SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 62
Baixar para ler offline
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
O Processo de Formação do
Estado Português
 A Ocupação Islâmica (século VIII)
 As Guerras de Reconquista (a
partir do século XI - Cruzadas)
 A Aliança entre Afonso IV e
Henrique de Borgonha (Condado
Portucalense)
 A ação de D. Afonso Henriques
(Reino de Portucale – 1139/1143) –
Dinastia de Borgonha (1139-1383
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
O reinado de D. Fernando e o fim da dinastia de
Borgonha.
 Os conflitos políticos:
D. Beatriz/D. João (Castela) X D. João de Avis/Burguesia Mercantil.
 A Revolução de Avis (1383-1385): A Consolidação da autonomia
portuguesa.
 A aliança entre a Realeza e a Burguesia: superação da crise interna,
solução para a escassez de metais preciosos, busca de rotas
alternativas de comércio.
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
 Primeiro país europeu a conquistar centralização política, com a
Revolução de Avis (1383/85).
 Desenvolvimento das cidades portuguesas e da burguesia
comercial por ser um ponto importante na rota do comércio das
cidades italianas para o norte da Europa.
 Posição Geográfica favorável da Península Ibérica em relação ao
Oceano Atlântico.
 Conhecimento das atividades marítimas devido a prática da pesca
(especialmente do bacalhau).
 Mentalidade europeia de busca do Paraíso na Terra
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
“Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal
Por te cruzarmos, quantas mães
choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo
deu.
Mas nele é que espelhou o céu.”
(Fernando Pessoa,
Mar Português)
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
Navegar pelo Atlântico era aventurar-se no “mar tenebroso”, era dar um
salto no desconhecido: monstros e seres fantásticos eram alguns dos perigos
esperados.
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
Périplo Africano: estratégia portuguesa de alcançar o
Oriente contornando o litoral africano
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
Portugueses foram os primeiros a dominar a navegação em alto-mar
Se dom João organizou
viagens para conhecer
ventos e correntezas do
Atlântico Sul após a
viagem de Bartolomeu
Dias em 1488 e antes de
Tordesilhas, é possível
que seus exploradores
tenham visto indícios de
terra - ou até terra mesmo
- antes de 1494.
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PERÍODO COLONIAL
• Colônia de Exploração (fornecimento de gêneros
inexistentes na Europa).
• Latifúndio.
• Monocultura.
• Escravismo.
• Agroexportação.
• Pacto Colonial (monopólio de comércio da metrópole sobre
a colônia).
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
O PACTO COLONIAL
COLÔNIA METRÓPOLEMONOPÓLIO
Consumo de manufaturas
Envio de matéria-prima
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
O PERÍODO PRÉ-COLONIAL (1500 – 1530):
• BRASIL em segundo plano: comércio com as Índias + ausência
de metais preciosos.
• Pau-Brasil
– Fabricação de tintura para tecidos.
– Exploração nômade e predatória.
– Escambo com índios.
– Incursões estrangeiras (ESP e FRA).
• Expedições guarda-costas (fracasso). O PAU BRASIL
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
Mapa do Brasil
dando destaque
ao pau-brasil,
primeira riqueza
da colônia.
"Terra Brasilis", 1519, mapa
por Pedro Reinel e Lopo Homem, Atlas
Miller, Biblioteca Nacional de Paris
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
– Corsários franceses invadiam frequentemente terras no Brasil para fazer comércio com os
índios. Como a França era inimiga de Portugal na época, a amizade dos corsários com
algumas tribos indígenas dificultou a vida dos colonos portugueses.
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
• Colonização:
– Medo de perder as terras para invasores.
– Decadência do comércio com as Índias.
– Esperança de encontrar metais preciosos.
ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO BRASIL COLÔNIA
• As Capitanias Hereditárias:
– 15 lotes horizontais de terra entregues pelo rei a membros da
corte de sua confiança.
– Carta de Doação: documento que transferia a posse da terra.
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
– Capitão Donatário – aquele que recebe um dos lotes de terra.
– Carta Foral: direitos e deveres dos donatários.
Direitos – aplicar a justiça, escravizar índios e doar sesmarias.
Deveres – fundar povoados, cobrar impostos e defender o
território.
– Privilégios metropolitanos (Pacto Colonial):
100% sobre o Pau Brasil.
100% sobre as drogas do sertão.
20% sobre metais preciosos.
10% sobre a produção agrícola.
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
– Motivos para a aplicação deste tipo de organização:
POR já havia testado essa forma administração em suas
ilhas do Atlântico.
Transferência de despesas para particulares (POR não
gastava nada).
– Fracasso: falta de recursos e de interesse dos donatários +
distância excessiva da metrópole + invasões estrangeiras +
ataques de indígenas.
– Exceções: Pernambuco e São Vicente.
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
• Os Governos Gerais:
– Correção de erros das Capitanias .
– Centralização Administrativa.
– Cargos auxiliares: Ouvidor-mor (justiça), Provedor-mor
