SlideShare uma empresa Scribd logo
História da Paraíba
A população indígena
Na Paraíba grupos étnicos indígenas dividiam-se em
dois no momento da chegada dos europeus: os Tupis
e os Cariris também chamados de Tapuias. Os Tupis
se dividiam em Tabajaras e Potiguaras, que eram
inimigos entre si.
Antecedentes da conquista européia da Paraíba
A colônia portuguesa foi dividida em quinze capitanias,
para doze donatários. Entre elas destacam-se a
capitania de Itamaracá, que se estendia do rio Santa
Cruz até a Baía da Traição.
Em 1574 aconteceu um incidente conhecido como
"Tragédia de Tracunhaém", no qual índios mataram
todos os moradores de um engenho chamado
Tracunhaém em Pernambuco, próximo a Goiana.
Após esta tragédia, D. João III, rei de Portugal,
desmembrou Itamaracá, dando formação à capitania do
Rio Paraíba.
A conquista e fundação da Paraíba
Expedições para a conquista
Quando o governador-geral D. Luís de Brito recebeu a
ordem para separar Itamaracá, recebeu também do rei
de Portugal a ordem de punir os índios responsáveis
pelo massacre, expulsar os franceses e fundar uma
cidade. Assim começaram as cinco expedições para a
conquista da Paraíba. Para isso o rei D. Sebastião
mandou primeiramente o ouvidor-geral D. Fernão da
Silva.
I Expedição (1574): O comandante desta expedição foi o ouvidor-
geral D. Fernão da Silva. Ao chegar no Brasil, Fernão tomou posse
das terras em nome do rei sem que houvesse nenhuma resistência,
mas isso foi apenas uma armadilha. Sua tropa foi surpreendida por
indígenas e teve que recuar para Pernambuco.
II Expedição (1575): Quem comandou a segunda expedição foi o
governador-geral, D. Luís de Brito. Sua expedição foi prejudicada
por ventos desfavoráveis e eles nem chegaram sequer às terras
paraibanas. Três anos depois outro governador-geral Lourenço
Veiga, tenta conquistar a o Rio Paraíba, não obtendo êxito.
III Expedição (1579): Ainda sob forte domínio "de fato" dos
franceses, foi concedida, por dez anos, ao capitão Frutuoso
Barbosa a capitania da Paraíba, desmembrada de Olinda. Essa idéia
só lhe trouxe prejuízos, uma vez que quando estava vindo à
Paraíba, caiu sobre sua frota uma forte tormenta e além de ter que
recuar até Portugal, ele perdeu sua esposa .
IV Expedição (1582): Com a mesma proposta imposta por ele na
expedição anterior, Frutuoso Barbosa volta decidido a conquistar a
Paraíba, mas cai na armadilha dos índios e do franceses. Barbosa
desiste após perder um filho em combate.
V Expedição (1584): Após a sua chegada à Paraíba, Frutuoso
Barbosa capturou cinco navios de traficantes franceses, solicitando
mais tropas de Pernambuco e da Bahia para assegurar os interesses
portugueses na região. Nesse mesmo ano, da Bahia vieram reforços
através de uma esquadra comandada por Diogo Flores de Valdés, e
de Pernambuco tropas sob o comando de D. Filipe de Moura.
Conseguiram finalmente expulsar os franceses e conquistar a
Paraíba. Após a conquista, eles construíram os fortes de São Tiago e
São Filipe.
Conquista da Paraíba
Quando ninguém esperava, os portugueses unem-se aos
Tabajaras, fazendo com que os potiguaras recuassem. Isto se deu
no início de agosto de 1585. A conquista da Paraíba se deu no
final de tudo através da união de um português e um chefe
indígena chamado Pirajibe, palavra que significa "braço de peixe"
Fundação da Paraíba
Martim Leitão trouxe pedreiros,
carpinteiros, engenheiros e outros
para edificar a Cidade de Nossa
Senhora das Neves. Com o início
das obras, Leitão foi a Baía da
Traição expulsar o resto dos
franceses que permaneciam na
Paraíba. Leitão nomeou João
Tavares para ser o capitão do Forte.
Na Paraíba teve-se a terceira
cidade a ser fundada no Brasil e a
