SlideShare uma empresa Scribd logo
ESPERANÇA
EM MEIO À
ADVERSIDADE
3º Trimestre de
2013
Lição 2
Pr. Moisés Sampaio de Paula
TEXTO ÁUREO
2Pr. Moisés Sampaio de Paula
"Porque para mim o viver é Cristo, e
o morrer é ganho"
(Fp 1.21).
VERDADE PRÁTICA
3Pr. Moisés Sampaio de Paula
Nenhuma adversidade poderá reter
a graça e o poder do Evangelho
OBJETIVOS
• Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
• Saber que as adversidades podem contribuir
para a expansão do Evangelho.
• Explicar as motivações de Paulo para a
pregação do Evangelho.
• Compreender que o significado da vida
consiste em vivermos para o Evangelho
4Pr. Moisés Sampaio de Paula
Palavra chave: Adversidade
5Pr. Moisés Sampaio de Paula
I. ADVERSIDADE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A PROCLAMAÇÃO DO
EVANGELHO
1. Paulo na prisão.
2. Uma porta se abre através da adversidade.
II. O TESTEMUNHO DE PAULO NA ADVERSIDADE (1.12,13)
1. O poder do Evangelho.
2. A preocupação dos filipenses com Paulo.
3. Paulo rejeita a autopiedade.
III. MOTIVAÇÕES PARA A PREGAÇÃO DO EVANGELHO (1.14-18)
1. A motivação positiva.
2. A motivação negativa.
IV. O DILEMA DE PAULO (1.19-22ss.)
1. Viver para Cristo.
2. Paulo supera o dilema.
I. ADVERSIDADE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A PROCLAMAÇÃO DO
EVANGELHO
1. Paulo na prisão.
2. Uma porta se abre através da adversidade.
II. O TESTEMUNHO DE PAULO NA ADVERSIDADE (1.12,13)
1. O poder do Evangelho.
2. A preocupação dos filipenses com Paulo.
3. Paulo rejeita a autopiedade.
III. MOTIVAÇÕES PARA A PREGAÇÃO DO EVANGELHO (1.14-18)
1. A motivação positiva.
2. A motivação negativa.
IV. O DILEMA DE PAULO (1.19-22ss.)
1. Viver para Cristo.
2. Paulo supera o dilema.
Esboço da Lição
6Pr. Moisés Sampaio de Paula
• Nesta lição, veremos como a paixão
pelas almas consumia o coração de
Paulo.
• Embora preso em Roma, ele não
esmorecia na missão de proclamar
o Evangelho. E, tendo como ponto
de partida o seu sofrimento, o
apóstolo ensina aos filipenses que
nenhuma adversidade será capaz de
arrefecer-lhes a fé em Cristo.
• Ao contrário, ele demonstra o
quanto as suas adversidades foram
positivas ao progresso do Reino de
Deus. 7Pr. Moisés Sampaio de Paula
INTRODUÇÃO
Uma Pergunta
Como as adversidades podem
contribuir para a expansão do
Evangelho?
Pr. Moisés Sampaio de Paula 8
I. ADVERSIDADE: UMA CONTRIBUIÇÃO
PARA A PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO
9Pr. Moisés Sampaio de Paula
A prisão de Paulo foi
uma porta aberta para a
proclamação do
Evangelho.
1. Paulo na prisão.
2. Uma porta se abre através da adversidade.
• Paulo estava preso em Roma,
aguardando julgamento. Ele sabia
que tanto poderia ser absolvido
como executado. Todavia, não se
achava ansioso.
10Pr. Moisés Sampaio de Paula
1. Paulo na prisão.
I. ADVERSIDADE: UMA CONTRIBUIÇÃO
PARA A PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO
O que mais desejava era, com
toda ousadia, anunciar a
Cristo até mesmo no tribunal.
O que mais desejava era, com
toda ousadia, anunciar a
Cristo até mesmo no tribunal.
• Paulo não era um preso qualquer;
sua segurança estava sob os
cuidados da guarda pretoriana
(1.13). Constituída de 10 mil
soldados, esta guarda encarregava-
se de proteger os representantes do
Império Romano em qualquer lugar
do mundo. Sua principal tarefa era a
proteção do imperador.
11Pr. Moisés Sampaio de Paula
1. Paulo na prisão.
I. ADVERSIDADE: UMA CONTRIBUIÇÃO
PARA A PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO
Guarda Pretoriana
Pr. Moisés Sampaio de Paula 12
Guarda Pretoriana
• O pretorianos geralmente chegavam a Guarda através de
seus serviços nas legiões.
• Eles tinham que ser muito bem recomendados,
• passar em alguns exames, conhecimentos e testes físicos
exaustivos e servir como candidato ou probatus por um certo
tempo, antes de ser destinado como dedicado como miles
gregarius para o serviço em uma das coorte.
• Depois de anos de serviço poderia se tornar inmunis, ou o
guarda especializado em tarefas de escritório ou técnico, e
dai ascendeu até principalis, com salário dobrado,
tesserarius, o guarda que cuidava da senha, optio, o segundo
em comando da centúria ou signifer, quer dizer, porta-
estandarte. Pr. Moisés Sampaio de Paula 13
• Cada uma destas ascensões significava incremento de salário
e privilégios somados.
• Se eles fossem realmente bons eles podiam se tornar
centurions, o sonho de todo guarda. Sabemos que alguns
membros da ordem eqüestre, os cavalheiros de Roma,
deixaram o seu estado expressamente para poder galgar esta
posição, desde que os funcionários inferiores pudessem ser
só plebeus.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 14
Guarda Pretoriana
• Os tribunos pretorianos alcançaram o seu cargo depois de
terem passado por todos os escalões.
• Primeiro deveriam se tornar centurion da Guarda,
• depois de um tempo de serviço poderiam pedir a
transferência para exército e servir nas legiões até alcançar o
posto de centurion primus piluso, e
• depois que voltassem a Roma onde podia ser encarregado de
uma coorte urbana, os Vigiles, o oficial podia finalmente ser
um tribuno pretoriano
Pr. Moisés Sampaio de Paula 15
Guarda Pretoriana
O tribuno pretoriano, membro da ordem eqüestre, cavalheiro romano.
Como se pode ver o sistema foi montado para atrair o que as legiões
tinha de melhor entre os seus oficias. Como o tribunado só durava um
ano, o oficial podia optar em se aposentar ou continuar a sua carreira
nas legiões, como oficial superior.
O tribuno pretoriano, membro da ordem eqüestre, cavalheiro romano.
Como se pode ver o sistema foi montado para atrair o que as legiões
tinha de melhor entre os seus oficias. Como o tribunado só durava um
ano, o oficial podia optar em se aposentar ou continuar a sua carreira
nas legiões, como oficial superior.
• Uma das principais contribuições da
prisão de Paulo foi a livre comunicação
do Evangelho na capital do mundo
antigo.
• Os cristãos estavam espalhados por
toda a cidade de Roma e adjacências.
• Definitivamente a prisão de
Paulo não reteve a força do
Evangelho e o promoveu
universalmente.
16Pr. Moisés Sampaio de Paula
2. Uma porta se abre através da adversidade.
I. ADVERSIDADE: UMA CONTRIBUIÇÃO
PARA A PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO
Deus usou o
sofrimento do
apóstolo para que o
Evangelho fosse
anunciado de Roma
para o mundo (v.
13).
Deus usou o
sofrimento do
apóstolo para que o
Evangelho fosse
anunciado de Roma
para o mundo (v.
13).
Pr. Moisés Sampaio de Paula 17
II. O TESTEMUNHO DE PAULO NA
ADVERSIDADE (1.12,13)
18Pr. Moisés Sampaio de Paula
O testemunho de Paulo
na adversidade pode ser
observado pela sua
rejeição a autopiedade e
a sua fé no poder do
Evangelho.
1. O poder do Evangelho.
2. A preocupação dos filipenses com Paulo.
3. Paulo rejeita a autopiedade.
• Paulo diz aos filipenses que
nenhuma cadeia será capaz de
impor limites ao Evangelho de
Cristo.
• Esse sentimento superava todas as
expectativas do apóstolo
concernentes ao crescimento do
Reino de Deus.
• O seu propósito era ver as Boas
Novas prosperando entre os
gentios.
19Pr. Moisés Sampaio de Paula
1. O poder do Evangelho.
II. O TESTEMUNHO DE PAULO NA
ADVERSIDADE (1.12,13)
Portanto, nenhum poder humano
conterá a força do Evangelho,
pois este é o poder de Deus para
salvação de todo aquele que crê
(Rm 1.16).
Portanto, nenhum poder humano
conterá a força do Evangelho,
pois este é o poder de Deus para
salvação de todo aquele que crê
(Rm 1.16).
