SlideShare uma empresa Scribd logo
♦  As Raízes  ♦  Os  Caules ♦  As Folhas ♦  Estudo das Flores ♦   Constituição das plantas sem flo r
Planta s São seres vivos pluricelulares, que produzem os seus próprios alimentos. Por isso chamam-se produtores.  Utilizam água, sais minerais, dióxido de carbono e energia solar no fabrico de glicose.  Consomem a glicose, o seu alimento,  e libertam  oxigénio,  indispensável à vida na Terra.
Sequóia Lentilha de água Planta que atinge  mais de 100 m de altura.  Vive no meio terrestre. Planta que atinge 3 mm.  Vive no meio aquático. Diversidade das Plantas  Na Natureza existe uma grande diversidade de plantas, povoando todos os ambientes da Terra, tanto os aquáticos como os terrestres.
Plantas com Flor Plantas sem Flor Orquídea  Musgo As plantas podem-se agrupar em duas grandes categorias:
Constituição das Plantas com Flor São constituídas por diversos órgãos:  raiz ,  caule ,  folha  e  flor , sendo estas responsáveis pela produção de  frutos  e  sementes .
Raiz A raiz é o órgão das plantas que tem como funções: Absorver a água e sais minerais do solo;  Fixar a planta ao solo. Algumas acumulam substâncias de reserva: Ex: Cenoura
Constituição da raiz Colo  : é a zona de transição entre o caule e a raiz. Zona de ramificação  : é a região de onde saem as raízes secundárias. Zona pilosa :  é a zona onde se encontram os pêlos radiculares. Zona de crescimento :  é a zona onde ocorre o crescimento da raiz. Coifa :  protege  a zona de crescimento do desgaste da perfuração.
Meios em que vivem as raízes  A maior parte das raízes são subterrâneas. Mas também existem plantas com raízes aquáticas e outras com  raízes aéreas. Raiz subterrânea Lentilha de água  Raízes mergulhadas Hera Raízes aéreas
Aprumada Aprumada tuberculosa Tipos de Raízes Raiz principal  pouco espess a Raiz principal  espessa
Raiz Fasciculada Raiz Fasciculada Tuberculosa Continuação Feixe de raízes  pouco espessas Feixe de raízes  muito espessas
Classificação de uma raiz utilizando  a chave dicotómica 0   {  Com uma raiz principal  segue para  1 Sem raiz principal (em feixe)  segue para  2   A chave  0  tem duas entradas  ( 1   e   2 ). Escolhe uma,  depois de te certificares  se a planta tem raiz principal ou não.  Neste caso, tem raiz principal, logo, segue  para a chave 1. 1   {   Raiz principal pouco espessa  a solução é  Aprumada Raiz principal muito espessa  a solução  é  Aprumada  tuberculosa Como a raiz é pouco espessa, a solução é  Aprumada { 0, 1,  Aprumada } A classificação da raiz é  =
Caule O caule é o órgão da planta que tem como funções: Suportar as folhas, flores e depois os frutos. Estabelecer a ligação entre a raiz e as folhas, fazendo a circulação da água e sais minerais da raiz até às folhas e os alimentos das folhas para a raiz. Nalguns casos, acumulam substâncias de reserva. Exemplos: Batata
Constituição do Caule Gemas ou gomos,  quanto à natureza,  podem ser : folheares  - dão origem a folhas. florais ou botões - dão origem a flores. mistos - dão origem a ramos com folhas e flores.  Axilas – Onde cada folha ou ramo se liga ao caule. Nós – São as saliências de onde partem as folhas e os ramos. Entrenós – São os espaços que separam os nós.
Meios em que vivem os caules A maior parte dos caules  são aéreos, contudo, existem plantas com caules aquáticos e outras com caules subterrâneos. Caule aéreo Caule subterrâneo Caule aquático
Tipos de Caules Aéreos Os caules são os que se encontram acima do solo. Tronco – caule lenhoso, mais grosso na base, com ramos a partir de uma certa altura. Ex: Pinheiro Espique – caule lenhosos  de forma cilíndrica, com as folhas a saírem do cimo. Ex: Palmeira Colmo  -  Caule oco ou com medula, cilíndrico e com nós salientes.  Ex: Cana
Caules Subterrâneos Caules subterrâneos que possuem gomos e encontram-se debaixo do solo. Liso, volumoso e sem raiz. Tubérculo Forma globosa, com folhas escamiformes  Bolbo Forma alongada, com folhas escamiformes  Rizoma
