SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Fernando Bueno,Msc
*Direitos reservados
Economia de Empresas
Para o Curso de MBA em
Administração
Breve Currículo
Prof. Me Fernando bueno
- Mestre em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente - Políticas públicas
industriais e tecnológicas; MBA Executivo em Finanças Empresariais; Habilitado
em Comércio Exterior e Graduado em Administração.
- Ênfase acadêmica e profissional em Marketing, finanças, controladoria e
economia industrial.
- Consultor empresarial e de Franchising e sócio da empresa EGD Agenciamento
de Negócios LTDA em SP. Ex Gestor do Instituto Nova Aliança nas áreas de
Planejamento e Marketing.
- Professor do ensino superior – Pós-Graduação em diversas universidades,
dentre elas: UNISA, FMU, UNIP, FATEC, FIJ, USF, UNOPAR, UNISANTANA e etc.
- Palestrante nas áreas correlatas e desenvolvedor de programas/cursos e
treinamentos corporativos e projetos técnicos registrados na biblioteca
Nacional.
- Articulista e escritor da obra “Inovação e Competitividade Global” Editado pela
LPB – 2010; Obra “Inovação & Cadeias Globais de Produção” pela Biblioteca 24
horas em 2014.
Programa base
Noções sobre os Cenários Econômicos; Estrutura de
Mercado; A microeconomia e o papel da empresa; A
empresa e seu problema econômico; Princípios da
Organização industrial: teoria da firma, da produção,
custos e orçamentos; Mercado e Empresas, introdução a
economia industrial e os fatores restritivos;
Internacionalização de empresas: Redes e cadeias
globais de valor, organização e eficiência coletiva
Introdução a Gestão Financeira
AULA 1
O contexto microeconômico e o papel da empresa
Revisão de Economia
• O que é uma Atividade econômica:
Conjunto das operações que consiste em utilizar
recursos disponíveis para a produção de bens
econômicos, bens que são raros em relação ás
múltiplas necessidades humanas.
• Portanto, o objetivo final da produção é: atender as
necessidades humanas por meio de:
Recursos - Produção - Consumo
• Quais são as necessidades humanas que tanto
influem na dinâmica e formatação de nossa
economia (e da empresa )?
Revisão de Economia
São elas:
Fisiológicas: água, comida, vestuário, descanso e etc.
Segurança: Segurança mínima: emprego, respeito e
cidadania etc.
Sociais: Desejo de participar de grupos e de serem
aceitos por eles (familiar, escola, trabalho).
Estima: Mais do que participação no grupo. Ele quer respeito, valorização,
afeto. Este pode provocar auto-confiança.
Auto-realização: Desejo em se desenvolver e usar sua capacidade. Realizar
planos (cargo no trabalho)
• A medida que vamos satisfazendo as necessidades bases outras vão
surgindo – influenciando o ciclo econômico
• Isso é mercadologia no contexto da visão econômica!
Revisão de Economia
Outros conceitos inerentes a economia de empresas:
a. Indústria: um setor da economia. Ex: alimentos, automóveis..
b. Empresa: Firma, tem nome e pertence á alguém. Ex:
Sadia/Perdigão, Ford....
Capacidade produtiva (instalada): é o máximo que pode ser
produzido utilizando-se os recursos disponíveis.
Capacidade ociosa: É o que se deixa de produzir dentro de uma
capacidade produtiva. Ex: CP: 1000 carros/mês
Produção: 500 carros/mês
CO : 50% ou 500
Revisão de Economia
Estrutura de mercados:
• Monopólio: Ocorre quando existe apenas uma empresa em um setor da economia.
Este tende a determinar o preço dos bens. EX: no Brasil ?
• Concorrência perfeita: Ocorre quando existem vários produtores sendo que
nenhum deles influenciam no preço do produto. O mercado determina (Oferta x
Demanda) o preço. Produtos similares.
Ex: Gêneros alimentícios hortifrutigranjeiros - alface, tomate, cebola, laranja.
• Oligopólio: Ocorre quando poucas empresas dominam o mercado. E a Estrutura
mias comum. EX: Aviação civil (TAM,GOL,AZUL....)
• Podem existir muitas empresas no setor, mas apenas algumas (3 ou 4...) detém uma
grande porcentagem em vendas. Neste caso, o oligopolista influencia no preço do
bem, quanto maior a porcentagem em vendas, maior a influencia sobre o preço.
Outros ex: automóveis, cigarros, softwares e por ai vai!
• Concorrência monopolística: várias empresas, cada uma vendendo uma marca ou
um produto que difere em termos de qualidade, aparência ou reputação, e cada
empresa é a única produtora de sua própria marca. A competição monopolística é
caracterizada também por não haver barreiras à entrada. Existem muitos exemplos
de setores industriais com essa estrutura de mercado, como café empacotado,
calçados e refrigerantes.
Microeconomia e o papel da empresa
Voltada ao estudo do comportamento/escolhas das unidades de consumo
representadas pelos indivíduos ou famílias ( estas desde que caracterizadas
por um orçamento único ), ao estudo das empresas, suas respectivas
produções e custos e ao estudo da produção e preço dos diversos bens,
serviços e fatores produtivos.
Fatores de produção: (Escassos)
Necessidades ilimitadas e recursos limitados
A empresa deve equilibrar esta balança!
Microeconomia e o papel da empresa
Fatores de produção: (recursos)
Terra vestuário
Capital  Produção  Serviços
Trabalho Alimentos
Capacidade empresarial Habitação....
• Terra: Recursos naturais
• Capital: ferramentas, máquinas, instalações (não é capital financeiro)
• Trabalho: Tempo e esforço dedicados à produção
• Capacidade emp.: Recursos humanos / Know-how que organiza o trabalho, a terra e o capital
Inteligência empresarial
Microeconomia e o papel da Empresa
1. Um cenário em que: “um mercado de bairro é o único da região e por ser
assim acaba exercendo um certa influência sobre o preço, embora, o
consumidor tenha outras opções mais distantes, por comodidade acaba
comprando localmente” Esse negócio se enquadra em qual estrutura de
mercado?
2. Uma empresa tem capacidade para produzir 500 cadeiras, mas está
produzindo 350. Qual a capacidade ociosa em %?.
3. O setor automobilístico está trabalhando com uma capacidade ociosa de
32%, portanto, está deixando de produzir 15 mil carros mensalmente. Qual a
sua capacidade produtiva anual e qual sua produção real no ano?
Reflexão
• A partir dos dados, qual a estrutura de mercado predominante
na indústria I e II?
Indústria I Indústria II
Empresa % vendas/Mercado % vendas/mercado
A 20 0,3
B 5,5 1,2
C 13,7 1,5
D 8,2 0,7
E 19,8 0,5
Outras 32,8 95,8
Economia de Empresas: Organização da
produção
• O grande desafio atual das empresas está contextualizado nas escolhas que
elas fazem para lidar com a escassez (Terra, Capital, Trabalho e CE) e organizá-
los de maneira a gerar produtividade, com qualidade e prazos adequados.
Caros alunos, reflitam e respondam com inteligência empresarial:
1. Qual a meta mais importante que uma empresa deve priorizar?
2. Onde está o centro de lucratividade da empresa? E o centro de Custos?
A empresa e seu problema econômico
Calculamos o custo e o lucro também para garantir que a empresa
pague a quantia correta de imposto de renda. Mas queremos
decidir antecipadamente, evitando surpresas. Essas decisões são
tomadas, com base no custo de oportunidade e no lucro
econômico.
O custo de oportunidade é uma alternativa real da qual se abdicou
e inclui:
 Custos explícitos: pagos em espécie
 Custos implícitos: Valor (%) que o investidor, proprietário deixa
de ganhar por usar o capital próprio ou mesmo recursos fisicos que
poderiam lhe gerar algum retorno. Ex: Aluguel do galpão. Cedeu a
empresa e deixou de receber o aluguel…Tudo isso deve ser
computado na engenharia econômica de investimentos e seus
retornos.
A empresa e seu problema econômico
O lucro econômico de uma empresa é igual à sua
receita total menos seu custo total.
O custo total da empresa é a soma de seus custos
explícitos (saídas reais em espécie) e implícitos (o que
deixa de ganhar em função da escolha).
A Empresa e seu Problema Econômico
Contabilidade Econômica: um resumo
Para atingir o objetivo do lucro máximo (lucro econômico), uma
empresa deve tomar cinco decisões básicas:
–1. Quais bens e/ou serviços produzir e em quais quantidades.
–2. Como produzir – quais técnicas de produção utilizar.
–3. Como organizar e remunerar os gestores e trabalhadores.
–4. Como comercializar e definir os preços dos produtos.
–5. O que produzir e o que comprar de outras empresas
Todas as decisões estão contextualizadas nos custos e despesas?
Aula 2
As Restrições Empresariais
Economia Industrial
Problema Econômico: fatores restritivos
As restrições da empresa
Três fatores do ambiente limitam o lucro máximo
que uma empresa pode gerar. São eles:
 Tecnologia (?)
 Informações (?)
 Mercado (?)
Fatores Restritivos
Uma tecnologia é um recurso/método de
produção de um bem ou serviço.
A tecnologia progride com o tempo ? Ciclo de
vida da inovação tecnólogica!
Mas, conforme o tempo avança, para produzir
mais e gerar mais receita, uma empresa deve
contratar mais recursos e incorrer em maiores
custos. O incremento do lucro que a empresa
pode atingir é limitado pela tecnologia
disponível.
Custo beneficio da tecnologia utilizada!
Fatores Restritivos
Informação
– Nunca temos todas as informações que
gostaríamos de ter para tomar decisões.
– Uma empresa enfrenta a restrição das
informações limitadas sobre a qualidade e o
esforço de sua força de trabalho, os planos de
compra atuais e futuros dos clientes e os planos
dos concorrentes.
– O próprio custo de lidar com informações
limitadas restringe os lucros.
Fatores Restritivos
Mercado
– O que cada empresa pode vender e o preço que pode obter
são restringidos pela disposição de pagar por parte dos
clientes e pelos preços e atividades de marketing praticados
por outras empresas. (Gestão do cliente e Atividades
promocionais)
– Os recursos que uma empresa pode adquirir e os preços que
deve pagar por eles são limitados pela disposição das pessoas
de trabalhar para a empresa e investir nela. (Custo
investimentos e custo do potencial da MO)
– As restrições do mercado e os gastos que as empresas fazem
para superá-las limitam os lucros que uma empresa pode
gerar. (Custo de competir em alto nível)
Mercado e Empresas
Economia industrial
Portanto, uma empresa deverá buscar sempre
dois elementos agregadores de resultado.
Quais são?
Mercado e Empresas
Economia industrial
Eficiência Econômica e Eficiência Tecnológica
Argumente, a partir do seu entendimento, sobre
os efeitos desses elementos da gestão?
Mercado e Empresas
Economia industrial
A eficiência tecnológica ocorre quando a
empresa gera determinada produção
utilizando a menor quantidade possível de
insumos.
Alinha-se a teoria da eficiência
operacional (produtividade): Fazer mais e
melhor com menos.
Teoria da eliminação de desperdícios e
modelos enxutos de produção.
Mercado e Empresas
Economia industrial
A eficiência econômica ocorre quando a empresa gera
determinada produção ao menor custo possível.
– Ela depende dos custos relativos dos recursos.
– O método economicamente eficiente é o que utiliza
uma quantidade menor de um recurso mais caro e uma
quantidade maior de um recurso mais barato.
– Tudo sem perder a qualidade!
– Alinha-se a teoria da eficiência operacional. Fazer mais
e melhor ao menor custo possível.
- Um elemento depende do outro. Uma eficiência na
produção leva a eficiência econômica…consequência!
Mercado e Empresas: alinhamento
Na prática:
Os mercados coordenam as ações e a dinâmica
mercadológica e as empresas, dada sua
capacidade de gestão, coordenam as atividades
econômicas (processos competitivos)
A afirmação se justifica?
Mercado e Empresas: alinhamento
Mercado: Apontam para as melhores
decisões..representam os indicadores de mudanças no
contexto das inovações de produtos, processos e
organizacionais.
Ex: Uma terceirização de algum processo da empresa?
É uma tendência apontada pela evolução da
competitividade! É uma estratégia de redução de
esforços (humanos e financeiro) em prol do foco em
sua competência central. Dinamizar e transformar isso
em processos de resultados: papel e comando da
empresa!
Mercado e Empresas: alinhamento
• O que a empresa poderá fazer na determinação dos
processos de resultado: sua competência!
1. Menores custos de transações:
São os custos referente a efetivação dos negócios. EX: Esforço na busca do melhor
parceiro, negociação contratual (garantias!!), negociação dos preços, dos repasses e
aumentos.... E por ai vai..são custos “invisíveis” mais devastadores
2. Economia de Escala:
Quando mais produzimos e vendemos, menor será o nosso custo de produção (Por
unidade). Seu modelo de gestão (eficiência tecnológica, operacional) é responsável
pela economia de escala.
3. Economia de escopo:
Fruto da criatividade e empreendedorismo interno. Aproveita dos recursos criados na
economia de escala para desenvolver novas opções de produtos, linhas, serviços e etc.
Aumenta a eficiência operacional! adaptar o patrimônio já existente para uma
diversificação e assim melhorar o lucro do somatório das atividades desenvolvidas.
Mercado e Empresas: alinhamento
4. Economia de produção em equipe:
Coletivo produtivo. Organização do trabalho em equipe e a necessidade de se
dinamizar a complementação das funções...Dentro de um processo, os trabalhos são
Complementares. Isso reduz desperdícios.
Aula 3
Teoria da Firma: Produção e Custos
Teoria da Firma
Como uma firma no mercado competitivo de
hoje deveria determinar o volume de produção
que maximiza o lucro?
Teoria da Firma
1- análise do comportamento de consumo (teoria do
consumidor)
2- Teoria da Firma – analise o comportamento da mesma no
desenvolvimento de seus processos de produção.
2.1 Fator de produção: bens/serviços transformáveis em
produção
2.2 Produção: transformação dos fatores em produtos para o
mercado
2.3 Função da produção: relação entre a quantidade usada dos
fatores e a quantidade que pode ser obtida com a utilização
destes.
2.4 Processo de produção: Técnicas de produção
Teoria da Firma
2.5 fatores variáveis: Aqueles cujas qtdes de fatores variam em
função da produção. (EX: MO)
2.6 Fatores Fixos: aqueles que não variam
2.7 Produção Total: o quanto a firma é capaz de produzir
mediante emprego de um recurso
2.8 Produção Média ou Produto Médio ou Produtividade Média:
evidencia qual é a contribuição média de um fator ao produto
total.
2.9 Produção Marginal ou Produto Marginal ou Produtividade
Marginal: mostra qual seria o aumento na produção se
elevássemos o emprego do fator de produção .
Teoria da Firma
Produtividade Média:
PMe = q (produção)
Xi (MO) (insumo variável)
Produtividade marginal:
Pmg = ∆q
∆Xi
Teoria da Firma
Vamos a atividade de reflexão!
Imagine uma plantação de melancias, poderia ser qualquer fruta
ou outro produto!
Teoria da Firma
Na plantação.....Um trabalhador consegue apanhar 10 melancias
num dia. A produção (ou produto) total com um trabalhador é
de 10. O produto médio por trabalhador é 10. O produto
marginal do trabalhador é 10.
Ainda na plantação...Dois trabalhadores conseguem apanhar 18
melancias num dia. A produção (ou produto) total com dois
trabalhador é de 18. O produto médio por trabalhador é 9.
O produto marginal do segundo trabalhador é 8.
Teoria da Firma
• Continuando na plantação... Três trabalhadores conseguem
apanhar 24 melancias num dia. A produção (ou produto) total
com três trabalhadores é de 24. O produto médio por
trabalhador é 8. O produto marginal do terceiro trabalhador é
6.
• Ainda lá na plantação.....Quatro trabalhadores conseguem
apanhar 24 melanciais num dia. A produção (ou produto) total
com quatro trabalhadores é de 24. O produto médio por
trabalhador é 6. O produto marginal do último trabalhador é
0.
Teoria da Firma
• Podemos dizer que atingimos a:
Produção máxima de uma firma - é atingida quando o emprego
do fator variável de produção não tem mais a capacidade de
incrementar a produção, estabelecendo portanto seu limite.
Lei dos Rendimentos Decrescentes
Em economia, isso representa a Lei dos rendimentos marginais
decrescentes:
• Quanto mais unidades de um insumo são utilizadas, num dado