última do século XVI.
Primeiras vilas da Paraíba na época colonial
Areia
Conhecida antigamente pelo nome de Bruxaxá, Areia foi elevada
à freguesia com o nome de Nossa Senhora da Conceição pelo
Alvará Régio de 18 de maio de 1815. Esta data é considerada
também como a de sua elevação à vila. Sua emancipação política
se deu em 18 de maio de 1846, pela lei de criação número 2. A
cidade de Areia também é conhecida por ter libertados os
escravos antes da Lei Aurea. Hoje, Areia se destaca como cidade
do interior da Paraíba devido seu passado histórico.
Campina Grande
Sua colonização teve início em 1697. O capitão-mor Teodósio de
Oliveira Lêdo instalou na região um povoado. Os indígenas Ariús
formaram uma aldeia. Em volta dessa aldeia surgiu uma feira nas
ruas por onde passavam camponeses. Percebe-se então que as
características comerciais de Campina Grande nasceram desde
sua origem. Campina foi elevada à freguesia em 1769, sob a
invocação de Nossa Senhora da Conceição. Sua elevação à vila
com o nome de Vila Nova da Rainha se deu em 20 de abril de
1790. Hoje, Campina Grande é a maior cidade do interior do
Nordeste em diversos aspectos.
As ordens religiosas da capitania da
Paraíba e seus mosteiros
Os Jesuítas
Os jesuítas foram os primeiros missionários que chegaram à
capitania da Paraíba, acompanhando todas as suas lutas de
colonização. Se puseram a construir um colégio na Felipéia.
Devido a desavenças com os franciscanos, que não usavam
métodos de educação tão rígidos como os jesuítas, a idéia foi
interrompida. não permitirem a escravização dos índios, sendo
expulsos da colônia. Cento e quinze anos depois, os jesuítas
voltaram e fundaram um Seminário junto à igreja de Nossa
Senhora da Conceição. Atualmente essa área corresponde ao
jardim Palácio do Governo.
Os Franciscanos
chegaram com o objetivo de catequizar os índios. O Frei
Antônio do Campo Maior chegou com o objetivo de
fundar o primeiro convento da capitania. os
franciscanos, assim como os jesuítas, não escravizavam
os índios.A igreja e o convento dos franciscanos foram
construídos em um sítio muito grande, onde
atualmente se encontra a praça São Francisco.
Os Beneditinos
O superior geral dos beneditinos tinha interesse em fundar um
convento na Capitania da Paraíba. O governador da capitania
recebeu o abade e conversou com o mesmo sobre a tal fundação.
Resolveu doar um sítio, que seria a ordem do superior geral dos
beneditinos. A condição imposta pelo governador era que o
convento fosse construído em até 2 anos. O mosteiro não foi
construído em dois anos, mesmo assim, Feliciano manteve a
doação do sítio.
A igreja de São Bento se encontrava na Rua Nova, atual Avenida
General Osório, onde ainda há um cata-vento em lâmina,
construído em 1753.
Os Carmelitas
Os missionários carmelitas vieram à Paraíba a pedido do
cardeal D. Henrique, em 1580. Mas devido a um
incidente na chegada que colheu os missionários para
diferentes direções, a vinda dos carmelitas demorou
oito anos.
Mudanças no nome da Paraíba
A cidade recebeu o nome de Filipéia de Nossa
Senhora das Neves em homenagem a Filipe II rei de
Espanha e Portugal. Sob o domínio holandês
denominou-se Frederica, em homenagem ao
príncipe de Orange.Restabelecida a soberania
portuguesa foi chamada Paraíba, finalmente
em1930 recebe o nome de João Pessoa por Decreto
assinado por Dr. Álvaro de Carvalho pai do ilustre
governador barbaramente assassinado no Recife.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cruzadinha feudalismo
Cruzadinha feudalismoCruzadinha feudalismo
Cruzadinha feudalismo
Marcia Oliveira Lupion
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
Alex Ferreira dos Santos
 
