SlideShare uma empresa Scribd logo
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228
Volume 19 - Número 2 - 2º Semestre 2019
FAUNA HELMÍNTICA DE Cerdocyon thous (LINNAEUS, 1766) DESCRITA NO BRASIL
Francilma Mendes Dutra Vieira1
; Breno Costa de Macedo2
; Jéssyca Bressan Schwantes3
;
Cleidson Manoel Gomes da Silva4
; Pedro de Souza Quevedo4*
RESUMO
Pesquisas envolvendo a helmintofauna de animais silvestres são de valia para a compreensão do status
sanitário de indivíduos no seu habitat, ainda que estes sejam invariavelmente alterados por ações
humanas. Por se tratarem de reconhecida causa de doenças em animais silvestres e domésticos, as
parasitoses devem ser investigadas sempre que possível e levantamentos da diversidade parasitária
devem ser incentivados. Trabalhos com esse objetivo também possibilitam o monitoramento da
sobreposição de nichos ecológicos, observada quando indivíduos silvestres tem seu habitat
frequentado por animais domésticos ou se adaptam a ambientes antropizados. Diante deste cenário é
imperativa a compilação de dados para facilitar a identificação de parasitos de animais silvestres. A
escassez de material para realização de necropsias sugere uma utilização de animais vítimas de
atropelamento. Tal iniciativa atende aos aspectos bioéticos e otimiza o recurso biológico para geração
de informações técnicas nessa área.
Palavras-chave: Animais Silvestres, Helmintofauna, Parasitologia, Cachorro Do Mato.
HELMINTHIC FAUNA OF Cerdocyon thous (LINNAEUS, 1766) DESCRIBED IN BRAZIL
ABSTRACT
Researches involving the helmintofauna of wild animals are useful for understanding the sanitary
status of individuals in their habitat, even though they are invariably altered by human actions.
Because they are a recognized cause of diseases in wild and domestic animals, parasites should be
investigated whenever possible and surveys of parasite diversity should be encouraged. Work with
this objective also allows the monitoring of the overlap of ecological niches, observed when wild
individuals have their habitat frequented by domestic animals or adapted to anthropized
environments. In this scenario it is imperative to compile data to facilitate the identification of wild
animal parasites. The shortage of material for necropsies suggests a use of trampled animals. This
initiative addresses the bioethical aspects and optimizes the biological resource for the generation of
technical information in this area.
Keywords: Wild Animals, Helmintofauna, Parasitology, Crab-Eating Fox.
14
INTRODUÇÃO
A fragmentação e perda de habitat
causadas pela urbanização ou pela atividade
agrícola constitui uma das principais ameaças à
biodiversidade. A construção de estradas é um
importante exemplo de ação antrópica de alto
impacto sobre a integridade dos ecossistemas,
por devastar a cobertura vegetal, gerar efeito de
borda e elevar o índice de mortalidade da fauna
de vertebrados por atropelamento (VIEIRA,
1996). Os impactos promovidos pela ação
antrópica acarretam no aumento do risco de
extinção das espécies, seja essa extinção local ou
total (SANTOS & CAVALCANTI, 2004;
RODRIGUES, 2005).
Entre os canídeos silvestre conhecidos do
continente sul-americanos, o cachorro-do-mato
(Cerdocyon thous) é uma das espécies mais
abundantes, dispersas e afetadas pela ação
humana (BEISIEGEL et al., 2013).
Levantamentos epidemiológicos de parasitoses
em canídeos silvestres não são inéditos. No
entanto, para a maioria das espécies silvestres,
ainda há relativa carência de informação em
relação à fauna de helmintos (RUAS et al., 2008).
A reduzida quantidade de informações se
deve em parte a raridade de algumas espécies,
aliada a dificuldade de obtenção de amostras
desses animais (GOMES et al., 2015a).
O conhecimento da biodiversidade
parasitos que ocorrem nos animais silvestres é de
fundamental importância para o estabelecimento
de programas de controle (RUAS et al., 2008).
Ademais, alguns parasitos presentes em
populações selvagens de canídeos podem
representar risco à saúde pública devido
potencial zoonótico e, seus ciclos devem ser
devidamente elucidados (GOMES et al., 2015a;
PINHEIRO et al., 2018).
Diante da carência de dados, o presente
manuscrito constitui um compilado de
informações referentes a relatos e levantamentos
de helmintos parasitando C. thous.
MATERIAL E MÉTODOS
Para a seleção dos artigos considerados
nesse levantamento foram utilizadas as bases de
dados Literatura Latino-Americana e do Caribe
em Ciências da Saúde (LILACS); Literatura
Internacional em Ciências da Saúde (MEDLINE)
e; biblioteca eletrônica Scientific Electronic
Library Online (SciELO). Os termos,
controlados e livres, foram combinados por meio
dos operadores boleanos “and” e “or” da seguinte
forma: “Cerdocyon thous” and “parasitologia” or
“helminto”, foram utilizadas as variações dos
descritores nos idiomas inglês e português.
Foram desconsiderados trabalhos que
basearam o diagnóstico apenas na morfologia de
ovos encontrados nas fezes de C. thous. Tal
exclusão é fundamentada na inconsistência da
modalidade de diagnóstico quando acompanhada
pela técnica de Roberts e O'Sullivan. Quando por
diversas vezes o resultado apontado pela
morfologia dos ovos não se confirma na
morfologia das larvas obtidas (UENO &
GONÇALVES, 1998).
RESULTADOS E DISCUSSÃO
O cachorro do mato pode servir como
hospedeiro de vários parasitas e desempenhar um
papel importante na manutenção do ciclo
biológico dos helmintos, especialmente devido
aos seus hábitos generalistas, tolerância a
ambientes alterados pelo homem e interação com
outras espécies selvagens e domésticas, daí a
importância de se conhecer as espécies que
parasitam os cachorros-do-mato (GOMES et al.,
2015a). A evidente escassez de pesquisas com C.
thous pode ser melhor compreendida quando
realizamos buscas em bases de dados e
bibliotecas eletrônicas. Em levantamento das
publicações em periódicos, sobre esse assunto
encontramos apenas 13 artigos abordando essa
temática, conforme demonstrado na tabela 1.
Tabela 1. Artigos acadêmicos abordando helmintos em C. thous
