SlideShare uma empresa Scribd logo
20/05/2019
PROGRAMA RIO PINHEIROSPROGRAMA RIO PINHEIROS
CONTROLE DE MOSQUITOSCONTROLE DE MOSQUITOS Culex quinquefasciatus
Culex quinquefasciatus
PARCERIA PMSP e EMAEPARCERIA PMSP e EMAE
INÍCIO DO PROGRAMA JUNHO/2003INÍCIO DO PROGRAMA JUNHO/2003
O mosquito Culex quinquefasciatus, é trópico cosmopolita. Ocorre, basicamente, nas porções norte da Argentina e na Oceania. Ocorre em todo o Brasil, mas com distribuição e
abundância fortemente influenciadas pela presença do homem. É encontrado em maior quantidade nos aglomerados humanos, dentro das cidades e vilas rurais.
Seus criadouros preferenciais são os depósitos artificiais, no solo ou em recipientes, com água rica em matéria orgânica em decomposição e detritos, de aspecto sujo e mal cheiroso. É
mais freqüente nos meses quentes e chuvosos, pois a água das chuvas que se acumula no solo e nos recipientes amplia seus criadouros. Possui como característica principal a
antropofilia e secundária a ornitofilia.
Quanto a transmissão de doenças, está diretamente relacionada à filariose bancroftiana e a arboviroses como Saint Louis, Encefalites Eqüinas do Leste, Oeste e Venezuelana e, no Brasil,
está relacionada à presença de casos de Oropouche.
O mosquito Culex é r-estrategistas e possui estratégias de sobrevivência e são colonizadores de habitats instáveis com elevada fecundidade, ciclo de vida curto, com flutuações naturais
acentuadas com oviposição de 500 - 700 ovos fêmea com 13 a 17 gerações/ano.
Para as espécies r estrategistas,a capacidade de suporte não é um fator restritivo, com indivíduos com tempo de vida mais curto, e que tendem a não apresentar cuidado com a prole. Em
termos gerais, as espécies com estratégia demográfica de tipo selecção “r” exploram nichos ecológicos vazios, e produzem um elevado número de descendentes a cada ciclo reprodutivo,
ainda que cada um tenha poucas hipóteses individuais de sobreviver até à idade adulta. Podem apresentar picos populacionais.
O C. quinquefasciatus é uma espécie muito bem estabelecida em ambientes urbanos, onde a atividade humana resulta na formação de múltiplas coleções aquáticas ricas em matéria
orgânica, detergentes e outros poluentes. Estas condições – em especial a elevada concentração de detergentes em certos habitats – são limitantes para outras espécies de culicídeos e
outros invertebrados, incluindo predadores, parasitas e competidores, resultando em prejuízo da regulação natural da densidade populacional do C. quinquefasciatus. Este fato, associado
a fatores climáticos que favorecem um curto ciclo biológico (duas gerações mensais) e à grande disponibilidade de habitats ideais, resulta em elevadíssimas densidades populacionais do
vetor em certas áreas, como em outras cidades brasileiras.
Nestas condições, a população de Culex se recompõe em curto tempo, após medidas esporádicas de controle
culex
quinquefasciatus
culex
chidestri
culex
lygrus
culex sp outros TOTAL
America Business-Centro Empresarial 1.101 5 - 5 8 1.119
Avon cosméticos Ltda 73 - 1 - 14 88
Banco Santos 122 - - - 0 122
Bayer S.A. 18.628 279 194 88 348 19.537
Camargo Campos S.A.Engenharia e Comércio 9.357 37 37 59 1.047 10.537
Caraíga Veículos Ltda 1.600 - - 2 9 1.611
Carrefour(Pinheiros) 359 - - - 1 360
Ceagesp 1.223 - 1 3 11 1.238
CET-Pinheiros 13.304 - 1 23 229 13.557
Shopping Fiesta 667 - - - 24 691
Total de Culicídeos capturados utilizando armadilhas luminosas instaladas próximas as margens
do rio Pinheiros no ano de 2004
LOCAL
20042004
Shopping Fiesta 667 - - - 24 691
Helicidade 1.790 - - - 30 1.820
Hyatt Hotel 1.506 1 2 6 1 1.516
Jockey Club de São Paulo 195 - - - 1 196
Projeto Pomar 85.321 10 107 1.301 2.698 89.437
Shopping SP Market 5.163 - 3 - 90 5.256
Usina Elevatória Traição 731 - - - 1 732
USP-raia olímpica 1.472 1 - 29 74 1.576
Shopping Vila Lobos 2.962 - - 4 46 3.012
FONTELAB-FAUNA COORDENAÇÃO/CCZ/COVISA
1.520 4.632 152.405TOTAL 145.574 333 346
MONITORAMENTO RIO PINHEIROS
PARCERIA EMAE PMSPPARCERIA EMAE PMSP
CANAL GUARAPIRANGA
O Canal Guarapiranga tinha como objetivo original reservar água para suprir o
