O MUNDO COLONIAL (1500- 
1822) 
Prof. Damilson Santos
A História é uma ciência humana. Isso quer 
dizer que ela tem uma certa relatividade 
dependo muito da visão do historiado...
INTRODUÇÃO 
Prof. Damilson
PRÉ-COLONIAL (1500-1530) 
 Brasil em 2º plano 
Comércio com as Índias 
Ausência de metais preciosos 
 Pau-Brasil 
Fabric...
PRÉ-COLONIAL (1500-1530) 
 Colonização: 
Medo de perder as terras para 
invasores 
Decadência do comércio com as 
Índias ...
ESTRUTURA ADMINISTRATIVA 
 As Capitanias Hereditárias: 
13 lotes horizontais de terra entregues 
pelo rei a membros da co...
ESTRUTURA ADMINISTRATIVA 
 Os Direitos 
Aplicar a justiça 
Escravizar índios 
Doar sesmarias 
 Deveres 
Fundar povoados ...
ESTRUTURA ADMINISTRATIVA 
 Motivos para a aplicação deste tipo de 
organização: 
POR já havia testado essa forma administ...
ESTRUTURA ADMINISTRATIVA 
 Os Governos Gerais: 
Correção de erros das Capitanias 
Centralização Administrativa 
 Cargos ...
ESTRUTURA ADMINISTRATIVA 
 Duarte da Costa (1553-1558): 
atritos entre colonos e jesuítas, bispo e 
governador, atritos c...
ESTRUTURA ADMINISTRATIVA 
 Papel da igreja no projeto colonial: 
Catequese e Aldeamentos ou missões 
Papel dos jesuítas –...
CARACTERÍSTICAS 
 Colônia de exploração 
fornecimento de gêneros inexistentes na Europa 
 Monocultura 
 Agroexportação ...
O PACTO COLONIAL 
Envio de matéria-prima 
MONOPÓLIO 
Consumo de 
manufaturas 
Prof. Damilson
MERCANTILISMO 
 Receituário Econômico 
 Metalismo 
 Intervencionismo 
 Balança Comercial Favorável 
Prof. Damilson
A MONTAGEM DA EMPRESA 
AÇUCAREIRA 
A cana-de-açúcar 
“O Brasil é um dom do açúcar”
A MONTAGEM DA EMPRESA 
AÇUCAREIRA
A MONTAGEM DA EMPRESA 
AÇUCAREIRA 
 Fatores que possibilitaram o empreendimento 
Experiência 
 Açores, Cabo Verde e Made...
A MONTAGEM DA EMPRESA 
AÇUCAREIRA 
 Mercantilismo e o exclusivo comercial: 
Protecionismo 
Metalismo 
Exclusivismo comerc...
A MONTAGEM DA EMPRESA 
AÇUCAREIRA 
 No seu conjunto, e vista no plano mundial e internacional, 
a colonização dos trópico...
O ENGENHO COLONIAL 
 Engenhos = unidade produtiva básica 
Casa Grande: residência do senhor de engenho 
Senzala: ambiente...
O ENGENHO COLONIAL 
Profº Damilson
O ENGENHO COLONIAL 
Profº Damilson
O ENGENHO COLONIAL 
Profº Damilson
O ESCRAVISMO COLONIAL 
 O trabalho indígena 
 O trabalho do escravo africano 
Profº Damilson
A ORGANIZAÇÃO SOCIAL 
 Hierárquica, estamental, aristocrática 
 Litorânea, rural 
 Patrimonialista, Patriarcal 
 Escra...
A SOCIEDADE AÇUCAREIRA 
 Sociedade agrária, escravocrata e híbrida 
 O senhor de engenho 
 Os escravos 
 Patriarcalism...
PARTICIPAÇÃO POLÍTICA NA 
COLÔNIA 
 As câmaras municipais: 
Os “homens bons” (latifundiários) 
 Exclusão: 
Negros, mulhe...
APROFUNDAMENTO 
Sugestões de leituras específicas e dicas 
de filmes, documentários, seriados e 
vídeos sobre as temáticas...
LEITURAS 
 BOXER, C. R. O império marítimo português, 1415-1825. Trad. 
Annna Barreto. 2 ed. São Paulo: Companhia das Let...
FILMES 
 Anchieta, José do Brasil 
Brasil, 1978, 156 mim, Globo Vídeo. Dir.: Paulo César Sarraceni. 
 Com Ley Latorraca ...
A História é uma ciência humana. Isso quer 
dizer que ela tem uma certa relatividade 
dependo muito da visão do historiado...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

