SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
Baixar para ler offline
Módulo II - Fundamentos da Administração Pública - Gestão
Pública Municipal
Aula 4 - Separação dos poderes constitucionais
BEM VINDO(A) À AULA 4!
LEMBRE-SE QUE A AULA ESTÁ COMPOSTA DOS SLIDES QUE SE
SEGUEM UMA METODOLOGIA APRAZÍVEL QUE CONTÉM MÚSICA,
VÍDEO,FILMES E POEMAS.
PRESTE MUITA ATENÇÃO NOS LINKS PROPOSTOS AO LONGO DA
AULA, ELES SÃO PARA VOCÊ CONSULTAR, LER E OUVIR. É UM
MATERIAL AUXILIAR AO CONTEÚDO QUE ESTAMOS PROPONDO.
NA ABA DIREITA ESTÃO INSERIDOS A HISTÓRIA E ESTATUTO DO
PARTIDO, PERIÓDICOS COMO REVISTAS E BOLETINS DA FJM, E
SUGESTÃO DE UMA BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR.
NÃO ESQUEÇA DE RESPONDER AO FÓRUM, OLHAR O CHAT E OS
AVISOS.
VOCÊ TEM UM COMPROMISSO PÚBLICO DE INICIAR E
TERMINAR ESTA AULA.
PARA ISSO ACONTECER PRECISA DE FOCO E DISCIPLINA!
APRENDEMOS MELHOR COM A ATENÇÃO FOCADA! A
DISCIPLINA É A FORÇA DE VONTADE INCORPORADA!
ATENÇÃO AO NOSSO COMPROMISSO:
“CONHEÇO PESSOAS DE AÇÃO, QUE SEMPRE
SERÃO DE AÇÃO! SABE POR QUÊ? EU LHES DIREI
PORQUE! ELAS SEMPRE TERMINAM AQUILO QUE
COMEÇAM!” (Dale Carnegie)
De tanto ver crescer a injustiça, de tanto
ver agigantar-se o poder nas mãos dos
maus, o homem chega a rir-se da honra,
desanimar-se de justiça e ter vergonha de
ser honesto.
(Rui Barbosa)
SOBRE A AULA:
OS SLIDES SÃO APENAS UM ROTEIRO DA AULA. AS EXPLICAÇÕES
APROFUNDADAS ESTÃO NO TEXTO ANEXADO LOGO ABAIXO, E EM TODO O
MATERIAL COMPLEMENTAR QUE ESTAMOS LHE INDICANDO.
NÃO ESQUEÇA DE CONSULTÁ-LOS PARA OBTER UM EXCELENTE RESULTADO
NA SUA APRENDIZAGEM.
TRABALHAREMOS, NESTA AULA, TRÊS COMPETÊNCIAS: A COGNITIVA
(CONHECER), A ATITUDINAL (TOMAR DECISÕES) A OPERACIONAL (FAZER,
EXECUTAR).
VEJA, OBSERVE, DISCUTA O QUE É NECESSÁRIO MUDAR NO SEU
MUNICÍPIO, NA SUA CIDADE.
LEMBRE-SE ESTAMOS EM UM SISTEMA EAD, VOCÊ ESTÁ LOGADO DENTRO DA
PLATAFORMA DA FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA. ESTAS AULAS VOCÊ
ASSISTE ON LINE.
BOA AULA!!!
4.1 INTRODUÇÃO
Em primeiro lugar, analisaremos a evolução do conceito
sobre a Separação dos Poderes, enquanto doutrina.
A teoria da Separação de Poderes em corrente tripartite,
foi esboçado primeiramente por Aristóteles, em obra
autoral A Política, na qual admitia existirem três órgãos
separados, aos quais caberiam as decisões do Estado.
Eram eles o Poder Deliberativo, o Poder Executivo e o Poder
Judiciário. Apesar de que em obras de célebres e clássicos
autores, como Platão, por exemplo, em A República, já se
vislumbrava pontos que concebiam a subdivisão das funções
do Estado, como forma em não permitir a supremacia total
sob uma única pessoa. A História da Humanidade tem
revelado que os desfechos resultantes das hegemonias são
trágicos. É do conhecimento que há tendência do homem
em se desvirtuar ante o acúmulo e a não limitação da
autoridade a ele outorgada.
Posteriormente, Locke, em sua obra Segundo Tratado
sobre o Governo Civil, concebendo o Poder Legislativo
como sendo superior aos demais, que inclusive estariam
subordinados a ele, quais sejam, o Executivo com a
incumbência de aplicar as leis e o Federativo que, muito
embora, tivesse legitimidade não poderia ser
desvinculado do Executivo, cabendo a este cuidar das
relações internacionais do governo.
Todavia, na doutrina, há um consenso ao se atribuir a
MONTESQUIEU a CONSAGRAÇÃO PELA TRIPARTIÇÃO
DOS PODERES, COM AS DEVIDAS REPARTIÇÕES DE
AT R I B U I Ç Õ E S N O M O D E LO M A I S AC E I T O
ATUALMENTE POR TODOS, EM SUA OBRA O ESPÍRITO
DAS LEIS, com a inclusão do Poder Judiciário, entre os
poderes fundamentais do Estado. Uma instância que se
predisporia a defender os seus ideais. 
A divisão de MONTESQUIEU, conforme ensina
Alexandre de Moraes, tornou-se princípio fundamental
da organização política liberal e foi transformada em
dogma pelo artigo 16 da Declaração dos Direitos do
Homem e do Cidadão, de 1789:
“Toda sociedade na qual a garantia dos direitos não está
assegurada, nem a Separação de Poderes
estabelecida não tem constituição.”
A contribuição que Montesquieu deu à história na
Separação de Poderes foi colossal. O filósofo francês foi
quem fundamentou a divisão dos poderes do Estado e
apresentou contornos específicos a cada um deles. Além
de ter sido o grande mestre a lançar as bases daquele
que viria a ser um princípio constitucional da maior
importância para as grandes democracias atuais.  
4.2 PODER E SEPARAÇÃO DE PODERES
4.2.1 PODER POLÍTICO
O Estado é a institucionalização do poder político para a
realização do bem comum.
O poder político – ou poder estatal – é uma exigência
indispensável à organização do Estado, a quem cabe
aplicá-las na sua estruturação e em relação aos
particulares e administrados. 
O exercício do poder só é possível quando incorporado