(tesouro – cobrança de impostos), Capitão-mor (defesa).
– Tomé de Souza (1549 – 1553): Salvador (capital), doação de
sesmarias, criação de engenhos, criação do primeiro bispado
do Brasil, vinda de jesuítas;.
– Duarte da Costa (1553 – 1558): atritos entre colonos e
jesuítas, bispo e governador, atritos com índios, invasão de
franceses ao RJ;
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
– Mem de Sá (1558 – 1572): restabelecimento da paz interna e
expulsão de franceses do RJ.
• As Câmaras Municipais:
– Instâncias de poder local.
– Homens bons (homens brancos e ricos proprietários de terra).
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
–1548:
centralização da
administração
colonial
–Incentivo à implantação de engenhos
–Reuniões dos indígenas
em povoados e vilas
–Estabelecimento de feiras
regulares
–Combate ao comércio ilegal de pau-brasil
–Organização e garantia
de rendas à Coroa
–Reforço da presença da
Coroa na colonização
–Modelo consolida o clientelismo,
prática comum até hoje na política brasileira
–3 As capitanias hereditárias e o governo-geral
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
–A partir da fundação da vila de São Vicente, os núcleos
de povoamento pontilharam o território brasileiro.
–Diversos órgãos
político-administrativos
–Câmara Municipal
–“Homens bons”
–Bases da administração
metropolitana
–Poder da elite colonial
–3 As capitanias hereditárias e o governo-geral
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
• A divisão da colônia:
– 1573 – 1578
Grande extensão territorial.
Perigo de invasões.
Brasil do Norte (Salvador*).
Brasil do Sul (Rio de Janeiro*).
– 1602 – 1612
* = capitais
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
– 1621 – 1675
Estado do Brasil
(Salvador*).
Estado do Maranhão
(São Luís*).
* = capitais
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
• As invasões francesas:
– Não reconhecimento do Tratado de Tordesilhas.
– Contrabando e pirataria.
– França Antártica (RJ – 1555 – 1567).
Fuga de huguenotes perseguidos.
Capitão Villegaignon (líder francês).
Estácio de Sá – sobrinho de Mem de Sá, responsável
pela expulsão dos franceses do RJ, com a ajuda dos
índios Tamoios e Tememinós.
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
– França Equinocial (MA 1612 – 1615).
União Ibérica – enfraquecimento de POR.
Empreendimento oficial da coroa francesa.
Fundação de São Luís.
Expulsos por coligação luso-espanhola.
• As invasões inglesas:
– Ataques de piratas e corsários.
– Sobretudo durante a União Ibérica.
– Cidades litorâneas (Santos e Recife).
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
1 - O CICLO DO AÇÚCAR
• Séc. XVI e XVII (auge).
• Nordeste (BA e PE).
• Litoral.
• Solo e clima favoráveis.
• Experiência de cultivo (Açores, Cabo Verde e Madeira).
• Mercado consumidor.
• Alto valor na Europa.
• Participação de capital holandês: financiamento da produção,
transporte, refino e distribuição na Europa.
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
A PRODUÇÃO
AÇUCAREIRA
NO BRASIL
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
• Engenhos (unidade produtiva básica):
– Casa Grande (residência do senhor de engenho e
família).
– Senzala (ambiente insalubre destinado aos escravos).
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
–O engenho de açúcar na primeira fase agrícola da colonização.
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
A importância do açúcar para esta região foi tamanha que
alguns mapas eram ilustrados com engenhos e plantações.
Gravura baseada em desenho de Frans Post, ilustração do livro de Gaspar Barleus, Rervm per
Octennivm in Brasilia et alibir nuper gesterum sub Illustrissimi Comitis I. Mavriti, Nassoviae…
(Amsterdam, J. Blaeu, 1647).
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
1- Casa-grande
2 - Capela
3- Senzala
4- Roda d’água
5- Moenda
6 - Fornalha
7- Caldeira 8- Purgar
9- Eito / Roça
10- Morada Trabalhadores livres
11 - Canavial
12- Roça dos Escravos
13- Transporte
de Cana
14- Transporte de
Lenha p/ Fornalha
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
• Sociedade Açucareira:
– Senhores.
– Escravos.
– Patriarcalismo.
– Ruralismo.
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
• Outros produtos:
– Suporte para a lavoura canavieira.
– GADO (exploração do interior, couro, tração, carne, leite,
pecuária extensiva, trabalho livre).
– FUMO (troca por escravos na África).
– DROGAS DO SERTÃO: produtos extraídos da floresta
amazônica com relativo valor na Europa, tais como anil,
guaraná, salsa, corantes, e sobretudo o cacau.
– Agricultura de Subsistência (complementar ao consumo)
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
A ECONOMIA
COLONIAL
NO SÉCULO
XVII
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
A pecuária
–Engenho de carne-seca, aquarela de Jean-Baptiste Debret, início do século XIX
–MUSEUSCASTROMAYA/IBPC,RIODEJANEIRO
 Originada no chamado gado de quintal
 Grande importância para o conjunto da economia interna colonial
 Século XVIII: proibição da criação de gado em faixa de 80 km
 Desbravamento do “grande sertão”
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
–Explorados a partir do
século XVIII
–Base econômica da
Amazônia
–O interesse português pelas drogas do sertão surge no