Autor Local Espécies Encontradas
Ruas et al., 2003 Pedro Osório, RS Capillaria hepatica
Santos et al., 2003 Itatinga, SP Ancylostoma buckleyi
Santos et al., 2004 Itatinga, SP Diphyllobothrium mansoni
Duarte et al., 2007 Juiz de Fora, MG Angiostrongylus vasorum
Ruas et al., 2008 Pelotas, RS Molineus felineus
Ancylostoma caninum
Capillaria hepatica
Capillaria sp.
Trichuris sp.
Strongyloides sp.
Physalopteridae
Spirometra sp.
Diphyllobothriidae
Cyclophyllidea
Athesmia heterolecithodes
Alaria alata
Centrorhynchus sp.
Acanthocephala
Ribeiro et al., 2009 Rio de Janeiro, RJ Dioctophyme renale
Lux Hoppe et al., 2010 Campina Grande, PB Pterygodermatites (Multipectines)
Pluripectinata
Santos et al., 2012 Jaboticatubas, MG Physaloptera sp.
Dipylidium caninum
Toxocara canis
Ancylostoma caninum
Spirocerca lupi
Acanthocephala
Vieira et al., 2012 Juiz de Fora, MG Dipylidium caninum
Gomes et al., 2015a Campo Grande, MS Ancylostoma buckleyi,
Pterigodermatites (Multipectines)
pluripectinata
Ascaridia galli
Gomes et al., 2015b Nhecolândia, MS Prosthenorchis cerdocyonis
Caprioli et al., 2018 Porto Alegre, RS Angiostrongylus spp.
Pinheiro et al., 2018 Paragominas, PA Capillaria sp.
Estes levantamentos apontando quais
espécies de parasitos são descritos em espécies
silvestres facilitam a identificação por parte de
pesquisadores, nas distintas regiões onde C thous
ocorre. Além disso, permitem a averiguação da
variação da fauna helmíntica, que eventualmente
pode ocorrer e, potenciais riscos de doenças
zoonóticas.
Canídeos silvestres como C. thous são
hospedeiros de um importante número de
nematódeos, cestódeos e trematódeos (RUAS et
al., 2003). Uma ferramenta importante para a
melhor compreensão da fauna helmíntica de
animais silvestres, adotada por diversos
pesquisadores, é a utilização de espécimes
vítimas de atropelamento. Tal iniciativa, permite
um fim acadêmicos dos animais, além de ser
alternativo a captura de indivíduos saudáveis
para os mesmos fins (GOMES et al., 2015a).
Além disso, essa metodologia atende às atuais
discussões em bioética que priorizam métodos
alternativos para o uso de animais (PINHEIRO et
al., 2018).
O presente levantamento permite
compreender que há relatos e pesquisas de fauna
helmíntica infectando C. thous em diferentes
Biomas brasileiros; no entanto, a maioria dos
estudos se concentrou nos biomas Mata Atlântica
e Caatinga (GOMES et al., 2015a), conforme
ilustra a figura 1, elaborada conforme Sherman et
al (2011).
Os carnívoros compõem uma importante
parcela de espécies ameaçadas, isso se deve ao
fato de que são predominantemente predadores,
apresentando baixas densidades populacionais e
grande necessidade de espaço (BEISIEGEL et
al., 2013). Diante do risco que os carnívoros
correm, é necessário o conhecimento prévio
sobre vários parâmetros populacionais,
ecológicos, comportamentais e da história de
vida das espécies em estudo, para delinear
estratégias de conservação de modo eficiente
(DOBSON, 1996; MEFFE et al., 1997;
PRIMACK, 1998).
Há uma eminente preocupação do contato
de animais silvestres com ambientes
antropizados (RUAS et al., 2008; VIEIRA et al.,
2012). Várias enfermidades podem ser
incriminadas como importantes causas de
extinção de espécies silvestres. Especial atenção
deve ser destinada às doenças transmitidas por
animais domésticos que frequentam áreas de
transição com ambientes silvestres (SANTOS et
al., 2012).
Figura 1. Mapa destacando em pontos vermelhos as localidades de relatos de helmintos em C. thous realizados no
Brasil.
Outros fatores que podem desencadear a
extinção ou declínio populacional de uma
espécie correspondem a expansão das fronteiras
agropecuárias sobre o habitat de espécies
silvestres, aliado a constituição de novos núcleos
urbanos. Estes fatores além de impactar
diretamente o hábitat de uma espécie, aumentam
a possibilidade de contato entre animais
silvestres e domésticos, favorecendo a
transposição de parasitos de um hospedeiro a
outro (RUAS et al., 2008).
O cachorro-do-mato é um canídeo de
tamanho médio (4 a 11 kg) encontrado na maior
parte da América do Sul. A espécie ocorre em
todas as regiões do pais (BEISIEGEL et al.,
2013). Sendo que na região norte, a distribuição
do cachorro-do-mato parece obedecer o avanço
da fronteira agropecuária, expandindo sua
dispersão pelo conhecido arco do desmatamento
que compreende a Amazônia oriental,
principalmente os estados do Pará e Rondônia.
A ampla distribuição geográfica da
espécie também reflete a capacidade de tolerar
intervenções antrópicas, porém não à
urbanização (BEISIEGEL et al., 2013). No
entanto, pesquisas referentes a fauna helmíntica
demonstram que animais silvestres também
frequentam áreas comuns a animais domésticos,
hipótese levantada quando foram encontrados
espécimes dos cestoides D. caninum em C. thous,
na região sudeste do Brasil (VIEIRA et al.,
2012).
A infecção por A. caninum e
Strongyloides sp. em C. thous é outro exemplo de
sobreposição de nicho ecológico, visto que, estes
nematódeos têm por hospedeiro preferencial
indivíduos da espécie Canis familiaris (RUAS et
al., 2008).
A inspeção do conteúdo gástrico e
intestinal de cachorros do mato, para obtenção de
helmintos, também revela o hábito desses
animais em consumir artrópodes especialmente
coleópteros. Tal aspecto sugere que estes
artrópodes atuam como hospedeiros
invertebrados no ciclo, por exemplo, de
Acantocéfalos como Prosthenorchis cerdocyonis
(GOMES et al., 2015b).
A infecção por cestoides em canídeos sul-
americanos é atribuída principalmente à dieta em
seu ambiente natural. Salientando-se o consumo
de peixes, crustáceos de água doce, répteis e
pequenos mamíferos, potenciais hospedeiros
intermediários ou paratênicos de parasitos
(RUAS et al., 2008).
O presente levantamento demonstra uma
notória necessidade de trabalhos referentes a
fauna helmíntica em C. thous, principalmente nas
regiões norte e nordeste do país. Trabalhos nesse
sentido devem ser conduzidos preconizando o
emprego animais vítimas de atropelamento
(GOMES et al., 2015a). Estes estudos devem ser
