SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 55
Cidadania
Cidadania
A República oligárquica
Proclamação
da República
(15 de novembro)
Revolução
de 1930
Queda
de Getúlio
Vargas
Golpe
militar
Eleição de
Tancredo
Neves
Impeachment
de Fernando
Collor
Eleição de
Dilma Rousseff
Período Republicano
1889 1930 1945 1964 1985 1992 2010
AUGUSTOMALTA/COLEÇÃOPEREIRAPASSOS
ARQUIVOGERALDORIODEJANEIRO
2
Cidadania
O nascimento do Brasil republicano
A Pátria, pintura feita por Pedro Bruno em 1919. Ela representa o nascimento
de uma nação após a Proclamação da República.
PEDROBRUNO/MUSEUDAREPÚBLICA,RJ.
A luz que invade o cômodo representa a
recente Proclamação da República, que
iluminava e inspirava a população, levando-a
a sonhar com um futuro glorioso.
3
Cidadania
PEDROBRUNO/MUSEUDAREPÚBLICA,RJ.
O nascimento do Brasil republicano
A Pátria, pintura feita por Pedro Bruno em 1919. Ela representa o nascimento
de uma nação após a Proclamação da República.
A bandeira é um importante
símbolo nacional. Sua
confecção representa a
formação de uma nova nação.
4
Cidadania
PEDROBRUNO/MUSEUDAREPÚBLICA,RJ.
O nascimento do Brasil republicano
A Pátria, pintura feita por Pedro Bruno em 1919. Ela representa o nascimento
de uma nação após a Proclamação da República.
As crianças, filhas da nova
pátria, a recebem com afeto.
5
Cidadania
PEDROBRUNO/MUSEUDAREPÚBLICA,RJ.
A Pátria, pintura feita por Pedro Bruno em 1919. Ela representa o nascimento
de uma nação após a Proclamação da República.
O bebê brinca com mais uma estrela
a ser costurada na bandeira. Esse
ato simboliza a adesão das diversas
regiões do Brasil à República.
O nascimento do Brasil republicano
6
Cidadania
PEDROBRUNO/MUSEUDAREPÚBLICA,RJ.
A Pátria, pintura feita por Pedro Bruno em 1919. Ela representa o nascimento
de uma nação após a Proclamação da República.
A República é representada por uma
mulher desde a Revolução Francesa.
Isso justifica a presença de tantas
mulheres na pintura.
O nascimento do Brasil republicano
7
Cidadania
PEDROBRUNO/MUSEUDAREPÚBLICA,RJ.
A Pátria, pintura feita por Pedro Bruno em 1919. Ela representa o nascimento
de uma nação após a Proclamação da República.
Nos quadros estão homenageados
dois personagens considerados
heróis republicanos: Tiradentes
e o marechal Deodoro da Fonseca.
O nascimento do Brasil republicano
8
Cidadania
PEDROBRUNO/MUSEUDAREPÚBLICA,RJ.
A Pátria, pintura feita por Pedro Bruno em 1919. Ela representa o nascimento
de uma nação após a Proclamação da República.
O homem velho, sentado no canto, longe da
cena principal e da luz, representa a
monarquia, ultrapassada, esquecida e
incapaz de atuar diante das grandes
transformações pelas quais o país passava.
O nascimento do Brasil republicano
9
Cidadania
• o poder do Estado seria dividido em Executivo,
Legislativo e Judiciário.
A primeira Constituição republicana
Em 1891, no governo de marechal Deodoro da Fonseca, foi promulgada a primeira
Constituição republicana. Ela estabeleceu que:
- não intervenção da Igreja em assuntos de Estado.
- garantia de liberdade religiosa;
• separação entre Igreja e Estado:
10
Cidadania
A Constituição ampliava a participação política da população, mas os
analfabetos, mendigos, soldados, membros de ordens religiosas e mulheres
ainda não podiam votar.
O analphabeto, charge de 1916
satirizando a aprovação do novo
Código Civil, que não alcançava a
massa da população analfabeta.
Nas eleições presidenciais de
1894, 80% da população era
analfabeta e somente 1,3% da
população cumpria os
requisitos exigidos para votar.
J.CARLOS/CARETA/FUNDAÇÃOBIBLIOTECANACIONAL,RJ.
11
Cidadania
Os governos militares (1889-1894)
Novembro de 1889 Governo provisório de marechal Deodoro da Fonseca.
Fevereiro de 1889
Marechal Deodoro da Fonseca é eleito presidente e
marechal Floriano Peixoto é eleito vice-presidente.
Novembro de 1891
Marechal Deodoro da Fonseca renuncia e marechal
Floriano Peixoto assume a Presidência.
1894
O civil Prudente de Morais, representante da elite
paulista, é eleito o novo presidente da República.
12
Cidadania
A República oligárquica (1894-1930)
• persuadiam a população a votar
neles utilizando-se de
intimidação.
A caricatura critica o desrespeito dos oligarcas
com a Constituição e os interesses do povo.
Coronéis
• chefes políticos locais apoiados por
grandes proprietários rurais;
• garantiam o poder local por meio de
alianças com outros políticos;
HUGOLEAL/BIBLIOTECAMUNICIPALMARIODEANDRADE,SP.
13
Cidadania
• grandes proprietários e grupos economicamente influentes
em São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do
Sul, Bahia e Pernambuco.
A política dos governadores
Governo de Campos Salles (1898-1902):
• governos estaduais se comprometiam a apoiar o governo federal por
meio de deputados e senadores no Congresso Nacional.
Beneficiados:
14
Cidadania
Revoltas no campo: messianismo e contestação
Causas
• desigualdades sociais:
- pequeno grupo de proprietários com muitas terras e a maioria da
população com pouca ou nenhuma terra.
• controle dos coronéis;
• dificuldade em encontrar trabalho;
• fome.
A religiosidade foi a marca comum em diversos movimentos populares.
15
Cidadania
Canudos Contestado
Comunidade no interior da Bahia
criada por Antônio Conselheiro em,
aproximadamente, 1893.
Movimento existente entre os estados do
Paraná e Santa Catarina entre 1912 e
1916.
Ameaçavam o controle político dos coronéis ao
atrair pessoas pobres de diversas regiões.
As Forças Armadas foram convocadas para sufocar os dois movimentos.
Conclusão: 30 mil mortos e Canudos
totalmente arrasada em 1897.
Conclusão: 20 mil mortos.
16
Cidadania
• processo de industrialização.
O látex – matéria-prima na fabricação
da borracha – é extraído manualmente
da seringueira, árvore típica da Amazônia.
DELFIMMARTINS/PULSARIMAGENS
O Brasil em transformação
Prosperidade econômica:
• café como principal fonte de riqueza;
• surgimento de novas atividades
econômicas, como a borracha;
17
Cidadania
Seção de latoaria em uma fábrica de conservas em Porto Alegre, início do século XX.
AUTORDESCONHECIDO/BIBLIOTECADACASADEPORTUGAL,SP.
A expansão industrial foi particularmente forte em São Paulo.
1907
1920
3 200 fábricas, a maioria em São Paulo e Rio de Janeiro
13 000 fábricas espalhadas pelo Brasil
18
Cidadania
1872 10 milhões de habitantes no país
1920 30 milhões de habitantes no país
As transformações econômicas foram acompanhadas por mudanças sociais.
• Chegada de imigrantes europeus para trabalhar nas
fábricas a partir de 1872.
• Crescimento populacional.
19
Cidadania
O crescimento populacional, acompanhado do enriquecimento da burguesia,
provocou o desenvolvimento de diversos centros urbanos do país.
Vista da praça do Ferreira, Fortaleza (CE), 1925.
LIVRARIAEUGENCURRLIN,BLUMENAU/ARQUIVODAEDITORA
20
Cidadania
- baixos salários.
A condição operária
• os primeiros imigrantes eram europeus; em seguida vieram os asiáticos;
• homens, mulheres e crianças vinham trabalhar nas fazendas de café do
sudeste do país;
• no início do século XX, 90% dos trabalhadores de São Paulo eram
imigrantes:
- nas cidades, trabalhavam como operários fabris;
- não havia leis de proteção ao trabalhador
(férias, descanso semanal e aposentadoria);
- ambientes insalubres;
