SlideShare uma empresa Scribd logo
Cidadania e
Profissionalidade
 Vivemos numa sociedade que por
vezes comete actos discriminatórios de
vários níveis, inaceitáveis. Porém, neste
contexto abordamos o trabalho e todo
 o esforço que as várias organizações
empreendem, para que possamos viver
 num país mais íntegro e com a paz e
  igualdade que todos merecemos.
Consiste na exclusão, diferença ou preferência
fundada na raça, cor, sexo, religião, opinião política,
ascendência nacional ou social, que tenha como
resultado destruir a igualdade de oportunidades ou
de tratamento em matéria de profissão.



É a inexistência de desvios ou incoerências sob
determinado ponto de vista, entre dois ou mais
elementos comparados, sejam objectos,
indivíduos, ideias, conceitos ou quaisquer factos
que permitam que seja feita uma comparação.
Em Portugal existem vários tipos de
          discriminação…


 Racial
 Étnica
 Género
 Sexual
 Religiosa
 Social
 Na luta contra a discriminação existem
diversos Organismos (alguns com o apoio do
Governo) que tentam minorar o sofrimento e
apoiar as vítimas dessas acções
discriminatórias…
“O preconceito racial, ou o racismo, é uma
           violação aos direitos humanos”.


                                            O SOS RACISMO existe desde
                                            1990 e propõe uma sociedade
                                            mais justa, igualitária e
                                            intercultural onde
                                            todos, nacionais e estrangeiros
              Sede Lisboa
Quinta da Torrinha Zona 1 Lote 11, loja A   com qualquer tom de
                                            pele, possam usufruir dos
           TELF: 217552700



                                            mesmos direitos de cidadania.
Objectivos do SOS Racismo:
 Apoio às populações imigrantes e
das minorias étnicas;

 Cooperação na criação de uma
política concreta de inserção das
minorias étnicas na sociedade
portuguesa;

 Luta pela concepção de um
quadro jurídico-legal susceptível de
punir comportamentos racistas e
xenófobos.
CAIS Lisboa
                  Centro CAIS Lisboa
                  Rua do Vale Formoso de Cima, 49-55
                  1950-265 Lisboa
                  tel.: 21 836 9000 / Fax: 21 836 9019




A CAIS tem como missão contribuir para o
melhoramento global das condições de vida de
pessoas sem casa/lar, social e economicamente
vulneráveis, em situação de privação, exclusão e risco.

Objectivos:
 Valorizar os beneficiários (utentes) do sistema social
enquanto elementos críticos e activos;
 Desenvolver e promover estratégias de intervenção
social adequadas às necessidades das populações
alvo.
 As “exclusões” são de
uma forma geral,
dificuldades ou
problemas sociais que
levam ao isolamento e
até à discriminação de
um determinado grupo.
Estes grupos “excluídos”
ou, que sofrem de
exclusão social,
carecem assim de uma
estratégia ou política de
inserção, de modo a
que se possam integrar e
ser aceites pela
sociedade que os
rodeia.
 O Machismo é uma
discriminação sexual, de carácter
dominante, tomada pelos
homens.
No trabalho, a algumas mulheres
não é permitido ocupar posições
de alta responsabilidade, mesmo
que sejam mais capazes do que
outros candidatos do sexo
masculino.
Hoje em dia, devido à
emancipação das mulheres, já
não se verifica com muita
frequência estas situações.
Rua Viriato, n.º 7 - 1.º, 2.º e 3º
1050-233 LISBOA
Telefone: 217 803 709
Linha Verde: 808204684




A CITE é uma Comissão criada em
1979 para combater a discriminação
e promover a igualdade entre mulheres e homens
no trabalho e na formação profissional, tanto no
sector público como no sector privado. É tutelada
pela Ministra do Trabalho e da Solidariedade
Social, em articulação com a Secretária de Estado
da Igualdade.
A CITE tem o intuito de
promover:

 A igualdade e a não
discriminação entre mulheres e
homens

 A protecção na parentalidade,


 A conciliação da vida
profissional, familiar e pessoal
 Os portugueses apontam a orientação sexual
como o principal factor de discriminação no
país, à frente da origem étnica e da deficiência.
Opus Gay : Rua da Ilha Terceira, 34-2º
            1000-173 Lisboa
            tel.: 962400017




A Associação Opus Gay é uma organização cívica
de carácter social criada para promover a
solidariedade entre todos os membros da
comunidade LGBT (gay, lésbica, bissexual e
transexual) portuguesa, ultrapassando fronteiras
políticas, geográficas, sociais ou etárias.
Discriminação como expressão de
violência…
Associação Portuguesa de Apoio à Vítima
Rua José Estêvão, 135 A, Piso 1
1150-201 Lisboa
Portugal
tel. 21 358 79 00
fax 21 887 63 51



A Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV)
fundada em 25 de Junho de 1990 é uma instituição de
solidariedade social, que tem como objectivo estatutário
promover e contribuir para a informação, protecção e
apoio aos cidadãos vítimas de infracções penais.
É, em suma, uma organização que apoia, de forma
individualizada, qualificada e humanizada, vítimas de
crimes, através da prestação de serviços gratuitos e
confidenciais.
Funções da APAV:

 Promover a protecção e o apoio a vítimas de
infracções penais em geral e em particular às mais
carenciadas, através da informação, do atendimento
personalizado e encaminhamento, do apoio
moral, social, jurídico, psicológico e económico;

 Colaborar com as competentes
entidades, policiais, de segurança social, da
saúde, bem como as autarquias locais, regiões
autónomas e outras entidades públicas ou
particulares, na defesa dos direitos e interesses da
vítima de infracções penais.
A APAV foi Membro Fundador da organização
europeia de apoio à vítima. Actualmente a APAV é
membro do comité executivo do Victim Support
Europe. Os seus membros realizam uma conferência e
assembleia anual, onde são discutidas as temáticas
relacionadas com o apoio à vítima, os direitos e os
desenvolvimentos e iniciativas de cada país.
 No âmbito do módulo de Cidadania e
Profissionalidade elaborámos este trabalho que
nos deu a conhecer os vários organismos (alguns
com funções em comum), que zelam pela defesa
das vítimas de discriminação no nosso país.
 Estas instituições continuam a divulgar os seus
objectivos apoiando a população para minimizar
a discriminação e obter uma sociedade mais justa.
 Na nossa opinião é importante que se
continuem a desenvolver estas acções e que
se denuncie casos de discriminação sempre
que ela exista.
 É importante que estas instituições
continuem a alargar o seu campo de
acção, porque infelizmente, estas situações
são uma constante.
 www.sosracismo.pt
 www.acdi.gov.pt
 www.sapo.pt
 www.google.pt

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho Deontologia E Normas Profissionais
Trabalho Deontologia E Normas ProfissionaisTrabalho Deontologia E Normas Profissionais
Trabalho Deontologia E Normas Profissionais
Quirino Vieira
 
Reflexão - CP4
Reflexão - CP4Reflexão - CP4
Reflexão - CP4
Sizes & Patterns
 
Cp 1 liberdade e responsablidade democráticas
Cp 1   liberdade e responsablidade democráticasCp 1   liberdade e responsablidade democráticas
Cp 1 liberdade e responsablidade democráticas
Adelino Carlos & Vieira
 
Reflexao Dr2 CP CFE
Reflexao Dr2 CP CFEReflexao Dr2 CP CFE
Reflexao Dr2 CP CFE
mega
 
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
SILVIA G. FERNANDES
 
Mobilidades Locais e Globais
Mobilidades Locais e GlobaisMobilidades Locais e Globais
Mobilidades Locais e Globais
Fernando de Sá
 
Cidadania e Profissionalidade
Cidadania e ProfissionalidadeCidadania e Profissionalidade
Cidadania e Profissionalidade
ELIANANDR
 