Classificação dos caules, utilizando a Chave Dicotómica 0  { Caule de situação subterrânea  ………………………..segue para 1 Caule de situação aérea ……………………… ………….segue para 3 A chave 0 tem duas entradas (1 e 2).  Escolhe uma,  depois de te certificares,  se a planta tem um caule aéreo ou não. Neste caso, tem um caule aéreo, logo, segue para a chave 1. 3   { Caule cilíndrico, oco ou com medula e com nós salientes ……………. Colmo Caule não oco e lenhoso ………………………………………………………………. segue para 4 Como observas, o caule é cilíndrico e com nós salientes, logo, a escolha certa, só pode ser  Colmo. O caule é =  { 0, 3, Colmo }
Classificação do caule, utilizando a Chave Dicotómica  0  { Caule de situação subterrânea  ………………………  segue para 1 Caule de situação aérea ………………………............ segue para 3  1  { Caule com raízes e com folhas escamiformes ……  segue para 2 2  { Caule arredondado, sem raízes e sem folhas …………Tubérculo Caule de forma globosa e com folhas escamiformes ……………..Bolbo Caule de forma alongada e com folhas escamiformes…………… Rizoma A classificação do órgão da  cebola é =  {0,1, 2, Bolbo } Cebola
Folha As folhas são órgãos das plantas que crescem a partir  do caule. Têm, normalmente,  cor verde  por possuírem  clorofila .  FUNÇÕES:  ♦  As folhas são as fábricas das plantas porque possuem  clorofila ,  que capta a  energia solar , recebe  dióxido de carbono  do ar e  água e sais minerais  do solo, produz os  alimentos  da planta e  liberta oxigénio .  ♦  As plantas transpiram pelas folhas ( transpiração ) perdendo água (vapor), que origina a humidade do ar. ♦  Quando as folhas estão transformadas em espinhos,  evitam a transpiração  e também as protegem de serem devoradas.
Constituição de uma folha completa Bainha  - é a porção da folha que envolve parte do caule. Pecíolo  – é o normalmente se chama o pé da folha Limbo –  é  a parte larga e pouco espessa da folha. No  limbo  distinguem-se: Margem –  extremidade do limbo Nervura –  cordões salientes Página superior,  voltada para a luz. Página inferior,  voltada para o solo. A folha sem pecíolo denomina-se  séssil
Pela disposição das Nervuras Classificação das folhas : Uninérvea ( uma só nervura não ramificada) Paralelinérvea (várias nervuras principais paralelas ) Peninérvea ( com uma nervura principal donde partem várias secundárias) Palminérvea (com várias nervuras principais que saem da base da folha)
Classificação da folha, utilizando a Chave Dicotómica Observação da disposição das nervuras no limbo. 0   { 1   { Folhas com uma só nervura não ramificada  ……………………… uninérveas Folhas com mais de uma nervura ……………………………………  segue para 1 Folhas com nervuras paralelas entre si ………………………..Paralelinérveas Folhas com nervuras não paralelas …………………………….... segue para 2 2   { Folhas com uma nervura principal e nervuras secundárias….Peninérveas Folhas com várias nervuras principais e secundárias……….. Palminérveas =  { 0,1, 2, Palminérveas }
Folhas Simples Folhas Compostas Classificação da folha pela forma do limbo
Classificação da folha pelo recorte do limbo A margem do limbo pode apresentar recortes variados. Inteira (Sem recortes) Loureiro Dentada (tem recortes em forma de dentes) Tília Crenada (tem dentes arredondados) Malva Lobada (o recorte não atinge o meio do limbo) Figueira Fendida (o recorte  não atinge metade da aba do limbo) Carvalho Partida  (o recorte do limbo chega à nervura central) Serralha
A Flor É o órgão responsável pela reprodução sexuada das plantas Pedúnculo – pé da flor Receptáculo - extremidade  alargada do pedúnculo Cálice – conjunto de sépalas. Corola – Conjunto de pétalas. Androceu – Conjunto de estames (Órgão masculino) Gineceu- Conjunto  de carpelos  (Órgão feminino)
A Flor Órgãos de suporte Órgãos de protecção Órgãos de Reprodução
Feto Musgo Os  esporângios  contêm  esporos  que irão originar novos fetos A  cápsula  contem  esporos  que irão originar novos musgos Plantas sem flor
Material necessário Procedimentos Folhas de plantas diferentes Sacos de plástico Dois cintos Chaves Dicotómicas Duas placas de madeira Folhas de jornal Tesoura Construção de um Herbário 1 2 1- Colocar as folhas de jornal entre elas. . 2- Por fim, apertar bem. 3- Substituir o jornal regularmente para não criar bolor. 4- Ao fim de 15 dias, as folhas estão prontas para construir o herbário.
O Herbário
Fim