incentivados para que possamos compreender o
status sanitário da espécie, fluxo gênico e
sobreposição de nicho ecológico com cães
domésticos. As espécies silvestres são
diretamente beneficiadas quando há melhor
compreensão dos efeito de doenças adquiridas de
animais domésticos (BEISIEGEL et al., 2013).
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BEISIEGEL, B. M.; LEMOS, F. G.; AZEVEDO,
F. C.; QUEIROLO, D.; JORGE, R. P. Avaliação
do risco de extinção do Cachorro-do-mato
Cerdocyon thous (Linnaeus, 1766) no Brasil.
Biodivers Bras 2013; 3(1): 138-145.
CAPRIOLI, R. A.; ANDRADE, C. P.;
ARGENTA, F.; EHLERS, L.; SOARES, J.;
PAVARINI, S.; DRIEMEIER, D.; SONNE, L.
2018. Angiostrongylosis in Cerdocyon thous
(crab-eating fox) and Lycalopex gymnocercus
(Pampas fox) in Southern Brazil. Parasitology 1–
8. https:// doi.org/10.1017/S0031182018001865
DOBSON, J. A. 1996. Conservation and
Biodiversity. Scientific American Library.
264pp.
DUARTE, F.H.; VIEIRA, F.M.; LOUZADA,
G.; BESSA, E.; SOUZALIMA, S. 2007.
Occurrence Angiostrongylus vasorum (Baillet,
1866) (Nematoda, Angiostrongylidae) in
Cerdocyon thous Linnaeus, 1766 (Carnivora,
Canidae) in Minas Gerais State Brazil. Arq. Bras.
Med. Vet. Zootec., v.59, n.4, p.1086-1088.
GOMES, N.; SANTOS, M.; SIMÕES, R.;
MALDONADO, A. JR. 2015. New records of
three species of nematodes in Cerdocyon thous
from the Brazilian Pantanal wetlands. Braz. J.
Vet. Parasitol., Jaboticabal, v. 24, n. 3, p. 324-
330 (a).
GOMES, A.; OLIFIERS, N.; SOUZA, J.;
BARBOSA, H.; D’ANDREA, P.;
MALDONADO, A. JR. 2015. A new
acanthocephalan species (Archiacanthocephala:
Oligacanthorhynchidae) from the crab-eating fox
(Cerdocyon thous) in the Brazilian pantanal
wetlands. J Parasitol 101(1): 74-79 (b)
LUXHOPPE, E.; LIMA, R.; TEBALDI, J.;
NASCIMENTO, A. 2010. Pterygodermatites
(Multipectines) pluripectinata n. sp. (Spirurida:
Rictulariidae), a nematode parasite of the crab-
eating fox Cerdocyon thous (Linnaeus, 1766)
from Caatinga shrubland, Brazil. J Helminthol;
84(3): 312-316.
MEFFE, G.; CARROL, C. 1997. Principles of
conservation biology. 2a Sinauer Associates, Inc.
729pp.
PINHEIRO, R.; CHAVES, I.; RODRIGUES, R.;
BRANCO, E.; LIMA, A.; GIESE, E. 2018.
Nematode capilaridae in the tongue of
Cerdocyon thous of free life in Brazil. Braz. J.
Vet. Parasitol., Jaboticabal, v. 27, n. 4, p. 531-
544.
PRIMACK, R. 1998. Essentials of Conservation
Biology. 2nd edn. Sinauer Associates,
Sunderland.
RIBEIRO, C.; VEROCAI, G.; TAVARES, L.
2009. Dioctophyme renale (Nematoda,
Dioctophymatidae) infection in the Crab-eating
Fox (Cerdocyon thous) from Brazil. J Wildl Dis;
45(1): 248-250.
RODRIGUES, M. T. 2005. Conservação de
Répteis Brasileiros: Os desafios para um país
megadiverso. Belo Horizonte: Megadiversidade.
v. 1, n. 1, p. 87-94.
RUAS, J.; SOARES, M.; FARIAS, N.; BRUM,
J. 2003. Infeção por Capillaria hepatica em
carnívoros silvestres (Lycalopex gymnocercus e
Cerdocyon thous) na região sul do Rio Grande do
Sul. Arquivos do Instituto Biológico 70: 127–
130.
RUAS, J.; MULLER, G.; FARIAS, N.;
GALLINA, T.; LUCAS, A.; PAPPEN, F.;
SINKOC, A.; BRUM, J. 2008. Helmintos do
cachorro do campo, Pseudalopex gymnocercus
(Fischer, 1814) e do cachorro do mato,
Cerdocyon thous (Linnaeus, 1766) no sul do Rio
Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira
Parasitologia Veterinária 17: 87–92.
SANTOS, K.; CATENACCI, M.; PESTELLI,
R.; TAKAHIRA, R.; LOPES, R. 2003. First
report of Ancylostoma buckleyi Le Roux and
Biocca, 1957 (Nematoda: Ancylostomatidae)
infecting Cerdocyon thous Linnaeus, 1766
(Mammalia: Canidae) from Brazil. Revista
Brasileira de Parasitologia Veterinária 12: 179–
181.
SANTOS, L. R.; CAVALCANTI, R. 2004.
Revisão de estudos sobre a dispersão de fauna em
paisagens fragmentadas de Cerrado para modelos
de simulação. Anais do XXV Congresso
Brasileiro de Zoologia, 1761, 445p. Sick, H.
2001. Ornitologia brasileira. Nova Fronteira. Rio
de Janeiro, Brasil, 863pp.
SANTOS, K. R.; CATENACCI, L. S.;
TAKAHIRA, R. K.; SILVA, R. J. 2004 First
report of Diphyllobothrium mansoni (Cestoda,
Diphyllobothridae) infecting Cerdocyon thous
(Mammalia: Canidae) in Brazil. Arq Bras Med
Vet Zootec; 56(6): 796-798.
SANTOS, J.; MAGALHÃES, N.; SANTOS, H.;
RIBEIRO, R.; GUIMARÃES, M. 2012.
Parasites of domestic and wild canids in the
region of Serra do Cipó National Park, Brazil.
Rev Bras Parasitol Vet; 21(3): 270-277.
SHERMAN, G.; SUTTON, T.; BLAZE, K.;
HOLL, S.; DASSAU, O.; MORELY, B.;
MITCHELL, T.; LUTHMAN, L. 2011. Quantum
GIS User Guide - Version 1.7 “Wroclaw”.
Acesso em: "DATA".
Disponível:http://download.osgeo.org/qgis/doc/
manual/qgis1.7.0_user_guide_en.pdf">http://do
wnload.osgeo.org/qgis/doc/manual/qgis-
1.7.0_user_guide_en.pdf
UENO, H.; GONÇALVES, P.C. Manual para
diagnóstico das helmintoses de ruminantes. 4.ed.
Tokyo: Japan International Cooperation Agency,
1998. 143p.
VIEIRA, E. 1996. Highway mortality of
mammals in central Brazil. Ciência e cultura
Journal of the Brazilian Association for the
Advancement of Science, 48(4):270-272.
VIEIRA, F. M.; LUQUE, J. L.; LIMA, S.;
MORAES NETO, A.; MUNIZ-PEREIRA, L.
2012. Dipylidium caninum (Cyclophyllidea,
Dipylidiidae) in a Wild Carnivore from Brazil.
Journal of Wildlife Diseases, 48(1), 2012, pp.
233–234.
__________________________________________
1. Doutoranda do Programa de Pós-
Graduação em Animais Selvagens da
Universidade Estadual Paulista, Faculdade de
Medicina Veterinária e Zootecnia
FMVZ/UNESP – Câmpus Botucatu.
2 . Médico veterinário da Universidade Federal
do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA),
Instituto de Estudos do Trópico Úmido, curso de
Medicina Veterinária e Zootecnia. Xinguara –
PA Brasil.
3. Mestranda do Programa de Pós-
Graduação em Biodiversidade Animal da
Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
4. Professor da Universidade Federal do Sul
e Sudeste do Pará (UNIFESSPA), Instituto de
Estudos do Trópico Úmido, curso de Medicina
Veterinária e Zootecnia. Xinguara – PA Brasil.
* Autor para correspondência:
pedro.quevedo@unifesspa.edu.br
19

