SlideShare uma empresa Scribd logo
Situação atual do controle de
nematóides
André Luíz A. Garcia – Eng Agr. Fundação Procafé
O que são os nematóides?
O que são os nematóides?
O que são os nematóides?
Quais são os nematóides de
importância para a cafeicultura
Os nematoides das galhas como são chamados, pertencentes ao gênero
Meloidogyne estão mundialmente distribuídos e são os mais importantes
nematoides parasitos no cafeeiro no Brasil e no mundo (CAMPOS e
VILLAIN, 2005).
Compondo esse gênero existem mais de 90 espécies descritas, das quais
17 podem atacar o cafeeiro (CAMPOS e VILLAIN, 2005).
No Brasil, M. incognita, M. paranaensis e M. exigua
constituem as principais espécies por causa dos danos que causam e pela
ampla distribuição nas áreas produtoras de café (CAMPOS e VILLAIN,
2005; OLIVEIRA, 2006), podendo levar a planta a morte (SALGADO et al.,
2011).
Meloidogyne incognita e M.
paranaensis
Danificam drasticamente a integridade das raízes, causando escamações em
sua superfície, com aspecto de cortiça, com descascamento, rachaduras e
pontos de lesões necróticas (SALGADO et al., 2011).
Na parte aérea das plantas, os sintomas são clorose, desfolhamento,
redução no crescimento e as vezes morte da planta (FERRAZ, 2008).
Meloidogyne incognita e M.
paranaensis
Meloidogyne exigua
Causa galhas arredondadas, principalmente em raízes novas, também podem
ser observadas áreas necróticas nas raízes, que podem ser agravadas por
infecções secundárias levando a seção da raiz atacada à morte (CAMPOS e
VILLAIN, 2005).
Fonte (A presentação, Prof. Dra. Maria Amelia dos Santos)
Quais os prejuízos?
1.Destruição do sistema radicular
2.Agravante de estresse
3.Redução de absorção de água e nutrientes
4.Comprometimento da produtividade
5.Baixa de resistência da planta e maior
predisposição a doenças
6.Porta de entrada de doenças
7.Morte de plantas
Exigua – agravante de estresse
Incognita e Paranaensis – morte de plantas
2006 - Agravante
Florada ocorrida em
outubro de 2007
maior índice de abortamento que as
flores normais sendo estas também
afetadas pelo estresse.
Fonte: 34º CBPC – Garcia et al, 2007
Coração negro 2011
2012- flores secaram
sem abrir
?
2014 – Ma formação e
chochamento
Distribuição geográfica
O nematóide Meloidogyne paranaensis foi identificado em algumas
lavouras cafeeiras dos municípios de Patrocínio e Serra do
Salitre, no Cerrado mineiro, destruindo o sistema radicular de
cafeeiros, resultando num depauperamento da parte aérea das
plantas (Castro, 2003).
Em cafezais paulistas, M. paranaensis está disseminado em
freqüências que variam de 10,7% a 24,5% das amostras em que
foram encontrados nematóides do
gênero Meloidogyne (LORDELLO e LORDELLO, 2001), enquanto
em Minas Gerais, existe apenas um relato de sua ocorrência
(SANTOS, 1997).
Pesquisa realizada por CARNEIRO e ALMEIDA (2000) indica um
substancial aumento da distribuição de M. paranaensis (70 %) e
decréscimo de M. incognita (30 %) no Paraná.
M. Exigua está disseminado por toda a cafeicultura do Brasil. No Sul de
Minas diagnósticos demonstram presença em mais de 90% de lavouras mais
velhas
Alerta
Alerta
Alerta
Alerta
Plantas daninhas são hospedeiras do
M. Paranaensis
Mensagem
O Paranaensis pode estar mais perto
do que pensamos
O Exigua pode estar causando mais
danos do que pensamos
1º passo
Diagnosticar a presença do nematóide
por meio de amostragem de solo e raíz
Variedade Suscetível Variedade Resistente
profundidade
Fonte
(Apresentação
Prof. Maria Amélia)
Laboratórios para análises de
nematóides
Sistemas de controle
1. Prevenção
2.Químico
3. Cultural
4. Resistência genética
5. Controle biológico
A combinação das técnicas em um manejo
integrado é a melhor maneira de manter os
nematóides abaixo do nível de dano
A população se mantém em baixa pressão e
equilíbrio populacional
Químico - Nematicidas
registrados hoje
Estudos Procafé
Existem nematicidas em fase de
teste e registro
Estudos Procafé
Tecnologia x modo de ação
Estudos Procafé
Café Novo
Controle Biológico
-Fungos predadores, endoparasitos e
parasitos de fêmeas e ovos.
-Bactérias:
Rizobactérias = promotoras de
