SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
PREFEITURA MUNICIPAL DE HORIZONTE
             SECRETARIA DE EDUCAÇÃO
Coordenação Municipal do Programa de Educação contra
a Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente
                       PETECA




      RELATÓRIO DAS AÇÕES DO PETECA -2010




         HORIZONTE, 23 DE SETEMBRO DE 2010
RELATÓRIO DAS AÇÕES DO PETECA- ANO 2010

  SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO: Maria Dione Soares Félix
  COORDENADORA MUNICIPAL: Soraia Colaço



      O projeto PETECA, desde que foi implantado no município, tem sido
destacado em todos os eventos relacionados às políticas públicas para
crianças e adolescentes. No dia 05 de maio realizamos mais uma Oficina
de Formação para 42 coordenadores pedagógicos, com destaque para a
ampliação do programa para os Centros de Educação Infantil.
Trabalhamos com o material disponibilizado pelo programa, discutindo os
seguintes temas: O que é o PETECA; Prejuizos do trabalho infantil para a
saúde física, social, psicológica e emocional; as piores formas de trabalho,
de acordo com a OIT(Organização Internacional do Trabalho);a
importância de contemplar o programa no Projeto Politico Pedagógico da
Escola; estratégias para transpor as barreiras culturais; legislação:
Constituição Federal e Estatuto da Criança e do Adolescente.
    Após a oficina realizamos uma avaliação com os participantes, que
afirmaram sentirem-se sensibilizados para contribuírem com o
desenvolvimento de todas as ações necessárias ao alcance dos objetivos
propostos.
    A partir desse momento fomos solicitados a participar de diversos
movimentos em escolas municipais, onde oferecemos palestra para pais,
alunos e comunidade escolar. Além disso sempre divulgamos o programa na
rádio FM local e, em relação a Campanha Cartão Vermelho divulgamos
também no canal de televisão da TV da Gente, em Pacajus.
    Em Horizonte temos um projeto intersetorial, denominado Beija-flor,
com reuniões mensais, onde são planejadas todas as políticas de atenção
às crianças e adolescentes de Horizonte. Nessa perpectiva, planejamos
para o mês de junho um calendário de ações, juntamente com todos os
órgãos de defesa e gestores municipais, em combate a exploração do
trabalho de crianças e adolescentes. No dia 12 de junho houve o
lançamento, com uma manifestação em praça pública, da campanha Cartão
Vermelho, no dia 18 de junho aconteceu uma Audiência Pública na Câmara
Municipal de Horizonte, durante o mês várias palestras foram realizadas
nas escolas públicas municipais.
    Nos dias 10 e 11 de junho os novos ConselheirosTutelares, empossados
no dia 15 de junho, receberam uma formação, que contou com a
participação da coordenação municipal do PETECA. Além da participação
no Planejamento Estratégico do Conselho.
    Estamos participando da Comissão Municipal de Erradicação do
trabalho Infantil.
    Iniciamos, juntamente coma coordenadoria do PETI, CREAS, CEREST,
e com a participação do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do
Adolescente-COMDICA e conselho tutelar, um planejamento de ações
sistemáticas que serão desenvolvidas a partir do mês de outubro, onde
mobilizaremos todos os segmentos sociais em prol do combate ao trabalho
infantil. Vários materiais educativos serão distribuídos, inclusive
pulseirinhas coloridas com destaque para o tema. Vários serão os espaços
públicos e privados onde atuaremos.
    Já iniciamos um diálogo com a empresa Vulcabras, que atualmente
conta com mais de 14.000 funcionários, em três turnos, a partir do
enfrentamento ao problema dos vendedores ambulantes, em sua maioria
crianças, que se encontram na entrada da empresa. O conselho tutelar foi
acionado, encaminhou o caso ao Ministério Público, notificou os
responsáveis pela entrega dos produtos às crianças, e, juntamente com o
grupo de trabalho organizado (PETECA, PETI, CREAS, CEREST,
COMDICA, se propõe a dar continuidade ao trabalho.



                        Soraia Colaço
              COORDENADORA MUNICIPAL DO PETECA




                      28 de setembro de 2010
Como elaborar um relatório


1. O que é um relatório?

Um relatório de uma actividade prática, é uma exposição escrita
de um determinado trabalho ou experiência laboratorial. Não é
apenas uma descrição do modo de proceder (técnicas, reagentes,
material, etc.), pois este conjunto de informações constitui o
protocolo. Um relatório é o conjunto da descrição da realização
experimental, dos resultados nele obtidos, assim como das ideias
associadas, de modo a constituir uma compilação completa e
coerente de tudo o que diga respeito a esse trabalho. De alguma
forma, elaborar um relatório deve ser visto pelo aluno como uma
etapa importante na sua formação académica, para que mais
tarde, como profissional, possa ter adquirido e desenvolvido a
praxis e o raciocínio crítico necessários à elaboração de um
artigo científico.