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Artigo bioterra v19_n2_06
Artigo bioterra v19_n2_06Artigo bioterra v19_n2_06
Artigo bioterra v19_n2_06
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Lista de exercícios X Fluxo de energia e Ciclo da matéria
Lista de exercícios X Fluxo de energia e Ciclo da matériaLista de exercícios X Fluxo de energia e Ciclo da matéria
Lista de exercícios X Fluxo de energia e Ciclo da matéria
Carlos Priante
 
Anfíbios - livro vermelho fauna Brasileira
Anfíbios - livro vermelho fauna BrasileiraAnfíbios - livro vermelho fauna Brasileira
Anfíbios - livro vermelho fauna Brasileira
Victorlobo Restos de Aborto
 
Modelo de-prova-sobre-ecologia
Modelo de-prova-sobre-ecologiaModelo de-prova-sobre-ecologia
Modelo de-prova-sobre-ecologia
rgsronisilva
 
Abelhas nativas (Hymenoptera: Apidae) em Floresta Ombrófila Densa Submontana ...
Abelhas nativas (Hymenoptera: Apidae) em Floresta Ombrófila Densa Submontana ...Abelhas nativas (Hymenoptera: Apidae) em Floresta Ombrófila Densa Submontana ...
Abelhas nativas (Hymenoptera: Apidae) em Floresta Ombrófila Densa Submontana ...
Label-ha
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
PIBID Joel Job
 
Enem - Questões de biologia
Enem -  Questões de biologia Enem -  Questões de biologia
Enem - Questões de biologia
retimi
 
Projeto enem biologia 04.10.2014 nahya
Projeto enem biologia 04.10.2014 nahyaProjeto enem biologia 04.10.2014 nahya
Projeto enem biologia 04.10.2014 nahya
Nahya Paola Souza
 
Prevalencia De Enteroparasitas
Prevalencia De EnteroparasitasPrevalencia De Enteroparasitas
Prevalencia De Enteroparasitas
Kelton Silva Sena
 
Impactos potenciais das alterações do código florestal sobre anfíbios
Impactos potenciais das alterações do código florestal sobre anfíbiosImpactos potenciais das alterações do código florestal sobre anfíbios
Impactos potenciais das alterações do código florestal sobre anfíbios
João Vitor Soares Ramos
 
VESTIBULAR UPE SSA 1 2013 - PRIMEIRO DIA
VESTIBULAR UPE SSA 1 2013  - PRIMEIRO DIAVESTIBULAR UPE SSA 1 2013  - PRIMEIRO DIA
VESTIBULAR UPE SSA 1 2013 - PRIMEIRO DIA
Isaquel Silva
 
Caprinos x verminose
Caprinos x verminoseCaprinos x verminose
Caprinos x verminose
unipampagepa
 
SSA UPE 2013/2014 - Questões de matemática resolvida
SSA UPE 2013/2014 - Questões de matemática resolvidaSSA UPE 2013/2014 - Questões de matemática resolvida
SSA UPE 2013/2014 - Questões de matemática resolvida
Eudes Martins
 
Biodiversidade 7 ANO
Biodiversidade 7 ANOBiodiversidade 7 ANO
Biodiversidade 7 ANO
RENATA SHIOZAKI
 
A Construção da etnoconservação no Brasil
A Construção da etnoconservação no BrasilA Construção da etnoconservação no Brasil
A Construção da etnoconservação no Brasil
lenacarvalho
 
Correção Unesp 2 fase inverno 2015
Correção Unesp 2 fase inverno 2015Correção Unesp 2 fase inverno 2015
Correção Unesp 2 fase inverno 2015
Carlos Priante
 
Relacoes ecologicas-exercicios
Relacoes ecologicas-exerciciosRelacoes ecologicas-exercicios
Relacoes ecologicas-exercicios
Rafaella Carvalho
 
Revisao do 3 bimestre de biologia 2
Revisao do 3 bimestre de biologia 2Revisao do 3 bimestre de biologia 2
Revisao do 3 bimestre de biologia 2
Estude Mais
 
Relaçoes ecologica
Relaçoes ecologica Relaçoes ecologica
Relaçoes ecologica
ADÃO Graciano
 
Aprendendo Com A Biodiversidade Da Amazonia
Aprendendo Com A Biodiversidade Da AmazoniaAprendendo Com A Biodiversidade Da Amazonia
Aprendendo Com A Biodiversidade Da Amazonia
Mauro de Oliveira Lima
 

Mais procurados (20)

Artigo bioterra v19_n2_06
Artigo bioterra v19_n2_06Artigo bioterra v19_n2_06
Artigo bioterra v19_n2_06
 
Lista de exercícios X Fluxo de energia e Ciclo da matéria
Lista de exercícios X Fluxo de energia e Ciclo da matériaLista de exercícios X Fluxo de energia e Ciclo da matéria
Lista de exercícios X Fluxo de energia e Ciclo da matéria
 
Anfíbios - livro vermelho fauna Brasileira
Anfíbios - livro vermelho fauna BrasileiraAnfíbios - livro vermelho fauna Brasileira
Anfíbios - livro vermelho fauna Brasileira
 
Modelo de-prova-sobre-ecologia
Modelo de-prova-sobre-ecologiaModelo de-prova-sobre-ecologia
Modelo de-prova-sobre-ecologia
 
Abelhas nativas (Hymenoptera: Apidae) em Floresta Ombrófila Densa Submontana ...
Abelhas nativas (Hymenoptera: Apidae) em Floresta Ombrófila Densa Submontana ...Abelhas nativas (Hymenoptera: Apidae) em Floresta Ombrófila Densa Submontana ...
Abelhas nativas (Hymenoptera: Apidae) em Floresta Ombrófila Densa Submontana ...
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
Enem - Questões de biologia
Enem -  Questões de biologia Enem -  Questões de biologia
Enem - Questões de biologia
 
Projeto enem biologia 04.10.2014 nahya
Projeto enem biologia 04.10.2014 nahyaProjeto enem biologia 04.10.2014 nahya
Projeto enem biologia 04.10.2014 nahya
 
Prevalencia De Enteroparasitas
Prevalencia De EnteroparasitasPrevalencia De Enteroparasitas
Prevalencia De Enteroparasitas
 
Impactos potenciais das alterações do código florestal sobre anfíbios
Impactos potenciais das alterações do código florestal sobre anfíbiosImpactos potenciais das alterações do código florestal sobre anfíbios
Impactos potenciais das alterações do código florestal sobre anfíbios
 
VESTIBULAR UPE SSA 1 2013 - PRIMEIRO DIA
VESTIBULAR UPE SSA 1 2013  - PRIMEIRO DIAVESTIBULAR UPE SSA 1 2013  - PRIMEIRO DIA
VESTIBULAR UPE SSA 1 2013 - PRIMEIRO DIA
 
Caprinos x verminose
Caprinos x verminoseCaprinos x verminose
Caprinos x verminose
 
SSA UPE 2013/2014 - Questões de matemática resolvida
SSA UPE 2013/2014 - Questões de matemática resolvidaSSA UPE 2013/2014 - Questões de matemática resolvida
SSA UPE 2013/2014 - Questões de matemática resolvida
 
Biodiversidade 7 ANO
Biodiversidade 7 ANOBiodiversidade 7 ANO
Biodiversidade 7 ANO
 
A Construção da etnoconservação no Brasil
A Construção da etnoconservação no BrasilA Construção da etnoconservação no Brasil
A Construção da etnoconservação no Brasil
 
Correção Unesp 2 fase inverno 2015
Correção Unesp 2 fase inverno 2015Correção Unesp 2 fase inverno 2015
Correção Unesp 2 fase inverno 2015
 
