SlideShare uma empresa Scribd logo
José Carlos Ferraz Alves Página 1
José Ferraz Alves, Economista, Quadro Superior Bancário
FUNDO DE DESENDIVIDAMENTO, motor de crescimento económico
1. Enquadramento
O problema do sobreendividamento, que de acordo com a DECO afecta 660
mil famílias, tem dimensões sociais e económicas. E pode, e deve, ser visto
como motor de crescimento. Algo distinto, de facto, do tradicional crédito a
empresas, formação profissional e subsídios de empregabilidade.
De acordo com inquéritos recentes e publicados pelo Jornal de Negócios, 2/3
dos empresários não investe, porque não tem perspectivas de ter procura
para a sua actividade - com apenas menos de 1/3 a considerar ser o custo e
disponibilidade do crédito os factores impeditivos -.
Por isso, um Banco de Fomento pouco acrescenta, tratando-se de
concorrência numa área em que não é necessária a intervenção pública.
Quanto muito, poderia funcionar como garante aos financiamentos da actual
Banca, permitindo-lhe operações de taxas mais baixas, algo que também é
feito pelas Sociedades de Garantia Mútua.
Acresce, que a generalidade do emprego é criado nos sectores protegidos do
mercado interno, em actividade de proximidade.
Por outro lado, os próprios novos empregos, que a Europa pode criar, estão
nestes sectores do mercado interno: educação, geriatria, saúde, reabilitação
urbana, restauração, hotelaria, indústrias criativas e arte.
Defendo que tudo o que provoque um aumento do rendimento disponível
das famílias é indutor de investimento, emprego e crescimento económico.
O mecanismo do Fundo de Desendividamento tem esse objectivo. Mesmo se
considerado como Fundo de Reestruturação Financeira, para famílias não
sobreendividadas, porque tudo o que aumente o rendimento disponível
induzirá um ciclo virtuoso na economia. Acresce, que potencia um efeito de
alavancagem dos fundos disponíveis.
2. Caso Prático Real
Uma família que tem um rendimento mensal líquido de 900 euros e uma
dívida em cartões de crédito, que foi crescendo de 2002 a 2012 até 9 mil
euros. Este crescimento teve a ver como o mecanismo, perverso, associado
José Carlos Ferraz Alves Página 2
à amortização de capital – algo não referido - e, em menor grau, às próprias
taxas de juro.
Recentemente, o Governo procurou regular as taxas e as comissões
aplicáveis, o que não é suficiente para inverter o processo, porque não
considerou a necessidade de amortização mensal mínima de 2,5% ou 5%, o
que pressupõe que é um crédito a 40 meses (1/2,5%) ou 20 meses (1/5%).
E o problema está no prazo.
Estas famílias dificilmente saem desta armadilha do endividamento.
José Carlos Ferraz Alves Página 3
Esta era realidade conhecida.
(valores reportados ao mês) Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4
(1) Rendimento 900 900 900 900
(2) Dívida 9.000 9.025 9.049 9.071
(3) Prestação capital 5% x (2) 450 451 452 454
(4) Juros 35% x (2) 263 263 264 265
Disponível (1) - (3) - (4) 188 186 184 182
Recurso ao crédito 475 475 475 475
Rendimento Mensal pós endividamento 663 661 659 657
Dívida 9.000 9.025 9.049 9.071
(valores em euros)
Foram efectuados vários contactos com pedidos de reestruturação
financeira. O Banco foi sempre respondendo que se tratava de um cliente
que ia cumprindo, que fizesse mais um esforço (noutros casos, que conheço,
bastou um mês de falha para o Banco responder que não podia fazer nada,
porque existiam incidentes registados no Banco de Portugal).
O grave está nas respostas a pedidos de reestruturação serem sempre
negativas. E do poder político não ter estado atento a esta situação.
Adicionalmente, pedem-se garantias reais e pessoais impossíveis de
satisfazer e ameaça-se com aumento dos spreads e outras penalidades.
Mediante esta situação, pedi um financiamento ao meu Banco. Paguei a
dívida de 9 mil euros ao outro Banco, e esta família passou a pagar-me a
mim.
A situação obtida, com um financiamento à Taxa Euribor + 10%, é a
seguinte.
(valores reportados ao mês) Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4
(1) Rendimento 900 900 900 900
(2) Dívida 9.000 8.960 8.919 8.879
(3) Prestação capital + juro (*) 127 127 127 127
Disponível (1) - (3) 773 773 773 773
Recurso ao crédito 0 0 0 0
Rendimento Mensal pós endividamento 773 773 773 773
Dívida 9.000 8.960 8.919 8.879
(valores em euros)
(*)
C0 9000
Prestações 120
Taxa de juro 11,5%
CO = T 1-(1+r) ^(-n)
r
9000 =T 0,68162474
0,00958333
9000 =T 71,1260601
126,5
José Carlos Ferraz Alves Página 4
O diferencial entre as duas situações está neste quadro. Os impactos sobre a
família são de aumento dos seus rendimentos mensais numa média de 600
euros/mês, com pagamento das dívidas em 10 anos:
(valores reportados ao mês) Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4
Rendimento Líquido antes reestruturação 188 186 184 182
Rendimento Líquido pós reestruturação 773 860 881 903
Acréscimo de rendimento 586 674 697 721
Pagamento do endividamento 0 65 64 63
(valores em euros)
3. Potencial impacto sobre a economia
Considerei o cenário de amortização do capital em 2,5% e não os 5% deste
caso real, em que cada família tem um ganho mensal de 365 euros, anual
de 4.379 euros (35% do seu rendimento mensal).
Situação antes de reestruturação Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4
(1) Rendimento 900 900 900 900
(2) Dívida 9.000 9.025 9.049 9.073
(3) Prestação capital 2,5% x (2) 225 226 226 227
(4) Juros 35% x (2) 263 263 264 265
Disponível (1) - (3) - (4) 413 411 410 409
Recurso ao crédito 250 250 250 250
Rendimento Mensal pós endividamento 663 661 660 659
Dívida 9.000 9.025 9.049 9.073
Situação pós reestruturação
(1) Rendimento 900 900 900 900
(2) Dívida 9.000 8.960 8.919 8.879
(3) Prestação capital + juro (*) 127 127 127 127
Disponível (1) - (3) 773 773 773 773
Recurso ao crédito 0 0 0 0
Rendimento Mensal pós endividamento 773 773 773 773
Dívida 9.000 8.960 8.919 8.879
Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4
Ganhos de rendimento mensal 361 362 364 365
Admitido o potencial dos 660 mil sobreendividados, o PIB cresceria 1,5%, só
por este efeito de recapitalização das famílias e sua direcção para o
consumo, com o imediato reembolso ao Estado de 665 milhões de euros em
IVA, da primeira transacção.
Os 660 mil sobreendividados necessitariam de cerca de 6 mil milhões de
euros.
Ganhos de rendimento anual 4.379,1
Total de sobreendividados 660.000,0
Total de rendimento 2.890.213.003,4
% do PIB 1,8
IVA recebido (23%) 664.748.990,8
(valores em euros)
4. Efeito de alavancagem
O Governo está a falar em capitalização de um novo Banco de Fomento em
6 mil milhões de euros.
José Carlos Ferraz Alves Página 5
Pela via do Fundo de Fomento Social, os 6 mil milhões de euros chegariam
às empresas, com o ganho adicional de crescimento do rendimento
disponível das famílias. O mercado, para as empresas, seria assim
alimentado. Teriam assim um incentivo a investir, para além de crédito para
o efeito.
Desta forma, o mercado é alimentado pelo aumento do rendimento
disponível e as empresas têm crédito, os 2 factores necessários ao
investimento e à criação de emprego.
Gráfico 1 – o que está a ser proposto
Gráfico 2 – o que proponho
Relembro que os Bancos credores são pagos e que, assim, muitos processos
de insolvência seriam retirados dos Tribunais.
Claro que isto é fazer de forma diferente e assumir o risco de ser inovador.
Mas só com novos métodos teremos resultados diferentes. O que está
proposto, por si nada de novo trará.
5. Conclusão
Experimente-se um valor menor, para começar.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Análise compara já.pt - Até onde vai o crédito malparado em portugal
Análise compara já.pt - Até onde vai o crédito malparado em portugalAnálise compara já.pt - Até onde vai o crédito malparado em portugal
Análise compara já.pt - Até onde vai o crédito malparado em portugal
ComparaJá.pt
 
