SlideShare uma empresa Scribd logo
MEMORIAL DO
CONVENTO
TEMPO E ESPAÇO
TEMPO HISTÓRICO
 Início do século XVIII, reinado de
D. João V.
 Período caracterizado pela ostentação e
riqueza propiciada pelo ouro do Brasil que,
apesar de chegar a Portugal em fluxos de
grande abundância, não contribuiu para o
desenvolvimento económico do país, em
grande medida devido ao esbanjamento do rei
e da corte.
TEMPO HISTÓRICO
 O Absolutismo político e a Inquisição
comandavam com mão de ferro uma
sociedade do espetáculo e repressão em que
os ricos tudo podiam e os pobres apenas
contavam com a miséria.
 O romance oferece-nos quadros que
representam a vida na corte, ao autos de fé,
as procissões, as touradas, e Entrudo.
Tempo da história narrada e
tempo do discurso
 Podemos situar a ação no período que
decorre entre 1711 e 1739, ou seja, a ação
decorre ao longo de 28 anos.
 A primeira data é deduzida pelas indicações
que, logo de início, são dadas sobre a idade e
o tempo do casamento do rei.
 A segunda data, temos de ter em conta o ano
em que morreu o dramaturgo António José da
Silva, queimado, segundo o romance, no
mesmo auto de fé de Baltasar.
Tempo da história narrada e
tempo do discurso
 Memorial do Convento é um romance no qual
a passagem do tempo se faz sentir, não
apenas pelo desenvolvimento da intriga, mas
sobretudo através do crescimento e
envelhecimento das personagens.
Tempo da história narrada e
tempo do discurso
 Muitas datas e outros informantes permitem-nos
acompanhar o desenvolvimento temporal da ação
que, de facto, apresenta uma construção
cronológica.
 Apesar desse desenvolvimento cronológico,
verificam-se analepses e prolepses. Estas
últimas estão intimamente relacionadas com a
singularidade do narrador que, por vezes, insinua
saltos no tempo, aproximando a época de D.
João e o presente.
Tempo da história narrada e
tempo do discurso
 “quando um dia se acabarem palmos e pés
por se terem achado metros de terra, irão
outros homens a tirar outras medidas e
encontrarão sete metros, três metros,
sessenta e quatro centímetros (…) também os
pesos velhos levaram o caminho das medidas
velhas, em vez de duas diremos que o peso
da pedra da varanda da casa a que se
chamará Benedictione é de trinta e um mil e
vinte quilos” (cap. XIX)
Tempo da história narrada e
tempo do discurso
 Exemplos:
 “já vem muito longe, como se observa, este
gosto português pelo verde e pelo encarnado,
que, em vindo a república, dará bandeira.”
 “Tem aos seus pés o mar novo e as mortas
eras, o único imperador que tem, deveras, o
globo mundo em sua mão, este tal foi o infante
D. Henrique, consoante o louvará um poeta
por ora ainda não nascido.”
ESPAÇO FÍSICO
 São muitas as referências ao espaço físico,
sobretudo aos espaços exteriores – as ruas, os
campos, os inúmeros caminhos.
 Com o narrador e as personagens, vemos as
ruas imundas de Lisboa setecentista, o Tejo,
caminho aquático de gentes e mercadorias; os
deslumbrantes e temíveis caminhos do ar, os
caminhos convergentes de Mafra, perigosos
para quem transportou a gigantesca pedra;
ESPAÇO FÍSICO
 Finalmente, os longos e pedregosos caminhos
que calejaram os pés de Blimunda na sua
procura de nove anos de Baltasar.
 Note-se que não são muito longas as
descrições, só contendo os elementos
suficientes para enquadrar as ações humanas
às quais o narrador dedica a sua atenção
mais minuciosamente.
ESPAÇO FÍSICO
 Quanto aos espaços interiores, é gritante o
contraste entre o esplendor barroco de igrejas
e palácios e a pobreza das casas habitadas
pelo povo, ou pior ainda, os barracões
aviltantes da “ilha da Madeira”
ESPAÇO PSICOLÓGICO
 Os sonhos do rei e da rainha contrastam
radicalmente com os das restantes
personagens pela evidência do desamor: o rei
sonha com a sua própria grandeza e
imortalidade, com a descendência e com o
convento, a rainha sonha com o cunhado
(cap. I).
ESPAÇO PSICOLÓGICO
 Nos sonhos de Baltasar estão Blimunda, o
trabalho, os animais, a aterra, o ar.
 Baltasar e Blimunda têm um sonho comum, o
mesmo que partilham acordados com o Padre
Bartolomeu, a confirmar o profundo
envolvimento de todos naquela obra, ao
contrário da construção do convento,
executada à custa do trabalho de muitos, para
realização do sonho de um só homem – o rei.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Memorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. IIIMemorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. III
12º A Golegã
 
