SlideShare uma empresa Scribd logo
1
ESTUDO BIBLÍCO

   ATOS DOS
  APÓSTOLOS


      PAULO FRANCISCO DOS SANTOS

          Pastor, escritor, poeta e teólogo.



      2
MENSAGEM

“E disse-lhes: Não vos pertence saber os tempos ou as estações que
o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder. Mas recebereis a virtude
do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas,
tanto em Jerusalém como em toda Judéia e Samaria, e até aos
confins da terra. E quando dizia isto, vendo-o eles, foi elevado às
alturas, e uma nuvem o recebeu, ocultando-o a seus olhos. E,
cumprindo-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no
mesmo lugar; e de repente veio do céu um som, como de um vento
veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam
assentados. E foram vistas línguas repartidas, como que de fogo, as
quais sobre cada um deles. E todos foram cheios do Espírito Santo, e
começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes
concedia que falassem”. E perseveravam na doutrina dos apóstolos,
e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações. E em toda a alma
havia temor, e muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos.
E todos os que criam estavam juntos, e tinham tudo em comum. E
vendiam suas propriedades e fazendas, e repartiam com todos,
segundo cada um havia de mister. E, perseverando unânimes todos
os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam juntos com
alegria e singeleza de coração, louvando a Deus, e caindo na graça
de todo o povo. E todos os dias acrescentava o Senhor à igreja
aqueles que se haviam de salvar”.



                           Atos dos Apóstolos 1.7-9; 2.01-04,42-47




                                 3
Í ND ICE



COMENTÁRIO.......................................................................... Pág. 05

INTRODUÇÃO.......................................................................... Pág. 06

O Livro dos Atos dos Apóstolos.............................................. Pág. 08

Resumo de Atos dos Apóstolos ............................................. Pág. 10

Suprimento Histórico.............................................................. Pág. 13

A proposta do evangelho........................................................ Pág. 14

A igreja, ordenanças e ministros............................................ Pág. 15

A igreja.................................................................................... Pág. 15

Ordenanças............................................................................. Pág. 15

Os ministros............................................................................ Pág. 17

CONCLUSAO............................................................................ Pág. 19

BIBLIOGRAFIA......................................................................... Pág. 20




                                                 4
Comentário

        Apresentar um trabalho acerca do livro de Atos dos Apóstolos é buscar nas raízes
do Cristianismo não somente a história da igreja, mas o modelo de uma igreja que se
desenvolveu em meio a dificuldades e perseguições e que também possuiu uma sede
missionária que deve inflamar o coração da igreja atual.
       O livro de Atos marca o principio da igreja e a ação do Espírito Santo que atuando
formou o cânon dando os parâmetros para a continuidade desta obra divina. Após dois mil
anos de história eclesial nós temos muito que aprender, a igreja atual tem a vantagem de
empunhar nas mãos todos conhecimentos acumulados durantes estes milênios acerca das
Escrituras, mas a igreja primitiva ainda continua sendo um espelho que certamente
direcionará o despertar da igreja contemporânea e “futura” para impactar o mundo no
desfecho final da grande comissão.



                                                            Paulo Francisco dos Santos




                                           5
Introdução

        Atos dos Apóstolos descreve a história da disseminação da mensagem de Cristo
desde Jerusalém até os rincões do Império Romano, deixando todavia entreaberta a história
da Igreja, pois a o desfecho desta se dará no final dos tempos como vaticinou nosso amado
Senhor Jesus Cristo, daí o motivo de em Atos não ser mostrada uma conclusão, mas com a
prisão domiciliar de Paulo em foco no último capítulo e os acontecimentos posteriores não
mencionados vemos uma tomada de perspectiva e continuidade da história da igreja.
        Hoje a mensagem ainda continua viva, mesmo depois da história testemunhar
inúmeros acontecimentos que quiseram lança-la no baú do esquecimento, porém, como ela
não trata de uma ação meramente humano, estes fatos falharam e como a forças das trevas
não dormem, ainda continuaram em pró deste objetivo que com certeza sempre cairão no
fracasso.
        Assim analisar Atos dos Apóstolos é repensar o presente olhando para o passado e
isto é, muito importante.
        Jesus é elevado aos céus, mas antes outorga a igreja que engatinha a tarefa da
grande comissão. Os apóstolos esperam a promessa do derramamento do Espírito Santo
para conseguirem realizar as ordens do Senhor. Recebendo a promessa os discípulos são
impulsionados a anunciar a mensagem de salvação e Jerusalém é sacudida pela pregação e
operação de milagres. Ao passar do tempo a mensagem salta os muros nacionalistas e os
desprezados gentios são tocados pela graça divina. A escolha de Paulo para o apostolado é
a uma providência do alto para que o evangelho se espalhe pelo império Romano. Pedro
atua na circuncisão e Paulo na incircuncisão e Cristo é pregado. Até o capítulo doze
Jerusalém e Pedro que representa os doze apóstolos está em evidência nos relatos históricos
de Atos dos Apóstolos, mas a partir do capítulo treze Paulo assume como protagonista da
realidade universal da Salvação.

        Destaquei que em Atos a Igreja Primitiva é uma criança que engatinha, ou seja, está
aprendendo, não que a atual não aprenda, mas o cânon ainda não está completo em suas
mãos e por isso observamos a grande dificuldade de lidar com questões que até então eram
um mistério oculto a ser manifesto neste inicio da dispensação da graça. A igreja tem que
assumir o papel que lhe foi preparado: “Ser a receptora-mãe dos escolhidos que o Senhor
redimiu para si”. Assim podemos ler o surgimento da igreja missionária em Antioquia, uma
das filhas da mãe Jerusalém. O primeiro concílio no capítulo quinze e sua repercussão entre
as igrejas gentílicas. Paulo e seus companheiros estão viajando e anunciando a mensagem
do evangelho até que em Jerusalém Paulo finalmente é preso e falsamente acusado e assim
forçado a pedir para ser julgado por César. Dentro do propósito divino Paulo anuncia o
evangelho tanto para cidadãos simples como para altos governantes como Cláudio Lísias,
governador Félix e Festo, o Rei Agripa e a sua ida a presença de César que não foi




                                            6
registrada em Atos, mas que nos remete a continuidade da história da igreja que milita e
anuncia o evangelho.
        Em Atos dos Apóstolos ainda vemos a Igreja se distinguindo do Judaísmo e
tomando a sua própria forma, perfazendo-se o Cristianismo.
        A proposta do evangelho revolucionou a época dos adoradores de muitos deuses os
direcionando ao Deus verdadeiro.
        Em Atos dos Apóstolos vemos superficialmente os cargos eclesiásticos, porém, com
o auxilio de um estudo a parte vemos a sua evolução e sua prática na atualidade.
        No final conclui a suma deste trabalho fazendo um comentário que lança minha
profunda admiração pela história interrupta da gloriosa igreja em poucas linhas.




                                           7
O Livro de Atos dos Apóstolos
       O livro de Atos dos Apóstolos registra a expansão do cristianismo através do
império romano. Após a morte, ressurreição e ascensão do Senhor aos céus à igreja é
incumbida de anunciar o evangelho para todo o mundo e desde do dia de pentecostes até a
chegada de Paulo a Roma encontramos o registro.
       A autoria do Livro de Atos dos apóstolos é atribuída a um dos companheiros de
Paulo que através dos pronomes “nós” e “nos” (16.10-16; 20.5-21.18;27.1-28.16) é
conhecido como uma testemunha ocular de pelos menos algumas viagens de Paulo.
Considerando a dedicatória do livro a Teófilo 1.1 comparada com o evangelho de Lucas
1.3, juntamente com o fato dos escritores antigos confirmarem, o livro de Atos aponta
Lucas como seu escritor.

       Conteúdo do livro:
       I.     Jerusalém e a igreja: surgimento, crescimento e estabelecimento.
       Atos 1.1-8.4.
       II.    A projeção além das fronteiras. Jerusalém, palestina e Síria.
       Atos 8.5-12.23.
       III.   Os gentios são alcançados. (Paulo e suas viagens)
       Atos 12.24-21.17.
       IV.    O final da vida de Paulo
       Atos 21.18-28.31.

        Em atos vemos acontecimentos da vida de Pedro e Paulo, porém os protagonistas de
todos os eventos de Atos são o Espírito Santo e a igreja que Ele guia para encontrar-se com
o Senhor Jesus na eternidade. Vemos que o Espírito Santo veio para ser o outro consolador
prometido pelo Senhor Jesus (Jo 14.16) e com sua chegada em meio aos homens que
receberam a fé forma-se a Igreja que é carregada em seu colo e seguida como foi dito antes
começa a engatinhar em meio à história da humanidade.
        O Espírito Santo guiou a Igreja em todo o tempo desde o dia de pentecostes. A
pregação cheia de autoridade dos apóstolos e demais discípulos. Os sinais miraculosos em
todo o livro e o fato do evangelho vencer o orgulho e preconceito enraizados nos corações
dos discípulos que apesar de receberem a graça continuavam sendo judeus que
necessitavam de ter suas visões abertas. O evangelho entre os gentios é uma ação
maravilhosa do Espírito em favor da missão, pois, sem sua intervenção a palavra de
salvação iria ficar confinada apenas aos judeus e os mestiços samaritanos. A igreja formada
de judeus e gentios é a demonstração divina que a salvação é uma dádiva universal. Acima
de tudo nas páginas de Atos nos observamos o testemunho de Deus a seu favor, pois a
história está debaixo de sua soberana vontade.




                                            8
Igrejas gentílicas e suas províncias e cidades.

Síria e Cilícia.                                  Cesaréia.
Listra.                                           Antioquia .
Frigia, Galácia e Mísia.                          Macedônia.
Trôade.                                           Assôs.
Filipos.                                          Mitilene, Quios, Samos.
Anfípolis, Apolônia.                              Mileto.
Tessalônica.                                      Cós, Rodes.
Beréia.                                           Pátara.
Atenas.                                           Tiro.
Corinto.                                          Ptolemaida.
Cencréia                                          Damasco.
Éfeso.