Formação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiroFormação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiro
feraps
 
Nações indígenas no brasil
Nações indígenas no brasilNações indígenas no brasil
Nações indígenas no brasil
Acrópole - História & Educação
 
Influências Indígenas na Cultura Brasileira
Influências Indígenas na Cultura BrasileiraInfluências Indígenas na Cultura Brasileira
Influências Indígenas na Cultura Brasileira
Gisele Finatti Baraglio
 
Atividade de História - O Humanismo e o Renascimento
Atividade  de História - O Humanismo e  o Renascimento Atividade  de História - O Humanismo e  o Renascimento
Atividade de História - O Humanismo e o Renascimento
Mary Alvarenga
 
Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...
Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...
Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...
Giselda morais rodrigues do
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
Fabiana Tonsis
 
Geo 7º ano M 3ª prova A 2ª etapa 2014 gabarito
Geo 7º ano M 3ª prova A 2ª etapa 2014 gabaritoGeo 7º ano M 3ª prova A 2ª etapa 2014 gabarito
Geo 7º ano M 3ª prova A 2ª etapa 2014 gabarito
CBM
 
3º ano - Guerra do Contestado
3º ano - Guerra do Contestado3º ano - Guerra do Contestado
3º ano - Guerra do Contestado
Daniel Alves Bronstrup
 
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
Nefer19
 
História do ceará
História do cearáHistória do ceará
História do ceará
Pérysson Nogueira
 
Atividades Segunda Guerra Mundial
Atividades Segunda Guerra MundialAtividades Segunda Guerra Mundial
Atividades Segunda Guerra Mundial
Eduardo Mariño Rial
 
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Atividades formação territorial do brasil
Atividades formação territorial do brasil Atividades formação territorial do brasil
Atividades formação territorial do brasil
Doug Caesar
 
História Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos AfricanosHistória Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos Africanos
Isaquel Silva
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
Fatima Freitas
 
A formação do povo brasileiro
A formação do povo brasileiroA formação do povo brasileiro
A formação do povo brasileiro
João Marcelo
 
Império bizantino
Império bizantinoImpério bizantino
Império bizantino
alinemaiahistoria
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
Gustavo_Cardoso
 

Mais procurados (20)

Cruzadinha feudalismo
Cruzadinha feudalismoCruzadinha feudalismo
Cruzadinha feudalismo
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
 
Formação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiroFormação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiro
 
Nações indígenas no brasil
Nações indígenas no brasilNações indígenas no brasil
Nações indígenas no brasil
 
Influências Indígenas na Cultura Brasileira
Influências Indígenas na Cultura BrasileiraInfluências Indígenas na Cultura Brasileira
Influências Indígenas na Cultura Brasileira
 
Atividade de História - O Humanismo e o Renascimento
Atividade  de História - O Humanismo e  o Renascimento Atividade  de História - O Humanismo e  o Renascimento
Atividade de História - O Humanismo e o Renascimento
 
Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...
Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...
Fdocumentos.tips povos e-culturas-africanas-malineses-centenas-de-povos-com-c...
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
Geo 7º ano M 3ª prova A 2ª etapa 2014 gabarito
Geo 7º ano M 3ª prova A 2ª etapa 2014 gabaritoGeo 7º ano M 3ª prova A 2ª etapa 2014 gabarito
Geo 7º ano M 3ª prova A 2ª etapa 2014 gabarito
 
3º ano - Guerra do Contestado
3º ano - Guerra do Contestado3º ano - Guerra do Contestado
3º ano - Guerra do Contestado
 
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
 
História do ceará
História do cearáHistória do ceará
História do ceará
 
Atividades Segunda Guerra Mundial
Atividades Segunda Guerra MundialAtividades Segunda Guerra Mundial
Atividades Segunda Guerra Mundial
 
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
 
Atividades formação territorial do brasil
Atividades formação territorial do brasil Atividades formação territorial do brasil
Atividades formação territorial do brasil
 
História Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos AfricanosHistória Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos Africanos
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
 
A formação do povo brasileiro
A formação do povo brasileiroA formação do povo brasileiro
A formação do povo brasileiro
 