03 O Mundo Colonial - Damilson Santos

728 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
728
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

03 O Mundo Colonial - Damilson Santos

  1. 1. O MUNDO COLONIAL (1500- 1822) Prof. Damilson Santos
  2. 2. A História é uma ciência humana. Isso quer dizer que ela tem uma certa relatividade dependo muito da visão do historiador. A História tem uma lógica, tem normas, tem um processo, portanto, tem uma objetividade. A CIÊNCIA HISTÓRICA
  3. 3. INTRODUÇÃO Prof. Damilson
  4. 4. PRÉ-COLONIAL (1500-1530)  Brasil em 2º plano Comércio com as Índias Ausência de metais preciosos  Pau-Brasil Fabricação de tintura para tecidos Exploração nômade e predatória  Escambo com índios  Incursões estrangeiras (ESP e FRA)  Expedições guarda-costas (fracasso) Prof. Damilson
  5. 5. PRÉ-COLONIAL (1500-1530)  Colonização: Medo de perder as terras para invasores Decadência do comércio com as Índias Esperança de encontrar metais preciosos Prof. Damilson
  6. 6. ESTRUTURA ADMINISTRATIVA  As Capitanias Hereditárias: 13 lotes horizontais de terra entregues pelo rei a membros da corte de sua confiança  Carta de Doação Documento que transferia a posse da terra  Capitão Donatário Aquele que recebe um dos lotes de terra  Carta Foral Direitos e deveres dos donatários Prof. Damilson
  7. 7. ESTRUTURA ADMINISTRATIVA  Os Direitos Aplicar a justiça Escravizar índios Doar sesmarias  Deveres Fundar povoados Cobrar impostos Defender o território Prof. Damilson
  8. 8. ESTRUTURA ADMINISTRATIVA  Motivos para a aplicação deste tipo de organização: POR já havia testado essa forma administração em suas ilhas do Atlântico Transferência de despesas para particulares  Fracasso falta de recursos e de interesse dos donatários distância excessiva da metrópole invasões estrangeiras ataques de indígenas Exceções: Pernambuco e São Vicente Prof. Damilson
  9. 9. ESTRUTURA ADMINISTRATIVA  Os Governos Gerais: Correção de erros das Capitanias Centralização Administrativa  Cargos auxiliares: Ouvidor-mor (justiça) Provedor-mor (tesouro – cobrança de impostos) Capitão-mor (defesa)  Tomé de Souza (1549-1553): Salvador (capital), doação de sesmarias, criação de engenhos, criação do primeiro bispado do Brasil, vinda de jesuítas Prof. Damilson
  10. 10. ESTRUTURA ADMINISTRATIVA  Duarte da Costa (1553-1558): atritos entre colonos e jesuítas, bispo e governador, atritos com índios, invasão de franceses ao RJ  Mem de Sá (1558-1572): restabelecimento da paz interna e expulsão de franceses do RJ.  As Câmaras Municipais: Instâncias de poder local Homens bons (brancos e ricos proprietários) Prof. Damilson
  11. 11. ESTRUTURA ADMINISTRATIVA  Papel da igreja no projeto colonial: Catequese e Aldeamentos ou missões Papel dos jesuítas – principal ordem religiosa Branco/índio/negro Transformação e assimilação cultural:  Sincretismo religioso Prof. Damilson
  12. 12. CARACTERÍSTICAS  Colônia de exploração fornecimento de gêneros inexistentes na Europa  Monocultura  Agroexportação  Latifúndio  Escravismo  Pacto Colonial Monopólio de comércio da metrópole sobre a colônia Prof. Damilson
  13. 13. O PACTO COLONIAL Envio de matéria-prima MONOPÓLIO Consumo de manufaturas Prof. Damilson
  14. 14. MERCANTILISMO  Receituário Econômico  Metalismo  Intervencionismo  Balança Comercial Favorável Prof. Damilson
  15. 15. A MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA A cana-de-açúcar “O Brasil é um dom do açúcar”
  16. 16. A MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA
  17. 17. A MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA  Fatores que possibilitaram o empreendimento Experiência  Açores, Cabo Verde e Madeira Condições naturais propícias Procura no mercado europeu  Participação de capital holandês: financiamento da produção, transporte, refino e distribuição na Europa  Séc. XVI e XVII, Nordeste (BA e PE) Profº Damilson