                                       9
Resumo de Atos dos Apóstolos
        Os discípulos vêem Jesus pela última vez, antes de sua ascensão no monte das
oliveiras.
        Cerca de dez dias mais tarde na festividade de Pentecostes, todos os cristãos
reunidos no cenáculo são cheios do Espírito Santo e Pedro ao pregar convence três mil
pessoas para se agregarem ao Caminho.
        Os cristãos de Jerusalém compartilham seus bens entre si.
        Milagres e prodígios são operados por eles.
        Pedro e João são detidos e advertidos pelo concílio de judeus após pregarem e
curarem em nome de Jesus um aleijado.
        Depois deste fato, todos apóstolos são presos, mas miraculosamente são libertos e
no raiar do dia pregam no templo, onde são novamente detidos e levados a presença do
concilio judaico que manda os açoitar e os proíbe de pregar em nome de Jesus.
        Os apóstolos escolhem sete homens para receber a designação de diáconos e
servirem na administração.
        Estevão um dos sete diáconos é apedrejado e os discípulos são dispersos ficando em
Jerusalém os apóstolos.
        Filipe um dos sete vai a Samaria e anuncia a fé, muitos são curados e aceitam a
Jesus, inclusive Simão um mágico famoso nesta cidade.
        Pedro e João vão a Samaria e oram para os discípulos receberem o batismo no
Espírito Santo.
        Felipe na estrada de Jerusalém-Gaza prega as boas novas para o tesoureiro da rainha
da Etiópia e o batiza.
        Felipe chega a Cesaréia, onde se estabelece com sua esposa e família (Atos 21.8,9).
        Pedro vai a Lida e depois a Jope onde ressuscita em nome de Jesus a discípula
Dorcas.
        Um centurião romano chamado Cornélio tem uma revelação divina sobre a salvação
e chama Pedro que está em Jope para lhe explicar sobre o evangelho, o qual se converte
com família e amigos e ainda recebe o batismo com Espírito Santo e também desce as
águas, pois Pedro compreende que Deus não faz acepção de pessoas.
        Com a conversão de Cornélio e a entrada dos gentios na igreja forma-se um concílio
por causa da oposição ao feito de Pedro (Atos 15.1-21).
        Tiago irmão do Senhor Jesus aparece como líder da igreja em Jerusalém.
        Em Antioquia que era terceira maior cidade Romana alguns irmãos chegam e
anunciam o evangelho somente aos judeus, porém com a chegada de cristãos de Chipre e
do Norte da África o evangelho também chega aos gentios.
        Barnabé é enviado a igreja em Antioquia e busca em seguida Saulo para lhe ajudar
no ensino da palavra e nesta cidade o nome cristão é dado pela primeira vez aos seguidores
de Cristo.




                                            10
Paulo, Barnabé e Marcos são enviados aos países estrangeiros, sendo os primeiros
nesta empreitada missionária. Eles vão a cidade Atália e o falso profeta Bar-Jesus amigo do
governador tenta impedir sua conversão e é ferido de cegueira. (Atos 13.4-12).
        Em Perge João Marcos decide voltar para Jerusalém.
        Na província da Cilícia e Traquéia Paulo e Barnabé pregam na outra cidade de
Antioquia que é menor do que a da província da Síria. Dali vão para Iconio onde são
perseguidos e se direcionam para Listra onde curam um homem aleijado e são recebidos
como deuses, porém os opositores de Icônio chegam ali e persuadem o povo a os
apedrejarem. (Atos 14.8-20).
        Os apóstolos chegam em Derbe e muitos se convertem. Em seguida eles voltam em
todas as igrejas que formaram na viajem missionária animando os para continuarem no
caminho (Atos 14.21-26) e depois voltam com as noticias de sucesso para Igreja de
Antioquia na província da Síria (Atos 14.27-28).
        Em Jerusalém acontece o concílio que aprova que aos gentios deve ser colocado que
devem apenas se afastar da prostituição, da idolatria e da carne sufocada.
        Por causa de João Marcos, Paulo e Barnabé discordam em viajarem juntos e cada
um segue para um lado diferente.
        Barnabé vai para Chipre com João Marcos.
       Paulo juntamente com Silas vão para Derbe e Listra onde Paulo recruta Timóteo
para fazer parte do grupo missionário (Atos 16.1-3).
        Eles visitam as igrejas anunciando aos gentios o que fora decidido pelo concílio de
Jerusalém (Atos 16.4,5).
        Paulo tenta ir a Bitínia e é impedido pelo Espírito Santo e vai para Macedônia e
depois de passar por Trôade e Neápolis segue em direção a Felipos onde ao expulsar o
demônio de uma jovem adivinha é preso juntamente com Silas. Estes são libertos por um
terremoto e batizam o carcereiro que se converte (Atos 16.11-40).
        Em Tessalônica muitos judeus e gregos se convertem.
        Em Beréia a recepção é melhor ainda que em Tessalônica, mas os opositores de
Tessalônica chegam para querer impedir a obra de Deus, porém Silas e Timóteo ficam
ensinando o evangelho, enquanto Paulo parte para outra cidade.
        Na cidade de Atenas Paulo prega a ressurreição no Areópago (Atos 17.16-34).
        Em Corinto Paulo passa dois anos ensinando o evangelho (Atos 18.1-17) e depois
parte para cidade de Éfeso (Atos 18.18-21).
        Paulo e seu grupo voltam para Antioquia passando através de Cesaréia e Jerusalém
(Atos 18.22).
        Na terceira viagem missionária Paulo faz de Éfeso a base de seu trabalho
missionário durante os próximos três anos e o evangelho se espalha pela Ásia (19.1-20) e
escreve as cartas direcionadas a igreja de Corinto. Devido ao crescimento do cristianismo
os artesãos de imagens de escultura fazem um levante para querer impedir o
prosseguimento do evangelho (Atos 19.23-41). Paulo parte para Trôade, Neápolis e Felipos
onde encoraja a igreja (Atos 20.1,2) recolhe dinheiro para igreja das Judéia (2 Co 8.15).
Provavelmente ele vai a Corinto e volta para Felipos de onde planeja ir a Jerusalém por via




                                            11
marítima, mas ao saber de um complô de seus inimigos para tirar sua vida decide ir pó terra
(Atos 20.2-6).
        Em Felipos Paulo prega durante toda a noite e ressuscita o jovem Êutico que ao
dormir durante a pregação cai do terceiro andar do prédio, dali ele parte para Éfeso, onde
apresenta seu discurso de despedida e provoca a comoção de todos. Em Patara trocam de
barco e em Cesaréia se hospedam na casa de Felipe que agora é um evangelista. O profeta
Ágabo diz que Paulo seria amarrado pelos judeus e entregue aos gentios (romanos). Paulo,
porém, está decidido em ir e apesar dos apelos de seus amigos prossegue a viagem. Em
Jerusalém ele é recebido pela igreja.
        No templo Paulo é acusado de levar gentios para profanar o templo e por isso é
espancado violentamente pelos judeus. As tropas romanas o retiram das mãos furiosas da
multidão. Ele recebe a oportunidade de falar ao seu favor e ouvido pelos judeus até o
momento de mencionar que foi escolhido para anunciar as boas novas aos gentios.
        Paulo é levado a fortaleza romana. No dia seguinte ele se defende perante o concílio
de judeus, mas não é aceito seus argumentos e é levado novamente a fortaleza.
        Quarenta homens juram matar Paulo e se amaldiçoam se caso não conseguirem. O
comandante romano ao saber do plano destes homens envia Paulo para Cesaréia aos
cuidados do governador Félix.
        Paulo permanece preso durante dois anos pois Félix adia dar uma decisão e é
substituído por Festo.
        Paulo é ouvido por Festo e Agripa II.
        Como Festo se mostrava favorável aos judeus Paulo decide pedir ser julgado por
César, pois sua cidadania romana lhe dava este direito.
        Paulo é enviado para Roma, porém o seu navio sofre um naufrágio e toda
tripulação, soldados e presos não sofrem dano algum e se refugiam na ilha de Malta. Nesta
ilha Paulo é picado por uma cobra venenosa, mas miraculosamente não morre e ainda ora
por varias pessoas da ilha curando de várias enfermidades e inclusive pelo pai do
governador desta o curando. Dali partem para Roma, onde lhe é permitido morar durante
dois anos em uma casa alugada esperando seu julgamento e lhe é conferida considerável
liberdade para falar e receber visitas.




                                            12
Suprimento Histórico
                                           Palestina
        A palestina no tempo de Jesus era divida em seis distritos: Judéia, Samaria,
Iduméia, Galiléia, Peréia, Ituréia.
        Herodes o Grande governou a Palestina do ano 37-4 a.C. Foi reconhecido como um
grande administrador e também um grande sanguinário, pois, até mesmo sua esposa
predileta mandou matar em 20 a.C. (Mariana) e seus dois filhos Alexandre II e Aristóbulo
IV e seu irmão Féroras. Construiu o templo da época de Jesus começando sua obra em 19
a.C. e finalizando-a em 64 d.C. Após a morte de Herodes em 4 a.C. seu reino foi dividido
entre seus três filhos:
        Herodes Arquelau governou a Judéia, a Samaria e a Iduméia. (Mt 2.22). Ele foi
deposto em 6 d.C. e seu reino passou a ser administrado por oficiais romanos
        Herodes Antipas governou a Peréia e a Galiléia. Em Lucas 3.1 ele mandou decapitar
João Batista, em Lucas 23.6-12 escarneceu de Jesus e em Mateus 14.3 afirma que tomou a
mulher de seu irmão Felipe. Governou até 39 d.C. sendo substituído depois de sua morte
por Herodes Agripa I (atos 12)
        Herodes Felipe II governou a Ituréia, que incluía os territórios de Traconites,
Gaulanites e Auranites. Governou até 34 d.C. passando seu território após sua morte para
Herodes Agripa I.
        De 41-44 d.C. toda palestina foi governada por Herodes Agripa I que morreu de
uma maneira horrível (atos 12), passando a palestina a ser governada por procuradores
Romanos até a revolta dos judeus em 66-70 d.C. e a destruição de Jerusalém onde mais de
1.000.000 de judeus morreram

                                             Roma


         A cidade Reino de Roma foi fundada + ou – em 750 a.C., na região do Lácio,
Itália, donde vem o vocábulo latim, sua fundação está envolta a lenda que Enéias, guerreiro
troiano a fundou depois da queda de Tróia no século doze antes de Cristo, onde Rômulo e
Remo descendentes de Enéias sustentados por uma loba crescem e organizam Roma. Em
509 a.C. passou de reino a república, tendo assim nova forma de governo, e,
necessariamente, novos cargos e funções. Em 270 a.C. os romanos controlavam toda a
Itália.Cerca de dois séculos antes do nascimento do Senhor Jesus Roma iniciou sua fase de
ascensão que na Palestina durou desde 166 a.C. até a 66 a.C. ano da revolta dos judeus e a
destruição de Jerusalém em 70 a.C.




                                            13
A proposta do Evangelho
        Até a época de Cristo as religiões se baseavam em ações humanas para agradar os
deuses que viviam alheios a vida de seus devotos e quando se propunham em fazer alguma
ação era somente para satisfazer deleites próprios.
        Entre o panteão de deuses que existiam até então, a proposta do evangelho veio
mudar a realidade dos homens e mulheres que viviam nesta época e nas vindouras.
        Para se entender o evangelho não existia a necessidade de ser um filósofo (até então
apenas uma parcela minúscula da população poderia ter acesso ao conhecimento simples,
quanto mais o filosófico) para compreender a proposta do evangelho – aproximação do
homem que estava distante de Deus e com este restabelecimento a comunhão e uma nova
visão do pôs morte – perspectiva de uma vida eterna junto do Deus que veio realizar a obra
de salvação.
        O fato de o evangelho expressar que Deus não estava alheio a sua criação, mas antes
se importava com cada homem era algo que impactou a todos e a operação de milagres
juntamente com o exorcismo que libertava os escravos do pecado e sujeitos as forças
malignas do diabo demonstravam que o evangelho não somente mais uma religião, mas a
ação divina para mudança na vida dos seus seguidores.
        Não demorou muito tempo para o evangelho se espalhar por todo império Romano e
alarmar até mesmo as autoridades que passaram a vê-lo como uma ameaça, apesar dele
arregimentar pessoas não para um reino político terreno, mas para o celestial com uma
visão totalmente pacifica.
        As perseguições geraram grande transtorno e dificuldade para os convertidos a fé
cristã, porém, as investidas humano-satânicas para impedir o crescimento do evangelho
foram vãs, ele prosseguiu adiante até os dias atuais.