Ng5 Dr3 Marco
Ng5 Dr3 MarcoNg5 Dr3 Marco
Ng5 Dr3 Marco
mega
 
Refexão Dr1-Dr2-Dr3-Dr4
Refexão Dr1-Dr2-Dr3-Dr4Refexão Dr1-Dr2-Dr3-Dr4
Refexão Dr1-Dr2-Dr3-Dr4
mega
 
Fluxos Migratorios Clc 6
Fluxos Migratorios Clc 6Fluxos Migratorios Clc 6
Fluxos Migratorios Clc 6
joaquimsousaferreira
 
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza ÉticaReflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
mega
 
Ruralidade e urbanismo
Ruralidade e urbanismoRuralidade e urbanismo
Ruralidade e urbanismo
Marina
 
Ng7 2
Ng7   2Ng7   2
C.P. 1 - Direitos Liberdades e Garantias dos Trabalhadores
C.P. 1 - Direitos  Liberdades e Garantias dos Trabalhadores C.P. 1 - Direitos  Liberdades e Garantias dos Trabalhadores
C.P. 1 - Direitos Liberdades e Garantias dos Trabalhadores
I.Braz Slideshares
 
A Construção do Social
A Construção do SocialA Construção do Social
A Construção do Social
Jorge Barbosa
 
Evolução histórica do comércio
Evolução histórica do comércio Evolução histórica do comércio
Evolução histórica do comércio
risomar patrícia
 
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de condutaCp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
SILVIA G. FERNANDES
 
Direitos e deveres laborais
Direitos e deveres laboraisDireitos e deveres laborais
Direitos e deveres laborais
cattonia
 
1289687806 cp5 _dr4_globalização
1289687806 cp5 _dr4_globalização1289687806 cp5 _dr4_globalização
1289687806 cp5 _dr4_globalização
Paulacapinha1962
 
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_epptClc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
SILVIA G. FERNANDES
 

Mais procurados (20)

Trabalho Deontologia E Normas Profissionais
Trabalho Deontologia E Normas ProfissionaisTrabalho Deontologia E Normas Profissionais
Trabalho Deontologia E Normas Profissionais
 
Reflexão - CP4
Reflexão - CP4Reflexão - CP4
Reflexão - CP4
 
Cp 1 liberdade e responsablidade democráticas
Cp 1   liberdade e responsablidade democráticasCp 1   liberdade e responsablidade democráticas
Cp 1 liberdade e responsablidade democráticas
 
Reflexao Dr2 CP CFE
Reflexao Dr2 CP CFEReflexao Dr2 CP CFE
Reflexao Dr2 CP CFE
 
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
 
Mobilidades Locais e Globais
Mobilidades Locais e GlobaisMobilidades Locais e Globais
Mobilidades Locais e Globais
 
Cidadania e Profissionalidade
Cidadania e ProfissionalidadeCidadania e Profissionalidade
Cidadania e Profissionalidade
 
Ng5 Dr3 Marco
Ng5 Dr3 MarcoNg5 Dr3 Marco
Ng5 Dr3 Marco
 
Refexão Dr1-Dr2-Dr3-Dr4
Refexão Dr1-Dr2-Dr3-Dr4Refexão Dr1-Dr2-Dr3-Dr4
Refexão Dr1-Dr2-Dr3-Dr4
 
Fluxos Migratorios Clc 6
Fluxos Migratorios Clc 6Fluxos Migratorios Clc 6
Fluxos Migratorios Clc 6
 
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza ÉticaReflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
 
Ruralidade e urbanismo
Ruralidade e urbanismoRuralidade e urbanismo
Ruralidade e urbanismo
 
Ng7 2
Ng7   2Ng7   2
Ng7 2
 
C.P. 1 - Direitos Liberdades e Garantias dos Trabalhadores
C.P. 1 - Direitos  Liberdades e Garantias dos Trabalhadores C.P. 1 - Direitos  Liberdades e Garantias dos Trabalhadores
C.P. 1 - Direitos Liberdades e Garantias dos Trabalhadores
 
A Construção do Social
A Construção do SocialA Construção do Social
A Construção do Social
 
Evolução histórica do comércio
Evolução histórica do comércio Evolução histórica do comércio
Evolução histórica do comércio
 
