SlideShare uma empresa Scribd logo
Gravura
Dirce Medes Darski
Termo que designa, em geral, desenhos feitos em superfícies duras -
como madeira, pedra e metal - a partir de incisões, corrosões e talhos
realizados com instrumentos e materiais especiais. Ao contrário do
desenho, os procedimentos técnicos empregados na gravura
permitem a reprodução da imagem. Nessa medida, uma gravura é
considerada original quando resultado direto da matriz criada pelo
artista, que a partir dela imprime a imagem em exemplares iguais,
numerados e assinados. Em função da técnica e do material
empregados, a gravura recebe uma nomenclatura específica:
litografia, gravura em metal, xilogravura,serigrafia etc.
Primórdios
O homem da pré-história já utilizava a
gravura para expressar-se.
Como pigmentos naturais
entintavam as mãos e
“carimbavam” nas
paredes.
Riscaram formas em superfícies
com ossos, barros, cascas de
árvores, peles de animais, metal
e pedras
A invenção do papel e da tinta – 600 a.C.
O Sutra de Diamante, datado de 868 a.C., é o mais antigo “livro” gravado
em madeira e impresso em papel que se conhece e foi dedicado à imperatriz
da China, Wang Chieh, para que sua memória fosse perpetuada.
Os chineses são considerados pioneiros em arte de gravura e papel.
Os espanhóis foram os primeiros a fabricar papel
na Europa no séc. XII.
A impressão xilográfica na Idade Média terá
importância não só para a Igreja como também para
a população. No caso da Igreja, antes da invenção da
imprensa, a xilogravura é utilizada na produção de
pequenos livros de caráter religioso e nos próprios
manuscritos.
Xilogravura
A xilogravura merece um local de
honra na história da gravura por ser a
mais antiga de provável origem chinesa.
A madeira possui texturas que
indicam sua idade e seu caráter, podem
ser macias ou duras, com veios ou lisas.
Se a árvore for cortada no sentido
do crescimento teremos a xilogravura de
fio.
O corte pode ser transversal ao
tronco e teremos então a gravura de topo
ou xilografia.
Albet Durer (1471-1528) consegue com sua gravura, romper o
vínculo que até então esta tinha com a produção de livros. A partir de sua
obra observa-se que gradativamente a gravura começa a emancipar-se
como uma forma de expressão artística.
Enquanto na Europa a Xilogravura entra em
decadência, no Japão ela evolui consideravelmente,
conseguindo manter-se como uma das principais
formas de expressão.
A técnica ancestral da xilogravura foi escolhida por Oswaldo Goeldi como seu
principal meio de expressão.
A Gravura em Metal
A Gravura em metal surgiu na
Europa no século XV
No buril o artista grava com a ferramenta diretamente na
matriz (ferro, latão, cobre, zinco, etc.). Os sistemas que se
empregam ácidos, chamados processos indiretos, vieram
posteriormente.
Andréa Mantegna (buril)
Albert Durer (buril)
Albert Durer
Posteriormente, outras técnicas surgiram como a ponta-seca,
que é a utilização de uma ponta rígida diretamente sobre o metal.
A técnica da água-forte surgiu por volta do ano 1513. Nessa
técnica, a superfície do metal é coberta com um verniz
impermeabilizante e depois, utilizando-se uma ponta seca,
risca-se o desenho deixando o metal descoberto no lugar do
traço. Posteriormente, a chapa é mergulhada num ácido que
ataca a parte exposta pela ponta seca, gravando os traços do
desenho. As primeiras matrizes foram feitas com chapas de
ferro; o cobre foi usado mais tarde.
Callot
Rembrandt
Rembrandt
A técnica da água-tinta surgiu nos meados do
século XVIII e Jean-Baptiste Leprince (1734-1781)
é geralmente reconhecido como o inventor dessa técnica.
A água-tinta consiste no recobrimento da chapa de metal com grânulos de
breu ou betume que depois é aquecida até o ponto de fusão. Posteriormente,
a chapa é mergulhada no ácido por determinado tempo e depois retirada
para ser impermeabilizada parcialmente; novamente é levada ao ácido. Essa
variação do tempo de corrosão dará na impressão diversas tonalidades.
O artista que mais se destacou no uso da água-tinta foi
Francisco José de Goya y Lucientes (1746-1828).
Giovanni Battista Piranesi (1720-1778).
A técnica do Verniz mole é atribuída a Dietrich
Mayer, que por volta de 1620, teve a idéia de amolecer o verniz
por intermédio de gordura, de modo que o mesmo fique mole,
permitindo a aplicação de diversas texturas. Com ação do
ácido, aparece na impressão o efeito das texturas aplicadas.
Na França, o verniz mole tornou-se uma prática
corrente entre os anos 1830 e 1840.
August Renoir fez algumas gravuras utilizando a técnica do verniz mole. (Jorge, 1986).
Litogravura
A Litografia foi inventada pelo
Tcheco Aloys Senefelder por
volta do ano de 1796.
Essa técnica baseia-se na repulsão entre a água e as
substâncias gordurosas. A matriz (pedra calcária de grão fino) é
desenhada com um lápis gorduroso (lápis litográfico). Posteriormente, a
pedra recebe uma solução de goma arábica e ácido nítrico para que o
desenho se fixe na superfície da pedra. Com isso, as zonas que não tem
o desenho rejeitam a tinta de impressão.
Artistas que trabalharam com a litogravura Lautrec, Miró, Picasso e Matisse.
Serigrafia
Fundamentado nesse princípio, a serigrafia foi utilizada nos
inícios do século XIX para decorar tecidos e os anglo-saxões
chamaram essa técnica de Silk screen. A serigrafia no Brasil tem
basicamente duas aplicações: a primeira como técnica de expressão
artística e a segunda na área industrial, na impressão de
embalagens, camisetas, etc.
Basicamente é esticar uma tela de seda ou nylon num
chassi e deixar algumas áreas vazadas e outras cobertas. A
tinta passa nas áreas vazadas e não nas áreas cobertas,
deixando uma estampa.
Alguns artistas que trabalharam com a serigrafia:
Roy Lichtenstein, Andy warhol e Vitor Vasarely.
Frottage
O papel é colocado sobre o material a ser impresso,
podendo constituir texturas diversas. Segura-se firmemente o
papel e esfrega-se o lápis cera na posição horizontal até
aparecerem todas as formas. Esta técnica leva à observação
de texturas e manipulação de materiais.
Gilberto Queiroz, 2007
Max Ernst, 1926
Stêncil
A matriz é um molde vazado, delineado por corte ou
perfuração em papel, papelão, metal ou outros materiais. A
impressão se dá por meio do molde já recortado, colocando
assim, o molde sobre a superfície a ser desenhada e em
seguida pinta-se com tinta líquida ou spray
Rodrigo Obanco
Bansky
Os Gêmeos
O uso da gravura no
expressionismo
O Expressionismo pressupõe o compromisso do artista
com relação às questões sociais e à situação histórica, almejando
uma relação efetiva com a sociedade. Assim sendo, a questão da
comunicação é de fundamental importância.
Em 1905, um grupo de artistas forma o Die Brücke (A Ponte),
que terá continuidade no Der blaue Reiter (O Cavaleiro Azul), a partir
de 1911.
Os expressionistas recorreram largamente à gravura, que, em
seus primórdios, foi a forma mais simples e direta de expressão e
comunicação, tendo se tornado uma tradição para ilustrações na
Alemanha. Assim, com a maneira artesanal pela qual a matriz é feita, o
artista deixa expressa sua marca sobre a matéria resistente do metal
ou madeira; impressa a matriz, a imagem se multiplica e propicia uma
ampla circulação de suas idéias.
O Expressionismo desenvolveu-se principalmente, em países
nórdicos:Noruega, Suécia e Dinamarca e, na Alemanha e Holanda, onde o
misticismo e o temperamento visionário caracterizam o povo.
No Brasil, Cândido Portinari denuncia a triste condição humana
dos nordestinos.
Grande influência no Expressionismo alemão
foi o norueguês Edward Munch, pintor e gravador de
temática mórbida e dramática.
Edvard Munch. O Grito, 1895. Gravura.
Munch Museum, Oslo, Noruega.
Gravura no Brasil
Até a chegada da Família
Real ao Brasil, em 1808, as
gráficas eram proibidas de se
estabelecer no Brasil.
Cordel
A xilogravura tem forte tradição no nordeste do país.
Do Ceará a Pernambuco encontram-se mestres dedicados ao
ofício de xilógrafo, profissão que se liga diretamente aos
contadores de histórias, poetas repentistas e à incipiente
imprensa de cordel. Originados em Portugal, os folhetos foram
trazidos pelos colonizadores no século XVI. Ao imaginário
medieval dos portugueses, os fatos políticos nacionais foram
incorporados aos temas religiosos e também às lendas
populares.
J. Borges
Percebe-se que na gravura de J. Borges a influência do Cordel é muito
visível, até hoje ele ainda ilustra cordéis.
Samico
A gravura de Samico, mais detalhada e de impressionante apuro
técnico, existe uma semelhança visual às figuras egípcias, principalmente pela
frontalidade das figuras e pela simetria nas composições.
Modernistas
O Modernismo Brasileiro é um movimento de amplo
espectro cultural, desencadeado tardiamente nos anos 20, nele
convergindo elementos das vanguardas acontecidas na Europa
antes da Primeira Guerra Mundial.
A predominância de valores expressionistas presentes nas
obras de precursores como Lasar Segall, Anita Malfatti e
Victor Brecheret e no avançar do nosso Modernismo, a convergência de
elementos cubo-futuristas e posteriormente a emergência do
surrealismo que estão na pintura de Tarsila do Amaral, Vicente do Rego
Monteiro e Ismael Nery. É interessante observar que a disciplina e a
ordem da composição cubista constituem estrutura básica das obras de
Tarsila, Antonio Gomide e Di Cavalcanti.
Lasar Segall (1891 - 1957)
Tarsila do Amaral(1886 – 1973)
A Semana de Arte Moderna de 22 é o ápice deste processo que visava
atualização das artes, e a sua identidade nacional. Pensada por Di Cavalcanti
como um evento que causasse impacto e escândalo. Esta Semana proporcionaria
as bases teóricas que contribuirão muito para o desenvolvimento artístico e
intelectual da Primeira Geração Modernista e o seu encaminhamento, nos anos 30
e 40, na fase da Modernidade Brasileira.
CLUBES DE GRAVURA
A fundação do Clube de Gravura de Porto Alegre em 1950 dá-se
no interior de um movimento de renovação das artes no Estado do Rio
Grande do Sul.
Carlos Scliar (1920 - 2001), um dos principais membros do
Clube de Gravura, atua, desde 1940, como importante intermediário entre os
artistas de São Paulo e do sul do país.
Vasco Prado (1914 – 1998)
Danúbio Gonçalves (1925)
Glênio Bianchetti (1928)
Glauco Rodrigues (1929 – 2004)
Iberê Camargo (1914-1994)
Xico Stockinger (1919 – 2009)
Maria Tomaselli (1941)
Anico Herskovits (1948)
Marta Loguércio (1945)
 1948- Grupo de Bagé: Glênio Bianchetti, Glauco Rodrigues,
Danúbio Gonçalves e Carlos Scliar.
 1950- Clube de Gravura de Porto Alegre: Carlos Scliar, Vasco
Prado e Danúbio Gonçalves durou cinco anos.
 1951- Clube de Gravura de Bagé: Danúbio Gonçalves, Glênio
Bianchetti, Glauco Rodrigues.
 1960- Atelier Livre da Prefeitura: Iberê Camargo, Xico Stockinger,
Danúbio Gonçalves.
 1980- MAM: Maria Tomaselli, Anico Herskovits e Marta Loguércio.

