SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
 Primeiros casos: homossexuais masculinos com
evidência de profunda Síndrome de
Imunodeficiência (1981);
 Principal forma de transmissão: contato sexual;
 Mais freqüente entre heterossexuais do que
homossexuais masculinos;
 Transmissão parenteral entre usuários de drogas
intravenosas;
 São raros os casos de infecção por via parenteral
entre profissionais da saúde;
 Crianças são infectadas, em geral, via
transmissão perinatal.
 A freqüência de infecção entre as mulheres vem
crescendo;
 Na atualidade, estima-se que 50% dos
portadores do HIV sejam mulheres;
 A maioria dos casos de Aids ocorre em adultos
com 25 a 44 anos;
 Indivíduos <15 anos totalizam aproximadamente
10% dos casos;
 O curso da infecção se caracteriza por uma fase
inicial de latência;
 Tempo médio de progressão da infecção à Aids:
11 anos.
HIV – AIDS
A AIDS é uma doença que se manifesta após a
infecção do organismo humano pelo Vírus da
Imunodeficiência Humana, mais conhecido como HIV.
Síndrome
Grupo de sinais e sintomas que, uma vez considerados
em conjunto, caracterizam uma doença.
Imunodeficiência
Inabilidade do sistema de defesa do organismo humano
para se proteger contra microorganismos invasores,
tais como: vírus, bactérias, protozoários, etc.
Adquirida
Não é congênita como no caso de outras
imunodeficiências. A AIDS não é causada
espontaneamente, mas por um fator externo (a
infecção pelo HIV).
HIV - Vírus da Imunodeficiência Humana
O HIV destrói os linfócitos - células
responsáveis pela defesa do nosso
organismo -, tornando a pessoa vulnerável
a outras infecções e doenças
oportunistas, chamadas assim por surgirem
nos momentos em que o sistema
imunológico do indivíduo está
enfraquecido.
HIV atacando linfócito
T auxiliar (leucócito)
O vírus HIV (em vermelho) ataca
preferencialmente o leucócito (branco)
denominado por linfócito T auxiliar. O
vírus penetra nesta célula e a destrói.
O linfócito T auxiliar tem a função de
coordenar a função de defesa
imunológica contra vírus, bactérias e
fungos. A sua destruição pelo vírus
HIV dá início à deficiência
imunológica. Microscopia de
varredura: aumento de 20.000 vezes.
www.ciencianews.com.br/unicel/4pg.htm
 Família Lentiviridae, subgrupo dos retro vírus;
 Família caracterizada por latência, viremia
persistente, infecção do sistema nervoso e fraca
resposta imune;
 Apresenta alta afinidade pelos linfócitos T e
monócitos;
 Replica seu genoma com geração de cópia de
DNA, via transcrição reversa;
 DNA viral se incorpora no genoma do hospedeiro.
O HIV
 A Estrutura do HIV:
 O Ciclo de Vida do HIV:
1) Adsorção
2) Penetração
3) Desnudamento e Geração do Provirus
4) Replicação
5) Maturação, Montagem e Liberação
Vírus HIV introduzindo seu material genético
no linfócito T auxiliar
Os vírus HIV (em vermelho) no momento que
reagem com receptores de membrana do linfócito
T auxiliar, abrem “buracos” para introduzirem seu
material genético RNA (em verde). Microscopia
eletrônica de varredura: 360.000 vezes.
www.ciencianews.com.br/unicel/4pg.htm
 Drogas Anti-HIV:
• Inibidores da Transcrição Reversa
• Inibidores da Protease
• Inibidores da Fusão do Envelope Viral com a
Membrana Celular
Sintomas Febre persistente, calafrios, dor de cabeça, dor de
garganta, dores musculares, manchas na pele,
gânglios ou ínguas embaixo do braço, no pescoço
ou na virilha e que podem levar muito tempo para
desaparecer.
Com a progressão da doença e com o
comprometimento do sistema imunológico do
indivíduo, começam a surgir doenças oportunistas,
tais como: tuberculose, pneumonia, alguns tipos
de câncer, candidíase e infecções do sistema
nervoso (meningites, por exemplo).
O Sarcoma de Kaposi é uma forma de cancro rara e que se desenvolve
em várias pessoas que apresentam AIDS. É caracterizado pela
proliferação anormal de estruturas vasculares da pele e alguns órgãos
internos.
Formas de contágio
O HIV pode ser transmitido pelo
sangue, sêmen, secreção vaginal e
pelo leite materno.
VERDADEIRO