Roberto Luís Troster, ex economista-chefe da febraban
Roberto Luís Troster, ex economista-chefe da febrabanRoberto Luís Troster, ex economista-chefe da febraban
Roberto Luís Troster, ex economista-chefe da febraban
Jornal GGN
 
8º Contrubusiness - Apresentação do Ministro Henrique Meirelles
8º Contrubusiness - Apresentação do Ministro Henrique Meirelles8º Contrubusiness - Apresentação do Ministro Henrique Meirelles
8º Contrubusiness - Apresentação do Ministro Henrique Meirelles
Fiesp Federação das Indústrias do Estado de SP
 
Educação Financeira - 6 pontos para o sucesso
Educação Financeira - 6 pontos para o sucessoEducação Financeira - 6 pontos para o sucesso
Educação Financeira - 6 pontos para o sucesso
Kenneth Corrêa
 
Nacionalizacao dos bancos amercianos
Nacionalizacao dos bancos amercianosNacionalizacao dos bancos amercianos
Nacionalizacao dos bancos amercianos
Alexsandro Rebello Bonatto
 
I mil be_26_1_2012
I mil be_26_1_2012I mil be_26_1_2012
I mil be_26_1_2012
mpfcomunicacao
 
A Crise Grega
A Crise GregaA Crise Grega
A Crise Grega
Jorge Moreira
 
MAIS AUSTERIDADE ANUNCIADA AUMENTAM AS DESIGUALDADES ENTRE O TRABALHO E O CAP...
MAIS AUSTERIDADE ANUNCIADA AUMENTAM AS DESIGUALDADES ENTRE O TRABALHO E O CAP...MAIS AUSTERIDADE ANUNCIADA AUMENTAM AS DESIGUALDADES ENTRE O TRABALHO E O CAP...
MAIS AUSTERIDADE ANUNCIADA AUMENTAM AS DESIGUALDADES ENTRE O TRABALHO E O CAP...
Sinapsa
 
Documento
DocumentoDocumento
A crise portuguesa em 10 minutos
A crise portuguesa em 10 minutos A crise portuguesa em 10 minutos
A crise portuguesa em 10 minutos
Daniel Claro
 
Crise na grécia
Crise na gréciaCrise na grécia
Crise na grécia
Simone Morais
 
Como surgiu a crise econômica mundial
Como surgiu a crise econômica mundialComo surgiu a crise econômica mundial
Como surgiu a crise econômica mundial
letieri11
 
Os problemas da taxa de juros para a economia brasileira
Os problemas da taxa de juros para a economia brasileiraOs problemas da taxa de juros para a economia brasileira
Os problemas da taxa de juros para a economia brasileira
Deputado Paulo Rubem - PDT
 
Tesouro Direto e tributação dos títulos públicos
Tesouro Direto e tributação dos títulos públicosTesouro Direto e tributação dos títulos públicos
Tesouro Direto e tributação dos títulos públicos
Carlos Rocha
 
7 - 2014 taxas de juros
7  - 2014 taxas de juros7  - 2014 taxas de juros
7 - 2014 taxas de juros
Milton Henrique do Couto Neto
 
