SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
ESCREVER BEM NÃO É O QUE SE PENSA
Nem só escritores e jornalistas vivem de escrever. Nas repartições públicas, nos escritórios das
empresas e nas escolas, há gente redigindo memorandos, cartas, pareceres, relatórios e
redações.
A função desses textos é informar, comunicar ordens, obter respostas, orientar decisões, prestar
contas. Supõe-se, então, que duas devem ser suas qualidades: clareza e concisão, nomenclatura
velha que traduzimos por objetividade e rapidez na comunicação.
Classificando com rigor, há dois tipos de redator: o que finca o lápis no papel (ou os dedos no
teclado) e espera que o começo caia do teto, e o que "redige bem", na base de vocabulário
aprendido em antologias ou fazendo pareceres mudando apenas os dados da "chapa".
Há também os que sabem escrever.
Os do bloco "o difícil é começar" pecam pela falta de organização do pensamento, decorrente do
desábito de leitura e da ausência de preparação específica. Os do outro grupo atrapalham o leitor,
que necessita apenas de informação, por procurarem um estilo que os aproxime dos que eles
consideram os bons autores.
Há diferença (bastante grande) entre língua literária e linguagem informativa.
A PALAVRA É O PONTO
A literatura pretende, por meio da palavra, causar um prazer no leitor. Por isso é que na leitura de
um texto literário se valoriza a palavra. Mais numas épocas que em outras. Muito no tempo de
Vieira, ou no de Bilac, Coelho Neto e Rui Barbosa. Na poesia, onde a intenção do prazer é mais
clara, a seqüência vocabular pode não ter nem sentido lógico, vale pelo impacto visual ou pela
impressão sonora.
Limitando com exagero, poderíamos descobrir duas tendências na prosa de hoje: a dos escritores
que procuram prolongar o prazer estético pela dificuldade da palavra - James Joyce, Guimarães
Rosa, e a daqueles que, seguindo uma linha
que vem do Modernismo, buscam diminuir a distância entre a linguagem artística e a linguagem
cotidiana, para tornar a arte mais verdadeira porque mais próxima do povo, origem e fim da arte,
segundo pensam.
O fato é que, na literatura, a palavra tem vida independente, vale por si.
A PALAVRA DA COMUNICAÇÃO
Quando lemos um jornal, não paramos nas palavras para saber se são bonitas, precisas ou
sugestivas; o assunto chega ao nosso conhecimento numa relação imediata.
O texto informativo é compacto, nós o percebemos como um todo, junto com a idéia.
Isto porque a linguagem cotidiana é automática. Da mesma maneira que não pensamos na perna
que devemos movimentar cada vez que damos um passo, não escolhemos a palavra na hora de
falar. O movimento das pernas já é "conhecido" do cérebro, e se realiza sem que precisemos
conscientizá-lo. Da mesma forma, o vocabulário da linguagem corrente é constituído de termos
conhecidos. Isto é que nos faz compreender imediatamente o que nos dizem, como se fôssemos
direto à idéia e não houvesse a palavra entre a pessoa que fala e a que ouve.
O vocabulário corrente está longe de ser a maior parte do léxico. Há uma limitação, embora não
haja estratificação. Exceto de certas expressões que se desgastam com o uso excessivo, viram
bagaço; ditas a todo momento, nada mais significam. Por isso é que o redator-chefe de um jornal
lembre aos focas que "nem toda chuva é torrencial, nem todos os lábios ficam entreabertos, não é
todo mundo que se entrega de corpo e alma a determinada tarefa, nem todo olhar é penetrante,
etc". É o lugar-comum.
EXPRESSIVIDADE
Certas pessoas e alguns escritores têm um modo especial de falar - ou de escrever - que nos atrai
e os faz agradáveis. Não é preciso perspicácia maior para perceber que a linguagem deles difere
da comum por algum motivo. Eles nos atingem com muito mais intensidade. A qualidade pela qual
a linguagem capta de imediato o interesse do leitor é a expressividade. Pode ser a força do detalhe
na ironia de Eça, a antítese humorística de Machado de Assis, ou a parentela e a gíria de um
Stanislaw Ponte Preta.
SIMPLICIDADE
Originalidade na linguagem não significa pedantismo; pelo contrário. A palavra falada é de certa
forma incompleta. A mímica, os objetos à vista, as situações que falam por si, tornam a fala
econômica, ficando a frase muitas vezes pelo meio, sem que isto comprometa o entendimento.
Já a palavra escrita procura modelos. Sua tendência é estar sempre atrasada em relação às
necessidades expressivas. Principalmente a cravejada de adjetivos, rechonchuda de advérbios,
trôpega de possessivos, demonstrativos e artigos.
Os vocábulos de fraque e chapéu coco que se intrometem na comunicação diária - entrementes,
alhures, outrossim, consoante, consubstanciar e quejandos - tiram-lhe a atualidade, atrasam a
leitura e a compreensão, enchem-na de um ranço incompatível com a dinâmica de hoje.
Os telegramas custam caro, as rotativas imprimem o resultado do trabalho de centenas de
pessoas, o tempo no rádio e na televisão é medido em cifras: um adjetivo enfeitando aqui, uma
conjunção rara mostrando sapiência ali, são desperdício e tornam a comunicação pastosa, tiram-
nos o prazer que poderíamos sentir ao ler um relatório.
O mundo moderno é muito rápido. A velocidade do presente não admite mais o ornamental na
comunicação. A não ser que tenhamos preocupações falsamente artísticas, a redação deve ser
simples e objetiva.
JORNAL E COMUNICAÇÃO BUROCRÁTICA
Parece-nos que a técnica de redação de jornal é aconselhável para as comunicações de serviço.
Não há diferença da boa redação de uma noticia para a de um relatório.