crescimento vegetal + ação sobre os
nematóides
Estudos Procafé
Produtos nematicidas Dose/tubete Galhas/gr
ama de raíz
Testemunha (sem produto) - 28,0 b
Counter 3 g 4,16 a
Biologico (bacteria) 0,4 g 6,0 a
Rugby 1,125 ml 1,66 a
Rugby 0,7 ml 1,33 a
Rugby 0,375 ml 1,66 a
Tabela 2. Valores médios de galhas por grama de raiz
analisados
em função da aplicação de Produtos nematicidas.
BIOLÓGICO - BACTÉRIAS
Estudos Procafé
Resistencia Genética
CAFEEIROS 40 dias após inoculação 120 dias após inoculação
Catucaí Vermelho 785-15 0 a 0 a
Iapar 59 0 a 0 a
Acauã 0 a 11 b
Catucaí Vermelho 36/6 31 b 57 c
Siriema 39 b 69 c
Soledade 41 b 46 c
Bem-te-vi Amarelo 43 b 51 c
Catucaí Vermelho 20/15- cv 395 44 b 28 c
Catucaí Amarelo 3-5 45 b 72 c
Cultivar oriunda de Franca 46 b 51 c
Catucaí Vermelho 36/6- cv 470 48 b 41 c
Catucaí Amarelo 24/137 49 b 52 c
Sabiá 398 51 b 66 c
Catucaí Amarelo 2SL- cv 446 52 b 66 c
Catucaí Amarelo 3 SM 53 b 60 c
Catucaí Amarelo 20/15- 479 56 b 44 c
Icatu 2944 57 b 31 c
Palma II 62 b 79 c
Canário 64 b 46 c
Catucaí Açu Vermelho 66 b 56 c
Palma I 70 b 68 c
Mundo Novo Acaiá 474/19 (T) 72 b 34 c
QUADRO 1. Valores médios do número de galhas por grama de raiz ( NG/g), dos
cafeeiros, observados após a inoculação com 5000 ovos do nematóide Meloidogyne exígua.
Resistencia Genética
Resistencia Genética
A resistência ao M. incognita e M. paranaensis vem sendo encontrada em C.
canephora (GONÇALVES et al., 1988; 1996; SERA et al., 2004b; 2005) e
em C. congensis (GONÇALVES et al., 1988).
Fontes de resistência a M. paranaensis (MATA et al., 2000, 2002; SERA et
al., 2002, 2004a) e a M. incognita(CARNEIRO, 1995; MATA et al., 2002;
SERA et al., 2004a) têm sido constatadas em plantas do Icatu (C. arabica).
Resistência para algumas raças de M. incognita foram também identificadas
em cafeeiros arábicos do germoplasma Sarchimor (GONÇALVES et al.,
1988). GONÇALVES e SILVAROLLA (2001) relataram que os
germoplasmas C. arabica x C. canephora, Icatu, Sarchimor e Catimor são
resistentes a M. exigua, M. incognita eM. paranaensis, porém, geralmente,
segregantes para essa característica.
As cultivares IPR 100 e IPR 106 são moderadamente resistentes a M.
paranaensis em homozigoze, de acordo com SERA et al. (2002).
Manejo integrado na renovação
de áreas
Manejo integrado
Exposição ao sol no inicio do período chuvoso, com elevação de temperatura e
umidade diminuem em mais de 90% a população do nematóide
Manejo integrado
Área experimental em Boa Esperança onde as analises demonstraram que a
população quase zerou
Manejo integrado
Aproveitar as primeiras chuvas do ano para expor o
solo e combinar Umidade + calor
Usar a “Quiescência” e enganar o nematóide
Manejo integrado
A braquiária não é suscetível aos nematóides paranaensis e exigua, inibe o
crescimento de plantas daninhas hospedeiras e promovem o aumento de
microorganismos antagônicos aos nematóides
Inibição de hospedeiras
Corda de viola 11,98
Café 7,39
Meloidogyne incognita - Capim pé de
galinha (FR = 17,5), maria pretinha,
fedegoso, marmelada
Para M. exigua = trapoeraba, tiririca,
guanxuma, azedinha e maria pretinha.
Matéria orgânica
A adição de 1,5% de torta de mamona no
substrato usado no preparo de mudas
proporcionou um bom controle do M. exigua e
do M. incognita.
A adição de palha de café no substrato de
mudas de café, na proporção de 3:1 (terra +
palha), contribui para a redução do número de
galhas por M. exigua.
Considerações final
Devemos ter em mente:
• Conhecer se a presença do patógeno e suas
características etiológicas;
• Potencializar a formação de plantas com sistemas
radiculares bem formados;
• A adoção de medidas integradas de controle do
nematóide é bem mais eficiente que a utilização isolada de
nematicidas químicos;
• Resistência Genética,,
CONTATO
andre@fundacaoprocafe.com.br (35)3214 1411
Agradecimentos
Pesquisadores, Produtores, Técnicos e Auxiliares de campo envolvidos nas atividades
Quando achamos que já chegamos paramos de
avançar.
(Mark W. Baker)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Inseticidas
InseticidasInseticidas
Inseticidas
Geagra UFG
 