• Está implícita a preocupação dos
filipenses com o bem-estar de Paulo.
Eles o amavam e sabiam do seu ardor
em proclamar o Evangelho. Todavia,
achavam que a sua prisão prejudicaria
a causa cristã.
• O versículo 12 traz exatamente essa
conotação: "E quero, irmãos, que
saibais as coisas que me aconteceram
contribuíram para maior proveito do
evangelho". Para o apóstolo, seu
encarceramento contribuiu ainda mais
para o progresso da mensagem
evangélica (v.13). 20Pr. Moisés Sampaio de Paula
2. A preocupação dos filipenses com Paulo.
II. O TESTEMUNHO DE PAULO NA
ADVERSIDADE (1.12,13)
1. Paulo era um missionário consciente
da sua missão.
2. Para ele, o sofrimento no exercício
do santo ministério era
circunstancial e estava sob os
cuidados de Deus (v.19).
3. Paulo não manifestava autopiedade;
4. não precisava disso para conquistar
a compaixão das pessoas.
5. Sabia que a soberania de Deus faz do
sofrimento algo passageiro.
21Pr. Moisés Sampaio de Paula
3. Paulo rejeita a autopiedade.
II. O TESTEMUNHO DE PAULO NA
ADVERSIDADE (1.12,13)
Pense Nisso!
• Os infortúnios servem para
encher-nos de esperança,
conduzindo-nos numa bem-
aventurada expectativa de
"que todas as coisas
contribuem juntamente para
o bem daqueles que amam a
Deus, daqueles que são
chamados por seu decreto"
(Rm 8.28).
Pr. Moisés Sampaio de Paula 22
Uma Pergunta
Qual a sua motivação quanto à
pregação do evangelho?
Pr. Moisés Sampaio de Paula 23
III. MOTIVAÇÕES PARA A PREGAÇÃO DO
EVANGELHO (1.14-18)
24Pr. Moisés Sampaio de Paula
Duas motivações
predominavam nas igrejas
da Ásia Menor onde o
apóstolo Paulo atuava. A
positiva e a negativa
1. A motivação positiva.
2. A motivação negativa.
3. Os cristãos filipenses
foram estimulados a
anunciar o
Evangelho com total
destemor e
coragem.
3. Os cristãos filipenses
foram estimulados a
anunciar o
Evangelho com total
destemor e
coragem.
25Pr. Moisés Sampaio de Paula
1. A motivação positiva.
III. MOTIVAÇÕES PARA A PREGAÇÃO DO
EVANGELHO (1.14-18)
Estava claro para os
cristãos romanos, bem
como para a guarda
pretoriana, que o
processo judicial contra
Paulo era injusto, porque
ele não havia cometido
crime algum.
1. "E muitos dos irmãos no
Senhor, tomando ânimo
com as minhas prisões,
ousam falar a palavra
mais confiadamente,
sem temor" (v.14).
1. "E muitos dos irmãos no
Senhor, tomando ânimo
com as minhas prisões,
ousam falar a palavra
mais confiadamente,
sem temor" (v.14).
2. os pretorianos
recebiam diariamente
deste a mensagem do
Evangelho (v.13).
2. os pretorianos
recebiam diariamente
deste a mensagem do
Evangelho (v.13).
• RESULTADOS DA PRISÃO DE PAULO
• A prisão de Paulo motivou os cristãos a
proclamar o Evangelho de "boa mente" e "por
amor".
• Mas havia aqueles que usavam a prisão do
apóstolo para garantir vantagens
pessoais. Dominados pela inveja e pela
teimosia, agiam por motivos errados.
• Mas pelo Espírito, o apóstolo entendeu que o
mais importante era anunciar Cristo ao mundo
"de toda a maneira". Isto não significa que
Paulo aprovava quem procedia dessa forma,
porque um dia todo mau obreiro terá de dar
contas de seus atos ao Senhor (Mt 7.21-23). 26Pr. Moisés Sampaio de Paula
2. A motivação negativa.
III. MOTIVAÇÕES PARA A PREGAÇÃO DO
EVANGELHO (1.14-18)
Pregar por motivação ERRADA
1. Um jovem que decidiu pregar por
inveja do amigo que pregava.
2. Um pregador que vai pregar nas
ruas porque sente uma necessidade
de aparecer pregando.
3. Alguém que lidera um pequeno
grupo porque busca um tipo de
liderança, alimentando o ego.
4. Pregar pensando na fama ou lucro.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 27
Pense Nisso!
• Infelizmente, na atualidade,
algumas pessoas perderam o
temor de Deus. A exemplo
daqueles pregadores de Filipos,
elas exploram as tragédias
pessoais, pois veem nelas a
oportunidade de se locupletarem
com as feridas alheias (elas
sabem que o sofrimento humano
pode ser muito rentável). Cristo
não se acha mais no centro de
suas vidas.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 28
Motivação
• A MOTIVAÇÃO É UM CATALISADOR
PARA O SUCESSO
1. A motivação é vital se você quiser ter
um bom desempenho.
2. Esta força, intenção, energia, vontade
ou aquilo que você lhe possa chamar
vem de dentro, tem de pertencer-lhe
e viver dentro de si.
3. Ninguém vai ser capaz de influenciá-lo
se você for resistente, por isso, a
motivação é algo que depende de
você.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 29
Estratégias para sua motivação.
1. PRIORIZAR E FOCAR-SE OBJETIVAMENTE
2. DESAPEGAR-SE DO SEU SENTIMENTO DE
INCAPACIDADE
3. MANTER O SEU OBJETIVO POSITIVO EM
MENTE
4. MANTENHA RELAÇÕES SOCIAIS SAUDÁVEIS
5. FOCAR-SE NO POSITIVO E NÃO NO
NEGATIVO
Pr. Moisés Sampaio de Paula 30
FONTE: http://pontoterapeutico.blogspot.com.br/2013/04/o-incrivel-poder-da-mot
Uma Pergunta
Para você o que significa vivermos
para o Evangelho?
Pr. Moisés Sampaio de Paula 31
IV. O DILEMA DE PAULO (1.19-22ss.)
32Pr. Moisés Sampaio de Paula
O dilema de Paulo era,
imediatamente, "estar
com Cristo" ou "viver na
carne" para edificar os
filipenses.
1. Viver para Cristo.
2. Paulo supera o dilema.
• "Nisto me regozijo e me regozijarei
ainda" (v.18). Estas palavras refletem a
alegria de Paulo sobre o avanço do
Evangelho no mundo. Viver, para o
apóstolo, só se justifica se a razão for o
ministério cristão: "Porque para mim o
viver é Cristo, e o morrer é ganho. Mas,
se o viver na carne me der fruto da
minha obra, não sei, então, o que deva
escolher" (vv.21,22).
33Pr. Moisés Sampaio de Paula
1. Viver para Cristo.
IV. O DILEMA DE PAULO (1.19-22ss.)
• A morte para ele era um evento
natural, mas glorioso. Significava estar
imediatamente com Cristo. O Mestre
era tudo para Paulo, o princípio, a
essência e o fim da sua vida. Nele, o
apóstolo vivia e se movia para a glória
de Deus. Por isso, podia dizer: "E vivo,
não mais eu; mas Cristo vive em
mim"(Gl 2.20).
34Pr. Moisés Sampaio de Paula
1. Viver para Cristo.
IV. O DILEMA DE PAULO (1.19-22ss.)
• "Estar com Cristo" e "viver na
carne". Este era o dilema do
apóstolo (vv.23,24).
1. Ele desejava estar na plenitude com
o Senhor.
2. Todavia, o amor dele pelos gentios
era igualmente intenso. "Ficar na
carne" (v.24), aqui, refere-se à vida
física. Isto é: viver para disseminar o
Evangelho pelo mundo.
35Pr. Moisés Sampaio de Paula
2. Paulo supera o dilema.
IV. O DILEMA DE PAULO (1.19-22ss.)
• Mais do que escolha pessoal, estar
vivo justifica-se apenas para
proclamar o Evangelho e fortalecer
a Igreja. Este era o pensamento
paulino. Nos versículos 25 e 26, ele
entende que, se fosse posto em
liberdade, poderia rever os irmãos
de Filipos, e viver o amor fraterno
pela providência do Espírito Santo.
36Pr. Moisés Sampaio de Paula
2. Paulo supera o dilema.
IV. O DILEMA DE PAULO (1.19-22ss.)
Pr. Moisés Sampaio de Paula 37
Pense Nisso!
• A exemplo do que
ocorreu a Paulo, o
Evangelho continua a
ser propagado no
mundo através do
sofrimento de muitas
pessoas que se dispõem
a propagá-lo com
ousadia.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 38
Conclusão
• Paulo declara que o seu desejo de
estar com Cristo foi superado
pela amorosa obrigação de servir
aos irmãos (vv.24-26).
1. Ele nos ensina que devemos estar
prontos a trabalhar na causa do
Senhor, mesmo que isso
signifique enfrentar oposição dos
falsos crentes e até privações
materiais.
2. O que deve nos importar é o
progresso do Evangelho e o
crescimento da Igreja de Cristo
(vv.25,26).
Pr. Moisés Sampaio de Paula 39
Pr. Moisés Sampaio de Paula 40