                                            14
A Igreja, ordenanças e Ministros
                                     “Igreja: Ekklesia”
        Os dicionários comuns dão dois significados ao termo ekklesia: 1. “Ajuntamento
popular”. 2. “Igreja”.
        Em atos dos apóstolos a palavra igreja é tanto usada para designar a comunidade
judaico cristã como a gentio cristã, e com isso podemos concluir que o termo igreja pode se
referir a igreja local ou a reunião de todos os chamados por Deus.




                                         Ordenanças
        Batismo: O batismo é um acontecimento comum entre os cristãos, porém os judeus
batizavam os convertidos do paganismo ao judaísmo pelo batismo, símbolo de purificação.
O batismo cristão é administrado para os que recebem a palavra. A ordem de Mateus 28.19
é seguida pela igreja desde dos primórdios do evangelho, dando a entender que o batismo é
a porta de entrada para junção do novo membro ao corpo de Cristo local, ou seja, a
profissão de fé feita com o ato do batismo pelo catecúmeno esboça publicamente que este
realmente segue a fé cristã.
        Ceia: Os primitivos cristãos tomavam uma refeição a principio completa, onde cada
um trazia um prato para mesa comum e realizam na casas dos discípulos. A refeição
começava com uma oração e com o comer de pedacinhos de pão que representava o corpo
partido de Cristo. Encerrava-se a refeição com outra oração e a seguir participavam de uma
taça de vinho, que representava o sangue vertido de Cristo. Vemos na ceia a demonstração
de cinco verdades cristãs:
        1) o memorial permanente do Senhor Jesus.
        2) A manifestação objetiva da dependência do sacrifício de Cristo pelo pecado a
           favor de toda a igreja.
        3) A lembrança constante da necessidade da comunhão e sustento espiritual dada
           pelo Senhor.
        4) O vínculo de uma nova fraternidade.
        5) O anúncio contínuo da volta de Jesus para buscar a sua igreja.


       O batismo era administrado uma única vez aos membros da igreja e a ceia
freqüentemente. Como somente vemos no N.T. a presença destas duas ordenanças e a




                                            15
Bíblia é nossa regra de fé, nenhuma autoridade humana pode aumentar ou diminuir, mudar
a forma ou significação delas.
       O batismo é o símbolo de que nós estamos em Cristo.
       A ceia do Senhor é o símbolo de que Cristo está em nós.




                                         16
Os ministros da igreja

                                           Apóstolo

        A principio o termo apóstolo aparece numa estreita ligação no original grego nos
termos de navegação (apostolois: navegar em navios) e o uso no sentido de enviar uma
frota de navios é freqüentemente observado em textos da época. No N.T. o termo apóstolo
aparece 59 vezes com toda certeza e nunca aparece no objetivo de envio, mas sempre a
designação de um homem que é enviado, de um mensageiro.
        No V.T. a palavra que é equivalente a apostolos é Shaliah que também significa
enviado e no N.T. vemos em Jo 13.16 a identificação entre Apóstolos e Shaliah: “não é o
servo maior que o seu senhor nem o enviado maior do que aquele que o enviou”. Aqui
apostolos nada mais é que a tradução do termo judeu, tomado no sentido jurídico mais puro
de “encarregado de representar a pessoa a as coisas de outrem de modo juridicamente
válido”.
        O apóstolo teria que ter sido testemunha ocular da obra de Jesus e ser vocacionado
por Ele, nesta visão, hoje em dia é impossível haver uma ascensão de novos apóstolos,
todavia, alguns se auto intitulam como tais. Resta, porém, atentarmos que os receptores
diretos dos apóstolos, os pais da igreja não usaram este titulo, dando a entender que não
lhes foi passado este dom, ou chamado especial, mas suas vocações se restringiram ao
episcopado, algo que não deve ser menosprezado, pois segundo o N.T. é uma excelente
coisa.

                                             Bispo

       A palavra grega episkopos é traduzida pelo vocábulo “supervisor” ou “vigia”.
Existe também no grego a referência de episkopos como a presença de alguma força
superior ao homem, afirmando a existência da divindade, também significava os portadores
de funções públicas. Estas referências são anteriores ao seu emprego no Novo Testamento.
O termo episkopos no NT tem uma estreita ligação com o termo poimên. Pastorear
(poimên) e vigiar (episkopos) designam a atividade de um pastor. E dentro das referências
no NT vemos que episkopos quando aparece se refere aos “lideres da comunidade”
colocando assim a palavra episcopo como um cargo dentro da igreja.

                                           Presbítero

       A palavra presbyteros, forma comparativa de presbys, velho, ancião, é usada para
descrever a idade mais elevada de uma pessoa em relação ao outra, abraçando o sentido de
“mais velho”.
       Na constituição da cidade grega de Esparta o têrmo designava o presidente de um
colégio.




                                           17
A palavra presbyteros tem um sentido duplo falando acerca da idade e também de
um cargo público.
        Dentro do contexto judaico os anciões ocupavam as atribuições de presidência e
judiciárias sobre o povo de Israel, e por isso, vemos surgir entre o povo de Deus a formação
de um “conselho de anciões”, como autoridade suprema entre eles com sede em Jerusalém.
        Em Atos dos Apóstolos aparecem os anciões, ou presbíteros que fazem parte do
concílio que juntamente com os apóstolos tratam das exigências para entrada dos gentios a
comunidade cristã. Em Atos 15 e 16.4 os apóstolos e presbíteros funcionam com suprema
instância judiciária e instância doutrinal normativa para toda a igreja, e como tais toma uma
decisão a respeito das exigências mínimas da Lei que devem ser impostas aos gentios.
        Também encontramos em Atos 14.23; 20.17-38 as passagens mais antigas que
falama de presbíteros como lideres de comunidades gentio-cristãs.


                                             Diácono

        Na língua grega existiam vários termos que dão significação a servir, por exemplo,
douleuo significa servir como escravo; latreuo significa servir por salário; leitourgeo
significa serviço oficial e público; hyperetes significa ajudante. Diakoneo, no entanto, tem
o significado especial de serviço inteiramente pessoal, transmitindo o conceito de “serviço
prestado por amor”.
        No grego profano o sentido comum de diakoneo é servir a mesa, ou no sentido mais
amplo cuidar da subsistência.
        No NT a palavra diakoneo está estritamente ligada com o mandamento de amar o
próximo. O diácono é o oficial que serve a mesa (cuida da ceia) e também dá de comer e
beber, oferece hospitalidade, veste, visita enfermos e encarcerados transmitindo toda a
caritativa cristã para com o próximo.


                                     Algumas funções

        As designações de evangelista, doutor, profeta, pastor nos mostra algumas funções
desenvolvidas pelos ministros acima citados.
        Podemos ver que estas funções não designam cargos eclesiásticos, apesar de
algumas igrejas contemporâneas as colocarem no mesmo patamar destes, mas biblicamente
pode-se notar que um diácono, por exemplo, pode ser um evangelista (Felipe é nosso
expoente maior em Atos), como também doutor, profeta e também pode pela autorização
da igreja exercer o pastorado.
        Aqui as funções representam algumas atividades exercidas pelos ministros que
receberem suas designações clericais.




                                             18
Conclusão

        A igreja de Cristo em atos estava engatinhando e aprendendo a se tornar uma
instituição que iria contribuir para o bem da humanidade, o que ainda hoje
indiscutivelmente o faz.

        O inicio da evangelização dos povos separados da aliança Mosaica e sua integração
a aliança Messiânica faz Atos dos Apóstolos ser a narração histórica que lança a base para
entendermos a evolução de um novo conceito de Deus e seu amor por uma humanidade que
até então estava realmente distante de sua vontade.

        O concilio que estabeleceu as diretrizes acerca da abstinência da prostituição,
idolatria e alimento sufocado dá os alicerces para o começo da vida cristã que cada cidadão
que está sendo chamado para pertencer à família de Deus deve ter.

       A aproximação de Deus aos homens é a mensagem do evangelho, até então, era
desconhecido aos homens distantes do concerto do antigo testamento essa realidade e de
uma forma simples e concisa, isto, foi exposto para todo o império Romano pela pregação
dos discípulos de Jesus.

      A explosão do evangelho nos meados do primeiro século e sua duradoura vida
provam que a obra que a seita do caminho se propunha realmente não surgiu do homem,
mas como é na verdade, veio das regiões celestiais, das mãos do próprio Deus.




                                            19
Bibliografia

  1. A Igreja no Novo Testamento.
  KITTEL, Gerhard – Tradução: SIMON, Helmuth Alfredo
  ASTE

  2. As Igrejas do Novo Testamento.
  MACDANIEL, Geo. W. – Tradução: EDWARDS, F. M.
  JUERP

  3. O Mundo do Novo Testamento.
  PACHER, J. I. – TENNEY, Merril C. – JR, William White
  Editora Vida

  4. Através da Bíblia livro por livro
  PEARLMAN, Myer – Tradução: OLSON, N. Lawrence
  Editora Vida

  5. A Bíblia Anotada
  Introdução, esboço, referencias laterais e notas por RYRIE, Charles Caldwell –
  Tradução: RAMOS, Osvaldo
  Editora Mundo Cristão

  6. Atlas da Bíblia
  JENKINS, Simon – Tradução: BENTES, Pr. João
  Abba Press

  7. A Bíblia através dos séculos
  GILBERTO, Pr. Antonio
  CPAD




                                         20

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Panorama do NT - Lucas
Panorama do NT - LucasPanorama do NT - Lucas
Panorama do NT - Lucas
Respirando Deus
 
Estudo sobre as testemunhas de jeová
Estudo sobre as testemunhas de jeováEstudo sobre as testemunhas de jeová
Estudo sobre as testemunhas de jeová
Magayver Silva Galvão
 
Broadman vol.9
Broadman vol.9Broadman vol.9
Broadman vol.9
Rosangela Borkoski
 
Estudo biblia
Estudo bibliaEstudo biblia
Estudo biblia
Jocarli Junior
 
Manual dos obreiros do Ministério IPCA
Manual dos obreiros do Ministério IPCAManual dos obreiros do Ministério IPCA
Manual dos obreiros do Ministério IPCA
MINISTERIO IPCA.
 