21
Cidadania
A vida das mulheres e das crianças
Homens e crianças na fábrica de tecidos em Alagoas, início do século XX.
FOTOS:PEDROBRUNO/MUSEUDAREBÚBLICA.RJ
Mulheres e crianças trabalhavam nas fábricas para complementar a renda da família e
ganhavam bem menos do que os homens.
As crianças não iam para a escola.
22
Cidadania
Os trabalhadores reagiram às péssimas condições de vida em forma de
protesto, greves e organizações sindicais.
Comício durante a greve geral de 1917, na praça da Sé (São Paulo).
Explodem as greves
AUTORDESCONHECIDO/JORNALAPLEBE
23
Cidadania
Os militares na contestação da República oligárquica
Coluna Prestes: militares
rebeldes, comandados por Luís
Carlos Prestes, marcham pelo
interior do país em busca de apoio
popular.
Revolta da Chibata: 2 mil
marinheiros da Marinha de
guerra se rebelam no Rio de
Janeiro contra as péssimas
condições de trabalho e os
castigos físicos sofridos.
1910 1922 1924
24
Tenentismo: tenentes das Forças
Armadas reivindicam reformas
políticas, como voto secreto, fim
das fraudes eleitorais, fim do
controle político pelos oligarcas e
expansão do sistema de ensino.
Cidadania
Em 1922, ocorreu a
Semana de Arte
Moderna em
São Paulo.
São Paulo, pintura feita por Tarsila
do Amaral, em 1925.
TARSILADOAMARAL/PINACOTECADOESTADODESÃOPAULO
A rebelião dos artistas
Na década de 1920, intelectuais e artistas se uniram para propor novas formas de
pensar e de se expressar.
25
Cidadania
A Grande Guerra e a Revolução Russa
THEGRANGERCOLLECTION/OTHERIMAGES
26
Cidadania
A Belle Époque
No final do século XIX e início do século XX, Estados Unidos e Europa viviam um
momento de grandes avanços tecnológicos por causa da Revolução Industrial.
Esses avanços foram seguidos por:
• melhoria na qualidade e expectativa de vida da população;
• elevação do padrão educacional da população;
• consolidação de governos democráticos;
• democratização de informação por meio da imprensa e do cinema;
• conquistas de direitos femininos.
27
Cidadania
O baile no Moulin de la
Galette (1876), pintura de
Pierre-Auguste Renoir.
As classes média e alta viviam em prosperidade; esse período passou a ser
chamado de Bela Época.
PIERRE-AUGUSERENOIR/MUSEUD’ORSAY,PARIS
28
Cidadania
Um vulcão prestes a explodir
A Bela Época vivida pelas classes abastadas não era realidade em outros setores
da sociedade europeia.
• Os camponeses viviam em condições miseráveis em
boa parte do continente.
• Os operários trabalhavam mais de 14 horas por dia, com salários
extremamente baixos, sem direitos trabalhistas e sem voz política.
• O acesso à educação era privilégio de poucos.
29
Cidadania
Também havia tensões entre as nações europeias:
•França estava descontente por ter perdido território na Guerra
Franco-Prussiana (1870-1871).
•Itália e Alemanha procuravam conquistar territórios na Ásia e na África. Dessa
forma, tinham que confrontar também Inglaterra e França.
Para as nações europeias era importante conquistar territórios
na Ásia e na África. Essas localidades eram centros produtores
de matéria-prima para as indústrias europeias e mercado
consumidor dos produtos industrializados.
30
Cidadania
A “paz armada”
Charge publicada em revista alemã em 1913
criticando o combate entre civis alsacianos e
militares prussianos após a Prússia anexar os
territórios franceses de Alsácia-Lorena.
Os governos e a imprensa utilizavam
as disputas para promover ódio entre
as nações. Cartazes e panfletos ridicularizavam
outros povos, além
de difundir ideias racistas.
Grupos étnicos que viviam sob o
domínio de grandes potências lutavam por
independência, como os búlgaros, sérvios,
romenos e armênios que lutavam contra o
Império Turco Otomano.
Existia na Europa uma “paz armada”,
ou seja, o equilíbrio entre as nações
se dava porque todas investiam em tecnologias
armamentistas e temiam
a ação uma da outra.
WORLDHISTORYARCHIVE/TOPFOTO/KEYSTONE
31
Cidadania
A paz armada foi rompida em junho
de 1914, quando um nacionalista
bósnio, ligado a uma organização
sérvia, assassinou o príncipe
herdeiro do Império Austro-Húngaro,
Francisco Ferdinando.
O Império declarou guerra à Sérvia.
A Rússia, aliada da Sérvia,
colocou suas tropas em prontidão. Os
alemães, aliados dos austro-húngaros,
declararam guerra à Rússia.
Ilustração representando o assassinato de
Francisco Ferdinando e sua esposa, crime que
serviu de pretexto para o início da guerra.
A Grande Guerra
DANIEL/INTERFOTO/LATINSTOCK
32
Cidadania
O conflito dividiu a Europa em dois grandes blocos:
• Tríplice Aliança: Alemanha, Áustria-Hungria, Itália e aliados.
• Tríplice Entente: França, Inglaterra, Rússia e aliados.
ADAPTADODE:GRANDATLASHISTORIQUE.PARIS:LAROUSSE,2006.
Europa em 1914
33
Cidadania
Da euforia à dor
No início da guerra, boa parte da população
europeia via o conflito como algo que se
resolveria rapidamente.
Cada país, movido pelo patriotismo, achava
que seus soldados voltariam vitoriosos.
Entretanto, a guerra durou 4 anos e foi
marcada por extrema violência, por causa
do grande desenvolvimento armamentista
ocorrido nos anos anteriores.
Nenhum governo estava preparado
para uma guerra longa.
Cartaz representando a convocação
de britânicos para a guerra.
DIVISÃODEIMPRESSOSEFOTOGRAFIAS/BIBLIOTECADOCONGRESSO,WASHINGTON(DC)
34
Cidadania
Cerca de 60 milhões de europeus do
sexo masculino foram mobilizados.
Trincheiras durante a Primeira Guerra Mundial.
Os homens na guerra
• Guerra de movimento: tropas em
campo aberto com o objetivo de
conquistar territórios.
• Guerra de trincheiras: valas
profundas onde os soldados se
instalavam fortemente armados para
impedir o avanço das tropas
inimigas.
REMINISCÊNCIAS/ACERVOICONOGRAPHIA
35
Cidadania
• Cuidavam da sobrevivência de crianças,
idosos, feridos e inválidos que
retornavam dos campos de batalha.
• Assumiram os trabalhos nas fábricas
de munição, armamentos e
equipamentos bélicos.
• Responsáveis pelas tarefas agrícolas e
reconstrução de casas e vilas destruídas
pelos bombardeios.
Cartaz convocando mulheres a comprar
bônus de guerra para ajudar os soldados.
O papel das mulheres
K.J.HISTORICAL/CORBIS/LATINSTOCK
36
Cidadania
Os Estados Unidos entraram na guerra em 1917, no lado da
Tríplice Entente, após ter embarcações afundadas por alemães.
Os Estados Unidos eram, naquele momento, a nação mais
desenvolvida tecnologicamente. A entrada de novos
armamentos e a mobilização de mais de 4 milhões de soldados
foram decisivas.
Após a entrada dos Estados Unidos, as nações da Tríplice
Aliança se renderam e a guerra teve fim em 1918.
Os Estados Unidos entram no conflito
37
Cidadania
Com tropas malpreparadas e
equipamentos obsoletos, nossa
atuação se resumiu a vigiar os
inimigos na costa norte da África e
enviar médicos para a França.
Protesto contra o torpedeamento de navios
brasileiros. Rio de Janeiro, 1917.
O Brasil na Grande Guerra
O Brasil foi o único país da América do Sul a participar da guerra, ao lado da Tríplice
Entente. O motivo foi o mesmo dos norte-americanos.
REMINISCÊNCIAS/ACERVOICONOGRAPHIA
38
Cidadania
Entre 1919 e 1920, os vencedores do conflito realizaram conferências para
estabelecer acordos para o pós-guerra, o Tratado de Versalhes.
Os acordos de paz
O Tratado definiu que:
•o Império Austro-Húngaro deixaria de existir e surgiriam os países
da Áustria, Hungria e Tchecoslováquia;
•o Império Turco Otomano também seria extinto, dando origem à Turquia;
39
Cidadania
• as regiões do Oriente Médio e norte da África controladas pelos turcos
otomanos passariam a pertencer aos ingleses e franceses;
• a Alemanha estava proibida de manter equipamentos militares. Teve de
devolver à França as regiões anexadas na Guerra Franco-Prussiana,
ceder outros territórios e pagar uma gigantesca indenização;
• criação da Liga das Nações, com o objetivo de garantir a paz e a
segurança mundial.
40
Os acordos de paz
Cidadania
O Tratado de Versalhes mudou a organização política do continente.
Europa em 1918
ADAPTADODE:GRANDATLASHISTORIQUE.PARIS:LAROUSSE,2006.
41
Cidadania
A Primeira Guerra Mundial mostrou como a tecnologia pode ser utilizada
para a destruição:
• cerca de 15 milhões de mortos;
• cerca de 20 milhões de inválidos;
• inúmeras pessoas incapacitadas por causa da neurose de guerra.
Os Estados Unidos foram os maiores beneficiados com o conflito. Obtiveram
grandes lucros com a exportação de produtos agrícolas e industriais aos
países em guerra e concederam empréstimos bancários que lhes renderam
muito lucro.
Os efeitos da guerra e a nova situação dos Estados Unidos
42
Cidadania
A Rússia no começo do século XX
Em 1910, a Rússia era o maior império territorial do mundo, ocupando
regiões da Europa e da Ásia. Ainda vivia sob o regime absolutista e mantinha
a mesma organização política, social e econômica do século XVII.
Cartaz produzido por V. Maiakovski
em 1917. O artista critica o modo de
vida da nobreza, apoiada nos pobres
e protegida pelos soldados.
A Revolução RussaV.MAIAKOVSKI/MUSEUCENTRALESTATAL
DAHISTÓRIACONTEMPORÂNEADARÚSSIA
43
Cidadania
Camponês russo com filho no colo, c. 1907-1914.
A base da sociedade: a agricultura
•economia predominantemente rural;
•utilizava técnicas e equipamentos
ultrapassados;
•baixo rendimento agrícola;
•a terra pertencia à nobreza, que era
sustentada pelo trabalho dos
camponeses.
As indústrias
•setor industrial mais moderno
que o rural;
•também havia desigualdades
entre ricos (donos das fábricas, dos
meios de produção) e pobres
(trabalhadores, operários).
SCHEUFLERCOLLECTION/CORBIS/LATINSTOCK
44
Cidadania
Contestações no início do século XX
Inspirados nas conquistas políticas e sociais de outros países
europeus, os trabalhadores russos começaram a reivindicar mudanças no
início do século XX.
Inspirados nos ideais anarquistas e comunistas, ansiavam também por
derrubar o poder do czar e implantar um governo de cunho popular.
A partir de 1905, após a Rússia perder a guerra contra o Japão, debilitando a
economia e gerando graves consequências sociais,
esse desejo por mudanças ficou mais evidente.
45
Cidadania
Em janeiro de 1905, trabalhadores de São Petersburgo, então capital da
Rússia, organizaram uma manifestação e foram recebidos a tiros pelas tropas
do czar. Cerca de mil pessoas morreram nesse acontecimento, que causou
revolta em diversos pontos do território russo.
Tropas do exército do czar
atuando durante a tentativa da
população em alcançar o Palácio
de Inverno, em São Petersburgo,
janeiro de 1905.
THEGRANGERCOLLECTION/OTHERIMAGES
46
Cidadania
A luta por uma constituição e direitos trabalhistas tornou-se cada
vez mais intensa.
Trabalhadores se reuniram em uma organização democrática: os sovietes.
Czar prometeu melhorias sociais e o fim do regime absolutista.
Foram convocadas eleições gerais e eleito um parlamento – a Duma –
destinado a elaborar uma constituição.
Quando as agitações diminuíram, o czar voltou atrás com suas promessas
e reprimiu os sovietes.
47
Cidadania
Nos anos seguintes, o czar dissolveu a Duma quando lhe foi conveniente,
assim a situação da Rússia não melhorou.
A Rússia entrou na guerra em 1914, sem condições de lutar. Os soldados não
tinham botas, nem armamentos. Com isso, havia muitas mortes e deserções.
Em 1917, a economia do país entrou em colapso e o descontentamento
chegou ao extremo. A população revoltada tomou as ruas e os sovietes
ressurgiram na cena política.
De 1906 à Primeira Guerra Mundial
48
Cidadania
Em 12 de março de 1917, após outra manifestação popular, o czar foi
obrigado a renunciar.
O governo provisório, formado pelos políticos mais conservadores da
Duma, adotaram as seguintes medidas:
• jornada de trabalho de 8 horas;
• legalização dos partidos políticos;
• anistia dos presos políticos.
Os líderes do Partido Bolchevique, Vladimir Lenin e Leon Trotski, eram
contra o governo provisório e achavam que os sovietes deveriam tomar o
poder e instalar um regime socialista.
49
Cidadania
Na noite de 6 para 7 de novembro de 1917, os bolcheviques, apoiados
pela população, derrubaram o governo provisório e instalaram um
governo comunista.
Nesta fotografia, Lenin e
Trotski comemoram o
terceiro aniversário da
Revolução Russa ao lado
do povo. 7 nov. 1920.
RUEDESARCHIVES/THEGRANGERCOLLECTION/KEYSTONE
50
Cidadania
Antigo regime sai de cena
Cartaz produzido por
V. Maiakovski em 1917.
Nas bandeiras nas mãos
dos soldados lê-se: “terra,
democracia, república e
liberdade”, as principais
reivindicações dos
trabalhadores em 1917.
V.MAIAKOVSKI/MUSEUCENTRALESTATALDAHISTÓRIACONTEMPORÂNEADARÚSSIA
51
Cidadania
Ao assumir o poder, o governo bolchevique:
• retirou a Rússia da Primeira Guerra Mundial;
- assinatura de um tratado de paz com a Alemanha
• confiscou as propriedades da nobreza e da Igreja;
• estatizou bancos e indústrias.
Opositores se articularam para retomar o poder e organizaram exércitos
contrarrevolucionários.
O embate entre essas duas forças gerou uma guerra civil que durou de
1918 a 1921.
O primeiro governo comunista da História
52
Cidadania
Conclusões da guerra civil:
• 13 milhões de mortos;
• vitória do Partido Comunista (novo nome do Partido Bolchevique);
• forte centralização do poder no governo comunista;
• extinção dos partidos adversários;
• controle da imprensa;
• repressão aos opositores.
Do sonho do socialismo a uma ditadura
53
Cidadania
A sociedade soviética transformou-se em um Estado
burocratizado, controlado pela elite do Partido Comunista e
com a população privada de liberdade e participação
política.
Stalin morre
sem deixar
sucessores
políticos.
Após a Segunda Guerra Mundial, a
União Soviética se transforma em uma
das grandes potências mundiais.
Josef Stalin assume o poder.
Autoritário, persegue e assassina
opositores. Os ideais socialistas
de sociedade igualitária e justa
vão se perdendo aos poucos.
A Rússia
passa a se
chamar
União das
Repúblicas
Socialistas
Soviéticas
(URSS).
1922 1924 1945 1953
54
Cidadania
Em 1910, no México, camponeses e operários se mobilizaram sob a liderança
de Pancho Villa e Emiliano Zapata para exigir reforma agrária e pela
derrubada do governo.
Líderes revolucionários mexicanos em 1914.
Sentados ao centro, vemos Villa e Zapata.
Em 1917, foi elaborada uma
constituição que garantia aos
trabalhadores os direitos de:
•limitação de horas de trabalho;
•proteção da maternidade;
•idade mínima para trabalhar
na indústria.
A Revolução Mexicana
O presidente foi deposto em 1911 e a reforma agrária foi alcançada.
AGUSTINCASASOLA/THEGRANGERCOLLECTION/KEYSTONE
55