período de tempo, com quantidades fixadas de outro insumo, mais
o produto marginal do insumo variável passa a declinar, após um
certo ponto.
• A lei dos rendimentos decrescentes pode ser entendida da
seguinte maneira: aumentando-se a quantidade de um fator
variável, no caso EX: MO, e permanecendo fixa a quantidade dos
demais fatores (EX:maquinas/equipamentos), a produção, a
princípio, crescerá a taxas crescentes; a seguir, após certa
quantidade utilizada do fator variável, passará a crescer a taxas
decrescentes. Pode-se chegar a Zero de produção marginal
Lei dos Rendimentos Decrescentes
• Responda a seguinte questão:
• Entregar individualmente
Qual a importância, no contexto da gestão empresarial, do
entendimento dessa lei para os resultados da organização? Cite
Exemplos práticos!
Lei dos Rendimentos Decrescentes
Tabela Exemplo:fonte: http://economia12b.blogspot.com.br/2012/10/lei-dos-rendimentos-decrescentes_16.html
Aula 4
Cadeias Globais de Produção
Inovação
Internacionalização da produção: Arranjos e
Redes Produtivas
• Antes de iniciarmos a temática, procure
responder e justificar: (entregar)
“É relevante conhecer a dinâmica econômica
local e global para as tomadas de decisões
pertinentes ao ambiente internacional,
sobretudo, no desenvolvimento de estratégias
pertinentes a produzir e vender além das
fronteiras?”
Internacionalização da produção (empresas)
• Internacionalização da produção diz respeito:
Ao desenvolvimento de uma estratégia internacional a partir de
uma base nacional, com a coordenação centralizada. Está
dentro de um arcabouço organizacional e produtivo mais
complexo e associado a formação de cadeias produtivas locais
que possam sustentar em P&D e no campo operacional a (s)
empresa (s) matriz (es).
• Internacionalização está associada a formação de cadeias
globais de valor........sustentáveis, sobretudo, em P&D.
• Poderá estar associada a formação de APL´s “fortes” no
campo tecnológico
Internacionalização da produção (empresas)
• Internacionalização da produção....sua filosofia diz
respeito a:
• Interprete a passagem:
• “Pensar globalmente e agir localmente”
Externalização da produção ??
• Quanto à externalização, é preciso saber em que contexto o
termo está sendo utilizado. Normalmente, está se associado
à transferência de unidades produtivas
para outros países nos quais as condições são tidas como mais
atrativas em termos de competitividade da atividade
produtiva em questão.
• O Fato é que, no contexto, a articulação local é muito mais
operacional (menos conhecimento em P&D). Articulação
produtiva superficial.....sem grande valor agregado.
Sistemas de Inovação
• Podemos dizer que refere-se ao contexto que mede o nível de
sustentabilidade de um ambiente local/nacional/setorial de
inovação
• Responsável pela articulação eficiente/eficaz dos APL´s.
• Fator importantíssimo dentro do contexto global de produção
• Ou seja, é:
• Uma “ampla rede de arrasto” para capturar processos de
inovação e seus determinantes (Lundvall, 1995)
• Interpretar a passagem!
Sistemas de Inovação (SI)
• Agentes organizados em um sistema composto por um fluxo
de relações interdependentes. São eles:
• Políticas industriais/comerciais /inovação
• Sistema de aprendizagem
• Institutos de pesquisa/IES
• Estruturas organizacionais/Modelos de gestão
• Crenças/valores/sociedade
• Regulamentações / ambiente legal....e outros
Sistemas de Inovação (SI)
• Sistema Setorial de Inovação:
• Ocupa papel determinante para as empresas de produção global.
• Condiciona à inserção em cadeias de valor globalizadas.
(Demanda uma estrutura eficiente dos sistemas locais de inovação)
Governança e Upgrading
• Elementos da gestão determinantes para as estratégias de
internacionalização dos negócios
• Fato: a empresa precisa ser detentora de projetos
tecnológicos e de Know-How para a diferenciação de seus
produtos para ir além das fronteiras*
• Portanto:
• Necessário ter gestão e os aspectos considerados e ligados
às cadeias globais de produção são:
1. Governança
2. Upgrading
Governança e Upgrading
• Governança / Upgrading:
Tem como foco as relações (gestão) de poder entre os elos de
uma cadeia produtiva (relações com o mercado
global)...comando, nível de poder, relações com
fornecedores, mercado, instituições PP e outros agentes
importantes dos processos produtivos.......palavra chave da
governança: “transparência”
Esse nível de gestão condiciona as atividades de Upgrading*
* Capacidade de evolução da(s) empresa(s), passagem de um
estágio para outro superior; motivado pela interação,
cooperação e/ou trocas de conhecimentos entre os
agentes.
Governança e Upgrading
• A Governança pode ser do tipo:
1. Producer-driven (dirigidas pelo Produtor)
Quando os genes produtores ditam as regras para os outros elos
da cadeia. Ex: Indústria automotiva no Brasil
2. Buyer-driven (dirigidas pelo comprador):
Acontece quando o comprador (do produtor) exerce certo
controle na cadeia e coordena sua atividades em função
deste contexto. Ex: Rede de varejo e Produtores de
hortifrutigranjeiros.
Governança e Upgrading
• A questão do Upgrading está relacionada à inovação, pois
consiste em fazer produtos de qualidade por meios mais
eficientes (processos mais sofisticados).
• Três tipos de Upgrading:
1. Processo: Reorganização dos métodos de produção
(eficiência operacional)
2. Produto: Valor agregado – utilidade ao produto. Inovação
em produto.
3. Funcional: Novos métodos organizacionais e de marketing.
Considerações
• Em relação aos produtos industrializados com alto conteúdo
tecnológico, há uma dimensão no caso brasileiro que precisa
ser considerada:
• Os setores mais críticos são controlados, em maior ou menor
grau, por empresas estrangeiras multinacionais; isso significa
dizer que a produção local desses bens, não apenas para o
consumo interno, mas também para exportação, é uma
decisão em última instância que diz respeito a investimentos e
estratégias comerciais de multinacionais.
• Usa-se nossa base local (que pode ser atrativa), mas nossa
participação nos processos comerciais e, sobretudo, em P&D
é superficial……Não temos a “patente”. Não temos o
conhecimento tecnológico, apenas participamos do processo
final de desenvolvimento do produto.
Considerações
• Um dos atrativos para que multinacionais tomem a decisão de
incluir um país na sua rede global de produção e comércio é o
que esse país hospedeiro tem a oferecer para que também as
atividades de P&D sejam descentralizadas e especializadas,
especialmente, as atividades de desenvolvimento de produto.
• Isso deveria ser uma exigência do Mercado / Governo:
Transferência tecnológica…para isso, precisa oferecer
condições estruturais e fiscais atrativas e MO preparada.
Razões para a Internacionalziação
• A internacionalização da atividade é considerada por muitas
empresas como uma condição necessária para o reforço da
sua posição competitiva – algumas empresas são por natureza
internacionalizadas (Transportes e Turismo são exemplos)
• Todavia, a internacionalização não pode ser encarada como
uma medida universal a adptar por toda e qualquer empresa.
• A decisão deverá sempre passar pela análise de um conjunto
de fatores envolvendo a avaliação de diferentes opções de
expansão em diferentes momentos/cenários de mercado local
e global.
Estratégias de entrada nos mercados globais
A título de conhecimento introdutório, seguem os
modelos/estratégias para atuar nos mercados globais. Cada
modelo tem um escopo que deve se adequar aos eu
negócio/produto, mercado e objetivos empresariais.
Fica ai o gancho para aquele que se interessar em saber mais!
• Exportação direta e indireta (simplificado)
• 2. Joint-venture (incluí-se licenciamento),
• 3. Investimento direto solo e
• 4. Fusões e aquisições internacionais
“A SORTE É O ENCONTRO DA CAPACIDADE COM A
OPORTUNIDADE”
FIM
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ambiente de marketing
ambiente de marketingambiente de marketing
ambiente de marketing
Danilo Kenji
 
