SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
DOENÇAS
FOLIARESDFC – C. kikuchi, S.glycines, C. cassicola
FERRUGEM - Phakopsora pachyrhizi
MELA – Rhizoctonia solani
OÍDIO – Microsphaera diffusa
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
 Crestamento Foliar de Cercospora e Mancha Púrpura
 Mancha Foliar de Alternaria
 Mancha Foliar de Ascochyta
 Mancha Parda ou Septoriose
 Mancha “Olho de rã”
 Oídio da soja
 Ferrugem da soja
 Ferrugem da soja
 Míldio
 Mancha Alvo e Podridão Radicular
 Antracnose
 Seca da Haste e da Vagem
 Seca da Vagem
 Podridão Branca da Haste
 Podridão Parda da Haste
 Cancro da Haste
 Podridão de Macrophomina
 Tombamento e Murcha de Sclerotium
 Tombamento e Morte em Reboleira
 Mela ou Requeima
 Podridão aquosa e Cancro Negro
 Podridão Radicular de Rosellinia
 Podridão Vermelha da Raiz
 Podridão Radicular de Phytophthora
Cercospora kikuchii
Alternaria sp.
Ascochyta sojae
Septoria glycines
Cercospora sojina
Microsphaera diffusa
Phakopsora meibomiae
Phakopsora pachyrhizi
Peronospora manshurica
Corynespora cassiicola
Colletotrichum truncatum
Phomopsis spp.
Phytophthora magasperma f.sp. glycinea
Fusarium semitectum
Sclerotinia sclerotiorum
Phialophora gregata
Phomopsis phaseoli / Diaphorthe
Macrophomina phaseolina
Sclerotium rolfsi
Rhizoctonia solani
Thanatephorus cucumeris
Rhizoctonia solani
Rosellinia sp.
Fusarium solani f.sp. Glycines
DOENÇAS IDENTIFICADAS NO BRASIL
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
Doenças de final de ciclo (DFC)
Cercospora kikuchii
Septoria
glycines
Corynespora
cassiicola
Crestamento foliar Mancha
Parda
Mancha Alvo
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
Mancha Parda ou Septoriose (Septoria(Septoria
glycines)glycines)
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
Mancha Parda ou Septoriose (Septoria(Septoria
glycines)glycines)
Sintomas através de pequenas manchas de coloração parda ou
crestamento castanho-claro.
Nos trifólios , apresenta-se em forma de lesões pardo avermelhado
embora os sintomas sejam mais visíveis após estádio R 6.0.
Ocorrência generalizada, principalmente em regiões de altas
temperaturas e U.R.
Temperaturas entre 16º C e 18º C, chuvas e molhamento (6 horas) ,
temperaturas noturnas acima de 20º C favorecem o seu
desenvolvimento.
Sobrevive em restos de culturas e é disseminada através das
sementes, ventos e respingos da chuva.
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
600 m
1000 m Stress – Baixos teores de K
Presença de Oídio
Monocultura
Chuvas excessivas
Altitude
Mancha Parda ou Septoriose (Septoria(Septoria
glycines)glycines)
CONDIÇÕES FAVORÁVEIS
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
Score 0,2 l/ ha
Danos Cont role
Granação Deficiente
Secagem e queda prematura de folhas Rotação de culturas
Utilização de sementes sadias
Perdas de 3 a 40 % Variedades Resistentes
Recomendação - Priori 0,2 l/ ha + 0,5 % de Nimbus
Nível de cont role - Prevent ivo (R 5.1)
Controle Químico
Mancha Parda ou Septoriose (Septoria(Septoria
glycines)glycines)
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
CRESTAMENTO FOLIAR (Cercospora sojina)
8
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
CRESTAMENTO FOLIAR (Cercospora sojina)
Sintomas se manifestam através da mudança rápida da coloração
das folhas para castanho-escuro ou castanho-avermelhado;
Nas folhas os sintomas se apresentam como lesões de formato
variado, de cor vermelho púrpura que em condições favoráveis
coalescem e causam necrose no limbo foliar;
Tem efeito principal sobre as sementes , que se apresentam
com manchas de coloração rósea, púrpura ou roxa, podendo cobrir
todo o tegumento.
Temperaturas entre 28º C e 30º C, temperaturas noturnas acima de
20º C, chuvas e molhamento (24 horas) , favorecem o seu
desenvolvimento.
Sobrevive em restos de culturas e é disseminada através das
sementes e pelo vento.
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
CONDIÇÕES FAVORÁVEIS
CRESTAMENTO FOLIAR (Cercospora sojina)
600 m
1000 m Stress
Presença de Oídio
Orvalho prolongado
Altitude
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
CRESTAMENTO FOLIAR (Cercospora sojina)
Score 0,2 l/ ha
Danos Cont role
Granação Deficiente
Secagem e queda prematura de folhas Rotação de culturas
Utilização de sementes sadias
Perdas de 3 a 40 % Variedades Resistentes
Recomendação - Priori 0,2 l/ ha + 0,5 % de Nimbus
Nível de cont role - Prevent ivo (R 5.1)
Controle Químico
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
MANCHA ALVO (Corynespora cassiicola)
12
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
Presente em todas as regiões produtoras de soja do país embora
dificilmente visualizada.
Sintomas se manifestam através de desfolha prematura,
apodrecimento das vagens e manchamento nas hastes.
Infecção na sutura das vagens pode resultar em necrose,
abertura das vagens e germinação ou apodrecimento de grãos ainda
verdes.
Nas raízes, causa podridão seca e em plantas mortas e em solo
úmido, produz abundante esporulação.
Temperaturas entre 18 e 21º C, molhamento (24 hs) e períodos
chuvosos favorecem o seu desenvolvimento.
Sobrevive no solo, em restos de culturas e é disseminado através
das sementes e respingos de chuva.
MANCHA ALVO (Corynespora cassiicola)
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
