SlideShare uma empresa Scribd logo
O nosso objetivo é a sua Aprovação
Como fazer uma boa redação
Dominar a arte da escrita é um trabalho que exige prática e dedicação. No entanto, conhecer
seu lado teórico é muito importante. Aqui você encontra um resumo desta teoria. Aplique-a em
seu trabalho mas não se esqueça: você precisará fazer a sua parte, isto é, escrever.
SIMPLICIDADE
Use palavras conhecidas e adequadas. Escreva com simplicidade. Para que se tenha bom
domínio, prefira frases curtas. Amarre as frases, organizando as idéias. Cuidado para não
mudar de assunto de repente. Conduza o leitor de maneira leve pela linha de argumentação.
CLAREZA
O segredo está em não deixar nada subentendido, nem imaginar que o leitor sabe o que você
quer dizer. Evidencie todo o conteúdo da sua escrita. Lembre-se: você está comunicando a sua
opinião, falando de suas idéias, narrando um fato. O mais importante é fazer-se entender.
OBJETIVIDADE
Você tem que expressar o máximo de conteúdo com o menor número de palavras possíveis.
Por isso não repita idéias, não use palavras demais ou outras coisas que só para aumentem as
linhas. Concentre-se no que é realmente necessário para o texto. A pesquisa prévia ajuda a
selecionar melhor o que se deve usar.
UNIDADE
Não esqueça, o texto deve ter unidade, por mais longo que seja. Você deve traçar uma linha
coerente do começo ao final do texto. Não pode perder de vista essa trajetória. Por isso, muita
atenção no que escreve para não se perder e fugir do assunto. Eliminar o desnecessário é um
dos caminhos para não se perder. Para não errar, use a seguinte ordem: introdução,
argumentação e conclusão da idéia.
COERÊNCIA
A coerência entre todas as partes de seu texto, é fator primordial para se escrever bem. É
necessário que elas formem um todo. Para isso, é necessário estabelecer uma ordem para as
idéias se completem e formem o corpo da narrativa. Explique, mostre as causas e as
conseqüências.
EXEMPLOS
Obedecer uma ordem cronológica é um maneira de se acertar sempre, apesar de não ser
criativa. Nesta linha, parta do geral para o particular, do objetivo para o subjetivo, do concreto
O nosso objetivo é a sua Aprovação
para o abstrato. Use figuras de linguagem para que o texto fique interessante. As metáforas
também enriquecem a redação.
ÊNFASE
Procure chamar a atenção para o assunto com palavras fortes, cheias de significado,
principalmente no início da narrativa. Use o mesmo recurso para destacar trechos importantes.
Uma boa conclusão é essencial para mostrar a importância do assunto escolhido. Remeter o
leitor à idéia inicial é uma boa maneira de fechar o texto.
LEIA E RELEIA
Lembre-se, é fundamental pensar, planejar, escrever e reler seu texto. Mesmo com todos os
cuidados, pode ser que você não consiga se expressar de forma clara e concisa. A pressa
pode atrapalhar. Com calma, verifique se os períodos não ficaram longos, obscuros. Veja se
você não repetiu palavras e idéias. Àmedida que você relê o texto, essas falhas aparecem,
inclusive, erros de ortografia e acentuação. Não se apegue ao escrito. Refaça se for preciso.
Não tenha preguiça, passe tudo a limpo quantas vezes forem necessárias. No computador,
esta tarefa se torna mais fácil. Faça sempre uma cópia do texto original. Assim você se sentirá
à vontade para corrigir quanto quiser, pois sabe que sempre poderá voltar atrás.
Conheça 26 temas de redação de vestibulares
Aqui você tem 26 temas de redação que já foram pedidos em vestibular, principalmente da
FUVEST. Desenvolva alguns deles para perceber que tipo de dificuldade você tem. Se for em
relação a conteúdo, isto é, se você simplesmente não sabe ou não tem o que dizer, é sinal de
que precisa ler mais, buscar atualização e cultura geral. Mas se você domina o assunto e
mesmo assim não consegue se expressar com fluência, veja nossas dicas de como fazer uma
boa redação. Comece agora mesmo. Deixe a preguiça de lado e escreva. A única forma de
aprender é praticando.
FUVEST
A participação dos escritores brasileiros nas grandes causas cívicas e sociais do País, no
século XIX.
FEI
Componha uma redação desenvolvendo o seguinte pensamento: A Rodovia dos Bandeirantes
não é mais bela do que a estrada que passa pela minha cidade, porque a Rodovia dos
Bandeirantes não passa pela minha cidade. Dê um título à redação.
FUVEST
Imagine a seguinte situação: Hoje você está completando dezoito anos. Neste dia, você recebe
pelo correio uma folha de papel em branco, num envelope em seu nome, sem indicação do
O nosso objetivo é a sua Aprovação
remetente. Além disso, você ganha de presente um retrato seu e um disco. Reflita sobre essa
situação e redija um texto em prosa.
CESCEM
Nenhum homem é uma ilha.
FUVEST
Recentemente, o Deputado Federal Aldo Rebelo (PC do B - SP), visando proteger a identidade
cultural da língua portuguesa, apresentou um projeto de lei que prevê sanções contra o
emprego abusivo de estrangeirismos. Mais que isso, declarou o Deputado, interessa-lhe
incentivar a criação de um "Movimento Nacional de Defesa da Língua Portuguesa".
Leia alguns dos argumentos que ele apresenta para justificar o projeto, bem como os textos
subseqüentes, relacionados ao mesmo tema.
"A História nos ensina que uma das formas de dominação de um povo sobre outro se dá pela
imposição da língua. (...)" "...estamos a assistir a uma verdadeira descaracterização da Língua
Portuguesa, tal a invasão indiscriminada e desnecessária de estrangeirismos - como 'holding',
'recall', 'franchise', 'coffee-break', 'self-service' - (...). E isso vem ocorrendo com voracidade e
rapidez tão espantosas que não é exagero supor que estamos na iminência de comprometer,
quem sabe até truncar, a comunicação oral e escrita com o nosso homem simples do campo,
não afeito às palavras e expressões importadas, em geral do inglês norte-americano, que
dominam o nosso cotidiano (...)" "Como explicar esse fenômeno indesejável, ameaçador de um
dos elementos mais vitais do nosso patrimônio cultural - a língua materna -, que vem ocorrendo
com intensidade crescente ao longo dos últimos 10 a 20 anos? (...)" "Parece-me que é
chegado o momento de romper com tamanha complacência cultural, e, assim, conscientizar a
nação de que é preciso agir em prol da língua pátria, mas sem xenofobismo ou intolerância de
nenhuma espécie. (...)"
(Dep. Fed. Aldo Rebelo, 1999)
"Na realidade, o problema do empréstimo lingüístico não se resolve com atitudes reacionárias,
com estabelecer barreiras ou cordões de isolamento à entrada de palavras e expressões de
outros idiomas. Resolve-se com o dinamismo cultural, com o gênio inventivo do povo. Povo
que não forja cultura dispensa-se de criar palavras com energia irradiadora e tem de
conformar-se, queiram ou não queiram os seus gramáticos, à condição de mero usuário de