O primeiro parágrafo de uma reportagem é um resumo conciso das principais informações, e
procura responder ao maior número das perguntas: quê? quem? quando? onde? por quê? Os
demais são ordenados conforme o interesse.
Nada de palavras difíceis ou adjetivos desnecessários. Melhor: todo o dispensável é abandonado.
Algumas palavras são verdadeiros tropeços. Cuidado com elas: possessivos, demonstrativos,
artigos, e as terminadas em -ão e -mente. O quê, pelo grande número de funções que
desempenha, atravanca freqüentemente a frase.
Não é demais lembrar a vigilância sobre a repetição demasiada de palavras.
A frase ideal da comunicação é curta, incisiva, sem rodeios.
"No cemitério enterrei $189.000 - pagamento ao coveiro e conservação." Parece linguagem de
relatório? Pois é. E de homem bastante sério, Graciliano Ramos, na prestação de contas que fez
ao governador de Alagoas, quando o escritor era prefeito de Palmeira dos Índios.
Embora não se pretenda ensinar a redigir em dez lições sem mestre, as notinhas abaixo podem
ajudar bastante.
ARRUMAÇÃO
- Procure escrever rascunhos claros e limpos. Você ganha tempo,
- Escreva de um só lado da folha com espaçamento razoável (às vezes a gente tem de "enxertar"
alguma coisa),
- Numere as folhas se tiver mais de uma,
- No alto de cada página, à direita, escreva uma palavra ou frase que identifique o texto,
- Não comece parágrafo na última linha,
- Ponha ao lado o dicionário, se possível. De preferência um que contenha as instruções que
orientam a ortografia oficial.
AGORA ESCREVA
- Antes, reuna o maior número possível de informações sobre o assunto,
- Na verdade, o que temos a dizer sempre caberia numa frase. Para evitar fugir do assunto, pense
no tema em cada parágrafo;
- Ocupe o primeiro com as informações mais importantes do texto, respondendo ao maior número
das perguntas quê? quem? onde? quando? como? por quê?
- Ordene o restante de acordo com a importância dos pormenores,
- Use parágrafos curtos,
- Conserve a ordem direta. Na medida do possível,
- Reduza ao necessário o emprego de artigos, demonstrativos e possessivos,
- Procure evitar:
l a repetição desnecessária de palavras. Principalmente não comece períodos ou parágrafos com a
mesma palavra,
l palavras chulas, e expressões de gíria não incorporadas à linguagem geral, também termos
preciosos
l o excesso de advérbios terminados em -mente;
l o clichê - fórmulas e expressões generalizadas (a tarde morria silenciosa, não resistindo aos
padecimentos, indigitado criminoso, calor senegalesco, etc.).
NOTÍCIA QUASE PERFEITA
Apliquemos as regrinhas a uma notícia quase perfeita.
"A decantada capacidade de reação do Vasco não foi suficiente para deter o novo América na
tarde de ontem no Maracanã, que assistiu entusiasmado aos três gols do Diabo: dois de Eduardo e
um de Edu. O Vasco ainda fez um, por Paulo Bim, ao apagar das luzes, quando as bandeiras
vermelhas do América já tremulavam comemorando a nova vitória do virtual vencedor da Taça
Guanabara. Privilegiado pela sua condição de colíder - junto com o Botafogo -, ao América caberá
apenas aguardar o resultado do próximo jogo do alvinegro com o Bangu, quarta-feira, para saber
se poderá usar as primeiras faixas deste ano. Caso o Botafogo vença, ganhará o direito de
disputar uma partida extra com o América, em data ainda a ser marcada. No sábado, o Flamengo
tirou o Bangu da taça, ao empatar por 1 x 1, em jogo onde três atletas quebraram a cabeça: Jaime,
Itamar e Del Vecchio." (Última Hora)
a) Informações: no mínimo, treze.
1 - o Vasco tem capacidade de reação já tradicional;
2 - o América se apresenta renovado;
3 - o jogo se realizou no estádio do Maracanã;
4 - a data do jogo;
5 - o América venceu por 3 x 1;
6 - os autores dos gois;
7 - o América é o virtual vencedor da Taça Guanabara;
8 - o Botafogo é colíder;
9 - se o Botafogo perder para o Bangu, o América já é campeão;
10 - a data do encontro Botafogo x Bangu;
11 - as possibilidades diante de uma vitória do Botafogo;
12 - por que o Bangu não é mais aspirante à taça;
13 - um acidente curioso.
b) A noticia poderia se resumir a: O América venceu o Vasco de três a um e é o virtual campeão da
Taça Guanabara.
c) As perguntinhas estariam assim respondidas: quê? - um jogo; quem? - o América venceu o
Vasco; onde? - no estádio Maracanã; como? -de três a um, em clima de entusiasmo; por que? -
porque a renovação do América o fez um grande time.
d) Ordem de importância: vitória do América, sua situação diante do colíder, o afastamento do
Bangu, o acidente.
e) A não abertura de parágrafos deve-se ao aproveitamento de espaço de primeira página, onde a
noticia saiu.
f) Observe a ordem no primeiro parágrafo.
g) Escorregou apenas nos dois clichês: ao apagar das luzes (mas que faz parte da gíria do futebol)
e bandeiras tremulavam.
O QUE É BOM
A linguagem burocrática deve ser fluída e livre de tentativas "literárias" em lugar impróprio e das
excessivas repetições de fórmulas emboloradas.
É claro que uma notícia é uma notícia e uma redação é uma redação. Cada qual tem
desenvolvimento diferente. Mas a finalidade é a mesma: informar e orientar com rapidez e
correção. O espírito deve ser o mesmo.
O que é bom para a notícia é bom para uma redação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 1 2
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 1 2ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 1 2
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 1 2
luisprista
 
