SlideShare uma empresa Scribd logo
Unes, Multivix / Cachoeiro de Itapemirim –ES, junho de 2015
Alunos: Lucas Cevolane, Monique Coelho Pianes, Mariana Sessa De
Oliveira, Princia Ribeiro Martins e Sabrina Marinato Donateli
A expressão oral, uma
introdução. A cada dia nos deparamos com novas oportunidades cujas
devemos estar preparados para conquistá-las. Um dos grandes
erros cometidos mediantes a oportunidades é a má expressão oral,
seja por medo, falta de hábito, vergonha, despreparo, erros
dialéticos,dentre outras mais. Pensando nisso neste pequeno
vídeo, demonstraremos algumas dicas de como preceder em
algumas situações para que você se saia bem em qualquer
contexto.
Faça do seu jeito.
 Não importa onde ou o quanto tempo você
irá falar, cada indivíduo tem seu jeito de
expressar-se e utiliza de artifícios para
fazê-lo, seja uma colinha, tópicos,
imagens, costumes, sempre haverá uma
maneira de familiarizar-se com a situação
necessária de acordo com o contexto.
Evite situações.
 Alguns erros podem ser evitados para que não haja
constrangimento ou vergonha, cada situação possui a
devida maneira de ser expressada, por isso devemos
sempre nos preparar.
Prepare-se sempre.
 Busque de que maneira se sente melhor para se expressar,
de modo que sinta-se bem para realizar tal tarefa em
qualquer hora, ambiente ou situação esse é um dos passos
para uma boa performance.
Treine.
 O treinamento leva a perfeição, por isso é importante treinar,
rever os tópicos, ler as anotações, revisar o conteúdo, desta
forma podemos encontrar erros e falhas de modo a corrigir e
aprimorar nossa desenvoltura, além de preparar cada vez
mais nosso cérebro para a futura ocasião
Ainda com dúvidas ?
Não se desespere, nós vamos
ajudar!
Aqui vai algumas técnicas e
dicas para lhe ajudar.
Técnicas para falar em
público
Técnicas para falar em
público.
 Poderia dizer sem hesitar que talvez a melhor técnica
existente para se comunicar em público é aquela que faz
com que possamos nos sentir a vontade, seja através de
anotações, através de tópicos ou até mesmo através de
decorar o que tem que ser dito.
Técnicas para falar em
público. Independente da técnica usada pelo orador, ou seja, por aquele
que ministra a fala, o importante é que seja bem ministrada, bem
explicada, o importante mesmo, até poderia ser mais ousada em
dizer, é fazer com que o público entenda o que o orador pretende
passar, o que ele pretende fazer com que todos entendam.
 Para que isso ocorra é importante haver conhecimento a respeito
do que se fala, para melhor lhe dar com imprevistos e perguntas.
Técnicas para falar em
público. Tenha calma, cumprimente os presentes, antes de começar
repasse o roteiro com um conhecido. Interaja um pouco e fuja do
nervosismo.
 É importante que antes de falar em público, seja por meio de
apresentação de um trabalho, ou um discurso, é treinar bastante,
ler e reler o conteúdo várias vezes e ter a certeza de que no
momento certo ele será bem aceito pelo ouvinte, e bem explicado
pelo orador, é importante também que o orador tenha um contato
visual que se sinta a vontade com o público para que o público
sinta-se a vontade com o orador.
Técnicas para falar em
público. Existe um cuidado que precisa ser enfatizado que é o fato de o
discurso precisar se adequar as circunstâncias, neste caso, e em
vários outros podemos indicar que diante a circunstância de se
falar em grupo tudo precisa ser aproveitado, o discurso precisa
obedecer ao ambiente, ao público e ate mesmo as circunstâncias
que estão envolvidas.
Técnicas para falar de
improviso.
Técnicas para falar de
improviso.
 Falar em público é considerado um desafio para muitas
pessoas principalmente se forem pegas de surpresa.
 Para isso é preciso que haja algumas técnicas para que
tudo ocorra de forma correta e para que não haja uma visão
de irresponsabilidade e motivo de vergonha.
 Tente criar uma ponte entre o assunto falado e algo de seu
conhecimento.
 Para estas situações é sempre bom ter
uma caneta e um papel em mãos, para
anotar as idéias sobre o tema que será
