SlideShare uma empresa Scribd logo
FAMÍLIA
ANDRÉ CUNHA Nº6
JOSÉ GONÇALVES Nº23
Noção de Família
 Considera-se que a vida social é algo fundamental à existência e sobrevivência dos seres humanos
enquanto indivíduos, é na família que se dá início ao processo de socialização, educação e formação
para o mundo.
 As famílias são consideradas grupos primários, nos quais as relações entre os indivíduos são pautadas
na subjectividade dos sentimentos entre as pessoas.
 Os grupos familiares caracterizam-se por vínculos biológicos, mas sua constituição ao longo da história
em todos os agrupamentos humanos não se limitou apenas ao aspecto da procriação e preservação da
espécie, mas tornou-se um fenómeno social.
 Deve existir harmonia, afecto, protecção e todo o tipo de apoio necessário na resolução de conflitos ou
problemas de algum dos membros. As relações de confiança, segurança, conforto e bem-estar
proporcionam a unidade familiar.
A estrutura da família
 O tipo de família designado por família extensa, estende-se por mais de duas gerações, incluindo os
pais, os filhos casados ou solteiros, os genros e noras, os netos, os tios e os primos, por exemplo.Mas
a família usualmente é pensada em termos de um grupo mais restrito, isto é, o homem (pai), a mulher
(mãe) e os filhos. Esta é a chamada família nuclear, baseada no relacionamento conjugal.
 Independentemente da dimensão, os dois elementos institucionais centrais da família são o casamento
e a paternidade/maternidade. O casamento é o padrão socialmente aprovado para que duas ou mais
pessoas estabeleçam uma família, e envolve as regras, obrigações e direitos da relação entre marido e
mulher. Quanto ao casamento, o tipo e o processo varia de sociedade para sociedade, consoante os
valores, as práticas sociais e cultura. Por exemplo, na sociedade ocidental apenas existe um
casamento, um homem para uma mulher, ou seja casamento monogâmico. Já outras sociedades do
mundo a poligamia é aceite, ou seja a pluralidade de cônjuges.
Tipos de família
 Família nuclear: É um grupo doméstico composto por pai, mãe e
filhos.
 Família monoparental: É uma família formada pai ou mãe e
filhos. É fruto da viuvez, divórcio ou escolha de um dos
progenitores.
 Família recomposta: Estas famílias resultam de um novo
casamento (ou união) com reunião dos filhos de casamentos
anteriores.
Novos tipos de família ou vida familiar
 Família monoparental: É uma família formada pai ou mãe e filhos. É fruto da viuvez, divórcio ou escolha de um dos
progenitores.
 Família recomposta: Estas famílias resultam de um novo casamento (ou união) com reunião dos filhos de casamentos
anteriores.
 Família arco-íris: é constituída por um casal homossexual (ou pessoa solteira homossexual) que tenha uma ou mais
crianças ao seu cargo. Mesmo sendo legal em vários países ainda é muito discutida no caso da adopção.
 União de facto (Coabitação): É uma forma de vida familiar em que o casal mantém a relação sexual estável, vive em
conjunto mas não efectuou o casamento. Tal como noutros países, esta forma de família tem aumentado em Portugal.
 Monorresidência: A monorresidência é outra forma de vida que tem vindo a aumentar nas últimas décadas.
Caracteriza-se pelo facto das pessoas viverem sós e abrange transversalmente a sociedade: jovens, indivíduos em
idade adulta por opção ou em situação transitória e idosos.
 REPRODUÇÃO
 A família é a principal instituição através da qual a sociedade regula a satisfação das necessidades
sexuais e organiza a procriação.
 Se a satisfação sexual fora do casamento é tolerada, já a procriação fora da família é menos
aprovada socialmente. Esta justificação prende-se não só com os modelos familiares instituídos como
na necessidade da função de socialização ser exercida de forma mais próxima e afectiva, o que
confere prioritariamente esse papel à família.
Funções
SOCIALIZAÇÃO
 A família prepara a criança para o desempenho de certos papéis correspondentes ao seu género e
estatuto.
 A socialização de género, que reproduz modelos sociais instituídos, é uma das funções que a cultura
dominante atribui às famílias- desde cedo se aprende o comportamento feminino ou masculino de
acordo com o respectivo sexo. Mas a aprendizagem dos modelos sociais é também exercida no
contexto do grupo social de pertença; isto é: viver e crescer numa família é afinal, uma preparação
para uma situação d eclasse. Os valores, hábitos de vida, as normas que a criança interioriza
contribuem para a sua colocação social.
Funções
Económica ou Consumo
 Nas sociedade tradicionais, a família constituía a unidade económica fundamental. A satisfação das
necessidades exigia que os seus membros trabalhassem em conjunto, partilhando o resultado da
produção. Com a industrialização esta situação veio a modificar-se.
