SlideShare uma empresa Scribd logo
Fundamento de Redes de Computadores

              Aula 10

         Camada de Rede
Notas da Aula
✔
    .
●




        Fundamentos de Redes de Computadores   2/63
Relembrando as Camadas




     Fundamentos de Redes de Computadores   3/63
Objetivos
Entender os princípios por trás dos serviços da
  camada de rede:
Modelos de serviço da camada de rede
Repasse versus roteamento
Como funciona um roteador
Roteamento (seleção de caminho)
Lidando com escala
Tópicos avançados: IPv6, mobilidade
Instanciação, implementação na Internet



                 Fundamentos de Redes de Computadores   4/63
Duas importantes funções da camada de rede

Repasse: mover         Analogia:
 pacotes da entrada do
 roteador para a saída Roteamento: processo
 apropriada do          de planejamento da
 roteador               viagem da origem ao
Roteamento: determinar destino
 rota seguida pelos    Repasse: processo de
 pacotes da origem ao   passar por um único
 destino                cruzamento
  −
   algoritmos de
    roteamento


                   Fundamentos de Redes de Computadores   6/63
Interação entre roteamento e repasse

                 algoritmo de roteamento


                   tabela de repasse local
                  valor do cab. enlace saída
                            0100   3
                            0101   2
                            0111   2
                            1001   1



  valor no cabeçalho do
  pacote chegando

                          0111             1

                                       3 2




                     Fundamentos de Redes de Computadores   7/63
Estabelecimento de conexão
Função importante em algumas arquiteturas de
 rede:
  −
   ATM, frame relay, X.25
Antes que os datagramas fluam, dois hospedeiros
 finais e roteadores entre eles estabelecem
 conexão virtual
  −
   roteadores são envolvidos
Serviço de conexão da camada de rede versus
 transporte:
  −
   rede: entre dois hospedeiros (também pode envolver
     roteadores entre eles)
  −
   transporte: entre dois processos

                 Fundamentos de Redes de Computadores   8/63
Modelo de serviço de rede
P: Que modelo de serviço é o melhor para o “canal”
  que transporta datagramas do remetente ao
  destinatário?

exemplo de serviços para datagramas individuais:
  −
    entrada garantida
  −
    entrega garantida com atraso limitado

exemplo de serviços para fluxo de datagramas:
  −
    entrega de datagrama na ordem
  −
    largura de banda mínima garantida
  −
    restrições sobre mudanças no espaçamento entre
      pacotes

                   Fundamentos de Redes de Computadores   9/63
Modelos de serviço da camada de rede




            Fundamentos de Redes de Computadores   10/63
Redes de circuitos virtuais e de datagramas




             Fundamentos de Redes de Computadores   11/63
Serviço com e sem conexão da camada de rede

Rede de datagrama fornece serviço sem conexão
 da camada de rede
Rede VC fornece serviço com conexão da
 camada de rede
Análogo aos serviços da camada de transporte,
 mas:
  −
   serviço: hospedeiro a hospedeiro
  −
   sem escolha: a rede oferece um ou outro
  −
   implementação: no núcleo da rede




                 Fundamentos de Redes de Computadores   12/63
Circuitos virtuais
“Caminho da origem ao destino comporta-se como um
  circuito telefônico”
  −com respeito ao desempenho
  −ações da rede ao longo do caminho da origem ao destino




Estabelecimento e término para cada chamada antes que
 os dados possam fluir
Cada pacote carrega identificador VC (não endereço do
 hospedeiro de destino)
Cada roteador no caminho origem-destino mantém
 “estado” para cada conexão que estiver passando
Recursos do enlace e roteador (largura de banda,
 buffers) podem ser alocados ao VC (recursos
 dedicados = serviço previsível)
                    Fundamentos de Redes de Computadores    13/63
Implementação do VC
Um VC consiste em:
  1.caminho da origem ao destino
  2.números de VC, um número para cada enlace ao
    longo do caminho
  3.entradas em tabelas de repasse nos roteadores ao
    longo do caminho
Pacote pertencente ao VC carrega número do VC
 (em vez do endereço de destino)
Número do VC pode ser alterado em cada enlace
  −
   novo número de VC vem da tabela de repasse




                 Fundamentos de Redes de Computadores   14/63
Tabela de repasse
                                            número do VC


                                                     12               22   32

                                                       1          3
                                                              2
tabela de repasse no
roteador noroeste:                     número da
                                       interface




Roteadores mantêm informação de estado da conexão!



                       Fundamentos de Redes de Computadores                     15/63
Circuitos virtuais: protocolos de sinalização
●
 usados para estabelecer, manter e terminar VC
●
 usados em ATM, frame-relay, X.25
●
 não usados na Internet de hoje


 aplicação
transporte   5. Fluxo de dados iniciado                6. Recebe dadosaplicação
    rede                                                             transporte
              4. Chamada conectada                 3. Chamada aceita     rede
  enlace
             1. Inicia chamada                  2. Chamada chegando enlace
   física
                                                                        física




                             Fundamentos de Redes de Computadores                 16/63
Redes de datagrama
Sem estabelecimento de chamada na camada de rede
Roteadores: sem estado sobre conexões fim a fim
Sem conceito em nível de rede da “conexão”
Pacotes repassados usando endereço do hospedeiro de
  destino
Pacotes entre mesmo par origem-destino podem tomar
  caminhos diferentes

  aplicação                                                            aplicação
 transporte                                                           transporte
     rede                                                                 rede
   enlace   1. Envia dados                             2. Recebe dados enlace
    física                                                               física




                             Fundamentos de Redes de Computadores                  17/63
Tabela de repasse
  Faixa de endereços de destino (IP address)               Interface de enlace

11001000 00010111 00010000 00000000
                até                                                    0
11001000 00010111 00010111 11111111

11001000 00010111 00011000 00000000
               até                                                     1
11001000 00010111 00011000 11111111

11001000 00010111 00011001 00000000
               até                                                     2
11001000 00010111 00011111 11111111

                 senão                                                 3




                    Fundamentos de Redes de Computadores                         18/63
Rede de datagramas ou VC: por quê?
Internet (datagrama)                        ATM (VC)
Troca de dados entre
  computadores                              Evoluída da telefonia
  −   Serviço “elástico”, sem               conversação humana:
       requisitos de temporização                 −
                                                   requisitos de
       estritos
Sistemas finais “inteligentes”
                                                     temporização estritos,
  (computadores)                                     confiabilidade
  −Pode adaptar, realizar
                                                  −
                                                   necessário para serviço
    controle, recup. de erros                        garantido
  −Simples dentro da rede,

    complexidade na “borda”
                                            sistemas finais “burros”
Muitos tipos de enlace
                                                  −
                                                   telefones
  −Diferentes características                     −
                                                   complexidade dentro
  −Serviço uniforme difícil                          da rede
                         Fundamentos de Redes de Computadores                 19/63
Roteador
Duas funções principais do roteador:
  −
   executar algoritmos/protocolo de roteamento (RIP,
     OSPF, BGP)
  −
   repassar datagramas do enlace de entrada para
     saída




                  Fundamentos de Redes de Computadores   20/63
Funções da porta de entrada




  Camada física:
 recepção por bit

Camada de enlace          Comutação descentralizada:
        de dados:          dado destino do datagrama, porta de
   p. e., Ethernet          saída de pesquisa usando tabela de
   ver Capítulo 5           repasse na memória da porta de entrada
                           objetivo: processamento completo da
                            porta de entrada na ‘velocidade de linha’
                           fila: se datagramas chegarem mais rápido
                            que taxa de repasse no elemento de
                            comutação



                          Fundamentos de Redes de Computadores          21/63
Comutação por memória
Roteadores de primeira geração:
  −
    computadores tradicionais com a comutação via
     controle direto da CPU
  −
    pacote copiado para a memória do sistema
  −
    velocidade limitada pela largura de banda da
     memória (2 travessias de barramento por
     datagrama)
           porta        memória                 porta
           entrada                              saída




                                                            Barramento do sistema




                     Fundamentos de Redes de Computadores                           22/63
Comutação por um barramento
Datagrama da memória da porta de entrada à
  memória da porta de saída por um barramento
  compartilhado
Disputa pelo barramento: velocidade da
  comutação limitada pela largura de banda do
  barramento
Barramento Cisco 5600 de 32 Gbps: velocidade
  suficiente para roteadores de acesso e
  corporativos




               Fundamentos de Redes de Computadores   23/63
Comutação por uma rede de interconexão
Contorna limitações de largura de banda do
  barramento
Redes Banya, outras redes de interconexão
  desenvolvidas inicialmente para conectar
  processadores no multiprocessador
Projeto avançado: fragmenta datagrama em
  células de tamanho fixo, comuta células através
  do elemento de comutação
Cisco 12000: comuta 60 Gbps através da rede de
  interconexão



                Fundamentos de Redes de Computadores   24/63
Portas de saída




Buffering exigido quando os datagramas chegam
  do elemento de comutação mais rápido que a
  taxa de transmissão
Disciplina de escalonamento escolhe entre os
  datagramas enfileirados para transmissão



               Fundamentos de Redes de Computadores   25/63
Enfileiramento na porta de saída
buffering quando a taxa de chegada via
  comutador excede a velocidade da linha de
  saída
enfileiramento (atraso) e perda devidos a estouro
  de buffer na porta de saída!