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A primeira república (1889 – 1930)
A primeira república (1889 – 1930)A primeira república (1889 – 1930)
A primeira república (1889 – 1930)Liam Gallagher
 
Brasil República
Brasil RepúblicaBrasil República
Brasil RepúblicaDiego Silva
 
República oligárquica 1889 1930
República oligárquica 1889 1930República oligárquica 1889 1930
República oligárquica 1889 1930Joana Darc Lima
 
2015 República Velha Extensivo
2015 República Velha Extensivo2015 República Velha Extensivo
2015 República Velha ExtensivoMARIANO C7S
 
A República da Espada
A República da EspadaA República da Espada
A República da Espadadayanbotelho2
 
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira ParteRepública Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira ParteValéria Shoujofan
 
3° Ano Aula 16 A 19 Brasil RepúBlica RepúBlica Velha
3° Ano Aula 16 A 19 Brasil RepúBlica RepúBlica Velha3° Ano Aula 16 A 19 Brasil RepúBlica RepúBlica Velha
3° Ano Aula 16 A 19 Brasil RepúBlica RepúBlica VelhaLela Leite
 
Brasil Republica Velha - declinio
Brasil Republica Velha - declinioBrasil Republica Velha - declinio
Brasil Republica Velha - declinioAlexandre Protásio
 
Da espada a república oligarquica
Da espada a república oligarquicaDa espada a república oligarquica
Da espada a república oligarquicaDouglas Barraqui
 
História do Brasil: da República a Era Vargas
História do Brasil: da República a Era VargasHistória do Brasil: da República a Era Vargas
História do Brasil: da República a Era VargasMarilia Pimentel
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da repúblicaFabiana Tonsis
 
República da espada (aula)blogger
República da espada (aula)bloggerRepública da espada (aula)blogger
República da espada (aula)bloggerNorberto Correa
 
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...João Medeiros
 
Brasil república
Brasil repúblicaBrasil república
Brasil repúblicadmflores21
 
Republica velha (introducao)
Republica velha (introducao)Republica velha (introducao)
Republica velha (introducao)Dismael Sagás
 

Mais procurados (20)

Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
Brasil - Primeira república
 
A primeira república (1889 – 1930)
A primeira república (1889 – 1930)A primeira república (1889 – 1930)
A primeira república (1889 – 1930)
 
Brasil República
Brasil RepúblicaBrasil República
Brasil República
 
República Velha 1
República Velha 1República Velha 1
República Velha 1
 
Brasil República
Brasil RepúblicaBrasil República
Brasil República
 
República oligárquica 1889 1930
República oligárquica 1889 1930República oligárquica 1889 1930
República oligárquica 1889 1930
 
Republica Velha Brasil
Republica Velha BrasilRepublica Velha Brasil
Republica Velha Brasil
 
2015 República Velha Extensivo
2015 República Velha Extensivo2015 República Velha Extensivo
2015 República Velha Extensivo
 
A República da Espada
A República da EspadaA República da Espada
A República da Espada
 
História do Brasil - Brasil República - Prof. Alexandre Morais
História do Brasil - Brasil República - Prof. Alexandre MoraisHistória do Brasil - Brasil República - Prof. Alexandre Morais
História do Brasil - Brasil República - Prof. Alexandre Morais
 
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira ParteRepública Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
 
3° Ano Aula 16 A 19 Brasil RepúBlica RepúBlica Velha
3° Ano Aula 16 A 19 Brasil RepúBlica RepúBlica Velha3° Ano Aula 16 A 19 Brasil RepúBlica RepúBlica Velha
3° Ano Aula 16 A 19 Brasil RepúBlica RepúBlica Velha
 
Brasil Republica Velha - declinio
Brasil Republica Velha - declinioBrasil Republica Velha - declinio
Brasil Republica Velha - declinio
 
Da espada a república oligarquica
Da espada a república oligarquicaDa espada a república oligarquica
Da espada a república oligarquica
 
História do Brasil: da República a Era Vargas
História do Brasil: da República a Era VargasHistória do Brasil: da República a Era Vargas
História do Brasil: da República a Era Vargas
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
 
República da espada (aula)blogger
República da espada (aula)bloggerRepública da espada (aula)blogger
República da espada (aula)blogger
 
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
 
Brasil república
Brasil repúblicaBrasil república
Brasil república
 
Republica velha (introducao)
Republica velha (introducao)Republica velha (introducao)
Republica velha (introducao)
 

Semelhante a Historia9 cidadania

aula-revoluode1930-140222094305-phpapp01.pptx
aula-revoluode1930-140222094305-phpapp01.pptxaula-revoluode1930-140222094305-phpapp01.pptx
aula-revoluode1930-140222094305-phpapp01.pptxluluzivania
 