momento em que o comércio do Oriente entra em decadência.
–4 AAmérica portuguesa e o antigo sistema colonial
–Pau-cravo
–Baunilha
–Castanha-do-
pará
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
–4 AAmérica portuguesa e o antigo sistema colonial
–Guaraná –Cacau –Urucum
–FERNANDOFAVORETTO/CID
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
A “brecha camponesa”
–Mecanismo de controle e manutenção da ordem escravista
–Concessão de
pequenos lotes de terra
–Produção para
mercado interno
–Minimizar custo de manutenção e reprodução
da força de trabalho para o dono do escravo.
–Permitia ao cativo a compra de produtos.
–O pequeno lucro, quando acumulado,
possibilitava a compra da alforria.
–1 A escravidão e a sociedade colonial na América portuguesa
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
• Trabalho Escravo:
– ÍNDIOS: mais utilizados até aproximadamente 1560,
utilizados em lavouras menos desenvolvidas ou mais pobres.
– NEGROS: preferencialmente utilizados a partir de 1560,
mão-de-obra básica do Brasil durante todo o período colonial
e imperial. Utilizados acima de tudo pelo fato de
representarem uma fonte de lucro extra através do tráfico
de escravos. Além disso, os índios foram sendo exterminados
e o grau de evolução das comunidades negras era maior, pois
eles já conheciam a agricultura.
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
ESCRAVOS: OS PÉS E AS MÃOS DOS SENHORES
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
TRÁFICO DE ESCRAVOS: UM NEGÓCIO LUCRATIVO
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
CASTIGAR PARA DOMINAR
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
UNIÃO IBÉRICA E INVASÕES HOLANDESAS
• União Ibérica (1580 – 1640):
 Período em que Portugal e Espanha foram
governados pelos mesmos reis (Portugal ficou
sob domínio espanhol).
 D. Sebastião (Portugal) morre em 1578 sem
deixar sucessores. D. SEBASTIÃO
 D. Henrique, seu tio já idoso assume o trono e falece em
1580, também sem sucessores.
 Felipe II, rei da Espanha invade o país e impõe governo
conjunto.
 Possessões portuguesas passam a ser da Espanha.
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
A UNIÃO IBÉRICA
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
– Acordo com nobreza portuguesa determina manutenção de
órgãos administrativos portugueses nas colônias, portanto,
internamente não houve alterações no Brasil.
– Tratado de Tordesilhas começa a ser ultrapassado.
– Inimigos da Espanha na Europa invadem o Brasil em
represália ao governo espanhol.
– Holanda, um dos inimigos da Espanha, é impedida de fazer
comércio em qualquer possessão espanhola.
– Comércio do açúcar no Brasil que tinha participação holandesa
é atingido.
– Holandeses invadem o Brasil tentando romper o bloqueio
espanhol ao comércio de açúcar.
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
• As invasões holandesas (1624 – 1654):
– Tentativa de romper o bloqueio
econômico imposto pelo governo
espanhol ao comércio do açúcar.
– 1624 – Invasão da BA (fracasso).
– Criação da Companhia das Índias
Ocidentais – empresa holandesa
responsável por viabilizar recursos
para invadir novamente o Brasil.
– 1630 – 1654 – Invasão de PE (maior
centro mundial de produção
açucareira).
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
Maio de 1624
A Bahia, capital do Brasil,
foi escolhida pela
Companhia das Índias
Ocidentais para a sua
primeira investida
colonizadora nas terras da
América. A esquadra
holandesa, trazia 1.600
homens de armas e
marinheiros, divididos em
25 navios e em três iates
armados com cerca de
500 peças de artilharia.
–A esquadra Holandesa em Frente a
Salvador, Coleção P. M. Bardi, São Paulo.
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
Modernização e urbanização.
Embelezamento de cidades (com a vinda de artistas holandeses).
Financiamento para donos de engenho.
Liberdade de culto.
Demitido em 1644 pela Companhja das Índias Ocidentais.
MAURÍCIO DE NASSAU
Maurício de Nassau –
governante holandês responsável pelo
controle de PE e estabelecer um clima
amistoso com os brasileiros.
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
A chegada do conde João Maurício de Nassau-Siegen a
Pernambuco, em 1637, deu um novo impulso à colônia
instalada pela Cia das Índias Ocidentais no nordeste brasileiro.
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
• Seu governo foi marcado pela
tolerância
• Incentivou a produção açucareira,
vendendo a créditos os engenhos
abandonados, incentivando
melhores técnicas na produção.
• Embelezou Recife e fundou uma
nova cidade – Maurícia.
• Incentivou a vinda de cientistas,
intelectuais, artistas para o Brasil.
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
AS ANTILHAS
 Consequência da expulsão dos holandeses: início da crise do
ciclo do açúcar pois os holandeses ao saírem do Brasil
instalam-se nas Antilhas (América Central), produzindo lá um
açúcar mais barato e de melhor qualidade que o nosso.
 Insurreição Pernambucana (1645 – 1654): movimento luso-
brasileiro que expulsou os holandeses do Brasil.
BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822)
Prof. José Augusto Fiorin
MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da repúblicaFabiana Tonsis
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaEdenilson Morais
 