Relacoes ecologicas-exercicios
Relacoes ecologicas-exerciciosRelacoes ecologicas-exercicios
Relacoes ecologicas-exercicios
 
Revisao do 3 bimestre de biologia 2
Revisao do 3 bimestre de biologia 2Revisao do 3 bimestre de biologia 2
Revisao do 3 bimestre de biologia 2
 
Relaçoes ecologica
Relaçoes ecologica Relaçoes ecologica
Relaçoes ecologica
 
Aprendendo Com A Biodiversidade Da Amazonia
Aprendendo Com A Biodiversidade Da AmazoniaAprendendo Com A Biodiversidade Da Amazonia
Aprendendo Com A Biodiversidade Da Amazonia
 

Semelhante a Artigo bioterra v19_n2_03

ComplexosPatogenicos_Diego.pptx
ComplexosPatogenicos_Diego.pptxComplexosPatogenicos_Diego.pptx
ComplexosPatogenicos_Diego.pptx
DiegoDalPozzolo1
 
Moscas domesticas e_intoxicacoes (1)
Moscas domesticas e_intoxicacoes (1)Moscas domesticas e_intoxicacoes (1)
Moscas domesticas e_intoxicacoes (1)
aglayy
 
Monteiro & NunesFreitas 2014 IX FPG UFRRJ
Monteiro & NunesFreitas 2014 IX FPG UFRRJMonteiro & NunesFreitas 2014 IX FPG UFRRJ
Monteiro & NunesFreitas 2014 IX FPG UFRRJ
José André
 
Anais do-Iv-Simpósio-de-Entomologia
Anais do-Iv-Simpósio-de-EntomologiaAnais do-Iv-Simpósio-de-Entomologia
Anais do-Iv-Simpósio-de-Entomologia
Carlos Alberto Monteiro
 
Mudanças do código florestal e seu impacto sobre os mamíferos na brasil
Mudanças do código florestal e seu impacto sobre os mamíferos na brasilMudanças do código florestal e seu impacto sobre os mamíferos na brasil
Mudanças do código florestal e seu impacto sobre os mamíferos na brasil
João Vitor Soares Ramos
 
Artigo bioterra v21_n2_06
Artigo bioterra v21_n2_06Artigo bioterra v21_n2_06
Artigo bioterra v21_n2_06
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
O conceito de saúde única. Os efeitos da fragmentação do habitat na Guiné-B...
O conceito de saúde única. Os efeitos da fragmentação do habitat na Guiné-B...O conceito de saúde única. Os efeitos da fragmentação do habitat na Guiné-B...
O conceito de saúde única. Os efeitos da fragmentação do habitat na Guiné-B...
Rui Sá
 
Diversidade genética de toxoplasma gondii
Diversidade genética de toxoplasma gondiiDiversidade genética de toxoplasma gondii
Diversidade genética de toxoplasma gondii
Rural Pecuária
 
Aspectos ecológicos e epidemiológicos de acidentes ofídicos
Aspectos ecológicos e epidemiológicos de acidentes ofídicosAspectos ecológicos e epidemiológicos de acidentes ofídicos
Aspectos ecológicos e epidemiológicos de acidentes ofídicos
adrianomedico
 
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdfAulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
osiasmartinsmagalhes
 
Enfermidades de tilápias do nilo em tanques-rede
Enfermidades de tilápias do nilo em tanques-redeEnfermidades de tilápias do nilo em tanques-rede
Enfermidades de tilápias do nilo em tanques-rede
Rural Pecuária
 
Apresentação1.pptx
Apresentação1.pptxApresentação1.pptx
Apresentação1.pptx
RanikellyVivian
 
Colecao atualizacao em parasitologia - v1 n3-2011
Colecao   atualizacao em parasitologia - v1 n3-2011Colecao   atualizacao em parasitologia - v1 n3-2011
Colecao atualizacao em parasitologia - v1 n3-2011
König Brasil
 
Plantas medicinais
Plantas medicinaisPlantas medicinais
Plantas medicinais
Viviane Vasconcelos
 
Ecologia geral aula 02
Ecologia geral aula 02Ecologia geral aula 02
Ecologia geral aula 02
Vera Gonçalves
 
112 1269543456 resumo
112 1269543456 resumo112 1269543456 resumo
112 1269543456 resumo
Bruno Eduardo Ferreira de Paiva
 
avaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdf
avaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdfavaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdf
avaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdf
RicardoEliasValeLima
 
A malacofauna terrestre do distrito de Vai Volta
A malacofauna terrestre do distrito de Vai VoltaA malacofauna terrestre do distrito de Vai Volta
A malacofauna terrestre do distrito de Vai Volta
Amanda Oliveira
 
Biologia da conservação primack & rodrigues
Biologia da conservação   primack & rodriguesBiologia da conservação   primack & rodrigues
Biologia da conservação primack & rodrigues
Santa1304
 
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptxRecursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 

Semelhante a Artigo bioterra v19_n2_03 (20)

ComplexosPatogenicos_Diego.pptx
ComplexosPatogenicos_Diego.pptxComplexosPatogenicos_Diego.pptx
ComplexosPatogenicos_Diego.pptx
 
Moscas domesticas e_intoxicacoes (1)
Moscas domesticas e_intoxicacoes (1)Moscas domesticas e_intoxicacoes (1)
Moscas domesticas e_intoxicacoes (1)
 
Monteiro & NunesFreitas 2014 IX FPG UFRRJ
Monteiro & NunesFreitas 2014 IX FPG UFRRJMonteiro & NunesFreitas 2014 IX FPG UFRRJ
Monteiro & NunesFreitas 2014 IX FPG UFRRJ
 
Anais do-Iv-Simpósio-de-Entomologia
Anais do-Iv-Simpósio-de-EntomologiaAnais do-Iv-Simpósio-de-Entomologia
Anais do-Iv-Simpósio-de-Entomologia
 
Mudanças do código florestal e seu impacto sobre os mamíferos na brasil
Mudanças do código florestal e seu impacto sobre os mamíferos na brasilMudanças do código florestal e seu impacto sobre os mamíferos na brasil
Mudanças do código florestal e seu impacto sobre os mamíferos na brasil
 
Artigo bioterra v21_n2_06
Artigo bioterra v21_n2_06Artigo bioterra v21_n2_06
Artigo bioterra v21_n2_06
 
O conceito de saúde única. Os efeitos da fragmentação do habitat na Guiné-B...
O conceito de saúde única. Os efeitos da fragmentação do habitat na Guiné-B...O conceito de saúde única. Os efeitos da fragmentação do habitat na Guiné-B...
O conceito de saúde única. Os efeitos da fragmentação do habitat na Guiné-B...
 