SEXO VAGINAL SEM CAMISINHA;
SEXO ORAL SEM CAMISINHA;
Uso da mesma seringa ou agulha por mais de uma pessoa;
Transfusão de sangue contaminado;
Mãe infectada pode passar o HIV para o filho durante a gravidez, o parto
e a amamentação;
Instrumentos que furam ou cortam, não esterilizados.
FALSO
Sexo, desde que se use corretamente a camisinha;
Masturbação a dois;
Beijo no rosto ou na boca;
Suor e lágrima;
Picada de inseto;
Aperto de mão ou abraço;
Talheres / copos;
Assento de ônibus;
Piscina, banheiros, pelo ar;
Doação de sangue;
Sabonete / toalha / lençóis.
Testes para o diagnóstico da infecção pelo HIV
O diagnóstico da infecção pelo HIV é feito por meio de
testes, realizados a partir da coleta de uma amostra de
sangue.
Esses testes podem ser realizados em unidades básicas de
saúde, em Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA) e
em laboratórios particulares. Nos CTA, o teste anti-HIV pode
ser feito de forma anônima e gratuita.
Nesses Centros, além da coleta e da execução dos testes,
há um processo de aconselhamento, antes e depois do
teste, feito de forma cuidadosa a fim de facilitar a correta
interpretação do resultado, tanto pelo profissional de saúde
como pelo paciente.
Todos os testes devem ser realizados de acordo com a
norma definida pelo Ministério da Saúde e com produtos
registrados na Agência Nacional de Vigilância Sanitária
(ANVISA/MS) e por ela controlados.
Período de transmissão
Desde o momento da infecção até à morte, uma vez que se
trata de uma doença para a qual ainda não existe cura. O
cadáver poderá manter-se infectando por um período de cerca
de 8 dias, ou mais se for submetido a refrigeração (atendendo
a que o vírus pode manter-se vivo em sangue coagulado
durante 8 dias).
Cuidados que portador deve ter:
Precauções com o sangue;
Relações sexuais com preservativo ou abstinência sexual; diminuição dos
parceiros sexuais;
Para prevenir a contaminação de recém-nascidos de mães soropositivas,
está demonstrado que a cesariana reduz em cerca de 50% o risco de
transmissão e, se for utilizado o AZT como medicação durante a gestação
e o parto, o risco pode ser reduzido em quase 90%.
Os soropositivos deverão evitar a todo o custo outras viroses e infecções
porque estas funcionam como estímulos à replicação do HIV latente;
Os soropositivos deverão evitar continuarem a ter comportamentos de
risco porque novas inoculações aumentam a progressão para a fase final
de AIDS;
Terapia com medicação que inibe a transcriptase reversa.
Preservativo
Falso
Texturizado
linhas
circulares
Preservativo
Falso
Texturizado
pontos
"DOTS"
Preservativo
Falso
Texturizado
pontos
"DOTS"
Formato
Anatômico
Preservativo
Verdadeiro
Olla
(paralelo liso)
Não existe um padrão de falsificação comum. Segundo a assessoria de
imprensa da Anvisa, as diferenças entre o produto original e o fraudado
geralmente são sutis, vão desde a cor do preservativo até o picotado da
embalagem e o número de lotes igual.
Agência Nacional de
Vigilância Sanitária
(Anvisa)
Também fique atento a outras recomendações:
Não compre produtos em feiras livres, mercados pequenos ou camelôs.
A incidência de preservativos falsificados aumenta nesses locais,
segundo dados da assessoria de imprensa da Anvisa. Exija sempre a
nota fiscal. É a sua garantia em caso de problemas.
Observe se a embalagem não está violada. Dê preferência para as
camisinhas lubrificadas, porque o risco de ruptura é menor.
Só compre produtos que tenham o selo de certificação do Inmetro e
confira a data de validade. Normalmente os preservativos valem por
três anos.
Leia as instruções contidas na embalagem. É muito importante saber
colocar bem a camisinha para evitar que ela se desprenda ou rompa
durante o ato sexual.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
http://www.apoiofraterno.wordpress.com
http://www.ciencianews.com.br/unicel/4pg.htm
http://www.aids.gov.br
Aids ane (2)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinaisFisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinaisLucas Fontes
 