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2Co Capítulo 4 - Vasos de Barro
2Co Capítulo 4 - Vasos de Barro2Co Capítulo 4 - Vasos de Barro
2Co Capítulo 4 - Vasos de Barro
Márcio Pereira
 
Apostila 33
Apostila 33Apostila 33
Apostila 33
amaildo pereira
 
Vivendo os últimos dias
Vivendo os últimos diasVivendo os últimos dias
Vivendo os últimos dias
Antonio Rodrigues
 
CETADEB - Lição 4 - Paulo, o padrão. Barnabé o exemplo, Livro Teologia Pastor...
CETADEB - Lição 4 - Paulo, o padrão. Barnabé o exemplo, Livro Teologia Pastor...CETADEB - Lição 4 - Paulo, o padrão. Barnabé o exemplo, Livro Teologia Pastor...
CETADEB - Lição 4 - Paulo, o padrão. Barnabé o exemplo, Livro Teologia Pastor...
Ednilson do Valle
 
Curso basico de evangelismo
Curso basico de evangelismoCurso basico de evangelismo
Curso basico de evangelismo
Antonio Rodrigues
 
Lição 07 - "Tudo posso naquele que me fortalece"
Lição 07 - "Tudo posso naquele que me fortalece"Lição 07 - "Tudo posso naquele que me fortalece"
Lição 07 - "Tudo posso naquele que me fortalece"
Ailton da Silva
 
Barnabé e as pressões sofridas em icônio
Barnabé e as pressões sofridas em icônioBarnabé e as pressões sofridas em icônio
Barnabé e as pressões sofridas em icônio
marosam1
 
Aula 9-eade-i-ii-roteiro-3-joao-batista-o-precursor
Aula 9-eade-i-ii-roteiro-3-joao-batista-o-precursorAula 9-eade-i-ii-roteiro-3-joao-batista-o-precursor
Aula 9-eade-i-ii-roteiro-3-joao-batista-o-precursor
JoyAlbanez
 
Lição 11 - A Cura de um Coxo de Nascença
Lição 11 - A Cura de um Coxo de NascençaLição 11 - A Cura de um Coxo de Nascença
Lição 11 - A Cura de um Coxo de Nascença
Éder Tomé
 
Lição 12 - O Milagre que Salvou o Carcereiro
Lição 12 - O Milagre que Salvou o CarcereiroLição 12 - O Milagre que Salvou o Carcereiro
Lição 12 - O Milagre que Salvou o Carcereiro
Éder Tomé
 
EBD Revista Palavra e Vida 4T2014: Aula 12: Preparados para a vinda do Senhor
EBD Revista Palavra e Vida 4T2014: Aula 12: Preparados para a vinda do SenhorEBD Revista Palavra e Vida 4T2014: Aula 12: Preparados para a vinda do Senhor
EBD Revista Palavra e Vida 4T2014: Aula 12: Preparados para a vinda do Senhor
Andre Nascimento
 
AS VIRTUDES DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 05 – Escola Dominical
AS VIRTUDES DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 05 – Escola DominicalAS VIRTUDES DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 05 – Escola Dominical
AS VIRTUDES DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 05 – Escola Dominical
yosseph2013
 
Estudo bíblico sobre os apóstlos de cristo
Estudo bíblico sobre os apóstlos de cristoEstudo bíblico sobre os apóstlos de cristo
Estudo bíblico sobre os apóstlos de cristo
Sergio Silva
 
Como Morreram os Apóstolos
Como Morreram os ApóstolosComo Morreram os Apóstolos
Como Morreram os Apóstolos
Robson Rocha
 
Mas o espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé
Mas o espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da féMas o espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé
Mas o espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé
WALKYRIA1965
 
Lição 6 - Estêvão o Primeiro Mártir
Lição 6 - Estêvão o Primeiro MártirLição 6 - Estêvão o Primeiro Mártir
Lição 6 - Estêvão o Primeiro Mártir
Éder Tomé
 
Escola de Profetas - André, o primeiro seguidor de Jesus
Escola de Profetas - André, o primeiro seguidor de JesusEscola de Profetas - André, o primeiro seguidor de Jesus
Escola de Profetas - André, o primeiro seguidor de Jesus
Evangelista Oliveira
 
CETADEB. Lição 5 - O Ministro e sua Família
CETADEB.  Lição 5 -  O Ministro e sua FamíliaCETADEB.  Lição 5 -  O Ministro e sua Família
CETADEB. Lição 5 - O Ministro e sua Família
Ednilson do Valle
 
Lição biblica os apóstolos de cristo - filipe,bartolomeu...
Lição biblica   os apóstolos de cristo - filipe,bartolomeu...Lição biblica   os apóstolos de cristo - filipe,bartolomeu...
Lição biblica os apóstolos de cristo - filipe,bartolomeu...
Sergio Silva
 
Lição 3 - O problema da fome no mundo contemporâneo
Lição 3 - O problema da fome no mundo contemporâneoLição 3 - O problema da fome no mundo contemporâneo
Lição 3 - O problema da fome no mundo contemporâneo
Erberson Pinheiro
 

Mais procurados (20)

2Co Capítulo 4 - Vasos de Barro
2Co Capítulo 4 - Vasos de Barro2Co Capítulo 4 - Vasos de Barro
2Co Capítulo 4 - Vasos de Barro
 
Apostila 33
Apostila 33Apostila 33
Apostila 33
 
Vivendo os últimos dias
Vivendo os últimos diasVivendo os últimos dias
Vivendo os últimos dias
 
CETADEB - Lição 4 - Paulo, o padrão. Barnabé o exemplo, Livro Teologia Pastor...
CETADEB - Lição 4 - Paulo, o padrão. Barnabé o exemplo, Livro Teologia Pastor...CETADEB - Lição 4 - Paulo, o padrão. Barnabé o exemplo, Livro Teologia Pastor...
CETADEB - Lição 4 - Paulo, o padrão. Barnabé o exemplo, Livro Teologia Pastor...
 
