SlideShare uma empresa Scribd logo
DICIONÁRIO DE RH

Termos, siglas, palavras estrangeiras ...

5S - Senso de simplificação, organização, limpeza, conservação e participação.
ASAP - as soon as possible, o quanto antes, assim que possível
assunto ou problema, sem censura, com alguém estimulando a todos e
anotando tudo falado.
BTB ou B2B - Business-to-Business ou comércio eletrônico entre empresas.
BTC ou B2C - Business-to-Consumer ou comércio eletrônico de empresa para o
consumidor.
B2E - Business-to-employee - relação entre empresa e funcionário.
Budgets - orçamento.
Business Intelligence - conjunto de softwares que ajudam em decisões
estratégicas.
CEP - Controle Estatístico do Processo.
CKO - executivo responsável pela gestão do conhecimento.
Coach - facilitador; instrutor; entidade (pessoa, equipe, departamento,
empresa, etc.) que atue como agregador das capacidades de cada elemento da
cadeia (equipe, departamento, empresa, etc.).
Core Business - relativo ao próprio negócio ou especialidade no negócio que
faz.
CRM - Customer Relationship Management ou marketing one-to-onequot;.
Downsizing - reduzir, encolher, diminuir, cortar.
Empowerment - dar poder ao grupo/equipe.
ERP - Enterprise Resource Planning ou Planejamento dos Recursos do Negócio.
E-Procurement - a utilização da internet para a automatização dos processos de
compra e gestão de bens e serviços necessários à atividade da empresa.
Housekeeping - técnica para iniciar e manter os processos de Qualidade e
Produtividade Total em uma empresa.
Internet - é a maior rede mundial de computadores, aberta a todos.
Intranet - são as páginas acessíveis apenas dentro de uma empresa.
Extranet - são páginas que ligam a empresa a seus clientes e fornecedores.
Just-in-Time ou JIT - é atender ao cliente interno ou externo no momento exato
de sua necessidade, com as quantidades necessárias para a
operação/produção.
Kaizen - processo de melhorias contínuas, com bom senso e baixos
investimentos.
Networking - rede de relacionamentos.
On the job - No dia a dia do Trabalho. Exemplo Treinamentos on the job. Utilizar
a rotina, dentro das tarefas prática de um indivíduo. Sem retirá-lo para a sala
de autla. Como um estágio prático superviosanado diretamente.
Política de Portas Abertas - uma oportunidade oficial que a organização dá ao
funcionário de apelar aos executivos da empresa quando se sentir prejudicado
pela chefia imediata.
QS - quociente de sucesso
Stock options - Programa de Ações - um incentivo que permite aos funcionários
comprar ações da empresa onde trabalham por um preço abaixo do mercado.
Sabático - repensar, redescobrir, reciclar.
Supply Chain Management - Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento.
Team Building - dinâmica de grupo em área externa, onde os participantes
serão expostos a várias tarefas físicas desafiadoras, que são exemplos
comparativos dos problemas do dia-a-dia da empresa. Tem como finalidade
tornar uma equipe integrada.
CEO e outras siglas de cargos clique aqui.

OUTRAS DEFINIÇÕES
GLOSSÁRIO
Elaborado por : Deolindo Zocateli.
            Prof° da FTC-Feira deSantana.

Absenteísmo - Do francês absentéisme, derivado do inglês absenteeism, de
absentee, ou pessoa que falta ao trabalho, à escola etc. Que vive ou está, via de
regra, ausente. (Qualidade n° 68)

Adhocracia – Organizações ágeis, organizações complexas e flexíveis. (ad hoc =
“aqui agora”).

Behaviorismo -    procedimento, (comportamento), (teoria comportamental)

Benchmarking - (marcos referenciais) - Processo sistemático usado para
estabelecer metas para melhorias no processo, nas funções, nos produtos etc.,
comparando uma empresa com outras. As medidas de benchmark derivam , em
geral, de outras empresas que apresentam o desempenho “Melhor da classe”, não
sendo necessariamente concorrentes. (Qualidade n° 74)

BPF - Boas Práticas de Fabricação (Qualidade nº 74)

Brainstorming - Procedimento utilizado para auxiliar um grupo a criar o máximo
de idéias no menor tempo possível. (Qualidade n° 72)

Break-even Point - É o nível de produção ou nível de volume de vendas a partir
do qual o empreendimento ou negócio se torna rentável. Qualquer valor abaixo do
Ponto de Equilíbrio significa prejuízo. (CAM 1/85)

BSC – Balanced Scorecard - Sistema de medição do desempenho e controle
gerencial. MM&A

CEO – Chief Executiver Officer – Diretor Superintendente da Empresa – Controller
- (Marcone) - Exame 15/05/02. pág. 125

CEP - Controle Estatístico de Processo. Metodologia usada para o controle de
dados de forma estatística para o aprimoramento contínuo da
qualidade.(Qualidade n° 67)

CIF – Cost Insurance Freight – Custo seguro frete, empregadas para designar o
sistema de pagamento para mercadorias embarcadas quando os custos do seguro
e do frete estão incluídos no preço. (Dicionário de Economia – Sandroni)

Cinco S (5s) - Programa de gerenciamento participativo que objetiva criar condi-
ções de trabalho adequadas a todas as pessoas em todos os níveis hierárquicos
da organização. A sigla 5S deriva das iniciais de cinco palavras japonesas: SEIRI,
senso de utilização; SEITON, senso de ordenação; SEISO, senso de limpeza;
SEIKETSU, senso de saúde; e SHITSUKE, senso de autodisciplina. (Qualaidade
n° 72)

CGMP -          Current Good Manufacturing Practice - Trata das Boas e Atuais
Práticas de fabricação de produtos voltados para as áreas de saúde humana e
animal.( Qualidade n° 74)

Coach – Professor, treinador

Coaching – Treinamento, “desenvolvimento” Sessões de aconselhamento feitas
por um consultor de carreira que acompanha e se envolve no desenvolvimento
contínuo do profissional. Rev. Exame set/2005.

Cobertura Média - (CM) É a indicação de quantas vezes o estoque se renovou
durante o período (n) (CAM 1/85) CM = 12/Cr ou sejam os 12 meses do ano
divididos pelo coeficiente de rotação.

Coeficiente de Rotação - É a relação entre as retiradas de um estoque e o seu
próprio estoque médio: Cr = saídas/estoque médio.(CAM 1/85)

Cognição – Ato ou ação de conhecer, aquisição de um conhecimento. (Larusse)

Comitê Draft - Comitê de Planejamento. (Qualidade n° 67)

Continuous Improvement - (melhoria contínua) Componente essencial no just-in-
Time e na Qualidade Total que reflete uma determinação inabalável para eliminar
as causas dos problemas. É o oposto da mentalidade de “apagar incêndios”.
(GBRH96)

Disruptiva – Empresas insurgentes, entrantes “processo de entrar no mercado
por baixo”Revista Linha Direta – Ano 8 n° 88 julho 2005.

Downsizing - Redução dos níveis hierárquicos em uma organização com o
objetivo de aproximar os níveis operacionais da alta direção. (GBRH96)

E-learning – Abreviação de eletronic learning, treinamento em rede de
computadores, Revista Linha Direta, Ano 8 n° 88 julho 2005.

Empowerment - Estabelecimento de autonomia e responsabilidade às pessoas
na tomada de decisões e ações. (GBRH96)

Endomarketing - Marketing interno realizado por meio de um conjunto de ações
desenvolvidas para conscientizar, informar e motivar o indivíduo. (GBRH96)
Epistemologia – Estudo crítico dos princípios, hipóteses e resultados das ciências
já constituídas; teoria das ciências. (mini Aurélio) “teoria do conhecimento”

FMEA - Análise do modo de falha e efeito (IMAM)

FOB – Free on board – livre a bordo – Denominação da cláusula de contrato
segundo a qual o frete não está incluído no custo da mercadoria. (Dicionário de
Economia – Sandroni)

Housekeeping - Termo designado para um processo que visa a manutenção da
ordem, limpeza, organização e segurança nas empresas. (GBRH96)

Holística - Vem do grego Halos, que significa todo ou inteiro. É um novo
paradigma que se apresenta como resposta evolutiva à crise de fragmentação
vivida pelo homem na atualidade, quer pela criação e divisão de fronteiras que só
existem na mente humana. (Qualidade n° 74 )

IS0- Sigla da International Organization for Standardization. (Qualidade n° 67)

Job rotation – Rodízio de funções promovido pela empresa. Rev. Exame
set/2005.