                 Fundamentos de Redes de Computadores   26/63
Quanto armazenamento em buffer?
regra prática da RFC 3439: armazenamento
  médio em buffer igual à RTT “típica” (digamos,
  250 ms) vezes capacidade do enlace C
p. e., C = enlace de 10 Gps: buffer de 2,5 Gbit
recomendação recente: com N fluxos,
  armazenamento deve ser igual a
                     RTT . C
                           N




                Fundamentos de Redes de Computadores   27/63
Enfileiramento da porta de entrada
elemento de comutação mais
  lento que portas de entrada
  combinadas -> enfileiramento
  possível nas filas de entrada
bloqueio de cabeça de fila
  (HOL) : datagrama enfileirado
  na frente da fila impede que
  outros na fila sigam adiante
atraso de enfileiramento
e perda devidos a estouro no
  buffer de entrada




                     Fundamentos de Redes de Computadores   28/63
A camada de rede da Internet: Internet Protocol

Funções na camada de rede do hospedeiro e
 roteador:
                      Camada de transporte: TCP, UDP


           prots. roteamento                      protocolo IP
           •seleção caminho                       •convs. de endereçamento
           •RIP, OSPF, BGP                        •formato de datagrama
Camada                                            •convs. manuseio de pacote
 de rede                           tabela de
                                                   protocolo ICMP
                                    repasse        •informe de erro
                                                   •“sinalização” do roteador

                                 Camada de enlace

                                    Camada física




                               Fundamentos de Redes de Computadores             29/63
Formato do datagrama IP
Quanto overhead com TCP?
20 bytes de TCP
20 bytes de IP
= 40 bytes + overhead da camada de aplicação




               Fundamentos de Redes de Computadores   30/63
Fragmentação e reconstrução do IP
Enlaces de rede têm MTU
  (tamanho máx. transferência)
  – maior quadro em nível de
  enlace possível.
Diferentes tipos de enlace,
  diferentes MTUs
Grande datagrama IP dividido
  (“fragmentado”) dentro da
  rede
Um datagrama torna-se vários
  datagramas
“reconstruído” somente no
  destino final
Bits de cabeçalho IP usados
  para identificar, ordenar
  fragmentos relacionados

                     Fundamentos de Redes de Computadores   31/63
Endereçamento IP: introdução
Endereço IP: identificador de                     223.1.1.1
  32 bits para interface de
                                                                           223.1.2.1
  hospedeiro e roteador                            223.1.1.2
Interface: conexão entre                                  223.1.1.4   223.1.2.9

  hospedeiro/ roteador e                                                   223.1.2.2
                                                 223.1.1.3    223.1.3.27
  enlace físico
Roteadores normalmente têm
  várias interfaces                                                        223.1.3.2
                                                  223.1.3.1
Hospedeiro normalmente tem
  uma interface
Endereços IP associados a
  cada interface                      223.1.1.1 = 11011111 00000001 00000001 00000001

                                                       223        1          1         1




                    Fundamentos de Redes de Computadores                                   32/63
Sub-redes
endereço IP:                                     223.1.1.1
  −
   parte da sub-rede (bits                                             223.1.2.1
    de alta ordem)                               223.1.1.2
                                                        223.1.1.4   223.1.2.9
  −
   parte do host (bits de
                                                                           223.1.2.2
    baixa ordem)                                223.1.1.3     223.1.3.27

O que é uma sub-rede?                                                sub-rede
  −
   dispositivo se conecta à                       223.1.3.1                223.1.3.2
    mesma parte da sub-
    rede do endereço IP
  −
   pode alcançar um ao                      rede consistindo em 3 sub-redes
    outro fisicamente sem
    roteador intermediário


                  Fundamentos de Redes de Computadores                                 33/63
Receita                                          223.1.1.0/24
                                                                        223.1.2.0/24



Para determinar as sub-
 redes, destaque cada
 interface de seu
 hospedeiro ou
 roteador, criando ilhas
 de redes isoladas.
 Cada rede isolada é
 denominada sub-rede                                     223.1.3.0/24
                                          Máscara de sub-rede: /24



                 Fundamentos de Redes de Computadores                                  34/63
223.1.1.2


               223.1.1.1                     223.1.1.4

                              223.1.1.3


                    223.1.9.2          223.1.7.0




        223.1.9.1                                   223.1.7.1
                        223.1.8.1    223.1.8.0

            223.1.2.6                            223.1.3.27

223.1.2.1               223.1.2.2   223.1.3.1             223.1.3.2




                 Fundamentos de Redes de Computadores                 35/63
Endereçamento IP: CIDR
CIDR: Classless InterDomain Routing
  (roteamento interdomínio sem classes)
parte de sub-rede do endereço de tamanho
  arbitrário
formato do endereço: a.b.c.d/x, onde x é # bits na
  parte de sub-rede do endereço


              parte de                             parte do
              sub-rede                              hosp.
     11001000 00010111 00010000 00000000
                200.23.16.0/23


                  Fundamentos de Redes de Computadores        36/63
Endereços IP: como obter um?
Como um hospedeiro obtém endereço IP?

Fornecido pelo administrador do sistema em um
 arquivo
  −
   Windows: painel de controle → rede → configuração
    → tcp/ip → propriedades
  −
   UNIX: /etc/rc.config

DHCP: Dynamic Host Configuration Protocol:
 recebe endereço dinamicamente do servidor
  −
   “plug-and-play”


                     Fundamentos de Redes de Computadores   37/63
DHCP: Dynamic Host Configuration Protocol
Objetivo: permitir que o hospedeiro obtenha
 dinamicamente seu endereço IP do servidor de
 rede quando se conectar à rede
  −
    pode renovar seu prazo no endereço utilizado
  −
    permite reutilização de endereços (só mantém
     endereço enquanto conectado e “ligado”)
  −
    aceita usuários móveis que queiram se juntar à rede

Visão geral do DHCP:
  −
    host broadcasts “DHCP discover” msg [optional]
  −
    servidor DHCP responde com msg “DHCP offer”
     [opcional]
  −
    hospedeiro requer endereço IP: msg “DHCP request”
  −
    servidor DHCP envia endereço: msg “DHCP ack”
                  Fundamentos de Redes de Computadores    38/63
DHCP – cenário cliente/servidor


  A                   servidor            223.1.2.1
       223.1.1.1
                        DHCP
        223.1.1.2
              223.1.1.4   223.1.2.9
  B
                                 223.1.2.2             cliente DHCP
      223.1.1.3    223.1.3.27                E
                                                       chegando precisa de
                                                       endereço nesta rede
       223.1.3.1                223.1.3.2




                    Fundamentos de Redes de Computadores                     39/63
Processo para ganhar um IP
servidor DHCP: 223.1.2.5           Descoberta DHCP

                                    src : 0.0.0.0, 68
                                    dest.: 255.255.255.255,67      cliente
                                    yiaddr: 0.0.0.0               chegando
                                    transaction ID: 654

                                     Oferta DHCP
                                      src: 223.1.2.5, 67
                                      dest: 255.255.255.255, 68
                                      yiaddrr: 223.1.2.4
                                      transaction ID: 654
                                      Lifetime: 3600 secs
               Solicitação DHCP
                 src: 0.0.0.0, 68
                 dest:: 255.255.255.255, 67
                 yiaddrr: 223.1.2.4
                 transaction ID: 655
      tempo      Lifetime: 3600 secs

                                    DHCP ACK
                                      src: 223.1.2.5, 67
                                      dest: 255.255.255.255, 68
                                      yiaddrr: 223.1.2.4
                                      transaction ID: 655
                                      Lifetime: 3600 secs




                         Fundamentos de Redes de Computadores                40/63
DHCP: mais do que endereço IP
DHCP pode retornar mais do que apenas o
 endereço IP alocado na sub-rede:
  −
   endereço do roteador do primeiro salto para o cliente
  −
   nome e endereço IP do servidor DNS
  −
   máscara de rede (indicando parte de rede versus
    hospedeiro do endereço)




                  Fundamentos de Redes de Computadores     41/63
Endereços IP: como obter um?
P: Como a rede obtém a parte de sub-rede do endereço IP?
R: Recebe parte alocada do espaço de endereços do seu ISP


Bloco do ISP    11001000 00010111 00010000 00000000             200.23.16.0/20


Organização 0   11001000 00010111 00010000 00000000             200.23.16.0/23
Organização 1   11001000 00010111 00010010 00000000             200.23.18.0/23
Organização 2   11001000 00010111 00010100 00000000             200.23.20.0/23
 ...                      …..                 ….                    ….
Organização 7   11001000 00010111 00011110 00000000             200.23.30.0/23




