SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
Baixar para ler offline
MICROBIOLOGIA E
PARASITOLOGIA
(Aula 04)
Curso Técnico em Enfermagem
Prof.ª Esp. Adirléia Dias
Enfermeira
Coloração de Gram
A coloração de Gram recebeu este nome em homenagem a seu
descobridor, o médico dinamarquês Hans Cristian Joaquim Gram. Em
1884, Gram observou que as bactérias adquiriram cores diferentes,
quando tratadas com diferentes corantes.
A coloração de Gram é uma técnica rápida que
permite diferenciar as bactérias em Gram positivas ou Gram
negativas, sendo útil para ajudar o médico a adequar o tratamento de
alguns tipos de infecção.
Coloração de Gram
0 uso dos corantes permite aumentar o contraste e evidenciar a
estrutura bacteriana.
A coloração envolve 4 etapas principais:
• Coloração com violeta de cristal (um corante soluvel em agua,
roxo);
• Lugol (fixar o corante violeta)
• A descoloração (utilizando álcool / acetona);
• A contra-coloração (utilizando corante Fucsina ou Safranina,
vermelho).
Coloração de Gram
Gram-Positivas
Bactérias Gram-positivas:
São visualizadas com a
coloração azul devido ao fato de
não serem descoradas pelo
álcool, uma vez que possuem
parede celular mais espessa e
os seus poros contraem-se
quando expostos ao lugol.
Bactérias Gram-negativas
Bactérias Gram-negativas:
Possuem uma parede celular
mais fina que nao retém o
cristal violeta durante o
processo de descoloração e
recebem a cor vermelha no
processo de coloração final.
Patogenicidade
Bactérias Gram positivas: Alguns tipos de bactérias patogênicas são
para gram-positivos. Bactérias Gram-positivas são mais suscetíveis a
antibióticos como Penicilina e Sulfonamida.
Exemplos: Lactobacillus, Actinomyces, Bacillus, Clostridium,
Corynebacterium, Staphylococci e Streptococci são exemplos de
bactérias gram positivas.
Bactérias Gram Negativas: A maioria das bactérias patogênicas é
gram-negativa. As bactérias Gram-negativas são mais resistentes
aos antibióticos. Mas são suscetíveis à estreptomicina, cloranfenicol
e tetraciclina.
Exemplos: Acetobacter, Chlamydia, Borrelia, Bortadella,
Burkholderia, Enterobacter, Escherichia, Helicobacter, Klebsiella e
Neisseria são exemplos de bactérias gram-negativas.
Conclusão
Gram positivas e gram-negativas são duas diferenciações
encontradas em bactérias, que podem ser usadas para classificá-las.
O peptidoglicano é encontrado em bactérias gram-positivas que
têm multicamadas, e gram-negativas, tem uma monocamada.
A diferenciação é baseada na espessura da camada de
peptidoglicano, que é encontrada na parede celular.
Descoberta dos vírus
Os vírus foram descobertos pelos estudos independentes
realizados por Dmitri Iwanowski e Martinus Beijerinck, em 1892 e
1898, respectivamente.
Esses pesquisadores estudaram o agente causador da doença
denominada mosaico do tabaco, que deixava as folhas de tabaco com
manchas entre a coloração verde-escura e clara.
Apesar da descoberta, os vírus foram visualizados apenas na
década de 1940, após a invenção do microscópio eletrônico.
Vírus
Vírus são seres microscópicos, menores que bactérias que não
apresentam célula e tampouco metabolismo próprio. Esses organismos
dependem de uma célula viva para se replicarem, sendo conhecidos
devido a essa característica como parasitas intracelulares
obrigatórios.
A estrutura de um vírus consiste em uma cobertura proteica
(capsídio) que envolve um ácido nucleico, o qual pode ser DNA, RNA ou,
mais raramente, os dois. Alguns vírus possuem, além do capsídeo,
outra estrutura que reveste o vírus denominada envelope.
Classificação dos Vírus
Ácidos nucleicos, (RNA e DNA): são as
informações contidas no vírus que
deverão ser utilizadas para sintetizar
proteínas na célula invadida.
Capsídeo viral, mantem a estabilidade e a
integridade do material genético dos
vírus.
Envelope viral, revestimento formado por
lipídios e proteínas ao redor do capsídeo,
que são utilizadas para invadir a
membrana celular e se ligar a ela,
facilitando a fixação do vírus.
Como os vírus se reproduzem
Os vírus são capazes de invadir diferentes tipos de células. No
ciclo de reprodução, geralmente os vírus rompem a parede celular,
entram, replicam-se e partem para infectar novas células.
Há também os vírus que não precisam entrar em uma célula
para se reproduzirem, eles apenas injetam seu genoma na célula
hospedeira.
O material genético viral inserido em uma célula é traduzido e
replicado à medida que a célula se multiplica.
Reprodução Viral
Como os vírus se reproduzem
Geralmente, os vírus utilizam os ribossomos das células
eucarióticas para traduzir o RNA mensageiro viral e, assim,