Joint venture - Associação de empresas, não definitiva, para explorar
determinado negócio, sem que nenhuma delas perca sua personalidade jurídica.
(Qualidade n° 65)

Just-in-time - Metodologia com base nas pessoas, cuja filosofia é eliminar tudo
aquilo que não adiciona valor ao produto. O objetivo é fornecer exatamente as
peças necessárias, nas quantidades necessárias, no tempo necessário.
(GBRH96)

Kanban -Sistema de Controle da Produção e dos Inventários (IMAM)

Kaizen - Conceito de administração japonesa que significa aprimoramento
contínuo, envolvendo todos os funcionários de uma organização. (GBRH96)

Lato Sensu – Em sentido amplo - Curso extensivo – (Extensão, especialização e
aperfeiçoamento) (boca maior do funil). Ver Djalma Oliveira 2002-pag. 41

Market Share - Participação no Mercado. (Qualidade n° 67)

MBA – Master Business Administration

Menemônica – Processo de ajudar ou treinar a memória
Mentoring – profissional mais velho, com experiência e habilidade de
relacionamento, que acompanha e passa para o mais novo suas idéias sobre o
trabalho e a carreira. Ver. Exame set/2005.

Óbice - Palavra derivada do Latim, significa impedimento, embaraço, empecilho,
obstáculo ou estorvo. (Qualidade n° 74)

Ombudsman – Palavra de origem sueca que significa “o homem que representa
os interesses” ouvidor, profissional que tem como missão intermediar a
comunicação entre o público e a empresa.(A TARDE 12/05/02)-empregos. Ver
também, Djalma Oliveira 2002-pag. 93

Outplacement - Investimento de uma empresa na recolocação de ex-funcionário
em outra organização. (GBRH96)

Outsourcing - (terceirização) Tendência de comprar fora (de terceiros) tudo o que
não fizer parte do negócio principal de uma empresa. (GBRH96)

PCPM - Planejamento e Controle da Produção e de Materiais(IMAM)

PDCA - Plan, Do, Check e Act, ou Planejar, Executar, Verificar e Agir, ferramenta
que implica na melhoria de todos os processos de fabricação ou de
negócios.(Qualidade n° 68)

PhD - Doctor Philosophy

Poka-Yoke - Método a Prova de Falhas, ex. a chave de carro(uso genérico)
(IMAM)

PPCP - Planejamento, Programação e Controle da Produção (IMAM)

PPM - Partes por milhão - termo usado no controle estatístico. (Qualidade n° 67)

PQGF - Prêmio de Qualidade do Governo Federal. (Qualidade n° 73)

Publicização - Movimento introdutor de um novo modelo de administração pública
baseado em alianças estratégicas entre o Estado e a sociedade. (Qualidade n° 73)

QFD - (Quality Funcion Deployment) Literalmente, Desdobramento da Função
Qualidade. Metodologia com base nas pessoas para determinar rigorosamente as
necessidades e desejos dos clientes. (GBRH96)

QS 9000 - Quality System Requirements. Norma criada pelas três maiores
empresas automobilísticas americanas: Ford, General Motors e Chrysler. Seu
objetivo é a redução de sistemas paralelos de desenvolvimento de fornecedores
pelas montadoras, com vistas a uma conseqüente redução substancial de
custos.Exige-se a melhoria contínua. (Qualidade nº 74)
Quike Step - Em português significa passo acelerado. (Qualidade n° 72)

“Rapport” - Do Francês – Relação. Relação de mútua confiança e compreensão
entre duas ou mais pessoas. A capacidade de provocar reações de outra pessoa.
Também chamado de empatia. (do livro): Introdução à Progr. Neurolingüística –
J.O Connor.

Reengenharia - Método usado para reprojetar e reformar sistematicamente toda
uma empresa, função e processo. (GBRH96)

Rotatividade - É a indicação do número de vezes que um estoque se renovou.
(Ra = Ca/Em) onde Ca é o consumo total anual e Em é a média aritmética dos 12
estoques mensais. (CAM 1/85)

Setup - Sistema de Troca rápida (IMAM)

Stakeholders - Palavra, que significa depositários. Pessoa ou grupo com
interesse na performance de organização e no meio ambiente na qual opera.
(Qualidade n° 65)

Strictu Sensu – Sentido estrito - Curso intensivo – (mestrado e doutorado), (boca
menor do funil) ver Djalma Oliveira – 2002-pag. 41.

TQC - (Total Quality Control) Literalmente, Controle da Qualidade Total. Sistema
criado em todas as fases de uma empresa de manufatura, da engenharia de
projeto à distribuição, que busca assegurar “defeito zero” na produção. (GBRH96)

TQM - Total Quality Management (Gerenciamento da Qualidade Total). Foi criado
em 1985 pela Naval Air Systems Comand para descrever o seu enfoque de
gerenciamento ao estilo japonês para o aperfeiçoamento da          qualidade.
(Qualidade n° 72)

Turnover - Palavra em inglês, que na tradução quer dizer: rotatividade;
movimentação; giro; circulação; medida da atividade empresarial relativa ao
realizável a curto prazo; vendas. (Qualidade n° 70)

Workaholic – Viciado em trabalho.

Workshop – Treinamento em grupo de acordo com a técnica dominada pelo
instrutor. Rev. Exame set/2005.

Termos, siglas, palavras estrangeiras ...

1- Benchmarking - Segundo International Benchmarking Clearinghouse (IBC), o
benchmarking é um processo sistemático e contínuo de medida e comparação das
práticas de uma organização com as das líderes mundiais, no sentido de obter
informações que a possam ajudar a melhorar o seu nível de desempenho. Ou
seja, é uma técnica de observação e adaptação das melhores práticas das
melhores empresas, que, no entanto, não deve ser confundida com a espionagem
industrial. A Rank Xerox é considerada a empresa pioneira na aplicação do
benchmarking.

2- Brainstorming - É uma técnica para reuniões de grupo que visa ajudar os
participantes a vencer as suas limitações em termos de inovação e criatividade.
Criada por Osborn em 1963, uma sessão de brainstorming pode durar desde
alguns minutos até várias horas, consoante as pessoas e a dificuldade do tema.
Em regra, as reuniões não costumam ultrapassar os 30 minutos. O brainstorming
tem quatro regras de ouro: nunca critique uma sugestão; encoraje as idéias
bizarras; prefira a quantidade à qualidade; e não respeite a propriedade
intelectual. Além de zelar para que todos os participantes (geralmente entre 6 e 12
pessoas) cumpram as regras, o líder da sessão deve manter um ambiente
relaxante e propício à geração de novas ideias.

3- Cultura Organizacional - As empresas, tal como os países, têm uma cultura
única. É, por isso, crucial que as empresas divulguem de forma explícita quais são
os valores que valorizam. Quando o fazem por escrito, o documento chama-se
declaração de missão. Para James Collins e Jeremy Porras, autores do livro Built
to Last, a razão por que algumas empresas têm sucesso a longo prazo, enquanto
outras acabam por desaparecer está na cultura organizacional. Nesta era de
incerteza tudo deve ser posto em causa, à excepção dos valores. Esses têm de
ser imutáveis.

4- Downsizing - Nos anos 80, as grandes empresas cresceram de forma
desordenada através da diversificação para novos negócios. Criaram estruturas
gigantescas para competir numa era em que a velocidade e a flexibilidade são os
dois requisitos-chave. Por isso, nos anos 90 foram forçadas a reestruturar-se, um
processo designado downsizing (um termo importado da informática). Aplicado à
gestão significa a redução radical do tamanho da empresa, geralmente através do
delayering (redução dos níveis hierárquicos) ou da venda de negócios não
estratégicos. As empresas ganham flexibilidade e perdem burocracia e ficam mais
próximas do mercado e dos clientes.

5- Empowerment - É um conceito de gestão associado ao trabalho de Rosabeth
Moss Kanter, professora em Harvard e ex-editora da Harvard Business Review.
Segundo a autora, as empresas que dão mais poder e autonomia aos seus
trabalhadores são as que estão melhor posicionadas para competir a longo prazo.
O meio empresarial parece começar a levar a sério esta recomendação. O caso
clássico da aplicação radical do empowerment é o da empresa brasileira Semco,
liderada por Ricardo Semler, o autor do livro Maverick e de um polêmico artigo
publicado na Harvard Business Review intitulado quot;Managing Without Managersquot;.

6- Equipes Autogeridas - As self management teams (equipes autogeridas) são
compostas por um pequeno número de pessoas que tem a responsabilidade por
um processo operacional e os seus resultados. Elas têm os meios para resolver
problemas relativos à execução do trabalho e gerem a divisão e o planejamento
das tarefas do grupo. Foi um conceito na moda nos anos 70, mas cujo entusiasmo
decresceu na última década, visto que os resultados da aplicação nem sempre
foram os desejados. Hoje tem novamente mais adeptos, devido à crescente
qualificação dos recursos humanos.

