SlideShare uma empresa Scribd logo
 
“ Portanto, eu me glorio em Cristo Jesus em meu serviço a Deus”.  Rm 15:17
Reconhecer que o apóstolo Paulo foi chamado por Deus e capacitado pelo Espírito Santo para desenvolver seu ministério. Despertar nos membros o desejo de servir ao Senhor usando seus dons e talentos a eles concedidos.
Motivar a igreja a participar de um programa de capacitação missionária que oportunize cada pessoa a desenvolver um ministério de serviço para Deus.
O apóstolo Paulo teve um impacto poderoso sobre o mundo conhecido de então, espalhando o cristianismo muito além dos limites geográficos de Israel e do povo judeu. Sua vida e ministério são um modelo para nossa missão hoje.
A importância do ministério de Paulo para a igreja cristã é inquestionável e com certeza sua origem (educação, nacionalidade, família, etc.) contribuiu para melhor testemunhar em favor do Senhor.
A dupla cidadania de Paulo   A cidadania romana de nascença era muito valorizada. Naqueles dias, ela podia também ser adquirida por dinheiro, ao preço de 500 dracmas, cerca de dois anos de salário de um trabalhador comum. Ser cidadão romano conferia alguns valiosos privilégios: segurança contra açoitamento e a pena de morte sem julgamento (At 22:23-29); direito de votar, fazer contratos, ter um casamento legal e isenção de impostos.
Paulo também podia apresentar suas credenciais judaicas. Era filho de judeu, da tribo de Benjamim (Rm 11:1). Desde pequeno, havia se mudado para Jerusalém e ali fora criado como fariseu, aos pés de Gamaliel. Judeu zeloso, cidadão romano, Paulo logo se tornou o maior apóstolo que o mundo conheceu.
Provavelmente, poucos de nós tivemos o tipo de conversão dramática experimentada por Paulo. Mas todos nós, precisamos de conversão. Desse episódio do encontro de Paulo (até então Saulo) com Cristo, quero destacar duas declarações feitas pelo Senhor:
A primeira foi uma pergunta:  “Saulo, Saulo, por que Me persegues?”  Embora Saulo estivesse perseguindo os seguidores de Jesus, na ocasião, o Senhor disse que era Ele mesmo o perseguido. Todas as vezes que alguém toca em um filho de Deus, fere o coração do próprio Deus.
Eis a segunda declaração que destaco:  “Dura coisa é recalcitrares contra os aguilhões”  (At 26:14). O aguilhão é também conhecido como ferrão, aquele instrumento usado pelo fazendeiro para comandar os bois. Quando o boi é tocado pelo aguilhão, geralmente dá coices, pois a ponta afiada lhe fere as carnes.
Porém, com o coice a ferida se torna mais profunda e aumenta a dor. A inferência é clara: Saulo estava agindo como um animal insano e dando coices contra os aguilhões usados por Deus para levá-lo à conversão. Mas isso lhe trazia dor e angústia. Ele só seria plenamente feliz quando deixasse de resistir.
Em sua conversão, Saulo recebeu o chamado ao ministério, tornando-se o grande Paulo que conhecemos. Mas, como parte do seu preparo para o apostolado, após seu batismo, ele foi para o deserto da Arábia, onde teve uma espécie de curso de teologia ministrado diretamente por Cristo. Com o texto do Antigo Testamento e a revelação de Jesus Cristo, ele formou seu conceito de Igreja.
Embora Paulo não fosse perfeito, Deus o usou assim mesmo. Por que é importante, embora cientes de nossas culpas e clamando pelas promessas de Deus para a vitória, não permitirmos que essas culpas nos desencorajem de trabalhar para o Senhor?
A Bíblia não omite os defeitos de Davi, Abraão, Moisés e outros, incluindo Paulo. Às vezes, Paulo parece impulsivo, quase agressivo. Ele se erguia freqüentemente em defesa de seus direitos.  Quando ele e Silas estavam na prisão, ele apelou para seus direitos como cidadão romano ( At 16:35-40 ).
Mais tarde, no tribunal de Agripa, ele apelou para César – que era um de seus direitos como cidadão romano ( At 25:11, 12 ).  Se ele tivesse esperado e não exigido seus direitos, poderia mais tarde ter sido libertado ( At 26:32 ).
Paulo era dotado de temperamento forte e, como nós, lutava contra o pecado. Ele mesmo disse:  “Pois não faço o bem que quero, mas o mal que não quero, esse faço”  (At 7:19). Em outra ocasião, ele também disse  “Sou o maior dos pecadores”.