Slide reinos africanos
Slide reinos africanosSlide reinos africanos
Slide reinos africanosIsabel Aguiar
 
Brasil Império: Primeiro Reinado (1822-1831)
Brasil Império:   Primeiro Reinado (1822-1831)Brasil Império:   Primeiro Reinado (1822-1831)
Brasil Império: Primeiro Reinado (1822-1831)Edenilson Morais
 
Do bandeirantismo à exploração aurífera.
Do bandeirantismo à exploração aurífera.Do bandeirantismo à exploração aurífera.
Do bandeirantismo à exploração aurífera.Privada
 
Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Isaquel Silva
 
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismoPeríodo entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismoPortal do Vestibulando
 
Brasil Pré Colonial (1500 1530)
Brasil Pré Colonial (1500 1530)Brasil Pré Colonial (1500 1530)
Brasil Pré Colonial (1500 1530)dmflores21
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilFatima Freitas
 
Escravidão / Resistência
Escravidão / ResistênciaEscravidão / Resistência
Escravidão / ResistênciaJoemille Leal
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraNívia Sales
 

Mais procurados (20)

Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
 
Slide reinos africanos
Slide reinos africanosSlide reinos africanos
Slide reinos africanos
 
Brasil Império: Primeiro Reinado (1822-1831)
Brasil Império:   Primeiro Reinado (1822-1831)Brasil Império:   Primeiro Reinado (1822-1831)
Brasil Império: Primeiro Reinado (1822-1831)
 
Do bandeirantismo à exploração aurífera.
Do bandeirantismo à exploração aurífera.Do bandeirantismo à exploração aurífera.
Do bandeirantismo à exploração aurífera.
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
 
Colonizacao inglesa
Colonizacao inglesaColonizacao inglesa
Colonizacao inglesa
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismoPeríodo entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
Brasil Pré Colonial (1500 1530)
Brasil Pré Colonial (1500 1530)Brasil Pré Colonial (1500 1530)
Brasil Pré Colonial (1500 1530)
 
História do brasil
História do brasilHistória do brasil
História do brasil
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
 
Escravidão / Resistência
Escravidão / ResistênciaEscravidão / Resistência
Escravidão / Resistência
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
 

Destaque

História do brasil, invasões holandesas e francesa
História do brasil, invasões holandesas e francesaHistória do brasil, invasões holandesas e francesa
História do brasil, invasões holandesas e francesaÓcio do Ofício
 
História da Filosofia dos Pré Socráticos ao Helenismo
História da Filosofia   dos Pré Socráticos ao HelenismoHistória da Filosofia   dos Pré Socráticos ao Helenismo
História da Filosofia dos Pré Socráticos ao HelenismoLucio Oliveira
 
As origens e os principais teóricos da sociologia
As origens e os principais teóricos  da sociologiaAs origens e os principais teóricos  da sociologia
As origens e os principais teóricos da sociologiaLucio Oliveira
 
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & TricksHow to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & TricksSlideShare
 
Fase inicial da colonização (1530 1548)
Fase inicial da colonização (1530 1548)Fase inicial da colonização (1530 1548)
Fase inicial da colonização (1530 1548)Nara Oliveira
 
ApresentaçãO Faculdades
ApresentaçãO FaculdadesApresentaçãO Faculdades
ApresentaçãO FaculdadesLilian Larroca
 
Capitanias hereditarias
Capitanias hereditariasCapitanias hereditarias
Capitanias hereditariasLilian Larroca
 
Colonizacao E Reducoes
Colonizacao E ReducoesColonizacao E Reducoes
Colonizacao E ReducoesLilian Larroca
 

Destaque (20)

Educação 3.0
Educação 3.0Educação 3.0
Educação 3.0
 
Civilização Romana
Civilização RomanaCivilização Romana
Civilização Romana
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
 
História do brasil, invasões holandesas e francesa
História do brasil, invasões holandesas e francesaHistória do brasil, invasões holandesas e francesa
História do brasil, invasões holandesas e francesa
 
História da Filosofia dos Pré Socráticos ao Helenismo
História da Filosofia   dos Pré Socráticos ao HelenismoHistória da Filosofia   dos Pré Socráticos ao Helenismo
História da Filosofia dos Pré Socráticos ao Helenismo
 
As origens e os principais teóricos da sociologia
As origens e os principais teóricos  da sociologiaAs origens e os principais teóricos  da sociologia
As origens e os principais teóricos da sociologia
 
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & TricksHow to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
 
Fase inicial da colonização (1530 1548)
Fase inicial da colonização (1530 1548)Fase inicial da colonização (1530 1548)
Fase inicial da colonização (1530 1548)
 
ApresentaçãO Faculdades
ApresentaçãO FaculdadesApresentaçãO Faculdades
ApresentaçãO Faculdades
 
Revisao av1
Revisao av1Revisao av1
Revisao av1
 
Capitanias hereditarias
Capitanias hereditariasCapitanias hereditarias
Capitanias hereditarias
 
Pau brasil
Pau brasilPau brasil
Pau brasil
 
Capitanias
CapitaniasCapitanias
Capitanias
 
Cap 4 Recursos
Cap 4 RecursosCap 4 Recursos
Cap 4 Recursos
 
A origem dos gregos
A origem dos gregosA origem dos gregos
A origem dos gregos
 
Governos gerais
Governos geraisGovernos gerais
Governos gerais
 
Brasil colônia seculo XVII
Brasil colônia seculo XVIIBrasil colônia seculo XVII
Brasil colônia seculo XVII
 