7- Gestão por Objetivos - Criada por Peter Drucker nos anos 50, a gestão por
objetivos (management by objectives - MBO) descreve um sistema de gestão em
que os trabalhadores e os gestores de topo definem em conjunto qual é o objetivo
final do seu trabalho, como o realizar, de que forma será avaliado e qual o tempo
necessário à concretização. É uma técnica popular em todo o mundo. Há, no
entanto, três críticas clássicas à sua aplicação: os gestores tendem a definir metas
pouco ambiciosas ou irrealistas; os objetivos raramente resultam de um processo
participativo e descentralizado; e não promove o trabalho de equipe.

8- Just-in-time - É uma técnica de gestão e controle de mercadorias que procura
minimizar o nível de stocks nos armazéns das empresas industriais. Criada em
1960 pela nipônica Toyota, foi considerada como uma das ferramentas de gestão
que mais contribuíram para o milagre industrial japonês. A idéia base é bastante
simples: cada etapa do ciclo de produção só deve solicitar novas encomendas à
etapa anterior na medida que precisar delas. Implica igualmente uma redução do
número de fornecedores. Richard Schonberger foi o primeiro autor a divulgar a
metodologia just-in-time nos Estados Unidos.

9- Lean Prodution - Engloba o conjunto de técnicas desenvolvidas nos anos 70
por fabricantes japoneses, como a Toyota e a Matsushita, para reduzir os custos
de produção e aumentar a competitividade. Foi popularizado através do estudo
sobre a indústria automóvel do MIT, designado quot;The Machine that Change the
Worldquot;, que investigou as causas associadas à superiodade dos nipônicos nos
domínios da produtividade, flexibilidade, rapidez e qualidade. O conceito de lean
prodution é baseado em quatro princípios: trabalho de equipe; comunicação; uso
eficiente de recursos e eliminação de desperdícios; e melhoria contínua (a que os
japoneses chamam kaizen).

10- Learning Organization - Criado por Chris Argyris, professor em Harvard,
designa por learning organizations (organização em constante aprendizagem) as
empresas que aprendem à medida que os seus trabalhadores vão ganhando
novos conhecimentos. O conceito é baseado na idéia de Argyris, chamada double-
loop learning (quando os erros são corrigidos através da alteração das normas
empresariais que o causaram). Em 1990, Peter Senge, professor do MIT,
popularizou o conceito através do best-seller The Fifht Discipline - The Art and
Pratice of a Learning Organization.

11- Outplacement - Os grupos empresariais têm passado por reestruturações
associadas a despedimentos maciços. Neste contexto há um novo negócio a
florescer, o outplacement. É uma técnica de gestão de recursos humanos que visa
apoiar os trabalhadores dispensados rumo à sua reinserção profissional. As
consultoras em outplacement fornecem aconselhamento financeiro e formação em
recrutamento e seleção. Há quem prefira criar centros de outplacement internos,
que prestam auxílio aos trabalhadores dispensados e aos que são recolocados em
novas funções.

12- Outsourcing - Trata-se de contratar uma entidade exterior à empresa para
executar serviços não estratégicos (que não produzem valor acrescentado para os
clientes), em vez de os produzir internamente. A grande vantagem reside na
redução de custos que tal opção implica. Talvez ainda seja mais importante o fato
de o outsourcing libertar mais tempo os executivos para se dedicarem mais às
core competence (competências estratégicas) da empresa. O conceito nasceu na
área das tecnologias de informação. Tem maior potencial de aplicação em
indústrias dinâmicas, em que as pressões para cortes nos custos são mais
intensas, nomeadamente nos grupos empresariais que pretendem seguir uma
estratégia de integração vertical das suas atividades.

13- Qualidade Total - Segundo o European Foundation for Quality Management
(EFQM) os esforços para a qualidade total (TQM - Total Quality Management) são
caracterizados pelos seguintes fatores: excelência nos processos; cultura de
melhoria contínua; criação de um melhor relacionamento com os clientes e
fornecedores; envolvimento de todos os trabalhadores; e clara orientação para o
mercado. Os melhores exemplos da aplicação da gestão da qualidade total são as
empresas japonesas, que ironicamente foram ensinadas nos anos 40 e 50 pelos
mestres americanos Deming e Juran.

14- Reengenharia - Michael Hammer, ex-professor do MIT, é considerado o pai
desta teoria inovadora e radical. Referiu-se pela primeira vez ao tema no artigo
publicado em 1990 pela Harvard Business Review. Mas a consagração só
chegaria três anos depois com o livro Reengineering the Corporation, escrito em
parceria com James Champy. Para os autores, a reengenharia significa um
redesenho radical dos processos de negócio com o objetivo de obter melhorias
drásticas em três áreas: nos custos; nos serviços; e no tempo.

15- Sinergia - Refere-se à convicção de que dois mais dois podem ser cinco. Esta
é uma não evidência que serviu para justificar as injustificáveis operações de
fusão e aquisição que caracterizaram o mundo dos negócios nos anos 80. O
conceito de sinergia, introduzido por Igor Ansoff no livro Corporate Startegy,
procura provar que duas empresas juntas valem mais do que a soma das duas
separadas. Se não existir sinergia (ou se for negativa) não valerá a pena
concretizar-se uma fusão ou aquisição. O conceito pode ser aplicado em outras
áreas, como alianças estratégicas, joint-ventures, acordos de cooperação,
relações das empresas com fornecedores ou clientes e equipes de trabalho
pluridisciplinares.

 16- Vantagem Competitiva - Michael Porter demonstrou que as empresas bem
sucedidas obedecem a padrões definidos de comportamento que podem ser
resumidas em três estratégias genéricas (as fontes de vantagem competitiva
sobre os concorrentes):
(1) Liderança baseada no fator custo - Possuir custos mais baixos do que os
rivais;
(2) Diferenciação - Criar um produto ou serviço que é visto na indústria como
único;
(3) Focalização - Combinar as duas estratégias direcionando-as para um alvo
específico.

17- Teoria X, Y e Z - Nascidas no final dos anos 50, as teorias X e Y são duas
visões opostas sobre a natureza humana e a forma de gerir a força de trabalho.
Foram criadas pelo psicólogo Douglas McGregor, do MIT. A teoria X assume que
os indivíduos não gostam de trabalhar, a menos que sejam obrigados
coercivamente a fazê-lo. A teoria Y defende que as pessoas têm auto-realização
no trabalho e que cumprem melhor as suas tarefas se não forem vigiadas por
terceiros. A teoria Z, de William Ouchi, é uma variante da teoria Y. Defende que os
trabalhadores têm um grau de envolvimento similar ao dos gestores quando existe
um sistema de recompensas e incentivos eficaz.

18 - CEO e outras siglas de cargos clique aqui.

Itens de 1 a 18 foram uma contribuição do Prof. Luciano Rodrigues.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2018 10 26_mudanca_caordica
2018 10 26_mudanca_caordica2018 10 26_mudanca_caordica
2018 10 26_mudanca_caordica
Carlos Sousa
 
2017 07 29_qualidade_projetos_processos
2017 07 29_qualidade_projetos_processos2017 07 29_qualidade_projetos_processos
2017 07 29_qualidade_projetos_processos
Carlos Sousa
 
Ferramentas de Gestão
Ferramentas de GestãoFerramentas de Gestão
Ferramentas de Gestão
Adeildo Caboclo
 
Revista Silk Screen
Revista Silk ScreenRevista Silk Screen
Trabalho gestao camila
Trabalho gestao camilaTrabalho gestao camila
Trabalho gestao camila
LuceliaRibeiro
 
Slides padrao senac gestao estrategica aula
Slides padrao senac gestao estrategica aulaSlides padrao senac gestao estrategica aula
Slides padrao senac gestao estrategica aula
vivianecalmeida
 
ISO 10015 - Treinamento e Desenvolvimento - Qualidade
ISO 10015 - Treinamento e Desenvolvimento - QualidadeISO 10015 - Treinamento e Desenvolvimento - Qualidade
ISO 10015 - Treinamento e Desenvolvimento - Qualidade
gomesmpb
 
Encontro 1 mba gp t01.10 gestão estratégica de rh
Encontro 1 mba gp t01.10   gestão estratégica de rhEncontro 1 mba gp t01.10   gestão estratégica de rh
Encontro 1 mba gp t01.10 gestão estratégica de rh
Angelo Peres
 
Cursos - Gemba Consulting
Cursos - Gemba ConsultingCursos - Gemba Consulting
Cursos - Gemba Consulting
Kaizen Institute
 