BI&P- Indusval- Divulgação de Resultados 1T14
BI&P- Indusval- Divulgação de Resultados 1T14BI&P- Indusval- Divulgação de Resultados 1T14
BI&P- Indusval- Divulgação de Resultados 1T14
BI&P - Banco Indusval & Partners - Investor Relations
 
Estratégia de crescimento num cenário mundial adverso guido mantega
Estratégia de crescimento num cenário mundial adverso   guido mantegaEstratégia de crescimento num cenário mundial adverso   guido mantega
Estratégia de crescimento num cenário mundial adverso guido mantega
Jose Aldemir Freire
 
A crise mundial de 2008 e suas consequências econômicas, sociais e geopolíticas
A crise mundial de 2008 e suas consequências econômicas, sociais e geopolíticasA crise mundial de 2008 e suas consequências econômicas, sociais e geopolíticas
A crise mundial de 2008 e suas consequências econômicas, sociais e geopolíticas
Fernando Alcoforado
 
A Crise Econômica Nos EUA e na Europa
A Crise Econômica Nos EUA e na EuropaA Crise Econômica Nos EUA e na Europa
A Crise Econômica Nos EUA e na Europa
Isabela Mendonça
 
Governo Apoia Pequenas E MéDias Empresas
Governo Apoia Pequenas E MéDias EmpresasGoverno Apoia Pequenas E MéDias Empresas
Governo Apoia Pequenas E MéDias Empresas
migasjardim
 

Mais procurados (20)

Análise compara já.pt - Até onde vai o crédito malparado em portugal
Análise compara já.pt - Até onde vai o crédito malparado em portugalAnálise compara já.pt - Até onde vai o crédito malparado em portugal
Análise compara já.pt - Até onde vai o crédito malparado em portugal
 
Roberto Luís Troster, ex economista-chefe da febraban
Roberto Luís Troster, ex economista-chefe da febrabanRoberto Luís Troster, ex economista-chefe da febraban
Roberto Luís Troster, ex economista-chefe da febraban
 
8º Contrubusiness - Apresentação do Ministro Henrique Meirelles
8º Contrubusiness - Apresentação do Ministro Henrique Meirelles8º Contrubusiness - Apresentação do Ministro Henrique Meirelles
8º Contrubusiness - Apresentação do Ministro Henrique Meirelles
 
Educação Financeira - 6 pontos para o sucesso
Educação Financeira - 6 pontos para o sucessoEducação Financeira - 6 pontos para o sucesso
Educação Financeira - 6 pontos para o sucesso
 
Nacionalizacao dos bancos amercianos
Nacionalizacao dos bancos amercianosNacionalizacao dos bancos amercianos
Nacionalizacao dos bancos amercianos
 
I mil be_26_1_2012
I mil be_26_1_2012I mil be_26_1_2012
I mil be_26_1_2012
 
A Crise Grega
A Crise GregaA Crise Grega
A Crise Grega
 
MAIS AUSTERIDADE ANUNCIADA AUMENTAM AS DESIGUALDADES ENTRE O TRABALHO E O CAP...
MAIS AUSTERIDADE ANUNCIADA AUMENTAM AS DESIGUALDADES ENTRE O TRABALHO E O CAP...MAIS AUSTERIDADE ANUNCIADA AUMENTAM AS DESIGUALDADES ENTRE O TRABALHO E O CAP...
MAIS AUSTERIDADE ANUNCIADA AUMENTAM AS DESIGUALDADES ENTRE O TRABALHO E O CAP...
 
Documento
DocumentoDocumento
Documento
 
A crise portuguesa em 10 minutos
A crise portuguesa em 10 minutos A crise portuguesa em 10 minutos
A crise portuguesa em 10 minutos
 
Crise na grécia
Crise na gréciaCrise na grécia
Crise na grécia
 
Como surgiu a crise econômica mundial
Como surgiu a crise econômica mundialComo surgiu a crise econômica mundial
Como surgiu a crise econômica mundial
 
Os problemas da taxa de juros para a economia brasileira
Os problemas da taxa de juros para a economia brasileiraOs problemas da taxa de juros para a economia brasileira
Os problemas da taxa de juros para a economia brasileira
 
Tesouro Direto e tributação dos títulos públicos
Tesouro Direto e tributação dos títulos públicosTesouro Direto e tributação dos títulos públicos
Tesouro Direto e tributação dos títulos públicos
 
7 - 2014 taxas de juros
7  - 2014 taxas de juros7  - 2014 taxas de juros
7 - 2014 taxas de juros
 
BI&P- Indusval- Divulgação de Resultados 1T14
BI&P- Indusval- Divulgação de Resultados 1T14BI&P- Indusval- Divulgação de Resultados 1T14
BI&P- Indusval- Divulgação de Resultados 1T14
 
Estratégia de crescimento num cenário mundial adverso guido mantega
Estratégia de crescimento num cenário mundial adverso   guido mantegaEstratégia de crescimento num cenário mundial adverso   guido mantega
Estratégia de crescimento num cenário mundial adverso guido mantega
 
A crise mundial de 2008 e suas consequências econômicas, sociais e geopolíticas
A crise mundial de 2008 e suas consequências econômicas, sociais e geopolíticasA crise mundial de 2008 e suas consequências econômicas, sociais e geopolíticas
A crise mundial de 2008 e suas consequências econômicas, sociais e geopolíticas
 
A Crise Econômica Nos EUA e na Europa
A Crise Econômica Nos EUA e na EuropaA Crise Econômica Nos EUA e na Europa
A Crise Econômica Nos EUA e na Europa
 
Governo Apoia Pequenas E MéDias Empresas
Governo Apoia Pequenas E MéDias EmpresasGoverno Apoia Pequenas E MéDias Empresas
Governo Apoia Pequenas E MéDias Empresas
 

Destaque

SKYMAX_BENNY_EDIT
SKYMAX_BENNY_EDIT SKYMAX_BENNY_EDIT
SKYMAX_BENNY_EDIT
nguy h?
 