CONDIÇÕES FAVORÁVEIS
600 m
1000 m Temperaturas amenas
Umidade relativa elevada
Acamamento
Altitude
MANCHA ALVO (Corynespora cassiicola)
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
Score 0,2 l/ ha
Danos Cont role
Fotossintese
Desfolha prematura Rotação de culturas
Utilização de sementes sadias
Qualidade das sementes Variedades Resistentes
Recomendação - Priori 0,2 l/ ha + 0,5 % de Nimbus
Nível de cont role - Prevent ivo (R 5.1)
Perdas entre 10 e 30 % Controle Químico
MANCHA ALVO (Corynespora cassiicola)
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
FERRUGEM ASIÁTICA (Phakopsora pachyrhizi)
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
FERRUGEM ASIÁTICA (Phakopsora pachyrhizi)
Iniciou ataque no Brasil em algumas regiões na safra 2002;
Destrutiva: Redução de 30 a 70% na produção;
Difícil identificação: Necessita auxílio de lupa ou microscópio e
pode ser confundia com outras doenças;
Desconhecida pelos técnicos e agricultores;
Condições favoráveis para Epidemia:
Temperatura: Abaixo 30 ºC;
Umidade: Chuvas e orvalho (Altitude Bahia +/- 850 m);
Monocultivo de soja;
Plantios tardios e fora da época recomendada;
Cultivares ciclo longo.
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
CONDIÇÕES FAVORÁVEIS
0 m
500 m
1000 m
Temperatura
Infecção (19 a 24º C)
Germinação (16 a 24º C)
Molhamento Foliar: 7 a 10
horas
Altitude
FERRUGEM ASIÁTICA (Phakopsora pachyrhizi)
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
Controle Químico
Recomendação - Priori 0,2 l/ ha + 0,5 % de Nimbus
Nível de cont role - Prevent ivo (apareciment o dos primeiros sint omas)
Priori 0,2 + Score 0,125 + Nimbus 0,5 % l/ ha
Danos Cont role
Fotossintese
Desfolha prematura Evitar variedades Tardias
Plantar no cedo
Perdas entre 10 e 30 %
FERRUGEM ASIÁTICA (Phakopsora pachyrhizi)
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
Momento aplicação fungicida
Preventivo ou sintomas iniciais:
Atraso 7 dias = Redução de 16% na produção
Atraso 14 dias= Redução de 37% na produção
Qualidade da aplicação/pulverização
É Fator Crítico de sucesso
Época de semeadura
Plantios tardios: Maior severidade da doença dificultando controle
Dezembro: Redução +/- 50% na produção
Ciclo das variedades
Ciclo longo: Maior exposição à doença dificultando o controle
Fungicidas eficientes
Triazois e Estrobilurinas.
FERRUGEM ASIÁTICA (Phakopsora pachyrhizi)
CONTROLE
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
MELA (Rhizoctonia solani)(Rhizoctonia solani)
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
Presente na região norte do Brasil;
Os sintomas são mais evidentes em folhas, pecíolos e ramos laterais,
as partes afetadas secam rapidamente, adquirem coloração castanho
escuro ou claro e as folhas e pecíolos ficam pendentes ou caem,
propagando a doença.
Umidade de solo alta favorece o fungo.
O patógeno sobrevive no solo e em restos culturais, utilizando vários
hospedeiros e transmitindo-se por sementes.
É uma doença monocíclica, ocorrendo em manchas distribuídas ao
acaso dentro da lavoura.
Sobrevive no solo, em restos de culturas e é disseminado através
das sementes e respingos de chuva.
MELA (Rhizoctonia solani)(Rhizoctonia solani)
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
CONDIÇÕES FAVORÁVEIS
400 m
1000 m
Alta Umidade
Altitude
MELA (Rhizoctonia solani)(Rhizoctonia solani)
??
??
??
??
??
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
Reaplicar 14 DAA caso necessário
Danos Cont role
Fotossíntese
Desfolha precoce Rotação de culturas
Utilização de sementes sadias
Qualidade das sementes Controle químico
Recomendação - Priori 0,3 l/ ha + 0,5 % de Nimbus
Nível de cont role - Apareciment o dos primeiros sint omas
MELA (Rhizoctonia solani)(Rhizoctonia solani)
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
OÍDIO (Microsphaera diffusa)(Microsphaera diffusa)
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
Desenvolve-se em toda a parte aérea da planta.
Sintomas nas folhas se manifestam através de uma fina cobertura
pulvirulenta (branca) de micélios e esporos.
Na haste e pecíolo, coloração pode variar de branco a bege.
Baixa U.R. do ar e temperaturas amenas na entressafra são altamente
favoráveis ao desenvolvimento do oídio.
Temperatura ótima : 18o
C.
Disseminação : Através do vento, a longas distâncias.
Molhamento e precipitações intensas são fatores de inibição.
Inverno rigoroso  baixa incidência.
OÍDIO (Microsphaera diffusa)(Microsphaera diffusa)
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
OÍDIO (Microsphaera diffusa)(Microsphaera diffusa)
200 m
600 m
1000 m
Temperatura – 18 a 24 ª C
Altitude
CONDIÇÕES FAVORÁVEIS
Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04
SOJA – DOENÇAS FOLIARES
Danos Cont role
Fotossíntese
Secagem e queda prematura de folhas Variedades resistentes
Utilização de sementes sadias
Perdas de 10 a 40 % Controle químico
Recomendação - Score 0,15 l/ ha
Nível de cont role - 20 % de incidência
OÍDIO (Microsphaera diffusa)(Microsphaera diffusa)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptxINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptxGeagra UFG
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAGeagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na sojaGeagra UFG
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoKiller Max
 