«A Mensagem» de Fernando Pessoa
«A Mensagem» de Fernando Pessoa«A Mensagem» de Fernando Pessoa
«A Mensagem» de Fernando Pessoa
AlexandreRodrigues232310
 
O ano da morte de r. reis
O ano da morte de r. reisO ano da morte de r. reis
O ano da morte de r. reis
natttaas
 
Frei Luís de Sousa- Resumo das cenas
Frei Luís de Sousa- Resumo das cenasFrei Luís de Sousa- Resumo das cenas
Frei Luís de Sousa- Resumo das cenas
Nome Sobrenome
 
Resumo - Memorial do Convento
Resumo - Memorial do ConventoResumo - Memorial do Convento
Resumo - Memorial do Convento
Mariana Hiyori
 
Modalidade do verbo
Modalidade do verboModalidade do verbo
Modalidade do verbo
Ana Martins
 
Memorial do convento narrador, espaço e tempo
Memorial do convento narrador, espaço e tempoMemorial do convento narrador, espaço e tempo
Memorial do convento narrador, espaço e tempo
António Teixeira
 
Capítulo xv memorial do convento
Capítulo xv   memorial do conventoCapítulo xv   memorial do convento
Capítulo xv memorial do convento
12anogolega
 
Memorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. VMemorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. V
12º A Golegã
 
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
Ana Cristina Matias
 
A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa
balolas
 
Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo
Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/NeopaganismoRicardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo
Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo
Telma Carvalho
 
Memorial Do Convento
Memorial Do ConventoMemorial Do Convento
Memorial Do Convento
ESVieira do Minho
 
Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloMemorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estilo
FilipaFonseca
 
49461743-A-Farsa-de-Ines-Pereira-analise.pdf
49461743-A-Farsa-de-Ines-Pereira-analise.pdf49461743-A-Farsa-de-Ines-Pereira-analise.pdf
49461743-A-Farsa-de-Ines-Pereira-analise.pdf
MarianaAlmeida674808
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
CatarinaNeivas
 
Memorial do convento, cap. 13 14
Memorial do convento,  cap. 13 14Memorial do convento,  cap. 13 14
Memorial do convento, cap. 13 14
Ana Teresa
 
O amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do ConventoO amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do Convento
António Teixeira
 
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptxO imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
CecliaGomes25
 
Memorial do convento_[1]
Memorial do convento_[1]Memorial do convento_[1]
Memorial do convento_[1]
quintaldasletras
 

Mais procurados (20)

Memorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. IIIMemorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. III
 
«A Mensagem» de Fernando Pessoa
«A Mensagem» de Fernando Pessoa«A Mensagem» de Fernando Pessoa
«A Mensagem» de Fernando Pessoa
 
O ano da morte de r. reis
O ano da morte de r. reisO ano da morte de r. reis
O ano da morte de r. reis
 
Frei Luís de Sousa- Resumo das cenas
Frei Luís de Sousa- Resumo das cenasFrei Luís de Sousa- Resumo das cenas
Frei Luís de Sousa- Resumo das cenas
 
Resumo - Memorial do Convento
Resumo - Memorial do ConventoResumo - Memorial do Convento
Resumo - Memorial do Convento
 
Modalidade do verbo
Modalidade do verboModalidade do verbo
Modalidade do verbo
 
Memorial do convento narrador, espaço e tempo
Memorial do convento narrador, espaço e tempoMemorial do convento narrador, espaço e tempo
Memorial do convento narrador, espaço e tempo
 
Capítulo xv memorial do convento
Capítulo xv   memorial do conventoCapítulo xv   memorial do convento
Capítulo xv memorial do convento
 
Memorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. VMemorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. V
 
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
 
A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa
 
Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo
Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/NeopaganismoRicardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo
Ricardo Reis- Classicismo e Paganismo/Neopaganismo
 
Memorial Do Convento
Memorial Do ConventoMemorial Do Convento
Memorial Do Convento
 
Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloMemorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estilo
 
49461743-A-Farsa-de-Ines-Pereira-analise.pdf
49461743-A-Farsa-de-Ines-Pereira-analise.pdf49461743-A-Farsa-de-Ines-Pereira-analise.pdf
49461743-A-Farsa-de-Ines-Pereira-analise.pdf
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
 
Memorial do convento, cap. 13 14
Memorial do convento,  cap. 13 14Memorial do convento,  cap. 13 14
Memorial do convento, cap. 13 14
 
O amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do ConventoO amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do Convento
 
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptxO imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
 
Memorial do convento_[1]
Memorial do convento_[1]Memorial do convento_[1]
Memorial do convento_[1]
 

Destaque

Memorial do Convento: o tempo histórico
Memorial do Convento: o tempo históricoMemorial do Convento: o tempo histórico
Memorial do Convento: o tempo histórico
mariacel
 
Memorial de um convento
Memorial  de um conventoMemorial  de um convento
Memorial de um convento
Marcos Alex
 
Aulas digitais memorial do convento
Aulas digitais memorial do conventoAulas digitais memorial do convento
Aulas digitais memorial do convento
Dulce Gomes
 
Memorial do convento - Personagens
Memorial do convento - PersonagensMemorial do convento - Personagens
Memorial do convento - Personagens
MiguelavRodrigues
 
Diapositivos de Apoio à Apresentação de "Memorial do Convento"
Diapositivos de Apoio à Apresentação de "Memorial do Convento"Diapositivos de Apoio à Apresentação de "Memorial do Convento"
Diapositivos de Apoio à Apresentação de "Memorial do Convento"
Vitor Peixoto
 
Real vs. Ficcional (MEMORIAL DO CONVENTO)
Real vs. Ficcional (MEMORIAL DO CONVENTO)Real vs. Ficcional (MEMORIAL DO CONVENTO)
Real vs. Ficcional (MEMORIAL DO CONVENTO)
Teresa Ferreira
 
Capítulo i power point(1)
Capítulo i   power point(1)Capítulo i   power point(1)
Capítulo i power point(1)
12anogolega
 
Simbologia de Memorial do Convento
Simbologia de Memorial do ConventoSimbologia de Memorial do Convento
Simbologia de Memorial do Convento
Rui Couto
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
Dina Baptista
 

Destaque (9)

Memorial do Convento: o tempo histórico
Memorial do Convento: o tempo históricoMemorial do Convento: o tempo histórico
Memorial do Convento: o tempo histórico
 
Memorial de um convento
Memorial  de um conventoMemorial  de um convento
Memorial de um convento
 
Aulas digitais memorial do convento
Aulas digitais memorial do conventoAulas digitais memorial do convento
Aulas digitais memorial do convento
 
Memorial do convento - Personagens
Memorial do convento - PersonagensMemorial do convento - Personagens
Memorial do convento - Personagens
 
Diapositivos de Apoio à Apresentação de "Memorial do Convento"
Diapositivos de Apoio à Apresentação de "Memorial do Convento"Diapositivos de Apoio à Apresentação de "Memorial do Convento"
Diapositivos de Apoio à Apresentação de "Memorial do Convento"
 
Real vs. Ficcional (MEMORIAL DO CONVENTO)
Real vs. Ficcional (MEMORIAL DO CONVENTO)Real vs. Ficcional (MEMORIAL DO CONVENTO)
Real vs. Ficcional (MEMORIAL DO CONVENTO)
 
Capítulo i power point(1)
Capítulo i   power point(1)Capítulo i   power point(1)
Capítulo i power point(1)
 
Simbologia de Memorial do Convento
Simbologia de Memorial do ConventoSimbologia de Memorial do Convento
Simbologia de Memorial do Convento
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 

Semelhante a Memorial do convento tempo e espaço (1)

3315
33153315
01 Box Os Lusiadas Luis de Camoes.pdf
01 Box Os Lusiadas Luis de Camoes.pdf01 Box Os Lusiadas Luis de Camoes.pdf
01 Box Os Lusiadas Luis de Camoes.pdf
MarceloA17
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 111-112
luisprista
 
Memorial categoriasdaobra
Memorial categoriasdaobraMemorial categoriasdaobra
Memorial categoriasdaobra
ritasantos123
 
Portugal de Quinhentos e saber experimental
Portugal de Quinhentos e saber experimentalPortugal de Quinhentos e saber experimental
Portugal de Quinhentos e saber experimental
Maria Luísa de Castro Soares
 
Slides Humanismo
Slides   HumanismoSlides   Humanismo
Slides Humanismo
ISJ
 
Humanismo2
Humanismo2Humanismo2
Humanismo2
Dani Bertollo
 
Memorial
MemorialMemorial
Resumão de Literatura - parte 1.ppt estudar literatura nunca foi tão fácilx
Resumão de Literatura - parte 1.ppt estudar literatura nunca foi tão fácilxResumão de Literatura - parte 1.ppt estudar literatura nunca foi tão fácilx
Resumão de Literatura - parte 1.ppt estudar literatura nunca foi tão fácilx
AnaClaraNeves4
 