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de condutaCp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
 
Direitos e deveres laborais
Direitos e deveres laboraisDireitos e deveres laborais
Direitos e deveres laborais
 
1289687806 cp5 _dr4_globalização
1289687806 cp5 _dr4_globalização1289687806 cp5 _dr4_globalização
1289687806 cp5 _dr4_globalização
 
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_epptClc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
 

Destaque

Mecanismo despositivo da concertação social
Mecanismo despositivo da concertação socialMecanismo despositivo da concertação social
Mecanismo despositivo da concertação social
stcnsaidjv
 
Processos identitários
Processos identitáriosProcessos identitários
Processos identitários
Alexandre Leandro
 
UFCD 4 plano global - Processos identitários
UFCD 4 plano global - Processos identitáriosUFCD 4 plano global - Processos identitários
UFCD 4 plano global - Processos identitários
Maria Laura Cavaleiro
 
Dr3 Id Al marco 2
Dr3 Id Al marco 2Dr3 Id Al marco 2
Dr3 Id Al marco 2
mega
 
Cp_4
Cp_4Cp_4
Cp_4
J P
 
Os fluxos migratórios
Os fluxos migratóriosOs fluxos migratórios
Os fluxos migratórios
Jane Mary Lima Castro
 
Descodificacao - Cidadania & Profissionalidade
Descodificacao - Cidadania & ProfissionalidadeDescodificacao - Cidadania & Profissionalidade
Descodificacao - Cidadania & Profissionalidade
J P
 
Ng 2 dr1 (cp)
Ng 2 dr1 (cp)Ng 2 dr1 (cp)
Ng 2 dr1 (cp)
cattonia
 
Ficha de trabalho mudança social
Ficha de trabalho mudança socialFicha de trabalho mudança social
Ficha de trabalho mudança social
Helena Cordeiro
 
Sagrado E Profano
Sagrado E ProfanoSagrado E Profano
Sagrado E Profano
guest541229
 
Glossario cp7 2
Glossario cp7 2Glossario cp7 2
Glossario cp7 2
Helena Cordeiro
 
CP DR3
CP DR3CP DR3
Cp_3
Cp_3Cp_3
Cp_3
J P
 
Processos Identitários na Alfabetização
Processos Identitários na AlfabetizaçãoProcessos Identitários na Alfabetização
Processos Identitários na Alfabetização
Valéria Poubell
 
Dr2 identidade e alteridade CP
Dr2 identidade e alteridade CPDr2 identidade e alteridade CP
Dr2 identidade e alteridade CP
mega
 
Património Comum Da Humanidade
Património Comum Da HumanidadePatrimónio Comum Da Humanidade
Património Comum Da Humanidade
Instituto Monitor
 
Divisão Administrativa de Portugal
Divisão Administrativa de PortugalDivisão Administrativa de Portugal
Divisão Administrativa de Portugal
jorgelmroliveira
 
Dr4 identidade e alteridade Marco Araújo
Dr4 identidade e alteridade Marco AraújoDr4 identidade e alteridade Marco Araújo
Dr4 identidade e alteridade Marco Araújo
mega
 
NEGOCIAÇÃO - 20 características indispensáveis de um bom negociador
NEGOCIAÇÃO - 20 características indispensáveis de um bom negociadorNEGOCIAÇÃO - 20 características indispensáveis de um bom negociador
NEGOCIAÇÃO - 20 características indispensáveis de um bom negociador
Wandick Rocha de Aquino
 
Verapaaiva4v13n4a05
Verapaaiva4v13n4a05Verapaaiva4v13n4a05
Verapaaiva4v13n4a05
jimeluz
 

Destaque (20)

Mecanismo despositivo da concertação social
Mecanismo despositivo da concertação socialMecanismo despositivo da concertação social
Mecanismo despositivo da concertação social
 
Processos identitários
Processos identitáriosProcessos identitários
Processos identitários
 
UFCD 4 plano global - Processos identitários
UFCD 4 plano global - Processos identitáriosUFCD 4 plano global - Processos identitários
UFCD 4 plano global - Processos identitários
 