A corrida espacial
A corrida espacialA corrida espacial
A corrida espacial
 
Escravos
EscravosEscravos
Escravos
 
Colonizacao E Reducoes
Colonizacao E ReducoesColonizacao E Reducoes
Colonizacao E Reducoes
 

Semelhante a Sistema colonial português no Brasil

1 brasil-colnia-i-1225490781072043-8
1 brasil-colnia-i-1225490781072043-81 brasil-colnia-i-1225490781072043-8
1 brasil-colnia-i-1225490781072043-8Marlon Novaes
 
03 O Mundo Colonial - Damilson Santos
03 O Mundo Colonial - Damilson Santos03 O Mundo Colonial - Damilson Santos
03 O Mundo Colonial - Damilson SantosDamilson Santos
 
Aspectos políticos da colonização
Aspectos políticos da colonizaçãoAspectos políticos da colonização
Aspectos políticos da colonizaçãoElton Zanoni
 
Brasil colônia
Brasil colôniaBrasil colônia
Brasil colôniaerivonaldo
 
Brasil colonial: O processo de independência
Brasil colonial:   O processo de independênciaBrasil colonial:   O processo de independência
Brasil colonial: O processo de independênciaEdenilson Morais
 
Brasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistasBrasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistasdmflores21
 
Grandes navegações e brasil colônia1
Grandes navegações e brasil colônia1Grandes navegações e brasil colônia1
Grandes navegações e brasil colônia1Centro Educacional 03
 
04. brasil aula sobre brasil colônia parte 4
04. brasil aula sobre brasil colônia parte 404. brasil aula sobre brasil colônia parte 4
04. brasil aula sobre brasil colônia parte 4Darlan Campos
 
15 história rafael - américa portuguesa
15 história   rafael  - américa portuguesa15 história   rafael  - américa portuguesa
15 história rafael - américa portuguesaRafael Noronha
 
15 história rafael - américa portuguesa
15 história   rafael  - américa portuguesa15 história   rafael  - américa portuguesa
15 história rafael - américa portuguesaRafael Noronha
 
Descobrimento da América portuguesa.
Descobrimento da América portuguesa.Descobrimento da América portuguesa.
Descobrimento da América portuguesa.Lara Lídia
 
05. brasil aula sobre brasil colônia parte 5
05. brasil aula sobre brasil colônia parte 505. brasil aula sobre brasil colônia parte 5
05. brasil aula sobre brasil colônia parte 5Darlan Campos
 

Semelhante a Sistema colonial português no Brasil (20)

1 brasil colônia i
1 brasil colônia i1 brasil colônia i
1 brasil colônia i
 
1 brasil-colnia-i-1225490781072043-8
1 brasil-colnia-i-1225490781072043-81 brasil-colnia-i-1225490781072043-8
1 brasil-colnia-i-1225490781072043-8
 
03 O Mundo Colonial - Damilson Santos
03 O Mundo Colonial - Damilson Santos03 O Mundo Colonial - Damilson Santos
03 O Mundo Colonial - Damilson Santos
 
Aspectos políticos da colonização
Aspectos políticos da colonizaçãoAspectos políticos da colonização
Aspectos políticos da colonização
 
4 brasil colônia iv
4  brasil colônia iv4  brasil colônia iv
4 brasil colônia iv
 
Brasil colônia
Brasil colôniaBrasil colônia
Brasil colônia
 
Brasil colonial: O processo de independência
Brasil colonial:   O processo de independênciaBrasil colonial:   O processo de independência
Brasil colonial: O processo de independência
 
Brasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistasBrasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistas
 
Grandes navegações e brasil colônia1
Grandes navegações e brasil colônia1Grandes navegações e brasil colônia1
Grandes navegações e brasil colônia1
 
Colonização do brasil
Colonização do brasilColonização do brasil
Colonização do brasil
 
04. brasil aula sobre brasil colônia parte 4
04. brasil aula sobre brasil colônia parte 404. brasil aula sobre brasil colônia parte 4
04. brasil aula sobre brasil colônia parte 4
 
2 brasil colônia ii
2  brasil colônia ii2  brasil colônia ii
2 brasil colônia ii
 
Colonização do Brasil.
Colonização do Brasil.Colonização do Brasil.
Colonização do Brasil.
 
15 história rafael - américa portuguesa
15 história   rafael  - américa portuguesa15 história   rafael  - américa portuguesa
15 história rafael - américa portuguesa
 
15 história rafael - américa portuguesa
15 história   rafael  - américa portuguesa15 história   rafael  - américa portuguesa
15 história rafael - américa portuguesa
 
3 brasil colônia iii
3  brasil colônia iii3  brasil colônia iii
3 brasil colônia iii
 
5 brasil colônia v
5 brasil colônia v5 brasil colônia v
5 brasil colônia v
 
Brasil colonia
Brasil coloniaBrasil colonia
Brasil colonia
 
Descobrimento da América portuguesa.
Descobrimento da América portuguesa.Descobrimento da América portuguesa.
Descobrimento da América portuguesa.
 