                         Fundamentos de Redes de Computadores                    42/63
Endereçamento hierárquico: agregação de rota
Endereçamento hierárquico permite anúncio eficiente da informação de
roteamento:



  Organização 0
      200.23.16.0/23
  Organização 1
                                                 “Envie-me qualquer
      200.23.18.0/23                             coisa com endereços
  Organização 2                                  começando com
                       .                         200.23.16.0/20”
      200.23.20.0/23   .    Fly-By-Night-ISP
                  .    .                                                 Internet
                  .
  Organização 7   .
     200.23.30.0/23
                                                   “Envie-me qualquer
                               ISPs-R-Us
                                                   coisa com endereços
                                                   começando com
                                                   199.31.0.0/16”




                           Fundamentos de Redes de Computadores                     43/63
Endereçamento hierárquico: agregação de rota
ISPs-R-Us tem uma rota mais específica para Organização 1



  Organização 0
      200.23.16.0/23

                                                   “Envie-me qualquer
                                                   coisa com endereços
  Organização 2                                    começando com
                         .                         200.23.16.0/20”
      200.23.20.0/23     .    Fly-By-Night-ISP
                   .     .                                                Internet
                   .
  Organização 7    .
     200.23.30.0/23
                                                    “Envie-me qualquer
                                ISPs-R-Us
                                                    coisa com endereços
                                                    começando com 199.31.0.0/16
   Organização 1
                                                    ou 200.23.18.0/23”
        200.23.18.0/23




                             Fundamentos de Redes de Computadores                    44/63
Endereçamento IP: a última palavra...

P: Como um ISP recebe bloco de endereços?
R: ICANN: Internet Corporation for Assigned
   Names and Numbers
   −
     aloca endereços
   −
     administra o DNS
   −
     atribui nomes de domínio e resolve disputas




                 Fundamentos de Redes de Computadores   45/63
NAT: Network Address Translation: Motivação

Rede local usa apenas um endereço IP no que se
  refere ao mundo exterior:
Intervalo de endereços não necessário pelo ISP:
  apenas um endereço IP para todos os
  dispositivos
Pode mudar os endereços dos dispositivos na
  rede local sem notificar o mundo exterior
Pode mudar de ISP sem alterar os endereços dos
  dispositivos na rede local
Dispositivos dentro da rede local não precisam
  ser explicitamente endereçáveis ou visíveis pelo
  mundo exterior (uma questão de segurança).
                 Fundamentos de Redes de Computadores   47/63
NAT: Network Address Translation:
                 Implementação
Roteador NAT deve:

Enviando datagramas: substituir (endereço IP de origem, # porta)
 de cada datagrama saindo por (endereço IP da NAT, novo #
 porta)
       . . . clientes/servidores remotos responderão usando
 (endereço IP da NAT, novo # porta) como endereço de destino

Lembrar (na tabela de tradução NAT) de cada par de tradução
  (endereço IP de origem, # porta) para (endereço IP da NAT,
  novo # porta)

Recebendo datagramas: substituir (endereço IP da NAT, novo #
 porta) nos campos de destino de cada datagrama chegando
 por (endereço IP origem, # porta) correspondente, armazenado
 na tabela NAT
                      Fundamentos de Redes de Computadores         48/63
2: roteador NAT
                                                       1: hospedeiro 10.0.0.1
muda endereço de
                                                       envia datagrama para
origem do datagrama
                                                       128.119.40.186, 80
de
10.0.0.1, 3345 para
138.76.29.7, 5001,
atualiza tabela




       3: Resposta chega
       endereço destino:            4: roteador NAT muda endereço
        138.76.29.7, 5001           de destino do datagrama de
                                    138.76.29.7, 5001 para 10.0.0.1, 3345




                            Fundamentos de Redes de Computadores                49/63
Campo de número de porta de 16 bits:
  −
   60.000 conexões simultâneas com um único
    endereço no lado da LAN!

NAT é controverso:
  −
   roteadores só devem processar até a camada 3
  −
   viola argumento de fim a fim
      ●
          a possibilidade de NAT deve ser levada em conta pelos
           projetistas da aplicação, p. e., aplicações P2P
  −
   a falta de endereços deverá ser resolvida pelo IPv6




                        Fundamentos de Redes de Computadores      50/63
Problema da travessia da NAT
Cliente quer se conectar ao servidor
  com endereço 10.0.0.1
  −Endereço do servidor 10.0.0.1 local à                                             10.0.0.1
    LAN (cliente não pode usá-lo como               Client
    endereço destino)                                          ?
  −Apenas um endereço NAT visível
                                                                          10.0.0.4
    externamente: 138.76.29.7
solução 1: configure a NAT                             138.76.29.7
                                                                     roteador
  estaticamente para repassar as                                       NAT
  solicitações de conexão que chegam
  a determinada porta ao servidor
  −p. e., (123.76.29.7, porta 2500) sempre
    repassado para 10.0.0.1 porta 25000




                        Fundamentos de Redes de Computadores                                    51/63
solução 2: Universal Plug and
  Play (UpnP) Internet Gateway
  Device (IGD) Protocol. Permite                                               10.0.0.1

  que o hospedeiro com NAT:                                              IGD
  −
   descubra endereço IP público                                     10.0.0.4

     (138.76.29.7)                                138.76.29.7   NAT
  −
   inclua/remova mapeamentos de                                 router

     porta (com tempos de posse)

ou seja, automatizar configuração
  estática do mapa de porta NAT


                 Fundamentos de Redes de Computadores                                     52/63
solução 3: repasse (usado no Skype)
  −
   cliente com NAT estabelece conexão com repasse
  −
   cliente externo se conecta ao repasse
  −
   repasse liga pacotes entre duas conexões


       2. conexão com                             1. conexão com
       relay iniciado                             relay iniciado
       pelo cliente                               pelo hospedeiro     10.0.0.1
                                                  de NAT
                          3. relaying
 Cliente
                          estabelecido
                                               138.76.29.7 roteador
                                                               NAT




                        Fundamentos de Redes de Computadores                     53/63
ICMP: Internet Control Message Protocol
Usado por hospedeiros &                      Tipo   Cód,   Descrição
                                             0      0      resposta de eco (ping)
 roteadores para comunicar                   3      0      rede de destino inalcançável
 informações em nível de rede                3      1      hosp. de destino inalcançável
  −Relato de erro: hospedeiro, rede,         3      2      protocolo de destino inalcançável
    porta, protocolo inalcançável            3      3      porta de destino inalcançável
  −Eco de solicitação/ resposta              3      6      rede de destino desconhecida
    (usado por ping)                         3      7      hosp. de destino desconhecido
                                             4      0      redução da fonte (controle de
                                                           congestionamento – não usado)
Camada de rede “acima” do IP:                8      0      solicitação de eco (ping)
  −   msgs ICMP transportadas em             9      0      anúncio de rota
       datagramas IP                         10     0      descoberta do roteador
                                             11     0      TTL expirado
                                             12     0      cabeçalho IP inválido
Mensagem ICMP: tipo, código
 mais primeiros 8 bytes do
 datagrama IP causando erro




                          Fundamentos de Redes de Computadores                                 54/63
Traceroute e ICMP
Origem envia série de           Quando a mensagem ICMP
  segmentos UDP ao destino        chega, origem calcula RTT
    −
     primeiro tem TTL = 1       Traceroute faz isso 3 vezes
    −
     segundo tem TTL = 2 etc.
    −
     número de porta improvável Critério de término
                                    −
                                     segmento UDP por fim
Quando no datagrama chegar             chega no hospedeiro de
  no no roteador:                      destino
    −
     roteador descarta              −
                                     destino retorna pacote
       datagrama                       ICMP “host inalcançável”
    −
     e envia à origem uma msg          (tipo 3, código 3)
       ICMP (tipo 11, código 0)     −
                                     quando origem recebe esse
    −
     mensagem inclui nome do           ICMP, termina.
       roteador & endereço IP



                     Fundamentos de Redes de Computadores         55/63
IPv6
Motivação inicial: espaço de endereço de 32 bit
 logo estará completamente alocado

Motivação adicional:
  −
   formato de cabeçalho ajuda a agilizar
     processamento e repasse
  −
   mudanças no cabeçalho para facilitar QoS

   formato de datagrama IPv6:

  −
   cabeçalho de 40 bytes de tamanho fixo
  −
   fragmentação não permitida

                 Fundamentos de Redes de Computadores   56/63
Cabeçalho IPv6
Prioridade: identificar prioridade entre datagramas no
  fluxo
Rótulo de fluxo: identificar datagramas no mesmo “fluxo.”
         (conceito de “fluxo” não bem definido)
Próximo cabeçalho: identificar protocolo da camada
  superior para dados




                   Fundamentos de Redes de Computadores     57/63
Outras mudanças do IPv4
Soma de verificação: removida inteiramente para
  reduzir tempo de processamento em cada salto
Opções: permitidas, mas fora do cabeçalho,
  indicadas pelo campo de “Próximo Cabeçalho”
ICMPv6: nova versão do ICMP
  −
   tipos de mensagem adicionais, p. e. “Pacote Muito
     Grande”
  −
   funções de gerenciamento de grupo multicast




                  Fundamentos de Redes de Computadores   58/63
Transição de IPv4 para IPv6
Nem todos os roteadores podem ser atualizados
 simultaneamente
  −
   sem “dia de conversão”
  −
   como a rede operará com roteadores IPv4 e IPv6
    misturados?

