SlideShare uma empresa Scribd logo
CABOS

    E

CONECTORES
A escolha do cabeamento é um elemento crucial na definição da qualidade do
serviço prestado por uma rede. A elevada frequência de alteração da posição das
estações, a inclusão de novas estações, a desativação de estações, tudo isso, com o
decorrer do tempo mostra a necessidade de uma boa escolha.
       Os tipos de cabos mais utilizados em LANs são o cabo de pares trançados
(UTP), o cabo coaxial e a fibra óptica.


                                Cabo Coaxial Grosso

        É o chamado thickwire. É
um cabo coaxial com o núcleo de
cobre mais grosso que o núcleo
do cabo coaxial fino.
Normalmente é utilizado como
backbone (espinha dorsal) de
uma rede Ethernet, sendo
conectado verticalmente, pode
conectar vários pavimentos de
um prédio entre si.
        A especificação deste
cabo é RG-8 e sua impedância
intrínseca é de 50 ohms. É mais
resistente a interferência e
atenuação que o de pares
trançados. O fator que dificulta
sua instalação é devido a não ser
flexível. O cabo RG-8 suporta o
padrão 10BASE5 da rede
Ethernet.
                                                        As estações se conectam
                                               através de um transceptor grampeado
                                               no cabo. O transceptor tipo vampiro
                                               “morde” o cabo RG-8 com suas
                                               agulhas, sendo uma para o núcleo e
                                               outra para a malha. O funcionamento
                                               da rede não é interrompido por não ser
                                               necessária a abertura do cabo.
                                                        O transceptor tem um conector
                                               AUI (Attachment Unit Interface) de 15
                                               pinos (conector DB-15), também
                                               chamado de conector DIX. A distância
                                               mínina entre 2 transceptores é de 2,5m.
                                               O cabo que conecta a placa de rede da
                                               estação pode ter um comprimento de
                                               até 50m.
                                                        Este cabo tem caído em desuso,
                                               sendo substituído progressivamente,
em suas funções de backbone, pelo cabo de fibra óptica.



                                                                                      2
Cabo Coaxial Fino

        É o chamado thinwire. Normalmente, é utilizado como cabo de distribuição
horizontal numa rede Ethernet, provendo conexão para todos os nós de rede de um
mesmo pavimento. A especificação
deste cabo é RG-58 e sua impedância
intrínseca é de 50 ohms. Também é
mais resistente a interferência e
atenuação que o de pares trançados. É
um cabo flexível, de fácil instalação.
O RG-58 suporta o padrão 10BASE2
da rede Ethernet, atendendo a uma
quantidade máxima de 30 estações
por segmento.
        As estações se conectam ao
cabo através do conector BNC tipo T.
Além disso, as estações nas
extremidades do cabo devem ter
terminadores de 50 ohms.




                                                                                   3
O funcionamento da rede será interrompido para a instalação de um novo ponto,
pelo motivo de ser necessária a abertura do cabo para a instalação. A distância mínima
entre 2 conectores BNC tipo T no cabo coaxial fino é de 0,5m. O cabo RG-58 tem caído
em desuso, sendo substituído progressivamente, em suas funções de cabo de
interconexão horizontal, pelo cabo UTP.




                                                                                     4
Cabo UTP


        É o cabo de pares trançados não blindados, cada par é composto por 2 fios de
cobre trançados de maneira a
minimizar a interferência de
campos magnéticos externos e
internos (dos pares trançados
adjacentes). É o mais usado
atualmente tanto em redes
domésticas quanto em grandes
redes industriais devido ao
fácil manuseio e instalação.
Seu comprimento máximo é
de 100m.
        Os cabos par trançado
são muito comuns em
equipamentos para internet
banda larga como
ADSL E CATV para ligar
a placa de
rede nos Hubs, Switch ou
Roteador. Estes equipamentos
geralmente são instalados com
cabo UTP Categoria 5 e 5e.
        Há 2 tipos de cabo
UTP: rígido e flexível. O UTP
rígido é usado no cabeamento
horizontal, isto é, nos cabos que levam sinal do painel de conexão (patch panel) às
tomadas de telecomunicações. Já o flexível é utilizado nos cordões de linha (line cords)
                                          que conectam as estações às tomadas de
                                          telecomunicações e nos cordões de conexão
                                          (patch cords) que conectam o painel de
                                          conexão ao Hub ou Switch.
                                                  As taxas usadas nas redes com o cabo
                                          de pares trançados são:
                                                         10 Mbps (Ethernet);
                                                         100 Mbps (Fast Ethernet); ou
                                                         1000 Mbps (Gigabit Ethernet).
                                                         10 Gbps (10 Gigabit Ethernet).
                                                  As cores dos fios são:
                                                         Laranja e Branco;
                                                         Laranja;
                                                         Verde e Branco;
                                                         Azul;
                                                         Azul e Branco;
                                                         Verde;
                                                         Castanho (ou Marrom) e
                                                         Branco;
                                                         Castanho (ou Marrom).


