementing lean software developmentImplementing lean software development
Implementing lean software development
 
Minicurso: Uma Introdução ao Desenvolvimento de Software Lean
Minicurso: Uma Introdução ao Desenvolvimento de Software LeanMinicurso: Uma Introdução ao Desenvolvimento de Software Lean
Minicurso: Uma Introdução ao Desenvolvimento de Software Lean
 
Seu código fede e você nem sabia
Seu código fede e você nem sabiaSeu código fede e você nem sabia
Seu código fede e você nem sabia
 
Metodologias Ágeis: Uma breve introdução
Metodologias Ágeis: Uma breve introduçãoMetodologias Ágeis: Uma breve introdução
Metodologias Ágeis: Uma breve introdução
 
Palestra scrum
Palestra scrumPalestra scrum
Palestra scrum
 
Treinamento Ágil / Scrum
Treinamento Ágil / ScrumTreinamento Ágil / Scrum
Treinamento Ágil / Scrum
 
Aula 1 introducao
Aula 1   introducaoAula 1   introducao
Aula 1 introducao
 
Palestra sobre Fundamentos do Scrum e Kanban.
Palestra sobre Fundamentos do Scrum e Kanban.Palestra sobre Fundamentos do Scrum e Kanban.
Palestra sobre Fundamentos do Scrum e Kanban.
 
Testes Automatizados e Especificação Por Exemplo - Unindo TI e Negócio atravé...
Testes Automatizados e Especificação Por Exemplo - Unindo TI e Negócio atravé...Testes Automatizados e Especificação Por Exemplo - Unindo TI e Negócio atravé...
Testes Automatizados e Especificação Por Exemplo - Unindo TI e Negócio atravé...
 
SCRUM - Aula1
SCRUM - Aula1SCRUM - Aula1
SCRUM - Aula1
 
Scrum em 1h.
Scrum em 1h.Scrum em 1h.
Scrum em 1h.
 
Práticas do Extreme Agile
Práticas do Extreme AgilePráticas do Extreme Agile
Práticas do Extreme Agile
 
Palestra : Scrum : A arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo !
Palestra : Scrum : A arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo !Palestra : Scrum : A arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo !
Palestra : Scrum : A arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo !
 
Apresentação Executiva
Apresentação ExecutivaApresentação Executiva
Apresentação Executiva
 
Muita gestão e pouca engenharia, por onde anda o XP?
Muita gestão e pouca engenharia, por onde anda o XP?Muita gestão e pouca engenharia, por onde anda o XP?
Muita gestão e pouca engenharia, por onde anda o XP?
 
Projeto de sistemas com UML - Parte 1
Projeto de sistemas com UML - Parte 1Projeto de sistemas com UML - Parte 1
Projeto de sistemas com UML - Parte 1
 
Práticas do Extreme Agile
Práticas do Extreme AgilePráticas do Extreme Agile
Práticas do Extreme Agile
 
AgileTourBH 2014 - Dairton Bassi - Extreme agile
AgileTourBH 2014 - Dairton Bassi - Extreme agileAgileTourBH 2014 - Dairton Bassi - Extreme agile
AgileTourBH 2014 - Dairton Bassi - Extreme agile
 
Sobre TDD - Tech Friday da Everis Uberlândia
Sobre TDD - Tech Friday da Everis UberlândiaSobre TDD - Tech Friday da Everis Uberlândia
Sobre TDD - Tech Friday da Everis Uberlândia
 

Último

Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
Momento da Informática
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
joaovmp3
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 

Último (8)

Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 

Modelagem Ágil - UaiJug TechDays 2013 - Uberlândia MG

  • 2. Quem Sou eu? • Owner/Consultor – Sparti Tecnologia e Sistemas LTDA. • Gerente de Projetos – GSW Soluções Integradas (Base Minas Gerais). • Consultoria em: • • Gerenciamento de Projetos. • • Implantação Framework/Metodologias Ágeis (Scrum, XP, Kanban, entre outros). Engenharia de Software. Certificado em: • Scrum, RUP, ITIL, RSA, RAD.
  • 3. Agenda • O que não será falado. • Falando um pouco sobre Agile • Modelagem Ágil • Valores • Princípios Básicos • Princípios Secundários • Práticas Básicas • Práticas Secundárias • Criando uma cultura Ágil • Documentação Ágil • Resumo
  • 4. O que não será falado? • Notação UML. • Ferramentas CASE. • Processo Prescritivo para a Modelagem e Documentação. • Detalhes do Framework/Metodologia Scrum, XP, entre outros. • Papel do Analista de Negocio, Analistas de Requisitos.
  • 6. Para que ser ágil? • Porque adotamos Agile? • Para seguir a “moda”? • Para dizer que uso Scrum? • Para falar mal dos processos da minha empresa? • Para dizer que meu processo é mais maduro do que o do outro?
  • 7. Para que ser ágil? • Porque adotamos Agile? • Para seguir a “moda”? • Para dizer que uso Scrum? • Para falar mal dos processos da minha empresa? • Para dizer que meu processo é mais maduro do que o do outro?
  • 8. Para que ser ágil? • Porque adotamos Agile? • Minimização de Falhas. • Satisfação dos Stakeholders. • Agregar Valor para o Cliente , Projeto, Produto, ...
  • 9. O que é Modelagem Ágil? • Processo baseado na prática que descreve como um modelador ágil deve ser. • É guiado por: • • • Princípios. Valores. Não descreve procedimentos detalhados.
  • 10. Quem são os Modeladores Ágeis? • Qualquer pessoa que siga a metodologia ágil. • Aplique suas práticas guiadas por princípios e valores.
  • 12. Valor: Comunicação • Problemas ocorrem quando a comunicação em um projeto termina.
  • 13. Valor: Simplicidade • Aplicação de Padrões. • Arquitetura em excesso. • • Não podemos ficar prevendo o futuro. Desenvolvimento de Infraestrutura complexa.
  • 14. Valor: Feedback • Desenvolva o modelo em equipe. • Revise o modelo com os Stakeholders. • Implemente o modelo. • Faça o teste de aceitação.
  • 15. Valor: Humildade • Você não sabe tudo. • Aprendemos com pessoas menos experientes. • Pontos de Vista.
  • 16. Princípios Básicos • O Software é seu Objetivo Principal • Software funcionando é a principal medida de progresso. • O principal Objetivo não é: • Criar documentação. • Criar Artefatos de Gerenciamento de Projetos. • Criar Modelos. • Escrever relatórios.
  • 17. Princípios Básicos • Modele com um propósito • • • Porque criar o modelo? Para quem estamos criando o modelo? Ele deve ser suficientemente preciso e detalhado.
  • 18. Princípios Básicos • Possibilitar o próximo trabalho é seu objetivo secundário. • • Um projeto pode ter fracasso mesmo quando entregamos o sistema funcionando. Diminua a Carga de Trabalho • • Criar modelos e documentações suficientes para seguir adiante. Artefatos criados precisam de manutenção. • Modelos, Documentação, Artefatos de Gerenciamento, Cronogramas, Testes, Códigos Fontes.
  • 19. Princípios Básicos • Adote a Simplicidade. • A solução mais simples é a melhor. • Se a mais simples não funcionar, terá tempo de construir a mais complexa. • Não construa software em excesso. • Não modele em excesso.
  • 20. Princípios Básicos • Encare a mudança • Mudanças acontecem. • Requisitos mudam com o tempo. • Pontos de vista são alterados. • É muito melhor simplesmente gerar algum código e esperar ate que algum cliente lhe diga para alterar, certo?