abordado.
Técnicas para falar de
improviso.
 É preciso reconhecer de que o profissional não
está realmente preparado, mas que de forma
profissional ele irá buscar formas de encarar esse
momento e se preparar.
Técnicas para falar de
improviso.
 Ter um pouco de domínio do assunto também é
importante, para que o público reconheça que o
profissional sabe o que realmente está falando.
Técnicas para falar de
improviso.
 É importante também ter uma frase para começar
e uma para terminar, causando impacto no público
e dando uma direção ao profissional no discurso.
 E por último tenha uma boa dicção e entonação,
procure manter a calma e suas ideias no lugar.
Técnicas para falar de
improviso.
Técnicas para ler em
público.
Técnicas para ler em público.
 Evite ficar olhando constantemente para suas
anotações, foque os ouvintes pois as mensagens
são para eles.
 Ao final de períodos ou parágrafos direcione o olhar ao
publico, isto demonstra que sua leitura é para eles.
 Não foque seu olhar sempre nos mesmo indivíduos,
distribua e muito cuidado para não se perder na leitura.
Técnicas para ler em público.
 Mantenha seu texto posicionado próximo ao peito
(como a imagem abaixo) e busque formas auxilio
a visualização (réguas, textos digitados em fontes
grandes e etc.).
Técnicas para ler em público.
 A gesticulação na leitura pode ser uma boa
interação, mas se usada de forma errada pode
haver prejuízos, por isso devemos ter cuidado
com os gestos.
Técnicas para ler em público.
 Saiba tonificar adequadamente palavras ou frases
que mereçam ênfases.
 Uma dica útil é utilizar folhas grossas como
cartolinas para disfarçar os tremores do
nervosismo.
Técnicas para ler em público.
Técnicas para ler em público.
 Exercite sua leitura diariamente para uma melhor
dicção.
 Marque pontos relevantes.
 Grave seus treinos e analise o que pode ser
melhorado.
 Atenção á pontuação e gramática.
 Uma boa leitura de um texto requer várias
repetições.
 Deixe as laudas soltas para melhor manejo.
 Utilize letras e números para facilitar.
 Numere as laudas de forma visível.
 Utilize letras de fácil visualização.
 Encerre a pagina com ponto final.
Situações em que a leitura é bem vinda:
 Pronunciamentos oficiais
 Textos técnicos
 Discursos de despedidas oficiais
 Agradecimentos específicos
 Discursos de oradores de turma
 Etc.
Técnicas para ler em público.
Técnicas de apresentação
em sala de aula.
Técnicas de apresentação em
sala de aula.
 A apresentação em sala de aula é capaz de
desenvolver a comunicação, que pode auxiliar na
vida profissional.
 Caso há disponibilidade de escolha dm tema, o tema deve
ser escolhido baseado em assuntos de seu conhecimento,
interesse, área profissional, temas que tenham ligações com
você, assim dominará o assunto, uma vez que tenha a
liberdade da escolha.
Técnicas de apresentação em
sala de aula.
Técnicas de apresentação em
sala de aula.
 E quando você NÃO tem a liberdade de
escolher o tema?
 Complicou, pois nem sempre o tema sorteado
para você é de seu conhecimento. A dica é
tornar esse tema íntimo seu, aproximar-se
dele, talvez compará-lo com matérias
relacionadas ao tema que seja de seu
conhecimento.
 Digamos que seu tema fosse sobre “Tecidos”
e você tivesse experiência nos tipos de roupas
são mais confortáveis, poderia fazer essa
relação citando suas roupas que gosta e qual
tecido foi utilizado.
Técnicas de apresentação em
sala de aula.
 Busque despertar o interesse, curiosidade e
expectativa para que os ouvintes optem por
assistir sua apresentação.
Técnicas de apresentação em
sala de aula.
 Para não se limitar apenas a um artigo, caso o tema não
possua muitas opções, pode buscar outro tema apoio que te
ajude a organizar o raciocínio, te dando mais argumentos
para sua apresentação. Encaixe as partes até formar um
todo.
Técnicas de apresentação em
sala de aula.
 É importante ressaltar que quando você pensa em um
assunto, para escrever sobre ele é diferente de pensar,
imagine apresentá-lo, totalmente diferente. Por esse motivo,
é importante dedicar um tempo para apresentar o trabalho