                                                                                       5
É importante que a sequência de cores seja respeitada ao se montar um cabo.
Caso contrário, pode haver perda parcial ou total de pacotes, principalmente em cabos
de mais de 3 metros. A norma EIA/TIA-568-B prevê duas montagens para os cabos,
denominadas T568A e T568B. A montagem T568A usa a sequência branco e verde,
verde, branco e laranja, azul, branco e azul, laranja, branco e castanho, castanho.
A montagem T568B usa a sequência branco e laranja, laranja, branco e verde, azul,
branco e azul, verde, branco e castanho, castanho. As duas montagens são totalmente
equivalentes em termos de desempenho, cabendo ao montador escolher uma delas como
padrão para sua instalação. É boa prática que todos os cabos dentro de uma instalação
sigam o mesmo padrão de montagem.
       Um cabo cujas duas pontas usam a mesma montagem é denominado Direto ou
Paralelo, e serve para ligar estações de trabalho e roteadores a switches ou hubs. Um
cabo em que cada ponta é utilizada uma das montagens é denominado Crossover, e
serve para ligar equipamentos do mesmo tipo entre si.




         O alicate para fazer a conexão dos fios do cabo UTP com os pinos do conector
RJ-45 é o alicate de crimpagem com matriz RJ-45. Compre apenas alicates de
crimpagem de alta
qualidade e de boa
procedência. Alicates
baratos e de baixa
qualidade não
conseguem pressionar
igualmente todos os
pinos do RJ-45. Os
resultados de alicates
de baixa qualidade
são: problemas
intermitentes e de
difícil localização.



                                                                                        6
Cabo STP


        É o cabo de pares trançados
blindados. A sua impedância é de 150
ohms. Atualmente no mercado, é
encontrado em três tipos básicos de
construção: blindagem geral, pares
individualmente blindados e uma
combinação de blindagens.
        Este cabo tem aplicação em
ambientes ruidosos que exijam, além
da proteção magnética proporcionada
pelos pares trançados, uma proteção
elétrica e eletromagnética.
        O cabo STP é, normalmente,
usado em redes com topologia em
anel, como a rede Token Ring da IBM.




                                              7
Cabo de Fibra Óptica

        Um sistema de transmissão óptico consiste, basicamente, num LED ou num
diodo a laser como elemento transmissor, num filamento de sílica como meio de
transmissão e num fotodiodo como elemento receptor. Os diodos a laser são mais
eficientes e tem menor largura espectral que os LEDs. Os LEDs, por sua vez, são mais
baratos e têm um ciclo de vida maior que os lasers.
        A fibra óptica é composta de 3 seções: o núcleo, o revestimento secundário e o
revestimento externo. Como o próprio nome já diz, o núcleo é o centro da fibra de
vidro. O revestimento secundário envolve o núcleo e ajuda a manter a luz dentro do
mesmo. O revestimento externo é um material termoplástico geralmente de poliamida
(nylon).
        O núcleo é a área mais transmissiva da fibra em contraste com o revestimento
secundário que possui um índice menor de refração. O índice decrescente de refração
ajuda a inclinar a luz, desviando-a do centro do núcleo. Após se chocar com a fronteira
do núcleo com o revestimento secundário, a luz ricocheteia, devido à refração total que




ocorre, retornando para o centro do núcleo. As fibras ópticas utilizadas em redes são de
dois tipos: monomodo e multimodo.
        A fibra óptica monomodo é mais eficiente e tem um núcleo de diâmetro tão
pequeno (8 mícrons, um mícron equivale a um milionésimo de metro), que a luz no seu
interior se propaga em linha reta. Sua taxa de transmissão pode alcançar 100 Gbps na
distância de 1 km. Uma desvantagem desta fibra é que ela requer um diodo a laser como
elemento transmissor. Pode-se ter enlaces de fibra óptica monomodo de até 50 km sem
a necessidade de repetidores.