macroambiente de marketing
macroambiente de marketingmacroambiente de marketing
macroambiente de marketing
Danilo Kenji
 
Caderno - Marketing I
Caderno - Marketing ICaderno - Marketing I
Caderno - Marketing I
Cadernos PPT
 
O Ambiente de Marketing
O Ambiente de MarketingO Ambiente de Marketing
O Ambiente de Marketing
Karina Rocha
 
Variáveis Ambientais
Variáveis AmbientaisVariáveis Ambientais
Variáveis Ambientais
Érica Rigo
 
Microambiente e
Microambiente eMicroambiente e
Microambiente e
Eduardo Carvalho
 
Análise ambiental de Marketing
Análise ambiental de MarketingAnálise ambiental de Marketing
Análise ambiental de Marketing
Douglas Gregorio
 
GP - Comunicação Empresarial
GP - Comunicação EmpresarialGP - Comunicação Empresarial
GP - Comunicação Empresarial
Vinícius Luiz
 
Macroambiente
MacroambienteMacroambiente
Macroambiente
GPaulino27
 
Ambientes de Marketing - Macro e Micro
Ambientes de Marketing - Macro e MicroAmbientes de Marketing - Macro e Micro
Ambientes de Marketing - Macro e Micro
Diego Andreasi
 
Guia detalhado para análise do ambiente de marketing
Guia detalhado para análise do ambiente de marketingGuia detalhado para análise do ambiente de marketing
Guia detalhado para análise do ambiente de marketing
Felipe Correa de Mello
 
As fragilidades do brasil em ciência, tecnologia e inovação
As fragilidades do brasil em ciência, tecnologia e inovaçãoAs fragilidades do brasil em ciência, tecnologia e inovação
As fragilidades do brasil em ciência, tecnologia e inovação
Fernando Alcoforado
 
Ambiente de marketing
Ambiente de marketingAmbiente de marketing
Ambiente de marketing
Claudio Lammardo Neto (Cachorrão)
 
Ambiente de marketing
Ambiente de marketingAmbiente de marketing
Ambiente de marketing
Denise Medeiros
 
Marketing - análise ambiental - ambiente político e legal.
Marketing - análise ambiental - ambiente político e legal.Marketing - análise ambiental - ambiente político e legal.
Marketing - análise ambiental - ambiente político e legal.
Douglas Gregorio
 
MBA Gestão Estratégica - MBA Unigranrio
MBA Gestão Estratégica - MBA UnigranrioMBA Gestão Estratégica - MBA Unigranrio
MBA Gestão Estratégica - MBA Unigranrio
Fernando Flessati
 
Ead Apostila 6 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãO
Ead Apostila 6 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãOEad Apostila 6 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãO
Ead Apostila 6 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãO
R D
 
GESTAO DE PEQUENAS E MEDIAS EMPRESAS
GESTAO DE PEQUENAS E MEDIAS EMPRESASGESTAO DE PEQUENAS E MEDIAS EMPRESAS
GESTAO DE PEQUENAS E MEDIAS EMPRESAS
Universidade Pedagogica
 
Puc microeconomia - 01-2013 - introdução
Puc   microeconomia - 01-2013 - introduçãoPuc   microeconomia - 01-2013 - introdução
Puc microeconomia - 01-2013 - introdução
Pontifícia Universidade Católica de Goiás - PUC/GO
 
Gestão de marketing
Gestão de marketingGestão de marketing
Gestão de marketing
Universidade de Pernambuco
 

Mais procurados (20)

ambiente de marketing
ambiente de marketingambiente de marketing
ambiente de marketing
 
macroambiente de marketing
macroambiente de marketingmacroambiente de marketing
macroambiente de marketing
 
Caderno - Marketing I
Caderno - Marketing ICaderno - Marketing I
Caderno - Marketing I
 
O Ambiente de Marketing
O Ambiente de MarketingO Ambiente de Marketing
O Ambiente de Marketing
 
Variáveis Ambientais
Variáveis AmbientaisVariáveis Ambientais
Variáveis Ambientais
 
Microambiente e
Microambiente eMicroambiente e
Microambiente e
 
Análise ambiental de Marketing
Análise ambiental de MarketingAnálise ambiental de Marketing
Análise ambiental de Marketing
 
GP - Comunicação Empresarial
GP - Comunicação EmpresarialGP - Comunicação Empresarial
GP - Comunicação Empresarial
 
Macroambiente
MacroambienteMacroambiente
Macroambiente
 
Ambientes de Marketing - Macro e Micro
Ambientes de Marketing - Macro e MicroAmbientes de Marketing - Macro e Micro
Ambientes de Marketing - Macro e Micro
 
Guia detalhado para análise do ambiente de marketing
Guia detalhado para análise do ambiente de marketingGuia detalhado para análise do ambiente de marketing
Guia detalhado para análise do ambiente de marketing
 
As fragilidades do brasil em ciência, tecnologia e inovação
As fragilidades do brasil em ciência, tecnologia e inovaçãoAs fragilidades do brasil em ciência, tecnologia e inovação
As fragilidades do brasil em ciência, tecnologia e inovação
 
Ambiente de marketing
Ambiente de marketingAmbiente de marketing
Ambiente de marketing
 
Ambiente de marketing
Ambiente de marketingAmbiente de marketing
Ambiente de marketing
 
Marketing - análise ambiental - ambiente político e legal.
Marketing - análise ambiental - ambiente político e legal.Marketing - análise ambiental - ambiente político e legal.
Marketing - análise ambiental - ambiente político e legal.
 