em uma organização social, logo, o poder do Estado é o
poder organizado pelo direito, através de sua eficácia,
de modo que o centro do sistema jurídico é o equilíbrio
do poder social.
Manoel Gonçalves Ferreira Filho (2007), preleciona que
“Não há, nem pode haver, Estado sem poder. Este é o
princípio unificador da ordem jurídica e, como tal,
evidentemente, é uno”.
4.2.2 SEPARAÇÃO DE PODERES
PLATÃO – PRECURSOR DO DISCURSO DA
SEPARAÇÃO DE PODERES
Platão foi primeiro a tratar o assunto, defendendo a
separação das funções da cidade na instituição da
cidade. A matéria foi debatida ao desenvolver a ideia
sobre a Pólis  perfeita, ao afirmar que seria prudente e
sábio a distribuição de funções dos entes da comunidade.
Foi o primeiro autor a esboçar a ideia de uma
desconcentração de poder, levantando uma corrente
doutrinária baseada no equilíbrio, proporcionado por
uma organização política formada por partes,
defendendo inclusive uma teoria de que o todo precede
as partes. Entendia a realização das funções de cada
indivíduo de acordo com as suas atribuições, como sendo
o princípio de uma ordem justa, equânime e harmônica.
Platão firmou uma teoria de que a divisão das funções
estatais era algo imprescindível e necessário, embora não
tenha dado contornos específicos a essa divisão. Apenas
lançou as primeiras indagações, desenhando a cidade
que mais demonstrava atender aos anseios da sociedade,
ao bem comum, àquela que mais se aproximava com o
modelo ideal. 
ARISTÓTELES – DIVISÃO ESPECÍFICA DOS
PODERES E DISTRIBUIÇÃO DE FUNÇÕES
Contudo e mais tarde, foi Aristóteles, o mais renomado
discípulo de Platão, a atribuir contornos específicos a uma
distribuição de funções, quando realizou uma verdadeira
investigação à constituição do Estado no intuito de
descobrir quais eram as formas de governo e as
instituições capazes de assegurar a felicidade coletiva. 
4.3 CORRENTE TRIPARTITE
4.3.1 A TRIPARTIÇÃO DE PODERES
Conforme preleciona Alexandre de Moraes, em seu livro
Direito Constitucional:
4.3 CORRENTE TRIPARTITE
4.3.1 A TRIPARTIÇÃO DE PODERES
Conforme preleciona Alexandre de Moraes, em seu livro
Direito Constitucional:
“A divisão, segundo o critério funcional é a célebre Separação
de Poderes, que consiste em distinguir três funções estatais,
quais sejam, legislação, administração e jurisdição, que devem ser
atribuídas a três órgãos autônomos entre si, que as exercerão
com exclusividade, foi esboçada pela primeira vez por Aristóteles,
na obra A Política, detalhada posteriormente por John Locke, no
Segundo Tratado de Governo Civil, que também reconheceu
três funções distintas, entre elas a executiva, consistente em
aplicar a força pública no interno, para assegurar a ordem e o
direito, e a federativa, consistente em manter relações com outros
Estados, especialmente por meio de alianças”.
E, finalmente, consagrada na obra de Montesquieu O
Espírito das Leis, a quem devemos a divisão e
distribuição clássicas, tornando-se princípio fundamental
da organização política liberal e transformando-se em
dogma pelo artigo 16, da Declaração dos Direitos do
Homem e do Cidadão, de 1789, e é prevista no artigo
2º, de nossa Constituição Federal” (MORAES, 2007).
A Separação de Poderes, como se indicou acima, pressupõe a
tripartição das funções do Estado, ou seja, a distinção das
funções legislativa, administrativa (ou executiva) e jurisdicional.
“Essa classificação, que é devida a Montesquieu, encontra,
p o ré m , a n t e c e d e n t e s n a o b ra d e A r i s t ó t e l e s e
Locke” (FERREIRA FILHO, 2007).
Todos esses grandes pensadores destacados, assim como
outros em menor parcela, contribuíram para aquele que é
atualmente um dos princípios fundamentais na maioria das
organizações políticas e sociais.
4.4 APLICAÇÃO DA SEPARAÇÃO DE PODERES NO BRASIL
4.4.1. A TRIPARTIÇÃO NO ATUAL ORDENAMENTO
JURÍDICO BRASILEIRO
A Constituição da República Federativa do Brasil predispõe, em
seu artigo 2º, que são poderes da União, independentes e
harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário.
aplicada hoje na maioria das democracias do mundo conhecido
como o princípio da Separação de Poderes, este em Corrente
Tripartite.
Com a análise do texto constitucional podemos verificar
que, apesar de os poderes do Estado serem
independentes e autônomos devem também ser
harmônicos entre si. Portanto, não há que se falar em
supremacia de um Poder em relação a outro Poder
Estatal.
Trata-se de um princípio fundamental do ordenamento
jurídico brasileiro que o legislador constituinte originário
consagrou, na Carta Política de 1988, expressamente
como CLÁUSULA PÉTREA NO ARTIGO 60, parágrafo 4º,
inciso III, que estabelece: “Não será objeto de
deliberação a proposta de emenda tendente a abolir: [...]
a Separação de Poderes”.
Subseção II