Inf historia 11
Inf historia 11Inf historia 11
Inf historia 11
Izaac Erder
 
O tempo e o vento o continent - erico verissimo
O tempo e o vento   o continent - erico verissimoO tempo e o vento   o continent - erico verissimo
O tempo e o vento o continent - erico verissimo
Patrick François Jarwoski
 
O tempo e o vento o continent - erico verissimo
O tempo e o vento   o continent - erico verissimoO tempo e o vento   o continent - erico verissimo
O tempo e o vento o continent - erico verissimo
Patrick François Jarwoski
 
musica no tempo de d. joão V
musica no tempo de d. joão Vmusica no tempo de d. joão V
musica no tempo de d. joão V
Andreia Dias
 
PêRo Vaz De Caminha Escreveu Um Texto Que é Considerado
PêRo Vaz De Caminha Escreveu Um Texto Que é ConsideradoPêRo Vaz De Caminha Escreveu Um Texto Que é Considerado
PêRo Vaz De Caminha Escreveu Um Texto Que é Considerado
guestc974ab
 
Reformas pombalinas urbanismo1
Reformas pombalinas urbanismo1Reformas pombalinas urbanismo1
Reformas pombalinas urbanismo1
Maria Gomes
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Jornalismo literário no brasil
Jornalismo literário no brasilJornalismo literário no brasil
Jornalismo literário no brasil
1960RobertoNicolato
 
Cronica d. pedro
Cronica d. pedroCronica d. pedro
Cronica d. pedro
Cidalia Silva
 
Historia lit
Historia litHistoria lit
Historia lit
literafro
 
Os lusíadas- Canto VII
Os lusíadas- Canto VIIOs lusíadas- Canto VII
Os lusíadas- Canto VII
Vivianne Macedo Cordeiro
 

Semelhante a Memorial do convento tempo e espaço (1) (20)

3315
33153315
3315
 
01 Box Os Lusiadas Luis de Camoes.pdf
01 Box Os Lusiadas Luis de Camoes.pdf01 Box Os Lusiadas Luis de Camoes.pdf
01 Box Os Lusiadas Luis de Camoes.pdf
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 111-112
 
Memorial categoriasdaobra
Memorial categoriasdaobraMemorial categoriasdaobra
Memorial categoriasdaobra
 
Portugal de Quinhentos e saber experimental
Portugal de Quinhentos e saber experimentalPortugal de Quinhentos e saber experimental
Portugal de Quinhentos e saber experimental
 
Slides Humanismo
Slides   HumanismoSlides   Humanismo
Slides Humanismo
 
Humanismo2
Humanismo2Humanismo2
Humanismo2
 
Memorial
MemorialMemorial
Memorial
 
Resumão de Literatura - parte 1.ppt estudar literatura nunca foi tão fácilx
Resumão de Literatura - parte 1.ppt estudar literatura nunca foi tão fácilxResumão de Literatura - parte 1.ppt estudar literatura nunca foi tão fácilx
Resumão de Literatura - parte 1.ppt estudar literatura nunca foi tão fácilx
 
Inf historia 11
Inf historia 11Inf historia 11
Inf historia 11
 
O tempo e o vento o continent - erico verissimo
O tempo e o vento   o continent - erico verissimoO tempo e o vento   o continent - erico verissimo
O tempo e o vento o continent - erico verissimo
 
O tempo e o vento o continent - erico verissimo
O tempo e o vento   o continent - erico verissimoO tempo e o vento   o continent - erico verissimo
O tempo e o vento o continent - erico verissimo
 
musica no tempo de d. joão V
musica no tempo de d. joão Vmusica no tempo de d. joão V
musica no tempo de d. joão V
 
PêRo Vaz De Caminha Escreveu Um Texto Que é Considerado
PêRo Vaz De Caminha Escreveu Um Texto Que é ConsideradoPêRo Vaz De Caminha Escreveu Um Texto Que é Considerado
PêRo Vaz De Caminha Escreveu Um Texto Que é Considerado
 
Reformas pombalinas urbanismo1
Reformas pombalinas urbanismo1Reformas pombalinas urbanismo1
Reformas pombalinas urbanismo1
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Jornalismo literário no brasil
Jornalismo literário no brasilJornalismo literário no brasil
Jornalismo literário no brasil
 
Cronica d. pedro
Cronica d. pedroCronica d. pedro
Cronica d. pedro
 
Historia lit
Historia litHistoria lit
Historia lit
 
Os lusíadas- Canto VII
Os lusíadas- Canto VIIOs lusíadas- Canto VII
Os lusíadas- Canto VII
 