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da SojaApresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da SojaGustavo Avila
 
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Geagra UFG
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoGeagra UFG
 
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - MilhoTratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - MilhoGeagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA Geagra UFG
 
Epidemiologia e controle das doenças no milho
Epidemiologia e controle das doenças no milhoEpidemiologia e controle das doenças no milho
Epidemiologia e controle das doenças no milhoLeonardo Minaré Braúna
 
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptxGeagra UFG
 
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoFenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoGeagra UFG
 
Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroManejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroGeagra UFG
 
Manual de identificacao das doencas da soja
Manual de identificacao das doencas da sojaManual de identificacao das doencas da soja
Manual de identificacao das doencas da sojaLuciano Marques
 
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...Geagra UFG
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasAgriculturaSustentavel
 
Manejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaManejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaGeagra UFG
 

Mais procurados (20)

INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptxINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
 
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da SojaApresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
 
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
 
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - MilhoTratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
 
Epidemiologia e controle das doenças no milho
Epidemiologia e controle das doenças no milhoEpidemiologia e controle das doenças no milho
Epidemiologia e controle das doenças no milho
 
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptx
 
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoFenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
 
Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.
 
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroManejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
 
Fungicidas
FungicidasFungicidas
Fungicidas
 
Manual de identificacao das doencas da soja
Manual de identificacao das doencas da sojaManual de identificacao das doencas da soja
Manual de identificacao das doencas da soja
 
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 
Manejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaManejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da Soja
 

Semelhante a Doenças soja

Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoGeagra UFG
 
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...Ana Aguiar
 
Soja - Pragas (Insetos soja)
Soja - Pragas   (Insetos soja)Soja - Pragas   (Insetos soja)
Soja - Pragas (Insetos soja)André Sá
 
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptxanailsonalves2017
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO Geagra UFG
 
Pragas e Doenças Cana.docx
Pragas e Doenças Cana.docxPragas e Doenças Cana.docx
Pragas e Doenças Cana.docxMarcosSantiago69
 
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroPragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroKiller Max
 
Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia Hemilly Rayanne
 
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no ArrozManejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no ArrozGeagra UFG
 
Princiapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroPrinciapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroDavid Rodrigues
 
Cartilha Manejo Cigarrinha
Cartilha Manejo CigarrinhaCartilha Manejo Cigarrinha
Cartilha Manejo CigarrinhaJosé Florentino
 
Cartilha-cigarrinha-e-enfezamentos_WEB.pdf
Cartilha-cigarrinha-e-enfezamentos_WEB.pdfCartilha-cigarrinha-e-enfezamentos_WEB.pdf
Cartilha-cigarrinha-e-enfezamentos_WEB.pdfLeandroDoValle2
 
Cartilha-cigarrinha-e-enfezamentos_WEB.pdf
Cartilha-cigarrinha-e-enfezamentos_WEB.pdfCartilha-cigarrinha-e-enfezamentos_WEB.pdf
Cartilha-cigarrinha-e-enfezamentos_WEB.pdfRodrigoPatel1
 

Semelhante a Doenças soja (20)

Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
 
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
 
Produção de Rosas
Produção de RosasProdução de Rosas
Produção de Rosas
 
Soja - Pragas (Insetos soja)
Soja - Pragas   (Insetos soja)Soja - Pragas   (Insetos soja)
Soja - Pragas (Insetos soja)
 
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
 
Doenças em lactuca sativa l
Doenças em lactuca sativa lDoenças em lactuca sativa l
Doenças em lactuca sativa l
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
 
Pragas e Doenças Cana.docx
Pragas e Doenças Cana.docxPragas e Doenças Cana.docx
Pragas e Doenças Cana.docx
 
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroPragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do Feijoeiro
 
Mip do milho
Mip do milhoMip do milho
Mip do milho
 
Aula beterraba.pptx
Aula beterraba.pptxAula beterraba.pptx
Aula beterraba.pptx
 
Doenças de aliáceas
Doenças de aliáceasDoenças de aliáceas
Doenças de aliáceas
 
Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia
 
O arroz
O arrozO arroz
O arroz
 
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no ArrozManejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
 
Banana Doenças
Banana DoençasBanana Doenças
Banana Doenças
 
Princiapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroPrinciapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiro
 
Cartilha Manejo Cigarrinha
Cartilha Manejo CigarrinhaCartilha Manejo Cigarrinha
Cartilha Manejo Cigarrinha
 
Cartilha-cigarrinha-e-enfezamentos_WEB.pdf
Cartilha-cigarrinha-e-enfezamentos_WEB.pdfCartilha-cigarrinha-e-enfezamentos_WEB.pdf
Cartilha-cigarrinha-e-enfezamentos_WEB.pdf
 
Cartilha-cigarrinha-e-enfezamentos_WEB.pdf
Cartilha-cigarrinha-e-enfezamentos_WEB.pdfCartilha-cigarrinha-e-enfezamentos_WEB.pdf
Cartilha-cigarrinha-e-enfezamentos_WEB.pdf
 

Mais de André Sá

Catálago de rolamentos de-rolos conicos SNR
Catálago de rolamentos de-rolos conicos SNRCatálago de rolamentos de-rolos conicos SNR
Catálago de rolamentos de-rolos conicos SNRAndré Sá
 
Guia terminais e conectores JD
Guia terminais e conectores JDGuia terminais e conectores JD
Guia terminais e conectores JDAndré Sá
 
Agrosuperdiesel
AgrosuperdieselAgrosuperdiesel
AgrosuperdieselAndré Sá
 
Colheita de girassol com plataforma de milho adaptada
Colheita de girassol com plataforma de milho adaptadaColheita de girassol com plataforma de milho adaptada
Colheita de girassol com plataforma de milho adaptadaAndré Sá
 
Catalogo todas marcas plataformas
Catalogo todas marcas plataformas Catalogo todas marcas plataformas
Catalogo todas marcas plataformas André Sá
 
Catalogo de peças Colheitadeira S-550
Catalogo de peças Colheitadeira S-550Catalogo de peças Colheitadeira S-550
Catalogo de peças Colheitadeira S-550André Sá
 
Manual de treinamento jsc 4100 - 5000 - Português
Manual de treinamento     jsc 4100 - 5000 - PortuguêsManual de treinamento     jsc 4100 - 5000 - Português
Manual de treinamento jsc 4100 - 5000 - PortuguêsAndré Sá
 
Internet historia
Internet historiaInternet historia
Internet historiaAndré Sá
 
Catalogo PeçasTrator 6145 j
Catalogo PeçasTrator 6145 jCatalogo PeçasTrator 6145 j
Catalogo PeçasTrator 6145 jAndré Sá
 
