SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
FACULDADE SANTA MARIA
CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO
ALEXANDRE ALVES DE SOUSA
CÁSSIA MYCHELLE ARAÚJO DOS SANTOS
GISELI MARQUES ALBUQUERQUE
JÔSINÉIA MENDES DA SILVA
MARIA IANCA IANCA TAVARES BARROSO
MARIA LAYANA NUNES DE OLIVEIRA
PALOMA BARBOSA DO NASCIMENTO
DIFERENCIAÇÃO DO SISTEMA REPRODUTOR. ESTIMULANTES:
LUTEINIZANTES. REGULAÇÃO HORMONAL: HIPOTÁLAMO, LUTEÍNA.
CAJAZEIRAS-PB
DEZEMBRO, 2015
ALEXANDRE ALVES DE SOUSA
CÁSSIA MYCHELLE ARAÚJO DOS SANTOS
GISELE MARQUES ALBUQUERQUE
JÔSINÉIA MENDES DA SILVA
MARIA IANCA TAVARES BARROSO
MARIA LAYANA NUNES DE OLIVEIRA
PALOMA BARBOSA DO NASCIMENTO
DIFERENCIAÇÃO DO SISTEMA REPRODUTOR. ESTIMULANTES:
LUTEINIZANTES. REGULAÇÃO HORMONAL: HIPOTÁLAMO, LUTEÍNA.
Trabalho apresentado à disciplina de
Fisiologia Humana do curso de Bacharelado
em Nutrição da Faculdade Santa Maria –
Cajazeiras, como requisito fundamental para
obtenção de nota e conclusão da disciplina.
Professora: RAYANE ARAÚJO TORRES
CAJAZEIRAS
DEZEMBRO, 2015
1. INTRODUÇÃO
Todas as espécies têm um período de vida limitado. Portanto, para que uma
espécie se mantenha no passar das eras é necessário que haja um mecanismo para
a produção de novos indivíduos. Graças a capacidade de reprodução, os indivíduos
são capazes de reproduzirem e gerar descendentes férteis, que também se
reproduz e a espécie se perpetua. Os seres humanos têm uma grande diferenciação
sexual. Além das diferenças em quase todos os órgãos reprodutivos, inúmeras
diferenças ocorrem normalmente nas características sexuais secundárias. O sistema
endócrino é diretamente relacionado com essas características. A liberação de
certos hormônios causa o desenvolvimento dessas características secundarias.
Esse presente estudo vai mostrar como é feito o sistema reprodutor, suas
funções e os seus derivados. Assim como, a diferenciação sexual onde é controlada
por hormônios e quando esses hormônios são produzidos em excesso ou em menor
quantidade podem ocorrer problemas no processo de diferenciação. Também
ressaltando que a reprodução humana começa quando o óvulo inicia sua vagarosa
travessia pelas tubas uterinas para o útero. No percurso, vários milhões de
espermatozoides poderão ir ao encontro, mas somente os mais fortes conseguirão
atingi-lo e apena sum deles fecundá-lo. Depois de nove meses se produzirá o
nascimento do novo ser humano.
O presente estudo tem como objetivo geral revisar a diferenciação do sistema
reprodutor. E como objetivos específicos, revisar estimulantes luteinizantes e
regulação hormonal, hipotálamo e luteína.
2. DESENVOLVIMENTO
2.1 SISTEMA REPRODUTOR
O aparelho reprodutor tem como função primordial a perpetuação da espécie.
Todas as espécies têm um período de vida limitado. Portanto, para a perpetuação
das espécies, é necessário que haja um mecanismo para a produção de novos
indivíduos. A reprodução humana normalmente envolve a interação entre vários
hormônios e órgãos, a qual é controlada pelo hipotálamo. Tanto nas mulheres como
nos homens, o hipotálamo secreta neuro-hormônios, denominados fatores de
liberação, que chegam à hipófise, uma glândula do tamanho de uma ervilha
localizada logo abaixo do hipotálamo. Esses hormônios estimulam a hipófise a
liberar outros hormônios.
Os hormônios Hipofisários que controlam a produção de hormônios das
gônadas e a formação de células reprodutivas são: o FSH e o LH. No testículo, o
FSH e o LH vão controlar principalmente a síntese e a secreção da testosterona e
nos ovários, eles vão controlar a síntese e a secreção do estrógeno e da
progesterona.
Os hormônios sexuais controlam a formação, desde o processo de
diferenciação sexual até o crescimento e a maturação do sistema reprodutor
masculino e feminino.
O aparelho reprodutor masculino é formado pela gônada, saco escrotal, onde
vai ficar o testículo, o epidídimo, canal deferente, vesícula seminal, próstata. Os
espermatozoides são formados no testículo, são conduzidos pelo canal deferente e
o conteúdo da próstata e da vesícula seminal vai ajudar na formação do esperma.
Os hormônios sexuais masculinos vão ser produzidos pelo testículo, que
produz sob influência dos hormônios da hipófise anterior a testosterona, hormônio
este que em alguns tecidos pode ser convertido em diidrotestosterona, sendo esse
último o segundo hormônio masculino, que vai controlar a diferenciação das
características sexuais secundarias masculinas. A diidrotestosterona também
participa do processo de diferenciação de algumas partes do sistema reprodutor
masculino.
O aparelho reprodutor feminino é formado pelo útero, pelas trompas de
falópio, pelos ovários e pela vagina. Os ovários são responsáveis pela produção e
secreção dos hormônios sexuais femininos (estrógeno e progesterona) e pela
produção e manutenção das células sexuais femininas, chamadas de ovócitos.
O sexo é dividido em três níveis:
• O sexo genético: definido pelos cromossomos. Então se o indivíduo tiver o
cromossomo Y, o testículo vai ser formado e vai produzir hormônios masculinos, que
vão definir a genitália externa e interna masculina. Na ausência do cromossomo Y,
nós teremos dois cromossomos X, nesse caso, haverá a formação dos ovários e
consequentemente vai se formar a genitália externa e interna feminina.
• Sexo gonodal: A presença da gônada masculina ou feminina vai ser definida
pelo sexo genético.
• Sexo fenotípico: É o fenótipo, ou seja, a genitália interna e externa como
sendo masculina ou feminina. O que vai definir o sexo fenotípico são os hormônios.
Então, se houver problema na formação dos hormônios do indivíduo, isso vai gerar a
má formação da genitália externa e interna desse indivíduo. Não necessariamente o
hormônio tem que ser produzido na gônada. Exemplo: A má formação da genitália
externa feminina como consequência de uma alta concentração de andrógenos
durante a diferenciação sexual.
A diidrotestosterona é um hormônio que vai ter importância na diferenciação
sexual e no crescimento da próstata. Ela também participa na diferenciação do
pênis, já o crescimento do pênis é controlado pela testosterona. Cada hormônio vai
controlar uma parte da diferenciação masculina, o que comprova o fato de que ela é
mais complexa e de que um problema na diferenciação masculina pode ocorrer em
vários níveis.
Na época fetal/ época da diferenciação sexual: Existe grande produção de
FSH e LH. Na infância: Haverá queda da produção desses hormônios, e a
manutenção dos níveis de FSH e LH em concentrações muito baixas. Não há
nenhuma transformação de genitália interna ou externa nem feminina e nem
masculina, nem desenvolvimento de características sexuais secundarias e nenhum
fenômeno que leve uma criança a ficar apta a reproduzir.
Na puberdade: Os níveis de FSH e LH vão começar a aumentar. Existem
duas hipóteses para justificar esse aumento repentino. A primeira hipótese fala que
esse aumento é resultado da participação da glândula pineal. Nós nascemos com a
glândula pineal grande e esta desaparece no início da puberdade, então essa teoria
é que a glândula pineal controla de forma inibitória a secreção de FSH e LH, de
forma que quando ela desaparece no início da puberdade, esses hormônios voltam
a ser produzidos. A segunda hipótese fala que é nessa época que os gonadotrófos
(células da hipófise anterior produtoras de gonadotrofinas, FSH e LH) terminam o
seu amadurecimento e passam a produzir FSH e LH. O FSH e o LH vão ser
secretados na forma pulsátil ao longo do dia. Se houver aumento da secreção
desses hormônios em um indivíduo, mas ela não acontecer na forma de pulsos de