Ou seja, Paulo estava ciente de sua pecaminosidade. Tinha consciência de suas fraquezas e culpas. Exatamente por isso, dependeu tanto de Cristo. Ao falar de suas lutas espirituais, ele conclui: “Dou graças a Deus por Jesus Cristo nosso Senhor” (Rm 7:25).
Paulo foi o grande teólogo da igreja cristã. Escreveu e pregou sobre vários temas, mas o principal assunto por ele defendido foi a crucificação e ressurreição de Jesus.
A cruz estava no centro do pensamento Paulino e deve estar também no centro de nossa vida e pregação. A imagem do que Cristo fez por nós na cruz deve nos levar a uma dupla reflexão:
Primeiro, sobre a gravidade do pecado. Foi meu pecado levou o Senhor do Universo a dispor-Se a morrer na rude cruz .“Sem derramamento de sangue não pode haver remissão de pecados”  (Hb 9:22).O pecado é algo grave, portanto, devemos ter muita responsabilidade para com as coisas espirituais, pois Deus trata seriamente o pecado.
Em segundo lugar, a cruz nos faz refletir sobre o amor de Deus. Se o Senhor do Universo Se dispôs a morrer numa rude cruz em meu lugar é porque tenho um valor infinito para Ele. O ser humano não pode, por si mesmo, vencer o pecado. Por isso, por amor, Deus providenciou um meio de nos perdoar e libertar.  “Libertos do pecado, fomos feitos servos da justiça”  (Rm 6:18).
Ellen White confirma o pensamento Paulino ao dizer:  “Há uma verdade central a ser conservada sempre em mente ao esquadrinhar-se as Escrituras – Cristo e Ele crucificado. Toda outra verdade é investida de influência e poder correspondentes a sua relação com esse tema. ... O coração paralisado pelo pecado só pode ser dotado de vida pela obra realizada na cruz pelo Autor de nossa salvação”  ( A Fé Pela Qual Eu Vivo , [MM, 1959] p. 50).
Além do tema da cruz, que foi chave na vida e teologia paulina, outros temas foram por ele destacados. Entre tantos, apresentamos quatro, porém não necessariamente em ordem de importância.
O primeiro deles é a  Justificação pela fé.   Esse é um tema predominante em seus escritos. Ele deixou claro que a salvação é obtida pela graça mediante a fé. Nada do que o ser humano fizer o qualifica para a salvação. Esta consiste em aceitar a justiça de Cristo no lugar de nossa culpa. Ser salvo é ser coberto pela vestes brancas da justiça perfeita de Cristo, em atitude de fé no Seu sacrifício redentivo (Rm 3:21-24; 6:23).
Paulo também fala sobejamente sobre a  Santificação .  Para ele, embora a salvação seja alcançada pela fé, ela se revela pela obediência. Esta não é a causa, mas a conseqüência da salvação. Como resultado de alguém estar em Cristo, vem a transformação do caráter, manifesta pela obediência aos reclamos de Deus.
Se alguém diz que está salvo em Cristo e vive na prática contumaz do pecado, está enganando a si mesmo (Rm 6: 15-18; Ef 2:10). Ellen White diz que  “Paulo se tornou completamente consciente de que o conhecimento experimental de Jesus Cristo era para o seu bem presente e eterno. Viu a necessidade de alcançar um padrão elevado”  ( RH, 18 de julho de 1899 ).
Outro tema defendido por Paulo é o assunto da  Ressurreição . Com base na ressurreição de Cristo, ele defendeu a certeza da ressurreição para a vida eterna para aqueles que  morrem crendo no Senhor. Jesus venceu a morte e tornará a trazer Seu dom de vida eterna para Seus filhos fiéis (1Ts 4:13). Por isso, podemos ter esperança e segurança em quaisquer circunstâncias.
Finalmente, destaco também nos escritos de Paulo o tema do  Amor . Ele escreveu no capítulo 13 de sua primeira carta aos Coríntios declarando que o amor é o dom supremo e termina o capítulo no verso 13 dizendo:  “Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; porém, o maior destes é o amor” . Para ele, o amor é um dom de Deus dado pelo Espírito Santo (Gl 5:22). 
Penso que a melhor conclusão para a lição desta semana está na própria lição, às paginas 9 e 10: “ Paulo constitui um maravilhoso exemplo de que não existe limite para o que Deus pode fazer por nós – embora sejamos humanos e fracos. O ambiente do qual veio Paulo e seus dons inigualáveis o habilitaram a levar as boas-novas sobre Jesus a um campo missionário inteiramente novo. ...
Se Paulo pôde fazer isso, por que não nós? Sua origem singular o preparou para uma missão específica. Nossa origem também nos prepara para alguma missão singular quando o Senhor a indicar”.
 