Ferramentas de gestao
Ferramentas de gestaoFerramentas de gestao
Ferramentas de gestao
Sergio Mendonça
 
Aula 11 tópicos avançados em adm 2012.1
Aula 11   tópicos avançados em adm 2012.1Aula 11   tópicos avançados em adm 2012.1
Aula 11 tópicos avançados em adm 2012.1
Angelo Peres
 
NORMA ISO 10015 - DIRETRIZES PARA TREINAMENTO
NORMA ISO 10015 - DIRETRIZES PARA TREINAMENTONORMA ISO 10015 - DIRETRIZES PARA TREINAMENTO
NORMA ISO 10015 - DIRETRIZES PARA TREINAMENTO
Sebastião Guimarães
 
Planejamento Estrategico
Planejamento EstrategicoPlanejamento Estrategico
Planejamento Estrategico
Reginaldo Dal`Bó
 
Execução: A disciplina para atingir resultados
Execução: A disciplina para atingir resultadosExecução: A disciplina para atingir resultados
Execução: A disciplina para atingir resultados
Thiago Reis
 
Apostila ntg 2011_2_geral
Apostila ntg 2011_2_geralApostila ntg 2011_2_geral
Apostila ntg 2011_2_geral
Carlos Alberto Tito
 
Pré projeto Integrador I
Pré  projeto Integrador IPré  projeto Integrador I
Pré projeto Integrador I
Edimilson Teixeira
 
A educação a distância e a Norma ISO 10015
A educação a distância e a Norma ISO 10015A educação a distância e a Norma ISO 10015
A educação a distância e a Norma ISO 10015
Sebastião Guimarães
 
balanced scorecard_kaplan
balanced scorecard_kaplanbalanced scorecard_kaplan
balanced scorecard_kaplan
Asmaa Ahmad
 
Aula 11 2014.1 ucam - adm rh - intelecto humano em graficos
Aula 11   2014.1 ucam - adm rh - intelecto humano em graficosAula 11   2014.1 ucam - adm rh - intelecto humano em graficos
Aula 11 2014.1 ucam - adm rh - intelecto humano em graficos
Angelo Peres
 
Como fidelizar clientes através do Planejamento estratégico
Como fidelizar clientes através do Planejamento estratégicoComo fidelizar clientes através do Planejamento estratégico
Como fidelizar clientes através do Planejamento estratégico
Amory Serviços Ltda.
 

Mais procurados (20)

2018 10 26_mudanca_caordica
2018 10 26_mudanca_caordica2018 10 26_mudanca_caordica
2018 10 26_mudanca_caordica
 
2017 07 29_qualidade_projetos_processos
2017 07 29_qualidade_projetos_processos2017 07 29_qualidade_projetos_processos
2017 07 29_qualidade_projetos_processos
 
Ferramentas de Gestão
Ferramentas de GestãoFerramentas de Gestão
Ferramentas de Gestão
 
Revista Silk Screen
Revista Silk ScreenRevista Silk Screen
Revista Silk Screen
 
Trabalho gestao camila
Trabalho gestao camilaTrabalho gestao camila
Trabalho gestao camila
 
Slides padrao senac gestao estrategica aula
Slides padrao senac gestao estrategica aulaSlides padrao senac gestao estrategica aula
Slides padrao senac gestao estrategica aula
 
ISO 10015 - Treinamento e Desenvolvimento - Qualidade
ISO 10015 - Treinamento e Desenvolvimento - QualidadeISO 10015 - Treinamento e Desenvolvimento - Qualidade
ISO 10015 - Treinamento e Desenvolvimento - Qualidade
 
Encontro 1 mba gp t01.10 gestão estratégica de rh
Encontro 1 mba gp t01.10   gestão estratégica de rhEncontro 1 mba gp t01.10   gestão estratégica de rh
Encontro 1 mba gp t01.10 gestão estratégica de rh
 
Cursos - Gemba Consulting
Cursos - Gemba ConsultingCursos - Gemba Consulting
Cursos - Gemba Consulting
 
Ferramentas de gestao
Ferramentas de gestaoFerramentas de gestao
Ferramentas de gestao
 
Aula 11 tópicos avançados em adm 2012.1
Aula 11   tópicos avançados em adm 2012.1Aula 11   tópicos avançados em adm 2012.1
Aula 11 tópicos avançados em adm 2012.1
 
NORMA ISO 10015 - DIRETRIZES PARA TREINAMENTO
NORMA ISO 10015 - DIRETRIZES PARA TREINAMENTONORMA ISO 10015 - DIRETRIZES PARA TREINAMENTO
NORMA ISO 10015 - DIRETRIZES PARA TREINAMENTO
 
Planejamento Estrategico
Planejamento EstrategicoPlanejamento Estrategico
Planejamento Estrategico
 
Execução: A disciplina para atingir resultados
Execução: A disciplina para atingir resultadosExecução: A disciplina para atingir resultados
Execução: A disciplina para atingir resultados
 
Apostila ntg 2011_2_geral
Apostila ntg 2011_2_geralApostila ntg 2011_2_geral
Apostila ntg 2011_2_geral
 
Pré projeto Integrador I
Pré  projeto Integrador IPré  projeto Integrador I
Pré projeto Integrador I
 
A educação a distância e a Norma ISO 10015
A educação a distância e a Norma ISO 10015A educação a distância e a Norma ISO 10015
A educação a distância e a Norma ISO 10015
 
balanced scorecard_kaplan
balanced scorecard_kaplanbalanced scorecard_kaplan
balanced scorecard_kaplan
 
Aula 11 2014.1 ucam - adm rh - intelecto humano em graficos
Aula 11   2014.1 ucam - adm rh - intelecto humano em graficosAula 11   2014.1 ucam - adm rh - intelecto humano em graficos
Aula 11 2014.1 ucam - adm rh - intelecto humano em graficos
 
Como fidelizar clientes através do Planejamento estratégico
Como fidelizar clientes através do Planejamento estratégicoComo fidelizar clientes através do Planejamento estratégico
Como fidelizar clientes através do Planejamento estratégico
 

Semelhante a Dicionário de RH

Dicionário de termos técnico da administração
Dicionário de termos técnico da administraçãoDicionário de termos técnico da administração
Dicionário de termos técnico da administração
Iron Milhomem
 
Tecnologias de gestão paulo rogério de oliveira
Tecnologias de gestão   paulo rogério de oliveiraTecnologias de gestão   paulo rogério de oliveira
Tecnologias de gestão paulo rogério de oliveira
Cisco Kunsagi
 
1-Introdução a Administração.pptx
1-Introdução a Administração.pptx1-Introdução a Administração.pptx
1-Introdução a Administração.pptx
andrikazi
 
Apresentação Planejamento
Apresentação PlanejamentoApresentação Planejamento
Apresentação Planejamento
Ricardo Castro
 
Silide de gestao organizacional atualizado.ppt
Silide de gestao organizacional atualizado.pptSilide de gestao organizacional atualizado.ppt
Silide de gestao organizacional atualizado.ppt
BrunoGonalves9235
 
APRESENTAÇÃO IBC
APRESENTAÇÃO IBCAPRESENTAÇÃO IBC
APRESENTAÇÃO IBC
Lauro Volaco
 
Gestão por Processos
Gestão por ProcessosGestão por Processos
Gestão por Processos
Wandick Rocha de Aquino
 
Um Nova Gestão de Negócios para uma Nova Economia
Um Nova Gestão de Negócios para uma Nova EconomiaUm Nova Gestão de Negócios para uma Nova Economia
Um Nova Gestão de Negócios para uma Nova Economia
Luiz C. Parzianello
 
Apresentação ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS
Apresentação ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESASApresentação ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS
Apresentação ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS
Wesley Pacheco
 
Pronatec vendedor - mkt#3
Pronatec   vendedor - mkt#3Pronatec   vendedor - mkt#3
Pronatec vendedor - mkt#3
Andrea Fiuza
 
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
Valéria Braga
 
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
Taluana Maron
 
O Pensamento Lean-Agile nos Negócios do Século XXI
O Pensamento Lean-Agile nos Negócios do Século XXIO Pensamento Lean-Agile nos Negócios do Século XXI
O Pensamento Lean-Agile nos Negócios do Século XXI
Luiz C. Parzianello
 
Novas Abordagens em ADM
Novas Abordagens em ADMNovas Abordagens em ADM
Novas Abordagens em ADM
admetz01
 
Projeto de formação de gestores e líderes por competência
Projeto de formação de gestores e líderes por competênciaProjeto de formação de gestores e líderes por competência
Projeto de formação de gestores e líderes por competência
Ana Paula Wolf Bender
 