Passaporte da leitura e da escrita
Passaporte da leitura e da escritaPassaporte da leitura e da escrita
Passaporte da leitura e da escrita
guestbca78d0
 
Estrutura mínima da carta argumentativa
Estrutura mínima da carta argumentativaEstrutura mínima da carta argumentativa
Estrutura mínima da carta argumentativa
ma.no.el.ne.ves
 
Passaporte Leitura E Escrita
Passaporte Leitura E EscritaPassaporte Leitura E Escrita
Passaporte Leitura E Escrita
guestc85284
 
Ed#3 novo acordo ortographico
Ed#3  novo acordo ortographicoEd#3  novo acordo ortographico
Ed#3 novo acordo ortographico
autoresalertas
 
Curso básico de redação Aula 2
Curso básico de redação   Aula 2Curso básico de redação   Aula 2
Curso básico de redação Aula 2
ProfFernandaBraga
 
Gêneros textuais e crase
Gêneros textuais e craseGêneros textuais e crase
Gêneros textuais e crase
Fabioarslonga
 

Mais procurados (19)

Enemem100dias apostila-redacao
Enemem100dias apostila-redacaoEnemem100dias apostila-redacao
Enemem100dias apostila-redacao
 
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 1 2
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 1 2ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 1 2
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 1 2
 
Apostila portugues
Apostila portuguesApostila portugues
Apostila portugues
 
Carta
CartaCarta
Carta
 
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMAAULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
 
Passaporte da leitura e da escrita
Passaporte da leitura e da escritaPassaporte da leitura e da escrita
Passaporte da leitura e da escrita
 