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras SagradasBibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Erivelton Rodrigues Nunes
 
Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Manual do obreiro adrv 2019
Manual do obreiro adrv 2019Manual do obreiro adrv 2019
Manual do obreiro adrv 2019
Alice Costa
 
Batismo nas águas
Batismo nas águasBatismo nas águas
Batismo nas águas
Icm Bela Vista
 
Revista Licoes Biblicas_Professor - 1º Trim 2024.pdf
Revista Licoes Biblicas_Professor - 1º Trim 2024.pdfRevista Licoes Biblicas_Professor - 1º Trim 2024.pdf
Revista Licoes Biblicas_Professor - 1º Trim 2024.pdf
Sergio Luis
 
28. Introdução aos Profetas
28. Introdução aos Profetas28. Introdução aos Profetas
28. Introdução aos Profetas
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Lição 3 - A Superioridade de Jesus em relação a Moisés
Lição 3 - A Superioridade de Jesus em relação a MoisésLição 3 - A Superioridade de Jesus em relação a Moisés
Lição 3 - A Superioridade de Jesus em relação a Moisés
Éder Tomé
 
Bíblia - introdução
Bíblia - introduçãoBíblia - introdução
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Márcio Martins
 
Panorama do AT - Oseias
Panorama do AT - OseiasPanorama do AT - Oseias
Panorama do AT - Oseias
Respirando Deus
 
Discipulado um-a-um crescimento com qualidade
Discipulado um-a-um crescimento com qualidadeDiscipulado um-a-um crescimento com qualidade
Discipulado um-a-um crescimento com qualidade
Christian Lepelletier
 
Panorama do NT - João
Panorama do NT - JoãoPanorama do NT - João
Panorama do NT - João
Respirando Deus
 
Historia da igreja I aula 2
Historia da igreja I  aula 2Historia da igreja I  aula 2
Historia da igreja I aula 2
Moisés Sampaio
 
A Doutrina de Cristo
A Doutrina de CristoA Doutrina de Cristo
A Doutrina de Cristo
André Luiz Marques
 
A Epistola aos Romanos
A Epistola aos RomanosA Epistola aos Romanos
A Epistola aos Romanos
Márcio Martins
 

Mais procurados (20)

Panorama do NT - Lucas
Panorama do NT - LucasPanorama do NT - Lucas
Panorama do NT - Lucas
 
Estudo sobre as testemunhas de jeová
Estudo sobre as testemunhas de jeováEstudo sobre as testemunhas de jeová
Estudo sobre as testemunhas de jeová
 
Broadman vol.9
Broadman vol.9Broadman vol.9
Broadman vol.9
 
Estudo biblia
Estudo bibliaEstudo biblia
Estudo biblia
 
Manual dos obreiros do Ministério IPCA
Manual dos obreiros do Ministério IPCAManual dos obreiros do Ministério IPCA
Manual dos obreiros do Ministério IPCA
 
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras SagradasBibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
 
Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
 
Manual do obreiro adrv 2019
Manual do obreiro adrv 2019Manual do obreiro adrv 2019
Manual do obreiro adrv 2019
 
Batismo nas águas
Batismo nas águasBatismo nas águas
Batismo nas águas
 
Revista Licoes Biblicas_Professor - 1º Trim 2024.pdf
Revista Licoes Biblicas_Professor - 1º Trim 2024.pdfRevista Licoes Biblicas_Professor - 1º Trim 2024.pdf
Revista Licoes Biblicas_Professor - 1º Trim 2024.pdf
 
28. Introdução aos Profetas
28. Introdução aos Profetas28. Introdução aos Profetas
28. Introdução aos Profetas
 
Lição 3 - A Superioridade de Jesus em relação a Moisés
Lição 3 - A Superioridade de Jesus em relação a MoisésLição 3 - A Superioridade de Jesus em relação a Moisés
Lição 3 - A Superioridade de Jesus em relação a Moisés
 
Bíblia - introdução
Bíblia - introduçãoBíblia - introdução
Bíblia - introdução
 
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
 
Panorama do AT - Oseias
Panorama do AT - OseiasPanorama do AT - Oseias
Panorama do AT - Oseias
 
Discipulado um-a-um crescimento com qualidade
Discipulado um-a-um crescimento com qualidadeDiscipulado um-a-um crescimento com qualidade
Discipulado um-a-um crescimento com qualidade
 
Panorama do NT - João
Panorama do NT - JoãoPanorama do NT - João
Panorama do NT - João
 
Historia da igreja I aula 2
Historia da igreja I  aula 2Historia da igreja I  aula 2
Historia da igreja I aula 2
 
A Doutrina de Cristo
A Doutrina de CristoA Doutrina de Cristo
A Doutrina de Cristo
 
A Epistola aos Romanos
A Epistola aos RomanosA Epistola aos Romanos
A Epistola aos Romanos
 

Destaque

Atos dos apostolos
Atos dos apostolos Atos dos apostolos
Atos dos apostolos
LUCAS CANAVARRO
 
Apostila completa atos
Apostila completa atosApostila completa atos
Apostila completa atos
Zé Vitor Rabelo
 
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja ApostólicaAula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Adriano Pascoa
 
A oração do pai nosso
A oração do pai nossoA oração do pai nosso
A oração do pai nosso
antonio ferreira
 
O DEUS NOIVO E O MOVIMENTO DE ORAÇÃO DO FINAL DOS TEMPOS - Mike Bickle
O DEUS NOIVO E O MOVIMENTO DE ORAÇÃO DO FINAL DOS TEMPOS - Mike BickleO DEUS NOIVO E O MOVIMENTO DE ORAÇÃO DO FINAL DOS TEMPOS - Mike Bickle
O DEUS NOIVO E O MOVIMENTO DE ORAÇÃO DO FINAL DOS TEMPOS - Mike Bickle
adson232
 
As 12 colunas que sustentam um casamento
As 12 colunas que sustentam um casamentoAs 12 colunas que sustentam um casamento
As 12 colunas que sustentam um casamento
Willian Xavier
 
A Igreja que queremos ser
A Igreja que queremos serA Igreja que queremos ser
A Igreja que queremos ser
Hugo Machado
 
Manual de crescimento da igreja
Manual de crescimento da igrejaManual de crescimento da igreja
Manual de crescimento da igreja
Hebert Balieiro
 
Escola de profetas - Mateus, o Apóstolo Improvável
Escola de profetas - Mateus, o Apóstolo ImprovávelEscola de profetas - Mateus, o Apóstolo Improvável
Escola de profetas - Mateus, o Apóstolo Improvável
Evangelista Oliveira
 
Augusto Cury Os Segredos do pai nosso 2
Augusto Cury Os Segredos do pai nosso 2Augusto Cury Os Segredos do pai nosso 2
Augusto Cury Os Segredos do pai nosso 2
Gladis Nunes
 
Três princípios que marcaram a igreja primitiva
Três princípios que marcaram a igreja primitivaTrês princípios que marcaram a igreja primitiva
Três princípios que marcaram a igreja primitiva
Gilberto Dos Santos
 
Lição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristãLição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristã
Joanilson França Garcia
 
Estudo 3 (Maturidade)
Estudo 3 (Maturidade)Estudo 3 (Maturidade)
Estudo 3 (Maturidade)
Daniel Junior
 
Pregação crescimento Espiritual
Pregação crescimento EspiritualPregação crescimento Espiritual
Pregação crescimento Espiritual
suzyanne2010
 
Atos dos Apostolos
Atos dos ApostolosAtos dos Apostolos
Atos dos Apostolos
LUCAS CANAVARRO
 
A igreja em casas atos
A igreja em casas   atosA igreja em casas   atos
A igreja em casas atos
mfb_tati
 
Marcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa MaduraMarcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa Madura
guestc5d870
 
Degraus da maturidade espiritual
Degraus da maturidade espiritualDegraus da maturidade espiritual
Degraus da maturidade espiritual
Eduardo Maciel
 
Seminário sobre a história da igreja. parte 1 a origem da igreja
Seminário sobre a história da igreja. parte 1   a origem da igrejaSeminário sobre a história da igreja. parte 1   a origem da igreja
Seminário sobre a história da igreja. parte 1 a origem da igreja
Robson Rocha
 

Destaque (19)

Atos dos apostolos
Atos dos apostolos Atos dos apostolos
Atos dos apostolos
 
Apostila completa atos
Apostila completa atosApostila completa atos
Apostila completa atos
 
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja ApostólicaAula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
 
A oração do pai nosso
A oração do pai nossoA oração do pai nosso
A oração do pai nosso
 
O DEUS NOIVO E O MOVIMENTO DE ORAÇÃO DO FINAL DOS TEMPOS - Mike Bickle
O DEUS NOIVO E O MOVIMENTO DE ORAÇÃO DO FINAL DOS TEMPOS - Mike BickleO DEUS NOIVO E O MOVIMENTO DE ORAÇÃO DO FINAL DOS TEMPOS - Mike Bickle
O DEUS NOIVO E O MOVIMENTO DE ORAÇÃO DO FINAL DOS TEMPOS - Mike Bickle
 
As 12 colunas que sustentam um casamento
As 12 colunas que sustentam um casamentoAs 12 colunas que sustentam um casamento
As 12 colunas que sustentam um casamento
 
A Igreja que queremos ser
A Igreja que queremos serA Igreja que queremos ser
A Igreja que queremos ser
 
Manual de crescimento da igreja
Manual de crescimento da igrejaManual de crescimento da igreja
Manual de crescimento da igreja
 
Escola de profetas - Mateus, o Apóstolo Improvável
Escola de profetas - Mateus, o Apóstolo ImprovávelEscola de profetas - Mateus, o Apóstolo Improvável
Escola de profetas - Mateus, o Apóstolo Improvável
 
Augusto Cury Os Segredos do pai nosso 2
Augusto Cury Os Segredos do pai nosso 2Augusto Cury Os Segredos do pai nosso 2
Augusto Cury Os Segredos do pai nosso 2
 
Três princípios que marcaram a igreja primitiva
Três princípios que marcaram a igreja primitivaTrês princípios que marcaram a igreja primitiva
Três princípios que marcaram a igreja primitiva
 
Lição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristãLição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristã
 
Estudo 3 (Maturidade)
Estudo 3 (Maturidade)Estudo 3 (Maturidade)
Estudo 3 (Maturidade)
 
Pregação crescimento Espiritual
Pregação crescimento EspiritualPregação crescimento Espiritual
Pregação crescimento Espiritual
 
Atos dos Apostolos
Atos dos ApostolosAtos dos Apostolos
Atos dos Apostolos
 
A igreja em casas atos
A igreja em casas   atosA igreja em casas   atos
A igreja em casas atos
 
Marcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa MaduraMarcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa Madura
 
Degraus da maturidade espiritual
Degraus da maturidade espiritualDegraus da maturidade espiritual
Degraus da maturidade espiritual
 
Seminário sobre a história da igreja. parte 1 a origem da igreja
Seminário sobre a história da igreja. parte 1   a origem da igrejaSeminário sobre a história da igreja. parte 1   a origem da igreja
Seminário sobre a história da igreja. parte 1 a origem da igreja
 