Crise da República Velha - Os anos 20
Crise da República Velha - Os anos 20Crise da República Velha - Os anos 20
Crise da República Velha - Os anos 20Valéria Shoujofan
 
Araribá slides 9ano.pdf para os alunos do medio
Araribá slides 9ano.pdf para os alunos do medioAraribá slides 9ano.pdf para os alunos do medio
Araribá slides 9ano.pdf para os alunos do medioDomingasMariaRomao
 
REVOLUÇÃO DE 1930 E ERA VARGAS UM PASSEIO PELA A HISTÓRIA.pptx
REVOLUÇÃO DE 1930  E ERA VARGAS UM PASSEIO PELA A HISTÓRIA.pptxREVOLUÇÃO DE 1930  E ERA VARGAS UM PASSEIO PELA A HISTÓRIA.pptx
REVOLUÇÃO DE 1930 E ERA VARGAS UM PASSEIO PELA A HISTÓRIA.pptxluluzivania
 
Era Vargas: a construção de um Brasil novo
Era Vargas: a construção de um Brasil novoEra Vargas: a construção de um Brasil novo
Era Vargas: a construção de um Brasil novoEdenilson Morais
 
Era Vargas 1930 - 1945
Era Vargas 1930 - 1945Era Vargas 1930 - 1945
Era Vargas 1930 - 1945Privada
 
História rafa- república da espada e república do café com leite
História   rafa- república da espada e república do café com leiteHistória   rafa- república da espada e república do café com leite
História rafa- república da espada e república do café com leiteRafael Noronha
 
A crise da república velha no brasil
A crise da república velha no brasilA crise da república velha no brasil
A crise da república velha no brasilAdriana Gomes Messias
 
A crise da república velha no brasil
A crise da república velha no brasilA crise da república velha no brasil
A crise da república velha no brasilAdriana Gomes Messias
 
segundo Reinado - ok.ppt
segundo Reinado - ok.pptsegundo Reinado - ok.ppt
segundo Reinado - ok.pptdawdsoncangussu
 
41 brasil-modernizacaoe conflito
41 brasil-modernizacaoe conflito41 brasil-modernizacaoe conflito
41 brasil-modernizacaoe conflitoAlunos Alunos
 

Semelhante a Historia9 cidadania (20)

Revolução de 1930
Revolução de 1930Revolução de 1930
Revolução de 1930
 
República velha e suas revoltas
República velha e suas revoltasRepública velha e suas revoltas
República velha e suas revoltas
 
aula-revoluode1930-140222094305-phpapp01.pptx
aula-revoluode1930-140222094305-phpapp01.pptxaula-revoluode1930-140222094305-phpapp01.pptx
aula-revoluode1930-140222094305-phpapp01.pptx
 
Brasil republica
Brasil republicaBrasil republica
Brasil republica
 
Crise da República Velha - Os anos 20
Crise da República Velha - Os anos 20Crise da República Velha - Os anos 20
Crise da República Velha - Os anos 20
 
Araribá slides 9ano.pdf para os alunos do medio
Araribá slides 9ano.pdf para os alunos do medioAraribá slides 9ano.pdf para os alunos do medio
Araribá slides 9ano.pdf para os alunos do medio
 
REVOLUÇÃO DE 1930 E ERA VARGAS UM PASSEIO PELA A HISTÓRIA.pptx
REVOLUÇÃO DE 1930  E ERA VARGAS UM PASSEIO PELA A HISTÓRIA.pptxREVOLUÇÃO DE 1930  E ERA VARGAS UM PASSEIO PELA A HISTÓRIA.pptx
REVOLUÇÃO DE 1930 E ERA VARGAS UM PASSEIO PELA A HISTÓRIA.pptx
 
Hist doc 9.1
Hist doc 9.1Hist doc 9.1
Hist doc 9.1
 
A era vargas boa (1)
A era vargas boa (1)A era vargas boa (1)
A era vargas boa (1)
 
Era Vargas: a construção de um Brasil novo
Era Vargas: a construção de um Brasil novoEra Vargas: a construção de um Brasil novo
Era Vargas: a construção de um Brasil novo
 
A era vargas
A era vargasA era vargas
A era vargas
 
Brasil
BrasilBrasil
Brasil
 
Fim Da Monarquia
Fim Da MonarquiaFim Da Monarquia
Fim Da Monarquia
 
Fim Da Monarquia
Fim Da MonarquiaFim Da Monarquia
Fim Da Monarquia
 
Era Vargas 1930 - 1945
Era Vargas 1930 - 1945Era Vargas 1930 - 1945
Era Vargas 1930 - 1945
 
História rafa- república da espada e república do café com leite
História   rafa- república da espada e república do café com leiteHistória   rafa- república da espada e república do café com leite
História rafa- república da espada e república do café com leite
 
A crise da república velha no brasil
A crise da república velha no brasilA crise da república velha no brasil
A crise da república velha no brasil
 
A crise da república velha no brasil
A crise da república velha no brasilA crise da república velha no brasil
A crise da república velha no brasil
 
segundo Reinado - ok.ppt
segundo Reinado - ok.pptsegundo Reinado - ok.ppt
segundo Reinado - ok.ppt
 
41 brasil-modernizacaoe conflito
41 brasil-modernizacaoe conflito41 brasil-modernizacaoe conflito
41 brasil-modernizacaoe conflito
 