05. brasil aula sobre brasil colônia parte 5
05. brasil aula sobre brasil colônia parte 505. brasil aula sobre brasil colônia parte 5
05. brasil aula sobre brasil colônia parte 5
 

Último

QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 

Último (20)

QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 

Sistema colonial português no Brasil

  • 1. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
  • 2. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL O Processo de Formação do Estado Português  A Ocupação Islâmica (século VIII)  As Guerras de Reconquista (a partir do século XI - Cruzadas)  A Aliança entre Afonso IV e Henrique de Borgonha (Condado Portucalense)  A ação de D. Afonso Henriques (Reino de Portucale – 1139/1143) – Dinastia de Borgonha (1139-1383
  • 3. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL O reinado de D. Fernando e o fim da dinastia de Borgonha.  Os conflitos políticos: D. Beatriz/D. João (Castela) X D. João de Avis/Burguesia Mercantil.  A Revolução de Avis (1383-1385): A Consolidação da autonomia portuguesa.  A aliança entre a Realeza e a Burguesia: superação da crise interna, solução para a escassez de metais preciosos, busca de rotas alternativas de comércio.
  • 4. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL  Primeiro país europeu a conquistar centralização política, com a Revolução de Avis (1383/85).  Desenvolvimento das cidades portuguesas e da burguesia comercial por ser um ponto importante na rota do comércio das cidades italianas para o norte da Europa.  Posição Geográfica favorável da Península Ibérica em relação ao Oceano Atlântico.  Conhecimento das atividades marítimas devido a prática da pesca (especialmente do bacalhau).  Mentalidade europeia de busca do Paraíso na Terra
  • 5. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL “Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu. Mas nele é que espelhou o céu.” (Fernando Pessoa, Mar Português)
  • 6. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
  • 7. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL Navegar pelo Atlântico era aventurar-se no “mar tenebroso”, era dar um salto no desconhecido: monstros e seres fantásticos eram alguns dos perigos esperados.
  • 8. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL Périplo Africano: estratégia portuguesa de alcançar o Oriente contornando o litoral africano
  • 9. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
  • 10. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
  • 11. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL Portugueses foram os primeiros a dominar a navegação em alto-mar Se dom João organizou viagens para conhecer ventos e correntezas do Atlântico Sul após a viagem de Bartolomeu Dias em 1488 e antes de Tordesilhas, é possível que seus exploradores tenham visto indícios de terra - ou até terra mesmo - antes de 1494.
  • 12. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
  • 13. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
  • 14. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PERÍODO COLONIAL • Colônia de Exploração (fornecimento de gêneros inexistentes na Europa). • Latifúndio. • Monocultura. • Escravismo. • Agroexportação. • Pacto Colonial (monopólio de comércio da metrópole sobre a colônia).
  • 15. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL O PACTO COLONIAL COLÔNIA METRÓPOLEMONOPÓLIO Consumo de manufaturas Envio de matéria-prima
  • 16. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL O PERÍODO PRÉ-COLONIAL (1500 – 1530): • BRASIL em segundo plano: comércio com as Índias + ausência de metais preciosos. • Pau-Brasil – Fabricação de tintura para tecidos. – Exploração nômade e predatória. – Escambo com índios. – Incursões estrangeiras (ESP e FRA). • Expedições guarda-costas (fracasso). O PAU BRASIL
  • 17. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
  • 18. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL Mapa do Brasil dando destaque ao pau-brasil, primeira riqueza da colônia. "Terra Brasilis", 1519, mapa por Pedro Reinel e Lopo Homem, Atlas Miller, Biblioteca Nacional de Paris
  • 19. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL – Corsários franceses invadiam frequentemente terras no Brasil para fazer comércio com os índios. Como a França era inimiga de Portugal na época, a amizade dos corsários com algumas tribos indígenas dificultou a vida dos colonos portugueses.
  • 20. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL • Colonização: – Medo de perder as terras para invasores. – Decadência do comércio com as Índias. – Esperança de encontrar metais preciosos. ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO BRASIL COLÔNIA • As Capitanias Hereditárias: – 15 lotes horizontais de terra entregues pelo rei a membros da corte de sua confiança. – Carta de Doação: documento que transferia a posse da terra.
  • 21. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL – Capitão Donatário – aquele que recebe um dos lotes de terra. – Carta Foral: direitos e deveres dos donatários. Direitos – aplicar a justiça, escravizar índios e doar sesmarias. Deveres – fundar povoados, cobrar impostos e defender o território. – Privilégios metropolitanos (Pacto Colonial): 100% sobre o Pau Brasil. 100% sobre as drogas do sertão. 20% sobre metais preciosos. 10% sobre a produção agrícola.
  • 22. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL – Motivos para a aplicação deste tipo de organização: POR já havia testado essa forma administração em suas ilhas do Atlântico. Transferência de despesas para particulares (POR não gastava nada). – Fracasso: falta de recursos e de interesse dos donatários + distância excessiva da metrópole + invasões estrangeiras + ataques de indígenas. – Exceções: Pernambuco e São Vicente.