 O capitalismo desenvolveu-se e a concorrência e o lucro, motor da actividade económica, exigiram das
empresas uma organização da produção e do trabalho mais rentáveis. A obtenção de mais-valias era,
então, indispensável à sobrevivência das empresas num mundo tão competitivo. Já não era viável que a
produção estivesse entregue às famílias. De camponesas e artesãs , muitas da famílias passaram, então,
a assalariadas, possuindo apenas a sua força de trabalho que vendiam no mercado em troca de um
salário para o seu sustento ou consumo.
 Por isso a família, hoje, já não é a unidade base da produção, sendo apenas a unidade-base do
consumo. A empresa produz para o consumo das famílias. O consumo torna-se, assim, numa das
funções das famílias e condição de sustentabilidade das modernas economias industrializadas- as
sociedades de consumo.
Funções
Indicadores da mudança demográfica da Família
Portuguesa das últimas décadas
 aumento do casamento civil contra o religioso;
 a queda das taxas de nupcialidade;
 o aumento do número de filhos fora do casamento;
 o aumento da idade média do primeiro casamento para ambos os sexos.
 Já na área das formas de conjugalidade, verifica-se:
 A existência de outras formas de conjugalidade, como a união de facto como experiência de pré-casamento
ou como alternativa ao casamento;
 Uma mudança na forma como é vivida a conjugalidade assumindo o afecto, a intimidade, a partilha e a
"proteção", valores estruturantes.
Novos papéis parentais
 A evolução da sociedade permitiu o aparecimento de novos papéis sociais. Hoje em dia a família já não se
encontra unida pelo trabalho em conjunto, uma vez que os seus membros, que se especializam, trabalham
separadamente. Já não constitui uma unidade de produção económica, antes se transformou numa unidade
consumidora de bens e serviços produzidos no exterior.
 Houve uma quebra de natalidade porque as crianças já não são um bem económico, pois não trabalham, sendo
que as famílias numerosas têm mais dificuldades.Para além destas mudanças existem outras como as tarefas
educativas passarem a ser desempenhadas por outras instituições para além da família, instituições como a
escola e os média se destacam.
 O ingresso das mulheres no mercado de trabalho operou uma das maiores mudanças na vida familiar, porque
aumentou a independência da mulher.O facto de a mulher ter um novo papel na sociedade também modificou o
comportamento masculino que hoje em dia partilha as tarefas com a mulher, sendo diferente do período em que a
mulher ainda não era valorizada. Esta nova situação veio modificar as relações dentro do casamento. A família já
não é dominada pela autoridade do homem, mas baseia-se numa relação igualitária entre os cônjuges.
Novo lugar da criança em casa e na sociedade
 O lugar da criança na sociedade atual é bem diferente do que ocupava há séculos atrás. Antigamente
exigia-se o trabalho das crianças no campos e outras actividades necessárias à sua difícil
sobrevivência. Eram tratadas como "adultos pequenos" e era pedida a sua colaboração desde cedo
sobretudo por razões económicas, não respeitando os valores físicos ou psicológicos. O que viria a
mudar coma Declaração Univesal dos Direitos Humanos em 1948, e mais tarde em 1989, a
Declaração Universal dos Direitos da Criança.
 Em vez de trabalhar têm direito à educação nos mais variados tipos de instituição (creches,
infantários, escolas etc.). Apesar de possuírem direitos também têm deveres. Hoje em dia na cultura
ocidental as crianças são as mais protegidas das famílias, tendo os privilégios que merecem.
Violência intrafamiliar
 A violência doméstica e os abusos, em particular, sobre mulheres, crianças e
idosos, são situações de desrespeito humano no seio da família. Estes tipos
de violência são descritos por Giddens como actos que acontecem pela
combinação entre a intensidade emocional e a intimidade pessoal (amor e
ódio).
 Nos casos de violência doméstica as vítimas sofrem em silêncio por força do
controlo social, vergonha, dependência económica etc.
 Os abusos sobre crianças atravessam toda a sociedade, verificando-se em
todos os estratos sociais. Demonstra a violência vinda de alguém "mais forte"
que outro, refletindo o exercício de poder sobre alguém que pode não saber
se defender. Podem envolver aspectos como negligência, abusos físicos ou
emocionais e abusos sexuais.
 Como consequência, as crianças maltratadas poderão tornar-se em adultos
violentos e reproduzir o mesmo tipo de ação. No entanto, a luta pelos direitos
dos grupos mais frágeis da sociedade tem proporcionado informação e apoio
social.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resumo economia c 2º periodo
Resumo economia c 2º periodoResumo economia c 2º periodo
Resumo economia c 2º periodo
Lia Treacy
 