Cartilha Manejo Cigarrinha
Cartilha Manejo CigarrinhaCartilha Manejo Cigarrinha
Cartilha Manejo Cigarrinha
José Florentino
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Geagra UFG
 
Princiapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroPrinciapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiro
David Rodrigues
 
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no AlgodãoManejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Geagra UFG
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
Geagra UFG
 
Fungicida no Milho
Fungicida no MilhoFungicida no Milho
Fungicida no Milho
AM Placas Ltda. Placas
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no ArrozManejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Geagra UFG
 
Manejo de Doenças: posicionamento de fungicidas
Manejo de Doenças: posicionamento de fungicidasManejo de Doenças: posicionamento de fungicidas
Manejo de Doenças: posicionamento de fungicidas
Geagra UFG
 
Aplicações Complementares na cultura do Milho
Aplicações Complementares na cultura do MilhoAplicações Complementares na cultura do Milho
Aplicações Complementares na cultura do Milho
Geagra UFG
 
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROMORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Artigo bioterra v16_n2_03
Artigo bioterra v16_n2_03Artigo bioterra v16_n2_03
Artigo bioterra v16_n2_03
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Geagra UFG
 
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIROMANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Fenologia e Fisiologia do Girassol
Fenologia e Fisiologia do GirassolFenologia e Fisiologia do Girassol
Fenologia e Fisiologia do Girassol
Geagra UFG
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
Geagra UFG
 
Pragas do Milho
Pragas do MilhoPragas do Milho
Pragas do Milho
Pedro Lacerda
 
Moscas das-frutas
Moscas das-frutasMoscas das-frutas
Moscas das-frutas
Killer Max
 
Aplicação de Herbicidas no Milho
Aplicação de Herbicidas no MilhoAplicação de Herbicidas no Milho
Aplicação de Herbicidas no Milho
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Inseticidas
InseticidasInseticidas
Inseticidas
 
Cartilha Manejo Cigarrinha
Cartilha Manejo CigarrinhaCartilha Manejo Cigarrinha
Cartilha Manejo Cigarrinha
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
 
Princiapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroPrinciapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiro
 
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no AlgodãoManejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
 
Fungicida no Milho
Fungicida no MilhoFungicida no Milho
Fungicida no Milho
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
 
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no ArrozManejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
 
Manejo de Doenças: posicionamento de fungicidas
Manejo de Doenças: posicionamento de fungicidasManejo de Doenças: posicionamento de fungicidas
Manejo de Doenças: posicionamento de fungicidas
 
Aplicações Complementares na cultura do Milho
Aplicações Complementares na cultura do MilhoAplicações Complementares na cultura do Milho
Aplicações Complementares na cultura do Milho
 
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROMORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
 
Artigo bioterra v16_n2_03
Artigo bioterra v16_n2_03Artigo bioterra v16_n2_03
Artigo bioterra v16_n2_03
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
 
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIROMANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
 
Fenologia e Fisiologia do Girassol
Fenologia e Fisiologia do GirassolFenologia e Fisiologia do Girassol
Fenologia e Fisiologia do Girassol
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
 
Pragas do Milho
Pragas do MilhoPragas do Milho
Pragas do Milho
 
Moscas das-frutas
Moscas das-frutasMoscas das-frutas
Moscas das-frutas
 
Aplicação de Herbicidas no Milho
Aplicação de Herbicidas no MilhoAplicação de Herbicidas no Milho
Aplicação de Herbicidas no Milho
 

Destaque

Nematoides em pdf
Nematoides em pdfNematoides em pdf
Nematoides em pdf
Rogger Wins
 
Fenicafé 2010 - Os Nematóides e a Cafeicultura - Jaime Maia dos Santos
Fenicafé 2010 - Os Nematóides e a Cafeicultura - Jaime Maia dos SantosFenicafé 2010 - Os Nematóides e a Cafeicultura - Jaime Maia dos Santos
Fenicafé 2010 - Os Nematóides e a Cafeicultura - Jaime Maia dos Santos
Revista Cafeicultura
 
Anatomia e morfologia de fitonematoides
Anatomia e morfologia de fitonematoidesAnatomia e morfologia de fitonematoides
Anatomia e morfologia de fitonematoides
Giovani de Oliveira Arieira
 
Nematodeos de interesse agr+ìcola
Nematodeos de interesse agr+ìcolaNematodeos de interesse agr+ìcola
Nematodeos de interesse agr+ìcola
Universidade Federal Rural da Amazônia - UFRA
 