DIAPOSITVAS DE ANIMACION
DIAPOSITVAS DE ANIMACIONDIAPOSITVAS DE ANIMACION
DIAPOSITVAS DE ANIMACION
ojeda34
 
Dianova Semana RS APEE Viana Castelo 2010
Dianova Semana RS APEE Viana Castelo 2010Dianova Semana RS APEE Viana Castelo 2010
Dianova Semana RS APEE Viana Castelo 2010
Dianova
 
O Alfabeto Emocional Vg
O Alfabeto Emocional VgO Alfabeto Emocional Vg
O Alfabeto Emocional Vg
SANTOSVILANOVA
 
Mocktails Avaliação Impacto 2013
Mocktails Avaliação Impacto 2013Mocktails Avaliação Impacto 2013
Mocktails Avaliação Impacto 2013
Dianova
 
Home Care Application
Home Care ApplicationHome Care Application
Home Care Application
Kelly Sisson
 
Graficos caro- Correccion
Graficos caro- CorreccionGraficos caro- Correccion
Graficos caro- Correccion
carolina castro
 

Destaque (7)

SKYMAX_BENNY_EDIT
SKYMAX_BENNY_EDIT SKYMAX_BENNY_EDIT
SKYMAX_BENNY_EDIT
 
DIAPOSITVAS DE ANIMACION
DIAPOSITVAS DE ANIMACIONDIAPOSITVAS DE ANIMACION
DIAPOSITVAS DE ANIMACION
 
Dianova Semana RS APEE Viana Castelo 2010
Dianova Semana RS APEE Viana Castelo 2010Dianova Semana RS APEE Viana Castelo 2010
Dianova Semana RS APEE Viana Castelo 2010
 
O Alfabeto Emocional Vg
O Alfabeto Emocional VgO Alfabeto Emocional Vg
O Alfabeto Emocional Vg
 
Mocktails Avaliação Impacto 2013
Mocktails Avaliação Impacto 2013Mocktails Avaliação Impacto 2013
Mocktails Avaliação Impacto 2013
 
Home Care Application
Home Care ApplicationHome Care Application
Home Care Application
 
Graficos caro- Correccion
Graficos caro- CorreccionGraficos caro- Correccion
Graficos caro- Correccion
 

Semelhante a Fundo de desendividamento jose ferrazalves

Anexos: Estratégia Europa 2020 Ponto de Situação das Metas em Portugal
Anexos: Estratégia Europa 2020 Ponto de Situação das Metas em PortugalAnexos: Estratégia Europa 2020 Ponto de Situação das Metas em Portugal
Anexos: Estratégia Europa 2020 Ponto de Situação das Metas em Portugal
Cláudio Carneiro
 
Emprego e Renda no Brasil Pós Crise
Emprego e Renda no Brasil Pós CriseEmprego e Renda no Brasil Pós Crise
Emprego e Renda no Brasil Pós Crise
Gleisi Hoffmann
 
PRESIDÊNCIA DA CAE DIVULGA COMUNICADO QUESTIONANDO PACOTE DO GOVERNO CONTRA A...
PRESIDÊNCIA DA CAE DIVULGA COMUNICADO QUESTIONANDO PACOTE DO GOVERNO CONTRA A...PRESIDÊNCIA DA CAE DIVULGA COMUNICADO QUESTIONANDO PACOTE DO GOVERNO CONTRA A...
PRESIDÊNCIA DA CAE DIVULGA COMUNICADO QUESTIONANDO PACOTE DO GOVERNO CONTRA A...
Gleisi Hoffmann
 
2561 07 itaú lucra r$ 7,12 bi no 1º semestre, mas fecha 9 …
2561 07 itaú lucra r$ 7,12 bi no 1º semestre, mas fecha 9 …2561 07 itaú lucra r$ 7,12 bi no 1º semestre, mas fecha 9 …
2561 07 itaú lucra r$ 7,12 bi no 1º semestre, mas fecha 9 …
Seeb Friburgo
 
Cartilha sobre Reforma Tributária - Ministério da Fazenda - 2008
Cartilha sobre Reforma Tributária - Ministério da Fazenda - 2008Cartilha sobre Reforma Tributária - Ministério da Fazenda - 2008
Cartilha sobre Reforma Tributária - Ministério da Fazenda - 2008
Roberto Dias Duarte
 
Separata n 123 jul ago_2012
Separata n 123 jul ago_2012Separata n 123 jul ago_2012
Separata n 123 jul ago_2012
Sinapsa
 
O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...
O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...
O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...
Fernando Alcoforado
 
Estudos econômicos da ocde brasil out2011
Estudos econômicos da ocde   brasil out2011Estudos econômicos da ocde   brasil out2011
Estudos econômicos da ocde brasil out2011
TRAMPO Comunicação e Eventos Soares
 
Mercado de Crédito em 2022
Mercado de Crédito em 2022Mercado de Crédito em 2022
Mercado de Crédito em 2022
José Carmo
 
A tragédia do euro
A tragédia do euroA tragédia do euro
A tragédia do euro
Angela Rojo
 
Filipe orlandi trabalho3.macro3
Filipe orlandi trabalho3.macro3Filipe orlandi trabalho3.macro3
Filipe orlandi trabalho3.macro3
Filipe Orlandi
 
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 
O futuro do estado do rio de janeiro
O futuro do estado do rio de janeiroO futuro do estado do rio de janeiro
O futuro do estado do rio de janeiro
Riley Rodrigues de Oliveira .`.
 