50 dicas de redação -professor-mateus-gustavo
50 dicas de redação -professor-mateus-gustavo50 dicas de redação -professor-mateus-gustavo
50 dicas de redação -professor-mateus-gustavo
 
Estrutura mínima da carta argumentativa
Estrutura mínima da carta argumentativaEstrutura mínima da carta argumentativa
Estrutura mínima da carta argumentativa
 
10 passos para uma boa redação
10 passos para uma boa redação10 passos para uma boa redação
10 passos para uma boa redação
 
Passaporte Leitura E Escrita
Passaporte Leitura E EscritaPassaporte Leitura E Escrita
Passaporte Leitura E Escrita
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
 
Ed#3 novo acordo ortographico
Ed#3  novo acordo ortographicoEd#3  novo acordo ortographico
Ed#3 novo acordo ortographico
 
Teorias da Interpretação - Técnicas de Interpretação de Textos
Teorias da Interpretação - Técnicas de Interpretação de TextosTeorias da Interpretação - Técnicas de Interpretação de Textos
Teorias da Interpretação - Técnicas de Interpretação de Textos
 
50 dicas redação
50 dicas redação50 dicas redação
50 dicas redação
 
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃOAULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
 
Curso básico de redação Aula 2
Curso básico de redação   Aula 2Curso básico de redação   Aula 2
Curso básico de redação Aula 2
 
Gêneros textuais e crase
Gêneros textuais e craseGêneros textuais e crase
Gêneros textuais e crase
 
Garanta a qualidade dos seus argumentos
Garanta a qualidade dos seus argumentosGaranta a qualidade dos seus argumentos
Garanta a qualidade dos seus argumentos
 
Dicas para escrever bem
Dicas para escrever bemDicas para escrever bem
Dicas para escrever bem
 

Semelhante a 589

Compreensao Interpretacao Texto
Compreensao Interpretacao TextoCompreensao Interpretacao Texto
Compreensao Interpretacao Texto
agx123
 
Passaporte leiturae escrita
Passaporte leiturae escritaPassaporte leiturae escrita
Passaporte leiturae escrita
ecoleitura
 
Passaporte leiturae escrita
Passaporte leiturae escritaPassaporte leiturae escrita
Passaporte leiturae escrita
ecoleitura
 
Crônica de Antônio Prata
Crônica de Antônio PrataCrônica de Antônio Prata
Crônica de Antônio Prata
lugarbuio
 
êneros Textuais Jornal: notícia, entrevista, charge, tira, reportagem, carta ...
êneros Textuais Jornal: notícia, entrevista, charge, tira, reportagem, carta ...êneros Textuais Jornal: notícia, entrevista, charge, tira, reportagem, carta ...
êneros Textuais Jornal: notícia, entrevista, charge, tira, reportagem, carta ...
Jomari
 

Semelhante a 589 (20)

Pecados mortais em dissertação
Pecados mortais em dissertaçãoPecados mortais em dissertação
Pecados mortais em dissertação
 
ag1_aula6
ag1_aula6ag1_aula6
ag1_aula6
 
Carta02
Carta02Carta02
Carta02
 
Carta
CartaCarta
Carta
 
Compreensao Interpretacao Texto
Compreensao Interpretacao TextoCompreensao Interpretacao Texto
Compreensao Interpretacao Texto
 
Dicas para um bom texto jornalístico
Dicas para um bom texto jornalísticoDicas para um bom texto jornalístico
Dicas para um bom texto jornalístico
 
Carta02 (1)
Carta02 (1)Carta02 (1)
Carta02 (1)
 
Manuais de Redação - Instruçoes gerais e vocabulário jornalístico
Manuais de Redação - Instruçoes gerais e vocabulário jornalísticoManuais de Redação - Instruçoes gerais e vocabulário jornalístico
Manuais de Redação - Instruçoes gerais e vocabulário jornalístico
 
Sinais de pontuação - ENEM
Sinais de pontuação - ENEM Sinais de pontuação - ENEM
Sinais de pontuação - ENEM
 
Técnicas de redação
Técnicas de redaçãoTécnicas de redação
Técnicas de redação
 
588
588588
588
 
Iii aula parágrafo
Iii aula parágrafoIii aula parágrafo
Iii aula parágrafo
 
Tipos de texto
Tipos de textoTipos de texto
Tipos de texto
 
Passaporte leiturae escrita
Passaporte leiturae escritaPassaporte leiturae escrita
Passaporte leiturae escrita
 