Império bizantino
Império bizantinoImpério bizantino
Império bizantino
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 

Destaque

seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
Professor: Ellington Alexandre
 
Apostila Geografia da Paraíba 3 - Concurso da PM
Apostila Geografia da Paraíba 3 - Concurso da PMApostila Geografia da Paraíba 3 - Concurso da PM
Apostila Geografia da Paraíba 3 - Concurso da PM
Colégio Certo - Rio Tinto/PB
 
Webquest sobre "A História da Paraíba
Webquest sobre "A História da ParaíbaWebquest sobre "A História da Paraíba
Webquest sobre "A História da Paraíba
Lúcia Serafim
 
Concurso da PM - Geografia da Paraíba
Concurso da PM - Geografia da ParaíbaConcurso da PM - Geografia da Paraíba
Concurso da PM - Geografia da Paraíba
Colégio Certo - Rio Tinto/PB
 
Lingua Portuguesa
Lingua PortuguesaLingua Portuguesa
Lingua Portuguesa
veroleal
 
Slides Geografia do Brasil
Slides Geografia do BrasilSlides Geografia do Brasil
Slides Geografia do Brasil
Laisa Cabral Caetano
 
Historia da paraiba rodrigo
Historia da paraiba rodrigoHistoria da paraiba rodrigo
Historia da paraiba rodrigo
nilmarfgalvao
 
Revolução industrial (aula 1)
Revolução industrial (aula 1)Revolução industrial (aula 1)
Revolução industrial (aula 1)
Whendyson Carlos
 
Anda Brasil as caminhadas na natureza da Paraíba
Anda Brasil as caminhadas na natureza da ParaíbaAnda Brasil as caminhadas na natureza da Paraíba
Anda Brasil as caminhadas na natureza da Paraíba
ReinalSoft Video DIgital By Reinaldo Dosan
 
Historia da pmpb
Historia da pmpbHistoria da pmpb
Historia da pmpb
Rafael Halley
 
Indicações de livros de História da Paraíba
Indicações de livros de História da ParaíbaIndicações de livros de História da Paraíba
Indicações de livros de História da Paraíba
Professor: Ellington Alexandre
 
Apostila Geografia
Apostila GeografiaApostila Geografia
Apostila Geografia
Maurício Vieira
 
Trabalho História - população do século XVII e XVIII
Trabalho História - população do século XVII e XVIIITrabalho História - população do século XVII e XVIII
Trabalho História - população do século XVII e XVIII
carolinagomesss
 
Mineração e interiorização no brasil colônia
Mineração e interiorização no brasil colôniaMineração e interiorização no brasil colônia
Mineração e interiorização no brasil colônia
MARIANO C7S
 
177 6475-1-pb
177 6475-1-pb177 6475-1-pb
177 6475-1-pb
Alex Olivindo
 
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
Rafael Noronha
 
História do brasil aula 04
História do brasil   aula 04História do brasil   aula 04
História do brasil aula 04
Fernanda Stang
 
IECJ - Cap. 9 - A organização do espaço nordestino
IECJ - Cap. 9 - A organização do espaço nordestinoIECJ - Cap. 9 - A organização do espaço nordestino
IECJ - Cap. 9 - A organização do espaço nordestino
profrodrigoribeiro
 
Formação das cidades brasileiras
Formação das cidades brasileirasFormação das cidades brasileiras
Formação das cidades brasileiras
Patrícia Ventura
 
O espaço colonial do nordeste
O espaço colonial do nordesteO espaço colonial do nordeste
O espaço colonial do nordeste
FLAVIO TOLEDO DE SOUZA
 

Destaque (20)

seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
 
Apostila Geografia da Paraíba 3 - Concurso da PM
Apostila Geografia da Paraíba 3 - Concurso da PMApostila Geografia da Paraíba 3 - Concurso da PM
Apostila Geografia da Paraíba 3 - Concurso da PM
 
Webquest sobre "A História da Paraíba
Webquest sobre "A História da ParaíbaWebquest sobre "A História da Paraíba
Webquest sobre "A História da Paraíba
 