SEMIOLOGIA DIABETES MELLITUS
SEMIOLOGIA DIABETES MELLITUSSEMIOLOGIA DIABETES MELLITUS
SEMIOLOGIA DIABETES MELLITUSERALDO DOS SANTOS
 
As origens da reforma sanitária e do Sistema Único de Saúde
As origens da reforma sanitária e do Sistema Único de SaúdeAs origens da reforma sanitária e do Sistema Único de Saúde
As origens da reforma sanitária e do Sistema Único de SaúdeKarynne Alves do Nascimento
 
Lei 8080 esquematizada
Lei 8080 esquematizadaLei 8080 esquematizada
Lei 8080 esquematizadaEstrategiaConc
 
Resumão Lei 8080 para provas e concursos Odontostation@gmail.com
Resumão Lei 8080 para provas e concursos Odontostation@gmail.comResumão Lei 8080 para provas e concursos Odontostation@gmail.com
Resumão Lei 8080 para provas e concursos Odontostation@gmail.comFlavio Salomao-Miranda
 
Aula nasf
Aula nasfAula nasf
Aula nasfenfgabi
 
História Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-EpidemiologiaHistória Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-EpidemiologiaSamuel J. Tacuana
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaJarquineide Silva
 
1ª história da saúde pública
1ª   história da saúde pública1ª   história da saúde pública
1ª história da saúde públicaHamilton Reis Reis
 
Propedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivasPropedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivasPaulo Alambert
 
Síndromes diarréicas 17
Síndromes diarréicas 17Síndromes diarréicas 17
Síndromes diarréicas 17pauloalambert
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)apemfc
 

Mais procurados (20)

Lei 8080.90
Lei 8080.90Lei 8080.90
Lei 8080.90
 
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinaisFisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinais
 
Saúde Pública
Saúde PúblicaSaúde Pública
Saúde Pública
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
 
SEMIOLOGIA DIABETES MELLITUS
SEMIOLOGIA DIABETES MELLITUSSEMIOLOGIA DIABETES MELLITUS
SEMIOLOGIA DIABETES MELLITUS
 
Vigilância sanitária: Proteção e Defesa da Saúde
Vigilância sanitária: Proteção e Defesa da SaúdeVigilância sanitária: Proteção e Defesa da Saúde
Vigilância sanitária: Proteção e Defesa da Saúde
 
Historico sus
Historico susHistorico sus
Historico sus
 
As origens da reforma sanitária e do Sistema Único de Saúde
As origens da reforma sanitária e do Sistema Único de SaúdeAs origens da reforma sanitária e do Sistema Único de Saúde
As origens da reforma sanitária e do Sistema Único de Saúde
 
Grupos de medicamentos
Grupos de medicamentosGrupos de medicamentos
Grupos de medicamentos
 
Lei 8080 esquematizada
Lei 8080 esquematizadaLei 8080 esquematizada
Lei 8080 esquematizada
 
Resumão Lei 8080 para provas e concursos Odontostation@gmail.com
Resumão Lei 8080 para provas e concursos Odontostation@gmail.comResumão Lei 8080 para provas e concursos Odontostation@gmail.com
Resumão Lei 8080 para provas e concursos Odontostation@gmail.com
 
Aula nasf
Aula nasfAula nasf
Aula nasf
 
História Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-EpidemiologiaHistória Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-Epidemiologia
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
 
1ª história da saúde pública
1ª   história da saúde pública1ª   história da saúde pública
1ª história da saúde pública
 
História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1
 
Propedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivasPropedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivas
 
Síndromes diarréicas 17
Síndromes diarréicas 17Síndromes diarréicas 17
Síndromes diarréicas 17
 
Políticas De Saúde Na Atualidade
Políticas De  Saúde Na  AtualidadePolíticas De  Saúde Na  Atualidade
Políticas De Saúde Na Atualidade
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 

Destaque

Polo palmares virus completo
Polo palmares virus completoPolo palmares virus completo
Polo palmares virus completomarciliosilva01
 
Texto a respeito de contaminados pela aids
Texto a respeito de contaminados pela aidsTexto a respeito de contaminados pela aids
Texto a respeito de contaminados pela aidsnavalanacleto
 
Diferença entre HIV-1 e HIV-2
Diferença entre HIV-1 e HIV-2Diferença entre HIV-1 e HIV-2
Diferença entre HIV-1 e HIV-2Cinthyan Santos
 
Vale a pena LER de novo...
Vale a pena LER de novo...Vale a pena LER de novo...
Vale a pena LER de novo...ISI Engenharia
 
LNH - Linfoma não-Hodgkin
LNH - Linfoma não-HodgkinLNH - Linfoma não-Hodgkin
LNH - Linfoma não-HodgkinJessica Monteiro
 