Curso basico de evangelismo
Curso basico de evangelismoCurso basico de evangelismo
Curso basico de evangelismo
 
Lição 07 - "Tudo posso naquele que me fortalece"
Lição 07 - "Tudo posso naquele que me fortalece"Lição 07 - "Tudo posso naquele que me fortalece"
Lição 07 - "Tudo posso naquele que me fortalece"
 
Barnabé e as pressões sofridas em icônio
Barnabé e as pressões sofridas em icônioBarnabé e as pressões sofridas em icônio
Barnabé e as pressões sofridas em icônio
 
Aula 9-eade-i-ii-roteiro-3-joao-batista-o-precursor
Aula 9-eade-i-ii-roteiro-3-joao-batista-o-precursorAula 9-eade-i-ii-roteiro-3-joao-batista-o-precursor
Aula 9-eade-i-ii-roteiro-3-joao-batista-o-precursor
 
Lição 11 - A Cura de um Coxo de Nascença
Lição 11 - A Cura de um Coxo de NascençaLição 11 - A Cura de um Coxo de Nascença
Lição 11 - A Cura de um Coxo de Nascença
 
Lição 12 - O Milagre que Salvou o Carcereiro
Lição 12 - O Milagre que Salvou o CarcereiroLição 12 - O Milagre que Salvou o Carcereiro
Lição 12 - O Milagre que Salvou o Carcereiro
 
EBD Revista Palavra e Vida 4T2014: Aula 12: Preparados para a vinda do Senhor
EBD Revista Palavra e Vida 4T2014: Aula 12: Preparados para a vinda do SenhorEBD Revista Palavra e Vida 4T2014: Aula 12: Preparados para a vinda do Senhor
EBD Revista Palavra e Vida 4T2014: Aula 12: Preparados para a vinda do Senhor
 
AS VIRTUDES DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 05 – Escola Dominical
AS VIRTUDES DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 05 – Escola DominicalAS VIRTUDES DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 05 – Escola Dominical
AS VIRTUDES DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 05 – Escola Dominical
 
Estudo bíblico sobre os apóstlos de cristo
Estudo bíblico sobre os apóstlos de cristoEstudo bíblico sobre os apóstlos de cristo
Estudo bíblico sobre os apóstlos de cristo
 
Como Morreram os Apóstolos
Como Morreram os ApóstolosComo Morreram os Apóstolos
Como Morreram os Apóstolos
 
Mas o espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé
Mas o espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da féMas o espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé
Mas o espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé
 
Lição 6 - Estêvão o Primeiro Mártir
Lição 6 - Estêvão o Primeiro MártirLição 6 - Estêvão o Primeiro Mártir
Lição 6 - Estêvão o Primeiro Mártir
 
Escola de Profetas - André, o primeiro seguidor de Jesus
Escola de Profetas - André, o primeiro seguidor de JesusEscola de Profetas - André, o primeiro seguidor de Jesus
Escola de Profetas - André, o primeiro seguidor de Jesus
 
CETADEB. Lição 5 - O Ministro e sua Família
CETADEB.  Lição 5 -  O Ministro e sua FamíliaCETADEB.  Lição 5 -  O Ministro e sua Família
CETADEB. Lição 5 - O Ministro e sua Família
 
Lição biblica os apóstolos de cristo - filipe,bartolomeu...
Lição biblica   os apóstolos de cristo - filipe,bartolomeu...Lição biblica   os apóstolos de cristo - filipe,bartolomeu...
Lição biblica os apóstolos de cristo - filipe,bartolomeu...
 
Lição 3 - O problema da fome no mundo contemporâneo
Lição 3 - O problema da fome no mundo contemporâneoLição 3 - O problema da fome no mundo contemporâneo
Lição 3 - O problema da fome no mundo contemporâneo
 

Destaque

Como Lidar Com Adversidades
Como Lidar Com AdversidadesComo Lidar Com Adversidades
Como Lidar Com Adversidades
aavbatista
 
Série Aprendendo com Outros: Qual o papel do líder de hoje?
Série Aprendendo com Outros: Qual o papel do líder de hoje?Série Aprendendo com Outros: Qual o papel do líder de hoje?
Série Aprendendo com Outros: Qual o papel do líder de hoje?
Moacir Medrado
 
Modelos pedagógicos para e learning
Modelos pedagógicos para e learningModelos pedagógicos para e learning
Modelos pedagógicos para e learning
Alvaro Galvis
 
Rede de conexões na criação de conteúdo web
Rede de conexões na criação de conteúdo webRede de conexões na criação de conteúdo web
Rede de conexões na criação de conteúdo web
Felipe Moreno
 
Fatores de influência
Fatores de influênciaFatores de influência
Fatores de influência
Alexandre Rodriguez
 
Arquétipos comportamentais dos tipos de personalidade3
Arquétipos comportamentais dos tipos de personalidade3Arquétipos comportamentais dos tipos de personalidade3
Arquétipos comportamentais dos tipos de personalidade3
Felipe Moreno
 
Lei 9474
Lei 9474Lei 9474
Lei 9474
VozdaIgreja
 
O Refúgio
O RefúgioO Refúgio
Entre quatro paredes
Entre quatro paredesEntre quatro paredes
Entre quatro paredes
Simone Alves
 
Técnicas de ACC's
Técnicas de ACC'sTécnicas de ACC's
Técnicas de ACC's
psimais
 
Pregação 13.09.15 a boa notícia
Pregação 13.09.15   a boa notíciaPregação 13.09.15   a boa notícia
Pregação 13.09.15 a boa notícia
Dyogo E Cris
 
Provações
ProvaçõesProvações
Provações
Val Ruas
 
Academia da Liderança
Academia da LiderançaAcademia da Liderança
Academia da Liderança
Sergio Lagoa
 
Lição 10 - Há um milagre em sua casa
Lição 10 - Há um milagre em sua casaLição 10 - Há um milagre em sua casa
Lição 10 - Há um milagre em sua casa
Daniel Viana
 
EBC - Solução para os problemas educativos
EBC - Solução para os problemas educativosEBC - Solução para os problemas educativos
EBC - Solução para os problemas educativos
Emanuel Cerveira Pinto
 
Buscai Em Primeiro Lugar...
Buscai Em Primeiro Lugar...Buscai Em Primeiro Lugar...
Buscai Em Primeiro Lugar...
José Roberto Cordeiro
 
Aprendizagem social e e Aprendizagem Colaborativa através de comunidades de p...
Aprendizagem social e e Aprendizagem Colaborativa através de comunidades de p...Aprendizagem social e e Aprendizagem Colaborativa através de comunidades de p...
Aprendizagem social e e Aprendizagem Colaborativa através de comunidades de p...
comunidadedepraticas
 
Esperança, paciência perseverança lição 3
Esperança, paciência perseverança lição 3  Esperança, paciência perseverança lição 3
Esperança, paciência perseverança lição 3
Marco Antonio Dos Santos
 
Tempo de despertar
Tempo de despertarTempo de despertar
Curso Endurance Toda Lideranca tem um inicio SR Cosultoria & Educacao Corp...
Curso Endurance  Toda Lideranca tem um inicio   SR Cosultoria & Educacao Corp...Curso Endurance  Toda Lideranca tem um inicio   SR Cosultoria & Educacao Corp...
Curso Endurance Toda Lideranca tem um inicio SR Cosultoria & Educacao Corp...
guestaf7d6d2e
 

Destaque (20)

Como Lidar Com Adversidades
Como Lidar Com AdversidadesComo Lidar Com Adversidades
Como Lidar Com Adversidades
 
Série Aprendendo com Outros: Qual o papel do líder de hoje?
Série Aprendendo com Outros: Qual o papel do líder de hoje?Série Aprendendo com Outros: Qual o papel do líder de hoje?
Série Aprendendo com Outros: Qual o papel do líder de hoje?
 