Concurso da PM - Geografia da Paraíba
Concurso da PM - Geografia da ParaíbaConcurso da PM - Geografia da Paraíba
Concurso da PM - Geografia da Paraíba
 
Lingua Portuguesa
Lingua PortuguesaLingua Portuguesa
Lingua Portuguesa
 
Slides Geografia do Brasil
Slides Geografia do BrasilSlides Geografia do Brasil
Slides Geografia do Brasil
 
Historia da paraiba rodrigo
Historia da paraiba rodrigoHistoria da paraiba rodrigo
Historia da paraiba rodrigo
 
Revolução industrial (aula 1)
Revolução industrial (aula 1)Revolução industrial (aula 1)
Revolução industrial (aula 1)
 
Anda Brasil as caminhadas na natureza da Paraíba
Anda Brasil as caminhadas na natureza da ParaíbaAnda Brasil as caminhadas na natureza da Paraíba
Anda Brasil as caminhadas na natureza da Paraíba
 
Historia da pmpb
Historia da pmpbHistoria da pmpb
Historia da pmpb
 
Indicações de livros de História da Paraíba
Indicações de livros de História da ParaíbaIndicações de livros de História da Paraíba
Indicações de livros de História da Paraíba
 
Apostila Geografia
Apostila GeografiaApostila Geografia
Apostila Geografia
 
Trabalho História - população do século XVII e XVIII
Trabalho História - população do século XVII e XVIIITrabalho História - população do século XVII e XVIII
Trabalho História - população do século XVII e XVIII
 
Mineração e interiorização no brasil colônia
Mineração e interiorização no brasil colôniaMineração e interiorização no brasil colônia
Mineração e interiorização no brasil colônia
 
177 6475-1-pb
177 6475-1-pb177 6475-1-pb
177 6475-1-pb
 
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
 
História do brasil aula 04
História do brasil   aula 04História do brasil   aula 04
História do brasil aula 04
 
IECJ - Cap. 9 - A organização do espaço nordestino
IECJ - Cap. 9 - A organização do espaço nordestinoIECJ - Cap. 9 - A organização do espaço nordestino
IECJ - Cap. 9 - A organização do espaço nordestino
 
Formação das cidades brasileiras
Formação das cidades brasileirasFormação das cidades brasileiras
Formação das cidades brasileiras
 
O espaço colonial do nordeste
O espaço colonial do nordesteO espaço colonial do nordeste
O espaço colonial do nordeste
 

Semelhante a História da paraiba - PIBID História UEPB Campus I

Cronologia historia do brasil
Cronologia historia do brasilCronologia historia do brasil
Cronologia historia do brasil
Bryan Jonathan
 
Apostila de História do Brasil - Barão do Pirapora
Apostila de História do Brasil - Barão do PiraporaApostila de História do Brasil - Barão do Pirapora
Apostila de História do Brasil - Barão do Pirapora
Barao do Pirapora
 
Colonização da américa
Colonização da américaColonização da américa
Colonização da américa
Geovane da Silva Pessoa
 
1 VA - SILANIA
1 VA - SILANIA1 VA - SILANIA
Aula brasil-colonial-ac3a7ucar-holandeses
Aula brasil-colonial-ac3a7ucar-holandesesAula brasil-colonial-ac3a7ucar-holandeses
Aula brasil-colonial-ac3a7ucar-holandeses
Lucir Antonio de Souza
 
História Pb e a. Ind. do Brasil pdf.pdf
História Pb e a.  Ind. do Brasil pdf.pdfHistória Pb e a.  Ind. do Brasil pdf.pdf
História Pb e a. Ind. do Brasil pdf.pdf
formiguinhagigantega
 
Aula 12 crise no sistema colonial
Aula 12   crise no sistema colonialAula 12   crise no sistema colonial
Aula 12 crise no sistema colonial
Jonatas Carlos
 
Estudos regionais primeiras comunidades do maranhão
Estudos regionais   primeiras comunidades do maranhãoEstudos regionais   primeiras comunidades do maranhão
Estudos regionais primeiras comunidades do maranhão
profmarloncardozo
 
Entradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpEntradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmp
Péricles Penuel
 
História e Geografia do Amapá estado brasileiro.
História e Geografia do Amapá estado brasileiro.História e Geografia do Amapá estado brasileiro.
História e Geografia do Amapá estado brasileiro.
laribarcelosalm
 
Capitulo 7
Capitulo 7Capitulo 7
Capitulo 7
Lídia Barreto
 
Maria iracilda
Maria iracildaMaria iracilda
Maria iracilda
Maria Araujo
 
Revisão brasil açucar
Revisão brasil açucarRevisão brasil açucar
Revisão brasil açucar
Edilson Elaine Rossi
 
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesasBrasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Sistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do Brasil
Sistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do BrasilSistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do Brasil
Sistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do Brasil
Valeria Kosicki
 
Invasões Holandesas
   Invasões Holandesas   Invasões Holandesas
Invasões Holandesas
diego8101995
 
Revisão brasil açucar
Revisão brasil açucarRevisão brasil açucar
Revisão brasil açucar
Edilson Elaine Rossi
 
Brasil colonial
Brasil colonial Brasil colonial
Brasil colonial
Fatima Freitas
 
Castro digital apostila_historia_do_maranhao
Castro digital apostila_historia_do_maranhaoCastro digital apostila_historia_do_maranhao
Castro digital apostila_historia_do_maranhao
gustavo4
 
Aula Resumida da história de Roraima
Aula Resumida da  história de RoraimaAula Resumida da  história de Roraima
Aula Resumida da história de Roraima
Durval Neto
 

Semelhante a História da paraiba - PIBID História UEPB Campus I (20)

Cronologia historia do brasil
Cronologia historia do brasilCronologia historia do brasil
Cronologia historia do brasil
 
Apostila de História do Brasil - Barão do Pirapora
Apostila de História do Brasil - Barão do PiraporaApostila de História do Brasil - Barão do Pirapora
Apostila de História do Brasil - Barão do Pirapora
 
Colonização da américa
Colonização da américaColonização da américa
Colonização da américa
 
1 VA - SILANIA
1 VA - SILANIA1 VA - SILANIA
1 VA - SILANIA
 
Aula brasil-colonial-ac3a7ucar-holandeses
Aula brasil-colonial-ac3a7ucar-holandesesAula brasil-colonial-ac3a7ucar-holandeses
Aula brasil-colonial-ac3a7ucar-holandeses
 
História Pb e a. Ind. do Brasil pdf.pdf
História Pb e a.  Ind. do Brasil pdf.pdfHistória Pb e a.  Ind. do Brasil pdf.pdf
História Pb e a. Ind. do Brasil pdf.pdf
 
Aula 12 crise no sistema colonial
Aula 12   crise no sistema colonialAula 12   crise no sistema colonial
Aula 12 crise no sistema colonial
 
Estudos regionais primeiras comunidades do maranhão
Estudos regionais   primeiras comunidades do maranhãoEstudos regionais   primeiras comunidades do maranhão
Estudos regionais primeiras comunidades do maranhão
 
Entradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpEntradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmp
 
História e Geografia do Amapá estado brasileiro.
História e Geografia do Amapá estado brasileiro.História e Geografia do Amapá estado brasileiro.
História e Geografia do Amapá estado brasileiro.
 
Capitulo 7
Capitulo 7Capitulo 7
Capitulo 7
 
Maria iracilda
Maria iracildaMaria iracilda
Maria iracilda
 
Revisão brasil açucar
Revisão brasil açucarRevisão brasil açucar
Revisão brasil açucar
 
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesasBrasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
 
Sistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do Brasil
Sistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do BrasilSistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do Brasil
Sistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do Brasil
 
Invasões Holandesas
   Invasões Holandesas   Invasões Holandesas
Invasões Holandesas
 
Revisão brasil açucar
Revisão brasil açucarRevisão brasil açucar
Revisão brasil açucar
 