1984-Núcleo de Gravura do Rio Grande do Sul
 1991-Oficina 11
Bibliografia:
Enciclopédia Itaú Cultural. Disponível em <http://www.itaucultural.org.br> acesso em : out.2009;
Centro Virtual de Documentação e Referência Oswaldo Goeldi. Disponível em <http://www.centrovirtualgoeldi.com/
paginas.aspx?Menu=agravura> acesso em : out.2009;
Júlio Feliz. Gravura Artistica. Disponível em <http://www.gravurarte.hpg.com.br/historico.htm> acesso em : out.2009;
Ricardo Barradas. Gravuras Brasileiras. Disponível em <http://gravurasbrasileiras.blogspot.com/> acesso em :
out.2009;
Diretorio de Arte. Disponível em <http://www.diretoriodearte.com/> acesso em : out.2009;
Juliana Gomes de Souza Dias. Portal do professor. Disponível em :
<http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.
html?aula=3847> acesso em : out.2009;
Clube de Gravura. Disponível em < http://www.amariniarte.com.br/clube/clube.htm > acesso em : out.2009;
Cassandra de Castro Assis Gonçalves, Profa. Dra. Daisy V. M. Peccinini de Alvarado. MAC. Disponível
em:<http://www.
mac.usp.br/mac/templates/projetos/seculoxx/modulo2/modernidade/espraiamento/riograndedosul/sul.html#> acesso
em : out.2009.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gravuras
GravurasGravuras
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Sandro Bottene
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Talita Tata
 