secreção, esse indivíduo não vai entrar na puberdade.
Na fase adulta: Na mulher é mais marcante, pois ela tem o evento que marca
essa fase se chama: menarca, que é a primeira menstruação. Uma vez por mês, a
partir da primeira menstruação, a mulher terá oscilação constante nos picos de FSH
e LH em função do ciclo menstrual. No homem, não há nenhum evento que marque
a entrada do homem na fase adulta. Os hormônios serão secretados em pulsos
durante toda a sua vida de uma maneira bem menos oscilante que a das mulheres.
Nos homens, esses hormônios vão atingir um pico e vão permanecer constantes.
Na velhice: A mulher vai ter a menopausa, ou seja, vai parar de menstruar, vai
deixar de produzir estrógeno e progesterona, pois não ela não vai ter mais folículos
para ovular. Sem o estrógeno e a progesterona, hormônios responsáveis pelo
controle da secreção FSH e do LH, os níveis de secreção de FSH e LH vão ficar
constantes e altos. O homem vai ter a andropausa, que é a diminuição da produção
dos hormônios sexuais masculinos, ou seja, a testosterona e a diidrotestosterona.
Então a libido vai diminuir, certos pelos na perna vão começar a cair e como a
testosterona é o hormônio que inibe por feedback negativo a o FSH e o LH, os níveis
desses dois hormônios vão subir, mas não tanto quanto na mulher.
No homem, no início da puberdade, uma indicação de que o menino está
começando a produzir testosterona é o aparecimento de pelos pubianos. O
crescimento do pênis, o estirão de crescimento, o engrossamento da voz,
aparecimento de pelos em outras regiões, aparecimento de massa muscular.
A mulher vai entrar mais cedo na puberdade, por volta dos nove anos. O
primeiro evento é o crescimento das mamas. O aparecimento dos pelos pubianos e
nas axilas, que crescem em função dos hormônios masculinos da adrenal, que
amadurecem no início da puberdade. A menarca vai ocorrer normalmente aos 10
anos.
2.2 FISIOLOGIA REPRODUTIVA MASCULINA
A partir da puberdade o hipotálamo vai produzir o GnRH, que vai estimular os
gonadotrófos (células da hipófise anterior que produzem as gonadotrofinas – FSH e
LH) a produzirem o FSH e o LH.
O FSH e o LH têm papel hormonal na gônada que é o testículo.
Existem duas células muito importantes no testículo, além das células que
vão produzir os espermatozoides, que são: As células de Sertori, que vão produzir o
hormônio antimuleriano e é, portanto, importante para o processo de diferenciação
masculina. Elas também vão produzir a inibina. E as células de Leydig, que vão
produzir a testosterona.
Mecanismos de controle da fisiologia reprodutiva masculina:
• A inibina, produzida pelas células de Sertori vai à hipófise anterior, através
de mecanismos de feedback negativo, controlar a secreção de FSH.
• A testosterona, produzida nas células de Leydig, vai na hipófise anterior para
controlar a secreção de LH, e consequentemente a própria secreção de testosterona
(já que o LH induz a secreção de testosterona).
As células de Sertori vão participar da diferenciação celular e na
espermatogênese, realizando esse último alimentando e protegendo o
espermatozoide que já está maturado enquanto este não for liberado.
As células de Leydig vão produzir a testosterona e esta por uma função
parácrina, ou seja, dentro do próprio testículo, vai estimular as células de Sertori a
alimentar e proteger o espermatozoide depois de formado, para que ele não morra
antes de ser ejaculado.
Então as duas células tem um papel na espermatogênese. Pelo fato de a
célula de Leydig produzir a testosterona e esta estimular a célula de Sertori a nutrir e
proteger o espermatozoide, o que vai promover a manutenção e a viabilidade do
espermatozoide. A testosterona, além de agir de forma parácrina, é um hormônio
que vai cair na corrente sanguínea. E ela tem uma série de funções como hormônio.
Síntese da testosterona:
Como os hormônios do córtex da adrenal, a testosterona também vai ter
como precursor uma molécula de colesterol. O LH vai controlar a síntese de
testosterona, pois ele vai ativar a enzima colesterol desmolase que vai converter o
colesterol e pregnenolona. Essa síntese também vai ter a enzima 17,20-liase que
aparece na síntese dos andrógenos no córtex da supra-renal. A testosterona é
formada a partir da androstenediona por uma enzima especifica. Chegando a seu
tecido-alvo a testosterona poderá ser convertida em diidrotestosterona.
Ações da Testosterona:
Hormônio responsável pelo Crescimento do pênis, diferenciação do
epidídimo, do canal deferente e das vesículas seminais, aumento da massa
muscular magra, provoca surto de crescimento, e também a cessação do surto de
crescimento puberal (fechamento da epífise). Faz com que haja crescimento das
vesículas seminais, abaixamento do timbre da voz, espermatogênese, feedback
negativo sob a hipófise anterior e libido.
Ações da Diidrotestosterona:
Esse hormônio vai fazer a diferenciação do pênis, promover o crescimento da
próstata, que pode gerar hipertrofia da próstata: Pode ser benigna ou maligna. No
caso da benigna, o tratamento seria a inibição da conversão da testosterona em
diidrotestosterona. No caso na maligna, o tratamento é a retirada cirúrgica e/ou
quimioterapia. Promove também a diferenciação da próstata e do saco escrotal.
Define o padrão masculino da implantação dos cabelos, participa da atividade das
glândulas sebáceas e define o padrão masculino de calvície.
2.3 FISIOLOGIA REPRODUTIVA FEMININA
A mulher nasce com todos os seus folículos primordiais prontos. A cada mês,
depois da primeira menstruação, vários folículos são recrutados e um apenas vai ser
liberado.
Na mulher, a segunda divisão meiótica do ovócito é suspensa e ela só vai se
completar quando houver a ovocitação seguida de fecundação. Isso explica por que
quanto mais velha for a mulher, maior a probabilidade de ela ter uma gestação de
uma criança com má formação. Pois a célula vai envelhecendo, ela fica com a
prófase da segunda divisão meiótica, suspensa por anos.
Depois da ovulação, pode acontecer a fecundação, quando há fecundação, o
zigoto vai produzir a gonadotrofina coriônica, que por um mecanismo de feedback
positivo vai manter a produção de progesterona pelo corpo lúteo do ovário até o
desenvolvimento pleno da placenta, que vai assumir essa função até o final da
gestação. Quando não há a fecundação, o corpo lúteo vai evoluir e se transformar
no corpo albicans, que não tem mais função de glândula.
Na primeira fase do ciclo, existe uma produção de FSH mais alta do que a
produção de LH. Isso vai fazendo com que o folículo cresça. O FSH vai estimular as
células da granulosa a produzir estrógeno, e este vai aumentar a produção das
células da granulosa, o que faz com que o folículo cresça, o que vai aumentar a
produção de estrógeno, o que vai fazer com que o folículo cresça, sendo este um
mecanismo de feedback positivo.
Isso vai ocorrer até que na metade do ciclo acontece um pico de secreção
dos dois hormônios, mas principalmente de LH. Esse pico de LH vai promover a
ruptura do folículo em um fenômeno chamado de: ovulação e o óvulo vai ser
liberado. Depois da ovulação, imediatamente caem os níveis de FSH e LH, sendo
que na segunda fase do ciclo, o LH fica sendo secretado em uma quantidade maior
que o FSH.
À medida que o folículo vai crescendo, a quantidade de estrógeno também vai
sendo aumentada. No lugar no folículo vai ser formado o corpo lúteo. Ao contrário do
folículo, o hormônio mais produzido pelo corpo lúteo vai ser a progesterona e não o
estrógeno. A produção de estrógeno na primeira fase do ciclo e a produção de
progesterona na segunda fase tem um reflexo sobre o ciclo uterino, ou seja, sob o