MBA Gestão Estratégica - MBA Unigranrio
MBA Gestão Estratégica - MBA UnigranrioMBA Gestão Estratégica - MBA Unigranrio
MBA Gestão Estratégica - MBA Unigranrio
 
Ead Apostila 6 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãO
Ead Apostila 6 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãOEad Apostila 6 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãO
Ead Apostila 6 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãO
 
GESTAO DE PEQUENAS E MEDIAS EMPRESAS
GESTAO DE PEQUENAS E MEDIAS EMPRESASGESTAO DE PEQUENAS E MEDIAS EMPRESAS
GESTAO DE PEQUENAS E MEDIAS EMPRESAS
 
Puc microeconomia - 01-2013 - introdução
Puc   microeconomia - 01-2013 - introduçãoPuc   microeconomia - 01-2013 - introdução
Puc microeconomia - 01-2013 - introdução
 
Gestão de marketing
Gestão de marketingGestão de marketing
Gestão de marketing
 

Semelhante a Economia de Empresas para MBA´s

Fundamentos de administração 2
Fundamentos de administração 2Fundamentos de administração 2
Fundamentos de administração 2
Andrey Martins
 
Mercado e Concorrência
Mercado e ConcorrênciaMercado e Concorrência
Mercado e Concorrência
Doisnovemeia Publicidade
 
Trabalho em grupo apresentação slides master consultoria
Trabalho em grupo  apresentação slides master consultoriaTrabalho em grupo  apresentação slides master consultoria
Trabalho em grupo apresentação slides master consultoria
João Silva
 
Plano de Negocio para Empresas da Internet
Plano de Negocio para Empresas da InternetPlano de Negocio para Empresas da Internet
Plano de Negocio para Empresas da Internet
Inventtando Agencia de Palestrantes
 
Aula 05 empreendedorismo
Aula 05 empreendedorismoAula 05 empreendedorismo
Aula 05 empreendedorismo
Homero Alves de Lima
 
Criacaopeixe
CriacaopeixeCriacaopeixe
Criacaopeixe
revistaamazonia
 
Trabalho em grupo apresentação slides master consultoria
Trabalho em grupo  apresentação slides master consultoriaTrabalho em grupo  apresentação slides master consultoria
Trabalho em grupo apresentação slides master consultoria
João Silva
 
Plano de negócios v3
Plano de negócios v3Plano de negócios v3
Plano de negócios v3
Paulo H. G. Tavares, MSc, PMP®
 
Organização Industrial
Organização IndustrialOrganização Industrial
Organização Industrial
hpmachado
 
Comportamento Consumidor FGV
Comportamento Consumidor FGVComportamento Consumidor FGV
Comportamento Consumidor FGV
Marcio_Ferreira
 
Cultivo dcogumelo
Cultivo dcogumeloCultivo dcogumelo
Cultivo dcogumelo
Daniel Ayres
 
aula-2-estrategias.ppt
aula-2-estrategias.pptaula-2-estrategias.ppt
aula-2-estrategias.ppt
IsisMarques10
 
MKT INDUSTRIAL cap. 2
MKT INDUSTRIAL   cap. 2MKT INDUSTRIAL   cap. 2
MKT INDUSTRIAL cap. 2
Professor Sérgio Duarte
 
Preço actividades economicas
Preço   actividades economicasPreço   actividades economicas
Preço actividades economicas
João Barata
 
ANÁLISE AMBIENTAL.pptx
ANÁLISE AMBIENTAL.pptxANÁLISE AMBIENTAL.pptx
ANÁLISE AMBIENTAL.pptx
Ana Cláudia Knoll Zoschke
 
Apostila sebrae cultivo de bonsai
Apostila sebrae cultivo de bonsaiApostila sebrae cultivo de bonsai
Apostila sebrae cultivo de bonsai
Okutagawa
 
APO - Aula 01
APO - Aula 01APO - Aula 01
APO - Aula 01
Maxime Parisot
 
Planejamento Estrategico - A Funcao do Planejamento Estrategico - Colecao Ges...
Planejamento Estrategico - A Funcao do Planejamento Estrategico - Colecao Ges...Planejamento Estrategico - A Funcao do Planejamento Estrategico - Colecao Ges...
Planejamento Estrategico - A Funcao do Planejamento Estrategico - Colecao Ges...
Alex Anunciato
 
Planejamento Estrategico
Planejamento EstrategicoPlanejamento Estrategico
Planejamento Estrategico
André Tenório
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
HS CONTÁBIL LTDA
 

Semelhante a Economia de Empresas para MBA´s (20)

Fundamentos de administração 2
Fundamentos de administração 2Fundamentos de administração 2
Fundamentos de administração 2
 
Mercado e Concorrência
Mercado e ConcorrênciaMercado e Concorrência
Mercado e Concorrência
 
Trabalho em grupo apresentação slides master consultoria
Trabalho em grupo  apresentação slides master consultoriaTrabalho em grupo  apresentação slides master consultoria
Trabalho em grupo apresentação slides master consultoria
 
Plano de Negocio para Empresas da Internet
Plano de Negocio para Empresas da InternetPlano de Negocio para Empresas da Internet
Plano de Negocio para Empresas da Internet
 
Aula 05 empreendedorismo
Aula 05 empreendedorismoAula 05 empreendedorismo
Aula 05 empreendedorismo
 
Criacaopeixe
CriacaopeixeCriacaopeixe
Criacaopeixe
 
Trabalho em grupo apresentação slides master consultoria
Trabalho em grupo  apresentação slides master consultoriaTrabalho em grupo  apresentação slides master consultoria
Trabalho em grupo apresentação slides master consultoria
 
Plano de negócios v3
Plano de negócios v3Plano de negócios v3
Plano de negócios v3
 
Organização Industrial
Organização IndustrialOrganização Industrial
Organização Industrial
 
Comportamento Consumidor FGV
Comportamento Consumidor FGVComportamento Consumidor FGV
Comportamento Consumidor FGV
 
Cultivo dcogumelo
Cultivo dcogumeloCultivo dcogumelo
Cultivo dcogumelo
 
aula-2-estrategias.ppt
aula-2-estrategias.pptaula-2-estrategias.ppt
aula-2-estrategias.ppt
 
MKT INDUSTRIAL cap. 2
MKT INDUSTRIAL   cap. 2MKT INDUSTRIAL   cap. 2
MKT INDUSTRIAL cap. 2
 
Preço actividades economicas
Preço   actividades economicasPreço   actividades economicas
Preço actividades economicas
 
ANÁLISE AMBIENTAL.pptx
ANÁLISE AMBIENTAL.pptxANÁLISE AMBIENTAL.pptx
ANÁLISE AMBIENTAL.pptx
 
Apostila sebrae cultivo de bonsai
Apostila sebrae cultivo de bonsaiApostila sebrae cultivo de bonsai
Apostila sebrae cultivo de bonsai
 
APO - Aula 01
APO - Aula 01APO - Aula 01
APO - Aula 01
 
Planejamento Estrategico - A Funcao do Planejamento Estrategico - Colecao Ges...
Planejamento Estrategico - A Funcao do Planejamento Estrategico - Colecao Ges...Planejamento Estrategico - A Funcao do Planejamento Estrategico - Colecao Ges...
Planejamento Estrategico - A Funcao do Planejamento Estrategico - Colecao Ges...
 
Planejamento Estrategico
Planejamento EstrategicoPlanejamento Estrategico
Planejamento Estrategico
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 

Último

Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
E-Commerce Brasil
 
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamentoGuia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Leonardo Espírito Santo
 
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊMANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
EMERSON BRITO
 
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
E-Commerce Brasil
 

Último (13)

Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
 
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
 
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
 
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
 
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
 
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
 
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
 
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
 
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
 
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
 
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamentoGuia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
 
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊMANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
 