Catalogo Plantadeira Pl 710 rf 712 e 716
Catalogo Plantadeira Pl 710 rf 712 e 716Catalogo Plantadeira Pl 710 rf 712 e 716
Catalogo Plantadeira Pl 710 rf 712 e 716André Sá
 
Atomizador rotativo aeronáutico a4
Atomizador rotativo aeronáutico   a4Atomizador rotativo aeronáutico   a4
Atomizador rotativo aeronáutico a4André Sá
 
Cliente peças que compõem desenho explodido dddddd
Cliente peças que compõem desenho explodido ddddddCliente peças que compõem desenho explodido dddddd
Cliente peças que compõem desenho explodido ddddddAndré Sá
 
7760 cotton picker
7760 cotton picker7760 cotton picker
7760 cotton pickerAndré Sá
 
Manual de montagem Silo sv 183xx
Manual de montagem Silo sv 183xxManual de montagem Silo sv 183xx
Manual de montagem Silo sv 183xxAndré Sá
 
Doenças do arroz
Doenças do arrozDoenças do arroz
Doenças do arrozAndré Sá
 
Catalogo Subsolador stac 7 l peas
Catalogo Subsolador stac 7 l peasCatalogo Subsolador stac 7 l peas
Catalogo Subsolador stac 7 l peasAndré Sá
 
Conversão rolamentos linha Agrícola
Conversão rolamentos linha Agrícola Conversão rolamentos linha Agrícola
Conversão rolamentos linha Agrícola André Sá
 
MONITOR AFS PRO 600 - COLHEITA DE GRÃOS
MONITOR AFS PRO 600 - COLHEITA DE GRÃOSMONITOR AFS PRO 600 - COLHEITA DE GRÃOS
MONITOR AFS PRO 600 - COLHEITA DE GRÃOSAndré Sá
 
Manual Operacional 8120 Af 2688 . 2799
Manual Operacional 8120 Af 2688 . 2799Manual Operacional 8120 Af 2688 . 2799
Manual Operacional 8120 Af 2688 . 2799André Sá
 
Catalogo Bardahl
Catalogo BardahlCatalogo Bardahl
Catalogo BardahlAndré Sá
 

Mais de André Sá (20)

Catálago de rolamentos de-rolos conicos SNR
Catálago de rolamentos de-rolos conicos SNRCatálago de rolamentos de-rolos conicos SNR
Catálago de rolamentos de-rolos conicos SNR
 
Guia terminais e conectores JD
Guia terminais e conectores JDGuia terminais e conectores JD
Guia terminais e conectores JD
 
Agrosuperdiesel
AgrosuperdieselAgrosuperdiesel
Agrosuperdiesel
 
Colheita de girassol com plataforma de milho adaptada
Colheita de girassol com plataforma de milho adaptadaColheita de girassol com plataforma de milho adaptada
Colheita de girassol com plataforma de milho adaptada
 
Catalogo todas marcas plataformas
Catalogo todas marcas plataformas Catalogo todas marcas plataformas
Catalogo todas marcas plataformas
 
Catalogo de peças Colheitadeira S-550
Catalogo de peças Colheitadeira S-550Catalogo de peças Colheitadeira S-550
Catalogo de peças Colheitadeira S-550
 
Manual de treinamento jsc 4100 - 5000 - Português
Manual de treinamento     jsc 4100 - 5000 - PortuguêsManual de treinamento     jsc 4100 - 5000 - Português
Manual de treinamento jsc 4100 - 5000 - Português
 
Internet historia
Internet historiaInternet historia
Internet historia
 
Catalogo PeçasTrator 6145 j
Catalogo PeçasTrator 6145 jCatalogo PeçasTrator 6145 j
Catalogo PeçasTrator 6145 j
 
Catalogo Plantadeira Pl 710 rf 712 e 716
Catalogo Plantadeira Pl 710 rf 712 e 716Catalogo Plantadeira Pl 710 rf 712 e 716
Catalogo Plantadeira Pl 710 rf 712 e 716
 
Atomizador rotativo aeronáutico a4
Atomizador rotativo aeronáutico   a4Atomizador rotativo aeronáutico   a4
Atomizador rotativo aeronáutico a4
 
Cliente peças que compõem desenho explodido dddddd
Cliente peças que compõem desenho explodido ddddddCliente peças que compõem desenho explodido dddddd
Cliente peças que compõem desenho explodido dddddd
 
