SlideShare uma empresa Scribd logo
Qual a relação dos moradores do
    Bairro Boa Vista com a Mata
              Atlântica?

                        Alunos:
      Alan, Alessandra, Caetana, Roseli e Tâmara



Fatec Capão Bonito – Tecnologia em Silvicultura
Disciplina: Ecologia Florestal – 2º semestre / 2010
Introdução

A rica biodiversidade brasileira encontra-se resguarda em
Unidades de Conservação que por sinal assumem um
papel significativo na preservação de ecossistemas,
habitats e espécies em extinção.
 O bairro Boa Vista encontra-se
 localizado   no    município   de
 Ribeirão Grande.
 O município de Ribeirão Grande
 é cercado por mata atlântica
 com cerca de 40% de sua área
 territorial, faz divisa com Capão
 Bonito, Guapiara, Iporanga e
 Eldorado.
 O município conta com uma
 população       de        7.393
 habitantes, possui       grande
 potencial   turístico,     pois
 conta com belas paisagens,
 em destaque a Fazenda
 Paraíso     e   o        Parque
 Estadual Intervales.
Mapa de Acesso




Mapa de Acesso


     Mapa: Plano de Manejo Intervales – Acesso PEI
Justificativa

Conhecer as características da população que vive no
entorno do Parque Estadual Intervales , bem como a relação
desses moradores com a mata e a importância da mesma
em suas vidas.
Objetivos
O Objetivo é determinar através da analise amostral da
população qual é o perfil das pessoas que vivem nos
arredores de unidades de conversão, sua visão em relação a
importância e valor da conservação das espécies vegetais e
animas presentes nessas áreas.
Materiais e métodos
O método utilizado foi a realização de entrevistas com
os moradores do bairro.

Foram realizadas 10 entrevistas      em outubro de
2010.

O questionário é composto de 17 perguntas
relacionadas as ao cotidiano dos moradores e tempo
de residência no município.
Resultados
 Dos entrevistados a maioria estava na faixa entre 40
 e 50 anos, casados, 40%       residem a mais de 40
 anos no bairro.

 A média de morador por residência é de 2, 5
 pessoas.

 44% dos entrevistados trabalham na propriedade,
20% trabalham no Parque, 16% exercem outras
 atividades e 20% não trabalham.
Resultados

 Entre os moradores 60% fazem uso de plantas.
(chá, infusões, garrafadas).

 Dentre as plantas citadas pelos moradores, e das
 quais relatam fazer uso estão:

 hortelã (100%), arruda(60%), alecrim (40%),losma
 (30%) e espada de São Jorge (20%), entre outras.
Resultados

 Dos moradores entrevistados 100% caminham pelas
       trilhas do Parque; 80% pescam e 20% já
   trabalharam em coletas de sementes no Parque.

    Ao serem questionados sobre a presença de
 animais existente na mata, 100% responderam que
            já viram inúmeras espécies.
Conclusões

 A experiência cotidiana dos moradores com mata é
  resultado das atividades outrora praticadas muitas
  das quais       hoje em dia são consideradas
  impactantes, como caça, a pesca, extração de
  madeira.
 Os moradores locais não visualizam o Parque como
  agente de desenvolvimento local e sua importância
  na área de estudos e pesquisas científicas .
 A falta de oportunidade na comunidade local causa
  um êxodo entre os mais jovens, sendo a população
  predominantemente adulta.
Sugestões:


  Incentivo ao Turismo Rural
  Incentivo à projetos de Educação Ambiental
  Criação de uma unidade de capacitação de jovens
  Criação de um Mini Museu
  Criação de uma Casa de Artesanato
Referência Bibliográfica
PLANO DE MANEJO DO PARQUE ESTADUAL INTERVALES /
VOLUME PRINCIPAL
Período de elaboração: Setembro/2006 a Setembro/2008
Aprovação: Deliberação CONSEMA nº 08 de 18 de fevereiro de
2009

BIOMA MATA ATLÂNTICA
http://www.ibflorestas.org.br/pt/bioma-mata-atlantica.html

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Sem. de ecologia1

Arvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar Nativo
Arvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar NativoArvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar Nativo
Arvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar Nativo
margosanta
 
Centro de Referência em Desenvolvimento Sustentável
Centro de Referência em Desenvolvimento SustentávelCentro de Referência em Desenvolvimento Sustentável
Centro de Referência em Desenvolvimento Sustentável
Claudia Jung
 