2- Como escrever?

O relatório como instrumento de trabalho deverá utilizar uma
linguagem simples, clara, objectiva e precisa. A clareza do
raciocínio, característica do método científico, deverá
transparecer na forma como o relatório é escrito.

Um relatório deverá ser conciso e coerente, incluindo a
informação indispensável à compreensão do trabalho. A forma
pela qual alguma informação pode ser apresentada (tabelas,
gráficos, ilustrações), pode contribuir consideravelmente para
reduzir a extensão de um relatório.

As frases utilizadas devem ser completas, para que, através da
sua leitura seja possível seguir um raciocínio lógico. Em ciência,
todas as afirmações devem ser baseadas em provas factuais e
não em opiniões não fundamentadas. Factos especulativos não
podem tomar o lugar de outros já demonstrados. De igual modo,
o aluno (futuro investigador) deve evitar o excesso de
conclusões, sendo estas precisas e sintéticas. As conclusões
devem, igualmente, ser coerentes com a discussão dos
resultados.

3- Estrutura dum relatório

A divisão metodológica de um relatório em várias secções ajuda
à sua organização e escrita por parte dos autores e, de igual
modo, permite ao leitor encontrar mais facilmente a informação
que procura.

  3.1. Título, autor(es) e data

  Identificação do trabalho (título). Identificação dos autores.
  Data em que o relatório foi realizado. Disciplina a que diz
  respeito.

  3.2. Objectivos

  Deverá incluir sumariamente qual ou quais os objectivos do
  trabalho a realizar.

  3.3. Introdução

  Nesta parte do relatório deve ser introduzido o trabalho
  experimental a realizar, bem como as noções teóricas que
  servem de base ao mesmo. A introdução deve conter a
  informação essencial à compreensão do trabalho.

  3.4. Material e Métodos

  Deve ser sintético mas preciso, contendo, no entanto,
  informação suficiente de modo que, no caso da experiência vir
  a ser repetida por outrem, possam ser obtidos resultados
idênticos. Normalmente considerado como um ponto
secundário do trabalho, esta parte do relatório é, no entanto,
essencial para a compreensão da experiência a realizar.

3.5. Resultados

Descrição do que se observa na experiência. Inclui o registo e
tratamento dos dados, bem como os esquemas e ou as figuras
das observações efectuadas. Os esquemas são feitos a lápis e
legendados. No caso de observações microscópicas deve ser
incluido junto do esquema a ampliação.

3.6. Discussão

Interpretação dos resultados. A discusão deve comparar os
resultados obtidos face ao objectivo pretendido. Não se devem
tirar hipóteses especulativas que não possam ser
fundamentadas nos resultados obtidos. A discussão constitui
uma das partes mais importantes do relatório, uma vez que é
nela (e não na introdução) que os autores evidenciam todos os
conhecimentos adquiridos, através da profundidade com que
discutem os resultados obtidos.

3.7. Conclusões

Esta parte do relatório deve sumarizar as principais
conclusões obtidas no decurso do trabalho realizado.

3.7. Referências bibliográficas

A bibliografia deve figurar no fim do relatório. Nela devem
ser apresentadas todas as referências mencionadas no texto,
que podem ser livros (ou capítulos de livros), artigos
científicos, CD-ROMs e websites consultados.
Adaptado de:
Jones, A., Reed, R. and Weyers, J., 1998 – “Pratical Skills in
Biology”. 2nd edition. Longman Scientific & Technical (ed),
New York.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Horizonte2010 (17)

1. apresentação do peteca
1. apresentação do peteca1. apresentação do peteca
1. apresentação do peteca
 
mappa do proficiencia.pdf
mappa do proficiencia.pdfmappa do proficiencia.pdf
mappa do proficiencia.pdf
 
TRABALHO EV127 MD1 SA2 ID1863 21092019101308.pdf
TRABALHO EV127 MD1 SA2 ID1863 21092019101308.pdfTRABALHO EV127 MD1 SA2 ID1863 21092019101308.pdf
TRABALHO EV127 MD1 SA2 ID1863 21092019101308.pdf
 