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Morfologia Vegetal - Caule
Morfologia Vegetal - Caule Morfologia Vegetal - Caule
Morfologia Vegetal - Caule
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
Eldon Clayton
 
Classificação das folhas
Classificação das folhasClassificação das folhas
Classificação das folhas
00367p
 
Frutos
FrutosFrutos
Folhas
FolhasFolhas
Classificação das folhas características e tipos ii
Classificação das folhas   características e tipos iiClassificação das folhas   características e tipos ii
Classificação das folhas características e tipos ii
Welton Fontes
 
Frutos e sementes
Frutos e sementesFrutos e sementes
Frutos e sementes
UERGS
 
Gimnospermas e angiosperma
Gimnospermas e angiospermaGimnospermas e angiosperma
Gimnospermas e angiosperma
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Morfologia vegetal da raiz
Morfologia vegetal da raizMorfologia vegetal da raiz
Morfologia vegetal da raiz
Joseanny Pereira
 
Aula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetaisAula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetais
Ronaldo Professorr
 
Morfologia da folha
Morfologia da folha Morfologia da folha
Morfologia da folha
Andréa Vasconcelos
 
Aula 6 - Caule
Aula 6 - CauleAula 6 - Caule
Aula 6 - Caule
Rodrigo Vianna
 
Aula flor
Aula florAula flor
Aula flor
Francione Gomes
 
Raiz
RaizRaiz
Angiospermas basais monocotiledoneas
Angiospermas basais monocotiledoneas Angiospermas basais monocotiledoneas
Angiospermas basais monocotiledoneas
Martinha Bagé
 
Aula4 epiderme
Aula4 epidermeAula4 epiderme
Aula4 epiderme
Viviane Porto
 
V.3 Gimnospermas
V.3 GimnospermasV.3 Gimnospermas
V.3 Gimnospermas
Rebeca Vale
 
Aula 8 – fruto e semente Prof. Guth Berger
Aula 8 – fruto e semente Prof. Guth BergerAula 8 – fruto e semente Prof. Guth Berger
Aula 8 – fruto e semente Prof. Guth Berger
Matheus Yuri
 
Caule
CauleCaule
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermasAula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
Fatima Comiotto
 

Mais procurados (20)

Morfologia Vegetal - Caule
Morfologia Vegetal - Caule Morfologia Vegetal - Caule
Morfologia Vegetal - Caule
 
Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
 
Classificação das folhas
Classificação das folhasClassificação das folhas
Classificação das folhas
 
Frutos
FrutosFrutos
Frutos
 
Folhas
FolhasFolhas
Folhas
 
Classificação das folhas características e tipos ii
Classificação das folhas   características e tipos iiClassificação das folhas   características e tipos ii
Classificação das folhas características e tipos ii
 
Frutos e sementes
Frutos e sementesFrutos e sementes
Frutos e sementes
 
Gimnospermas e angiosperma
Gimnospermas e angiospermaGimnospermas e angiosperma
Gimnospermas e angiosperma
 
Morfologia vegetal da raiz
Morfologia vegetal da raizMorfologia vegetal da raiz
Morfologia vegetal da raiz
 
Aula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetaisAula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetais
 