para si, em voz alta, não deve falar palavras por palavras
para não gravar e ficar artificial.
Técnicas de apresentação em
sala de aula.
Dicas:
 Volume de voz adequado, para quem
estiver no fundo ouvir;
 Olhar para todos da sala;
 Falar com naturalidade;
 Fazer introdução sobre o tema;
 Concluir o trabalho.
Técnicas para melhorar o
vocabulário.
Técnicas para melhorar o
vocabulário.
 Para falar com fluência e desembaraço,
deve praticas a comunicação oral.
Técnicas para melhorar o
vocabulário.
 Uma maneira de melhorar o vocabulário e
conhecer palavras novas é lendo artigos de
jornais e revistas, e comentar sobre o que acaba
de ler.
Técnicas para melhorar o
vocabulário.
Dicas:
 Anotar palavras desconhecidas;
 Pesquisar o significado;
 Escrever frases com palavras novas;
 Incluir novas palavras na conversa.
Técnicas para falar em
reuniões.
Técnicas para falar em
reuniões. Falar em reuniões, as vezes se torna algo muito
complicado, tanto para quem ministra como para o ouvinte,
quem nunca teve medo? Quem nuca teve nervosismo,
ansiedade ou “tremeu” diante das pessoas? Muitos se
sentem assim, mas com um pouco mais de organização,
dedicação para o preparo de sua fala, esses problemas
podem ser resolvidos.
 Ao iniciar uma reunião, exponha o assunto abordado e
mostre os objetivos da mesma. Esta atitude é de muita
importância, pois já leva o pensamento dos ouvintes ao
assunto, e assim focando-os.
Técnicas para falar em
reuniões.
 Fale com todos que estiverem presente, buscando
olhar para todos, assim transmitindo atenção a
eles. Não se limite a olhar pra uma só pessoa, ou
quando alguém faz uma pergunta , não responda
somente a ela , responda para todos presentes.
Os ouvintes precisam se sentir incluídos .
 Muito cuidado com a linguagem corporal, saber
interagir através de gestos com o corpo é algo
muito interessante, não se prenda só as
apalavras. Demonstre seu interesse ou aprovação
também quando o ouvinte fala , confirmando com
a cabeça, mexendo a sobrancelha, fazendo
contato visual em geral.
Técnicas para falar em
reuniões.
 De atenção as idéias dos outros , tente ver os
pontos positivos dele, não fique criticando,
comente de forma argumentativa.
Técnicas para falar em
reuniões.
 Certamente a Reunião tem um tempo previsto. Siga esse
tempo, seja claro, objetivo aproveite o tempo que lhe foi
proposto, esse cuidado de não exceder o tempo gera mais
credibilidade, os ouvintes não ficarão preocupados com o
horário, pois sabem que “ você” cumpre o estipulado, assim
ficaram atenciosos a sua fala, e isso demonstra respeito.
Técnicas para falar em
reuniões.
Equilíbrio é fundamental. Seja
detalhista mais não roube todo o
tempo para sua fala, de espaço
aos ouvintes para que falem ,
tirem duvidas, é preciso que fique
claro a eles a mensagem
transmitida, incentive os
comentários, mas atenção para
que não perca o seu foco
mediantes a possíveis perguntas
vazias.
Técnicas para entrevistas
de emprego.
Técnicas para entrevistas de
emprego.
 Nunca fale mal da empresa atual em que você trabalha, isto
remete a funcionário ruim, que depreda a imagem da
empresa em que atua.
Técnicas para entrevistas de
emprego.
 Fale naturalmente, sem medo ou nervosismo.
 Cuidado com gesticulações e sinais de nervosismo.
 Procure saber o que a empresa espera de um
funcionário.
 Evite utilizar gírias.
 Demonstre postura e firmeza.
 Cuidado com mentiras e contradições
 Dê atenção a suas vestes para entrevista pois a
empresa zela por uma boa imagem
 Nunca fale mal de ex-patrões ou ex-colegas de
emprego.
 Seja claro em suas respostas, sem redundâncias.
 Saiba ouvir e interpretar.
Encerrando.
 Esperamos ter ajudo com algumas
dicas de como expressar-se mediante
situações diversas. A boa comunicação
deve ser exercida em todas as áreas,
evitando ruídos e erros que podem ser
contornados.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conto
ContoConto
A argumentacao
A argumentacaoA argumentacao
A argumentacao
wanderaula
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
ISJ
 