                                                                                          8
A fibra multimodo, por outro lado, é menos eficiente e mais barata que a fibra
monomodo. Esta é uma fibra mais impura que apresenta, em decorrência dessa




impureza e do diâmetro maior do núcleo (62,5 mícrons), vários feixes de luz em
diferentes ângulos de incidência. Sua taxa de transmissão chega a 1 Gbps numa
distância de 1 km. Os enlaces de fibra óptica multimodo em redes podem ter, no
máximo, 2 km. O elemento transmissor utilizado nesta fibra é o LED.

        O tipo de fibra óptica mais usado em redes Ethernet é o multimodo de índice
gradual com um diâmetro de núcleo de 62,5 mícrons e um diâmetro de revestimento
secundário de 125 mícrons.
        As fibras ópticas não são afetadas por interferência eletromagnéticas, e sua
transmissão em redes, é sempre unidirecional. São necessárias, portanto, duas fibras
para cada enlace, uma fibra para a
transmissão e outra para recepção.
         Os conectores de cabos
ópticos são: o ST, o SC e o SMA. O
conector ST é um conector que trava
por torção. O conector SC só pode
passar em uma única direção e não
pode girar em seu invólucro,
fornecendo acasalamento consistente.
O conector SMA é um conector de
estilo de parafuso rosqueado, sendo
comumente encontrado em
equipamentos Ethernet mais antigos.
O conector SC tem sido ultimamente,
o conector preferido em novas
instalações.




                                                                                       9

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cabo Coaxial e Par Trançado
Cabo Coaxial e Par TrançadoCabo Coaxial e Par Trançado
Cabo Coaxial e Par Trançado
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Cabo Coaxial e Par Trançado
Cabo Coaxial e Par TrançadoCabo Coaxial e Par Trançado
Cabo Coaxial e Par Trançado
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Cabos coaxiais elétricos
Cabos coaxiais elétricosCabos coaxiais elétricos
Cabos coaxiais elétricos
Daniel Pontes
 
Tipos de Cablagens de Rede
Tipos de Cablagens de RedeTipos de Cablagens de Rede
Tipos de Cablagens de Rede
scb.carlos
 
Tipos de cabos e conexões
Tipos de cabos e conexõesTipos de cabos e conexões
Redes 2 Cabo de par trançado
Redes 2 Cabo de par trançadoRedes 2 Cabo de par trançado
Redes 2 Cabo de par trançado
Cicero Roniel
 
Redes de computadores - Meios de Transmissão
Redes de computadores - Meios de TransmissãoRedes de computadores - Meios de Transmissão
Redes de computadores - Meios de Transmissão
Augusto Braz
 
Trabalho redes meios de transmissão
Trabalho redes   meios de transmissãoTrabalho redes   meios de transmissão
Trabalho redes meios de transmissão
César Augusto Pessôa
 
Cabos De Rede
Cabos De RedeCabos De Rede
Cabos De Rede
hallogui
 
Meios de transmissao
Meios de transmissaoMeios de transmissao
Meios de transmissao
Odair Fernandes
 
Meios de transmissao
Meios de transmissaoMeios de transmissao
Meios de transmissao
Nikoameer
 
Cabos de rede e suas categorias
Cabos de rede e suas categoriasCabos de rede e suas categorias
Cabos de rede e suas categorias
rphasaigg
 
Meios de transmissão
Meios de transmissãoMeios de transmissão
Meios de transmissão
baglungekanchi
 
Cabos de red eimei
Cabos de red eimeiCabos de red eimei
Cabos de red eimei
Kelly Dos Santos
 
Meios guiado de transmissão
Meios guiado de transmissãoMeios guiado de transmissão
Meios guiado de transmissão
Thiago Barros, PSM
 
Apresentacao ac -_redes
Apresentacao ac -_redesApresentacao ac -_redes
Apresentacao ac -_redes
brunofig94PT
 
Arquitectura de computadores
Arquitectura de computadoresArquitectura de computadores
Arquitectura de computadores
Gustavo Fernandes
 