Mundialização e globalização
Mundialização e globalizaçãoMundialização e globalização
Mundialização e globalização
fabiofatudatrabalhos
 
Família
FamíliaFamília
Família
turma12d
 
Representações Sociais
Representações SociaisRepresentações Sociais
Representações Sociais
Sara Afonso
 
resumo 12º ano economia c 1º período
resumo 12º ano economia c 1º períodoresumo 12º ano economia c 1º período
resumo 12º ano economia c 1º período
Lia Treacy
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
Margarida Rodrigues
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
Cristina Martins
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
gracacruz
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Vanda Sousa
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
Joana Filipa Rodrigues
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Alexandra Canané
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
guestde10d2
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
norberto faria
 
Envelhecimento em Portugal
Envelhecimento em PortugalEnvelhecimento em Portugal
Envelhecimento em Portugal
Idalina Leite
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
João Pedro Rodrigues
 
Métodos e técnicas de investigaçao sociológica
Métodos e técnicas de investigaçao sociológicaMétodos e técnicas de investigaçao sociológica
Métodos e técnicas de investigaçao sociológica
Ana Antunes
 
Geração de 70
Geração de 70Geração de 70
Geração de 70
inesabento
 
Cultura - Psicologia
Cultura - PsicologiaCultura - Psicologia
Cultura - Psicologia
Ana Felizardo
 
Família e escola
Família e escolaFamília e escola
Família e escola
turma12d
 
Memorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. VMemorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. V
12º A Golegã
 

Mais procurados (20)

Resumo economia c 2º periodo
Resumo economia c 2º periodoResumo economia c 2º periodo
Resumo economia c 2º periodo
 
Mundialização e globalização
Mundialização e globalizaçãoMundialização e globalização
Mundialização e globalização
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
Representações Sociais
Representações SociaisRepresentações Sociais
Representações Sociais
 
resumo 12º ano economia c 1º período
resumo 12º ano economia c 1º períodoresumo 12º ano economia c 1º período
resumo 12º ano economia c 1º período
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Envelhecimento em Portugal
Envelhecimento em PortugalEnvelhecimento em Portugal
Envelhecimento em Portugal
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Métodos e técnicas de investigaçao sociológica
Métodos e técnicas de investigaçao sociológicaMétodos e técnicas de investigaçao sociológica
Métodos e técnicas de investigaçao sociológica
 