Passaporte leiturae escrita
Passaporte leiturae escritaPassaporte leiturae escrita
Passaporte leiturae escrita
 
Crônica de Antônio Prata
Crônica de Antônio PrataCrônica de Antônio Prata
Crônica de Antônio Prata
 
Apostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fccApostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fcc
 
APOSTILA PORTUGUÊS INSTRUMENTAL SENAR JULHO.docx
APOSTILA PORTUGUÊS INSTRUMENTAL SENAR JULHO.docxAPOSTILA PORTUGUÊS INSTRUMENTAL SENAR JULHO.docx
APOSTILA PORTUGUÊS INSTRUMENTAL SENAR JULHO.docx
 
êneros Textuais Jornal: notícia, entrevista, charge, tira, reportagem, carta ...
êneros Textuais Jornal: notícia, entrevista, charge, tira, reportagem, carta ...êneros Textuais Jornal: notícia, entrevista, charge, tira, reportagem, carta ...
êneros Textuais Jornal: notícia, entrevista, charge, tira, reportagem, carta ...
 
Aula 02 redação
Aula 02 redaçãoAula 02 redação
Aula 02 redação
 

Mais de Carlos Rodrigues Da Silva (18)

Algoritmo
AlgoritmoAlgoritmo
Algoritmo
 
Raciocinio logico
Raciocinio logicoRaciocinio logico
Raciocinio logico
 
Apostila de Português
Apostila de PortuguêsApostila de Português
Apostila de Português
 
667
667667
667
 
666
666666
666
 
660
660660
660
 
658
658658
658
 
654
654654
654
 
653
653653
653
 
596
596596
596
 
594
594594
594
 
590
590590
590
 
Dicas de Português
Dicas de PortuguêsDicas de Português
Dicas de Português
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
582
582582
582
 
581
581581
581
 
Acentuação Gráfica
Acentuação GráficaAcentuação Gráfica
Acentuação Gráfica
 
984
984984
984
 

Último

atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 

Último (20)