(Alguns) dilemas da política fiscal e do federalismo brasileiro josé robert...
(Alguns) dilemas da política fiscal e do federalismo brasileiro   josé robert...(Alguns) dilemas da política fiscal e do federalismo brasileiro   josé robert...
(Alguns) dilemas da política fiscal e do federalismo brasileiro josé robert...
conseplansp
 
“Desempenho da Indústria Gráfica Brasileira em 2011 e Perspectivas para 2012
“Desempenho da Indústria Gráfica Brasileira em 2011 e Perspectivas para 2012“Desempenho da Indústria Gráfica Brasileira em 2011 e Perspectivas para 2012
“Desempenho da Indústria Gráfica Brasileira em 2011 e Perspectivas para 2012
ABIGRAF
 
Tributos para pequenas empresas
Tributos para pequenas empresasTributos para pequenas empresas
Tributos para pequenas empresas
custos contabil
 
Análise Semanal 25 junho
Análise Semanal 25 junho Análise Semanal 25 junho
Análise Semanal 25 junho
Fincor Corretora
 
Politicas macroeconomicas
Politicas macroeconomicasPoliticas macroeconomicas
Politicas macroeconomicas
alissondinizteixeira
 
O bes bom, o bes mau e a má gestão dos dinheiros públicos
O bes bom, o bes mau e a má gestão dos dinheiros públicosO bes bom, o bes mau e a má gestão dos dinheiros públicos
O bes bom, o bes mau e a má gestão dos dinheiros públicos
GRAZIA TANTA
 

Semelhante a Fundo de desendividamento jose ferrazalves (20)

Anexos: Estratégia Europa 2020 Ponto de Situação das Metas em Portugal
Anexos: Estratégia Europa 2020 Ponto de Situação das Metas em PortugalAnexos: Estratégia Europa 2020 Ponto de Situação das Metas em Portugal
Anexos: Estratégia Europa 2020 Ponto de Situação das Metas em Portugal
 
Emprego e Renda no Brasil Pós Crise
Emprego e Renda no Brasil Pós CriseEmprego e Renda no Brasil Pós Crise
Emprego e Renda no Brasil Pós Crise
 
PRESIDÊNCIA DA CAE DIVULGA COMUNICADO QUESTIONANDO PACOTE DO GOVERNO CONTRA A...
PRESIDÊNCIA DA CAE DIVULGA COMUNICADO QUESTIONANDO PACOTE DO GOVERNO CONTRA A...PRESIDÊNCIA DA CAE DIVULGA COMUNICADO QUESTIONANDO PACOTE DO GOVERNO CONTRA A...
PRESIDÊNCIA DA CAE DIVULGA COMUNICADO QUESTIONANDO PACOTE DO GOVERNO CONTRA A...
 
2561 07 itaú lucra r$ 7,12 bi no 1º semestre, mas fecha 9 …
2561 07 itaú lucra r$ 7,12 bi no 1º semestre, mas fecha 9 …2561 07 itaú lucra r$ 7,12 bi no 1º semestre, mas fecha 9 …
2561 07 itaú lucra r$ 7,12 bi no 1º semestre, mas fecha 9 …
 
Cartilha sobre Reforma Tributária - Ministério da Fazenda - 2008
Cartilha sobre Reforma Tributária - Ministério da Fazenda - 2008Cartilha sobre Reforma Tributária - Ministério da Fazenda - 2008
Cartilha sobre Reforma Tributária - Ministério da Fazenda - 2008
 
Separata n 123 jul ago_2012
Separata n 123 jul ago_2012Separata n 123 jul ago_2012
Separata n 123 jul ago_2012
 
O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...
O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...
O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...
 
Estudos econômicos da ocde brasil out2011
Estudos econômicos da ocde   brasil out2011Estudos econômicos da ocde   brasil out2011
Estudos econômicos da ocde brasil out2011
 
Mercado de Crédito em 2022
Mercado de Crédito em 2022Mercado de Crédito em 2022
Mercado de Crédito em 2022
 
A tragédia do euro
A tragédia do euroA tragédia do euro
A tragédia do euro
 
Filipe orlandi trabalho3.macro3
Filipe orlandi trabalho3.macro3Filipe orlandi trabalho3.macro3
Filipe orlandi trabalho3.macro3
 
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
O futuro do estado do rio de janeiro
O futuro do estado do rio de janeiroO futuro do estado do rio de janeiro
O futuro do estado do rio de janeiro
 
(Alguns) dilemas da política fiscal e do federalismo brasileiro josé robert...
(Alguns) dilemas da política fiscal e do federalismo brasileiro   josé robert...(Alguns) dilemas da política fiscal e do federalismo brasileiro   josé robert...
(Alguns) dilemas da política fiscal e do federalismo brasileiro josé robert...
 
“Desempenho da Indústria Gráfica Brasileira em 2011 e Perspectivas para 2012
“Desempenho da Indústria Gráfica Brasileira em 2011 e Perspectivas para 2012“Desempenho da Indústria Gráfica Brasileira em 2011 e Perspectivas para 2012
“Desempenho da Indústria Gráfica Brasileira em 2011 e Perspectivas para 2012
 
Tributos para pequenas empresas
Tributos para pequenas empresasTributos para pequenas empresas
Tributos para pequenas empresas
 
Análise Semanal 25 junho
Análise Semanal 25 junho Análise Semanal 25 junho
Análise Semanal 25 junho
 
Politicas macroeconomicas
Politicas macroeconomicasPoliticas macroeconomicas
Politicas macroeconomicas
 
O bes bom, o bes mau e a má gestão dos dinheiros públicos
O bes bom, o bes mau e a má gestão dos dinheiros públicosO bes bom, o bes mau e a má gestão dos dinheiros públicos
O bes bom, o bes mau e a má gestão dos dinheiros públicos
 

Mais de Dianova

Youth alcohol prevention multi annual initiative mocktails dianova portugal
Youth alcohol prevention multi annual initiative mocktails dianova portugalYouth alcohol prevention multi annual initiative mocktails dianova portugal
Youth alcohol prevention multi annual initiative mocktails dianova portugal
Dianova
 