Seminário
SeminárioSeminário
Seminário
Arão Sousa Lima
 
Período simples e período composto
Período simples e período compostoPeríodo simples e período composto
Período simples e período composto
andreiaarruda
 
Slide relatório (estrutura)
Slide relatório (estrutura)Slide relatório (estrutura)
Slide relatório (estrutura)
Jerfson Abreu Brito
 
FATORES DA TEXTUALIDADE
FATORES DA TEXTUALIDADEFATORES DA TEXTUALIDADE
FATORES DA TEXTUALIDADE
haronheraclio
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Andriane Cursino
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Verônica Carvalho
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
Abrahão Costa de Freitas
 
Metrificação e escansão
Metrificação e escansãoMetrificação e escansão
Metrificação e escansão
Flavio Maia Custodio
 
Como Apresentar um Seminário Acadêmico
Como Apresentar um Seminário AcadêmicoComo Apresentar um Seminário Acadêmico
Como Apresentar um Seminário Acadêmico
Rafael Gonçalves Lima
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Valeria Nunes
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
Marcelo Cordeiro Souza
 
Conectores discurso
Conectores discursoConectores discurso
Conectores discurso
sofiax
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Tópico frasal - parágrafos
Tópico frasal - parágrafosTópico frasal - parágrafos
Tópico frasal - parágrafos
Gedalias .
 
Redação enem
Redação enemRedação enem
Redação enem
Josi Motta
 
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
Carlos Fabiano de Souza
 
Produção de Texto
Produção de TextoProdução de Texto
Produção de Texto
Editora Moderna
 

Mais procurados (20)

Conto
ContoConto
Conto
 
A argumentacao
A argumentacaoA argumentacao
A argumentacao
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Seminário
SeminárioSeminário
Seminário
 
Período simples e período composto
Período simples e período compostoPeríodo simples e período composto
Período simples e período composto
 
Slide relatório (estrutura)
Slide relatório (estrutura)Slide relatório (estrutura)
Slide relatório (estrutura)
 
FATORES DA TEXTUALIDADE
FATORES DA TEXTUALIDADEFATORES DA TEXTUALIDADE
FATORES DA TEXTUALIDADE
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
Metrificação e escansão
Metrificação e escansãoMetrificação e escansão
Metrificação e escansão
 
Como Apresentar um Seminário Acadêmico
Como Apresentar um Seminário AcadêmicoComo Apresentar um Seminário Acadêmico
Como Apresentar um Seminário Acadêmico
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
 
Conectores discurso
Conectores discursoConectores discurso
Conectores discurso
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Tópico frasal - parágrafos
Tópico frasal - parágrafosTópico frasal - parágrafos
Tópico frasal - parágrafos
 
Redação enem
Redação enemRedação enem
Redação enem
 
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
 
Produção de Texto
Produção de TextoProdução de Texto
Produção de Texto
 

Semelhante a Expressão oral

10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO
10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO
10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO
AgriPoint
 
Técnicas para falar em grupo
Técnicas para falar em grupoTécnicas para falar em grupo
Técnicas para falar em grupo
pgjaoa
 
Comunicacao em-publico
Comunicacao em-publicoComunicacao em-publico
Comunicacao em-publico
Rubens de Almeida
 
Referencial apresentação oral 2
Referencial   apresentação oral 2Referencial   apresentação oral 2
Referencial apresentação oral 2
LUIS ABREU
 
Dicas para apresentar seminarios
Dicas para apresentar seminariosDicas para apresentar seminarios
Dicas para apresentar seminarios
Ana Valeria Silva
 
Como fazer boas apresentações
Como fazer boas apresentaçõesComo fazer boas apresentações
Como fazer boas apresentações
isabeloliveira1956
 
Tecnicas de Oratória.
Tecnicas de Oratória.Tecnicas de Oratória.
Tecnicas de Oratória.
Raimundo Nonato
 