Diversidade genética de toxoplasma gondii
Diversidade genética de toxoplasma gondiiDiversidade genética de toxoplasma gondii
Diversidade genética de toxoplasma gondii
 
Aspectos ecológicos e epidemiológicos de acidentes ofídicos
Aspectos ecológicos e epidemiológicos de acidentes ofídicosAspectos ecológicos e epidemiológicos de acidentes ofídicos
Aspectos ecológicos e epidemiológicos de acidentes ofídicos
 
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdfAulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
 
Enfermidades de tilápias do nilo em tanques-rede
Enfermidades de tilápias do nilo em tanques-redeEnfermidades de tilápias do nilo em tanques-rede
Enfermidades de tilápias do nilo em tanques-rede
 
Apresentação1.pptx
Apresentação1.pptxApresentação1.pptx
Apresentação1.pptx
 
Colecao atualizacao em parasitologia - v1 n3-2011
Colecao   atualizacao em parasitologia - v1 n3-2011Colecao   atualizacao em parasitologia - v1 n3-2011
Colecao atualizacao em parasitologia - v1 n3-2011
 
Plantas medicinais
Plantas medicinaisPlantas medicinais
Plantas medicinais
 
Ecologia geral aula 02
Ecologia geral aula 02Ecologia geral aula 02
Ecologia geral aula 02
 
112 1269543456 resumo
112 1269543456 resumo112 1269543456 resumo
112 1269543456 resumo
 
avaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdf
avaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdfavaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdf
avaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdf
 
A malacofauna terrestre do distrito de Vai Volta
A malacofauna terrestre do distrito de Vai VoltaA malacofauna terrestre do distrito de Vai Volta
A malacofauna terrestre do distrito de Vai Volta
 
Biologia da conservação primack & rodrigues
Biologia da conservação   primack & rodriguesBiologia da conservação   primack & rodrigues
Biologia da conservação primack & rodrigues
 
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptxRecursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
 

Mais de Universidade Federal de Sergipe - UFS

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 

Mais de Universidade Federal de Sergipe - UFS (20)