crescimento e descamação do endométrio. O primeiro dia do ciclo menstrual, que é
a menstruação vai se dar quando os níveis de estrógeno e progesterona caírem.
Essa queda vai culminar na descamação do endométrio.
Ao final da menstruação, o folículo já está grande o bastante para aumentar a
produção de estrógeno o que vai induzir o início da proliferação do endométrio.
Ao final do ciclo, os níveis de estrógeno e progesterona vão cair, pois se não
houve fecundação, o corpo lúteo vai involuir e vai parar de secretar estrógeno e
progesterona.
Síntese dos hormônios sexuais femininos:
• Células da teca: produzem progesterona
• Células da granulosa: produzem o estrógeno
No início do ciclo, o folículo vai ter um predomínio de células da granulosa,
depois da ovulação as células vão se organizar, o folículo vai perder células da
granulosa e vai haver uma predominância de células da teca. Então, no início do
ciclo, ou seja, antes da ovulação, há um predomínio de secreção de estrógeno, pois
há mais células da granulosa, já no final do ciclo, ou seja, depois da ovulação, há um
predomínio de secreção de progesterona, pois há mais células tecais. As células da
granulosa possuem mais receptores para FSH e as células tecais vão ter mais
receptores para LH.
Tanto a progesterona, quanto o estrógeno tem como precursor o colesterol,
então o LH vai ser importante para a síntese dos dois, só que o FSH só influencia no
final da reação, convertendo testosterona em estrógeno. Então o FSH é mais
importante na síntese do estrógeno. E para isso é importante que existam
receptores específicos na célula da granulosa.
O LH estimula receptores tanto nas células tecais, quanto nas células da
granulosa, mas existe em maior abundancia nas células tecais. A colesterol
desmolase (enzima que converte colesterol em pregnenolona) vai estar nessas
células.
Mecanismo de feedbacks que ocorrem durante a menstruação:
Se o feedback falha vão haver alterações no período e ovulação e
irregularidades no ciclo. Fases da menstruação:
• Fase folicular: O estrógeno é o principal hormônio nessa fase. O hipotálamo
vai secretar o GnRH, que vai na hipófise anterior estimular a produção de FSH e LH,
sendo que o FSH na primeira fase do ciclo é mais secretado que o LH. E o FSH vai,
portanto, com um pouco de LH, iniciar o processo da síntese de estrógeno e
progesterona. (Precisa de LH, pois a estimulação da colesterol desmolase, que é a
primeira etapa da síntese, é LH dependente). O estrógeno que vai começar a ser
produzido vai controlar, por um mecanismo de feedback negativo a secreção de
FSH e LH, de forma que o crescimento do folículo vai se dando no tempo adequado
de 14 dias.
• Ovulação: O estrógeno vai subindo e até um certo ponto, o ele vai fazer
feedback negativo, mas quando chega a uma concentração extremamente elevada
ele inverte a sua capacidade de feedback de negativo (freia a secreção de FSH e
LH, para impedir que a ovulação ocorra muito cedo) para positivo (estimula a
produção de FSH e LH). Isso vai ser responsável pela ovulação, pois é o momento
em que a secreção de FSH e LH que antes estava sendo inibida pelo estrógeno,
agora deixa de ser inibida e passa a ser estimulada pelo estrógeno. Nesse momento
vai ser o da ovulação.
• Fase lútea/proliferativa: Quando o folículo é rompido, vai ocorrer a
reorganização das células do folículo formando o corpo lúteo, que a glândula que vai
caracterizar a segunda fase do ciclo, que é chamada de fase lútea/proliferativa.
Nessa fase, o GnRH vai estimular a produção de FSH e LH, que vão estimular a
produção do estrógeno e da progesterona, sendo a maior secreção de progesterona,
pois agora não há mais folículo e sim o corpo lúteo, que tem mais células tecais. A
maior secreção de progesterona vai comandar a proliferação do endométrio nessa
fase e é ela também que controla, por um mecanismo de feedback negativo a
secreção de FSH e LH.
Ações da progesterona
A progesterona que faz toda manutenção da atividade secretória do útero
durante a fase lútea do ciclo menstrual. É importante pro desenvolvimento das
mamas tanto na puberdade, quanto durante a lactação. Tem Feedback negativo sob
a secreção de FSH e LH durante a segunda fase do ciclo menstrual. Faz também a
Manutenção da gravidez, pois a gonadotrofina coriônica vai estimular a secreção de
progesterona pelo corpo lúteo. (3 primeiros meses principalmente). E por fim
aumentar o limiar uterino para os estímulos contráteis durante a gravidez. O útero
passa a ser menos responsivo aos agentes contráteis. Para impedir aborto.
Ações do estrógeno
O estrógeno faz a maturação do útero, das trompas de falópio, do colo uterino
e da vagina. Na puberdade, o estrógeno é responsável pelo desenvolvimento das
características sexuais secundarias no sexo feminino. Promove o surto de
crescimento, brotamento das mamas, aparecimento de tecido adiposo subcutâneo.
É responsável pela proliferação e desenvolvimento das células da granulosa
ovariana, que são as principais células que formam o folículo ovariano na primeira
fase do ciclo menstrual. Promove a formação de receptores para ele mesmo, para a
progesterona e para o LH. (Na época da lactação, por exemplo, o estrógeno faz com
que haja aparecimento de receptores de LH, isso é importante para que a prolactina
haja).
Na gravidez, estimula a secreção de prolactina, mas bloqueia a ação da
prolactina sob as mamas. (Que sentido tem estimular a secreção da prolactina e
bloquear a ação dela?) Pois ele faz com que durante a gestação as mamas estejam
preparadas para a produção de leite, mas ainda não estejam produzindo, pois ainda
não há bebê pra alimentar.
Quando o bebê nasce, a placenta, que estava produzindo estrógeno vai sair e
não vai mais haver produção de estrógeno, (que estava inibindo a ação da prolactina
sob a mama) de forma que, a prolactina que estava com a concentração altíssima,
vai começar a agir na síntese e na secreção de leite), também participa da
manutenção da gravidez. E abaixa o limiar uterino para os estímulos de contração.
O estrógeno é muito produzido ao final da gravidez, e no final da gravidez é
interessante que o útero esteja mais receptível aos estímulos contrateis para que a
mulher entre em trabalho de parto.
3. DISCUSSÃO E CONCLUSÃO
Essa pesquisa analisou a literatura acerca da diferenciação do sistema
reprodutor, assim como, focando os estimulantes luteinizantes e regulação
hormonal, hipotálamo e luteína. Com este trabalho, aprendemos como é constituído
o sistema reprodutor masculino e feminino, os órgãos genitais, as suas funções, as
suas características, os seus derivados, assim como a sua fisiologia, onde foi focado
os estimulantes luteinizantes e a regulação hormonal, hipotálamo e luteína.
Ao decorrer deste estudo de reprodução humana, foi possível aprender
informações mais minuciosas sobre o que acontece com nosso corpo. É um
processo normal, porém muito interessante cada função que ocorre no nosso corpo.
Este ciclo de reprodução é diferente entre o homem e a mulher. Então pode-se
observar e fazer as comparações das alterações desde uma criança até a fase
adulta.
Vale ressaltar a importância do tema abordado, pois foi possível conhecer
mais um pouco de processos fisiológicos que acontece em nosso corpo no tocante a
diferenciação do sistema reprodutor humano.
REFERÊNCIAS
GUYTON, A.C.; HALL, J.E. Tratado de Fisiologia Médica. 11ª ed. Rio de Janeiro,
Elsevier Ed., 2006.
GUYTON, A.C. Fisiologia Humana. 5ª ed., Rio de Janeiro, Ed. Interamericana, 1981
GUYTON, A.C., HALL, J.E Tratado De Fisiologia Médica 10. Ed. RJ. Guanabara
Koogan, 2002