  • 21. Princípios Básicos • Encare a mudança • Mudanças acontecem. • Requisitos mudam com o tempo. • Pontos de vista são alterados. • É muito melhor simplesmente gerar algum código e esperar ate que algum cliente lhe diga para alterar, certo?
  • 22. Princípios Básicos • Encare a mudança • Mudanças acontecem. • Requisitos mudam com o tempo. • Pontos de vista são alterados. • É muito melhor simplesmente gerar algum código e esperar ate que algum cliente lhe diga para alterar, certo? • Devemos Investir tempo compreendendo os requisitos!!!
  • 23. Princípios Básicos • Mude Incrementalmente • Mude pequenas partes do sistema de cada vez. • Entregue Software Frequentemente. • O modelo deve ser bom o suficiente para o momento. • Devemos ter Humildade para aceitar que não acertamos tudo na primeira vez, ate mesmo na enésima vez, e coragem para admiti-lo!!!
  • 24. Princípios Básicos • Trabalho de Qualidade • Ninguém gosta de trabalho desleixado. • É difícil a manutenção. • É difícil o incremento. • Não devemos investir muito tempo em artefatos que pretendemos descartar.
  • 25. Princípios Básicos • Retorno Rápido • O trabalho próximo ao cliente possibilita o retorno rápido. • Razões em que o retorno rápido é importante:
  • 26. Princípios Secundários • O conteúdo é mais importante que a forma. Diagramas a título de ilustração
  • 27. Princípios Secundários • Todos podem aprender com todos. • • Nunca sabemos tudo sobre algo. Conheça seus modelos. • Todos possuem pontos Fortes e Fracos.
  • 28. Princípios Secundários • Comunicação Aberta e Honesta • • Devemos ser livres para ouvir e oferecer sugestões. Trabalhe com o instinto das pessoas • Se algo não cheira bem, tome cuidado.
  • 29. Práticas Básicas • Modelagem Interativa e Incremental • Aplique o Artefato Correto. • • Crie diversos modelos em paralelo. • • Uma imagem vale mais do que mil palavras. Apenas um modelo não representa o todo. Modele Incrementalmente.
  • 30. Práticas Básicas • Trabalho em Equipe • Modele com outras pessoas. • Duas cabeças pensam melhor que uma. • Organize uma participação ativa dos clientes. • Promova a posse coletiva. Quanto mais o time se envolve com o desenvolvimento mais rápido teremos o retorno. • O time adquire experiência. • Evita confrontos do tipo: “Seu modelo está errado”. • • Mostre os modelos publicamente. • Os modelos devem ser acessíveis para o time: “Parede de modelagem”.
  • 31. Práticas Básicas • Simplicidade • Crie conteúdo Simples. O modelo deve ter a menor quantidade de elementos possíveis. • O modelo deve cumprir o seu objetivo. • • Mostre os modelos de modo Simples. • Agregue valor ao seu modelo! • Use as ferramentas mais simples. • Quadro, Papel, Foto, Guardanapo, entre outros.
  • 32. Práticas Básicas • Validação • Considere a Testabilidade. Se você não pode testar o software que constrói, então você não deve construí-lo. • Devemos testar o software o mais cedo possível e com frequência. • • Comprove com código. • Para validar o modelo devemos escrevê-lo em código.
  • 33. Práticas Secundárias • Produtividade • Aplique as convenções da modelagem. • • Utilize os padrões com moderação • • Hoje utilizamos como padrão a UML. Não tente aplicar padrões (Design Patterns) imediatamente. Reuse os recursos já existentes. • Não reinvente a roda.
  • 34. Práticas Secundárias • Documentação • Descarte os modelos temporários • • Desapegue. Modelos se tornam obsoletos. • Formalize os modelos de contrato. • Atualize apenas quando necessário. • • Os modelos não precisam ser perfeitos para ter valor. Invista melhor o seu tempo.
  • 35. Práticas Secundárias • Motivação • Modele para entender. • • Explore o espaço problema. Modele para comunicar. • Nós modelamos para transmitir uma ideia.