Reservatório Billings em situações de carência no Rio Tietê. Através desse canal,
a água descarregada pelas comportas e vertedouro livre da Barragem do
Guarapiranga chega ao Canal Pinheiros. Possui 1.875 m de comprimento e tem
como seu principal afluente o Córrego Ponte Baixa.
CANAL PINHEIROS
O Canal Pinheiros que teve origem na retificação do Rio Pinheiros, iniciada no
final da década de 30 e concluída em 1957. Tinha como principal objetivo o
aumento da geração na Usina Henry Borden, através da reversão de suasaumento da geração na Usina Henry Borden, através da reversão de suas
águas e as do Rio Tietê para o Reservatório Billings. A Usina Elevatória de
Traição divide esse canal em dois: o Canal Pinheiros Inferior, com 10.083 m ,
trecho compreendido entre a confluência com o Rio Tietê (" Cebolão ") e a
Usina Elevatória de Traição, e o Canal Pinheiros Superior, com 15.461 m,
trecho compreendido entre as usinas elevatórias de Traição e Pedreira.
RIO PINHEIROSRIO PINHEIROS:
CANAL INFERIOR: 10.083m
CANAL SUPERIOR: 15.461m
CANAL GUARAPIRANGA: 1.875m
VAZÃO: 10m³/segundo
PROFUNDIDADE: 3m
LANÇAMENTO DE ESGOTO: 4.000 litros/segundo
ÁREA TOTAL: 27.419m = 28 Km x2 = 56 km = 56.000m x 10m = 560.000m² ÷ 10.000m² = 56 ha
AÇÕES DE MANEJO AMBIENTAL COMO REMOÇÃO
DE VEGETAÇÃO AQUÁTICA ROÇAGEM DE
VEGETAÇÃO MARGINAL E LIXO EXECUTADAS PELA
EMAE E PARCEIROS EM ATENDIMENTO AO
PROGRAMA DE CONTROLE DE MOSQUITOS Culex
quinquefasciatus NO RIO PINHEIROS
EMAE: Da Estrutura de Retiro até a Usina Elevatória de
Pedreira, do talude até o início da estrada de serviço. Da
Estrutura de Retiro até a Ponte do Jaguaré, tanto na área
de talude, quanto na divisa com a Marginal Pinheiros.
AES-ELETROPAULO: Da Ponte do Jaguaré até o Canal
Guarapiranga, sob a as linhas de transmissão, da
estrada de serviço até a divisa com a Marginal Pinheiros,
numa largura média de 12 metros da faixa de servidão.
ISA CTEEP: Conservação e limpeza das áreas sob as
suas linhas de transmissão do Canal Guarapiranga até a
ponte Metálica da CPTM – da estrada de serviço até as
áreas de divisa.
MATERIAL/QUANTIDADEMATERIAL/QUANTIDADE 20152015 20162016 20172017
LIXO ( m³)
LIXO (t)
4.740 m³
S/INFORMAÇÃO
4.230 m³
1,7 mil
7.969,42 m³
3.187,79 t
VEGETAÇÃO (m³)
VEGETAÇÃO (t)
9.000 m³
S/INFORMAÇÃO
9.120 m³
3,6 mil t
4.696,85 m³
1.878,74 t
ATIVIDADES DESENVOLVIDAS REMOÇÃO
DE VEGETAÇÃO AQUATICA E LIXO E
ROÇAGEM DE VEGETAÇÃO MARGINAL
FONTE : EMAE (RELATÓRIO SOCIO AMBIENTAL)
CANAL GUARAPIRANGA EMAE
REMOÇÃO DE VEGETAÇÃO AÇÕES DE MANEJO AMBIENTAL
ATIVIDADES DESENVOLVIDAS MONITORAMENTO COM COLETA DE IMATUROS E MOSQUITOS ADULTOS
PONTOS GEO REFERENCIADOS 2018PONTOS GEO REFERENCIADOS 2018
67 PONTOS DE MONITORAMENTO GEO REFERENCIADOS NO ANO DE 2018
CANAL SUPERIOR MARGEM LESTE/OESTE
CANAL INFERIOR MARGEM LESTE/OESTE
ATIVIDADES DESENVOLVIDAS MONITORAMENTO COM COLETA DE IMATUROS E MOSQUITOS ADULTOS
COLETA DE MOSQUITOS ADULTOS
ASPIRAÇÃO
CANAL INFERIOR OESTE
CANAL INFERIOR LESTE
COLETA DE IMATUROS (LARVAS)
CONCHADAS
ATIVIDADES DESENVOLVIDAS CONTROLE LARVARIO
CANAL SUPERIOR LESTE
CANAL SUPERIOR OESTE
APLICAÇÃO
LARVICIDAS BIOLOGICOS BS GR APLICAÇÃO
LARVICIDAS BIOLOGICOS BS GR
CANAL SUPERIOR OESTE
CANAL SUPERIOR LESTE
CANAL GUARAPIRANGA
APLICAÇÃO
LARVICIDAS BIOLOGICOS BS GR
ATIVIDADES DE CONTROLE COM
APLICAÇÃO DE LARVICIDAS BIOLÓGICOS
BS GR® EM FORMULAÇÃO GRANULADA PARA
CONTROLE DE FORMAS IMATURAS (LARVAS)
PULVERIZADOR LANÇADOR
DE GRANULADO
60000
80000
100000
120000
140000
160000
ADULTOS
IMATURO
MONITORAMENTO HISTORICO RPMONITORAMENTO HISTORICO RP
0
20000
40000
60000
1982
2003
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2010
2011
2012
2013
2014
2015
2016
2017
2018
2019
IMATURO
17/05/2019 Culex quinquefasciatus
SETOR CONTROLE CULEX
Núcleo de Vigilância, Prevenção e Controle de Fauna Sinantrópica - NVSIN
Divisão de Vigilância de Zoonoses - DVZ
Coordenação de Vigilância em Saúde - COVISA
Secretaria Municipal da Saúde – SMS
Prefeitura Municipal de São Paulo - PMSPPrefeitura Municipal de São Paulo - PMSP
R. Santa Eulália, 86 - CEP 02031-020 - Santana - SP
Tel: (11) 3397-89-79
20/05/2019
Carlos Alberto Madeira Marques Filho
Neide Yoshie Aguena
Roberto Bellizia Raia Junior