Gravura
GravuraGravura
Vincent Van Gogh
Vincent Van GoghVincent Van Gogh
Vincent Van Gogh
Agostinho NSilva
 
Expressionismo - Trabalho de artes
Expressionismo - Trabalho de artesExpressionismo - Trabalho de artes
Expressionismo - Trabalho de artes
Luis_Cesar_Hryckiv
 
Gêneros da pintura prova de aula eliane
Gêneros da pintura prova de aula elianeGêneros da pintura prova de aula eliane
Gêneros da pintura prova de aula eliane
Colégio Pedro II - Campus Centro
 
Principios desenho
Principios desenhoPrincipios desenho
Principios desenho
Felipe A. Pires
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas Europeias Vanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
Paula Meyer Piagentini
 
Tarsila do amaral slides
Tarsila do amaral  slidesTarsila do amaral  slides
Tarsila do amaral slides
mila braga
 
Conhecendo a arte barroca
Conhecendo a arte barrocaConhecendo a arte barroca
Conhecendo a arte barroca
Tereza Honoria
 
Gravura: introdução
Gravura: introduçãoGravura: introdução
Gravura: introdução
Renato Garcia
 
Arte - Surrealismo
Arte - SurrealismoArte - Surrealismo
Arte - Surrealismo
Nathália Rodrigues
 
Aula vanguardas europeias
Aula vanguardas europeiasAula vanguardas europeias
Aula vanguardas europeias
Abrahão Costa de Freitas
 
História da Arte: Arte e design
História da Arte: Arte e design História da Arte: Arte e design
História da Arte: Arte e design
Raphael Lanzillotte
 
Picasso
PicassoPicasso
Picasso
hcaslides
 
Arte Contemporanea no Brasil
Arte Contemporanea no BrasilArte Contemporanea no Brasil
Arte Contemporanea no Brasil
pagodes
 
Semana da arte moderna de 1922
Semana da arte moderna de 1922Semana da arte moderna de 1922
Semana da arte moderna de 1922
Karoline Oliveira
 
Futurismo
FuturismoFuturismo
Futurismo
yngridscarpatti
 
Futurismo
FuturismoFuturismo
Futurismo
Michele Pó
 

Mais procurados (20)

Gravuras
GravurasGravuras
Gravuras
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
Gravura
GravuraGravura
Gravura
 