Nematoides de vida livre - Parte 1
Nematoides de vida livre - Parte 1Nematoides de vida livre - Parte 1
Nematoides de vida livre - Parte 1
Giovani de Oliveira Arieira
 
Nematoides bioindicadores da qualidade do solo
Nematoides bioindicadores da qualidade do soloNematoides bioindicadores da qualidade do solo
Nematoides bioindicadores da qualidade do solo
Giovani de Oliveira Arieira
 
Nematoides de vida livre - Parte 2
Nematoides de vida livre - Parte 2Nematoides de vida livre - Parte 2
Nematoides de vida livre - Parte 2
Giovani de Oliveira Arieira
 
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja

Destaque (8)

Nematoides em pdf
Nematoides em pdfNematoides em pdf
Nematoides em pdf
 
Fenicafé 2010 - Os Nematóides e a Cafeicultura - Jaime Maia dos Santos
Fenicafé 2010 - Os Nematóides e a Cafeicultura - Jaime Maia dos SantosFenicafé 2010 - Os Nematóides e a Cafeicultura - Jaime Maia dos Santos
Fenicafé 2010 - Os Nematóides e a Cafeicultura - Jaime Maia dos Santos
 
Anatomia e morfologia de fitonematoides
Anatomia e morfologia de fitonematoidesAnatomia e morfologia de fitonematoides
Anatomia e morfologia de fitonematoides
 
Nematodeos de interesse agr+ìcola
Nematodeos de interesse agr+ìcolaNematodeos de interesse agr+ìcola
Nematodeos de interesse agr+ìcola
 
Nematoides de vida livre - Parte 1
Nematoides de vida livre - Parte 1Nematoides de vida livre - Parte 1
Nematoides de vida livre - Parte 1
 
Nematoides bioindicadores da qualidade do solo
Nematoides bioindicadores da qualidade do soloNematoides bioindicadores da qualidade do solo
Nematoides bioindicadores da qualidade do solo
 
Nematoides de vida livre - Parte 2
Nematoides de vida livre - Parte 2Nematoides de vida livre - Parte 2
Nematoides de vida livre - Parte 2
 
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Cultura da Soja
 

Semelhante a Situação atual no controle de nematóides andré procafé

Nematóides em Cana-de-Açucar (Saccharum spp.)
Nematóides em Cana-de-Açucar (Saccharum spp.)Nematóides em Cana-de-Açucar (Saccharum spp.)
Nematóides em Cana-de-Açucar (Saccharum spp.)
AmandaRayana
 
Novas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiro
Novas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiroNovas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiro
Novas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiro
Rural Pecuária
 
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importadoErradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
Cristiane Assis
 
hhjhjhjhj
hhjhjhjhjhhjhjhjhj
hhjhjhjhj
Joyce Almeida
 
Efeito de terra de diatomáceas e óleo essencial de citronela, Cymbopogon nard...
Efeito de terra de diatomáceas e óleo essencial de citronela, Cymbopogon nard...Efeito de terra de diatomáceas e óleo essencial de citronela, Cymbopogon nard...
Efeito de terra de diatomáceas e óleo essencial de citronela, Cymbopogon nard...
Paulo Antonio de Souza Gonçalves
 
Perfil de extrato de plantas sobre pseudomonas aeruginosa isolado sobr1
Perfil de extrato de plantas sobre pseudomonas   aeruginosa isolado sobr1Perfil de extrato de plantas sobre pseudomonas   aeruginosa isolado sobr1
Perfil de extrato de plantas sobre pseudomonas aeruginosa isolado sobr1
Amanda Oliveira
 
Escape no controle da ferrugem iran bueno
Escape no controle da ferrugem iran buenoEscape no controle da ferrugem iran bueno
Escape no controle da ferrugem iran bueno
Manejo Da Lavoura Cafeeira
 
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
Ana Aguiar
 
Controle Biológico
Controle BiológicoControle Biológico
Controle Biológico
João Felix
 
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
Geagra UFG
 
Produção de alface.PDF
Produção de alface.PDFProdução de alface.PDF
Produção de alface.PDF
ZilandiaMaria
 
Tratamento de sementes
Tratamento de sementesTratamento de sementes
Tratamento de sementes
Rural Pecuária
 
ze
zeze
Ousadia recompensada
Ousadia recompensadaOusadia recompensada
Ousadia recompensada
Tainy Pimentel
 
Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]
Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]
Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]
Roosevelt Almado
 
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
Juliana Queiroz
 
Dori-Venzon-et-al-IA-293-Fruteiras.pdf
Dori-Venzon-et-al-IA-293-Fruteiras.pdfDori-Venzon-et-al-IA-293-Fruteiras.pdf
Dori-Venzon-et-al-IA-293-Fruteiras.pdf
Cyntia Silva
 