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ciclo Da áGua Ultimo
Ciclo Da áGua UltimoCiclo Da áGua Ultimo
Ciclo Da áGua Ultimo
Ttavares
 
Abaixo assinado sos açude pinga
Abaixo assinado sos açude pingaAbaixo assinado sos açude pinga
Abaixo assinado sos açude pinga
Ecos Alcântaras
 

Mais procurados (20)

Resumo Nascente Acaba Mundo
Resumo Nascente Acaba MundoResumo Nascente Acaba Mundo
Resumo Nascente Acaba Mundo
 
Sma cartilha nascentes_pag1_10
Sma cartilha nascentes_pag1_10Sma cartilha nascentes_pag1_10
Sma cartilha nascentes_pag1_10
 
Nascentes do Brasil – Proteção e recuperação de nascentes e áreas de recarga ...
Nascentes do Brasil – Proteção e recuperação de nascentes e áreas de recarga ...Nascentes do Brasil – Proteção e recuperação de nascentes e áreas de recarga ...
Nascentes do Brasil – Proteção e recuperação de nascentes e áreas de recarga ...
 
Anexo i cartilha nascentesprotegidas
Anexo i   cartilha nascentesprotegidasAnexo i   cartilha nascentesprotegidas
Anexo i cartilha nascentesprotegidas
 
Ciclo Da áGua Ultimo
Ciclo Da áGua UltimoCiclo Da áGua Ultimo
Ciclo Da áGua Ultimo
 
Abaixo assinado sos açude pinga
Abaixo assinado sos açude pingaAbaixo assinado sos açude pinga
Abaixo assinado sos açude pinga
 
Atlas Esgotos - Marcos Von Sperling
Atlas Esgotos - Marcos Von SperlingAtlas Esgotos - Marcos Von Sperling
Atlas Esgotos - Marcos Von Sperling
 