SEMINÁRIO
SEMINÁRIOSEMINÁRIO
SEMINÁRIO
RenatoSantos87
 
SEMINÁRIO
SEMINÁRIOSEMINÁRIO
SEMINÁRIO
RenatoSantos87
 
Oratória
OratóriaOratória
Oratória
Oratória Oratória
ESTAMOS AO VIVO | Construindo a Oratória
ESTAMOS AO VIVO | Construindo a OratóriaESTAMOS AO VIVO | Construindo a Oratória
ESTAMOS AO VIVO | Construindo a Oratória
Sergio Henrique Caliani
 
Palestra - Dicas para Professores
Palestra - Dicas para ProfessoresPalestra - Dicas para Professores
Palestra - Dicas para Professores
Celso Derisso
 
Como falar em público otimo
Como falar em público  otimoComo falar em público  otimo
Como falar em público otimo
Taiane Cabral
 
Apostila de oratória
Apostila de oratóriaApostila de oratória
Apostila de oratória
Ana Paula Bevilacqua
 
Apresentação comunicação oral
Apresentação comunicação oralApresentação comunicação oral
Apresentação comunicação oral
nilzilenelucindo
 
CGE - CONSULTORIA DE GESTÃO EMPRESARIAL - TREINAMENTO GERENCIAL
CGE - CONSULTORIA DE GESTÃO EMPRESARIAL - TREINAMENTO GERENCIAL CGE - CONSULTORIA DE GESTÃO EMPRESARIAL - TREINAMENTO GERENCIAL
CGE - CONSULTORIA DE GESTÃO EMPRESARIAL - TREINAMENTO GERENCIAL
R Gómez
 
Oratória i
Oratória iOratória i
Oratória i
Ricardo Gondim
 
Fazendo a diferença
Fazendo a diferençaFazendo a diferença
Fazendo a diferença
Cléia Carvalho
 
Oratória: A execlência para falar em público
Oratória: A execlência para falar em públicoOratória: A execlência para falar em público
Oratória: A execlência para falar em público
Gislene Isquierdo
 

Semelhante a Expressão oral (20)

10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO
10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO
10 DICAS PARA FALAR EM PÚBLICO
 
Técnicas para falar em grupo
Técnicas para falar em grupoTécnicas para falar em grupo
Técnicas para falar em grupo
 
Comunicacao em-publico
Comunicacao em-publicoComunicacao em-publico
Comunicacao em-publico
 
Referencial apresentação oral 2
Referencial   apresentação oral 2Referencial   apresentação oral 2
Referencial apresentação oral 2
 
Dicas para apresentar seminarios
Dicas para apresentar seminariosDicas para apresentar seminarios
Dicas para apresentar seminarios
 
Como fazer boas apresentações
Como fazer boas apresentaçõesComo fazer boas apresentações
Como fazer boas apresentações
 
Tecnicas de Oratória.
Tecnicas de Oratória.Tecnicas de Oratória.
Tecnicas de Oratória.
 
SEMINÁRIO
SEMINÁRIOSEMINÁRIO
SEMINÁRIO
 
SEMINÁRIO
SEMINÁRIOSEMINÁRIO
SEMINÁRIO
 
Oratória
OratóriaOratória
Oratória
 
Oratória
Oratória Oratória
Oratória
 
ESTAMOS AO VIVO | Construindo a Oratória
ESTAMOS AO VIVO | Construindo a OratóriaESTAMOS AO VIVO | Construindo a Oratória
ESTAMOS AO VIVO | Construindo a Oratória
 
Palestra - Dicas para Professores
Palestra - Dicas para ProfessoresPalestra - Dicas para Professores
Palestra - Dicas para Professores
 
Como falar em público otimo
Como falar em público  otimoComo falar em público  otimo
Como falar em público otimo
 
Apostila de oratória
Apostila de oratóriaApostila de oratória
Apostila de oratória
 
Apresentação comunicação oral
Apresentação comunicação oralApresentação comunicação oral
Apresentação comunicação oral
 
CGE - CONSULTORIA DE GESTÃO EMPRESARIAL - TREINAMENTO GERENCIAL
CGE - CONSULTORIA DE GESTÃO EMPRESARIAL - TREINAMENTO GERENCIAL CGE - CONSULTORIA DE GESTÃO EMPRESARIAL - TREINAMENTO GERENCIAL
CGE - CONSULTORIA DE GESTÃO EMPRESARIAL - TREINAMENTO GERENCIAL
 