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3EM #05 Hormônios reprodução
3EM #05 Hormônios reprodução3EM #05 Hormônios reprodução
3EM #05 Hormônios reproduçãoProfessô Kyoshi
 
Caracteres sexuais primários e secundários
Caracteres sexuais primários e secundáriosCaracteres sexuais primários e secundários
Caracteres sexuais primários e secundáriosCatir
 
Manejo femeas suinos
Manejo femeas suinos Manejo femeas suinos
Manejo femeas suinos jsanil
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aulaproftathi
 
Unidade eb9 – mecanismos de integração e regulação
Unidade eb9 – mecanismos de integração e regulaçãoUnidade eb9 – mecanismos de integração e regulação
Unidade eb9 – mecanismos de integração e regulaçãoCAtriane Sousa
 
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação dCidalia Aguiar
 
Resumo Reprodução Humana
Resumo Reprodução HumanaResumo Reprodução Humana
Resumo Reprodução HumanaCatir
 
DiferenciaçãO Sexual
DiferenciaçãO SexualDiferenciaçãO Sexual
DiferenciaçãO Sexualguest203aa5
 
Paulo diniz-reproducao-canina
Paulo diniz-reproducao-caninaPaulo diniz-reproducao-canina
Paulo diniz-reproducao-caninasbentoduarte
 
Trabalho de biologia 12º reprodução e manipulação da fertilidade
Trabalho de biologia 12º   reprodução e manipulação da fertilidadeTrabalho de biologia 12º   reprodução e manipulação da fertilidade
Trabalho de biologia 12º reprodução e manipulação da fertilidaderui
 
Apostilaobstetricia 2003 completa
Apostilaobstetricia 2003 completaApostilaobstetricia 2003 completa
Apostilaobstetricia 2003 completaRayanna Thais
 
Professor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humana
Professor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humanaProfessor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humana
Professor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humanamestregil
 
Ciências Naturais 9º Ano - Sistema reprodutor humano
Ciências Naturais 9º Ano - Sistema reprodutor humanoCiências Naturais 9º Ano - Sistema reprodutor humano
Ciências Naturais 9º Ano - Sistema reprodutor humanoLusaCosta19
 

Mais procurados (20)

Reprodução humana. (2012)
Reprodução humana. (2012)Reprodução humana. (2012)
Reprodução humana. (2012)
 
3EM #05 Hormônios reprodução
3EM #05 Hormônios reprodução3EM #05 Hormônios reprodução
3EM #05 Hormônios reprodução
 
Sistema reprodutor
Sistema reprodutorSistema reprodutor
Sistema reprodutor
 
Caracteres sexuais primários e secundários
Caracteres sexuais primários e secundáriosCaracteres sexuais primários e secundários
Caracteres sexuais primários e secundários
 
Manejo femeas suinos
Manejo femeas suinos Manejo femeas suinos
Manejo femeas suinos
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 
Unidade eb9 – mecanismos de integração e regulação
Unidade eb9 – mecanismos de integração e regulaçãoUnidade eb9 – mecanismos de integração e regulação
Unidade eb9 – mecanismos de integração e regulação
 
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
 
Resumo Reprodução Humana
Resumo Reprodução HumanaResumo Reprodução Humana
Resumo Reprodução Humana
 
DiferenciaçãO Sexual
DiferenciaçãO SexualDiferenciaçãO Sexual
DiferenciaçãO Sexual
 
Paulo diniz-reproducao-canina
Paulo diniz-reproducao-caninaPaulo diniz-reproducao-canina
Paulo diniz-reproducao-canina
 
Módulo 4 – ovulação, menstruação, fecundaço
Módulo 4 – ovulação, menstruação, fecundaçoMódulo 4 – ovulação, menstruação, fecundaço
Módulo 4 – ovulação, menstruação, fecundaço
 
Trabalho de biologia 12º reprodução e manipulação da fertilidade
Trabalho de biologia 12º   reprodução e manipulação da fertilidadeTrabalho de biologia 12º   reprodução e manipulação da fertilidade
Trabalho de biologia 12º reprodução e manipulação da fertilidade
 
Ciencias
CienciasCiencias
Ciencias
 
Apostilaobstetricia 2003 completa
Apostilaobstetricia 2003 completaApostilaobstetricia 2003 completa
Apostilaobstetricia 2003 completa
 
Reprodução humana - 8º ano
Reprodução humana - 8º anoReprodução humana - 8º ano
Reprodução humana - 8º ano
 
Reprodução 1
Reprodução 1Reprodução 1
Reprodução 1
 
A sexualidade humana
A sexualidade humanaA sexualidade humana
A sexualidade humana
 
Professor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humana
Professor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humanaProfessor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humana
Professor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humana
 
Ciências Naturais 9º Ano - Sistema reprodutor humano
Ciências Naturais 9º Ano - Sistema reprodutor humanoCiências Naturais 9º Ano - Sistema reprodutor humano
Ciências Naturais 9º Ano - Sistema reprodutor humano
 

Destaque

Reflexões sobre a morte (4 de 4)
Reflexões sobre a morte (4 de 4)Reflexões sobre a morte (4 de 4)
Reflexões sobre a morte (4 de 4)Pedro Siena
 
Generation of electricity through speed breaker mechanism(AVANTHI CLG MAKAVAR...
Generation of electricity through speed breaker mechanism(AVANTHI CLG MAKAVAR...Generation of electricity through speed breaker mechanism(AVANTHI CLG MAKAVAR...
Generation of electricity through speed breaker mechanism(AVANTHI CLG MAKAVAR...Aditya Guna
 
Sistema reprodutor masculino
Sistema reprodutor masculinoSistema reprodutor masculino
Sistema reprodutor masculinoTiciane Garcia
 
Sistema Reprodutor Masculino - Anatomia Humana
Sistema Reprodutor Masculino - Anatomia HumanaSistema Reprodutor Masculino - Anatomia Humana
Sistema Reprodutor Masculino - Anatomia HumanaEnfº Ícaro Araújo
 
Definitivo Relatorio Clinica
Definitivo Relatorio ClinicaDefinitivo Relatorio Clinica
Definitivo Relatorio Clinicacristiane1981
 
Relatório Clinica Nutrição
Relatório Clinica NutriçãoRelatório Clinica Nutrição
Relatório Clinica Nutriçãocristiane1981
 
Sistema reprodutor masculino
Sistema reprodutor masculinoSistema reprodutor masculino
Sistema reprodutor masculinoFabiano Reis
 
3Com 3C17501A
3Com 3C17501A3Com 3C17501A
3Com 3C17501Asavomir
 
Psychological determinants-of-problematic-outcomes-following-total-knee-arthr...
Psychological determinants-of-problematic-outcomes-following-total-knee-arthr...Psychological determinants-of-problematic-outcomes-following-total-knee-arthr...
Psychological determinants-of-problematic-outcomes-following-total-knee-arthr...Paul Coelho, MD
 
3Com 10403U
3Com 10403U3Com 10403U
3Com 10403Usavomir
 
Circuito electrico 11 2.
Circuito electrico 11 2.Circuito electrico 11 2.
Circuito electrico 11 2.yiseth20
 

Destaque (15)

Reflexões sobre a morte (4 de 4)
Reflexões sobre a morte (4 de 4)Reflexões sobre a morte (4 de 4)
Reflexões sobre a morte (4 de 4)
 
Generation of electricity through speed breaker mechanism(AVANTHI CLG MAKAVAR...
Generation of electricity through speed breaker mechanism(AVANTHI CLG MAKAVAR...Generation of electricity through speed breaker mechanism(AVANTHI CLG MAKAVAR...
Generation of electricity through speed breaker mechanism(AVANTHI CLG MAKAVAR...
 