7760 cotton picker
7760 cotton picker7760 cotton picker
7760 cotton picker
 
Manual de montagem Silo sv 183xx
Manual de montagem Silo sv 183xxManual de montagem Silo sv 183xx
Manual de montagem Silo sv 183xx
 
Doenças do arroz
Doenças do arrozDoenças do arroz
Doenças do arroz
 
Catalogo Subsolador stac 7 l peas
Catalogo Subsolador stac 7 l peasCatalogo Subsolador stac 7 l peas
Catalogo Subsolador stac 7 l peas
 
Conversão rolamentos linha Agrícola
Conversão rolamentos linha Agrícola Conversão rolamentos linha Agrícola
Conversão rolamentos linha Agrícola
 
MONITOR AFS PRO 600 - COLHEITA DE GRÃOS
MONITOR AFS PRO 600 - COLHEITA DE GRÃOSMONITOR AFS PRO 600 - COLHEITA DE GRÃOS
MONITOR AFS PRO 600 - COLHEITA DE GRÃOS
 
Manual Operacional 8120 Af 2688 . 2799
Manual Operacional 8120 Af 2688 . 2799Manual Operacional 8120 Af 2688 . 2799
Manual Operacional 8120 Af 2688 . 2799
 
Catalogo Bardahl
Catalogo BardahlCatalogo Bardahl
Catalogo Bardahl
 

Último

[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)Alessandro Almeida
 
Concurso Caixa TI - Imersão Final - Rogério Araújo.pdf
Concurso Caixa TI - Imersão Final - Rogério Araújo.pdfConcurso Caixa TI - Imersão Final - Rogério Araújo.pdf
Concurso Caixa TI - Imersão Final - Rogério Araújo.pdfGuilhermeRodrigues896381
 
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdfCertificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdfLarissa Souza
 
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdfApresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdfCarlos Gomes
 
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfFrom_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfRodolpho Concurde
 
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Dirceu Resende
 

Último (6)

[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
 
Concurso Caixa TI - Imersão Final - Rogério Araújo.pdf
Concurso Caixa TI - Imersão Final - Rogério Araújo.pdfConcurso Caixa TI - Imersão Final - Rogério Araújo.pdf
Concurso Caixa TI - Imersão Final - Rogério Araújo.pdf
 
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdfCertificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
 
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdfApresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
 
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfFrom_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
 