Manejo Sustentável de Moscas-das-Frutas no Brasil
Manejo Sustentável de Moscas-das-Frutas no BrasilManejo Sustentável de Moscas-das-Frutas no Brasil
Manejo Sustentável de Moscas-das-Frutas no Brasil
PNMF
 
Pragas da cana
Pragas da canaPragas da cana
Pragas da cana
Agricultura Sao Paulo
 
Pragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaPragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticultura
Juan Rodríguez
 

Semelhante a Situação atual no controle de nematóides andré procafé (20)

Nematóides em Cana-de-Açucar (Saccharum spp.)
Nematóides em Cana-de-Açucar (Saccharum spp.)Nematóides em Cana-de-Açucar (Saccharum spp.)
Nematóides em Cana-de-Açucar (Saccharum spp.)
 
Novas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiro
Novas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiroNovas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiro
Novas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiro
 
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importadoErradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
 
hhjhjhjhj
hhjhjhjhjhhjhjhjhj
hhjhjhjhj
 
Efeito de terra de diatomáceas e óleo essencial de citronela, Cymbopogon nard...
Efeito de terra de diatomáceas e óleo essencial de citronela, Cymbopogon nard...Efeito de terra de diatomáceas e óleo essencial de citronela, Cymbopogon nard...
Efeito de terra de diatomáceas e óleo essencial de citronela, Cymbopogon nard...
 
Perfil de extrato de plantas sobre pseudomonas aeruginosa isolado sobr1
Perfil de extrato de plantas sobre pseudomonas   aeruginosa isolado sobr1Perfil de extrato de plantas sobre pseudomonas   aeruginosa isolado sobr1
Perfil de extrato de plantas sobre pseudomonas aeruginosa isolado sobr1
 
Escape no controle da ferrugem iran bueno
Escape no controle da ferrugem iran buenoEscape no controle da ferrugem iran bueno
Escape no controle da ferrugem iran bueno
 
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
 
Controle Biológico
Controle BiológicoControle Biológico
Controle Biológico
 
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
 
Produção de alface.PDF
Produção de alface.PDFProdução de alface.PDF
Produção de alface.PDF
 
Tratamento de sementes
Tratamento de sementesTratamento de sementes
Tratamento de sementes
 
ze
zeze
ze
 
Ousadia recompensada
Ousadia recompensadaOusadia recompensada
Ousadia recompensada
 
Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]
Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]
Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]
 
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
 
Dori-Venzon-et-al-IA-293-Fruteiras.pdf
Dori-Venzon-et-al-IA-293-Fruteiras.pdfDori-Venzon-et-al-IA-293-Fruteiras.pdf
Dori-Venzon-et-al-IA-293-Fruteiras.pdf
 
Manejo Sustentável de Moscas-das-Frutas no Brasil
Manejo Sustentável de Moscas-das-Frutas no BrasilManejo Sustentável de Moscas-das-Frutas no Brasil
Manejo Sustentável de Moscas-das-Frutas no Brasil
 
Pragas da cana
Pragas da canaPragas da cana
Pragas da cana
 
Pragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaPragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticultura
 

Mais de Manejo Da Lavoura Cafeeira

Certificações onde estamos e para onde vamos renato josé de melo professor es...
Certificações onde estamos e para onde vamos renato josé de melo professor es...Certificações onde estamos e para onde vamos renato josé de melo professor es...
Certificações onde estamos e para onde vamos renato josé de melo professor es...
Manejo Da Lavoura Cafeeira
 
Manejo integrado na melhoria da qualidade dos nossos cafés alysson e andré
Manejo integrado na melhoria da qualidade dos nossos cafés   alysson e andréManejo integrado na melhoria da qualidade dos nossos cafés   alysson e andré
Manejo integrado na melhoria da qualidade dos nossos cafés alysson e andré
Manejo Da Lavoura Cafeeira
 
Rastreamento e potencialização de cafés diferenciados
Rastreamento e potencialização de cafés diferenciadosRastreamento e potencialização de cafés diferenciados
Rastreamento e potencialização de cafés diferenciados
Manejo Da Lavoura Cafeeira
 
Novas atualidades no uso de podas
Novas atualidades no uso de podasNovas atualidades no uso de podas
Novas atualidades no uso de podas
Manejo Da Lavoura Cafeeira
 
Irrigação de salvação ou suplementar
Irrigação de salvação ou suplementarIrrigação de salvação ou suplementar
Irrigação de salvação ou suplementar
Manejo Da Lavoura Cafeeira
 
Alternativas de manejo para a cafeicultura de montanha josé braz matiello – f...
Alternativas de manejo para a cafeicultura de montanha josé braz matiello – f...Alternativas de manejo para a cafeicultura de montanha josé braz matiello – f...
Alternativas de manejo para a cafeicultura de montanha josé braz matiello – f...
Manejo Da Lavoura Cafeeira
 