criações alheias."
(Celso Cunha, 1968)
"Um país como a Alemanha, menos vulnerável à influência da colonização da língua inglesa,
discute hoje uma reforma ortográfica para 'germanizar' expressões estrangeiras, o que já é
regra na França. O risco de se cair no nacionalismo tosco e na xenofobia é evidente. Não é
preciso, porém, agir como Policarpo Quaresma, personagem de Lima Barreto, que queria
transformar o tupi em língua oficial do Brasil para recuperar o instinto de nacionalidade. No
O nosso objetivo é a sua Aprovação
Brasil de hoje já seria um avanço se as pessoas passassem a usar, entre outros exemplos, a
palavra 'entrega' em vez de 'delivery'."
(Folha de S. Paulo, 20/10/98)
Levando em conta as idéias presentes nos três textos, redija uma DISSERTAÇÃO EM PROSA,
expondo o que você pensa sobre essa iniciativa do Deputado e as questões que ela envolve.
Apresente argumentos que dêem sustentação ao ponto de vista que você adotou.
EEM-FEI
O desencanto da máquina.
FUVEST
Como você avalia a jovem geração brasileira que constitui a maioria dos que chegam agora ao
vestibular? Situada, em sua maior parte, na faixa etária que vai dos dezesseis aos vinte e um
anos, que características essa geração apresenta? Que opinião você tem sobre tais
características?
Para tratar desse tema, você poderá, por exemplo, identificar as principais virtudes ou os
defeitos que eventualmente essa jovem geração apresente; indicar quais são os valores que,
de fato, ela julga mais importantes e opinar sobre eles. Você poderá, também, considerá-la
quanto à formação intelectual, identificando, aí, os pontos fortes e as possíveis deficiências.
Poderá, ainda, observar qual é o grau de respeito pelo outro, de consciência social, de
companheirismo, de solidariedade efetiva, de conformismo ou de inconformismo que essa
geração manifesta.
Refletindo sobre aspectos como os acima sugeridos, escolhendo entre eles os que você julgue
mais pertinentes ou, caso ache necessário, levantando outros aspectos que você considere
mais relevantes para tratar do tema proposto, redija uma DISSERTAÇÃO EM PROSA,
apresentando argumentos que dêem consistência e objetividade ao seu ponto de vista.
ITA
O último romance que li.
FUVEST
A partir da leitura dos textos abaixo, redija uma dissertação em prosa, discutindo as idéias
neles contidas.
(...) o inferno são os outros.
(Jean-Paul Sartre)
(...) padecer a convicção de que, na estreiteza das relações da vida, a alma alheia comprime-
nos, penetra-nos, suprime a nossa, e existe dentro de nós, como uma consciência imposta, um
demônio usurpador que se assenhoreia do governo dos nossos nervos, da direção do nosso
O nosso objetivo é a sua Aprovação
querer; que é esse estranho espírito, esse espírito invasor que faz as vezes de nosso espírito,
e que de fora, a nossa alma, mísera exilada, contempla inerte a tirania violenta dessa alma,
outrem, que manda nos seus domínios, que rege as intenções, as resoluções e os atos muito
diferentemente do que fizera ela própria (...)
(Raul Pompéia)
- "Os outros têm uma espécie de cachorro farejador, dentro de cada um, eles mesmos não
sabem. Isso feito um cachorro, que eles têm dentro deles, é que fareja, todo o tempo, se a
gente por dentro da gente está mole, está sujo ou está ruim, ou errado... As pessoas, mesmas,
não sabem. Mas, então, elas ficam assim com uma precisão de judiar com a gente...''
(João Guimarães Rosa)
(...)
experimentar
colonizar
civilizar
humanizar
o homem
descobrindo em suas próprias entranhas
a perene, insuspeitada alegria
de con-viver.
(Carlos Drummond de Andrade)
O filósofo e psicólogo William James chamou a atenção para o grau em que nossa identidade é
formada por outras pessoas: são os outros que nos permitem desenvolver um sentimento de
identidade, e as pessoas com as quais nos sentimos mais à vontade são aquelas que nos
"devolvem" uma imagem adequada de nós mesmos (...)
(Alain de Botton)
ESPM
Constituinte: conceito, significado e perspectivas.
FUVEST
(Dissertação relacionando os três textos abaixo)
Texto 1
O nosso objetivo é a sua Aprovação
Na prova de Redação dos vestibulares, talvez a verdadeira questão seja sempre a mesma:
"Conseguirei?". Cada candidato aplica-se às reflexões e às frases na difícil tarefa de falar de
um tema A proposto, com a preocupação em B - "Conseguirei?" -, para convencer um leitor X.
Texto 2
Ao escrever "Lutar com palavras / é a luta mais vã. / Entanto lutamos / mal rompe a manhã",
Carlos Drummond de Andrade já era um poeta maior da nossa língua.
Texto 3
É difícil defender, só com palavras, a vida (João Cabral de Melo Neto)
ITA
Eles falaram, falaram, falaram...
FUVEST
1. Leia atentamente os textos dados, procurando identificar a questão neles tratada.
2. Escreva uma dissertação em prosa, relacionando os dois textos e expondo argumentos que
sustentem seu próprio ponto de vista.
Texto 1
"Entre os Maoris, um povo polinésio, existe uma dança destinada a proteger as sementeiras de
batatas, que quando novas são muito vulneráveis aos ventos do leste: as mulheres executam a
dança, entre os batatais, simulando com os movimentos dos corpos o vento, a chuva, o
desenvolvimento e o florescimento do batatal, sendo esta dança acompanhada de uma canção
que é um apelo para que o batatal siga o exemplo do bailado. As mulheres interpretam em
fantasia a realização prática de um desejo. É nisto que consiste a magia: uma técnica ilusória
destinada a suplementar a técnica real. Mas essa técnica ilusória não é vã. A dança não pode
exercer qualquer feito direto sobre as batatas, mas pode ter (como de fato tem) um efeito
apreciável sobre as mulheres. Inspiradas pela convicção de que a dança protege a colheita,
entregam-se ao trabalho com mais confiança e mais energia. E, deste modo, a dança acaba,
afinal, por ter um efeito sobre a colheita." [George Thomson]
Texto 2
A ciência livra-nos do medo, combatendo com respostas objetivas esse veneno subjetivo. Com
um bom pára-raios, quem em casa teme as tempestades? Todo ritual mítico está condenado a
desaparecer; a função dos mitos se estreita a cada invenção, e todo vazio em que o
pensamento mágico imperava está sendo preenchido pelo efeito de uma operação racional.
Quanto à arte, continuará a fazer o que pode: entreter o homem nas pausas de seu trabalho,
desembaraçada agora de qualquer outra missão, que não mais é preciso lhe atribuir. [Hercule
Granville]
O nosso objetivo é a sua Aprovação
FAAP
A ignorância é atrevida.
FUVEST
Relacione os textos e a imagem seguintes e escreva uma dissertação em prosa, discutindo as
idéias neles contidas e expondo argumentos que sustentem o ponto de vista que você adotou.
Em muitas pessoas já é um descaramento dizerem "Eu".
T.W. Adorno
Não há sempre sujeito, ou sujeitos. (...)
Digamos que o sujeito é raro, tão raro quanto as verdades.