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
 

Doenças soja

  • 1. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES DOENÇAS FOLIARESDFC – C. kikuchi, S.glycines, C. cassicola FERRUGEM - Phakopsora pachyrhizi MELA – Rhizoctonia solani OÍDIO – Microsphaera diffusa
  • 2. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES  Crestamento Foliar de Cercospora e Mancha Púrpura  Mancha Foliar de Alternaria  Mancha Foliar de Ascochyta  Mancha Parda ou Septoriose  Mancha “Olho de rã”  Oídio da soja  Ferrugem da soja  Ferrugem da soja  Míldio  Mancha Alvo e Podridão Radicular  Antracnose  Seca da Haste e da Vagem  Seca da Vagem  Podridão Branca da Haste  Podridão Parda da Haste  Cancro da Haste  Podridão de Macrophomina  Tombamento e Murcha de Sclerotium  Tombamento e Morte em Reboleira  Mela ou Requeima  Podridão aquosa e Cancro Negro  Podridão Radicular de Rosellinia  Podridão Vermelha da Raiz  Podridão Radicular de Phytophthora Cercospora kikuchii Alternaria sp. Ascochyta sojae Septoria glycines Cercospora sojina Microsphaera diffusa Phakopsora meibomiae Phakopsora pachyrhizi Peronospora manshurica Corynespora cassiicola Colletotrichum truncatum Phomopsis spp. Phytophthora magasperma f.sp. glycinea Fusarium semitectum Sclerotinia sclerotiorum Phialophora gregata Phomopsis phaseoli / Diaphorthe Macrophomina phaseolina Sclerotium rolfsi Rhizoctonia solani Thanatephorus cucumeris Rhizoctonia solani Rosellinia sp. Fusarium solani f.sp. Glycines DOENÇAS IDENTIFICADAS NO BRASIL
  • 3. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES Doenças de final de ciclo (DFC) Cercospora kikuchii Septoria glycines Corynespora cassiicola Crestamento foliar Mancha Parda Mancha Alvo
  • 4. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES Mancha Parda ou Septoriose (Septoria(Septoria glycines)glycines)
  • 5. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES Mancha Parda ou Septoriose (Septoria(Septoria glycines)glycines) Sintomas através de pequenas manchas de coloração parda ou crestamento castanho-claro. Nos trifólios , apresenta-se em forma de lesões pardo avermelhado embora os sintomas sejam mais visíveis após estádio R 6.0. Ocorrência generalizada, principalmente em regiões de altas temperaturas e U.R. Temperaturas entre 16º C e 18º C, chuvas e molhamento (6 horas) , temperaturas noturnas acima de 20º C favorecem o seu desenvolvimento. Sobrevive em restos de culturas e é disseminada através das sementes, ventos e respingos da chuva.
  • 6. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES 600 m 1000 m Stress – Baixos teores de K Presença de Oídio Monocultura Chuvas excessivas Altitude Mancha Parda ou Septoriose (Septoria(Septoria glycines)glycines) CONDIÇÕES FAVORÁVEIS
  • 7. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES Score 0,2 l/ ha Danos Cont role Granação Deficiente Secagem e queda prematura de folhas Rotação de culturas Utilização de sementes sadias Perdas de 3 a 40 % Variedades Resistentes Recomendação - Priori 0,2 l/ ha + 0,5 % de Nimbus Nível de cont role - Prevent ivo (R 5.1) Controle Químico Mancha Parda ou Septoriose (Septoria(Septoria glycines)glycines)
  • 8. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES CRESTAMENTO FOLIAR (Cercospora sojina) 8
  • 9. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES CRESTAMENTO FOLIAR (Cercospora sojina) Sintomas se manifestam através da mudança rápida da coloração das folhas para castanho-escuro ou castanho-avermelhado; Nas folhas os sintomas se apresentam como lesões de formato variado, de cor vermelho púrpura que em condições favoráveis coalescem e causam necrose no limbo foliar; Tem efeito principal sobre as sementes , que se apresentam com manchas de coloração rósea, púrpura ou roxa, podendo cobrir todo o tegumento. Temperaturas entre 28º C e 30º C, temperaturas noturnas acima de 20º C, chuvas e molhamento (24 horas) , favorecem o seu desenvolvimento. Sobrevive em restos de culturas e é disseminada através das sementes e pelo vento.
  • 10. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES CONDIÇÕES FAVORÁVEIS CRESTAMENTO FOLIAR (Cercospora sojina) 600 m 1000 m Stress Presença de Oídio Orvalho prolongado Altitude
  • 11. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES CRESTAMENTO FOLIAR (Cercospora sojina) Score 0,2 l/ ha Danos Cont role Granação Deficiente Secagem e queda prematura de folhas Rotação de culturas Utilização de sementes sadias Perdas de 3 a 40 % Variedades Resistentes Recomendação - Priori 0,2 l/ ha + 0,5 % de Nimbus Nível de cont role - Prevent ivo (R 5.1) Controle Químico
  • 12. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES MANCHA ALVO (Corynespora cassiicola) 12
  • 13. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES Presente em todas as regiões produtoras de soja do país embora dificilmente visualizada. Sintomas se manifestam através de desfolha prematura, apodrecimento das vagens e manchamento nas hastes. Infecção na sutura das vagens pode resultar em necrose, abertura das vagens e germinação ou apodrecimento de grãos ainda verdes. Nas raízes, causa podridão seca e em plantas mortas e em solo úmido, produz abundante esporulação. Temperaturas entre 18 e 21º C, molhamento (24 hs) e períodos chuvosos favorecem o seu desenvolvimento. Sobrevive no solo, em restos de culturas e é disseminado através das sementes e respingos de chuva. MANCHA ALVO (Corynespora cassiicola)