Pat3 มี.ค. 59
Pat3 มี.ค. 59Pat3 มี.ค. 59
Pat3 มี.ค. 59
 
Sistema reprodutor masculino
Sistema reprodutor masculinoSistema reprodutor masculino
Sistema reprodutor masculino
 
Sistema Reprodutor Masculino - Anatomia Humana
Sistema Reprodutor Masculino - Anatomia HumanaSistema Reprodutor Masculino - Anatomia Humana
Sistema Reprodutor Masculino - Anatomia Humana
 
Definitivo Relatorio Clinica
Definitivo Relatorio ClinicaDefinitivo Relatorio Clinica
Definitivo Relatorio Clinica
 
Trabalho nutrição
Trabalho nutriçãoTrabalho nutrição
Trabalho nutrição
 
Relatório Clinica Nutrição
Relatório Clinica NutriçãoRelatório Clinica Nutrição
Relatório Clinica Nutrição
 
Sistema reprodutor masculino
Sistema reprodutor masculinoSistema reprodutor masculino
Sistema reprodutor masculino
 
3Com 3C17501A
3Com 3C17501A3Com 3C17501A
3Com 3C17501A
 
Psychological determinants-of-problematic-outcomes-following-total-knee-arthr...
Psychological determinants-of-problematic-outcomes-following-total-knee-arthr...Psychological determinants-of-problematic-outcomes-following-total-knee-arthr...
Psychological determinants-of-problematic-outcomes-following-total-knee-arthr...
 
3Com 10403U
3Com 10403U3Com 10403U
3Com 10403U
 
Circuito electrico 11 2.
Circuito electrico 11 2.Circuito electrico 11 2.
Circuito electrico 11 2.
 
CONTABILIDAD
CONTABILIDADCONTABILIDAD
CONTABILIDAD
 
Poverty in us
Poverty in usPoverty in us
Poverty in us
 

Semelhante a Fisiologia Humana - Sistema Reprodutor e Regulação Hormonal

Adolescência - Mudanças que ocorrem em nosso corpo
Adolescência - Mudanças que ocorrem em nosso corpoAdolescência - Mudanças que ocorrem em nosso corpo
Adolescência - Mudanças que ocorrem em nosso corpolucols
 
Hormônios relacionados à reprodução.pptx
Hormônios relacionados à reprodução.pptxHormônios relacionados à reprodução.pptx
Hormônios relacionados à reprodução.pptxSandraMeirelles4
 
12 bio sistema reprodutor e regulação hormonal
12 bio sistema reprodutor e regulação hormonal12 bio sistema reprodutor e regulação hormonal
12 bio sistema reprodutor e regulação hormonalCarlaCruz88
 
aula sistema reprodutor
aula sistema reprodutoraula sistema reprodutor
aula sistema reprodutorcarlotabuchi
 
Puberdade é maturação mais rápida do corpo até adulto
Puberdade é maturação mais rápida do corpo até adultoPuberdade é maturação mais rápida do corpo até adulto
Puberdade é maturação mais rápida do corpo até adultoVan Der Häägen Brazil
 
Ciências Naturais 9ano-transmissão da vida-bases morfolgicas
Ciências Naturais 9ano-transmissão da vida-bases morfolgicasCiências Naturais 9ano-transmissão da vida-bases morfolgicas
Ciências Naturais 9ano-transmissão da vida-bases morfolgicasLeonardo Alves
 
aula de menstruacao.ppt
aula de menstruacao.pptaula de menstruacao.ppt
aula de menstruacao.pptANA FONSECA
 
FISIOLOGIA DO APARELHO REPRODUTOR.pdf[[[
FISIOLOGIA DO APARELHO REPRODUTOR.pdf[[[FISIOLOGIA DO APARELHO REPRODUTOR.pdf[[[
FISIOLOGIA DO APARELHO REPRODUTOR.pdf[[[SaraCastelo7
 
Fisiologia sist reprod anotações
Fisiologia sist reprod   anotaçõesFisiologia sist reprod   anotações
Fisiologia sist reprod anotaçõesCinthia Feliciano
 
Biologia reproducao
Biologia reproducaoBiologia reproducao
Biologia reproducaoMarcos Elias
 
Hormônios e o ciclo menstrual
Hormônios e o ciclo menstrualHormônios e o ciclo menstrual
Hormônios e o ciclo menstrualMiryan Carneiro
 
Fisiologia reprodutiva feminina
Fisiologia reprodutiva femininaFisiologia reprodutiva feminina
Fisiologia reprodutiva femininaDaniela R Silva
 
Puberdade e Adolescência
Puberdade e AdolescênciaPuberdade e Adolescência
Puberdade e AdolescênciaJuliana Gomes
 

Semelhante a Fisiologia Humana - Sistema Reprodutor e Regulação Hormonal (20)

Ciclo menstrual
Ciclo menstrualCiclo menstrual
Ciclo menstrual
 
Adolescência - Mudanças que ocorrem em nosso corpo
Adolescência - Mudanças que ocorrem em nosso corpoAdolescência - Mudanças que ocorrem em nosso corpo
Adolescência - Mudanças que ocorrem em nosso corpo
 
Reprodução Humana
Reprodução HumanaReprodução Humana
Reprodução Humana
 
Hormônios relacionados à reprodução.pptx
Hormônios relacionados à reprodução.pptxHormônios relacionados à reprodução.pptx
Hormônios relacionados à reprodução.pptx
 
12 bio sistema reprodutor e regulação hormonal
12 bio sistema reprodutor e regulação hormonal12 bio sistema reprodutor e regulação hormonal
12 bio sistema reprodutor e regulação hormonal
 
aula sistema reprodutor
aula sistema reprodutoraula sistema reprodutor
aula sistema reprodutor
 
Puberdade é maturação mais rápida do corpo até adulto
Puberdade é maturação mais rápida do corpo até adultoPuberdade é maturação mais rápida do corpo até adulto
Puberdade é maturação mais rápida do corpo até adulto
 
Ciências Naturais 9ano-transmissão da vida-bases morfolgicas
Ciências Naturais 9ano-transmissão da vida-bases morfolgicasCiências Naturais 9ano-transmissão da vida-bases morfolgicas
Ciências Naturais 9ano-transmissão da vida-bases morfolgicas
 
aula de menstruacao.ppt
aula de menstruacao.pptaula de menstruacao.ppt
aula de menstruacao.ppt
 
FISIOLOGIA DO APARELHO REPRODUTOR.pdf[[[
FISIOLOGIA DO APARELHO REPRODUTOR.pdf[[[FISIOLOGIA DO APARELHO REPRODUTOR.pdf[[[
FISIOLOGIA DO APARELHO REPRODUTOR.pdf[[[
 
Fisiologia sist reprod anotações
Fisiologia sist reprod   anotaçõesFisiologia sist reprod   anotações
Fisiologia sist reprod anotações
 
12Bio_unidade1A.pdf
12Bio_unidade1A.pdf12Bio_unidade1A.pdf
12Bio_unidade1A.pdf
 
Biologia reproducao
Biologia reproducaoBiologia reproducao
Biologia reproducao
 
Hormônios e o ciclo menstrual
Hormônios e o ciclo menstrualHormônios e o ciclo menstrual
Hormônios e o ciclo menstrual
 
Puberdade.ppt
Puberdade.pptPuberdade.ppt
Puberdade.ppt
 
Fisiologia reprodutiva feminina
Fisiologia reprodutiva femininaFisiologia reprodutiva feminina
Fisiologia reprodutiva feminina
 
2016 Frente 2 módulo 12 Sistema Endócrino
2016 Frente 2 módulo 12 Sistema Endócrino2016 Frente 2 módulo 12 Sistema Endócrino
2016 Frente 2 módulo 12 Sistema Endócrino
 
Puberdade e Adolescência
Puberdade e AdolescênciaPuberdade e Adolescência
Puberdade e Adolescência
 