Vincent Van Gogh
Vincent Van GoghVincent Van Gogh
Vincent Van Gogh
 
Expressionismo - Trabalho de artes
Expressionismo - Trabalho de artesExpressionismo - Trabalho de artes
Expressionismo - Trabalho de artes
 
Gêneros da pintura prova de aula eliane
Gêneros da pintura prova de aula elianeGêneros da pintura prova de aula eliane
Gêneros da pintura prova de aula eliane
 
Principios desenho
Principios desenhoPrincipios desenho
Principios desenho
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas Europeias Vanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
 
Tarsila do amaral slides
Tarsila do amaral  slidesTarsila do amaral  slides
Tarsila do amaral slides
 
Conhecendo a arte barroca
Conhecendo a arte barrocaConhecendo a arte barroca
Conhecendo a arte barroca
 
Gravura: introdução
Gravura: introduçãoGravura: introdução
Gravura: introdução
 
Arte - Surrealismo
Arte - SurrealismoArte - Surrealismo
Arte - Surrealismo
 
Aula vanguardas europeias
Aula vanguardas europeiasAula vanguardas europeias
Aula vanguardas europeias
 
História da Arte: Arte e design
História da Arte: Arte e design História da Arte: Arte e design
História da Arte: Arte e design
 
Picasso
PicassoPicasso
Picasso
 
Arte Contemporanea no Brasil
Arte Contemporanea no BrasilArte Contemporanea no Brasil
Arte Contemporanea no Brasil
 
Semana da arte moderna de 1922
Semana da arte moderna de 1922Semana da arte moderna de 1922
Semana da arte moderna de 1922
 
Futurismo
FuturismoFuturismo
Futurismo
 
Futurismo
FuturismoFuturismo
Futurismo
 

Destaque

gravura
gravuragravura
gravura
elzamary
 
XILOGRAVURA - Professora Laurizete Cação - Arte
XILOGRAVURA - Professora Laurizete Cação - ArteXILOGRAVURA - Professora Laurizete Cação - Arte
XILOGRAVURA - Professora Laurizete Cação - Arte
Fazendo Novas Amizades Fauze
 
Xilogravura Passo a passo
Xilogravura Passo a passoXilogravura Passo a passo
Xilogravura Passo a passo
Hayana Oliveira
 
Aula de Xilogravura
Aula de XilogravuraAula de Xilogravura
Aula de Xilogravura
Ipsun
 
Slides Gravura
Slides GravuraSlides Gravura
Slides Gravura
Ida Brandão
 
O ENSINO DA XILOGRAVURA PARA ALUNOS DO 7º ANO NA ESCOLA NÂNZIO MAGALHÃES EM F...
O ENSINO DA XILOGRAVURA PARA ALUNOS DO 7º ANO NA ESCOLA NÂNZIO MAGALHÃES EM F...O ENSINO DA XILOGRAVURA PARA ALUNOS DO 7º ANO NA ESCOLA NÂNZIO MAGALHÃES EM F...
O ENSINO DA XILOGRAVURA PARA ALUNOS DO 7º ANO NA ESCOLA NÂNZIO MAGALHÃES EM F...
Vis-UAB
 
Xilogravura
XilogravuraXilogravura
Xilogravura
Hellen Caroline
 
Aula02 processos artesanais
Aula02 processos artesanaisAula02 processos artesanais
Aula02 processos artesanais
Vanessa Mezzadri Brudzinski
 
Você sabe o que é Palitografia?
Você sabe o que é Palitografia? Você sabe o que é Palitografia?
Você sabe o que é Palitografia?
poieolivairene
 
História da Arte: A evolução da pintura
História da Arte: A evolução da pinturaHistória da Arte: A evolução da pintura
História da Arte: A evolução da pintura
Raphael Lanzillotte
 
Xilogravura
XilogravuraXilogravura
Xilogravura
Maikon José Fronza
 
Giga1
Giga1Giga1
Giga1
Paulo Mata
 
Retrospectiva - Camila Lamberti
Retrospectiva - Camila LambertiRetrospectiva - Camila Lamberti
Retrospectiva - Camila Lamberti
Camila Márcia Contato
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
MateusFreitas000
 
Boczon monotipias
Boczon monotipiasBoczon monotipias
Boczon monotipias
Claudio Boczon
 
Ensino Médio- gravura, litografia, xilogravura, serigrafia ou silkscreen
Ensino Médio-   gravura, litografia, xilogravura, serigrafia ou silkscreenEnsino Médio-   gravura, litografia, xilogravura, serigrafia ou silkscreen
Ensino Médio- gravura, litografia, xilogravura, serigrafia ou silkscreen
ArtesElisa
 
Gêneros da pintura
Gêneros da pinturaGêneros da pintura
Gêneros da pintura
CEF16
 
Matemática para concursos regra de três simples e composta - 10 exercícios ...
Matemática para concursos   regra de três simples e composta - 10 exercícios ...Matemática para concursos   regra de três simples e composta - 10 exercícios ...
Matemática para concursos regra de três simples e composta - 10 exercícios ...
Sulaine Almeida
 
Historia do treinamento de Força
Historia do treinamento de ForçaHistoria do treinamento de Força
Historia do treinamento de Força
Marilia Coutinho
 
Impressão Offset
Impressão Offset Impressão Offset
Impressão Offset
Roger Pimentel
 