425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 

589

  • 1. ESCREVER BEM NÃO É O QUE SE PENSA Nem só escritores e jornalistas vivem de escrever. Nas repartições públicas, nos escritórios das empresas e nas escolas, há gente redigindo memorandos, cartas, pareceres, relatórios e redações. A função desses textos é informar, comunicar ordens, obter respostas, orientar decisões, prestar contas. Supõe-se, então, que duas devem ser suas qualidades: clareza e concisão, nomenclatura velha que traduzimos por objetividade e rapidez na comunicação. Classificando com rigor, há dois tipos de redator: o que finca o lápis no papel (ou os dedos no teclado) e espera que o começo caia do teto, e o que "redige bem", na base de vocabulário aprendido em antologias ou fazendo pareceres mudando apenas os dados da "chapa". Há também os que sabem escrever. Os do bloco "o difícil é começar" pecam pela falta de organização do pensamento, decorrente do desábito de leitura e da ausência de preparação específica. Os do outro grupo atrapalham o leitor, que necessita apenas de informação, por procurarem um estilo que os aproxime dos que eles consideram os bons autores. Há diferença (bastante grande) entre língua literária e linguagem informativa. A PALAVRA É O PONTO A literatura pretende, por meio da palavra, causar um prazer no leitor. Por isso é que na leitura de um texto literário se valoriza a palavra. Mais numas épocas que em outras. Muito no tempo de Vieira, ou no de Bilac, Coelho Neto e Rui Barbosa. Na poesia, onde a intenção do prazer é mais clara, a seqüência vocabular pode não ter nem sentido lógico, vale pelo impacto visual ou pela impressão sonora. Limitando com exagero, poderíamos descobrir duas tendências na prosa de hoje: a dos escritores que procuram prolongar o prazer estético pela dificuldade da palavra - James Joyce, Guimarães Rosa, e a daqueles que, seguindo uma linha que vem do Modernismo, buscam diminuir a distância entre a linguagem artística e a linguagem cotidiana, para tornar a arte mais verdadeira porque mais próxima do povo, origem e fim da arte, segundo pensam. O fato é que, na literatura, a palavra tem vida independente, vale por si. A PALAVRA DA COMUNICAÇÃO Quando lemos um jornal, não paramos nas palavras para saber se são bonitas, precisas ou sugestivas; o assunto chega ao nosso conhecimento numa relação imediata. O texto informativo é compacto, nós o percebemos como um todo, junto com a idéia. Isto porque a linguagem cotidiana é automática. Da mesma maneira que não pensamos na perna que devemos movimentar cada vez que damos um passo, não escolhemos a palavra na hora de falar. O movimento das pernas já é "conhecido" do cérebro, e se realiza sem que precisemos conscientizá-lo. Da mesma forma, o vocabulário da linguagem corrente é constituído de termos conhecidos. Isto é que nos faz compreender imediatamente o que nos dizem, como se fôssemos direto à idéia e não houvesse a palavra entre a pessoa que fala e a que ouve. O vocabulário corrente está longe de ser a maior parte do léxico. Há uma limitação, embora não haja estratificação. Exceto de certas expressões que se desgastam com o uso excessivo, viram bagaço; ditas a todo momento, nada mais significam. Por isso é que o redator-chefe de um jornal lembre aos focas que "nem toda chuva é torrencial, nem todos os lábios ficam entreabertos, não é todo mundo que se entrega de corpo e alma a determinada tarefa, nem todo olhar é penetrante, etc". É o lugar-comum. EXPRESSIVIDADE Certas pessoas e alguns escritores têm um modo especial de falar - ou de escrever - que nos atrai e os faz agradáveis. Não é preciso perspicácia maior para perceber que a linguagem deles difere da comum por algum motivo. Eles nos atingem com muito mais intensidade. A qualidade pela qual a linguagem capta de imediato o interesse do leitor é a expressividade. Pode ser a força do detalhe na ironia de Eça, a antítese humorística de Machado de Assis, ou a parentela e a gíria de um Stanislaw Ponte Preta. SIMPLICIDADE
  • 2. Originalidade na linguagem não significa pedantismo; pelo contrário. A palavra falada é de certa forma incompleta. A mímica, os objetos à vista, as situações que falam por si, tornam a fala econômica, ficando a frase muitas vezes pelo meio, sem que isto comprometa o entendimento. Já a palavra escrita procura modelos. Sua tendência é estar sempre atrasada em relação às necessidades expressivas. Principalmente a cravejada de adjetivos, rechonchuda de advérbios, trôpega de possessivos, demonstrativos e artigos. Os vocábulos de fraque e chapéu coco que se intrometem na comunicação diária - entrementes, alhures, outrossim, consoante, consubstanciar e quejandos - tiram-lhe a atualidade, atrasam a leitura e a compreensão, enchem-na de um ranço incompatível com a dinâmica de hoje. Os telegramas custam caro, as rotativas imprimem o resultado do trabalho de centenas de pessoas, o tempo no rádio e na televisão é medido em cifras: um adjetivo enfeitando aqui, uma conjunção rara mostrando sapiência ali, são desperdício e tornam a comunicação pastosa, tiram- nos o prazer que poderíamos sentir ao ler um relatório. O mundo moderno é muito rápido. A velocidade do presente não admite mais o ornamental na comunicação. A não ser que tenhamos preocupações falsamente artísticas, a redação deve ser simples e objetiva. JORNAL E COMUNICAÇÃO BUROCRÁTICA