Meio físicos de transmissão 1
Meio físicos de transmissão 1Meio físicos de transmissão 1
Meio físicos de transmissão 1
thereasonismile
 
Meios de transmissao
Meios de transmissaoMeios de transmissao
Meios de transmissao
elliasaguiar
 
Cablagem
CablagemCablagem
Cablagem
ffatimacaldeira
 

Mais procurados (20)

Cabo Coaxial e Par Trançado
Cabo Coaxial e Par TrançadoCabo Coaxial e Par Trançado
Cabo Coaxial e Par Trançado
 
Cabo Coaxial e Par Trançado
Cabo Coaxial e Par TrançadoCabo Coaxial e Par Trançado
Cabo Coaxial e Par Trançado
 
Cabos coaxiais elétricos
Cabos coaxiais elétricosCabos coaxiais elétricos
Cabos coaxiais elétricos
 
Tipos de Cablagens de Rede
Tipos de Cablagens de RedeTipos de Cablagens de Rede
Tipos de Cablagens de Rede
 
Tipos de cabos e conexões
Tipos de cabos e conexõesTipos de cabos e conexões
Tipos de cabos e conexões
 
Redes 2 Cabo de par trançado
Redes 2 Cabo de par trançadoRedes 2 Cabo de par trançado
Redes 2 Cabo de par trançado
 
Redes de computadores - Meios de Transmissão
Redes de computadores - Meios de TransmissãoRedes de computadores - Meios de Transmissão
Redes de computadores - Meios de Transmissão
 
Trabalho redes meios de transmissão
Trabalho redes   meios de transmissãoTrabalho redes   meios de transmissão
Trabalho redes meios de transmissão
 
Cabos De Rede
Cabos De RedeCabos De Rede
Cabos De Rede
 
Meios de transmissao
Meios de transmissaoMeios de transmissao
Meios de transmissao
 
Meios de transmissao
Meios de transmissaoMeios de transmissao
Meios de transmissao
 
Cabos de rede e suas categorias
Cabos de rede e suas categoriasCabos de rede e suas categorias
Cabos de rede e suas categorias
 
Meios de transmissão
Meios de transmissãoMeios de transmissão
Meios de transmissão
 
Cabos de red eimei
Cabos de red eimeiCabos de red eimei
Cabos de red eimei
 
Meios guiado de transmissão
Meios guiado de transmissãoMeios guiado de transmissão
Meios guiado de transmissão
 
Apresentacao ac -_redes
Apresentacao ac -_redesApresentacao ac -_redes
Apresentacao ac -_redes
 
Arquitectura de computadores
Arquitectura de computadoresArquitectura de computadores
Arquitectura de computadores
 
Meio físicos de transmissão 1
Meio físicos de transmissão 1Meio físicos de transmissão 1
Meio físicos de transmissão 1
 
Meios de transmissao
Meios de transmissaoMeios de transmissao
Meios de transmissao
 
Cablagem
CablagemCablagem
Cablagem
 

Destaque

Teoria slides - antenas e microondas
Teoria   slides - antenas e microondasTeoria   slides - antenas e microondas
Teoria slides - antenas e microondas
Diogo Edler Menezes
 
Par trançado e Fibra Optica
Par trançado e Fibra OpticaPar trançado e Fibra Optica
Par trançado e Fibra Optica
Anderson Zardo
 
Cabeamento 3 limitação de sinais nos meios de transmissão
Cabeamento 3   limitação de sinais nos meios de transmissãoCabeamento 3   limitação de sinais nos meios de transmissão
Cabeamento 3 limitação de sinais nos meios de transmissão
Paulo Fonseca
 
Ondas no espaço - rádio
Ondas no espaço - rádioOndas no espaço - rádio
Ondas no espaço - rádio
pedrotiago1315
 
Meios Físicos de Comunicação-Microondas
Meios Físicos de Comunicação-MicroondasMeios Físicos de Comunicação-Microondas
Meios Físicos de Comunicação-Microondas
Hélder Batista
 
80818966 livro-paulo-sergio-marin-cabeamento-estruturado-cap-1-2
80818966 livro-paulo-sergio-marin-cabeamento-estruturado-cap-1-280818966 livro-paulo-sergio-marin-cabeamento-estruturado-cap-1-2
80818966 livro-paulo-sergio-marin-cabeamento-estruturado-cap-1-2
Hilton Alves
 