Publicarte One
Publicarte OnePublicarte One
Publicarte One
 
INTERDISCIPLINARIEDADE
INTERDISCIPLINARIEDADE INTERDISCIPLINARIEDADE
INTERDISCIPLINARIEDADE
 
10º encontro
10º encontro10º encontro
10º encontro
 
MAPPA_LGG site.pdf
MAPPA_LGG site.pdfMAPPA_LGG site.pdf
MAPPA_LGG site.pdf
 
MAPPA_LGG_UC1.pdf
MAPPA_LGG_UC1.pdfMAPPA_LGG_UC1.pdf
MAPPA_LGG_UC1.pdf
 
Agente De Desenvolvimento Cooperativista (208).pdf
Agente De Desenvolvimento Cooperativista (208).pdfAgente De Desenvolvimento Cooperativista (208).pdf
Agente De Desenvolvimento Cooperativista (208).pdf
 
Prática supervisionada [modo de compatibilidade]
Prática supervisionada [modo de compatibilidade]Prática supervisionada [modo de compatibilidade]
Prática supervisionada [modo de compatibilidade]
 
Projeto CONECTA --> 2012
Projeto CONECTA --> 2012Projeto CONECTA --> 2012
Projeto CONECTA --> 2012
 
Projeto conecta2
Projeto conecta2Projeto conecta2
Projeto conecta2
 
Estatistica aplicada
Estatistica aplicadaEstatistica aplicada
Estatistica aplicada
 
Orientaço..[1] pro 2012 2013
Orientaço..[1] pro 2012 2013Orientaço..[1] pro 2012 2013
Orientaço..[1] pro 2012 2013
 
Tripé da educação tecnologia, civilidade e diálogo
Tripé da educação   tecnologia, civilidade e diálogoTripé da educação   tecnologia, civilidade e diálogo
Tripé da educação tecnologia, civilidade e diálogo
 
Trends and innovations
Trends and innovationsTrends and innovations
Trends and innovations
 
Projecto final
Projecto finalProjecto final
Projecto final
 

Mais de Ministério Público do Trabalho

FORMAÇÃO CIDADÃ: O CONHECIMENTO DO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE POR P...
FORMAÇÃO CIDADÃ: O CONHECIMENTO DO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE POR P...FORMAÇÃO CIDADÃ: O CONHECIMENTO DO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE POR P...
FORMAÇÃO CIDADÃ: O CONHECIMENTO DO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE POR P...Ministério Público do Trabalho
 

Mais de Ministério Público do Trabalho (20)

FORMAÇÃO CIDADÃ: O CONHECIMENTO DO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE POR P...
FORMAÇÃO CIDADÃ: O CONHECIMENTO DO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE POR P...FORMAÇÃO CIDADÃ: O CONHECIMENTO DO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE POR P...
FORMAÇÃO CIDADÃ: O CONHECIMENTO DO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE POR P...
 
RELATÓRIO DO PETECA DE BEBERIBE - 2013-03-27
RELATÓRIO DO PETECA DE BEBERIBE - 2013-03-27RELATÓRIO DO PETECA DE BEBERIBE - 2013-03-27
RELATÓRIO DO PETECA DE BEBERIBE - 2013-03-27
 
ENCONTRO DO PETECA DE GUARACIABA DO NORTE
ENCONTRO DO PETECA DE GUARACIABA DO NORTEENCONTRO DO PETECA DE GUARACIABA DO NORTE
ENCONTRO DO PETECA DE GUARACIABA DO NORTE
 
PROJETO DE TRABALHO DO PETECA EM BEBERIBE 2013
PROJETO DE TRABALHO DO PETECA EM BEBERIBE 2013PROJETO DE TRABALHO DO PETECA EM BEBERIBE 2013
PROJETO DE TRABALHO DO PETECA EM BEBERIBE 2013
 
Baturité 2010
Baturité 2010Baturité 2010
Baturité 2010
 
Barroquinha 2010
Barroquinha 2010Barroquinha 2010
Barroquinha 2010
 
Barro2010
Barro2010Barro2010
Barro2010
 
Aratuba2010
Aratuba2010Aratuba2010
Aratuba2010
 
Aracati2010
Aracati2010Aracati2010
Aracati2010
 
Aracati.2010pdf
Aracati.2010pdfAracati.2010pdf
Aracati.2010pdf
 
Aracati.2010pdf cópia
Aracati.2010pdf   cópiaAracati.2010pdf   cópia
Aracati.2010pdf cópia
 