Relatório de atividades de áreas de soltura e monitoramento do Ibama no estad...
Relatório de atividades de áreas de soltura e monitoramento do Ibama no estad...Relatório de atividades de áreas de soltura e monitoramento do Ibama no estad...
Relatório de atividades de áreas de soltura e monitoramento do Ibama no estad...
Dimas Marques
 
Guia de fauna silvestre do município de São Sepé, Rio Grande do Sul: aves, ma...
Guia de fauna silvestre do município de São Sepé, Rio Grande do Sul: aves, ma...Guia de fauna silvestre do município de São Sepé, Rio Grande do Sul: aves, ma...
Guia de fauna silvestre do município de São Sepé, Rio Grande do Sul: aves, ma...
Luciano Moura
 
Sala Verde Inhotim Informativo 17
Sala Verde Inhotim   Informativo 17Sala Verde Inhotim   Informativo 17
Sala Verde Inhotim Informativo 17
José André
 
Icmbio em foco 496
Icmbio em foco 496Icmbio em foco 496
Icmbio em foco 496
CBH Rio das Velhas
 
Etnoecologia e Etnobotânica
Etnoecologia e EtnobotânicaEtnoecologia e Etnobotânica
Etnoecologia e Etnobotânica
lenacarvalho
 
E-book_ConhecendoAPopulacaoRibeirinha.pdf
E-book_ConhecendoAPopulacaoRibeirinha.pdfE-book_ConhecendoAPopulacaoRibeirinha.pdf
E-book_ConhecendoAPopulacaoRibeirinha.pdf
inaracosta3
 
Turismo ecológico
Turismo ecológicoTurismo ecológico
Turismo ecológico
Denis Fernandes
 
PROJETO CENTRO DE RECREAÇÃO & LAGOA JOÃO RODRIGUES FERREIRA
PROJETO CENTRO DE RECREAÇÃO & LAGOA JOÃO RODRIGUES FERREIRAPROJETO CENTRO DE RECREAÇÃO & LAGOA JOÃO RODRIGUES FERREIRA
PROJETO CENTRO DE RECREAÇÃO & LAGOA JOÃO RODRIGUES FERREIRA
Kleber Ferreira
 
Livro - Diversidade Biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e orla do Guaíba...
Livro - Diversidade Biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e orla do Guaíba...Livro - Diversidade Biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e orla do Guaíba...
Livro - Diversidade Biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e orla do Guaíba...
Guellity Marcel
 
Diversidade biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e Orla do Guaíba no Muni...
Diversidade biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e Orla do Guaíba no Muni...Diversidade biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e Orla do Guaíba no Muni...
Diversidade biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e Orla do Guaíba no Muni...
Luciano Moura
 
Conservação do ecossistema manguezal, a partir dos modos de uso pela comunid...
 Conservação do ecossistema manguezal, a partir dos modos de uso pela comunid... Conservação do ecossistema manguezal, a partir dos modos de uso pela comunid...
Conservação do ecossistema manguezal, a partir dos modos de uso pela comunid...
Daniel S Fernandes
 
Conservação do ecossistema manguezal, a partir dos modos de uso pela comunida...
Conservação do ecossistema manguezal, a partir dos modos de uso pela comunida...Conservação do ecossistema manguezal, a partir dos modos de uso pela comunida...
Conservação do ecossistema manguezal, a partir dos modos de uso pela comunida...
Daniel S Fernandes
 
Plantas úteis da restinga o saber dos pescadores artesanais de arraial do ca...
Plantas úteis da restinga  o saber dos pescadores artesanais de arraial do ca...Plantas úteis da restinga  o saber dos pescadores artesanais de arraial do ca...
Plantas úteis da restinga o saber dos pescadores artesanais de arraial do ca...
Andre Benedito
 
Plantas úteis da restinga o saber dos pescadores artesanais de arraial do ca...
Plantas úteis da restinga  o saber dos pescadores artesanais de arraial do ca...Plantas úteis da restinga  o saber dos pescadores artesanais de arraial do ca...
Plantas úteis da restinga o saber dos pescadores artesanais de arraial do ca...
Andre Benedito
 
O risco da insegurança alimentar: os vinhos do Vale do Juruá
O risco da insegurança alimentar: os vinhos do Vale do JuruáO risco da insegurança alimentar: os vinhos do Vale do Juruá
O risco da insegurança alimentar: os vinhos do Vale do Juruá
Augusto Rocha
 
italo_acr,+Marcelo+Romarco+-+okMMMMM.pdf
italo_acr,+Marcelo+Romarco+-+okMMMMM.pdfitalo_acr,+Marcelo+Romarco+-+okMMMMM.pdf
italo_acr,+Marcelo+Romarco+-+okMMMMM.pdf
GLORIA PIRES
 