produzirem proteínas virais dentro da célula.
O ciclo reprodutivo desses organismos pode então ser dividido
em 4 etapas:
Adsorção, penetração, remoção do capsídeo, síntese viral, montagem
das partículas virais e liberação.
No processo de reprodução dos vírus há a duplicação do material
genético viral e a síntese das proteínas na medida em que ele inibe o
funcionamento normal da célula.
Doenças Virais
Os vírus podem infectar qualquer ser vivo, desde os
unicelulares, como bactérias, até pluricelulares, como os humanos. A
infecção nos humanos é responsável por várias doenças.
Exemplos de infecções virais:
• Aids – agente etiológico: HIV (vírus da imunodeficiência humana)
• Condiloma acuminado – agente etiológico: (HPV)
• Gripe – agente etiológico: influenza
• Herpes genital – agente etiológico: (HSV-2)
• Poliomielite – agente etiológico: poliovírus
• Raiva – agente etiológico: vírus da raiva
• Rubéola – agente etiológico: vírus da rubéola
HIV
HIV é a sigla em inglês do
vírus da imunodeficiência humana.
Causador da aids, ataca o sistema
imunológico, responsável por
defender o organismo de doenças.
As células mais atingidas são
os linfócitos T CD4+. E é alterando o
DNA dessa célula que o HIV faz
cópias de si mesmo. Depois de se
multiplicar, rompe os linfócitos em
busca de outros para continuar a
infecção.
Transmissão
 Sexo vaginal sem camisinha;
 Sexo anal sem camisinha;
 Sexo oral sem camisinha;
 Uso de seringa por mais de uma pessoa;
 Transfusão de sangue contaminado;
 Da mãe infectada para seu filho durante a gravidez, no parto e na
amamentação;
 Instrumentos que furam ou cortam não esterilizados.
Não Transmite
• Sexo desde que se use corretamente a camisinha;
• Beijo no rosto ou na boca;
• Suor e lágrima;
• Picada de inseto;
• Aperto de mão ou abraço;
• Sabonete/toalha/lençóis/Talheres/copos;
• Assento de ônibus;
• Piscina/ Banheiro
• Pelo ar.
HPV
O que é HPV? Sigla em inglês para Papilomavírus Humano. Os
HPV são vírus capazes de infectar a pele ou as mucosas.
Existem mais de 150 tipos diferentes de HPV, dos quais 40
podem infectar o trato genital. Destes, 12 são de alto risco e podem
provocar câncer (são oncogênicos) e outros podem causar verrugas
genitais.
O grande problema do vírus HPV é que muitas vezes ele não
manifesta sintomas após infectar as células parasitas, o que acaba
aumentando a taxa de transmissão, principalmente por relações
sexuais.
Classificação do Vírus HPV
O HPV pode ser
classificado em tipos de baixo
risco: Os HPV de tipo 6 e 11,
encontrados na maioria das
verrugas genitais (ou
condilomas genitais) e
papilomas.
Classificação do Vírus HPV
Os de alto risco de
desenvolver câncer.
O HPV de tipos 16 e 18
causam a maioria dos casos
de câncer do colo de útero
em todo mundo (cerca de
70%).
Diagnóstico do HPV
Devido ao fato de o HPV comumente não apresentar nenhum
sintoma, as pessoas não têm como saber que são portadoras do
vírus.
A maioria das mulheres descobre que tem HPV por intermédio
de um resultado anormal do Papanicolau, exame que ajuda a detectar
células anormais no revestimento do colo do útero, que podem ser
tratadas antes de se tornarem câncer.
O câncer do colo de útero é um dos mais fáceis de serem
prevenidos, por isso é tão importante fazer o exame de Papanicolau
regularmente.
Desde 2014, a vacina HPV quadrivalente é oferecida
gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para meninas de 9
a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos.
HPV
Hepatites Virais
As hepatites virais são um grave problema de saúde pública
no Brasil e no mundo. É uma infecção que atinge o fígado,
causando alterações leves, moderadas ou graves. Na maioria das
vezes são infecções silenciosas, ou seja, não apresentam
sintomas. Entretanto, quando presentes, podem se manifestar
como: cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor
abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.
Hepatites Virais
No Brasil, as hepatites virais mais comuns são causadas
pelos vírus A, B e C. As infecções causadas pelos vírus
das hepatites B ou C frequentemente se tornam crônicas. Contudo,
por nem sempre apresentarem sintomas, grande parte das pessoas
desconhecem ter a infecção.
Isso faz com que a doença possa evoluir por décadas sem o
devido diagnóstico. O avanço da infecção compromete o fígado
sendo causa de fibrose avançada ou de cirrose, que podem levar ao
desenvolvimento de câncer e necessidade de transplante do
órgão.
O impacto dessas infecções acarreta em aproximadamente
1,4 milhões de mortes anualmente no mundo. A taxa
de mortalidade da hepatite C, por exemplo, pode ser comparada ao