Da Emenda à Constituição
Artigo 60. A Constituição poderá ser emendada
mediante proposta:
I - de um terço, no mínimo, dos membros da Câmara dos
Deputados ou do Senado Federal;
II - do Presidente da República;
III - de mais da metade das Assembleias Legislativas das
unidades da Federação, manifestando-se, cada uma
delas, pela maioria relativa de seus membros.
P a r á g r a f o 4 º N Ã O S E R Á O B J E T O D E
DELIBERAÇÃO A PROPOSTA DE EMENDA
TENDENTE A ABOLIR:
I - a forma federativa de Estado;
II - o voto direto, secreto, universal e periódico;
III - A SEPARAÇÃO DOS PODERES;
IV - os direitos e garantias individuais.
A CONSAGRAÇÃO DA SEPARAÇÃO DE PODERES
COMO CLÁUSULA PÉTREA, nos deixa evidenciada
o tamanho da importância e do cuidado que o
legislador constituinte originário teve ao
estabelecer os fundamentos deste princípio na
constituição da República Federativo do Brasil de
1988.
4.5 PODER LEGISLATIVO
Ao Poder Legislativo cabe legislar e fiscalizar, sendo
ambas igualmente importantes. Exerce também alguns
controles-político-administrativo e o financeiro-
orçamentário.
4.5.1 CONTROLE POLÍTICO - ADMINISTRATIVO EXERCIDO
PELO LEGISLATIVO
Pelo primeiro controle, cabe a análise do gerenciamento do Estado,
podendo, inclusive, questionar atos do Poder Executivo. Ainda como
atribuição constitucional, temos tutelada no artigo 58, parágrafo 3º,
a previsão de criação de Comissões Parlamentares de Inquérito (CPI),
pela Câmara de Deputados e do Senado Federal, em conjunto ou
separadamente, mediante requerimento de um terço de seus
membros, com poderes de investigação próprios das autoridades
judiciais e daqueles previstos nos respectivos regimentos internos das
Casas Legislativas.
4.5.2 CONTROLE FINANCEIRO - ORÇAMENTÁRIO
Em relação ao segundo controle, financeiro-orçamentário,
previsto dos artigos 70 a 75 da Constituição Federal, será
exercida pelo Congresso Nacional com abrangência pública e
privada, de acordo com o parágrafo único do artigo 70,
incluído pela Emenda Constitucional nº 19/98, onde estabelece
que preste conta qualquer pessoa física ou jurídica, pública ou
privada, que utilize, arrecade, gerencie ou administre dinheiros,
bens e valores públicos ou pelo qual a União responda, ou que,
em nome desta, assuma obrigação de natureza pecuniária.
4.5.3 DESEMPENHO DE FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS
NO PRÓPRIO LEGISLATIVO
Por outro lado, não raras vezes são atribuídas ao Poder
Legislativo, funções administrativas, quando esta dispõe sobre
sua organização e funcionamento interno, exercendo o
provimento de cargos aos seus servidores, assim como, seu
plano de carreira; também exerce a função de julgar, quando
este, por exemplo, exerce o julgamento do Presidente da
República nos crimes de responsabilidade, de acordo com o
artigo 52, incisos I e II, da CF/88. 
4.6. PODER EXECUTIVO
O Poder Executivo no Brasil é exercido pelo Presidente da
República juntamente com os Ministros que por ele são
indicados.
É a ele que competem os atos de chefia de Estado,
quando exerce a titularidade das relações internacionais
e de governo, quando assume as relações políticas e
econômicas assumidas no plano interno, típico do sistema
presidencialista adotado no Brasil.
Dada a função precípua inerente ao poder Executivo,
qual seja administrar o Estado, através da observação
das regras emanadas do poder Legislativo, não raras
vezes excursiona nos campos de atuação de outra esfera
de poder. 
Dessa forma, temos o Executivo exercendo, por exemplo,
a possibilidade de adoção do instituto das Medidas
Provisórias, com força de Lei, conforme determina o
artigo 62, da Magna Carta de 1988:
“Em caso de relevância e urgência, o Presidente da
República poderá adotar Medidas Provisórias, com força
de lei, devendo submetê-las de imediato ao Congresso
Nacional”.
Podemos ainda citar, como atribuição atípica, o
julgamento de seus servidores no contencioso
administrativo.
4.7 PODER JUDICIÁRIO
Ao Poder Judiciário cabe a função jurisdicional, que
consiste na aplicação da lei a um caso concreto, que lhe é
apresentado como resultado de um conflito de interesses.
Por outro lado, também possuem o Poder Judiciário,
atribuições atípicas de natureza administrativa e
legislativa.
Dessa forma que, exerce a administração de atos
relativos a seus servidores, por exemplo, licenças e férias
de seus membros de acordo com o artigo 96, inciso I,
alínea f, da CF/88, e o provimento de cargos de acordo
com o artigo 96, inciso I, letra c, também da CF/88.
Como atribuição legislativa tem a edição de normas
regimentais, tutelada no artigo 96, inciso I, letra a, da
CF/88, onde fica estabelecida a competência do Poder
Judiciário, a elaboração de seus regimentos internos,
observando as normas processuais e as garantias
processuais das partes, dispondo sobre a competência e
o funcionamento de seus órgãos jurisdicionados e
administrativos.
PARABÉNS VOCÊ CONCLUIU MAIS UMA AULA!!!
CONTINUE COM NOSSO COMPROMISSO:
“CONHEÇO PESSOAS DE AÇÃO, QUE SEMPRE
SERÃO DE AÇÃO. SABE POR QUÊ? EU LHES DIREI
PORQUE. ELAS SEMPRE TERMINAM AQUILO QUE
COMEÇAM!” (DALE CARNEGIE)
Aula elaborada por
Deusilene Leão e Kérima Parreira