Condutas em gestantes hiv e sífilis positivas 2
Condutas em gestantes hiv e sífilis positivas 2Condutas em gestantes hiv e sífilis positivas 2
Condutas em gestantes hiv e sífilis positivas 2itsufpr
 

Destaque (11)

Polo palmares virus completo
Polo palmares virus completoPolo palmares virus completo
Polo palmares virus completo
 
Aids tudo sobre
Aids tudo sobreAids tudo sobre
Aids tudo sobre
 
Hiv
HivHiv
Hiv
 
Texto a respeito de contaminados pela aids
Texto a respeito de contaminados pela aidsTexto a respeito de contaminados pela aids
Texto a respeito de contaminados pela aids
 
Diferença entre HIV-1 e HIV-2
Diferença entre HIV-1 e HIV-2Diferença entre HIV-1 e HIV-2
Diferença entre HIV-1 e HIV-2
 
Vale a pena LER de novo...
Vale a pena LER de novo...Vale a pena LER de novo...
Vale a pena LER de novo...
 
Aids e a bioética
Aids e a bioéticaAids e a bioética
Aids e a bioética
 
LNH - Linfoma não-Hodgkin
LNH - Linfoma não-HodgkinLNH - Linfoma não-Hodgkin
LNH - Linfoma não-Hodgkin
 
Condutas em gestantes hiv e sífilis positivas 2
Condutas em gestantes hiv e sífilis positivas 2Condutas em gestantes hiv e sífilis positivas 2
Condutas em gestantes hiv e sífilis positivas 2
 
Aids.2
Aids.2Aids.2
Aids.2
 
DST
DSTDST
DST
 

Semelhante a Aids ane (2) (20)

www.medicinauninter.blogspot.com
www.medicinauninter.blogspot.comwww.medicinauninter.blogspot.com
www.medicinauninter.blogspot.com
 
Medinter
MedinterMedinter
Medinter
 
www.medicinauninter.blogspot.com
www.medicinauninter.blogspot.comwww.medicinauninter.blogspot.com
www.medicinauninter.blogspot.com
 
Resumo tudo sobre AIDS
Resumo tudo sobre AIDSResumo tudo sobre AIDS
Resumo tudo sobre AIDS
 
Sida
SidaSida
Sida
 
Aids
AidsAids
Aids
 
Breve Histórico do HIV
Breve Histórico do HIVBreve Histórico do HIV
Breve Histórico do HIV
 
Texto de imuno iii
Texto de imuno iiiTexto de imuno iii
Texto de imuno iii
 
HIV
HIVHIV
HIV
 
Apresentação sida
Apresentação sida  Apresentação sida
Apresentação sida
 
HIV vs. AIDS
HIV vs. AIDSHIV vs. AIDS
HIV vs. AIDS
 
Agrupamento vertical de escolas dr
Agrupamento vertical de escolas drAgrupamento vertical de escolas dr
Agrupamento vertical de escolas dr
 
Hiv trabalho prof paulo
Hiv trabalho  prof pauloHiv trabalho  prof paulo
Hiv trabalho prof paulo
 
Aids
AidsAids
Aids
 
Aids
AidsAids
Aids
 
Herpes vírus e vírus hiv
Herpes vírus e vírus hivHerpes vírus e vírus hiv
Herpes vírus e vírus hiv
 
Aids (1)
Aids (1)Aids (1)
Aids (1)
 
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
 
seminariohivslides-161017165137 (1).pdf
seminariohivslides-161017165137 (1).pdfseminariohivslides-161017165137 (1).pdf
seminariohivslides-161017165137 (1).pdf
 
Dia mundial da luta contra a sida
Dia mundial da luta contra a sidaDia mundial da luta contra a sida
Dia mundial da luta contra a sida
 

Mais de Altair Hoepers (20)

Bioquimica celular
Bioquimica celularBioquimica celular
Bioquimica celular
 
A celula
A celulaA celula
A celula
 
Ciclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicosCiclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicos
 
Membrana celular
Membrana celularMembrana celular
Membrana celular
 
O nucleo celular
O nucleo celularO nucleo celular
O nucleo celular
 
O citoplasma celular
O citoplasma celularO citoplasma celular
O citoplasma celular
 