Semelhante a Conhecendo a igreja primitiva através de atos dos apóstolos

ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM NÍVEL MÉDIO PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA/TÉCNICO E...
ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM NÍVEL MÉDIO PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA/TÉCNICO E...ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM NÍVEL MÉDIO PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA/TÉCNICO E...
ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM NÍVEL MÉDIO PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA/TÉCNICO E...
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
- ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/PRODUÇAÕ/AGROPECUÁRIA E ESTUDA...
- ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/PRODUÇAÕ/AGROPECUÁRIA E ESTUDA...- ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/PRODUÇAÕ/AGROPECUÁRIA E ESTUDA...
- ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/PRODUÇAÕ/AGROPECUÁRIA E ESTUDA...
Antonio Inácio Ferraz
 
Atos
AtosAtos
Estudo 12 as cartas de paulo III - gl-ef-fp-cl
Estudo 12   as cartas de paulo III - gl-ef-fp-clEstudo 12   as cartas de paulo III - gl-ef-fp-cl
Estudo 12 as cartas de paulo III - gl-ef-fp-cl
JUERP
 
Atos
AtosAtos
Teste
TesteTeste
Tese 10 eclesiologia
Tese 10 eclesiologiaTese 10 eclesiologia
Tese 10 eclesiologia
Zé Vitor Rabelo
 
atos-170402225925.pdf
atos-170402225925.pdfatos-170402225925.pdf
atos-170402225925.pdf
Tiago Silva
 
atos
atosatos
Vida e atos dos apóstolos (cairbar schutel)
Vida e atos dos apóstolos (cairbar schutel)Vida e atos dos apóstolos (cairbar schutel)
Vida e atos dos apóstolos (cairbar schutel)
REINALDOVH
 
Cairbar schutel vida e atos dos apóstolos
Cairbar schutel   vida e atos dos apóstolosCairbar schutel   vida e atos dos apóstolos
Cairbar schutel vida e atos dos apóstolos
Milton De Souza Oliveira
 
Uma perspectiva Pentecostal de Evangelismo e Missões.pptx
Uma perspectiva Pentecostal de Evangelismo e Missões.pptxUma perspectiva Pentecostal de Evangelismo e Missões.pptx
Uma perspectiva Pentecostal de Evangelismo e Missões.pptx
JorgeVieira668836
 
Vida e atos dos apóstolos (cairbar schutel)
Vida e atos dos apóstolos (cairbar schutel)Vida e atos dos apóstolos (cairbar schutel)
Vida e atos dos apóstolos (cairbar schutel)
Helio Cruz
 
Como discípulos anunciamos a morte e ressurreição de jesus 27 03 2005 - dom...
Como discípulos anunciamos a morte e ressurreição de jesus   27 03 2005 - dom...Como discípulos anunciamos a morte e ressurreição de jesus   27 03 2005 - dom...
Como discípulos anunciamos a morte e ressurreição de jesus 27 03 2005 - dom...
Paulo Dias Nogueira
 
Lição 06 - O Ministerio dos Apóstolos
Lição 06 - O Ministerio dos ApóstolosLição 06 - O Ministerio dos Apóstolos
Lição 06 - O Ministerio dos Apóstolos
Ismael Isidio
 
Lição 06 - O ministério dos Apóstolos
Lição 06 - O ministério dos ApóstolosLição 06 - O ministério dos Apóstolos
Lição 06 - O ministério dos Apóstolos
Ismael Isidio
 
Vida e atos dos apóstolos (cairbar schutel)
Vida e atos dos apóstolos (cairbar schutel)Vida e atos dos apóstolos (cairbar schutel)
Vida e atos dos apóstolos (cairbar schutel)
Tarcillo Armindo Schmaedecke
 
Estudo Sobre Atos
Estudo Sobre AtosEstudo Sobre Atos
Estudo Sobre Atos
Luciano Campos
 

Semelhante a Conhecendo a igreja primitiva através de atos dos apóstolos (20)

ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM NÍVEL MÉDIO PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA/TÉCNICO E...
ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM NÍVEL MÉDIO PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA/TÉCNICO E...ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM NÍVEL MÉDIO PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA/TÉCNICO E...
ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM NÍVEL MÉDIO PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA/TÉCNICO E...
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
- ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/PRODUÇAÕ/AGROPECUÁRIA E ESTUDA...
- ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/PRODUÇAÕ/AGROPECUÁRIA E ESTUDA...- ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/PRODUÇAÕ/AGROPECUÁRIA E ESTUDA...
- ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/PRODUÇAÕ/AGROPECUÁRIA E ESTUDA...
 
Atos
AtosAtos
Atos
 
Estudo 12 as cartas de paulo III - gl-ef-fp-cl
Estudo 12   as cartas de paulo III - gl-ef-fp-clEstudo 12   as cartas de paulo III - gl-ef-fp-cl
Estudo 12 as cartas de paulo III - gl-ef-fp-cl
 
Atos
AtosAtos
Atos
 
Teste
TesteTeste
Teste
 
Tese 10 eclesiologia
Tese 10 eclesiologiaTese 10 eclesiologia
Tese 10 eclesiologia
 
atos-170402225925.pdf
atos-170402225925.pdfatos-170402225925.pdf
atos-170402225925.pdf
 
atos
atosatos
atos
 
Vida e atos dos apóstolos (cairbar schutel)
Vida e atos dos apóstolos (cairbar schutel)Vida e atos dos apóstolos (cairbar schutel)
Vida e atos dos apóstolos (cairbar schutel)
 
Cairbar schutel vida e atos dos apóstolos
Cairbar schutel   vida e atos dos apóstolosCairbar schutel   vida e atos dos apóstolos
Cairbar schutel vida e atos dos apóstolos
 
Uma perspectiva Pentecostal de Evangelismo e Missões.pptx
Uma perspectiva Pentecostal de Evangelismo e Missões.pptxUma perspectiva Pentecostal de Evangelismo e Missões.pptx
Uma perspectiva Pentecostal de Evangelismo e Missões.pptx
 
Vida e atos dos apóstolos (cairbar schutel)
Vida e atos dos apóstolos (cairbar schutel)Vida e atos dos apóstolos (cairbar schutel)
Vida e atos dos apóstolos (cairbar schutel)
 
Como discípulos anunciamos a morte e ressurreição de jesus 27 03 2005 - dom...
Como discípulos anunciamos a morte e ressurreição de jesus   27 03 2005 - dom...Como discípulos anunciamos a morte e ressurreição de jesus   27 03 2005 - dom...
Como discípulos anunciamos a morte e ressurreição de jesus 27 03 2005 - dom...
 
Lição 06 - O Ministerio dos Apóstolos
Lição 06 - O Ministerio dos ApóstolosLição 06 - O Ministerio dos Apóstolos
Lição 06 - O Ministerio dos Apóstolos
 
Lição 06 - O ministério dos Apóstolos
Lição 06 - O ministério dos ApóstolosLição 06 - O ministério dos Apóstolos
Lição 06 - O ministério dos Apóstolos
 
Vida e atos dos apóstolos (cairbar schutel)
Vida e atos dos apóstolos (cairbar schutel)Vida e atos dos apóstolos (cairbar schutel)
Vida e atos dos apóstolos (cairbar schutel)
 
Estudo Sobre Atos
Estudo Sobre AtosEstudo Sobre Atos
Estudo Sobre Atos
 

Mais de Pastor Paulo Francisco

Inumanos e o caso neymar
Inumanos e o caso neymarInumanos e o caso neymar
Inumanos e o caso neymar
Pastor Paulo Francisco
 
A diminuição de deus
A diminuição de deusA diminuição de deus
A diminuição de deus
Pastor Paulo Francisco
 
Senso de direção
Senso de direçãoSenso de direção
Senso de direção
Pastor Paulo Francisco
 
Construtora celeste
Construtora celesteConstrutora celeste
Construtora celeste
Pastor Paulo Francisco
 
Multiplicação da luz
Multiplicação da luzMultiplicação da luz
Multiplicação da luz
Pastor Paulo Francisco
 
O futuro chegou
O futuro chegouO futuro chegou
O futuro chegou
Pastor Paulo Francisco
 
Espelho, espelho seu...
Espelho, espelho seu...Espelho, espelho seu...
Espelho, espelho seu...
Pastor Paulo Francisco
 
Família. modelo humano ou divino.
Família. modelo humano ou divino.Família. modelo humano ou divino.
Família. modelo humano ou divino.
Pastor Paulo Francisco
 
Resultado do discipulado. altura espiritual de cristo
Resultado do discipulado. altura espiritual de cristoResultado do discipulado. altura espiritual de cristo
Resultado do discipulado. altura espiritual de cristo
Pastor Paulo Francisco
 
A atualidade da alegria eterna. parte 02
A atualidade da alegria eterna. parte 02A atualidade da alegria eterna. parte 02
A atualidade da alegria eterna. parte 02
Pastor Paulo Francisco
 
A atualidade da alegria eterna. parte 01
A atualidade da alegria eterna. parte 01A atualidade da alegria eterna. parte 01
A atualidade da alegria eterna. parte 01
Pastor Paulo Francisco
 
Mergulhando na benção da oração. parte 03
Mergulhando na benção da oração. parte 03Mergulhando na benção da oração. parte 03
Mergulhando na benção da oração. parte 03
Pastor Paulo Francisco
 
Mergulhando na benção da oração. parte 02
Mergulhando na benção da oração. parte 02Mergulhando na benção da oração. parte 02
Mergulhando na benção da oração. parte 02
Pastor Paulo Francisco
 
Mergulhando na benção da oração. parte 01
Mergulhando na benção da oração. parte 01Mergulhando na benção da oração. parte 01
Mergulhando na benção da oração. parte 01
Pastor Paulo Francisco
 
Superando a mim mesmo. parte 02
Superando a mim mesmo. parte 02Superando a mim mesmo. parte 02
Superando a mim mesmo. parte 02
Pastor Paulo Francisco
 
Superando a mim mesmo. parte 01
Superando a mim mesmo. parte 01Superando a mim mesmo. parte 01
Superando a mim mesmo. parte 01
Pastor Paulo Francisco
 
Livrai nos do mal. parte 02
Livrai nos do mal. parte 02Livrai nos do mal. parte 02
Livrai nos do mal. parte 02
Pastor Paulo Francisco
 
Livrai nos do mal. parte 01
Livrai nos do mal. parte 01Livrai nos do mal. parte 01
Livrai nos do mal. parte 01
Pastor Paulo Francisco
 
A fé que quero ter. parte 03
A fé que quero ter. parte 03A fé que quero ter. parte 03
A fé que quero ter. parte 03
Pastor Paulo Francisco
 
Vamos orar!?
Vamos orar!?Vamos orar!?