Apresentação gestão de recursos humanos - Marisa Fonseca y José Tiago, DW Deb...
Apresentação gestão de recursos humanos - Marisa Fonseca y José Tiago, DW Deb...Apresentação gestão de recursos humanos - Marisa Fonseca y José Tiago, DW Deb...
Apresentação gestão de recursos humanos - Marisa Fonseca y José Tiago, DW Deb...
Development Workshop Angola
 
Metodologia Ágil
Metodologia ÁgilMetodologia Ágil
Metodologia Ágil
Alex Vieira, MBA
 
Os desafios de desenvolver uma cultura ágil: eficácia, eficiência e economia
 Os desafios de desenvolver uma cultura ágil: eficácia, eficiência e economia Os desafios de desenvolver uma cultura ágil: eficácia, eficiência e economia
Os desafios de desenvolver uma cultura ágil: eficácia, eficiência e economia
Raphael Donaire Albino
 
GestãO Do Conhecimento Gc Palestra Ram
GestãO Do Conhecimento   Gc    Palestra RamGestãO Do Conhecimento   Gc    Palestra Ram
GestãO Do Conhecimento Gc Palestra Ram
Ramon Armesto Mondelo
 
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanos
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanosSubsistema de desenvolvimento de recursos humanos
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanos
Universidade Pedagogica
 

Semelhante a Dicionário de RH (20)

Dicionário de termos técnico da administração
Dicionário de termos técnico da administraçãoDicionário de termos técnico da administração
Dicionário de termos técnico da administração
 
Tecnologias de gestão paulo rogério de oliveira
Tecnologias de gestão   paulo rogério de oliveiraTecnologias de gestão   paulo rogério de oliveira
Tecnologias de gestão paulo rogério de oliveira
 
1-Introdução a Administração.pptx
1-Introdução a Administração.pptx1-Introdução a Administração.pptx
1-Introdução a Administração.pptx
 
Apresentação Planejamento
Apresentação PlanejamentoApresentação Planejamento
Apresentação Planejamento
 
Silide de gestao organizacional atualizado.ppt
Silide de gestao organizacional atualizado.pptSilide de gestao organizacional atualizado.ppt
Silide de gestao organizacional atualizado.ppt
 
APRESENTAÇÃO IBC
APRESENTAÇÃO IBCAPRESENTAÇÃO IBC
APRESENTAÇÃO IBC
 
Gestão por Processos
Gestão por ProcessosGestão por Processos
Gestão por Processos
 
Um Nova Gestão de Negócios para uma Nova Economia
Um Nova Gestão de Negócios para uma Nova EconomiaUm Nova Gestão de Negócios para uma Nova Economia
Um Nova Gestão de Negócios para uma Nova Economia
 
Apresentação ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS
Apresentação ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESASApresentação ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS
Apresentação ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS
 
Pronatec vendedor - mkt#3
Pronatec   vendedor - mkt#3Pronatec   vendedor - mkt#3
Pronatec vendedor - mkt#3
 
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
 
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
03+aula+rh+treinamento+e+desenvolvimento+pessoal
 
O Pensamento Lean-Agile nos Negócios do Século XXI
O Pensamento Lean-Agile nos Negócios do Século XXIO Pensamento Lean-Agile nos Negócios do Século XXI
O Pensamento Lean-Agile nos Negócios do Século XXI
 
Novas Abordagens em ADM
Novas Abordagens em ADMNovas Abordagens em ADM
Novas Abordagens em ADM
 
Projeto de formação de gestores e líderes por competência
Projeto de formação de gestores e líderes por competênciaProjeto de formação de gestores e líderes por competência
Projeto de formação de gestores e líderes por competência
 
Apresentação gestão de recursos humanos - Marisa Fonseca y José Tiago, DW Deb...
Apresentação gestão de recursos humanos - Marisa Fonseca y José Tiago, DW Deb...Apresentação gestão de recursos humanos - Marisa Fonseca y José Tiago, DW Deb...
Apresentação gestão de recursos humanos - Marisa Fonseca y José Tiago, DW Deb...
 
Metodologia Ágil
Metodologia ÁgilMetodologia Ágil
Metodologia Ágil
 
Os desafios de desenvolver uma cultura ágil: eficácia, eficiência e economia
 Os desafios de desenvolver uma cultura ágil: eficácia, eficiência e economia Os desafios de desenvolver uma cultura ágil: eficácia, eficiência e economia
Os desafios de desenvolver uma cultura ágil: eficácia, eficiência e economia
 
GestãO Do Conhecimento Gc Palestra Ram
GestãO Do Conhecimento   Gc    Palestra RamGestãO Do Conhecimento   Gc    Palestra Ram
GestãO Do Conhecimento Gc Palestra Ram
 
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanos
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanosSubsistema de desenvolvimento de recursos humanos
Subsistema de desenvolvimento de recursos humanos
 

Mais de Inge Christmann

Pela Paz No Mundo
Pela Paz No MundoPela Paz No Mundo
Pela Paz No Mundo
Inge Christmann
 
Uma Palmada Bem Dada Cecília Meireles
Uma Palmada Bem Dada Cecília MeirelesUma Palmada Bem Dada Cecília Meireles
Uma Palmada Bem Dada Cecília Meireles
Inge Christmann
 
Sanchez Sanchez, E
Sanchez Sanchez, ESanchez Sanchez, E
Sanchez Sanchez, E
Inge Christmann
 
O Fator Deus
O Fator DeusO Fator Deus
O Fator Deus
Inge Christmann
 
Mircea Eliade Ocultismo Bruxaria E Correntes Culturais
Mircea Eliade   Ocultismo Bruxaria E Correntes CulturaisMircea Eliade   Ocultismo Bruxaria E Correntes Culturais
Mircea Eliade Ocultismo Bruxaria E Correntes Culturais
Inge Christmann
 
Mircea Eliade A Prova Do Labirinto
Mircea Eliade   A Prova Do LabirintoMircea Eliade   A Prova Do Labirinto
Mircea Eliade A Prova Do Labirinto
Inge Christmann
 
Lei Da Atraçao O Segredo
Lei Da Atraçao   O SegredoLei Da Atraçao   O Segredo
Lei Da Atraçao O Segredo
Inge Christmann
 
Apostila De Jogos Cooperativos
Apostila De Jogos CooperativosApostila De Jogos Cooperativos
Apostila De Jogos Cooperativos
Inge Christmann
 
Curso Completo De Raciocínio Lógico Prof
Curso Completo De Raciocínio Lógico   ProfCurso Completo De Raciocínio Lógico   Prof
Curso Completo De Raciocínio Lógico Prof
Inge Christmann
 
Um Abracinho
Um AbracinhoUm Abracinho
Um Abracinho
Inge Christmann
 
Jogos Cooperativos
Jogos CooperativosJogos Cooperativos
Jogos Cooperativos
Inge Christmann
 
Apostila Curso Montagem E Manutenção De Micros
Apostila Curso Montagem E Manutenção De MicrosApostila Curso Montagem E Manutenção De Micros
Apostila Curso Montagem E Manutenção De Micros
Inge Christmann
 
Jogos Cooperativos 02
Jogos Cooperativos 02Jogos Cooperativos 02
Jogos Cooperativos 02
Inge Christmann
 
Era Uma Vez Um Homenzinho Estranho
Era Uma Vez Um Homenzinho EstranhoEra Uma Vez Um Homenzinho Estranho
Era Uma Vez Um Homenzinho Estranho
Inge Christmann
 
Inferências
InferênciasInferências
Inferências
Inge Christmann
 
Simplicidade
SimplicidadeSimplicidade
Simplicidade
Inge Christmann
 
Reviseosseus Conceitos
Reviseosseus ConceitosReviseosseus Conceitos
Reviseosseus Conceitos
Inge Christmann
 
Reflexos Do Tempo
Reflexos Do TempoReflexos Do Tempo
Reflexos Do Tempo
Inge Christmann
 
O Pampa Em Agonia
O Pampa Em AgoniaO Pampa Em Agonia
O Pampa Em Agonia
Inge Christmann
 
My Way
My WayMy Way

Mais de Inge Christmann (20)

Pela Paz No Mundo
Pela Paz No MundoPela Paz No Mundo
Pela Paz No Mundo
 
Uma Palmada Bem Dada Cecília Meireles
Uma Palmada Bem Dada Cecília MeirelesUma Palmada Bem Dada Cecília Meireles
Uma Palmada Bem Dada Cecília Meireles
 