  18. 18. A MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA  Mercantilismo e o exclusivo comercial: Protecionismo Metalismo Exclusivismo comercial: “Pacto colonial”  As “plantations” = latifúndio monocultor => Merc. Ext. escravo negro Profº Damilson
  19. 19. A MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA  No seu conjunto, e vista no plano mundial e internacional, a colonização dos trópicos toma o aspecto de uma vasta empresa comercial, mais complexa que a antiga feitoria, mas sempre com o mesmo caráter que ela, destinada a explorar os recursos naturais de um território virgem em proveito do comércio europeu. É este o verdadeiro sentido da colonização tropical, de que o Brasil é uma das resultantes; e ele explicará os elementos fundamentais, tanto no social como no econômico, da formação e evolução histórica dos trópicos americanos. Se vamos à essência da nossa formação, veremos que na realidade nos constituímos para fornecer açúcar, tabaco, alguns outros gêneros; mais tarde, ouro e diamante; depois algodão, e em seguida café, para o comércio europeu. Nada mais que isto.  PRADO JR., Caio. Sentido da Colonização. In: Formação do Brasil contemporâneo (Colônia). São Paulo: Brasiliense, 1976. Profº Damilson
  20. 20. O ENGENHO COLONIAL  Engenhos = unidade produtiva básica Casa Grande: residência do senhor de engenho Senzala: ambiente insalubre destinado aos escravos Profº Damilson
  21. 21. O ENGENHO COLONIAL Profº Damilson
  22. 22. O ENGENHO COLONIAL Profº Damilson
  23. 23. O ENGENHO COLONIAL Profº Damilson
  24. 24. O ESCRAVISMO COLONIAL  O trabalho indígena  O trabalho do escravo africano Profº Damilson
  25. 25. A ORGANIZAÇÃO SOCIAL  Hierárquica, estamental, aristocrática  Litorânea, rural  Patrimonialista, Patriarcal  Escravista Profº Damilson
  26. 26. A SOCIEDADE AÇUCAREIRA  Sociedade agrária, escravocrata e híbrida  O senhor de engenho  Os escravos  Patriarcalismo  Aristocrática Profº Damilson
  27. 27. PARTICIPAÇÃO POLÍTICA NA COLÔNIA  As câmaras municipais: Os “homens bons” (latifundiários)  Exclusão: Negros, mulheres e pobres Profº Damilson
  28. 28. APROFUNDAMENTO Sugestões de leituras específicas e dicas de filmes, documentários, seriados e vídeos sobre as temáticas trabalhadas. Prof. Damilson
  29. 29. LEITURAS  BOXER, C. R. O império marítimo português, 1415-1825. Trad. Annna Barreto. 2 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.  COUTO, Jorge. A gênese do Brasil. In: In: MOTA, Carlos Guilherme, (org.). Viagem incompleta. A experiência brasileira. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2000.  DEBRET, Jean Baptiste. Viagem pitoresca e histórica ao Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia: 1978, 4 vol.  FREIRE, Gilberto. Casa Grande & Senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 21a. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1981.  HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1989.  PRADO JR., Caio. Sentido da Colonização. In: Formação do Brasil contemporâneo (Colônia). São Paulo: Brasiliense, 1976.  PRADO, Paulo. Retrato do Brasil: ensaio sobre a tristeza brasileira. 4ª ed. Rio de Janeiro: Briguiet & Cia., 1931. Prof. Damilson
  30. 30. FILMES  Anchieta, José do Brasil Brasil, 1978, 156 mim, Globo Vídeo. Dir.: Paulo César Sarraceni.  Com Ley Latorraca no papel de Anchieta, o filme retrata a vida de apostolo do Brasil no seu trabalho de catequese dos indígenas.  Desmundo Brasil, 2001, 101 mim. Dir.: Alain Fresnot.  Este filme conta um pouco da História colonial do Brasil, retratando os índios, a mata e a instalação dos portugueses. O foco está sobre Oribela (Simone Spoladore), uma jovem de 15 anos que faz parte de grupos de órfãs trazidas para o Brasil para se casarem com os portugueses. Prof. Damilson
  31. 31. A História é uma ciência humana. Isso quer dizer que ela tem uma certa relatividade dependo muito da visão do historiador. A História tem uma lógica, tem normas, tem um processo, portanto, tem uma objetividade. A CIÊNCIA HISTÓRICA

×