Parece-nos que a técnica de redação de jornal é aconselhável para as comunicações de serviço. Não há diferença da boa redação de uma noticia para a de um relatório. O primeiro parágrafo de uma reportagem é um resumo conciso das principais informações, e procura responder ao maior número das perguntas: quê? quem? quando? onde? por quê? Os demais são ordenados conforme o interesse. Nada de palavras difíceis ou adjetivos desnecessários. Melhor: todo o dispensável é abandonado. Algumas palavras são verdadeiros tropeços. Cuidado com elas: possessivos, demonstrativos, artigos, e as terminadas em -ão e -mente. O quê, pelo grande número de funções que desempenha, atravanca freqüentemente a frase. Não é demais lembrar a vigilância sobre a repetição demasiada de palavras. A frase ideal da comunicação é curta, incisiva, sem rodeios. "No cemitério enterrei $189.000 - pagamento ao coveiro e conservação." Parece linguagem de relatório? Pois é. E de homem bastante sério, Graciliano Ramos, na prestação de contas que fez ao governador de Alagoas, quando o escritor era prefeito de Palmeira dos Índios. Embora não se pretenda ensinar a redigir em dez lições sem mestre, as notinhas abaixo podem ajudar bastante. ARRUMAÇÃO - Procure escrever rascunhos claros e limpos. Você ganha tempo, - Escreva de um só lado da folha com espaçamento razoável (às vezes a gente tem de "enxertar" alguma coisa), - Numere as folhas se tiver mais de uma, - No alto de cada página, à direita, escreva uma palavra ou frase que identifique o texto, - Não comece parágrafo na última linha, - Ponha ao lado o dicionário, se possível. De preferência um que contenha as instruções que orientam a ortografia oficial. AGORA ESCREVA - Antes, reuna o maior número possível de informações sobre o assunto, - Na verdade, o que temos a dizer sempre caberia numa frase. Para evitar fugir do assunto, pense no tema em cada parágrafo; - Ocupe o primeiro com as informações mais importantes do texto, respondendo ao maior número das perguntas quê? quem? onde? quando? como? por quê? - Ordene o restante de acordo com a importância dos pormenores, - Use parágrafos curtos, - Conserve a ordem direta. Na medida do possível, - Reduza ao necessário o emprego de artigos, demonstrativos e possessivos, - Procure evitar: l a repetição desnecessária de palavras. Principalmente não comece períodos ou parágrafos com a mesma palavra,
  • 3. l palavras chulas, e expressões de gíria não incorporadas à linguagem geral, também termos preciosos l o excesso de advérbios terminados em -mente; l o clichê - fórmulas e expressões generalizadas (a tarde morria silenciosa, não resistindo aos padecimentos, indigitado criminoso, calor senegalesco, etc.). NOTÍCIA QUASE PERFEITA Apliquemos as regrinhas a uma notícia quase perfeita. "A decantada capacidade de reação do Vasco não foi suficiente para deter o novo América na tarde de ontem no Maracanã, que assistiu entusiasmado aos três gols do Diabo: dois de Eduardo e um de Edu. O Vasco ainda fez um, por Paulo Bim, ao apagar das luzes, quando as bandeiras vermelhas do América já tremulavam comemorando a nova vitória do virtual vencedor da Taça Guanabara. Privilegiado pela sua condição de colíder - junto com o Botafogo -, ao América caberá apenas aguardar o resultado do próximo jogo do alvinegro com o Bangu, quarta-feira, para saber se poderá usar as primeiras faixas deste ano. Caso o Botafogo vença, ganhará o direito de disputar uma partida extra com o América, em data ainda a ser marcada. No sábado, o Flamengo tirou o Bangu da taça, ao empatar por 1 x 1, em jogo onde três atletas quebraram a cabeça: Jaime, Itamar e Del Vecchio." (Última Hora) a) Informações: no mínimo, treze. 1 - o Vasco tem capacidade de reação já tradicional; 2 - o América se apresenta renovado; 3 - o jogo se realizou no estádio do Maracanã; 4 - a data do jogo; 5 - o América venceu por 3 x 1; 6 - os autores dos gois; 7 - o América é o virtual vencedor da Taça Guanabara; 8 - o Botafogo é colíder; 9 - se o Botafogo perder para o Bangu, o América já é campeão; 10 - a data do encontro Botafogo x Bangu; 11 - as possibilidades diante de uma vitória do Botafogo; 12 - por que o Bangu não é mais aspirante à taça; 13 - um acidente curioso. b) A noticia poderia se resumir a: O América venceu o Vasco de três a um e é o virtual campeão da Taça Guanabara. c) As perguntinhas estariam assim respondidas: quê? - um jogo; quem? - o América venceu o Vasco; onde? - no estádio Maracanã; como? -de três a um, em clima de entusiasmo; por que? - porque a renovação do América o fez um grande time. d) Ordem de importância: vitória do América, sua situação diante do colíder, o afastamento do Bangu, o acidente. e) A não abertura de parágrafos deve-se ao aproveitamento de espaço de primeira página, onde a noticia saiu. f) Observe a ordem no primeiro parágrafo. g) Escorregou apenas nos dois clichês: ao apagar das luzes (mas que faz parte da gíria do futebol) e bandeiras tremulavam. O QUE É BOM A linguagem burocrática deve ser fluída e livre de tentativas "literárias" em lugar impróprio e das excessivas repetições de fórmulas emboloradas. É claro que uma notícia é uma notícia e uma redação é uma redação. Cada qual tem desenvolvimento diferente. Mas a finalidade é a mesma: informar e orientar com rapidez e correção. O espírito deve ser o mesmo. O que é bom para a notícia é bom para uma redação.