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
 

Economia de Empresas para MBA´s

  • 1. Prof. Fernando Bueno,Msc *Direitos reservados Economia de Empresas Para o Curso de MBA em Administração
  • 2. Breve Currículo Prof. Me Fernando bueno - Mestre em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente - Políticas públicas industriais e tecnológicas; MBA Executivo em Finanças Empresariais; Habilitado em Comércio Exterior e Graduado em Administração. - Ênfase acadêmica e profissional em Marketing, finanças, controladoria e economia industrial. - Consultor empresarial e de Franchising e sócio da empresa EGD Agenciamento de Negócios LTDA em SP. Ex Gestor do Instituto Nova Aliança nas áreas de Planejamento e Marketing. - Professor do ensino superior – Pós-Graduação em diversas universidades, dentre elas: UNISA, FMU, UNIP, FATEC, FIJ, USF, UNOPAR, UNISANTANA e etc. - Palestrante nas áreas correlatas e desenvolvedor de programas/cursos e treinamentos corporativos e projetos técnicos registrados na biblioteca Nacional. - Articulista e escritor da obra “Inovação e Competitividade Global” Editado pela LPB – 2010; Obra “Inovação & Cadeias Globais de Produção” pela Biblioteca 24 horas em 2014.
  • 3. Programa base Noções sobre os Cenários Econômicos; Estrutura de Mercado; A microeconomia e o papel da empresa; A empresa e seu problema econômico; Princípios da Organização industrial: teoria da firma, da produção, custos e orçamentos; Mercado e Empresas, introdução a economia industrial e os fatores restritivos; Internacionalização de empresas: Redes e cadeias globais de valor, organização e eficiência coletiva
  • 4. Introdução a Gestão Financeira AULA 1 O contexto microeconômico e o papel da empresa
  • 5. Revisão de Economia • O que é uma Atividade econômica: Conjunto das operações que consiste em utilizar recursos disponíveis para a produção de bens econômicos, bens que são raros em relação ás múltiplas necessidades humanas. • Portanto, o objetivo final da produção é: atender as necessidades humanas por meio de: Recursos - Produção - Consumo • Quais são as necessidades humanas que tanto influem na dinâmica e formatação de nossa economia (e da empresa )?
  • 6. Revisão de Economia São elas: Fisiológicas: água, comida, vestuário, descanso e etc. Segurança: Segurança mínima: emprego, respeito e cidadania etc. Sociais: Desejo de participar de grupos e de serem aceitos por eles (familiar, escola, trabalho). Estima: Mais do que participação no grupo. Ele quer respeito, valorização, afeto. Este pode provocar auto-confiança. Auto-realização: Desejo em se desenvolver e usar sua capacidade. Realizar planos (cargo no trabalho) • A medida que vamos satisfazendo as necessidades bases outras vão surgindo – influenciando o ciclo econômico • Isso é mercadologia no contexto da visão econômica!
  • 7. Revisão de Economia Outros conceitos inerentes a economia de empresas: a. Indústria: um setor da economia. Ex: alimentos, automóveis.. b. Empresa: Firma, tem nome e pertence á alguém. Ex: Sadia/Perdigão, Ford.... Capacidade produtiva (instalada): é o máximo que pode ser produzido utilizando-se os recursos disponíveis. Capacidade ociosa: É o que se deixa de produzir dentro de uma capacidade produtiva. Ex: CP: 1000 carros/mês Produção: 500 carros/mês CO : 50% ou 500
  • 8. Revisão de Economia Estrutura de mercados: • Monopólio: Ocorre quando existe apenas uma empresa em um setor da economia. Este tende a determinar o preço dos bens. EX: no Brasil ? • Concorrência perfeita: Ocorre quando existem vários produtores sendo que nenhum deles influenciam no preço do produto. O mercado determina (Oferta x Demanda) o preço. Produtos similares. Ex: Gêneros alimentícios hortifrutigranjeiros - alface, tomate, cebola, laranja. • Oligopólio: Ocorre quando poucas empresas dominam o mercado. E a Estrutura mias comum. EX: Aviação civil (TAM,GOL,AZUL....) • Podem existir muitas empresas no setor, mas apenas algumas (3 ou 4...) detém uma grande porcentagem em vendas. Neste caso, o oligopolista influencia no preço do bem, quanto maior a porcentagem em vendas, maior a influencia sobre o preço. Outros ex: automóveis, cigarros, softwares e por ai vai! • Concorrência monopolística: várias empresas, cada uma vendendo uma marca ou um produto que difere em termos de qualidade, aparência ou reputação, e cada empresa é a única produtora de sua própria marca. A competição monopolística é caracterizada também por não haver barreiras à entrada. Existem muitos exemplos de setores industriais com essa estrutura de mercado, como café empacotado, calçados e refrigerantes.
  • 9. Microeconomia e o papel da empresa Voltada ao estudo do comportamento/escolhas das unidades de consumo representadas pelos indivíduos ou famílias ( estas desde que caracterizadas por um orçamento único ), ao estudo das empresas, suas respectivas produções e custos e ao estudo da produção e preço dos diversos bens, serviços e fatores produtivos. Fatores de produção: (Escassos) Necessidades ilimitadas e recursos limitados A empresa deve equilibrar esta balança!
  • 10. Microeconomia e o papel da empresa Fatores de produção: (recursos) Terra vestuário Capital  Produção  Serviços Trabalho Alimentos Capacidade empresarial Habitação.... • Terra: Recursos naturais • Capital: ferramentas, máquinas, instalações (não é capital financeiro) • Trabalho: Tempo e esforço dedicados à produção • Capacidade emp.: Recursos humanos / Know-how que organiza o trabalho, a terra e o capital Inteligência empresarial
  • 11. Microeconomia e o papel da Empresa 1. Um cenário em que: “um mercado de bairro é o único da região e por ser assim acaba exercendo um certa influência sobre o preço, embora, o consumidor tenha outras opções mais distantes, por comodidade acaba comprando localmente” Esse negócio se enquadra em qual estrutura de mercado? 2. Uma empresa tem capacidade para produzir 500 cadeiras, mas está produzindo 350. Qual a capacidade ociosa em %?. 3. O setor automobilístico está trabalhando com uma capacidade ociosa de 32%, portanto, está deixando de produzir 15 mil carros mensalmente. Qual a sua capacidade produtiva anual e qual sua produção real no ano?
  • 12. Reflexão • A partir dos dados, qual a estrutura de mercado predominante na indústria I e II? Indústria I Indústria II Empresa % vendas/Mercado % vendas/mercado A 20 0,3 B 5,5 1,2 C 13,7 1,5 D 8,2 0,7 E 19,8 0,5 Outras 32,8 95,8
  • 13. Economia de Empresas: Organização da produção • O grande desafio atual das empresas está contextualizado nas escolhas que elas fazem para lidar com a escassez (Terra, Capital, Trabalho e CE) e organizá- los de maneira a gerar produtividade, com qualidade e prazos adequados. Caros alunos, reflitam e respondam com inteligência empresarial: 1. Qual a meta mais importante que uma empresa deve priorizar? 2. Onde está o centro de lucratividade da empresa? E o centro de Custos?
  • 14. A empresa e seu problema econômico Calculamos o custo e o lucro também para garantir que a empresa pague a quantia correta de imposto de renda. Mas queremos decidir antecipadamente, evitando surpresas. Essas decisões são tomadas, com base no custo de oportunidade e no lucro econômico. O custo de oportunidade é uma alternativa real da qual se abdicou e inclui:  Custos explícitos: pagos em espécie  Custos implícitos: Valor (%) que o investidor, proprietário deixa de ganhar por usar o capital próprio ou mesmo recursos fisicos que poderiam lhe gerar algum retorno. Ex: Aluguel do galpão. Cedeu a empresa e deixou de receber o aluguel…Tudo isso deve ser computado na engenharia econômica de investimentos e seus retornos.
  • 15. A empresa e seu problema econômico O lucro econômico de uma empresa é igual à sua receita total menos seu custo total. O custo total da empresa é a soma de seus custos explícitos (saídas reais em espécie) e implícitos (o que deixa de ganhar em função da escolha).