Projeto de Rede Local (LAN)
Projeto de Rede Local (LAN)Projeto de Rede Local (LAN)
Projeto de Rede Local (LAN)
Ferramentas Didáticas
 
Normas de Cabeamento
Normas de CabeamentoNormas de Cabeamento
Normas de Cabeamento
Mary Kelly
 
Infraestrutura de Redes
Infraestrutura de RedesInfraestrutura de Redes
Infraestrutura de Redes
Leandro Machado
 
Apostila de infraestrutura de redes
Apostila de infraestrutura de redesApostila de infraestrutura de redes
Apostila de infraestrutura de redes
Josefran Ranniery
 

Destaque (10)

Teoria slides - antenas e microondas
Teoria   slides - antenas e microondasTeoria   slides - antenas e microondas
Teoria slides - antenas e microondas
 
Par trançado e Fibra Optica
Par trançado e Fibra OpticaPar trançado e Fibra Optica
Par trançado e Fibra Optica
 
Cabeamento 3 limitação de sinais nos meios de transmissão
Cabeamento 3   limitação de sinais nos meios de transmissãoCabeamento 3   limitação de sinais nos meios de transmissão
Cabeamento 3 limitação de sinais nos meios de transmissão
 
Ondas no espaço - rádio
Ondas no espaço - rádioOndas no espaço - rádio
Ondas no espaço - rádio
 
Meios Físicos de Comunicação-Microondas
Meios Físicos de Comunicação-MicroondasMeios Físicos de Comunicação-Microondas
Meios Físicos de Comunicação-Microondas
 
80818966 livro-paulo-sergio-marin-cabeamento-estruturado-cap-1-2
80818966 livro-paulo-sergio-marin-cabeamento-estruturado-cap-1-280818966 livro-paulo-sergio-marin-cabeamento-estruturado-cap-1-2
80818966 livro-paulo-sergio-marin-cabeamento-estruturado-cap-1-2
 
Projeto de Rede Local (LAN)
Projeto de Rede Local (LAN)Projeto de Rede Local (LAN)
Projeto de Rede Local (LAN)
 
Normas de Cabeamento
Normas de CabeamentoNormas de Cabeamento
Normas de Cabeamento
 
Infraestrutura de Redes
Infraestrutura de RedesInfraestrutura de Redes
Infraestrutura de Redes
 
Apostila de infraestrutura de redes
Apostila de infraestrutura de redesApostila de infraestrutura de redes
Apostila de infraestrutura de redes
 

Semelhante a Cabos e conectores

Aula - Cabeamentos
Aula - CabeamentosAula - Cabeamentos
Cabeamentos e conectores
Cabeamentos e conectores Cabeamentos e conectores
Cabeamentos e conectores
EMSNEWS
 
Aulas de rede
Aulas de redeAulas de rede
Aulas de rede
Luand Gadelha
 
4.1 - Par Trançado.ppt
4.1 - Par Trançado.ppt4.1 - Par Trançado.ppt
4.1 - Par Trançado.ppt
JoberthSilva
 
C:\Fakepath\Cablagem
C:\Fakepath\CablagemC:\Fakepath\Cablagem
C:\Fakepath\Cablagem
marleneamf
 
Apresentacao ac -_redes
Apresentacao ac -_redesApresentacao ac -_redes
Apresentacao ac -_redes
brunofig94PT
 
Cablagens
CablagensCablagens
Cablagens
Guimaraess
 
Cablagens
CablagensCablagens
Cablagens
Guimaraess
 
Meios fisicos de transmissao
Meios fisicos de transmissaoMeios fisicos de transmissao
Meios fisicos de transmissao
milanvassaramo
 
Montagem de Cabos Cross e Crossover
Montagem de Cabos Cross e CrossoverMontagem de Cabos Cross e Crossover
Montagem de Cabos Cross e Crossover
Raquel Kinupp
 
Cabos de rede
Cabos de redeCabos de rede
Cabos de rede
Rui Ferreira
 
Aula03 camada física - meios de transmissão
Aula03  camada física - meios de transmissãoAula03  camada física - meios de transmissão
Aula03 camada física - meios de transmissão
Carlos Veiga
 
Redes locais aula 03-cabeamento
Redes locais aula 03-cabeamentoRedes locais aula 03-cabeamento
Redes locais aula 03-cabeamento
Horacio Chilembo
 