Historia9 cidadania

  • 2. Cidadania A República oligárquica Proclamação da República (15 de novembro) Revolução de 1930 Queda de Getúlio Vargas Golpe militar Eleição de Tancredo Neves Impeachment de Fernando Collor Eleição de Dilma Rousseff Período Republicano 1889 1930 1945 1964 1985 1992 2010 AUGUSTOMALTA/COLEÇÃOPEREIRAPASSOS ARQUIVOGERALDORIODEJANEIRO 2
  • 3. Cidadania O nascimento do Brasil republicano A Pátria, pintura feita por Pedro Bruno em 1919. Ela representa o nascimento de uma nação após a Proclamação da República. PEDROBRUNO/MUSEUDAREPÚBLICA,RJ. A luz que invade o cômodo representa a recente Proclamação da República, que iluminava e inspirava a população, levando-a a sonhar com um futuro glorioso. 3
  • 4. Cidadania PEDROBRUNO/MUSEUDAREPÚBLICA,RJ. O nascimento do Brasil republicano A Pátria, pintura feita por Pedro Bruno em 1919. Ela representa o nascimento de uma nação após a Proclamação da República. A bandeira é um importante símbolo nacional. Sua confecção representa a formação de uma nova nação. 4
  • 5. Cidadania PEDROBRUNO/MUSEUDAREPÚBLICA,RJ. O nascimento do Brasil republicano A Pátria, pintura feita por Pedro Bruno em 1919. Ela representa o nascimento de uma nação após a Proclamação da República. As crianças, filhas da nova pátria, a recebem com afeto. 5
  • 6. Cidadania PEDROBRUNO/MUSEUDAREPÚBLICA,RJ. A Pátria, pintura feita por Pedro Bruno em 1919. Ela representa o nascimento de uma nação após a Proclamação da República. O bebê brinca com mais uma estrela a ser costurada na bandeira. Esse ato simboliza a adesão das diversas regiões do Brasil à República. O nascimento do Brasil republicano 6
  • 7. Cidadania PEDROBRUNO/MUSEUDAREPÚBLICA,RJ. A Pátria, pintura feita por Pedro Bruno em 1919. Ela representa o nascimento de uma nação após a Proclamação da República. A República é representada por uma mulher desde a Revolução Francesa. Isso justifica a presença de tantas mulheres na pintura. O nascimento do Brasil republicano 7
  • 8. Cidadania PEDROBRUNO/MUSEUDAREPÚBLICA,RJ. A Pátria, pintura feita por Pedro Bruno em 1919. Ela representa o nascimento de uma nação após a Proclamação da República. Nos quadros estão homenageados dois personagens considerados heróis republicanos: Tiradentes e o marechal Deodoro da Fonseca. O nascimento do Brasil republicano 8
  • 9. Cidadania PEDROBRUNO/MUSEUDAREPÚBLICA,RJ. A Pátria, pintura feita por Pedro Bruno em 1919. Ela representa o nascimento de uma nação após a Proclamação da República. O homem velho, sentado no canto, longe da cena principal e da luz, representa a monarquia, ultrapassada, esquecida e incapaz de atuar diante das grandes transformações pelas quais o país passava. O nascimento do Brasil republicano 9
  • 10. Cidadania • o poder do Estado seria dividido em Executivo, Legislativo e Judiciário. A primeira Constituição republicana Em 1891, no governo de marechal Deodoro da Fonseca, foi promulgada a primeira Constituição republicana. Ela estabeleceu que: - não intervenção da Igreja em assuntos de Estado. - garantia de liberdade religiosa; • separação entre Igreja e Estado: 10
  • 11. Cidadania A Constituição ampliava a participação política da população, mas os analfabetos, mendigos, soldados, membros de ordens religiosas e mulheres ainda não podiam votar. O analphabeto, charge de 1916 satirizando a aprovação do novo Código Civil, que não alcançava a massa da população analfabeta. Nas eleições presidenciais de 1894, 80% da população era analfabeta e somente 1,3% da população cumpria os requisitos exigidos para votar. J.CARLOS/CARETA/FUNDAÇÃOBIBLIOTECANACIONAL,RJ. 11
  • 12. Cidadania Os governos militares (1889-1894) Novembro de 1889 Governo provisório de marechal Deodoro da Fonseca. Fevereiro de 1889 Marechal Deodoro da Fonseca é eleito presidente e marechal Floriano Peixoto é eleito vice-presidente. Novembro de 1891 Marechal Deodoro da Fonseca renuncia e marechal Floriano Peixoto assume a Presidência. 1894 O civil Prudente de Morais, representante da elite paulista, é eleito o novo presidente da República. 12
  • 13. Cidadania A República oligárquica (1894-1930) • persuadiam a população a votar neles utilizando-se de intimidação. A caricatura critica o desrespeito dos oligarcas com a Constituição e os interesses do povo. Coronéis • chefes políticos locais apoiados por grandes proprietários rurais; • garantiam o poder local por meio de alianças com outros políticos; HUGOLEAL/BIBLIOTECAMUNICIPALMARIODEANDRADE,SP. 13
  • 14. Cidadania • grandes proprietários e grupos economicamente influentes em São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Bahia e Pernambuco. A política dos governadores Governo de Campos Salles (1898-1902): • governos estaduais se comprometiam a apoiar o governo federal por meio de deputados e senadores no Congresso Nacional. Beneficiados: 14
  • 15. Cidadania Revoltas no campo: messianismo e contestação Causas • desigualdades sociais: - pequeno grupo de proprietários com muitas terras e a maioria da população com pouca ou nenhuma terra. • controle dos coronéis; • dificuldade em encontrar trabalho; • fome. A religiosidade foi a marca comum em diversos movimentos populares. 15
  • 16. Cidadania Canudos Contestado Comunidade no interior da Bahia criada por Antônio Conselheiro em, aproximadamente, 1893. Movimento existente entre os estados do Paraná e Santa Catarina entre 1912 e 1916. Ameaçavam o controle político dos coronéis ao atrair pessoas pobres de diversas regiões. As Forças Armadas foram convocadas para sufocar os dois movimentos. Conclusão: 30 mil mortos e Canudos totalmente arrasada em 1897. Conclusão: 20 mil mortos. 16
  • 17. Cidadania • processo de industrialização. O látex – matéria-prima na fabricação da borracha – é extraído manualmente da seringueira, árvore típica da Amazônia. DELFIMMARTINS/PULSARIMAGENS O Brasil em transformação Prosperidade econômica: • café como principal fonte de riqueza; • surgimento de novas atividades econômicas, como a borracha; 17
  • 18. Cidadania Seção de latoaria em uma fábrica de conservas em Porto Alegre, início do século XX. AUTORDESCONHECIDO/BIBLIOTECADACASADEPORTUGAL,SP. A expansão industrial foi particularmente forte em São Paulo. 1907 1920 3 200 fábricas, a maioria em São Paulo e Rio de Janeiro 13 000 fábricas espalhadas pelo Brasil 18
  • 19. Cidadania 1872 10 milhões de habitantes no país 1920 30 milhões de habitantes no país As transformações econômicas foram acompanhadas por mudanças sociais. • Chegada de imigrantes europeus para trabalhar nas fábricas a partir de 1872. • Crescimento populacional. 19
  • 20. Cidadania O crescimento populacional, acompanhado do enriquecimento da burguesia, provocou o desenvolvimento de diversos centros urbanos do país. Vista da praça do Ferreira, Fortaleza (CE), 1925. LIVRARIAEUGENCURRLIN,BLUMENAU/ARQUIVODAEDITORA 20
  • 21. Cidadania - baixos salários. A condição operária • os primeiros imigrantes eram europeus; em seguida vieram os asiáticos; • homens, mulheres e crianças vinham trabalhar nas fazendas de café do sudeste do país; • no início do século XX, 90% dos trabalhadores de São Paulo eram imigrantes: - nas cidades, trabalhavam como operários fabris; - não havia leis de proteção ao trabalhador (férias, descanso semanal e aposentadoria); - ambientes insalubres; 21