Brasil colonial
Brasil colonial Brasil colonial
Brasil colonial
 
Castro digital apostila_historia_do_maranhao
Castro digital apostila_historia_do_maranhaoCastro digital apostila_historia_do_maranhao
Castro digital apostila_historia_do_maranhao
 
Aula Resumida da história de Roraima
Aula Resumida da  história de RoraimaAula Resumida da  história de Roraima
Aula Resumida da história de Roraima
 

História da paraiba - PIBID História UEPB Campus I

  • 2. A população indígena Na Paraíba grupos étnicos indígenas dividiam-se em dois no momento da chegada dos europeus: os Tupis e os Cariris também chamados de Tapuias. Os Tupis se dividiam em Tabajaras e Potiguaras, que eram inimigos entre si.
  • 3. Antecedentes da conquista européia da Paraíba A colônia portuguesa foi dividida em quinze capitanias, para doze donatários. Entre elas destacam-se a capitania de Itamaracá, que se estendia do rio Santa Cruz até a Baía da Traição. Em 1574 aconteceu um incidente conhecido como "Tragédia de Tracunhaém", no qual índios mataram todos os moradores de um engenho chamado Tracunhaém em Pernambuco, próximo a Goiana. Após esta tragédia, D. João III, rei de Portugal, desmembrou Itamaracá, dando formação à capitania do Rio Paraíba.
  • 4. A conquista e fundação da Paraíba Expedições para a conquista Quando o governador-geral D. Luís de Brito recebeu a ordem para separar Itamaracá, recebeu também do rei de Portugal a ordem de punir os índios responsáveis pelo massacre, expulsar os franceses e fundar uma cidade. Assim começaram as cinco expedições para a conquista da Paraíba. Para isso o rei D. Sebastião mandou primeiramente o ouvidor-geral D. Fernão da Silva.
  • 5. I Expedição (1574): O comandante desta expedição foi o ouvidor- geral D. Fernão da Silva. Ao chegar no Brasil, Fernão tomou posse das terras em nome do rei sem que houvesse nenhuma resistência, mas isso foi apenas uma armadilha. Sua tropa foi surpreendida por indígenas e teve que recuar para Pernambuco. II Expedição (1575): Quem comandou a segunda expedição foi o governador-geral, D. Luís de Brito. Sua expedição foi prejudicada por ventos desfavoráveis e eles nem chegaram sequer às terras paraibanas. Três anos depois outro governador-geral Lourenço Veiga, tenta conquistar a o Rio Paraíba, não obtendo êxito.
  • 6. III Expedição (1579): Ainda sob forte domínio "de fato" dos franceses, foi concedida, por dez anos, ao capitão Frutuoso Barbosa a capitania da Paraíba, desmembrada de Olinda. Essa idéia só lhe trouxe prejuízos, uma vez que quando estava vindo à Paraíba, caiu sobre sua frota uma forte tormenta e além de ter que recuar até Portugal, ele perdeu sua esposa . IV Expedição (1582): Com a mesma proposta imposta por ele na expedição anterior, Frutuoso Barbosa volta decidido a conquistar a Paraíba, mas cai na armadilha dos índios e do franceses. Barbosa desiste após perder um filho em combate.
  • 7. V Expedição (1584): Após a sua chegada à Paraíba, Frutuoso Barbosa capturou cinco navios de traficantes franceses, solicitando mais tropas de Pernambuco e da Bahia para assegurar os interesses portugueses na região. Nesse mesmo ano, da Bahia vieram reforços através de uma esquadra comandada por Diogo Flores de Valdés, e de Pernambuco tropas sob o comando de D. Filipe de Moura. Conseguiram finalmente expulsar os franceses e conquistar a Paraíba. Após a conquista, eles construíram os fortes de São Tiago e São Filipe.
  • 8. Conquista da Paraíba Quando ninguém esperava, os portugueses unem-se aos Tabajaras, fazendo com que os potiguaras recuassem. Isto se deu no início de agosto de 1585. A conquista da Paraíba se deu no final de tudo através da união de um português e um chefe indígena chamado Pirajibe, palavra que significa "braço de peixe"