Folder
FolderFolder
Folder
 
Rios de Preservação Permanente
Rios de Preservação PermanenteRios de Preservação Permanente
Rios de Preservação Permanente
 
Mata ciliar
Mata ciliarMata ciliar
Mata ciliar
 
Recuperação, conservação e preservação de nascentes
Recuperação, conservação e preservação de nascentesRecuperação, conservação e preservação de nascentes
Recuperação, conservação e preservação de nascentes
 
SAC de Aranhas
SAC de AranhasSAC de Aranhas
SAC de Aranhas
 
Cartilha nascentes
Cartilha nascentesCartilha nascentes
Cartilha nascentes
 
ANÁLISE DOS PONTOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE ARA...
ANÁLISE DOS PONTOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE ARA...ANÁLISE DOS PONTOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE ARA...
ANÁLISE DOS PONTOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE ARA...
 
8 geitos de mudar o mundo
8 geitos de mudar o mundo8 geitos de mudar o mundo
8 geitos de mudar o mundo
 
Programa drenurbs prefeiturabh-ricardoaroeira
Programa drenurbs prefeiturabh-ricardoaroeiraPrograma drenurbs prefeiturabh-ricardoaroeira
Programa drenurbs prefeiturabh-ricardoaroeira
 
mata ciliar
mata ciliarmata ciliar
mata ciliar
 
recursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiarecursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografia
 
Importância dos Recursos Hídricos para a Produçãod e Alimentos e Gestão das ...
Importância dos Recursos Hídricos para a Produçãod  e Alimentos e Gestão das ...Importância dos Recursos Hídricos para a Produçãod  e Alimentos e Gestão das ...
Importância dos Recursos Hídricos para a Produçãod e Alimentos e Gestão das ...
 
Gestão amb. da água
Gestão amb. da águaGestão amb. da água
Gestão amb. da água
 

Semelhante a M rio pinheiros historico controle parceria emae pmsp 20052019

Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
João Boos Boos
 
Saneamento básico dra anaíza
Saneamento básico dra anaízaSaneamento básico dra anaíza
Saneamento básico dra anaíza
ecoaplicada
 
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2   evolução dos sistemas de esgotosAula 2   evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
Bruna Sampaio
 
PARQUES LINEARES SPONGE CITY PIRA 2023 LazzeriniRES.pdf
PARQUES LINEARES SPONGE CITY PIRA 2023 LazzeriniRES.pdfPARQUES LINEARES SPONGE CITY PIRA 2023 LazzeriniRES.pdf
PARQUES LINEARES SPONGE CITY PIRA 2023 LazzeriniRES.pdf
fabiolazzerini1
 

Semelhante a M rio pinheiros historico controle parceria emae pmsp 20052019 (20)

usos-multiplos-da-agua-na-bacia-do-rio-guaribas-piaui
usos-multiplos-da-agua-na-bacia-do-rio-guaribas-piauiusos-multiplos-da-agua-na-bacia-do-rio-guaribas-piaui
usos-multiplos-da-agua-na-bacia-do-rio-guaribas-piaui
 
Projeto manuelzao riodasvelhas-polignano
Projeto manuelzao riodasvelhas-polignanoProjeto manuelzao riodasvelhas-polignano
Projeto manuelzao riodasvelhas-polignano
 
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
 
Projeto Bacias de contenção - fhidro
Projeto Bacias de contenção - fhidroProjeto Bacias de contenção - fhidro
Projeto Bacias de contenção - fhidro
 
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
 
Projeto Urucuia: Palestra Prof. Everardo Mantovani em Correntina, BA.
Projeto Urucuia: Palestra Prof. Everardo Mantovani em Correntina, BA.Projeto Urucuia: Palestra Prof. Everardo Mantovani em Correntina, BA.
Projeto Urucuia: Palestra Prof. Everardo Mantovani em Correntina, BA.
 
Atualidade Brasil - Agua - Blog do Prof. Marco Aurelio Gondim - www.mgondim.b...
Atualidade Brasil - Agua - Blog do Prof. Marco Aurelio Gondim - www.mgondim.b...Atualidade Brasil - Agua - Blog do Prof. Marco Aurelio Gondim - www.mgondim.b...
Atualidade Brasil - Agua - Blog do Prof. Marco Aurelio Gondim - www.mgondim.b...
 