Dr3 Id Al marco 2
Dr3 Id Al marco 2Dr3 Id Al marco 2
Dr3 Id Al marco 2
 
Cp_4
Cp_4Cp_4
Cp_4
 
Os fluxos migratórios
Os fluxos migratóriosOs fluxos migratórios
Os fluxos migratórios
 
Descodificacao - Cidadania & Profissionalidade
Descodificacao - Cidadania & ProfissionalidadeDescodificacao - Cidadania & Profissionalidade
Descodificacao - Cidadania & Profissionalidade
 
Ng 2 dr1 (cp)
Ng 2 dr1 (cp)Ng 2 dr1 (cp)
Ng 2 dr1 (cp)
 
Ficha de trabalho mudança social
Ficha de trabalho mudança socialFicha de trabalho mudança social
Ficha de trabalho mudança social
 
Sagrado E Profano
Sagrado E ProfanoSagrado E Profano
Sagrado E Profano
 
Glossario cp7 2
Glossario cp7 2Glossario cp7 2
Glossario cp7 2
 
CP DR3
CP DR3CP DR3
CP DR3
 
Cp_3
Cp_3Cp_3
Cp_3
 
Processos Identitários na Alfabetização
Processos Identitários na AlfabetizaçãoProcessos Identitários na Alfabetização
Processos Identitários na Alfabetização
 
Dr2 identidade e alteridade CP
Dr2 identidade e alteridade CPDr2 identidade e alteridade CP
Dr2 identidade e alteridade CP
 
Património Comum Da Humanidade
Património Comum Da HumanidadePatrimónio Comum Da Humanidade
Património Comum Da Humanidade
 
Divisão Administrativa de Portugal
Divisão Administrativa de PortugalDivisão Administrativa de Portugal
Divisão Administrativa de Portugal
 
Dr4 identidade e alteridade Marco Araújo
Dr4 identidade e alteridade Marco AraújoDr4 identidade e alteridade Marco Araújo
Dr4 identidade e alteridade Marco Araújo
 
NEGOCIAÇÃO - 20 características indispensáveis de um bom negociador
NEGOCIAÇÃO - 20 características indispensáveis de um bom negociadorNEGOCIAÇÃO - 20 características indispensáveis de um bom negociador
NEGOCIAÇÃO - 20 características indispensáveis de um bom negociador
 
Verapaaiva4v13n4a05
Verapaaiva4v13n4a05Verapaaiva4v13n4a05
Verapaaiva4v13n4a05
 

Semelhante a Cidadania e Profissionalidade 4 organismos institucionais

Artigo 1 Cp2
Artigo 1 Cp2Artigo 1 Cp2
Artigo 1 Cp2
guest29ce7c1
 
Apresentação Projecto 24 Horas
Apresentação Projecto 24 HorasApresentação Projecto 24 Horas
Apresentação Projecto 24 Horas
Tito Romeu Gomes de Sousa Maia Mendes
 
Juventudes
JuventudesJuventudes
CP-Dr3-idal
CP-Dr3-idalCP-Dr3-idal
CP-Dr3-idal
mega
 
Dialogos sobre a populacao em situacao de rua no brasil e na europa
Dialogos sobre a populacao em situacao de rua no brasil e na europaDialogos sobre a populacao em situacao de rua no brasil e na europa
Dialogos sobre a populacao em situacao de rua no brasil e na europa
Binô Zwetsch
 
Campanha descriminação
Campanha descriminaçãoCampanha descriminação
Campanha descriminação
Carlos Cebola
 
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XX
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXFolhetim do Estudante - Ano II - Núm. XX
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XX
Valter Gomes
 
direitos humanos - ONU
direitos humanos - ONUdireitos humanos - ONU
direitos humanos - ONU
Geografia Só
 
Algumas Explicacoes De Termos Utilizados Na Luta Contra O Racismo
Algumas Explicacoes De Termos Utilizados Na Luta Contra O RacismoAlgumas Explicacoes De Termos Utilizados Na Luta Contra O Racismo
Algumas Explicacoes De Termos Utilizados Na Luta Contra O Racismo
guesta7e113
 