Oratória i
Oratória iOratória i
Oratória i
 
Fazendo a diferença
Fazendo a diferençaFazendo a diferença
Fazendo a diferença
 
Oratória: A execlência para falar em público
Oratória: A execlência para falar em públicoOratória: A execlência para falar em público
Oratória: A execlência para falar em público
 

Último

REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 

Último (20)

REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 

Expressão oral

  • 1. Unes, Multivix / Cachoeiro de Itapemirim –ES, junho de 2015 Alunos: Lucas Cevolane, Monique Coelho Pianes, Mariana Sessa De Oliveira, Princia Ribeiro Martins e Sabrina Marinato Donateli
  • 2. A expressão oral, uma introdução. A cada dia nos deparamos com novas oportunidades cujas devemos estar preparados para conquistá-las. Um dos grandes erros cometidos mediantes a oportunidades é a má expressão oral, seja por medo, falta de hábito, vergonha, despreparo, erros dialéticos,dentre outras mais. Pensando nisso neste pequeno vídeo, demonstraremos algumas dicas de como preceder em algumas situações para que você se saia bem em qualquer contexto.
  • 3. Faça do seu jeito.  Não importa onde ou o quanto tempo você irá falar, cada indivíduo tem seu jeito de expressar-se e utiliza de artifícios para fazê-lo, seja uma colinha, tópicos, imagens, costumes, sempre haverá uma maneira de familiarizar-se com a situação necessária de acordo com o contexto.
  • 4. Evite situações.  Alguns erros podem ser evitados para que não haja constrangimento ou vergonha, cada situação possui a devida maneira de ser expressada, por isso devemos sempre nos preparar.
  • 5. Prepare-se sempre.  Busque de que maneira se sente melhor para se expressar, de modo que sinta-se bem para realizar tal tarefa em qualquer hora, ambiente ou situação esse é um dos passos para uma boa performance.
  • 6. Treine.  O treinamento leva a perfeição, por isso é importante treinar, rever os tópicos, ler as anotações, revisar o conteúdo, desta forma podemos encontrar erros e falhas de modo a corrigir e aprimorar nossa desenvoltura, além de preparar cada vez mais nosso cérebro para a futura ocasião
  • 8. Não se desespere, nós vamos ajudar!
  • 9. Aqui vai algumas técnicas e dicas para lhe ajudar.
  • 10. Técnicas para falar em público
  • 11. Técnicas para falar em público.  Poderia dizer sem hesitar que talvez a melhor técnica existente para se comunicar em público é aquela que faz com que possamos nos sentir a vontade, seja através de anotações, através de tópicos ou até mesmo através de decorar o que tem que ser dito.
  • 12. Técnicas para falar em público. Independente da técnica usada pelo orador, ou seja, por aquele que ministra a fala, o importante é que seja bem ministrada, bem explicada, o importante mesmo, até poderia ser mais ousada em dizer, é fazer com que o público entenda o que o orador pretende passar, o que ele pretende fazer com que todos entendam.  Para que isso ocorra é importante haver conhecimento a respeito do que se fala, para melhor lhe dar com imprevistos e perguntas.
  • 13. Técnicas para falar em público. Tenha calma, cumprimente os presentes, antes de começar repasse o roteiro com um conhecido. Interaja um pouco e fuja do nervosismo.  É importante que antes de falar em público, seja por meio de apresentação de um trabalho, ou um discurso, é treinar bastante, ler e reler o conteúdo várias vezes e ter a certeza de que no momento certo ele será bem aceito pelo ouvinte, e bem explicado pelo orador, é importante também que o orador tenha um contato visual que se sinta a vontade com o público para que o público sinta-se a vontade com o orador.
  • 14. Técnicas para falar em público. Existe um cuidado que precisa ser enfatizado que é o fato de o discurso precisar se adequar as circunstâncias, neste caso, e em vários outros podemos indicar que diante a circunstância de se falar em grupo tudo precisa ser aproveitado, o discurso precisa obedecer ao ambiente, ao público e ate mesmo as circunstâncias que estão envolvidas.
  • 15. Técnicas para falar de improviso.