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Artigo Diritto E Diritti
Artigo Diritto E DirittiArtigo Diritto E Diritti
Artigo Diritto E Diritti
guest9a0b684
 
Mapa Mental de Direito Constitucional - Ação Popular
Mapa Mental de Direito Constitucional - Ação PopularMapa Mental de Direito Constitucional - Ação Popular
Mapa Mental de Direito Constitucional - Ação Popular
Xis da Questão
 
Publico e privado chat3 texto-2_tarso_violin
Publico e privado   chat3 texto-2_tarso_violinPublico e privado   chat3 texto-2_tarso_violin
Publico e privado chat3 texto-2_tarso_violin
Giovana Soares Carneiro
 
1 o homem a sociedade e o direito
1 o homem a sociedade e o direito1 o homem a sociedade e o direito
1 o homem a sociedade e o direito
Pelo Siro
 
Introdução ao estudo do direito
Introdução ao estudo do direitoIntrodução ao estudo do direito
Introdução ao estudo do direito
Ricardo Pereira
 
Noções gerais de direito .:. www.tc58n.wordpress.com
Noções gerais de direito .:. www.tc58n.wordpress.comNoções gerais de direito .:. www.tc58n.wordpress.com
Noções gerais de direito .:. www.tc58n.wordpress.com
Claudio Parra
 
NOÇÕES DE DIREITO
NOÇÕES DE DIREITONOÇÕES DE DIREITO
NOÇÕES DE DIREITO
URCAMP
 

Mais procurados (20)

Artigo Diritto E Diritti
Artigo Diritto E DirittiArtigo Diritto E Diritti
Artigo Diritto E Diritti
 
Constituição e sociedade
Constituição e sociedadeConstituição e sociedade
Constituição e sociedade
 
A problemática da constituição dirigente
A problemática da constituição dirigenteA problemática da constituição dirigente
A problemática da constituição dirigente
 
Edd conceito,historiaecontemporaneidade
Edd conceito,historiaecontemporaneidadeEdd conceito,historiaecontemporaneidade
Edd conceito,historiaecontemporaneidade
 
Mapa Mental de Direito Constitucional - Ação Popular
Mapa Mental de Direito Constitucional - Ação PopularMapa Mental de Direito Constitucional - Ação Popular
Mapa Mental de Direito Constitucional - Ação Popular
 
Direitos e estado de bem estar
Direitos e estado de bem estarDireitos e estado de bem estar
Direitos e estado de bem estar
 
Conceito direito
Conceito direitoConceito direito
Conceito direito
 
IECJ - Cap. 13 - Poder, política e Estado - Democracia
IECJ - Cap. 13 - Poder, política e Estado - DemocraciaIECJ - Cap. 13 - Poder, política e Estado - Democracia
IECJ - Cap. 13 - Poder, política e Estado - Democracia
 
Publico e privado chat3 texto-2_tarso_violin
Publico e privado   chat3 texto-2_tarso_violinPublico e privado   chat3 texto-2_tarso_violin
Publico e privado chat3 texto-2_tarso_violin
 
Estado e direito
Estado e direitoEstado e direito
Estado e direito
 
1 o homem a sociedade e o direito
1 o homem a sociedade e o direito1 o homem a sociedade e o direito
1 o homem a sociedade e o direito
 
Apontamentos
ApontamentosApontamentos
Apontamentos
 
Introdução ao estudo do direito
Introdução ao estudo do direitoIntrodução ao estudo do direito
Introdução ao estudo do direito
 
Noções gerais de direito .:. www.tc58n.wordpress.com
Noções gerais de direito .:. www.tc58n.wordpress.comNoções gerais de direito .:. www.tc58n.wordpress.com
Noções gerais de direito .:. www.tc58n.wordpress.com
 
Direito público e direito privado
Direito público e direito privadoDireito público e direito privado
Direito público e direito privado
 
Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)
Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)
Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)
 
Curso Gestores - Cidades Socialistas Módulo 2 aula 6
Curso Gestores - Cidades Socialistas Módulo 2 aula 6Curso Gestores - Cidades Socialistas Módulo 2 aula 6
Curso Gestores - Cidades Socialistas Módulo 2 aula 6
 
NOÇÕES DE DIREITO
NOÇÕES DE DIREITONOÇÕES DE DIREITO
NOÇÕES DE DIREITO
 
Fichamento de direito constitucional i primeira parte. pdf
Fichamento de direito constitucional i primeira parte. pdfFichamento de direito constitucional i primeira parte. pdf
Fichamento de direito constitucional i primeira parte. pdf
 
A importância dos conselhos de políticas públicas para a efetivação dos direi...
A importância dos conselhos de políticas públicas para a efetivação dos direi...A importância dos conselhos de políticas públicas para a efetivação dos direi...
A importância dos conselhos de políticas públicas para a efetivação dos direi...
 

Destaque

Destaque (6)

Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 5 Módulo 2
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 5 Módulo 2Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 5 Módulo 2
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 5 Módulo 2
 
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 8 Módulo 2
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 8 Módulo 2Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 8 Módulo 2
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 8 Módulo 2
 
Curso para Gestores de Cidades Socialistas - Módulo 1 Aula 6
Curso para Gestores de Cidades Socialistas - Módulo 1 Aula 6Curso para Gestores de Cidades Socialistas - Módulo 1 Aula 6
Curso para Gestores de Cidades Socialistas - Módulo 1 Aula 6
 
Curso para Gestores de Cidades Socialistas - Módulo 1 Aula 5
Curso para Gestores de Cidades Socialistas - Módulo 1 Aula 5Curso para Gestores de Cidades Socialistas - Módulo 1 Aula 5
Curso para Gestores de Cidades Socialistas - Módulo 1 Aula 5
 