Destaque (20)

gravura
gravuragravura
gravura
 
XILOGRAVURA - Professora Laurizete Cação - Arte
XILOGRAVURA - Professora Laurizete Cação - ArteXILOGRAVURA - Professora Laurizete Cação - Arte
XILOGRAVURA - Professora Laurizete Cação - Arte
 
Xilogravura Passo a passo
Xilogravura Passo a passoXilogravura Passo a passo
Xilogravura Passo a passo
 
Aula de Xilogravura
Aula de XilogravuraAula de Xilogravura
Aula de Xilogravura
 
Slides Gravura
Slides GravuraSlides Gravura
Slides Gravura
 
O ENSINO DA XILOGRAVURA PARA ALUNOS DO 7º ANO NA ESCOLA NÂNZIO MAGALHÃES EM F...
O ENSINO DA XILOGRAVURA PARA ALUNOS DO 7º ANO NA ESCOLA NÂNZIO MAGALHÃES EM F...O ENSINO DA XILOGRAVURA PARA ALUNOS DO 7º ANO NA ESCOLA NÂNZIO MAGALHÃES EM F...
O ENSINO DA XILOGRAVURA PARA ALUNOS DO 7º ANO NA ESCOLA NÂNZIO MAGALHÃES EM F...
 
Xilogravura
XilogravuraXilogravura
Xilogravura
 
Aula02 processos artesanais
Aula02 processos artesanaisAula02 processos artesanais
Aula02 processos artesanais
 
Você sabe o que é Palitografia?
Você sabe o que é Palitografia? Você sabe o que é Palitografia?
Você sabe o que é Palitografia?
 
História da Arte: A evolução da pintura
História da Arte: A evolução da pinturaHistória da Arte: A evolução da pintura
História da Arte: A evolução da pintura
 
Xilogravura
XilogravuraXilogravura
Xilogravura
 
Giga1
Giga1Giga1
Giga1
 
Retrospectiva - Camila Lamberti
Retrospectiva - Camila LambertiRetrospectiva - Camila Lamberti
Retrospectiva - Camila Lamberti
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
 
Boczon monotipias
Boczon monotipiasBoczon monotipias
Boczon monotipias
 
Ensino Médio- gravura, litografia, xilogravura, serigrafia ou silkscreen
Ensino Médio-   gravura, litografia, xilogravura, serigrafia ou silkscreenEnsino Médio-   gravura, litografia, xilogravura, serigrafia ou silkscreen
Ensino Médio- gravura, litografia, xilogravura, serigrafia ou silkscreen
 
Gêneros da pintura
Gêneros da pinturaGêneros da pintura
Gêneros da pintura
 
Matemática para concursos regra de três simples e composta - 10 exercícios ...
Matemática para concursos   regra de três simples e composta - 10 exercícios ...Matemática para concursos   regra de três simples e composta - 10 exercícios ...
Matemática para concursos regra de três simples e composta - 10 exercícios ...
 
Historia do treinamento de Força
Historia do treinamento de ForçaHistoria do treinamento de Força
Historia do treinamento de Força
 
Impressão Offset
Impressão Offset Impressão Offset
Impressão Offset
 

Semelhante a Gravura

Século xx no brasil
Século xx no brasilSéculo xx no brasil
Século xx no brasil
matheuslw
 
Tecno gravura[1][1]
Tecno gravura[1][1]Tecno gravura[1][1]
Tecno gravura[1][1]
CEF16
 
Fauvismo !
Fauvismo ! Fauvismo !
Fauvismo !
Laguat
 
A história da gravura
A história da gravuraA história da gravura
A história da gravura
Luciana Estivalet
 
Apresentação Silêncios
Apresentação SilênciosApresentação Silêncios
Apresentação Silêncios
resespress
 
Arte surrealista
Arte surrealistaArte surrealista
Arte surrealista
ceufaias
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
Lú Carvalho
 
Artes - Trabalho de história e EV
Artes - Trabalho de história e EVArtes - Trabalho de história e EV
Artes - Trabalho de história e EV
ammarahmonteiro
 
A Arte e a Ciência no Séc.XX
A Arte e a Ciência no Séc.XXA Arte e a Ciência no Séc.XX
A Arte e a Ciência no Séc.XX
MartadeAmorimMendona
 
Naturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na PinturaNaturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na Pintura
Carlos Pinheiro
 
Surrealismo_Joan_Miró_reflexão_incentivo.pptx
Surrealismo_Joan_Miró_reflexão_incentivo.pptxSurrealismo_Joan_Miró_reflexão_incentivo.pptx
Surrealismo_Joan_Miró_reflexão_incentivo.pptx
Lipa Vimaranes
 
Silêncios
SilênciosSilêncios
Silêncios
Daniel Roque
 
Anos 20
Anos 20Anos 20
Anos 20
Helena
 
Aula 6 Futurismo Purismo Orfismo Vorticismo
Aula 6   Futurismo Purismo Orfismo VorticismoAula 6   Futurismo Purismo Orfismo Vorticismo
Aula 6 Futurismo Purismo Orfismo Vorticismo
Aline Okumura
 
História da Arte - do Construtivismo à Arte Contemporanea
História da Arte - do Construtivismo à Arte ContemporaneaHistória da Arte - do Construtivismo à Arte Contemporanea
História da Arte - do Construtivismo à Arte Contemporanea
Raphael Lanzillotte
 
