SlideShare uma empresa Scribd logo
ECONOMIA




           Juri Simulado

Professor José Eduardo Amato Balian



             Grupo 5
        Ana Beatriz Nunes
          Carolina Alves
        Gabriela Perrenoud
          Stephanie Feu
          Olivia Tornelli



            CSOS 3D




            São Paulo

               2012
A principal função do poder público é zelar pelo bem comum, e para isso, o Governo
precisa intervir sobre algumas variáveis para trazer condições favoráveis para a
população. Com isso, podemos concluir que é preciso utilizar uma série de ferramentas
para que o Governo possa manipular estas condições. Entre as ferramentas, possíveis,
trabalharemos com a política monetária, que controla a quantidade de moeda em
circulação no país. Sua principal função é manter o poder de compra da moeda, ou seja,
mantê-la valorizada. Isso é feito a partir da lei básica de oferta e demanda de meios de
pagamento.

- Incentivo à indústria nacional

       No mês passado, a presidente Dilma elevou a tributação sobre produtos
importados e reduziu os impostos pagos pela industria nacional. Essa redução é um
benefício a longo prazo, já que o potencial produtivo da indústria nacional está
diretamente relacionado com o aumento do PIB, com os investimentos na indústria (os
pequenos e médios empresários brasileiros mostram-se dispostos a investir) e a
valorização do real. Só o índice de investimentos feitos na indústria nacional no ano de
2011 foi alto, de 4,7%.

       Em 2011, o chamado Produto Interno Bruto aumentou 2,7% em relação a 2010. O
resultado do Brasil foi melhor que o do Reino Unido, dos Estados Unidos e da França. Um
grande fator que impulsionou esse crescimento, foi o consumo das famílias brasileiras.
Esse consumo vem do crédito que é fácil e também porque há mais gente trabalhando e
recebendo salário. As pessoas vem consumindo mais com um grande incentivo do
governo.

- Distribuição de renda

       O governo tinha como meta melhorar a distribuiçao de renda das camadas mais
pobres da populaçao, para isso uma das medidas tomadas foi a diminuiçao dos juros e o
aumento das linhas de credito, assim, se tornou muito mais facil para as pessoas fazerem
crediarios ou pegar emprestimos. com maior poder aquisitivo a populaçao das classes
economicas mais baixas deixaram de consumir apenas produtos da base da piramide e
passaram a consumir produtos e serviços que antes nao tinha acesso, como viagens,
eletrodomésticos, lazer etc. Por causa desse aumento no consumo de bens, que antes
eram restritos as camadas mais elevadas, ouve uma ascencao nas classes sociais de
forma geral, sobretudo na classe c que cresceu cerca de 46,57%.


- Crescimento qualitativo

     De acordo com alguns economistas, o Brasil tem crescido com mais “qualidade” do
que muitos países, como os Estados Unidos. A crise econômica de 2008 pela qual o
mundo passou afetou os Estados Unidos de maneira colossal.

        A crise não afetou o Brasil de maneira tão grande como nos Estados Unidos e em
outras partes do mundo (pois o Bacen criou metas inflacionárias que aumentaram a
confiança do brasileiro de que o país não retornaria a ter políticas desestabilizantes, e a
política fiscal reduziu a relação de despesas do governo).
Passamos por um período de alto crescimento econômico brasileiro, não só
quantitativo, mas também qualitativo. Estamos conseguindo reduzir a taxa de
desemprego e aumentar a distribuição de renda, o que ajuda na redução do número de
pessoa que vivem na pobreza extrema e na ampliação do poder de compra do
trabalhador. Isso movimenta a economia de uma maneira positiva (nosso PIB cresceu em
131% em 5 anos).

       Já os Estados Unidos, que foram muito afetados pela Grande Recessão, vêm
retornando, aos poucos, a estrutura que possuíam anteriormente. A taxa de desemprego
recuou, e a confiança dos consumidores aumentou, porém a concentração de renda e a
pobreza também sofreram aumentos. Comparando ambos os países, pode-se perceber
uma grande melhora no Brasil.

- Plano Brasil Maior

O Plano Brasil Maior é a política industrial, tecnológica e de comércio exterior do governo
Dilma Rousseff. Com o Plano, o Governo Federal estabelece a sua política industrial,
tecnológica, de serviços e de comércio exterior para o período de 2011 a 2014.