Efeitos da estiagem sobre a produção cafeeira alysson fagundes
Efeitos da estiagem sobre a produção cafeeira   alysson fagundesEfeitos da estiagem sobre a produção cafeeira   alysson fagundes
Efeitos da estiagem sobre a produção cafeeira alysson fagundes
Manejo Da Lavoura Cafeeira
 
Situação atual do controle da broca do café julio césar de souza – pesquisad...
Situação atual do controle da broca do café  julio césar de souza – pesquisad...Situação atual do controle da broca do café  julio césar de souza – pesquisad...
Situação atual do controle da broca do café julio césar de souza – pesquisad...
Manejo Da Lavoura Cafeeira
 
Geadas, prevenção e recuperação de lavouras geadas heverly morais
Geadas, prevenção e recuperação de lavouras geadas heverly moraisGeadas, prevenção e recuperação de lavouras geadas heverly morais
Geadas, prevenção e recuperação de lavouras geadas heverly morais
Manejo Da Lavoura Cafeeira
 
Uso de produtos biológicos, hormonais e bio estimulantes no cafeeiro luiz amé...
Uso de produtos biológicos, hormonais e bio estimulantes no cafeeiro luiz amé...Uso de produtos biológicos, hormonais e bio estimulantes no cafeeiro luiz amé...
Uso de produtos biológicos, hormonais e bio estimulantes no cafeeiro luiz amé...
Manejo Da Lavoura Cafeeira
 
Adubação racional econômica do cafeeiro josé braz matiello – fundação procafé
Adubação racional  econômica do cafeeiro josé braz matiello – fundação procaféAdubação racional  econômica do cafeeiro josé braz matiello – fundação procafé
Adubação racional econômica do cafeeiro josé braz matiello – fundação procafé
Manejo Da Lavoura Cafeeira
 

Mais de Manejo Da Lavoura Cafeeira (11)

Certificações onde estamos e para onde vamos renato josé de melo professor es...
Certificações onde estamos e para onde vamos renato josé de melo professor es...Certificações onde estamos e para onde vamos renato josé de melo professor es...
Certificações onde estamos e para onde vamos renato josé de melo professor es...
 
Manejo integrado na melhoria da qualidade dos nossos cafés alysson e andré
Manejo integrado na melhoria da qualidade dos nossos cafés   alysson e andréManejo integrado na melhoria da qualidade dos nossos cafés   alysson e andré
Manejo integrado na melhoria da qualidade dos nossos cafés alysson e andré
 
Rastreamento e potencialização de cafés diferenciados
Rastreamento e potencialização de cafés diferenciadosRastreamento e potencialização de cafés diferenciados
Rastreamento e potencialização de cafés diferenciados
 
Novas atualidades no uso de podas
Novas atualidades no uso de podasNovas atualidades no uso de podas
Novas atualidades no uso de podas
 
Irrigação de salvação ou suplementar
Irrigação de salvação ou suplementarIrrigação de salvação ou suplementar
Irrigação de salvação ou suplementar
 
Alternativas de manejo para a cafeicultura de montanha josé braz matiello – f...
Alternativas de manejo para a cafeicultura de montanha josé braz matiello – f...Alternativas de manejo para a cafeicultura de montanha josé braz matiello – f...
Alternativas de manejo para a cafeicultura de montanha josé braz matiello – f...
 
Efeitos da estiagem sobre a produção cafeeira alysson fagundes
Efeitos da estiagem sobre a produção cafeeira   alysson fagundesEfeitos da estiagem sobre a produção cafeeira   alysson fagundes
Efeitos da estiagem sobre a produção cafeeira alysson fagundes
 
Situação atual do controle da broca do café julio césar de souza – pesquisad...
Situação atual do controle da broca do café  julio césar de souza – pesquisad...Situação atual do controle da broca do café  julio césar de souza – pesquisad...
Situação atual do controle da broca do café julio césar de souza – pesquisad...
 
Geadas, prevenção e recuperação de lavouras geadas heverly morais
Geadas, prevenção e recuperação de lavouras geadas heverly moraisGeadas, prevenção e recuperação de lavouras geadas heverly morais
Geadas, prevenção e recuperação de lavouras geadas heverly morais
 
Uso de produtos biológicos, hormonais e bio estimulantes no cafeeiro luiz amé...
Uso de produtos biológicos, hormonais e bio estimulantes no cafeeiro luiz amé...Uso de produtos biológicos, hormonais e bio estimulantes no cafeeiro luiz amé...
Uso de produtos biológicos, hormonais e bio estimulantes no cafeeiro luiz amé...
 