Sanchez Sanchez, E
Sanchez Sanchez, ESanchez Sanchez, E
Sanchez Sanchez, E
 
O Fator Deus
O Fator DeusO Fator Deus
O Fator Deus
 
Mircea Eliade Ocultismo Bruxaria E Correntes Culturais
Mircea Eliade   Ocultismo Bruxaria E Correntes CulturaisMircea Eliade   Ocultismo Bruxaria E Correntes Culturais
Mircea Eliade Ocultismo Bruxaria E Correntes Culturais
 
Mircea Eliade A Prova Do Labirinto
Mircea Eliade   A Prova Do LabirintoMircea Eliade   A Prova Do Labirinto
Mircea Eliade A Prova Do Labirinto
 
Lei Da Atraçao O Segredo
Lei Da Atraçao   O SegredoLei Da Atraçao   O Segredo
Lei Da Atraçao O Segredo
 
Apostila De Jogos Cooperativos
Apostila De Jogos CooperativosApostila De Jogos Cooperativos
Apostila De Jogos Cooperativos
 
Curso Completo De Raciocínio Lógico Prof
Curso Completo De Raciocínio Lógico   ProfCurso Completo De Raciocínio Lógico   Prof
Curso Completo De Raciocínio Lógico Prof
 
Um Abracinho
Um AbracinhoUm Abracinho
Um Abracinho
 
Jogos Cooperativos
Jogos CooperativosJogos Cooperativos
Jogos Cooperativos
 
Apostila Curso Montagem E Manutenção De Micros
Apostila Curso Montagem E Manutenção De MicrosApostila Curso Montagem E Manutenção De Micros
Apostila Curso Montagem E Manutenção De Micros
 
Jogos Cooperativos 02
Jogos Cooperativos 02Jogos Cooperativos 02
Jogos Cooperativos 02
 
Era Uma Vez Um Homenzinho Estranho
Era Uma Vez Um Homenzinho EstranhoEra Uma Vez Um Homenzinho Estranho
Era Uma Vez Um Homenzinho Estranho
 
Inferências
InferênciasInferências
Inferências
 
Simplicidade
SimplicidadeSimplicidade
Simplicidade
 
Reviseosseus Conceitos
Reviseosseus ConceitosReviseosseus Conceitos
Reviseosseus Conceitos
 