  • 22. Cidadania A vida das mulheres e das crianças Homens e crianças na fábrica de tecidos em Alagoas, início do século XX. FOTOS:PEDROBRUNO/MUSEUDAREBÚBLICA.RJ Mulheres e crianças trabalhavam nas fábricas para complementar a renda da família e ganhavam bem menos do que os homens. As crianças não iam para a escola. 22
  • 23. Cidadania Os trabalhadores reagiram às péssimas condições de vida em forma de protesto, greves e organizações sindicais. Comício durante a greve geral de 1917, na praça da Sé (São Paulo). Explodem as greves AUTORDESCONHECIDO/JORNALAPLEBE 23
  • 24. Cidadania Os militares na contestação da República oligárquica Coluna Prestes: militares rebeldes, comandados por Luís Carlos Prestes, marcham pelo interior do país em busca de apoio popular. Revolta da Chibata: 2 mil marinheiros da Marinha de guerra se rebelam no Rio de Janeiro contra as péssimas condições de trabalho e os castigos físicos sofridos. 1910 1922 1924 24 Tenentismo: tenentes das Forças Armadas reivindicam reformas políticas, como voto secreto, fim das fraudes eleitorais, fim do controle político pelos oligarcas e expansão do sistema de ensino.
  • 25. Cidadania Em 1922, ocorreu a Semana de Arte Moderna em São Paulo. São Paulo, pintura feita por Tarsila do Amaral, em 1925. TARSILADOAMARAL/PINACOTECADOESTADODESÃOPAULO A rebelião dos artistas Na década de 1920, intelectuais e artistas se uniram para propor novas formas de pensar e de se expressar. 25
  • 26. Cidadania A Grande Guerra e a Revolução Russa THEGRANGERCOLLECTION/OTHERIMAGES 26
  • 27. Cidadania A Belle Époque No final do século XIX e início do século XX, Estados Unidos e Europa viviam um momento de grandes avanços tecnológicos por causa da Revolução Industrial. Esses avanços foram seguidos por: • melhoria na qualidade e expectativa de vida da população; • elevação do padrão educacional da população; • consolidação de governos democráticos; • democratização de informação por meio da imprensa e do cinema; • conquistas de direitos femininos. 27
  • 28. Cidadania O baile no Moulin de la Galette (1876), pintura de Pierre-Auguste Renoir. As classes média e alta viviam em prosperidade; esse período passou a ser chamado de Bela Época. PIERRE-AUGUSERENOIR/MUSEUD’ORSAY,PARIS 28
  • 29. Cidadania Um vulcão prestes a explodir A Bela Época vivida pelas classes abastadas não era realidade em outros setores da sociedade europeia. • Os camponeses viviam em condições miseráveis em boa parte do continente. • Os operários trabalhavam mais de 14 horas por dia, com salários extremamente baixos, sem direitos trabalhistas e sem voz política. • O acesso à educação era privilégio de poucos. 29
  • 30. Cidadania Também havia tensões entre as nações europeias: •França estava descontente por ter perdido território na Guerra Franco-Prussiana (1870-1871). •Itália e Alemanha procuravam conquistar territórios na Ásia e na África. Dessa forma, tinham que confrontar também Inglaterra e França. Para as nações europeias era importante conquistar territórios na Ásia e na África. Essas localidades eram centros produtores de matéria-prima para as indústrias europeias e mercado consumidor dos produtos industrializados. 30
  • 31. Cidadania A “paz armada” Charge publicada em revista alemã em 1913 criticando o combate entre civis alsacianos e militares prussianos após a Prússia anexar os territórios franceses de Alsácia-Lorena. Os governos e a imprensa utilizavam as disputas para promover ódio entre as nações. Cartazes e panfletos ridicularizavam outros povos, além de difundir ideias racistas. Grupos étnicos que viviam sob o domínio de grandes potências lutavam por independência, como os búlgaros, sérvios, romenos e armênios que lutavam contra o Império Turco Otomano. Existia na Europa uma “paz armada”, ou seja, o equilíbrio entre as nações se dava porque todas investiam em tecnologias armamentistas e temiam a ação uma da outra. WORLDHISTORYARCHIVE/TOPFOTO/KEYSTONE 31
  • 32. Cidadania A paz armada foi rompida em junho de 1914, quando um nacionalista bósnio, ligado a uma organização sérvia, assassinou o príncipe herdeiro do Império Austro-Húngaro, Francisco Ferdinando. O Império declarou guerra à Sérvia. A Rússia, aliada da Sérvia, colocou suas tropas em prontidão. Os alemães, aliados dos austro-húngaros, declararam guerra à Rússia. Ilustração representando o assassinato de Francisco Ferdinando e sua esposa, crime que serviu de pretexto para o início da guerra. A Grande Guerra DANIEL/INTERFOTO/LATINSTOCK 32
  • 33. Cidadania O conflito dividiu a Europa em dois grandes blocos: • Tríplice Aliança: Alemanha, Áustria-Hungria, Itália e aliados. • Tríplice Entente: França, Inglaterra, Rússia e aliados. ADAPTADODE:GRANDATLASHISTORIQUE.PARIS:LAROUSSE,2006. Europa em 1914 33
  • 34. Cidadania Da euforia à dor No início da guerra, boa parte da população europeia via o conflito como algo que se resolveria rapidamente. Cada país, movido pelo patriotismo, achava que seus soldados voltariam vitoriosos. Entretanto, a guerra durou 4 anos e foi marcada por extrema violência, por causa do grande desenvolvimento armamentista ocorrido nos anos anteriores. Nenhum governo estava preparado para uma guerra longa. Cartaz representando a convocação de britânicos para a guerra. DIVISÃODEIMPRESSOSEFOTOGRAFIAS/BIBLIOTECADOCONGRESSO,WASHINGTON(DC) 34
  • 35. Cidadania Cerca de 60 milhões de europeus do sexo masculino foram mobilizados. Trincheiras durante a Primeira Guerra Mundial. Os homens na guerra • Guerra de movimento: tropas em campo aberto com o objetivo de conquistar territórios. • Guerra de trincheiras: valas profundas onde os soldados se instalavam fortemente armados para impedir o avanço das tropas inimigas. REMINISCÊNCIAS/ACERVOICONOGRAPHIA 35
  • 36. Cidadania • Cuidavam da sobrevivência de crianças, idosos, feridos e inválidos que retornavam dos campos de batalha. • Assumiram os trabalhos nas fábricas de munição, armamentos e equipamentos bélicos. • Responsáveis pelas tarefas agrícolas e reconstrução de casas e vilas destruídas pelos bombardeios. Cartaz convocando mulheres a comprar bônus de guerra para ajudar os soldados. O papel das mulheres K.J.HISTORICAL/CORBIS/LATINSTOCK 36
  • 37. Cidadania Os Estados Unidos entraram na guerra em 1917, no lado da Tríplice Entente, após ter embarcações afundadas por alemães. Os Estados Unidos eram, naquele momento, a nação mais desenvolvida tecnologicamente. A entrada de novos armamentos e a mobilização de mais de 4 milhões de soldados foram decisivas. Após a entrada dos Estados Unidos, as nações da Tríplice Aliança se renderam e a guerra teve fim em 1918. Os Estados Unidos entram no conflito 37
  • 38. Cidadania Com tropas malpreparadas e equipamentos obsoletos, nossa atuação se resumiu a vigiar os inimigos na costa norte da África e enviar médicos para a França. Protesto contra o torpedeamento de navios brasileiros. Rio de Janeiro, 1917. O Brasil na Grande Guerra O Brasil foi o único país da América do Sul a participar da guerra, ao lado da Tríplice Entente. O motivo foi o mesmo dos norte-americanos. REMINISCÊNCIAS/ACERVOICONOGRAPHIA 38
  • 39. Cidadania Entre 1919 e 1920, os vencedores do conflito realizaram conferências para estabelecer acordos para o pós-guerra, o Tratado de Versalhes. Os acordos de paz O Tratado definiu que: •o Império Austro-Húngaro deixaria de existir e surgiriam os países da Áustria, Hungria e Tchecoslováquia; •o Império Turco Otomano também seria extinto, dando origem à Turquia; 39