Implantação de túnel: IPv6 transportado como
  carga útil no datagrama IPv4 entre roteadores
  IPv4




                 Fundamentos de Redes de Computadores   59/63
Implantação de Túnel

                 A       B                                       E    F
Visão lógica:                           túnel

                IPv6    IPv6                                IPv6     IPv6

                 A       B                                       E    F
Visão física:
                IPv6    IPv6       IPv4         IPv4        IPv6     IPv6




                          Fundamentos de Redes de Computadores              60/63
Visão lógica:



Visão física:




                Fundamentos de Redes de Computadores   61/63
Para Entregar na Próxima Aula
Laboratório IV – Protocolo IP.
●




                Fundamentos de Redes de Computadores   62/63
Slides baseados no material do livro Fundamento
          de Redes da Pearson Editora.




               Fundamentos de Redes de Computadores   63/63

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Capítulo 15 conexões de lans, redes backbone e lans virtuais
Capítulo 15   conexões de lans, redes backbone e lans virtuaisCapítulo 15   conexões de lans, redes backbone e lans virtuais
Capítulo 15 conexões de lans, redes backbone e lans virtuais
Faculdade Mater Christi
 
Capítulo 23 comunicação entre processos
Capítulo 23   comunicação entre processosCapítulo 23   comunicação entre processos
Capítulo 23 comunicação entre processos
Faculdade Mater Christi
 
Capítulo 19 camada de rede - end lógico
Capítulo 19   camada de rede - end lógicoCapítulo 19   camada de rede - end lógico
Capítulo 19 camada de rede - end lógico
Faculdade Mater Christi
 
Camada de Rede
Camada de RedeCamada de Rede
Camada de Rede
Cristiano Cordeiro
 
Redes - Camada de Inter-Redes
Redes - Camada de Inter-RedesRedes - Camada de Inter-Redes
Redes - Camada de Inter-Redes
Luiz Arthur
 
Camada de rede parte3
Camada de rede   parte3Camada de rede   parte3
Camada de rede parte3
Universidade Federal do Pampa
 
Camada de rede parte2
Camada de rede   parte2Camada de rede   parte2
Camada de rede parte2
Universidade Federal do Pampa
 
Redes windows e linux conceitos básicos sobre endereçamento
Redes windows e linux   conceitos básicos sobre endereçamentoRedes windows e linux   conceitos básicos sobre endereçamento
Redes windows e linux conceitos básicos sobre endereçamento
Talita Travassos
 
13 ligações inter-redes
13   ligações inter-redes13   ligações inter-redes
13 ligações inter-redes
Francisco Ednardo Gomes Pereira
 
Camadas osi redes
Camadas osi   redesCamadas osi   redes
Camadas osi redes
Carlos Pereira
 
Prot comutacao roteam camada de rede-2012
Prot comutacao roteam camada de rede-2012Prot comutacao roteam camada de rede-2012
Prot comutacao roteam camada de rede-2012
Valldo
 
RC - SL05 - Camada de Enlace e Redes Locais
RC - SL05 - Camada de Enlace e Redes LocaisRC - SL05 - Camada de Enlace e Redes Locais
RC - SL05 - Camada de Enlace e Redes Locais
UFPB
 
Redes de Computadores " Camada de Enlace"
Redes de Computadores " Camada de Enlace"Redes de Computadores " Camada de Enlace"
Redes de Computadores " Camada de Enlace"
Reinaldo Barbosa
 
S2 B 2007 Infra Aula 01 V1.00
S2 B 2007   Infra   Aula 01 V1.00S2 B 2007   Infra   Aula 01 V1.00
S2 B 2007 Infra Aula 01 V1.00
doctorweb
 
Modelos TCP/IP e OSI para CCNA
Modelos TCP/IP e OSI para CCNAModelos TCP/IP e OSI para CCNA
Modelos TCP/IP e OSI para CCNA
wolkartt_18
 
Modelo OSI - Camada de Rede
Modelo OSI - Camada de RedeModelo OSI - Camada de Rede
Modelo OSI - Camada de Rede
Walyson Vëras
 
Introdução a Redes de Computadores
Introdução a Redes de ComputadoresIntrodução a Redes de Computadores
Introdução a Redes de Computadores
Marcio Paciello Paruolo
 
Redes tcp udp
Redes tcp udpRedes tcp udp
Redes tcp udp
Carlos Pereira
 
Aula08 - frame-relay
Aula08 -   frame-relayAula08 -   frame-relay
Aula08 - frame-relay
Carlos Veiga
 
Serviços e protocolos
Serviços e protocolosServiços e protocolos
Serviços e protocolos
Dayane Sousa
 

Mais procurados (20)

Capítulo 15 conexões de lans, redes backbone e lans virtuais
Capítulo 15   conexões de lans, redes backbone e lans virtuaisCapítulo 15   conexões de lans, redes backbone e lans virtuais
Capítulo 15 conexões de lans, redes backbone e lans virtuais
 
Capítulo 23 comunicação entre processos
Capítulo 23   comunicação entre processosCapítulo 23   comunicação entre processos
Capítulo 23 comunicação entre processos
 
Capítulo 19 camada de rede - end lógico
Capítulo 19   camada de rede - end lógicoCapítulo 19   camada de rede - end lógico
Capítulo 19 camada de rede - end lógico
 
Camada de Rede
Camada de RedeCamada de Rede
Camada de Rede
 
Redes - Camada de Inter-Redes
Redes - Camada de Inter-RedesRedes - Camada de Inter-Redes
Redes - Camada de Inter-Redes
 
Camada de rede parte3
Camada de rede   parte3Camada de rede   parte3
Camada de rede parte3
 
Camada de rede parte2
Camada de rede   parte2Camada de rede   parte2
Camada de rede parte2
 
Redes windows e linux conceitos básicos sobre endereçamento
Redes windows e linux   conceitos básicos sobre endereçamentoRedes windows e linux   conceitos básicos sobre endereçamento
Redes windows e linux conceitos básicos sobre endereçamento
 
13 ligações inter-redes
13   ligações inter-redes13   ligações inter-redes
13 ligações inter-redes
 
Camadas osi redes
Camadas osi   redesCamadas osi   redes
Camadas osi redes
 
Prot comutacao roteam camada de rede-2012
Prot comutacao roteam camada de rede-2012Prot comutacao roteam camada de rede-2012
Prot comutacao roteam camada de rede-2012
 
RC - SL05 - Camada de Enlace e Redes Locais
RC - SL05 - Camada de Enlace e Redes LocaisRC - SL05 - Camada de Enlace e Redes Locais
RC - SL05 - Camada de Enlace e Redes Locais
 
Redes de Computadores " Camada de Enlace"
Redes de Computadores " Camada de Enlace"Redes de Computadores " Camada de Enlace"
Redes de Computadores " Camada de Enlace"
 
S2 B 2007 Infra Aula 01 V1.00
S2 B 2007   Infra   Aula 01 V1.00S2 B 2007   Infra   Aula 01 V1.00
S2 B 2007 Infra Aula 01 V1.00
 
Modelos TCP/IP e OSI para CCNA
Modelos TCP/IP e OSI para CCNAModelos TCP/IP e OSI para CCNA
Modelos TCP/IP e OSI para CCNA
 
Modelo OSI - Camada de Rede
Modelo OSI - Camada de RedeModelo OSI - Camada de Rede
Modelo OSI - Camada de Rede
 
Introdução a Redes de Computadores
Introdução a Redes de ComputadoresIntrodução a Redes de Computadores
Introdução a Redes de Computadores
 
Redes tcp udp
Redes tcp udpRedes tcp udp
Redes tcp udp
 
Aula08 - frame-relay
Aula08 -   frame-relayAula08 -   frame-relay
Aula08 - frame-relay
 
Serviços e protocolos
Serviços e protocolosServiços e protocolos
Serviços e protocolos
 

Semelhante a Aula 10 camada de rede

Cap04a
Cap04aCap04a
Cap04a
samuelthiago
 
Roteamento
RoteamentoRoteamento
Rct 16 - camada de rede
Rct   16 - camada de redeRct   16 - camada de rede
Rct 16 - camada de rede
Universal.org.mx
 