Geração de 70
Geração de 70Geração de 70
Geração de 70
 
Cultura - Psicologia
Cultura - PsicologiaCultura - Psicologia
Cultura - Psicologia
 
Família e escola
Família e escolaFamília e escola
Família e escola
 
Memorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. VMemorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. V
 

Destaque

Família final
Família finalFamília final
Família final
turma12d
 
Sociologia generico
Sociologia genericoSociologia generico
Sociologia generico
Pedro Oliveira
 
Segundo Bimestre – sociologia
Segundo Bimestre – sociologia Segundo Bimestre – sociologia
Segundo Bimestre – sociologia
dejair tives lopes junior
 
Família
FamíliaFamília
Família
ccqc
 
Familia modulo3.
Familia modulo3.Familia modulo3.
Familia modulo3.
PTAI
 
Palestra família
Palestra famíliaPalestra família
Palestra família
pmgv5
 

Destaque (6)

Família final
Família finalFamília final
Família final
 
Sociologia generico
Sociologia genericoSociologia generico
Sociologia generico
 
Segundo Bimestre – sociologia
Segundo Bimestre – sociologia Segundo Bimestre – sociologia
Segundo Bimestre – sociologia
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
Familia modulo3.
Familia modulo3.Familia modulo3.
Familia modulo3.
 
Palestra família
Palestra famíliaPalestra família
Palestra família
 

Semelhante a Família- Sociologia 12ºAno

Família e escola
Família e escolaFamília e escola
Família e escola
turma12d
 
Família nos dias de hoje
Família nos dias de hojeFamília nos dias de hoje
Família nos dias de hoje
mike wasofsky
 
Ainstituiofamiliar
AinstituiofamiliarAinstituiofamiliar
Ainstituiofamiliar
António Moreira
 
Da família patriarcal às novas
Da família patriarcal às novasDa família patriarcal às novas
Da família patriarcal às novas
AnaPeralta54
 
estrutura familiar e dinamica social
estrutura familiar e dinamica socialestrutura familiar e dinamica social
estrutura familiar e dinamica social
João Marrocano
 
" Família-Marta,Laura e Gonçalinho"
" Família-Marta,Laura e Gonçalinho"" Família-Marta,Laura e Gonçalinho"
" Família-Marta,Laura e Gonçalinho"
Rafaela Frazão
 
15426-Texto do artigo-37528-1-10-20130613.pdf
15426-Texto do artigo-37528-1-10-20130613.pdf15426-Texto do artigo-37528-1-10-20130613.pdf
15426-Texto do artigo-37528-1-10-20130613.pdf
Juliana Braga
 
15426-Texto do artigo-37528-1-10-20130613.pdf
15426-Texto do artigo-37528-1-10-20130613.pdf15426-Texto do artigo-37528-1-10-20130613.pdf
15426-Texto do artigo-37528-1-10-20130613.pdf
Juliana Braga
 
O novo conceito de família
O novo conceito de famíliaO novo conceito de família
O novo conceito de família
Amanda Ferreira
 
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneoDa família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Portal do Vestibulando
 
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneoDa família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Escola
 
Famlia
FamliaFamlia
A família EMRC Carolina Canastra
A família  EMRC Carolina CanastraA família  EMRC Carolina Canastra
A família EMRC Carolina Canastra
emrcja
 
Família
FamíliaFamília
Família
Roseli Tejo
 
Família
FamíliaFamília
Família
Roseli Tejo
 
Familia na atualidade
Familia na atualidadeFamilia na atualidade
Familia na atualidade
Portal do Vestibulando
 
Família e sociedade(pps)
Família e sociedade(pps)Família e sociedade(pps)
Família e sociedade(pps)
Sandra Indriksons
 