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Maior Presente de Natal
O Maior Presente de NatalO Maior Presente de Natal
O Maior Presente de Natal
Ricardo Azevedo
 
Paulo vida e_obra
Paulo vida e_obraPaulo vida e_obra
Paulo vida e_obra
ricardosantista
 
As Mulheres Da Casa Do Caminho
As Mulheres Da Casa Do CaminhoAs Mulheres Da Casa Do Caminho
As Mulheres Da Casa Do Caminho
guestb30c415
 
AS VIAGENS MISSIONÁRIAS DE PAULO DE TARSO
AS VIAGENS MISSIONÁRIAS DE PAULO DE TARSOAS VIAGENS MISSIONÁRIAS DE PAULO DE TARSO
AS VIAGENS MISSIONÁRIAS DE PAULO DE TARSO
Suely Anjos
 
A Páscoa na Visão Espírita
A Páscoa na Visão  EspíritaA Páscoa na Visão  Espírita
A Páscoa na Visão Espírita
Carlos Correa
 
Eade i-ii-8-o-cristianismo-os-discípulos-de-jesus
Eade i-ii-8-o-cristianismo-os-discípulos-de-jesusEade i-ii-8-o-cristianismo-os-discípulos-de-jesus
Eade i-ii-8-o-cristianismo-os-discípulos-de-jesus
JoyAlbanez
 
A páscoa na visão espírita
A páscoa na visão espíritaA páscoa na visão espírita
A páscoa na visão espírita
Graça Maciel
 
AULA 011 EAE DM - SEPARAÇÃO DOS REINOS, SUA DESTRUIÇÃO, CATIVEIRO E A RECONST...
AULA 011 EAE DM - SEPARAÇÃO DOS REINOS, SUA DESTRUIÇÃO, CATIVEIRO E A RECONST...AULA 011 EAE DM - SEPARAÇÃO DOS REINOS, SUA DESTRUIÇÃO, CATIVEIRO E A RECONST...
AULA 011 EAE DM - SEPARAÇÃO DOS REINOS, SUA DESTRUIÇÃO, CATIVEIRO E A RECONST...
Daniel de Melo
 
Atos dos apostolos
Atos dos apostolos Atos dos apostolos
Atos dos apostolos
LUCAS CANAVARRO
 
Lição 1 - Lucas e seu Evangelho
Lição 1 - Lucas e seu EvangelhoLição 1 - Lucas e seu Evangelho
Lição 1 - Lucas e seu Evangelho
Éder Tomé
 
A inspiração de pedro 1
A inspiração de pedro 1A inspiração de pedro 1
A inspiração de pedro 1
Sergio Menezes
 
Lição 9 - A Conversão do Centurião e de sua Família
Lição 9 - A Conversão do Centurião e de sua FamíliaLição 9 - A Conversão do Centurião e de sua Família
Lição 9 - A Conversão do Centurião e de sua Família
Éder Tomé
 
Palestra Natal e Espiritismo
Palestra Natal e EspiritismoPalestra Natal e Espiritismo
Palestra Natal e Espiritismo
Victor Passos
 
Eade i-ii-6-a-escritura-dos-evangelhos-os-evangelistas
Eade i-ii-6-a-escritura-dos-evangelhos-os-evangelistasEade i-ii-6-a-escritura-dos-evangelhos-os-evangelistas
Eade i-ii-6-a-escritura-dos-evangelhos-os-evangelistas
JoyAlbanez
 
A Revelação de Deus
A Revelação de DeusA Revelação de Deus
A Revelação de Deus
Geversom Sousa
 
As parábolas de Jesus
As parábolas de Jesus  As parábolas de Jesus
As parábolas de Jesus
Ponte de Luz ASEC
 
Missão de Jesus - Evangelização espírita
Missão de Jesus - Evangelização espíritaMissão de Jesus - Evangelização espírita
Missão de Jesus - Evangelização espírita
Larissa Martins
 
Curso Básico de Espiritismo 2
Curso Básico de Espiritismo 2Curso Básico de Espiritismo 2
Curso Básico de Espiritismo 2
Roseli Lemes
 
Francisco de Assis - Revivendo o Cristianismo Primitivo
Francisco de Assis - Revivendo o Cristianismo PrimitivoFrancisco de Assis - Revivendo o Cristianismo Primitivo
Francisco de Assis - Revivendo o Cristianismo Primitivo
Ricardo Azevedo
 
Aula 09_O Decálogo_Escola de Aprendizes do Evangelho
Aula 09_O Decálogo_Escola de Aprendizes do EvangelhoAula 09_O Decálogo_Escola de Aprendizes do Evangelho
Aula 09_O Decálogo_Escola de Aprendizes do Evangelho
liliancostadias
 

Mais procurados (20)

O Maior Presente de Natal
O Maior Presente de NatalO Maior Presente de Natal
O Maior Presente de Natal
 
Paulo vida e_obra
Paulo vida e_obraPaulo vida e_obra
Paulo vida e_obra
 
As Mulheres Da Casa Do Caminho
As Mulheres Da Casa Do CaminhoAs Mulheres Da Casa Do Caminho
As Mulheres Da Casa Do Caminho
 
AS VIAGENS MISSIONÁRIAS DE PAULO DE TARSO
AS VIAGENS MISSIONÁRIAS DE PAULO DE TARSOAS VIAGENS MISSIONÁRIAS DE PAULO DE TARSO
AS VIAGENS MISSIONÁRIAS DE PAULO DE TARSO
 