A. Badiou
"Todos são livres para dançar e para se divertir, do mesmo modo que, desde a
neutralização histórica da religião, são livres para entrar em qualquer uma das inúmeras
seitas. Mas a liberdade de escolha da ideologia, que reflete sempre a coerção econômica,
revela-se em todos os setores como a liberdade de escolher o que é sempre a mesma
coisa."
T.W. Adorno
SANTA CASA
Imagine-se em elevado posto do Governo com a responsabilidade de definir a política do
ensino universitário a ser seguida em nosso país: optaria pela linha democratizante, ou pela
formação de elites?
FUVEST
Relacione os textos abaixo e redija uma dissertação, em prosa, discutindo as idéias neles
contidas e apresentando argumentos que comprovem e/ou refutem essas idéias.
"Antes mundo era pequeno
Porque Terra era grande
Hoje o mundo é muito grande
Porque Terra é pequena
Do tamanho da antena parabolicamará"
(Gilberto Gil)
O nosso objetivo é a sua Aprovação
"Como democratizar a TV, o rádio, a imprensa, que são o oxigênio e a fumaça que a nossa
imaginação respira? Como seria uma TV sem manipulação? São perguntas difíceis, mas a
luta social efetiva, e sobretudo um projeto de futuro, são impossíveis sem entrar nesse
terreno."
(Roberto Schwarz)
"Tevê colorida
fará azul-rósea
a cor da vida?"
(Carlos Drummond de Andrade)
FEI
O mundo dos artistas.
FUVEST
O trecho a seguir do conto "A Igreja do Diabo", de Machado de Assis, descreve a
ecessidade que o homem teria de regras que lhe digam o que fazer e como se comportar.
Uma vez conseguido isso, ele passaria a violar secretamente as normas que tanto desejou.
Escreva uma dissertação que analise esta visão que o autor tem do comportamento
humano. Você pode discordar ou concordar com ela, desde que seus argumentos sejam
fundamentados.
O maior mérito estará numa argumentação coesa capaz de levar a uma conclusão
coerente.
"Conta um velho manuscrito beneditino que o Diabo, em certo dia, teve a idéia de fundar
uma Igreja. Embora os seus lucros fossem contínuos e grandes, sentia-se humilhado com o
papel avulso que exercia desde séculos, sem organização, sem regras, sem cânones, sem
ritual, sem nada. Vivia, por assim dizer, dos remanescentes divinos, dos descuidos e
obséquios humanos. (...) Está claro que (o Diabo) combateu o perdão das injúrias e outras
máximas de brandura e cordialidade. Não proibiu formalmente a calúnia, mas induziu a
exercê-la mediante retribuição, ou pecuniária, ou de outra espécie. (...) A Igreja fundara-se;
a doutrina propagava-se; não havia uma região do globo que não a conhecesse, uma língua
que não a traduzisse, uma raça que não a amasse. O Diabo alçou brados de triunfo.
Um dia, porém, longos anos depois, notou o Diabo que muitos dos seus fiéis, às
escondidas, praticavam as antigas virtudes. (...) Certos glutões recolhiam-se a comer
frugalmente três ou quatro vezes por ano (...) muitos avaros davam esmolas, à noite, ou nas
ruas mal povoadas; vários dilapidadores do erário restituíam-lhe pequenas quantias; os
fraudulentos falavam, uma ou outra vez, com o coração nas mãos, mas com o mesmo rosto
O nosso objetivo é a sua Aprovação
dissimulado, para fazer crer que estavam embaçando os outros." [Nota: embaçar: lograr,
enganar]
SANTA CASA
Leia o tema dado a seguir e analise as idéias nele contidas. Com base nessas idéias, faça
uma dissertação em que você exponha seus pontos de vista e conclusões. A dissertação
deve ter a extensão mínima de 20 linhas e máxima de 30, considerando-se letra de
tamanho regular. Tema: "O discurso aparentemente verdadeiro é mais perigoso que o
discurso claramente mentiroso."
FUVEST
Faça uma dissertação discutindo as opiniões expostas a seguir. É importante que você
assuma uma posição a favor ou contra as idéias apresentadas. Justifique-a com
argumentos convincentes.
Você poderá também assumir uma posição diferente, alinhando argumentos que a
sustentem.
I. Alega-se, com freqüência, que o vestibular, como forma de seleção dos candidatos à
escola superior, favorece os alunos de melhor situação econômica que têm condições de
cursar as melhores escolas e prejudica os menos favorecidos que são obrigados a estudar
em escolas de padrão inferior de ensino.
II. Por outro lado, há quem considere que o vestibular é apenas um processo de seleção
que procura avaliar o conhecimento dos candidatos num determinado momento,
escolhendo aqueles que se apresentam melhor preparados para ingressar na Universidade.
Culpá-lo por possíveis injustiças é o mesmo que culpar o termômetro pela febre.
CESCEM
A arte é espelho da cultura nacional; fazendo arte, o indivíduo projeta na obra sua
personalidade e, através da personalidade, a cultura de seu povo.
FUVEST
O trabalhador brasileiro, em sua grande maioria, recebe salário mensal que tem como ponto
de referência a chamada "Cesta Básica". Leia o texto a seguir e, baseado no que ele
significa para você, escreva a sua redação, dissertativa.
COMIDA
(Arnaldo Antunes/ Marcelo Fromer/Sérgio Britto)
Bebida é água
O nosso objetivo é a sua Aprovação
Comida é pasto
Você tem sede de quê?
Você tem fome de quê?
A gente não quer só comida,
A gente quer comida, diversão e arte.
A gente não quer só comida,
A gente quer saída para qualquer parte.
A gente não quer só comida,
A gente quer bebida, diversão, balé.
A gente não quer só comida,
A gente quer a vida como a vida quer.
Bebida é água.
Comida é pasto.
Você tem sede de quê?
Você tem fome de quê?
A gente não quer só comer,
A gente quer comer e quer fazer amor.
A gente não quer só comer,
A gente quer prazer pra aliviar a dor.
A gente não quer só dinheiro,
A gente quer dinheiro e felicidade.
A gente não quer só dinheiro,
O nosso objetivo é a sua Aprovação
A gente quer inteiro e não pela metade.
(Jesus não tem dentes no país dos banguelas - Titãs, 1988)
PUC-CAMPINAS
O poder da palavra.
FUVEST
-Não é preciso zangar-se. Todos nós temos as nossas opiniões.
- Sem dúvida. Mas é tolice uma pessoa querer ter opinião sobre assunto que desconhece.
(...) Que diabo! Eu nunca andei discutindo gramática. Mas as coisas da minha fazenda julgo
que devo saber. E era bom que não me viessem dar lições. Vocês me fazem perder a
paciência.
Você tem opinião sobre as afirmações acima?
Se tem, defenda sua opinião.
Se não, explique por quê.
FAAP
Crie um texto de teor narrativo, imaginando a seguinte situação: Você está a bordo de um
foguete com a sonda automática em direção ao cometa Halley. Durante o percurso,
informam-lhe que haverá um congestionamento de trânsito. De forma original e bastante
criativa, apresente: o local em que ocorrerá o fato; o modo como acontecerá.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conteúdo programático redação
Conteúdo programático redaçãoConteúdo programático redação
Conteúdo programático redação
Homero Alves de Lima
 