Tecido conjuntivo
Tecido conjuntivoTecido conjuntivo
Tecido conjuntivo
 
Tecido epitelial
Tecido epitelialTecido epitelial
Tecido epitelial
 
12333
1233312333
12333
 
Diversidade celular
Diversidade celularDiversidade celular
Diversidade celular
 
Gametogenese
GametogeneseGametogenese
Gametogenese
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Reproducao
ReproducaoReproducao
Reproducao
 
Vegetais superiores
Vegetais superioresVegetais superiores
Vegetais superiores
 
Vegetacao global
Vegetacao globalVegetacao global
Vegetacao global
 
Relacoes entre os_seres_vivos
Relacoes entre os_seres_vivosRelacoes entre os_seres_vivos
Relacoes entre os_seres_vivos
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Protocordados
ProtocordadosProtocordados
Protocordados
 
Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
 

Último

DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasCasa Ciências
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 

Último (20)

DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 

Aids ane (2)

  • 1.  Primeiros casos: homossexuais masculinos com evidência de profunda Síndrome de Imunodeficiência (1981);  Principal forma de transmissão: contato sexual;  Mais freqüente entre heterossexuais do que homossexuais masculinos;  Transmissão parenteral entre usuários de drogas intravenosas;  São raros os casos de infecção por via parenteral entre profissionais da saúde;  Crianças são infectadas, em geral, via transmissão perinatal.
  • 2.  A freqüência de infecção entre as mulheres vem crescendo;  Na atualidade, estima-se que 50% dos portadores do HIV sejam mulheres;  A maioria dos casos de Aids ocorre em adultos com 25 a 44 anos;  Indivíduos <15 anos totalizam aproximadamente 10% dos casos;  O curso da infecção se caracteriza por uma fase inicial de latência;  Tempo médio de progressão da infecção à Aids: 11 anos.
  • 3. HIV – AIDS A AIDS é uma doença que se manifesta após a infecção do organismo humano pelo Vírus da Imunodeficiência Humana, mais conhecido como HIV. Síndrome Grupo de sinais e sintomas que, uma vez considerados em conjunto, caracterizam uma doença. Imunodeficiência Inabilidade do sistema de defesa do organismo humano para se proteger contra microorganismos invasores, tais como: vírus, bactérias, protozoários, etc. Adquirida Não é congênita como no caso de outras imunodeficiências. A AIDS não é causada espontaneamente, mas por um fator externo (a infecção pelo HIV).
  • 4. HIV - Vírus da Imunodeficiência Humana
  • 5. O HIV destrói os linfócitos - células responsáveis pela defesa do nosso organismo -, tornando a pessoa vulnerável a outras infecções e doenças oportunistas, chamadas assim por surgirem nos momentos em que o sistema imunológico do indivíduo está enfraquecido.
  • 6. HIV atacando linfócito T auxiliar (leucócito) O vírus HIV (em vermelho) ataca preferencialmente o leucócito (branco) denominado por linfócito T auxiliar. O vírus penetra nesta célula e a destrói. O linfócito T auxiliar tem a função de coordenar a função de defesa imunológica contra vírus, bactérias e fungos. A sua destruição pelo vírus HIV dá início à deficiência imunológica. Microscopia de varredura: aumento de 20.000 vezes. www.ciencianews.com.br/unicel/4pg.htm
  • 7.  Família Lentiviridae, subgrupo dos retro vírus;  Família caracterizada por latência, viremia persistente, infecção do sistema nervoso e fraca resposta imune;  Apresenta alta afinidade pelos linfócitos T e monócitos;  Replica seu genoma com geração de cópia de DNA, via transcrição reversa;  DNA viral se incorpora no genoma do hospedeiro. O HIV
  • 8.  A Estrutura do HIV:
  • 9.  O Ciclo de Vida do HIV: 1) Adsorção 2) Penetração 3) Desnudamento e Geração do Provirus 4) Replicação 5) Maturação, Montagem e Liberação
  • 10. Vírus HIV introduzindo seu material genético no linfócito T auxiliar Os vírus HIV (em vermelho) no momento que reagem com receptores de membrana do linfócito T auxiliar, abrem “buracos” para introduzirem seu material genético RNA (em verde). Microscopia eletrônica de varredura: 360.000 vezes. www.ciencianews.com.br/unicel/4pg.htm
  • 11.  Drogas Anti-HIV: • Inibidores da Transcrição Reversa • Inibidores da Protease • Inibidores da Fusão do Envelope Viral com a Membrana Celular