Focando no estímulo à inovação e à produção nacional para alavancar a competitividade
da indústria nos mercados interno e externo, o país se organiza para dar passos mais
ousados em direção ao desenvolvimento econômico e social.

O desafio do Plano Brasil Maior é, portanto, sustentar o crescimento econômico inclusivo
num contexto econômico adverso e sair da crise internacional em melhor posição do que
entrou, o que resultaria numa mudança estrutural da inserção do país na economia
mundial. Para tanto, o Plano tem como foco a inovação e o adensamento produtivo do
parque industrial brasileiro, objetivando ganhos sustentados da produtividade do trabalho.

A estabilidade monetária, a retomada do investimento e crescimento, a recuperação do
emprego, os ganhos reais dos salários e a drástica redução da pobreza criaram
condições favoráveis para o país dar passos mais ousados em sua trajetória rumo a um
estágio superior de desenvolvimento.

- Redução da taxa SELIC

        A Selic também é chamada de taxa básica de juros, ou seja, quando um banco,
uma financeira, ou mesmo uma loja oferecem crédito, emprestam dinheiro, eles olham
para a Selic como uma referencia mínima dos juros que serão cobrados do cliente.
        Quando a Selic sobe, os juros, por exemplo, de um crediário também sobem, por
isso quando se diz que a Selic aumentou ou diminuiu ela irá interferir no bolso da
população.
        Quando o crédito fica mais caro, o consumo diminui e os preços param de subir, ou
seja, o governo aumenta a taxa de juros para evitar que a inflação dispare. O impacto do
aumento da Selic no bolso do consumidor pode levar alguns meses para ser sentido e vai
atingir quem fizer novas compras. Se você tem um cheque especial terá impacto direto,
você pode entrar num crédito hoje achando que ele cabe no seu bolso, e daqui um ano
não caber mais por conta dessa elevação na taxa de juros.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resumo. trabalho.artigo índices de inflação
Resumo. trabalho.artigo índices de inflaçãoResumo. trabalho.artigo índices de inflação
Resumo. trabalho.artigo índices de inflação
Enio Economia & Finanças
 
Conjuntura econômica
Conjuntura econômicaConjuntura econômica
Conjuntura econômica
Guilherme de Oliveira
 
Ufabc 29.09.2015 vf
Ufabc 29.09.2015 vfUfabc 29.09.2015 vf
Ufabc 29.09.2015 vf
Renan Viana
 
A crise econômica no brasil
A crise econômica no brasilA crise econômica no brasil
A crise econômica no brasil
Diego Guilherme
 
O falso discurso do governo sobre a recuperação econômica do brasil
O falso discurso do governo sobre a recuperação econômica do brasilO falso discurso do governo sobre a recuperação econômica do brasil
O falso discurso do governo sobre a recuperação econômica do brasil
Fernando Alcoforado
 
Trabalho em grupo administração de empresas
Trabalho em grupo administração de empresasTrabalho em grupo administração de empresas
Trabalho em grupo administração de empresas
Jailton Barbosa
 
O Mundo e o Brasil: Cenários Focalizados na Crise e Pós-Crise Econômica – um ...
O Mundo e o Brasil: Cenários Focalizados na Crise e Pós-Crise Econômica – um ...O Mundo e o Brasil: Cenários Focalizados na Crise e Pós-Crise Econômica – um ...
O Mundo e o Brasil: Cenários Focalizados na Crise e Pós-Crise Econômica – um ...
Macroplan
 
Aula de macroeconomia
Aula de macroeconomiaAula de macroeconomia
Aula de macroeconomia
Amanda Pontar
 
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2) SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
Kelly Ariane Buás Bráz
 
Aula De Inflação
Aula De InflaçãoAula De Inflação
Aula De Inflação
Sebrae
 
Fundamentos da teor. macr aula 1
Fundamentos da teor. macr aula 1Fundamentos da teor. macr aula 1
Fundamentos da teor. macr aula 1
Joao Paulo
 
Aula 13 produção e crescimento
Aula 13   produção e crescimentoAula 13   produção e crescimento
Aula 13 produção e crescimento
petecoslides
 
Macroeconomia, pib, pnb, per capta - Aula 15
Macroeconomia, pib, pnb, per capta - Aula 15Macroeconomia, pib, pnb, per capta - Aula 15
Macroeconomia, pib, pnb, per capta - Aula 15
Fernando Monteiro D'Andrea
 