Gestão de Redes de Computadores e Serviços.pptx
Gestão de Redes de Computadores e Serviços.pptxGestão de Redes de Computadores e Serviços.pptx
Gestão de Redes de Computadores e Serviços.pptx
HJesusMiguel
 
Aula08 tecnologia atm
Aula08   tecnologia atmAula08   tecnologia atm
Aula08 tecnologia atm
Carlos Veiga
 
Redes - Camada Enlace
Redes - Camada EnlaceRedes - Camada Enlace
Redes - Camada Enlace
Luiz Arthur
 
Rota Estática / Link State / Vetor de Distância
Rota Estática / Link State / Vetor de DistânciaRota Estática / Link State / Vetor de Distância
Rota Estática / Link State / Vetor de Distância
Rodrigo Rovere - CCIE RS
 
Comunicação de Dados - Modulo 5
 Comunicação de Dados - Modulo 5 Comunicação de Dados - Modulo 5
Comunicação de Dados - Modulo 5
Mariana Hiyori
 
Aula6.pdf
Aula6.pdfAula6.pdf
Aula6.pdf
Carla Reis
 
Comdad 5
Comdad 5Comdad 5
Comdad 5
ShiroNeko11
 
Bimestre2aula1
Bimestre2aula1Bimestre2aula1
Bimestre2aula1
Aline Furtado
 
Conceitos de rede
Conceitos de redeConceitos de rede
Aula 4 introducao iii
Aula 4   introducao iiiAula 4   introducao iii
Aula 4 introducao iii
wab030
 
36210961 curso-avancado-redes
36210961 curso-avancado-redes36210961 curso-avancado-redes
36210961 curso-avancado-redes
Marco Guimarães
 
Aula Redes de Computadores cabeamento estruturado
Aula Redes de Computadores cabeamento estruturadoAula Redes de Computadores cabeamento estruturado
Aula Redes de Computadores cabeamento estruturado
GeorgeRodrigues42
 
Projeto rede local
Projeto rede localProjeto rede local
Projeto rede local
Verônica Veiga
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
André Silva
 
Manual do Conversor Serial Ethernet CS-Ethernet
Manual do Conversor Serial Ethernet CS-EthernetManual do Conversor Serial Ethernet CS-Ethernet
Manual do Conversor Serial Ethernet CS-Ethernet
Alfacomp Automação Industrial Ltda.
 
Camada rede
Camada redeCamada rede
Camada rede
redesinforma
 
Instalação de rede
Instalação de redeInstalação de rede
Instalação de rede
Sara Gonçalves
 

Semelhante a Aula 10 camada de rede (20)

Cap04a
Cap04aCap04a
Cap04a
 
Roteamento
RoteamentoRoteamento
Roteamento
 
Rct 16 - camada de rede
Rct   16 - camada de redeRct   16 - camada de rede
Rct 16 - camada de rede
 
Gestão de Redes de Computadores e Serviços.pptx
Gestão de Redes de Computadores e Serviços.pptxGestão de Redes de Computadores e Serviços.pptx
Gestão de Redes de Computadores e Serviços.pptx
 
Aula08 tecnologia atm
Aula08   tecnologia atmAula08   tecnologia atm
Aula08 tecnologia atm
 
Redes - Camada Enlace
Redes - Camada EnlaceRedes - Camada Enlace
Redes - Camada Enlace
 
Rota Estática / Link State / Vetor de Distância
Rota Estática / Link State / Vetor de DistânciaRota Estática / Link State / Vetor de Distância
Rota Estática / Link State / Vetor de Distância
 
Comunicação de Dados - Modulo 5
 Comunicação de Dados - Modulo 5 Comunicação de Dados - Modulo 5
Comunicação de Dados - Modulo 5
 
Aula6.pdf
Aula6.pdfAula6.pdf
Aula6.pdf
 
Comdad 5
Comdad 5Comdad 5
Comdad 5
 
Bimestre2aula1
Bimestre2aula1Bimestre2aula1
Bimestre2aula1
 
Conceitos de rede
Conceitos de redeConceitos de rede
Conceitos de rede
 
Aula 4 introducao iii
Aula 4   introducao iiiAula 4   introducao iii
Aula 4 introducao iii
 
36210961 curso-avancado-redes
36210961 curso-avancado-redes36210961 curso-avancado-redes
36210961 curso-avancado-redes
 
Aula Redes de Computadores cabeamento estruturado
Aula Redes de Computadores cabeamento estruturadoAula Redes de Computadores cabeamento estruturado
Aula Redes de Computadores cabeamento estruturado
 
Projeto rede local
Projeto rede localProjeto rede local
Projeto rede local
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Manual do Conversor Serial Ethernet CS-Ethernet
Manual do Conversor Serial Ethernet CS-EthernetManual do Conversor Serial Ethernet CS-Ethernet
Manual do Conversor Serial Ethernet CS-Ethernet
 
Camada rede
Camada redeCamada rede
Camada rede
 
Instalação de rede
Instalação de redeInstalação de rede
Instalação de rede
 

Mais de wab030

Internet e Educação
Internet e EducaçãoInternet e Educação
Internet e Educação
wab030
 
Programe ou seja programado
Programe ou seja programadoPrograme ou seja programado
Programe ou seja programado
wab030
 
Internet e cidadania
 Internet e cidadania Internet e cidadania
Internet e cidadania
wab030
 
Internet, Cidadania e Educação
Internet, Cidadania e EducaçãoInternet, Cidadania e Educação
Internet, Cidadania e Educação
wab030
 
Internet e redes sociais digitais como instrumento para os movimentos sociais
 Internet e redes sociais digitais como instrumento para os movimentos sociais Internet e redes sociais digitais como instrumento para os movimentos sociais
Internet e redes sociais digitais como instrumento para os movimentos sociais
wab030
 
A internet como espaço de mobilidade social: democratização e regulamentação ...
A internet como espaço de mobilidade social: democratização e regulamentação ...A internet como espaço de mobilidade social: democratização e regulamentação ...
A internet como espaço de mobilidade social: democratização e regulamentação ...
wab030
 
Hp0061
Hp0061Hp0061
Hp0061
wab030
 
Internet e educação
Internet e educaçãoInternet e educação
Internet e educação
wab030
 
Alimentos Orgânicos - Melhor para sua saúde
Alimentos Orgânicos - Melhor para sua saúdeAlimentos Orgânicos - Melhor para sua saúde
Alimentos Orgânicos - Melhor para sua saúde
wab030
 
Notas b2redes
Notas b2redesNotas b2redes
Notas b2redes
wab030
 
Notas info+banco
Notas info+bancoNotas info+banco
Notas info+banco
wab030
 
Aula 12 revisãodos exercícios
Aula 12   revisãodos exercíciosAula 12   revisãodos exercícios
Aula 12 revisãodos exercícios
wab030
 
Aula 10 maquinade turing
Aula 10   maquinade turingAula 10   maquinade turing
Aula 10 maquinade turing
wab030
 
Wireshark ip sept_15_2009
Wireshark ip sept_15_2009Wireshark ip sept_15_2009
Wireshark ip sept_15_2009
wab030
 
Wireshark UDP
Wireshark UDPWireshark UDP
Wireshark UDP
wab030
 
Notas b1 redes
Notas b1 redesNotas b1 redes
Notas b1 redeswab030
 
Notas b1 info+banco
Notas b1 info+bancoNotas b1 info+banco
Notas b1 info+bancowab030
 
Aula 8 camada de transporte ii
Aula 8   camada de transporte iiAula 8   camada de transporte ii
Aula 8 camada de transporte ii
wab030
 
Aula 11 automato finitocomsaida
Aula 11   automato finitocomsaidaAula 11   automato finitocomsaida
Aula 11 automato finitocomsaida
wab030
 
Aula 10 minimizaçãode automato
Aula 10   minimizaçãode automatoAula 10   minimizaçãode automato
Aula 10 minimizaçãode automato
wab030
 

Mais de wab030 (20)

Internet e Educação
Internet e EducaçãoInternet e Educação
Internet e Educação
 
Programe ou seja programado
Programe ou seja programadoPrograme ou seja programado
Programe ou seja programado
 
Internet e cidadania
 Internet e cidadania Internet e cidadania
Internet e cidadania
 
Internet, Cidadania e Educação
Internet, Cidadania e EducaçãoInternet, Cidadania e Educação
Internet, Cidadania e Educação
 
Internet e redes sociais digitais como instrumento para os movimentos sociais
 Internet e redes sociais digitais como instrumento para os movimentos sociais Internet e redes sociais digitais como instrumento para os movimentos sociais
Internet e redes sociais digitais como instrumento para os movimentos sociais
 
A internet como espaço de mobilidade social: democratização e regulamentação ...
A internet como espaço de mobilidade social: democratização e regulamentação ...A internet como espaço de mobilidade social: democratização e regulamentação ...
A internet como espaço de mobilidade social: democratização e regulamentação ...
 