A Páscoa na Visão Espírita
A Páscoa na Visão  EspíritaA Páscoa na Visão  Espírita
A Páscoa na Visão Espírita
 
Eade i-ii-8-o-cristianismo-os-discípulos-de-jesus
Eade i-ii-8-o-cristianismo-os-discípulos-de-jesusEade i-ii-8-o-cristianismo-os-discípulos-de-jesus
Eade i-ii-8-o-cristianismo-os-discípulos-de-jesus
 
A páscoa na visão espírita
A páscoa na visão espíritaA páscoa na visão espírita
A páscoa na visão espírita
 
AULA 011 EAE DM - SEPARAÇÃO DOS REINOS, SUA DESTRUIÇÃO, CATIVEIRO E A RECONST...
AULA 011 EAE DM - SEPARAÇÃO DOS REINOS, SUA DESTRUIÇÃO, CATIVEIRO E A RECONST...AULA 011 EAE DM - SEPARAÇÃO DOS REINOS, SUA DESTRUIÇÃO, CATIVEIRO E A RECONST...
AULA 011 EAE DM - SEPARAÇÃO DOS REINOS, SUA DESTRUIÇÃO, CATIVEIRO E A RECONST...
 
Atos dos apostolos
Atos dos apostolos Atos dos apostolos
Atos dos apostolos
 
Lição 1 - Lucas e seu Evangelho
Lição 1 - Lucas e seu EvangelhoLição 1 - Lucas e seu Evangelho
Lição 1 - Lucas e seu Evangelho
 
A inspiração de pedro 1
A inspiração de pedro 1A inspiração de pedro 1
A inspiração de pedro 1
 
Lição 9 - A Conversão do Centurião e de sua Família
Lição 9 - A Conversão do Centurião e de sua FamíliaLição 9 - A Conversão do Centurião e de sua Família
Lição 9 - A Conversão do Centurião e de sua Família
 
Palestra Natal e Espiritismo
Palestra Natal e EspiritismoPalestra Natal e Espiritismo
Palestra Natal e Espiritismo
 
Eade i-ii-6-a-escritura-dos-evangelhos-os-evangelistas
Eade i-ii-6-a-escritura-dos-evangelhos-os-evangelistasEade i-ii-6-a-escritura-dos-evangelhos-os-evangelistas
Eade i-ii-6-a-escritura-dos-evangelhos-os-evangelistas
 
A Revelação de Deus
A Revelação de DeusA Revelação de Deus
A Revelação de Deus
 
As parábolas de Jesus
As parábolas de Jesus  As parábolas de Jesus
As parábolas de Jesus
 
Missão de Jesus - Evangelização espírita
Missão de Jesus - Evangelização espíritaMissão de Jesus - Evangelização espírita
Missão de Jesus - Evangelização espírita
 
Curso Básico de Espiritismo 2
Curso Básico de Espiritismo 2Curso Básico de Espiritismo 2
Curso Básico de Espiritismo 2
 
Francisco de Assis - Revivendo o Cristianismo Primitivo
Francisco de Assis - Revivendo o Cristianismo PrimitivoFrancisco de Assis - Revivendo o Cristianismo Primitivo
Francisco de Assis - Revivendo o Cristianismo Primitivo
 
Aula 09_O Decálogo_Escola de Aprendizes do Evangelho
Aula 09_O Decálogo_Escola de Aprendizes do EvangelhoAula 09_O Decálogo_Escola de Aprendizes do Evangelho
Aula 09_O Decálogo_Escola de Aprendizes do Evangelho
 

Semelhante a Paulo De Tarso

Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande SacerdoteAula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Ricardo Gondim
 
TODAS AS LIÇÕES DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2016
 TODAS AS LIÇÕES DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2016  TODAS AS LIÇÕES DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2016
TODAS AS LIÇÕES DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2016
Elias Farias
 
Colossenses - Cap. 02 parte 02
Colossenses - Cap. 02 parte 02Colossenses - Cap. 02 parte 02
Colossenses - Cap. 02 parte 02
Daniel M Junior
 
Colossences 2 (parte 2)
Colossences 2 (parte 2)Colossences 2 (parte 2)
Colossences 2 (parte 2)
Joel Silva
 
Colossences 2 (parte 2)
Colossences 2 (parte 2)Colossences 2 (parte 2)
Colossences 2 (parte 2)
Joel Silva
 
Aprovados por Deus em Cristo Jesus - Lição 08 - 3º Trimestre de 2015
Aprovados por Deus em Cristo Jesus - Lição 08 - 3º Trimestre de 2015Aprovados por Deus em Cristo Jesus - Lição 08 - 3º Trimestre de 2015
Aprovados por Deus em Cristo Jesus - Lição 08 - 3º Trimestre de 2015
Pr. Andre Luiz
 