  • 16. A Empresa e seu Problema Econômico Contabilidade Econômica: um resumo Para atingir o objetivo do lucro máximo (lucro econômico), uma empresa deve tomar cinco decisões básicas: –1. Quais bens e/ou serviços produzir e em quais quantidades. –2. Como produzir – quais técnicas de produção utilizar. –3. Como organizar e remunerar os gestores e trabalhadores. –4. Como comercializar e definir os preços dos produtos. –5. O que produzir e o que comprar de outras empresas Todas as decisões estão contextualizadas nos custos e despesas?
  • 17. Aula 2 As Restrições Empresariais Economia Industrial
  • 18. Problema Econômico: fatores restritivos As restrições da empresa Três fatores do ambiente limitam o lucro máximo que uma empresa pode gerar. São eles:  Tecnologia (?)  Informações (?)  Mercado (?)
  • 19. Fatores Restritivos Uma tecnologia é um recurso/método de produção de um bem ou serviço. A tecnologia progride com o tempo ? Ciclo de vida da inovação tecnólogica! Mas, conforme o tempo avança, para produzir mais e gerar mais receita, uma empresa deve contratar mais recursos e incorrer em maiores custos. O incremento do lucro que a empresa pode atingir é limitado pela tecnologia disponível. Custo beneficio da tecnologia utilizada!
  • 20. Fatores Restritivos Informação – Nunca temos todas as informações que gostaríamos de ter para tomar decisões. – Uma empresa enfrenta a restrição das informações limitadas sobre a qualidade e o esforço de sua força de trabalho, os planos de compra atuais e futuros dos clientes e os planos dos concorrentes. – O próprio custo de lidar com informações limitadas restringe os lucros.
  • 21. Fatores Restritivos Mercado – O que cada empresa pode vender e o preço que pode obter são restringidos pela disposição de pagar por parte dos clientes e pelos preços e atividades de marketing praticados por outras empresas. (Gestão do cliente e Atividades promocionais) – Os recursos que uma empresa pode adquirir e os preços que deve pagar por eles são limitados pela disposição das pessoas de trabalhar para a empresa e investir nela. (Custo investimentos e custo do potencial da MO) – As restrições do mercado e os gastos que as empresas fazem para superá-las limitam os lucros que uma empresa pode gerar. (Custo de competir em alto nível)
  • 22. Mercado e Empresas Economia industrial Portanto, uma empresa deverá buscar sempre dois elementos agregadores de resultado. Quais são?
  • 23. Mercado e Empresas Economia industrial Eficiência Econômica e Eficiência Tecnológica Argumente, a partir do seu entendimento, sobre os efeitos desses elementos da gestão?
  • 24. Mercado e Empresas Economia industrial A eficiência tecnológica ocorre quando a empresa gera determinada produção utilizando a menor quantidade possível de insumos. Alinha-se a teoria da eficiência operacional (produtividade): Fazer mais e melhor com menos. Teoria da eliminação de desperdícios e modelos enxutos de produção.
  • 25. Mercado e Empresas Economia industrial A eficiência econômica ocorre quando a empresa gera determinada produção ao menor custo possível. – Ela depende dos custos relativos dos recursos. – O método economicamente eficiente é o que utiliza uma quantidade menor de um recurso mais caro e uma quantidade maior de um recurso mais barato. – Tudo sem perder a qualidade! – Alinha-se a teoria da eficiência operacional. Fazer mais e melhor ao menor custo possível. - Um elemento depende do outro. Uma eficiência na produção leva a eficiência econômica…consequência!
  • 26. Mercado e Empresas: alinhamento Na prática: Os mercados coordenam as ações e a dinâmica mercadológica e as empresas, dada sua capacidade de gestão, coordenam as atividades econômicas (processos competitivos) A afirmação se justifica?
  • 27. Mercado e Empresas: alinhamento Mercado: Apontam para as melhores decisões..representam os indicadores de mudanças no contexto das inovações de produtos, processos e organizacionais. Ex: Uma terceirização de algum processo da empresa? É uma tendência apontada pela evolução da competitividade! É uma estratégia de redução de esforços (humanos e financeiro) em prol do foco em sua competência central. Dinamizar e transformar isso em processos de resultados: papel e comando da empresa!
  • 28. Mercado e Empresas: alinhamento • O que a empresa poderá fazer na determinação dos processos de resultado: sua competência! 1. Menores custos de transações: São os custos referente a efetivação dos negócios. EX: Esforço na busca do melhor parceiro, negociação contratual (garantias!!), negociação dos preços, dos repasses e aumentos.... E por ai vai..são custos “invisíveis” mais devastadores 2. Economia de Escala: Quando mais produzimos e vendemos, menor será o nosso custo de produção (Por unidade). Seu modelo de gestão (eficiência tecnológica, operacional) é responsável pela economia de escala. 3. Economia de escopo: Fruto da criatividade e empreendedorismo interno. Aproveita dos recursos criados na economia de escala para desenvolver novas opções de produtos, linhas, serviços e etc. Aumenta a eficiência operacional! adaptar o patrimônio já existente para uma diversificação e assim melhorar o lucro do somatório das atividades desenvolvidas.
  • 29. Mercado e Empresas: alinhamento 4. Economia de produção em equipe: Coletivo produtivo. Organização do trabalho em equipe e a necessidade de se dinamizar a complementação das funções...Dentro de um processo, os trabalhos são Complementares. Isso reduz desperdícios.
  • 30. Aula 3 Teoria da Firma: Produção e Custos
  • 31. Teoria da Firma Como uma firma no mercado competitivo de hoje deveria determinar o volume de produção que maximiza o lucro?
  • 32. Teoria da Firma 1- análise do comportamento de consumo (teoria do consumidor) 2- Teoria da Firma – analise o comportamento da mesma no desenvolvimento de seus processos de produção. 2.1 Fator de produção: bens/serviços transformáveis em produção 2.2 Produção: transformação dos fatores em produtos para o mercado 2.3 Função da produção: relação entre a quantidade usada dos fatores e a quantidade que pode ser obtida com a utilização destes. 2.4 Processo de produção: Técnicas de produção
  • 33. Teoria da Firma 2.5 fatores variáveis: Aqueles cujas qtdes de fatores variam em função da produção. (EX: MO) 2.6 Fatores Fixos: aqueles que não variam 2.7 Produção Total: o quanto a firma é capaz de produzir mediante emprego de um recurso 2.8 Produção Média ou Produto Médio ou Produtividade Média: evidencia qual é a contribuição média de um fator ao produto total. 2.9 Produção Marginal ou Produto Marginal ou Produtividade Marginal: mostra qual seria o aumento na produção se elevássemos o emprego do fator de produção .
  • 34. Teoria da Firma Produtividade Média: PMe = q (produção) Xi (MO) (insumo variável) Produtividade marginal: Pmg = ∆q ∆Xi
  • 35. Teoria da Firma Vamos a atividade de reflexão! Imagine uma plantação de melancias, poderia ser qualquer fruta ou outro produto!
  • 36. Teoria da Firma Na plantação.....Um trabalhador consegue apanhar 10 melancias num dia. A produção (ou produto) total com um trabalhador é de 10. O produto médio por trabalhador é 10. O produto marginal do trabalhador é 10. Ainda na plantação...Dois trabalhadores conseguem apanhar 18 melancias num dia. A produção (ou produto) total com dois trabalhador é de 18. O produto médio por trabalhador é 9. O produto marginal do segundo trabalhador é 8.
  • 37. Teoria da Firma • Continuando na plantação... Três trabalhadores conseguem apanhar 24 melancias num dia. A produção (ou produto) total com três trabalhadores é de 24. O produto médio por trabalhador é 8. O produto marginal do terceiro trabalhador é 6. • Ainda lá na plantação.....Quatro trabalhadores conseguem apanhar 24 melanciais num dia. A produção (ou produto) total com quatro trabalhadores é de 24. O produto médio por trabalhador é 6. O produto marginal do último trabalhador é 0.
  • 38. Teoria da Firma • Podemos dizer que atingimos a: Produção máxima de uma firma - é atingida quando o emprego do fator variável de produção não tem mais a capacidade de incrementar a produção, estabelecendo portanto seu limite.