Caucaia2010
Caucaia2010Caucaia2010
Caucaia2010
 
Pacoti2010
Pacoti2010Pacoti2010
Pacoti2010
 
Saboeiro2010
Saboeiro2010Saboeiro2010
Saboeiro2010
 
Tejuçuoca2009
Tejuçuoca2009Tejuçuoca2009
Tejuçuoca2009
 
Tauá2009
Tauá2009Tauá2009
Tauá2009
 
Sobral2009
Sobral2009Sobral2009
Sobral2009
 
Santana do cariri2009
Santana do cariri2009Santana do cariri2009
Santana do cariri2009
 
Santa quitéria2009
Santa quitéria2009Santa quitéria2009
Santa quitéria2009
 
Redenção2009
Redenção2009Redenção2009
Redenção2009
 

Horizonte2010

  • 1. PREFEITURA MUNICIPAL DE HORIZONTE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO Coordenação Municipal do Programa de Educação contra a Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente PETECA RELATÓRIO DAS AÇÕES DO PETECA -2010 HORIZONTE, 23 DE SETEMBRO DE 2010
  • 2. RELATÓRIO DAS AÇÕES DO PETECA- ANO 2010 SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO: Maria Dione Soares Félix COORDENADORA MUNICIPAL: Soraia Colaço O projeto PETECA, desde que foi implantado no município, tem sido destacado em todos os eventos relacionados às políticas públicas para crianças e adolescentes. No dia 05 de maio realizamos mais uma Oficina de Formação para 42 coordenadores pedagógicos, com destaque para a ampliação do programa para os Centros de Educação Infantil. Trabalhamos com o material disponibilizado pelo programa, discutindo os seguintes temas: O que é o PETECA; Prejuizos do trabalho infantil para a saúde física, social, psicológica e emocional; as piores formas de trabalho, de acordo com a OIT(Organização Internacional do Trabalho);a importância de contemplar o programa no Projeto Politico Pedagógico da Escola; estratégias para transpor as barreiras culturais; legislação: Constituição Federal e Estatuto da Criança e do Adolescente. Após a oficina realizamos uma avaliação com os participantes, que afirmaram sentirem-se sensibilizados para contribuírem com o desenvolvimento de todas as ações necessárias ao alcance dos objetivos propostos. A partir desse momento fomos solicitados a participar de diversos movimentos em escolas municipais, onde oferecemos palestra para pais, alunos e comunidade escolar. Além disso sempre divulgamos o programa na rádio FM local e, em relação a Campanha Cartão Vermelho divulgamos também no canal de televisão da TV da Gente, em Pacajus. Em Horizonte temos um projeto intersetorial, denominado Beija-flor, com reuniões mensais, onde são planejadas todas as políticas de atenção às crianças e adolescentes de Horizonte. Nessa perpectiva, planejamos para o mês de junho um calendário de ações, juntamente com todos os órgãos de defesa e gestores municipais, em combate a exploração do trabalho de crianças e adolescentes. No dia 12 de junho houve o lançamento, com uma manifestação em praça pública, da campanha Cartão
  • 3. Vermelho, no dia 18 de junho aconteceu uma Audiência Pública na Câmara Municipal de Horizonte, durante o mês várias palestras foram realizadas nas escolas públicas municipais. Nos dias 10 e 11 de junho os novos ConselheirosTutelares, empossados no dia 15 de junho, receberam uma formação, que contou com a participação da coordenação municipal do PETECA. Além da participação no Planejamento Estratégico do Conselho. Estamos participando da Comissão Municipal de Erradicação do trabalho Infantil. Iniciamos, juntamente coma coordenadoria do PETI, CREAS, CEREST, e com a participação do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente-COMDICA e conselho tutelar, um planejamento de ações sistemáticas que serão desenvolvidas a partir do mês de outubro, onde mobilizaremos todos os segmentos sociais em prol do combate ao trabalho infantil. Vários materiais educativos serão distribuídos, inclusive pulseirinhas coloridas com destaque para o tema. Vários serão os espaços públicos e privados onde atuaremos. Já iniciamos um diálogo com a empresa Vulcabras, que atualmente conta com mais de 14.000 funcionários, em três turnos, a partir do enfrentamento ao problema dos vendedores ambulantes, em sua maioria crianças, que se encontram na entrada da empresa. O conselho tutelar foi acionado, encaminhou o caso ao Ministério Público, notificou os responsáveis pela entrega dos produtos às crianças, e, juntamente com o grupo de trabalho organizado (PETECA, PETI, CREAS, CEREST, COMDICA, se propõe a dar continuidade ao trabalho. Soraia Colaço COORDENADORA MUNICIPAL DO PETECA 28 de setembro de 2010