Ebd lições bíblicas 2º trimestre 2016 lição 5 A maravilhosa graça.
Ebd lições bíblicas 2º trimestre 2016 lição 5 A maravilhosa graça.Ebd lições bíblicas 2º trimestre 2016 lição 5 A maravilhosa graça.
Ebd lições bíblicas 2º trimestre 2016 lição 5 A maravilhosa graça.
GIDEONE Moura Santos Ferreira
 
Lição 02: A visão do Cristo Glorificado (IEAD-Cacimba do Povo)
Lição 02: A visão do Cristo Glorificado (IEAD-Cacimba do Povo)Lição 02: A visão do Cristo Glorificado (IEAD-Cacimba do Povo)
Lição 02: A visão do Cristo Glorificado (IEAD-Cacimba do Povo)
Assembleia De Deus Da Cacimba Do Povo
 
Guerra
GuerraGuerra
Guerra
lucinda34
 
Lição 5 a justificação pela fé
Lição 5 a justificação pela féLição 5 a justificação pela fé
Lição 5 a justificação pela fé
boasnovassena
 
Aula 12 - Romanos
Aula 12 - RomanosAula 12 - Romanos
Aula 12 - Romanos
ibrdoamor
 
Lição 5 - A Maravilhosa Graça
Lição 5 -  A Maravilhosa GraçaLição 5 -  A Maravilhosa Graça
Lição 5 - A Maravilhosa Graça
Andrew Guimarães
 
A cruz
A cruzA cruz
A cruz stephen kaugan
A cruz   stephen kauganA cruz   stephen kaugan
A cruz stephen kaugan
Profetirando Sabedoria
 
Stephen kaung a cruz
Stephen kaung   a cruzStephen kaung   a cruz
Stephen kaung a cruz
Gleice Kelly
 
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 05
Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 05Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 05
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 05
Joel Silva
 
O oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristoO oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristo
dimas campos
 
O oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristoO oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristo
dimas campos
 
Eles venceram pela fé
Eles venceram pela féEles venceram pela fé
Eles venceram pela fé
Antonio Rodrigues
 
2016 2º trimestre adultos lição 05.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 05.pptx2016 2º trimestre adultos lição 05.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 05.pptx
Joel Silva
 

Semelhante a Paulo De Tarso (20)

Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande SacerdoteAula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
 
TODAS AS LIÇÕES DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2016
 TODAS AS LIÇÕES DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2016  TODAS AS LIÇÕES DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2016
TODAS AS LIÇÕES DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2016
 
Colossenses - Cap. 02 parte 02
Colossenses - Cap. 02 parte 02Colossenses - Cap. 02 parte 02
Colossenses - Cap. 02 parte 02
 
Colossences 2 (parte 2)
Colossences 2 (parte 2)Colossences 2 (parte 2)
Colossences 2 (parte 2)
 
Colossences 2 (parte 2)
Colossences 2 (parte 2)Colossences 2 (parte 2)
Colossences 2 (parte 2)
 
Aprovados por Deus em Cristo Jesus - Lição 08 - 3º Trimestre de 2015
Aprovados por Deus em Cristo Jesus - Lição 08 - 3º Trimestre de 2015Aprovados por Deus em Cristo Jesus - Lição 08 - 3º Trimestre de 2015
Aprovados por Deus em Cristo Jesus - Lição 08 - 3º Trimestre de 2015
 
Ebd lições bíblicas 2º trimestre 2016 lição 5 A maravilhosa graça.
Ebd lições bíblicas 2º trimestre 2016 lição 5 A maravilhosa graça.Ebd lições bíblicas 2º trimestre 2016 lição 5 A maravilhosa graça.
Ebd lições bíblicas 2º trimestre 2016 lição 5 A maravilhosa graça.
 
Lição 02: A visão do Cristo Glorificado (IEAD-Cacimba do Povo)
Lição 02: A visão do Cristo Glorificado (IEAD-Cacimba do Povo)Lição 02: A visão do Cristo Glorificado (IEAD-Cacimba do Povo)
Lição 02: A visão do Cristo Glorificado (IEAD-Cacimba do Povo)
 
Guerra
GuerraGuerra
Guerra
 
Lição 5 a justificação pela fé
Lição 5 a justificação pela féLição 5 a justificação pela fé
Lição 5 a justificação pela fé
 
Aula 12 - Romanos
Aula 12 - RomanosAula 12 - Romanos
Aula 12 - Romanos
 
Lição 5 - A Maravilhosa Graça
Lição 5 -  A Maravilhosa GraçaLição 5 -  A Maravilhosa Graça
Lição 5 - A Maravilhosa Graça
 
A cruz
A cruzA cruz
A cruz
 
A cruz stephen kaugan
A cruz   stephen kauganA cruz   stephen kaugan
A cruz stephen kaugan
 