Tirinhas aula 1- características gerais
Tirinhas  aula 1- características geraisTirinhas  aula 1- características gerais
Tirinhas aula 1- características gerais
Pibid Letras UEA
 
Resenha de artigo para estudantes
Resenha de artigo para estudantesResenha de artigo para estudantes
Resenha de artigo para estudantes
Jose Roberto Batista da Silva
 
Paralelismo sintático e semântico
Paralelismo sintático e semânticoParalelismo sintático e semântico
Paralelismo sintático e semântico
Ana Lúcia Moura Neves
 
Fichamento
FichamentoFichamento
Fichamento
André luis
 
O desenvolvimento do texto dissertativo argumentativo
O desenvolvimento do texto dissertativo argumentativoO desenvolvimento do texto dissertativo argumentativo
O desenvolvimento do texto dissertativo argumentativo
Éric Santos
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
Cláudia Heloísa
 
Gêneros e Tipos Textuais.pdf
Gêneros e Tipos Textuais.pdfGêneros e Tipos Textuais.pdf
Gêneros e Tipos Textuais.pdf
JliaRamosVieira1
 
Modelo de Artigo Científico
Modelo de Artigo CientíficoModelo de Artigo Científico
Modelo de Artigo Científico
Instituto Consciência GO
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
Edna Brito
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redação
Sinara Lustosa
 
Artigo cientifico (como fazer)
Artigo cientifico (como fazer)Artigo cientifico (como fazer)
Artigo cientifico (como fazer)
Fernanda Câmara
 
Gênero textual notícia - 6º ano
Gênero textual notícia - 6º anoGênero textual notícia - 6º ano
Gênero textual notícia - 6º ano
AnaMaria2404
 
Modelos de síntese
Modelos de sínteseModelos de síntese
Modelos de síntese
denisecgomes
 
Ambiguidade
AmbiguidadeAmbiguidade
Ambiguidade
Marilia Teddy
 
Generos e tipos textuais considerações necessárias marcushi
Generos e tipos textuais considerações necessárias marcushiGeneros e tipos textuais considerações necessárias marcushi
Generos e tipos textuais considerações necessárias marcushi
ofpedagogica
 
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTAAULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
Marcelo Cordeiro Souza
 
Modelo de ficha de leitura
Modelo de ficha de leituraModelo de ficha de leitura
Modelo de ficha de leitura
Sérgio Lagoa
 
Como elaborar um trabalho escrito
Como elaborar um trabalho escritoComo elaborar um trabalho escrito
Como elaborar um trabalho escrito
colegio elite
 
Introdução e conclusão
Introdução e conclusãoIntrodução e conclusão
Introdução e conclusão
Jana Kirschner
 

Mais procurados (20)

Conteúdo programático redação
Conteúdo programático redaçãoConteúdo programático redação
Conteúdo programático redação
 
Tirinhas aula 1- características gerais
Tirinhas  aula 1- características geraisTirinhas  aula 1- características gerais
Tirinhas aula 1- características gerais
 
Resenha de artigo para estudantes
Resenha de artigo para estudantesResenha de artigo para estudantes
Resenha de artigo para estudantes
 
Paralelismo sintático e semântico
Paralelismo sintático e semânticoParalelismo sintático e semântico
Paralelismo sintático e semântico
 
Fichamento
FichamentoFichamento
Fichamento
 
O desenvolvimento do texto dissertativo argumentativo
O desenvolvimento do texto dissertativo argumentativoO desenvolvimento do texto dissertativo argumentativo
O desenvolvimento do texto dissertativo argumentativo
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Gêneros e Tipos Textuais.pdf
Gêneros e Tipos Textuais.pdfGêneros e Tipos Textuais.pdf
Gêneros e Tipos Textuais.pdf
 
Modelo de Artigo Científico
Modelo de Artigo CientíficoModelo de Artigo Científico
Modelo de Artigo Científico
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redação
 
Artigo cientifico (como fazer)
Artigo cientifico (como fazer)Artigo cientifico (como fazer)
Artigo cientifico (como fazer)
 
Gênero textual notícia - 6º ano
Gênero textual notícia - 6º anoGênero textual notícia - 6º ano
Gênero textual notícia - 6º ano
 
Modelos de síntese
Modelos de sínteseModelos de síntese
Modelos de síntese
 
Ambiguidade
AmbiguidadeAmbiguidade
Ambiguidade
 
Generos e tipos textuais considerações necessárias marcushi
Generos e tipos textuais considerações necessárias marcushiGeneros e tipos textuais considerações necessárias marcushi
Generos e tipos textuais considerações necessárias marcushi
 
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTAAULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
 
Modelo de ficha de leitura
Modelo de ficha de leituraModelo de ficha de leitura
Modelo de ficha de leitura
 
Como elaborar um trabalho escrito
Como elaborar um trabalho escritoComo elaborar um trabalho escrito
Como elaborar um trabalho escrito
 
Introdução e conclusão
Introdução e conclusãoIntrodução e conclusão
Introdução e conclusão
 

Semelhante a Como fazer uma boa redação

Redação.PDF
Redação.PDFRedação.PDF
Redação.PDF
Jeferson S. J.
 