Galeria de Gravura
Galeria de GravuraGaleria de Gravura
Galeria de Gravura
wiltao
 
6 - História da Arte IV: Abstração pós-pictórica
6 - História da Arte IV: Abstração pós-pictórica6 - História da Arte IV: Abstração pós-pictórica
6 - História da Arte IV: Abstração pós-pictórica
Paula Poiet
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
Fabiana Alexandre
 
Tipografia
TipografiaTipografia
Vanguardas CBG
Vanguardas CBGVanguardas CBG
Vanguardas CBG
Aline Raposo
 

Semelhante a Gravura (20)

Século xx no brasil
Século xx no brasilSéculo xx no brasil
Século xx no brasil
 
Tecno gravura[1][1]
Tecno gravura[1][1]Tecno gravura[1][1]
Tecno gravura[1][1]
 
Fauvismo !
Fauvismo ! Fauvismo !
Fauvismo !
 
A história da gravura
A história da gravuraA história da gravura
A história da gravura
 
Apresentação Silêncios
Apresentação SilênciosApresentação Silêncios
Apresentação Silêncios
 
Arte surrealista
Arte surrealistaArte surrealista
Arte surrealista
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
 
Artes - Trabalho de história e EV
Artes - Trabalho de história e EVArtes - Trabalho de história e EV
Artes - Trabalho de história e EV
 
A Arte e a Ciência no Séc.XX
A Arte e a Ciência no Séc.XXA Arte e a Ciência no Séc.XX
A Arte e a Ciência no Séc.XX
 
Naturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na PinturaNaturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na Pintura
 
Surrealismo_Joan_Miró_reflexão_incentivo.pptx
Surrealismo_Joan_Miró_reflexão_incentivo.pptxSurrealismo_Joan_Miró_reflexão_incentivo.pptx
Surrealismo_Joan_Miró_reflexão_incentivo.pptx
 
Silêncios
SilênciosSilêncios
Silêncios
 
Anos 20
Anos 20Anos 20
Anos 20
 
Aula 6 Futurismo Purismo Orfismo Vorticismo
Aula 6   Futurismo Purismo Orfismo VorticismoAula 6   Futurismo Purismo Orfismo Vorticismo
Aula 6 Futurismo Purismo Orfismo Vorticismo
 
História da Arte - do Construtivismo à Arte Contemporanea
História da Arte - do Construtivismo à Arte ContemporaneaHistória da Arte - do Construtivismo à Arte Contemporanea
História da Arte - do Construtivismo à Arte Contemporanea
 
Galeria de Gravura
Galeria de GravuraGaleria de Gravura
Galeria de Gravura
 
6 - História da Arte IV: Abstração pós-pictórica
6 - História da Arte IV: Abstração pós-pictórica6 - História da Arte IV: Abstração pós-pictórica
6 - História da Arte IV: Abstração pós-pictórica
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
 
Tipografia
TipografiaTipografia
Tipografia
 
Vanguardas CBG
Vanguardas CBGVanguardas CBG
Vanguardas CBG
 

Último

Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
erico paulo rocha guedes
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 

Último (20)

Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 

Gravura

  • 2. Termo que designa, em geral, desenhos feitos em superfícies duras - como madeira, pedra e metal - a partir de incisões, corrosões e talhos realizados com instrumentos e materiais especiais. Ao contrário do desenho, os procedimentos técnicos empregados na gravura permitem a reprodução da imagem. Nessa medida, uma gravura é considerada original quando resultado direto da matriz criada pelo artista, que a partir dela imprime a imagem em exemplares iguais, numerados e assinados. Em função da técnica e do material empregados, a gravura recebe uma nomenclatura específica: litografia, gravura em metal, xilogravura,serigrafia etc.
  • 4. O homem da pré-história já utilizava a gravura para expressar-se. Como pigmentos naturais entintavam as mãos e “carimbavam” nas paredes. Riscaram formas em superfícies com ossos, barros, cascas de árvores, peles de animais, metal e pedras
  • 5. A invenção do papel e da tinta – 600 a.C. O Sutra de Diamante, datado de 868 a.C., é o mais antigo “livro” gravado em madeira e impresso em papel que se conhece e foi dedicado à imperatriz da China, Wang Chieh, para que sua memória fosse perpetuada. Os chineses são considerados pioneiros em arte de gravura e papel.
  • 6. Os espanhóis foram os primeiros a fabricar papel na Europa no séc. XII. A impressão xilográfica na Idade Média terá importância não só para a Igreja como também para a população. No caso da Igreja, antes da invenção da imprensa, a xilogravura é utilizada na produção de pequenos livros de caráter religioso e nos próprios manuscritos.
  • 8. A xilogravura merece um local de honra na história da gravura por ser a mais antiga de provável origem chinesa. A madeira possui texturas que indicam sua idade e seu caráter, podem ser macias ou duras, com veios ou lisas. Se a árvore for cortada no sentido do crescimento teremos a xilogravura de fio. O corte pode ser transversal ao tronco e teremos então a gravura de topo ou xilografia.
  • 9. Albet Durer (1471-1528) consegue com sua gravura, romper o vínculo que até então esta tinha com a produção de livros. A partir de sua obra observa-se que gradativamente a gravura começa a emancipar-se como uma forma de expressão artística.
  • 10. Enquanto na Europa a Xilogravura entra em decadência, no Japão ela evolui consideravelmente, conseguindo manter-se como uma das principais formas de expressão.
  • 11. A técnica ancestral da xilogravura foi escolhida por Oswaldo Goeldi como seu principal meio de expressão.
  • 12. A Gravura em Metal A Gravura em metal surgiu na Europa no século XV
  • 13. No buril o artista grava com a ferramenta diretamente na matriz (ferro, latão, cobre, zinco, etc.). Os sistemas que se empregam ácidos, chamados processos indiretos, vieram posteriormente. Andréa Mantegna (buril) Albert Durer (buril) Albert Durer Posteriormente, outras técnicas surgiram como a ponta-seca, que é a utilização de uma ponta rígida diretamente sobre o metal.
  • 14. A técnica da água-forte surgiu por volta do ano 1513. Nessa técnica, a superfície do metal é coberta com um verniz impermeabilizante e depois, utilizando-se uma ponta seca, risca-se o desenho deixando o metal descoberto no lugar do traço. Posteriormente, a chapa é mergulhada num ácido que ataca a parte exposta pela ponta seca, gravando os traços do desenho. As primeiras matrizes foram feitas com chapas de ferro; o cobre foi usado mais tarde. Callot Rembrandt Rembrandt
  • 15. A técnica da água-tinta surgiu nos meados do século XVIII e Jean-Baptiste Leprince (1734-1781) é geralmente reconhecido como o inventor dessa técnica. A água-tinta consiste no recobrimento da chapa de metal com grânulos de breu ou betume que depois é aquecida até o ponto de fusão. Posteriormente, a chapa é mergulhada no ácido por determinado tempo e depois retirada para ser impermeabilizada parcialmente; novamente é levada ao ácido. Essa variação do tempo de corrosão dará na impressão diversas tonalidades.
  • 16. O artista que mais se destacou no uso da água-tinta foi Francisco José de Goya y Lucientes (1746-1828).
  • 18. A técnica do Verniz mole é atribuída a Dietrich Mayer, que por volta de 1620, teve a idéia de amolecer o verniz por intermédio de gordura, de modo que o mesmo fique mole, permitindo a aplicação de diversas texturas. Com ação do ácido, aparece na impressão o efeito das texturas aplicadas. Na França, o verniz mole tornou-se uma prática corrente entre os anos 1830 e 1840. August Renoir fez algumas gravuras utilizando a técnica do verniz mole. (Jorge, 1986).
  • 19. Litogravura A Litografia foi inventada pelo Tcheco Aloys Senefelder por volta do ano de 1796.
  • 20. Essa técnica baseia-se na repulsão entre a água e as substâncias gordurosas. A matriz (pedra calcária de grão fino) é desenhada com um lápis gorduroso (lápis litográfico). Posteriormente, a pedra recebe uma solução de goma arábica e ácido nítrico para que o desenho se fixe na superfície da pedra. Com isso, as zonas que não tem o desenho rejeitam a tinta de impressão. Artistas que trabalharam com a litogravura Lautrec, Miró, Picasso e Matisse.
  • 22. Fundamentado nesse princípio, a serigrafia foi utilizada nos inícios do século XIX para decorar tecidos e os anglo-saxões chamaram essa técnica de Silk screen. A serigrafia no Brasil tem basicamente duas aplicações: a primeira como técnica de expressão artística e a segunda na área industrial, na impressão de embalagens, camisetas, etc. Basicamente é esticar uma tela de seda ou nylon num chassi e deixar algumas áreas vazadas e outras cobertas. A tinta passa nas áreas vazadas e não nas áreas cobertas, deixando uma estampa.
  • 23. Alguns artistas que trabalharam com a serigrafia: Roy Lichtenstein, Andy warhol e Vitor Vasarely.