Flyer Comunidade Terapêutica 2018
Flyer Comunidade Terapêutica 2018Flyer Comunidade Terapêutica 2018
Flyer Comunidade Terapêutica 2018
Dianova
 
Dianova Portugal - Brochura Institucional 2018
Dianova Portugal - Brochura Institucional 2018Dianova Portugal - Brochura Institucional 2018
Dianova Portugal - Brochura Institucional 2018
Dianova
 
EXIT® Magazine n.º31 2018
EXIT® Magazine n.º31 2018EXIT® Magazine n.º31 2018
EXIT® Magazine n.º31 2018
Dianova
 
WFTC The Declaration of Mallorca 2016
WFTC The Declaration of Mallorca 2016WFTC The Declaration of Mallorca 2016
WFTC The Declaration of Mallorca 2016
Dianova
 
Therapeutic Communities Joint Statement CND UNODC 2018
Therapeutic Communities Joint Statement CND UNODC 2018Therapeutic Communities Joint Statement CND UNODC 2018
Therapeutic Communities Joint Statement CND UNODC 2018
Dianova
 
Listen First Global Outreach CND UNODC 2018
Listen First Global Outreach CND UNODC 2018Listen First Global Outreach CND UNODC 2018
Listen First Global Outreach CND UNODC 2018
Dianova
 
Dianova Listen First International Campaign CND UNODC 2018
Dianova Listen First International Campaign CND UNODC 2018Dianova Listen First International Campaign CND UNODC 2018
Dianova Listen First International Campaign CND UNODC 2018
Dianova
 
Special Event Therapeutic Communities CND UNODC 2018
Special Event Therapeutic Communities CND UNODC 2018Special Event Therapeutic Communities CND UNODC 2018
Special Event Therapeutic Communities CND UNODC 2018
Dianova
 
Side Event 40 Years of Drugs CND UNDC 2018
Side Event 40 Years of Drugs CND UNDC 2018Side Event 40 Years of Drugs CND UNDC 2018
Side Event 40 Years of Drugs CND UNDC 2018
Dianova
 
Dianova Listen First Brief Intervention Prevention CND UNODC 2018
Dianova Listen First Brief Intervention Prevention CND UNODC 2018Dianova Listen First Brief Intervention Prevention CND UNODC 2018
Dianova Listen First Brief Intervention Prevention CND UNODC 2018
Dianova
 
Dianova Network Addiction Treatment Results CND UNODC 2018
Dianova Network Addiction Treatment Results CND UNODC 2018Dianova Network Addiction Treatment Results CND UNODC 2018
Dianova Network Addiction Treatment Results CND UNODC 2018
Dianova
 
Dianova Listen First Campaign CND UNODC 2018
Dianova Listen First Campaign CND UNODC 2018Dianova Listen First Campaign CND UNODC 2018
Dianova Listen First Campaign CND UNODC 2018
Dianova
 
Livro Comunicacao OSC Conhecimento Reconhecimento
Livro Comunicacao OSC Conhecimento ReconhecimentoLivro Comunicacao OSC Conhecimento Reconhecimento
Livro Comunicacao OSC Conhecimento Reconhecimento
Dianova
 
Estatuto da Comunicação nas OSC em Portugal
Estatuto da Comunicação nas OSC em PortugalEstatuto da Comunicação nas OSC em Portugal
Estatuto da Comunicação nas OSC em Portugal
Dianova
 
Dianova Quality Treament IFNGO Macau 2017
Dianova Quality Treament IFNGO Macau 2017Dianova Quality Treament IFNGO Macau 2017
Dianova Quality Treament IFNGO Macau 2017
Dianova
 
Listen First Global Outcomes EFTC Dublin 2017
Listen First Global Outcomes EFTC Dublin 2017Listen First Global Outcomes EFTC Dublin 2017
Listen First Global Outcomes EFTC Dublin 2017
Dianova
 
Mocktails Resultados 2017
Mocktails Resultados 2017Mocktails Resultados 2017
Mocktails Resultados 2017
Dianova
 
Presentation unodc cnd side_event_dawa_portugal_dianova 2017
Presentation unodc cnd side_event_dawa_portugal_dianova 2017Presentation unodc cnd side_event_dawa_portugal_dianova 2017
Presentation unodc cnd side_event_dawa_portugal_dianova 2017
Dianova
 
Empresa Inserção Floricultura Dianova ISUP A3S 2016
Empresa Inserção Floricultura Dianova ISUP A3S 2016Empresa Inserção Floricultura Dianova ISUP A3S 2016
Empresa Inserção Floricultura Dianova ISUP A3S 2016
Dianova
 

Mais de Dianova (20)

Youth alcohol prevention multi annual initiative mocktails dianova portugal
Youth alcohol prevention multi annual initiative mocktails dianova portugalYouth alcohol prevention multi annual initiative mocktails dianova portugal
Youth alcohol prevention multi annual initiative mocktails dianova portugal
 
Flyer Comunidade Terapêutica 2018
Flyer Comunidade Terapêutica 2018Flyer Comunidade Terapêutica 2018
Flyer Comunidade Terapêutica 2018
 
Dianova Portugal - Brochura Institucional 2018
Dianova Portugal - Brochura Institucional 2018Dianova Portugal - Brochura Institucional 2018
Dianova Portugal - Brochura Institucional 2018
 
EXIT® Magazine n.º31 2018
EXIT® Magazine n.º31 2018EXIT® Magazine n.º31 2018
EXIT® Magazine n.º31 2018
 
WFTC The Declaration of Mallorca 2016
WFTC The Declaration of Mallorca 2016WFTC The Declaration of Mallorca 2016
WFTC The Declaration of Mallorca 2016
 