Mais de Pastor Paulo Francisco (20)

Inumanos e o caso neymar
Inumanos e o caso neymarInumanos e o caso neymar
Inumanos e o caso neymar
 
A diminuição de deus
A diminuição de deusA diminuição de deus
A diminuição de deus
 
Senso de direção
Senso de direçãoSenso de direção
Senso de direção
 
Construtora celeste
Construtora celesteConstrutora celeste
Construtora celeste
 
Multiplicação da luz
Multiplicação da luzMultiplicação da luz
Multiplicação da luz
 
O futuro chegou
O futuro chegouO futuro chegou
O futuro chegou
 
Espelho, espelho seu...
Espelho, espelho seu...Espelho, espelho seu...
Espelho, espelho seu...
 
Família. modelo humano ou divino.
Família. modelo humano ou divino.Família. modelo humano ou divino.
Família. modelo humano ou divino.
 
Resultado do discipulado. altura espiritual de cristo
Resultado do discipulado. altura espiritual de cristoResultado do discipulado. altura espiritual de cristo
Resultado do discipulado. altura espiritual de cristo
 
A atualidade da alegria eterna. parte 02
A atualidade da alegria eterna. parte 02A atualidade da alegria eterna. parte 02
A atualidade da alegria eterna. parte 02
 
A atualidade da alegria eterna. parte 01
A atualidade da alegria eterna. parte 01A atualidade da alegria eterna. parte 01
A atualidade da alegria eterna. parte 01
 
Mergulhando na benção da oração. parte 03
Mergulhando na benção da oração. parte 03Mergulhando na benção da oração. parte 03
Mergulhando na benção da oração. parte 03
 
Mergulhando na benção da oração. parte 02
Mergulhando na benção da oração. parte 02Mergulhando na benção da oração. parte 02
Mergulhando na benção da oração. parte 02
 
Mergulhando na benção da oração. parte 01
Mergulhando na benção da oração. parte 01Mergulhando na benção da oração. parte 01
Mergulhando na benção da oração. parte 01
 
Superando a mim mesmo. parte 02
Superando a mim mesmo. parte 02Superando a mim mesmo. parte 02
Superando a mim mesmo. parte 02
 
Superando a mim mesmo. parte 01
Superando a mim mesmo. parte 01Superando a mim mesmo. parte 01
Superando a mim mesmo. parte 01
 
Livrai nos do mal. parte 02
Livrai nos do mal. parte 02Livrai nos do mal. parte 02
Livrai nos do mal. parte 02
 
Livrai nos do mal. parte 01
Livrai nos do mal. parte 01Livrai nos do mal. parte 01
Livrai nos do mal. parte 01
 
A fé que quero ter. parte 03
A fé que quero ter. parte 03A fé que quero ter. parte 03
A fé que quero ter. parte 03
 
Vamos orar!?
Vamos orar!?Vamos orar!?
Vamos orar!?
 

Último

Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
claudiovieira83
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
GABRIELADIASDUTRA1
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
marcobueno2024
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
Oziete SS
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Elton Zanoni
 

Último (12)

Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
 

Conhecendo a igreja primitiva através de atos dos apóstolos

  • 1. 1
  • 2. ESTUDO BIBLÍCO ATOS DOS APÓSTOLOS PAULO FRANCISCO DOS SANTOS Pastor, escritor, poeta e teólogo. 2
  • 3. MENSAGEM “E disse-lhes: Não vos pertence saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder. Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda Judéia e Samaria, e até aos confins da terra. E quando dizia isto, vendo-o eles, foi elevado às alturas, e uma nuvem o recebeu, ocultando-o a seus olhos. E, cumprindo-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar; e de repente veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados. E foram vistas línguas repartidas, como que de fogo, as quais sobre cada um deles. E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem”. E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações. E em toda a alma havia temor, e muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos. E todos os que criam estavam juntos, e tinham tudo em comum. E vendiam suas propriedades e fazendas, e repartiam com todos, segundo cada um havia de mister. E, perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração, louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo. E todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar”. Atos dos Apóstolos 1.7-9; 2.01-04,42-47 3
  • 4. Í ND ICE COMENTÁRIO.......................................................................... Pág. 05 INTRODUÇÃO.......................................................................... Pág. 06 O Livro dos Atos dos Apóstolos.............................................. Pág. 08 Resumo de Atos dos Apóstolos ............................................. Pág. 10 Suprimento Histórico.............................................................. Pág. 13 A proposta do evangelho........................................................ Pág. 14 A igreja, ordenanças e ministros............................................ Pág. 15 A igreja.................................................................................... Pág. 15 Ordenanças............................................................................. Pág. 15 Os ministros............................................................................ Pág. 17 CONCLUSAO............................................................................ Pág. 19 BIBLIOGRAFIA......................................................................... Pág. 20 4
  • 5. Comentário Apresentar um trabalho acerca do livro de Atos dos Apóstolos é buscar nas raízes do Cristianismo não somente a história da igreja, mas o modelo de uma igreja que se desenvolveu em meio a dificuldades e perseguições e que também possuiu uma sede missionária que deve inflamar o coração da igreja atual. O livro de Atos marca o principio da igreja e a ação do Espírito Santo que atuando formou o cânon dando os parâmetros para a continuidade desta obra divina. Após dois mil anos de história eclesial nós temos muito que aprender, a igreja atual tem a vantagem de empunhar nas mãos todos conhecimentos acumulados durantes estes milênios acerca das Escrituras, mas a igreja primitiva ainda continua sendo um espelho que certamente direcionará o despertar da igreja contemporânea e “futura” para impactar o mundo no desfecho final da grande comissão. Paulo Francisco dos Santos 5
  • 6. Introdução Atos dos Apóstolos descreve a história da disseminação da mensagem de Cristo desde Jerusalém até os rincões do Império Romano, deixando todavia entreaberta a história da Igreja, pois a o desfecho desta se dará no final dos tempos como vaticinou nosso amado Senhor Jesus Cristo, daí o motivo de em Atos não ser mostrada uma conclusão, mas com a prisão domiciliar de Paulo em foco no último capítulo e os acontecimentos posteriores não mencionados vemos uma tomada de perspectiva e continuidade da história da igreja. Hoje a mensagem ainda continua viva, mesmo depois da história testemunhar inúmeros acontecimentos que quiseram lança-la no baú do esquecimento, porém, como ela não trata de uma ação meramente humano, estes fatos falharam e como a forças das trevas não dormem, ainda continuaram em pró deste objetivo que com certeza sempre cairão no fracasso. Assim analisar Atos dos Apóstolos é repensar o presente olhando para o passado e isto é, muito importante. Jesus é elevado aos céus, mas antes outorga a igreja que engatinha a tarefa da grande comissão. Os apóstolos esperam a promessa do derramamento do Espírito Santo para conseguirem realizar as ordens do Senhor. Recebendo a promessa os discípulos são impulsionados a anunciar a mensagem de salvação e Jerusalém é sacudida pela pregação e operação de milagres. Ao passar do tempo a mensagem salta os muros nacionalistas e os desprezados gentios são tocados pela graça divina. A escolha de Paulo para o apostolado é a uma providência do alto para que o evangelho se espalhe pelo império Romano. Pedro atua na circuncisão e Paulo na incircuncisão e Cristo é pregado. Até o capítulo doze Jerusalém e Pedro que representa os doze apóstolos está em evidência nos relatos históricos de Atos dos Apóstolos, mas a partir do capítulo treze Paulo assume como protagonista da realidade universal da Salvação. Destaquei que em Atos a Igreja Primitiva é uma criança que engatinha, ou seja, está aprendendo, não que a atual não aprenda, mas o cânon ainda não está completo em suas mãos e por isso observamos a grande dificuldade de lidar com questões que até então eram um mistério oculto a ser manifesto neste inicio da dispensação da graça. A igreja tem que assumir o papel que lhe foi preparado: “Ser a receptora-mãe dos escolhidos que o Senhor redimiu para si”. Assim podemos ler o surgimento da igreja missionária em Antioquia, uma das filhas da mãe Jerusalém. O primeiro concílio no capítulo quinze e sua repercussão entre as igrejas gentílicas. Paulo e seus companheiros estão viajando e anunciando a mensagem do evangelho até que em Jerusalém Paulo finalmente é preso e falsamente acusado e assim forçado a pedir para ser julgado por César. Dentro do propósito divino Paulo anuncia o evangelho tanto para cidadãos simples como para altos governantes como Cláudio Lísias, governador Félix e Festo, o Rei Agripa e a sua ida a presença de César que não foi 6
  • 7. registrada em Atos, mas que nos remete a continuidade da história da igreja que milita e anuncia o evangelho. Em Atos dos Apóstolos ainda vemos a Igreja se distinguindo do Judaísmo e tomando a sua própria forma, perfazendo-se o Cristianismo. A proposta do evangelho revolucionou a época dos adoradores de muitos deuses os direcionando ao Deus verdadeiro. Em Atos dos Apóstolos vemos superficialmente os cargos eclesiásticos, porém, com o auxilio de um estudo a parte vemos a sua evolução e sua prática na atualidade. No final conclui a suma deste trabalho fazendo um comentário que lança minha profunda admiração pela história interrupta da gloriosa igreja em poucas linhas. 7
  • 8. O Livro de Atos dos Apóstolos O livro de Atos dos Apóstolos registra a expansão do cristianismo através do império romano. Após a morte, ressurreição e ascensão do Senhor aos céus à igreja é incumbida de anunciar o evangelho para todo o mundo e desde do dia de pentecostes até a chegada de Paulo a Roma encontramos o registro. A autoria do Livro de Atos dos apóstolos é atribuída a um dos companheiros de Paulo que através dos pronomes “nós” e “nos” (16.10-16; 20.5-21.18;27.1-28.16) é conhecido como uma testemunha ocular de pelos menos algumas viagens de Paulo. Considerando a dedicatória do livro a Teófilo 1.1 comparada com o evangelho de Lucas 1.3, juntamente com o fato dos escritores antigos confirmarem, o livro de Atos aponta Lucas como seu escritor. Conteúdo do livro: I. Jerusalém e a igreja: surgimento, crescimento e estabelecimento. Atos 1.1-8.4. II. A projeção além das fronteiras. Jerusalém, palestina e Síria. Atos 8.5-12.23. III. Os gentios são alcançados. (Paulo e suas viagens) Atos 12.24-21.17. IV. O final da vida de Paulo Atos 21.18-28.31. Em atos vemos acontecimentos da vida de Pedro e Paulo, porém os protagonistas de todos os eventos de Atos são o Espírito Santo e a igreja que Ele guia para encontrar-se com o Senhor Jesus na eternidade. Vemos que o Espírito Santo veio para ser o outro consolador prometido pelo Senhor Jesus (Jo 14.16) e com sua chegada em meio aos homens que receberam a fé forma-se a Igreja que é carregada em seu colo e seguida como foi dito antes começa a engatinhar em meio à história da humanidade. O Espírito Santo guiou a Igreja em todo o tempo desde o dia de pentecostes. A pregação cheia de autoridade dos apóstolos e demais discípulos. Os sinais miraculosos em todo o livro e o fato do evangelho vencer o orgulho e preconceito enraizados nos corações dos discípulos que apesar de receberem a graça continuavam sendo judeus que necessitavam de ter suas visões abertas. O evangelho entre os gentios é uma ação maravilhosa do Espírito em favor da missão, pois, sem sua intervenção a palavra de salvação iria ficar confinada apenas aos judeus e os mestiços samaritanos. A igreja formada de judeus e gentios é a demonstração divina que a salvação é uma dádiva universal. Acima de tudo nas páginas de Atos nos observamos o testemunho de Deus a seu favor, pois a história está debaixo de sua soberana vontade. 8
  • 9. Igrejas gentílicas e suas províncias e cidades. Síria e Cilícia. Cesaréia. Listra. Antioquia . Frigia, Galácia e Mísia. Macedônia. Trôade. Assôs. Filipos. Mitilene, Quios, Samos. Anfípolis, Apolônia. Mileto. Tessalônica. Cós, Rodes. Beréia. Pátara. Atenas. Tiro. Corinto. Ptolemaida. Cencréia Damasco. Éfeso. 9
  • 10. Resumo de Atos dos Apóstolos Os discípulos vêem Jesus pela última vez, antes de sua ascensão no monte das oliveiras. Cerca de dez dias mais tarde na festividade de Pentecostes, todos os cristãos reunidos no cenáculo são cheios do Espírito Santo e Pedro ao pregar convence três mil pessoas para se agregarem ao Caminho. Os cristãos de Jerusalém compartilham seus bens entre si. Milagres e prodígios são operados por eles. Pedro e João são detidos e advertidos pelo concílio de judeus após pregarem e curarem em nome de Jesus um aleijado. Depois deste fato, todos apóstolos são presos, mas miraculosamente são libertos e no raiar do dia pregam no templo, onde são novamente detidos e levados a presença do concilio judaico que manda os açoitar e os proíbe de pregar em nome de Jesus. Os apóstolos escolhem sete homens para receber a designação de diáconos e servirem na administração. Estevão um dos sete diáconos é apedrejado e os discípulos são dispersos ficando em Jerusalém os apóstolos. Filipe um dos sete vai a Samaria e anuncia a fé, muitos são curados e aceitam a Jesus, inclusive Simão um mágico famoso nesta cidade. Pedro e João vão a Samaria e oram para os discípulos receberem o batismo no Espírito Santo. Felipe na estrada de Jerusalém-Gaza prega as boas novas para o tesoureiro da rainha da Etiópia e o batiza. Felipe chega a Cesaréia, onde se estabelece com sua esposa e família (Atos 21.8,9). Pedro vai a Lida e depois a Jope onde ressuscita em nome de Jesus a discípula Dorcas. Um centurião romano chamado Cornélio tem uma revelação divina sobre a salvação e chama Pedro que está em Jope para lhe explicar sobre o evangelho, o qual se converte com família e amigos e ainda recebe o batismo com Espírito Santo e também desce as águas, pois Pedro compreende que Deus não faz acepção de pessoas. Com a conversão de Cornélio e a entrada dos gentios na igreja forma-se um concílio por causa da oposição ao feito de Pedro (Atos 15.1-21). Tiago irmão do Senhor Jesus aparece como líder da igreja em Jerusalém. Em Antioquia que era terceira maior cidade Romana alguns irmãos chegam e anunciam o evangelho somente aos judeus, porém com a chegada de cristãos de Chipre e do Norte da África o evangelho também chega aos gentios. Barnabé é enviado a igreja em Antioquia e busca em seguida Saulo para lhe ajudar no ensino da palavra e nesta cidade o nome cristão é dado pela primeira vez aos seguidores de Cristo. 10
  • 11. Paulo, Barnabé e Marcos são enviados aos países estrangeiros, sendo os primeiros nesta empreitada missionária. Eles vão a cidade Atália e o falso profeta Bar-Jesus amigo do governador tenta impedir sua conversão e é ferido de cegueira. (Atos 13.4-12). Em Perge João Marcos decide voltar para Jerusalém. Na província da Cilícia e Traquéia Paulo e Barnabé pregam na outra cidade de Antioquia que é menor do que a da província da Síria. Dali vão para Iconio onde são perseguidos e se direcionam para Listra onde curam um homem aleijado e são recebidos como deuses, porém os opositores de Icônio chegam ali e persuadem o povo a os apedrejarem. (Atos 14.8-20). Os apóstolos chegam em Derbe e muitos se convertem. Em seguida eles voltam em todas as igrejas que formaram na viajem missionária animando os para continuarem no caminho (Atos 14.21-26) e depois voltam com as noticias de sucesso para Igreja de Antioquia na província da Síria (Atos 14.27-28). Em Jerusalém acontece o concílio que aprova que aos gentios deve ser colocado que devem apenas se afastar da prostituição, da idolatria e da carne sufocada. Por causa de João Marcos, Paulo e Barnabé discordam em viajarem juntos e cada um segue para um lado diferente. Barnabé vai para Chipre com João Marcos. Paulo juntamente com Silas vão para Derbe e Listra onde Paulo recruta Timóteo para fazer parte do grupo missionário (Atos 16.1-3). Eles visitam as igrejas anunciando aos gentios o que fora decidido pelo concílio de Jerusalém (Atos 16.4,5). Paulo tenta ir a Bitínia e é impedido pelo Espírito Santo e vai para Macedônia e depois de passar por Trôade e Neápolis segue em direção a Felipos onde ao expulsar o demônio de uma jovem adivinha é preso juntamente com Silas. Estes são libertos por um terremoto e batizam o carcereiro que se converte (Atos 16.11-40). Em Tessalônica muitos judeus e gregos se convertem. Em Beréia a recepção é melhor ainda que em Tessalônica, mas os opositores de Tessalônica chegam para querer impedir a obra de Deus, porém Silas e Timóteo ficam ensinando o evangelho, enquanto Paulo parte para outra cidade. Na cidade de Atenas Paulo prega a ressurreição no Areópago (Atos 17.16-34). Em Corinto Paulo passa dois anos ensinando o evangelho (Atos 18.1-17) e depois parte para cidade de Éfeso (Atos 18.18-21). Paulo e seu grupo voltam para Antioquia passando através de Cesaréia e Jerusalém (Atos 18.22). Na terceira viagem missionária Paulo faz de Éfeso a base de seu trabalho missionário durante os próximos três anos e o evangelho se espalha pela Ásia (19.1-20) e escreve as cartas direcionadas a igreja de Corinto. Devido ao crescimento do cristianismo os artesãos de imagens de escultura fazem um levante para querer impedir o prosseguimento do evangelho (Atos 19.23-41). Paulo parte para Trôade, Neápolis e Felipos onde encoraja a igreja (Atos 20.1,2) recolhe dinheiro para igreja das Judéia (2 Co 8.15). Provavelmente ele vai a Corinto e volta para Felipos de onde planeja ir a Jerusalém por via 11