  • 14. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES CONDIÇÕES FAVORÁVEIS 600 m 1000 m Temperaturas amenas Umidade relativa elevada Acamamento Altitude MANCHA ALVO (Corynespora cassiicola)
  • 15. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES Score 0,2 l/ ha Danos Cont role Fotossintese Desfolha prematura Rotação de culturas Utilização de sementes sadias Qualidade das sementes Variedades Resistentes Recomendação - Priori 0,2 l/ ha + 0,5 % de Nimbus Nível de cont role - Prevent ivo (R 5.1) Perdas entre 10 e 30 % Controle Químico MANCHA ALVO (Corynespora cassiicola)
  • 16. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES FERRUGEM ASIÁTICA (Phakopsora pachyrhizi)
  • 17. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES FERRUGEM ASIÁTICA (Phakopsora pachyrhizi) Iniciou ataque no Brasil em algumas regiões na safra 2002; Destrutiva: Redução de 30 a 70% na produção; Difícil identificação: Necessita auxílio de lupa ou microscópio e pode ser confundia com outras doenças; Desconhecida pelos técnicos e agricultores; Condições favoráveis para Epidemia: Temperatura: Abaixo 30 ºC; Umidade: Chuvas e orvalho (Altitude Bahia +/- 850 m); Monocultivo de soja; Plantios tardios e fora da época recomendada; Cultivares ciclo longo.
  • 18. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES CONDIÇÕES FAVORÁVEIS 0 m 500 m 1000 m Temperatura Infecção (19 a 24º C) Germinação (16 a 24º C) Molhamento Foliar: 7 a 10 horas Altitude FERRUGEM ASIÁTICA (Phakopsora pachyrhizi)
  • 19. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES Controle Químico Recomendação - Priori 0,2 l/ ha + 0,5 % de Nimbus Nível de cont role - Prevent ivo (apareciment o dos primeiros sint omas) Priori 0,2 + Score 0,125 + Nimbus 0,5 % l/ ha Danos Cont role Fotossintese Desfolha prematura Evitar variedades Tardias Plantar no cedo Perdas entre 10 e 30 % FERRUGEM ASIÁTICA (Phakopsora pachyrhizi)
  • 20. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES Momento aplicação fungicida Preventivo ou sintomas iniciais: Atraso 7 dias = Redução de 16% na produção Atraso 14 dias= Redução de 37% na produção Qualidade da aplicação/pulverização É Fator Crítico de sucesso Época de semeadura Plantios tardios: Maior severidade da doença dificultando controle Dezembro: Redução +/- 50% na produção Ciclo das variedades Ciclo longo: Maior exposição à doença dificultando o controle Fungicidas eficientes Triazois e Estrobilurinas. FERRUGEM ASIÁTICA (Phakopsora pachyrhizi) CONTROLE
  • 21. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES MELA (Rhizoctonia solani)(Rhizoctonia solani)
  • 22. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES Presente na região norte do Brasil; Os sintomas são mais evidentes em folhas, pecíolos e ramos laterais, as partes afetadas secam rapidamente, adquirem coloração castanho escuro ou claro e as folhas e pecíolos ficam pendentes ou caem, propagando a doença. Umidade de solo alta favorece o fungo. O patógeno sobrevive no solo e em restos culturais, utilizando vários hospedeiros e transmitindo-se por sementes. É uma doença monocíclica, ocorrendo em manchas distribuídas ao acaso dentro da lavoura. Sobrevive no solo, em restos de culturas e é disseminado através das sementes e respingos de chuva. MELA (Rhizoctonia solani)(Rhizoctonia solani)
  • 23. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES CONDIÇÕES FAVORÁVEIS 400 m 1000 m Alta Umidade Altitude MELA (Rhizoctonia solani)(Rhizoctonia solani) ?? ?? ?? ?? ??
  • 24. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES Reaplicar 14 DAA caso necessário Danos Cont role Fotossíntese Desfolha precoce Rotação de culturas Utilização de sementes sadias Qualidade das sementes Controle químico Recomendação - Priori 0,3 l/ ha + 0,5 % de Nimbus Nível de cont role - Apareciment o dos primeiros sint omas MELA (Rhizoctonia solani)(Rhizoctonia solani)
  • 25. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES OÍDIO (Microsphaera diffusa)(Microsphaera diffusa)
  • 26. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES Desenvolve-se em toda a parte aérea da planta. Sintomas nas folhas se manifestam através de uma fina cobertura pulvirulenta (branca) de micélios e esporos. Na haste e pecíolo, coloração pode variar de branco a bege. Baixa U.R. do ar e temperaturas amenas na entressafra são altamente favoráveis ao desenvolvimento do oídio. Temperatura ótima : 18o C. Disseminação : Através do vento, a longas distâncias. Molhamento e precipitações intensas são fatores de inibição. Inverno rigoroso  baixa incidência. OÍDIO (Microsphaera diffusa)(Microsphaera diffusa)
  • 27. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES OÍDIO (Microsphaera diffusa)(Microsphaera diffusa) 200 m 600 m 1000 m Temperatura – 18 a 24 ª C Altitude CONDIÇÕES FAVORÁVEIS
  • 28. Suporte Técnico ao Mercado – 2003/04 SOJA – DOENÇAS FOLIARES Danos Cont role Fotossíntese Secagem e queda prematura de folhas Variedades resistentes Utilização de sementes sadias Perdas de 10 a 40 % Controle químico Recomendação - Score 0,15 l/ ha Nível de cont role - 20 % de incidência OÍDIO (Microsphaera diffusa)(Microsphaera diffusa)

Notas do Editor

  1. 29/08/15
  2. 29/08/15