Hp0061
Hp0061Hp0061
Hp0061
 
Internet e educação
Internet e educaçãoInternet e educação
Internet e educação
 
Alimentos Orgânicos - Melhor para sua saúde
Alimentos Orgânicos - Melhor para sua saúdeAlimentos Orgânicos - Melhor para sua saúde
Alimentos Orgânicos - Melhor para sua saúde
 
Notas b2redes
Notas b2redesNotas b2redes
Notas b2redes
 
Notas info+banco
Notas info+bancoNotas info+banco
Notas info+banco
 
Aula 12 revisãodos exercícios
Aula 12   revisãodos exercíciosAula 12   revisãodos exercícios
Aula 12 revisãodos exercícios
 
Aula 10 maquinade turing
Aula 10   maquinade turingAula 10   maquinade turing
Aula 10 maquinade turing
 
Wireshark ip sept_15_2009
Wireshark ip sept_15_2009Wireshark ip sept_15_2009
Wireshark ip sept_15_2009
 
Wireshark UDP
Wireshark UDPWireshark UDP
Wireshark UDP
 
Notas b1 redes
Notas b1 redesNotas b1 redes
Notas b1 redes
 
Notas b1 info+banco
Notas b1 info+bancoNotas b1 info+banco
Notas b1 info+banco
 
Aula 8 camada de transporte ii
Aula 8   camada de transporte iiAula 8   camada de transporte ii
Aula 8 camada de transporte ii
 
Aula 11 automato finitocomsaida
Aula 11   automato finitocomsaidaAula 11   automato finitocomsaida
Aula 11 automato finitocomsaida
 
Aula 10 minimizaçãode automato
Aula 10   minimizaçãode automatoAula 10   minimizaçãode automato
Aula 10 minimizaçãode automato
 

Último

A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 

Último (20)