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 

Artigo bioterra v19_n2_03

  • 1. REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 Volume 19 - Número 2 - 2º Semestre 2019 FAUNA HELMÍNTICA DE Cerdocyon thous (LINNAEUS, 1766) DESCRITA NO BRASIL Francilma Mendes Dutra Vieira1 ; Breno Costa de Macedo2 ; Jéssyca Bressan Schwantes3 ; Cleidson Manoel Gomes da Silva4 ; Pedro de Souza Quevedo4* RESUMO Pesquisas envolvendo a helmintofauna de animais silvestres são de valia para a compreensão do status sanitário de indivíduos no seu habitat, ainda que estes sejam invariavelmente alterados por ações humanas. Por se tratarem de reconhecida causa de doenças em animais silvestres e domésticos, as parasitoses devem ser investigadas sempre que possível e levantamentos da diversidade parasitária devem ser incentivados. Trabalhos com esse objetivo também possibilitam o monitoramento da sobreposição de nichos ecológicos, observada quando indivíduos silvestres tem seu habitat frequentado por animais domésticos ou se adaptam a ambientes antropizados. Diante deste cenário é imperativa a compilação de dados para facilitar a identificação de parasitos de animais silvestres. A escassez de material para realização de necropsias sugere uma utilização de animais vítimas de atropelamento. Tal iniciativa atende aos aspectos bioéticos e otimiza o recurso biológico para geração de informações técnicas nessa área. Palavras-chave: Animais Silvestres, Helmintofauna, Parasitologia, Cachorro Do Mato. HELMINTHIC FAUNA OF Cerdocyon thous (LINNAEUS, 1766) DESCRIBED IN BRAZIL ABSTRACT Researches involving the helmintofauna of wild animals are useful for understanding the sanitary status of individuals in their habitat, even though they are invariably altered by human actions. Because they are a recognized cause of diseases in wild and domestic animals, parasites should be investigated whenever possible and surveys of parasite diversity should be encouraged. Work with this objective also allows the monitoring of the overlap of ecological niches, observed when wild individuals have their habitat frequented by domestic animals or adapted to anthropized environments. In this scenario it is imperative to compile data to facilitate the identification of wild animal parasites. The shortage of material for necropsies suggests a use of trampled animals. This initiative addresses the bioethical aspects and optimizes the biological resource for the generation of technical information in this area. Keywords: Wild Animals, Helmintofauna, Parasitology, Crab-Eating Fox. 14
  • 2. INTRODUÇÃO A fragmentação e perda de habitat causadas pela urbanização ou pela atividade agrícola constitui uma das principais ameaças à biodiversidade. A construção de estradas é um importante exemplo de ação antrópica de alto impacto sobre a integridade dos ecossistemas, por devastar a cobertura vegetal, gerar efeito de borda e elevar o índice de mortalidade da fauna de vertebrados por atropelamento (VIEIRA, 1996). Os impactos promovidos pela ação antrópica acarretam no aumento do risco de extinção das espécies, seja essa extinção local ou total (SANTOS & CAVALCANTI, 2004; RODRIGUES, 2005). Entre os canídeos silvestre conhecidos do continente sul-americanos, o cachorro-do-mato (Cerdocyon thous) é uma das espécies mais abundantes, dispersas e afetadas pela ação humana (BEISIEGEL et al., 2013). Levantamentos epidemiológicos de parasitoses em canídeos silvestres não são inéditos. No entanto, para a maioria das espécies silvestres, ainda há relativa carência de informação em relação à fauna de helmintos (RUAS et al., 2008). A reduzida quantidade de informações se deve em parte a raridade de algumas espécies, aliada a dificuldade de obtenção de amostras desses animais (GOMES et al., 2015a). O conhecimento da biodiversidade parasitos que ocorrem nos animais silvestres é de fundamental importância para o estabelecimento de programas de controle (RUAS et al., 2008). Ademais, alguns parasitos presentes em populações selvagens de canídeos podem representar risco à saúde pública devido potencial zoonótico e, seus ciclos devem ser devidamente elucidados (GOMES et al., 2015a; PINHEIRO et al., 2018). Diante da carência de dados, o presente manuscrito constitui um compilado de informações referentes a relatos e levantamentos de helmintos parasitando C. thous. MATERIAL E MÉTODOS Para a seleção dos artigos considerados nesse levantamento foram utilizadas as bases de dados Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS); Literatura Internacional em Ciências da Saúde (MEDLINE) e; biblioteca eletrônica Scientific Electronic Library Online (SciELO). Os termos, controlados e livres, foram combinados por meio dos operadores boleanos “and” e “or” da seguinte forma: “Cerdocyon thous” and “parasitologia” or “helminto”, foram utilizadas as variações dos descritores nos idiomas inglês e português. Foram desconsiderados trabalhos que basearam o diagnóstico apenas na morfologia de ovos encontrados nas fezes de C. thous. Tal exclusão é fundamentada na inconsistência da modalidade de diagnóstico quando acompanhada pela técnica de Roberts e O'Sullivan. Quando por diversas vezes o resultado apontado pela morfologia dos ovos não se confirma na morfologia das larvas obtidas (UENO & GONÇALVES, 1998). RESULTADOS E DISCUSSÃO O cachorro do mato pode servir como hospedeiro de vários parasitas e desempenhar um papel importante na manutenção do ciclo biológico dos helmintos, especialmente devido aos seus hábitos generalistas, tolerância a ambientes alterados pelo homem e interação com outras espécies selvagens e domésticas, daí a importância de se conhecer as espécies que parasitam os cachorros-do-mato (GOMES et al., 2015a). A evidente escassez de pesquisas com C. thous pode ser melhor compreendida quando realizamos buscas em bases de dados e bibliotecas eletrônicas. Em levantamento das publicações em periódicos, sobre esse assunto encontramos apenas 13 artigos abordando essa temática, conforme demonstrado na tabela 1. Tabela 1. Artigos acadêmicos abordando helmintos em C. thous Autor Local Espécies Encontradas Ruas et al., 2003 Pedro Osório, RS Capillaria hepatica Santos et al., 2003 Itatinga, SP Ancylostoma buckleyi Santos et al., 2004 Itatinga, SP Diphyllobothrium mansoni Duarte et al., 2007 Juiz de Fora, MG Angiostrongylus vasorum Ruas et al., 2008 Pelotas, RS Molineus felineus Ancylostoma caninum Capillaria hepatica
  • 3. Capillaria sp. Trichuris sp. Strongyloides sp. Physalopteridae Spirometra sp. Diphyllobothriidae Cyclophyllidea Athesmia heterolecithodes Alaria alata Centrorhynchus sp. Acanthocephala Ribeiro et al., 2009 Rio de Janeiro, RJ Dioctophyme renale Lux Hoppe et al., 2010 Campina Grande, PB Pterygodermatites (Multipectines) Pluripectinata Santos et al., 2012 Jaboticatubas, MG Physaloptera sp. Dipylidium caninum Toxocara canis Ancylostoma caninum Spirocerca lupi Acanthocephala Vieira et al., 2012 Juiz de Fora, MG Dipylidium caninum Gomes et al., 2015a Campo Grande, MS Ancylostoma buckleyi, Pterigodermatites (Multipectines) pluripectinata Ascaridia galli Gomes et al., 2015b Nhecolândia, MS Prosthenorchis cerdocyonis Caprioli et al., 2018 Porto Alegre, RS Angiostrongylus spp. Pinheiro et al., 2018 Paragominas, PA Capillaria sp. Estes levantamentos apontando quais espécies de parasitos são descritos em espécies silvestres facilitam a identificação por parte de pesquisadores, nas distintas regiões onde C thous ocorre. Além disso, permitem a averiguação da variação da fauna helmíntica, que eventualmente pode ocorrer e, potenciais riscos de doenças zoonóticas. Canídeos silvestres como C. thous são hospedeiros de um importante número de nematódeos, cestódeos e trematódeos (RUAS et al., 2003). Uma ferramenta importante para a melhor compreensão da fauna helmíntica de animais silvestres, adotada por diversos pesquisadores, é a utilização de espécimes vítimas de atropelamento. Tal iniciativa, permite um fim acadêmicos dos animais, além de ser alternativo a captura de indivíduos saudáveis para os mesmos fins (GOMES et al., 2015a). Além disso, essa metodologia atende às atuais discussões em bioética que priorizam métodos alternativos para o uso de animais (PINHEIRO et al., 2018). O presente levantamento permite compreender que há relatos e pesquisas de fauna helmíntica infectando C. thous em diferentes Biomas brasileiros; no entanto, a maioria dos estudos se concentrou nos biomas Mata Atlântica e Caatinga (GOMES et al., 2015a), conforme ilustra a figura 1, elaborada conforme Sherman et al (2011). Os carnívoros compõem uma importante parcela de espécies ameaçadas, isso se deve ao fato de que são predominantemente predadores, apresentando baixas densidades populacionais e grande necessidade de espaço (BEISIEGEL et al., 2013). Diante do risco que os carnívoros correm, é necessário o conhecimento prévio sobre vários parâmetros populacionais, ecológicos, comportamentais e da história de vida das espécies em estudo, para delinear estratégias de conservação de modo eficiente (DOBSON, 1996; MEFFE et al., 1997; PRIMACK, 1998). Há uma eminente preocupação do contato de animais silvestres com ambientes antropizados (RUAS et al., 2008; VIEIRA et al., 2012). Várias enfermidades podem ser incriminadas como importantes causas de extinção de espécies silvestres. Especial atenção deve ser destinada às doenças transmitidas por animais domésticos que frequentam áreas de transição com ambientes silvestres (SANTOS et al., 2012).