Artigo_Bioterra_V23_N2_04
Artigo_Bioterra_V23_N2_04Artigo_Bioterra_V23_N2_04
Artigo_Bioterra_V23_N2_04
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
500 perguntas e respostas pesca e pisicultura no pantanal - embrapa (2010)
500 perguntas e respostas   pesca e pisicultura no pantanal - embrapa (2010)500 perguntas e respostas   pesca e pisicultura no pantanal - embrapa (2010)
500 perguntas e respostas pesca e pisicultura no pantanal - embrapa (2010)
Z
 

Semelhante a Sem. de ecologia1 (20)

Arvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar Nativo
Arvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar NativoArvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar Nativo
Arvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar Nativo
 
Centro de Referência em Desenvolvimento Sustentável
Centro de Referência em Desenvolvimento SustentávelCentro de Referência em Desenvolvimento Sustentável
Centro de Referência em Desenvolvimento Sustentável
 
Relatório de atividades de áreas de soltura e monitoramento do Ibama no estad...
Relatório de atividades de áreas de soltura e monitoramento do Ibama no estad...Relatório de atividades de áreas de soltura e monitoramento do Ibama no estad...
Relatório de atividades de áreas de soltura e monitoramento do Ibama no estad...
 
Guia de fauna silvestre do município de São Sepé, Rio Grande do Sul: aves, ma...
Guia de fauna silvestre do município de São Sepé, Rio Grande do Sul: aves, ma...Guia de fauna silvestre do município de São Sepé, Rio Grande do Sul: aves, ma...
Guia de fauna silvestre do município de São Sepé, Rio Grande do Sul: aves, ma...
 
Sala Verde Inhotim Informativo 17
Sala Verde Inhotim   Informativo 17Sala Verde Inhotim   Informativo 17
Sala Verde Inhotim Informativo 17
 
Icmbio em foco 496
Icmbio em foco 496Icmbio em foco 496
Icmbio em foco 496
 
Etnoecologia e Etnobotânica
Etnoecologia e EtnobotânicaEtnoecologia e Etnobotânica
Etnoecologia e Etnobotânica
 
E-book_ConhecendoAPopulacaoRibeirinha.pdf
E-book_ConhecendoAPopulacaoRibeirinha.pdfE-book_ConhecendoAPopulacaoRibeirinha.pdf
E-book_ConhecendoAPopulacaoRibeirinha.pdf
 
Turismo ecológico
Turismo ecológicoTurismo ecológico
Turismo ecológico
 
PROJETO CENTRO DE RECREAÇÃO & LAGOA JOÃO RODRIGUES FERREIRA
PROJETO CENTRO DE RECREAÇÃO & LAGOA JOÃO RODRIGUES FERREIRAPROJETO CENTRO DE RECREAÇÃO & LAGOA JOÃO RODRIGUES FERREIRA
PROJETO CENTRO DE RECREAÇÃO & LAGOA JOÃO RODRIGUES FERREIRA
 
Livro - Diversidade Biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e orla do Guaíba...
Livro - Diversidade Biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e orla do Guaíba...Livro - Diversidade Biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e orla do Guaíba...
Livro - Diversidade Biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e orla do Guaíba...
 
Diversidade biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e Orla do Guaíba no Muni...
Diversidade biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e Orla do Guaíba no Muni...Diversidade biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e Orla do Guaíba no Muni...
Diversidade biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e Orla do Guaíba no Muni...
 
Conservação do ecossistema manguezal, a partir dos modos de uso pela comunid...
 Conservação do ecossistema manguezal, a partir dos modos de uso pela comunid... Conservação do ecossistema manguezal, a partir dos modos de uso pela comunid...
Conservação do ecossistema manguezal, a partir dos modos de uso pela comunid...
 
Conservação do ecossistema manguezal, a partir dos modos de uso pela comunida...
Conservação do ecossistema manguezal, a partir dos modos de uso pela comunida...Conservação do ecossistema manguezal, a partir dos modos de uso pela comunida...
Conservação do ecossistema manguezal, a partir dos modos de uso pela comunida...
 