Morfologia da folha
Morfologia da folha Morfologia da folha
Morfologia da folha
 
Aula 6 - Caule
Aula 6 - CauleAula 6 - Caule
Aula 6 - Caule
 
Aula flor
Aula florAula flor
Aula flor
 
Raiz
RaizRaiz
Raiz
 
Angiospermas basais monocotiledoneas
Angiospermas basais monocotiledoneas Angiospermas basais monocotiledoneas
Angiospermas basais monocotiledoneas
 
Aula4 epiderme
Aula4 epidermeAula4 epiderme
Aula4 epiderme
 
V.3 Gimnospermas
V.3 GimnospermasV.3 Gimnospermas
V.3 Gimnospermas
 
Aula 8 – fruto e semente Prof. Guth Berger
Aula 8 – fruto e semente Prof. Guth BergerAula 8 – fruto e semente Prof. Guth Berger
Aula 8 – fruto e semente Prof. Guth Berger
 
Caule
CauleCaule
Caule
 
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermasAula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
 

Semelhante a Diversidade das plantas

Diversidade das plantas
Diversidade das plantasDiversidade das plantas
Diversidade das plantas
Sara Castanheira
 
Diversidade das plantas
Diversidade das plantasDiversidade das plantas
Diversidade das plantas
Sara Castanheira
 
Diversidade das plantas
Diversidade das plantasDiversidade das plantas
Diversidade das plantas
Pelo Siro
 
1318457463 diversidadedasplantas 090301065842-phpapp02
1318457463 diversidadedasplantas 090301065842-phpapp021318457463 diversidadedasplantas 090301065842-phpapp02
1318457463 diversidadedasplantas 090301065842-phpapp02
Nuno Lemos
 
1318457463 diversidadedasplantas 93165842-phpapp2
1318457463 diversidadedasplantas 93165842-phpapp21318457463 diversidadedasplantas 93165842-phpapp2
1318457463 diversidadedasplantas 93165842-phpapp2
Pelo Siro
 
Diversidade nas plantas
Diversidade nas plantasDiversidade nas plantas
Diversidade nas plantas
Joaquim André
 
Diversidade nas plantas
Diversidade nas plantasDiversidade nas plantas
Diversidade nas plantas
Joaquim André
 
Diversidade nas plantas
Diversidade nas plantasDiversidade nas plantas
Diversidade nas plantas
Joaquim André
 
212072789-diversidade-nas-plantas-5-º-ano.pdf
212072789-diversidade-nas-plantas-5-º-ano.pdf212072789-diversidade-nas-plantas-5-º-ano.pdf
212072789-diversidade-nas-plantas-5-º-ano.pdf
veraalvesmatmar
 
212072789-diversidade-nas-plantas-5-º-ano.pdf
212072789-diversidade-nas-plantas-5-º-ano.pdf212072789-diversidade-nas-plantas-5-º-ano.pdf
212072789-diversidade-nas-plantas-5-º-ano.pdf
veraalvesmatmar
 
Ciências da natureza3
Ciências da natureza3Ciências da natureza3
Ciências da natureza3
ARARA17
 
Diversidade Das Plantas
Diversidade Das PlantasDiversidade Das Plantas
Diversidade Das Plantas
ilda
 
Diversidade Das Plantas
Diversidade Das PlantasDiversidade Das Plantas
Diversidade Das Plantas
Rute Guilherme
 
MorfologiaVegetal.ppt
MorfologiaVegetal.pptMorfologiaVegetal.ppt
MorfologiaVegetal.ppt
Sabrina Nascimento
 
MorfologiaVegeta, descricao egetall.pptx
MorfologiaVegeta, descricao egetall.pptxMorfologiaVegeta, descricao egetall.pptx
MorfologiaVegeta, descricao egetall.pptx
ManuelAlbertoBizeque
 
reino plantae
reino plantaereino plantae
reino plantae
Brígida Menário
 
2 caule e folhas
2 caule e folhas2 caule e folhas
2 caule e folhas
Cristóvão Lopes
 
7º ano cap 12 e 13 angiospermas - órgãos
7º ano cap 12 e 13   angiospermas - órgãos7º ano cap 12 e 13   angiospermas - órgãos
7º ano cap 12 e 13 angiospermas - órgãos
ISJ
 