Redes locais aula 03-cabeamento
Redes locais aula 03-cabeamentoRedes locais aula 03-cabeamento
Redes locais aula 03-cabeamento
Horacio Chilembo
 
Tarefa
TarefaTarefa
Tarefa
edlander
 
Meios fisicos
Meios fisicosMeios fisicos
Meios fisicos
sharik27
 
2 ficehiro
2 ficehiro2 ficehiro
2 ficehiro
sharik27
 
Cabeamento e conectores 3-unid
Cabeamento e conectores   3-unidCabeamento e conectores   3-unid
Cabeamento e conectores 3-unid
Iggor Lincolln
 
M4 ficha de trabalho 2 equipamento passivo
M4 ficha de trabalho 2   equipamento passivoM4 ficha de trabalho 2   equipamento passivo
M4 ficha de trabalho 2 equipamento passivo
gonxalox
 
Senai recife
Senai   recifeSenai   recife
Senai recife
Carlos Melo
 

Semelhante a Cabos e conectores (20)

Aula - Cabeamentos
Aula - CabeamentosAula - Cabeamentos
Aula - Cabeamentos
 
Cabeamentos e conectores
Cabeamentos e conectores Cabeamentos e conectores
Cabeamentos e conectores
 
Aulas de rede
Aulas de redeAulas de rede
Aulas de rede
 
4.1 - Par Trançado.ppt
4.1 - Par Trançado.ppt4.1 - Par Trançado.ppt
4.1 - Par Trançado.ppt
 
C:\Fakepath\Cablagem
C:\Fakepath\CablagemC:\Fakepath\Cablagem
C:\Fakepath\Cablagem
 
Apresentacao ac -_redes
Apresentacao ac -_redesApresentacao ac -_redes
Apresentacao ac -_redes
 
Cablagens
CablagensCablagens
Cablagens
 
Cablagens
CablagensCablagens
Cablagens
 
Meios fisicos de transmissao
Meios fisicos de transmissaoMeios fisicos de transmissao
Meios fisicos de transmissao
 
Montagem de Cabos Cross e Crossover
Montagem de Cabos Cross e CrossoverMontagem de Cabos Cross e Crossover
Montagem de Cabos Cross e Crossover
 
Cabos de rede
Cabos de redeCabos de rede
Cabos de rede
 
Aula03 camada física - meios de transmissão
Aula03  camada física - meios de transmissãoAula03  camada física - meios de transmissão
Aula03 camada física - meios de transmissão
 
Redes locais aula 03-cabeamento
Redes locais aula 03-cabeamentoRedes locais aula 03-cabeamento
Redes locais aula 03-cabeamento
 
Redes locais aula 03-cabeamento
Redes locais aula 03-cabeamentoRedes locais aula 03-cabeamento
Redes locais aula 03-cabeamento
 
Tarefa
TarefaTarefa
Tarefa
 
Meios fisicos
Meios fisicosMeios fisicos
Meios fisicos
 
2 ficehiro
2 ficehiro2 ficehiro
2 ficehiro
 
Cabeamento e conectores 3-unid
Cabeamento e conectores   3-unidCabeamento e conectores   3-unid
Cabeamento e conectores 3-unid
 
M4 ficha de trabalho 2 equipamento passivo
M4 ficha de trabalho 2   equipamento passivoM4 ficha de trabalho 2   equipamento passivo
M4 ficha de trabalho 2 equipamento passivo
 