Modelos pedagógicos para e learning
Modelos pedagógicos para e learningModelos pedagógicos para e learning
Modelos pedagógicos para e learning
 
Rede de conexões na criação de conteúdo web
Rede de conexões na criação de conteúdo webRede de conexões na criação de conteúdo web
Rede de conexões na criação de conteúdo web
 
Fatores de influência
Fatores de influênciaFatores de influência
Fatores de influência
 
Arquétipos comportamentais dos tipos de personalidade3
Arquétipos comportamentais dos tipos de personalidade3Arquétipos comportamentais dos tipos de personalidade3
Arquétipos comportamentais dos tipos de personalidade3
 
Lei 9474
Lei 9474Lei 9474
Lei 9474
 
O Refúgio
O RefúgioO Refúgio
O Refúgio
 
Entre quatro paredes
Entre quatro paredesEntre quatro paredes
Entre quatro paredes
 
Técnicas de ACC's
Técnicas de ACC'sTécnicas de ACC's
Técnicas de ACC's
 
Pregação 13.09.15 a boa notícia
Pregação 13.09.15   a boa notíciaPregação 13.09.15   a boa notícia
Pregação 13.09.15 a boa notícia
 
Provações
ProvaçõesProvações
Provações
 
Academia da Liderança
Academia da LiderançaAcademia da Liderança
Academia da Liderança
 
Lição 10 - Há um milagre em sua casa
Lição 10 - Há um milagre em sua casaLição 10 - Há um milagre em sua casa
Lição 10 - Há um milagre em sua casa
 
EBC - Solução para os problemas educativos
EBC - Solução para os problemas educativosEBC - Solução para os problemas educativos
EBC - Solução para os problemas educativos
 
Buscai Em Primeiro Lugar...
Buscai Em Primeiro Lugar...Buscai Em Primeiro Lugar...
Buscai Em Primeiro Lugar...
 
Aprendizagem social e e Aprendizagem Colaborativa através de comunidades de p...
Aprendizagem social e e Aprendizagem Colaborativa através de comunidades de p...Aprendizagem social e e Aprendizagem Colaborativa através de comunidades de p...
Aprendizagem social e e Aprendizagem Colaborativa através de comunidades de p...
 
Esperança, paciência perseverança lição 3
Esperança, paciência perseverança lição 3  Esperança, paciência perseverança lição 3
Esperança, paciência perseverança lição 3
 
Tempo de despertar
Tempo de despertarTempo de despertar
Tempo de despertar
 
Curso Endurance Toda Lideranca tem um inicio SR Cosultoria & Educacao Corp...
Curso Endurance  Toda Lideranca tem um inicio   SR Cosultoria & Educacao Corp...Curso Endurance  Toda Lideranca tem um inicio   SR Cosultoria & Educacao Corp...
Curso Endurance Toda Lideranca tem um inicio SR Cosultoria & Educacao Corp...
 

Semelhante a Esperança em meio à adversidade

Lição 2 - 3º Trimestre
Lição 2 - 3º TrimestreLição 2 - 3º Trimestre
Lição 2 - 3º Trimestre
Silas Rodrigues
 
A reciprocidade do amor cristão
A reciprocidade do amor cristãoA reciprocidade do amor cristão
A reciprocidade do amor cristão
Moisés Sampaio
 
Lição 2
Lição 2Lição 2
Lição 2
Ailton da Silva
 
Lição 01 - Cenário Histórico.pptx
Lição 01 - Cenário Histórico.pptxLição 01 - Cenário Histórico.pptx
Lição 01 - Cenário Histórico.pptx
Joel Silva
 
A Fidelidade de Deus.
A  Fidelidade de Deus.A  Fidelidade de Deus.
A Fidelidade de Deus.
Márcio Martins
 
A fidelidade de deus - Lição 13 - 4º Trimestre de 2016
A fidelidade de deus - Lição 13 - 4º Trimestre de 2016A fidelidade de deus - Lição 13 - 4º Trimestre de 2016
A fidelidade de deus - Lição 13 - 4º Trimestre de 2016
Pr. Andre Luiz
 
E.b.d adultos 4ºtrimestre 2016 lição 13
E.b.d   adultos 4ºtrimestre 2016 lição 13E.b.d   adultos 4ºtrimestre 2016 lição 13
E.b.d adultos 4ºtrimestre 2016 lição 13
Joel Silva
 
2016 4º trimestre adultos lição 13.pptx
2016 4º trimestre adultos lição 13.pptx2016 4º trimestre adultos lição 13.pptx
2016 4º trimestre adultos lição 13.pptx
Joel Silva
 
O sacrifício que agrada a Deus
O sacrifício que agrada a DeusO sacrifício que agrada a Deus
O sacrifício que agrada a Deus
Moisés Sampaio
 
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
Joel Silva
 
Romanos lição 1 - Apresentando o Evangelho
Romanos lição 1  - Apresentando o EvangelhoRomanos lição 1  - Apresentando o Evangelho
Romanos lição 1 - Apresentando o Evangelho
Cleide Corrêa
 
Resumo do 3 Trimestre de 2016 - Promissao.pptx
Resumo do 3 Trimestre de 2016 - Promissao.pptxResumo do 3 Trimestre de 2016 - Promissao.pptx
Resumo do 3 Trimestre de 2016 - Promissao.pptx
ssuser4629fb
 
2015 3TRI LIÇÃO 2 - O EVANGELHO DA GRAÇA
2015 3TRI LIÇÃO 2 - O EVANGELHO DA GRAÇA2015 3TRI LIÇÃO 2 - O EVANGELHO DA GRAÇA
2015 3TRI LIÇÃO 2 - O EVANGELHO DA GRAÇA
Natalino das Neves Neves
 
EBD Revista Palavra e Vida (CB Fluminense) - Aula 1
EBD Revista Palavra e Vida (CB Fluminense) - Aula 1EBD Revista Palavra e Vida (CB Fluminense) - Aula 1
EBD Revista Palavra e Vida (CB Fluminense) - Aula 1
Andre Nascimento
 
As virtudes dos salvos em Cristo
As virtudes dos salvos em CristoAs virtudes dos salvos em Cristo
As virtudes dos salvos em Cristo
Moisés Sampaio
 
LIÇÃO 13 - A FIDELIDADE DE DEUS
LIÇÃO 13 - A FIDELIDADE DE DEUSLIÇÃO 13 - A FIDELIDADE DE DEUS
LIÇÃO 13 - A FIDELIDADE DE DEUS
Lourinaldo Serafim
 
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
Joel Silva
 
Colossenses - Cap. 01 parte 05 e cap. 02 - parte 01
Colossenses - Cap. 01 parte 05 e cap. 02 - parte 01Colossenses - Cap. 01 parte 05 e cap. 02 - parte 01
Colossenses - Cap. 01 parte 05 e cap. 02 - parte 01
Daniel M Junior
 
TODAS AS LIÇÕES DO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2016
TODAS AS LIÇÕES DO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2016 TODAS AS LIÇÕES DO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2016
TODAS AS LIÇÕES DO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2016
Elias Farias
 
Absg 12-q3-p-l01-t
Absg 12-q3-p-l01-tAbsg 12-q3-p-l01-t
Absg 12-q3-p-l01-t
Flor Aranda
 

Semelhante a Esperança em meio à adversidade (20)

Lição 2 - 3º Trimestre
Lição 2 - 3º TrimestreLição 2 - 3º Trimestre
Lição 2 - 3º Trimestre
 
A reciprocidade do amor cristão
A reciprocidade do amor cristãoA reciprocidade do amor cristão
A reciprocidade do amor cristão
 
Lição 2
Lição 2Lição 2
Lição 2
 
Lição 01 - Cenário Histórico.pptx
Lição 01 - Cenário Histórico.pptxLição 01 - Cenário Histórico.pptx
Lição 01 - Cenário Histórico.pptx
 
A Fidelidade de Deus.
A  Fidelidade de Deus.A  Fidelidade de Deus.
A Fidelidade de Deus.
 