A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 

Aula 10 camada de rede

  • 1. Fundamento de Redes de Computadores Aula 10 Camada de Rede
  • 2. Notas da Aula ✔ . ● Fundamentos de Redes de Computadores 2/63
  • 3. Relembrando as Camadas Fundamentos de Redes de Computadores 3/63
  • 4. Objetivos Entender os princípios por trás dos serviços da camada de rede: Modelos de serviço da camada de rede Repasse versus roteamento Como funciona um roteador Roteamento (seleção de caminho) Lidando com escala Tópicos avançados: IPv6, mobilidade Instanciação, implementação na Internet Fundamentos de Redes de Computadores 4/63
  • 5.
  • 6. Duas importantes funções da camada de rede Repasse: mover Analogia: pacotes da entrada do roteador para a saída Roteamento: processo apropriada do de planejamento da roteador viagem da origem ao Roteamento: determinar destino rota seguida pelos Repasse: processo de pacotes da origem ao passar por um único destino cruzamento − algoritmos de roteamento Fundamentos de Redes de Computadores 6/63
  • 7. Interação entre roteamento e repasse algoritmo de roteamento tabela de repasse local valor do cab. enlace saída 0100 3 0101 2 0111 2 1001 1 valor no cabeçalho do pacote chegando 0111 1 3 2 Fundamentos de Redes de Computadores 7/63
  • 8. Estabelecimento de conexão Função importante em algumas arquiteturas de rede: − ATM, frame relay, X.25 Antes que os datagramas fluam, dois hospedeiros finais e roteadores entre eles estabelecem conexão virtual − roteadores são envolvidos Serviço de conexão da camada de rede versus transporte: − rede: entre dois hospedeiros (também pode envolver roteadores entre eles) − transporte: entre dois processos Fundamentos de Redes de Computadores 8/63
  • 9. Modelo de serviço de rede P: Que modelo de serviço é o melhor para o “canal” que transporta datagramas do remetente ao destinatário? exemplo de serviços para datagramas individuais: − entrada garantida − entrega garantida com atraso limitado exemplo de serviços para fluxo de datagramas: − entrega de datagrama na ordem − largura de banda mínima garantida − restrições sobre mudanças no espaçamento entre pacotes Fundamentos de Redes de Computadores 9/63
  • 10. Modelos de serviço da camada de rede Fundamentos de Redes de Computadores 10/63
  • 11. Redes de circuitos virtuais e de datagramas Fundamentos de Redes de Computadores 11/63
  • 12. Serviço com e sem conexão da camada de rede Rede de datagrama fornece serviço sem conexão da camada de rede Rede VC fornece serviço com conexão da camada de rede Análogo aos serviços da camada de transporte, mas: − serviço: hospedeiro a hospedeiro − sem escolha: a rede oferece um ou outro − implementação: no núcleo da rede Fundamentos de Redes de Computadores 12/63
  • 13. Circuitos virtuais “Caminho da origem ao destino comporta-se como um circuito telefônico” −com respeito ao desempenho −ações da rede ao longo do caminho da origem ao destino Estabelecimento e término para cada chamada antes que os dados possam fluir Cada pacote carrega identificador VC (não endereço do hospedeiro de destino) Cada roteador no caminho origem-destino mantém “estado” para cada conexão que estiver passando Recursos do enlace e roteador (largura de banda, buffers) podem ser alocados ao VC (recursos dedicados = serviço previsível) Fundamentos de Redes de Computadores 13/63
  • 14. Implementação do VC Um VC consiste em: 1.caminho da origem ao destino 2.números de VC, um número para cada enlace ao longo do caminho 3.entradas em tabelas de repasse nos roteadores ao longo do caminho Pacote pertencente ao VC carrega número do VC (em vez do endereço de destino) Número do VC pode ser alterado em cada enlace − novo número de VC vem da tabela de repasse Fundamentos de Redes de Computadores 14/63
  • 15. Tabela de repasse número do VC 12 22 32 1 3 2 tabela de repasse no roteador noroeste: número da interface Roteadores mantêm informação de estado da conexão! Fundamentos de Redes de Computadores 15/63
  • 16. Circuitos virtuais: protocolos de sinalização ● usados para estabelecer, manter e terminar VC ● usados em ATM, frame-relay, X.25 ● não usados na Internet de hoje aplicação transporte 5. Fluxo de dados iniciado 6. Recebe dadosaplicação rede transporte 4. Chamada conectada 3. Chamada aceita rede enlace 1. Inicia chamada 2. Chamada chegando enlace física física Fundamentos de Redes de Computadores 16/63
  • 17. Redes de datagrama Sem estabelecimento de chamada na camada de rede Roteadores: sem estado sobre conexões fim a fim Sem conceito em nível de rede da “conexão” Pacotes repassados usando endereço do hospedeiro de destino Pacotes entre mesmo par origem-destino podem tomar caminhos diferentes aplicação aplicação transporte transporte rede rede enlace 1. Envia dados 2. Recebe dados enlace física física Fundamentos de Redes de Computadores 17/63
  • 18. Tabela de repasse Faixa de endereços de destino (IP address) Interface de enlace 11001000 00010111 00010000 00000000 até 0 11001000 00010111 00010111 11111111 11001000 00010111 00011000 00000000 até 1 11001000 00010111 00011000 11111111 11001000 00010111 00011001 00000000 até 2 11001000 00010111 00011111 11111111 senão 3 Fundamentos de Redes de Computadores 18/63
  • 19. Rede de datagramas ou VC: por quê? Internet (datagrama) ATM (VC) Troca de dados entre computadores Evoluída da telefonia − Serviço “elástico”, sem conversação humana: requisitos de temporização − requisitos de estritos Sistemas finais “inteligentes” temporização estritos, (computadores) confiabilidade −Pode adaptar, realizar − necessário para serviço controle, recup. de erros garantido −Simples dentro da rede, complexidade na “borda” sistemas finais “burros” Muitos tipos de enlace − telefones −Diferentes características − complexidade dentro −Serviço uniforme difícil da rede Fundamentos de Redes de Computadores 19/63
  • 20. Roteador Duas funções principais do roteador: − executar algoritmos/protocolo de roteamento (RIP, OSPF, BGP) − repassar datagramas do enlace de entrada para saída Fundamentos de Redes de Computadores 20/63
  • 21. Funções da porta de entrada Camada física: recepção por bit Camada de enlace Comutação descentralizada: de dados:  dado destino do datagrama, porta de p. e., Ethernet saída de pesquisa usando tabela de ver Capítulo 5 repasse na memória da porta de entrada  objetivo: processamento completo da porta de entrada na ‘velocidade de linha’  fila: se datagramas chegarem mais rápido que taxa de repasse no elemento de comutação Fundamentos de Redes de Computadores 21/63
  • 22. Comutação por memória Roteadores de primeira geração: − computadores tradicionais com a comutação via controle direto da CPU − pacote copiado para a memória do sistema − velocidade limitada pela largura de banda da memória (2 travessias de barramento por datagrama) porta memória porta entrada saída Barramento do sistema Fundamentos de Redes de Computadores 22/63
  • 23. Comutação por um barramento Datagrama da memória da porta de entrada à memória da porta de saída por um barramento compartilhado Disputa pelo barramento: velocidade da comutação limitada pela largura de banda do barramento Barramento Cisco 5600 de 32 Gbps: velocidade suficiente para roteadores de acesso e corporativos Fundamentos de Redes de Computadores 23/63
  • 24. Comutação por uma rede de interconexão Contorna limitações de largura de banda do barramento Redes Banya, outras redes de interconexão desenvolvidas inicialmente para conectar processadores no multiprocessador Projeto avançado: fragmenta datagrama em células de tamanho fixo, comuta células através do elemento de comutação Cisco 12000: comuta 60 Gbps através da rede de interconexão Fundamentos de Redes de Computadores 24/63
  • 25. Portas de saída Buffering exigido quando os datagramas chegam do elemento de comutação mais rápido que a taxa de transmissão Disciplina de escalonamento escolhe entre os datagramas enfileirados para transmissão Fundamentos de Redes de Computadores 25/63
  • 26. Enfileiramento na porta de saída buffering quando a taxa de chegada via comutador excede a velocidade da linha de saída enfileiramento (atraso) e perda devidos a estouro de buffer na porta de saída! Fundamentos de Redes de Computadores 26/63
  • 27. Quanto armazenamento em buffer? regra prática da RFC 3439: armazenamento médio em buffer igual à RTT “típica” (digamos, 250 ms) vezes capacidade do enlace C p. e., C = enlace de 10 Gps: buffer de 2,5 Gbit recomendação recente: com N fluxos, armazenamento deve ser igual a RTT . C N Fundamentos de Redes de Computadores 27/63
  • 28. Enfileiramento da porta de entrada elemento de comutação mais lento que portas de entrada combinadas -> enfileiramento possível nas filas de entrada bloqueio de cabeça de fila (HOL) : datagrama enfileirado na frente da fila impede que outros na fila sigam adiante atraso de enfileiramento e perda devidos a estouro no buffer de entrada Fundamentos de Redes de Computadores 28/63
  • 29. A camada de rede da Internet: Internet Protocol Funções na camada de rede do hospedeiro e roteador: Camada de transporte: TCP, UDP prots. roteamento protocolo IP •seleção caminho •convs. de endereçamento •RIP, OSPF, BGP •formato de datagrama Camada •convs. manuseio de pacote de rede tabela de protocolo ICMP repasse •informe de erro •“sinalização” do roteador Camada de enlace Camada física Fundamentos de Redes de Computadores 29/63
  • 30. Formato do datagrama IP Quanto overhead com TCP? 20 bytes de TCP 20 bytes de IP = 40 bytes + overhead da camada de aplicação Fundamentos de Redes de Computadores 30/63
  • 31. Fragmentação e reconstrução do IP Enlaces de rede têm MTU (tamanho máx. transferência) – maior quadro em nível de enlace possível. Diferentes tipos de enlace, diferentes MTUs Grande datagrama IP dividido (“fragmentado”) dentro da rede Um datagrama torna-se vários datagramas “reconstruído” somente no destino final Bits de cabeçalho IP usados para identificar, ordenar fragmentos relacionados Fundamentos de Redes de Computadores 31/63
  • 32. Endereçamento IP: introdução Endereço IP: identificador de 223.1.1.1 32 bits para interface de 223.1.2.1 hospedeiro e roteador 223.1.1.2 Interface: conexão entre 223.1.1.4 223.1.2.9 hospedeiro/ roteador e 223.1.2.2 223.1.1.3 223.1.3.27 enlace físico Roteadores normalmente têm várias interfaces 223.1.3.2 223.1.3.1 Hospedeiro normalmente tem uma interface Endereços IP associados a cada interface 223.1.1.1 = 11011111 00000001 00000001 00000001 223 1 1 1 Fundamentos de Redes de Computadores 32/63
  • 33. Sub-redes endereço IP: 223.1.1.1 − parte da sub-rede (bits 223.1.2.1 de alta ordem) 223.1.1.2 223.1.1.4 223.1.2.9 − parte do host (bits de 223.1.2.2 baixa ordem) 223.1.1.3 223.1.3.27 O que é uma sub-rede? sub-rede − dispositivo se conecta à 223.1.3.1 223.1.3.2 mesma parte da sub- rede do endereço IP − pode alcançar um ao rede consistindo em 3 sub-redes outro fisicamente sem roteador intermediário Fundamentos de Redes de Computadores 33/63
  • 34. Receita 223.1.1.0/24 223.1.2.0/24 Para determinar as sub- redes, destaque cada interface de seu hospedeiro ou roteador, criando ilhas de redes isoladas. Cada rede isolada é denominada sub-rede 223.1.3.0/24 Máscara de sub-rede: /24 Fundamentos de Redes de Computadores 34/63