Produção e crescimento econômico
Produção e crescimento econômicoProdução e crescimento econômico
Produção e crescimento econômico
Luciano Pires
 
Modelos Macro com Metas de Inflação para graduação
Modelos Macro com Metas de Inflação para graduaçãoModelos Macro com Metas de Inflação para graduação
Modelos Macro com Metas de Inflação para graduação
Roseli Silva
 
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 
Resumo capítulo 23
Resumo capítulo 23Resumo capítulo 23
Resumo capítulo 23
Aline Schons
 
El - 2006 - pilares macroeconômicos
El - 2006 - pilares macroeconômicosEl - 2006 - pilares macroeconômicos
El - 2006 - pilares macroeconômicos
Delta Economics & Finance
 
Trade-off Inflação e Desemprego e Inconsistência Dinâmica
Trade-off Inflação e Desemprego e Inconsistência DinâmicaTrade-off Inflação e Desemprego e Inconsistência Dinâmica
Trade-off Inflação e Desemprego e Inconsistência Dinâmica
Roseli Silva
 
Comércio exterior e transição da economia ( Governo Lula)
Comércio exterior e transição da economia ( Governo Lula)Comércio exterior e transição da economia ( Governo Lula)
Comércio exterior e transição da economia ( Governo Lula)
Pâmela Nogueira da Silva
 

Mais procurados (20)

Resumo. trabalho.artigo índices de inflação
Resumo. trabalho.artigo índices de inflaçãoResumo. trabalho.artigo índices de inflação
Resumo. trabalho.artigo índices de inflação
 
Conjuntura econômica
Conjuntura econômicaConjuntura econômica
Conjuntura econômica
 
Ufabc 29.09.2015 vf
Ufabc 29.09.2015 vfUfabc 29.09.2015 vf
Ufabc 29.09.2015 vf
 
A crise econômica no brasil
A crise econômica no brasilA crise econômica no brasil
A crise econômica no brasil
 
O falso discurso do governo sobre a recuperação econômica do brasil
O falso discurso do governo sobre a recuperação econômica do brasilO falso discurso do governo sobre a recuperação econômica do brasil
O falso discurso do governo sobre a recuperação econômica do brasil
 
Trabalho em grupo administração de empresas
Trabalho em grupo administração de empresasTrabalho em grupo administração de empresas
Trabalho em grupo administração de empresas
 
O Mundo e o Brasil: Cenários Focalizados na Crise e Pós-Crise Econômica – um ...
O Mundo e o Brasil: Cenários Focalizados na Crise e Pós-Crise Econômica – um ...O Mundo e o Brasil: Cenários Focalizados na Crise e Pós-Crise Econômica – um ...
O Mundo e o Brasil: Cenários Focalizados na Crise e Pós-Crise Econômica – um ...
 
Aula de macroeconomia
Aula de macroeconomiaAula de macroeconomia
Aula de macroeconomia
 
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2) SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
 
Aula De Inflação
Aula De InflaçãoAula De Inflação
Aula De Inflação
 
Fundamentos da teor. macr aula 1
Fundamentos da teor. macr aula 1Fundamentos da teor. macr aula 1
Fundamentos da teor. macr aula 1
 
Aula 13 produção e crescimento
Aula 13   produção e crescimentoAula 13   produção e crescimento
Aula 13 produção e crescimento
 
Macroeconomia, pib, pnb, per capta - Aula 15
Macroeconomia, pib, pnb, per capta - Aula 15Macroeconomia, pib, pnb, per capta - Aula 15
Macroeconomia, pib, pnb, per capta - Aula 15
 
Produção e crescimento econômico
Produção e crescimento econômicoProdução e crescimento econômico
Produção e crescimento econômico
 
Modelos Macro com Metas de Inflação para graduação
Modelos Macro com Metas de Inflação para graduaçãoModelos Macro com Metas de Inflação para graduação
Modelos Macro com Metas de Inflação para graduação
 
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 25 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Resumo capítulo 23
Resumo capítulo 23Resumo capítulo 23
Resumo capítulo 23
 
El - 2006 - pilares macroeconômicos
El - 2006 - pilares macroeconômicosEl - 2006 - pilares macroeconômicos
El - 2006 - pilares macroeconômicos
 
