Cova do vapor

355 visualizações

Publicada em

Ocupação informal - Cova do Vapor (Portugal)

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
355
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cova do vapor

  1. 1. Planeamento Urbano e Ordenamento do Território Docente: Profª Doutora Margarida Pereira OCUPAÇÃO INFORMAL EM ÁREA DE RISCO ESTUDO DE CASO – COVA DO VAPOR Mestrado em Urbanismo Sustentável e Ordenamento do Território Trabalho realizado por: Felipe Regues Inês Pinto Letícia Lopes Paulo Reis
  2. 2. Índice 1. O Ordenamento do Território em Portugal 2. Instrumentos de Gestão Territorial 3. Conceitos fundamentais – Ocupação informal – Capacidade de Carga – Resiliência do território e adaptação às alterações climáticas – Perigosidade, Vulnerabilidade e risco 4. Estudo de Caso: Cova do Vapor – Enquadramento histórico – Enquadramento geográfico – Problemática – Instrumentos de Gestão Territorial aplicáveis – Polis da Costa da Caparica – Visão e Objectivos – Quadro de atores locais – Propostas de ação • Governança • Habitação • Ambiente • Economia local • Notas finais 5. Referências Bibliográficas
  3. 3. Mestrado em Urbanismo Sustentável e Ordenamento do Território “ As nossas cidades mudaram mais depressa do que a nossa capacidade de ajustar o pensamento” (Richard Marshall) in Costa, 2013
  4. 4. Mestrado em Urbanismo Sustentável e Ordenamento do Território INTRODUÇÃO: O presente trabalho visa efetuar o estudo de caso sobre o aglomerado urbano de génese ilegal designado por Cova do Vapor, abordando a problemática e definindo propostas de ação dentro do quadro definido pelos instrumentos de gestão territorial aplicáveis ao local, refletindo sobre os novos desafios da gestão territorial, do ordenamento do território e do urbanismo. Assim, partindo de um sucinto enquadramento histórico do ordenamento do território em Portugal até à definição do sistema de gestão territorial atual, alicerçado num quadro de conceitos teóricos fundamentais, partiu-se para o desenvolvimento do estudo de caso da Cova do Vapor.
  5. 5. Mestrado em Urbanismo Sustentável e Ordenamento do Território 1. O Ordenamento do Território em Portugal
  6. 6. Mestrado em Urbanismo Sustentável e Ordenamento do Território ENQUADRAMENTO HISTÓRICO Localizada onde o rio encontra o mar, o núcleo inicial da Cova do Vapor surge a partir de uma pequena aldeia piscatória nos anos de 1920, e se destaca pelo seu forte sentido de comunidade e uma herança arquitetónica baseada na autoconstrução.
  7. 7. ENQUADRAMENTO HISTÓRICO Por ser localizada numa área de grande dinâmica morfológica, a Cova do Vapor aldeia piscatória e refúgio balnear foi “empurrada” diversas vezes pelo mar, sobretudo para dentro da mata de São João. Este processo regista-se desde os finais da década de 1940. Fonte: A casa do vapor, 2013.Fonte: A casa do vapor, 2013. “Quando o mar começou a comer isto, aqui há uns cinquenta anos, as barracas de madeira que estavam a 1 km do Bugio tiveramde ser arrastadas por juntas de bois. Umas desmontavam‐se, outras vinham inteiras”. Depoimento de um morador.
  8. 8. 1940: Zona de recreio e balnear, sobretudo de segunda residência; 1947: Grande recuo da linha de costa entre a Cova do Vapor (desapareceram 500 metros); 1970: Democratizam-se, os habitantes de Lisboa, ali vão passar férias; 1974: Crescimento e desordenamento, construção de habitações ocupando a mata de São João.
  9. 9. 1990: Terreno adiquirido pela Urbisol; 2000: Projeto destinado à renovação urbana. Uma 2ª Tróia.. 2001: Projeto Chumbado! Zona de alto risco. 2011: “Entendimento estratégico” entre a Administração do Porto de Lisboa e a Associação de Moradores da Cova do Vapor.
  10. 10. População e Economia  Não há dados populacionais sobre o bairro Cova do Vapor no INE e na Câmara Municipal da Almada.  “Explodiu o número de habitantes (94%), de edifícios (44%) e de alojamentos sazonais (60%)” nas últimas duas décadas. (Público, 09 de janeiro de 2014).  Em 2002 existiam cerca de 200 habitantes permanentes. Hoje residem acima de 1000 pessoas” (QUEIROZ, M.A. 2011).
  11. 11. População e Economia  Turismo: aluguer de casas e quartos no verão;  Comércio local: pastelarias, talho, restaurante, bar e café.  Pesca: apanha de ameijôa e a pesca artesanal. Este tipo de pesca é o único meio de subsistência para muitos agregados familiares.
  12. 12. Habitação 2002: cerca de 350 casas, das quais 90 habitadas em permanência. Divergências de opinião: Arquitetura única e pitoresca versus casas informais. Altamente susceptível a eventos climáticos devido a sua exposição junto ao mar. Perde anualmente 26 metros de faixa de areia. (Público, 2014)
  13. 13. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  14. 14. OBRIGADO!

×