  • 16. Técnicas para falar de improviso.  Falar em público é considerado um desafio para muitas pessoas principalmente se forem pegas de surpresa.  Para isso é preciso que haja algumas técnicas para que tudo ocorra de forma correta e para que não haja uma visão de irresponsabilidade e motivo de vergonha.  Tente criar uma ponte entre o assunto falado e algo de seu conhecimento.
  • 17.  Para estas situações é sempre bom ter uma caneta e um papel em mãos, para anotar as idéias sobre o tema que será abordado. Técnicas para falar de improviso.
  • 18.  É preciso reconhecer de que o profissional não está realmente preparado, mas que de forma profissional ele irá buscar formas de encarar esse momento e se preparar. Técnicas para falar de improviso.
  • 19.  Ter um pouco de domínio do assunto também é importante, para que o público reconheça que o profissional sabe o que realmente está falando. Técnicas para falar de improviso.
  • 20.  É importante também ter uma frase para começar e uma para terminar, causando impacto no público e dando uma direção ao profissional no discurso.  E por último tenha uma boa dicção e entonação, procure manter a calma e suas ideias no lugar. Técnicas para falar de improviso.
  • 21. Técnicas para ler em público.
  • 22. Técnicas para ler em público.  Evite ficar olhando constantemente para suas anotações, foque os ouvintes pois as mensagens são para eles.
  • 23.  Ao final de períodos ou parágrafos direcione o olhar ao publico, isto demonstra que sua leitura é para eles.  Não foque seu olhar sempre nos mesmo indivíduos, distribua e muito cuidado para não se perder na leitura. Técnicas para ler em público.
  • 24.  Mantenha seu texto posicionado próximo ao peito (como a imagem abaixo) e busque formas auxilio a visualização (réguas, textos digitados em fontes grandes e etc.). Técnicas para ler em público.
  • 25.  A gesticulação na leitura pode ser uma boa interação, mas se usada de forma errada pode haver prejuízos, por isso devemos ter cuidado com os gestos. Técnicas para ler em público.
  • 26.  Saiba tonificar adequadamente palavras ou frases que mereçam ênfases.  Uma dica útil é utilizar folhas grossas como cartolinas para disfarçar os tremores do nervosismo. Técnicas para ler em público.
  • 27. Técnicas para ler em público.  Exercite sua leitura diariamente para uma melhor dicção.  Marque pontos relevantes.  Grave seus treinos e analise o que pode ser melhorado.  Atenção á pontuação e gramática.  Uma boa leitura de um texto requer várias repetições.  Deixe as laudas soltas para melhor manejo.  Utilize letras e números para facilitar.  Numere as laudas de forma visível.  Utilize letras de fácil visualização.  Encerre a pagina com ponto final.
  • 28. Situações em que a leitura é bem vinda:  Pronunciamentos oficiais  Textos técnicos  Discursos de despedidas oficiais  Agradecimentos específicos  Discursos de oradores de turma  Etc. Técnicas para ler em público.
  • 30. Técnicas de apresentação em sala de aula.  A apresentação em sala de aula é capaz de desenvolver a comunicação, que pode auxiliar na vida profissional.
  • 31.  Caso há disponibilidade de escolha dm tema, o tema deve ser escolhido baseado em assuntos de seu conhecimento, interesse, área profissional, temas que tenham ligações com você, assim dominará o assunto, uma vez que tenha a liberdade da escolha. Técnicas de apresentação em sala de aula.
  • 32. Técnicas de apresentação em sala de aula.  E quando você NÃO tem a liberdade de escolher o tema?  Complicou, pois nem sempre o tema sorteado para você é de seu conhecimento. A dica é tornar esse tema íntimo seu, aproximar-se dele, talvez compará-lo com matérias relacionadas ao tema que seja de seu conhecimento.  Digamos que seu tema fosse sobre “Tecidos” e você tivesse experiência nos tipos de roupas são mais confortáveis, poderia fazer essa relação citando suas roupas que gosta e qual tecido foi utilizado.
  • 33. Técnicas de apresentação em sala de aula.  Busque despertar o interesse, curiosidade e expectativa para que os ouvintes optem por assistir sua apresentação.
  • 34. Técnicas de apresentação em sala de aula.  Para não se limitar apenas a um artigo, caso o tema não possua muitas opções, pode buscar outro tema apoio que te ajude a organizar o raciocínio, te dando mais argumentos para sua apresentação. Encaixe as partes até formar um todo.