  • 12. Sintomas Febre persistente, calafrios, dor de cabeça, dor de garganta, dores musculares, manchas na pele, gânglios ou ínguas embaixo do braço, no pescoço ou na virilha e que podem levar muito tempo para desaparecer. Com a progressão da doença e com o comprometimento do sistema imunológico do indivíduo, começam a surgir doenças oportunistas, tais como: tuberculose, pneumonia, alguns tipos de câncer, candidíase e infecções do sistema nervoso (meningites, por exemplo). O Sarcoma de Kaposi é uma forma de cancro rara e que se desenvolve em várias pessoas que apresentam AIDS. É caracterizado pela proliferação anormal de estruturas vasculares da pele e alguns órgãos internos.
  • 13. Formas de contágio O HIV pode ser transmitido pelo sangue, sêmen, secreção vaginal e pelo leite materno. VERDADEIRO SEXO VAGINAL SEM CAMISINHA; SEXO ORAL SEM CAMISINHA; Uso da mesma seringa ou agulha por mais de uma pessoa; Transfusão de sangue contaminado; Mãe infectada pode passar o HIV para o filho durante a gravidez, o parto e a amamentação; Instrumentos que furam ou cortam, não esterilizados.
  • 14. FALSO Sexo, desde que se use corretamente a camisinha; Masturbação a dois; Beijo no rosto ou na boca; Suor e lágrima; Picada de inseto; Aperto de mão ou abraço; Talheres / copos; Assento de ônibus; Piscina, banheiros, pelo ar; Doação de sangue; Sabonete / toalha / lençóis.
  • 15. Testes para o diagnóstico da infecção pelo HIV O diagnóstico da infecção pelo HIV é feito por meio de testes, realizados a partir da coleta de uma amostra de sangue. Esses testes podem ser realizados em unidades básicas de saúde, em Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA) e em laboratórios particulares. Nos CTA, o teste anti-HIV pode ser feito de forma anônima e gratuita. Nesses Centros, além da coleta e da execução dos testes, há um processo de aconselhamento, antes e depois do teste, feito de forma cuidadosa a fim de facilitar a correta interpretação do resultado, tanto pelo profissional de saúde como pelo paciente. Todos os testes devem ser realizados de acordo com a norma definida pelo Ministério da Saúde e com produtos registrados na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA/MS) e por ela controlados.
  • 16. Período de transmissão Desde o momento da infecção até à morte, uma vez que se trata de uma doença para a qual ainda não existe cura. O cadáver poderá manter-se infectando por um período de cerca de 8 dias, ou mais se for submetido a refrigeração (atendendo a que o vírus pode manter-se vivo em sangue coagulado durante 8 dias).
  • 17. Cuidados que portador deve ter: Precauções com o sangue; Relações sexuais com preservativo ou abstinência sexual; diminuição dos parceiros sexuais; Para prevenir a contaminação de recém-nascidos de mães soropositivas, está demonstrado que a cesariana reduz em cerca de 50% o risco de transmissão e, se for utilizado o AZT como medicação durante a gestação e o parto, o risco pode ser reduzido em quase 90%. Os soropositivos deverão evitar a todo o custo outras viroses e infecções porque estas funcionam como estímulos à replicação do HIV latente; Os soropositivos deverão evitar continuarem a ter comportamentos de risco porque novas inoculações aumentam a progressão para a fase final de AIDS; Terapia com medicação que inibe a transcriptase reversa.
  • 18. Preservativo Falso Texturizado linhas circulares Preservativo Falso Texturizado pontos "DOTS" Preservativo Falso Texturizado pontos "DOTS" Formato Anatômico Preservativo Verdadeiro Olla (paralelo liso) Não existe um padrão de falsificação comum. Segundo a assessoria de imprensa da Anvisa, as diferenças entre o produto original e o fraudado geralmente são sutis, vão desde a cor do preservativo até o picotado da embalagem e o número de lotes igual. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)
  • 19. Também fique atento a outras recomendações: Não compre produtos em feiras livres, mercados pequenos ou camelôs. A incidência de preservativos falsificados aumenta nesses locais, segundo dados da assessoria de imprensa da Anvisa. Exija sempre a nota fiscal. É a sua garantia em caso de problemas. Observe se a embalagem não está violada. Dê preferência para as camisinhas lubrificadas, porque o risco de ruptura é menor. Só compre produtos que tenham o selo de certificação do Inmetro e confira a data de validade. Normalmente os preservativos valem por três anos. Leia as instruções contidas na embalagem. É muito importante saber colocar bem a camisinha para evitar que ela se desprenda ou rompa durante o ato sexual.