Therapeutic Communities Joint Statement CND UNODC 2018
Therapeutic Communities Joint Statement CND UNODC 2018Therapeutic Communities Joint Statement CND UNODC 2018
Therapeutic Communities Joint Statement CND UNODC 2018
 
Listen First Global Outreach CND UNODC 2018
Listen First Global Outreach CND UNODC 2018Listen First Global Outreach CND UNODC 2018
Listen First Global Outreach CND UNODC 2018
 
Dianova Listen First International Campaign CND UNODC 2018
Dianova Listen First International Campaign CND UNODC 2018Dianova Listen First International Campaign CND UNODC 2018
Dianova Listen First International Campaign CND UNODC 2018
 
Special Event Therapeutic Communities CND UNODC 2018
Special Event Therapeutic Communities CND UNODC 2018Special Event Therapeutic Communities CND UNODC 2018
Special Event Therapeutic Communities CND UNODC 2018
 
Side Event 40 Years of Drugs CND UNDC 2018
Side Event 40 Years of Drugs CND UNDC 2018Side Event 40 Years of Drugs CND UNDC 2018
Side Event 40 Years of Drugs CND UNDC 2018
 
Dianova Listen First Brief Intervention Prevention CND UNODC 2018
Dianova Listen First Brief Intervention Prevention CND UNODC 2018Dianova Listen First Brief Intervention Prevention CND UNODC 2018
Dianova Listen First Brief Intervention Prevention CND UNODC 2018
 
Dianova Network Addiction Treatment Results CND UNODC 2018
Dianova Network Addiction Treatment Results CND UNODC 2018Dianova Network Addiction Treatment Results CND UNODC 2018
Dianova Network Addiction Treatment Results CND UNODC 2018
 
Dianova Listen First Campaign CND UNODC 2018
Dianova Listen First Campaign CND UNODC 2018Dianova Listen First Campaign CND UNODC 2018
Dianova Listen First Campaign CND UNODC 2018
 
Livro Comunicacao OSC Conhecimento Reconhecimento
Livro Comunicacao OSC Conhecimento ReconhecimentoLivro Comunicacao OSC Conhecimento Reconhecimento
Livro Comunicacao OSC Conhecimento Reconhecimento
 
Estatuto da Comunicação nas OSC em Portugal
Estatuto da Comunicação nas OSC em PortugalEstatuto da Comunicação nas OSC em Portugal
Estatuto da Comunicação nas OSC em Portugal
 
Dianova Quality Treament IFNGO Macau 2017
Dianova Quality Treament IFNGO Macau 2017Dianova Quality Treament IFNGO Macau 2017
Dianova Quality Treament IFNGO Macau 2017
 
Listen First Global Outcomes EFTC Dublin 2017
Listen First Global Outcomes EFTC Dublin 2017Listen First Global Outcomes EFTC Dublin 2017
Listen First Global Outcomes EFTC Dublin 2017
 
Mocktails Resultados 2017
Mocktails Resultados 2017Mocktails Resultados 2017
Mocktails Resultados 2017
 
Presentation unodc cnd side_event_dawa_portugal_dianova 2017
Presentation unodc cnd side_event_dawa_portugal_dianova 2017Presentation unodc cnd side_event_dawa_portugal_dianova 2017
Presentation unodc cnd side_event_dawa_portugal_dianova 2017
 
Empresa Inserção Floricultura Dianova ISUP A3S 2016
Empresa Inserção Floricultura Dianova ISUP A3S 2016Empresa Inserção Floricultura Dianova ISUP A3S 2016
Empresa Inserção Floricultura Dianova ISUP A3S 2016
 