Reflexos Do Tempo
Reflexos Do TempoReflexos Do Tempo
Reflexos Do Tempo
 
O Pampa Em Agonia
O Pampa Em AgoniaO Pampa Em Agonia
O Pampa Em Agonia
 
My Way
My WayMy Way
My Way
 

Dicionário de RH

  • 1. DICIONÁRIO DE RH Termos, siglas, palavras estrangeiras ... 5S - Senso de simplificação, organização, limpeza, conservação e participação. ASAP - as soon as possible, o quanto antes, assim que possível assunto ou problema, sem censura, com alguém estimulando a todos e anotando tudo falado. BTB ou B2B - Business-to-Business ou comércio eletrônico entre empresas. BTC ou B2C - Business-to-Consumer ou comércio eletrônico de empresa para o consumidor. B2E - Business-to-employee - relação entre empresa e funcionário. Budgets - orçamento. Business Intelligence - conjunto de softwares que ajudam em decisões estratégicas. CEP - Controle Estatístico do Processo. CKO - executivo responsável pela gestão do conhecimento. Coach - facilitador; instrutor; entidade (pessoa, equipe, departamento, empresa, etc.) que atue como agregador das capacidades de cada elemento da cadeia (equipe, departamento, empresa, etc.). Core Business - relativo ao próprio negócio ou especialidade no negócio que faz. CRM - Customer Relationship Management ou marketing one-to-onequot;. Downsizing - reduzir, encolher, diminuir, cortar. Empowerment - dar poder ao grupo/equipe. ERP - Enterprise Resource Planning ou Planejamento dos Recursos do Negócio. E-Procurement - a utilização da internet para a automatização dos processos de compra e gestão de bens e serviços necessários à atividade da empresa. Housekeeping - técnica para iniciar e manter os processos de Qualidade e Produtividade Total em uma empresa. Internet - é a maior rede mundial de computadores, aberta a todos. Intranet - são as páginas acessíveis apenas dentro de uma empresa. Extranet - são páginas que ligam a empresa a seus clientes e fornecedores. Just-in-Time ou JIT - é atender ao cliente interno ou externo no momento exato de sua necessidade, com as quantidades necessárias para a operação/produção. Kaizen - processo de melhorias contínuas, com bom senso e baixos investimentos. Networking - rede de relacionamentos. On the job - No dia a dia do Trabalho. Exemplo Treinamentos on the job. Utilizar a rotina, dentro das tarefas prática de um indivíduo. Sem retirá-lo para a sala de autla. Como um estágio prático superviosanado diretamente. Política de Portas Abertas - uma oportunidade oficial que a organização dá ao funcionário de apelar aos executivos da empresa quando se sentir prejudicado pela chefia imediata. QS - quociente de sucesso Stock options - Programa de Ações - um incentivo que permite aos funcionários comprar ações da empresa onde trabalham por um preço abaixo do mercado. Sabático - repensar, redescobrir, reciclar. Supply Chain Management - Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento. Team Building - dinâmica de grupo em área externa, onde os participantes serão expostos a várias tarefas físicas desafiadoras, que são exemplos comparativos dos problemas do dia-a-dia da empresa. Tem como finalidade
  • 2. tornar uma equipe integrada. CEO e outras siglas de cargos clique aqui. OUTRAS DEFINIÇÕES GLOSSÁRIO Elaborado por : Deolindo Zocateli. Prof° da FTC-Feira deSantana. Absenteísmo - Do francês absentéisme, derivado do inglês absenteeism, de absentee, ou pessoa que falta ao trabalho, à escola etc. Que vive ou está, via de regra, ausente. (Qualidade n° 68) Adhocracia – Organizações ágeis, organizações complexas e flexíveis. (ad hoc = “aqui agora”). Behaviorismo - procedimento, (comportamento), (teoria comportamental) Benchmarking - (marcos referenciais) - Processo sistemático usado para estabelecer metas para melhorias no processo, nas funções, nos produtos etc., comparando uma empresa com outras. As medidas de benchmark derivam , em geral, de outras empresas que apresentam o desempenho “Melhor da classe”, não sendo necessariamente concorrentes. (Qualidade n° 74) BPF - Boas Práticas de Fabricação (Qualidade nº 74) Brainstorming - Procedimento utilizado para auxiliar um grupo a criar o máximo de idéias no menor tempo possível. (Qualidade n° 72) Break-even Point - É o nível de produção ou nível de volume de vendas a partir do qual o empreendimento ou negócio se torna rentável. Qualquer valor abaixo do Ponto de Equilíbrio significa prejuízo. (CAM 1/85) BSC – Balanced Scorecard - Sistema de medição do desempenho e controle gerencial. MM&A CEO – Chief Executiver Officer – Diretor Superintendente da Empresa – Controller - (Marcone) - Exame 15/05/02. pág. 125 CEP - Controle Estatístico de Processo. Metodologia usada para o controle de dados de forma estatística para o aprimoramento contínuo da qualidade.(Qualidade n° 67) CIF – Cost Insurance Freight – Custo seguro frete, empregadas para designar o sistema de pagamento para mercadorias embarcadas quando os custos do seguro e do frete estão incluídos no preço. (Dicionário de Economia – Sandroni) Cinco S (5s) - Programa de gerenciamento participativo que objetiva criar condi- ções de trabalho adequadas a todas as pessoas em todos os níveis hierárquicos
  • 3. da organização. A sigla 5S deriva das iniciais de cinco palavras japonesas: SEIRI, senso de utilização; SEITON, senso de ordenação; SEISO, senso de limpeza; SEIKETSU, senso de saúde; e SHITSUKE, senso de autodisciplina. (Qualaidade n° 72) CGMP - Current Good Manufacturing Practice - Trata das Boas e Atuais Práticas de fabricação de produtos voltados para as áreas de saúde humana e animal.( Qualidade n° 74) Coach – Professor, treinador Coaching – Treinamento, “desenvolvimento” Sessões de aconselhamento feitas por um consultor de carreira que acompanha e se envolve no desenvolvimento contínuo do profissional. Rev. Exame set/2005. Cobertura Média - (CM) É a indicação de quantas vezes o estoque se renovou durante o período (n) (CAM 1/85) CM = 12/Cr ou sejam os 12 meses do ano divididos pelo coeficiente de rotação. Coeficiente de Rotação - É a relação entre as retiradas de um estoque e o seu próprio estoque médio: Cr = saídas/estoque médio.(CAM 1/85) Cognição – Ato ou ação de conhecer, aquisição de um conhecimento. (Larusse) Comitê Draft - Comitê de Planejamento. (Qualidade n° 67) Continuous Improvement - (melhoria contínua) Componente essencial no just-in- Time e na Qualidade Total que reflete uma determinação inabalável para eliminar as causas dos problemas. É o oposto da mentalidade de “apagar incêndios”. (GBRH96) Disruptiva – Empresas insurgentes, entrantes “processo de entrar no mercado por baixo”Revista Linha Direta – Ano 8 n° 88 julho 2005. Downsizing - Redução dos níveis hierárquicos em uma organização com o objetivo de aproximar os níveis operacionais da alta direção. (GBRH96) E-learning – Abreviação de eletronic learning, treinamento em rede de computadores, Revista Linha Direta, Ano 8 n° 88 julho 2005. Empowerment - Estabelecimento de autonomia e responsabilidade às pessoas na tomada de decisões e ações. (GBRH96) Endomarketing - Marketing interno realizado por meio de um conjunto de ações desenvolvidas para conscientizar, informar e motivar o indivíduo. (GBRH96)
  • 4. Epistemologia – Estudo crítico dos princípios, hipóteses e resultados das ciências já constituídas; teoria das ciências. (mini Aurélio) “teoria do conhecimento” FMEA - Análise do modo de falha e efeito (IMAM) FOB – Free on board – livre a bordo – Denominação da cláusula de contrato segundo a qual o frete não está incluído no custo da mercadoria. (Dicionário de Economia – Sandroni) Housekeeping - Termo designado para um processo que visa a manutenção da ordem, limpeza, organização e segurança nas empresas. (GBRH96) Holística - Vem do grego Halos, que significa todo ou inteiro. É um novo paradigma que se apresenta como resposta evolutiva à crise de fragmentação vivida pelo homem na atualidade, quer pela criação e divisão de fronteiras que só existem na mente humana. (Qualidade n° 74 ) IS0- Sigla da International Organization for Standardization. (Qualidade n° 67) Job rotation – Rodízio de funções promovido pela empresa. Rev. Exame set/2005. Joint venture - Associação de empresas, não definitiva, para explorar determinado negócio, sem que nenhuma delas perca sua personalidade jurídica. (Qualidade n° 65) Just-in-time - Metodologia com base nas pessoas, cuja filosofia é eliminar tudo aquilo que não adiciona valor ao produto. O objetivo é fornecer exatamente as peças necessárias, nas quantidades necessárias, no tempo necessário. (GBRH96) Kanban -Sistema de Controle da Produção e dos Inventários (IMAM) Kaizen - Conceito de administração japonesa que significa aprimoramento contínuo, envolvendo todos os funcionários de uma organização. (GBRH96) Lato Sensu – Em sentido amplo - Curso extensivo – (Extensão, especialização e aperfeiçoamento) (boca maior do funil). Ver Djalma Oliveira 2002-pag. 41 Market Share - Participação no Mercado. (Qualidade n° 67) MBA – Master Business Administration Menemônica – Processo de ajudar ou treinar a memória
  • 5. Mentoring – profissional mais velho, com experiência e habilidade de relacionamento, que acompanha e passa para o mais novo suas idéias sobre o trabalho e a carreira. Ver. Exame set/2005. Óbice - Palavra derivada do Latim, significa impedimento, embaraço, empecilho, obstáculo ou estorvo. (Qualidade n° 74) Ombudsman – Palavra de origem sueca que significa “o homem que representa os interesses” ouvidor, profissional que tem como missão intermediar a comunicação entre o público e a empresa.(A TARDE 12/05/02)-empregos. Ver também, Djalma Oliveira 2002-pag. 93 Outplacement - Investimento de uma empresa na recolocação de ex-funcionário em outra organização. (GBRH96) Outsourcing - (terceirização) Tendência de comprar fora (de terceiros) tudo o que não fizer parte do negócio principal de uma empresa. (GBRH96) PCPM - Planejamento e Controle da Produção e de Materiais(IMAM) PDCA - Plan, Do, Check e Act, ou Planejar, Executar, Verificar e Agir, ferramenta que implica na melhoria de todos os processos de fabricação ou de negócios.(Qualidade n° 68) PhD - Doctor Philosophy Poka-Yoke - Método a Prova de Falhas, ex. a chave de carro(uso genérico) (IMAM) PPCP - Planejamento, Programação e Controle da Produção (IMAM) PPM - Partes por milhão - termo usado no controle estatístico. (Qualidade n° 67) PQGF - Prêmio de Qualidade do Governo Federal. (Qualidade n° 73) Publicização - Movimento introdutor de um novo modelo de administração pública baseado em alianças estratégicas entre o Estado e a sociedade. (Qualidade n° 73) QFD - (Quality Funcion Deployment) Literalmente, Desdobramento da Função Qualidade. Metodologia com base nas pessoas para determinar rigorosamente as necessidades e desejos dos clientes. (GBRH96) QS 9000 - Quality System Requirements. Norma criada pelas três maiores empresas automobilísticas americanas: Ford, General Motors e Chrysler. Seu objetivo é a redução de sistemas paralelos de desenvolvimento de fornecedores pelas montadoras, com vistas a uma conseqüente redução substancial de custos.Exige-se a melhoria contínua. (Qualidade nº 74)