HIV e tuberculose.
Hepatite A
É uma infecção causada pelo vírus A (HAV) da hepatite,
também conhecida como “hepatite infecciosa”. Na maioria dos
casos, a hepatite A é uma doença de caráter benigno.
A transmissão da hepatite A é fecal-oral (contato de fezes com
a boca). A doença tem grande relação com alimentos ou água
contaminados, baixos níveis de saneamento básico e de higiene
pessoal.
Os sintomas são inespecíficos, podendo se manifestar
inicialmente como: fadiga, vômitos, febre, enjoo dores musculares
icterícia. Os sintomas costumam aparecer de 15 a 50 dias após a
infecção e duram menos de dois meses.
Diagnóstico da HVA
O diagnóstico da infecção atual ou recente é realizado por
exame de sangue, no qual se pesquisa a presença de anticorpos
anti-HAV IgM (infecção inicial), que podem permanecer detectáveis
por cerca de seis meses.
É possível também fazer a pesquisa do anticorpo IgG para
verificar infecção passada ou então resposta vacinal de imunidade.
Hepatite B
O vírus da Hepatite B está relacionado a 21,3% das mortes
relacionadas às hepatites entre 2000 e 2017.
Na maioria dos casos não apresenta sintomas e muitas vezes
é diagnosticada décadas após a infecção, com sinais relacionados
a outras doenças do fígado, como cansaço, tontura, enjoo, vômitos,
febre, dor abdominal, pele e olhos amarelados.
Costuma manifestar-se apenas em fases mais avançadas da
doença.
A ausência de sintomas na fase inicial dificulta o diagnóstico
precoce da infecção.
Hepatite B
O teste de triagem
para Hepatite B é realizado
através da pesquisa do
antígeno do HBV (HBsAg),
que pode ser feita por meio
de teste laboratorial ou
teste rápido.
Prevenção da Hepatite B
A Hepatite B não tem cura. Entretanto, o tratamento
disponibilizado no SUS ( o tenofovir e o entecavir), objetiva reduzir
o risco de progressão da doença e suas complicações,
especificamente cirrose, câncer hepático e morte.
A principal forma de prevenção da infecção pelo vírus da
hepatite B é a vacina, que está disponível no SUS.
Outras formas de prevenção devem ser observadas, como
usar camisinha e não compartilhar objetos, como lâminas de
barbear e depilar, escovas de dente, material de manicure,
equipamentos para uso de drogas, entre outros.
Hepatite C
É um processo infeccioso e inflamatório causado pelo vírus C
da hepatite e que pode se manifestar na forma aguda ou crônica,
sendo esta segunda a forma mais comum.
A hepatite crônica pelo HCV é uma doença de caráter
silencioso que evolui sorrateiramente e se caracteriza por um
processo inflamatório persistente no fígado.
Transmissão da hepatite C
Contato com sangue contaminado, pelo compartilhamento de
agulhas, seringas e outros objetos para uso de drogas, uso de
sangue e seus derivados contaminados, relações sexuais sem o
uso de preservativos (menos comum).
Diagnóstico da hepatite C
Habitualmente, a hepatite C é descoberta em sua fase
crônica. Normalmente, o diagnóstico ocorre após teste rápido de
rotina ou por doação de sangue. Esse fato reitera a importância da
realização dos testes rápidos ou sorológicos, que apontam a
presença dos anticorpos anti-HCV.
O tratamento da hepatite C é feito com os chamados
antivirais de ação direta (DAA), que apresentam taxas de cura de
mais 95% e são realizados, geralmente, por 8 ou 12 semanas. Os
DAA revolucionaram o tratamento da hepatite C, e possibilitam a
eliminação da infecção.
Todas as pessoas com infecção pelo vírus da hepatite C
(HCV) podem receber o tratamento pelo SUS.
Diagnóstico da hepatite C
Prevenção da hepatite C
Não existe vacina contra a hepatite C. Para evitar a infecção é
importante:
 Não compartilhar com outras pessoas qualquer objeto que possa ter
entrado em contato com sangue (seringas, agulhas, alicates, escova de
dente, etc);
 Usar preservativo nas relações sexuais;
 Não compartilhar quaisquer objetos utilizados para o uso de drogas;
Toda mulher grávida precisa fazer no pré-natal os exames para
detectar as hepatites B e C.
Em caso de resultado positivo, é necessário seguir todas as
recomendações médicas. O tratamento da hepatite C não está indicado
para gestantes, mas após o parto a mulher deverá ser tratada.
Bibliografias
https://querobolsa.com.br/enem/biologia/protozoarios
https://www.todamateria.com.br/virus/
https://saude.es.gov.br/o-que-e-hiv
https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files/media/document
/dados_e_numeros_colo_22setembro2022.pdf
https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/saude-de-a-a-z/h/hepatites-
virais
Prof.ª Esp. Adirléia Dias
Enfermeira
Muito Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdf

seminariohivslides-161017165137 (1).pdf
seminariohivslides-161017165137 (1).pdfseminariohivslides-161017165137 (1).pdf
seminariohivslides-161017165137 (1).pdfTiagoSantos74563
 
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?Berenice Damasceno
 
O que é preciso saber sobre infecções
O que é preciso saber sobre infecçõesO que é preciso saber sobre infecções
O que é preciso saber sobre infecçõesTookmed
 
CEET_Aula sobre os vírus - 2º ano
CEET_Aula sobre os vírus - 2º anoCEET_Aula sobre os vírus - 2º ano
CEET_Aula sobre os vírus - 2º anoPCachoeira
 
Esquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologiaEsquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologiaFranciskelly
 
Microscopia Citopatologia Clínica
Microscopia Citopatologia ClínicaMicroscopia Citopatologia Clínica
Microscopia Citopatologia ClínicaPatrícia Prates
 
Exercícios+de+vírus
Exercícios+de+vírusExercícios+de+vírus
Exercícios+de+víruscaetanofabio
 
V Rus 09 11 2009]
V Rus 09 11 2009]V Rus 09 11 2009]
V Rus 09 11 2009]guest8fc71c
 
Doenças transmitidas por vetores.pptx
Doenças transmitidas por vetores.pptxDoenças transmitidas por vetores.pptx
Doenças transmitidas por vetores.pptxLauraMarques72
 
Aids ou sida
Aids ou sidaAids ou sida
Aids ou sidaFer Nanda
 
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdfModulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdfHilderlanArajo
 
7A - DST e outras doenças
7A - DST e outras doenças7A - DST e outras doenças
7A - DST e outras doençasDaniela
 

Semelhante a MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdf (20)

seminariohivslides-161017165137 (1).pdf
seminariohivslides-161017165137 (1).pdfseminariohivslides-161017165137 (1).pdf
seminariohivslides-161017165137 (1).pdf
 