A fidelidade de deus - Lição 13 - 4º Trimestre de 2016
A fidelidade de deus - Lição 13 - 4º Trimestre de 2016A fidelidade de deus - Lição 13 - 4º Trimestre de 2016
A fidelidade de deus - Lição 13 - 4º Trimestre de 2016
 
E.b.d adultos 4ºtrimestre 2016 lição 13
E.b.d   adultos 4ºtrimestre 2016 lição 13E.b.d   adultos 4ºtrimestre 2016 lição 13
E.b.d adultos 4ºtrimestre 2016 lição 13
 
2016 4º trimestre adultos lição 13.pptx
2016 4º trimestre adultos lição 13.pptx2016 4º trimestre adultos lição 13.pptx
2016 4º trimestre adultos lição 13.pptx
 
O sacrifício que agrada a Deus
O sacrifício que agrada a DeusO sacrifício que agrada a Deus
O sacrifício que agrada a Deus
 
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
 
Romanos lição 1 - Apresentando o Evangelho
Romanos lição 1  - Apresentando o EvangelhoRomanos lição 1  - Apresentando o Evangelho
Romanos lição 1 - Apresentando o Evangelho
 
Resumo do 3 Trimestre de 2016 - Promissao.pptx
Resumo do 3 Trimestre de 2016 - Promissao.pptxResumo do 3 Trimestre de 2016 - Promissao.pptx
Resumo do 3 Trimestre de 2016 - Promissao.pptx
 
2015 3TRI LIÇÃO 2 - O EVANGELHO DA GRAÇA
2015 3TRI LIÇÃO 2 - O EVANGELHO DA GRAÇA2015 3TRI LIÇÃO 2 - O EVANGELHO DA GRAÇA
2015 3TRI LIÇÃO 2 - O EVANGELHO DA GRAÇA
 
EBD Revista Palavra e Vida (CB Fluminense) - Aula 1
EBD Revista Palavra e Vida (CB Fluminense) - Aula 1EBD Revista Palavra e Vida (CB Fluminense) - Aula 1
EBD Revista Palavra e Vida (CB Fluminense) - Aula 1
 
As virtudes dos salvos em Cristo
As virtudes dos salvos em CristoAs virtudes dos salvos em Cristo
As virtudes dos salvos em Cristo
 
LIÇÃO 13 - A FIDELIDADE DE DEUS
LIÇÃO 13 - A FIDELIDADE DE DEUSLIÇÃO 13 - A FIDELIDADE DE DEUS
LIÇÃO 13 - A FIDELIDADE DE DEUS
 
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
 
Colossenses - Cap. 01 parte 05 e cap. 02 - parte 01
Colossenses - Cap. 01 parte 05 e cap. 02 - parte 01Colossenses - Cap. 01 parte 05 e cap. 02 - parte 01
Colossenses - Cap. 01 parte 05 e cap. 02 - parte 01
 
TODAS AS LIÇÕES DO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2016
TODAS AS LIÇÕES DO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2016 TODAS AS LIÇÕES DO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2016
TODAS AS LIÇÕES DO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2016
 
Absg 12-q3-p-l01-t
Absg 12-q3-p-l01-tAbsg 12-q3-p-l01-t
Absg 12-q3-p-l01-t
 

Mais de Moisés Sampaio

Jesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiroJesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiro
Moisés Sampaio
 
As limitações dos discípulos
As limitações dos discípulosAs limitações dos discípulos
As limitações dos discípulos
Moisés Sampaio
 
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
Moisés Sampaio
 
Poder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e mortePoder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e morte
Moisés Sampaio
 
Mulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram JesusMulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram Jesus
Moisés Sampaio
 
Jesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulosJesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulos
Moisés Sampaio
 
A tentação de Jesus
A tentação de JesusA tentação de Jesus
A tentação de Jesus
Moisés Sampaio
 
A infância de Jesus
A infância de JesusA infância de Jesus
A infância de Jesus
Moisés Sampaio
 
O nascimento de Jesus
O nascimento de JesusO nascimento de Jesus
O nascimento de Jesus
Moisés Sampaio
 
O evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo LucasO evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo Lucas
Moisés Sampaio
 
A igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de DeusA igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de Deus
Moisés Sampaio
 
9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum
Moisés Sampaio
 
8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia
Moisés Sampaio
 
Não cobiçarás
Não cobiçarásNão cobiçarás
Não cobiçarás
Moisés Sampaio
 
7- Tiberíades
7- Tiberíades7- Tiberíades
7- Tiberíades
Moisés Sampaio
 
6 meggido
6   meggido6   meggido
6 meggido
Moisés Sampaio
 
Não darás falso testemunho
Não darás falso testemunhoNão darás falso testemunho
Não darás falso testemunho
Moisés Sampaio
 
5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo
Moisés Sampaio
 
4 - Haifa
4 - Haifa4 - Haifa
4 - Haifa
Moisés Sampaio
 
3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima
Moisés Sampaio
 

Mais de Moisés Sampaio (20)

Jesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiroJesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiro
 
As limitações dos discípulos
As limitações dos discípulosAs limitações dos discípulos
As limitações dos discípulos
 
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
 
Poder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e mortePoder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e morte
 
Mulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram JesusMulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram Jesus
 
Jesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulosJesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulos
 
A tentação de Jesus
A tentação de JesusA tentação de Jesus
A tentação de Jesus
 
A infância de Jesus
A infância de JesusA infância de Jesus
A infância de Jesus
 
O nascimento de Jesus
O nascimento de JesusO nascimento de Jesus
O nascimento de Jesus
 
O evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo LucasO evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo Lucas
 
A igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de DeusA igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de Deus
 
9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum
 
8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia
 
Não cobiçarás
Não cobiçarásNão cobiçarás
Não cobiçarás
 
7- Tiberíades
7- Tiberíades7- Tiberíades
7- Tiberíades
 
6 meggido
6   meggido6   meggido
6 meggido
 
Não darás falso testemunho
Não darás falso testemunhoNão darás falso testemunho
Não darás falso testemunho
 