MANUAL SejaAntirracista.pdf manual para estabelecer cidadãos antirracistas
MANUAL SejaAntirracista.pdf manual para estabelecer cidadãos antirracistasMANUAL SejaAntirracista.pdf manual para estabelecer cidadãos antirracistas
MANUAL SejaAntirracista.pdf manual para estabelecer cidadãos antirracistas
NdiaOliveira43
 
Folheto Mas
Folheto MasFolheto Mas
Guia de luta contra a intolerância religiosa e racismo
Guia de luta contra a intolerância religiosa e racismoGuia de luta contra a intolerância religiosa e racismo
Guia de luta contra a intolerância religiosa e racismo
pascoal reload
 
Dr3 Id Al Marco1
Dr3 Id Al Marco1Dr3 Id Al Marco1
Dr3 Id Al Marco1
mega
 
Interculturalidade 44ideias 2007
Interculturalidade 44ideias 2007Interculturalidade 44ideias 2007
Interculturalidade 44ideias 2007
ProfessoraCarlaFerna
 
Igualdade de Género
Igualdade de GéneroIgualdade de Género
Igualdade de Género
dianaraquelleitecosta
 
Capacitacao liderancas participacao-politica
Capacitacao liderancas participacao-politicaCapacitacao liderancas participacao-politica
Capacitacao liderancas participacao-politica
Jader Araujo
 
Apresentação do projeto
Apresentação do projetoApresentação do projeto
Apresentação do projeto
antonio ferreira
 
Direitos culturais
Direitos culturaisDireitos culturais
Direitos culturais
angelcarv
 
Discurso do Assessor de Diversidade Sexual de Goiânia Adrano Ferreto.
Discurso do Assessor de Diversidade Sexual de Goiânia Adrano Ferreto.Discurso do Assessor de Diversidade Sexual de Goiânia Adrano Ferreto.
Discurso do Assessor de Diversidade Sexual de Goiânia Adrano Ferreto.
deputadamarina
 
Impressao172
Impressao172Impressao172
Impressao172
Aline Marinho
 

Semelhante a Cidadania e Profissionalidade 4 organismos institucionais (20)

Artigo 1 Cp2
Artigo 1 Cp2Artigo 1 Cp2
Artigo 1 Cp2
 
Apresentação Projecto 24 Horas
Apresentação Projecto 24 HorasApresentação Projecto 24 Horas
Apresentação Projecto 24 Horas
 
Juventudes
JuventudesJuventudes
Juventudes
 
CP-Dr3-idal
CP-Dr3-idalCP-Dr3-idal
CP-Dr3-idal
 
Dialogos sobre a populacao em situacao de rua no brasil e na europa
Dialogos sobre a populacao em situacao de rua no brasil e na europaDialogos sobre a populacao em situacao de rua no brasil e na europa
Dialogos sobre a populacao em situacao de rua no brasil e na europa
 
Campanha descriminação
Campanha descriminaçãoCampanha descriminação
Campanha descriminação
 
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XX
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXFolhetim do Estudante - Ano II - Núm. XX
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XX
 
direitos humanos - ONU
direitos humanos - ONUdireitos humanos - ONU
direitos humanos - ONU
 
Algumas Explicacoes De Termos Utilizados Na Luta Contra O Racismo
Algumas Explicacoes De Termos Utilizados Na Luta Contra O RacismoAlgumas Explicacoes De Termos Utilizados Na Luta Contra O Racismo
Algumas Explicacoes De Termos Utilizados Na Luta Contra O Racismo
 
MANUAL SejaAntirracista.pdf manual para estabelecer cidadãos antirracistas
MANUAL SejaAntirracista.pdf manual para estabelecer cidadãos antirracistasMANUAL SejaAntirracista.pdf manual para estabelecer cidadãos antirracistas
MANUAL SejaAntirracista.pdf manual para estabelecer cidadãos antirracistas
 