  • 12. marítima, mas ao saber de um complô de seus inimigos para tirar sua vida decide ir pó terra (Atos 20.2-6). Em Felipos Paulo prega durante toda a noite e ressuscita o jovem Êutico que ao dormir durante a pregação cai do terceiro andar do prédio, dali ele parte para Éfeso, onde apresenta seu discurso de despedida e provoca a comoção de todos. Em Patara trocam de barco e em Cesaréia se hospedam na casa de Felipe que agora é um evangelista. O profeta Ágabo diz que Paulo seria amarrado pelos judeus e entregue aos gentios (romanos). Paulo, porém, está decidido em ir e apesar dos apelos de seus amigos prossegue a viagem. Em Jerusalém ele é recebido pela igreja. No templo Paulo é acusado de levar gentios para profanar o templo e por isso é espancado violentamente pelos judeus. As tropas romanas o retiram das mãos furiosas da multidão. Ele recebe a oportunidade de falar ao seu favor e ouvido pelos judeus até o momento de mencionar que foi escolhido para anunciar as boas novas aos gentios. Paulo é levado a fortaleza romana. No dia seguinte ele se defende perante o concílio de judeus, mas não é aceito seus argumentos e é levado novamente a fortaleza. Quarenta homens juram matar Paulo e se amaldiçoam se caso não conseguirem. O comandante romano ao saber do plano destes homens envia Paulo para Cesaréia aos cuidados do governador Félix. Paulo permanece preso durante dois anos pois Félix adia dar uma decisão e é substituído por Festo. Paulo é ouvido por Festo e Agripa II. Como Festo se mostrava favorável aos judeus Paulo decide pedir ser julgado por César, pois sua cidadania romana lhe dava este direito. Paulo é enviado para Roma, porém o seu navio sofre um naufrágio e toda tripulação, soldados e presos não sofrem dano algum e se refugiam na ilha de Malta. Nesta ilha Paulo é picado por uma cobra venenosa, mas miraculosamente não morre e ainda ora por varias pessoas da ilha curando de várias enfermidades e inclusive pelo pai do governador desta o curando. Dali partem para Roma, onde lhe é permitido morar durante dois anos em uma casa alugada esperando seu julgamento e lhe é conferida considerável liberdade para falar e receber visitas. 12
  • 13. Suprimento Histórico Palestina A palestina no tempo de Jesus era divida em seis distritos: Judéia, Samaria, Iduméia, Galiléia, Peréia, Ituréia. Herodes o Grande governou a Palestina do ano 37-4 a.C. Foi reconhecido como um grande administrador e também um grande sanguinário, pois, até mesmo sua esposa predileta mandou matar em 20 a.C. (Mariana) e seus dois filhos Alexandre II e Aristóbulo IV e seu irmão Féroras. Construiu o templo da época de Jesus começando sua obra em 19 a.C. e finalizando-a em 64 d.C. Após a morte de Herodes em 4 a.C. seu reino foi dividido entre seus três filhos: Herodes Arquelau governou a Judéia, a Samaria e a Iduméia. (Mt 2.22). Ele foi deposto em 6 d.C. e seu reino passou a ser administrado por oficiais romanos Herodes Antipas governou a Peréia e a Galiléia. Em Lucas 3.1 ele mandou decapitar João Batista, em Lucas 23.6-12 escarneceu de Jesus e em Mateus 14.3 afirma que tomou a mulher de seu irmão Felipe. Governou até 39 d.C. sendo substituído depois de sua morte por Herodes Agripa I (atos 12) Herodes Felipe II governou a Ituréia, que incluía os territórios de Traconites, Gaulanites e Auranites. Governou até 34 d.C. passando seu território após sua morte para Herodes Agripa I. De 41-44 d.C. toda palestina foi governada por Herodes Agripa I que morreu de uma maneira horrível (atos 12), passando a palestina a ser governada por procuradores Romanos até a revolta dos judeus em 66-70 d.C. e a destruição de Jerusalém onde mais de 1.000.000 de judeus morreram Roma A cidade Reino de Roma foi fundada + ou – em 750 a.C., na região do Lácio, Itália, donde vem o vocábulo latim, sua fundação está envolta a lenda que Enéias, guerreiro troiano a fundou depois da queda de Tróia no século doze antes de Cristo, onde Rômulo e Remo descendentes de Enéias sustentados por uma loba crescem e organizam Roma. Em 509 a.C. passou de reino a república, tendo assim nova forma de governo, e, necessariamente, novos cargos e funções. Em 270 a.C. os romanos controlavam toda a Itália.Cerca de dois séculos antes do nascimento do Senhor Jesus Roma iniciou sua fase de ascensão que na Palestina durou desde 166 a.C. até a 66 a.C. ano da revolta dos judeus e a destruição de Jerusalém em 70 a.C. 13
  • 14. A proposta do Evangelho Até a época de Cristo as religiões se baseavam em ações humanas para agradar os deuses que viviam alheios a vida de seus devotos e quando se propunham em fazer alguma ação era somente para satisfazer deleites próprios. Entre o panteão de deuses que existiam até então, a proposta do evangelho veio mudar a realidade dos homens e mulheres que viviam nesta época e nas vindouras. Para se entender o evangelho não existia a necessidade de ser um filósofo (até então apenas uma parcela minúscula da população poderia ter acesso ao conhecimento simples, quanto mais o filosófico) para compreender a proposta do evangelho – aproximação do homem que estava distante de Deus e com este restabelecimento a comunhão e uma nova visão do pôs morte – perspectiva de uma vida eterna junto do Deus que veio realizar a obra de salvação. O fato de o evangelho expressar que Deus não estava alheio a sua criação, mas antes se importava com cada homem era algo que impactou a todos e a operação de milagres juntamente com o exorcismo que libertava os escravos do pecado e sujeitos as forças malignas do diabo demonstravam que o evangelho não somente mais uma religião, mas a ação divina para mudança na vida dos seus seguidores. Não demorou muito tempo para o evangelho se espalhar por todo império Romano e alarmar até mesmo as autoridades que passaram a vê-lo como uma ameaça, apesar dele arregimentar pessoas não para um reino político terreno, mas para o celestial com uma visão totalmente pacifica. As perseguições geraram grande transtorno e dificuldade para os convertidos a fé cristã, porém, as investidas humano-satânicas para impedir o crescimento do evangelho foram vãs, ele prosseguiu adiante até os dias atuais. 14
  • 15. A Igreja, ordenanças e Ministros “Igreja: Ekklesia” Os dicionários comuns dão dois significados ao termo ekklesia: 1. “Ajuntamento popular”. 2. “Igreja”. Em atos dos apóstolos a palavra igreja é tanto usada para designar a comunidade judaico cristã como a gentio cristã, e com isso podemos concluir que o termo igreja pode se referir a igreja local ou a reunião de todos os chamados por Deus. Ordenanças Batismo: O batismo é um acontecimento comum entre os cristãos, porém os judeus batizavam os convertidos do paganismo ao judaísmo pelo batismo, símbolo de purificação. O batismo cristão é administrado para os que recebem a palavra. A ordem de Mateus 28.19 é seguida pela igreja desde dos primórdios do evangelho, dando a entender que o batismo é a porta de entrada para junção do novo membro ao corpo de Cristo local, ou seja, a profissão de fé feita com o ato do batismo pelo catecúmeno esboça publicamente que este realmente segue a fé cristã. Ceia: Os primitivos cristãos tomavam uma refeição a principio completa, onde cada um trazia um prato para mesa comum e realizam na casas dos discípulos. A refeição começava com uma oração e com o comer de pedacinhos de pão que representava o corpo partido de Cristo. Encerrava-se a refeição com outra oração e a seguir participavam de uma taça de vinho, que representava o sangue vertido de Cristo. Vemos na ceia a demonstração de cinco verdades cristãs: 1) o memorial permanente do Senhor Jesus. 2) A manifestação objetiva da dependência do sacrifício de Cristo pelo pecado a favor de toda a igreja. 3) A lembrança constante da necessidade da comunhão e sustento espiritual dada pelo Senhor. 4) O vínculo de uma nova fraternidade. 5) O anúncio contínuo da volta de Jesus para buscar a sua igreja. O batismo era administrado uma única vez aos membros da igreja e a ceia freqüentemente. Como somente vemos no N.T. a presença destas duas ordenanças e a 15
  • 16. Bíblia é nossa regra de fé, nenhuma autoridade humana pode aumentar ou diminuir, mudar a forma ou significação delas. O batismo é o símbolo de que nós estamos em Cristo. A ceia do Senhor é o símbolo de que Cristo está em nós. 16
  • 17. Os ministros da igreja Apóstolo A principio o termo apóstolo aparece numa estreita ligação no original grego nos termos de navegação (apostolois: navegar em navios) e o uso no sentido de enviar uma frota de navios é freqüentemente observado em textos da época. No N.T. o termo apóstolo aparece 59 vezes com toda certeza e nunca aparece no objetivo de envio, mas sempre a designação de um homem que é enviado, de um mensageiro. No V.T. a palavra que é equivalente a apostolos é Shaliah que também significa enviado e no N.T. vemos em Jo 13.16 a identificação entre Apóstolos e Shaliah: “não é o servo maior que o seu senhor nem o enviado maior do que aquele que o enviou”. Aqui apostolos nada mais é que a tradução do termo judeu, tomado no sentido jurídico mais puro de “encarregado de representar a pessoa a as coisas de outrem de modo juridicamente válido”. O apóstolo teria que ter sido testemunha ocular da obra de Jesus e ser vocacionado por Ele, nesta visão, hoje em dia é impossível haver uma ascensão de novos apóstolos, todavia, alguns se auto intitulam como tais. Resta, porém, atentarmos que os receptores diretos dos apóstolos, os pais da igreja não usaram este titulo, dando a entender que não lhes foi passado este dom, ou chamado especial, mas suas vocações se restringiram ao episcopado, algo que não deve ser menosprezado, pois segundo o N.T. é uma excelente coisa. Bispo A palavra grega episkopos é traduzida pelo vocábulo “supervisor” ou “vigia”. Existe também no grego a referência de episkopos como a presença de alguma força superior ao homem, afirmando a existência da divindade, também significava os portadores de funções públicas. Estas referências são anteriores ao seu emprego no Novo Testamento. O termo episkopos no NT tem uma estreita ligação com o termo poimên. Pastorear (poimên) e vigiar (episkopos) designam a atividade de um pastor. E dentro das referências no NT vemos que episkopos quando aparece se refere aos “lideres da comunidade” colocando assim a palavra episcopo como um cargo dentro da igreja. Presbítero A palavra presbyteros, forma comparativa de presbys, velho, ancião, é usada para descrever a idade mais elevada de uma pessoa em relação ao outra, abraçando o sentido de “mais velho”. Na constituição da cidade grega de Esparta o têrmo designava o presidente de um colégio. 17
  • 18. A palavra presbyteros tem um sentido duplo falando acerca da idade e também de um cargo público. Dentro do contexto judaico os anciões ocupavam as atribuições de presidência e judiciárias sobre o povo de Israel, e por isso, vemos surgir entre o povo de Deus a formação de um “conselho de anciões”, como autoridade suprema entre eles com sede em Jerusalém. Em Atos dos Apóstolos aparecem os anciões, ou presbíteros que fazem parte do concílio que juntamente com os apóstolos tratam das exigências para entrada dos gentios a comunidade cristã. Em Atos 15 e 16.4 os apóstolos e presbíteros funcionam com suprema instância judiciária e instância doutrinal normativa para toda a igreja, e como tais toma uma decisão a respeito das exigências mínimas da Lei que devem ser impostas aos gentios. Também encontramos em Atos 14.23; 20.17-38 as passagens mais antigas que falama de presbíteros como lideres de comunidades gentio-cristãs. Diácono Na língua grega existiam vários termos que dão significação a servir, por exemplo, douleuo significa servir como escravo; latreuo significa servir por salário; leitourgeo significa serviço oficial e público; hyperetes significa ajudante. Diakoneo, no entanto, tem o significado especial de serviço inteiramente pessoal, transmitindo o conceito de “serviço prestado por amor”. No grego profano o sentido comum de diakoneo é servir a mesa, ou no sentido mais amplo cuidar da subsistência. No NT a palavra diakoneo está estritamente ligada com o mandamento de amar o próximo. O diácono é o oficial que serve a mesa (cuida da ceia) e também dá de comer e beber, oferece hospitalidade, veste, visita enfermos e encarcerados transmitindo toda a caritativa cristã para com o próximo. Algumas funções As designações de evangelista, doutor, profeta, pastor nos mostra algumas funções desenvolvidas pelos ministros acima citados. Podemos ver que estas funções não designam cargos eclesiásticos, apesar de algumas igrejas contemporâneas as colocarem no mesmo patamar destes, mas biblicamente pode-se notar que um diácono, por exemplo, pode ser um evangelista (Felipe é nosso expoente maior em Atos), como também doutor, profeta e também pode pela autorização da igreja exercer o pastorado. Aqui as funções representam algumas atividades exercidas pelos ministros que receberem suas designações clericais. 18
  • 19. Conclusão A igreja de Cristo em atos estava engatinhando e aprendendo a se tornar uma instituição que iria contribuir para o bem da humanidade, o que ainda hoje indiscutivelmente o faz. O inicio da evangelização dos povos separados da aliança Mosaica e sua integração a aliança Messiânica faz Atos dos Apóstolos ser a narração histórica que lança a base para entendermos a evolução de um novo conceito de Deus e seu amor por uma humanidade que até então estava realmente distante de sua vontade. O concilio que estabeleceu as diretrizes acerca da abstinência da prostituição, idolatria e alimento sufocado dá os alicerces para o começo da vida cristã que cada cidadão que está sendo chamado para pertencer à família de Deus deve ter. A aproximação de Deus aos homens é a mensagem do evangelho, até então, era desconhecido aos homens distantes do concerto do antigo testamento essa realidade e de uma forma simples e concisa, isto, foi exposto para todo o império Romano pela pregação dos discípulos de Jesus. A explosão do evangelho nos meados do primeiro século e sua duradoura vida provam que a obra que a seita do caminho se propunha realmente não surgiu do homem, mas como é na verdade, veio das regiões celestiais, das mãos do próprio Deus. 19
  • 20. Bibliografia 1. A Igreja no Novo Testamento. KITTEL, Gerhard – Tradução: SIMON, Helmuth Alfredo ASTE 2. As Igrejas do Novo Testamento. MACDANIEL, Geo. W. – Tradução: EDWARDS, F. M. JUERP 3. O Mundo do Novo Testamento. PACHER, J. I. – TENNEY, Merril C. – JR, William White Editora Vida 4. Através da Bíblia livro por livro PEARLMAN, Myer – Tradução: OLSON, N. Lawrence Editora Vida 5. A Bíblia Anotada Introdução, esboço, referencias laterais e notas por RYRIE, Charles Caldwell – Tradução: RAMOS, Osvaldo Editora Mundo Cristão 6. Atlas da Bíblia JENKINS, Simon – Tradução: BENTES, Pr. João Abba Press 7. A Bíblia através dos séculos GILBERTO, Pr. Antonio CPAD 20