5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo
 
4 - Haifa
4 - Haifa4 - Haifa
4 - Haifa
 
3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima
 

Esperança em meio à adversidade

  • 1. ESPERANÇA EM MEIO À ADVERSIDADE 3º Trimestre de 2013 Lição 2 Pr. Moisés Sampaio de Paula
  • 2. TEXTO ÁUREO 2Pr. Moisés Sampaio de Paula "Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho" (Fp 1.21).
  • 3. VERDADE PRÁTICA 3Pr. Moisés Sampaio de Paula Nenhuma adversidade poderá reter a graça e o poder do Evangelho
  • 4. OBJETIVOS • Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: • Saber que as adversidades podem contribuir para a expansão do Evangelho. • Explicar as motivações de Paulo para a pregação do Evangelho. • Compreender que o significado da vida consiste em vivermos para o Evangelho 4Pr. Moisés Sampaio de Paula
  • 5. Palavra chave: Adversidade 5Pr. Moisés Sampaio de Paula
  • 6. I. ADVERSIDADE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO 1. Paulo na prisão. 2. Uma porta se abre através da adversidade. II. O TESTEMUNHO DE PAULO NA ADVERSIDADE (1.12,13) 1. O poder do Evangelho. 2. A preocupação dos filipenses com Paulo. 3. Paulo rejeita a autopiedade. III. MOTIVAÇÕES PARA A PREGAÇÃO DO EVANGELHO (1.14-18) 1. A motivação positiva. 2. A motivação negativa. IV. O DILEMA DE PAULO (1.19-22ss.) 1. Viver para Cristo. 2. Paulo supera o dilema. I. ADVERSIDADE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO 1. Paulo na prisão. 2. Uma porta se abre através da adversidade. II. O TESTEMUNHO DE PAULO NA ADVERSIDADE (1.12,13) 1. O poder do Evangelho. 2. A preocupação dos filipenses com Paulo. 3. Paulo rejeita a autopiedade. III. MOTIVAÇÕES PARA A PREGAÇÃO DO EVANGELHO (1.14-18) 1. A motivação positiva. 2. A motivação negativa. IV. O DILEMA DE PAULO (1.19-22ss.) 1. Viver para Cristo. 2. Paulo supera o dilema. Esboço da Lição 6Pr. Moisés Sampaio de Paula
  • 7. • Nesta lição, veremos como a paixão pelas almas consumia o coração de Paulo. • Embora preso em Roma, ele não esmorecia na missão de proclamar o Evangelho. E, tendo como ponto de partida o seu sofrimento, o apóstolo ensina aos filipenses que nenhuma adversidade será capaz de arrefecer-lhes a fé em Cristo. • Ao contrário, ele demonstra o quanto as suas adversidades foram positivas ao progresso do Reino de Deus. 7Pr. Moisés Sampaio de Paula INTRODUÇÃO
  • 8. Uma Pergunta Como as adversidades podem contribuir para a expansão do Evangelho? Pr. Moisés Sampaio de Paula 8
  • 9. I. ADVERSIDADE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO 9Pr. Moisés Sampaio de Paula A prisão de Paulo foi uma porta aberta para a proclamação do Evangelho. 1. Paulo na prisão. 2. Uma porta se abre através da adversidade.
  • 10. • Paulo estava preso em Roma, aguardando julgamento. Ele sabia que tanto poderia ser absolvido como executado. Todavia, não se achava ansioso. 10Pr. Moisés Sampaio de Paula 1. Paulo na prisão. I. ADVERSIDADE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO O que mais desejava era, com toda ousadia, anunciar a Cristo até mesmo no tribunal. O que mais desejava era, com toda ousadia, anunciar a Cristo até mesmo no tribunal.
  • 11. • Paulo não era um preso qualquer; sua segurança estava sob os cuidados da guarda pretoriana (1.13). Constituída de 10 mil soldados, esta guarda encarregava- se de proteger os representantes do Império Romano em qualquer lugar do mundo. Sua principal tarefa era a proteção do imperador. 11Pr. Moisés Sampaio de Paula 1. Paulo na prisão. I. ADVERSIDADE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO
  • 12. Guarda Pretoriana Pr. Moisés Sampaio de Paula 12
  • 13. Guarda Pretoriana • O pretorianos geralmente chegavam a Guarda através de seus serviços nas legiões. • Eles tinham que ser muito bem recomendados, • passar em alguns exames, conhecimentos e testes físicos exaustivos e servir como candidato ou probatus por um certo tempo, antes de ser destinado como dedicado como miles gregarius para o serviço em uma das coorte. • Depois de anos de serviço poderia se tornar inmunis, ou o guarda especializado em tarefas de escritório ou técnico, e dai ascendeu até principalis, com salário dobrado, tesserarius, o guarda que cuidava da senha, optio, o segundo em comando da centúria ou signifer, quer dizer, porta- estandarte. Pr. Moisés Sampaio de Paula 13
  • 14. • Cada uma destas ascensões significava incremento de salário e privilégios somados. • Se eles fossem realmente bons eles podiam se tornar centurions, o sonho de todo guarda. Sabemos que alguns membros da ordem eqüestre, os cavalheiros de Roma, deixaram o seu estado expressamente para poder galgar esta posição, desde que os funcionários inferiores pudessem ser só plebeus. Pr. Moisés Sampaio de Paula 14 Guarda Pretoriana
  • 15. • Os tribunos pretorianos alcançaram o seu cargo depois de terem passado por todos os escalões. • Primeiro deveriam se tornar centurion da Guarda, • depois de um tempo de serviço poderiam pedir a transferência para exército e servir nas legiões até alcançar o posto de centurion primus piluso, e • depois que voltassem a Roma onde podia ser encarregado de uma coorte urbana, os Vigiles, o oficial podia finalmente ser um tribuno pretoriano Pr. Moisés Sampaio de Paula 15 Guarda Pretoriana O tribuno pretoriano, membro da ordem eqüestre, cavalheiro romano. Como se pode ver o sistema foi montado para atrair o que as legiões tinha de melhor entre os seus oficias. Como o tribunado só durava um ano, o oficial podia optar em se aposentar ou continuar a sua carreira nas legiões, como oficial superior. O tribuno pretoriano, membro da ordem eqüestre, cavalheiro romano. Como se pode ver o sistema foi montado para atrair o que as legiões tinha de melhor entre os seus oficias. Como o tribunado só durava um ano, o oficial podia optar em se aposentar ou continuar a sua carreira nas legiões, como oficial superior.
  • 16. • Uma das principais contribuições da prisão de Paulo foi a livre comunicação do Evangelho na capital do mundo antigo. • Os cristãos estavam espalhados por toda a cidade de Roma e adjacências. • Definitivamente a prisão de Paulo não reteve a força do Evangelho e o promoveu universalmente. 16Pr. Moisés Sampaio de Paula 2. Uma porta se abre através da adversidade. I. ADVERSIDADE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO Deus usou o sofrimento do apóstolo para que o Evangelho fosse anunciado de Roma para o mundo (v. 13). Deus usou o sofrimento do apóstolo para que o Evangelho fosse anunciado de Roma para o mundo (v. 13).
  • 17. Pr. Moisés Sampaio de Paula 17
  • 18. II. O TESTEMUNHO DE PAULO NA ADVERSIDADE (1.12,13) 18Pr. Moisés Sampaio de Paula O testemunho de Paulo na adversidade pode ser observado pela sua rejeição a autopiedade e a sua fé no poder do Evangelho. 1. O poder do Evangelho. 2. A preocupação dos filipenses com Paulo. 3. Paulo rejeita a autopiedade.
  • 19. • Paulo diz aos filipenses que nenhuma cadeia será capaz de impor limites ao Evangelho de Cristo. • Esse sentimento superava todas as expectativas do apóstolo concernentes ao crescimento do Reino de Deus. • O seu propósito era ver as Boas Novas prosperando entre os gentios. 19Pr. Moisés Sampaio de Paula 1. O poder do Evangelho. II. O TESTEMUNHO DE PAULO NA ADVERSIDADE (1.12,13) Portanto, nenhum poder humano conterá a força do Evangelho, pois este é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê (Rm 1.16). Portanto, nenhum poder humano conterá a força do Evangelho, pois este é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê (Rm 1.16).