Redação.DOCX
Redação.DOCXRedação.DOCX
Redação.DOCX
Jeferson S. J.
 
589
589589
Carta argumantativa
Carta argumantativaCarta argumantativa
Carta argumantativa
Josiane Costa Valeriano Goulart
 
Interpretação de texo
Interpretação de texoInterpretação de texo
Interpretação de texo
Paulo Lobo
 
Resumo Tp4 Unid 15 (1)
Resumo   Tp4 Unid 15 (1)Resumo   Tp4 Unid 15 (1)
Resumo Tp4 Unid 15 (1)
christall2009
 
Resumo Tp4 Unid 15
Resumo   Tp4 Unid 15Resumo   Tp4 Unid 15
Resumo Tp4 Unid 15
christall2009
 
Redação discursiva
Redação discursivaRedação discursiva
Redação discursiva
Erica Surmay
 
Coesao e corencia
Coesao e corenciaCoesao e corencia
Coesao e corencia
Dior FG
 
Apostila redação
Apostila redaçãoApostila redação
Apostila redação
Vera Oliveira
 
Técnicas de redação
Técnicas de redaçãoTécnicas de redação
Técnicas de redação
Direito2012sl08
 
Técnicas de Redação (Concurso Público).pdf
Técnicas de Redação (Concurso Público).pdfTécnicas de Redação (Concurso Público).pdf
Técnicas de Redação (Concurso Público).pdf
ELIVELSON MAIA
 
Tecnicas de redacao
Tecnicas de redacaoTecnicas de redacao
Tecnicas de redacao
J M
 
Técnicas de redação
Técnicas de redaçãoTécnicas de redação
Técnicas de redação
belschlatter
 
Apostila tecnicas de redação
Apostila   tecnicas de redaçãoApostila   tecnicas de redação
Apostila tecnicas de redação
afmrtnez
 
Técnicas de redação
Técnicas de redaçãoTécnicas de redação
Técnicas de redação
Daniel Cabral
 
Técnicas de redacao
Técnicas de redacaoTécnicas de redacao
Técnicas de redacao
Luiz Avelar
 
Redação em língua portuguesa
Redação em língua portuguesaRedação em língua portuguesa
Redação em língua portuguesa
professorakathia
 
Como escrever bem business writing
Como escrever bem business writingComo escrever bem business writing
Como escrever bem business writing
Cíntia Lopes
 
Pecados mortais em dissertação
Pecados mortais em dissertaçãoPecados mortais em dissertação
Pecados mortais em dissertação
Fátima Lima
 

Semelhante a Como fazer uma boa redação (20)

Redação.PDF
Redação.PDFRedação.PDF
Redação.PDF
 
Redação.DOCX
Redação.DOCXRedação.DOCX
Redação.DOCX
 
589
589589
589
 
Carta argumantativa
Carta argumantativaCarta argumantativa
Carta argumantativa
 
Interpretação de texo
Interpretação de texoInterpretação de texo
Interpretação de texo
 
Resumo Tp4 Unid 15 (1)
Resumo   Tp4 Unid 15 (1)Resumo   Tp4 Unid 15 (1)
Resumo Tp4 Unid 15 (1)
 
Resumo Tp4 Unid 15
Resumo   Tp4 Unid 15Resumo   Tp4 Unid 15
Resumo Tp4 Unid 15
 
Redação discursiva
Redação discursivaRedação discursiva
Redação discursiva
 
Coesao e corencia
Coesao e corenciaCoesao e corencia
Coesao e corencia
 
Apostila redação
Apostila redaçãoApostila redação
Apostila redação
 
Técnicas de redação
Técnicas de redaçãoTécnicas de redação
Técnicas de redação
 
Técnicas de Redação (Concurso Público).pdf
Técnicas de Redação (Concurso Público).pdfTécnicas de Redação (Concurso Público).pdf
Técnicas de Redação (Concurso Público).pdf
 
Tecnicas de redacao
Tecnicas de redacaoTecnicas de redacao
Tecnicas de redacao
 
Técnicas de redação
Técnicas de redaçãoTécnicas de redação
Técnicas de redação
 
Apostila tecnicas de redação
Apostila   tecnicas de redaçãoApostila   tecnicas de redação
Apostila tecnicas de redação
 
Técnicas de redação
Técnicas de redaçãoTécnicas de redação
Técnicas de redação
 
Técnicas de redacao
Técnicas de redacaoTécnicas de redacao
Técnicas de redacao
 
Redação em língua portuguesa
Redação em língua portuguesaRedação em língua portuguesa
Redação em língua portuguesa
 
Como escrever bem business writing
Como escrever bem business writingComo escrever bem business writing
Como escrever bem business writing
 
Pecados mortais em dissertação
Pecados mortais em dissertaçãoPecados mortais em dissertação
Pecados mortais em dissertação
 

Último

Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 

Último (20)

Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 

Como fazer uma boa redação

  • 1. O nosso objetivo é a sua Aprovação Como fazer uma boa redação Dominar a arte da escrita é um trabalho que exige prática e dedicação. No entanto, conhecer seu lado teórico é muito importante. Aqui você encontra um resumo desta teoria. Aplique-a em seu trabalho mas não se esqueça: você precisará fazer a sua parte, isto é, escrever. SIMPLICIDADE Use palavras conhecidas e adequadas. Escreva com simplicidade. Para que se tenha bom domínio, prefira frases curtas. Amarre as frases, organizando as idéias. Cuidado para não mudar de assunto de repente. Conduza o leitor de maneira leve pela linha de argumentação. CLAREZA O segredo está em não deixar nada subentendido, nem imaginar que o leitor sabe o que você quer dizer. Evidencie todo o conteúdo da sua escrita. Lembre-se: você está comunicando a sua opinião, falando de suas idéias, narrando um fato. O mais importante é fazer-se entender. OBJETIVIDADE Você tem que expressar o máximo de conteúdo com o menor número de palavras possíveis. Por isso não repita idéias, não use palavras demais ou outras coisas que só para aumentem as linhas. Concentre-se no que é realmente necessário para o texto. A pesquisa prévia ajuda a selecionar melhor o que se deve usar. UNIDADE Não esqueça, o texto deve ter unidade, por mais longo que seja. Você deve traçar uma linha coerente do começo ao final do texto. Não pode perder de vista essa trajetória. Por isso, muita atenção no que escreve para não se perder e fugir do assunto. Eliminar o desnecessário é um dos caminhos para não se perder. Para não errar, use a seguinte ordem: introdução, argumentação e conclusão da idéia. COERÊNCIA A coerência entre todas as partes de seu texto, é fator primordial para se escrever bem. É necessário que elas formem um todo. Para isso, é necessário estabelecer uma ordem para as idéias se completem e formem o corpo da narrativa. Explique, mostre as causas e as conseqüências. EXEMPLOS Obedecer uma ordem cronológica é um maneira de se acertar sempre, apesar de não ser criativa. Nesta linha, parta do geral para o particular, do objetivo para o subjetivo, do concreto
  • 2. O nosso objetivo é a sua Aprovação para o abstrato. Use figuras de linguagem para que o texto fique interessante. As metáforas também enriquecem a redação. ÊNFASE Procure chamar a atenção para o assunto com palavras fortes, cheias de significado, principalmente no início da narrativa. Use o mesmo recurso para destacar trechos importantes. Uma boa conclusão é essencial para mostrar a importância do assunto escolhido. Remeter o leitor à idéia inicial é uma boa maneira de fechar o texto. LEIA E RELEIA Lembre-se, é fundamental pensar, planejar, escrever e reler seu texto. Mesmo com todos os cuidados, pode ser que você não consiga se expressar de forma clara e concisa. A pressa pode atrapalhar. Com calma, verifique se os períodos não ficaram longos, obscuros. Veja se você não repetiu palavras e idéias. Àmedida que você relê o texto, essas falhas aparecem, inclusive, erros de ortografia e acentuação. Não se apegue ao escrito. Refaça se for preciso. Não tenha preguiça, passe tudo a limpo quantas vezes forem necessárias. No computador, esta tarefa se torna mais fácil. Faça sempre uma cópia do texto original. Assim você se sentirá à vontade para corrigir quanto quiser, pois sabe que sempre poderá voltar atrás. Conheça 26 temas de redação de vestibulares Aqui você tem 26 temas de redação que já foram pedidos em vestibular, principalmente da FUVEST. Desenvolva alguns deles para perceber que tipo de dificuldade você tem. Se for em relação a conteúdo, isto é, se você simplesmente não sabe ou não tem o que dizer, é sinal de que precisa ler mais, buscar atualização e cultura geral. Mas se você domina o assunto e mesmo assim não consegue se expressar com fluência, veja nossas dicas de como fazer uma boa redação. Comece agora mesmo. Deixe a preguiça de lado e escreva. A única forma de aprender é praticando. FUVEST A participação dos escritores brasileiros nas grandes causas cívicas e sociais do País, no século XIX. FEI Componha uma redação desenvolvendo o seguinte pensamento: A Rodovia dos Bandeirantes não é mais bela do que a estrada que passa pela minha cidade, porque a Rodovia dos Bandeirantes não passa pela minha cidade. Dê um título à redação. FUVEST Imagine a seguinte situação: Hoje você está completando dezoito anos. Neste dia, você recebe pelo correio uma folha de papel em branco, num envelope em seu nome, sem indicação do
  • 3. O nosso objetivo é a sua Aprovação remetente. Além disso, você ganha de presente um retrato seu e um disco. Reflita sobre essa situação e redija um texto em prosa. CESCEM Nenhum homem é uma ilha. FUVEST Recentemente, o Deputado Federal Aldo Rebelo (PC do B - SP), visando proteger a identidade cultural da língua portuguesa, apresentou um projeto de lei que prevê sanções contra o emprego abusivo de estrangeirismos. Mais que isso, declarou o Deputado, interessa-lhe incentivar a criação de um "Movimento Nacional de Defesa da Língua Portuguesa". Leia alguns dos argumentos que ele apresenta para justificar o projeto, bem como os textos subseqüentes, relacionados ao mesmo tema. "A História nos ensina que uma das formas de dominação de um povo sobre outro se dá pela imposição da língua. (...)" "...estamos a assistir a uma verdadeira descaracterização da Língua Portuguesa, tal a invasão indiscriminada e desnecessária de estrangeirismos - como 'holding', 'recall', 'franchise', 'coffee-break', 'self-service' - (...). E isso vem ocorrendo com voracidade e rapidez tão espantosas que não é exagero supor que estamos na iminência de comprometer, quem sabe até truncar, a comunicação oral e escrita com o nosso homem simples do campo, não afeito às palavras e expressões importadas, em geral do inglês norte-americano, que dominam o nosso cotidiano (...)" "Como explicar esse fenômeno indesejável, ameaçador de um dos elementos mais vitais do nosso patrimônio cultural - a língua materna -, que vem ocorrendo com intensidade crescente ao longo dos últimos 10 a 20 anos? (...)" "Parece-me que é chegado o momento de romper com tamanha complacência cultural, e, assim, conscientizar a nação de que é preciso agir em prol da língua pátria, mas sem xenofobismo ou intolerância de nenhuma espécie. (...)" (Dep. Fed. Aldo Rebelo, 1999) "Na realidade, o problema do empréstimo lingüístico não se resolve com atitudes reacionárias, com estabelecer barreiras ou cordões de isolamento à entrada de palavras e expressões de outros idiomas. Resolve-se com o dinamismo cultural, com o gênio inventivo do povo. Povo que não forja cultura dispensa-se de criar palavras com energia irradiadora e tem de conformar-se, queiram ou não queiram os seus gramáticos, à condição de mero usuário de criações alheias." (Celso Cunha, 1968) "Um país como a Alemanha, menos vulnerável à influência da colonização da língua inglesa, discute hoje uma reforma ortográfica para 'germanizar' expressões estrangeiras, o que já é regra na França. O risco de se cair no nacionalismo tosco e na xenofobia é evidente. Não é preciso, porém, agir como Policarpo Quaresma, personagem de Lima Barreto, que queria transformar o tupi em língua oficial do Brasil para recuperar o instinto de nacionalidade. No