Último

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 

Último (20)

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 

Memorial do convento tempo e espaço (1)

  • 2. TEMPO HISTÓRICO  Início do século XVIII, reinado de D. João V.  Período caracterizado pela ostentação e riqueza propiciada pelo ouro do Brasil que, apesar de chegar a Portugal em fluxos de grande abundância, não contribuiu para o desenvolvimento económico do país, em grande medida devido ao esbanjamento do rei e da corte.
  • 3. TEMPO HISTÓRICO  O Absolutismo político e a Inquisição comandavam com mão de ferro uma sociedade do espetáculo e repressão em que os ricos tudo podiam e os pobres apenas contavam com a miséria.  O romance oferece-nos quadros que representam a vida na corte, ao autos de fé, as procissões, as touradas, e Entrudo.
  • 4. Tempo da história narrada e tempo do discurso  Podemos situar a ação no período que decorre entre 1711 e 1739, ou seja, a ação decorre ao longo de 28 anos.  A primeira data é deduzida pelas indicações que, logo de início, são dadas sobre a idade e o tempo do casamento do rei.  A segunda data, temos de ter em conta o ano em que morreu o dramaturgo António José da Silva, queimado, segundo o romance, no mesmo auto de fé de Baltasar.
  • 5. Tempo da história narrada e tempo do discurso  Memorial do Convento é um romance no qual a passagem do tempo se faz sentir, não apenas pelo desenvolvimento da intriga, mas sobretudo através do crescimento e envelhecimento das personagens.
  • 6. Tempo da história narrada e tempo do discurso  Muitas datas e outros informantes permitem-nos acompanhar o desenvolvimento temporal da ação que, de facto, apresenta uma construção cronológica.  Apesar desse desenvolvimento cronológico, verificam-se analepses e prolepses. Estas últimas estão intimamente relacionadas com a singularidade do narrador que, por vezes, insinua saltos no tempo, aproximando a época de D. João e o presente.
  • 7. Tempo da história narrada e tempo do discurso  “quando um dia se acabarem palmos e pés por se terem achado metros de terra, irão outros homens a tirar outras medidas e encontrarão sete metros, três metros, sessenta e quatro centímetros (…) também os pesos velhos levaram o caminho das medidas velhas, em vez de duas diremos que o peso da pedra da varanda da casa a que se chamará Benedictione é de trinta e um mil e vinte quilos” (cap. XIX)
  • 8. Tempo da história narrada e tempo do discurso  Exemplos:  “já vem muito longe, como se observa, este gosto português pelo verde e pelo encarnado, que, em vindo a república, dará bandeira.”  “Tem aos seus pés o mar novo e as mortas eras, o único imperador que tem, deveras, o globo mundo em sua mão, este tal foi o infante D. Henrique, consoante o louvará um poeta por ora ainda não nascido.”
  • 9. ESPAÇO FÍSICO  São muitas as referências ao espaço físico, sobretudo aos espaços exteriores – as ruas, os campos, os inúmeros caminhos.  Com o narrador e as personagens, vemos as ruas imundas de Lisboa setecentista, o Tejo, caminho aquático de gentes e mercadorias; os deslumbrantes e temíveis caminhos do ar, os caminhos convergentes de Mafra, perigosos para quem transportou a gigantesca pedra;
  • 10. ESPAÇO FÍSICO  Finalmente, os longos e pedregosos caminhos que calejaram os pés de Blimunda na sua procura de nove anos de Baltasar.  Note-se que não são muito longas as descrições, só contendo os elementos suficientes para enquadrar as ações humanas às quais o narrador dedica a sua atenção mais minuciosamente.
  • 11. ESPAÇO FÍSICO  Quanto aos espaços interiores, é gritante o contraste entre o esplendor barroco de igrejas e palácios e a pobreza das casas habitadas pelo povo, ou pior ainda, os barracões aviltantes da “ilha da Madeira”
  • 12. ESPAÇO PSICOLÓGICO  Os sonhos do rei e da rainha contrastam radicalmente com os das restantes personagens pela evidência do desamor: o rei sonha com a sua própria grandeza e imortalidade, com a descendência e com o convento, a rainha sonha com o cunhado (cap. I).
  • 13. ESPAÇO PSICOLÓGICO  Nos sonhos de Baltasar estão Blimunda, o trabalho, os animais, a aterra, o ar.  Baltasar e Blimunda têm um sonho comum, o mesmo que partilham acordados com o Padre Bartolomeu, a confirmar o profundo envolvimento de todos naquela obra, ao contrário da construção do convento, executada à custa do trabalho de muitos, para realização do sonho de um só homem – o rei.