Reproducao
ReproducaoReproducao
Reproducao
 
Fisio mascfem
Fisio mascfemFisio mascfem
Fisio mascfem
 

Último

AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOvilcielepazebem
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAndersonMoreira538200
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfThiagoAlmeida458596
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 

Último (12)

AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 

Fisiologia Humana - Sistema Reprodutor e Regulação Hormonal

  • 1. FACULDADE SANTA MARIA CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO ALEXANDRE ALVES DE SOUSA CÁSSIA MYCHELLE ARAÚJO DOS SANTOS GISELI MARQUES ALBUQUERQUE JÔSINÉIA MENDES DA SILVA MARIA IANCA IANCA TAVARES BARROSO MARIA LAYANA NUNES DE OLIVEIRA PALOMA BARBOSA DO NASCIMENTO DIFERENCIAÇÃO DO SISTEMA REPRODUTOR. ESTIMULANTES: LUTEINIZANTES. REGULAÇÃO HORMONAL: HIPOTÁLAMO, LUTEÍNA. CAJAZEIRAS-PB DEZEMBRO, 2015
  • 2. ALEXANDRE ALVES DE SOUSA CÁSSIA MYCHELLE ARAÚJO DOS SANTOS GISELE MARQUES ALBUQUERQUE JÔSINÉIA MENDES DA SILVA MARIA IANCA TAVARES BARROSO MARIA LAYANA NUNES DE OLIVEIRA PALOMA BARBOSA DO NASCIMENTO DIFERENCIAÇÃO DO SISTEMA REPRODUTOR. ESTIMULANTES: LUTEINIZANTES. REGULAÇÃO HORMONAL: HIPOTÁLAMO, LUTEÍNA. Trabalho apresentado à disciplina de Fisiologia Humana do curso de Bacharelado em Nutrição da Faculdade Santa Maria – Cajazeiras, como requisito fundamental para obtenção de nota e conclusão da disciplina. Professora: RAYANE ARAÚJO TORRES CAJAZEIRAS DEZEMBRO, 2015
  • 3. 1. INTRODUÇÃO Todas as espécies têm um período de vida limitado. Portanto, para que uma espécie se mantenha no passar das eras é necessário que haja um mecanismo para a produção de novos indivíduos. Graças a capacidade de reprodução, os indivíduos são capazes de reproduzirem e gerar descendentes férteis, que também se reproduz e a espécie se perpetua. Os seres humanos têm uma grande diferenciação sexual. Além das diferenças em quase todos os órgãos reprodutivos, inúmeras diferenças ocorrem normalmente nas características sexuais secundárias. O sistema endócrino é diretamente relacionado com essas características. A liberação de certos hormônios causa o desenvolvimento dessas características secundarias. Esse presente estudo vai mostrar como é feito o sistema reprodutor, suas funções e os seus derivados. Assim como, a diferenciação sexual onde é controlada por hormônios e quando esses hormônios são produzidos em excesso ou em menor quantidade podem ocorrer problemas no processo de diferenciação. Também ressaltando que a reprodução humana começa quando o óvulo inicia sua vagarosa travessia pelas tubas uterinas para o útero. No percurso, vários milhões de espermatozoides poderão ir ao encontro, mas somente os mais fortes conseguirão atingi-lo e apena sum deles fecundá-lo. Depois de nove meses se produzirá o nascimento do novo ser humano. O presente estudo tem como objetivo geral revisar a diferenciação do sistema reprodutor. E como objetivos específicos, revisar estimulantes luteinizantes e regulação hormonal, hipotálamo e luteína.
  • 4. 2. DESENVOLVIMENTO 2.1 SISTEMA REPRODUTOR O aparelho reprodutor tem como função primordial a perpetuação da espécie. Todas as espécies têm um período de vida limitado. Portanto, para a perpetuação das espécies, é necessário que haja um mecanismo para a produção de novos indivíduos. A reprodução humana normalmente envolve a interação entre vários hormônios e órgãos, a qual é controlada pelo hipotálamo. Tanto nas mulheres como nos homens, o hipotálamo secreta neuro-hormônios, denominados fatores de liberação, que chegam à hipófise, uma glândula do tamanho de uma ervilha localizada logo abaixo do hipotálamo. Esses hormônios estimulam a hipófise a liberar outros hormônios. Os hormônios Hipofisários que controlam a produção de hormônios das gônadas e a formação de células reprodutivas são: o FSH e o LH. No testículo, o FSH e o LH vão controlar principalmente a síntese e a secreção da testosterona e nos ovários, eles vão controlar a síntese e a secreção do estrógeno e da progesterona. Os hormônios sexuais controlam a formação, desde o processo de diferenciação sexual até o crescimento e a maturação do sistema reprodutor masculino e feminino. O aparelho reprodutor masculino é formado pela gônada, saco escrotal, onde vai ficar o testículo, o epidídimo, canal deferente, vesícula seminal, próstata. Os espermatozoides são formados no testículo, são conduzidos pelo canal deferente e o conteúdo da próstata e da vesícula seminal vai ajudar na formação do esperma. Os hormônios sexuais masculinos vão ser produzidos pelo testículo, que produz sob influência dos hormônios da hipófise anterior a testosterona, hormônio este que em alguns tecidos pode ser convertido em diidrotestosterona, sendo esse último o segundo hormônio masculino, que vai controlar a diferenciação das características sexuais secundarias masculinas. A diidrotestosterona também participa do processo de diferenciação de algumas partes do sistema reprodutor masculino. O aparelho reprodutor feminino é formado pelo útero, pelas trompas de falópio, pelos ovários e pela vagina. Os ovários são responsáveis pela produção e
  • 5. secreção dos hormônios sexuais femininos (estrógeno e progesterona) e pela produção e manutenção das células sexuais femininas, chamadas de ovócitos. O sexo é dividido em três níveis: • O sexo genético: definido pelos cromossomos. Então se o indivíduo tiver o cromossomo Y, o testículo vai ser formado e vai produzir hormônios masculinos, que vão definir a genitália externa e interna masculina. Na ausência do cromossomo Y, nós teremos dois cromossomos X, nesse caso, haverá a formação dos ovários e consequentemente vai se formar a genitália externa e interna feminina. • Sexo gonodal: A presença da gônada masculina ou feminina vai ser definida pelo sexo genético. • Sexo fenotípico: É o fenótipo, ou seja, a genitália interna e externa como sendo masculina ou feminina. O que vai definir o sexo fenotípico são os hormônios. Então, se houver problema na formação dos hormônios do indivíduo, isso vai gerar a má formação da genitália externa e interna desse indivíduo. Não necessariamente o hormônio tem que ser produzido na gônada. Exemplo: A má formação da genitália externa feminina como consequência de uma alta concentração de andrógenos durante a diferenciação sexual. A diidrotestosterona é um hormônio que vai ter importância na diferenciação sexual e no crescimento da próstata. Ela também participa na diferenciação do pênis, já o crescimento do pênis é controlado pela testosterona. Cada hormônio vai controlar uma parte da diferenciação masculina, o que comprova o fato de que ela é mais complexa e de que um problema na diferenciação masculina pode ocorrer em vários níveis. Na época fetal/ época da diferenciação sexual: Existe grande produção de FSH e LH. Na infância: Haverá queda da produção desses hormônios, e a manutenção dos níveis de FSH e LH em concentrações muito baixas. Não há nenhuma transformação de genitália interna ou externa nem feminina e nem masculina, nem desenvolvimento de características sexuais secundarias e nenhum fenômeno que leve uma criança a ficar apta a reproduzir. Na puberdade: Os níveis de FSH e LH vão começar a aumentar. Existem duas hipóteses para justificar esse aumento repentino. A primeira hipótese fala que esse aumento é resultado da participação da glândula pineal. Nós nascemos com a glândula pineal grande e esta desaparece no início da puberdade, então essa teoria é que a glândula pineal controla de forma inibitória a secreção de FSH e LH, de