Gestão dos Recursos Hídricos em Portugal
Gestão dos Recursos Hídricos em PortugalGestão dos Recursos Hídricos em Portugal
Gestão dos Recursos Hídricos em Portugal
 
Gestão dos Recursos Hídricos
Gestão dos Recursos HídricosGestão dos Recursos Hídricos
Gestão dos Recursos Hídricos
 
trabalho de Hidráulica Irrigação e Drenagem.pptx
trabalho de Hidráulica Irrigação e Drenagem.pptxtrabalho de Hidráulica Irrigação e Drenagem.pptx
trabalho de Hidráulica Irrigação e Drenagem.pptx
 
Saneamento básico dra anaíza
Saneamento básico dra anaízaSaneamento básico dra anaíza
Saneamento básico dra anaíza
 
PROJETO URBANO E AMBIENTAL II: PARQUE LYNEAR PARAHYBA
PROJETO URBANO E AMBIENTAL II: PARQUE LYNEAR PARAHYBAPROJETO URBANO E AMBIENTAL II: PARQUE LYNEAR PARAHYBA
PROJETO URBANO E AMBIENTAL II: PARQUE LYNEAR PARAHYBA
 
preservacao.pdf
preservacao.pdfpreservacao.pdf
preservacao.pdf
 
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2   evolução dos sistemas de esgotosAula 2   evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
 
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2   evolução dos sistemas de esgotosAula 2   evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
 
Preserve a água
Preserve a águaPreserve a água
Preserve a água
 
Gestão dos Recursos Hídricos em Portugal
Gestão dos Recursos Hídricos em PortugalGestão dos Recursos Hídricos em Portugal
Gestão dos Recursos Hídricos em Portugal
 
PARQUES LINEARES SPONGE CITY PIRA 2023 LazzeriniRES.pdf
PARQUES LINEARES SPONGE CITY PIRA 2023 LazzeriniRES.pdfPARQUES LINEARES SPONGE CITY PIRA 2023 LazzeriniRES.pdf
PARQUES LINEARES SPONGE CITY PIRA 2023 LazzeriniRES.pdf
 
Gestão dos Recursos Hídricos em Portugal
Gestão dos Recursos Hídricos em PortugalGestão dos Recursos Hídricos em Portugal
Gestão dos Recursos Hídricos em Portugal
 