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
 
doenças enem 2017
doenças enem 2017doenças enem 2017
doenças enem 2017
 
Texto de imuno iii
Texto de imuno iiiTexto de imuno iii
Texto de imuno iii
 
O que é preciso saber sobre infecções
O que é preciso saber sobre infecçõesO que é preciso saber sobre infecções
O que é preciso saber sobre infecções
 
CEET_Aula sobre os vírus - 2º ano
CEET_Aula sobre os vírus - 2º anoCEET_Aula sobre os vírus - 2º ano
CEET_Aula sobre os vírus - 2º ano
 
ISTS
ISTSISTS
ISTS
 
Esquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologiaEsquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologia
 
Microscopia Citopatologia Clínica
Microscopia Citopatologia ClínicaMicroscopia Citopatologia Clínica
Microscopia Citopatologia Clínica
 
Hpv
HpvHpv
Hpv
 
Hpv
HpvHpv
Hpv
 
Vírus e reino monera
Vírus e reino moneraVírus e reino monera
Vírus e reino monera
 
Exercícios+de+vírus
Exercícios+de+vírusExercícios+de+vírus
Exercícios+de+vírus
 
V Rus 09 11 2009]
V Rus 09 11 2009]V Rus 09 11 2009]
V Rus 09 11 2009]
 
Doenças transmitidas por vetores.pptx
Doenças transmitidas por vetores.pptxDoenças transmitidas por vetores.pptx
Doenças transmitidas por vetores.pptx
 
Sida 3
Sida 3Sida 3
Sida 3
 
Aids ou sida
Aids ou sidaAids ou sida
Aids ou sida
 
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdfModulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
 
7A - DST e outras doenças
7A - DST e outras doenças7A - DST e outras doenças
7A - DST e outras doenças
 
DST
DSTDST
DST
 

Último

01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdfIANAHAAS
 
Apresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fds
Apresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fdsApresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fds
Apresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fdsMarceloLeoSanttana
 
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaPuerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaJoyceDamasio2
 
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxjhordana1
 
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesApresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesVanessaXLncolis
 
fratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorfratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorIvaneSales
 
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.FabioCorreia46
 
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuroniosTecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuroniosIANAHAAS
 
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfadesAtividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfadesIANAHAAS
 
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemasSISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemasIANAHAAS
 

Último (10)

01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
Apresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fds
Apresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fdsApresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fds
Apresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fds
 
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaPuerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
 
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
 
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesApresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
 
fratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorfratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferior
 
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
 
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuroniosTecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
 
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfadesAtividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
 
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemasSISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
 

MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdf

  • 1. MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA (Aula 04) Curso Técnico em Enfermagem Prof.ª Esp. Adirléia Dias Enfermeira
  • 2. Coloração de Gram A coloração de Gram recebeu este nome em homenagem a seu descobridor, o médico dinamarquês Hans Cristian Joaquim Gram. Em 1884, Gram observou que as bactérias adquiriram cores diferentes, quando tratadas com diferentes corantes. A coloração de Gram é uma técnica rápida que permite diferenciar as bactérias em Gram positivas ou Gram negativas, sendo útil para ajudar o médico a adequar o tratamento de alguns tipos de infecção.
  • 3. Coloração de Gram 0 uso dos corantes permite aumentar o contraste e evidenciar a estrutura bacteriana. A coloração envolve 4 etapas principais: • Coloração com violeta de cristal (um corante soluvel em agua, roxo); • Lugol (fixar o corante violeta) • A descoloração (utilizando álcool / acetona); • A contra-coloração (utilizando corante Fucsina ou Safranina, vermelho).
  • 5. Gram-Positivas Bactérias Gram-positivas: São visualizadas com a coloração azul devido ao fato de não serem descoradas pelo álcool, uma vez que possuem parede celular mais espessa e os seus poros contraem-se quando expostos ao lugol.
  • 6. Bactérias Gram-negativas Bactérias Gram-negativas: Possuem uma parede celular mais fina que nao retém o cristal violeta durante o processo de descoloração e recebem a cor vermelha no processo de coloração final.
  • 7. Patogenicidade Bactérias Gram positivas: Alguns tipos de bactérias patogênicas são para gram-positivos. Bactérias Gram-positivas são mais suscetíveis a antibióticos como Penicilina e Sulfonamida. Exemplos: Lactobacillus, Actinomyces, Bacillus, Clostridium, Corynebacterium, Staphylococci e Streptococci são exemplos de bactérias gram positivas. Bactérias Gram Negativas: A maioria das bactérias patogênicas é gram-negativa. As bactérias Gram-negativas são mais resistentes aos antibióticos. Mas são suscetíveis à estreptomicina, cloranfenicol e tetraciclina. Exemplos: Acetobacter, Chlamydia, Borrelia, Bortadella, Burkholderia, Enterobacter, Escherichia, Helicobacter, Klebsiella e Neisseria são exemplos de bactérias gram-negativas.
  • 8. Conclusão Gram positivas e gram-negativas são duas diferenciações encontradas em bactérias, que podem ser usadas para classificá-las. O peptidoglicano é encontrado em bactérias gram-positivas que têm multicamadas, e gram-negativas, tem uma monocamada. A diferenciação é baseada na espessura da camada de peptidoglicano, que é encontrada na parede celular.
  • 9. Descoberta dos vírus Os vírus foram descobertos pelos estudos independentes realizados por Dmitri Iwanowski e Martinus Beijerinck, em 1892 e 1898, respectivamente. Esses pesquisadores estudaram o agente causador da doença denominada mosaico do tabaco, que deixava as folhas de tabaco com manchas entre a coloração verde-escura e clara. Apesar da descoberta, os vírus foram visualizados apenas na década de 1940, após a invenção do microscópio eletrônico.
  • 10. Vírus Vírus são seres microscópicos, menores que bactérias que não apresentam célula e tampouco metabolismo próprio. Esses organismos dependem de uma célula viva para se replicarem, sendo conhecidos devido a essa característica como parasitas intracelulares obrigatórios. A estrutura de um vírus consiste em uma cobertura proteica (capsídio) que envolve um ácido nucleico, o qual pode ser DNA, RNA ou, mais raramente, os dois. Alguns vírus possuem, além do capsídeo, outra estrutura que reveste o vírus denominada envelope.
  • 11. Classificação dos Vírus Ácidos nucleicos, (RNA e DNA): são as informações contidas no vírus que deverão ser utilizadas para sintetizar proteínas na célula invadida. Capsídeo viral, mantem a estabilidade e a integridade do material genético dos vírus. Envelope viral, revestimento formado por lipídios e proteínas ao redor do capsídeo, que são utilizadas para invadir a membrana celular e se ligar a ela, facilitando a fixação do vírus.
  • 12. Como os vírus se reproduzem Os vírus são capazes de invadir diferentes tipos de células. No ciclo de reprodução, geralmente os vírus rompem a parede celular, entram, replicam-se e partem para infectar novas células. Há também os vírus que não precisam entrar em uma célula para se reproduzirem, eles apenas injetam seu genoma na célula hospedeira. O material genético viral inserido em uma célula é traduzido e replicado à medida que a célula se multiplica.