  • 20. • Está implícita a preocupação dos filipenses com o bem-estar de Paulo. Eles o amavam e sabiam do seu ardor em proclamar o Evangelho. Todavia, achavam que a sua prisão prejudicaria a causa cristã. • O versículo 12 traz exatamente essa conotação: "E quero, irmãos, que saibais as coisas que me aconteceram contribuíram para maior proveito do evangelho". Para o apóstolo, seu encarceramento contribuiu ainda mais para o progresso da mensagem evangélica (v.13). 20Pr. Moisés Sampaio de Paula 2. A preocupação dos filipenses com Paulo. II. O TESTEMUNHO DE PAULO NA ADVERSIDADE (1.12,13)
  • 21. 1. Paulo era um missionário consciente da sua missão. 2. Para ele, o sofrimento no exercício do santo ministério era circunstancial e estava sob os cuidados de Deus (v.19). 3. Paulo não manifestava autopiedade; 4. não precisava disso para conquistar a compaixão das pessoas. 5. Sabia que a soberania de Deus faz do sofrimento algo passageiro. 21Pr. Moisés Sampaio de Paula 3. Paulo rejeita a autopiedade. II. O TESTEMUNHO DE PAULO NA ADVERSIDADE (1.12,13)
  • 22. Pense Nisso! • Os infortúnios servem para encher-nos de esperança, conduzindo-nos numa bem- aventurada expectativa de "que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados por seu decreto" (Rm 8.28). Pr. Moisés Sampaio de Paula 22
  • 23. Uma Pergunta Qual a sua motivação quanto à pregação do evangelho? Pr. Moisés Sampaio de Paula 23
  • 24. III. MOTIVAÇÕES PARA A PREGAÇÃO DO EVANGELHO (1.14-18) 24Pr. Moisés Sampaio de Paula Duas motivações predominavam nas igrejas da Ásia Menor onde o apóstolo Paulo atuava. A positiva e a negativa 1. A motivação positiva. 2. A motivação negativa.
  • 25. 3. Os cristãos filipenses foram estimulados a anunciar o Evangelho com total destemor e coragem. 3. Os cristãos filipenses foram estimulados a anunciar o Evangelho com total destemor e coragem. 25Pr. Moisés Sampaio de Paula 1. A motivação positiva. III. MOTIVAÇÕES PARA A PREGAÇÃO DO EVANGELHO (1.14-18) Estava claro para os cristãos romanos, bem como para a guarda pretoriana, que o processo judicial contra Paulo era injusto, porque ele não havia cometido crime algum. 1. "E muitos dos irmãos no Senhor, tomando ânimo com as minhas prisões, ousam falar a palavra mais confiadamente, sem temor" (v.14). 1. "E muitos dos irmãos no Senhor, tomando ânimo com as minhas prisões, ousam falar a palavra mais confiadamente, sem temor" (v.14). 2. os pretorianos recebiam diariamente deste a mensagem do Evangelho (v.13). 2. os pretorianos recebiam diariamente deste a mensagem do Evangelho (v.13).
  • 26. • RESULTADOS DA PRISÃO DE PAULO • A prisão de Paulo motivou os cristãos a proclamar o Evangelho de "boa mente" e "por amor". • Mas havia aqueles que usavam a prisão do apóstolo para garantir vantagens pessoais. Dominados pela inveja e pela teimosia, agiam por motivos errados. • Mas pelo Espírito, o apóstolo entendeu que o mais importante era anunciar Cristo ao mundo "de toda a maneira". Isto não significa que Paulo aprovava quem procedia dessa forma, porque um dia todo mau obreiro terá de dar contas de seus atos ao Senhor (Mt 7.21-23). 26Pr. Moisés Sampaio de Paula 2. A motivação negativa. III. MOTIVAÇÕES PARA A PREGAÇÃO DO EVANGELHO (1.14-18)
  • 27. Pregar por motivação ERRADA 1. Um jovem que decidiu pregar por inveja do amigo que pregava. 2. Um pregador que vai pregar nas ruas porque sente uma necessidade de aparecer pregando. 3. Alguém que lidera um pequeno grupo porque busca um tipo de liderança, alimentando o ego. 4. Pregar pensando na fama ou lucro. Pr. Moisés Sampaio de Paula 27
  • 28. Pense Nisso! • Infelizmente, na atualidade, algumas pessoas perderam o temor de Deus. A exemplo daqueles pregadores de Filipos, elas exploram as tragédias pessoais, pois veem nelas a oportunidade de se locupletarem com as feridas alheias (elas sabem que o sofrimento humano pode ser muito rentável). Cristo não se acha mais no centro de suas vidas. Pr. Moisés Sampaio de Paula 28
  • 29. Motivação • A MOTIVAÇÃO É UM CATALISADOR PARA O SUCESSO 1. A motivação é vital se você quiser ter um bom desempenho. 2. Esta força, intenção, energia, vontade ou aquilo que você lhe possa chamar vem de dentro, tem de pertencer-lhe e viver dentro de si. 3. Ninguém vai ser capaz de influenciá-lo se você for resistente, por isso, a motivação é algo que depende de você. Pr. Moisés Sampaio de Paula 29
  • 30. Estratégias para sua motivação. 1. PRIORIZAR E FOCAR-SE OBJETIVAMENTE 2. DESAPEGAR-SE DO SEU SENTIMENTO DE INCAPACIDADE 3. MANTER O SEU OBJETIVO POSITIVO EM MENTE 4. MANTENHA RELAÇÕES SOCIAIS SAUDÁVEIS 5. FOCAR-SE NO POSITIVO E NÃO NO NEGATIVO Pr. Moisés Sampaio de Paula 30 FONTE: http://pontoterapeutico.blogspot.com.br/2013/04/o-incrivel-poder-da-mot
  • 31. Uma Pergunta Para você o que significa vivermos para o Evangelho? Pr. Moisés Sampaio de Paula 31
  • 32. IV. O DILEMA DE PAULO (1.19-22ss.) 32Pr. Moisés Sampaio de Paula O dilema de Paulo era, imediatamente, "estar com Cristo" ou "viver na carne" para edificar os filipenses. 1. Viver para Cristo. 2. Paulo supera o dilema.
  • 33. • "Nisto me regozijo e me regozijarei ainda" (v.18). Estas palavras refletem a alegria de Paulo sobre o avanço do Evangelho no mundo. Viver, para o apóstolo, só se justifica se a razão for o ministério cristão: "Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho. Mas, se o viver na carne me der fruto da minha obra, não sei, então, o que deva escolher" (vv.21,22). 33Pr. Moisés Sampaio de Paula 1. Viver para Cristo. IV. O DILEMA DE PAULO (1.19-22ss.)
  • 34. • A morte para ele era um evento natural, mas glorioso. Significava estar imediatamente com Cristo. O Mestre era tudo para Paulo, o princípio, a essência e o fim da sua vida. Nele, o apóstolo vivia e se movia para a glória de Deus. Por isso, podia dizer: "E vivo, não mais eu; mas Cristo vive em mim"(Gl 2.20). 34Pr. Moisés Sampaio de Paula 1. Viver para Cristo. IV. O DILEMA DE PAULO (1.19-22ss.)
  • 35. • "Estar com Cristo" e "viver na carne". Este era o dilema do apóstolo (vv.23,24). 1. Ele desejava estar na plenitude com o Senhor. 2. Todavia, o amor dele pelos gentios era igualmente intenso. "Ficar na carne" (v.24), aqui, refere-se à vida física. Isto é: viver para disseminar o Evangelho pelo mundo. 35Pr. Moisés Sampaio de Paula 2. Paulo supera o dilema. IV. O DILEMA DE PAULO (1.19-22ss.)
  • 36. • Mais do que escolha pessoal, estar vivo justifica-se apenas para proclamar o Evangelho e fortalecer a Igreja. Este era o pensamento paulino. Nos versículos 25 e 26, ele entende que, se fosse posto em liberdade, poderia rever os irmãos de Filipos, e viver o amor fraterno pela providência do Espírito Santo. 36Pr. Moisés Sampaio de Paula 2. Paulo supera o dilema. IV. O DILEMA DE PAULO (1.19-22ss.)
  • 37. Pr. Moisés Sampaio de Paula 37
  • 38. Pense Nisso! • A exemplo do que ocorreu a Paulo, o Evangelho continua a ser propagado no mundo através do sofrimento de muitas pessoas que se dispõem a propagá-lo com ousadia. Pr. Moisés Sampaio de Paula 38
  • 39. Conclusão • Paulo declara que o seu desejo de estar com Cristo foi superado pela amorosa obrigação de servir aos irmãos (vv.24-26). 1. Ele nos ensina que devemos estar prontos a trabalhar na causa do Senhor, mesmo que isso signifique enfrentar oposição dos falsos crentes e até privações materiais. 2. O que deve nos importar é o progresso do Evangelho e o crescimento da Igreja de Cristo (vv.25,26). Pr. Moisés Sampaio de Paula 39
  • 40. Pr. Moisés Sampaio de Paula 40