  • 23. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL • Os Governos Gerais: – Correção de erros das Capitanias . – Centralização Administrativa. – Cargos auxiliares: Ouvidor-mor (justiça), Provedor-mor (tesouro – cobrança de impostos), Capitão-mor (defesa). – Tomé de Souza (1549 – 1553): Salvador (capital), doação de sesmarias, criação de engenhos, criação do primeiro bispado do Brasil, vinda de jesuítas;. – Duarte da Costa (1553 – 1558): atritos entre colonos e jesuítas, bispo e governador, atritos com índios, invasão de franceses ao RJ;
  • 24. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL – Mem de Sá (1558 – 1572): restabelecimento da paz interna e expulsão de franceses do RJ. • As Câmaras Municipais: – Instâncias de poder local. – Homens bons (homens brancos e ricos proprietários de terra).
  • 25. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL –1548: centralização da administração colonial –Incentivo à implantação de engenhos –Reuniões dos indígenas em povoados e vilas –Estabelecimento de feiras regulares –Combate ao comércio ilegal de pau-brasil –Organização e garantia de rendas à Coroa –Reforço da presença da Coroa na colonização –Modelo consolida o clientelismo, prática comum até hoje na política brasileira –3 As capitanias hereditárias e o governo-geral
  • 26. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL –A partir da fundação da vila de São Vicente, os núcleos de povoamento pontilharam o território brasileiro. –Diversos órgãos político-administrativos –Câmara Municipal –“Homens bons” –Bases da administração metropolitana –Poder da elite colonial –3 As capitanias hereditárias e o governo-geral
  • 27. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL • A divisão da colônia: – 1573 – 1578 Grande extensão territorial. Perigo de invasões. Brasil do Norte (Salvador*). Brasil do Sul (Rio de Janeiro*). – 1602 – 1612 * = capitais
  • 28. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL – 1621 – 1675 Estado do Brasil (Salvador*). Estado do Maranhão (São Luís*). * = capitais
  • 29. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL • As invasões francesas: – Não reconhecimento do Tratado de Tordesilhas. – Contrabando e pirataria. – França Antártica (RJ – 1555 – 1567). Fuga de huguenotes perseguidos. Capitão Villegaignon (líder francês). Estácio de Sá – sobrinho de Mem de Sá, responsável pela expulsão dos franceses do RJ, com a ajuda dos índios Tamoios e Tememinós.
  • 30. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL – França Equinocial (MA 1612 – 1615). União Ibérica – enfraquecimento de POR. Empreendimento oficial da coroa francesa. Fundação de São Luís. Expulsos por coligação luso-espanhola. • As invasões inglesas: – Ataques de piratas e corsários. – Sobretudo durante a União Ibérica. – Cidades litorâneas (Santos e Recife).
  • 31. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
  • 32. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL 1 - O CICLO DO AÇÚCAR • Séc. XVI e XVII (auge). • Nordeste (BA e PE). • Litoral. • Solo e clima favoráveis. • Experiência de cultivo (Açores, Cabo Verde e Madeira). • Mercado consumidor. • Alto valor na Europa. • Participação de capital holandês: financiamento da produção, transporte, refino e distribuição na Europa.
  • 33. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL A PRODUÇÃO AÇUCAREIRA NO BRASIL
  • 34. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL • Engenhos (unidade produtiva básica): – Casa Grande (residência do senhor de engenho e família). – Senzala (ambiente insalubre destinado aos escravos).
  • 35. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL –O engenho de açúcar na primeira fase agrícola da colonização.
  • 36. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL A importância do açúcar para esta região foi tamanha que alguns mapas eram ilustrados com engenhos e plantações. Gravura baseada em desenho de Frans Post, ilustração do livro de Gaspar Barleus, Rervm per Octennivm in Brasilia et alibir nuper gesterum sub Illustrissimi Comitis I. Mavriti, Nassoviae… (Amsterdam, J. Blaeu, 1647).
  • 37. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL 1- Casa-grande 2 - Capela 3- Senzala 4- Roda d’água 5- Moenda 6 - Fornalha 7- Caldeira 8- Purgar 9- Eito / Roça 10- Morada Trabalhadores livres 11 - Canavial 12- Roça dos Escravos 13- Transporte de Cana 14- Transporte de Lenha p/ Fornalha
  • 38. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
  • 39. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL • Sociedade Açucareira: – Senhores. – Escravos. – Patriarcalismo. – Ruralismo.
  • 40. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL • Outros produtos: – Suporte para a lavoura canavieira. – GADO (exploração do interior, couro, tração, carne, leite, pecuária extensiva, trabalho livre). – FUMO (troca por escravos na África). – DROGAS DO SERTÃO: produtos extraídos da floresta amazônica com relativo valor na Europa, tais como anil, guaraná, salsa, corantes, e sobretudo o cacau. – Agricultura de Subsistência (complementar ao consumo)
  • 41. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
  • 42. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL A ECONOMIA COLONIAL NO SÉCULO XVII
  • 43. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL A pecuária –Engenho de carne-seca, aquarela de Jean-Baptiste Debret, início do século XIX –MUSEUSCASTROMAYA/IBPC,RIODEJANEIRO  Originada no chamado gado de quintal  Grande importância para o conjunto da economia interna colonial  Século XVIII: proibição da criação de gado em faixa de 80 km  Desbravamento do “grande sertão”