Família e Proteção Social - questões atuais e limites da solidariedade familiar
Família e Proteção Social - questões atuais e limites da solidariedade familiar Família e Proteção Social - questões atuais e limites da solidariedade familiar
Família e Proteção Social - questões atuais e limites da solidariedade familiar
Faculdade União das Américas
 
Família
Família Família
Família
Rafaela Frazão
 
Almeida medeiros
Almeida medeirosAlmeida medeiros
Almeida medeiros
Maria Eugenia
 

Semelhante a Família- Sociologia 12ºAno (20)

Família e escola
Família e escolaFamília e escola
Família e escola
 
Família nos dias de hoje
Família nos dias de hojeFamília nos dias de hoje
Família nos dias de hoje
 
Ainstituiofamiliar
AinstituiofamiliarAinstituiofamiliar
Ainstituiofamiliar
 
Da família patriarcal às novas
Da família patriarcal às novasDa família patriarcal às novas
Da família patriarcal às novas
 
estrutura familiar e dinamica social
estrutura familiar e dinamica socialestrutura familiar e dinamica social
estrutura familiar e dinamica social
 
" Família-Marta,Laura e Gonçalinho"
" Família-Marta,Laura e Gonçalinho"" Família-Marta,Laura e Gonçalinho"
" Família-Marta,Laura e Gonçalinho"
 
15426-Texto do artigo-37528-1-10-20130613.pdf
15426-Texto do artigo-37528-1-10-20130613.pdf15426-Texto do artigo-37528-1-10-20130613.pdf
15426-Texto do artigo-37528-1-10-20130613.pdf
 
15426-Texto do artigo-37528-1-10-20130613.pdf
15426-Texto do artigo-37528-1-10-20130613.pdf15426-Texto do artigo-37528-1-10-20130613.pdf
15426-Texto do artigo-37528-1-10-20130613.pdf
 
O novo conceito de família
O novo conceito de famíliaO novo conceito de família
O novo conceito de família
 
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneoDa família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
 
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneoDa família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
 
Famlia
FamliaFamlia
Famlia
 
A família EMRC Carolina Canastra
A família  EMRC Carolina CanastraA família  EMRC Carolina Canastra
A família EMRC Carolina Canastra
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
Familia na atualidade
Familia na atualidadeFamilia na atualidade
Familia na atualidade
 
Família e sociedade(pps)
Família e sociedade(pps)Família e sociedade(pps)
Família e sociedade(pps)
 
Família e Proteção Social - questões atuais e limites da solidariedade familiar
Família e Proteção Social - questões atuais e limites da solidariedade familiar Família e Proteção Social - questões atuais e limites da solidariedade familiar
Família e Proteção Social - questões atuais e limites da solidariedade familiar
 
Família
Família Família
Família
 
Almeida medeiros
Almeida medeirosAlmeida medeiros
Almeida medeiros
 

Mais de turma12d

Instituições sociais
Instituições sociaisInstituições sociais
Instituições sociais
turma12d
 
Instituições sociais
Instituições sociaisInstituições sociais
Instituições sociais
turma12d
 
12ºd sociologia tabela- Ricardo Silva
12ºd sociologia tabela- Ricardo Silva12ºd sociologia tabela- Ricardo Silva
12ºd sociologia tabela- Ricardo Silva
turma12d
 
Instituições sociais
Instituições sociaisInstituições sociais
Instituições sociais
turma12d
 
Instituições sociais
Instituições sociaisInstituições sociais
Instituições sociais
turma12d
 
Principais instituições sociais
Principais instituições sociaisPrincipais instituições sociais
Principais instituições sociais
turma12d
 
Técnicas e métodos da sociologia
Técnicas e métodos da sociologia  Técnicas e métodos da sociologia
Técnicas e métodos da sociologia
turma12d
 