Curso para Gestores de Cidades Socialistas - Módulo 1 Aula 7
Curso para Gestores de Cidades Socialistas - Módulo 1 Aula 7Curso para Gestores de Cidades Socialistas - Módulo 1 Aula 7
Curso para Gestores de Cidades Socialistas - Módulo 1 Aula 7
 
Curso para Gestores de Cidades Socialistas - Módulo 1 Aula 4
Curso para Gestores de Cidades Socialistas - Módulo 1 Aula 4Curso para Gestores de Cidades Socialistas - Módulo 1 Aula 4
Curso para Gestores de Cidades Socialistas - Módulo 1 Aula 4
 

Semelhante a Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 4 Módulo 2

Constitucionalismo
ConstitucionalismoConstitucionalismo
Constitucionalismo
Debora Rocha
 
O Princípio Fundamental da Separação e Interdependência de Poderes
O Princípio Fundamental da Separação e Interdependência de PoderesO Princípio Fundamental da Separação e Interdependência de Poderes
O Princípio Fundamental da Separação e Interdependência de Poderes
Miguel Furtado
 
Vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
VvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvVvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
Vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
rose soratto
 

Semelhante a Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 4 Módulo 2 (20)

Separação dos poderes
Separação dos poderesSeparação dos poderes
Separação dos poderes
 
Montesquieu
Montesquieu  Montesquieu
Montesquieu
 
Separação dos poderes
Separação dos poderesSeparação dos poderes
Separação dos poderes
 
Barão de Montesquieu_ Organiza__o do Estado ILP.ppt
Barão de Montesquieu_ Organiza__o do Estado ILP.pptBarão de Montesquieu_ Organiza__o do Estado ILP.ppt
Barão de Montesquieu_ Organiza__o do Estado ILP.ppt
 
Separação dos poderes
Separação dos poderesSeparação dos poderes
Separação dos poderes
 
Montesquieu - Divisão dos 3 poderes!!
Montesquieu - Divisão dos 3 poderes!!Montesquieu - Divisão dos 3 poderes!!
Montesquieu - Divisão dos 3 poderes!!
 
Constitucionalismo
ConstitucionalismoConstitucionalismo
Constitucionalismo
 
O Princípio Fundamental da Separação e Interdependência de Poderes
O Princípio Fundamental da Separação e Interdependência de PoderesO Princípio Fundamental da Separação e Interdependência de Poderes
O Princípio Fundamental da Separação e Interdependência de Poderes
 
Os 03 Poderes da Federação
Os 03 Poderes da FederaçãoOs 03 Poderes da Federação
Os 03 Poderes da Federação
 
Os 03 Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário
Os 03 Poderes: Executivo, Legislativo e JudiciárioOs 03 Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário
Os 03 Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário
 
Direito financeiro econômico Separação de Poderes
Direito financeiro econômico   Separação de PoderesDireito financeiro econômico   Separação de Poderes
Direito financeiro econômico Separação de Poderes
 
Maquiavel1
Maquiavel1Maquiavel1
Maquiavel1
 
Pensamento político de Montesquieu
Pensamento político de MontesquieuPensamento político de Montesquieu
Pensamento político de Montesquieu
 
Concepções de Estado 02
Concepções  de Estado 02Concepções  de Estado 02
Concepções de Estado 02
 
Concepções do Estado....
Concepções do Estado.... Concepções do Estado....
Concepções do Estado....
 
Vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
VvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvVvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
Vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
 
Filosofia política
Filosofia políticaFilosofia política
Filosofia política
 
Interesse Nacional e Sistema de Partidos - Legitimidade Eleitoral, Legitimida...
Interesse Nacional e Sistema de Partidos - Legitimidade Eleitoral, Legitimida...Interesse Nacional e Sistema de Partidos - Legitimidade Eleitoral, Legitimida...
Interesse Nacional e Sistema de Partidos - Legitimidade Eleitoral, Legitimida...
 
Filosofia política
Filosofia políticaFilosofia política
Filosofia política
 
Livro prof. ernesto
Livro prof. ernestoLivro prof. ernesto
Livro prof. ernesto
 

Mais de CETUR

Mais de CETUR (16)