M rio pinheiros historico controle parceria emae pmsp 20052019

  • 1. 20/05/2019 PROGRAMA RIO PINHEIROSPROGRAMA RIO PINHEIROS CONTROLE DE MOSQUITOSCONTROLE DE MOSQUITOS Culex quinquefasciatus Culex quinquefasciatus PARCERIA PMSP e EMAEPARCERIA PMSP e EMAE INÍCIO DO PROGRAMA JUNHO/2003INÍCIO DO PROGRAMA JUNHO/2003
  • 2.
  • 3. O mosquito Culex quinquefasciatus, é trópico cosmopolita. Ocorre, basicamente, nas porções norte da Argentina e na Oceania. Ocorre em todo o Brasil, mas com distribuição e abundância fortemente influenciadas pela presença do homem. É encontrado em maior quantidade nos aglomerados humanos, dentro das cidades e vilas rurais. Seus criadouros preferenciais são os depósitos artificiais, no solo ou em recipientes, com água rica em matéria orgânica em decomposição e detritos, de aspecto sujo e mal cheiroso. É mais freqüente nos meses quentes e chuvosos, pois a água das chuvas que se acumula no solo e nos recipientes amplia seus criadouros. Possui como característica principal a antropofilia e secundária a ornitofilia. Quanto a transmissão de doenças, está diretamente relacionada à filariose bancroftiana e a arboviroses como Saint Louis, Encefalites Eqüinas do Leste, Oeste e Venezuelana e, no Brasil, está relacionada à presença de casos de Oropouche. O mosquito Culex é r-estrategistas e possui estratégias de sobrevivência e são colonizadores de habitats instáveis com elevada fecundidade, ciclo de vida curto, com flutuações naturais acentuadas com oviposição de 500 - 700 ovos fêmea com 13 a 17 gerações/ano. Para as espécies r estrategistas,a capacidade de suporte não é um fator restritivo, com indivíduos com tempo de vida mais curto, e que tendem a não apresentar cuidado com a prole. Em termos gerais, as espécies com estratégia demográfica de tipo selecção “r” exploram nichos ecológicos vazios, e produzem um elevado número de descendentes a cada ciclo reprodutivo, ainda que cada um tenha poucas hipóteses individuais de sobreviver até à idade adulta. Podem apresentar picos populacionais. O C. quinquefasciatus é uma espécie muito bem estabelecida em ambientes urbanos, onde a atividade humana resulta na formação de múltiplas coleções aquáticas ricas em matéria orgânica, detergentes e outros poluentes. Estas condições – em especial a elevada concentração de detergentes em certos habitats – são limitantes para outras espécies de culicídeos e outros invertebrados, incluindo predadores, parasitas e competidores, resultando em prejuízo da regulação natural da densidade populacional do C. quinquefasciatus. Este fato, associado a fatores climáticos que favorecem um curto ciclo biológico (duas gerações mensais) e à grande disponibilidade de habitats ideais, resulta em elevadíssimas densidades populacionais do vetor em certas áreas, como em outras cidades brasileiras. Nestas condições, a população de Culex se recompõe em curto tempo, após medidas esporádicas de controle
  • 4. culex quinquefasciatus culex chidestri culex lygrus culex sp outros TOTAL America Business-Centro Empresarial 1.101 5 - 5 8 1.119 Avon cosméticos Ltda 73 - 1 - 14 88 Banco Santos 122 - - - 0 122 Bayer S.A. 18.628 279 194 88 348 19.537 Camargo Campos S.A.Engenharia e Comércio 9.357 37 37 59 1.047 10.537 Caraíga Veículos Ltda 1.600 - - 2 9 1.611 Carrefour(Pinheiros) 359 - - - 1 360 Ceagesp 1.223 - 1 3 11 1.238 CET-Pinheiros 13.304 - 1 23 229 13.557 Shopping Fiesta 667 - - - 24 691 Total de Culicídeos capturados utilizando armadilhas luminosas instaladas próximas as margens do rio Pinheiros no ano de 2004 LOCAL 20042004 Shopping Fiesta 667 - - - 24 691 Helicidade 1.790 - - - 30 1.820 Hyatt Hotel 1.506 1 2 6 1 1.516 Jockey Club de São Paulo 195 - - - 1 196 Projeto Pomar 85.321 10 107 1.301 2.698 89.437 Shopping SP Market 5.163 - 3 - 90 5.256 Usina Elevatória Traição 731 - - - 1 732 USP-raia olímpica 1.472 1 - 29 74 1.576 Shopping Vila Lobos 2.962 - - 4 46 3.012 FONTELAB-FAUNA COORDENAÇÃO/CCZ/COVISA 1.520 4.632 152.405TOTAL 145.574 333 346 MONITORAMENTO RIO PINHEIROS