Plantas úteis da restinga o saber dos pescadores artesanais de arraial do ca...
Plantas úteis da restinga  o saber dos pescadores artesanais de arraial do ca...Plantas úteis da restinga  o saber dos pescadores artesanais de arraial do ca...
Plantas úteis da restinga o saber dos pescadores artesanais de arraial do ca...
 
Plantas úteis da restinga o saber dos pescadores artesanais de arraial do ca...
Plantas úteis da restinga  o saber dos pescadores artesanais de arraial do ca...Plantas úteis da restinga  o saber dos pescadores artesanais de arraial do ca...
Plantas úteis da restinga o saber dos pescadores artesanais de arraial do ca...
 
O risco da insegurança alimentar: os vinhos do Vale do Juruá
O risco da insegurança alimentar: os vinhos do Vale do JuruáO risco da insegurança alimentar: os vinhos do Vale do Juruá
O risco da insegurança alimentar: os vinhos do Vale do Juruá
 
italo_acr,+Marcelo+Romarco+-+okMMMMM.pdf
italo_acr,+Marcelo+Romarco+-+okMMMMM.pdfitalo_acr,+Marcelo+Romarco+-+okMMMMM.pdf
italo_acr,+Marcelo+Romarco+-+okMMMMM.pdf
 
Artigo_Bioterra_V23_N2_04
Artigo_Bioterra_V23_N2_04Artigo_Bioterra_V23_N2_04
Artigo_Bioterra_V23_N2_04
 
500 perguntas e respostas pesca e pisicultura no pantanal - embrapa (2010)
500 perguntas e respostas   pesca e pisicultura no pantanal - embrapa (2010)500 perguntas e respostas   pesca e pisicultura no pantanal - embrapa (2010)
500 perguntas e respostas pesca e pisicultura no pantanal - embrapa (2010)
 

Mais de Caetana Coevas

LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS EM ÁREA COM SISTEMA AGROFLO...
LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS EM ÁREA COM SISTEMA AGROFLO...LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS EM ÁREA COM SISTEMA AGROFLO...
LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS EM ÁREA COM SISTEMA AGROFLO...
Caetana Coevas
 
Indicadores ambientais
Indicadores ambientaisIndicadores ambientais
Indicadores ambientais
Caetana Coevas
 
Seminário bioquímica caetana
Seminário bioquímica caetanaSeminário bioquímica caetana
Seminário bioquímica caetana
Caetana Coevas
 
Fisiologia dos estômatos
Fisiologia dos estômatosFisiologia dos estômatos
Fisiologia dos estômatos
Caetana Coevas
 
Efeitos do extrato aquoso syzygium cumini
Efeitos do extrato aquoso  syzygium cuminiEfeitos do extrato aquoso  syzygium cumini
Efeitos do extrato aquoso syzygium cumini
Caetana Coevas
 
Contenção do fluxo gênico de plantas geneticamente modificadas
Contenção do fluxo gênico de plantas geneticamente modificadasContenção do fluxo gênico de plantas geneticamente modificadas
Contenção do fluxo gênico de plantas geneticamente modificadas
Caetana Coevas
 
Influência do sombreamento natural de duas espécies arbóreas
Influência do sombreamento natural de duas espécies arbóreasInfluência do sombreamento natural de duas espécies arbóreas
Influência do sombreamento natural de duas espécies arbóreas
Caetana Coevas
 
Resumo UC UFSCar Caetana
Resumo UC UFSCar CaetanaResumo UC UFSCar Caetana
Resumo UC UFSCar Caetana
Caetana Coevas
 

Mais de Caetana Coevas (8)

LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS EM ÁREA COM SISTEMA AGROFLO...
LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS EM ÁREA COM SISTEMA AGROFLO...LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS EM ÁREA COM SISTEMA AGROFLO...
LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS EM ÁREA COM SISTEMA AGROFLO...
 