Módulo IV Aula 8
Módulo IV Aula 8Módulo IV Aula 8
Módulo IV Aula 8
 
Módulo IV Aula 7
Módulo IV Aula 7Módulo IV Aula 7
Módulo IV Aula 7
 
Módulo IV Aula 6
Módulo IV Aula 6Módulo IV Aula 6
Módulo IV Aula 6
 
Módulo IV Aula 5
Módulo IV Aula 5Módulo IV Aula 5
Módulo IV Aula 5
 
Módulo IV Aula 4
Módulo IV Aula 4Módulo IV Aula 4
Módulo IV Aula 4
 
Módulo IV Aula 3
Módulo IV Aula 3Módulo IV Aula 3
Módulo IV Aula 3
 
Módulo IV Aula 2
Módulo IV Aula 2Módulo IV Aula 2
Módulo IV Aula 2
 
Módulo IV Aula 1
Módulo IV Aula 1Módulo IV Aula 1
Módulo IV Aula 1
 
Aula 8 - Módulo III
Aula 8 - Módulo IIIAula 8 - Módulo III
Aula 8 - Módulo III
 
Aula 7 - Módulo III
Aula 7 - Módulo IIIAula 7 - Módulo III
Aula 7 - Módulo III
 
Aula 6 Módulo III
Aula 6 Módulo IIIAula 6 Módulo III
Aula 6 Módulo III
 
Aula 5 Módulo III
Aula 5 Módulo IIIAula 5 Módulo III
Aula 5 Módulo III
 
Aula 4 Módulo III
Aula 4 Módulo IIIAula 4 Módulo III
Aula 4 Módulo III
 
Aula 3 Módulo III
Aula 3 Módulo IIIAula 3 Módulo III
Aula 3 Módulo III
 
Aula 2 Módulo III
Aula 2 Módulo IIIAula 2 Módulo III
Aula 2 Módulo III
 
Aula 1 - Módulo III
Aula 1 - Módulo IIIAula 1 - Módulo III
Aula 1 - Módulo III
 

Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 4 Módulo 2

  • 1. Módulo II - Fundamentos da Administração Pública - Gestão Pública Municipal Aula 4 - Separação dos poderes constitucionais
  • 2. BEM VINDO(A) À AULA 4! LEMBRE-SE QUE A AULA ESTÁ COMPOSTA DOS SLIDES QUE SE SEGUEM UMA METODOLOGIA APRAZÍVEL QUE CONTÉM MÚSICA, VÍDEO,FILMES E POEMAS. PRESTE MUITA ATENÇÃO NOS LINKS PROPOSTOS AO LONGO DA AULA, ELES SÃO PARA VOCÊ CONSULTAR, LER E OUVIR. É UM MATERIAL AUXILIAR AO CONTEÚDO QUE ESTAMOS PROPONDO. NA ABA DIREITA ESTÃO INSERIDOS A HISTÓRIA E ESTATUTO DO PARTIDO, PERIÓDICOS COMO REVISTAS E BOLETINS DA FJM, E SUGESTÃO DE UMA BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR. NÃO ESQUEÇA DE RESPONDER AO FÓRUM, OLHAR O CHAT E OS AVISOS.
  • 3. VOCÊ TEM UM COMPROMISSO PÚBLICO DE INICIAR E TERMINAR ESTA AULA. PARA ISSO ACONTECER PRECISA DE FOCO E DISCIPLINA! APRENDEMOS MELHOR COM A ATENÇÃO FOCADA! A DISCIPLINA É A FORÇA DE VONTADE INCORPORADA! ATENÇÃO AO NOSSO COMPROMISSO: “CONHEÇO PESSOAS DE AÇÃO, QUE SEMPRE SERÃO DE AÇÃO! SABE POR QUÊ? EU LHES DIREI PORQUE! ELAS SEMPRE TERMINAM AQUILO QUE COMEÇAM!” (Dale Carnegie)
  • 4. De tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantar-se o poder nas mãos dos maus, o homem chega a rir-se da honra, desanimar-se de justiça e ter vergonha de ser honesto. (Rui Barbosa)
  • 5. SOBRE A AULA: OS SLIDES SÃO APENAS UM ROTEIRO DA AULA. AS EXPLICAÇÕES APROFUNDADAS ESTÃO NO TEXTO ANEXADO LOGO ABAIXO, E EM TODO O MATERIAL COMPLEMENTAR QUE ESTAMOS LHE INDICANDO. NÃO ESQUEÇA DE CONSULTÁ-LOS PARA OBTER UM EXCELENTE RESULTADO NA SUA APRENDIZAGEM. TRABALHAREMOS, NESTA AULA, TRÊS COMPETÊNCIAS: A COGNITIVA (CONHECER), A ATITUDINAL (TOMAR DECISÕES) A OPERACIONAL (FAZER, EXECUTAR). VEJA, OBSERVE, DISCUTA O QUE É NECESSÁRIO MUDAR NO SEU MUNICÍPIO, NA SUA CIDADE. LEMBRE-SE ESTAMOS EM UM SISTEMA EAD, VOCÊ ESTÁ LOGADO DENTRO DA PLATAFORMA DA FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA. ESTAS AULAS VOCÊ ASSISTE ON LINE. BOA AULA!!!
  • 6. 4.1 INTRODUÇÃO Em primeiro lugar, analisaremos a evolução do conceito sobre a Separação dos Poderes, enquanto doutrina. A teoria da Separação de Poderes em corrente tripartite, foi esboçado primeiramente por Aristóteles, em obra autoral A Política, na qual admitia existirem três órgãos separados, aos quais caberiam as decisões do Estado.
  • 7. Eram eles o Poder Deliberativo, o Poder Executivo e o Poder Judiciário. Apesar de que em obras de célebres e clássicos autores, como Platão, por exemplo, em A República, já se vislumbrava pontos que concebiam a subdivisão das funções do Estado, como forma em não permitir a supremacia total sob uma única pessoa. A História da Humanidade tem revelado que os desfechos resultantes das hegemonias são trágicos. É do conhecimento que há tendência do homem em se desvirtuar ante o acúmulo e a não limitação da autoridade a ele outorgada.
  • 8. Posteriormente, Locke, em sua obra Segundo Tratado sobre o Governo Civil, concebendo o Poder Legislativo como sendo superior aos demais, que inclusive estariam subordinados a ele, quais sejam, o Executivo com a incumbência de aplicar as leis e o Federativo que, muito embora, tivesse legitimidade não poderia ser desvinculado do Executivo, cabendo a este cuidar das relações internacionais do governo.
  • 9. Todavia, na doutrina, há um consenso ao se atribuir a MONTESQUIEU a CONSAGRAÇÃO PELA TRIPARTIÇÃO DOS PODERES, COM AS DEVIDAS REPARTIÇÕES DE AT R I B U I Ç Õ E S N O M O D E LO M A I S AC E I T O ATUALMENTE POR TODOS, EM SUA OBRA O ESPÍRITO DAS LEIS, com a inclusão do Poder Judiciário, entre os poderes fundamentais do Estado. Uma instância que se predisporia a defender os seus ideais. 
  • 10. A divisão de MONTESQUIEU, conforme ensina Alexandre de Moraes, tornou-se princípio fundamental da organização política liberal e foi transformada em dogma pelo artigo 16 da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, de 1789: “Toda sociedade na qual a garantia dos direitos não está assegurada, nem a Separação de Poderes estabelecida não tem constituição.”