Adubação racional econômica do cafeeiro josé braz matiello – fundação procafé
Adubação racional  econômica do cafeeiro josé braz matiello – fundação procaféAdubação racional  econômica do cafeeiro josé braz matiello – fundação procafé
Adubação racional econômica do cafeeiro josé braz matiello – fundação procafé
 

Situação atual no controle de nematóides andré procafé

  • 1. Situação atual do controle de nematóides André Luíz A. Garcia – Eng Agr. Fundação Procafé
  • 2. O que são os nematóides?
  • 3. O que são os nematóides?
  • 4. O que são os nematóides?
  • 5. Quais são os nematóides de importância para a cafeicultura Os nematoides das galhas como são chamados, pertencentes ao gênero Meloidogyne estão mundialmente distribuídos e são os mais importantes nematoides parasitos no cafeeiro no Brasil e no mundo (CAMPOS e VILLAIN, 2005). Compondo esse gênero existem mais de 90 espécies descritas, das quais 17 podem atacar o cafeeiro (CAMPOS e VILLAIN, 2005). No Brasil, M. incognita, M. paranaensis e M. exigua constituem as principais espécies por causa dos danos que causam e pela ampla distribuição nas áreas produtoras de café (CAMPOS e VILLAIN, 2005; OLIVEIRA, 2006), podendo levar a planta a morte (SALGADO et al., 2011).
  • 6. Meloidogyne incognita e M. paranaensis Danificam drasticamente a integridade das raízes, causando escamações em sua superfície, com aspecto de cortiça, com descascamento, rachaduras e pontos de lesões necróticas (SALGADO et al., 2011). Na parte aérea das plantas, os sintomas são clorose, desfolhamento, redução no crescimento e as vezes morte da planta (FERRAZ, 2008).
  • 7. Meloidogyne incognita e M. paranaensis
  • 8. Meloidogyne exigua Causa galhas arredondadas, principalmente em raízes novas, também podem ser observadas áreas necróticas nas raízes, que podem ser agravadas por infecções secundárias levando a seção da raiz atacada à morte (CAMPOS e VILLAIN, 2005).
  • 9.
  • 10. Fonte (A presentação, Prof. Dra. Maria Amelia dos Santos)
  • 11. Quais os prejuízos? 1.Destruição do sistema radicular 2.Agravante de estresse 3.Redução de absorção de água e nutrientes 4.Comprometimento da produtividade 5.Baixa de resistência da planta e maior predisposição a doenças 6.Porta de entrada de doenças 7.Morte de plantas Exigua – agravante de estresse Incognita e Paranaensis – morte de plantas
  • 13. Florada ocorrida em outubro de 2007 maior índice de abortamento que as flores normais sendo estas também afetadas pelo estresse. Fonte: 34º CBPC – Garcia et al, 2007
  • 16. 2014 – Ma formação e chochamento
  • 17. Distribuição geográfica O nematóide Meloidogyne paranaensis foi identificado em algumas lavouras cafeeiras dos municípios de Patrocínio e Serra do Salitre, no Cerrado mineiro, destruindo o sistema radicular de cafeeiros, resultando num depauperamento da parte aérea das plantas (Castro, 2003). Em cafezais paulistas, M. paranaensis está disseminado em freqüências que variam de 10,7% a 24,5% das amostras em que foram encontrados nematóides do gênero Meloidogyne (LORDELLO e LORDELLO, 2001), enquanto em Minas Gerais, existe apenas um relato de sua ocorrência (SANTOS, 1997). Pesquisa realizada por CARNEIRO e ALMEIDA (2000) indica um substancial aumento da distribuição de M. paranaensis (70 %) e decréscimo de M. incognita (30 %) no Paraná. M. Exigua está disseminado por toda a cafeicultura do Brasil. No Sul de Minas diagnósticos demonstram presença em mais de 90% de lavouras mais velhas
  • 22.
  • 23. Plantas daninhas são hospedeiras do M. Paranaensis
  • 24. Mensagem O Paranaensis pode estar mais perto do que pensamos O Exigua pode estar causando mais danos do que pensamos
  • 25. 1º passo Diagnosticar a presença do nematóide por meio de amostragem de solo e raíz
  • 26. Variedade Suscetível Variedade Resistente profundidade Fonte (Apresentação Prof. Maria Amélia)
  • 28. Sistemas de controle 1. Prevenção 2.Químico 3. Cultural 4. Resistência genética 5. Controle biológico A combinação das técnicas em um manejo integrado é a melhor maneira de manter os nematóides abaixo do nível de dano A população se mantém em baixa pressão e equilíbrio populacional
  • 30. Estudos Procafé Existem nematicidas em fase de teste e registro