Indicadores ambientais
Indicadores ambientaisIndicadores ambientais
Indicadores ambientais
 
Seminário bioquímica caetana
Seminário bioquímica caetanaSeminário bioquímica caetana
Seminário bioquímica caetana
 
Fisiologia dos estômatos
Fisiologia dos estômatosFisiologia dos estômatos
Fisiologia dos estômatos
 
Efeitos do extrato aquoso syzygium cumini
Efeitos do extrato aquoso  syzygium cuminiEfeitos do extrato aquoso  syzygium cumini
Efeitos do extrato aquoso syzygium cumini
 
Contenção do fluxo gênico de plantas geneticamente modificadas
Contenção do fluxo gênico de plantas geneticamente modificadasContenção do fluxo gênico de plantas geneticamente modificadas
Contenção do fluxo gênico de plantas geneticamente modificadas
 
Influência do sombreamento natural de duas espécies arbóreas
Influência do sombreamento natural de duas espécies arbóreasInfluência do sombreamento natural de duas espécies arbóreas
Influência do sombreamento natural de duas espécies arbóreas
 
Resumo UC UFSCar Caetana
Resumo UC UFSCar CaetanaResumo UC UFSCar Caetana
Resumo UC UFSCar Caetana
 

Sem. de ecologia1

  • 1. Qual a relação dos moradores do Bairro Boa Vista com a Mata Atlântica? Alunos: Alan, Alessandra, Caetana, Roseli e Tâmara Fatec Capão Bonito – Tecnologia em Silvicultura Disciplina: Ecologia Florestal – 2º semestre / 2010
  • 2. Introdução A rica biodiversidade brasileira encontra-se resguarda em Unidades de Conservação que por sinal assumem um papel significativo na preservação de ecossistemas, habitats e espécies em extinção.
  • 3.  O bairro Boa Vista encontra-se localizado no município de Ribeirão Grande.  O município de Ribeirão Grande é cercado por mata atlântica com cerca de 40% de sua área territorial, faz divisa com Capão Bonito, Guapiara, Iporanga e Eldorado.
  • 4.  O município conta com uma população de 7.393 habitantes, possui grande potencial turístico, pois conta com belas paisagens, em destaque a Fazenda Paraíso e o Parque Estadual Intervales.
  • 5. Mapa de Acesso Mapa de Acesso Mapa: Plano de Manejo Intervales – Acesso PEI
  • 6. Justificativa Conhecer as características da população que vive no entorno do Parque Estadual Intervales , bem como a relação desses moradores com a mata e a importância da mesma em suas vidas.
  • 7. Objetivos O Objetivo é determinar através da analise amostral da população qual é o perfil das pessoas que vivem nos arredores de unidades de conversão, sua visão em relação a importância e valor da conservação das espécies vegetais e animas presentes nessas áreas.
  • 8. Materiais e métodos O método utilizado foi a realização de entrevistas com os moradores do bairro. Foram realizadas 10 entrevistas em outubro de 2010. O questionário é composto de 17 perguntas relacionadas as ao cotidiano dos moradores e tempo de residência no município.
  • 9. Resultados  Dos entrevistados a maioria estava na faixa entre 40 e 50 anos, casados, 40% residem a mais de 40 anos no bairro.  A média de morador por residência é de 2, 5 pessoas.  44% dos entrevistados trabalham na propriedade, 20% trabalham no Parque, 16% exercem outras atividades e 20% não trabalham.
  • 10. Resultados  Entre os moradores 60% fazem uso de plantas. (chá, infusões, garrafadas).  Dentre as plantas citadas pelos moradores, e das quais relatam fazer uso estão:  hortelã (100%), arruda(60%), alecrim (40%),losma (30%) e espada de São Jorge (20%), entre outras.
  • 11. Resultados  Dos moradores entrevistados 100% caminham pelas trilhas do Parque; 80% pescam e 20% já trabalharam em coletas de sementes no Parque.  Ao serem questionados sobre a presença de animais existente na mata, 100% responderam que já viram inúmeras espécies.
  • 12. Conclusões  A experiência cotidiana dos moradores com mata é resultado das atividades outrora praticadas muitas das quais hoje em dia são consideradas impactantes, como caça, a pesca, extração de madeira.  Os moradores locais não visualizam o Parque como agente de desenvolvimento local e sua importância na área de estudos e pesquisas científicas .  A falta de oportunidade na comunidade local causa um êxodo entre os mais jovens, sendo a população predominantemente adulta.
  • 13. Sugestões: Incentivo ao Turismo Rural Incentivo à projetos de Educação Ambiental Criação de uma unidade de capacitação de jovens Criação de um Mini Museu Criação de uma Casa de Artesanato
  • 14. Referência Bibliográfica PLANO DE MANEJO DO PARQUE ESTADUAL INTERVALES / VOLUME PRINCIPAL Período de elaboração: Setembro/2006 a Setembro/2008 Aprovação: Deliberação CONSEMA nº 08 de 18 de fevereiro de 2009 BIOMA MATA ATLÂNTICA http://www.ibflorestas.org.br/pt/bioma-mata-atlantica.html