  • 11. A contribuição que Montesquieu deu à história na Separação de Poderes foi colossal. O filósofo francês foi quem fundamentou a divisão dos poderes do Estado e apresentou contornos específicos a cada um deles. Além de ter sido o grande mestre a lançar as bases daquele que viria a ser um princípio constitucional da maior importância para as grandes democracias atuais.  
  • 12. 4.2 PODER E SEPARAÇÃO DE PODERES 4.2.1 PODER POLÍTICO O Estado é a institucionalização do poder político para a realização do bem comum. O poder político – ou poder estatal – é uma exigência indispensável à organização do Estado, a quem cabe aplicá-las na sua estruturação e em relação aos particulares e administrados. 
  • 13. O exercício do poder só é possível quando incorporado em uma organização social, logo, o poder do Estado é o poder organizado pelo direito, através de sua eficácia, de modo que o centro do sistema jurídico é o equilíbrio do poder social.
  • 14. Manoel Gonçalves Ferreira Filho (2007), preleciona que “Não há, nem pode haver, Estado sem poder. Este é o princípio unificador da ordem jurídica e, como tal, evidentemente, é uno”.
  • 15. 4.2.2 SEPARAÇÃO DE PODERES PLATÃO – PRECURSOR DO DISCURSO DA SEPARAÇÃO DE PODERES Platão foi primeiro a tratar o assunto, defendendo a separação das funções da cidade na instituição da cidade. A matéria foi debatida ao desenvolver a ideia sobre a Pólis  perfeita, ao afirmar que seria prudente e sábio a distribuição de funções dos entes da comunidade.
  • 16. Foi o primeiro autor a esboçar a ideia de uma desconcentração de poder, levantando uma corrente doutrinária baseada no equilíbrio, proporcionado por uma organização política formada por partes, defendendo inclusive uma teoria de que o todo precede as partes. Entendia a realização das funções de cada indivíduo de acordo com as suas atribuições, como sendo o princípio de uma ordem justa, equânime e harmônica.
  • 17. Platão firmou uma teoria de que a divisão das funções estatais era algo imprescindível e necessário, embora não tenha dado contornos específicos a essa divisão. Apenas lançou as primeiras indagações, desenhando a cidade que mais demonstrava atender aos anseios da sociedade, ao bem comum, àquela que mais se aproximava com o modelo ideal. 
  • 18. ARISTÓTELES – DIVISÃO ESPECÍFICA DOS PODERES E DISTRIBUIÇÃO DE FUNÇÕES Contudo e mais tarde, foi Aristóteles, o mais renomado discípulo de Platão, a atribuir contornos específicos a uma distribuição de funções, quando realizou uma verdadeira investigação à constituição do Estado no intuito de descobrir quais eram as formas de governo e as instituições capazes de assegurar a felicidade coletiva. 
  • 19. 4.3 CORRENTE TRIPARTITE 4.3.1 A TRIPARTIÇÃO DE PODERES Conforme preleciona Alexandre de Moraes, em seu livro Direito Constitucional:
  • 20. 4.3 CORRENTE TRIPARTITE 4.3.1 A TRIPARTIÇÃO DE PODERES Conforme preleciona Alexandre de Moraes, em seu livro Direito Constitucional:
  • 21. “A divisão, segundo o critério funcional é a célebre Separação de Poderes, que consiste em distinguir três funções estatais, quais sejam, legislação, administração e jurisdição, que devem ser atribuídas a três órgãos autônomos entre si, que as exercerão com exclusividade, foi esboçada pela primeira vez por Aristóteles, na obra A Política, detalhada posteriormente por John Locke, no Segundo Tratado de Governo Civil, que também reconheceu três funções distintas, entre elas a executiva, consistente em aplicar a força pública no interno, para assegurar a ordem e o direito, e a federativa, consistente em manter relações com outros Estados, especialmente por meio de alianças”.
  • 22. E, finalmente, consagrada na obra de Montesquieu O Espírito das Leis, a quem devemos a divisão e distribuição clássicas, tornando-se princípio fundamental da organização política liberal e transformando-se em dogma pelo artigo 16, da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, de 1789, e é prevista no artigo 2º, de nossa Constituição Federal” (MORAES, 2007).
  • 23. A Separação de Poderes, como se indicou acima, pressupõe a tripartição das funções do Estado, ou seja, a distinção das funções legislativa, administrativa (ou executiva) e jurisdicional. “Essa classificação, que é devida a Montesquieu, encontra, p o ré m , a n t e c e d e n t e s n a o b ra d e A r i s t ó t e l e s e Locke” (FERREIRA FILHO, 2007). Todos esses grandes pensadores destacados, assim como outros em menor parcela, contribuíram para aquele que é atualmente um dos princípios fundamentais na maioria das organizações políticas e sociais.
  • 24. 4.4 APLICAÇÃO DA SEPARAÇÃO DE PODERES NO BRASIL 4.4.1. A TRIPARTIÇÃO NO ATUAL ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO A Constituição da República Federativa do Brasil predispõe, em seu artigo 2º, que são poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário. aplicada hoje na maioria das democracias do mundo conhecido como o princípio da Separação de Poderes, este em Corrente Tripartite.
  • 25. Com a análise do texto constitucional podemos verificar que, apesar de os poderes do Estado serem independentes e autônomos devem também ser harmônicos entre si. Portanto, não há que se falar em supremacia de um Poder em relação a outro Poder Estatal.
  • 26. Trata-se de um princípio fundamental do ordenamento jurídico brasileiro que o legislador constituinte originário consagrou, na Carta Política de 1988, expressamente como CLÁUSULA PÉTREA NO ARTIGO 60, parágrafo 4º, inciso III, que estabelece: “Não será objeto de deliberação a proposta de emenda tendente a abolir: [...] a Separação de Poderes”.