Stephen kaung a cruz
Stephen kaung   a cruzStephen kaung   a cruz
Stephen kaung a cruz
 
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 05
Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 05Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 05
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 05
 
O oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristoO oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristo
 
O oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristoO oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristo
 
Eles venceram pela fé
Eles venceram pela féEles venceram pela fé
Eles venceram pela fé
 
2016 2º trimestre adultos lição 05.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 05.pptx2016 2º trimestre adultos lição 05.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 05.pptx
 

Mais de Francisco Lacerda

Ernani
ErnaniErnani
História do Lápis
História do LápisHistória do Lápis
História do Lápis
Francisco Lacerda
 
A Morte De Jesus
A Morte De JesusA Morte De Jesus
A Morte De Jesus
Francisco Lacerda
 
Se alguem te procurar
Se alguem te procurarSe alguem te procurar
Se alguem te procurar
Francisco Lacerda
 
Eu Te Amo
Eu Te AmoEu Te Amo
A Mensagem Bom Senso
A Mensagem Bom SensoA Mensagem Bom Senso
A Mensagem Bom Senso
Francisco Lacerda
 
Salmo 40
Salmo 40Salmo 40
Mandamentos Para A Paz Na FamíLia
Mandamentos Para A Paz Na FamíLiaMandamentos Para A Paz Na FamíLia
Mandamentos Para A Paz Na FamíLia
Francisco Lacerda
 
Uma Historia Real
Uma Historia RealUma Historia Real
Uma Historia Real
Francisco Lacerda
 
Deus Diz ...
Deus Diz ...Deus Diz ...
Deus Diz ...
Francisco Lacerda
 
O Proposito Eterno De Deus
O Proposito Eterno De DeusO Proposito Eterno De Deus
O Proposito Eterno De Deus
Francisco Lacerda
 
Quatro Filhos
Quatro FilhosQuatro Filhos
Quatro Filhos
Francisco Lacerda
 
A BíBlia [1]..
A BíBlia [1]..A BíBlia [1]..
A BíBlia [1]..
Francisco Lacerda
 
Mulher Virtuosa
Mulher VirtuosaMulher Virtuosa
Mulher Virtuosa
Francisco Lacerda
 
Deus Para Si
Deus Para SiDeus Para Si
Deus Para Si
Francisco Lacerda
 
Seja Feliz
Seja FelizSeja Feliz
Seja Feliz
Francisco Lacerda
 
Eu Pedi A Deus
Eu Pedi A DeusEu Pedi A Deus
Eu Pedi A Deus
Francisco Lacerda
 
A Natureza Criada Por Deus Niagara No Inverno
A Natureza Criada Por Deus   Niagara No InvernoA Natureza Criada Por Deus   Niagara No Inverno
A Natureza Criada Por Deus Niagara No Inverno
Francisco Lacerda
 

Mais de Francisco Lacerda (20)

Ernani
ErnaniErnani
Ernani
 
Silent night
Silent nightSilent night
Silent night
 
História do Lápis
História do LápisHistória do Lápis
História do Lápis
 
A Morte De Jesus
A Morte De JesusA Morte De Jesus
A Morte De Jesus
 
Se alguem te procurar
Se alguem te procurarSe alguem te procurar
Se alguem te procurar
 
Eu Te Amo
Eu Te AmoEu Te Amo
Eu Te Amo
 
A Mensagem Bom Senso
A Mensagem Bom SensoA Mensagem Bom Senso
A Mensagem Bom Senso
 
Salmo 40
Salmo 40Salmo 40
Salmo 40
 
Mandamentos Para A Paz Na FamíLia
Mandamentos Para A Paz Na FamíLiaMandamentos Para A Paz Na FamíLia
Mandamentos Para A Paz Na FamíLia
 
Uma Historia Real
Uma Historia RealUma Historia Real
Uma Historia Real
 
Deus Diz ...
Deus Diz ...Deus Diz ...
Deus Diz ...
 
O Proposito Eterno De Deus
O Proposito Eterno De DeusO Proposito Eterno De Deus
O Proposito Eterno De Deus
 
Quatro Filhos
Quatro FilhosQuatro Filhos
Quatro Filhos
 
A BíBlia [1]..
A BíBlia [1]..A BíBlia [1]..
A BíBlia [1]..
 