  • 4. Figura 1. Mapa destacando em pontos vermelhos as localidades de relatos de helmintos em C. thous realizados no Brasil. Outros fatores que podem desencadear a extinção ou declínio populacional de uma espécie correspondem a expansão das fronteiras agropecuárias sobre o habitat de espécies silvestres, aliado a constituição de novos núcleos urbanos. Estes fatores além de impactar diretamente o hábitat de uma espécie, aumentam a possibilidade de contato entre animais silvestres e domésticos, favorecendo a transposição de parasitos de um hospedeiro a outro (RUAS et al., 2008). O cachorro-do-mato é um canídeo de tamanho médio (4 a 11 kg) encontrado na maior parte da América do Sul. A espécie ocorre em todas as regiões do pais (BEISIEGEL et al., 2013). Sendo que na região norte, a distribuição do cachorro-do-mato parece obedecer o avanço da fronteira agropecuária, expandindo sua dispersão pelo conhecido arco do desmatamento que compreende a Amazônia oriental, principalmente os estados do Pará e Rondônia. A ampla distribuição geográfica da espécie também reflete a capacidade de tolerar intervenções antrópicas, porém não à urbanização (BEISIEGEL et al., 2013). No entanto, pesquisas referentes a fauna helmíntica demonstram que animais silvestres também frequentam áreas comuns a animais domésticos, hipótese levantada quando foram encontrados espécimes dos cestoides D. caninum em C. thous, na região sudeste do Brasil (VIEIRA et al., 2012). A infecção por A. caninum e Strongyloides sp. em C. thous é outro exemplo de sobreposição de nicho ecológico, visto que, estes nematódeos têm por hospedeiro preferencial indivíduos da espécie Canis familiaris (RUAS et al., 2008). A inspeção do conteúdo gástrico e intestinal de cachorros do mato, para obtenção de helmintos, também revela o hábito desses animais em consumir artrópodes especialmente coleópteros. Tal aspecto sugere que estes artrópodes atuam como hospedeiros invertebrados no ciclo, por exemplo, de Acantocéfalos como Prosthenorchis cerdocyonis (GOMES et al., 2015b). A infecção por cestoides em canídeos sul- americanos é atribuída principalmente à dieta em seu ambiente natural. Salientando-se o consumo de peixes, crustáceos de água doce, répteis e pequenos mamíferos, potenciais hospedeiros intermediários ou paratênicos de parasitos (RUAS et al., 2008). O presente levantamento demonstra uma notória necessidade de trabalhos referentes a
  • 5. fauna helmíntica em C. thous, principalmente nas regiões norte e nordeste do país. Trabalhos nesse sentido devem ser conduzidos preconizando o emprego animais vítimas de atropelamento (GOMES et al., 2015a). Estes estudos devem ser incentivados para que possamos compreender o status sanitário da espécie, fluxo gênico e sobreposição de nicho ecológico com cães domésticos. As espécies silvestres são diretamente beneficiadas quando há melhor compreensão dos efeito de doenças adquiridas de animais domésticos (BEISIEGEL et al., 2013). REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BEISIEGEL, B. M.; LEMOS, F. G.; AZEVEDO, F. C.; QUEIROLO, D.; JORGE, R. P. Avaliação do risco de extinção do Cachorro-do-mato Cerdocyon thous (Linnaeus, 1766) no Brasil. Biodivers Bras 2013; 3(1): 138-145. CAPRIOLI, R. A.; ANDRADE, C. P.; ARGENTA, F.; EHLERS, L.; SOARES, J.; PAVARINI, S.; DRIEMEIER, D.; SONNE, L. 2018. Angiostrongylosis in Cerdocyon thous (crab-eating fox) and Lycalopex gymnocercus (Pampas fox) in Southern Brazil. Parasitology 1– 8. https:// doi.org/10.1017/S0031182018001865 DOBSON, J. A. 1996. Conservation and Biodiversity. Scientific American Library. 264pp. DUARTE, F.H.; VIEIRA, F.M.; LOUZADA, G.; BESSA, E.; SOUZALIMA, S. 2007. Occurrence Angiostrongylus vasorum (Baillet, 1866) (Nematoda, Angiostrongylidae) in Cerdocyon thous Linnaeus, 1766 (Carnivora, Canidae) in Minas Gerais State Brazil. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.59, n.4, p.1086-1088. GOMES, N.; SANTOS, M.; SIMÕES, R.; MALDONADO, A. JR. 2015. New records of three species of nematodes in Cerdocyon thous from the Brazilian Pantanal wetlands. Braz. J. Vet. Parasitol., Jaboticabal, v. 24, n. 3, p. 324- 330 (a). GOMES, A.; OLIFIERS, N.; SOUZA, J.; BARBOSA, H.; D’ANDREA, P.; MALDONADO, A. JR. 2015. A new acanthocephalan species (Archiacanthocephala: Oligacanthorhynchidae) from the crab-eating fox (Cerdocyon thous) in the Brazilian pantanal wetlands. J Parasitol 101(1): 74-79 (b) LUXHOPPE, E.; LIMA, R.; TEBALDI, J.; NASCIMENTO, A. 2010. Pterygodermatites (Multipectines) pluripectinata n. sp. (Spirurida: Rictulariidae), a nematode parasite of the crab- eating fox Cerdocyon thous (Linnaeus, 1766) from Caatinga shrubland, Brazil. J Helminthol; 84(3): 312-316. MEFFE, G.; CARROL, C. 1997. Principles of conservation biology. 2a Sinauer Associates, Inc. 729pp. PINHEIRO, R.; CHAVES, I.; RODRIGUES, R.; BRANCO, E.; LIMA, A.; GIESE, E. 2018. Nematode capilaridae in the tongue of Cerdocyon thous of free life in Brazil. Braz. J. Vet. Parasitol., Jaboticabal, v. 27, n. 4, p. 531- 544. PRIMACK, R. 1998. Essentials of Conservation Biology. 2nd edn. Sinauer Associates, Sunderland. RIBEIRO, C.; VEROCAI, G.; TAVARES, L. 2009. Dioctophyme renale (Nematoda, Dioctophymatidae) infection in the Crab-eating Fox (Cerdocyon thous) from Brazil. J Wildl Dis; 45(1): 248-250. RODRIGUES, M. T. 2005. Conservação de Répteis Brasileiros: Os desafios para um país megadiverso. Belo Horizonte: Megadiversidade. v. 1, n. 1, p. 87-94. RUAS, J.; SOARES, M.; FARIAS, N.; BRUM, J. 2003. Infeção por Capillaria hepatica em carnívoros silvestres (Lycalopex gymnocercus e Cerdocyon thous) na região sul do Rio Grande do Sul. Arquivos do Instituto Biológico 70: 127– 130. RUAS, J.; MULLER, G.; FARIAS, N.; GALLINA, T.; LUCAS, A.; PAPPEN, F.; SINKOC, A.; BRUM, J. 2008. Helmintos do cachorro do campo, Pseudalopex gymnocercus (Fischer, 1814) e do cachorro do mato, Cerdocyon thous (Linnaeus, 1766) no sul do Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira Parasitologia Veterinária 17: 87–92. SANTOS, K.; CATENACCI, M.; PESTELLI, R.; TAKAHIRA, R.; LOPES, R. 2003. First report of Ancylostoma buckleyi Le Roux and
  • 6. Biocca, 1957 (Nematoda: Ancylostomatidae) infecting Cerdocyon thous Linnaeus, 1766 (Mammalia: Canidae) from Brazil. Revista Brasileira de Parasitologia Veterinária 12: 179– 181. SANTOS, L. R.; CAVALCANTI, R. 2004. Revisão de estudos sobre a dispersão de fauna em paisagens fragmentadas de Cerrado para modelos de simulação. Anais do XXV Congresso Brasileiro de Zoologia, 1761, 445p. Sick, H. 2001. Ornitologia brasileira. Nova Fronteira. Rio de Janeiro, Brasil, 863pp. SANTOS, K. R.; CATENACCI, L. S.; TAKAHIRA, R. K.; SILVA, R. J. 2004 First report of Diphyllobothrium mansoni (Cestoda, Diphyllobothridae) infecting Cerdocyon thous (Mammalia: Canidae) in Brazil. Arq Bras Med Vet Zootec; 56(6): 796-798. SANTOS, J.; MAGALHÃES, N.; SANTOS, H.; RIBEIRO, R.; GUIMARÃES, M. 2012. Parasites of domestic and wild canids in the region of Serra do Cipó National Park, Brazil. Rev Bras Parasitol Vet; 21(3): 270-277. SHERMAN, G.; SUTTON, T.; BLAZE, K.; HOLL, S.; DASSAU, O.; MORELY, B.; MITCHELL, T.; LUTHMAN, L. 2011. Quantum GIS User Guide - Version 1.7 “Wroclaw”. Acesso em: "DATA". Disponível:http://download.osgeo.org/qgis/doc/ manual/qgis1.7.0_user_guide_en.pdf">http://do wnload.osgeo.org/qgis/doc/manual/qgis- 1.7.0_user_guide_en.pdf UENO, H.; GONÇALVES, P.C. Manual para diagnóstico das helmintoses de ruminantes. 4.ed. Tokyo: Japan International Cooperation Agency, 1998. 143p. VIEIRA, E. 1996. Highway mortality of mammals in central Brazil. Ciência e cultura Journal of the Brazilian Association for the Advancement of Science, 48(4):270-272. VIEIRA, F. M.; LUQUE, J. L.; LIMA, S.; MORAES NETO, A.; MUNIZ-PEREIRA, L. 2012. Dipylidium caninum (Cyclophyllidea, Dipylidiidae) in a Wild Carnivore from Brazil. Journal of Wildlife Diseases, 48(1), 2012, pp. 233–234. __________________________________________ 1. Doutoranda do Programa de Pós- Graduação em Animais Selvagens da Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia FMVZ/UNESP – Câmpus Botucatu. 2 . Médico veterinário da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA), Instituto de Estudos do Trópico Úmido, curso de Medicina Veterinária e Zootecnia. Xinguara – PA Brasil. 3. Mestranda do Programa de Pós- Graduação em Biodiversidade Animal da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) 4. Professor da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA), Instituto de Estudos do Trópico Úmido, curso de Medicina Veterinária e Zootecnia. Xinguara – PA Brasil. * Autor para correspondência: pedro.quevedo@unifesspa.edu.br 19