Fundo de desendividamento jose ferrazalves

  • 1. José Carlos Ferraz Alves Página 1 José Ferraz Alves, Economista, Quadro Superior Bancário FUNDO DE DESENDIVIDAMENTO, motor de crescimento económico 1. Enquadramento O problema do sobreendividamento, que de acordo com a DECO afecta 660 mil famílias, tem dimensões sociais e económicas. E pode, e deve, ser visto como motor de crescimento. Algo distinto, de facto, do tradicional crédito a empresas, formação profissional e subsídios de empregabilidade. De acordo com inquéritos recentes e publicados pelo Jornal de Negócios, 2/3 dos empresários não investe, porque não tem perspectivas de ter procura para a sua actividade - com apenas menos de 1/3 a considerar ser o custo e disponibilidade do crédito os factores impeditivos -. Por isso, um Banco de Fomento pouco acrescenta, tratando-se de concorrência numa área em que não é necessária a intervenção pública. Quanto muito, poderia funcionar como garante aos financiamentos da actual Banca, permitindo-lhe operações de taxas mais baixas, algo que também é feito pelas Sociedades de Garantia Mútua. Acresce, que a generalidade do emprego é criado nos sectores protegidos do mercado interno, em actividade de proximidade. Por outro lado, os próprios novos empregos, que a Europa pode criar, estão nestes sectores do mercado interno: educação, geriatria, saúde, reabilitação urbana, restauração, hotelaria, indústrias criativas e arte. Defendo que tudo o que provoque um aumento do rendimento disponível das famílias é indutor de investimento, emprego e crescimento económico. O mecanismo do Fundo de Desendividamento tem esse objectivo. Mesmo se considerado como Fundo de Reestruturação Financeira, para famílias não sobreendividadas, porque tudo o que aumente o rendimento disponível induzirá um ciclo virtuoso na economia. Acresce, que potencia um efeito de alavancagem dos fundos disponíveis. 2. Caso Prático Real Uma família que tem um rendimento mensal líquido de 900 euros e uma dívida em cartões de crédito, que foi crescendo de 2002 a 2012 até 9 mil euros. Este crescimento teve a ver como o mecanismo, perverso, associado
  • 2. José Carlos Ferraz Alves Página 2 à amortização de capital – algo não referido - e, em menor grau, às próprias taxas de juro. Recentemente, o Governo procurou regular as taxas e as comissões aplicáveis, o que não é suficiente para inverter o processo, porque não considerou a necessidade de amortização mensal mínima de 2,5% ou 5%, o que pressupõe que é um crédito a 40 meses (1/2,5%) ou 20 meses (1/5%). E o problema está no prazo. Estas famílias dificilmente saem desta armadilha do endividamento.
  • 3. José Carlos Ferraz Alves Página 3 Esta era realidade conhecida. (valores reportados ao mês) Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 (1) Rendimento 900 900 900 900 (2) Dívida 9.000 9.025 9.049 9.071 (3) Prestação capital 5% x (2) 450 451 452 454 (4) Juros 35% x (2) 263 263 264 265 Disponível (1) - (3) - (4) 188 186 184 182 Recurso ao crédito 475 475 475 475 Rendimento Mensal pós endividamento 663 661 659 657 Dívida 9.000 9.025 9.049 9.071 (valores em euros) Foram efectuados vários contactos com pedidos de reestruturação financeira. O Banco foi sempre respondendo que se tratava de um cliente que ia cumprindo, que fizesse mais um esforço (noutros casos, que conheço, bastou um mês de falha para o Banco responder que não podia fazer nada, porque existiam incidentes registados no Banco de Portugal). O grave está nas respostas a pedidos de reestruturação serem sempre negativas. E do poder político não ter estado atento a esta situação. Adicionalmente, pedem-se garantias reais e pessoais impossíveis de satisfazer e ameaça-se com aumento dos spreads e outras penalidades. Mediante esta situação, pedi um financiamento ao meu Banco. Paguei a dívida de 9 mil euros ao outro Banco, e esta família passou a pagar-me a mim. A situação obtida, com um financiamento à Taxa Euribor + 10%, é a seguinte. (valores reportados ao mês) Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 (1) Rendimento 900 900 900 900 (2) Dívida 9.000 8.960 8.919 8.879 (3) Prestação capital + juro (*) 127 127 127 127 Disponível (1) - (3) 773 773 773 773 Recurso ao crédito 0 0 0 0 Rendimento Mensal pós endividamento 773 773 773 773 Dívida 9.000 8.960 8.919 8.879 (valores em euros) (*) C0 9000 Prestações 120 Taxa de juro 11,5% CO = T 1-(1+r) ^(-n) r 9000 =T 0,68162474 0,00958333 9000 =T 71,1260601 126,5
  • 4. José Carlos Ferraz Alves Página 4 O diferencial entre as duas situações está neste quadro. Os impactos sobre a família são de aumento dos seus rendimentos mensais numa média de 600 euros/mês, com pagamento das dívidas em 10 anos: (valores reportados ao mês) Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Rendimento Líquido antes reestruturação 188 186 184 182 Rendimento Líquido pós reestruturação 773 860 881 903 Acréscimo de rendimento 586 674 697 721 Pagamento do endividamento 0 65 64 63 (valores em euros) 3. Potencial impacto sobre a economia Considerei o cenário de amortização do capital em 2,5% e não os 5% deste caso real, em que cada família tem um ganho mensal de 365 euros, anual de 4.379 euros (35% do seu rendimento mensal). Situação antes de reestruturação Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 (1) Rendimento 900 900 900 900 (2) Dívida 9.000 9.025 9.049 9.073 (3) Prestação capital 2,5% x (2) 225 226 226 227 (4) Juros 35% x (2) 263 263 264 265 Disponível (1) - (3) - (4) 413 411 410 409 Recurso ao crédito 250 250 250 250 Rendimento Mensal pós endividamento 663 661 660 659 Dívida 9.000 9.025 9.049 9.073 Situação pós reestruturação (1) Rendimento 900 900 900 900 (2) Dívida 9.000 8.960 8.919 8.879 (3) Prestação capital + juro (*) 127 127 127 127 Disponível (1) - (3) 773 773 773 773 Recurso ao crédito 0 0 0 0 Rendimento Mensal pós endividamento 773 773 773 773 Dívida 9.000 8.960 8.919 8.879 Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Ganhos de rendimento mensal 361 362 364 365 Admitido o potencial dos 660 mil sobreendividados, o PIB cresceria 1,5%, só por este efeito de recapitalização das famílias e sua direcção para o consumo, com o imediato reembolso ao Estado de 665 milhões de euros em IVA, da primeira transacção. Os 660 mil sobreendividados necessitariam de cerca de 6 mil milhões de euros. Ganhos de rendimento anual 4.379,1 Total de sobreendividados 660.000,0 Total de rendimento 2.890.213.003,4 % do PIB 1,8 IVA recebido (23%) 664.748.990,8 (valores em euros) 4. Efeito de alavancagem O Governo está a falar em capitalização de um novo Banco de Fomento em 6 mil milhões de euros.
  • 5. José Carlos Ferraz Alves Página 5 Pela via do Fundo de Fomento Social, os 6 mil milhões de euros chegariam às empresas, com o ganho adicional de crescimento do rendimento disponível das famílias. O mercado, para as empresas, seria assim alimentado. Teriam assim um incentivo a investir, para além de crédito para o efeito. Desta forma, o mercado é alimentado pelo aumento do rendimento disponível e as empresas têm crédito, os 2 factores necessários ao investimento e à criação de emprego. Gráfico 1 – o que está a ser proposto Gráfico 2 – o que proponho Relembro que os Bancos credores são pagos e que, assim, muitos processos de insolvência seriam retirados dos Tribunais. Claro que isto é fazer de forma diferente e assumir o risco de ser inovador. Mas só com novos métodos teremos resultados diferentes. O que está proposto, por si nada de novo trará. 5. Conclusão Experimente-se um valor menor, para começar.