  • 14. Como os vírus se reproduzem Geralmente, os vírus utilizam os ribossomos das células eucarióticas para traduzir o RNA mensageiro viral e, assim, produzirem proteínas virais dentro da célula. O ciclo reprodutivo desses organismos pode então ser dividido em 4 etapas: Adsorção, penetração, remoção do capsídeo, síntese viral, montagem das partículas virais e liberação. No processo de reprodução dos vírus há a duplicação do material genético viral e a síntese das proteínas na medida em que ele inibe o funcionamento normal da célula.
  • 15. Doenças Virais Os vírus podem infectar qualquer ser vivo, desde os unicelulares, como bactérias, até pluricelulares, como os humanos. A infecção nos humanos é responsável por várias doenças. Exemplos de infecções virais: • Aids – agente etiológico: HIV (vírus da imunodeficiência humana) • Condiloma acuminado – agente etiológico: (HPV) • Gripe – agente etiológico: influenza • Herpes genital – agente etiológico: (HSV-2) • Poliomielite – agente etiológico: poliovírus • Raiva – agente etiológico: vírus da raiva • Rubéola – agente etiológico: vírus da rubéola
  • 16. HIV HIV é a sigla em inglês do vírus da imunodeficiência humana. Causador da aids, ataca o sistema imunológico, responsável por defender o organismo de doenças. As células mais atingidas são os linfócitos T CD4+. E é alterando o DNA dessa célula que o HIV faz cópias de si mesmo. Depois de se multiplicar, rompe os linfócitos em busca de outros para continuar a infecção.
  • 17. Transmissão  Sexo vaginal sem camisinha;  Sexo anal sem camisinha;  Sexo oral sem camisinha;  Uso de seringa por mais de uma pessoa;  Transfusão de sangue contaminado;  Da mãe infectada para seu filho durante a gravidez, no parto e na amamentação;  Instrumentos que furam ou cortam não esterilizados.
  • 18. Não Transmite • Sexo desde que se use corretamente a camisinha; • Beijo no rosto ou na boca; • Suor e lágrima; • Picada de inseto; • Aperto de mão ou abraço; • Sabonete/toalha/lençóis/Talheres/copos; • Assento de ônibus; • Piscina/ Banheiro • Pelo ar.
  • 19. HPV O que é HPV? Sigla em inglês para Papilomavírus Humano. Os HPV são vírus capazes de infectar a pele ou as mucosas. Existem mais de 150 tipos diferentes de HPV, dos quais 40 podem infectar o trato genital. Destes, 12 são de alto risco e podem provocar câncer (são oncogênicos) e outros podem causar verrugas genitais. O grande problema do vírus HPV é que muitas vezes ele não manifesta sintomas após infectar as células parasitas, o que acaba aumentando a taxa de transmissão, principalmente por relações sexuais.
  • 20. Classificação do Vírus HPV O HPV pode ser classificado em tipos de baixo risco: Os HPV de tipo 6 e 11, encontrados na maioria das verrugas genitais (ou condilomas genitais) e papilomas.
  • 21. Classificação do Vírus HPV Os de alto risco de desenvolver câncer. O HPV de tipos 16 e 18 causam a maioria dos casos de câncer do colo de útero em todo mundo (cerca de 70%).
  • 22. Diagnóstico do HPV Devido ao fato de o HPV comumente não apresentar nenhum sintoma, as pessoas não têm como saber que são portadoras do vírus. A maioria das mulheres descobre que tem HPV por intermédio de um resultado anormal do Papanicolau, exame que ajuda a detectar células anormais no revestimento do colo do útero, que podem ser tratadas antes de se tornarem câncer. O câncer do colo de útero é um dos mais fáceis de serem prevenidos, por isso é tão importante fazer o exame de Papanicolau regularmente. Desde 2014, a vacina HPV quadrivalente é oferecida gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos.
  • 23. HPV
  • 24. Hepatites Virais As hepatites virais são um grave problema de saúde pública no Brasil e no mundo. É uma infecção que atinge o fígado, causando alterações leves, moderadas ou graves. Na maioria das vezes são infecções silenciosas, ou seja, não apresentam sintomas. Entretanto, quando presentes, podem se manifestar como: cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.
  • 25. Hepatites Virais No Brasil, as hepatites virais mais comuns são causadas pelos vírus A, B e C. As infecções causadas pelos vírus das hepatites B ou C frequentemente se tornam crônicas. Contudo, por nem sempre apresentarem sintomas, grande parte das pessoas desconhecem ter a infecção. Isso faz com que a doença possa evoluir por décadas sem o devido diagnóstico. O avanço da infecção compromete o fígado sendo causa de fibrose avançada ou de cirrose, que podem levar ao desenvolvimento de câncer e necessidade de transplante do órgão. O impacto dessas infecções acarreta em aproximadamente 1,4 milhões de mortes anualmente no mundo. A taxa de mortalidade da hepatite C, por exemplo, pode ser comparada ao HIV e tuberculose.