Folheto Mas
Folheto MasFolheto Mas
Folheto Mas
 
Guia de luta contra a intolerância religiosa e racismo
Guia de luta contra a intolerância religiosa e racismoGuia de luta contra a intolerância religiosa e racismo
Guia de luta contra a intolerância religiosa e racismo
 
Dr3 Id Al Marco1
Dr3 Id Al Marco1Dr3 Id Al Marco1
Dr3 Id Al Marco1
 
Interculturalidade 44ideias 2007
Interculturalidade 44ideias 2007Interculturalidade 44ideias 2007
Interculturalidade 44ideias 2007
 
Igualdade de Género
Igualdade de GéneroIgualdade de Género
Igualdade de Género
 
Capacitacao liderancas participacao-politica
Capacitacao liderancas participacao-politicaCapacitacao liderancas participacao-politica
Capacitacao liderancas participacao-politica
 
Apresentação do projeto
Apresentação do projetoApresentação do projeto
Apresentação do projeto
 
Direitos culturais
Direitos culturaisDireitos culturais
Direitos culturais
 
Discurso do Assessor de Diversidade Sexual de Goiânia Adrano Ferreto.
Discurso do Assessor de Diversidade Sexual de Goiânia Adrano Ferreto.Discurso do Assessor de Diversidade Sexual de Goiânia Adrano Ferreto.
Discurso do Assessor de Diversidade Sexual de Goiânia Adrano Ferreto.
 
Impressao172
Impressao172Impressao172
Impressao172
 

Último

Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
JohnnyLima16
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
erico paulo rocha guedes
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 

Último (20)

Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 

Cidadania e Profissionalidade 4 organismos institucionais

  • 2.  Vivemos numa sociedade que por vezes comete actos discriminatórios de vários níveis, inaceitáveis. Porém, neste contexto abordamos o trabalho e todo o esforço que as várias organizações empreendem, para que possamos viver num país mais íntegro e com a paz e igualdade que todos merecemos.
  • 3. Consiste na exclusão, diferença ou preferência fundada na raça, cor, sexo, religião, opinião política, ascendência nacional ou social, que tenha como resultado destruir a igualdade de oportunidades ou de tratamento em matéria de profissão. É a inexistência de desvios ou incoerências sob determinado ponto de vista, entre dois ou mais elementos comparados, sejam objectos, indivíduos, ideias, conceitos ou quaisquer factos que permitam que seja feita uma comparação.
  • 4. Em Portugal existem vários tipos de discriminação…  Racial  Étnica  Género  Sexual  Religiosa  Social
  • 5.
  • 6.  Na luta contra a discriminação existem diversos Organismos (alguns com o apoio do Governo) que tentam minorar o sofrimento e apoiar as vítimas dessas acções discriminatórias…
  • 7. “O preconceito racial, ou o racismo, é uma violação aos direitos humanos”. O SOS RACISMO existe desde 1990 e propõe uma sociedade mais justa, igualitária e intercultural onde todos, nacionais e estrangeiros Sede Lisboa Quinta da Torrinha Zona 1 Lote 11, loja A com qualquer tom de pele, possam usufruir dos TELF: 217552700 mesmos direitos de cidadania.
  • 8. Objectivos do SOS Racismo:  Apoio às populações imigrantes e das minorias étnicas;  Cooperação na criação de uma política concreta de inserção das minorias étnicas na sociedade portuguesa;  Luta pela concepção de um quadro jurídico-legal susceptível de punir comportamentos racistas e xenófobos.
  • 9. CAIS Lisboa Centro CAIS Lisboa Rua do Vale Formoso de Cima, 49-55 1950-265 Lisboa tel.: 21 836 9000 / Fax: 21 836 9019 A CAIS tem como missão contribuir para o melhoramento global das condições de vida de pessoas sem casa/lar, social e economicamente vulneráveis, em situação de privação, exclusão e risco. Objectivos:  Valorizar os beneficiários (utentes) do sistema social enquanto elementos críticos e activos;  Desenvolver e promover estratégias de intervenção social adequadas às necessidades das populações alvo.
  • 10.  As “exclusões” são de uma forma geral, dificuldades ou problemas sociais que levam ao isolamento e até à discriminação de um determinado grupo. Estes grupos “excluídos” ou, que sofrem de exclusão social, carecem assim de uma estratégia ou política de inserção, de modo a que se possam integrar e ser aceites pela sociedade que os rodeia.
  • 11.  O Machismo é uma discriminação sexual, de carácter dominante, tomada pelos homens. No trabalho, a algumas mulheres não é permitido ocupar posições de alta responsabilidade, mesmo que sejam mais capazes do que outros candidatos do sexo masculino. Hoje em dia, devido à emancipação das mulheres, já não se verifica com muita frequência estas situações.
  • 12. Rua Viriato, n.º 7 - 1.º, 2.º e 3º 1050-233 LISBOA Telefone: 217 803 709 Linha Verde: 808204684 A CITE é uma Comissão criada em 1979 para combater a discriminação e promover a igualdade entre mulheres e homens no trabalho e na formação profissional, tanto no sector público como no sector privado. É tutelada pela Ministra do Trabalho e da Solidariedade Social, em articulação com a Secretária de Estado da Igualdade.
  • 13. A CITE tem o intuito de promover:  A igualdade e a não discriminação entre mulheres e homens  A protecção na parentalidade,  A conciliação da vida profissional, familiar e pessoal
  • 14.  Os portugueses apontam a orientação sexual como o principal factor de discriminação no país, à frente da origem étnica e da deficiência.
  • 15. Opus Gay : Rua da Ilha Terceira, 34-2º 1000-173 Lisboa tel.: 962400017 A Associação Opus Gay é uma organização cívica de carácter social criada para promover a solidariedade entre todos os membros da comunidade LGBT (gay, lésbica, bissexual e transexual) portuguesa, ultrapassando fronteiras políticas, geográficas, sociais ou etárias.
  • 17. Associação Portuguesa de Apoio à Vítima Rua José Estêvão, 135 A, Piso 1 1150-201 Lisboa Portugal tel. 21 358 79 00 fax 21 887 63 51 A Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) fundada em 25 de Junho de 1990 é uma instituição de solidariedade social, que tem como objectivo estatutário promover e contribuir para a informação, protecção e apoio aos cidadãos vítimas de infracções penais. É, em suma, uma organização que apoia, de forma individualizada, qualificada e humanizada, vítimas de crimes, através da prestação de serviços gratuitos e confidenciais.
  • 18. Funções da APAV:  Promover a protecção e o apoio a vítimas de infracções penais em geral e em particular às mais carenciadas, através da informação, do atendimento personalizado e encaminhamento, do apoio moral, social, jurídico, psicológico e económico;  Colaborar com as competentes entidades, policiais, de segurança social, da saúde, bem como as autarquias locais, regiões autónomas e outras entidades públicas ou particulares, na defesa dos direitos e interesses da vítima de infracções penais.
  • 19. A APAV foi Membro Fundador da organização europeia de apoio à vítima. Actualmente a APAV é membro do comité executivo do Victim Support Europe. Os seus membros realizam uma conferência e assembleia anual, onde são discutidas as temáticas relacionadas com o apoio à vítima, os direitos e os desenvolvimentos e iniciativas de cada país.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.  No âmbito do módulo de Cidadania e Profissionalidade elaborámos este trabalho que nos deu a conhecer os vários organismos (alguns com funções em comum), que zelam pela defesa das vítimas de discriminação no nosso país.  Estas instituições continuam a divulgar os seus objectivos apoiando a população para minimizar a discriminação e obter uma sociedade mais justa.
  • 24.  Na nossa opinião é importante que se continuem a desenvolver estas acções e que se denuncie casos de discriminação sempre que ela exista.  É importante que estas instituições continuem a alargar o seu campo de acção, porque infelizmente, estas situações são uma constante.
  • 25.
  • 26.  www.sosracismo.pt  www.acdi.gov.pt  www.sapo.pt  www.google.pt