  • 25. O papel é colocado sobre o material a ser impresso, podendo constituir texturas diversas. Segura-se firmemente o papel e esfrega-se o lápis cera na posição horizontal até aparecerem todas as formas. Esta técnica leva à observação de texturas e manipulação de materiais. Gilberto Queiroz, 2007 Max Ernst, 1926
  • 27. A matriz é um molde vazado, delineado por corte ou perfuração em papel, papelão, metal ou outros materiais. A impressão se dá por meio do molde já recortado, colocando assim, o molde sobre a superfície a ser desenhada e em seguida pinta-se com tinta líquida ou spray Rodrigo Obanco Bansky Os Gêmeos
  • 28. O uso da gravura no expressionismo
  • 29. O Expressionismo pressupõe o compromisso do artista com relação às questões sociais e à situação histórica, almejando uma relação efetiva com a sociedade. Assim sendo, a questão da comunicação é de fundamental importância. Em 1905, um grupo de artistas forma o Die Brücke (A Ponte), que terá continuidade no Der blaue Reiter (O Cavaleiro Azul), a partir de 1911. Os expressionistas recorreram largamente à gravura, que, em seus primórdios, foi a forma mais simples e direta de expressão e comunicação, tendo se tornado uma tradição para ilustrações na Alemanha. Assim, com a maneira artesanal pela qual a matriz é feita, o artista deixa expressa sua marca sobre a matéria resistente do metal ou madeira; impressa a matriz, a imagem se multiplica e propicia uma ampla circulação de suas idéias.
  • 30. O Expressionismo desenvolveu-se principalmente, em países nórdicos:Noruega, Suécia e Dinamarca e, na Alemanha e Holanda, onde o misticismo e o temperamento visionário caracterizam o povo. No Brasil, Cândido Portinari denuncia a triste condição humana dos nordestinos.
  • 31. Grande influência no Expressionismo alemão foi o norueguês Edward Munch, pintor e gravador de temática mórbida e dramática. Edvard Munch. O Grito, 1895. Gravura. Munch Museum, Oslo, Noruega.
  • 32. Gravura no Brasil Até a chegada da Família Real ao Brasil, em 1808, as gráficas eram proibidas de se estabelecer no Brasil.
  • 34. A xilogravura tem forte tradição no nordeste do país. Do Ceará a Pernambuco encontram-se mestres dedicados ao ofício de xilógrafo, profissão que se liga diretamente aos contadores de histórias, poetas repentistas e à incipiente imprensa de cordel. Originados em Portugal, os folhetos foram trazidos pelos colonizadores no século XVI. Ao imaginário medieval dos portugueses, os fatos políticos nacionais foram incorporados aos temas religiosos e também às lendas populares.
  • 35. J. Borges Percebe-se que na gravura de J. Borges a influência do Cordel é muito visível, até hoje ele ainda ilustra cordéis.
  • 36.
  • 37. Samico A gravura de Samico, mais detalhada e de impressionante apuro técnico, existe uma semelhança visual às figuras egípcias, principalmente pela frontalidade das figuras e pela simetria nas composições.
  • 38.
  • 39.
  • 41. O Modernismo Brasileiro é um movimento de amplo espectro cultural, desencadeado tardiamente nos anos 20, nele convergindo elementos das vanguardas acontecidas na Europa antes da Primeira Guerra Mundial. A predominância de valores expressionistas presentes nas obras de precursores como Lasar Segall, Anita Malfatti e Victor Brecheret e no avançar do nosso Modernismo, a convergência de elementos cubo-futuristas e posteriormente a emergência do surrealismo que estão na pintura de Tarsila do Amaral, Vicente do Rego Monteiro e Ismael Nery. É interessante observar que a disciplina e a ordem da composição cubista constituem estrutura básica das obras de Tarsila, Antonio Gomide e Di Cavalcanti.
  • 44. A Semana de Arte Moderna de 22 é o ápice deste processo que visava atualização das artes, e a sua identidade nacional. Pensada por Di Cavalcanti como um evento que causasse impacto e escândalo. Esta Semana proporcionaria as bases teóricas que contribuirão muito para o desenvolvimento artístico e intelectual da Primeira Geração Modernista e o seu encaminhamento, nos anos 30 e 40, na fase da Modernidade Brasileira.
  • 46. A fundação do Clube de Gravura de Porto Alegre em 1950 dá-se no interior de um movimento de renovação das artes no Estado do Rio Grande do Sul. Carlos Scliar (1920 - 2001), um dos principais membros do Clube de Gravura, atua, desde 1940, como importante intermediário entre os artistas de São Paulo e do sul do país.
  • 47. Vasco Prado (1914 – 1998)
  • 56.  1948- Grupo de Bagé: Glênio Bianchetti, Glauco Rodrigues, Danúbio Gonçalves e Carlos Scliar.  1950- Clube de Gravura de Porto Alegre: Carlos Scliar, Vasco Prado e Danúbio Gonçalves durou cinco anos.  1951- Clube de Gravura de Bagé: Danúbio Gonçalves, Glênio Bianchetti, Glauco Rodrigues.  1960- Atelier Livre da Prefeitura: Iberê Camargo, Xico Stockinger, Danúbio Gonçalves.  1980- MAM: Maria Tomaselli, Anico Herskovits e Marta Loguércio.  1984-Núcleo de Gravura do Rio Grande do Sul  1991-Oficina 11
  • 57. Bibliografia: Enciclopédia Itaú Cultural. Disponível em <http://www.itaucultural.org.br> acesso em : out.2009; Centro Virtual de Documentação e Referência Oswaldo Goeldi. Disponível em <http://www.centrovirtualgoeldi.com/ paginas.aspx?Menu=agravura> acesso em : out.2009; Júlio Feliz. Gravura Artistica. Disponível em <http://www.gravurarte.hpg.com.br/historico.htm> acesso em : out.2009; Ricardo Barradas. Gravuras Brasileiras. Disponível em <http://gravurasbrasileiras.blogspot.com/> acesso em : out.2009; Diretorio de Arte. Disponível em <http://www.diretoriodearte.com/> acesso em : out.2009; Juliana Gomes de Souza Dias. Portal do professor. Disponível em : <http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula. html?aula=3847> acesso em : out.2009; Clube de Gravura. Disponível em < http://www.amariniarte.com.br/clube/clube.htm > acesso em : out.2009; Cassandra de Castro Assis Gonçalves, Profa. Dra. Daisy V. M. Peccinini de Alvarado. MAC. Disponível em:<http://www. mac.usp.br/mac/templates/projetos/seculoxx/modulo2/modernidade/espraiamento/riograndedosul/sul.html#> acesso em : out.2009.