Trade-off Inflação e Desemprego e Inconsistência Dinâmica
Trade-off Inflação e Desemprego e Inconsistência DinâmicaTrade-off Inflação e Desemprego e Inconsistência Dinâmica
Trade-off Inflação e Desemprego e Inconsistência Dinâmica
 
Comércio exterior e transição da economia ( Governo Lula)
Comércio exterior e transição da economia ( Governo Lula)Comércio exterior e transição da economia ( Governo Lula)
Comércio exterior e transição da economia ( Governo Lula)
 

Semelhante a Economia

Entrevista Dilma Rousseff 1
Entrevista  Dilma Rousseff 1Entrevista  Dilma Rousseff 1
Entrevista Dilma Rousseff 1
guest6f3978
 
Política fiscal
Política fiscalPolítica fiscal
Política fiscal
Paulo Lima
 
Resumo. o ajuste fiscal do governo dilma rousseff 2015
Resumo. o ajuste fiscal do governo dilma rousseff 2015Resumo. o ajuste fiscal do governo dilma rousseff 2015
Resumo. o ajuste fiscal do governo dilma rousseff 2015
Enio Economia & Finanças
 
Atualidades p bnb aula 03
Atualidades p bnb   aula 03Atualidades p bnb   aula 03
Atualidades p bnb aula 03
IraniceInacio
 
CI - 2008 - perspectivas econômicas para 2008
CI - 2008 - perspectivas econômicas para 2008CI - 2008 - perspectivas econômicas para 2008
CI - 2008 - perspectivas econômicas para 2008
Delta Economics & Finance
 
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 
Economia
Economia Economia
COMO ELIMINAR A INFLAÇÃO NO BRASIL..pdf
COMO ELIMINAR A INFLAÇÃO NO BRASIL..pdfCOMO ELIMINAR A INFLAÇÃO NO BRASIL..pdf
COMO ELIMINAR A INFLAÇÃO NO BRASIL..pdf
Faga1939
 
A subita guinada neoliberal do brasil
A subita guinada neoliberal do brasilA subita guinada neoliberal do brasil
A subita guinada neoliberal do brasil
Grupo de Economia Política IE-UFRJ
 
387 an 10 julho_2012.ok
387 an 10 julho_2012.ok387 an 10 julho_2012.ok
387 an 10 julho_2012.ok
Roberto Rabat Chame
 
Uma Ponte Para o Futuro Michel Temer PMDB
Uma Ponte Para o Futuro Michel Temer PMDBUma Ponte Para o Futuro Michel Temer PMDB
Uma Ponte Para o Futuro Michel Temer PMDB
Daniel Reis Duarte Pousa
 
Uma ponte para o futuro - documento do PMDB
Uma ponte para o futuro - documento do PMDBUma ponte para o futuro - documento do PMDB
Uma ponte para o futuro - documento do PMDB
Giovanni Sandes
 
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 
Boletim 48 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 48 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 48 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 48 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 
Bases para o crescimento
Bases para o crescimentoBases para o crescimento
Bases para o crescimento
Paulo Nobre
 
Os custos tributários impactam o crescimento econômico?
Os custos tributários impactam o crescimento econômico?Os custos tributários impactam o crescimento econômico?
Os custos tributários impactam o crescimento econômico?
berbone
 
Classes de menor renda puxam o consumo novembro 2009
Classes de menor renda puxam o consumo   novembro 2009Classes de menor renda puxam o consumo   novembro 2009
Classes de menor renda puxam o consumo novembro 2009
Enio Verri
 
Boletim 41 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 41 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 41 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 41 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 
Economia brasileira em perspectiva 30.12.2014
Economia brasileira em perspectiva   30.12.2014Economia brasileira em perspectiva   30.12.2014
Economia brasileira em perspectiva 30.12.2014
DenizecomZ
 
Mercado farmaceutico brasileiro
Mercado farmaceutico brasileiroMercado farmaceutico brasileiro
Mercado farmaceutico brasileiro
Lourdes Martins
 

Semelhante a Economia (20)

Entrevista Dilma Rousseff 1
Entrevista  Dilma Rousseff 1Entrevista  Dilma Rousseff 1
Entrevista Dilma Rousseff 1
 