Mulher Virtuosa
Mulher VirtuosaMulher Virtuosa
Mulher Virtuosa
 
Deus Para Si
Deus Para SiDeus Para Si
Deus Para Si
 
Cruz Cross
Cruz CrossCruz Cross
Cruz Cross
 
Seja Feliz
Seja FelizSeja Feliz
Seja Feliz
 
Eu Pedi A Deus
Eu Pedi A DeusEu Pedi A Deus
Eu Pedi A Deus
 
A Natureza Criada Por Deus Niagara No Inverno
A Natureza Criada Por Deus   Niagara No InvernoA Natureza Criada Por Deus   Niagara No Inverno
A Natureza Criada Por Deus Niagara No Inverno
 

Paulo De Tarso

  • 1.  
  • 2. “ Portanto, eu me glorio em Cristo Jesus em meu serviço a Deus”. Rm 15:17
  • 3. Reconhecer que o apóstolo Paulo foi chamado por Deus e capacitado pelo Espírito Santo para desenvolver seu ministério. Despertar nos membros o desejo de servir ao Senhor usando seus dons e talentos a eles concedidos.
  • 4. Motivar a igreja a participar de um programa de capacitação missionária que oportunize cada pessoa a desenvolver um ministério de serviço para Deus.
  • 5. O apóstolo Paulo teve um impacto poderoso sobre o mundo conhecido de então, espalhando o cristianismo muito além dos limites geográficos de Israel e do povo judeu. Sua vida e ministério são um modelo para nossa missão hoje.
  • 6. A importância do ministério de Paulo para a igreja cristã é inquestionável e com certeza sua origem (educação, nacionalidade, família, etc.) contribuiu para melhor testemunhar em favor do Senhor.
  • 7. A dupla cidadania de Paulo   A cidadania romana de nascença era muito valorizada. Naqueles dias, ela podia também ser adquirida por dinheiro, ao preço de 500 dracmas, cerca de dois anos de salário de um trabalhador comum. Ser cidadão romano conferia alguns valiosos privilégios: segurança contra açoitamento e a pena de morte sem julgamento (At 22:23-29); direito de votar, fazer contratos, ter um casamento legal e isenção de impostos.
  • 8. Paulo também podia apresentar suas credenciais judaicas. Era filho de judeu, da tribo de Benjamim (Rm 11:1). Desde pequeno, havia se mudado para Jerusalém e ali fora criado como fariseu, aos pés de Gamaliel. Judeu zeloso, cidadão romano, Paulo logo se tornou o maior apóstolo que o mundo conheceu.
  • 9. Provavelmente, poucos de nós tivemos o tipo de conversão dramática experimentada por Paulo. Mas todos nós, precisamos de conversão. Desse episódio do encontro de Paulo (até então Saulo) com Cristo, quero destacar duas declarações feitas pelo Senhor:
  • 10. A primeira foi uma pergunta: “Saulo, Saulo, por que Me persegues?” Embora Saulo estivesse perseguindo os seguidores de Jesus, na ocasião, o Senhor disse que era Ele mesmo o perseguido. Todas as vezes que alguém toca em um filho de Deus, fere o coração do próprio Deus.
  • 11. Eis a segunda declaração que destaco: “Dura coisa é recalcitrares contra os aguilhões” (At 26:14). O aguilhão é também conhecido como ferrão, aquele instrumento usado pelo fazendeiro para comandar os bois. Quando o boi é tocado pelo aguilhão, geralmente dá coices, pois a ponta afiada lhe fere as carnes.
  • 12. Porém, com o coice a ferida se torna mais profunda e aumenta a dor. A inferência é clara: Saulo estava agindo como um animal insano e dando coices contra os aguilhões usados por Deus para levá-lo à conversão. Mas isso lhe trazia dor e angústia. Ele só seria plenamente feliz quando deixasse de resistir.
  • 13. Em sua conversão, Saulo recebeu o chamado ao ministério, tornando-se o grande Paulo que conhecemos. Mas, como parte do seu preparo para o apostolado, após seu batismo, ele foi para o deserto da Arábia, onde teve uma espécie de curso de teologia ministrado diretamente por Cristo. Com o texto do Antigo Testamento e a revelação de Jesus Cristo, ele formou seu conceito de Igreja.
  • 14. Embora Paulo não fosse perfeito, Deus o usou assim mesmo. Por que é importante, embora cientes de nossas culpas e clamando pelas promessas de Deus para a vitória, não permitirmos que essas culpas nos desencorajem de trabalhar para o Senhor?
  • 15. A Bíblia não omite os defeitos de Davi, Abraão, Moisés e outros, incluindo Paulo. Às vezes, Paulo parece impulsivo, quase agressivo. Ele se erguia freqüentemente em defesa de seus direitos. Quando ele e Silas estavam na prisão, ele apelou para seus direitos como cidadão romano ( At 16:35-40 ).
  • 16. Mais tarde, no tribunal de Agripa, ele apelou para César – que era um de seus direitos como cidadão romano ( At 25:11, 12 ). Se ele tivesse esperado e não exigido seus direitos, poderia mais tarde ter sido libertado ( At 26:32 ).