  • 26. Hepatite A É uma infecção causada pelo vírus A (HAV) da hepatite, também conhecida como “hepatite infecciosa”. Na maioria dos casos, a hepatite A é uma doença de caráter benigno. A transmissão da hepatite A é fecal-oral (contato de fezes com a boca). A doença tem grande relação com alimentos ou água contaminados, baixos níveis de saneamento básico e de higiene pessoal. Os sintomas são inespecíficos, podendo se manifestar inicialmente como: fadiga, vômitos, febre, enjoo dores musculares icterícia. Os sintomas costumam aparecer de 15 a 50 dias após a infecção e duram menos de dois meses.
  • 27. Diagnóstico da HVA O diagnóstico da infecção atual ou recente é realizado por exame de sangue, no qual se pesquisa a presença de anticorpos anti-HAV IgM (infecção inicial), que podem permanecer detectáveis por cerca de seis meses. É possível também fazer a pesquisa do anticorpo IgG para verificar infecção passada ou então resposta vacinal de imunidade.
  • 28. Hepatite B O vírus da Hepatite B está relacionado a 21,3% das mortes relacionadas às hepatites entre 2000 e 2017. Na maioria dos casos não apresenta sintomas e muitas vezes é diagnosticada décadas após a infecção, com sinais relacionados a outras doenças do fígado, como cansaço, tontura, enjoo, vômitos, febre, dor abdominal, pele e olhos amarelados. Costuma manifestar-se apenas em fases mais avançadas da doença. A ausência de sintomas na fase inicial dificulta o diagnóstico precoce da infecção.
  • 29. Hepatite B O teste de triagem para Hepatite B é realizado através da pesquisa do antígeno do HBV (HBsAg), que pode ser feita por meio de teste laboratorial ou teste rápido.
  • 30. Prevenção da Hepatite B A Hepatite B não tem cura. Entretanto, o tratamento disponibilizado no SUS ( o tenofovir e o entecavir), objetiva reduzir o risco de progressão da doença e suas complicações, especificamente cirrose, câncer hepático e morte. A principal forma de prevenção da infecção pelo vírus da hepatite B é a vacina, que está disponível no SUS. Outras formas de prevenção devem ser observadas, como usar camisinha e não compartilhar objetos, como lâminas de barbear e depilar, escovas de dente, material de manicure, equipamentos para uso de drogas, entre outros.
  • 31. Hepatite C É um processo infeccioso e inflamatório causado pelo vírus C da hepatite e que pode se manifestar na forma aguda ou crônica, sendo esta segunda a forma mais comum. A hepatite crônica pelo HCV é uma doença de caráter silencioso que evolui sorrateiramente e se caracteriza por um processo inflamatório persistente no fígado. Transmissão da hepatite C Contato com sangue contaminado, pelo compartilhamento de agulhas, seringas e outros objetos para uso de drogas, uso de sangue e seus derivados contaminados, relações sexuais sem o uso de preservativos (menos comum).
  • 32. Diagnóstico da hepatite C Habitualmente, a hepatite C é descoberta em sua fase crônica. Normalmente, o diagnóstico ocorre após teste rápido de rotina ou por doação de sangue. Esse fato reitera a importância da realização dos testes rápidos ou sorológicos, que apontam a presença dos anticorpos anti-HCV. O tratamento da hepatite C é feito com os chamados antivirais de ação direta (DAA), que apresentam taxas de cura de mais 95% e são realizados, geralmente, por 8 ou 12 semanas. Os DAA revolucionaram o tratamento da hepatite C, e possibilitam a eliminação da infecção. Todas as pessoas com infecção pelo vírus da hepatite C (HCV) podem receber o tratamento pelo SUS.
  • 34. Prevenção da hepatite C Não existe vacina contra a hepatite C. Para evitar a infecção é importante:  Não compartilhar com outras pessoas qualquer objeto que possa ter entrado em contato com sangue (seringas, agulhas, alicates, escova de dente, etc);  Usar preservativo nas relações sexuais;  Não compartilhar quaisquer objetos utilizados para o uso de drogas; Toda mulher grávida precisa fazer no pré-natal os exames para detectar as hepatites B e C. Em caso de resultado positivo, é necessário seguir todas as recomendações médicas. O tratamento da hepatite C não está indicado para gestantes, mas após o parto a mulher deverá ser tratada.
  • 36. Prof.ª Esp. Adirléia Dias Enfermeira Muito Obrigada!