Política fiscal
Política fiscalPolítica fiscal
Política fiscal
 
Resumo. o ajuste fiscal do governo dilma rousseff 2015
Resumo. o ajuste fiscal do governo dilma rousseff 2015Resumo. o ajuste fiscal do governo dilma rousseff 2015
Resumo. o ajuste fiscal do governo dilma rousseff 2015
 
Atualidades p bnb aula 03
Atualidades p bnb   aula 03Atualidades p bnb   aula 03
Atualidades p bnb aula 03
 
CI - 2008 - perspectivas econômicas para 2008
CI - 2008 - perspectivas econômicas para 2008CI - 2008 - perspectivas econômicas para 2008
CI - 2008 - perspectivas econômicas para 2008
 
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Economia
Economia Economia
Economia
 
COMO ELIMINAR A INFLAÇÃO NO BRASIL..pdf
COMO ELIMINAR A INFLAÇÃO NO BRASIL..pdfCOMO ELIMINAR A INFLAÇÃO NO BRASIL..pdf
COMO ELIMINAR A INFLAÇÃO NO BRASIL..pdf
 
A subita guinada neoliberal do brasil
A subita guinada neoliberal do brasilA subita guinada neoliberal do brasil
A subita guinada neoliberal do brasil
 
387 an 10 julho_2012.ok
387 an 10 julho_2012.ok387 an 10 julho_2012.ok
387 an 10 julho_2012.ok
 
Uma Ponte Para o Futuro Michel Temer PMDB
Uma Ponte Para o Futuro Michel Temer PMDBUma Ponte Para o Futuro Michel Temer PMDB
Uma Ponte Para o Futuro Michel Temer PMDB
 
Uma ponte para o futuro - documento do PMDB
Uma ponte para o futuro - documento do PMDBUma ponte para o futuro - documento do PMDB
Uma ponte para o futuro - documento do PMDB
 
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Boletim 48 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 48 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 48 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 48 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Bases para o crescimento
Bases para o crescimentoBases para o crescimento
Bases para o crescimento
 
Os custos tributários impactam o crescimento econômico?
Os custos tributários impactam o crescimento econômico?Os custos tributários impactam o crescimento econômico?
Os custos tributários impactam o crescimento econômico?
 
Classes de menor renda puxam o consumo novembro 2009
Classes de menor renda puxam o consumo   novembro 2009Classes de menor renda puxam o consumo   novembro 2009
Classes de menor renda puxam o consumo novembro 2009
 
Boletim 41 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 41 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 41 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 41 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Economia brasileira em perspectiva 30.12.2014
Economia brasileira em perspectiva   30.12.2014Economia brasileira em perspectiva   30.12.2014
Economia brasileira em perspectiva 30.12.2014
 
Mercado farmaceutico brasileiro
Mercado farmaceutico brasileiroMercado farmaceutico brasileiro
Mercado farmaceutico brasileiro
 