  • 35. Técnicas de apresentação em sala de aula.  É importante ressaltar que quando você pensa em um assunto, para escrever sobre ele é diferente de pensar, imagine apresentá-lo, totalmente diferente. Por esse motivo, é importante dedicar um tempo para apresentar o trabalho para si, em voz alta, não deve falar palavras por palavras para não gravar e ficar artificial.
  • 36. Técnicas de apresentação em sala de aula. Dicas:  Volume de voz adequado, para quem estiver no fundo ouvir;  Olhar para todos da sala;  Falar com naturalidade;  Fazer introdução sobre o tema;  Concluir o trabalho.
  • 37. Técnicas para melhorar o vocabulário.
  • 38. Técnicas para melhorar o vocabulário.  Para falar com fluência e desembaraço, deve praticas a comunicação oral.
  • 39. Técnicas para melhorar o vocabulário.  Uma maneira de melhorar o vocabulário e conhecer palavras novas é lendo artigos de jornais e revistas, e comentar sobre o que acaba de ler.
  • 40. Técnicas para melhorar o vocabulário. Dicas:  Anotar palavras desconhecidas;  Pesquisar o significado;  Escrever frases com palavras novas;  Incluir novas palavras na conversa.
  • 41. Técnicas para falar em reuniões.
  • 42. Técnicas para falar em reuniões. Falar em reuniões, as vezes se torna algo muito complicado, tanto para quem ministra como para o ouvinte, quem nunca teve medo? Quem nuca teve nervosismo, ansiedade ou “tremeu” diante das pessoas? Muitos se sentem assim, mas com um pouco mais de organização, dedicação para o preparo de sua fala, esses problemas podem ser resolvidos.
  • 43.  Ao iniciar uma reunião, exponha o assunto abordado e mostre os objetivos da mesma. Esta atitude é de muita importância, pois já leva o pensamento dos ouvintes ao assunto, e assim focando-os. Técnicas para falar em reuniões.
  • 44.  Fale com todos que estiverem presente, buscando olhar para todos, assim transmitindo atenção a eles. Não se limite a olhar pra uma só pessoa, ou quando alguém faz uma pergunta , não responda somente a ela , responda para todos presentes. Os ouvintes precisam se sentir incluídos .  Muito cuidado com a linguagem corporal, saber interagir através de gestos com o corpo é algo muito interessante, não se prenda só as apalavras. Demonstre seu interesse ou aprovação também quando o ouvinte fala , confirmando com a cabeça, mexendo a sobrancelha, fazendo contato visual em geral. Técnicas para falar em reuniões.
  • 45.  De atenção as idéias dos outros , tente ver os pontos positivos dele, não fique criticando, comente de forma argumentativa. Técnicas para falar em reuniões.
  • 46.  Certamente a Reunião tem um tempo previsto. Siga esse tempo, seja claro, objetivo aproveite o tempo que lhe foi proposto, esse cuidado de não exceder o tempo gera mais credibilidade, os ouvintes não ficarão preocupados com o horário, pois sabem que “ você” cumpre o estipulado, assim ficaram atenciosos a sua fala, e isso demonstra respeito. Técnicas para falar em reuniões. Equilíbrio é fundamental. Seja detalhista mais não roube todo o tempo para sua fala, de espaço aos ouvintes para que falem , tirem duvidas, é preciso que fique claro a eles a mensagem transmitida, incentive os comentários, mas atenção para que não perca o seu foco mediantes a possíveis perguntas vazias.
  • 48. Técnicas para entrevistas de emprego.  Nunca fale mal da empresa atual em que você trabalha, isto remete a funcionário ruim, que depreda a imagem da empresa em que atua.
  • 49. Técnicas para entrevistas de emprego.  Fale naturalmente, sem medo ou nervosismo.  Cuidado com gesticulações e sinais de nervosismo.  Procure saber o que a empresa espera de um funcionário.  Evite utilizar gírias.  Demonstre postura e firmeza.  Cuidado com mentiras e contradições  Dê atenção a suas vestes para entrevista pois a empresa zela por uma boa imagem  Nunca fale mal de ex-patrões ou ex-colegas de emprego.  Seja claro em suas respostas, sem redundâncias.  Saiba ouvir e interpretar.
  • 50. Encerrando.  Esperamos ter ajudo com algumas dicas de como expressar-se mediante situações diversas. A boa comunicação deve ser exercida em todas as áreas, evitando ruídos e erros que podem ser contornados.