Partes da planta
Partes da plantaPartes da planta
Partes da planta
E E JOÃO PINHEIRO
 
Biologia
BiologiaBiologia

Semelhante a Diversidade das plantas (20)

Diversidade das plantas
Diversidade das plantasDiversidade das plantas
Diversidade das plantas
 
Diversidade das plantas
Diversidade das plantasDiversidade das plantas
Diversidade das plantas
 
Diversidade das plantas
Diversidade das plantasDiversidade das plantas
Diversidade das plantas
 
1318457463 diversidadedasplantas 090301065842-phpapp02
1318457463 diversidadedasplantas 090301065842-phpapp021318457463 diversidadedasplantas 090301065842-phpapp02
1318457463 diversidadedasplantas 090301065842-phpapp02
 
1318457463 diversidadedasplantas 93165842-phpapp2
1318457463 diversidadedasplantas 93165842-phpapp21318457463 diversidadedasplantas 93165842-phpapp2
1318457463 diversidadedasplantas 93165842-phpapp2
 
Diversidade nas plantas
Diversidade nas plantasDiversidade nas plantas
Diversidade nas plantas
 
Diversidade nas plantas
Diversidade nas plantasDiversidade nas plantas
Diversidade nas plantas
 
Diversidade nas plantas
Diversidade nas plantasDiversidade nas plantas
Diversidade nas plantas
 
212072789-diversidade-nas-plantas-5-º-ano.pdf
212072789-diversidade-nas-plantas-5-º-ano.pdf212072789-diversidade-nas-plantas-5-º-ano.pdf
212072789-diversidade-nas-plantas-5-º-ano.pdf
 
212072789-diversidade-nas-plantas-5-º-ano.pdf
212072789-diversidade-nas-plantas-5-º-ano.pdf212072789-diversidade-nas-plantas-5-º-ano.pdf
212072789-diversidade-nas-plantas-5-º-ano.pdf
 
Ciências da natureza3
Ciências da natureza3Ciências da natureza3
Ciências da natureza3
 
Diversidade Das Plantas
Diversidade Das PlantasDiversidade Das Plantas
Diversidade Das Plantas
 
Diversidade Das Plantas
Diversidade Das PlantasDiversidade Das Plantas
Diversidade Das Plantas
 
MorfologiaVegetal.ppt
MorfologiaVegetal.pptMorfologiaVegetal.ppt
MorfologiaVegetal.ppt
 
MorfologiaVegeta, descricao egetall.pptx
MorfologiaVegeta, descricao egetall.pptxMorfologiaVegeta, descricao egetall.pptx
MorfologiaVegeta, descricao egetall.pptx
 
reino plantae
reino plantaereino plantae
reino plantae
 
2 caule e folhas
2 caule e folhas2 caule e folhas
2 caule e folhas
 
7º ano cap 12 e 13 angiospermas - órgãos
7º ano cap 12 e 13   angiospermas - órgãos7º ano cap 12 e 13   angiospermas - órgãos
7º ano cap 12 e 13 angiospermas - órgãos
 
Partes da planta
Partes da plantaPartes da planta
Partes da planta
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 