  • 40. Cidadania • as regiões do Oriente Médio e norte da África controladas pelos turcos otomanos passariam a pertencer aos ingleses e franceses; • a Alemanha estava proibida de manter equipamentos militares. Teve de devolver à França as regiões anexadas na Guerra Franco-Prussiana, ceder outros territórios e pagar uma gigantesca indenização; • criação da Liga das Nações, com o objetivo de garantir a paz e a segurança mundial. 40 Os acordos de paz
  • 41. Cidadania O Tratado de Versalhes mudou a organização política do continente. Europa em 1918 ADAPTADODE:GRANDATLASHISTORIQUE.PARIS:LAROUSSE,2006. 41
  • 42. Cidadania A Primeira Guerra Mundial mostrou como a tecnologia pode ser utilizada para a destruição: • cerca de 15 milhões de mortos; • cerca de 20 milhões de inválidos; • inúmeras pessoas incapacitadas por causa da neurose de guerra. Os Estados Unidos foram os maiores beneficiados com o conflito. Obtiveram grandes lucros com a exportação de produtos agrícolas e industriais aos países em guerra e concederam empréstimos bancários que lhes renderam muito lucro. Os efeitos da guerra e a nova situação dos Estados Unidos 42
  • 43. Cidadania A Rússia no começo do século XX Em 1910, a Rússia era o maior império territorial do mundo, ocupando regiões da Europa e da Ásia. Ainda vivia sob o regime absolutista e mantinha a mesma organização política, social e econômica do século XVII. Cartaz produzido por V. Maiakovski em 1917. O artista critica o modo de vida da nobreza, apoiada nos pobres e protegida pelos soldados. A Revolução RussaV.MAIAKOVSKI/MUSEUCENTRALESTATAL DAHISTÓRIACONTEMPORÂNEADARÚSSIA 43
  • 44. Cidadania Camponês russo com filho no colo, c. 1907-1914. A base da sociedade: a agricultura •economia predominantemente rural; •utilizava técnicas e equipamentos ultrapassados; •baixo rendimento agrícola; •a terra pertencia à nobreza, que era sustentada pelo trabalho dos camponeses. As indústrias •setor industrial mais moderno que o rural; •também havia desigualdades entre ricos (donos das fábricas, dos meios de produção) e pobres (trabalhadores, operários). SCHEUFLERCOLLECTION/CORBIS/LATINSTOCK 44
  • 45. Cidadania Contestações no início do século XX Inspirados nas conquistas políticas e sociais de outros países europeus, os trabalhadores russos começaram a reivindicar mudanças no início do século XX. Inspirados nos ideais anarquistas e comunistas, ansiavam também por derrubar o poder do czar e implantar um governo de cunho popular. A partir de 1905, após a Rússia perder a guerra contra o Japão, debilitando a economia e gerando graves consequências sociais, esse desejo por mudanças ficou mais evidente. 45
  • 46. Cidadania Em janeiro de 1905, trabalhadores de São Petersburgo, então capital da Rússia, organizaram uma manifestação e foram recebidos a tiros pelas tropas do czar. Cerca de mil pessoas morreram nesse acontecimento, que causou revolta em diversos pontos do território russo. Tropas do exército do czar atuando durante a tentativa da população em alcançar o Palácio de Inverno, em São Petersburgo, janeiro de 1905. THEGRANGERCOLLECTION/OTHERIMAGES 46
  • 47. Cidadania A luta por uma constituição e direitos trabalhistas tornou-se cada vez mais intensa. Trabalhadores se reuniram em uma organização democrática: os sovietes. Czar prometeu melhorias sociais e o fim do regime absolutista. Foram convocadas eleições gerais e eleito um parlamento – a Duma – destinado a elaborar uma constituição. Quando as agitações diminuíram, o czar voltou atrás com suas promessas e reprimiu os sovietes. 47
  • 48. Cidadania Nos anos seguintes, o czar dissolveu a Duma quando lhe foi conveniente, assim a situação da Rússia não melhorou. A Rússia entrou na guerra em 1914, sem condições de lutar. Os soldados não tinham botas, nem armamentos. Com isso, havia muitas mortes e deserções. Em 1917, a economia do país entrou em colapso e o descontentamento chegou ao extremo. A população revoltada tomou as ruas e os sovietes ressurgiram na cena política. De 1906 à Primeira Guerra Mundial 48
  • 49. Cidadania Em 12 de março de 1917, após outra manifestação popular, o czar foi obrigado a renunciar. O governo provisório, formado pelos políticos mais conservadores da Duma, adotaram as seguintes medidas: • jornada de trabalho de 8 horas; • legalização dos partidos políticos; • anistia dos presos políticos. Os líderes do Partido Bolchevique, Vladimir Lenin e Leon Trotski, eram contra o governo provisório e achavam que os sovietes deveriam tomar o poder e instalar um regime socialista. 49
  • 50. Cidadania Na noite de 6 para 7 de novembro de 1917, os bolcheviques, apoiados pela população, derrubaram o governo provisório e instalaram um governo comunista. Nesta fotografia, Lenin e Trotski comemoram o terceiro aniversário da Revolução Russa ao lado do povo. 7 nov. 1920. RUEDESARCHIVES/THEGRANGERCOLLECTION/KEYSTONE 50
  • 51. Cidadania Antigo regime sai de cena Cartaz produzido por V. Maiakovski em 1917. Nas bandeiras nas mãos dos soldados lê-se: “terra, democracia, república e liberdade”, as principais reivindicações dos trabalhadores em 1917. V.MAIAKOVSKI/MUSEUCENTRALESTATALDAHISTÓRIACONTEMPORÂNEADARÚSSIA 51
  • 52. Cidadania Ao assumir o poder, o governo bolchevique: • retirou a Rússia da Primeira Guerra Mundial; - assinatura de um tratado de paz com a Alemanha • confiscou as propriedades da nobreza e da Igreja; • estatizou bancos e indústrias. Opositores se articularam para retomar o poder e organizaram exércitos contrarrevolucionários. O embate entre essas duas forças gerou uma guerra civil que durou de 1918 a 1921. O primeiro governo comunista da História 52
  • 53. Cidadania Conclusões da guerra civil: • 13 milhões de mortos; • vitória do Partido Comunista (novo nome do Partido Bolchevique); • forte centralização do poder no governo comunista; • extinção dos partidos adversários; • controle da imprensa; • repressão aos opositores. Do sonho do socialismo a uma ditadura 53
  • 54. Cidadania A sociedade soviética transformou-se em um Estado burocratizado, controlado pela elite do Partido Comunista e com a população privada de liberdade e participação política. Stalin morre sem deixar sucessores políticos. Após a Segunda Guerra Mundial, a União Soviética se transforma em uma das grandes potências mundiais. Josef Stalin assume o poder. Autoritário, persegue e assassina opositores. Os ideais socialistas de sociedade igualitária e justa vão se perdendo aos poucos. A Rússia passa a se chamar União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). 1922 1924 1945 1953 54
  • 55. Cidadania Em 1910, no México, camponeses e operários se mobilizaram sob a liderança de Pancho Villa e Emiliano Zapata para exigir reforma agrária e pela derrubada do governo. Líderes revolucionários mexicanos em 1914. Sentados ao centro, vemos Villa e Zapata. Em 1917, foi elaborada uma constituição que garantia aos trabalhadores os direitos de: •limitação de horas de trabalho; •proteção da maternidade; •idade mínima para trabalhar na indústria. A Revolução Mexicana O presidente foi deposto em 1911 e a reforma agrária foi alcançada. AGUSTINCASASOLA/THEGRANGERCOLLECTION/KEYSTONE 55