  • 44. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL –Explorados a partir do século XVIII –Base econômica da Amazônia –O interesse português pelas drogas do sertão surge no momento em que o comércio do Oriente entra em decadência. –4 AAmérica portuguesa e o antigo sistema colonial –Pau-cravo –Baunilha –Castanha-do- pará
  • 45. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL –4 AAmérica portuguesa e o antigo sistema colonial –Guaraná –Cacau –Urucum –FERNANDOFAVORETTO/CID
  • 46. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL A “brecha camponesa” –Mecanismo de controle e manutenção da ordem escravista –Concessão de pequenos lotes de terra –Produção para mercado interno –Minimizar custo de manutenção e reprodução da força de trabalho para o dono do escravo. –Permitia ao cativo a compra de produtos. –O pequeno lucro, quando acumulado, possibilitava a compra da alforria. –1 A escravidão e a sociedade colonial na América portuguesa
  • 47. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL • Trabalho Escravo: – ÍNDIOS: mais utilizados até aproximadamente 1560, utilizados em lavouras menos desenvolvidas ou mais pobres. – NEGROS: preferencialmente utilizados a partir de 1560, mão-de-obra básica do Brasil durante todo o período colonial e imperial. Utilizados acima de tudo pelo fato de representarem uma fonte de lucro extra através do tráfico de escravos. Além disso, os índios foram sendo exterminados e o grau de evolução das comunidades negras era maior, pois eles já conheciam a agricultura.
  • 48. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL ESCRAVOS: OS PÉS E AS MÃOS DOS SENHORES
  • 49. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL TRÁFICO DE ESCRAVOS: UM NEGÓCIO LUCRATIVO
  • 50. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
  • 51. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL CASTIGAR PARA DOMINAR
  • 52. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL UNIÃO IBÉRICA E INVASÕES HOLANDESAS • União Ibérica (1580 – 1640):  Período em que Portugal e Espanha foram governados pelos mesmos reis (Portugal ficou sob domínio espanhol).  D. Sebastião (Portugal) morre em 1578 sem deixar sucessores. D. SEBASTIÃO  D. Henrique, seu tio já idoso assume o trono e falece em 1580, também sem sucessores.  Felipe II, rei da Espanha invade o país e impõe governo conjunto.  Possessões portuguesas passam a ser da Espanha.
  • 53. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL A UNIÃO IBÉRICA
  • 54. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL – Acordo com nobreza portuguesa determina manutenção de órgãos administrativos portugueses nas colônias, portanto, internamente não houve alterações no Brasil. – Tratado de Tordesilhas começa a ser ultrapassado. – Inimigos da Espanha na Europa invadem o Brasil em represália ao governo espanhol. – Holanda, um dos inimigos da Espanha, é impedida de fazer comércio em qualquer possessão espanhola. – Comércio do açúcar no Brasil que tinha participação holandesa é atingido. – Holandeses invadem o Brasil tentando romper o bloqueio espanhol ao comércio de açúcar.
  • 55. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL
  • 56. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL • As invasões holandesas (1624 – 1654): – Tentativa de romper o bloqueio econômico imposto pelo governo espanhol ao comércio do açúcar. – 1624 – Invasão da BA (fracasso). – Criação da Companhia das Índias Ocidentais – empresa holandesa responsável por viabilizar recursos para invadir novamente o Brasil. – 1630 – 1654 – Invasão de PE (maior centro mundial de produção açucareira).
  • 57. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL Maio de 1624 A Bahia, capital do Brasil, foi escolhida pela Companhia das Índias Ocidentais para a sua primeira investida colonizadora nas terras da América. A esquadra holandesa, trazia 1.600 homens de armas e marinheiros, divididos em 25 navios e em três iates armados com cerca de 500 peças de artilharia. –A esquadra Holandesa em Frente a Salvador, Coleção P. M. Bardi, São Paulo.
  • 58. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL Modernização e urbanização. Embelezamento de cidades (com a vinda de artistas holandeses). Financiamento para donos de engenho. Liberdade de culto. Demitido em 1644 pela Companhja das Índias Ocidentais. MAURÍCIO DE NASSAU Maurício de Nassau – governante holandês responsável pelo controle de PE e estabelecer um clima amistoso com os brasileiros.
  • 59. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL A chegada do conde João Maurício de Nassau-Siegen a Pernambuco, em 1637, deu um novo impulso à colônia instalada pela Cia das Índias Ocidentais no nordeste brasileiro.
  • 60. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL • Seu governo foi marcado pela tolerância • Incentivou a produção açucareira, vendendo a créditos os engenhos abandonados, incentivando melhores técnicas na produção. • Embelezou Recife e fundou uma nova cidade – Maurícia. • Incentivou a vinda de cientistas, intelectuais, artistas para o Brasil.
  • 61. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL AS ANTILHAS  Consequência da expulsão dos holandeses: início da crise do ciclo do açúcar pois os holandeses ao saírem do Brasil instalam-se nas Antilhas (América Central), produzindo lá um açúcar mais barato e de melhor qualidade que o nosso.  Insurreição Pernambucana (1645 – 1654): movimento luso- brasileiro que expulsou os holandeses do Brasil.
  • 62. BRASIL COLÔNIA (1500 – 1822) Prof. José Augusto Fiorin MONTAGEM DO SISTEMA COLONIAL