Interação social
Interação socialInteração social
Interação social
turma12d
 
Interação Social
Interação SocialInteração Social
Interação Social
turma12d
 
Interacção social
Interacção socialInteracção social
Interacção social
turma12d
 
Interacção social
Interacção socialInteracção social
Interacção social
turma12d
 
Interação social
Interação socialInteração social
Interação social
turma12d
 
Interação social
Interação socialInteração social
Interação social
turma12d
 
Métodos e técnicas de investigação da sociologia
Métodos e técnicas de investigação da sociologia Métodos e técnicas de investigação da sociologia
Métodos e técnicas de investigação da sociologia
turma12d
 
Técnicas e métodos da sociologia
Técnicas e métodos da sociologiaTécnicas e métodos da sociologia
Técnicas e métodos da sociologia
turma12d
 
Métodos e técnicas de investigação de sociologia
Métodos e técnicas de investigação de sociologiaMétodos e técnicas de investigação de sociologia
Métodos e técnicas de investigação de sociologia
turma12d
 
Métodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociaisMétodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociais
turma12d
 
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociaisMétodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
turma12d
 

Mais de turma12d (18)

Instituições sociais
Instituições sociaisInstituições sociais
Instituições sociais
 
Instituições sociais
Instituições sociaisInstituições sociais
Instituições sociais
 
12ºd sociologia tabela- Ricardo Silva
12ºd sociologia tabela- Ricardo Silva12ºd sociologia tabela- Ricardo Silva
12ºd sociologia tabela- Ricardo Silva
 
Instituições sociais
Instituições sociaisInstituições sociais
Instituições sociais
 
Instituições sociais
Instituições sociaisInstituições sociais
Instituições sociais
 
Principais instituições sociais
Principais instituições sociaisPrincipais instituições sociais
Principais instituições sociais
 
Técnicas e métodos da sociologia
Técnicas e métodos da sociologia  Técnicas e métodos da sociologia
Técnicas e métodos da sociologia
 
Interação social
Interação socialInteração social
Interação social
 
Interação Social
Interação SocialInteração Social
Interação Social
 
Interacção social
Interacção socialInteracção social
Interacção social
 
Interacção social
Interacção socialInteracção social
Interacção social
 
Interação social
Interação socialInteração social
Interação social
 
Interação social
Interação socialInteração social
Interação social
 
Métodos e técnicas de investigação da sociologia
Métodos e técnicas de investigação da sociologia Métodos e técnicas de investigação da sociologia
Métodos e técnicas de investigação da sociologia
 
Técnicas e métodos da sociologia
Técnicas e métodos da sociologiaTécnicas e métodos da sociologia
Técnicas e métodos da sociologia
 
Métodos e técnicas de investigação de sociologia
Métodos e técnicas de investigação de sociologiaMétodos e técnicas de investigação de sociologia
Métodos e técnicas de investigação de sociologia
 
Métodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociaisMétodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociais
 
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociaisMétodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
 

Último

Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
tamirissousa11
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 