Economia

  • 1. ECONOMIA Juri Simulado Professor José Eduardo Amato Balian Grupo 5 Ana Beatriz Nunes Carolina Alves Gabriela Perrenoud Stephanie Feu Olivia Tornelli CSOS 3D São Paulo 2012
  • 2. A principal função do poder público é zelar pelo bem comum, e para isso, o Governo precisa intervir sobre algumas variáveis para trazer condições favoráveis para a população. Com isso, podemos concluir que é preciso utilizar uma série de ferramentas para que o Governo possa manipular estas condições. Entre as ferramentas, possíveis, trabalharemos com a política monetária, que controla a quantidade de moeda em circulação no país. Sua principal função é manter o poder de compra da moeda, ou seja, mantê-la valorizada. Isso é feito a partir da lei básica de oferta e demanda de meios de pagamento. - Incentivo à indústria nacional No mês passado, a presidente Dilma elevou a tributação sobre produtos importados e reduziu os impostos pagos pela industria nacional. Essa redução é um benefício a longo prazo, já que o potencial produtivo da indústria nacional está diretamente relacionado com o aumento do PIB, com os investimentos na indústria (os pequenos e médios empresários brasileiros mostram-se dispostos a investir) e a valorização do real. Só o índice de investimentos feitos na indústria nacional no ano de 2011 foi alto, de 4,7%. Em 2011, o chamado Produto Interno Bruto aumentou 2,7% em relação a 2010. O resultado do Brasil foi melhor que o do Reino Unido, dos Estados Unidos e da França. Um grande fator que impulsionou esse crescimento, foi o consumo das famílias brasileiras. Esse consumo vem do crédito que é fácil e também porque há mais gente trabalhando e recebendo salário. As pessoas vem consumindo mais com um grande incentivo do governo. - Distribuição de renda O governo tinha como meta melhorar a distribuiçao de renda das camadas mais pobres da populaçao, para isso uma das medidas tomadas foi a diminuiçao dos juros e o aumento das linhas de credito, assim, se tornou muito mais facil para as pessoas fazerem crediarios ou pegar emprestimos. com maior poder aquisitivo a populaçao das classes economicas mais baixas deixaram de consumir apenas produtos da base da piramide e passaram a consumir produtos e serviços que antes nao tinha acesso, como viagens, eletrodomésticos, lazer etc. Por causa desse aumento no consumo de bens, que antes eram restritos as camadas mais elevadas, ouve uma ascencao nas classes sociais de forma geral, sobretudo na classe c que cresceu cerca de 46,57%. - Crescimento qualitativo De acordo com alguns economistas, o Brasil tem crescido com mais “qualidade” do que muitos países, como os Estados Unidos. A crise econômica de 2008 pela qual o mundo passou afetou os Estados Unidos de maneira colossal. A crise não afetou o Brasil de maneira tão grande como nos Estados Unidos e em outras partes do mundo (pois o Bacen criou metas inflacionárias que aumentaram a confiança do brasileiro de que o país não retornaria a ter políticas desestabilizantes, e a política fiscal reduziu a relação de despesas do governo).
  • 3. Passamos por um período de alto crescimento econômico brasileiro, não só quantitativo, mas também qualitativo. Estamos conseguindo reduzir a taxa de desemprego e aumentar a distribuição de renda, o que ajuda na redução do número de pessoa que vivem na pobreza extrema e na ampliação do poder de compra do trabalhador. Isso movimenta a economia de uma maneira positiva (nosso PIB cresceu em 131% em 5 anos). Já os Estados Unidos, que foram muito afetados pela Grande Recessão, vêm retornando, aos poucos, a estrutura que possuíam anteriormente. A taxa de desemprego recuou, e a confiança dos consumidores aumentou, porém a concentração de renda e a pobreza também sofreram aumentos. Comparando ambos os países, pode-se perceber uma grande melhora no Brasil. - Plano Brasil Maior O Plano Brasil Maior é a política industrial, tecnológica e de comércio exterior do governo Dilma Rousseff. Com o Plano, o Governo Federal estabelece a sua política industrial, tecnológica, de serviços e de comércio exterior para o período de 2011 a 2014. Focando no estímulo à inovação e à produção nacional para alavancar a competitividade da indústria nos mercados interno e externo, o país se organiza para dar passos mais ousados em direção ao desenvolvimento econômico e social. O desafio do Plano Brasil Maior é, portanto, sustentar o crescimento econômico inclusivo num contexto econômico adverso e sair da crise internacional em melhor posição do que entrou, o que resultaria numa mudança estrutural da inserção do país na economia mundial. Para tanto, o Plano tem como foco a inovação e o adensamento produtivo do parque industrial brasileiro, objetivando ganhos sustentados da produtividade do trabalho. A estabilidade monetária, a retomada do investimento e crescimento, a recuperação do emprego, os ganhos reais dos salários e a drástica redução da pobreza criaram condições favoráveis para o país dar passos mais ousados em sua trajetória rumo a um estágio superior de desenvolvimento. - Redução da taxa SELIC A Selic também é chamada de taxa básica de juros, ou seja, quando um banco, uma financeira, ou mesmo uma loja oferecem crédito, emprestam dinheiro, eles olham para a Selic como uma referencia mínima dos juros que serão cobrados do cliente. Quando a Selic sobe, os juros, por exemplo, de um crediário também sobem, por isso quando se diz que a Selic aumentou ou diminuiu ela irá interferir no bolso da população. Quando o crédito fica mais caro, o consumo diminui e os preços param de subir, ou seja, o governo aumenta a taxa de juros para evitar que a inflação dispare. O impacto do aumento da Selic no bolso do consumidor pode levar alguns meses para ser sentido e vai atingir quem fizer novas compras. Se você tem um cheque especial terá impacto direto, você pode entrar num crédito hoje achando que ele cabe no seu bolso, e daqui um ano não caber mais por conta dessa elevação na taxa de juros.