  • 6. CANAL GUARAPIRANGA O Canal Guarapiranga tinha como objetivo original reservar água para suprir o Reservatório Billings em situações de carência no Rio Tietê. Através desse canal, a água descarregada pelas comportas e vertedouro livre da Barragem do Guarapiranga chega ao Canal Pinheiros. Possui 1.875 m de comprimento e tem como seu principal afluente o Córrego Ponte Baixa. CANAL PINHEIROS O Canal Pinheiros que teve origem na retificação do Rio Pinheiros, iniciada no final da década de 30 e concluída em 1957. Tinha como principal objetivo o aumento da geração na Usina Henry Borden, através da reversão de suasaumento da geração na Usina Henry Borden, através da reversão de suas águas e as do Rio Tietê para o Reservatório Billings. A Usina Elevatória de Traição divide esse canal em dois: o Canal Pinheiros Inferior, com 10.083 m , trecho compreendido entre a confluência com o Rio Tietê (" Cebolão ") e a Usina Elevatória de Traição, e o Canal Pinheiros Superior, com 15.461 m, trecho compreendido entre as usinas elevatórias de Traição e Pedreira. RIO PINHEIROSRIO PINHEIROS: CANAL INFERIOR: 10.083m CANAL SUPERIOR: 15.461m CANAL GUARAPIRANGA: 1.875m VAZÃO: 10m³/segundo PROFUNDIDADE: 3m LANÇAMENTO DE ESGOTO: 4.000 litros/segundo ÁREA TOTAL: 27.419m = 28 Km x2 = 56 km = 56.000m x 10m = 560.000m² ÷ 10.000m² = 56 ha
  • 7. AÇÕES DE MANEJO AMBIENTAL COMO REMOÇÃO DE VEGETAÇÃO AQUÁTICA ROÇAGEM DE VEGETAÇÃO MARGINAL E LIXO EXECUTADAS PELA EMAE E PARCEIROS EM ATENDIMENTO AO PROGRAMA DE CONTROLE DE MOSQUITOS Culex quinquefasciatus NO RIO PINHEIROS EMAE: Da Estrutura de Retiro até a Usina Elevatória de Pedreira, do talude até o início da estrada de serviço. Da Estrutura de Retiro até a Ponte do Jaguaré, tanto na área de talude, quanto na divisa com a Marginal Pinheiros. AES-ELETROPAULO: Da Ponte do Jaguaré até o Canal Guarapiranga, sob a as linhas de transmissão, da estrada de serviço até a divisa com a Marginal Pinheiros, numa largura média de 12 metros da faixa de servidão. ISA CTEEP: Conservação e limpeza das áreas sob as suas linhas de transmissão do Canal Guarapiranga até a ponte Metálica da CPTM – da estrada de serviço até as áreas de divisa. MATERIAL/QUANTIDADEMATERIAL/QUANTIDADE 20152015 20162016 20172017 LIXO ( m³) LIXO (t) 4.740 m³ S/INFORMAÇÃO 4.230 m³ 1,7 mil 7.969,42 m³ 3.187,79 t VEGETAÇÃO (m³) VEGETAÇÃO (t) 9.000 m³ S/INFORMAÇÃO 9.120 m³ 3,6 mil t 4.696,85 m³ 1.878,74 t ATIVIDADES DESENVOLVIDAS REMOÇÃO DE VEGETAÇÃO AQUATICA E LIXO E ROÇAGEM DE VEGETAÇÃO MARGINAL FONTE : EMAE (RELATÓRIO SOCIO AMBIENTAL)
  • 8. CANAL GUARAPIRANGA EMAE REMOÇÃO DE VEGETAÇÃO AÇÕES DE MANEJO AMBIENTAL
  • 9. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS MONITORAMENTO COM COLETA DE IMATUROS E MOSQUITOS ADULTOS PONTOS GEO REFERENCIADOS 2018PONTOS GEO REFERENCIADOS 2018 67 PONTOS DE MONITORAMENTO GEO REFERENCIADOS NO ANO DE 2018 CANAL SUPERIOR MARGEM LESTE/OESTE CANAL INFERIOR MARGEM LESTE/OESTE
  • 10. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS MONITORAMENTO COM COLETA DE IMATUROS E MOSQUITOS ADULTOS COLETA DE MOSQUITOS ADULTOS ASPIRAÇÃO CANAL INFERIOR OESTE CANAL INFERIOR LESTE COLETA DE IMATUROS (LARVAS) CONCHADAS
  • 11. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS CONTROLE LARVARIO CANAL SUPERIOR LESTE CANAL SUPERIOR OESTE APLICAÇÃO LARVICIDAS BIOLOGICOS BS GR APLICAÇÃO LARVICIDAS BIOLOGICOS BS GR CANAL SUPERIOR OESTE CANAL SUPERIOR LESTE CANAL GUARAPIRANGA APLICAÇÃO LARVICIDAS BIOLOGICOS BS GR ATIVIDADES DE CONTROLE COM APLICAÇÃO DE LARVICIDAS BIOLÓGICOS BS GR® EM FORMULAÇÃO GRANULADA PARA CONTROLE DE FORMAS IMATURAS (LARVAS) PULVERIZADOR LANÇADOR DE GRANULADO
  • 12. 60000 80000 100000 120000 140000 160000 ADULTOS IMATURO MONITORAMENTO HISTORICO RPMONITORAMENTO HISTORICO RP 0 20000 40000 60000 1982 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 IMATURO 17/05/2019 Culex quinquefasciatus
  • 13. SETOR CONTROLE CULEX Núcleo de Vigilância, Prevenção e Controle de Fauna Sinantrópica - NVSIN Divisão de Vigilância de Zoonoses - DVZ Coordenação de Vigilância em Saúde - COVISA Secretaria Municipal da Saúde – SMS Prefeitura Municipal de São Paulo - PMSPPrefeitura Municipal de São Paulo - PMSP R. Santa Eulália, 86 - CEP 02031-020 - Santana - SP Tel: (11) 3397-89-79 20/05/2019 Carlos Alberto Madeira Marques Filho Neide Yoshie Aguena Roberto Bellizia Raia Junior