Família- Sociologia 12ºAno

  • 2. Noção de Família  Considera-se que a vida social é algo fundamental à existência e sobrevivência dos seres humanos enquanto indivíduos, é na família que se dá início ao processo de socialização, educação e formação para o mundo.  As famílias são consideradas grupos primários, nos quais as relações entre os indivíduos são pautadas na subjectividade dos sentimentos entre as pessoas.  Os grupos familiares caracterizam-se por vínculos biológicos, mas sua constituição ao longo da história em todos os agrupamentos humanos não se limitou apenas ao aspecto da procriação e preservação da espécie, mas tornou-se um fenómeno social.  Deve existir harmonia, afecto, protecção e todo o tipo de apoio necessário na resolução de conflitos ou problemas de algum dos membros. As relações de confiança, segurança, conforto e bem-estar proporcionam a unidade familiar.
  • 3. A estrutura da família  O tipo de família designado por família extensa, estende-se por mais de duas gerações, incluindo os pais, os filhos casados ou solteiros, os genros e noras, os netos, os tios e os primos, por exemplo.Mas a família usualmente é pensada em termos de um grupo mais restrito, isto é, o homem (pai), a mulher (mãe) e os filhos. Esta é a chamada família nuclear, baseada no relacionamento conjugal.  Independentemente da dimensão, os dois elementos institucionais centrais da família são o casamento e a paternidade/maternidade. O casamento é o padrão socialmente aprovado para que duas ou mais pessoas estabeleçam uma família, e envolve as regras, obrigações e direitos da relação entre marido e mulher. Quanto ao casamento, o tipo e o processo varia de sociedade para sociedade, consoante os valores, as práticas sociais e cultura. Por exemplo, na sociedade ocidental apenas existe um casamento, um homem para uma mulher, ou seja casamento monogâmico. Já outras sociedades do mundo a poligamia é aceite, ou seja a pluralidade de cônjuges.
  • 4. Tipos de família  Família nuclear: É um grupo doméstico composto por pai, mãe e filhos.  Família monoparental: É uma família formada pai ou mãe e filhos. É fruto da viuvez, divórcio ou escolha de um dos progenitores.  Família recomposta: Estas famílias resultam de um novo casamento (ou união) com reunião dos filhos de casamentos anteriores.
  • 5. Novos tipos de família ou vida familiar  Família monoparental: É uma família formada pai ou mãe e filhos. É fruto da viuvez, divórcio ou escolha de um dos progenitores.  Família recomposta: Estas famílias resultam de um novo casamento (ou união) com reunião dos filhos de casamentos anteriores.  Família arco-íris: é constituída por um casal homossexual (ou pessoa solteira homossexual) que tenha uma ou mais crianças ao seu cargo. Mesmo sendo legal em vários países ainda é muito discutida no caso da adopção.  União de facto (Coabitação): É uma forma de vida familiar em que o casal mantém a relação sexual estável, vive em conjunto mas não efectuou o casamento. Tal como noutros países, esta forma de família tem aumentado em Portugal.  Monorresidência: A monorresidência é outra forma de vida que tem vindo a aumentar nas últimas décadas. Caracteriza-se pelo facto das pessoas viverem sós e abrange transversalmente a sociedade: jovens, indivíduos em idade adulta por opção ou em situação transitória e idosos.
  • 6.  REPRODUÇÃO  A família é a principal instituição através da qual a sociedade regula a satisfação das necessidades sexuais e organiza a procriação.  Se a satisfação sexual fora do casamento é tolerada, já a procriação fora da família é menos aprovada socialmente. Esta justificação prende-se não só com os modelos familiares instituídos como na necessidade da função de socialização ser exercida de forma mais próxima e afectiva, o que confere prioritariamente esse papel à família. Funções
  • 7. SOCIALIZAÇÃO  A família prepara a criança para o desempenho de certos papéis correspondentes ao seu género e estatuto.  A socialização de género, que reproduz modelos sociais instituídos, é uma das funções que a cultura dominante atribui às famílias- desde cedo se aprende o comportamento feminino ou masculino de acordo com o respectivo sexo. Mas a aprendizagem dos modelos sociais é também exercida no contexto do grupo social de pertença; isto é: viver e crescer numa família é afinal, uma preparação para uma situação d eclasse. Os valores, hábitos de vida, as normas que a criança interioriza contribuem para a sua colocação social. Funções