  • 35. 223.1.1.2 223.1.1.1 223.1.1.4 223.1.1.3 223.1.9.2 223.1.7.0 223.1.9.1 223.1.7.1 223.1.8.1 223.1.8.0 223.1.2.6 223.1.3.27 223.1.2.1 223.1.2.2 223.1.3.1 223.1.3.2 Fundamentos de Redes de Computadores 35/63
  • 36. Endereçamento IP: CIDR CIDR: Classless InterDomain Routing (roteamento interdomínio sem classes) parte de sub-rede do endereço de tamanho arbitrário formato do endereço: a.b.c.d/x, onde x é # bits na parte de sub-rede do endereço parte de parte do sub-rede hosp. 11001000 00010111 00010000 00000000 200.23.16.0/23 Fundamentos de Redes de Computadores 36/63
  • 37. Endereços IP: como obter um? Como um hospedeiro obtém endereço IP? Fornecido pelo administrador do sistema em um arquivo − Windows: painel de controle → rede → configuração → tcp/ip → propriedades − UNIX: /etc/rc.config DHCP: Dynamic Host Configuration Protocol: recebe endereço dinamicamente do servidor − “plug-and-play” Fundamentos de Redes de Computadores 37/63
  • 38. DHCP: Dynamic Host Configuration Protocol Objetivo: permitir que o hospedeiro obtenha dinamicamente seu endereço IP do servidor de rede quando se conectar à rede − pode renovar seu prazo no endereço utilizado − permite reutilização de endereços (só mantém endereço enquanto conectado e “ligado”) − aceita usuários móveis que queiram se juntar à rede Visão geral do DHCP: − host broadcasts “DHCP discover” msg [optional] − servidor DHCP responde com msg “DHCP offer” [opcional] − hospedeiro requer endereço IP: msg “DHCP request” − servidor DHCP envia endereço: msg “DHCP ack” Fundamentos de Redes de Computadores 38/63
  • 39. DHCP – cenário cliente/servidor A servidor 223.1.2.1 223.1.1.1 DHCP 223.1.1.2 223.1.1.4 223.1.2.9 B 223.1.2.2 cliente DHCP 223.1.1.3 223.1.3.27 E chegando precisa de endereço nesta rede 223.1.3.1 223.1.3.2 Fundamentos de Redes de Computadores 39/63
  • 40. Processo para ganhar um IP servidor DHCP: 223.1.2.5 Descoberta DHCP src : 0.0.0.0, 68 dest.: 255.255.255.255,67 cliente yiaddr: 0.0.0.0 chegando transaction ID: 654 Oferta DHCP src: 223.1.2.5, 67 dest: 255.255.255.255, 68 yiaddrr: 223.1.2.4 transaction ID: 654 Lifetime: 3600 secs Solicitação DHCP src: 0.0.0.0, 68 dest:: 255.255.255.255, 67 yiaddrr: 223.1.2.4 transaction ID: 655 tempo Lifetime: 3600 secs DHCP ACK src: 223.1.2.5, 67 dest: 255.255.255.255, 68 yiaddrr: 223.1.2.4 transaction ID: 655 Lifetime: 3600 secs Fundamentos de Redes de Computadores 40/63
  • 41. DHCP: mais do que endereço IP DHCP pode retornar mais do que apenas o endereço IP alocado na sub-rede: − endereço do roteador do primeiro salto para o cliente − nome e endereço IP do servidor DNS − máscara de rede (indicando parte de rede versus hospedeiro do endereço) Fundamentos de Redes de Computadores 41/63
  • 42. Endereços IP: como obter um? P: Como a rede obtém a parte de sub-rede do endereço IP? R: Recebe parte alocada do espaço de endereços do seu ISP Bloco do ISP 11001000 00010111 00010000 00000000 200.23.16.0/20 Organização 0 11001000 00010111 00010000 00000000 200.23.16.0/23 Organização 1 11001000 00010111 00010010 00000000 200.23.18.0/23 Organização 2 11001000 00010111 00010100 00000000 200.23.20.0/23 ... ….. …. …. Organização 7 11001000 00010111 00011110 00000000 200.23.30.0/23 Fundamentos de Redes de Computadores 42/63
  • 43. Endereçamento hierárquico: agregação de rota Endereçamento hierárquico permite anúncio eficiente da informação de roteamento: Organização 0 200.23.16.0/23 Organização 1 “Envie-me qualquer 200.23.18.0/23 coisa com endereços Organização 2 começando com . 200.23.16.0/20” 200.23.20.0/23 . Fly-By-Night-ISP . . Internet . Organização 7 . 200.23.30.0/23 “Envie-me qualquer ISPs-R-Us coisa com endereços começando com 199.31.0.0/16” Fundamentos de Redes de Computadores 43/63
  • 44. Endereçamento hierárquico: agregação de rota ISPs-R-Us tem uma rota mais específica para Organização 1 Organização 0 200.23.16.0/23 “Envie-me qualquer coisa com endereços Organização 2 começando com . 200.23.16.0/20” 200.23.20.0/23 . Fly-By-Night-ISP . . Internet . Organização 7 . 200.23.30.0/23 “Envie-me qualquer ISPs-R-Us coisa com endereços começando com 199.31.0.0/16 Organização 1 ou 200.23.18.0/23” 200.23.18.0/23 Fundamentos de Redes de Computadores 44/63
  • 45. Endereçamento IP: a última palavra... P: Como um ISP recebe bloco de endereços? R: ICANN: Internet Corporation for Assigned Names and Numbers − aloca endereços − administra o DNS − atribui nomes de domínio e resolve disputas Fundamentos de Redes de Computadores 45/63
  • 46.
  • 47. NAT: Network Address Translation: Motivação Rede local usa apenas um endereço IP no que se refere ao mundo exterior: Intervalo de endereços não necessário pelo ISP: apenas um endereço IP para todos os dispositivos Pode mudar os endereços dos dispositivos na rede local sem notificar o mundo exterior Pode mudar de ISP sem alterar os endereços dos dispositivos na rede local Dispositivos dentro da rede local não precisam ser explicitamente endereçáveis ou visíveis pelo mundo exterior (uma questão de segurança). Fundamentos de Redes de Computadores 47/63
  • 48. NAT: Network Address Translation: Implementação Roteador NAT deve: Enviando datagramas: substituir (endereço IP de origem, # porta) de cada datagrama saindo por (endereço IP da NAT, novo # porta) . . . clientes/servidores remotos responderão usando (endereço IP da NAT, novo # porta) como endereço de destino Lembrar (na tabela de tradução NAT) de cada par de tradução (endereço IP de origem, # porta) para (endereço IP da NAT, novo # porta) Recebendo datagramas: substituir (endereço IP da NAT, novo # porta) nos campos de destino de cada datagrama chegando por (endereço IP origem, # porta) correspondente, armazenado na tabela NAT Fundamentos de Redes de Computadores 48/63
  • 49. 2: roteador NAT 1: hospedeiro 10.0.0.1 muda endereço de envia datagrama para origem do datagrama 128.119.40.186, 80 de 10.0.0.1, 3345 para 138.76.29.7, 5001, atualiza tabela 3: Resposta chega endereço destino: 4: roteador NAT muda endereço 138.76.29.7, 5001 de destino do datagrama de 138.76.29.7, 5001 para 10.0.0.1, 3345 Fundamentos de Redes de Computadores 49/63
  • 50. Campo de número de porta de 16 bits: − 60.000 conexões simultâneas com um único endereço no lado da LAN! NAT é controverso: − roteadores só devem processar até a camada 3 − viola argumento de fim a fim ● a possibilidade de NAT deve ser levada em conta pelos projetistas da aplicação, p. e., aplicações P2P − a falta de endereços deverá ser resolvida pelo IPv6 Fundamentos de Redes de Computadores 50/63
  • 51. Problema da travessia da NAT Cliente quer se conectar ao servidor com endereço 10.0.0.1 −Endereço do servidor 10.0.0.1 local à 10.0.0.1 LAN (cliente não pode usá-lo como Client endereço destino) ? −Apenas um endereço NAT visível 10.0.0.4 externamente: 138.76.29.7 solução 1: configure a NAT 138.76.29.7 roteador estaticamente para repassar as NAT solicitações de conexão que chegam a determinada porta ao servidor −p. e., (123.76.29.7, porta 2500) sempre repassado para 10.0.0.1 porta 25000 Fundamentos de Redes de Computadores 51/63
  • 52. solução 2: Universal Plug and Play (UpnP) Internet Gateway Device (IGD) Protocol. Permite 10.0.0.1 que o hospedeiro com NAT: IGD − descubra endereço IP público 10.0.0.4 (138.76.29.7) 138.76.29.7 NAT − inclua/remova mapeamentos de router porta (com tempos de posse) ou seja, automatizar configuração estática do mapa de porta NAT Fundamentos de Redes de Computadores 52/63
  • 53. solução 3: repasse (usado no Skype) − cliente com NAT estabelece conexão com repasse − cliente externo se conecta ao repasse − repasse liga pacotes entre duas conexões 2. conexão com 1. conexão com relay iniciado relay iniciado pelo cliente pelo hospedeiro 10.0.0.1 de NAT 3. relaying Cliente estabelecido 138.76.29.7 roteador NAT Fundamentos de Redes de Computadores 53/63
  • 54. ICMP: Internet Control Message Protocol Usado por hospedeiros & Tipo Cód, Descrição 0 0 resposta de eco (ping) roteadores para comunicar 3 0 rede de destino inalcançável informações em nível de rede 3 1 hosp. de destino inalcançável −Relato de erro: hospedeiro, rede, 3 2 protocolo de destino inalcançável porta, protocolo inalcançável 3 3 porta de destino inalcançável −Eco de solicitação/ resposta 3 6 rede de destino desconhecida (usado por ping) 3 7 hosp. de destino desconhecido 4 0 redução da fonte (controle de congestionamento – não usado) Camada de rede “acima” do IP: 8 0 solicitação de eco (ping) − msgs ICMP transportadas em 9 0 anúncio de rota datagramas IP 10 0 descoberta do roteador 11 0 TTL expirado 12 0 cabeçalho IP inválido Mensagem ICMP: tipo, código mais primeiros 8 bytes do datagrama IP causando erro Fundamentos de Redes de Computadores 54/63
  • 55. Traceroute e ICMP Origem envia série de Quando a mensagem ICMP segmentos UDP ao destino chega, origem calcula RTT − primeiro tem TTL = 1 Traceroute faz isso 3 vezes − segundo tem TTL = 2 etc. − número de porta improvável Critério de término − segmento UDP por fim Quando no datagrama chegar chega no hospedeiro de no no roteador: destino − roteador descarta − destino retorna pacote datagrama ICMP “host inalcançável” − e envia à origem uma msg (tipo 3, código 3) ICMP (tipo 11, código 0) − quando origem recebe esse − mensagem inclui nome do ICMP, termina. roteador & endereço IP Fundamentos de Redes de Computadores 55/63
  • 56. IPv6 Motivação inicial: espaço de endereço de 32 bit logo estará completamente alocado Motivação adicional: − formato de cabeçalho ajuda a agilizar processamento e repasse − mudanças no cabeçalho para facilitar QoS formato de datagrama IPv6: − cabeçalho de 40 bytes de tamanho fixo − fragmentação não permitida Fundamentos de Redes de Computadores 56/63
  • 57. Cabeçalho IPv6 Prioridade: identificar prioridade entre datagramas no fluxo Rótulo de fluxo: identificar datagramas no mesmo “fluxo.” (conceito de “fluxo” não bem definido) Próximo cabeçalho: identificar protocolo da camada superior para dados Fundamentos de Redes de Computadores 57/63
  • 58. Outras mudanças do IPv4 Soma de verificação: removida inteiramente para reduzir tempo de processamento em cada salto Opções: permitidas, mas fora do cabeçalho, indicadas pelo campo de “Próximo Cabeçalho” ICMPv6: nova versão do ICMP − tipos de mensagem adicionais, p. e. “Pacote Muito Grande” − funções de gerenciamento de grupo multicast Fundamentos de Redes de Computadores 58/63
  • 59. Transição de IPv4 para IPv6 Nem todos os roteadores podem ser atualizados simultaneamente − sem “dia de conversão” − como a rede operará com roteadores IPv4 e IPv6 misturados? Implantação de túnel: IPv6 transportado como carga útil no datagrama IPv4 entre roteadores IPv4 Fundamentos de Redes de Computadores 59/63
  • 60. Implantação de Túnel A B E F Visão lógica: túnel IPv6 IPv6 IPv6 IPv6 A B E F Visão física: IPv6 IPv6 IPv4 IPv4 IPv6 IPv6 Fundamentos de Redes de Computadores 60/63
  • 61. Visão lógica: Visão física: Fundamentos de Redes de Computadores 61/63
  • 62. Para Entregar na Próxima Aula Laboratório IV – Protocolo IP. ● Fundamentos de Redes de Computadores 62/63
  • 63. Slides baseados no material do livro Fundamento de Redes da Pearson Editora. Fundamentos de Redes de Computadores 63/63