Último

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 

Diversidade das plantas

  • 1. ♦ As Raízes ♦ Os Caules ♦ As Folhas ♦ Estudo das Flores ♦ Constituição das plantas sem flo r
  • 2. Planta s São seres vivos pluricelulares, que produzem os seus próprios alimentos. Por isso chamam-se produtores. Utilizam água, sais minerais, dióxido de carbono e energia solar no fabrico de glicose. Consomem a glicose, o seu alimento, e libertam oxigénio, indispensável à vida na Terra.
  • 3. Sequóia Lentilha de água Planta que atinge mais de 100 m de altura. Vive no meio terrestre. Planta que atinge 3 mm. Vive no meio aquático. Diversidade das Plantas Na Natureza existe uma grande diversidade de plantas, povoando todos os ambientes da Terra, tanto os aquáticos como os terrestres.
  • 4. Plantas com Flor Plantas sem Flor Orquídea Musgo As plantas podem-se agrupar em duas grandes categorias:
  • 5. Constituição das Plantas com Flor São constituídas por diversos órgãos: raiz , caule , folha e flor , sendo estas responsáveis pela produção de frutos e sementes .
  • 6. Raiz A raiz é o órgão das plantas que tem como funções: Absorver a água e sais minerais do solo; Fixar a planta ao solo. Algumas acumulam substâncias de reserva: Ex: Cenoura
  • 7. Constituição da raiz Colo : é a zona de transição entre o caule e a raiz. Zona de ramificação : é a região de onde saem as raízes secundárias. Zona pilosa : é a zona onde se encontram os pêlos radiculares. Zona de crescimento : é a zona onde ocorre o crescimento da raiz. Coifa : protege a zona de crescimento do desgaste da perfuração.
  • 8. Meios em que vivem as raízes A maior parte das raízes são subterrâneas. Mas também existem plantas com raízes aquáticas e outras com raízes aéreas. Raiz subterrânea Lentilha de água Raízes mergulhadas Hera Raízes aéreas
  • 9. Aprumada Aprumada tuberculosa Tipos de Raízes Raiz principal pouco espess a Raiz principal espessa
  • 10. Raiz Fasciculada Raiz Fasciculada Tuberculosa Continuação Feixe de raízes pouco espessas Feixe de raízes muito espessas
  • 11. Classificação de uma raiz utilizando a chave dicotómica 0 { Com uma raiz principal segue para 1 Sem raiz principal (em feixe) segue para 2 A chave 0 tem duas entradas ( 1 e 2 ). Escolhe uma, depois de te certificares se a planta tem raiz principal ou não. Neste caso, tem raiz principal, logo, segue para a chave 1. 1 { Raiz principal pouco espessa a solução é Aprumada Raiz principal muito espessa a solução é Aprumada tuberculosa Como a raiz é pouco espessa, a solução é Aprumada { 0, 1, Aprumada } A classificação da raiz é =
  • 12. Caule O caule é o órgão da planta que tem como funções: Suportar as folhas, flores e depois os frutos. Estabelecer a ligação entre a raiz e as folhas, fazendo a circulação da água e sais minerais da raiz até às folhas e os alimentos das folhas para a raiz. Nalguns casos, acumulam substâncias de reserva. Exemplos: Batata
  • 13. Constituição do Caule Gemas ou gomos, quanto à natureza, podem ser : folheares - dão origem a folhas. florais ou botões - dão origem a flores. mistos - dão origem a ramos com folhas e flores. Axilas – Onde cada folha ou ramo se liga ao caule. Nós – São as saliências de onde partem as folhas e os ramos. Entrenós – São os espaços que separam os nós.
  • 14. Meios em que vivem os caules A maior parte dos caules são aéreos, contudo, existem plantas com caules aquáticos e outras com caules subterrâneos. Caule aéreo Caule subterrâneo Caule aquático
  • 15. Tipos de Caules Aéreos Os caules são os que se encontram acima do solo. Tronco – caule lenhoso, mais grosso na base, com ramos a partir de uma certa altura. Ex: Pinheiro Espique – caule lenhosos de forma cilíndrica, com as folhas a saírem do cimo. Ex: Palmeira Colmo - Caule oco ou com medula, cilíndrico e com nós salientes. Ex: Cana
  • 16. Caules Subterrâneos Caules subterrâneos que possuem gomos e encontram-se debaixo do solo. Liso, volumoso e sem raiz. Tubérculo Forma globosa, com folhas escamiformes Bolbo Forma alongada, com folhas escamiformes Rizoma