  • 4. Como elaborar um relatório 1. O que é um relatório? Um relatório de uma actividade prática, é uma exposição escrita de um determinado trabalho ou experiência laboratorial. Não é apenas uma descrição do modo de proceder (técnicas, reagentes, material, etc.), pois este conjunto de informações constitui o protocolo. Um relatório é o conjunto da descrição da realização experimental, dos resultados nele obtidos, assim como das ideias associadas, de modo a constituir uma compilação completa e coerente de tudo o que diga respeito a esse trabalho. De alguma forma, elaborar um relatório deve ser visto pelo aluno como uma etapa importante na sua formação académica, para que mais tarde, como profissional, possa ter adquirido e desenvolvido a praxis e o raciocínio crítico necessários à elaboração de um artigo científico. 2- Como escrever? O relatório como instrumento de trabalho deverá utilizar uma linguagem simples, clara, objectiva e precisa. A clareza do raciocínio, característica do método científico, deverá transparecer na forma como o relatório é escrito. Um relatório deverá ser conciso e coerente, incluindo a informação indispensável à compreensão do trabalho. A forma pela qual alguma informação pode ser apresentada (tabelas, gráficos, ilustrações), pode contribuir consideravelmente para reduzir a extensão de um relatório. As frases utilizadas devem ser completas, para que, através da sua leitura seja possível seguir um raciocínio lógico. Em ciência, todas as afirmações devem ser baseadas em provas factuais e não em opiniões não fundamentadas. Factos especulativos não
  • 5. podem tomar o lugar de outros já demonstrados. De igual modo, o aluno (futuro investigador) deve evitar o excesso de conclusões, sendo estas precisas e sintéticas. As conclusões devem, igualmente, ser coerentes com a discussão dos resultados. 3- Estrutura dum relatório A divisão metodológica de um relatório em várias secções ajuda à sua organização e escrita por parte dos autores e, de igual modo, permite ao leitor encontrar mais facilmente a informação que procura. 3.1. Título, autor(es) e data Identificação do trabalho (título). Identificação dos autores. Data em que o relatório foi realizado. Disciplina a que diz respeito. 3.2. Objectivos Deverá incluir sumariamente qual ou quais os objectivos do trabalho a realizar. 3.3. Introdução Nesta parte do relatório deve ser introduzido o trabalho experimental a realizar, bem como as noções teóricas que servem de base ao mesmo. A introdução deve conter a informação essencial à compreensão do trabalho. 3.4. Material e Métodos Deve ser sintético mas preciso, contendo, no entanto, informação suficiente de modo que, no caso da experiência vir a ser repetida por outrem, possam ser obtidos resultados
  • 6. idênticos. Normalmente considerado como um ponto secundário do trabalho, esta parte do relatório é, no entanto, essencial para a compreensão da experiência a realizar. 3.5. Resultados Descrição do que se observa na experiência. Inclui o registo e tratamento dos dados, bem como os esquemas e ou as figuras das observações efectuadas. Os esquemas são feitos a lápis e legendados. No caso de observações microscópicas deve ser incluido junto do esquema a ampliação. 3.6. Discussão Interpretação dos resultados. A discusão deve comparar os resultados obtidos face ao objectivo pretendido. Não se devem tirar hipóteses especulativas que não possam ser fundamentadas nos resultados obtidos. A discussão constitui uma das partes mais importantes do relatório, uma vez que é nela (e não na introdução) que os autores evidenciam todos os conhecimentos adquiridos, através da profundidade com que discutem os resultados obtidos. 3.7. Conclusões Esta parte do relatório deve sumarizar as principais conclusões obtidas no decurso do trabalho realizado. 3.7. Referências bibliográficas A bibliografia deve figurar no fim do relatório. Nela devem ser apresentadas todas as referências mencionadas no texto, que podem ser livros (ou capítulos de livros), artigos científicos, CD-ROMs e websites consultados.
  • 7. Adaptado de: Jones, A., Reed, R. and Weyers, J., 1998 – “Pratical Skills in Biology”. 2nd edition. Longman Scientific & Technical (ed), New York.