  • 6. Quike Step - Em português significa passo acelerado. (Qualidade n° 72) “Rapport” - Do Francês – Relação. Relação de mútua confiança e compreensão entre duas ou mais pessoas. A capacidade de provocar reações de outra pessoa. Também chamado de empatia. (do livro): Introdução à Progr. Neurolingüística – J.O Connor. Reengenharia - Método usado para reprojetar e reformar sistematicamente toda uma empresa, função e processo. (GBRH96) Rotatividade - É a indicação do número de vezes que um estoque se renovou. (Ra = Ca/Em) onde Ca é o consumo total anual e Em é a média aritmética dos 12 estoques mensais. (CAM 1/85) Setup - Sistema de Troca rápida (IMAM) Stakeholders - Palavra, que significa depositários. Pessoa ou grupo com interesse na performance de organização e no meio ambiente na qual opera. (Qualidade n° 65) Strictu Sensu – Sentido estrito - Curso intensivo – (mestrado e doutorado), (boca menor do funil) ver Djalma Oliveira – 2002-pag. 41. TQC - (Total Quality Control) Literalmente, Controle da Qualidade Total. Sistema criado em todas as fases de uma empresa de manufatura, da engenharia de projeto à distribuição, que busca assegurar “defeito zero” na produção. (GBRH96) TQM - Total Quality Management (Gerenciamento da Qualidade Total). Foi criado em 1985 pela Naval Air Systems Comand para descrever o seu enfoque de gerenciamento ao estilo japonês para o aperfeiçoamento da qualidade. (Qualidade n° 72) Turnover - Palavra em inglês, que na tradução quer dizer: rotatividade; movimentação; giro; circulação; medida da atividade empresarial relativa ao realizável a curto prazo; vendas. (Qualidade n° 70) Workaholic – Viciado em trabalho. Workshop – Treinamento em grupo de acordo com a técnica dominada pelo instrutor. Rev. Exame set/2005. Termos, siglas, palavras estrangeiras ... 1- Benchmarking - Segundo International Benchmarking Clearinghouse (IBC), o benchmarking é um processo sistemático e contínuo de medida e comparação das práticas de uma organização com as das líderes mundiais, no sentido de obter informações que a possam ajudar a melhorar o seu nível de desempenho. Ou seja, é uma técnica de observação e adaptação das melhores práticas das
  • 7. melhores empresas, que, no entanto, não deve ser confundida com a espionagem industrial. A Rank Xerox é considerada a empresa pioneira na aplicação do benchmarking. 2- Brainstorming - É uma técnica para reuniões de grupo que visa ajudar os participantes a vencer as suas limitações em termos de inovação e criatividade. Criada por Osborn em 1963, uma sessão de brainstorming pode durar desde alguns minutos até várias horas, consoante as pessoas e a dificuldade do tema. Em regra, as reuniões não costumam ultrapassar os 30 minutos. O brainstorming tem quatro regras de ouro: nunca critique uma sugestão; encoraje as idéias bizarras; prefira a quantidade à qualidade; e não respeite a propriedade intelectual. Além de zelar para que todos os participantes (geralmente entre 6 e 12 pessoas) cumpram as regras, o líder da sessão deve manter um ambiente relaxante e propício à geração de novas ideias. 3- Cultura Organizacional - As empresas, tal como os países, têm uma cultura única. É, por isso, crucial que as empresas divulguem de forma explícita quais são os valores que valorizam. Quando o fazem por escrito, o documento chama-se declaração de missão. Para James Collins e Jeremy Porras, autores do livro Built to Last, a razão por que algumas empresas têm sucesso a longo prazo, enquanto outras acabam por desaparecer está na cultura organizacional. Nesta era de incerteza tudo deve ser posto em causa, à excepção dos valores. Esses têm de ser imutáveis. 4- Downsizing - Nos anos 80, as grandes empresas cresceram de forma desordenada através da diversificação para novos negócios. Criaram estruturas gigantescas para competir numa era em que a velocidade e a flexibilidade são os dois requisitos-chave. Por isso, nos anos 90 foram forçadas a reestruturar-se, um processo designado downsizing (um termo importado da informática). Aplicado à gestão significa a redução radical do tamanho da empresa, geralmente através do delayering (redução dos níveis hierárquicos) ou da venda de negócios não estratégicos. As empresas ganham flexibilidade e perdem burocracia e ficam mais próximas do mercado e dos clientes. 5- Empowerment - É um conceito de gestão associado ao trabalho de Rosabeth Moss Kanter, professora em Harvard e ex-editora da Harvard Business Review. Segundo a autora, as empresas que dão mais poder e autonomia aos seus trabalhadores são as que estão melhor posicionadas para competir a longo prazo. O meio empresarial parece começar a levar a sério esta recomendação. O caso clássico da aplicação radical do empowerment é o da empresa brasileira Semco, liderada por Ricardo Semler, o autor do livro Maverick e de um polêmico artigo publicado na Harvard Business Review intitulado quot;Managing Without Managersquot;. 6- Equipes Autogeridas - As self management teams (equipes autogeridas) são compostas por um pequeno número de pessoas que tem a responsabilidade por um processo operacional e os seus resultados. Elas têm os meios para resolver problemas relativos à execução do trabalho e gerem a divisão e o planejamento das tarefas do grupo. Foi um conceito na moda nos anos 70, mas cujo entusiasmo
  • 8. decresceu na última década, visto que os resultados da aplicação nem sempre foram os desejados. Hoje tem novamente mais adeptos, devido à crescente qualificação dos recursos humanos. 7- Gestão por Objetivos - Criada por Peter Drucker nos anos 50, a gestão por objetivos (management by objectives - MBO) descreve um sistema de gestão em que os trabalhadores e os gestores de topo definem em conjunto qual é o objetivo final do seu trabalho, como o realizar, de que forma será avaliado e qual o tempo necessário à concretização. É uma técnica popular em todo o mundo. Há, no entanto, três críticas clássicas à sua aplicação: os gestores tendem a definir metas pouco ambiciosas ou irrealistas; os objetivos raramente resultam de um processo participativo e descentralizado; e não promove o trabalho de equipe. 8- Just-in-time - É uma técnica de gestão e controle de mercadorias que procura minimizar o nível de stocks nos armazéns das empresas industriais. Criada em 1960 pela nipônica Toyota, foi considerada como uma das ferramentas de gestão que mais contribuíram para o milagre industrial japonês. A idéia base é bastante simples: cada etapa do ciclo de produção só deve solicitar novas encomendas à etapa anterior na medida que precisar delas. Implica igualmente uma redução do número de fornecedores. Richard Schonberger foi o primeiro autor a divulgar a metodologia just-in-time nos Estados Unidos. 9- Lean Prodution - Engloba o conjunto de técnicas desenvolvidas nos anos 70 por fabricantes japoneses, como a Toyota e a Matsushita, para reduzir os custos de produção e aumentar a competitividade. Foi popularizado através do estudo sobre a indústria automóvel do MIT, designado quot;The Machine that Change the Worldquot;, que investigou as causas associadas à superiodade dos nipônicos nos domínios da produtividade, flexibilidade, rapidez e qualidade. O conceito de lean prodution é baseado em quatro princípios: trabalho de equipe; comunicação; uso eficiente de recursos e eliminação de desperdícios; e melhoria contínua (a que os japoneses chamam kaizen). 10- Learning Organization - Criado por Chris Argyris, professor em Harvard, designa por learning organizations (organização em constante aprendizagem) as empresas que aprendem à medida que os seus trabalhadores vão ganhando novos conhecimentos. O conceito é baseado na idéia de Argyris, chamada double- loop learning (quando os erros são corrigidos através da alteração das normas empresariais que o causaram). Em 1990, Peter Senge, professor do MIT, popularizou o conceito através do best-seller The Fifht Discipline - The Art and Pratice of a Learning Organization. 11- Outplacement - Os grupos empresariais têm passado por reestruturações associadas a despedimentos maciços. Neste contexto há um novo negócio a florescer, o outplacement. É uma técnica de gestão de recursos humanos que visa apoiar os trabalhadores dispensados rumo à sua reinserção profissional. As consultoras em outplacement fornecem aconselhamento financeiro e formação em recrutamento e seleção. Há quem prefira criar centros de outplacement internos,
  • 9. que prestam auxílio aos trabalhadores dispensados e aos que são recolocados em novas funções. 12- Outsourcing - Trata-se de contratar uma entidade exterior à empresa para executar serviços não estratégicos (que não produzem valor acrescentado para os clientes), em vez de os produzir internamente. A grande vantagem reside na redução de custos que tal opção implica. Talvez ainda seja mais importante o fato de o outsourcing libertar mais tempo os executivos para se dedicarem mais às core competence (competências estratégicas) da empresa. O conceito nasceu na área das tecnologias de informação. Tem maior potencial de aplicação em indústrias dinâmicas, em que as pressões para cortes nos custos são mais intensas, nomeadamente nos grupos empresariais que pretendem seguir uma estratégia de integração vertical das suas atividades. 13- Qualidade Total - Segundo o European Foundation for Quality Management (EFQM) os esforços para a qualidade total (TQM - Total Quality Management) são caracterizados pelos seguintes fatores: excelência nos processos; cultura de melhoria contínua; criação de um melhor relacionamento com os clientes e fornecedores; envolvimento de todos os trabalhadores; e clara orientação para o mercado. Os melhores exemplos da aplicação da gestão da qualidade total são as empresas japonesas, que ironicamente foram ensinadas nos anos 40 e 50 pelos mestres americanos Deming e Juran. 14- Reengenharia - Michael Hammer, ex-professor do MIT, é considerado o pai desta teoria inovadora e radical. Referiu-se pela primeira vez ao tema no artigo publicado em 1990 pela Harvard Business Review. Mas a consagração só chegaria três anos depois com o livro Reengineering the Corporation, escrito em parceria com James Champy. Para os autores, a reengenharia significa um redesenho radical dos processos de negócio com o objetivo de obter melhorias drásticas em três áreas: nos custos; nos serviços; e no tempo. 15- Sinergia - Refere-se à convicção de que dois mais dois podem ser cinco. Esta é uma não evidência que serviu para justificar as injustificáveis operações de fusão e aquisição que caracterizaram o mundo dos negócios nos anos 80. O conceito de sinergia, introduzido por Igor Ansoff no livro Corporate Startegy, procura provar que duas empresas juntas valem mais do que a soma das duas separadas. Se não existir sinergia (ou se for negativa) não valerá a pena concretizar-se uma fusão ou aquisição. O conceito pode ser aplicado em outras áreas, como alianças estratégicas, joint-ventures, acordos de cooperação, relações das empresas com fornecedores ou clientes e equipes de trabalho pluridisciplinares. 16- Vantagem Competitiva - Michael Porter demonstrou que as empresas bem sucedidas obedecem a padrões definidos de comportamento que podem ser resumidas em três estratégias genéricas (as fontes de vantagem competitiva sobre os concorrentes): (1) Liderança baseada no fator custo - Possuir custos mais baixos do que os rivais;
  • 10. (2) Diferenciação - Criar um produto ou serviço que é visto na indústria como único; (3) Focalização - Combinar as duas estratégias direcionando-as para um alvo específico. 17- Teoria X, Y e Z - Nascidas no final dos anos 50, as teorias X e Y são duas visões opostas sobre a natureza humana e a forma de gerir a força de trabalho. Foram criadas pelo psicólogo Douglas McGregor, do MIT. A teoria X assume que os indivíduos não gostam de trabalhar, a menos que sejam obrigados coercivamente a fazê-lo. A teoria Y defende que as pessoas têm auto-realização no trabalho e que cumprem melhor as suas tarefas se não forem vigiadas por terceiros. A teoria Z, de William Ouchi, é uma variante da teoria Y. Defende que os trabalhadores têm um grau de envolvimento similar ao dos gestores quando existe um sistema de recompensas e incentivos eficaz. 18 - CEO e outras siglas de cargos clique aqui. Itens de 1 a 18 foram uma contribuição do Prof. Luciano Rodrigues.