Monica baumgarten de_bolle

339 visualizações

Publicada em

Inflation in Brazil: The Recent Past, the Present and the Future

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
339
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Monica baumgarten de_bolle

  1. 1. CONARH 2013 Monica Baumgarten de Bolle Sócia-Diretora Galanto | MBB Consultoria Managing Director Galanto | MBB Consultoria A Inflação no Brasil: o Passado Recente, o Presente e o Futuro Inflation in Brazil: The Recent Past, the Present and the Future
  2. 2. A Égua da Noite “Nightmare”, do significado arcaico para a palavra inglesa “mare”, refere-se a um espírito maligno feminino que atormenta o seres humanos durante a noite. Por que não conseguimos nos livrar da égua que continua a nos atormentar? Por que o Brasil ainda dorme e acorda todos os dias com o pesadelo da inflação? Por que ainda temos de acompanhar o galope da égua da noite diuturnamente, como salientou, recentemente, a Presidente?
  3. 3. Trade-off? Que trade-off?
  4. 4. Em Busca do Tempo Perdido? O Passado Recente, o Presente e o Futuro da Inflação • O passado recente: bonança externa, a crise internacional e as respostas do governo. • O presente: o desaparecimento da bonança externa, a confusão sobre o uso das medidas macroprudenciais no combate inflacionário, a deterioração macroeconômica brasileira. • O futuro: a inflexão monetária nos EUA e a desaceleração chinesa – como fica o Brasil?
  5. 5. O Passado Recente Bonança Externa
  6. 6. O Passado Recente Tudo começou em 2003… • …ou melhor, em 2005. Foi a partir daí que os preços das commodities deslancharam, movidos pelo crescimento global e pela expansão da China. • O governo brasileiro promoveu políticas de estímulo ao consumo e, as empresas, beneficiadas pelo boom externo, pela estabilidade macroeconômica e pelo crédito farto, investiram. • A expansão da economia e as políticas de inclusão social do governo permitiram que a renda das famílias subisse. A inflação de serviços foi junto…
  7. 7. Preços Relativos
  8. 8. Curva de Transformação Serviços Galanto Consultoria 9 Indústria P(I)/P(S): quantas unidades de I têm de ser sacrificadas para produzir mais S. B A Z
  9. 9. O Passado Recente Então veio a crise de 2008. • O governo: – Expandiu o crédito público para sustentar a demanda (o QE brasileiro); – Reduziu os juros; – Adotou uma postura fiscal anticíclica... • O QE brasileiro e a política fiscal anticíclica jamais foram revertidos e perduram até hoje. Não é à toa que a inflação não cedeu…
  10. 10. O QE brasileiro
  11. 11. O Presente: de 2011 em diante Contexto da política monetária nos últimos três anos • Um ambiente externo mais hostil do que o que prevaleceu entre 2004 e 2010. • Mudanças na condução da política monetária nos países centrais em resposta à crise. – Novos dilemas suscitaram um amplo debate sobre a reformulação dos regimes de metas de inflação; – No Brasil, o debate ganhou contornos específicos. A queda do crescimento e a resistência inflacionária, frutos de problemas estruturais e de políticas mal concebidas, desaguaram no oportunismo. – Pretexto para diluir o foco no combate inflacionário e privilegiar a queda dos juros para incentivar o crescimento. Rédeas mais soltas para a égua fugidia... • O QE brasileiro permitiu que os bancos públicos abocanhassem mais da metade do crédito total do sistema financeiro.
  12. 12. As expectativas de inflação foram se distanciando...
  13. 13. A Credibilidade do BC foi sumindo...
  14. 14. Sumindo, sumindo...até que um dia, sumiu
  15. 15. Mais recentemente Controle da inflação por meio da interferência direta no processo de formação de preços e pela via das desonerações • Interferência no processo de formação de preços: – Congelamento dos combustíveis; – Controle dos reajustes das tarifas de energia; – Congelamento das tarifas de transporte; • Desonerações, cujo propósito inicial era reduzir a carga tributária, mas que viraram instrumento de combate inflacionário (um tiro que sai pela culatra).
  16. 16. A Égua é tinhosa
  17. 17. O Núcleo (ex-combustíveis e alimentos)
  18. 18. Serviços e Alimentos
  19. 19. Câmbio e IPCA
  20. 20. Risco País e IPCA
  21. 21. Risco País e Câmbio
  22. 22. O Futuro

×