  • 8. Económica ou Consumo  Nas sociedade tradicionais, a família constituía a unidade económica fundamental. A satisfação das necessidades exigia que os seus membros trabalhassem em conjunto, partilhando o resultado da produção. Com a industrialização esta situação veio a modificar-se.  O capitalismo desenvolveu-se e a concorrência e o lucro, motor da actividade económica, exigiram das empresas uma organização da produção e do trabalho mais rentáveis. A obtenção de mais-valias era, então, indispensável à sobrevivência das empresas num mundo tão competitivo. Já não era viável que a produção estivesse entregue às famílias. De camponesas e artesãs , muitas da famílias passaram, então, a assalariadas, possuindo apenas a sua força de trabalho que vendiam no mercado em troca de um salário para o seu sustento ou consumo.  Por isso a família, hoje, já não é a unidade base da produção, sendo apenas a unidade-base do consumo. A empresa produz para o consumo das famílias. O consumo torna-se, assim, numa das funções das famílias e condição de sustentabilidade das modernas economias industrializadas- as sociedades de consumo. Funções
  • 9. Indicadores da mudança demográfica da Família Portuguesa das últimas décadas  aumento do casamento civil contra o religioso;  a queda das taxas de nupcialidade;  o aumento do número de filhos fora do casamento;  o aumento da idade média do primeiro casamento para ambos os sexos.  Já na área das formas de conjugalidade, verifica-se:  A existência de outras formas de conjugalidade, como a união de facto como experiência de pré-casamento ou como alternativa ao casamento;  Uma mudança na forma como é vivida a conjugalidade assumindo o afecto, a intimidade, a partilha e a "proteção", valores estruturantes.
  • 10. Novos papéis parentais  A evolução da sociedade permitiu o aparecimento de novos papéis sociais. Hoje em dia a família já não se encontra unida pelo trabalho em conjunto, uma vez que os seus membros, que se especializam, trabalham separadamente. Já não constitui uma unidade de produção económica, antes se transformou numa unidade consumidora de bens e serviços produzidos no exterior.  Houve uma quebra de natalidade porque as crianças já não são um bem económico, pois não trabalham, sendo que as famílias numerosas têm mais dificuldades.Para além destas mudanças existem outras como as tarefas educativas passarem a ser desempenhadas por outras instituições para além da família, instituições como a escola e os média se destacam.  O ingresso das mulheres no mercado de trabalho operou uma das maiores mudanças na vida familiar, porque aumentou a independência da mulher.O facto de a mulher ter um novo papel na sociedade também modificou o comportamento masculino que hoje em dia partilha as tarefas com a mulher, sendo diferente do período em que a mulher ainda não era valorizada. Esta nova situação veio modificar as relações dentro do casamento. A família já não é dominada pela autoridade do homem, mas baseia-se numa relação igualitária entre os cônjuges.
  • 11. Novo lugar da criança em casa e na sociedade  O lugar da criança na sociedade atual é bem diferente do que ocupava há séculos atrás. Antigamente exigia-se o trabalho das crianças no campos e outras actividades necessárias à sua difícil sobrevivência. Eram tratadas como "adultos pequenos" e era pedida a sua colaboração desde cedo sobretudo por razões económicas, não respeitando os valores físicos ou psicológicos. O que viria a mudar coma Declaração Univesal dos Direitos Humanos em 1948, e mais tarde em 1989, a Declaração Universal dos Direitos da Criança.  Em vez de trabalhar têm direito à educação nos mais variados tipos de instituição (creches, infantários, escolas etc.). Apesar de possuírem direitos também têm deveres. Hoje em dia na cultura ocidental as crianças são as mais protegidas das famílias, tendo os privilégios que merecem.
  • 12. Violência intrafamiliar  A violência doméstica e os abusos, em particular, sobre mulheres, crianças e idosos, são situações de desrespeito humano no seio da família. Estes tipos de violência são descritos por Giddens como actos que acontecem pela combinação entre a intensidade emocional e a intimidade pessoal (amor e ódio).  Nos casos de violência doméstica as vítimas sofrem em silêncio por força do controlo social, vergonha, dependência económica etc.  Os abusos sobre crianças atravessam toda a sociedade, verificando-se em todos os estratos sociais. Demonstra a violência vinda de alguém "mais forte" que outro, refletindo o exercício de poder sobre alguém que pode não saber se defender. Podem envolver aspectos como negligência, abusos físicos ou emocionais e abusos sexuais.  Como consequência, as crianças maltratadas poderão tornar-se em adultos violentos e reproduzir o mesmo tipo de ação. No entanto, a luta pelos direitos dos grupos mais frágeis da sociedade tem proporcionado informação e apoio social.