  • 33. Controle Biológico -Fungos predadores, endoparasitos e parasitos de fêmeas e ovos. -Bactérias: Rizobactérias = promotoras de crescimento vegetal + ação sobre os nematóides
  • 34. Estudos Procafé Produtos nematicidas Dose/tubete Galhas/gr ama de raíz Testemunha (sem produto) - 28,0 b Counter 3 g 4,16 a Biologico (bacteria) 0,4 g 6,0 a Rugby 1,125 ml 1,66 a Rugby 0,7 ml 1,33 a Rugby 0,375 ml 1,66 a Tabela 2. Valores médios de galhas por grama de raiz analisados em função da aplicação de Produtos nematicidas. BIOLÓGICO - BACTÉRIAS
  • 35. Estudos Procafé Resistencia Genética CAFEEIROS 40 dias após inoculação 120 dias após inoculação Catucaí Vermelho 785-15 0 a 0 a Iapar 59 0 a 0 a Acauã 0 a 11 b Catucaí Vermelho 36/6 31 b 57 c Siriema 39 b 69 c Soledade 41 b 46 c Bem-te-vi Amarelo 43 b 51 c Catucaí Vermelho 20/15- cv 395 44 b 28 c Catucaí Amarelo 3-5 45 b 72 c Cultivar oriunda de Franca 46 b 51 c Catucaí Vermelho 36/6- cv 470 48 b 41 c Catucaí Amarelo 24/137 49 b 52 c Sabiá 398 51 b 66 c Catucaí Amarelo 2SL- cv 446 52 b 66 c Catucaí Amarelo 3 SM 53 b 60 c Catucaí Amarelo 20/15- 479 56 b 44 c Icatu 2944 57 b 31 c Palma II 62 b 79 c Canário 64 b 46 c Catucaí Açu Vermelho 66 b 56 c Palma I 70 b 68 c Mundo Novo Acaiá 474/19 (T) 72 b 34 c QUADRO 1. Valores médios do número de galhas por grama de raiz ( NG/g), dos cafeeiros, observados após a inoculação com 5000 ovos do nematóide Meloidogyne exígua.
  • 37. Resistencia Genética A resistência ao M. incognita e M. paranaensis vem sendo encontrada em C. canephora (GONÇALVES et al., 1988; 1996; SERA et al., 2004b; 2005) e em C. congensis (GONÇALVES et al., 1988). Fontes de resistência a M. paranaensis (MATA et al., 2000, 2002; SERA et al., 2002, 2004a) e a M. incognita(CARNEIRO, 1995; MATA et al., 2002; SERA et al., 2004a) têm sido constatadas em plantas do Icatu (C. arabica). Resistência para algumas raças de M. incognita foram também identificadas em cafeeiros arábicos do germoplasma Sarchimor (GONÇALVES et al., 1988). GONÇALVES e SILVAROLLA (2001) relataram que os germoplasmas C. arabica x C. canephora, Icatu, Sarchimor e Catimor são resistentes a M. exigua, M. incognita eM. paranaensis, porém, geralmente, segregantes para essa característica. As cultivares IPR 100 e IPR 106 são moderadamente resistentes a M. paranaensis em homozigoze, de acordo com SERA et al. (2002).
  • 38. Manejo integrado na renovação de áreas
  • 39. Manejo integrado Exposição ao sol no inicio do período chuvoso, com elevação de temperatura e umidade diminuem em mais de 90% a população do nematóide
  • 40. Manejo integrado Área experimental em Boa Esperança onde as analises demonstraram que a população quase zerou
  • 41. Manejo integrado Aproveitar as primeiras chuvas do ano para expor o solo e combinar Umidade + calor Usar a “Quiescência” e enganar o nematóide
  • 42. Manejo integrado A braquiária não é suscetível aos nematóides paranaensis e exigua, inibe o crescimento de plantas daninhas hospedeiras e promovem o aumento de microorganismos antagônicos aos nematóides
  • 43. Inibição de hospedeiras Corda de viola 11,98 Café 7,39 Meloidogyne incognita - Capim pé de galinha (FR = 17,5), maria pretinha, fedegoso, marmelada Para M. exigua = trapoeraba, tiririca, guanxuma, azedinha e maria pretinha.
  • 44. Matéria orgânica A adição de 1,5% de torta de mamona no substrato usado no preparo de mudas proporcionou um bom controle do M. exigua e do M. incognita. A adição de palha de café no substrato de mudas de café, na proporção de 3:1 (terra + palha), contribui para a redução do número de galhas por M. exigua.
  • 45. Considerações final Devemos ter em mente: • Conhecer se a presença do patógeno e suas características etiológicas; • Potencializar a formação de plantas com sistemas radiculares bem formados; • A adoção de medidas integradas de controle do nematóide é bem mais eficiente que a utilização isolada de nematicidas químicos; • Resistência Genética,,
  • 46. CONTATO andre@fundacaoprocafe.com.br (35)3214 1411 Agradecimentos Pesquisadores, Produtores, Técnicos e Auxiliares de campo envolvidos nas atividades Quando achamos que já chegamos paramos de avançar. (Mark W. Baker)