  • 9. Fundação da Paraíba Martim Leitão trouxe pedreiros, carpinteiros, engenheiros e outros para edificar a Cidade de Nossa Senhora das Neves. Com o início das obras, Leitão foi a Baía da Traição expulsar o resto dos franceses que permaneciam na Paraíba. Leitão nomeou João Tavares para ser o capitão do Forte. Na Paraíba teve-se a terceira cidade a ser fundada no Brasil e a última do século XVI.
  • 10. Primeiras vilas da Paraíba na época colonial Areia Conhecida antigamente pelo nome de Bruxaxá, Areia foi elevada à freguesia com o nome de Nossa Senhora da Conceição pelo Alvará Régio de 18 de maio de 1815. Esta data é considerada também como a de sua elevação à vila. Sua emancipação política se deu em 18 de maio de 1846, pela lei de criação número 2. A cidade de Areia também é conhecida por ter libertados os escravos antes da Lei Aurea. Hoje, Areia se destaca como cidade do interior da Paraíba devido seu passado histórico.
  • 11. Campina Grande Sua colonização teve início em 1697. O capitão-mor Teodósio de Oliveira Lêdo instalou na região um povoado. Os indígenas Ariús formaram uma aldeia. Em volta dessa aldeia surgiu uma feira nas ruas por onde passavam camponeses. Percebe-se então que as características comerciais de Campina Grande nasceram desde sua origem. Campina foi elevada à freguesia em 1769, sob a invocação de Nossa Senhora da Conceição. Sua elevação à vila com o nome de Vila Nova da Rainha se deu em 20 de abril de 1790. Hoje, Campina Grande é a maior cidade do interior do Nordeste em diversos aspectos.
  • 12. As ordens religiosas da capitania da Paraíba e seus mosteiros Os Jesuítas Os jesuítas foram os primeiros missionários que chegaram à capitania da Paraíba, acompanhando todas as suas lutas de colonização. Se puseram a construir um colégio na Felipéia. Devido a desavenças com os franciscanos, que não usavam métodos de educação tão rígidos como os jesuítas, a idéia foi interrompida. não permitirem a escravização dos índios, sendo expulsos da colônia. Cento e quinze anos depois, os jesuítas voltaram e fundaram um Seminário junto à igreja de Nossa Senhora da Conceição. Atualmente essa área corresponde ao jardim Palácio do Governo.
  • 13. Os Franciscanos chegaram com o objetivo de catequizar os índios. O Frei Antônio do Campo Maior chegou com o objetivo de fundar o primeiro convento da capitania. os franciscanos, assim como os jesuítas, não escravizavam os índios.A igreja e o convento dos franciscanos foram construídos em um sítio muito grande, onde atualmente se encontra a praça São Francisco.
  • 14. Os Beneditinos O superior geral dos beneditinos tinha interesse em fundar um convento na Capitania da Paraíba. O governador da capitania recebeu o abade e conversou com o mesmo sobre a tal fundação. Resolveu doar um sítio, que seria a ordem do superior geral dos beneditinos. A condição imposta pelo governador era que o convento fosse construído em até 2 anos. O mosteiro não foi construído em dois anos, mesmo assim, Feliciano manteve a doação do sítio. A igreja de São Bento se encontrava na Rua Nova, atual Avenida General Osório, onde ainda há um cata-vento em lâmina, construído em 1753.
  • 15. Os Carmelitas Os missionários carmelitas vieram à Paraíba a pedido do cardeal D. Henrique, em 1580. Mas devido a um incidente na chegada que colheu os missionários para diferentes direções, a vinda dos carmelitas demorou oito anos.
  • 16. Mudanças no nome da Paraíba A cidade recebeu o nome de Filipéia de Nossa Senhora das Neves em homenagem a Filipe II rei de Espanha e Portugal. Sob o domínio holandês denominou-se Frederica, em homenagem ao príncipe de Orange.Restabelecida a soberania portuguesa foi chamada Paraíba, finalmente em1930 recebe o nome de João Pessoa por Decreto assinado por Dr. Álvaro de Carvalho pai do ilustre governador barbaramente assassinado no Recife.