  • 6. forma que quando ela desaparece no início da puberdade, esses hormônios voltam a ser produzidos. A segunda hipótese fala que é nessa época que os gonadotrófos (células da hipófise anterior produtoras de gonadotrofinas, FSH e LH) terminam o seu amadurecimento e passam a produzir FSH e LH. O FSH e o LH vão ser secretados na forma pulsátil ao longo do dia. Se houver aumento da secreção desses hormônios em um indivíduo, mas ela não acontecer na forma de pulsos de secreção, esse indivíduo não vai entrar na puberdade. Na fase adulta: Na mulher é mais marcante, pois ela tem o evento que marca essa fase se chama: menarca, que é a primeira menstruação. Uma vez por mês, a partir da primeira menstruação, a mulher terá oscilação constante nos picos de FSH e LH em função do ciclo menstrual. No homem, não há nenhum evento que marque a entrada do homem na fase adulta. Os hormônios serão secretados em pulsos durante toda a sua vida de uma maneira bem menos oscilante que a das mulheres. Nos homens, esses hormônios vão atingir um pico e vão permanecer constantes. Na velhice: A mulher vai ter a menopausa, ou seja, vai parar de menstruar, vai deixar de produzir estrógeno e progesterona, pois não ela não vai ter mais folículos para ovular. Sem o estrógeno e a progesterona, hormônios responsáveis pelo controle da secreção FSH e do LH, os níveis de secreção de FSH e LH vão ficar constantes e altos. O homem vai ter a andropausa, que é a diminuição da produção dos hormônios sexuais masculinos, ou seja, a testosterona e a diidrotestosterona. Então a libido vai diminuir, certos pelos na perna vão começar a cair e como a testosterona é o hormônio que inibe por feedback negativo a o FSH e o LH, os níveis desses dois hormônios vão subir, mas não tanto quanto na mulher. No homem, no início da puberdade, uma indicação de que o menino está começando a produzir testosterona é o aparecimento de pelos pubianos. O crescimento do pênis, o estirão de crescimento, o engrossamento da voz, aparecimento de pelos em outras regiões, aparecimento de massa muscular. A mulher vai entrar mais cedo na puberdade, por volta dos nove anos. O primeiro evento é o crescimento das mamas. O aparecimento dos pelos pubianos e nas axilas, que crescem em função dos hormônios masculinos da adrenal, que amadurecem no início da puberdade. A menarca vai ocorrer normalmente aos 10 anos.
  • 7. 2.2 FISIOLOGIA REPRODUTIVA MASCULINA A partir da puberdade o hipotálamo vai produzir o GnRH, que vai estimular os gonadotrófos (células da hipófise anterior que produzem as gonadotrofinas – FSH e LH) a produzirem o FSH e o LH. O FSH e o LH têm papel hormonal na gônada que é o testículo. Existem duas células muito importantes no testículo, além das células que vão produzir os espermatozoides, que são: As células de Sertori, que vão produzir o hormônio antimuleriano e é, portanto, importante para o processo de diferenciação masculina. Elas também vão produzir a inibina. E as células de Leydig, que vão produzir a testosterona. Mecanismos de controle da fisiologia reprodutiva masculina: • A inibina, produzida pelas células de Sertori vai à hipófise anterior, através de mecanismos de feedback negativo, controlar a secreção de FSH. • A testosterona, produzida nas células de Leydig, vai na hipófise anterior para controlar a secreção de LH, e consequentemente a própria secreção de testosterona (já que o LH induz a secreção de testosterona). As células de Sertori vão participar da diferenciação celular e na espermatogênese, realizando esse último alimentando e protegendo o espermatozoide que já está maturado enquanto este não for liberado. As células de Leydig vão produzir a testosterona e esta por uma função parácrina, ou seja, dentro do próprio testículo, vai estimular as células de Sertori a alimentar e proteger o espermatozoide depois de formado, para que ele não morra antes de ser ejaculado. Então as duas células tem um papel na espermatogênese. Pelo fato de a célula de Leydig produzir a testosterona e esta estimular a célula de Sertori a nutrir e proteger o espermatozoide, o que vai promover a manutenção e a viabilidade do espermatozoide. A testosterona, além de agir de forma parácrina, é um hormônio que vai cair na corrente sanguínea. E ela tem uma série de funções como hormônio. Síntese da testosterona: Como os hormônios do córtex da adrenal, a testosterona também vai ter como precursor uma molécula de colesterol. O LH vai controlar a síntese de testosterona, pois ele vai ativar a enzima colesterol desmolase que vai converter o
  • 8. colesterol e pregnenolona. Essa síntese também vai ter a enzima 17,20-liase que aparece na síntese dos andrógenos no córtex da supra-renal. A testosterona é formada a partir da androstenediona por uma enzima especifica. Chegando a seu tecido-alvo a testosterona poderá ser convertida em diidrotestosterona. Ações da Testosterona: Hormônio responsável pelo Crescimento do pênis, diferenciação do epidídimo, do canal deferente e das vesículas seminais, aumento da massa muscular magra, provoca surto de crescimento, e também a cessação do surto de crescimento puberal (fechamento da epífise). Faz com que haja crescimento das vesículas seminais, abaixamento do timbre da voz, espermatogênese, feedback negativo sob a hipófise anterior e libido. Ações da Diidrotestosterona: Esse hormônio vai fazer a diferenciação do pênis, promover o crescimento da próstata, que pode gerar hipertrofia da próstata: Pode ser benigna ou maligna. No caso da benigna, o tratamento seria a inibição da conversão da testosterona em diidrotestosterona. No caso na maligna, o tratamento é a retirada cirúrgica e/ou quimioterapia. Promove também a diferenciação da próstata e do saco escrotal. Define o padrão masculino da implantação dos cabelos, participa da atividade das glândulas sebáceas e define o padrão masculino de calvície. 2.3 FISIOLOGIA REPRODUTIVA FEMININA A mulher nasce com todos os seus folículos primordiais prontos. A cada mês, depois da primeira menstruação, vários folículos são recrutados e um apenas vai ser liberado. Na mulher, a segunda divisão meiótica do ovócito é suspensa e ela só vai se completar quando houver a ovocitação seguida de fecundação. Isso explica por que quanto mais velha for a mulher, maior a probabilidade de ela ter uma gestação de uma criança com má formação. Pois a célula vai envelhecendo, ela fica com a prófase da segunda divisão meiótica, suspensa por anos. Depois da ovulação, pode acontecer a fecundação, quando há fecundação, o zigoto vai produzir a gonadotrofina coriônica, que por um mecanismo de feedback positivo vai manter a produção de progesterona pelo corpo lúteo do ovário até o
  • 9. desenvolvimento pleno da placenta, que vai assumir essa função até o final da gestação. Quando não há a fecundação, o corpo lúteo vai evoluir e se transformar no corpo albicans, que não tem mais função de glândula. Na primeira fase do ciclo, existe uma produção de FSH mais alta do que a produção de LH. Isso vai fazendo com que o folículo cresça. O FSH vai estimular as células da granulosa a produzir estrógeno, e este vai aumentar a produção das células da granulosa, o que faz com que o folículo cresça, o que vai aumentar a produção de estrógeno, o que vai fazer com que o folículo cresça, sendo este um mecanismo de feedback positivo. Isso vai ocorrer até que na metade do ciclo acontece um pico de secreção dos dois hormônios, mas principalmente de LH. Esse pico de LH vai promover a ruptura do folículo em um fenômeno chamado de: ovulação e o óvulo vai ser liberado. Depois da ovulação, imediatamente caem os níveis de FSH e LH, sendo que na segunda fase do ciclo, o LH fica sendo secretado em uma quantidade maior que o FSH. À medida que o folículo vai crescendo, a quantidade de estrógeno também vai sendo aumentada. No lugar no folículo vai ser formado o corpo lúteo. Ao contrário do folículo, o hormônio mais produzido pelo corpo lúteo vai ser a progesterona e não o estrógeno. A produção de estrógeno na primeira fase do ciclo e a produção de progesterona na segunda fase tem um reflexo sobre o ciclo uterino, ou seja, sob o crescimento e descamação do endométrio. O primeiro dia do ciclo menstrual, que é a menstruação vai se dar quando os níveis de estrógeno e progesterona caírem. Essa queda vai culminar na descamação do endométrio. Ao final da menstruação, o folículo já está grande o bastante para aumentar a produção de estrógeno o que vai induzir o início da proliferação do endométrio. Ao final do ciclo, os níveis de estrógeno e progesterona vão cair, pois se não houve fecundação, o corpo lúteo vai involuir e vai parar de secretar estrógeno e progesterona. Síntese dos hormônios sexuais femininos: • Células da teca: produzem progesterona • Células da granulosa: produzem o estrógeno No início do ciclo, o folículo vai ter um predomínio de células da granulosa, depois da ovulação as células vão se organizar, o folículo vai perder células da