Senai recife
Senai   recifeSenai   recife
Senai recife
 

Cabos e conectores

  • 1. CABOS E CONECTORES
  • 2. A escolha do cabeamento é um elemento crucial na definição da qualidade do serviço prestado por uma rede. A elevada frequência de alteração da posição das estações, a inclusão de novas estações, a desativação de estações, tudo isso, com o decorrer do tempo mostra a necessidade de uma boa escolha. Os tipos de cabos mais utilizados em LANs são o cabo de pares trançados (UTP), o cabo coaxial e a fibra óptica. Cabo Coaxial Grosso É o chamado thickwire. É um cabo coaxial com o núcleo de cobre mais grosso que o núcleo do cabo coaxial fino. Normalmente é utilizado como backbone (espinha dorsal) de uma rede Ethernet, sendo conectado verticalmente, pode conectar vários pavimentos de um prédio entre si. A especificação deste cabo é RG-8 e sua impedância intrínseca é de 50 ohms. É mais resistente a interferência e atenuação que o de pares trançados. O fator que dificulta sua instalação é devido a não ser flexível. O cabo RG-8 suporta o padrão 10BASE5 da rede Ethernet. As estações se conectam através de um transceptor grampeado no cabo. O transceptor tipo vampiro “morde” o cabo RG-8 com suas agulhas, sendo uma para o núcleo e outra para a malha. O funcionamento da rede não é interrompido por não ser necessária a abertura do cabo. O transceptor tem um conector AUI (Attachment Unit Interface) de 15 pinos (conector DB-15), também chamado de conector DIX. A distância mínina entre 2 transceptores é de 2,5m. O cabo que conecta a placa de rede da estação pode ter um comprimento de até 50m. Este cabo tem caído em desuso, sendo substituído progressivamente, em suas funções de backbone, pelo cabo de fibra óptica. 2
  • 3. Cabo Coaxial Fino É o chamado thinwire. Normalmente, é utilizado como cabo de distribuição horizontal numa rede Ethernet, provendo conexão para todos os nós de rede de um mesmo pavimento. A especificação deste cabo é RG-58 e sua impedância intrínseca é de 50 ohms. Também é mais resistente a interferência e atenuação que o de pares trançados. É um cabo flexível, de fácil instalação. O RG-58 suporta o padrão 10BASE2 da rede Ethernet, atendendo a uma quantidade máxima de 30 estações por segmento. As estações se conectam ao cabo através do conector BNC tipo T. Além disso, as estações nas extremidades do cabo devem ter terminadores de 50 ohms. 3
  • 4. O funcionamento da rede será interrompido para a instalação de um novo ponto, pelo motivo de ser necessária a abertura do cabo para a instalação. A distância mínima entre 2 conectores BNC tipo T no cabo coaxial fino é de 0,5m. O cabo RG-58 tem caído em desuso, sendo substituído progressivamente, em suas funções de cabo de interconexão horizontal, pelo cabo UTP. 4
  • 5. Cabo UTP É o cabo de pares trançados não blindados, cada par é composto por 2 fios de cobre trançados de maneira a minimizar a interferência de campos magnéticos externos e internos (dos pares trançados adjacentes). É o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes industriais devido ao fácil manuseio e instalação. Seu comprimento máximo é de 100m. Os cabos par trançado são muito comuns em equipamentos para internet banda larga como ADSL E CATV para ligar a placa de rede nos Hubs, Switch ou Roteador. Estes equipamentos geralmente são instalados com cabo UTP Categoria 5 e 5e. Há 2 tipos de cabo UTP: rígido e flexível. O UTP rígido é usado no cabeamento horizontal, isto é, nos cabos que levam sinal do painel de conexão (patch panel) às tomadas de telecomunicações. Já o flexível é utilizado nos cordões de linha (line cords) que conectam as estações às tomadas de telecomunicações e nos cordões de conexão (patch cords) que conectam o painel de conexão ao Hub ou Switch. As taxas usadas nas redes com o cabo de pares trançados são: 10 Mbps (Ethernet); 100 Mbps (Fast Ethernet); ou 1000 Mbps (Gigabit Ethernet). 10 Gbps (10 Gigabit Ethernet). As cores dos fios são: Laranja e Branco; Laranja; Verde e Branco; Azul; Azul e Branco; Verde; Castanho (ou Marrom) e Branco; Castanho (ou Marrom). 5