  • 39. Lei dos Rendimentos Decrescentes Em economia, isso representa a Lei dos rendimentos marginais decrescentes: • Quanto mais unidades de um insumo são utilizadas, num dado período de tempo, com quantidades fixadas de outro insumo, mais o produto marginal do insumo variável passa a declinar, após um certo ponto. • A lei dos rendimentos decrescentes pode ser entendida da seguinte maneira: aumentando-se a quantidade de um fator variável, no caso EX: MO, e permanecendo fixa a quantidade dos demais fatores (EX:maquinas/equipamentos), a produção, a princípio, crescerá a taxas crescentes; a seguir, após certa quantidade utilizada do fator variável, passará a crescer a taxas decrescentes. Pode-se chegar a Zero de produção marginal
  • 40. Lei dos Rendimentos Decrescentes • Responda a seguinte questão: • Entregar individualmente Qual a importância, no contexto da gestão empresarial, do entendimento dessa lei para os resultados da organização? Cite Exemplos práticos!
  • 41. Lei dos Rendimentos Decrescentes Tabela Exemplo:fonte: http://economia12b.blogspot.com.br/2012/10/lei-dos-rendimentos-decrescentes_16.html
  • 42. Aula 4 Cadeias Globais de Produção Inovação
  • 43. Internacionalização da produção: Arranjos e Redes Produtivas • Antes de iniciarmos a temática, procure responder e justificar: (entregar) “É relevante conhecer a dinâmica econômica local e global para as tomadas de decisões pertinentes ao ambiente internacional, sobretudo, no desenvolvimento de estratégias pertinentes a produzir e vender além das fronteiras?”
  • 44. Internacionalização da produção (empresas) • Internacionalização da produção diz respeito: Ao desenvolvimento de uma estratégia internacional a partir de uma base nacional, com a coordenação centralizada. Está dentro de um arcabouço organizacional e produtivo mais complexo e associado a formação de cadeias produtivas locais que possam sustentar em P&D e no campo operacional a (s) empresa (s) matriz (es). • Internacionalização está associada a formação de cadeias globais de valor........sustentáveis, sobretudo, em P&D. • Poderá estar associada a formação de APL´s “fortes” no campo tecnológico
  • 45. Internacionalização da produção (empresas) • Internacionalização da produção....sua filosofia diz respeito a: • Interprete a passagem: • “Pensar globalmente e agir localmente”
  • 46. Externalização da produção ?? • Quanto à externalização, é preciso saber em que contexto o termo está sendo utilizado. Normalmente, está se associado à transferência de unidades produtivas para outros países nos quais as condições são tidas como mais atrativas em termos de competitividade da atividade produtiva em questão. • O Fato é que, no contexto, a articulação local é muito mais operacional (menos conhecimento em P&D). Articulação produtiva superficial.....sem grande valor agregado.
  • 47. Sistemas de Inovação • Podemos dizer que refere-se ao contexto que mede o nível de sustentabilidade de um ambiente local/nacional/setorial de inovação • Responsável pela articulação eficiente/eficaz dos APL´s. • Fator importantíssimo dentro do contexto global de produção • Ou seja, é: • Uma “ampla rede de arrasto” para capturar processos de inovação e seus determinantes (Lundvall, 1995) • Interpretar a passagem!
  • 48. Sistemas de Inovação (SI) • Agentes organizados em um sistema composto por um fluxo de relações interdependentes. São eles: • Políticas industriais/comerciais /inovação • Sistema de aprendizagem • Institutos de pesquisa/IES • Estruturas organizacionais/Modelos de gestão • Crenças/valores/sociedade • Regulamentações / ambiente legal....e outros
  • 49. Sistemas de Inovação (SI) • Sistema Setorial de Inovação: • Ocupa papel determinante para as empresas de produção global. • Condiciona à inserção em cadeias de valor globalizadas. (Demanda uma estrutura eficiente dos sistemas locais de inovação)
  • 50. Governança e Upgrading • Elementos da gestão determinantes para as estratégias de internacionalização dos negócios • Fato: a empresa precisa ser detentora de projetos tecnológicos e de Know-How para a diferenciação de seus produtos para ir além das fronteiras* • Portanto: • Necessário ter gestão e os aspectos considerados e ligados às cadeias globais de produção são: 1. Governança 2. Upgrading
  • 51. Governança e Upgrading • Governança / Upgrading: Tem como foco as relações (gestão) de poder entre os elos de uma cadeia produtiva (relações com o mercado global)...comando, nível de poder, relações com fornecedores, mercado, instituições PP e outros agentes importantes dos processos produtivos.......palavra chave da governança: “transparência” Esse nível de gestão condiciona as atividades de Upgrading* * Capacidade de evolução da(s) empresa(s), passagem de um estágio para outro superior; motivado pela interação, cooperação e/ou trocas de conhecimentos entre os agentes.
  • 52. Governança e Upgrading • A Governança pode ser do tipo: 1. Producer-driven (dirigidas pelo Produtor) Quando os genes produtores ditam as regras para os outros elos da cadeia. Ex: Indústria automotiva no Brasil 2. Buyer-driven (dirigidas pelo comprador): Acontece quando o comprador (do produtor) exerce certo controle na cadeia e coordena sua atividades em função deste contexto. Ex: Rede de varejo e Produtores de hortifrutigranjeiros.
  • 53. Governança e Upgrading • A questão do Upgrading está relacionada à inovação, pois consiste em fazer produtos de qualidade por meios mais eficientes (processos mais sofisticados). • Três tipos de Upgrading: 1. Processo: Reorganização dos métodos de produção (eficiência operacional) 2. Produto: Valor agregado – utilidade ao produto. Inovação em produto. 3. Funcional: Novos métodos organizacionais e de marketing.
  • 54. Considerações • Em relação aos produtos industrializados com alto conteúdo tecnológico, há uma dimensão no caso brasileiro que precisa ser considerada: • Os setores mais críticos são controlados, em maior ou menor grau, por empresas estrangeiras multinacionais; isso significa dizer que a produção local desses bens, não apenas para o consumo interno, mas também para exportação, é uma decisão em última instância que diz respeito a investimentos e estratégias comerciais de multinacionais. • Usa-se nossa base local (que pode ser atrativa), mas nossa participação nos processos comerciais e, sobretudo, em P&D é superficial……Não temos a “patente”. Não temos o conhecimento tecnológico, apenas participamos do processo final de desenvolvimento do produto.
  • 55. Considerações • Um dos atrativos para que multinacionais tomem a decisão de incluir um país na sua rede global de produção e comércio é o que esse país hospedeiro tem a oferecer para que também as atividades de P&D sejam descentralizadas e especializadas, especialmente, as atividades de desenvolvimento de produto. • Isso deveria ser uma exigência do Mercado / Governo: Transferência tecnológica…para isso, precisa oferecer condições estruturais e fiscais atrativas e MO preparada.
  • 56. Razões para a Internacionalziação • A internacionalização da atividade é considerada por muitas empresas como uma condição necessária para o reforço da sua posição competitiva – algumas empresas são por natureza internacionalizadas (Transportes e Turismo são exemplos) • Todavia, a internacionalização não pode ser encarada como uma medida universal a adptar por toda e qualquer empresa. • A decisão deverá sempre passar pela análise de um conjunto de fatores envolvendo a avaliação de diferentes opções de expansão em diferentes momentos/cenários de mercado local e global.
  • 57. Estratégias de entrada nos mercados globais A título de conhecimento introdutório, seguem os modelos/estratégias para atuar nos mercados globais. Cada modelo tem um escopo que deve se adequar aos eu negócio/produto, mercado e objetivos empresariais. Fica ai o gancho para aquele que se interessar em saber mais! • Exportação direta e indireta (simplificado) • 2. Joint-venture (incluí-se licenciamento), • 3. Investimento direto solo e • 4. Fusões e aquisições internacionais
  • 58. “A SORTE É O ENCONTRO DA CAPACIDADE COM A OPORTUNIDADE” FIM Obrigado!