  • 36. Criando uma Cultura ágil • Supere os conceitos Errôneos que envolvem a Modelagem • Modelo não é Documentação. • Você não consegue pensar em tudo desde o inicio. • Não tente modelar todo o sistema para depois implementar. • Você deve ou não, ter uma ferramenta CASE. • Modelar não é perda de tempo. • Nem todo desenvolvedor sabe modelar.
  • 37. Criando uma Cultura ágil • Pense Pequeno • • Equipes Pequenas. • Modelos Pequenos. • • Seções curtas de modelagem. Documentos Pequenos. Relaxe um pouco. • Modelos Ágeis não precisam ser perfeitos. • Apoie com firmeza os direitos e responsabilidades dos clientes. • Repense as apresentações para os clientes. • As vezes ligar ou enviar um email é mais produtivo do que marcar uma reunião.
  • 38. Área de Trabalho Ágil • A equipe precisa: • • • • • Espaço exclusivo. Quadros. Câmera Digital. Livros de Referência. Dicas para ter um ambiente ágil • Livre-se dos Fones de ouvido.
  • 39. Equipes de Modelagem Ágil • Recrute bons Desenvolvedores. • Não existe “EU” na modelagem ágil. • Todos devem participar ativamente. • Modele em equipe.
  • 40. Documentação Ágil • Porque as pessoas documentam? • Razões Válidas. • Seus Clientes a requisitam. • Decisão de Negocio. • • Apoiar a comunicação com um grupo externo. • • Interações entre sistemas. Para entender. Razões Questionáveis. • O solicitante quer parecer estar no controle. • O Solicitante quer justificar a sua existência. • O Solicitante não compreende bem. • Seu processo diz para criar o documento. • Alguém quer assegurar que tudo esta bem.
  • 41. Documentação Ágil • Quando um modelo se torna um documento? • Há um motivo claro e importante para torna-ló permanente. • Há um público para o qual o modelo fornece algo importante. • Seus cliente estão dispostos a dispensar recursos para que o modelo vire parte da documentação.
  • 42. Documentação Ágil • O que significa diminuir a carga de Trabalho? • Criar modelos e documentações suficientes. • Podemos ter projetos pequenos sem documentação. • Na maioria dos projetos isso não acontece. • Crie modelos e documentações quando realmente precisarem deles. • Tempo é Dinheiro.
  • 43. Documentação Ágil • Quando um documento é ágil? • • • • • • Maximizam o retorno dos clientes. São Magros e Econômicos. Satisfazem um propósito. Descrevem informações que possuem menor probabilidade de mudar. Coisas importantes de saber. Facilitam o trabalho dos clientes. • • Clientes diferentes requerem documentações diferentes. Precisos, Consistentes e Detalhados.
  • 44. Documentação Ágil • De que tipos de documentos você precisa? • • • • • • • Modelos de Contrato. Decisões de Projeto. Visão Geral executiva. Documentação de Operações. Visão Geral do projeto. Documento de requisitos. Documentação de Suporte.
  • 45. Documentação Ágil • Entregas eficazes de Documentação • Evite as entregas de documentação. • • Não é uma boa forma de comunicação. Apoie as entregas com outros meios de Comunicação.
  • 46. Documentação Ágil • Estratégias para aumentar a agilidade de documentação • Centre-se no Cliente. • Mantenha a Documentação simples o suficiente, mas não simples demais. • O Cliente determina o quanto é suficiente. • Documente com um objetivo. • Prefira outras formas de comunicação. • Coloque a documentação no local apropriado. • Espere que o que você esta documentando se estabilize. • Mostre seus modelos publicamente. • Peça as pessoas que justifiquem suas solicitações de documentação. • “Documentação em Dupla”.
  • 47. Importante • A documentação deve fornecer o Máximo de valor possível. • Não faça documentação sem pensar. • Pense depois Aja. • Você não conseguirá o modelo perfeito de primeira. • Paralisia da Análise. • Seja agente da mudança. • Precisamos de documentação mas não muita.
  • 48. Resumo • Maior problema da Agilidade é a cultura. • Seja agente da mudança. • O Ótimo é inimigo do Bom! • TEMPO É DINHEIRO!!!