  • 17. Paulo era dotado de temperamento forte e, como nós, lutava contra o pecado. Ele mesmo disse: “Pois não faço o bem que quero, mas o mal que não quero, esse faço” (At 7:19). Em outra ocasião, ele também disse “Sou o maior dos pecadores”.
  • 18. Ou seja, Paulo estava ciente de sua pecaminosidade. Tinha consciência de suas fraquezas e culpas. Exatamente por isso, dependeu tanto de Cristo. Ao falar de suas lutas espirituais, ele conclui: “Dou graças a Deus por Jesus Cristo nosso Senhor” (Rm 7:25).
  • 19. Paulo foi o grande teólogo da igreja cristã. Escreveu e pregou sobre vários temas, mas o principal assunto por ele defendido foi a crucificação e ressurreição de Jesus.
  • 20. A cruz estava no centro do pensamento Paulino e deve estar também no centro de nossa vida e pregação. A imagem do que Cristo fez por nós na cruz deve nos levar a uma dupla reflexão:
  • 21. Primeiro, sobre a gravidade do pecado. Foi meu pecado levou o Senhor do Universo a dispor-Se a morrer na rude cruz .“Sem derramamento de sangue não pode haver remissão de pecados” (Hb 9:22).O pecado é algo grave, portanto, devemos ter muita responsabilidade para com as coisas espirituais, pois Deus trata seriamente o pecado.
  • 22. Em segundo lugar, a cruz nos faz refletir sobre o amor de Deus. Se o Senhor do Universo Se dispôs a morrer numa rude cruz em meu lugar é porque tenho um valor infinito para Ele. O ser humano não pode, por si mesmo, vencer o pecado. Por isso, por amor, Deus providenciou um meio de nos perdoar e libertar. “Libertos do pecado, fomos feitos servos da justiça” (Rm 6:18).
  • 23. Ellen White confirma o pensamento Paulino ao dizer: “Há uma verdade central a ser conservada sempre em mente ao esquadrinhar-se as Escrituras – Cristo e Ele crucificado. Toda outra verdade é investida de influência e poder correspondentes a sua relação com esse tema. ... O coração paralisado pelo pecado só pode ser dotado de vida pela obra realizada na cruz pelo Autor de nossa salvação” ( A Fé Pela Qual Eu Vivo , [MM, 1959] p. 50).
  • 24. Além do tema da cruz, que foi chave na vida e teologia paulina, outros temas foram por ele destacados. Entre tantos, apresentamos quatro, porém não necessariamente em ordem de importância.
  • 25. O primeiro deles é a Justificação pela fé. Esse é um tema predominante em seus escritos. Ele deixou claro que a salvação é obtida pela graça mediante a fé. Nada do que o ser humano fizer o qualifica para a salvação. Esta consiste em aceitar a justiça de Cristo no lugar de nossa culpa. Ser salvo é ser coberto pela vestes brancas da justiça perfeita de Cristo, em atitude de fé no Seu sacrifício redentivo (Rm 3:21-24; 6:23).
  • 26. Paulo também fala sobejamente sobre a Santificação . Para ele, embora a salvação seja alcançada pela fé, ela se revela pela obediência. Esta não é a causa, mas a conseqüência da salvação. Como resultado de alguém estar em Cristo, vem a transformação do caráter, manifesta pela obediência aos reclamos de Deus.
  • 27. Se alguém diz que está salvo em Cristo e vive na prática contumaz do pecado, está enganando a si mesmo (Rm 6: 15-18; Ef 2:10). Ellen White diz que “Paulo se tornou completamente consciente de que o conhecimento experimental de Jesus Cristo era para o seu bem presente e eterno. Viu a necessidade de alcançar um padrão elevado” ( RH, 18 de julho de 1899 ).
  • 28. Outro tema defendido por Paulo é o assunto da Ressurreição . Com base na ressurreição de Cristo, ele defendeu a certeza da ressurreição para a vida eterna para aqueles que  morrem crendo no Senhor. Jesus venceu a morte e tornará a trazer Seu dom de vida eterna para Seus filhos fiéis (1Ts 4:13). Por isso, podemos ter esperança e segurança em quaisquer circunstâncias.
  • 29. Finalmente, destaco também nos escritos de Paulo o tema do Amor . Ele escreveu no capítulo 13 de sua primeira carta aos Coríntios declarando que o amor é o dom supremo e termina o capítulo no verso 13 dizendo: “Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; porém, o maior destes é o amor” . Para ele, o amor é um dom de Deus dado pelo Espírito Santo (Gl 5:22). 
  • 30. Penso que a melhor conclusão para a lição desta semana está na própria lição, às paginas 9 e 10: “ Paulo constitui um maravilhoso exemplo de que não existe limite para o que Deus pode fazer por nós – embora sejamos humanos e fracos. O ambiente do qual veio Paulo e seus dons inigualáveis o habilitaram a levar as boas-novas sobre Jesus a um campo missionário inteiramente novo. ...
  • 31. Se Paulo pôde fazer isso, por que não nós? Sua origem singular o preparou para uma missão específica. Nossa origem também nos prepara para alguma missão singular quando o Senhor a indicar”.
  • 32.  
  • 33.