  • 4. O nosso objetivo é a sua Aprovação Brasil de hoje já seria um avanço se as pessoas passassem a usar, entre outros exemplos, a palavra 'entrega' em vez de 'delivery'." (Folha de S. Paulo, 20/10/98) Levando em conta as idéias presentes nos três textos, redija uma DISSERTAÇÃO EM PROSA, expondo o que você pensa sobre essa iniciativa do Deputado e as questões que ela envolve. Apresente argumentos que dêem sustentação ao ponto de vista que você adotou. EEM-FEI O desencanto da máquina. FUVEST Como você avalia a jovem geração brasileira que constitui a maioria dos que chegam agora ao vestibular? Situada, em sua maior parte, na faixa etária que vai dos dezesseis aos vinte e um anos, que características essa geração apresenta? Que opinião você tem sobre tais características? Para tratar desse tema, você poderá, por exemplo, identificar as principais virtudes ou os defeitos que eventualmente essa jovem geração apresente; indicar quais são os valores que, de fato, ela julga mais importantes e opinar sobre eles. Você poderá, também, considerá-la quanto à formação intelectual, identificando, aí, os pontos fortes e as possíveis deficiências. Poderá, ainda, observar qual é o grau de respeito pelo outro, de consciência social, de companheirismo, de solidariedade efetiva, de conformismo ou de inconformismo que essa geração manifesta. Refletindo sobre aspectos como os acima sugeridos, escolhendo entre eles os que você julgue mais pertinentes ou, caso ache necessário, levantando outros aspectos que você considere mais relevantes para tratar do tema proposto, redija uma DISSERTAÇÃO EM PROSA, apresentando argumentos que dêem consistência e objetividade ao seu ponto de vista. ITA O último romance que li. FUVEST A partir da leitura dos textos abaixo, redija uma dissertação em prosa, discutindo as idéias neles contidas. (...) o inferno são os outros. (Jean-Paul Sartre) (...) padecer a convicção de que, na estreiteza das relações da vida, a alma alheia comprime- nos, penetra-nos, suprime a nossa, e existe dentro de nós, como uma consciência imposta, um demônio usurpador que se assenhoreia do governo dos nossos nervos, da direção do nosso
  • 5. O nosso objetivo é a sua Aprovação querer; que é esse estranho espírito, esse espírito invasor que faz as vezes de nosso espírito, e que de fora, a nossa alma, mísera exilada, contempla inerte a tirania violenta dessa alma, outrem, que manda nos seus domínios, que rege as intenções, as resoluções e os atos muito diferentemente do que fizera ela própria (...) (Raul Pompéia) - "Os outros têm uma espécie de cachorro farejador, dentro de cada um, eles mesmos não sabem. Isso feito um cachorro, que eles têm dentro deles, é que fareja, todo o tempo, se a gente por dentro da gente está mole, está sujo ou está ruim, ou errado... As pessoas, mesmas, não sabem. Mas, então, elas ficam assim com uma precisão de judiar com a gente...'' (João Guimarães Rosa) (...) experimentar colonizar civilizar humanizar o homem descobrindo em suas próprias entranhas a perene, insuspeitada alegria de con-viver. (Carlos Drummond de Andrade) O filósofo e psicólogo William James chamou a atenção para o grau em que nossa identidade é formada por outras pessoas: são os outros que nos permitem desenvolver um sentimento de identidade, e as pessoas com as quais nos sentimos mais à vontade são aquelas que nos "devolvem" uma imagem adequada de nós mesmos (...) (Alain de Botton) ESPM Constituinte: conceito, significado e perspectivas. FUVEST (Dissertação relacionando os três textos abaixo) Texto 1
  • 6. O nosso objetivo é a sua Aprovação Na prova de Redação dos vestibulares, talvez a verdadeira questão seja sempre a mesma: "Conseguirei?". Cada candidato aplica-se às reflexões e às frases na difícil tarefa de falar de um tema A proposto, com a preocupação em B - "Conseguirei?" -, para convencer um leitor X. Texto 2 Ao escrever "Lutar com palavras / é a luta mais vã. / Entanto lutamos / mal rompe a manhã", Carlos Drummond de Andrade já era um poeta maior da nossa língua. Texto 3 É difícil defender, só com palavras, a vida (João Cabral de Melo Neto) ITA Eles falaram, falaram, falaram... FUVEST 1. Leia atentamente os textos dados, procurando identificar a questão neles tratada. 2. Escreva uma dissertação em prosa, relacionando os dois textos e expondo argumentos que sustentem seu próprio ponto de vista. Texto 1 "Entre os Maoris, um povo polinésio, existe uma dança destinada a proteger as sementeiras de batatas, que quando novas são muito vulneráveis aos ventos do leste: as mulheres executam a dança, entre os batatais, simulando com os movimentos dos corpos o vento, a chuva, o desenvolvimento e o florescimento do batatal, sendo esta dança acompanhada de uma canção que é um apelo para que o batatal siga o exemplo do bailado. As mulheres interpretam em fantasia a realização prática de um desejo. É nisto que consiste a magia: uma técnica ilusória destinada a suplementar a técnica real. Mas essa técnica ilusória não é vã. A dança não pode exercer qualquer feito direto sobre as batatas, mas pode ter (como de fato tem) um efeito apreciável sobre as mulheres. Inspiradas pela convicção de que a dança protege a colheita, entregam-se ao trabalho com mais confiança e mais energia. E, deste modo, a dança acaba, afinal, por ter um efeito sobre a colheita." [George Thomson] Texto 2 A ciência livra-nos do medo, combatendo com respostas objetivas esse veneno subjetivo. Com um bom pára-raios, quem em casa teme as tempestades? Todo ritual mítico está condenado a desaparecer; a função dos mitos se estreita a cada invenção, e todo vazio em que o pensamento mágico imperava está sendo preenchido pelo efeito de uma operação racional. Quanto à arte, continuará a fazer o que pode: entreter o homem nas pausas de seu trabalho, desembaraçada agora de qualquer outra missão, que não mais é preciso lhe atribuir. [Hercule Granville]