  • 17. Classificação dos caules, utilizando a Chave Dicotómica 0 { Caule de situação subterrânea ………………………..segue para 1 Caule de situação aérea ……………………… ………….segue para 3 A chave 0 tem duas entradas (1 e 2). Escolhe uma, depois de te certificares, se a planta tem um caule aéreo ou não. Neste caso, tem um caule aéreo, logo, segue para a chave 1. 3 { Caule cilíndrico, oco ou com medula e com nós salientes ……………. Colmo Caule não oco e lenhoso ………………………………………………………………. segue para 4 Como observas, o caule é cilíndrico e com nós salientes, logo, a escolha certa, só pode ser Colmo. O caule é = { 0, 3, Colmo }
  • 18. Classificação do caule, utilizando a Chave Dicotómica 0 { Caule de situação subterrânea ……………………… segue para 1 Caule de situação aérea ………………………............ segue para 3 1 { Caule com raízes e com folhas escamiformes …… segue para 2 2 { Caule arredondado, sem raízes e sem folhas …………Tubérculo Caule de forma globosa e com folhas escamiformes ……………..Bolbo Caule de forma alongada e com folhas escamiformes…………… Rizoma A classificação do órgão da cebola é = {0,1, 2, Bolbo } Cebola
  • 19. Folha As folhas são órgãos das plantas que crescem a partir do caule. Têm, normalmente, cor verde por possuírem clorofila . FUNÇÕES: ♦ As folhas são as fábricas das plantas porque possuem clorofila , que capta a energia solar , recebe dióxido de carbono do ar e água e sais minerais do solo, produz os alimentos da planta e liberta oxigénio . ♦ As plantas transpiram pelas folhas ( transpiração ) perdendo água (vapor), que origina a humidade do ar. ♦ Quando as folhas estão transformadas em espinhos, evitam a transpiração e também as protegem de serem devoradas.
  • 20. Constituição de uma folha completa Bainha - é a porção da folha que envolve parte do caule. Pecíolo – é o normalmente se chama o pé da folha Limbo – é a parte larga e pouco espessa da folha. No limbo distinguem-se: Margem – extremidade do limbo Nervura – cordões salientes Página superior, voltada para a luz. Página inferior, voltada para o solo. A folha sem pecíolo denomina-se séssil
  • 21. Pela disposição das Nervuras Classificação das folhas : Uninérvea ( uma só nervura não ramificada) Paralelinérvea (várias nervuras principais paralelas ) Peninérvea ( com uma nervura principal donde partem várias secundárias) Palminérvea (com várias nervuras principais que saem da base da folha)
  • 22. Classificação da folha, utilizando a Chave Dicotómica Observação da disposição das nervuras no limbo. 0 { 1 { Folhas com uma só nervura não ramificada ……………………… uninérveas Folhas com mais de uma nervura …………………………………… segue para 1 Folhas com nervuras paralelas entre si ………………………..Paralelinérveas Folhas com nervuras não paralelas …………………………….... segue para 2 2 { Folhas com uma nervura principal e nervuras secundárias….Peninérveas Folhas com várias nervuras principais e secundárias……….. Palminérveas = { 0,1, 2, Palminérveas }
  • 23. Folhas Simples Folhas Compostas Classificação da folha pela forma do limbo
  • 24. Classificação da folha pelo recorte do limbo A margem do limbo pode apresentar recortes variados. Inteira (Sem recortes) Loureiro Dentada (tem recortes em forma de dentes) Tília Crenada (tem dentes arredondados) Malva Lobada (o recorte não atinge o meio do limbo) Figueira Fendida (o recorte não atinge metade da aba do limbo) Carvalho Partida (o recorte do limbo chega à nervura central) Serralha
  • 25. A Flor É o órgão responsável pela reprodução sexuada das plantas Pedúnculo – pé da flor Receptáculo - extremidade alargada do pedúnculo Cálice – conjunto de sépalas. Corola – Conjunto de pétalas. Androceu – Conjunto de estames (Órgão masculino) Gineceu- Conjunto de carpelos (Órgão feminino)
  • 26. A Flor Órgãos de suporte Órgãos de protecção Órgãos de Reprodução
  • 27. Feto Musgo Os esporângios contêm esporos que irão originar novos fetos A cápsula contem esporos que irão originar novos musgos Plantas sem flor
  • 28. Material necessário Procedimentos Folhas de plantas diferentes Sacos de plástico Dois cintos Chaves Dicotómicas Duas placas de madeira Folhas de jornal Tesoura Construção de um Herbário 1 2 1- Colocar as folhas de jornal entre elas. . 2- Por fim, apertar bem. 3- Substituir o jornal regularmente para não criar bolor. 4- Ao fim de 15 dias, as folhas estão prontas para construir o herbário.
  • 30. Fim