  • 10. granulosa e vai haver uma predominância de células da teca. Então, no início do ciclo, ou seja, antes da ovulação, há um predomínio de secreção de estrógeno, pois há mais células da granulosa, já no final do ciclo, ou seja, depois da ovulação, há um predomínio de secreção de progesterona, pois há mais células tecais. As células da granulosa possuem mais receptores para FSH e as células tecais vão ter mais receptores para LH. Tanto a progesterona, quanto o estrógeno tem como precursor o colesterol, então o LH vai ser importante para a síntese dos dois, só que o FSH só influencia no final da reação, convertendo testosterona em estrógeno. Então o FSH é mais importante na síntese do estrógeno. E para isso é importante que existam receptores específicos na célula da granulosa. O LH estimula receptores tanto nas células tecais, quanto nas células da granulosa, mas existe em maior abundancia nas células tecais. A colesterol desmolase (enzima que converte colesterol em pregnenolona) vai estar nessas células. Mecanismo de feedbacks que ocorrem durante a menstruação: Se o feedback falha vão haver alterações no período e ovulação e irregularidades no ciclo. Fases da menstruação: • Fase folicular: O estrógeno é o principal hormônio nessa fase. O hipotálamo vai secretar o GnRH, que vai na hipófise anterior estimular a produção de FSH e LH, sendo que o FSH na primeira fase do ciclo é mais secretado que o LH. E o FSH vai, portanto, com um pouco de LH, iniciar o processo da síntese de estrógeno e progesterona. (Precisa de LH, pois a estimulação da colesterol desmolase, que é a primeira etapa da síntese, é LH dependente). O estrógeno que vai começar a ser produzido vai controlar, por um mecanismo de feedback negativo a secreção de FSH e LH, de forma que o crescimento do folículo vai se dando no tempo adequado de 14 dias. • Ovulação: O estrógeno vai subindo e até um certo ponto, o ele vai fazer feedback negativo, mas quando chega a uma concentração extremamente elevada ele inverte a sua capacidade de feedback de negativo (freia a secreção de FSH e LH, para impedir que a ovulação ocorra muito cedo) para positivo (estimula a produção de FSH e LH). Isso vai ser responsável pela ovulação, pois é o momento em que a secreção de FSH e LH que antes estava sendo inibida pelo estrógeno,
  • 11. agora deixa de ser inibida e passa a ser estimulada pelo estrógeno. Nesse momento vai ser o da ovulação. • Fase lútea/proliferativa: Quando o folículo é rompido, vai ocorrer a reorganização das células do folículo formando o corpo lúteo, que a glândula que vai caracterizar a segunda fase do ciclo, que é chamada de fase lútea/proliferativa. Nessa fase, o GnRH vai estimular a produção de FSH e LH, que vão estimular a produção do estrógeno e da progesterona, sendo a maior secreção de progesterona, pois agora não há mais folículo e sim o corpo lúteo, que tem mais células tecais. A maior secreção de progesterona vai comandar a proliferação do endométrio nessa fase e é ela também que controla, por um mecanismo de feedback negativo a secreção de FSH e LH. Ações da progesterona A progesterona que faz toda manutenção da atividade secretória do útero durante a fase lútea do ciclo menstrual. É importante pro desenvolvimento das mamas tanto na puberdade, quanto durante a lactação. Tem Feedback negativo sob a secreção de FSH e LH durante a segunda fase do ciclo menstrual. Faz também a Manutenção da gravidez, pois a gonadotrofina coriônica vai estimular a secreção de progesterona pelo corpo lúteo. (3 primeiros meses principalmente). E por fim aumentar o limiar uterino para os estímulos contráteis durante a gravidez. O útero passa a ser menos responsivo aos agentes contráteis. Para impedir aborto. Ações do estrógeno O estrógeno faz a maturação do útero, das trompas de falópio, do colo uterino e da vagina. Na puberdade, o estrógeno é responsável pelo desenvolvimento das características sexuais secundarias no sexo feminino. Promove o surto de crescimento, brotamento das mamas, aparecimento de tecido adiposo subcutâneo. É responsável pela proliferação e desenvolvimento das células da granulosa ovariana, que são as principais células que formam o folículo ovariano na primeira fase do ciclo menstrual. Promove a formação de receptores para ele mesmo, para a progesterona e para o LH. (Na época da lactação, por exemplo, o estrógeno faz com que haja aparecimento de receptores de LH, isso é importante para que a prolactina haja).
  • 12. Na gravidez, estimula a secreção de prolactina, mas bloqueia a ação da prolactina sob as mamas. (Que sentido tem estimular a secreção da prolactina e bloquear a ação dela?) Pois ele faz com que durante a gestação as mamas estejam preparadas para a produção de leite, mas ainda não estejam produzindo, pois ainda não há bebê pra alimentar. Quando o bebê nasce, a placenta, que estava produzindo estrógeno vai sair e não vai mais haver produção de estrógeno, (que estava inibindo a ação da prolactina sob a mama) de forma que, a prolactina que estava com a concentração altíssima, vai começar a agir na síntese e na secreção de leite), também participa da manutenção da gravidez. E abaixa o limiar uterino para os estímulos de contração. O estrógeno é muito produzido ao final da gravidez, e no final da gravidez é interessante que o útero esteja mais receptível aos estímulos contrateis para que a mulher entre em trabalho de parto.
  • 13. 3. DISCUSSÃO E CONCLUSÃO Essa pesquisa analisou a literatura acerca da diferenciação do sistema reprodutor, assim como, focando os estimulantes luteinizantes e regulação hormonal, hipotálamo e luteína. Com este trabalho, aprendemos como é constituído o sistema reprodutor masculino e feminino, os órgãos genitais, as suas funções, as suas características, os seus derivados, assim como a sua fisiologia, onde foi focado os estimulantes luteinizantes e a regulação hormonal, hipotálamo e luteína. Ao decorrer deste estudo de reprodução humana, foi possível aprender informações mais minuciosas sobre o que acontece com nosso corpo. É um processo normal, porém muito interessante cada função que ocorre no nosso corpo. Este ciclo de reprodução é diferente entre o homem e a mulher. Então pode-se observar e fazer as comparações das alterações desde uma criança até a fase adulta. Vale ressaltar a importância do tema abordado, pois foi possível conhecer mais um pouco de processos fisiológicos que acontece em nosso corpo no tocante a diferenciação do sistema reprodutor humano.
  • 14. REFERÊNCIAS GUYTON, A.C.; HALL, J.E. Tratado de Fisiologia Médica. 11ª ed. Rio de Janeiro, Elsevier Ed., 2006. GUYTON, A.C. Fisiologia Humana. 5ª ed., Rio de Janeiro, Ed. Interamericana, 1981 GUYTON, A.C., HALL, J.E Tratado De Fisiologia Médica 10. Ed. RJ. Guanabara Koogan, 2002