  • 6. É importante que a sequência de cores seja respeitada ao se montar um cabo. Caso contrário, pode haver perda parcial ou total de pacotes, principalmente em cabos de mais de 3 metros. A norma EIA/TIA-568-B prevê duas montagens para os cabos, denominadas T568A e T568B. A montagem T568A usa a sequência branco e verde, verde, branco e laranja, azul, branco e azul, laranja, branco e castanho, castanho. A montagem T568B usa a sequência branco e laranja, laranja, branco e verde, azul, branco e azul, verde, branco e castanho, castanho. As duas montagens são totalmente equivalentes em termos de desempenho, cabendo ao montador escolher uma delas como padrão para sua instalação. É boa prática que todos os cabos dentro de uma instalação sigam o mesmo padrão de montagem. Um cabo cujas duas pontas usam a mesma montagem é denominado Direto ou Paralelo, e serve para ligar estações de trabalho e roteadores a switches ou hubs. Um cabo em que cada ponta é utilizada uma das montagens é denominado Crossover, e serve para ligar equipamentos do mesmo tipo entre si. O alicate para fazer a conexão dos fios do cabo UTP com os pinos do conector RJ-45 é o alicate de crimpagem com matriz RJ-45. Compre apenas alicates de crimpagem de alta qualidade e de boa procedência. Alicates baratos e de baixa qualidade não conseguem pressionar igualmente todos os pinos do RJ-45. Os resultados de alicates de baixa qualidade são: problemas intermitentes e de difícil localização. 6
  • 7. Cabo STP É o cabo de pares trançados blindados. A sua impedância é de 150 ohms. Atualmente no mercado, é encontrado em três tipos básicos de construção: blindagem geral, pares individualmente blindados e uma combinação de blindagens. Este cabo tem aplicação em ambientes ruidosos que exijam, além da proteção magnética proporcionada pelos pares trançados, uma proteção elétrica e eletromagnética. O cabo STP é, normalmente, usado em redes com topologia em anel, como a rede Token Ring da IBM. 7
  • 8. Cabo de Fibra Óptica Um sistema de transmissão óptico consiste, basicamente, num LED ou num diodo a laser como elemento transmissor, num filamento de sílica como meio de transmissão e num fotodiodo como elemento receptor. Os diodos a laser são mais eficientes e tem menor largura espectral que os LEDs. Os LEDs, por sua vez, são mais baratos e têm um ciclo de vida maior que os lasers. A fibra óptica é composta de 3 seções: o núcleo, o revestimento secundário e o revestimento externo. Como o próprio nome já diz, o núcleo é o centro da fibra de vidro. O revestimento secundário envolve o núcleo e ajuda a manter a luz dentro do mesmo. O revestimento externo é um material termoplástico geralmente de poliamida (nylon). O núcleo é a área mais transmissiva da fibra em contraste com o revestimento secundário que possui um índice menor de refração. O índice decrescente de refração ajuda a inclinar a luz, desviando-a do centro do núcleo. Após se chocar com a fronteira do núcleo com o revestimento secundário, a luz ricocheteia, devido à refração total que ocorre, retornando para o centro do núcleo. As fibras ópticas utilizadas em redes são de dois tipos: monomodo e multimodo. A fibra óptica monomodo é mais eficiente e tem um núcleo de diâmetro tão pequeno (8 mícrons, um mícron equivale a um milionésimo de metro), que a luz no seu interior se propaga em linha reta. Sua taxa de transmissão pode alcançar 100 Gbps na distância de 1 km. Uma desvantagem desta fibra é que ela requer um diodo a laser como elemento transmissor. Pode-se ter enlaces de fibra óptica monomodo de até 50 km sem a necessidade de repetidores. 8
  • 9. A fibra multimodo, por outro lado, é menos eficiente e mais barata que a fibra monomodo. Esta é uma fibra mais impura que apresenta, em decorrência dessa impureza e do diâmetro maior do núcleo (62,5 mícrons), vários feixes de luz em diferentes ângulos de incidência. Sua taxa de transmissão chega a 1 Gbps numa distância de 1 km. Os enlaces de fibra óptica multimodo em redes podem ter, no máximo, 2 km. O elemento transmissor utilizado nesta fibra é o LED. O tipo de fibra óptica mais usado em redes Ethernet é o multimodo de índice gradual com um diâmetro de núcleo de 62,5 mícrons e um diâmetro de revestimento secundário de 125 mícrons. As fibras ópticas não são afetadas por interferência eletromagnéticas, e sua transmissão em redes, é sempre unidirecional. São necessárias, portanto, duas fibras para cada enlace, uma fibra para a transmissão e outra para recepção. Os conectores de cabos ópticos são: o ST, o SC e o SMA. O conector ST é um conector que trava por torção. O conector SC só pode passar em uma única direção e não pode girar em seu invólucro, fornecendo acasalamento consistente. O conector SMA é um conector de estilo de parafuso rosqueado, sendo comumente encontrado em equipamentos Ethernet mais antigos. O conector SC tem sido ultimamente, o conector preferido em novas instalações. 9