  • 27. Subseção II
 Da Emenda à Constituição Artigo 60. A Constituição poderá ser emendada mediante proposta: I - de um terço, no mínimo, dos membros da Câmara dos Deputados ou do Senado Federal; II - do Presidente da República; III - de mais da metade das Assembleias Legislativas das unidades da Federação, manifestando-se, cada uma delas, pela maioria relativa de seus membros.
  • 28. P a r á g r a f o 4 º N Ã O S E R Á O B J E T O D E DELIBERAÇÃO A PROPOSTA DE EMENDA TENDENTE A ABOLIR: I - a forma federativa de Estado; II - o voto direto, secreto, universal e periódico; III - A SEPARAÇÃO DOS PODERES; IV - os direitos e garantias individuais.
  • 29. A CONSAGRAÇÃO DA SEPARAÇÃO DE PODERES COMO CLÁUSULA PÉTREA, nos deixa evidenciada o tamanho da importância e do cuidado que o legislador constituinte originário teve ao estabelecer os fundamentos deste princípio na constituição da República Federativo do Brasil de 1988.
  • 30. 4.5 PODER LEGISLATIVO Ao Poder Legislativo cabe legislar e fiscalizar, sendo ambas igualmente importantes. Exerce também alguns controles-político-administrativo e o financeiro- orçamentário.
  • 31. 4.5.1 CONTROLE POLÍTICO - ADMINISTRATIVO EXERCIDO PELO LEGISLATIVO Pelo primeiro controle, cabe a análise do gerenciamento do Estado, podendo, inclusive, questionar atos do Poder Executivo. Ainda como atribuição constitucional, temos tutelada no artigo 58, parágrafo 3º, a previsão de criação de Comissões Parlamentares de Inquérito (CPI), pela Câmara de Deputados e do Senado Federal, em conjunto ou separadamente, mediante requerimento de um terço de seus membros, com poderes de investigação próprios das autoridades judiciais e daqueles previstos nos respectivos regimentos internos das Casas Legislativas.
  • 32. 4.5.2 CONTROLE FINANCEIRO - ORÇAMENTÁRIO Em relação ao segundo controle, financeiro-orçamentário, previsto dos artigos 70 a 75 da Constituição Federal, será exercida pelo Congresso Nacional com abrangência pública e privada, de acordo com o parágrafo único do artigo 70, incluído pela Emenda Constitucional nº 19/98, onde estabelece que preste conta qualquer pessoa física ou jurídica, pública ou privada, que utilize, arrecade, gerencie ou administre dinheiros, bens e valores públicos ou pelo qual a União responda, ou que, em nome desta, assuma obrigação de natureza pecuniária.
  • 33. 4.5.3 DESEMPENHO DE FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS NO PRÓPRIO LEGISLATIVO Por outro lado, não raras vezes são atribuídas ao Poder Legislativo, funções administrativas, quando esta dispõe sobre sua organização e funcionamento interno, exercendo o provimento de cargos aos seus servidores, assim como, seu plano de carreira; também exerce a função de julgar, quando este, por exemplo, exerce o julgamento do Presidente da República nos crimes de responsabilidade, de acordo com o artigo 52, incisos I e II, da CF/88. 
  • 34. 4.6. PODER EXECUTIVO O Poder Executivo no Brasil é exercido pelo Presidente da República juntamente com os Ministros que por ele são indicados. É a ele que competem os atos de chefia de Estado, quando exerce a titularidade das relações internacionais e de governo, quando assume as relações políticas e econômicas assumidas no plano interno, típico do sistema presidencialista adotado no Brasil.
  • 35. Dada a função precípua inerente ao poder Executivo, qual seja administrar o Estado, através da observação das regras emanadas do poder Legislativo, não raras vezes excursiona nos campos de atuação de outra esfera de poder.  Dessa forma, temos o Executivo exercendo, por exemplo, a possibilidade de adoção do instituto das Medidas Provisórias, com força de Lei, conforme determina o artigo 62, da Magna Carta de 1988:
  • 36. “Em caso de relevância e urgência, o Presidente da República poderá adotar Medidas Provisórias, com força de lei, devendo submetê-las de imediato ao Congresso Nacional”. Podemos ainda citar, como atribuição atípica, o julgamento de seus servidores no contencioso administrativo.
  • 37. 4.7 PODER JUDICIÁRIO Ao Poder Judiciário cabe a função jurisdicional, que consiste na aplicação da lei a um caso concreto, que lhe é apresentado como resultado de um conflito de interesses.
  • 38. Por outro lado, também possuem o Poder Judiciário, atribuições atípicas de natureza administrativa e legislativa. Dessa forma que, exerce a administração de atos relativos a seus servidores, por exemplo, licenças e férias de seus membros de acordo com o artigo 96, inciso I, alínea f, da CF/88, e o provimento de cargos de acordo com o artigo 96, inciso I, letra c, também da CF/88.
  • 39. Como atribuição legislativa tem a edição de normas regimentais, tutelada no artigo 96, inciso I, letra a, da CF/88, onde fica estabelecida a competência do Poder Judiciário, a elaboração de seus regimentos internos, observando as normas processuais e as garantias processuais das partes, dispondo sobre a competência e o funcionamento de seus órgãos jurisdicionados e administrativos.
  • 40. PARABÉNS VOCÊ CONCLUIU MAIS UMA AULA!!! CONTINUE COM NOSSO COMPROMISSO: “CONHEÇO PESSOAS DE AÇÃO, QUE SEMPRE SERÃO DE AÇÃO. SABE POR QUÊ? EU LHES DIREI PORQUE. ELAS SEMPRE TERMINAM AQUILO QUE COMEÇAM!” (DALE CARNEGIE)
  • 41. Aula elaborada por Deusilene Leão e Kérima Parreira