  • 7. O nosso objetivo é a sua Aprovação FAAP A ignorância é atrevida. FUVEST Relacione os textos e a imagem seguintes e escreva uma dissertação em prosa, discutindo as idéias neles contidas e expondo argumentos que sustentem o ponto de vista que você adotou. Em muitas pessoas já é um descaramento dizerem "Eu". T.W. Adorno Não há sempre sujeito, ou sujeitos. (...) Digamos que o sujeito é raro, tão raro quanto as verdades. A. Badiou "Todos são livres para dançar e para se divertir, do mesmo modo que, desde a neutralização histórica da religião, são livres para entrar em qualquer uma das inúmeras seitas. Mas a liberdade de escolha da ideologia, que reflete sempre a coerção econômica, revela-se em todos os setores como a liberdade de escolher o que é sempre a mesma coisa." T.W. Adorno SANTA CASA Imagine-se em elevado posto do Governo com a responsabilidade de definir a política do ensino universitário a ser seguida em nosso país: optaria pela linha democratizante, ou pela formação de elites? FUVEST Relacione os textos abaixo e redija uma dissertação, em prosa, discutindo as idéias neles contidas e apresentando argumentos que comprovem e/ou refutem essas idéias. "Antes mundo era pequeno Porque Terra era grande Hoje o mundo é muito grande Porque Terra é pequena Do tamanho da antena parabolicamará" (Gilberto Gil)
  • 8. O nosso objetivo é a sua Aprovação "Como democratizar a TV, o rádio, a imprensa, que são o oxigênio e a fumaça que a nossa imaginação respira? Como seria uma TV sem manipulação? São perguntas difíceis, mas a luta social efetiva, e sobretudo um projeto de futuro, são impossíveis sem entrar nesse terreno." (Roberto Schwarz) "Tevê colorida fará azul-rósea a cor da vida?" (Carlos Drummond de Andrade) FEI O mundo dos artistas. FUVEST O trecho a seguir do conto "A Igreja do Diabo", de Machado de Assis, descreve a ecessidade que o homem teria de regras que lhe digam o que fazer e como se comportar. Uma vez conseguido isso, ele passaria a violar secretamente as normas que tanto desejou. Escreva uma dissertação que analise esta visão que o autor tem do comportamento humano. Você pode discordar ou concordar com ela, desde que seus argumentos sejam fundamentados. O maior mérito estará numa argumentação coesa capaz de levar a uma conclusão coerente. "Conta um velho manuscrito beneditino que o Diabo, em certo dia, teve a idéia de fundar uma Igreja. Embora os seus lucros fossem contínuos e grandes, sentia-se humilhado com o papel avulso que exercia desde séculos, sem organização, sem regras, sem cânones, sem ritual, sem nada. Vivia, por assim dizer, dos remanescentes divinos, dos descuidos e obséquios humanos. (...) Está claro que (o Diabo) combateu o perdão das injúrias e outras máximas de brandura e cordialidade. Não proibiu formalmente a calúnia, mas induziu a exercê-la mediante retribuição, ou pecuniária, ou de outra espécie. (...) A Igreja fundara-se; a doutrina propagava-se; não havia uma região do globo que não a conhecesse, uma língua que não a traduzisse, uma raça que não a amasse. O Diabo alçou brados de triunfo. Um dia, porém, longos anos depois, notou o Diabo que muitos dos seus fiéis, às escondidas, praticavam as antigas virtudes. (...) Certos glutões recolhiam-se a comer frugalmente três ou quatro vezes por ano (...) muitos avaros davam esmolas, à noite, ou nas ruas mal povoadas; vários dilapidadores do erário restituíam-lhe pequenas quantias; os fraudulentos falavam, uma ou outra vez, com o coração nas mãos, mas com o mesmo rosto
  • 9. O nosso objetivo é a sua Aprovação dissimulado, para fazer crer que estavam embaçando os outros." [Nota: embaçar: lograr, enganar] SANTA CASA Leia o tema dado a seguir e analise as idéias nele contidas. Com base nessas idéias, faça uma dissertação em que você exponha seus pontos de vista e conclusões. A dissertação deve ter a extensão mínima de 20 linhas e máxima de 30, considerando-se letra de tamanho regular. Tema: "O discurso aparentemente verdadeiro é mais perigoso que o discurso claramente mentiroso." FUVEST Faça uma dissertação discutindo as opiniões expostas a seguir. É importante que você assuma uma posição a favor ou contra as idéias apresentadas. Justifique-a com argumentos convincentes. Você poderá também assumir uma posição diferente, alinhando argumentos que a sustentem. I. Alega-se, com freqüência, que o vestibular, como forma de seleção dos candidatos à escola superior, favorece os alunos de melhor situação econômica que têm condições de cursar as melhores escolas e prejudica os menos favorecidos que são obrigados a estudar em escolas de padrão inferior de ensino. II. Por outro lado, há quem considere que o vestibular é apenas um processo de seleção que procura avaliar o conhecimento dos candidatos num determinado momento, escolhendo aqueles que se apresentam melhor preparados para ingressar na Universidade. Culpá-lo por possíveis injustiças é o mesmo que culpar o termômetro pela febre. CESCEM A arte é espelho da cultura nacional; fazendo arte, o indivíduo projeta na obra sua personalidade e, através da personalidade, a cultura de seu povo. FUVEST O trabalhador brasileiro, em sua grande maioria, recebe salário mensal que tem como ponto de referência a chamada "Cesta Básica". Leia o texto a seguir e, baseado no que ele significa para você, escreva a sua redação, dissertativa. COMIDA (Arnaldo Antunes/ Marcelo Fromer/Sérgio Britto) Bebida é água
  • 10. O nosso objetivo é a sua Aprovação Comida é pasto Você tem sede de quê? Você tem fome de quê? A gente não quer só comida, A gente quer comida, diversão e arte. A gente não quer só comida, A gente quer saída para qualquer parte. A gente não quer só comida, A gente quer bebida, diversão, balé. A gente não quer só comida, A gente quer a vida como a vida quer. Bebida é água. Comida é pasto. Você tem sede de quê? Você tem fome de quê? A gente não quer só comer, A gente quer comer e quer fazer amor. A gente não quer só comer, A gente quer prazer pra aliviar a dor. A gente não quer só dinheiro, A gente quer dinheiro e felicidade. A gente não quer só dinheiro,
  • 11. O nosso objetivo é a sua Aprovação A gente quer inteiro e não pela metade. (Jesus não tem dentes no país dos banguelas - Titãs, 1988) PUC-CAMPINAS O poder da palavra. FUVEST -Não é preciso zangar-se. Todos nós temos as nossas opiniões. - Sem dúvida. Mas é tolice uma pessoa querer ter opinião sobre assunto que desconhece. (...) Que diabo! Eu nunca andei discutindo gramática. Mas as coisas da minha fazenda julgo que devo saber. E era bom que não me viessem dar lições. Vocês me fazem perder a paciência. Você tem opinião sobre as afirmações acima? Se tem, defenda sua opinião. Se não, explique por quê. FAAP Crie um texto de teor narrativo, imaginando a seguinte situação: Você está a bordo de um foguete com a sonda automática em direção ao cometa Halley. Durante o percurso, informam-lhe que haverá um congestionamento de trânsito. De forma original e bastante criativa, apresente: o local em que ocorrerá o fato; o modo como acontecerá.